AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY"

Transcrição

1 APOSTILA EDIÇÃO: AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES Coceitos e Cálculos Descoto Simples Descoto Simples Bacário Descoto Simples Racioal JUROS COMPOSTOS Coceitos e Cálculos Cálculo do motate para período fracioário Coveção Expoecial Coveção Liear Descoto Composto Descoto Composto Racioal, ou Por Detro Descoto Composto Comercial ou Bacário ou Por Fora TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE INFLAÇÃO E CORREÇÃO MONETÁRIA EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS 28 6 ANUIDADE OU SÉRIES DE PAGAMENTOS UNIFORMES Auidade com Parcelas Postecipadas Valor Futuro ou Motate Auidade com Parcelas Atecipadas Valor Futuro ou Motate Reda Perpétua AMORTIZAÇÕES Sistema Fracês de Amortização SFA - (Sistema Price) Caso com Período de Carêcia: Sistema de Amortização Costate SAC (Sistema Hamburguês) FLUXO DE CAIXA E ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Fluxo de Caixa Taxa Míima de Atratividade Método do Valor Presete Líquido (VPL) Método do Valor Presete Líquido para Períodos Diferetes de Ivestimetos Método da Taxa Itera de Retoro (TIR) 51 Maurício R. Cury Edição

3 8.5 Comparação etre os Métodos da TIR e do VPL TIR Modificada (TIRM) DEPRECIAÇÃO 62 APÊNDICE A RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS 67 Maurício R. Cury Edição

4 1. Itrodução A Matemática Fiaceira tem como poto fudametal o cálculo de valores moetários em diversas datas trasportados pela taxa de juros. Os juros são o aluguel ou a remueração pelo capital emprestado ou aplicado. A partir daí é possível desevolver várias aplicações tais como cálculo de motate, de descoto de títulos, de fiaciametos, aplicações, redas, aálise de ivestimetos, depreciação e etc. Basicamete existem dois tipos de capitalização: [Capitalização é a soma dos juros devidos ao pricipal, ampliado-se o mesmo e formado o motate] Capitalização Simples e Capitalização Composta. A Capitalização Simples (ou Juros Simples) cosiste o cálculo de juros de maeira que seu crescimeto, ao logo do tempo, ocorre liearmete. Os juros são calculados sobre o Capital Iicial. Na Capitalização Composta (ou Juros Compostos), os juros são calculados sobre o motate do período aterior, que já possui juros capitalizados. O crescimeto dos juros, ao logo do tempo, ocorre expoecialmete. Na capitalização composta, portato, paga-se mais juros que a capitalização simples (cosiderado mesma taxa de juros e mesmo período), exceto o caso do primeiro período de capitalização ode os juros são iguais. O Período de Capitalização é o período o qual os juros são capitalizados ou icorporados ao pricipal. Exemplo: se o período de capitalização é mesal etão os juros são icorporados ao capital a cada trita dias. A taxa de juros é o ídice que permite calcular os juros. Ela é geralmete expressa em percetual e deve, obrigatoriamete, refereciar o período de capitalização. Exemplos: 2,4% ao mês; 4,5% ao bimestre; 9% ao semestre; 13% ao ao. Serão abordados, esta apostila, os seguites tópicos: cálculo de capital, juros, períodos, motate e taxa de juros para os regimes de capitalizações simples e composta. Descotos simples e compostos (bacários e racioais). Taxas de juros omiais, proporcioais, efetivas e equivaletes. Equivalêcia de capitais. Auidade ou série de pagametos uiformes. Amortizações: Sistema Price e Sistema de Amortização Costate (SAC), e aida é desevolvido um modelo de amortização o regime de capitalização simples. Aálise de Ivestimetos, através dos dois métodos mais utilizados: pelo Valor Presete Líquido e pela Taxa Itera de Retoro. Maurício R. Cury Edição

5 Em cada tópico estudado serão resolvidos algus exercícios e propostos outros com seus respectivos resultados. Nomeclatura: os símbolos usados para os parâmetros de cálculo são os cohecidos uiversalmete e utilizados as calculadoras fiaceiras e plailhas eletrôicas. Os pricipais símbolos são: Símbolo Símbolo Defiição Alterativo C [Preset Value] Valor Presete, Capital Iicial M [Future Value] Valor Futuro, Motate J INT {Iterest] Juros i t Taxa de Juros Tempo, Período, Número de Prestações PMT [Paymet] Pagameto, Prestação VPL N [Net Preset Value] Valor Presete Líquido TIR IRR [Iteral Rate of Retur] Taxa Itera de Retoro Maurício R. Cury Edição

6 2. Juros Simples 2.1 Coceitos e Cálculos No regime de juros simples, ou capitalização simples, o juro é sempre calculado sobre o valor pricipal (ou capital iicial). Os juros acumulados crescem, ao logo do tempo, de maeira liear coforme uma progressão aritmética. Observe o seguite diagrama, ode o capital iicial aplicado é 1.000, a taxa de juros simples é i1% por período (O período poderá estar em qualquer uidade de tempo: dia, semaa, mês, semestre, ao, etc.) INT 1 10 INT 2 10 INT 3 10 INT Períodos Em qualquer período (1 ou 2 ou 3 ou 4) o juro é sempre calculado sobre o capital iicial (valor presete), 1% de 1.000, INT j 10. Cosiderado : capital iicial ou valor presete motate ou valor futuro i taxa de juros úmero de períodos que os juros serão capitalizados INT juros calculados o período Fórmulas para capitalização simples: j j1 INT j j + j 1 INTj i No exemplo acima, os valores para cada período são: Maurício R. Cury Edição

7 Período Juros Juros Capital Acumulados Note que o capital cresce segudo uma progressão aritmética cuja razão é o Juro. Exemplo: Quais os juros e motate correspodetes à uma aplicação de um capital de R$ durate 55 dias à uma taxa de 15% ao ao? Pela fórmula: INT , , , ,50 Observações: - foi cosiderado ao comercial (de 360 dias). Note que o uso da fórmula, e i tem a mesma periodicidade. No caso de ao exato (de 365 dias): 55 INT , , , ,41 Caso esteja omisso, adota-se o ao comercial (360 dias), bem como adota-se o mês comercial (30 dias).. As fórmulas utilizadas para o regime de capitalização simples são: 1 ( + i ) 1 ( + i ) 1 i Maurício R. Cury Edição

8 1 i Para o uso correto destas fórmulas a taxa de juros deve ter periodicidade coforme a uidade de. Por exemplo: se estiver em meses, a taxa deverá ser ao mês, ou se a taxa for ao ao etão deve estar em aos. Exercícios: 1. Um capital de $ foi aplicado durate 16 meses, à uma taxa de juros simples de 2,4% ao bimestre. Calcular o Motate após este período. 2. Quato tempo deve ficar aplicado um capital de $ para formar um motate de $ se aplicado à uma taxa de juros simples de 15% ao ao? 3. Um certo capital foi aplicado à uma taxa de juros simples de 4,2% ao trimestre, durate 14 meses, e formou um motate de $6.697,60. Calcular este capital. 4. Calcular a taxa de juros simples que aplicada sobre um capital de $ , durate 28 bimestres, gera um motate de $ Um capital de $ foi aplicado durate 10 meses à uma taxa de juros simples de 0,95% ao mês. Após este período, o motate foi aplicado por mais 14 meses à uma taxa de 1,24% ao mês. Calcular o motate após este período. 6. A que taxa de juros simples um capital deve ser aplicado para que, após dois aos, ele triplique de valor? 7. Um certo capital foi aplicado durate 6 trimestres à uma taxa de juros simples de 5% ao trimestre. Após este período o motate foi aplicado por mais 5 quadrimestres à uma taxa de juros simples de 7,5% ao quadrimestre, resultado um motate de $ Perguta-se qual foi o capital iicialmete aplicado? 8. Quato tempo será ecessário para que um capital quituplique de valor se aplicado à uma taxa de juros simples de 5,5% ao mês? 9. O que rede mais: Alterativa I: aplicar um capital durate dois aos, à uma taxa de juros de simples de 3,2% ao mês; Alterativa II: aplicar, durate dois aos, 30% deste capital à uma taxa de 5% ao mês e o restate à uma taxa de 2,8% ao mês Maurício R. Cury Edição

