Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capitulo 10 Resolução de Exercícios"

Transcrição

1 FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples. Taxa de Iflação Acumulada S C i I I I I I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros compostos corrigidos S C i I C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros compostos. Aplicações em Caderetas de Poupaça S C I C i C I i S TR 0, S Empréstimos com Cláusula de Correção Moetária Plaos de correção uiforme 2 X I I I X I X j j sedo X : ˆ, ˆ, ˆ, ˆ S A R J Empréstimos com Cláusula de Correção Moetária Plaos de Correção Não-Uiforme SAC C R C i i,,, ˆ ˆ I R R,,, Iˆ 0 ˆ ˆ I S ˆ ˆ,, ˆ i S R I e ˆ ˆ ˆ ˆ A R J e ˆ I J ˆ ˆ i S. I Taxa Flutuate de Juros Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 4

2 , e i i i b p S i S R, para,2,..., ; com S0 C Iˆ i ib,,2,..., Iˆ Empréstimos o Sistema Fiaceiro de Habitação SAC A,0 C S,0 C J,0 i C C R,0 i A C A,,0 TR TR,,0 TR TR S S C J J C R R C i,,0 TR i TR,,0 TR TR Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 42

3 0.8 Exercícios Propostos ) Seja um empréstimo de R$ ,00, cotratado à taxa de juros compostos de 8% a.a.c.m. e pelo prazo de 2 aos, que deve ser resgatado em 24 pagametos mesais. Supodo que ao logo dos 2 aos cosiderados, as taxas mesais de iflação, como medidas pela variação de um certo ídice de preços, tomado como idexador para fis de correção moetária, sejam as abaixo especificadas Semestre Taxa Mesal de Iflação º 0,5% 2º 0,7% 3º 0,4% 4º 0,3% mote o Quadro de Amortização do Empréstimo supodo correção moetária mesal e cosiderado : a) a Tabela Price b) o sistema SAC c) o sistema de amortização mista (f = 0,5) d) o sistema americao e) o sistema alemão Solução a) Tabela Price Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 43

4 b) SAC c) Misto (50%-50%) Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 44

5 d) Sistema Americao Capitulo 0 Resolução de Exercícios e) Sistema Alemão Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 45

6 2) Seja um empréstimo de R$ ,00, cotratado à taxa de juros compostos de 6% a.a.c.m. e pelo prazo de 2 aos, que deve ser resgatado em pagametos mesais, o primeiro a ser pago 3 meses após a data do fiaciameto. Supodo que ao logo dos 2 aos cosiderados, as taxas mesais de iflação, como medidas pela variação de um certo ídice de preços, tomado como idexador para fis de correção moetária, sejam as abaixo especificadas Semestre Taxa Mesal de Iflação º 0,5% 2º 0,7% 3º 0,4% 4º 0,3% mote o Quadro de Amortização do Empréstimo supodo correção moetária mesal e cosiderado : a) Tabela Price b) o sistema SAC c) o sistema de amortização mista (f = 0,5) d) o sistema americao e) o sistema alemão Solução a) Tabela Price Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 46

7 b) SAC c) Misto Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 47

8 d) Sistema Americao Capitulo 0 Resolução de Exercícios e) Sistema Alemão Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 48

9 3) Seja um empréstimo de R$ ,00, cotratado segudo a Tabela Price, pelo prazo de 2 aos e à taxa % a.a.c.m. a) Supodo que, ao logo dos 2 aos cosiderados, as taxas mesais de iflação, como medidas pela variação de um certo ídice de preços, tomado como idexador para fis de correção moetária, sejam as abaixo especificadas Semestre Taxa Mesal de Iflação º 0,3% 2º 0,5% 3º 0,4% 4º 0,5% mote o Quadro de Amortização do Empréstimo, se for especificado correção moetária mesal do saldo devedor e correção moetária aual da prestação ( com a primeira e úica, ficado efetiva somete quado do pagameto da 3ª prestação). b) Qual deve ser o valor do desembolso total, ao fim do prazo de 2 aos e por parte do tomador do empréstimo, para que a dívida seja liquidada? Solução a) Observado que, a preços da data zero i i 0,0 0,0 R,0 C R$ ,3 ;,2,..., i 0, 0 tem-se que, a preços corretes: R R R R... R R R$ ,3,0, 2,2 3,3,, 3,3,0 R R I 42366,3, R$ , 78 3,3 4,4 5,5 23,23 24,24 R R R... R R R$ ,78 S i I S R ; S R$ ,00,,, 0,0 J i I S e A R J ;,2,...,24,,,,, do que decorre que se teha S24,24 R$ , Ou seja, mesmo após o pagameto da última prestação cotratual permaeceria um débito de R$ ,. b) A 24ª prestação deve ser calculada de maeira a liquidar o saldo da dívida. Portato, tem-se: R i I S 0,0 0, ,87 R$ 75.34,89 24, ,23 O quadro a seguir apreseta a evolução do estado da dívida, tato a preços da data do empréstimo (data zero), como a preços corretes, já cosiderado a 24ª prestação de maeira Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 49

