Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c"

Transcrição

1 Edição de Fevereiro de 2008 Nota do Autor: A qualificação do profissioal passa pela ecessidade dos cohecimetos que possam lhe trasmitir seguraça as decisões fiaceiras. Seja este profissioal da área de gerêcia, supervisão ou vedas, precisa cohecer os fudametos de Aálise Fiaceira para que possa maximizar resultados, miimizar custos e escolher corretamete o rumo a ser seguido. Desta forma poderá agregar ao seu produto o diferecial mercadológico do custo fiaceiro calculado adequadamete. Assim, buscamos este compêdio proporcioar técicas a quem ecessite efetuar aálise, buscar respostas e solução imediata em assutos que evolvam decisão em Aálise Fiaceira, utilizado metodologia modera e os recursos do teclado fiaceiro da Calculadora hp12c. Utilizamos a seguite metodologia o coteúdo: METODOLOGIA Exposição matemática dos coceitos fudametais da Matemática Fiaceira. Aplicação da Calculadora hp12c a solução de problemas e aálise de evetos fiaceiros. Exercícios práticos para o etedimeto e fixação do coteúdo. Recursos visuais com tabelas e gráficos com cores fortes e cotrastates para marcar o coteúdo. De forma ehuma iduziremos a prática de decorar fórmulas. Motivaremos para a compreesão do fato fiaceiro para represetá-lo matematicamete da forma correta. E partido deste pricípio, também facilitaremos a compreesão das teclas fiaceiras da calculadora fiaceira hp12c. 1

2 PROGRAMA DO CURSO Cohecedo o teclado da hp12c; Fuções de Porcetagem, Caledário, Pilha Operacioal e Memória da hp12c. O Diagrama do Fluxo de Caixa; Taxa, Prazo e Valor Médios; Juros Simples comerciais, exatos e bacários. Juros Compostos; Taxas de juros omiais, efetivas e equivaletes; Descotos Simples ou Bacário; Descoto Racioal; Juros, Taxa e Capital médios; Taxa Efetiva e Equivalêcia de Capitais para o Descoto Simples; Coveção Liear e Expoecial a calculadora hp12c; Descoto Composto Bacário e Racioal; Capitalização e Descapitalização; Sistema PRICE de fiaciameto com e sem etrada; Valor médio e Desvio Padrão a calculadora hp12c Séries fiaceiras com parcelas itermediárias; Aalise de ivestimetos com parcelas de retoro ão costates através da taxa itera de retoro e valor presete líquido. Aálise de Fluxos de Caixa com calculadora hp12c. 2

3 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceituamos Matemática Fiaceira como a Ciêcia de exprimir umericamete a relação etre o capital, o juro e o tempo decorrido agregado as suas mais diferetes combiações possíveis. Juros (J: é a remueração do diheiro ajustada etre o tomador e o forecedor. Capital (C: é a represetação da moeda circulate. Taxa de juros (i: é a represetação do fator de remueração do capital. Como utilizamos o sistema umérico de base 10, as gradezas efetuadas através de razões com o deomiador (razões cetesimais aparecem como a pricipal represetação a esfera comercial. Assim, quado dizemos [3%] a verdade estamos os referido a [3/]. Ou seja, o fator [1/] é simbolizado por [%]. Desta forma, em matemática fiaceira, defiimos o que exprimimos através do símbolo [%] como taxa percetual e o valor cetesimal [1/] como taxa uitária. Observe a tabela seguite. TAXA PERCENTUAL RAZÃO CENTESIMAL TAXA UNITÁRIA 30% 30/ 0,30 25% 25/ 0,25 45% 45/ 0,45 75% 75/ 0,75 125% 125/ 1,25 Tempo (t: é acima. o período em que ocorre a relação etre os fatores fiaceiros Orgaizado sob a forma matemática os coceitos acima, teremos: J Ci.. t Motate (M: é o valor acumulado dos juros e do capital, logo: M C+ J C+ Ci.. t C(1+ i. t 3

4 CÁLCULO DOS JUROS SIMPLES No coceito de juros simples, o resultado é sempre obtido sobre o valor pricipal, sem icorporação ao capital para efeito de cálculo dos juros de um período sobre o período seguite. Vamos tomar o seguite exemplo: Exemplo: Capital de R$10.000,00, juros de 2% ao mês, e prazo de 6 meses. De uma maeira prática, podemos motar a seguite tabela efetuado os cálculos de cabeça sem os preocuparmos com a aritmética dos cálculos. Capital [C] Prazo [t] Taxa de Juros [i] Juros Motate MC+J 1 mês 2%x12% 200, ,00 2 meses 2%x24% 400, , ,00 3 meses 2%x36% 600, ,00 4 meses 2%x48% 800, ,00 5 meses 2%x510% 1.000, ,00 6 meses 2%x612% 1.200, ,00 Na figura seguite, observe a represetação da evolução dos Juros Simples Iício 1 mês 2 meses 3 meses 4 meses 5 meses 6 meses VALOR , , , , , , ,00 Observe que a evolução dos valores é liear, ou seja, sofre acréscimos periódicos iguais. E para efetuarmos os cálculos de forma aritmética, teremos que defiir se o prazo será em dia, mês ou ao para que a taxa seja adequada. Na tabela acima, cosideramos o prazo como mesal. Porém, detro do coceito dos Juros Simples, existem três formas de efetuar os cálculos, em relação ao prazo. Acompahe os cálculos para cada situação seguite cosiderado os dados do exemplo. 4

5 Juros ordiários: cosideram-se todos os meses com 30 dias, e cosequetemete o ao com 360 dias. Logo, a taxa de Juros aual será de 24%. Juros exatos: cosideram-se os meses coforme o caledário civil, e o ao com 365 dias. Vamos cosiderar que o período de 6 meses ocorra de 01/07 a 31/12. Logo, a taxa de juros aual será de 24%. Juros coforme o sistema bacário: Cosidera-se o ao comercial de 360 dias e os meses coforme o caledário civil. Vamos cosiderar que o período de 6 meses ocorra de 01/07 a 31/12. Logo, a taxa de juros aual será de 24%. M C + J C(1 + i.t M(30dias M(60dias M(90dias M(120dias M(150dias M(180dias ,00( 1+ x , ,00( 1+ x , ,00( 1+ x , ,00( 1+ x , ,00( 1+ x , ,00( 1+ x , M C+ J C(1+ i.t M(31dias ,00( 1+ x , M(62dias ,00( 1+ x , M(92dias ,00( 1+ x , M(123dias ,00( 1+ x , M(153dias ,00( 1+ x , M(184dias ,00( 1+ x , M C+ J C(1 + i.t M(31dias ,00( 1+ x , M(62dias ,00( 1+ x , M(92dias ,00( 1+ x , M(123dias ,00( 1+ x , M(153dias ,00( 1+ x , M(184dias ,00( 1+ x ,

6 Na tabela abaixo, comparamos os resultados obtidos as três modalidades: Ordiários Exatos Bacários , , , , , , , , , , , , , , , , , ,67 IMPORTANTE: No Sistema Fiaceiro e Comercial, costuma-se utilizar os Juros calculados coforme o Sistema Bacário, corretemete cohecido como Juros Bacários. TAXA NOMINAL, EQUIVALENTE E PROPORCIONAL EM JUROS SIMPLES Como ão existe capitalização, estas taxas acabam sedo as mesmas. O importate é trabalharmos com o regime de tempo adequado, coforme vimos o exemplo aterior. Desta forma, teremos para uma taxa de 24% a.a.: TAXA NOMINAL ANUAL 24% Taxa equivalete/proporcioal para 3 meses 6% Taxa equivalete/proporcioal para 6 meses 12% Taxa equivalete /proporcioal para 12 meses 24% Taxa equivalete/proporcioal para 18 meses 36% 6

7 UTILIZANDO O DIAGRAMA DO FLUXO DE CAIXA A represetação gráfica do fluxo de caixa facilita o etedimeto e a aplicação das fuções fiaceiras, e são fudametais os cálculos fiaceiros utilizados a hp12c. Observe a figura seguite: Fim da Trasação Fiaceira De A até B temos a Liha do Tempo. A B Iício da Trasação Fiaceira O Fluxo Fiaceiro (etradas e saídas são represetados por flechas verticais fixadas em uma liha horizotal que represeta o tempo (ou períodos em que ocorre (Liha do Tempo. As etradas e saídas devem ter setidos diferetes, ão importado se estão o iício ou o fim da trasação fiaceira. Observe o exemplo seguite. Saída (Saque Etradas ( depósitos TESTE da hp12c Desligue a calculadora, pressioe a tecla [o] e em seguida a tecla [x]. Matedoas pressioadas, libere [o] e após [x]. Deveremos ter o visor os seguites caracteres: -8, 8, 8, 8, 8, 8, 8, 8, 8, 8, USER f g BEGIN GRAD D.MY C PRGM 7

