Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1"

Transcrição

1 Aula 23 Juros Compostos. Motate e juros. Descoto Composto. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivaletes. Capitais equivaletes. Capitalização cotíua. Equivalêcia Composta de Capitais. Descotos: Descoto racioal composto e descoto comercial composto. 23. Juros Compostos Itrodução Coveções Liear e Expoecial Capitalização Cotíua Descoto Composto Descoto Composto Comercial ou Por Fora Descoto Racioal, Fiaceiro, Matemático ou Por Detro Descoto Bacário (D B ) Equivalêcia de Capitais e Séries de Pagameto (Redas Certas ou Auidades) Equivalêcia de Capitais Descoto Racioal Data de Equivalêcia o Futuro Data de Equivalêcia o Passado Equivalêcia de Capitais Descoto Comercial Data de Equivalêcia o Futuro Data de Equivalêcia o Passado Reda Postecipada Reda Atecipada Reda Diferida Tabelas Memorize para a prova Exercícios de Fixação Gabarito Exercícios de Fixação Cometados e Resolvidos

2 23. Juros Compostos Itrodução Na capitalização por juros compostos, os juros são calculados sobre o motate do capital (C) o período aterior (juros sobre juros), ou seja, o capital iicial de cada período é o capital do período aterior acrescido dos juros do período aterior. M = C. (1 + i) t J = M - C Ode, M = motate C = capital J = juros i = taxa de juros t = período (1 + i) t = fator de capitalização Exemplo: Qual o motate produzido por R$ ,00, à taxa de juros compostos de 2% ao mês, durate dez meses? Motate (M) = R$ ,00 Período (t) = 10 meses Taxa de Juros (i) = 2% ao mês = 2/100 = 0,02 ao mês M = C. (1 + i) t = x (1 + 0,02) 10 = x (1,02) 10 E agora. Como calcular (1,02) 10 sem tabela. Bom, vou te esiar um procedimeto que pode ser útil a hora da prova: 1) Calcule: 1,02 x 1,02 = 1,0404. Com isso, você já possui (1,02) 2. 2) Calcule: (1,02) 2 x (1,02) 2 (para facilitar, vamos utilizar os valores até a seguda casa decimal) = 1,04 x 1,04 = 1,0816. Com isso, você já possui (1,02) 4. 3) Calcule: (1,02) 4 x (1,02) 4 (para facilitar, vamos utilizar os valores até a seguda casa decimal) = 1,08 x 1,08 = 1,1664. Com isso, você já possui (1,02) 8. 4) Agora, basta calcular: (1,02) 8 x (1,02) 2 (para facilitar, vamos utilizar os valores até a seguda casa decimal) = 1,17 x 1,04 = 1,2168. Ufa, chegamos a (1,02) 10. M = x 1,2168 M = ,00 2

3 Nota: Quado for fazer uma aproximação dos úmeros para a seguda casa decimal, se o úmero da terceira casa decimal for meor que 5, deve ser matido o úmero da seguda casa decimal. Caso cotrário, se o úmero da terceira casa decimal for igual ou maior que 5, deve ser somada uma uidade ao úmero da seguda casa decimal. Exemplos: 1,1664 = 1,17 (6 > 5 úmero da seguda casa decimal = = 7) 1,1643 = 1,16 (4 < 5 úmero da seguda casa decimal = 6) Caso utilizássemos o valor tabelado ou calculássemos com todas as casas decimais, teríamos: (1,02) 10 = 1, M = x 1, M = ,94 (ou seja, o procedimeto os foreceu uma boa aproximação). Exemplo: Determiar o capital (C) que, aplicado à taxa composta de 9% ao mês, rede juros de R$ ,20 um uma aplicação de quatro meses. Juros (J) = ,20 Período (t) = 4 meses Taxa de Juros (i) = 9% ao mês = 9/100 = 0,09 ao mês J = M C = C. (1 + i) C = C. [(1 + i) 1] ,20 = C x [(1,09) 4 1] Novamete, vamos adotar o procedimeto de cálculo: 1) Calcule: 1,09 x 1,09 = 1,1881. Com isso, você já possui (1,09) 2. 2) 3) Calcule: (1,09) 2 x (1,09) 2 (para facilitar, vamos utilizar os valores até a seguda casa decimal) = 1,19 x 1,19 = 1,4161. Com isso, chegamos a (1,09) ,20 = C x [(1,09) 4 1] ,20 = C x (1,4161 1) C = ,20/0,4161 = Utilizado o valor tabelado, teríamos: (1,09) 4 = 1, ,20 = C.[(1,09) 4 1] ,20 = C.(1, ) C = ,20/0, =

4 Exemplo: Alfeu, um famoso ivestidor do mercado fiaceiro, aplicou uma certa quatia a bolsa de valores que, ao fial de quatro meses, redeu 46,41% de juros o regime de juros compostos. Se essa mesma quatia ficasse aplicada durate 10 meses, à mesma taxa e mesmo regime, quato rederia? Supodo que a quatia aplicada seja igual a 100. Capital (C) = 100 Juros (J) = Redimeto (Percetual) x Capital = 46,41% x 100 = 46,41 Período (t) = 4 Motate = M M = C + J = ,41 = 146,41 146,41 = 100 x (1 + i) 4 (1 + i) 4 = 1,4641 Se utilizarmos a tabela I, forecida ao fial do capítulo: Liha t = 4 (procurar o valor 1,4641) 8% 9% 10% 12% 15% 18% 4 1, , , , , , (1+ i) 4 = 1,4641 i = 10% ao mês Para achar a taxa de juros correspodete sem a utilização das tabelas teríamos que fazer por tetativa e erro, ou a questão deveria iformar, pelo meos, uma tabela resumida. No caso do exemplo, temos que i = 10% ao mês. Veja algus valores para i = 10% (muito comum de aparecer em prova). (1 + 10%) = (1,10) (1,10) 2 = 1,21 (1,10) 3 = 1,21 x 1,10 = 1,331 (1,10) 4 = 1,331 x 1,10 = 1,4641 (1,10) 5 = 1,4641 x 1,10 = 1,61051 Portato (1+ i) 4 = 1,4641 i = 10% ao mês A questão pede os juros se esta mesma quatia (100) fosse aplicada por 10 meses, utilizado a mesma taxa de juros: Período (t) = 10: M = 100 x (1 + 10%) 10 = 100 x (1 + 0,10) 10 = 100 x (1,10) 10 (1,10) 10 = (1,10) 5 x (1,10) 5 = 1,61 x 1,61 = 2,5921 M = 100 x 2,5921 = 259,21 J =M C = 259, = 159,21 Ou seja, o redimeto foi de: J(%) = 159,21/100 = 159,21% 4

5 Exemplo: QualoperíodoquedevemosaplicarumcapitaldeR$ ,00,a uma taxa de juros de 10% ao mês, de modo que o motate fial seja de R$ ,10? Motate (M) = R$ ,00 Período = t Taxa de Juros (i) = 10% ao mês M = C. (1 + i) t ,10 = x (1 + 10%) t (1 + 10%) t = ,10/ (1 + 10%) t = (1,10) t = 3, Agora temos que achar o período (t), de modo que (1,10) t seja igual a 3, Já vimos, o exemplo aterior, que: (1,10) 10 = (1,10) 5 x (1,10) 5 = 1,61 x 1,61 = 2,5921. Portato, t é maior que 10 meses. Vamos tetar t = 15 meses: (1,10) 15 =(1,10) 10 x(1,10) 5 =2,59x1,61=4,1699.Portato,témeor que 15 meses. Vamos tetar t = 12 meses: (1,10) 12 = (1,10) 10 x (1,10) 2 = 2,59 x 1,21 = 3,1339. Portato, t é maior que 12 meses. Só pode ser 13 meses ou 14 meses. Vamos tetar t = 13 meses: (1,10) 13 = (1,10) 12 x 1,10 = 3,13 x 1,10 = 3,443. Como fazemos sempre aproximações para a seguda casa decimal, este é o valor correto (mais próximo de 3,452271). Se, aida sim, ficar em dúvida, calcule o valor para t = 14 meses: (1,10) 14 =(1,10) 13 x1,10=3,44x1,10=3,784.portato,témeorque 14 meses. Se utilizarmos a tabela I, forecida ao fial do capítulo: Colua i = 10% (procurar a liha que correspoda ao valor 3,452271). 10% ( ) 9 2, , , , , , , ( ) (1 + 10%) t = 3, t = 13 meses 5