9 10. Qual a taxa de juros diária que aplicada sobre um capital de $5.000 durate um ao forma um motate de $5.900? Repetir o cálculo cosiderado taxa de juros mesal. 2.2 Descoto Simples Por muitas vezes as empresas ecessitam de recursos fiaceiros de terceiros. Além de empréstimos e outras captações de recursos, as empresas fazem uma operação cohecida como descoto de título de crédito. O título de crédito (como uma duplicata) é o compromisso de alguém com a empresa para o pagameto em uma determiada data. A empresa ecessitado da atecipação deste diheiro recorre à uma istituição fiaceira que aplica um descoto o valor do título. Este descoto é o juro cobrado pela istituição fiaceira pela atecipação do diheiro. Chama-se Valor de Face, ou Valor Nomial do título, o valor omialmete expresso este título. O Valor de Resgate é o valor atecipado pelo Baco após ser aplicado o descoto. A Taxa de Descoto é o ídice usado para calcular o descoto e o Período de Atecipação é em quato (tempo) o título foi atecipado. Chama-se Descoto Simples por ser calculado detro do regime de capitalização simples. O Descoto pode ser de dois tipos : (I) Descoto Simples Bacário, ou Comercial ou Por Fora e (II) Descoto Simples Racioal, ou Por Detro. A omeclatura utilizada é: Valor de Resgate (ou Valor Presete, pois ocorre ates de ) Valor de Face ou Valor Nomial i Taxa de Descoto (taxa de juros e deve ser expressa com um determiada periodicidade). Período de atecipação D b Descoto Bacário D r Descoto Racioal Descoto Simples Bacário Também chamado de Descoto Por Fora, pois a taxa de descoto é aplicada sobre o Valor de Face do título. Db i Maurício R. Cury Edição

10 Db Destas duas fórmulas vem: i i 1 ( i ) ou 1 ( i ) i 1 1 i Exercícios: 11. Qual o valor do descoto de um título de $ descotado 2 meses ates do seu vecimeto à uma taxa de descoto simples bacário de 2,8% ao mês? 12. Qual o valor de face de um título resgatado 100 dias ates do seu vecimeto por $1.280 sabedo-se que a taxa de descoto simples bacário utilizada foi de 3,2% ao mês? 13. Um título de $ foi resgatado 45 dias ates do seu vecimeto por $ Calcular a taxa de descoto simples bacário utilizada. 14. Um título de $ foi resgatado por $ sedo aplicada uma taxa de descoto simples bacário de 7,9% ao trimestre. Calcule quato tempo o pagameto deste título foi atecipado. 15. Uma empresa decidiu resgatar um título de $30.000, 90 dias ates do seu vecimeto, por $ e aplicou este valor por 90 dias, à uma taxa de juros simples de 1,8% ao mês. Perguta-se se esta operação foi vatajosa. 16. Uma empresa possui 6 títulos de diferetes valores e vecimetos coforme tabela abaixo. Ela decide por Maurício R. Cury Edição

11 descotá-los um baco que aplica taxa de descoto simples bacário de 4,1% ao bimestre. Calcular o valor total resgatado pela empresa. Título Valor Vecimeto Nomial Título 1 $ dias Título 2 $ dias Título 3 $ dias Título 4 $ dias Título 5 $ dias Título 6 $ dias Descoto Simples Racioal Também chamado de Descoto Por Detro, pois a taxa de descoto é aplicada sobre o valor de resgate. Dr Dr i i 1 1 ( + i ) ( + i ) 1 i 1 i Exercícios: 17. Qual o valor do descoto de um título de $ descotado 2 meses ates do seu vecimeto à uma taxa de descoto simples racioal de 2,8% ao mês? Maurício R. Cury Edição

12 18. Qual o valor de face de um título resgatado 100 dias ates do seu vecimeto por $1.280 sabedo-se que a taxa de descoto simples racioal utilizada foi de 3,2% ao mês? 19. Um título de $ foi resgatado 45 dias ates do seu vecimeto por $ Calcular a taxa de descoto simples racioal utilizada. 20. Um título de $ foi resgatado por $ sedo aplicada uma taxa de descoto simples racioal de 7,9% ao trimestre. Calcule quato tempo o pagameto deste título foi atecipado. 21. Uma empresa decidiu resgatar um título de $30.000, 90 dias ates do seu vecimeto, por $ e aplicou este valor por 90 dias, à uma taxa de juros simples de 2,3% ao mês. Perguta-se se esta operação foi vatajosa. 22. Uma empresa possui 6 títulos de diferetes valores e vecimetos coforme tabela abaixo. Ela decide por descotá-los um baco que aplica taxa de descoto simples racioal de 4,1% ao bimestre. Calcular o valor total resgatado pela empresa. Título Valor Vecimeto Nomial Título 1 $ dias Título 2 $ dias Título 3 $ dias Título 4 $ dias Título 5 $ dias Título 6 $ dias Maurício R. Cury Edição

13 3. Juros Compostos 3.1 Coceitos e Cálculos No regime de juros compostos os juros calculados um período serão acrescidos ao capital pricipal para o cálculo dos juros o próximo período. Por esta razão diz-se, o caso de regime de capitalização composta, juros sobre juros. Observe o diagrama abaixo, ode é aplicado um capital de $ durate períodos à uma taxa de 1% por período , ,10+10, ,30+10,30 INT 1 10 INT 2 10,10 INT 3 10,20 INT 4 10, Períodos No primeiro período a taxa de juros (1%) foi aplicada sobre o Capital gerado juros INT 1 10 e formado o motate (1), No segudo período a taxa de juros foi aplicada sobre o motate do período aterior (1), , gerado juros de INT 2 10,10 e formado o motate ,10. E assim sucessivamete a cada período. Revedo : de Valor Presete ou Capital Iicial de Valor Futuro ou Motate INT de Juros i de taxa de juros de período ou tempo O Motate pode ser calculado pela seguite fórmula: + j 1 j INTj j ou i) i) i)... ( i) vezes Maurício R. Cury Edição

14 ( i) 1 + Da mesma maeira, para calcular o Valor Presete: 1 ( + i) Os Juros são calculados pela fórmula: INT- No exemplo acima, para cada período: Período Juro Capital , , , , , , , , ,60 Note que o capital e os juros crescem segudo uma progressão geométrica. Para o cálculo da taxa: i) 1+ i i) 1 i 1 1 Para o cálculo do úmero de períodos: Maurício R. Cury Edição

15 i) i) ( + i) l ou log i) l 1 l 1 log ( + i) l ou log i) log l l i) ou log log 1 ( + i) Exemplos: 1. Qual o motate gerado por um capital de $ aplicado durate 4 aos à uma taxa de 12% ao ao? (1 + 0,12) , ,18 2. Qual capital preciso aplicar à uma taxa de 3% ao mês, capitalizável mesalmete, durate 10 meses para produzir um motate de $5.800? ,03) , ,74 3. A que taxa semestral um capital de $6.000 gera juros de $ 1.813,56 durate 3 aos? Como a taxa deve ser ao semestre, devemos passar 3 aos para 6 semestres. +INT , ,56 Maurício R. Cury Edição

16 i , , ,045 4,5% a. s. 4. Durate quato tempo devo aplicar um capital de $ , à uma taxa de juros de 1,5% ao mês, capitalizável mesalmete, para obter um motate de $ ,51? ,51 l l , , 50 ( + i) l 0,015) l 1 0, meses Exercícios: 23. Calcular o motate de um capital de $ aplicado durate 18 meses á uma taxa de juros compostos de 3% ao bimestre, capitalizado bimestralmete. 24. Um capital de $ foi aplicado durate 2 semestres à uma taxa de juros compostos de 8,5% ao semestre, capitalizável semestralmete. Após este período, o capital resultate foi aplicado por mais 3 aos à uma taxa de juros compostos de 2,8% ao trimestre, capitalizável trimestralmete. Calcular o valor do motate após este período. 25. Quato de capital é ecessário aplicar hoje, para que daqui a 16 bimestres forme um motate de $3.950,67 sabedo-se que a taxa de juros compostos usada foi de 3,1% ao bimestre, capitalizável bimestralmete? 26. Qual a taxa de juros compostos ecessária para que um capital de $ forme um motate de $ durate 7 meses? 27. Em quato tempo uma taxa de juros compostos de 4% ao mês triplica um determiado capital? 28. Numa determiada data foram aplicados dois capitais: um de $ à uma taxa de juros compostos de 3,4% ao mês e outro de à uma taxa de juros compostos de 2,45% ao mês. Após quato tempo os motates das duas aplicações ficaram iguais? 29. Qual ivestimeto é mais retável: aplicar $ e resgatar $ após 7 meses ou, aplicar $ e resgatar $ após 12 meses? 30. Qual taxa de juros compostos quadruplica um capital após 2 aos? Maurício R. Cury Edição