8 UTILIZAÇÃO DO TECLADO DA HP12C. Cada tecla pode ter até três fuções, acioadas da seguite forma: 1. Uma fução acessada diretamete com caracteres bracos a parte superior das teclas. 2. Uma fução acessada através da tecla de prefixo [f] em caracteres dourados localizados a base do teclado. 3. Uma fução acessada através da tecla de prefixo [g] em caracteres azuis localizados a face oblíqua do teclado. Para determiarmos a calculadora trabalhar o formato decimal brasileiro (X,YY ode X são úmeros iteiros e YY a parte decimal, devemos desligar a calculadora, pressioar as teclas [o][.], liberar [o] e após [.]. Obs. [.][poto] Para determiarmos o úmero de decimais, devemos usar a tecla [f] seguida do úmero desejado.por exemplo, para termos (0,00 o visor devemos digitar f[2]. Para que tehamos cálculos com juros compostos em períodos sigulares(>1, devemos digitar [STO][EEX]. Teremos a letra "c" o visor. Em capítulo específico, trataremos do assuto. As teclas que aparecem abaixo da chave "CLEAR" calculadora, da seguite forma: zeram os registros da f[ ] - ESTATÍSTICOS f[prgm] PROGRAMAS f[fin] - FINANCEIROS f[reg] - PILHA OPERACIONAL [CLX] VISOR O cohecimeto prévio das fuções das teclas é fudametal para uma eficiete utilização da calculadora. Durate o curso, itroduziremos de forma adequada os coceitos através de exemplos. No etato, é importate o cohecimeto prévio de algumas teclas que são freqüetemete utilizadas em todos os cálculos e propiciam uma excelete capacidade operacioal. Veja o resumo a tabela abaixo. TECLA COMENTÁRIOS [STO] Storage armazea dados. [RCL] Recall recupera dados armazeados. [R ] Rolls dow altera a posição da pilha operacioal. [CHS] Chage Sigal muda o sial do úmero o visor. 8

9 FUNÇÃO PORCENTAGEM com a hp12c Na calculadora hp12c, temos que observar que a adequada impostação dos dados determia a correta leitura do resultado. Desta forma, fica fácil etedermos as seguites fuções. %T Calcula o valor percetual de um úmero em relação a outro. Exemplo: Calcule a porcetagem que 90 uidades represetam em relação à uidades: f[reg] [ ] 90 [ %T ] 90 Zera registros Imposta o º Imposta o º Imposta a fução Resultado90% % Calcula a variação proporcioal etre dois úmeros. Exemplo: Calcule a variação proporcioal etre 90 e uidades. f[reg] 90 [ ] [ %] 11,11 Zera registros Imposta o º Imposta o º Imposta a fução Resultado11,11% % Calcula o resultado obtido através da aplicação de uma taxa de porcetagem. Exemplo: Calcule a quatidade que 90 porceto represeta em relação a uidades. f[reg] [ ] 90 [%] 90 Zera registros Imposta o º Imposta o º Imposta a fução Resultado90 FUNÇÃO CALENDÁRIO COM A hp12c Curiosidade : O caledário da HP12c começa em e termia em Forma de impostação dos dados Sempre o formato DD.MMAAAA (Dia/Mês/Ao. A calculadora deve estar o formato D.MY (dia, mês e ao o visor. DATE: Iforma a data que estamos procurado, etre uma data iformada e o úmero de dias. Exemplo: Cosiderado a data de , em que data cairá 60 dias após? [ ] 60 [ g ] DATE ( quarta-feira O úmero à direita do visor sigifica o dia da semaa, começado Seguda-feira pelo 1 e termiado o Domigo pelo 7.No osso exemplo, trata-se de uma quarta-feira. DYS : Iforma o úmero de dias que estamos procurado etre duas datas. Exemplo: Cosiderado a data de , quatos dias faltam para o Natal? [ ] [ g ] DYS 178 ( dias 9

10 CÁLCULOS ARITMÉTICOS EM CADEIA com a hp12c Como você já deve ter observado, ão existe o sial de igual ( a hp12c. E os cálculos são efetuados usado-se o recurso da Pilha Operacioal, um sistema de armazeameto de dados que elimia a ecessidade de parêteses ou chaves para a execução dos cálculos. Acompahe o seguite exemplo: 3 2 ( 4+ x8 (5 32, X Fução Visor Y Z T Cometários 4 [ ] 4,00 4 Itroduz o 4 e armazea em Y 3 [ ] 3, Itroduz e armazea o 3 em Y e desloca o 4 para Z 5 [ ] 0,60 4 Divide 3 por 5 e desloca 4 para Y. [ + ] 4,60 Soma o que esta o visor X(0,60 com o coteúdo de Y (4. 8 [X] 36,80 Multiplica 8 pelo coteúdo do visor X aterior ( 4,60 5 [ ] 5, ,80 Itroduz 5 e desloca 36,80 para Z 2 [ ] 2, ,80 Itroduz e armazea o 2 em Y, desloca o 5 para Z e 36,80 para T. 3 [ ] 0, ,80 Divide 2 por 3 e desloca 5 para Y e 36,80 para Z. [ - ] 4,33 36,80 Subtrai 0,67 de 5, obtedo 4,33 [ - ] 32,47 Subtrai 4,33 de 36,80 obtedo 32,47 Observe que toda vez que utilizamos a tecla [ ], armazeamos um úmero. Este é o coceito da Pilha Operacioal. Cosidere que Y, Z e T sejam visores auxiliares. Desta forma, podemos deixar armazeados úmeros em espera eles, o que possibilita efetuar operações aritméticas em cadeia. Apeas é digitado a calculadora o que esta a colua X. ATIVIDADE Sugestão : use lápis e borracha. X Fução Visor Y Z T Cometários ( x4+ (

11 JUROS SIMPLES COM A CALCULADORA HP12c Para efetuarmos cálculos com juros simples, devemos cosiderar as variáveis da seguite forma, em relação as teclas fiaceiras: TECLA FUNÇÃO [ ] Quatidade de dias, sedo o ao comercial 360 dias [ i ] Taxa de Juros correspodete ao ao comercial [PV] Valor do capital cosiderado Exemplo: Calcule o valor dos juros simples para 75 dias cosiderado uma taxa de juros aual de 60 %, sobre o valor de R$ 1.500,00. Acompahe a impostação dos dados a sua calculadora utilizado a seguite tabela. [f] [REG] 1.500,00 [CHS][PV] [60] [ i ] 75 [ ] [f] [ INT] 187,50 Limpa os registros Imposta o capital Muda o sial Imposta a taxa aual Imposta os dias Calcula os juros Valor dos juros Ao acioarmos a tecla [+], teremos o motate M o valor de R$1.687,50. Ao acioarmos a tecla [R ], teremos o valor de R$ 184,93 correspodete aos juros exatos. M1.687,50 75 dias, i60% a.a. PV1.500,00 Vamos agora efetuar os cálculos do Exemplo da seção Juros Simples utilizado a calculadora hp12c. Observe que o como o capital e a taxa de juros aual ão se alteram, serão impostados apeas o iício da operação. CAPITAL ,00[CHS][PV] TAXA DE JUROS 24[ i ] PRAZO (Em dias f(int Calcula os Juros Tecla [+] Calcula o Motate 31[] 206, ,67 62[] 413, ,33 92[] 613, ,33 123[] 820, ,00 153[] 1.020, ,00 184[] 1.226, ,67 11

12 DESCONTO RACIONAL Trata-se do valor do descoto aplicado sobre o valor presete do título calculado através da taxa omial, por isto deomiado de Descoto Simples por Detro. Desta forma, é a operação iversa dos Juros Simples. Embora este sistema ão seja utilizado a prática, seu estudo é iteressate para complemetar o estudo das taxas de juros efetivas e omiais. Cosiderado que: Vr é o valor de resgate do título. i é a taxa de juros efetiva da operação. t é o prazo da operação. Cosideremos que o valor de Descoto Racioal é aplicado sobre o Valor Racioal. Represetado graficamete, teremos: Dr Vr. i. t Mr Vr O motate é calculado somado-se o valor do descoto ao capital, ou seja: M r V r Isolado + D V r r V r V r + V. i. t V r M r (1+ i. t r (1+ i. t 12