6 Já caiu em prova!(afrfb-2009-esaf) No sistema de juros compostos um capital PV aplicado durate um ao à taxa de 10 % ao ao com capitalização semestral resulta o valor fial FV. Por outro lado, o mesmo capital PV, aplicado durate um trimestre à taxa de it% ao trimestre resultará o mesmo valor fial FV, se a taxa de aplicação trimestral for igual a: a) 26,25 % b) 40 % c) 13,12 % d) 10,25 % e) 20 % I Situação 1: Capital = PV Período = 1 ao Taxa = 10% ao ao Capitalização Semestral = 10%/2 = 5% ao semestre Valor Fial = FV FV = PV. (1 + 5%) 2 FV = PV. (1,05) 2 II Situação 2: Capital = PV Período = 1 trimestre Taxa = it% ao trimestre Valor Fial = FV FV = PV. (1 + it%) Portato: (1 + it%) = (1,05) 2 = 1,1025 it = 1, =0,1025 it = 10,25% ao trimestre GABARITO: D Já caiu em prova!(aalista em Plaejameto, Orçameto e Fiaças Públicas-Sefaz/SP-2009-Esaf) Um capital C é aplicado à taxa de juros compostos de 2% ao mês. Qual o valor mais próximo do motate ao fim de um ao e meio? a) 1,27C b) 1,32C c) 1,43C d) 1,40C e) 1,37C Juros Compostos: M = C. (1 + i) i = 2% ao mês = 1 ao e meio = 12 meses + 6 meses = 18 meses (1 + i) = (1 + 2%) 18 = (1,02) 18 = 1, (Tabela I) = 1,43 M = C.1,43 = 1,43.C GABARITO: C 6

7 Memorize para a prova: Juros Compostos: os juros são calculados sobre o motate do capital (C) o período aterior (juros sobre juros), ou seja, o capital iicial de cada período é o capital do período aterior acrescido dos juros do período aterior. M = C. (1 + i) t J = M - C Ode, M = motate C = capital J = juros i = taxa de juros t = período (1 + i) t = fator de capitalização Coveções Liear e Expoecial Na coveção liear o capital é atualizado a juros compostos o úmero iteiro de períodos (t) e atualizado por juros simples o período fracioário (q). M = C. (1 + i) t. (1 + i. q) Por outro lado, a coveção expoecial o capital é atualizado a juros compostos o período total da aplicação. M = C. (1 + i) t+q Exemplo: Calcule o motate produzido por R$ ,00, durate o período de 5 meses e 20 dias, aplicados a uma taxa de capitalização composta de 15% ao mês. I Coveção Liear (seráutilizadaahoradaprova,ameosqueabaca iforme os valores do período fracioário para os juros compostos): Capital (C) = Período (t) = 5 meses + 20 dias = 5 meses + 20/30 meses Período (t) = 5 meses + 2/3 meses t = 5 meses q = 2/3 meses Taxa de Juros (i) = 15% ao mês M = x (1 + 15%) 5 x (1 + 15% x (2/3)) M = x (1 + 0,15) 5 x (1 + 0,10) M = x (1,15) 5 x (1,10) 7

8 Novamete, vamos adotar o procedimeto de cálculo: 1) Calcule: 1,15 x 1,15 = 1,3225. Com isso, você já possui (1,15) 2. 2) Calcule: (1,15) 2 x(1,15) 2 (parafacilitar,vamosutilizarosvaloresaté a seguda casa decimal) = 1,32 x 1,32 = 1,7424. Com isso, você já possui (1,15) 4. 3) Calcule: (1,15) 4 x (1,15) (para facilitar, vamos utilizar os valores até a seguda casa decimal) = 1,74 x 1,15 = 2,001. Com isso, chegamos a (1,15) 5. M = x 2,001 x 1,10 M = R$ ,00 II Coveção Expoecial: t = 5 meses + 20 dias = 5 meses + 20/30 meses = 5 meses + 2/3 meses t = (15 + 2)/3 = 17/3 meses M = x (1 + 15%) 5 x (1 + 15%) 2/3 M = x (1 + 15%) (5 + 2/3) = x (1,15) 17/3 = x 2, M = R$ ,73 para calcularmos (1,15) 17/3, somete com calculadora ou tabelas logarítmicas, pelo meos para a parte do expoete fracioário [(1,15) 17/3 = (1,15) 5 x (1,15) 2/3 ], a meos que a baca iforme o valor a hora da prova. Importate: Repare que, para períodos fracioários, o motate calculado pela coveção liear, que adota os juros simples, é maior que o motate calculado pela coveção expoecial, que adota juros compostos. Já caiu em prova!(admiistração-bdes-2008-cesgrario) Um idivíduo fez uma aplicação com taxa pré-fixada de 2,25% ao mês. Etretato, passados 20 dias, precisou fazer o resgate. Supoha que seja possível escolher etre os regimes de capitalização simples ou composto para realizar o resgate desse motate. Pode-se afirmar que o motate obtido: (A) pelo regime simples será igual ao capital iicial (ão haverá juros simples). (B) pelo regime composto será igual ao capital iicial (ão haverá juros compostos). (C) pelo regime composto será maior. (D) pelo regime simples será maior. (E) será o mesmo, cosiderado os dois regimes de capitalização. Como a questão o período é fracioário (20 dias, em relação a uma taxa mesal), temos que: O motate obtido pelo regime simples será maior. GABARITO: D 8

9 Memorize para a prova: Coveção Liear: o capital é atualizado a juros compostos o úmero iteiro de períodos (t) e atualizado por juros simples o período fracioário (q). M = C. (1 + i) t. (1 + i. q) Coveção Expoecial: o capital é atualizado a juros compostos o período total da aplicação. M = C. (1 + i) t+q Capitalização Cotíua Na verdade, a capitalização cotíua é um tipo de capitalização a juros compostos ode os juros auferidos em um istate de tempo t são imediatamete icorporados ao capital aplicado, produzido, por coseguite, os juros o istate de tempo t 1, e assim sucessivamete. Neste tipo de capitalização, o capital sofrerá variações em itervalos ifiitesimais de tempo, que é justamete o que a difere da capitalização a juros compostos, ode a variação de tempo é fiita. Neste tipo de capitalização utiliza-se a seguite fórmula: M = C. e i.t Ode: M = Motate; C = Capital Aplicado; e = úmero eperiao ou úmero de Euler = 2,718 (costate); i = taxa de juros; e t = período. Exemplo: Cosidere que o logaritmo eperiao de 2 é igual a 0,69. Aplicado um capital de R$ ,00 a uma taxa de 5% ao mês, com capitalização cotíua, verifica-se que o motate, o mometo do resgate, é igual a R$ ,00. Calcule o período de aplicação é igual a e = úmero eperiao Dado: l (logaritmo eperiao) 2 = 0,69 Capital Aplicado (C) = R$ ,00 Motate (M) = R$ ,00 Período = t Taxa de Juros Compostos (i) = 5% ao mês = 5/100 ao mês = 0,05 ao mês M = C. e i.t = x e (0,05 x t) / = e (0,05 x t) e (0,04 x t) = 2 Relembrado: Logaritmo da potêcia: log b x =. log b x 9

10 Exemplo: log = x 3 x = 3 2 x = 2 log = 2. log 3 3 = 2. 1 = 2 Logo, log = 2. log 3 3 Além disso, log b a = y a = b y. Portato, para calcularmos o l e, por exemplo, teríamos: l e = x e = e x Portato, x = 1, para que: e = e 1 = e. Aplicado o logaritmo eperiao em ambos os lados da equação: l e (0,05 x t) = l 2 (0,05 x t) x l e = 0,69 0,05 x t x 1 = 0,69 t = 0,69/0,05 t = 13,8 meses Já caiu em prova!(fiscal de Redas-SP-2009-FCC) Cosidere que o logaritmo eperiao de 1,8 é igual a 0,6. Aplicado um capital de R$ ,00 a uma taxa de 4% ao mês, com capitalização cotíua, verifica-se que o motate, o mometo do resgate, é igual a R$ ,00. O período de aplicação é igual a (A) 12 meses. (B) 15 meses. (C) 18 meses. (D) 21 meses. (E) 24 meses. A questão defiiu: Capitalização Cotíua M = C. e i.t Aplicado o logaritmo eperiao em ambos os lados da equação: l e (0,04 x t) = l 1,8 (0,04 x t) x l e = 0,6 0,04 x t x 1 = 0,6 t = 0,6/0,04 t = 15 meses GABARITO: B 10