10 que a dívida seja totalmete liquidada o fim do prazo de 2 aos. Note que o valor da última prestação passa a ser igual à soma 30690,+44444,78=R$ 75.34,89. 4) Recosidere o Exercício 3, supodo agora que a primeira correção aual das prestações ocorra quado do pagameto da ª prestação. Notado que, esta situação, teremos duas correções moetárias do valor da prestação, pedese: a) Costruir o Quadro de Amortização; b) Determiar o valor do desembolso total que, o fim do prazo de 2 aos, o tomador do empréstimo terá que pagar para liquidar o empréstimo. Solução a) Observado que, a preços da data zero i i 0,0 0,0 R,0 C R$ ,3 ;,2,..., i 0, 0 tem-se que, a preços corretes: R R R R... R R$ ,3,0, 2,2 3,3,,,0 R R I 42366,3, R$ , 78, 3,3 4,4 5,5 23,23 R R R R... R R$ ,78 24,24,0 24 R R I 42366,3,0735 R$ , 03 Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 50

11 Capitulo 0 Resolução de Exercícios S i I S R ; S R$ ,00,,, 0,0 J i I S e A R J ;,2,...,24,,,,, do que decorre que se teha S24,24 R$ ,93 Ou seja, mesmo após o pagameto da última prestação cotratual permaece um débito de R$ ,93. b) A 24ª prestação deve ser calculada de maeira a liquidar o saldo da dívida. Portato, tem-se: R i I S 0,0 0, ,59 R$ ,96 24, ,23 O quadro a seguir apreseta a evolução do estado da dívida, tato a preços da data do empréstimo (data zero), como a preços corretes, já cosiderado a 24ª prestação de maeira que a dívida seja totalmete liquidada o fim do prazo de 2 aos. Note que o valor da última prestação passa a ser igual à soma 25757, ,03=R$ ,96. 5) Supoha que a empresa Total Capital, ecessitado de levatar um empréstimo de R$ ,00 reais, esteja cosiderado as duas seguites opções: a) sedo t 0 =,6 a taxa de câmbio em vigor, expressa em termos de R$/US$, tomar emprestado o equivalete em dolares, a praça de New Yor, devedo pagar, um ao depois, a quatia emprestada acrescida de juros à taxa aual fixa ia 5,4% a. a. ; Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 5

12 b) levatar o empréstimo em uma istituição brasileira que cobra a taxa aual ib,5% a. a., que icide sobre o valor moetariamete atualizado da quatia emprestada, de acordo com a taxa de variação de um dado ídice de preços I ˆB. Admita que a empresa Total Capital acredite que, para o prazo de ao, seja válida a chamada teoria da paridade do poder de compra ( purchasig power parity ), que implica em que a estimativa da taxa de câmbio t, em reais por dólar americao, seja dada pela relação. t t 0 I I A B ode I B 6,5% é a estimativa da taxa aual de variação do ídice de preços o Brasil I ˆB, e I,8% é a estimativa da taxa aual de variação de certo ídice de preços por atacado ( whole A price ídex ) americao I ˆA. Qual o maior valor da taxa de juros aual, o mercado de New Yor, para que aida seja iteressate levatar o empréstimo aquela praça? Solução Cosiderado a alterativa (a), terá que pedir um empréstimo de: C t ,6 US$ ,00 Tedo que pagar, o fim de um ao, a quatia de ,054 US$ ,00 Para pagar US$ ,00, terá que desembolsar, em reais, a quatia de: , 6 0, 065 0, 08 R$ ,4 Levatado o empréstimo o mercado doméstico, espera pagar, o fim de ao, a quatia de: ,5 0,065 R$ ,00 Logo, as codições especificadas, é preferível a alterativa a. Por outro lado, cosiderado a relação de equilíbrio Veja-se, por exemplo, C. P. Kidleberger, Iteratioal Ecoomics, Irwi, Illiois, 968, pp Deve ser mecioado que tal teoria tem sido muito questioada, iclusive por ão levar em cota movimetos de capitais. Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 52