13 Exemplo: Calcule o valor do descoto racioal para uma duplicata de R$5.000,00 vecível o dia 31/12 e que desejamos quitar o dia 01/10. A taxa de juros iformada é de 30% a.a. Solução: [f][clx] [g][ DYs] V Utilizado a calculadora hp12c Mr 5.000,00 (1+ it x 360 r 4.647,56 91 TECLA VISOR COMENTÁRIO 5.000,00 [FV] 5.000,00 Imposta o Motate racioal x[i] 7,58 Calcula a taxa racioal ( efetiva 1[] 1 Imposta o valor uitário para a taxa racioal [PV][CHS] 4.647,56 Calcula o Valor Racioal 5.000, ,56 TAXA DE JUROS NOMINAIS E EFETIVOS PARA DESCONTO RACIONAL Na situação do descoto racioal, a taxa omial é igual a taxa efetiva. É muito fácil etedemos se tomarmos o exemplo aterior. Equato a taxa aplicada (omial foi de: i x x 360 7,5833% Podemos facilmete verificar que esta mesma taxa aplicada sobre R$ 4.647,56 resultaria o valor de R$ 5.000,00, ou seja: 7, ,56 + (4.647,56x 5.000,00 13

14 EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS PARA O DESCONTO RACIONAL. No descoto racioal simplesmete partimos da taxa de juros aual e matemos o valor do Mr, pelo fato da taxa efetiva do descoto racioal ser a mesma taxa omial. Exemplo 1: Qual valor do título com prazo de 5 meses que poderá substituir outro o valor de R$1.000,00, i2,5% a.m. e prazo de 3 meses? Solução: Iicialmete calculamos o valor do descoto racioal do título origial, e etão o valor do descoto racioal do ovo título. M1R$1.000,00 M2R$1.000,00 3 meses 5 meses 1.000,00 Vr1 930,23 2,5 1+ x3 Aplicado Aplicado (2,5% (2,5% sobre sobre 930,23 888, ,00 Vr 2 2,5 1+ x5 930, ,23 x3x 888, ,89 x5x TECLA VISOR COMENTÁRIO 2,5 2, ,00 [FV] 1.000,00 Imposta o Motate racioal 2,5[ ]3x[i] 7,50 Calcula a taxa racioal ( efetiva 1[] 1 Imposta o valor uitário para a taxa racioal [PV][CHS] 930,23 Calcula o Valor Racioal RCL[i] 7,50 Recupera a taxa racioal [%] [+] 1.000,00 Retora ao Motate Racioal 1.000,00 [FV] 1.000,00 Imposta o Motate racioal 2,5[ ]5x[i] 12,50 Calcula a taxa racioal ( efetiva 1[] 1 Imposta o valor uitário para a taxa racioal [PV][CHS] 888,89 Calcula o Valor Racioal RCL[i] 12,50 Recupera a taxa racioal [%] [+] 1.000,00 Retora ao Motate Racioal 888, , ,00 14

15 DESCONTO SIMPLES BANCÁRIO Trata-se da difereça etre o valor omial de um título e o seu valor o mometo da egociação, ou o abatimeto efetuado sobre um valor previamete determiado para o resgate. Estas operações fiaceiras são muito utilizadas o mudo dos egócios, pricipalmete em operações bacárias, e também são cohecidas por Descoto Simples por Fora, por tratar-se do valor a ser deduzido de um título calculado sobre o seu Valor Nomial, ode: V é o valor omial do título. i é a taxa de juros omial da operação. t é o prazo da operação Observe o diagrama do fluxo de caixa V M Efetuamos o cálculo do valor do descoto calculado sobre o Valor Nomial do título. Ds Vi.. t M é o motate, valor atual ou valor de resgate, e é calculado dimiuido-se o valor do descoto do valor do título, ou seja: M V Ds V Vi.. t V(1 i. t 15

16 Exemplo 1: Calcule o valor do Motate para uma duplicata de R$5.000,00, vecível o dia e que desejamos quitar o dia A taxa de juros iformada é de 30% a.a. Solução: [f][clx] [g][ DYs] M V(1 i.t 5.000,00(1 x 4.620, hp12c 5.000, x360 x 4.620,83 Observe o diagrama do fluxo de caixa da operação. V5.000,00 M4.620,83 Exemplo 2: Vamos calcular o valor do descoto para uma duplicata de R$6.500,00 que desejamos quitar com 60 dias de atecedêcia. A taxa de juros iformada é de 5 % am. 5x12 60 M V(1 i.t 6.500,00(1 x 5.850, Observe o diagrama do fluxo de caixa da operação. V6.500,00 M5.850,00 Calcule com a hp12c. Observe o exemplo aterior. hp12c 16

17 TAXA DE JUROS NOMINAIS E EFETIVOS PARA O DESCONTO BANCÁRIO Na situação do descoto, a taxa omial é diferete da taxa efetiva. É muito fácil etedermos se tomarmos o Exemplo 1 aterior. Equato a taxa aplicada (omial foi de: i(% ( x x 7,58% 360 hp12c 30 91x360 x 7,58 Podemos facilmete verificar que esta mesma taxa aplicada sobre R$ 4.620,83 resultaria meos do que R$ 5.000,00, ou seja: % 4.620,83 hp12c + (4.620,83x 4.620,83 7,58 7,58[%] , ,09 No etato, se calcularmos a variação proporcioal etre o valor omial e o motate: Aplicado 8,21% sobre R$4.620,83 resultará em R$ 5.000,00. i DICA: também podemos calcular a taxa efetiva partido apeas da taxa omial do prazo cosiderado, ou retorar a taxa omial a partir da taxa efetiva do prazo cosiderado. Note que estas expressões devem ser utilizadas a sua forma percetual, e ão a forma uitária. e (% (% hp12c V M M 4.620,83 i ( i 5.000, ,83 x ( 4.620, ,00[ (%] 8,21% 8, ,83 + (4.620,83x 5.000,00 hp12c 4.620,83 8,2057[%] 5.000,00 x i (% ie (+ i x 8,21% e x i i e 7,58x hp12c 7,58 7,58 8,20% f4 8,2057% 7,58 8,2057x hp12c 8,2057 8, ,58% + 8,

18 DESCONTO SIMPLES BANCÁRIO COM A CALCULADORA hp12c Para efetuarmos cálculos com descoto simples bacário, devemos cosiderar as variáveis da seguite forma, em relação as teclas fiaceiras, similar ao cálculo dos juros simples: TECLA FUNÇÃO [ ] Quatidade de dias, sedo o ao comercial 360 dias [ i ] Taxa de Juros correspodete ao ao comercial [PV] Valor do capital cosiderado Exemplo: Calcule o valor do descoto para 75 dias cosiderado uma taxa de juros aual de 60 %, sobre o valor de R$ 1.500,00. [f] [REG] 1.500,00 [CHS][PV] [60] [ i ] 75 [ ] [f] [ INT] R$187,50 Limpa os registros Imposta o capital Muda o sial Imposta a taxa aual Imposta os dias Calcula os juros Valor do descoto. Ao acioarmos a tecla [-], teremos o valor de R$1.312,50. Taxa efetiva de descoto R$1.312,50 [RCL][PV] [CHS] [ %] 14,29% VPV1.500,00 Diagrama do Fluxo de Caixa da Operação M1.312,50 Com a utilização da HP12c, vamos calcular os exemplos 1 e 2 desta seção: Exemplo1: VR$5.000,00, i30%aa, 91 dias [f] [REG] 5.000,00 [CHS][PV] [30] [ i ] 91 [ ] [f] [ INT] R$379,17 Limpa os registros Imposta o capital Muda o sial Imposta a taxa aual Imposta os dias Ao acioarmos a tecla [-], teremos o valor de R$4.620,83. Taxa efetiva de descoto Calcula os juros Valor do descoto. R$4.620,83 [RCL][PV] [CHS] [ %] 8,21% Exemplo2: VR$6.500,00, i5%am 60%aa, 60 dias [f] [REG] 6.500,00 [CHS][PV] [60] [ i ] 60 [ ] [f] [ INT] R$650,00 Limpa os registros Imposta o capital Muda o sial Imposta a taxa aual Imposta os dias Calcula os juros Valor do descoto. Ao acioarmos a tecla [-], teremos o valor de R$5.850,00. Taxa efetiva de descoto R$5.850,00 [RCL][PV] [CHS] [ %] 11,11% 18