11 Memorize para a prova: Capitalização Cotíua: éumtipodecapitalizaçãoajuroscompostosode os juros auferidos em um istate de tempo t são imediatamete icorporados ao capital aplicado, produzido, por coseguite, os juros o istate de tempo t 1, e assim sucessivamete. Neste tipo de capitalização, o capital sofrerá variações em itervalos ifiitesimais de tempo, que é justamete o que a difere da capitalização a juros compostos, ode a variação de tempo é fiita. Neste tipo de capitalização utiliza-se a seguite fórmula: M = C. e i.t Ode: M = Motate; C = Capital Aplicado; e = úmero eperiao ou úmero de Euler = 2,718 (costate); i = taxa de juros; e t = período Descoto Composto Relembrado, descoto (D) é a difereça etre o valor omial (valor do título) e o valor atual (valor de resgate do título), ou seja, são os juros pagos em virtude de ão ter respeitado o prazo de resgate de determiado título. Valor Nomial ou Valor de Face ou Valor Futuro ou Valor do Título (N) é o valor do título a data do vecimeto. Valor Atual ou Valor Descotado ou Valor do Resgate ou Valor Presete ou Valor Resgatado (A D ) é o valor do título a data do resgate Descoto Composto Comercial ou Por Fora O descoto composto comercial ou por fora é um descoto que icide sobre o valor omial (N), período a período. A = N. (1 i D ) t D c = N A = N N. (1 i D ) t = N. [1 - (1 i D ) t ] Ode, D c = descoto comercial i D = taxa de descoto comercial (juros simples) t = período restate até o vecimeto do título N = valor omial A = valor atual 11

12 Nota: - Quato maior o prazo etre a data do vecimeto do título e a data do resgate, meor será o valor atual do referido título (maior o descoto). - Quato meor o prazo etre a data do vecimeto do título e a data do resgate, maior será o valor atual do referido título (meor o descoto). Exemplo: Uma duplicata, o valor de R$ ,00, foi descotada dois meses ates de seu vecimeto. A taxa de descoto comercial composto aplicada foi de 10% ao mês. Qual o valor recebido? Valor Nomial (N) = R$ ,00 Período (t) = 2 meses Taxa de Juros (i D ) = 10% ao mês = 10/100 = 0,10 ao mês A = N. (1 i D ) t = x (1 0,10) 2 = x (0,90) 2 = Já caiu em prova!(aalista Admiistrativo-Ciêcias Cotábeis-ANP Cesgrario) A Empresa Vista Lida Ltda. descotou o Baco da Praça S/A uma duplicata o valor de R$ ,00 com 120 dias de prazo, a uma taxa de descoto composto de 2,5% ao mês. Com base os dados acima e cosiderado o ao comercial, os cálculos, o valor líquido creditado pelo Baco a cota correte da empresa, em reais, foi (A) ,08 (B) ,88 (C) ,61 (D) ,12 (E) ,21 A questão ão defiiu o tipo de descoto: esta questão, foi utilizado o descoto comercial composto. Valor Nomial da Duplicata (N) = R$ ,00 Período (t) = 4 meses Taxa de Juros (i D ) = 2,5% ao mês = 2,5/100 = 0,025 ao mês A = N. (1 i D ) t = x (1 0,025) 4 A = x (0,975) 4 A = x 0, A = ,21 GABARITO: E 12

13 Memorize para a prova: Descoto Composto Comercial ou por Fora: é um descoto que icide sobre o valor omial (N), período a período. A = N. (1 i D ) t D c = N A = N N. (1 i D ) t = N. [1 - (1 i D ) t ] Ode, D c = descoto comercial i D = taxa de descoto comercial (juros simples) t = período restate até o vecimeto do título N = valor omial A = valor atual Descoto Racioal, Fiaceiro, Matemático ou Por Detro O descoto racioal, fiaceiro, matemático ou por detro é o descoto que determia um valor atual (A d ) que, corrigido as codições de mercado, resulta em um motate igual ao valor omial. N = A. (1 + i r ) t A = N/(1 + i r ) t D r = N A = N - N/(1 + i r ) t = N. [1 1/(1 + i r ) t ] D r = N. [(1 + i r ) t 1]/(1 + i r ) t Ode, D r = descoto comercial i r = taxa de descoto comercial (juros simples) t = período restate até o vecimeto do título N = valor omial A = valor atual Exemplo: Uma duplicata, o valor de R$ ,00, foi descotada dois meses de seu vecimeto. A taxa de descoto racioal composto aplicada foi de 10% ao mês. Qual o valor recebido? Valor Nomial (N) = R$ ,00 Período (t) = 2 meses Taxa de Juros (i D ) = 10% ao mês = 10/100 = 0,10 ao mês A = N/(1 + i r ) t = /(1 + 0,10) 2 = /(1,10) 2 = 8.264,46 Importate: Nas mesmas codições: Descoto Comercial > Descoto Racioal Já caiu em prova!(aalista em Plaejameto, Orçameto e Fiaças Públicas-Sefaz/SP-2009-Esaf) Um título o valor de face de R$ 1.000,00 deve ser descotado três meses ates do seu vecimeto. Calcule o valor mais próximo do descoto racioal composto à taxa de descoto de 3% ao mês. 13

14 a) R$ 92,73 b) R$ 84,86 c) R$ 87,33 d) R$ 90,00 e) R$ 82,57 Descoto Racioal Composto: N = A.(1 + i) N = = 3 meses i = 3% ao mês N = A.(1 + i) = A.(1 + 3%) 3 = A.(1,03) 3 (1,03) 3 = 1, A = 1.000/(1,03) 3 = 1.000/1, = 915,14 Descoto Racioal = N A = ,14 = R$ 84,86 GABARITO: B Já caiu em prova!(profissioal Júior-Ciêcias Cotábeis-BR Distribuidora-2008) Um título de reda fixa deverá ser resgatado por R$ ,00 o seu vecimeto, que ocorrerá detro de 3 meses. Sabedo-se que o redimeto desse título é de 1,25% ao mês (juros compostos), seu valor presete, em reais, é (A) 9.638,55 (B) 9.634,18 (C) 9.625,00 (D) 9.555,65 (E) 9.333,33 Ateção! Nesta questão ão foi defiido o tipo de descoto e foi adotado o descoto racioal composto. Valor Nomial (N) = R$ ,00 Período (t) = 3 meses Taxa de Juros (i r ) = 1,25% ao mês = 1,25/100 = 0,0125 ao mês A = N/(1 + i r ) t = /(1 + 0,0125) 3 A = /(1,0125) 3 A = /1, A = 9.634,18 GABARITO: B 14

15 Memorize para a prova: Descoto Racioal, Fiaceiro, Matemático ou Por Detro: é o descoto que determia um valor atual (A d ) que, corrigido as codições de mercado, resulta em um motate igual ao valor omial. N = A. (1 + i r ) t A = N/(1 + i r ) t D r = N A = N - N/(1 + i r ) t = N. [1 1/(1 + i r ) t ] D r = N. [(1 + i r ) t 1]/(1 + i r ) t Ode, D r = descoto comercial i r = taxa de descoto comercial (juros simples) t = período restate até o vecimeto do título N = valor omial A = valor atual Descoto Bacário (D B ) O descoto bacário correspode ao descoto comercial acrescido de taxas bacárias sobre o valor omial. D B = D c + e. N Ode, e = ecargos bacários Exemplo: Uma duplicata, o valor de R$ ,00, foi descotada dois meses ates de seu vecimeto. A taxa de descoto comercial composto aplicada foi de 10% ao mês. Aida houve despesas bacárias de 5%. Qual o valor do descoto bacário? Valor Nomial (N) = R$ ,00 Período (t) = 2 meses Taxa de Juros (i D ) = 10% ao mês = 10/100 = 0,10 ao mês Despesas Bacárias (e) = 5% A = N. (1 i D ) t = x (1 0,10) 2 = x (0,90) 2 = D c = N A = = D B = D c + e. N = % x = =

16 Memorize para a prova: Descoto Bacário: correspode ao descoto comercial acrescido de taxas bacárias sobre o valor omial. D B = D c + e. N Ode, e = ecargos bacários Equivalêcia de Capitais e Séries de Pagameto (Redas Certas ou Auidades) Equivalêcia de Capitais Descoto Racioal Data de Equivalêcia o Futuro A N N = A. (1 + i) t T T + t N = valor omial A = valor atual i = taxa de juros t = período Data de Equivalêcia o Passado A N A = N/(1 + i) t T T + t Exemplo: Luíza adquiriu um equipameto e vai pagá-lo em duas prestações iguais de R$ 3.564,00 com vecimetos em 30 e 60 dias, calculadas a juros compostos, a uma taxa mesal de 10%. Na data do vecimeto da primeira prestação, Luíza propõe uma repactuação da dívida, em pagametos iguais, com vecimeto ao fial de 60 e 90 dias, matidos o sistema de capitalização e a taxa mesal de juros. Se a proposta apresetada matém o valor à vista do equipameto, calcule o valor dessa ova prestação, desprezado os cetavos, utilizado descoto simples racioal. Prestações (duas) = Taxa de Juros (i) = 10% ao mês (juros compostos) = 10/100 = 0,10 ao mês 16