13 i I A A i i I i B A A B tem-se que o maior valor de i A, tal que aida seja iteressate levatar o empréstimo a praça de New Yor, é: i A 0, 08 0,5 0,35070 ou 3,5070% a.a. 6) Seja o caso de um fiaciameto de R$ 0.000,00, cotratado pelo prazo de ao, com prestações mesais e taxa de juros de 24% a.a.c.m. Supodo que a TR fique costate e igual a % a.m. durate todo o prazo do empréstimo, pedese: a) costruir o Quadro de Amortização, a preços corretes, se for adotada a sistemática de juros flutuates, determiado a taxa aual com capitalização mesal que, em termos aparetes, foi cobrada. b) costruir o Quadro de Amortização, a preços corretes, se for adotada a sistemática do SFH, determiado a taxa aual com capitalização mesal que, em termos aparetes, foi cobrada. Solução a) Tedo em vista que a taxa mesal efetiva é 24%/=2%, temos que a taxa mesal flutuate é i 0,02 0,0 0,0302 ou 3,02% a. m.;,2,, A preços corretes, tem-se (para =, 2,...,): 0000 A, R $0.000, R, 3 0, S, com S 0, J 0, e, Logo, o Quadro de Amortização, a preços corretes, é Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 53

14 Observação No caso particular em apreço, tato as prestações como as respectivas parcelas de juros, variam em progressão aritmética decrescete, com razão r 302. Assim, testado a validade da relação F 0000 p r como ela é verificada, segue-se que, em termos aparetes, a taxa mesal cobrada é: r 302 im 0,0302 ou 3,02% a. m. F Ou seja, em termos aparetes, a taxa mesal sedo cobrada coicide com a taxa mesal costate de juros flutuates. Sedo que a taxa aual com capitalização mesal, em termos aparetes, é 3,02 36,24% b) No caso da adoção da sistemática do SFH, tem-se (para =,2,...,): 0000 R, 3 0,02 0, ,02 0, A, 0, , S, 0, ,0 com S 0, e 0000 J, 0,02 0, ,0 Portato, teremos: Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 54

15 Relativamete à taxa mesal aparete, que deotaremos por i, que está implícita o esquema cosiderado, lembremos que esta deve ser tal que R, i 0000 ou R,0 0,0 i 0000 ou R,0 0,0 i 0000 Por costrução, dado que a sistemática do SFH sigifica, a preços da época zero, a adoção do sistema de amortizações costates à taxa, o caso, de 2% a.m., tem-se que: R,0 0, Por outro lado, fazedo-se i 0,02 0,0, tem-se 0,0 0,0 R,0 R,0 R,0 0 i 0,02 0,0 0, Logo, tedo em vista a uicidade da taxa itera de retoro o caso de um projeto do tipo ivestimeto simples, segue-se que, em termos aparetes, a taxa mesal que foi cobrada é i 0,02 0,0 0,0302 ou 3,02% que coicide com a taxa mesal, costate, de juros flutuates. Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 55

16 Caso ão tivéssemos atetado para o acima observado, teríamos que laçar mão da HP C, obtedo: [f][reg]0000[chs][g][cf 0]524[g][CF j]445.22[g][cf j]363.6[g][cf j] 279.3[g][CF j]9.72[g][cf j]0.33[g][cf j]007.92[g][cf j]9.42[g][cf j] 8.8[g][CF j]708.99[g][cf j]602.95[g][cf j]493.62[g][cf j][f][irr]3,099 Ou seja, a meos de erros de aproximação, seria cofirmada a taxa mesal aparete de 3,02%. O que implica a taxa aual, com capitalização mesal e em termos aparetes, de 3,02% 36,24% a. a. c. m. 7) Para o empréstimo de R$ ,00, pelo prazo de 6 meses e à taxa de juros compostos de 2% a.m., comparar as evoluções do estado da dívida, respectivamete resultates a) da adoção do esquema de juros flutuates b) da sistemática do SFH Supoha que a TR a época, TR, ode deota o úmero de meses decorridos após a data do empréstimo (época zero), seja tal que: Solução TR %; TR2,5%; TR3 0,8%; TR4,2%; TR 5,6% e TR 6,%. a) Cosiderado o esquema de juros flutuates, sedo i a taxa de juros relativa ao -ésimo mês, isto é temos, a preços corretes: i 0,02 TR,,2,, R, 7 i 6 A, S, com S 0, e J 6 i i 6, Deste modo, tomado a TR como idexador, para fis de expressar as prestações a preços da data do cotrato de fiaciameto (época zero), de tal forma que Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 56