17 31. Se a cadereta de poupaça rede 0,5% ao mês, quato deverei aplicar para que ela reda juros de $ após 6 semestres? 32. Uma loja está vededo um televisor por $1.500 a vista ou em duas parcelas mesais de $766,50 cada, sedo a primeira de etrada. Se hoje eu possuo $1.500 aplicados e sabedo que daqui a um mês esta aplicação me rederá $75,00 de juros, qual a maeira mais vatajosa para mim se eu quiser comprar este televisor: (1) a vista, sacado todo o diheiro aplicado ou (2) em duas parcelas, sacado o suficiete para dar a etrada e deixar o restate aplicado durate um mês para depois pagar a seguda prestação? 3.2 Cálculo do motate para período fracioário Quado o úmero de períodos de capitalização for um úmero fracioário, existem dois critérios para se calcular o motate Coveção Expoecial Neste caso são usados juros compostos tato para a parte iteira como para a parte fracioária do período. Adota-se a seguite fórmula: 1 k + ( + i) m ode é a parte iteira do úmero de períodos e k/m é parte fracioária do úmero de períodos. Por exemplo, para um período de 7 meses e 15 dias e capitalização mesal, temos 7 e k/m15/300,5. Ou para um período de 1 ao e 20 dias e capitalização aual temos 1 e k/m20/3600, Exemplos: 1. Qual o motate gerado por um capital de $ aplicado à uma taxa de 3% ao bimestre, capitalizável bimestralmete, durate 310 dias? Para passar o período para bimestre divide-se 310 por 60 dias 5, k/m ,03) , , Qual o motate gerado por um capital de $ aplicado à uma taxa de 2% ao mês, capitalizável mesalmete, durate 6 meses e 10 dias? Maurício R. Cury Edição

18 Neste caso 6, k10 e m30 (1 mês tem 30 dias) ( 1 + 0,02) , , Coveção Liear Neste segudo critério são usados juros compostos para a parte iteira e juros simples para a parte fracioária do período. Adota-se a seguite fórmula: i) 1+ i k m Utilizado os dados do exemplo 2 aterior: 2. Qual o motate gerado por um capital de $ aplicado à uma taxa de 2% ao mês, capitalizável mesalmete, durate 6 meses e 10 dias? 6, k10 e m30 (1 mês tem 30 dias) Exercícios: ,02) 1+ 0, , , , 25 Para os exercícios a seguir utilizar os dois métodos estudados: 33. Calcular o motate de um capital de $ aplicado durate 14 meses e 25 dias á uma taxa de juros compostos de 3,9% ao bimestre, capitalizado bimestralmete. 34. Um capital de $ foi aplicado à uma taxa de juros compostos de 18,4% ao ao, capitalizável aualmete, durate 6 aos e 3 trimestres. Calcular o motate. 35. Um capital de $ foi aplicado à uma taxa de juros compostos de 10,5% ao quadrimestre, capitalizável quadrimestralmete, durate 2 aos e 2 trimestres. Calcular o motate. Maurício R. Cury Edição

19 3.3 Descoto Composto Os coceitos de descoto composto são os mesmos que os de descoto simples, vistos ateriormete. A difereça é que o descoto composto está o regime de capitalização composta. Ele pode ser Descoto Composto Bacário (ou por Fora) ou Descoto Composto Racioal (ou por Detro), sedo este segudo o mais utilizado pelas istituições fiaceiras. Os termos utilizados esta operação são os mesmos do descoto simples. Relembrado: - Valor Nomial ou Valor de Face do título () é o valor do título a data do seu vecimeto; - Valor de Resgate do título () é o valor atecipado recebido pelo credor; - Descoto (D) é o valor cobrado pela istituição que realizou a operação; D b Descoto Bacário D r Descoto Racioal - Período de Atecipação () é em quato tempo o baco adiatou o pagameto; - Taxa de Descoto (i) é a taxa de juros, com determiada periodicidade, cobrada pela istituição fiaceira Descoto Composto Racioal, ou Por Detro Neste caso a taxa de descoto é aplicada sobre o valor de resgate do título. As fórmulas utilizadas são as mesmas vistas o item sobre Juros Compostos, exceto a primeira: Dr ( i) ( + i) i 1 1 Maurício R. Cury Edição

20 l l i) Exemplos: 1. Qual o valor de resgate de um título de R$4.800, descotado 2 meses ates do seu vecimeto à uma taxa de descoto racioal composto de 3,5% ao mês? Qual o valor do descoto? i) 0,035) , ,85 D r ,85319,15 O valor de resgate é de R$4.480,85 e o descoto é de R$319,15 2. Qual a taxa de descoto racioal composto foi aplicada a uma duplicata de R$2.100 resgatada 90 dias ates do seu vecimeto por R$1.924,60? i , ,0295 2,95% a. m Descoto Composto Comercial ou Bacário ou Por Fora Neste caso a taxa de descoto é aplicada sobre o valor de face do título. As fórmulas utilizadas são mostradas a seguir: Db 1 1 ( i) ( i) Maurício R. Cury Edição

21 i 1 1 l l 1 ( i) Exemplos: 1. Quato tempo foi atecipado um título de R$ resgatado por R$12.507,53, sabedo que o baco aplica uma taxa de descoto composto comercial de 3,25% ao mês? a) pela fórmula: l l ,53 l ( i) l( 1 0,0325) 0, , ,5 Resposta: 5,5 meses ou 5 meses e 15 dias. 2. Qual o valor do descoto que o Baco aplicou sobre um título de R$3.050, descotado 45 dias ates do seu vecimeto à uma taxa de descoto bacário composto de 4% ao mês? 1,5 ( 1 i) ( 1 0,04) , , 84 D b ,84181,16 O valor do descoto é de R$181,16 Exercícios: Para os exercícios a seguir utilizar os dois métodos estudados (Descoto Racioal e Descoto Bacário): 36. Um título de $ foi resgatado 130 dias ates do seu vecimeto. Se o baco utiliza uma taxa de descoto composto de 4,1% ao mês, calcular o valor de resgate do título e o valor do descoto. Maurício R. Cury Edição

22 37. Um título foi resgatado por $5.126, 3 meses ates do seu vecimeto. Calcular o valor de face deste título sabedo-se que a taxa de descoto composto utilizada foi de 6,2% ao bimestre. Calcule também o valor do descoto. 38. Quato tempo foi atecipado um título de $40.000, resgatado por $38.451, se a taxa de descoto composto é de 9% ao trimestre? 39. Se um título de $ é resgatado 85 dias ates do seu vecimeto por $92.145, calcule qual a taxa de descoto composto utilizada. 40. Uma empresa descotou um título de $45.000, 45 dias ates do seu vecimeto, por $38.376,94. A empresa aplicou este valor o mercado fiaceiro e após 30 dias redeu juros de $1.074,55. Aalisar se esta operação foi vatajosa para a empresa levado-se em cota que o diheiro cotiuou aplicado após os 30 dias. 41. Uma empresa realizou o descoto de vários títulos em vários bacos que praticam taxas de descoto composto diferetes, coforme tabela abaixo. A empresa aplicou o total obtido o mercado fiaceiro à uma taxa de juros compostos de 1,4% ao mês. Elaborar uma tabela mostrado a evolução dos juros e do motate desta aplicação, a cada mês, até o sexto mês. Baco Valor do Título Vecimeto Taxa de Descoto Baco 1 $ dias 6,38% ao bimestre Baco 2 $ dias 8,87% ao trimestre Baco 3 $ dias 3,74% ao mês Baco 4 $ dias 3,01% ao mês Baco 5 $ dias 0,15% ao dia Maurício R. Cury Edição