17 Data Focal t 1 = 30 dias = 1 mês P 1 = t 2 = 60 dias = 2 meses P 2 = t 3 = 90 dias = 3 meses P t 4 = 120 dias = 4 meses P P Repare que os vecimetos das ovas prestações correspodem a 90 dias (60 dias após a data de vecimeto da primeira prestação) e 120 dias (90 dias após a data de vecimeto da primeira prestação) ( 1 0, 1 0 ) ( 1 0, 1 0 ) = P + ( 1 0, 1 0 ) ( 1 0, 1 0 ) , 1 0 ( 1, 1 0 ) = P + ( 1, 1 0 ) ( 1, 1 0 ) 1, , P 2 4 ( 1, 1 0 ) = ( 1, 1 0 ) 1, , = P 2 ( 1, 1 0 ) 2 2 ( 1, 1 0 ) ( 1, 1 0 ) 2 P= (1,10) P= , 21 = 4.312, 44 Nota: 1 1 1, 1 0 ( 1, 1 0 ) + : Para fazer a cota acima, achei o Míimo Múltiplo Comum 2 (MMC) dos deomiadores 1,10 e (1,10) 2 (o caso, é (1,10) 2 ). Portato: , = 2 2 1, 1 0 ( 1, 1 0 ) ( 1, 1 0 ) Já caiu em prova! (AFRF-2005-Esaf) Aa quer veder um apartameto por R$ ,00 a vista ou fiaciado pelo sistema de juros compostos a taxa de 5% ao semestre. Paulo está iteressado em comprar esse apartameto e propõe à Aa pagar os R$ ,00 em duas parcelas iguais, com vecimetos a cotar a partir da compra. A primeira parcela com vecimeto em 6 meses e a seguda com vecimeto em 18 meses. Se Aa aceitar a proposta de Paulo, etão, sem cosiderar os cetavos, o valor de cada uma das parcelas será igual a: 17

18 a) R$ ,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00 d) R$ ,00 e) R$ , i = 5% ao semestre 6 meses = 1 semestre = 1 18 meses = 3 semestres = 3 P P P P P P = + = + => ( 1 + i ) ( 1 + i) ( 1, 0 5 ) ( 1, 0 5 ) 2 1, , => = P.. 1, , 0 5 = P = P=> 1, => P= = ,80 1, GABARITO: A Memorize para a prova: Equivalêcia de Capitais Descoto Racioal Equivalêcia o Futuro: N = A. (1 + i) t Equivalêcia o Passado: A = N/(1 + i) t 18

19 Equivalêcia de Capitais Descoto Comercial Data de Equivalêcia o Futuro A N N = A/(1 i) t T T + t N = valor omial A = valor atual i = taxa de juros t = período Data de Equivalêcia o Passado A N A = N. (1 i) t T T + t Exemplo: João precisa resgatar dois títulos. Um o valor de R$ ,00 com prazo de vecimeto de dois meses, e outro de R$ ,00 com prazo de vecimeto de três meses. Não tedo codições de resgatá-los os respectivos vecimetos, Edgar propõe ao credor substituir os dois títulos por um úico, com vecimeto em quatro meses. Sabedo-se que a taxa de descoto comercial composto é de 4% ao mês, o valor omial do ovo título, sem cosiderar os cetavos, será igual a: Descoto Comercial Simples (D) Taxa de Juros (i) = 4% ao mês = 4/100 = 0,04 ao mês Dois títulos R$ ,00 (2 meses) e R$ ,00 (3 meses) substituir por um úico com vecimeto em 4 meses. N 0 2 meses 3 meses 4 meses

20 Curso Olie - Raciocíio Lógico-Quatitativo para Levado tudo para o período t = 0: (1 0,04) (1 0,04) (1 0, 04) = N (0,96) (0,96) = N (0,96) 2 (0,96) N = ,96 = = N = = = (0,96) 0,9216 Nota: Repare que, como (0,96) 2 aparece em todos os termos da equação, foi possível dividir tudo por (0,96) (0,96) (0,96) = N (0,96) Dividido por (0,96) (0,96) = N (0,96) Memorize para a prova: Equivalêcia de Capitais Descoto Comercial Equivalêcia o Futuro: N = A/(1 i) t Equivalêcia o Passado: A = N. (1 i) t Reda Postecipada Uma reda postecipada correspode à série uiforme de pagametos periódicos em que o primeiro pagameto ocorre um período após o egócio. A R A = valor da reda R = valor da prestação = úmero de prestações i = taxa de juros R R R R R R R A = i i i i 2 1 ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) 20

21 A partir da fórmula acima, chegaremos ao seguite resultado: ( 1 + i) 1 A = R. i.(1 i) + ( 1 + i) 1 i.(1 + i) Fator de Valor Atual (FVA) ou Fator de Valor Presete (FVP) A = R x FVA ( 1 ) + i 1 O termo a(;i) = i.(1 + i) 1 (1 + i capítulo) e também pode ser apresetado como i Logo, A = R. a(;i). é tabelado (tabela II forecida o fial do Exemplo: Um empréstimo cotraído o iício de abril, o valor de R$ ,00, deve ser pago em dezoito prestações mesais e iguais, a uma taxa de juros compostos de 2% ao mês, vecedo a primeira prestação o fial de abril, a seguda o fial de maio, e assim sucessivamete. Calcule o valor da prestação. Dado: [(1,02) 18 1]/[0,02 x (1,02) 18 ] = 14, ) P P P P P Aqui, vou apresetar a dedução da fórmula: (I) = P x [1/(1+i) + 1/(1+i) /(1+i) 18 ] (II) (1+i) x = P x [1 + 1/(1+i) /(1+i) 17 ] (II) (I) i x = P x[1-1/(1+i) 18 ] = P x [(1+i) 18 1]/[i x (1+i) 18 ] x(1+i) Nesta situação, a questão teria que iformar o valor de [(1+i) 18 1]/[i x (1+i) 18 ], para i = 2% ao mês. Neste exemplo, temos como dado: [(1,02) 18 1]/[0,02 x (1,02) 18 ] = 14, Portato = P x 14,9920 P = 1.000,53 Se a questão ão iformasse o valor da expressão acima, poderíamos utilizar a tabela II, forecida ao fial do capítulo: [(1+i) 18 1]/[i x (1+i) 18 ], para i = 2% e = 18 a(; i) a(18;2%) = Fator de Valor Atual = 14, = P x 14,9920 P = 1.000,

22 Caso quiséssemos calcular o total pago imediatamete após o último pagameto (motate de valor futuro), teríamos: A F A = valor da reda R = valor da prestação R = úmero de prestações i = taxa de juros F = motate de valor futuro R R R F = A.(1 + i) ( 1 + i ) 1 ( 1 + i) 1 F = R..(1 + i ) = R. i.(1 + i ) i ( 1 + i) 1 i Fator de Acumulação de Capital (FAC) ou Fator de Valor Futuro F = R x FAC ( 1 + i ) 1 O termo s(;i) = i capítulo). Logo, F = R. s(;i). é tabelado (tabela III forecida ao fial do Exemplo: No exemplo aterior, se quiséssemos calcular o motate pago após o último pagameto, teríamos: = 18, i =2% ao mês, P = 1.000,53. Dado: [(1,02) 18 1]/0,02 = 21, ( 1 + i) 1 ( % ) 1 F = P. = 1.000,53 i 2% F = 1.000,53 x 21, = ,66 Se a questão ão iformasse o valor da expressão acima, poderíamos utilizar a tabela III, forecida ao fial do capítulo: 18 ( 1 + i) 1 ( % ) 1 F = P. = 1.000,53 = 1.000,53 x s(18;2%) i 2% F = 1.000,53 x 21, (tabela III) = ,66 Exemplo: No exemplo aterior, se quiséssemos calcular o motate pago um mês após o último pagameto, teríamos: = = 19, i =2% ao mês, P = 1.000,53. Dado: [(1,02) 19 1]/0,02 = 22,