19 EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS PARA O DESCONTO SIMPLES Na vida comercial prática, é muito comum a substituição de títulos de crédito por outros equivaletes. Através dos exemplos seguites, verificaremos como calcular estas equivalêcias. Exemplo 1: Qual o valor do título com prazo de 5 meses que poderá substituir outro o valor de R$1.000,00, i 2,5% a.m. e prazo de 3 meses? Solução: Iicialmete devemos calcular o valor do motate do título origial, e após o valor do título equivalete. VPV1.000,00 3 meses M 2, ,00 (1 x 3 925,00 V 925,00 2,5 1 x ,14 5 meses M925,00 TECLA/FUNÇÃO VISOR COMENTÁRIO 1.000,00[CHS][PV] ,00 Imposta o valor omial 2,5[ ]12[X][i] 30 Taxa de juros mesal para aual 90[] 90 Prazo em dias f[it] 75,00 Valor do Descoto [-] 925,00 Valor do Motate 2,5[ ]5[X] 12,5 Calcula a Taxa Nomial [ ][ ]12,5[-][ ][X] 14,29 Calcula a Taxa Efetiva [%] 132,14 Calcula o Valor do Descoto [+] 1.057,14 Valor do ovo título. 19

20 Exemplo 2: Qual o valor do título com prazo de 4 meses que poderá substituir dois títulos, o primeiro de R$720,00 para dois meses e o segudo de R$960,00 para 3 meses, cosiderado a taxa de juros simples de 24% a.a.? Solução: Iicialmete devemos calcular o valor do motate de cada titulo origial. Após, vamos somá-los e em seguida calcular o valor omial do ovo título. VT2R$960,00 VT3 VT1R$720,00 4 meses 2 meses 1 mês M + 3 M1 M2 M 3 T T 1 3 M 1 M ,00(1 x2 691,20 T2 M2 960,00(1 x3 902, ,60 M1+ M2 691, , ,60 VT , ( x4 TECLA/FUNÇÃO VISOR COMENTÁRIO 720,00[CHS][PV] -720,00 Imposta o valor omial 24[i] 24 Taxa de Juros aual 60[] 60 Prazo em dias f[it] 28,80 Valor do Descoto [-][STO][0] 691,20 Motate armazeado a tecla [0] 960,00[CHS][PV] -960,00 Imposta o valor omial 90[] 90 Prazo em dias f[it] 57,60 Valor do Descoto [-][STO][+][0] 902,40 Motate acrescetado a tecla [0] [RCL][0] 1.593,60 Motate Total resgatado da tecla [0] 2[ ]4[X] 8,00 Calcula a Taxa Nomial [ ][ ]8[-][ ][X] 8,70 Calcula a Taxa Efetiva [%] 138,57 Calcula o Valor do Descoto [+] 1.732,17 Valor do ovo título. 20

21 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 1. Um capital é aplicado do dia 05 de maio ao dia 25 de ovembro do mesmo ao, a uma taxa de juros simples de 36% a. a., produzido um motate de R$4.800,00. Nessas codições, calcule o capital aplicado. M 4.800,00 C 3.986,71 (1+ i. t x 360 f [ REG] g[ DYS] [ i]1[ ]4.800,00[ FV ][ PV ] 2. A quatia de R$10.000,00 foi aplicada a juros simples exatos do dia 12 de abril ao dia 5 de setembro do correte ao. Calcule os juros obtidos, à taxa de 18% a.a J Cit ,00 x x 720, f [ REG ]10.000,00 [ CHS ][ PV ]146 [ ]18 [ i ] f [ INT ][ R 3. Ao efetuar a aquisição de um bem de cosumo o valor de R$ 1.500,00, com taxa de juros simples de 72% a.a. você obteve o prazo de 125 dias para o pagameto. Calcule o valor da liquidação da dívida, cosiderado 2 pagametos itermediários de R$400,00 (25 dias e R$600,00 (75 dias após ,00[ CHS][ PV ]75[ ] f [ INT ][ + ]600[ ] 751,25 751,25[ CHS][ PV ]25[ ] f [ INT ][ + ] 788,81 ][ R M1 [1.500x(1+ x ] 400, , M2 [1.175,00x(1+ x ] , Mfial 751,25x(1+ x 788, f [ REG]72[ i]1.500,00[ CHS][ PV ]25[ ] f [ INT ][ + ]400[ ] 1.175,00 ] R$ 788,81 R$ 400,00 R$ 600,00 M1 M2 R$ 1.500,00 21

22 4. Uma firma deseja alterar as datas e valores de um fiaciameto cotratado. Este fiaciameto foi cotratado há 30 dias, com uma taxa de juros simples de 2,0% a.m. A istituição fiaciadora ão cobra tarifas e a taxa de juros ão sofrerá alterações. Codições pactuadas iicialmete: pagameto de duas prestações iguais e sucessivas de R$11.024,00 a serem pagas em 60 e 90 dias. Codições desejadas: pagameto em três prestações iguais, com a primeira ao fial do 10º mês, a Seguda ao fial do 30º mês, e a terceira ao fial do 70º mês. Caso sejam aprovadas as alterações, o valor que mais se aproxima do valor uitário de cada uma das ovas prestações é: Solução M1 M , ,00 C ,00 1+ it 1+ it 1+ 0,02x2 1+ 0,02x3 M M M , ,02x ,02x ,02x70 M ,00 5. Uma pessoa possui um fiaciameto com taxa de juros simples de 10% a.m. O valor total dos pagametos a serem realizados, juros mais pricipal, é de R$ 1.400,00. As codições cotratuais prevêem que o pagameto deste fiaciameto será efetuado em duas parcelas. A primeira parcela, o valor de 70% do total dos pagametos, será paga ao fial do quarto mês, e a Seguda parcela o valor de 30% do total dos pagametos será paga ao fial do décimo-primeiro mês. O valor que mais se aproxima do valor fiaciado é: Solução 1.400,00x0, ,00x0,3 C ,1 x4 1+ 0,1 x11 700, ,00 900,00 6. Um ivestidor dispuha de R$ ,00 para aplicar. Dividiu esta aplicação em duas partes. Uma parte foi aplicada o baco Alfa, à taxa de 8% a.m., e a outra parte o baco Beta, à taxa de 6% a.m., ambas em juros compostos. O prazo de ambas as aplicações foi de um mês. Se após este prazo, os valores resgatados forem iguais os dois bacos, os valores de aplicação, em reais, em cada baco, foram, respectivamete: Solução M it ,00 1+ M C1 1,06 M C2 1,08 M + 1+ it ,98 1, ,98 1,08 M M + M 1+ 0,06x1 1+ 0,08x , , ,98 22

23 JURO COMPOSTO No coceito de juros compostos existe a capitalização dos juros sobre o valor pricipal a cada período. Aqui, a variável tempo é represetada pela letra. Vamos utilizar de um exemplo para iiciarmos o estudo, comparado com os juros simples Exemplo: Capital de R$10.000,00, juros de 2% ao mês, e prazo de 6 meses.é fácil verificarmos que a evolução dos juros capitalizados poderia ser represetada por uma série de juros simples, em que o valor aterior de cada período represeta o valor iicial do período seguite. Assim, teremos: PERÍODO CAPITAL TAXA PERIÓDICA MONTANTE , , , , ,00 2,00% , , , , , , ,62 Assim, o osso gráfico teria a seguite forma. Compare com o gráfico dos Juros Simples, e observe que aqui o crescimeto ão é liear, mas tem um comportameto expoecial. 1 mês 2 meses 3 meses 4 meses 5 meses 6 meses VALOR , , , , , ,62 No etato, é obvio verificarmos que este método seria muito demorado e trabalhoso. Para facilitar, vamos utilizar da tabela aterior para verificarmos que: MONTANTE [CAPITAL + (CAPITAL X TAXA DE JUROS ], ou M [C + (C x i ] C (1 + i Assim, teremos para cada período o acréscimo da série ( 1 + i, que o osso caso correspode a (1,02. Veja a tabela seguite. 23

24 PERÍODO CAPITAL TAXA PERIÓDICA MONTANTE 1 (1, ,00 2 (1,02(1, , ,00 (1,02(1,02(1, ,08 4 (1,02(1,02(1,02(1, ,32 5 (1,02(1,02(1,02(1,02(1, ,81 6 (1,02(1,02(1,02(1,02(1,02(1, ,62 Poderemos, etão, facilmete deduzir que para períodos teremos vezes repetida a série ( 1 + i. Assim, podemos afirmar que: M C( 1+ i Com esta fórmula, podemos calcular o valor do motate composto para qualquer período, sem ecessidade de seguirmos uma série. Observe os seguites cálculos: No quadro abaixo, utilizamos a hp12c para efetuar os cálculos de forma matemática. M C (1+ i para 2 períodos hp 12 c para 3 períodos hp 12 c Para 6 períodos hp 12 c M,00 1 M,00 1 M, ,00 (1+ x 2 [ ][ + ]2[ y ,00 (1+ x 2 [ ][ + ]3 [ y ][ x ] 2 3 ][ x ] ,00, ,00 ( ,62 x 2 [ ][ + ]6 [ y ][ x ] E a tabela seguite efetuamos os cálculos utilizado o teclado fiaceiro: Tecla/Fução Visor Cometário 00,00[CHS][PV] ,00 Iforma o valor do capital ( pricipal 2[ i ] 2 Iforma a taxa de juros periódica 1[] [FV] ,00 Calcula o motate para o primeiro período 2[] [FV] ,00 Calcula o motate para o segudo período 3[] [FV] ,08 Calcula o motate para o Terceiro período 4[] [FV] ,32 Calcula o motate para o quarto período 5[] [FV] ,81 Calcula o motate para o quito período 6[] [FV] ,62 Calcula o motate para o sexto período RCL[PV][CHS] ,00 Retora o valor pricipal para o visor RCL[FV] ,62 Retora o valor fial para o visor [ %] 12,62 Calcula a taxa efetiva de juros para 6 períodos 24

25 TAXA NOMINAL, EFETIVA E EQUIVALENTE EM JURO COMPOSTO Também cohecida como taxa cotratada, a taxa omial é aquela represetada sem a capitalização dos juros. Já a taxa efetiva é resultado da taxa omial capitalizada. Quato a taxa equivalete, existe quado mesmo havedo períodos de capitalização diferetes a aplicação da taxa de juros sobre um capital produzirem valores de juros proporcioais. A fórmula que calcula a taxa equivalete é represetada da seguite forma: Ieq d c [( 1+ i 1] x c Ode: d Período Desejado, c Período Cohecido e i c Taxa do Período Cohecido. Exemplos: Cosidere uma liha do tempo, coforme a tabela abaixo, com 12 meses (períodos Vamos cosiderar duas situações: 1. Se a taxa efetiva aual for de 12% a.a., em cada mês deveremos ter uma taxa meor do que 1%. a Três meses: Ieq [( 1+ 1] x 3 2,87% b Seis meses: Ieq [( 1+ 1] x 6 5,83% c Doze meses Ieq [( 1+ 1] x 12,00% 2. Se a taxa omial aual for de 12% a.a., cada período terá uma taxa de 1% que capitalizada resultará em 12,68% a.a. a Três meses: Ieq 1 1 [( 1+ 1] x 3 3,03% b Seis meses: c Doze meses: Ieq [( 1+ 1] x 6,15% Ieq [( 1+ 1] x 12,68% 25

26 CÁLCULO DE TAXAS EQUIVALENTES COM A hp12c Para que possamos facilitar os cálculos a hp12c, vamos impostar um programa que relacioa as taxas de juros omial, efetiva e equivalete, coforme abaixo: Tecla Utilizada Visor da Calculadora comum Visor da Calculadora Platium Sem programação g9 P- 08 r - 20 g9 P- 008 r - 20 [f][p/r][f][prgm] [1] [eter] [eter] [RCL][i] [%] [+] [RCL][PV] [RCL][FV] [tecla de divisão] [ y x ] [ %] [g][gto] [0][0] f[p/r] 0,00 (Cocluído 0,00 (Cocluído Com programação g9 P- 15 r - 19 g9 P- 015 r - 20 Devemos cosiderar as fuções para as seguites teclas, que são diferetes quado usadas o modo fiaceiro: TECLA [i] [FV] [PV] [R/S] COMENTÁRIO DA FUNÇÃO Iforma a taxa efetiva para o período cohecido Iforma o prazo a que a taxa [i] se refere. Iforma o prazo em que desejamos cohecer a taxa equivalete Forece a taxa equivalete. Para uma melhor compreesão, efetuamos os cálculos ateriores a tabela abaixo. TAXA [i] PERÍODO CONHECIDO [FV] PERÍODO DESEJADO [PV] TAXA EQUIVALENTE [R/S] , , , , , ,68 26

27 Também podemos efetuar algus cálculos utilizado um valor ídice a calculadora. Acompahe os exemplos seguites. Exemplo 1: Determie a taxa de juros efetiva para uma taxa mesal de 2% para 6, 12 e 18 meses. TECLA VISOR COMENTÁRIO,00[CHS][PV] -,00 Itroduz o valor ídice 2[i] 2 Itroduz a taxa de juros 6[] 6 Itroduz a quatidade de períodos [FV] 112,62 12,62 % de Taxa Efetiva 12[] 12 Itroduz a quatidade de períodos [FV] 126,82 26,82 % de Taxa Efetiva 18[] 18 Itroduz a quatidade de períodos [FV] 142,82 42,82 % de Taxa Efetiva Exemplo 2: Determie a taxa mesal que resultou em uma taxa efetiva de 26,82% em 12 meses. TECLA VISOR COMENTÁRIO,00[CHS][PV] -,00 Itroduz o valor ídice 126,82 [FV] 126,82 Itroduz o valor ídice idexado pela taxa 12[] 12 Itroduz a quatidade de períodos i 2 2 % de Taxa Mesal Em outra situação, em que podemos ter taxas distitas por período, precisamos efetuar o cálculo da taxa efetiva (equivalete de forma mecâica, e para isto precisamos utilizar o coceito de fator de taxa. i Fator de Taxa Ft 1+ Exemplo - Uma taxa de juros capitalizada sofreu três alterações sucessivas, de 2%,3% e 5%. Qual o valor efetivo desta taxa? Fator Taxa de Taxa Efetiva (1+ (1+ (1+ 1,1031 (1 F x (1 1,1031 x 10,313% t 27

28 PERÍODOS NÃO INTEIROS OU PERÍODO SINGULAR Quado houver a situação de existirem períodos fracioários, ou seja, ão iteiros em uma série fiaceira, podemos represetar graficamete da seguite forma, ode são períodos iteiros e iguais, e k um período fracioário deomiado período sigular, sedo > k. k E aqui ocorre uma iteressate situação, em que o período sigular os juros compostos são meores que os juros simples. Para que possamos eteder o motivo, cosideremos a situação de um capital uitário C1 aplicado durate dois períodos a uma mesma taxa de juros periódica de 10%, uma capitalizada e a outra ão. E para cada período efetuaremos a divisão em 03( três partes. Assim, teremos: Período Juros Simples M C (1 + i x Juros Compostos M C ( 1+i 0,1 M1(1+0,10 x 0,1 1,010 M 1 ( 1+ 0,10 0,1 1, ,5 M1(1+0,10 x 0,5 1,050 M 1 ( 1+ 0,10 0,5 1, ,0 M1(1+0,10 x 1,0 1, M 1 ( 1+ 0,10 1,0 1,00 1,1 M1(1+0,10 x 1,1 1,110 M 1 ( 1+ 0,10 1,1 1, ,5 M1(1+0,10 x 1,5 1,150 M 1 ( 1+ 0,10 1,5 1, ,0 M1(1+0,10 x 2,0 1,200 M 1 ( 1+ 0,10 2,0 1,20 Simples Composto 0,1 0,5 1,0 1,1 1,5 2,0 Assim, podemos observar que em um determiado istate as duas são iguais umericamete. Este istate é o 1 em que os juros simples e compostos são iguais, e podemos provar, através da seguite maipulação algébrica, que : < 1 Juros 1 Juros > 1 Juros Simples> Juros Simples Juros Simples< Juros Compostos Compostos Compostos 28

29 E certamete Curso de Matemática Fiaceira com a Calculadora hp12c M C(1+ i. Juros Simples M C(1+ i 1 Juros Compostos M( 1 C(1+ i.1 C(1+ i 1 C(1+ i Desta forma, teremos duas possibilidades de calcularmos os juros detro do período sigular. a Coveção Liear: utilizado juros simples. Na calculadora hp12c, deveremos retirar do visor a letra c. b Coveção Expoecial: utilizado juros compostos. Na calculadora hp12c, deveremos ter o visor a letra c. Observação: para icluirmos ou retirarmos a letra c do visor da calculadora, devemos digitar em seqüêcia as teclas [STO][EEX]. Exemplo Calcule o valor para liquidar um fiaciameto bacário de R$3.000,00 por um prazo de 110 dias, com uma taxa de juros mesal de 5% a.m. com capitalização mesal. Solução: Para efetuarmos o cálculo algebricamete, vamos dividir o problema em três partes. a Calcular o motate para 3 períodos iteiros com capitalização mesal: 5 M C (1+ i 3.000,00 x ( ,00 [ CHS ][ PV ]5[ i ]3[ ][ FV ] ,88 b Coveção Liear: Acrescetar o valor referete aos 20 dias do período sigular como juros simples. (Tire a letra c do visor da hp12c 5 20 M LINEAR C(1+ it 3.472,88(1+ x 3.588, ,00[ CHS][ PV] [ ]5[ i][ FV] c Coveção Expoecial: Acrescetar o valor referete aos 20 dias do período sigular como juros compostos. (Iclua a letra c o visor da hp12c 20 EXPONENCIA 5 30 M L C( 1+ i 3.472,88x(1+ [ STO ][ EEX ][ FV ][ FV ] 3.587,69 Observe que cosideramos os dados já impostados o item b. 29

30 DESCONTO COMPOSTO BANCÁRIO, COMERCIAL OU POR FORA Trata-se do motate resultate de um descoto composto, que é calculado através da descapitalização efetuada sobre um valor futuro, ode: V é o valor omial do título ( valor fial. i é a taxa de juros periódica da operação. é prazo da operação, cotedo o úmero de períodos da operação. Represetado graficamete, teremos: V M O valor do descoto composto será calculado da seguite forma, similarmete ao descoto simples, ode: M t V (1 i. t 1 M V (1 i Assim, teremos para cada período o decréscimo da série (1 - i. Poderemos, etão, facilmete deduzir que para períodos teremos vezes repetida a série ( 1 i. Assim, podemos afirmar que: M V ( 1 i c 30

31 Exemplo: Vamos calcular o valor do descoto para uma duplicata de R$ 5.000,00 vecível o dia 31/12 e que desejamos quitar o dia 01/10. A taxa de juros iformada é de 30% a.a. Solução: Etre as datas cosideradas temos 3 meses, ou seja, 3 períodos iteiros. Desta forma, calculamos: Nota: utilizamos o juro egativo a hp12c em fução do sial aplicado a fórmula. Graficamete, teremos: 30 3 M V(1 i 5.000,00( ,30 12x 5.000,00[ CHS ][ PV ]30 12 [ CHS ][ i]3[ ][ FV ] OU 5.000,00[ CHS ][ PV ]30[ CHS ] g[ i]3[ ][ FV ] R$5.000,00 01/10 31/12 R$4.634,30 TAXA DE JUROS EFETIVA PARA DESCONTO COMPOSTO BANCÁRIO Na situação do descoto composto comercial, a taxa de juros periódica é uma taxa omial, razão pela qual devemos primeiramete trasformá-la em efetiva para posteriormete buscarmos a taxa equivalete da operação. i 2,5 Ie x x 2,5641% ( i ( 2,5 d c 2, Ieq [(1+ i c 1] x [(1+ 1] x (5.000, ,30 Ieq x 7,8912% 4.634,30 7,8912% 31

32 DESCONTO COMPOSTO RACIONAL OU POR DENTRO Trata-se do motate resultate de um descoto composto, que é calculado através da descapitalização efetuada sobre um valor futuro, ode: Vr é o valor racioal do título ( valor iicial. i é a taxa de juros periódica da operação. é prazo da operação, cotedo o úmero de períodos da operação Relacioado matematicamete, teremos: M V ( 1+ i Exemplo: Calcular o valor do descoto racioal para uma duplicata de R$5.000,00 vecível o dia 31/12 e que desejamos quitar o dia 01/10. A taxa de juros iformada é de 30% a.a. Solução: Etre as datas cosideradas temos 3 meses, ou seja, 3 períodos iteiros. Desta forma, calculamos: r r Mr 5.000,00 Mr Vr(1+ i Vr (1+ i 30 (1+ 12x 5.000,00[ CHS][ FV ]3[ ]30g[ i][ PV ] ,00 Graficamete, teremos: R$5.000,00 01/10 31/12 R$4.643,00 TAXA DE JUROS EFETIVA PARA DESCONTO COMPOSTO RACIONAL Na situação do descoto composto racioal, a taxa de juros periódica é uma taxa efetiva. Portato, para obtermos a taxa equivalete da operação, basta aplicarmos a fórmula da taxa equivalete. Ieq [(1 + d c 2,5 3 ic 1]x [(1 + 1]x 7,6981% 32

33 COMENTÁRIOS SOBRE LOGARITMOS O logaritmo é a fução iversa da fução expoecial. As pricipais propriedades, e as mais utilizadas em matemática fiaceira, são: b a log( axb log a + logb log( a b log a x log a log a logb log a b x Porém, a hp12c temos apeas o logaritmo atural (base e. Podemos utilizar esta base para os cálculos, mas se desejarmos calcular a base 10, ecessitamos efetuar a seguite operação: 1 ª - Calculamos o logaritmo atural do úmero x cotido o visor.{ g[ln](x}. 2 ª - Pressioamos 10 g[ln] Exemplo: Calcule o logaritmo a base 10 dos úmeros da tabela abaixo. Número Logaritmo a base g[ln]10 g[ln] f[6] 0, g[ln]10 g[ln] f[6] 1, ,05 1,05 g[ln]10 g[ln] f[6] 0, EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 1. Cosiderado juros compostos, calcule o prazo em que um capital de R$10.000,00 dobrará de valor com uma taxa de 5% ao período? Solução : 5 M C(1+ i , ,00(1+ 2 1,05 log2 0, log2 log1,05 log1,05 14,21 log1,05 0, Ode 14 correspode a 14 períodos e 21 a 21% de um período. Com a hp12c, podemos calcular o valor iteiro mais próximo da seguite forma, utilizado o teclado fiaceiro ,00[FV] ,00[CHS][PV] 5[i] [] 15 períodos 33

34 2. Cosiderado juros compostos, calcule a taxa de juros ecessária para que uma aplicação fiaceira de R$5.000,00 com prazo de 10 meses dobre de valor. Solução: M C (1+ i , (1+ i 1, i 0, x 7,18 % 5.000,00 (1+ i 10 2 (1+ i i 1, (1+ i , Com a hp12c, podemos calcular a taxa utilizado o teclado fiaceiro: 5.000,00[CHS][PV] ,00[FV] 10[] [i] 7,18 3. Calcule o valor racioal descotado de um título cujo valor é de R$10.000,00, a taxa de juros omial aual é de 72% ao ao, e o prazo de atecipação é de 75 dias. Qual é a taxa efetiva para o prazo da operação: Mr Vr(1+ i ,00 Vr( x 8.644, , ,41 72 Ie x 15,68% Ie [( ,41 12x Com a hp12c, podemos calcular o motate da seguite forma: 1] x 15,68% ,00[FV] 72 [g] [i] [ ] [] [PV] ,41 Observe que impostamos o prazo [] como uma fração o teclado fiaceiro, e obtivemos o resultado diretamete. Já o exemplo 1 desta série, a resposta para o prazo [] foi forecida como um úmero iteiro (aproximado. Já a taxa efetiva da operação pode ser calculada da seguite forma: 8.644, ,00 [ %] 15,68 % 4. Calcule o valor atual de um título o valor de R$15.000,00 cosiderado uma taxa de descoto composto de 60% ao ao, com capitalização mesal, cosiderado uma atecipação de 130 dias. Calcule a taxa efetiva mesal. 60 Mc V(1 i ,00(1 12x , ,48 Ie x 24,89% ,48 Ie( mesal 5 Podemos efetuar o cálculo do motate utilizado o teclado fiaceiro, impostado a taxa de juros egativa e o prazo sob forma fracioária ,00 [CHS][PV] 60[CHS]g[i] [ ] [] [FV] ,48 Cálculo da taxa efetiva da operação: [RCL][PV][CHS][ %] 24,89 Ou de outra forma: , ,00 [ %] 24, Vr ,48 5,263 x 5,263% Ie [( ] x 24,89% 34

35 SÉRIES UNIFORMES DE PAGAMENTO, ANUIDADES OU RENDA CERTA Ao cosiderarmos uma sucessão de pagametos ou recebimetos, com prazo prédetermiado, período iguais e valores costates, temos o coceito que é mais cohecido como Reda Certa, pela sua uiformidade. Quato a forma de pagameto, podem ser atecipadas ou postecipadas. Utilizaremos dos exemplos seguites para itroduzir os coceitos e as fórmulas, torado mais prática a compreesão. Exemplo 1: Ao efetuar a aquisição de um bem de cosumo o valor de R$1.000,00, você cocordou em pagar 3 prestações sem etrada cosiderado uma taxa de juros aual de 60%. Calcule o valor da prestação mesal fixa, e os ecargos decorretes do fiaciameto. Solução: Visualize a operação através do gráfico: Para 3 parcelas Vf1.000,00 Como podemos observar o gráfico, os valores dos pagametos periódicos devem ser rigorosamete iguais. A fórmula a ser utilizada esta situação é a seguite: P [1 Vfxi (1 + i ] Vf Px [1 (1 + i i ] Substituido, teremos: P ,00 x 5 3 [1 (1+ ] 367,21 Portato, efetuaremos 3 pagametos iguais de R$367,21. Este tipo de série é mais cohecido como Sistema Price de Fiaciameto sem etrada, e se trata de uma Série Uiforme de Pagameto Postecipada. E possui a característica de em cada parcela efetuar o pagameto itegral dos juros sobre o saldo devedor, coforme a tabela seguite: Parcela Saldo Juros Pagos (5% s/saldo Devedor Cap. Amortizado 367, ,00 (5%s/1.000,0050,00 (367,21-50,00317,21 367,21 682,79 50,00+34,14(5%s/682,7984,14 (367,21-34,14333,07 367,21 349,72 84,14+17,49(5%s/349,72101,63 (367,21-17,49349,72 35

36 Acompahe a seguite seqüêcia de cálculos pela hp12c TECLA VISOR COMENTÁRIO 0,00[CHS][PV] ,00 Itroduz o valor fiaciado 60 [g] [i] 5 Itroduz a taxa de juros periódica 3[] 3 Itroduz a quatidade de parcelas [PMT] 367,21 Calcula o valor da parcela 1[f][amort] 50,00 Calcula o valor dos juros pagos a 1ª parcela [R ] 317,21 Calcula o valor do capital pago a 1ª parcela [RCL][PV] - 682,79 Saldo devedor após o pagameto da 1ª parcela 0,00[CHS][PV] ,00 Recompõe o saldo devedor 2[f][amort] 84,14 Calcula o valor dos juros pagos até a 2ª parcela [R ] 650,28 Calcula o valor do capital pago até a 2ª parcela [RCL][PV] - 349,72 Saldo devedor após o pagameto da 2ª parcela 0,00[CHS][PV] ,00 Recompõe o saldo devedor 3[f][amort] 101,63 Calcula o valor dos juros pagos até a 3ª parcela [R ] 1.000,00 Calcula o valor do capital pago até a 3ª parcela [RCL][PV] 0,00 Saldo devedor após o pagameto da 3ª parcela Visualize o gráfico abaixo a distribuição do valor dos juros e do capital. 3a. Parcela 17,49 349,72 367,21 2a. Parcela 34,14 333,07 367,21 1a. Parcela 50,00 317,21 Juros Capital Parcela 367,21 Podemos também calcular o valor dos juros e capital pagos em cada parcela, sem acumulação, através do seguite método TECLA VISOR COMENTÁRIO 0,00[CHS][PV] 60 [g] [i] 3[] [PMT] Calcula o valor da prestação 1[f][amort] 50,00 Juros a 1 ª Parcela [R ] 317,21 Capital pago a 1 ª Parcela 1[f][amort] 34,14 Juros a 2 ª Parcela [R ] 333,07 Capital pago a 2 ª Parcela 1[f][amort] 17,49 Juros a 3 ª Parcela [R ] 349,72 Capital pago a 3 ª Parcela 36

37 Exemplo 2: Ao efetuar a aquisição de um bem de cosumo o valor de R$1.000,00, você cocordou em pagar 3 prestações com etrada cosiderado uma taxa de juros aual de 60%. Calcule o valor da prestação mesal fixa. Solução: Vamos primeiramete visualizar a operação através do gráfico: Para 3 parcelas Vf1.000,00 Como podemos observar, os valores dos pagametos e os períodos devem ser rigorosamete iguais. A fórmula a ser usada esta situação é a seguite: P ,00x Vfxi {[ 1 (1+ i ][1+ i]} 5 3 {[1 (1+ ][1+ 5 ]} 349,72 Portato, efetuaremos 3 pagametos iguais de R$349,72. Este tipo de série é mais cohecido como Sistema Price de Fiaciameto com etrada, e se trata de uma Série Uiforme de Pagameto Atecipada. TECLA VISOR COMENTÁRIO g[beg] BEGIN Iforma que a série é atecipada 1.000,00[CHS][PV] ,00 Itroduz o valor fiaciado 60 [g] [i] 5 Itroduz a taxa de juros periódica 3[] 3 Itroduz a quatidade de parcelas [PMT] 349,72 Calcula o valor da parcela g[end] Retora a máquia para a situação de série postecipada. Porém, observe que, a prática, ao efetuar a primeira parcela o ato da realização da operação fiaceira, você pode cosiderar este valor como uma etrada, abatedo desta maeira o saldo devedor a ser fiaciado. Assim, se deduzirmos do valor fiaciado de R$1.000,00 a parcela de R$349,72, teremos um ovo saldo devedor de R$650,28. Calculado para a ova série, teremos 5 650,28 x P 5 [1 (1+ 2 ] 349,72 37

38 Utilizado a calculadora hp12c TECLA VISOR COMENTÁRIO 650,28[CHS][PV] - 650,28 Itroduz o valor fiaciado 60 [g] [i] 5 Itroduz a taxa de juros periódica 2[] 2 Itroduz a quatidade de parcelas [PMT] 349,72 Calcula o valor da parcela Exemplo 3: Ao efetuar depósitos mesais de R$500,00 em uma aplicação fiaceira, com redimetos previstos de 1%a.m. e capitalização mesal, você deseja saber ao fial do 5º mês qual será o valor atualizado. Solução: Pela sistemática das aplicações fiaceiras, temos aqui a situação de uma Série Uiforme de Depósitos Postecipada, ou seja, os redimetos serão creditados sempre ao fial do período. PR$500,00, i 1% am MR$3.076,01 A fórmula utilizada é a seguite, ressaltado que o 6º mês o depósito ão é capitalizado por ser uma Série Postecipada: M Px[( 1+ i 1] i Aplicado os dados, teremos: Utilizado a calculadora Px[(1+ i M i 1 500,00x[(1+ 1] 1 6 1] 3.076,01 TECLA VISOR COMENTÁRIO 500,00[CHS][PV] - 500,00 Itroduz o valor do 1º depósito 500[CHS][PMT] - 500,00 Itroduz o valor dos depósitos mesais 5[] 5 Itroduz a quatidade de depósitos mesais 1[i] 1 Itroduz a taxa de juros. [FV] 3.076,01 Calcula o valor fial. 38

39 Desafio : que tal resolver este problema sem utilizar a tecla [PV]? TECLA VISOR COMENTÁRIO [] Itroduz a quatidade de depósitos mesais 1[i] 1 Itroduz a taxa de juros. [FV] 3.076,01 Calcula o valor fial. Exemplo 4: Ao efetuar um depósito iicial de R$5.000,00 e mais 6 depósitos mesais de R$500,00 em uma aplicação fiaceira, com redimetos previstos de 1% a.m. e capitalização mesal, você deseja saber ao fial do 6º mês qual será o valor atualizado. Solução: Como podemos observar através do gráfico abaixo, a ossa série de depósitos ão é uiforme, porém os redimetos serão creditados sempre ao fial do período. CR$5.000,00 PR$500,00, i1% MR$8.383,61 Desta forma, podemos dividir a solução em duas etapas. Primeira etapa: Cosiderado os 6 depósitos iguais, do 2º ao 7º depósito, voltaremos a situação do exemplo 2, ode obtemos o valor de R$3.076,01. Seguda etapa: Cosiderado o valor de R$5.000,00, sedo capitalizado durate 6 meses, teremos através da fórmula do motate composto: M C (1+ i 5.000,00 ( ,60 Assim, se somarmos os dois resultados, da 1 ª e 2 ª etapa,teremos o valor de R$8.383,61. Efetuado os cálculos pelo teclado fiaceiro da hp12c TECLA VISOR COMENTÁRIO 5.000,00[CHS][PV] ,00 Itroduz o valor do 1º depósito 500[CHS][PMT] - 500,00 Itroduz o valor dos depósitos mesais 6[] 6 Itroduz a Quatidade de depósitos mesais 1[i] 1 Itroduz a taxa de juros. [FV] 8.383,61 Calcula o valor fial. 39

40 Exemplo 5: Para que você atija o valor de R$10.000,00 após 6 meses, partido de um depósito iicial de R$3.000,00 e supodo uma taxa mesal de 2%, quato deve ser depositado mesalmete? Primeira etapa: Cosiderado o valor de R$3.000,00 sedo capitalizado durate 6 meses, teremos através da fórmula do juro composto: M C(1+ i 3.000,00( ,49 Portato, faltam R$10.000,00 R$3.378,49 R$ 6.621,51 para completar o motate. Seguda etapa: Cosiderado os seis depósitos iguais, do 2º ao 7º depósito M Px[(1+ i i 1] P Mxi [(1+ i 1] 6.621,51x [( ] 1.049,68 Portato, com R$1.049,68 mesais de depósito chegaremos ao motate de R$10.000,00. Veja como efetuar os cálculos a hp12c e o gráfico. TECLA VISOR COMENTÁRIO 3000,00[CHS][PV] ,00 Itroduz o valor do 1º depósito ,00[FV] ,00 Itroduz o valor fial que desejamos atigir 2[i] 2 Itroduz a taxa de juros. 6[] 6 Itroduz a quatidade de parcelas [PMT] 1.049,68 Calcula o valor do depósito mesal. CR$3.000,0 0 PR$1.049, MR$10.000,0 0 40

41 TABELAS FINANCEIRAS Como podemos perceber os cálculos sempre são feitos utilizado calculadoras. Porém, a ausêcia desta, para facilitar podemos efetuar o uso de tabelas fiaceiras que miimizam os cálculos e auxiliam o etedimeto. Utilizaremos a seguite omeclatura: [i ] que os forecem os valores associados de taxa e prazo, com seis casas decimais, e vamos trabalhar com a Série Uiforme de Amortizações (Tabela PRICE. P [1 Vfxi (1 + i ] Vf Px [1 (1+ i i ] [ i ] [1 (1+ i i ] P Vfx [ i ] Vf P [ i ] i / 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% 1 1,000 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,462 0, , , Exemplo: Para 5% e 10 parcelas teremos um multiplicador fixo de 0, sobre o valor de capital. Para R$10.000,00, teremos R$1.295,05 Esta tabela pode ser costruída facilmete com a utilização da hp12c. Apeas devemos cosiderar um valor uitário como o valor pricipal, e iformarmos as taxas e prazos que queremos calcular. TECLA VISOR FUNÇÃO 1[CHS][PV] -1 Valor Pricipal 10[] 10 Prazo ( períodos 5[i] 5 Taxa de Juros [PMT]f[6] 0, Multiplicador fixo 41

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br Matemática Fiaceira Prof. MSc. Deilso Nogueira da Silva deilsoogueira@uol.com.br Juho/03 Ídice -INTRODUÇÃO... 3. O Excel... 3. A Calculadora HPC.... 3.3 Pricipais Operações do Excel... 4.4 Operações com

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Evaivaldo Castro Silva Júior 1 3. Regime de Juros Compostos 2 Coceitos fudametais em capitalização composta Regime de Juros ode os juros são calculados a partir do capital iicial de cada período No processo

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES)

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) APOIO AO MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Nehuma empresa é pequea quado os dirigetes são grades e o segredo para ser grade é se istruir sempre! PROJETO INTEGRALMENTE

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares Matemática Fiaceira para Gestão de Negócios Júlio Cezar dos Satos Patrício Cosiderações Prelimiares O objeto do presete estudo, que ão tem a pretesão de esgotar o assuto, é oferecer base aos empresários

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL

Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL CURSO BÁSICO DE MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA (Idicado para as Áreas: Ecoomia, Admiistração, Cotabilidade, Matemática e Preparação para Cocursos) Coceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas fiaceiras

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIDADE IX DESCONTOS UNIDADE IX DESCONTOS Itrodução: Em cotabilidade, chama-se descoto a operação bacária de etrega do valor de um título ao seu detetor, ates do prazo do vecimeto, e mediate o pagameto de determiada quatia

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira

Apostila de Matemática Financeira 200.2 Apostila de Matemática Fiaceira Prof. Davi Riai Gotardelo Dispoível o Xerox e o Quiosque Uiversidade Federal Rural do Rio de Jaeiro (UFRRJ) A p o s t i l a d e M a t e m á t i c a F i a c e i r a

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon Elemetos de Aálise Fiaceira Descotos Aplicações de Juros Simples Descotos Valor Nomial = valor de resgate = valor de um título o seu vecimeto Ao liquidar um título ates do vecimeto há uma recompesa pelo

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Uiversidade Comuitária da Região de Chapecó Sistemas de Iformação $$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ MATEMÁTICA FINANCEIRA (MATERIAL DE APOIO E EXERCÍCIOS) $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 1 Curso de Graduação em Admiistração a Distâcia UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Reitora Célia Maria da Silva Oliveira Vice-Reitor João Ricardo

Leia mais

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12 Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 PARTE 1 - ASPECTOS ECONÔMICOS DOS JUROS 3 PARTE 2 - ASPECTOS FINANCEIROS DOS JUROS 3 PARTE 3 - VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO 6 PARTE 4 DESCONTO

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON 1.2. NOTAÇÃO DECIMAL A máquina HP 12C possui duas formas de separar a parte fracionária da parte inteira de um número: utilizando

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG Projeto Institucional de Formação Continuada Aprendizagem de Matemática Mediada por suas Aplicações 6 o Encontro: Matemática Financeira Professor José Carlos

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Roberta Torres MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática Trabalho de Coclusão de Curso submetido ao Curso de Matemática Habilitação Liceciatura

Leia mais

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO JURANDIR GURGEL GONDIM FILHO Professor Adjuto do IESC Mestre em ecoomia (UFC/CAEN), MBA em Fiaças pelo IBMEC, Especialista em Fiaças Públicas (FGV)

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização MATEMÁTICA FINANCEIRA Capitalização Seu estudo é desevolvido, basicamete, através do seguite raciocíio: ao logo do tempo existem etradas de diheiro (RECEITAS) e saídas de diheiro (DESEMBOLSOS) os caixas

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL SOLUÇÕES COMPLETAS DE QUESTÕES E EXERCÍCIOS ADRIANO LEAL BRUNI E RUBENS FAMÁ 5ª EDIÇÃO ATLAS 2010 1 APRESENTAÇÃO Este texto apresenta as respostas da questões e

Leia mais

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Aula 23 Juros Compostos. Motate e juros. Descoto Composto. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivaletes. Capitais equivaletes. Capitalização cotíua. Equivalêcia Composta de Capitais. Descotos: Descoto racioal

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

TABELA PRICE NÃO EXISTE *

TABELA PRICE NÃO EXISTE * TABELA PRICE NÃO EXISTE * Rio, Novembro / 203 * Matéria elaborada por Pedro Schubert. Admiistrador, Sócio Fudador da BMA Iformática & Assessorameto Empresarial Ltda. TABELA PRICE NÃO EXISTE ÍNDICE Págia

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Outubro/203 UNESPAR/FAFIPA - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA ATRAVÉS

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ecoomia, Admiistração e Cotabilidade de Ribeirão Preto - FEA-RP Matemática Fiaceira Profa. Dra.Luciaa C.Siqueira Ambrozii Juros Compostos 1 Juros compostos Cosidera

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira FGV Maagemet Matemática Fiaceira Paulo Lamosa Berger aluos@plberger.com.br Realização Fudação Getulio Vargas FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PRESIDENTE arlos Iva Simose Leal ESOLAS FGV EAESP Diretor Ferado S.

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS João Ediso Tamelii Martis FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS & MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS Permitida a reprodução pelos aluos dos Cursos Técicos da ETE Prof. Camargo Araha 03 Apresetação

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL OPINE CONSULTORIA CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL CALCULADORA HP 12C: Operações Financeiras Básicas A calculadora HP 12C é uma

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual;

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual; curso completo de CALCULADORA HP-12C - 3 JUROS SIMPLES Além dos registradores X (visor), Y, Z e W, discutidos no capítulo anterior, vimos também que a calculadora HP-12C apresenta os registradores financeiros,

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A IAG Matemática Fiaceira Fluxo de Caixa O valor do diheiro o tempo Represetação: Saídas Etradas (100) 100 Prof. Luiz Bradão 2012 1 2 Visualização: Fluxo de Caixa 0 1 2 3 4 5 Defiições: Fluxo de Caixa VP

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceito de taxa de juros Taxa de juro é a relação etre o valor dos juros pagos (ou recebidos) o fial de um determiado período de tempo e o valor do capital

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos).

2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos). 1. FUNÇÕES ANCEIRAS: FLUXOS CONSTANTES Mateha sempre o FLAG C ligado o visor, executado STO EEX. Caso cotrário, o cálculo de períodos racioários (0,45 meses, por exemplo) será eito por juros simples, o

Leia mais