17 R,0 R R,, TR TR teremos a evolução mostrada o quadro a seguir. Fazedo uso da HP C, obtemos, para a taxa mesal, em termos aparetes: [f][reg]60000[chs][g][cf 0]8[g][CF j]765[g][cf j]6.4[g][cf j] [g][CF j]0726.4[g][cf j]03.2[g][cf j][f][irr]3,98 Ou seja, a taxa mesal, em termos aparete, cobrada o fiaciameto foi de 3,98%. Sedo que, para a determiação da taxa real, mesal, quado se cosidera a TR como deflator, tem-se: [f][reg]60000[chs][g][cf 0]695.05[g][CF j]476.37[g][cf j]0767.3[g][cf j] [g][CF j] [g][cf j]9600.5[g][cf j][f][irr]2,0000 Ou seja, como previsto pela teoria, a taxa real, mesal, é exatamete igual à taxa especificada; isto é 2% a.m. b) Relativamete ao caso da adoção da sistemática do SFH, sedo a variação acumulada da TR os primeiros meses tem-se: e TR TR S, 6 TR TR, com S 0, A TR 0000 TR 6, J 7 0,02 TR TR 6, Coforme mecioado a ota do rodapé da págia 484. Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 57

18 com R 7 0,02 TR ,02 TR 6, R, R, , 02 TR Com a evolução de débito sedo como o Quadro a seguir. Fazedo uso da HP C, para a determiação da taxa mesal, em termos aparetes, que está implícita, temos: [f][reg]60000[chs][g][cf 0]3[g][CF j]76,65[g][cf j]60.9[g][cf j] 084,96[g][CF j]049.83[g][cf j] [g][cf j] [f][irr]3,926 Ou seja, em termos aparetes, a taxa mesal cobrada foi de 3,926%a.m.. Quato à taxa mesal, em termos reais, basta observar que o deflacioameto com base a TR, para efeito de expressar as prestações a preços da data do cotrato, meramete levou a que tivéssemos as prestações segudo o sistema de amortizações costates, calculadas à taxa de 2% a.m. Observações ) Embora, as codições cosideradas, as duas sistemáticas, em termos reais, sejam fiaceiramete equivaletes, as respectivas taxas aparetes ão são idêticas. 2) Para fis cotábeis, e isto tem importâcia para fis de apuração do lucro de pessoas jurídicas, as parcelas de juros o sistema de juros flutuates são sempre superiores às correspodetes o caso da sistemática do SFH. 8) A loja Compra Certa fiacia a aquisição de uma televisão, cujo preço à vista é R$ 6.000,00, as seguites codições: etrada de 20% do valor do preço à vista; prestações mesais, iguais e costates, a primeira vecedo-se 6 meses após a data da compra, calculadas cosiderado o regime de juros simples à taxa de 4% a.m.; precavedo-se cotra o efeito da iflação, que se estima ser da ordem de,5% a.m., ao logo de todo o prazo de fiaciameto, cobraça de um pagameto adicioal, o fim de 9 meses, de modo que se assegure a taxa real de juros compostos de 3% a.m. Pede-se determiar: Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 58

19 a) o valor de cada uma das prestações mesais; b) o valor do pagameto fial. Solução a) Sedo cosiderado o regime de juros simples, à taxa de 4% a.m., o valor R das prestações mesais, costates e iguais, deve ser tal que, tedo em vista o diferimeto de 6 meses: , 2 0, 046 R 0,04 ou 5952 R... 0, 04 0, 08 0, 0,6 0, 44 0, R R$ 67,38 9, b) Cosideradas a taxa real de juros compostos de 3%a.m., e a estimativa da taxa de,5% a.m., o valor do pagameto adicioal R, que deve ser efetuado ao fim de 9 meses, deve ser tal que satisfaça a seguite equação de valor (data focal época 9): , 03 0, 05 67,38 0, 03 0, 05 R ou R, , , , ,38, Logo R R$ 706,87 9) Nas codições do exercício 8, supoha que um dado comprador resolva liquidar seu débito o fim do 3º mês, cotado a partir da data da compra. Quato deverá ser cobrado, esta data, pela loja Compra Certa, se ão houver prestações em atraso e se tiver sido observado que: a) A taxa de iflação acumulada os primeiros 6 meses, após a data da compra, tiver sido de 7,22%; b) No -ésimo mês, após a data da compra, a taxa mesal de iflação, I, tiver evoluído como se segue: I,02% ; I 0,96% ; I,58% ; I,6% ; I,75% ; I,9% ; I 0,98%;? Solução O valor do pagameto o fim do 3º mês, já icorporado o valor da prestação que aí se vece, que deotaremos por ˆR, deverá satisfazer a seguite equação de valor (data focal época 3): Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 59