23 19 ( 1 + i) 1 ( % ) 1 F = P. = 1.000,53 i 2% F = 1.000,53 x 22, = ,66 Se a questão ão iformasse o valor da expressão acima, poderíamos utilizar a tabela III, forecida ao fial do capítulo: 19 ( 1 + i) 1 ( % ) 1 F = P. = 1.000,53 =1.000,53 x s(19;2%) i 2% F = 1.000,53 x 22, (tabela III) = ,66 Memorize para a prova: Reda Postecipada: R R R R A = i i i i 2 1 ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) A partir da fórmula acima, chegaremos ao seguite resultado: ( 1 + i) 1 A = R. i.(1 i) + ( 1 + i) 1 i.(1 + i) Fator de Valor Atual (FVA) ou Fator de Valor Presete (FVP) A = R x FVA Uma reda postecipada correspode à série uiforme de pagametos periódicos em que o primeiro pagameto ocorre um período após o egócio. F = A.(1 + i) ( 1 + i ) 1 ( 1 + i) 1 F = R..(1 + i ) = R. i.(1 + i ) i ( 1 + i) 1 Fator de Acumulação de Capital (FAC) ou Fator de Valor i Futuro F = R x FAC 23

24 Reda Atecipada A reda atecipada correspode à uma série uiforme de pagametos periódicos em que o primeiro pagameto ocorre o ato da realização do egócio. A R R A = valor da reda R = valor da prestação = úmero de prestações i = taxa de juros R R A = R + R + R R ( 1 + i ) ( 1 + i ) ( 1 + i) 2 1 A partir da fórmula acima, chegaremos ao seguite resultado: 1 ( 1 + i) 1 A = R i.(1 + i) 1 ( 1 + i) 1 1 i.(1 + i) O termo a(-1;i) = = R. [a(-1;i) + 1] é tabelado (tabela II forecida ao fial do capítulo). Portato basta achar o valor tabelado e somar 1. Exemplo: Um empréstimo cotraído o iício de abril, o valor de R$ ,00, deve ser pago em dezoito prestações mesais e iguais, a uma taxa de juros compostos de 2% ao mês, vecedo a primeira prestação o ato do egócio, a seguda o fial de abril, e assim sucessivamete. Calcule o valor da prestação. Dado: [(1,02) 17 1]/[0,02 x (1,02) 17 ] = 14, P P P P P = P x [[(1+i) 17 1]/[i. (1+i) 17 ] + 1] = P x [[(1,02) 17 1]/[0,02 x (1,02) 17 ] + 1] = P x (14, ) = P x 15, P = 980,

25 Se a questão ão iformasse o valor da expressão acima, poderíamos utilizar a tabela II, forecida ao fial do capítulo: [(1+i) 17 1]/[i x (1+i) 17 ], para i = 2% e = 18 1 = 17 Fator de Valor Atual = a(17;2%) + 1 = 14, = 15, = P x 15, P = 980,91 Caso quiséssemos calcular o total pago imediatamete após o último pagameto ou um período após o último pagameto (motate de valor futuro), teríamos: A F -1 F R R R R ( 1 + i ) 1 Valor futuro após o último pagameto: F -1 = R. i Valor futuro um período após o último pagameto: F = R. ( ( 1 + i ) 1 Ode s(;i) = i acumulação de capital ou fator de valor futuro. + 1 ( 1 i) 1 + 1) i é tabelado (tabela III) e deomiado fator de Valor futuro um período após o último pagameto: F = R. ( F = R. [s(+1;i) 1] + 1 ( 1 i) 1 + 1) i Exemplo: Cosidere uma reda atecipada de quatro termos mesais e iguais a R$ 1.000,00, à taxa de 10% ao mês. Calcule o valor atual, o motate imediatamete após o último pagameto e o motate um mês após o último pagameto. Dados: [(1,10) 3 1]/[0,10 x (1,10) 3 ] = 2, [(1,10) 4 1]/0,10 = 4,641 [(1,10) 5 1]/0,10 = 6,

26 A F 3 F R = i = 10% ao mês = 4 R R R R Para i = 10% ao mês e 1 = 4 1 = 3: 1 ( 1 + i) 1 A = R i.(1 + i) A = x (2, ) = 3.486,85 = x [[(1,10) 3 1]/[0,10 x (1,10) 3 ] + 1] Motate após o último pagameto: ( 1 ) + i 1 F (-1) = R. F(3) = R. i F (3) = x 4, = 4.641,00 4 ( % ) % Motate um mês após o último pagameto: F = R. ( + 1 ( 1 i) ( % ) 1 1)=> F(4) = R. ( 1) i 10% F (4) = x ( ) = 5.105,10 Repare que: F (4) = F (3) x (1 + i) = F (3) x 1,1 = 4,641,00 x 1,1 = 5.105,10 Se a questão ão iformasse o valor da expressão acima, poderíamos utilizar as tabelas II e III, forecidas ao fial do capítulo: Para i = 10% ao mês e = 4 1 = 3 (tabela II): Fator de Valor Atual = 2, Valor Atual: ( 1 + i) 1 A = R. + 1 i.(1 + i) = (2, ) = 3.486,

27 Motate após o último pagameto: ( 1 ) i ( % ) 1 F (-1) = R. F(3) = R. i 10% 4 ( % ) 1 Fator de Acumulação = = s (4;10%) (tabela III) = 4, % F (3) = , = 4.641,00 Motate um mês após o último pagameto: F = R. ( 5 + ( % ) 1 1) F(4) = R. ( -1) = R.[s(5;10%) 1] i 10% + 1 ( 1 i) 1 Fator de Acumulação = + (tabela III) = 6, % 5 ( % ) 1 F (4) = ( ) = 5.105,10 Memorize para a prova: Reda Atecipada: A = R + R + R R ( 1 + i ) ( 1 + i ) ( 1 + i) 2 1 A partir da fórmula acima, chegaremos ao seguite resultado: 1 ( 1 + i) 1 A = R i.(1 + i) 1 ( 1 + i) 1 1 i.(1 + i) O termo a(-1;i) = = R. [a(-1;i) + 1] é tabelado (tabela II forecida ao fial do capítulo). Portato basta achar o valor tabelado e somar 1. Caso quiséssemos calcular o total pago imediatamete após o último pagameto ou um período após o último pagameto (motate de valor futuro), teríamos: ( 1 + i ) 1 Valor futuro após o último pagameto: F -1 = R. i Valor futuro um período após o último pagameto: F = R. ( ( 1 + i ) 1 Ode s(;i) = i acumulação de capital ou fator de valor futuro. + 1 ( 1 i) 1 + 1) i é tabelado (tabela III) e deomiado fator de Valor futuro um período após o último pagameto: F = R. ( F = R. [s(+1;i) 1] + 1 ( 1 i) 1 + 1) i 27

28 Reda Diferida A reda diferida correspode à série uiforme de pagametos periódicos em que o primeiro pagameto ocorre m+1 períodos após o iício do egócio, ou seja, há m períodos sem pagameto. A m+1 m+2... m m A = valor da reda R R = valor da prestação m = úmero de períodos sem pagameto = úmero de prestações i = taxa de juros R R R R A = i i i i m + 1 m + 2 m + 1 m + ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) R R R Repare que, o caso da reda diferida, A vai ser igual a: R R R R R R R A = i + i + i + i + i + i + i 1 2 m m + 1 m + 1 m ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) m + m ( 1 + i ) 1 ( 1 + i) 1 A = R. m + m i.(1 + i ) i.(1 + i) A = R. [a(m+;i) a(m;i)] Ou seja, cosideramos a reda postecipada até o período m+ esubtraímoso período de diferimeto (até m). Exemplo: Alfeu comprou uma televisão de 70 polegadas e irá pagá-la em cico prestações mesais e iguais de R$ 2.000,00, com a primeira prestação vecedo ao fial de sete meses após a realização do egócio. Sabedo-se que a taxa de juros compostos é de 3% ao mês, qual o valor atual das prestações? Dados: [(1,03) 11 1]/[0,03 x (1,03) 11 ] = 9, [(1,03) 6 1]/[0,03 x (1,03) 6 ] = 5, R = i = 3% ao mês Primeira prestação m+1 = 7 m = 6 = 5 m + = =

29 A = ( % ) ( % ) ( % ) ( % ) ( % ) A = ( ) ( 1, 0 3 ) ( 1, 0 3 ) ( 1, 0 3 ) ( 1, 0 3 ) ( 1, 0 3 ) A = (1,0 3 ) (1,0 3 ) (1, 0 3 ) (1,0 3 ) (1,0 3 ) ( 1, 0 3 ) ( 1, 0 3 ) ( 1, 0 3 ) Ou utilizado diretamete a fórmula: m + m ( 1 + i ) 1 ( 1 + i) 1 A = R. m + m i.(1 + i ) i.(1 + i) 11 6 ( 1, 0 3 ) 1 ( 1, 0 3 ) 1 A R. = , 03.(1, 03) 0, 03.(1, 03) A = x (9, ,417191) = 7.670,87 Se a questão ão iformasse o valor da expressão acima, poderíamos utilizar a tabelas II, forecida ao fial do capítulo: A = R. [a(m+;i) a(m;i)] = [a(6+5;3%) a(6;3%)] A = [a(11;3%) a(6;3%)] Da tabela II: a(11;3%) = 9, e a(6;3%) = 5, A = (9, ,417191) = 7.670,87 Memorize para a prova: Reda Diferida: R R R R A = i i i i m + 1 m + 2 m + 1 m + ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) Repare que, o caso da reda diferida, A vai ser igual a: R R R R R R R A = i + i + i + i + i + i + i 1 2 m m + 1 m + 1 m ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) m + m ( 1 + i ) 1 ( 1 + i) 1 A = R. m + m i.(1 + i ) i.(1 + i) A = R. [a(m+;i) a(m;i)] 29

30 23.6. Tabelas Tabela I - Fator de Acumulação de Capital: a = (1 + i) 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 11, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , % 9% 10% 12% 15% 18% 11, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

31 Tabela II Fator Valor Atual de uma Série de Pagametos: ( 1 ) + i 1 a(;i) = i.(1 + i) 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% 1 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , % 10% 12% 15% 18% 10, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

32 Tabela III Fator de Acumulação de Capital de uma Série de Pagametos: ( 1 + i ) 1 s(;i) = i 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% 1 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , % 10% 12% 15% 18% 1 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

33 23.7. Memorize para a prova Juros Compostos: os juros são calculados sobre o motate do capital (C) o período aterior (juros sobre juros), ou seja, o capital iicial de cada período é o capital do período aterior acrescido dos juros do período aterior. M = C. (1 + i) t J = M - C Ode, M = motate C = capital J = juros i = taxa de juros t = período (1 + i) t = fator de capitalização Coveção Liear: o capital é atualizado a juros compostos o úmero iteiro de períodos (t) e atualizado por juros simples o período fracioário (q). M = C. (1 + i) t. (1 + i. q) Coveção Expoecial: ocapitaléatualizadoajuroscompostosoperíodo total da aplicação. M = C. (1 + i) t+q Capitalização Cotíua: é um tipo de capitalização a juros compostos ode os juros auferidos em um istate de tempo t sãoimediatameteicorporados ao capital aplicado, produzido, por coseguite, os juros o istate de tempo t 1, e assim sucessivamete. Neste tipo de capitalização, o capital sofrerá variações em itervalos ifiitesimais de tempo, que é justamete o que a difere da capitalização a juros compostos, ode a variação de tempo é fiita. Neste tipo de capitalização utiliza-se a seguite fórmula: M = C. e i.t Ode: M = Motate; C = Capital Aplicado; e = úmero eperiao ou úmero de Euler = 2,718 (costate); i = taxa de juros; e t = período. Descoto Composto Comercial ou por Fora: é um descoto que icide sobre o valor omial (N), período a período. A = N. (1 i D ) t D c = N A = N N. (1 i D ) t = N. [1 - (1 i D ) t ] 33

34 Ode, D c = descoto comercial i D = taxa de descoto comercial (juros simples) t = período restate até o vecimeto do título N = valor omial A = valor atual Descoto Racioal, Fiaceiro, Matemático ou Por Detro: é o descoto que determia um valor atual (A d ) que, corrigido as codições de mercado, resulta em um motate igual ao valor omial. N = A. (1 + i r ) t A = N/(1 + i r ) t D r = N A = N - N/(1 + i r ) t = N. [1 1/(1 + i r ) t ] D r = N. [(1 + i r ) t 1]/(1 + i r ) t Ode, D r = descoto comercial i r = taxa de descoto comercial (juros simples) t = período restate até o vecimeto do título N = valor omial A = valor atual Descoto Bacário: correspode ao descoto comercial acrescido de taxas bacárias sobre o valor omial. D B = D c + e. N Ode, e = ecargos bacários Equivalêcia de Capitais Descoto Racioal Equivalêcia o Futuro: N = A. (1 + i) t Equivalêcia o Passado: A = N/(1 + i) t Equivalêcia de Capitais Descoto Comercial Equivalêcia o Futuro: N = A/(1 i) t Equivalêcia o Passado: A = N. (1 i) t Reda Postecipada: R R R R A = i i i i 2 1 ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) A partir da fórmula acima, chegaremos ao seguite resultado: ( 1 + i) 1 A = R. i.(1 i)

35 ( 1 + i) 1 i.(1 + i) Fator de Valor Atual (FVA) ou Fator de Valor Presete (FVP) A = R x FVA Uma reda postecipada correspode à série uiforme de pagametos periódicos em que o primeiro pagameto ocorre um período após o egócio. F = A.(1 + i) ( 1 + i ) 1 ( 1 + i) 1 F = R..(1 + i ) = R. i.(1 + i ) i ( 1 + i) 1 i Fator de Acumulação de Capital (FAC) ou Fator de Valor Futuro F = R x FAC Reda Atecipada: A = R + R + R R ( 1 + i ) ( 1 + i ) ( 1 + i) 2 1 A partir da fórmula acima, chegaremos ao seguite resultado: 1 ( 1 + i) 1 A = R i.(1 + i) 1 ( 1 + i) 1 1 i.(1 + i) O termo a(-1;i) = = R. [a(-1;i) + 1] é tabelado (tabela II forecida ao fial do capítulo). Portato basta achar o valor tabelado e somar 1. Caso quiséssemos calcular o total pago imediatamete após o último pagameto ou um período após o último pagameto (motate de valor futuro), teríamos: ( 1 + i ) 1 Valor futuro após o último pagameto: F -1 = R. i Valor futuro um período após o último pagameto: F = R. ( ( 1 + i ) 1 Ode s(;i) = i acumulação de capital ou fator de valor futuro. + 1 ( 1 i) 1 + 1) i é tabelado (tabela III) e deomiado fator de Valor futuro um período após o último pagameto: F = R. ( F = R. [s(+1;i) 1] + 1 ( 1 i) 1 + 1) i 35

36 Reda Diferida: R R R R A = i i i i m + 1 m + 2 m + 1 m + ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) ( 1 + ) Repare que, o caso da reda diferida, A vai ser igual a: R R R R R R R A = i + i + i + i + i + i + i 1 2 m m + 1 m + 1 m ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ) m + m ( 1 + i ) 1 ( 1 + i) 1 A = R. m + m i.(1 + i ) i.(1 + i) A = R. [a(m+;i) a(m;i)] 36

37 23.8. Exercícios de Fixação 1.(Admiistrador-DNOCS-Mi. Da Itegração Social-2010-FCC) Um ivestidor deposita R$ ,00 o iício de cada ao em um baco que remuera os depósitos de seus clietes a uma taxa de juros compostos de 10% ao ao. Quado ele realizar o quarto depósito, tem-se que a soma dos motates referetes aos depósitos realizados é igual a (A) R$ ,00. (B) R$ ,00. (C) R$ ,00. (D) R$ ,20. (E) R$ ,00. 2.(Admiistrador-DNOCS-Mi. Da Itegração Social-2010-FCC) Uma pessoa fez um empréstimo em um baco o valor de R$ ,00, tedo que pagar todo o empréstimo após 18 meses a uma taxa de juros de 24% ao ao, com capitalização mesal. O valor dos juros a serem pagos o vecimeto pode ser obtido multiplicado R$ ,00 por: (A) [(1,02) 18 1] (B) , (C) , (D) 3. 1, (E) , (Cotador-DNOCS-Mi. Da Itegração Social-2010-FCC) Uma pessoa aplica, a data de hoje, os seguites capitais: I. R$ 8.000,00 a uma taxa de juros simples, durate 18 meses. II. R$ ,00 a uma taxa de juros compostos de 5% ao semestre, durate um ao. O valor do motate verificado o item II supera em R$ 865,00 o valor do motate verificado o item I. A taxa de juros simples aual referete ao item I é igual a (A) 21%. (B) 15%. (C) 18%. (D) 27%. (E) 24%. 37

Matemática Financeira

Matemática Financeira UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ecoomia, Admiistração e Cotabilidade de Ribeirão Preto - FEA-RP Matemática Fiaceira Profa. Dra.Luciaa C.Siqueira Ambrozii Juros Compostos 1 Juros compostos Cosidera

Leia mais

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística Prova Resolvida e Cometada Prof. Joselias joselias@uol.com.br (0 )9654-53 FRF 005 Matemática Fiaceira e Estatística Soluções das Provas do FRF-005 de Matemática Fiaceira e de Estatística Prof. Joselias

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Outubro/203 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA ATRAVÉS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceito de taxa de juros Taxa de juro é a relação etre o valor dos juros pagos (ou recebidos) o fial de um determiado período de tempo e o valor do capital

Leia mais

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A IAG Matemática Fiaceira Fluxo de Caixa O valor do diheiro o tempo Represetação: Saídas Etradas (100) 100 Prof. Luiz Bradão 2012 1 2 Visualização: Fluxo de Caixa 0 1 2 3 4 5 Defiições: Fluxo de Caixa VP

Leia mais

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Estudaremos este capítulo os vários sistemas de amortização de empréstimos e fiaciametos, sua metodologia e cálculos para determiação do saldo

Leia mais

RENDAS CERTAS OU ANUIDADES

RENDAS CERTAS OU ANUIDADES RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Matemática Fiaceira/Mário Nas aplicações fiaceiras o capital pode ser pago ou recebido de uma só vez ou através de uma sucessão de pagametos ou de recebimetos. Quado o objetivo

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito:

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito: //4 VII. Equivalêcia de Fluxos de Caixa Matemática Fiaceira Aplicada ao Mercado Fiaceiro e de Capitais Professor Roaldo Távora 9 VII. - Coceito Coceito: Dois fluxos de caixa são equivaletes, a uma determiada

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Fundamentos da Engenharia Econômica. Professor Ivan Faccinetto Böttger. Profº Ivan Faccinetto Böttger - 1 -

Fundamentos da Engenharia Econômica. Professor Ivan Faccinetto Böttger. Profº Ivan Faccinetto Böttger - 1 - Fudametos da Egeharia Ecoômica Professor Iva Faccietto Böttger Profº Iva Faccietto Böttger - 1-2012 Ouvimos costatemete frases como estas: Vou depositar meu diheiro a poupaça ou Vou aplicar meu diheiro

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Caro aluo, Dispoibilizo abaixo a resolução resumida das 10 questões de Matemática Fiaceira da prova de Auditor do ISS/Cuiabá 2014. Para sua orietação, utilizei

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21

Caderno de Fórmulas. Debêntures Cetip21 Última Atualização: 01/04/2016 E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados Para Debêtures o Cetip21. São aqui apresetadas fórmulas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas)

MATEMÁTICA FINANCEIRA. UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagamentos ou Rendas) 1 UNIDADE XI RENDAS Capitalização e Amortização Compostas (Séries de Pagametos ou Redas) Elemetos ou Classificação: - Redas: Sucessão de depósitos ou de prestações, em épocas diferetes, destiados a formar

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguiherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-203 DESCONTO É uma compesação recebida pelo tomador do empréstimo, pelo pagameto adiatado da dívida

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas

Operações Financeiras (Ativas e Passivas) Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas. Operações Financeiras Ativas Operações Fiaceiras (Ativas e Passivas) Operações Fiaceiras Ativas 1 2 Defiição As aplicações fiaceiras represetam excessos de dispoibilidades da empresa, em relação às ecessidades imediatas de desembolso,

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015

CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários. Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagamentos Data: 16/11/2015 1 CRI Certificados de Recebíveis Imobiliários Guia para Elaboração dos Fluxos de Pagametos Data: 16/11/2015 Sumário/Ídice CRI - CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS... 1 SUMÁRIO/ÍNDICE... 2 1. OBJETIVO...

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1 Capítulo. Aritmética e Expressões Algébricas O estudo de cálculo exige muito mais que o cohecimeto de limite, derivada e itegral. Para que o apredizado seja satisfatório o domíio de tópicos de aritmética

Leia mais

Matemática Financeira. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Matemática Financeira. Evanivaldo Castro Silva Júnior Evaivaldo Castro Silva Júior 1 3. Regime de Juros Compostos 2 * Coceitos fudametais em capitalização composta * Regime de Juros ode os juros são calculados a partir do capital iicial de cada período *

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira

Apostila de Matemática Financeira 200.2 Apostila de Matemática Fiaceira Prof. Davi Riai Gotardelo Dispoível o Xerox e o Quiosque Uiversidade Federal Rural do Rio de Jaeiro (UFRRJ) A p o s t i l a d e M a t e m á t i c a F i a c e i r a

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Centro Educacional Sesc Cidadania

Centro Educacional Sesc Cidadania Cetro Educacioal Sesc Cidadaia Prof.(a): Kátia Lima Lista de Exercícios Matemática Fiaceira Se ão existe esforço, ão existe progresso (F. Douglas) ENSINO MÉDIO Aluo(a): ANO TURMA DATA: Questão 01) Um líquido

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

Tabela I - Fator de Acumulação de Capital: a n = (1 + i) n. Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Tabela I - Fator de Acumulação de Capital: a n = (1 + i) n. Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Aula 15 - Questões Comentadas e Resolvidas Juros Compostos. Montante e juros. Desconto Composto. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Capitalização contínua. Equivalência

Leia mais

2-4ac. -b ± b - 4ac x = MATEMÁTICA. fórmula de Báskara: EQUAÇÕES DO 2º GRAU

2-4ac. -b ± b - 4ac x = MATEMÁTICA. fórmula de Báskara: EQUAÇÕES DO 2º GRAU EQUAÇÕES DO 2º GRAU DEFINIÇÃO É toda a equação que pode ser reduzida à forma: fórmula de Báskara: 2 b - 4ac = I) Quado > 0, maior que zero, a equação tem duas raízes reais e diferetes etre si.. ax 2 +

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon Elemetos de Aálise Fiaceira Descotos Aplicações de Juros Simples Descotos Valor Nomial = valor de resgate = valor de um título o seu vecimeto Ao liquidar um título ates do vecimeto há uma recompesa pelo

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c Edição de Fevereiro de 2008 Nota do Autor: A qualificação do profissioal passa pela ecessidade dos cohecimetos que possam lhe trasmitir seguraça as decisões fiaceiras. Seja este profissioal da área de

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VINCULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE

COMPARATIVO ENTRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VINCULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE COMPARATIVO ETRE REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA E A VICULAÇÃO DE AMBOS COM A TABELA PRICE Etede-se por regime de capitalização o processo de formação dos juros e a maeira pela qual estes são

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão Resolução das atividades complemetares Matemática M Fução Epoecial p. 6 (Furg-RS) O valor da epressão A a) c) e) 6 6 b) d) 0 A?? A? 8? A A A? A 6 8 Ecotre o valor da epressão 0 ( ) 0 ( ) 0 0 0. Aplicado

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

3.4.2 Cálculo da moda para dados tabulados. 3.4 Moda Cálculo da moda para uma lista Cálculo da moda para distribuição de freqüências

3.4.2 Cálculo da moda para dados tabulados. 3.4 Moda Cálculo da moda para uma lista Cálculo da moda para distribuição de freqüências 14 Calcular a mediaa do cojuto descrito pela distribuição de freqüêcias a seguir. 8,0 10,0 10 Sabedo-se que é a somatória das, e, portato, = 15+25+16+34+10 = 100, pode-se determiar a posição cetral /2

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta Questão 1 a) O faturameto de uma empresa este ao foi 1% superior ao do ao aterior; oteha o faturameto do ao aterior, saedo que o deste ao foi de R$1.4.,. ) Um comerciate compra calças a um custo de R$6,

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ao 00 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I 1. Como a probabilidade do João acertar em cada tetativa é 0,, a probabilidade do João acertar as tetativas é 0, 0, 0, 0,

Leia mais

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS.

RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. RESPOSTA À DECLARAÇÃO EM DEFESA DE UMA MATEMÁTICA FINANCEIRA:- SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE:- BREVE NOTA SOBRE CERTOS ENIGMAS. No sistema de amortização Price, com as seguites hipóteses, ocorrerá cobraça

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Laboratório de Física e Química

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Laboratório de Física e Química Uiversidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecologia e Ciêcias Exatas Laboratório de Física e Química Aálise de Medidas Físicas Quado fazemos uma medida, determiamos um úmero para caracterizar uma gradeza

Leia mais

Matemática. Apostila Prof. Ricardo Alves Data de impressão: 23/04/2008. www.conquistadeconcurso.com.br

Matemática. Apostila Prof. Ricardo Alves Data de impressão: 23/04/2008. www.conquistadeconcurso.com.br Matemática Apostila Data de impressão: 23/04/2008 UMA PARCERIA Visite o Portal dos Cocursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA Visite a loja virtual www.coquistadecocurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

4. JUROS COMPOSTOS. Mês Juros Montante 1 10% de 1.000 = 100 1.100,00 2 10% de 1.000 = 100 1.200,00 3 10% de 1.000 = 100 1.300,00

4. JUROS COMPOSTOS. Mês Juros Montante 1 10% de 1.000 = 100 1.100,00 2 10% de 1.000 = 100 1.200,00 3 10% de 1.000 = 100 1.300,00 1.000(110%) 3 tabela 4.3 Matemática Fiaceira com a Calculadora HP -12C 37 4. JUROS COMPOSTOS 4.1 INTRODUÇÃO 5 10 Vimos o Capítulo 1 que a difereça etre os juros simples e os compostos está a forma de se

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 0: Medidas de Dispersão (webercampos@gmail.com) MÓDULO 0 - MEDIDAS DE DISPERSÃO 1. Coceito: Dispersão é a maior ou meor diversificação dos valores de uma variável, em toro

Leia mais

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017)

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017) Procedimetos de Marcação a Mercado (06, 207) Risk Maagemet Baco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A SUMÁRIO ESCOPO 4 2 PRINCÍPIOS 4 3 ORGANIZAÇÃO 5 4 COTAS 5 4. Cotas de Fechameto 5 4.2 Cotas de Abertura 6

Leia mais

Antonio Victorino Avila Eng.º Civil, MSc. Eng.ª Produção

Antonio Victorino Avila Eng.º Civil, MSc. Eng.ª Produção Atoio Victorio Avila Eg.º Civil, MSc. Eg.ª Produção Cursos de Egeharia Floriaópolis-SC 2012 Egª Ecoomica~Aulas~2012.03.docx 1-201 A958m AVILA, Atoio Victorio. Matemática fiaceira e egeharia ecoômica /

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares Matemática Fiaceira para Gestão de Negócios Júlio Cezar dos Satos Patrício Cosiderações Prelimiares O objeto do presete estudo, que ão tem a pretesão de esgotar o assuto, é oferecer base aos empresários

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS UNIDADE IX DESCONTOS Itrodução: Em cotabilidade, chama-se descoto a operação bacária de etrega do valor de um título ao seu detetor, ates do prazo do vecimeto, e mediate o pagameto de determiada quatia

Leia mais

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1.

Considerando que os triângulos são todos semelhantes, os perímetros formam uma PG de razão 1. Resposta da questão : [B] Tem-se que t at = habitates e bt Resposta da questão : [D] PA a; a + r; a + r; a + 3r; a + 4r; a + 5r; a + 6r ( ) ( ) PG a; a + r; a + 6r; q = a + 6r a + r = a + r a + 4ar + 4r

Leia mais

Cap. VI Histogramas e Curvas de Distribuição

Cap. VI Histogramas e Curvas de Distribuição TLF /11 Capítulo VI Histogramas e curvas de distribuição 6.1. Distribuições e histogramas. 6 6.. Distribuição limite 63 6.3. Sigificado da distribuição limite: frequêcia esperada e probabilidade de um

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Elaboração: Abril/2001

Elaboração: Abril/2001 Elaboração: Abril/2001 Última atualização: 13/03/2006 Apresetação E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados o SND -. São aqui

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

n d n d III) Substituindo ( II ) em ( I ) n d n d n d n d Banco do Brasil + BaCen FORMULAS QUADRO 1 I) Cálculo do desconto racional simples

n d n d III) Substituindo ( II ) em ( I ) n d n d n d n d Banco do Brasil + BaCen FORMULAS QUADRO 1 I) Cálculo do desconto racional simples Baco o Brasil + BaCe 2. DESCONTOS Quao o portaor e títulos e créito, tais como: Duplicatas Nota Promissória Cheque Pré Datao Letras e Câmbio (papéis feerais) etc com vecimetos certos e líquios, ecessita

Leia mais

Prova Banco do Brasil 2012 CESGRANRIO /

Prova Banco do Brasil 2012 CESGRANRIO / MATEMÁTICA (QUESTÕES 11 A 0) (Questão 11) No Brasil, quase toda a produção de latas de alumíio é reciclada. As empresas de reciclagem pagam R$ 30,00 por 100 kg de latas usadas, sedo que um quilograma correspode

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Uiversidade Comuitária da Região de Chapecó Sistemas de Iformação $$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ MATEMÁTICA FINANCEIRA (MATERIAL DE APOIO E EXERCÍCIOS) $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 04: Medidas de Posição (webercampos@gmail.com) . MÉDIA ARITMÉTICA : Para um cojuto de valores Média Aritmética Simples: xi p Média Aritmética Poderada: MÓDULO 04 - MEDIDAS

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Evaivaldo Castro Silva Júior 1 3. Regime de Juros Compostos 2 Coceitos fudametais em capitalização composta Regime de Juros ode os juros são calculados a partir do capital iicial de cada período No processo

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Números reais 1,, 3, cojuto dos úmeros aturais 0,1,,3, cojuto dos úmeros iteiros p q /p e q cojuto dos úmeros racioais a, a 0 a 1 a a, a e a i 0, 1,, 3, 4,

Leia mais

E-books PCNA. Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ARITMÉTICA E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS

E-books PCNA. Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ARITMÉTICA E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS E-books PCNA Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ARITMÉTICA E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 SUMÁRIO Apresetação ------------------------------------------------- Capítulo 1

Leia mais

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2 M Ficha de Trabalho NOME: SUCESSÕES I PARTE Relativamete à sucessão a =, pode-se afirmar que: (A) É um ifiitamete grade positivo (B) É um ifiitésimo (C) É um ifiitamete grade egativo (D) É limitada Cosidere

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

Universidade Federal Fluminense - UFF-RJ

Universidade Federal Fluminense - UFF-RJ Aotações sobre somatórios Rodrigo Carlos Silva de Lima Uiversidade Federal Flumiese - UFF-RJ rodrigouffmath@gmailcom Sumário Somatórios 3 Somatórios e úmeros complexos 3 O truque de Gauss para somatórios

Leia mais

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br Matemática Fiaceira Prof. MSc. Deilso Nogueira da Silva deilsoogueira@uol.com.br Juho/03 Ídice -INTRODUÇÃO... 3. O Excel... 3. A Calculadora HPC.... 3.3 Pricipais Operações do Excel... 4.4 Operações com

Leia mais

Capítulo I Séries Numéricas

Capítulo I Séries Numéricas Capítulo I Séries Numéricas Capitulo I Séries. SÉRIES NÚMERICAS DEFINIÇÃO Sedo u, u,..., u,... uma sucessão umérica, chama-se série umérica de termo geral u à epressão que habitualmete se escreve u u...

Leia mais

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma:

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma: 07 BINÔMIO DE NEWTON O desevolvimeto da epressão a b é simples, pois eige somete quatro multiplicações e uma soma: a b a b a b a ab ba b a ab b O desevolvimeto de a b é uma tarefa um pouco mais trabalhosa,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES U.E PROF EDGAR TITO

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES  U.E PROF EDGAR TITO ESTATÍSTICA PROF. RANILDO LOPES http://ueedgartito.wordpress.com U.E PROF EDGAR TITO Medidas de tedêcia cetral Medidas cetrais são valores que resumem um cojuto de dados a um úico valor que, de alguma

Leia mais

DETERMINANDO A SIGNIFICÂNCIA ESTATÍSTICA PARA AS DIFERENÇAS ENTRE MÉDIAS

DETERMINANDO A SIGNIFICÂNCIA ESTATÍSTICA PARA AS DIFERENÇAS ENTRE MÉDIAS DTRMINANDO A SIGNIFIÂNIA STATÍSTIA PARA AS DIFRNÇAS NTR MÉDIAS Ferado Lag da Silveira Istituto de Física - UFRGS lag@if.ufrgs.br O objetivo desse texto é apresetar através de exemplos uméricos como se

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

PROVA DE RACIOCÍNIO MATEMÁTICO

PROVA DE RACIOCÍNIO MATEMÁTICO )Uma prova costa de testes de múltipla escolha, cada um com 5 alterativas e apeas uma correta Se um aluo ``chutar`` todas as respostas: a)qual a probabilidade dele acertar todos os testes? b)qual a probabilidade

Leia mais

Função Logarítmica 2 = 2

Função Logarítmica 2 = 2 Itrodução Veja a sequêcia de cálculos aaio: Fução Logarítmica = = 4 = 6 3 = 8 Qual deve ser o valor de esse caso? Como a fução epoecial é estritamete crescete, certamete está etre e 3. Mais adiate veremos

Leia mais

1 [( 3) Se x = 2y, a quantidade de livros vendidos seria. 0 = a $ (0-3) + 2, implicando em a = -. Portanto, a resposta é BLOCO B

1 [( 3) Se x = 2y, a quantidade de livros vendidos seria. 0 = a $ (0-3) + 2, implicando em a = -. Portanto, a resposta é BLOCO B Resoluções de Eercícios MATEMÁTICA II Coecimetos Algébricos Capítulo Fução Poliomial do o Grau (Parte II) D ( s ) a ( ) (, ) s " s, " observação: Dica: Da forma Caôica, obtemos: ( v) a ; ode ( ( ) v, v

Leia mais