23 4. Taxa de Juros omial, proporcioal, efetiva e equivalete Taxa de Juros omial é aquela cujo valor é uma referêcia. Geralmete é expressa para periodicidade aual e trasformada para periodicidade meor de forma proporcioal. Taxa de Juros proporcioal é aquela calculada proporcioalmete ao juro omial (como o juros simples). Por exemplo, qual a taxa de juros mesal proporcioal à 12% ao ao? Divide-se 12% por 12 e acha-se 1% ao mês. Taxa de juros efetiva é a taxa que efetivamete é aplicada o cálculo. Taxas de juros equivaletes, quado duas ou mais taxas com periodicidades diferetes são aplicadas a um mesmo capital, durate o mesmo tempo e produzem o mesmo motate, diz-se que elas são equivaletes. No regime de capitalização composta, o cálculo de taxas equivaletes utiliza-se a seguite fórmula: ( 1 + ) ieq i ode 2/1 é a relação etre a periodicidade das taxas equivaletes. Exemplos: cosiderado uma taxa omial de 24% ao ao o regime de capitalização composta: São taxas proporcioais : 2% ao mês, 4% ao bimestre, 12% ao semestre, etc Se a capitalização é mesal, etão 2% ao mês é a taxa efetiva. As taxas a seguir são equivaletes à 2% ao mês: i i i i eq eq eq eq 0,02) 0,02) 3 1 0,02) ,0404 4,04% a. b. 1 0,0612 6,12% a. t. 1 0, ,62% a. s. 0,02) , ,82% a. a. Ou seja, se aplicar um capital a 2% a.m. durate meses, produzirá o mesmo motate se for aplicado este capital a 4,04% a.b. durate /2 bimestres ou a 6,12% a.t. durate /3 trimestres ou a 12,62% a.s. durate /6 semestres ou a 26,82% a.a. durate /12 aos. Maurício R. Cury Edição

24 Observação: Apesar de ão ser muito aplicado, pode-se dizer que uma taxa equivalete o regime de juros simples, é a taxa proporcioal. Por exemplo, uma taxa omial de 12% ao ao, o regime de juros simples, 1% ao mês é uma taxa proporcioal e é também a taxa efetiva (é efetivamete usada o cálculo dos juros) e a taxa equivalete (produz o mesmo motate que 12% ao ao, se aplicada ao mesmo capital, durate o mesmo período). Exercícios: 42. Calcular as taxas equivaletes mesais, bimestrais, trimestrais, quadrimestrais, semestrais e auais cosiderado: (a) Taxa omial de 18,24% ao ao e capitalização composta mesal; (b) Taxa omial de 26% ao ao e capitalização composta semestral; (c) Taxa omial de 8,9% ao ao e capitalização composta trimestral 43. Calcular as seguites taxas equivaletes (capitalização composta): (a) 14% ao ao em taxa mesal (b) 4% ao trimestre em taxa aual (c) 8% ao semestre em taxa aual (d) 12,6% ao quadrimestre em taxa bimestral (e) 1,2% ao mês em taxa diária (f) 3,8% ao bimestre em taxa semestral 44. Qual das seguites taxas de juros compostos apreseta maior retabilidade? (a) 1,90% ao mês (b) 3,75% ao bimestre (c) 5,75% ao trimestre (d) 12,00% ao semestre (e) 24,00% ao ao Maurício R. Cury Edição

25 5. Iflação e correção moetária Iflação sigifica simplesmete aumeto de preços durate um período. Em maior ou meor grau ela está presete a ecoomia de todos os países. A iflação pode ter diversas causas como aumeto da demada dos produtos e desvalorização da moeda acioal por emissão exagerada de diheiro. Se um determiado período houver retração os preços, a deomiação dada é deflação. A correção moetária visa corrigir a perda moetária causada pela iflação. No Brasil existem diversos ídices para correção moetária, cada um com uma base de cálculo e uso específicos. Algus dos ídices de iflação brasileiros: ICV, IGP-DI, INCC-DI, INCC-M, INPC, IPA-DI, IPA-M, IPC, IPC-DI e IPC. Para efeito de ilustração, vamos pegar o INPC (Ídice Nacioal de Preço ao Cosumidor), que é um ídice calculado pelo IBGE. A variação dos preços, o caso do INPC, é apurada do 1º ao 30º dia de cada mês e tem, como uidade de coleta, estabelecimetos comerciais e de prestação de serviços, cocessioária de serviços públicos e domicílios (aluguel e codomíio). A população-objetivo do INPC abrage as famílias com redimetos mesais compreedidos etre 1 e 6 saláriosmíimos, cujo chefe é assalariado em sua ocupação pricipal e residete as áreas urbaas das regiões qualquer que seja a fote de redimetos, e residetes as áreas urbaas das regiões. A tabela a seguir mostra todos os ídices do INPC o ao de Mês de 2010 INPC INPC acumulado o ao Mês de 2010 INPC INPC acumulado o ao Jaeiro 0,88% 0,8800% Julho -0,07% 3,3112% Fevereiro 0,70% 1,5861% Agosto -0,07% 3,2389% Março 0,71% 2,3074% Setembro 0,54% 3,7963% Abril 0,73% 3,0543% Outubro 0,92% 4,7513% Maio 0,43% 3,4974% Novembro 1,03% 5,8302% Juho -0,11% 3,3836% Dezembro 0,60% 6,4652% Observe que os ídices egativos dos meses juho, julho e agosto, idicam uma deflação este período e, os demais meses, iflação. Maurício R. Cury Edição

26 Para eteder estes úmeros, se uma pessoa teve gastos de R$ 100 o dia 31 de dezembro de 2009, para adquirir os mesmo produtos em 31 de jaeiro de 2010 ela teria que dispor de R$ 100 mais 0,88%, ou seja R$ 100 x 1,0088 R$ 100,88 e teria que dispor de R$ 100,88 x 1,007 R$ 101,58 em 28 de fevereiro de O objetivo pricipal deste módulo é o cálculo da correção moetária com ou sem juros agregados. Primeiramete trataremos do cálculo da iflação acumulada um determiado período. c ( + c ) ( 1 + c ) c )... ( 1 + c ) 1 ac Ode c ac iflação acumulada o período de 1 a. C j iflação o período j (j1,2,3...) Como exemplo, qual o INPC acumulado o primeiro semestre de 2010? c 1,0088 1,007 1,0071 1,0073 1,0043 0, ,3836% ac Para o cálculo da correção moetária um determiado período: 1 + ( ) c ac Para fazer a correção moetária de um valor de R$ 500 em 31 de dezembro de 2009 para 30 de juho de 2010: 500 1, , Taxa de juros omial e taxa de juros real No item aterior foi tratada apeas a correção moetária. Em muitos cálculos a ecoomia, além da correção moetária há a adição de juros, como por exemplo o cálculo da cadereta de poupaça e do FGTS. Os juros represetam o redimeto real obtido, sedo deomiados juros reais. Os juros reais mais a correção moetária são os juros omiais. Para o cálculo da taxa de juros omial, um determiado período, temse: i i ) c ) 1 N ac ac Ode i N taxa de juros omial do período i ac taxa de juros real o período Exemplos: Maurício R. Cury Edição

27 1. Se determiada aplicação rede juros reais de 0,5% ao mês mais correção moetária segudo o INPC: - Taxa de juros omial em setembro de 2010: i N 1,005 1, ,043% - Taxa de juros real acumulada o ao de 2010: i ac 1, ,168% - Taxa de juros omial acumulada o ao de 2010: i N 1, , ,03% - se foi aplicado um valor de R$ em 31/12/2009, o motate em 31/12/2010 seria de , ,30 2. Qual o INPC acumulado o 2º semestre de 2010? c 0,9993 0,993 1,0054 1,0092 1,0103 1, ,98% ac 3. Se um valor de R$ foi aplicado em 30/06/2010, um fudo que rede juros reais de 0,25% ao mês mais correção moetária pelo INPC, calcular a taxa de juros real, a taxa de juros omial e o valor do motate em 31/12/2010. Taxa de juros real: i ac 1, ,5094% Taxa de juros omial: i N 1, , ,5344% Motate em 31/12/2010: , ,17 Exercícios: Cosidere a tabela a seguir do IPC (Ídice de Preços ao Cosumidor) de 2009 e 2010, para a resolução dos exercícios. O IPC/FIPE mede a variação de preços para o cosumidor a cidade de São Paulo com base os gastos de quem gaha de um a vite salários míimos. Maurício R. Cury Edição

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Aula 23 Juros Compostos. Motate e juros. Descoto Composto. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivaletes. Capitais equivaletes. Capitalização cotíua. Equivalêcia Composta de Capitais. Descotos: Descoto racioal

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceito de taxa de juros Taxa de juro é a relação etre o valor dos juros pagos (ou recebidos) o fial de um determiado período de tempo e o valor do capital

Leia mais

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A IAG Matemática Fiaceira Fluxo de Caixa O valor do diheiro o tempo Represetação: Saídas Etradas (100) 100 Prof. Luiz Bradão 2012 1 2 Visualização: Fluxo de Caixa 0 1 2 3 4 5 Defiições: Fluxo de Caixa VP

Leia mais

PARTE 3 - TAXA DE JUROS: NORMAL, EFETIVA E EQUIVALENTE. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Definições 2. Fórmulas e conversões 3. Exercícios resolvidos

PARTE 3 - TAXA DE JUROS: NORMAL, EFETIVA E EQUIVALENTE. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Definições 2. Fórmulas e conversões 3. Exercícios resolvidos PARTE 3 - TAXA DE JUROS: NORMAL, EFETIVA E EQUIVALENTE. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Definições 2. Fórmulas e conversões 3. Exercícios resolvidos 1. Definições É comum na relação das instituições financeiras

Leia mais

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística Prova Resolvida e Cometada Prof. Joselias joselias@uol.com.br (0 )9654-53 FRF 005 Matemática Fiaceira e Estatística Soluções das Provas do FRF-005 de Matemática Fiaceira e de Estatística Prof. Joselias

Leia mais

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Estudaremos este capítulo os vários sistemas de amortização de empréstimos e fiaciametos, sua metodologia e cálculos para determiação do saldo

Leia mais

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito:

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito: //4 VII. Equivalêcia de Fluxos de Caixa Matemática Fiaceira Aplicada ao Mercado Fiaceiro e de Capitais Professor Roaldo Távora 9 VII. - Coceito Coceito: Dois fluxos de caixa são equivaletes, a uma determiada

Leia mais

O QUE HÁ DE ERRADO COM O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO? - COMPARAÇÃO ENTRE OS RETORNOS MÉDIOS DO IBOVESPA E DO CDI NO PERÍODO DE 1986 A 2004

O QUE HÁ DE ERRADO COM O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO? - COMPARAÇÃO ENTRE OS RETORNOS MÉDIOS DO IBOVESPA E DO CDI NO PERÍODO DE 1986 A 2004 V I I S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A F I N A N Ç A S O QUE HÁ DE ERRADO COM O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO? - COMPARAÇÃO ENTRE OS RETORNOS MÉDIOS DO IBOVESPA E DO CDI NO PERÍODO DE

Leia mais

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Primavera 2004/2005. Cálculo I. Caderno de Exercícios 3. Sucessões; série geométrica

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Primavera 2004/2005. Cálculo I. Caderno de Exercícios 3. Sucessões; série geométrica Faculdade de Ecoomia Uiversidade Nova de Lisboa Primavera 2004/2005 Cálculo I Cadero de Exercícios 3 Sucessões; série geométrica Nota: Os problemas ão resolvidos as aulas costituem trabalho complemetar

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA FATORES DE INFLUÊNCIA - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA FATORES DE INFLUÊNCIA - TEORIA Itrodução CINÉTICA QUÍMICA FATORES DE INFLUÊNCIA - TEORIA A Ciética Química estuda a velocidade com a qual as reações acotecem e os fatores que são capazes de realizar ifluêcia sobre ela. A medida mais

Leia mais

2-4ac. -b ± b - 4ac x = MATEMÁTICA. fórmula de Báskara: EQUAÇÕES DO 2º GRAU

2-4ac. -b ± b - 4ac x = MATEMÁTICA. fórmula de Báskara: EQUAÇÕES DO 2º GRAU EQUAÇÕES DO 2º GRAU DEFINIÇÃO É toda a equação que pode ser reduzida à forma: fórmula de Báskara: 2 b - 4ac = I) Quado > 0, maior que zero, a equação tem duas raízes reais e diferetes etre si.. ax 2 +

Leia mais

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017)

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017) Procedimetos de Marcação a Mercado (06, 207) Risk Maagemet Baco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A SUMÁRIO ESCOPO 4 2 PRINCÍPIOS 4 3 ORGANIZAÇÃO 5 4 COTAS 5 4. Cotas de Fechameto 5 4.2 Cotas de Abertura 6

Leia mais

5. ANÁLISE DE SISTEMAS DA CONFIABILIADE DE SISTEMAS SÉRIE-PARALELO

5. ANÁLISE DE SISTEMAS DA CONFIABILIADE DE SISTEMAS SÉRIE-PARALELO 5. ANÁLISE DE SISTEMAS DA CONFIABILIADE DE SISTEMAS SÉRIE-PARALELO 5.1 INTRODUÇÃO Um sistema é defiido como todo o cojuto de compoetes itercoectados, previamete determiados, de forma a realizar um cojuto

Leia mais

Estudando complexidade de algoritmos

Estudando complexidade de algoritmos Estudado complexidade de algoritmos Dailo de Oliveira Domigos wwwdadomicombr Notas de aula de Estrutura de Dados e Aálise de Algoritmos (Professor Adré Bala, mestrado UFABC) Durate os estudos de complexidade

Leia mais

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD.

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD. Matemática 0. Um losago do plao cartesiao oxy tem vértices A(0,0), B(,0), C(,) e D(,). A) Determie a equação da reta que cotém a diagoal AC. B) Determie a equação da reta que cotém a diagoal BD. C) Ecotre

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 0 Profa Maria Atôia Gouveia 6 A figura represeta um cabo de aço preso as etremidades de duas hastes de mesma altura h em relação a uma plataforma horizotal A represetação

Leia mais

n IN*. Determine o valor de a

n IN*. Determine o valor de a Progressões Aritméticas Itrodução Chama-se seqüêcia ou sucessão umérica, a qualquer cojuto ordeado de úmeros reais ou complexos. Exemplo: A=(3, 5, 7, 9,,..., 35). Uma seqüêcia pode ser fiita ou ifiita.

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão Resolução das atividades complemetares Matemática M Fução Epoecial p. 6 (Furg-RS) O valor da epressão A a) c) e) 6 6 b) d) 0 A?? A? 8? A A A? A 6 8 Ecotre o valor da epressão 0 ( ) 0 ( ) 0 0 0. Aplicado

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA DICAS BÁSICAS PARA A UTILIZAÇÃO DA HP 2C (versão 206) Prof. Ms. Júlio César Barrios julio@toledoprudete.edu.br DICAS BÁSICAS PARA A UTILIZAÇÃO DA HP 2C ) Tecla [ON] serve para ligar

Leia mais

DETERMINANDO A SIGNIFICÂNCIA ESTATÍSTICA PARA AS DIFERENÇAS ENTRE MÉDIAS

DETERMINANDO A SIGNIFICÂNCIA ESTATÍSTICA PARA AS DIFERENÇAS ENTRE MÉDIAS DTRMINANDO A SIGNIFIÂNIA STATÍSTIA PARA AS DIFRNÇAS NTR MÉDIAS Ferado Lag da Silveira Istituto de Física - UFRGS lag@if.ufrgs.br O objetivo desse texto é apresetar através de exemplos uméricos como se

Leia mais

JOSE DONIZETTI DE LIMA

JOSE DONIZETTI DE LIMA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MATEMÁTICA Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção e Sistemas (PPGEPS) JOSE DONIZETTI DE LIMA Pato Braco, 18 de abril de 2016. PREFÁCIO SUMÁRIO Capítulo 1 PRINCÍPIOS,

Leia mais

3.4.2 Cálculo da moda para dados tabulados. 3.4 Moda Cálculo da moda para uma lista Cálculo da moda para distribuição de freqüências

3.4.2 Cálculo da moda para dados tabulados. 3.4 Moda Cálculo da moda para uma lista Cálculo da moda para distribuição de freqüências 14 Calcular a mediaa do cojuto descrito pela distribuição de freqüêcias a seguir. 8,0 10,0 10 Sabedo-se que é a somatória das, e, portato, = 15+25+16+34+10 = 100, pode-se determiar a posição cetral /2

Leia mais

lim Px ( ) 35 x 5 ), teremos Px ( ) cada vez mais próximo de 35 (denotaremos isso da forma Px ( ) 35 ). UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE

lim Px ( ) 35 x 5 ), teremos Px ( ) cada vez mais próximo de 35 (denotaremos isso da forma Px ( ) 35 ). UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE CURSO DISCIPLINA PROFESSOR I) Itrodução ao Limite de uma Fução UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Limite de uma Fução José Elias

Leia mais

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior.

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior. 0. PROGRESSÃO ARITMÉTICA: É toda sequêcia em que é SEMPRE costate a DIFERENÇA etre um termo qualquer da sequêcia (a partir do segudo, claro!) e seu aterior, logo dada a sequêcia a a a a a a R. A razão

Leia mais

Sequências, PA e PG material teórico

Sequências, PA e PG material teórico Sequêcias, PA e PG material teórico 1 SEQUÊNCIA ou SUCESSÃO: é todo cojuto ode cosideramos os seus elemetos colocados, ou dispostos, uma certa ordem. Cosiderado a sequêcia (; 3; 5; 7;...), dizemos que:

Leia mais

Matriz de Contabilidade Social. Prof. Eduardo A. Haddad

Matriz de Contabilidade Social. Prof. Eduardo A. Haddad Matriz de Cotabilidade Social Prof. Eduardo A. Haddad Fluxo circular da reda 2 Defiição 1 Sistema de dados desagregados, cosistetes e completos, que capta a iterdepedêcia existete detro do sistema socioecoômico

Leia mais

Alguns autores também denotam uma sequência usando parêntesis:

Alguns autores também denotam uma sequência usando parêntesis: Capítulo 3 Sequêcias e Séries Numéricas 3. Sequêcias Numéricas Uma sequêcia umérica é uma fução real com domíio N que, a cada associa um úmero real a. Os úmeros a são chamados termos da sequêcia. É comum

Leia mais

Whats: PROGRESSÃO GEOMÉTRICA

Whats: PROGRESSÃO GEOMÉTRICA Questões Vídeos 1. As áreas dos quadrados a seguir estão em progressão geométrica de razão 2. Podemos afirmar que os lados dos quadrados estão em a) progressão aritmética de razão 2. b) progressão geométrica

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre os modelos de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

Capítulo I Séries Numéricas

Capítulo I Séries Numéricas Capítulo I Séries Numéricas Capitulo I Séries. SÉRIES NÚMERICAS DEFINIÇÃO Sedo u, u,..., u,... uma sucessão umérica, chama-se série umérica de termo geral u à epressão que habitualmete se escreve u u...

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes Capítulo Séquêcias e Séries Ifiitas de Termos Costates.. Itrodução Neste capítulo estamos iteressados em aalisar as séries ifiitas de termos costates. Etretato, para eteder as séries ifiitas devemos ates

Leia mais

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado.

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado. PARTE 5 SÉRIE UNIFORME DE PAGAMENTOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Prestações e Valor presente 3. Prestações e Valor futuro 4. Renda perpétua 5. Exercícios Resolvidos 1. Introdução Quando se contrai

Leia mais

COMUNICADO CETIP N.º 119

COMUNICADO CETIP N.º 119 COMUCADO CETIP N.º 9 Aos Participates do Sistema de Registro e de Liquidação Fiaceira de Títulos A Cetral de Custódia e de Liquidação Fiaceira de Títulos CETIP, tedo em vista o disposto as Resoluções 2904

Leia mais

Instituto Universitário de Lisboa

Instituto Universitário de Lisboa Istituto Uiversitário de Lisboa Departameto de Matemática Exercícios de Sucessões e Séries Exercícios: sucessões. Estude quato à mootoia cada uma das seguites sucessões. (a) (g) + (b) + + + 4 (c) + (h)

Leia mais

47.(CESPE-BB) Na situação apresentada, o valor do número real k é tal que 30 < k 3 + k + 1 < 32.

47.(CESPE-BB) Na situação apresentada, o valor do número real k é tal que 30 < k 3 + k + 1 < 32. PROVA DE MATEMÁTIA BANO DO BRASIL 007 - A umeração segue a ordem do cadero verde. ENUNIADO PRINIPAL y y f(x)= x g(x)=x 0 k k x 0 56 x A figura acima ilustra duas cópias do sistema cartesiao xoy, em que,

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Desenvolvimento Multinomial. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Desenvolvimento Multinomial. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Desevolvimeto Multiomial Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto 1 Desevolvimeto

Leia mais

DFS Série Discreta de Fourier DFT Transformada Discreta de Fourier Convolução Circular

DFS Série Discreta de Fourier DFT Transformada Discreta de Fourier Convolução Circular Sistemas de Processameto Digital Egeharia de Sistemas e Iformática Ficha 4 5/6 4º Ao/ º Semestre DFS Série Discreta de Fourier DFT Trasformada Discreta de Fourier Covolução Circular Para calcular a DFT,

Leia mais

Elaboração: Abril/2001

Elaboração: Abril/2001 Elaboração: Abril/2001 Última atualização: 13/03/2006 Apresetação E ste Cadero tem por objetivo iformar aos usuários a metodologia e os critérios de precisão dos cálculos implemetados o SND -. São aqui

Leia mais

Elementos de Análise - Verão 2001

Elementos de Análise - Verão 2001 Elemetos de Aálise - Verão 00 Lista Thomas Robert Malthus, 766-834, foi professor de Ecoomia Política em East Idia College e em seu trabalho trouxe à luz os estudos sobre diâmica populacioal. Um de seus

Leia mais

Prática I GRANDEZAS FÍSICAS E TEORIA DOS ERROS

Prática I GRANDEZAS FÍSICAS E TEORIA DOS ERROS Prática I GRANDEZAS FÍSICAS E TEORIA DOS ERROS INTRODUÇÃO O desevolvimeto do homem deve-se ao fato de que ele procurou observar os acotecimetos ao seu redor. Ao ver os resultados dos diversos evetos, ele

Leia mais

Capitulo 1 Resolução de Exercícios

Capitulo 1 Resolução de Exercícios S C J S C J J C FORMULÁRIO Regme de Juros Smples 1 1 S C 1 C S 1 1.8 Exercícos Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplcação de R$ 0.000,00 aplcados por um prazo de meses, à uma taxa de 2% a.m, os regmes

Leia mais

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações Itrodução.1 Juros Smples Juro: recompesa pelo sacrfíco de poupar o presete, postergado o cosumo para o futuro Maora das taxas de uros aplcadas o mercado facero são referecadas pelo crtéro smples Determa

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Números reais 1,, 3, cojuto dos úmeros aturais 0,1,,3, cojuto dos úmeros iteiros p q /p e q cojuto dos úmeros racioais a, a 0 a 1 a a, a e a i 0, 1,, 3, 4,

Leia mais

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA EQUAÇÃO DE DIFERENÇAS EM FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA EQUAÇÃO DE DIFERENÇAS EM FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS Colegio Militar de Curitiba-Livreto 60 pgs - 3aV - Pritjob => 04/06/200 => :30:07 => (Medida : = 7 x 24) ESTUDO DA APLICAÇÃO DA EQUAÇÃO DE DIFERENÇAS EM FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS º Te OTT Paulo Amaro

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Eercícios MATEMÁTICA I BLOCO 0 Cohecimetos Numéricos Capítulo 0 Operações em Cojutos Numéricos (Poteciação os Reais e Radiciação os Reais, Divisibilidade, Fatoração 0 A B y. y y y.( a+ b(

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1)Um vestdor aplcou R$6,, gerado uma remueração de R$3, ao fal de um período de um ao (36 das). Calcular a taxa de juros paga a operação. = J/ = 3/6 =, ou % ou 63 = 6 (1+ 1) 63 = 6 + 6 63 6 = 6 3 = 6 =

Leia mais

1 [( 3) Se x = 2y, a quantidade de livros vendidos seria. 0 = a $ (0-3) + 2, implicando em a = -. Portanto, a resposta é BLOCO B

1 [( 3) Se x = 2y, a quantidade de livros vendidos seria. 0 = a $ (0-3) + 2, implicando em a = -. Portanto, a resposta é BLOCO B Resoluções de Eercícios MATEMÁTICA II Coecimetos Algébricos Capítulo Fução Poliomial do o Grau (Parte II) D ( s ) a ( ) (, ) s " s, " observação: Dica: Da forma Caôica, obtemos: ( v) a ; ode ( ( ) v, v

Leia mais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais Secção. Itrodução às equações difereciais (Farlow: Sec..,.) Cosideremos um exemplo simples de um feómeo que pode ser descrito por uma equação diferecial. A velocidade de um corpo é defiida como o espaço

Leia mais

Sinais de Tempo Discreto

Sinais de Tempo Discreto Siais de Tempo Discreto Siais defiidos em istates discretos do tempo t 0, t 1, t 2,..., t,... são siais de tempo-discreto, deotados pelos símbolos f(t ), x(t ), y(t )... (sedo um iteiro). x(t )... t 1

Leia mais

Séries e aplicações15

Séries e aplicações15 Séries e aplicações5 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 5. Sequêcias 5. Séries 5. Séries especiais 5.4 Arquimedes e a quadratura da parábola 5.5 Sobre a Covergêcia de séries 5.6 Séries de Taylor

Leia mais

Ajuste de Curvas pelo Método dos Quadrados Mínimos

Ajuste de Curvas pelo Método dos Quadrados Mínimos Notas de aula de Métodos Numéricos. c Departameto de Computação/ICEB/UFOP. Ajuste de Curvas pelo Método dos Quadrados Míimos Marcoe Jamilso Freitas Souza, Departameto de Computação, Istituto de Ciêcias

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 0: Medidas de Dispersão (webercampos@gmail.com) MÓDULO 0 - MEDIDAS DE DISPERSÃO 1. Coceito: Dispersão é a maior ou meor diversificação dos valores de uma variável, em toro

Leia mais

Análise de Regressão Linear Múltipla I

Análise de Regressão Linear Múltipla I Aálise de Regressão Liear Múltipla I Aula 04 Gujarati e Porter, 0 Capítulos 7 e 0 tradução da 5ª ed. Heij et al., 004 Capítulo 3 Wooldridge, 0 Capítulo 3 tradução da 4ª ed. Itrodução Como pode ser visto

Leia mais

Capítulo 39: Mais Ondas de Matéria

Capítulo 39: Mais Ondas de Matéria Capítulo 39: Mais Odas de Matéria Os elétros da superfície de uma lâmia de Cobre foram cofiados em um curral atômico - uma barreira de 7,3 âgstros de diâmetro, imposta por 48 átomos de Ferro. Os átomos

Leia mais

DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL. todas as repetições). Então, para todo o número positivo ξ, teremos:

DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL. todas as repetições). Então, para todo o número positivo ξ, teremos: 48 DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL LEI DOS GRANDES NÚMEROS Pretede-se estudar o seguite problema: À medida que o úmero de repetições de uma experiêcia cresce, a frequêcia relativa

Leia mais

n d n d III) Substituindo ( II ) em ( I ) n d n d n d n d Banco do Brasil + BaCen FORMULAS QUADRO 1 I) Cálculo do desconto racional simples

n d n d III) Substituindo ( II ) em ( I ) n d n d n d n d Banco do Brasil + BaCen FORMULAS QUADRO 1 I) Cálculo do desconto racional simples Baco o Brasil + BaCe 2. DESCONTOS Quao o portaor e títulos e créito, tais como: Duplicatas Nota Promissória Cheque Pré Datao Letras e Câmbio (papéis feerais) etc com vecimetos certos e líquios, ecessita

Leia mais

E-books PCNA. Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ARITMÉTICA E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS

E-books PCNA. Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ARITMÉTICA E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS E-books PCNA Vol. 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 ARITMÉTICA E EXPRESSÕES ALGÉBRICAS 1 MATEMÁTICA ELEMENTAR CAPÍTULO 1 SUMÁRIO Apresetação ------------------------------------------------- Capítulo 1

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 21/10/06

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 21/10/06 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 21/10/06 Nome: Nº de Matrícula: Gabarito Turma: Assiatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 a 2,5 Total 10,0 Costates: R = 8,31 J mol -1 K -1 = 0,0821 atm

Leia mais

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida...

Í N D I C E. Séries de Pagamentos ou Rendas Renda Imediata ou Postecipada Renda Antecipada Renda Diferida... Curso: Pós-graduação / MBA Campus Vrtual Cruzero do Sul - 2009 Professor Resposável: Carlos Herque de Jesus Costa Professores Coteudstas: Carlos Herque e Douglas Madaj UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL Cohecedo

Leia mais

Aula 06 Transformadas z

Aula 06 Transformadas z Aula 06 Trasformadas Trasformadas Na aálise de sistemas cotíuos por vees é mais vatajoso o uso da frequêcia complexa s. No caso de sistemas discretos, uma ferrameta bastate comum usada para passar um sial

Leia mais

Cálculo II Sucessões de números reais revisões

Cálculo II Sucessões de números reais revisões Ídice 1 Defiição e exemplos Cálculo II Sucessões de úmeros reais revisões Mestrado Itegrado em Egeharia Aeroáutica Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Atóio Beto beto@ubi.pt Departameto de Matemática Uiversidade

Leia mais

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição:

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição: 6// IV. Juros: taxa efetva, equvalete e proporcoal Matemátca Facera Aplcada ao Mercado Facero e de Captas Professor Roaldo Távora IV. Taxa efetva Defção: É a taxa de juros em que a udade referecal de seu

Leia mais

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real.

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real. Resumo. O estudo das séries de termos reais, estudado as disciplias de Aálise Matemática da grade geeralidade dos cursos técicos de liceciatura, é aqui estedido ao corpo complexo, bem como ao caso em que

Leia mais

FICHA DE TRABALHO 11º ANO. Sucessões

FICHA DE TRABALHO 11º ANO. Sucessões . Observe a sequêcia das seguites figuras: FICHA DE TRABALHO º ANO Sucessões Vão-se costruido, sucessivamete, triâgulos equiláteros os vértices dos triâgulos equiláteros já existetes, prologado-se os seus

Leia mais

Usamos a tabela de valores da função na calculadora (após a introdução da função):

Usamos a tabela de valores da função na calculadora (após a introdução da função): 25.2 Queremos determiar o valor de, de modo que: 4,3 log 2 4, 3 Usamos a tabela de valores da fução a calculadora (após a itrodução da fução): Podemos verificar que o primeiro a ultrapassar 4,3 é 4,3219

Leia mais

Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$

Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$ Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$ 2.000,00; o primeiro foi feito no dia 1.º/3/2009. II Dois

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa C. alternativa B. alternativa D. alternativa A n 2 n! O valor de log 2. c) n. b) 2n.

Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa C. alternativa B. alternativa D. alternativa A n 2 n! O valor de log 2. c) n. b) 2n. Questão 4 6 O valor de log :! a). b). c). d) log. e) log. Para iteiro positivo, 4 6 = = ( ) ( ) ( 3) ( ) = = ( 3 ) =! Portato 4 6! log = log!! = = log =. Questão Num determiado local, o litro de combustível,

Leia mais

Radiciação. Roberto Geraldo Tavares Arnaut. Kathleen S. Gonçalves

Radiciação. Roberto Geraldo Tavares Arnaut. Kathleen S. Gonçalves Radiciação 1 Roberto Geraldo Tavares Araut Kathlee S. Goçalves e-tec Brasil Estatística Aplicada META Apresetar o coceito de radiciação e suas propriedades. OBJETIVO PRÉ-REQUISITOS Após o estudo desta

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 04: Medidas de Posição (webercampos@gmail.com) . MÉDIA ARITMÉTICA : Para um cojuto de valores Média Aritmética Simples: xi p Média Aritmética Poderada: MÓDULO 04 - MEDIDAS

Leia mais

Resposta de Sistemas de 2 a Ordem à Excitação Periódica Não Harmônica

Resposta de Sistemas de 2 a Ordem à Excitação Periódica Não Harmônica Resposta de Sistemas de a Ordem à Excitação Periódica Não Harmôica 1 18 Resposta de Sistemas de a Ordem à Excitação Periódica Não Harmôica 1 INTRODUÇÃO Muitas vezes, a excitação é uma fução periódica,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO LIMITES. Itrodução: Usamos a palavra ite o osso cotidiao para idicar, geericamete, um poto que pode ser evetualmete

Leia mais

Amostras Aleatórias e Distribuições Amostrais. Probabilidade e Estatística: afinal, qual é a diferença?

Amostras Aleatórias e Distribuições Amostrais. Probabilidade e Estatística: afinal, qual é a diferença? Amostras Aleatórias e Distribuições Amostrais Probabilidade e Estatística: afial, qual é a difereça? Até agora o que fizemos foi desevolver modelos probabilísticos que se adequavam a situações reais. Por

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE BRASILIA LISTA DE REVISÃO. Nome: DATA: 05/12/2016. d) 4 3 a) 44 b) 22 c) 20 d) 15 e) 10. Se um saco

INSTITUTO FEDERAL DE BRASILIA LISTA DE REVISÃO. Nome: DATA: 05/12/2016. d) 4 3 a) 44 b) 22 c) 20 d) 15 e) 10. Se um saco INSTITUTO FEDERAL DE BRASILIA LISTA DE REVISÃO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Nome: DATA: 0//06 ) Se x+ y e x y, etão x + y é a) 66. b) 67. c) 68. d) 69. e) 70. ) Cosiderado-se que x 97, y 907 e z xy, o valor

Leia mais

GEOMETRIA BÁSICA GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 18/11/2010

GEOMETRIA BÁSICA GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 18/11/2010 GEOMETRIA BÁSICA 200-2 GGM006-TURMA M2 Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 8//200 Defiição : PRISMA Cosidere dois plaos paralelos α e β e um segmeto de reta PQ, cuja reta suporte r itercepta o plao α.

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

A Compreensão da Matemática Financeira a partir do Estudo de Funções

A Compreensão da Matemática Financeira a partir do Estudo de Funções A Compreesão da Matemática Fiaceira a partir do Estudo de Fuções Resumo Adré Rodrigues Horta kastelha@hotmail.com Moica Bertoi dos Satos bertoi@pucrs.br O presete projeto, fudametado pricipalmete as Orietações

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Estimativa de Parâmetros

Estimativa de Parâmetros Estimativa de Parâmetros ENG09004 04/ Prof. Alexadre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Trabalho em Grupo Primeira Etrega: 7/0/04. Plao de Amostragem - Cotexto - Tipo de dado, frequêcia de coleta, quatidade

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados a Gestão

Métodos Quantitativos Aplicados a Gestão Métodos Quantitativos Aplicados a Gestão Sistemas de Amortização de Empréstimos e Financiamentos Responsável pelo Conteúdo: Prof. Carlos Henrique de Jesus Costa Prof. Douglas Mandaji Unidade Sistemas

Leia mais

Estatística Aplicada Medidas Resumo Apostila 4 Prof. Fábio Hipólito Aluno(a):

Estatística Aplicada Medidas Resumo Apostila 4 Prof. Fábio Hipólito Aluno(a): Medidas Resumo Apostila 4 Prof. Fábio Hipólito Aluo(a): # Objetivo desta aula: Calcular as medidas de tedêcia cetral: média, moda e mediaa para distribuições de frequêcias potuais e por itervalos de classes.

Leia mais

o montante de uma renda é igual à soma dos montantes de cada um de seus têrmos.

o montante de uma renda é igual à soma dos montantes de cada um de seus têrmos. AMORTZAÇAO DE EMPR~STMOS EDMU~ ldo EBOU BONNl o coceito su"jjacete... é que o valor do diheiro tem uma dimesão temporal, isto é, um dólar a ser recebido amahã ão possui o Jesmo valor de um dólar recebido

Leia mais

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres-

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres- MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO MÓDULO DE REFORÇO - EAD PROGRESSÕES Progressão Geométrica I) PROGRESSÃO GEOMÉTRICA (P.G.) Progressão Geométrica é uma sequêcia de elemetos (a, a 2, a 3,..., a,...) tais que, a partir

Leia mais

SUPERPOSIÇÃO DE ONDAS E ONDAS ESTACIONÁRIAS

SUPERPOSIÇÃO DE ONDAS E ONDAS ESTACIONÁRIAS Notas de aula- Física II Profs. Amauri e Ricardo SUPERPOSIÇÃO DE ONDAS E ONDAS ESTACIONÁRIAS Superposição de Odas O pricípio de superposição é uma propriedade do movimeto odulatório. Este pricípio afirma

Leia mais

Capítulo II - Sucessões e Séries de Números Reais

Capítulo II - Sucessões e Séries de Números Reais Capítulo II - Sucessões e Séries de Números Reais 2 Séries de úmeros reais Sabemos bem o que sigifica u 1 + u 2 + + u p = p =1 e cohecemos as propriedades desta operação - comutatividade, associatividade,

Leia mais

Gases Introdução Lei de Boyle

Gases Introdução Lei de Boyle Itrodução Nos gases, as forças de atração itermoleculares são fracas, que permitem um movimeto rápido e idepedete das moléculas. Por outro lado, seu comportameto é cotrolado pelo seu volume, pressão, temperatura

Leia mais

Exercício: Mediu-se os ângulos internos de um quadrilátero e obteve-se 361,4. Qual é o erro de que está afetada esta medida?

Exercício: Mediu-se os ângulos internos de um quadrilátero e obteve-se 361,4. Qual é o erro de que está afetada esta medida? 1. Tratameto estatísticos dos dados 1.1. TEORIA DE ERROS O ato de medir é, em essêcia, um ato de comparar, e essa comparação evolve erros de diversas origes (dos istrumetos, do operador, do processo de

Leia mais

Aula 5 de Bases Matemáticas

Aula 5 de Bases Matemáticas Aula 5 de Bases Matemáticas Rodrigo Hause de julho de 04 Pricípio da Idução Fiita. Versão Fraca Deição (P.I.F., versão fraca) Seja p() uma proposição aberta o uiverso dos úmeros aturais. SE valem ambas

Leia mais

9ª Conferência Internacional da LARES REAL ESTATE E OS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA

9ª Conferência Internacional da LARES REAL ESTATE E OS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA 9ª Coferêcia Iteracioal da LARES REAL ESTATE E OS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA Aplicação do Grau de Homogeeidade da Reda e do Grau de Distribuição da Reda como idicadores da qualidade da capacidade de geração

Leia mais

Resoluçaõ de exercícios de Programação Linear Inteira

Resoluçaõ de exercícios de Programação Linear Inteira Resoluçaõ de exercícios de Programação Liear Iteira Carlos Eduardo Ramisch - N.º Cartão: 134657 PESQUISA OPERACIONAL I (ADM01120) Turma B Professor Deis Borestei 19 de juho de 2006 Problema 1: Exercício

Leia mais

Virgílio A. F. Almeida DCC-UFMG 1/2005

Virgílio A. F. Almeida DCC-UFMG 1/2005 Virgílio A. F. Almeida DCC-UFMG 1/005 !" # Comparado quatitativamete sistemas eperimetais: Algoritmos, protótipos, modelos, etc Sigificado de uma amostra Itervalos de cofiaça Tomado decisões e comparado

Leia mais

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Colégio de S. Goçalo - Amarate - F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Este método, sob determiadas codições, apreseta vatages sobre os método ateriores: é de covergêcia mais rápida e, para ecotrar as raízes, ão

Leia mais

Análise da Resposta Livre de Sistemas Dinâmicos de 2 a Ordem

Análise da Resposta Livre de Sistemas Dinâmicos de 2 a Ordem Aálise da Resposta Livre de Sistemas Diâmicos de Seguda Ordem 5 Aálise da Resposta Livre de Sistemas Diâmicos de a Ordem INTRODUÇÃO Estudaremos, agora, a resposta livre de sistemas diâmicos de a ordem

Leia mais

ELETROQUÍMICA TÓPICOS EXTRAS

ELETROQUÍMICA TÓPICOS EXTRAS ELETROQUÍMCA TÓPCOS EXTRAS trodução Este artigo tem por fialidade tratar de assutos relacioados com a Eletroquímica que têm sido largamete cobrados os vestibulares do ME e do TA. remos tratar e mostrar

Leia mais

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia.

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia. 6//000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR 00- PROVA MATEMÁTICA Prova resolvida pela Profª Maria Atôia Coceição Gouveia RESPONDA ÀS QUESTÕES A SEGUIR, JUSTIFICANDO SUAS SOLUÇÕES QUESTÃO A

Leia mais

Custos e Tarifas Como calcular os custos de propriedade de um veículo. Por Neuto Gonçalves dos Reis* Dicas para aumentar a produtividade da frota

Custos e Tarifas Como calcular os custos de propriedade de um veículo. Por Neuto Gonçalves dos Reis* Dicas para aumentar a produtividade da frota (status) (seção) (título) (autor do texto) (olho) (foto) (autor da foto) (legeda foto) texto a ser destacado box Custos e Tarifas Como calcular os custos de propriedade de um veículo Por Neuto Goçalves

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DAS ENGENHARIAS Disciplina: Vetores e Álgebra linear. Lista 01

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DAS ENGENHARIAS Disciplina: Vetores e Álgebra linear. Lista 01 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DAS ENGENHARIAS Disciplia: Vetores e Álgebra liear Lista Prof: Germá Suazo Desehe os seguites vetores com o poto iicial a origem de coordeadas (posição padrão) em

Leia mais

Série Trigonométrica de Fourier

Série Trigonométrica de Fourier studo sobre a Série rigoométrica de Fourier Série rigoométrica de Fourier Uma fução periódica f( pode ser decomposta em um somatório de seos e seos eqüivaletes à fução dada f ( o ( ( se ( ) ode: o valor

Leia mais