20 , 03 0, ,38 0, Logo, 3 7 I I , 03 I 0, 03 I 0, 03 I , 03 0, 03 0, 03 I I ˆ I3 R Rˆ R$ 2,570,29 0) Artur solicitou a Atoio um empréstimo de R$ ,00, para pagar em duas prestações semestrais. Tedo sido acertada a taxa de juros de 2% a.m., e correção moetária plea somete da seguda prestação, pede-se determiar: a) O valor de cada uma das duas prestações semestrais, a preços da data do empréstimo; b) O fluxo de caixa a preços corretes, do poto de vista de Atoio, o fluxo de caixa a preços da data do empréstimo e a taxa real, mesal, de juros efetivamete obtida por Atoio, se as taxas de iflação observadas tiverem sido de 40% o primeiro semestre, passado a 60% o segudo semestre; c) Idem, se a taxa de iflação o primeiro semestre tiver sido de 60%, passado a 40% o segudo semestre; d) Comprove que, embora em ambos os casos, teha-se o mesmo fluxo de caixa a preços corretes, temos distitas taxas de reais de juros. Solução a) Sedo de 2% a.m. a taxa cobrada, segue-se que a taxa semestral é: 6 i 0,02 0,662 ou,662% a. s. Logo, fazedo-se o caso da HP C, tem-se: s [f][reg][g][end]20000[chs][pv].662[i]2[][pmt].929,86747 Portato, as duas prestações semestrais, a preços da data do empréstimo, serão de R$.929,87, cada uma. b) Tedo em vista o comportameto da iflação, o valor moetariamete corrigido da seguda prestação será: 929,87 0, 4 0,6 R$ ,9 Portato, do poto de vista de Atoio, o fluxo de caixa, a preços corretes, que caracteriza a operação de empréstimo é: { ;929,87 ; 26722,8}. Deflacioado-se, temos que, a preços da data do empréstimo, o fluxo de caixa é: 929, ,8 { ; 852,33574 ; 929,87} 0,4 0,4 0,6 Por coseguite, fazedo-se uso da HP C, para fis de determiação da taxa real semestral, efetivamete cobrada, tem-se: [f][reg]20000[chs][g][cf 0] [g][CF j]929.87[g][cf j][f][irr], Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 60

21 Logo, a taxa real mesal é: 6 R 0, , ou 0, 2354% a. m. m c) Na ova situação, como permaece sedo de R$ ,9 o valor moetariamete corrigido da seguda prestação, ão há alteração o fluxo de caixa a preços corretes. Porém, a preços da data do empréstimo, teremos, agora: 929, ,8 { ; 7456,68750 ; 929,87} 0,6 0,6 0,4 Cosequetemete, fazedo uso da HP C, teremos: [f][reg]20000[chs][g][cf 0] [g][CF j]929.87[g][cf j][f][irr]-, Ou seja, a taxa real semestral será egativa e igual a,908962%a.s. O que implica em que a taxa real mesal, R m, passe a ser: 6 R 0, , ou 0,3207% a. m. m d) O exercício mostra que, muito embora a taxa aual de iflação seja a mesma em ambos os casos (4%a.a.), o comportameto da iflação em cada semestre pode iflueciar fortemete o desempeho de certas operações. Itrodução à Matemática Fiaceira Faro & Lachtermacher Versão Fial Págia 6

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Uma Nota Sobre Amortização de Dívidas: Juros Compostos e Anatocismo

Uma Nota Sobre Amortização de Dívidas: Juros Compostos e Anatocismo Uma Nota Sobre Amortização de Dívidas: Juros Compostos e Aatocismo Clovis de aro Coteúdo: Palavras-chave: Códigos JEL: E4, E5. 1. INTRODUÇÃO 1. Itrodução; 2. O Caso de Um Esquema Geral de iaciameto; 3.

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares Matemática Fiaceira para Gestão de Negócios Júlio Cezar dos Satos Patrício Cosiderações Prelimiares O objeto do presete estudo, que ão tem a pretesão de esgotar o assuto, é oferecer base aos empresários

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon Elemetos de Aálise Fiaceira Descotos Aplicações de Juros Simples Descotos Valor Nomial = valor de resgate = valor de um título o seu vecimeto Ao liquidar um título ates do vecimeto há uma recompesa pelo

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES)

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) APOIO AO MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Nehuma empresa é pequea quado os dirigetes são grades e o segredo para ser grade é se istruir sempre! PROJETO INTEGRALMENTE

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos ula 08 Matemática Financeira mortização de Empréstimos Introdução Freqüentemente, nas operações de médio e longo prazo, as operações de empréstimos são analisadas período por período. Consideremos os instantes

Leia mais

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento UNIDADE 4 Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento 109 Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você será levado a: diferenciar os dois tipos de sistema de amortização;

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00

OPERAÇÃO 1 OPERAÇÃO 2 OPERAÇÃO 3 OPERAÇÃO mês 10% a.m. 100,00 110,00 121,00 Módulo 7 J uros Compostos Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 7.1 Itrodução: Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira

Apostila de Matemática Financeira 200.2 Apostila de Matemática Fiaceira Prof. Davi Riai Gotardelo Dispoível o Xerox e o Quiosque Uiversidade Federal Rural do Rio de Jaeiro (UFRRJ) A p o s t i l a d e M a t e m á t i c a F i a c e i r a

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A

IAG. Definições: O valor do dinheiro no tempo Representação: (100) 100. Visualização: Fluxo de Caixa B&A B&A IAG Matemática Fiaceira Fluxo de Caixa O valor do diheiro o tempo Represetação: Saídas Etradas (100) 100 Prof. Luiz Bradão 2012 1 2 Visualização: Fluxo de Caixa 0 1 2 3 4 5 Defiições: Fluxo de Caixa VP

Leia mais

Mauá Prev Regime de tributação do Pao de Aposetadoria Mauá Prev será escohido peos próprios participates A Lei º 11.053, de 29/12/2004, dá aos participates de paos de previdêcia compemetar do tipo cotribuição

Leia mais

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 Uma das importantes aplicações de progressões geométricas é a Matemática Financeira. A operação básica da matemática nanceira é a operação de

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização MATEMÁTICA FINANCEIRA Capitalização Seu estudo é desevolvido, basicamete, através do seguite raciocíio: ao logo do tempo existem etradas de diheiro (RECEITAS) e saídas de diheiro (DESEMBOLSOS) os caixas

Leia mais

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES JURO SIMPLES 1 Juros é o rendimento de uma aplicação financeira, valor referente ao atraso no pagamento de uma prestação ou a quantia paga pelo empréstimo de um capital. Atualmente, o sistema financeiro

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento

Amortização ou parcela de amortização É a parte embutida na prestação que devolve o valor principal do empréstimo ou financiamento 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Estudaremos este capítulo os vários sistemas de amortização de empréstimos e fiaciametos, sua metodologia e cálculos para determiação do saldo

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (AFTN 1985) Uma pessoa obteve um empréstimo de $ 120.000,00, a uma taxa de juros compostos de 2% a.m., que deverá ser pago em

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO JURANDIR GURGEL GONDIM FILHO Professor Adjuto do IESC Mestre em ecoomia (UFC/CAEN), MBA em Fiaças pelo IBMEC, Especialista em Fiaças Públicas (FGV)

Leia mais

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito:

23/03/2014. VII. Equivalência de Fluxos de Caixa. VII.1 - Conceito. Conceito: //4 VII. Equivalêcia de Fluxos de Caixa Matemática Fiaceira Aplicada ao Mercado Fiaceiro e de Capitais Professor Roaldo Távora 9 VII. - Coceito Coceito: Dois fluxos de caixa são equivaletes, a uma determiada

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A amortização de um empréstimo é o processo de sua liquidação por meio de pagamentos periódicos (anuidades). Sistema Francês (Tabela Price) Sistema de Amortização Constante (SAC)

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Parte I MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Tipos de Sistemas de Amor8zação SISTEMA AMERICANO usado nos emprés:mos internacionais SISTEMA

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A

CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A UNIVERS IDADE PRESB ITER IANA M ACKENZIE CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A 01. Um empréstimo de $ 200.000,00, contratado a juros efetivos de 10% ao mês, no Sistema de Amortização Constante

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais