Manual sobre o Valor do Dinheiro no Tempo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual sobre o Valor do Dinheiro no Tempo"

Transcrição

1 Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo...Dai de graça o que de graça recebeste... A oção de que um dólar hoje é preferível a um dólar em algum mometo o futuro é bastate ituitiva para a maioria das pessoas compreederem, sem usarem modelos e matemática. Etretato, os pricípios de valor presete forecem apoio adicioal a esta declaração, e permitem-os calcular quato exatamete um dólar daqui a algum tempo o futuro vale em dólares de hoje e, aida, mover o fluxo de caixa o tempo. O valor presete é um coceito, ituitivamete atraete, simples de computar, e tem uma gama extesa de aplicações. Ele é útil o ato de tomar decisões, ido de decisões pessoais simples comprar uma casa, poupaça para a educação das criaças e estimar o redimeto a aposetadoria, para decisões complexas de fiaças corporativas escolhedo em qual projeto ivestir, como também o correto fiaciameto combiado com estes projetos. Liha de Tempo e Notação Lidado com fluxos de caixa que estão em potos diferetes o tempo tora-se mais fácil usar uma liha de tempo que mostra o istate e a quatia de cada fluxo de caixa uma série deles. Assim, uma série de fluxos de caixa de $100 ao fial de cada um dos próximos 4 aos, pode ser desehada uma liha de tempo como esta da Figura 3.1. Na figura, o 0 refere-se ao agora. Um fluxo de caixa que ocorre o istate 0 está, portato, já o valor presete e ão precisa ter seu valor ajustado o tempo. Uma distição deve aqui ser feita etre um período de tempo e um poto o tempo. A porção da liha de tempo etre 0 e 1 refere-se ao período 1, que, este exemplo, é o primeiro ao. O fluxo de caixa que ocorre o poto "1" do tempo se refere ao fluxo de caixa que ocorre o fial do período 1. Fialmete, a taxa de descoto, que é 10% este exemplo, é especificada para cada período sobre a liha de tempo e pode ser diferete para cada período. Estado os fluxos de caixa o iício de cada ao em vez do fial de cada ao, a liha de tempo teria que ser redesehada como aparece a Figura 3.2.

2 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 2 Note que em termos de valor presete, um fluxo de caixa que ocorre o começo do ao 2 é o equivalete de um fluxo de caixa que ocorre o fial do ao 1. Os fluxos de caixa podem ser ou positivos ou egativos; fluxos de caixa positivos são chamados de etrada de caixa e fluxos de caixa egativos são chamados de saída de caixa. Para propósitos de otação, assumiremos o seguite para o capítulo que se segue: Notação VP VF FC t PGTO A R G N ou Sigifica Valor Presete Valor Futuro Fluxo de Caixa o fial do período t Auidade ou Pagametos: Fluxos de Caixa Costates por vários períodos Taxa de Descoto Razão de crescimeto esperada Número de aos sobre os quais os fluxos de caixa são recebidos ou pagos As Bases Ituitivas para o Valor Presete Existem três razões do por quê um fluxo de caixa o futuro vale mais que um similar fluxo de caixa hoje: (1) Os idivíduos preferem o cosumo presete ao cosumo futuro. Teria de ser oferecido à pessoa mais o futuro para ela abrir mão do cosumo presete. Se a preferêcia pelo cosumo atual é forte, terá que se oferecer aos idivíduos muito mais em termos do cosumo futuro para abrirem mãos do cosumo atual, uma troca que é capturada por uma alta taxa real de retoro ou taxa de descoto. Reciprocamete, quado a preferêcia pelo cosume atual é fraca, os idivíduos se cotetarão com muito meos em termos de cosumo futuro e, por extesão, uma baixa taxa real de retoro ou taxa de descoto. (2) Quado existir iflação moetária, o valor atual dimiui com o tempo. Quato maior a iflação, maior a difereça o valor etre um fluxo de caixa hoje e o mesmo fluxo de caixa o futuro. (3) Um fluxo de caixa prometido ão poderia ser liberado por várias razões: o prometedor poderia fugir dos pagametos, aquele a quem se prometeu o pagameto poderia ão estar por lá para receber o pagameto; ou alguma outra cotigêcia poderia itervir para evitar o pagameto prometido ou reduzi-lo. Qualquer icerteza (risco), associada com o fluxo de caixa o futuro reduzirá o valor do fluxo de caixa. O processo pelo qual os fluxos de caixa futuros são ajustados para refletirem estes fatores é chamado de descoto, e a magitude destes fatores é refletida a taxa de descoto. A taxa de descoto icorpora todos os fatores mecioados acima. De fato, a taxa de descoto pode ser vista como uma composição do retoro real esperado (refletido as

3 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 3 preferêcias de cosumo o agregado sobre a população ivestidora), a taxa de iflação esperada (para capturar a deterioração o poder de compra do fluxo de caixa) e a icerteza associada com o fluxo de caixa. A Mecâica do Valor o Tempo O processo de descotar fluxos de caixa futuros coverte-os em fluxos de caixa em termos de valores presetes. Reciprocamete, o processo de composição coverte os fluxos de caixa presetes em fluxos de caixas futuros. Primeiro Pricípio do Valor o Tempo: Os fluxos de caixa em diferetes potos do tempo ão podem ser comparados e agregados. Todos os fluxos de caixa têm que ser levados ao mesmo poto o tempo ates que as comparações e agregações sejam feitas. Existem cico tipos de fluxos de caixa - fluxo de caixa simples, auidades, auidades crescetes, perpetuidades e perpetuidades crescetes, que serão discutidos abaixo. Fluxos de Caixa Simples. Um fluxo de caixa simples é um fluxo de caixa úico um período de tempo futuro especificado; ele pode ser desehado sobre uma liha de tempo: ode CF t = o fluxo de caixa o tempo t. Este fluxo de caixa pode ser descotado de volta ao presete usado uma taxa de descoto que reflita a icerteza do fluxo de caixa. Simultaeamete, fluxos de caixa o presete podem ser compostos para se chegar a um fluxo de caixa esperado o futuro. I. Descotado um Fluxo de Caixa Simples. Ao descotar um fluxo de caixa se covertem em valor presete os dólares e habilita-se o usuário a fazer várias outras coisas. Primeiro, covertidos os fluxos de caixa em valor presete, eles podem ser agregados e comparados. Segudo, se os valores presetes são estimados corretamete, o usuário deverá ficar idiferete etre o fluxo de caixa futuro e o valor presete daquele fluxo de caixa. O valor presete de um fluxo de caixa pode ser escrito como segue FC Valor Presete de um Fluxo de Caixa Simples = 1+ t ( r) t

4 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 4 ode FC t = Fluxo de Caixa o fial do período t. r = Taxa de Descoto. As outras coisas permaecem iguais, o valor presete de um fluxo moetário dimiuirá com os aumetos da taxa de descoto e cotiuará dimiuido aida mais o futuro quado o fluxo de caixa ocorrer. Ilustração: Descotado um Fluxo de Caixa Assuma que você seja o doo da Ifosoft, uma pequea firma de software. Você está atualmete alugado seu espaço para o escritório, e espera fazer um pagameto da quatia total ao proprietário do bem imobiliário de $ dez aos a partir de hoje. Assuma que uma taxa de descoto apropriada para este fluxo de caixa seja 10%. O valor presete deste fluxo de caixa pode etão ser estimado: $ Valores Presetes dos Pagametos = = $ ,00 10 ( 1,10) Este valor presete é uma fução decrescete da taxa de descoto, como ilustrado a Figura 3.4. Figura Valor Presete de $ em 10 aos Valor Presete Valor Presete 0% 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% 9% 10% 11% 12% 13% 14% 15% 16% 17% 18% 19% 20% Taxa de Descoto

5 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 5 II. Compodo um Fluxo de Caixa Fluxos de caixa atuais podem ser movidos para o futuro compodo o fluxo de caixa uma taxa de descoto apropriada. Valor Futuro do Fluxo de Caixa Simples = FC0 (1+ r) t, ode FC 0 = Fluxo de Caixa agora. r = Taxa de Descoto. Novamete, o efeito de composição aumeta com a taxa de descoto e o período de composição. Ilustração: O Poder da Composição Ações, Bôus (Bods) e Letras de Câmbio. Quado o tamaho do período de propriedade é estedido, pequeas difereças as taxas de descoto podem coduzir a grades difereças o valor futuro. Num estudo dos retoros das ações e bôus etre 1926 e 1997, Ibbotso e Siquefield ecotraram que as ações a média atigiram 12.4%, os bôus do tesouro atigiram 5.2%, e as letras do tesouro atigiram 3.6%. Assumido que estes retoros cotiuem o futuro, a Tabela 3.1 foreceos os valores futuros de $ 100 ivestidos em cada categoria o fial de vários períodos de holdig - 1 ao, 5 aos, 10 aos, 20 aos, 30 aos, e 40 aos. Tabela 3.1: Valores Futuros dos Ivestimetos Classes de Ativos Período de Propriedade Ações Bôus do Tesouro Letras do Tesouro 1 $ $ $ $ $ $ $ $ $ $1, $ $ $3, $ $ $10, $ $ As difereças o valor futuro do ivestimeto a estas diferetes taxas de retoros são pequeas para períodos de composição curtos (tais como 1 ao) mas toram se maiores quado o período de composição é exteso. Por exemplo, com um horizote de tempo de 40 aos, o valor futuro do ivestimeto em ações, uma media de retoro de 12,4%, é mais do que 12 vezes maior que o valor futuro do ivestimeto em bôus do

6 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 6 tesouro e uma média de retoro de 5,2% mais do que 25 vezes o valor futuro do ivestimeto as letras do tesouro uma média de retoro de 3,6%. A Regra do 72: Um Atalho para estimar o Efeito da Composição Num aperto, a regra de 72 forece uma resposta aproximada à questão "Quão rapidamete esta quatia dobrará de valor?", dividido 72 pela taxa de descoto ou de juros, usadas a aálise. Assim, um fluxo de caixa crescete a 6% ao ao dobrará de valor em aproximadamete 12 aos, equato um fluxo de caixa crescete a 9% dobrará de valor em aproximadamete 8 aos. III. A Freqüêcia do Descoto e Composição. A freqüêcia de composição afeta ambos os valores futuros e presete dos fluxos de caixa. Nos exemplos acima, os fluxos de caixa foram assumidos serem descotados e compostos aualmete, isto é, os pagametos dos juros e redimetos foram computados o fial de cada ao, baseados o balaço o iício do ao. Em algus casos, etretato, os juros devem ser calculados mais freqüetemete, tais como com base mesal ou semestral. Nestes casos, os valores: presete e futuro - podem ser muitos diferetes daqueles computados uma base aual; a taxa de juros estabelecida, uma base aual, pode desviar sigificativamete da taxa de juros efetiva ou verdadeira. A taxa de juro efetiva pode ser calculada, como segue: Taxa de Juro Aual Estabeleci da Taxa de Juro Efetiva = ode = úmero de períodos de composição durate o ao (2=semestral; 12=mesal). Por exemplo, uma taxa de juro aual de 10%, se existe uma composição semestral, produz uma taxa de juros efetiva de: Taxa de Juros Efetiva = 1, =,10125 ou 10,25% Quado a composição se torar cotíua, a taxa de juros efetiva pode ser calculada como segue: Taxa de Juros Efetiva = exp r - 1 ode, exp = fução expoecial.

7 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 7 r = taxa de juros aual estabelecida. A Tabela 3.2 forece as taxas efetivas como uma fução da freqüêcia da composição. Tabela 3.2: Efeito da Freqüêcia de Composição sobre as Taxas de Juros Efetivas Freqüêcia Taxa t Fórmula Taxa Aual Efetiva Aual 10% % Semestral 10% 2 (1+.10/2) % Mesal 10% 12 (1+.10/12) % Diária 10% 365 (1+.10/365) % 1 Cotíua 10% exp (.10) % Como você pode ver, quato mais freqüete tora-se a composição, a taxa efetiva cresce, e o valor presete dos fluxos de caixa futuros dimiui. Auidades Uma auidade é um fluxo de caixa costate que ocorre em itervalos regulares por um período fixo de tempo. Defiido PGTO como auidade, a liha de tempo para uma auidade pode ser desehada como segue: Uma auidade pode ocorrer o fial de cada período, como esta liha de tempo, ou o iício de cada período. I. Valor Presete de uma Auidade o Fial do Período O valor presete de uma auidade pode ser calculado tomado cada fluxo de caixa e descotado para o presete e daí adicioado os valores presetes. Alterativamete, uma fórmula poderia ser usada o cálculo. No caso das auidades que ocorrem o fial de cada período, esta fórmula pode ser escrita como: VP da Auidade = VP(PGTO, i, 1 1- (1+ i) ) = PGTO i

8 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 8 ode PGTO = Auidade i = Taxa de Descoto = Número de aos. Coseqüetemete, a otação que usaremos o resto deste texto para o valor presete de uma auidade será VP(PGTO, i, ) 1. Ilustração: Estimado o Valor Presete das Auidades Assuma ovamete que você seja o doo da Ifosoft, e que você teha de escolher etre comprar uma copiadora de R$ ,00 à vista ou pagado $ 3.000,00 por ao em 5 aos pela mesma copiadora. Se o custo de oportuidade é 12%, qual delas você escolheria? 1 1- VP de $ 3.000,00 auais durate 5 aos = $ 3.000,00 0,12 ( 1,12) 5 = $10.814,00 O valor presete das prestações excede o preço à vista; portato, você vai querer pagar $ ,00 a vista agora. Por outro lado, o valor presete poderia ter sido estimado descotado cada um dos fluxos de caixa para o presete e agregado os valores presetes como ilustrado a Figura Existem outras como FAC(,i) ou a i.

9 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 9 Ilustração: Valor Presete de Auidades Múltiplas Supoha que você seja um cosultor de um fudo de pesão do The Home Depot, e que você está tetado estimar o valor presete de suas obrigações de pesão esperadas, cuja quatia em termos omiais seja o seguite: Aos Fluxo de Caixa Aual 1-5 $ milhões 6-10 $ milhões $ milhões Se a taxa de descoto é 10%, o valor presete destas três auidades pode ser estimado como segue: Valor Presete da primeira auidade = $ 200 milhões * VP (PGTO, 10%, 5) = $ 758 milhões. Valor Presete da seguda auidade = $ 300 milhões * VP (PGTO,10%,5) / 1,10 5 = $ 706 milhões. Valor Presete da terceira auidade = $ 400 milhões * VP (PGTO,10%,10) / = $ 948 milhões. Os valores presetes da seguda e terceira auidades podem ser estimados em dois passos: Primeiro, o valor presete padrão da auidade é calculado sobre o período em que a auidade é recebida, segudo, esse valor presete é levado de volta para o presete. Assim, para a seguda auidade, o valor presete de $ 300 milhões a cada ao por 5 aos é calculado como $ milhões; este valor presete realmete é a partir do fim do quito ao. É descotado de volta mais 5 aos para se chegar ao valor presete hoje que é $ 706 milhões. Valor Presete Acumulado = $ 758 milhões + $706 milhões + $948 milhões = $2,412 milhões. II. Fatores de Amortizações Auidades Dados os Valores Presetes Em algus casos, o valor presete dos fluxos de caixa é cohecido e a auidade precisa ser estimada. Este é freqüetemete o caso com empréstimos de cassas e automóveis, por exemplo, ode o mutuário recebe o empréstimo hoje e paga-o em prestações mesais iguais por um exteso período de tempo. Este processo de ecotrar uma auidade quado o valor presete é cohecido é examiado abaixo:

10 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 10 Auidade dado o Valor Presete = PGTO(VP, i, ) = VP 1- i 1 ( 1+ i) Ilustração: Calculado As Prestações Mesais Sobre Um Empréstimo de Uma Casa Supoha que você esteja tetado emprestar $ ,00 para comprar uma casa sob a hipoteca covecioal de 30 aos com pagametos mesais. A taxa percetual aual do empréstimo é 8%. Os pagametos mesais deste empréstimo podem ser estimados usado fórmula devida para a auidade: Taxa de juro mesal sobre o empréstimo = TPA/ 12 = 0,08/12 = 0,0067 0,0067 Pagametos Mesais sobre a Hipoteca = $ ( 1,0067) 360 = $1.473,11 Este pagameto mesal é uma fução crescete das taxas de juros. Quado as taxas de juro caem, os proprietários dos imóveis usualmete têm de escolher o re-fiaciameto, ão obstate exista um custo adicioal para se fazer isso. Examiemos esta questão de se re-fiaciar ou ão posteriormete este capítulo. III. Valor Futuro Das Auidades o Fial dos Períodos Em algus casos, um idivíduo pode plaejar depositar uma auidade fixa em cada período por vários períodos e querer saber quato ele ou ela terão o fial do período. O valor futuro de uma auidade o fial do período pode ser calculado como segue: VF de uma Auidade = VF(PGTO, i, ) = PGTO ( 1+ i) i 1 Assim, a otação que usaremos através deste texto para o valor futuro de uma auidade será VF(PGTO, i, ). Ilustração: Cota Idividual de Aposetadoria (CIA) A Cota Idividual de Aposetadoria (CIA) permite algus cotribuites guardar $2.000 por ao para aposetadoria e iseto de taxação sobre os gahos dos redimetos estas cotas. Se um idivíduo começa a depositar diheiro uma CIA cedo a sua vida de

11 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 11 trabalho, o valor a aposetadoria pode ser substacialmete maior que a quatia omial realmete colocada ela. Por exemplo, assuma que este idivíduo deposite $ ao fim de cada ao, começado quado ela teha 25 aos, para uma aposetadoria esperada a idade de 65 aos, e que ela espera coseguir 8% ao ao os seus ivestimetos. O valor esperado da cota a data de sua aposetadoria pode ser estimado como segue: 40 (1.08) 1 Valor Esperado do IRA guardado aos 65 aos = $ = $ A iseção de taxa adicioa substacialmete ao valor porque ela permite o ivestidor mater o retoro pré-fixado em 8% coseguido o ivestimeto CIA. Se o redimeto foi taxado em digamos 40%, a taxa de retoro pós teria caído a 4,8%, resultado em um valor esperado muito mais baixo: 40 (1.048) 1 Valor Esperado do IRA guardado ao 65 aos se taxado = $ = $ ,048 Como você pode ver, os fudos dispoíveis a aposetadoria cai em mais de 55% como uma coseqüêcia da perda da perda de iseção de impostos (taxação). IV. Auidade Dado o Valor Futuro Idivíduos ou egociates que têm uma obrigação fixa a atigir ou uma meta a cumprir (em termos de poupaça) algumas vezes o futuro precisam saber quato eles deveriam guardar em cada período para atigir esta meta. Se você está dado o valor futuro e procurado a auidade PGTO (VF, i, ) em termos de otação: Auidade dado o Valor Futuro = PGTO(VF,i, ) = VF ( 1+ i) 1 Ilustração: Provisão de Fudo de Amortização (Sikig Fud) sobre um Bôus. Em qualquer empréstimo com prestações balão 2, somete os pagametos das taxas são feitos durate a vida do empréstimo, equato o pricipal é pago o fial do período. Compahias que emprestam diheiro usado o pagameto balão ou bôus covecioal (que compartilham as mesmas características) freqüetemete depositam diheiro em fudos de amortizações (sikig fuds) durate a vida do empréstimo para assegurar que elas teham o suficiete a maturidade para pagar o pricipal sobre o empréstimo ou o valor de face dos bôus. Assim, uma compahia que tem um bôus com valor de face de $ 100 milhões vecedo daqui a 10 aos, precisaria guardar a seguite quatia cada ao (assumido uma taxa de juros de 8%): i 2 Uma grade prestação feita o fial de um empréstimo fiaceiro, permitido que pequeas prestações sejam feitas durate o prazo, para permitir ao tomador usar a difereça em outras aplicações até que o pagameto fial seja devido. Balão = soma pricipal

12 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo Provisão de Sikig Fud a cada ao = $ = $ ( 1.08) 1 A compahia precisará guardar $6.9 milhões o fial de cada ao para garatir que existam fudos suficietes ($ 10 milhões) para aposetar os bôus a maturidade. V. Efeito de Auidades o Iício de Cada Ao As auidades cosideradas até agora este capítulo são fluxos de caixa o fial do período (postecipadas). Mas, o valor presete e o valor futuro, serão afetados se os fluxos de caixa ocorrerem o iício de cada período ao ivés do fim. Para ilustrar este efeito, cosidere uma auidade de $ 100 o fial de cada ao os próximos 4 aos, com uma taxa de descoto de 10%. Cotrastado isto com uma auidade de $ 100 o iício de cada ao para os próximos quarto aos, com a mesma taxa de descoto. Desde que a primeira destas auidades ocorre exatamete agora, e os fluxos de caixa restates tomam a forma de uma auidade o fial do período sobre 3 aos, o valor presete desta auidade pode ser escrito como segue: VP de$100 o iício 1 1- de cada um dos próximos 4 aos = $100 + $100 0,10 ( 1,10) 3 Em geral, o valor presete de uma auidade o iício do período por aos pode ser escrito como segue:

13 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo VP de Auidades o Iício do Período sobre aos = PGTO + PGTO ( 1+ i) Este valor presete será maior que o valor presete de uma auidade equivalete ao fial de cada período. O valor futuro de uma auidade o iício de cada período tipicamete pode ser estimado permitido um período adicioal de composição para cada fluxo de caixa: i 1 1 VF de uma Auidade o iício de cada período = PGTO (1+ i) ( 1+ i) i 1 Este valor futuro será maior que o valor futuro de uma auidade equivalete o fial de cada período. Ilustração: CIA Poupado o Iício de Cada Período ao ivés do Fial. Cosidere ovamete o exemplo de um idivíduo que deposita $2.000, o fial de cada ao os próximos 40 aos uma cota CIA a 8%. O valor futuro destes depósitos atige $ o fial do ao 40. Se os depósitos fossem feitos o iício de cada ao ao ivés do fim, o valor futuro teria sido maior: Valor Esperado do IRA (iício do ao) = $ (1,08) ( 1,08) 40 1 = $ ,08 Como você pode ver, os gahos de se fazer pagametos o iício de cada período pode ser substacial. Auidades Crescetes Uma auidade crescete é um fluxo de caixa que cresce à razão costate por um período específico de tempo. Se A é o fluxo de caixa atual, e g é a razão de crescimeto esperada, a liha de tempo para uma auidade crescete apreseta-se como segue: Note que, para se qualificar como uma auidade crescete, a razão de crescimeto em cada período tem que ser a mesma que a razão de crescimeto o período aterior.

14 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 14 O Processo de Descotar. Na maioria dos casos, o valor presete de uma auidade crescete pode ser estimado usado a seguite fórmula: VP de uma Auidade Crescete = A(1+ g) 1- (1+ g) (1+ r) O valor presete de uma auidade crescete pode ser estimado em todos os casos, meos um ode a razão de crescimeto é igual a taxa de descoto. Neste caso, o valor presete é igual à soma omial das auidades sobre o período, sem o efeito do crescimeto. r - g VP de uma Auidade Crescete por aos (quado r = g) = A Note também que esta formulação fucioa mesmo quado a razão de crescimeto é maior do que a taxa de descoto. Esta plailha de cálculo permite você estimar o valor presete de uma auidade crescete. Ilustração: O Valor de uma Mia de Ouro Supoha que você teha os direitos de uma mia de ouro para os próximos 20 aos, este período você plaeja extrair oças de ouro por ao. O preço atual por oça de ouro é $300, mas é esperado aumetar em 3% ao ao. A taxa de descoto apropriada é 10%. O valor presete do ouro que será extraído desta mia pode ser estimado como segue: 20 (1,03) 1-20 (1,10) VP doouroextraído = $ 300 *5.000*(1,03) 0,10-0,03 = $ O valor presete do ouro que se espera extrair desta mia é $ milhões; é uma fução crescete da razão de crescimeto esperada o preço do ouro. A Figura 3.6 ilustra o valor presete como uma fução da razão de crescimeto esperada.

15 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 15 Figura 3.6: Valor Presete do Ouro Extraído como uma fução da Razão de Crescimeto Valor Presete do Ouro Extraído Valor Presete do Ouro 0 0% 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% 9% 10% 11% 12% 13% 14% 15% Razão de Crescimeto dos Preços do Ouro Verificação de coceitos: Se a razão de crescimeto e a taxa de descoto crescem de 1%, o valor presete do ouro que será extraído desta mia cresce ou decresce? Por quê? Perpetuidades. Uma perpetuidade é um fluxo de caixa costate em itervalos regulares para sempre. O valor presete de uma perpetuidade pode ser escrito como VP da Perpetuidade = ode A é a perpetuidade. O valor futuro de uma perpetuidade é ifiito. Ilustração: Avaliado um Cosole Bod. Um cosole bod 3 é um bôus que ão tem maturidade e paga um cupom fixo. Assuma que você teha um cupom de cosole bod a 6%. O valor deste bôus, se a taxa de juros é 9%, é como segue: A r Valor do Cosole Bod = $60 /.09 = $667 O valor de um cosole bod será igual ao seu valor de face (que é usualmete $1000) somete se a taxa do cupom é igual à taxa de juros. 3 Um bôus do govero sem maturidade. Popular a Grã Bretaha. A fórmula para avaliar estes bôus é simples. O pagameto do Cosol dividido pelo Redimeto (a forma percetual) a maturidade é o preço do bôus.

16 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 16 Perpetuidade Crescete. Uma perpetuidade crescete é um fluxo de caixa que é esperado crescer à razão costate para sempre. O valor presete de uma perpetuidade crescete pode ser escrito como: FC1 VP das Perpetuiddades Crescetes = (r - g) ode FC1 é o fluxo de caixa esperado o próximo ao, g é a razão de crescimeto costate e r é a taxa de descoto. Equato uma perpetuidade crescete e uma auidade crescete compartilha várias características, o fato que uma perpetuidade crescete permaece para sempre põe restrições a razão de crescimeto. Ela tem de ser meor que a taxa de descoto para esta fórmula fucioar. Ilustração: Avaliado uma Ação com Crescimeto Estável os Dividedos Em 1992, Southwester Bell pagou $2,73 por dividedos de ação. Seus gahos e dividedos cresceram em 6% ao ao etre 1988 e 1992 e era esperado crescerem à mesma razão o logo prazo. A taxa de retoro requerida pelos ivestidores em ações de risco equivalete era 12,23%. Dividedo Atual por ação = $ 2,73 Razão de Crescimeto Esperada os Lucros e Dividedos = 6% Taxa de Descoto = 12,23% Valor da Ação = $2,73 *1.06 / ( ) = $46,45 Como um aparte iteressate, a ação era egociada realmete a $ 70 por ação. Este preço poderia ser justificado usado uma razão de crescimeto maior. O valor da ação está plotado a figura 3.7 como uma fução da razão de crescimeto esperada.

17 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo Figura 3.7: SW Bell - Valor versus razão de crescimeto Valor da Ação Valor da Ação 0% 1% 2% 3% 4% 5% 6% Razão de Crescimeto Esperada 7% 8% A razão de crescimeto teria de ser aproximadamete 8% para justificar um preço de $ 70. Esta razão de crescimeto é freqüetemete referida como uma razão de crescimeto implicada. Combiações e Fluxos de Caixa Irregulares No mudo real, vários tipos diferetes de fluxos de caixa podem existir simultaeamete, icluido auidades, fluxos de caixa simples e algumas vezes perpetuidades: Algus exemplos estão discutidos abaixo. Um bôus covecioal paga um cupom fixo a cada período de seu tempo de vida, e o valor de face do bôus a maturidade. Em termos de uma liha de tempo: C C C C C: Cupom Aual do Straight Bod VF: Valor de Face do Straight Bod : M aturidade do Straight Bod Como os cupos são fixados e pagos em itervalos regulares, eles represetam uma auidade, equato o valor de face do bôus é um fluxo de caixa úico que tem de ser descotado separadamete. O valor de um straight bod pode, etão, ser escrito como segue: Valor do Straight Bod = Cupom (VP de uma Auidade para a vida do bôus) + Valor de Face (VP de um Fluxo de Caixa Úico) Ilustração: O Valor de um Straight Bod

18 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 18 Digamos que você esteja tetado avaliar um straight bod com maturidade de 15 aos e uma taxa de cupom de 10,75%. A taxa de juros atual dos bôus com este ível de risco é 8,5%. VP dos fluxos de caixa sobre o bôus = 107,50* VP(A,8.5%,15 aos) / = $ 1.186,85 Se a taxa subir para 10%, VP dos fluxos de caixa sobre o = 107,50* VP (A,10%,15 aos)+ 1000/ = $1.057,05 Variação percetual o preço = ($1057,05 - $1186,85)/$1186,85 = % Se a taxa cair para 7%, VP dos fluxos de caixa sobre o bôus = 107,50* VP (A,7%,15 aos)+ 1000/ = $1.341,55 Variação percetual o preço = ($ $ )/$ = +13,03% Esta resposta assimétrica para a variação a taxa de juros é chamada covexidade. Ilustração: Cotrastado Bôus de Curto Prazo com Logo Prazo Digamos agora que você esteja avaliado quatro bôus diferetes - 1 ao, 5 aos, 15 aos, e 30 aos com a mesma taxa de cupom de 10,75%. A Figura 3.8 cotrasta as variações os preços destes três bôus como uma fução da variação as taxas de juros.

19 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 19 Proposição 1 sobre a Precificação de Bôus: Quato maior a maturidade de um bôus, mais sesível é as variações as taxas de juros. Ilustração: Cotrastado Bôus de Cupos Baixos e Cupos Altos Supoha que você esteja avaliado quatro bôus diferetes, todos com a mesma maturidade - 15 aos - mas de diferetes taxas de cupom - 0%, 5%, 10,75% e 12%. A Figura 3.9 cotrasta os efeitos das variações as taxas de juros sobre cada um destes bôus. Proposição 2 sobre a Precificação de Bôus: Quato mais baixa a taxa de cupom de um bôus, mais sesível é para variar com as taxas de juros. No caso de uma ação de uma compahia, que espera um crescimeto alto o futuro próximo e um crescimeto mais baixo e mais estável para sempre após isto, o valor esperado dos dividedos tomam a forma seguite: D 0 (1+g) D 0 (1+g) 2 D 0 (1+g) 3 D 0 (1+g) D 0 (1+g) (1+g ) Para sempre Período de Alto Crescimeto Período de Crescimeto Estável D 0 : Dividedos por ações atuais g = Razão de crescimeto esperada um período de alto crescimeto ( aos) g = Razão de crescimeto esperada após o período de alto crescimeto Os dividedos sobre o período de crescimeto alto represetam uma auidade crescete, equato os dividedos após isto satisfazem as codições de uma perpetuidade crescete. O valor da ação pode etão ser escrito como a soma de dois valores presetes.

20 Bertolo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo 20 P 0 = D 0 (1 + g) *(1 + g) * 1 (1 + r) r g D+ 1 + ( r g )(1 + r) Descotado uma Auidade Crescete + Perpetuidade Crescete. ode P 0 = Valor Presete dos dividedos esperados. g = Razão de crescimeto extraordiário para os primeiros aos ( = Período de alto crescimeto) g = Razão de crescimeto para sempre após o ao D0 = Dividedos Atuais por ação D t = Dividedos por ações o ao t r = Taxa de retoro requerida -> Taxa de Descoto Ilustração: O Valor de uma Ação de Alto Crescimeto Em 1992, Eli Lilly teve um gaho de $ 4,50 por ação, e pagou dividedos de $ 2,00 por ação. Os aalistas esperavam ambos crescerem 9.81% por ao, os próximos 5 aos. Após o quito ao, a razão de crescimeto era esperada cair a 6% ao ao, para sempre, equato a razão de pagametos era esperada aumetar para 67,44%. O retoro requerido a Eli Lilly é de 12,78%. O preço o fial do período de alto crescimeto pode ser estimado usado a fórmula de perpetuidade crescete: Preço Termial = DPS 6 / (r - g ) = EPS 6 * Razão de Pagametos em Crescimeto Estável / (r - g ) = EPS 0 (1+g) 5 (1+g ) / (r - g ) = $ 4.50* *1.06*0.6744/( ) = $75.81 O valor presete dos dividedos e o preço termial podem etão ser calculado como segue:

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização MATEMÁTICA FINANCEIRA Capitalização Seu estudo é desevolvido, basicamete, através do seguite raciocíio: ao logo do tempo existem etradas de diheiro (RECEITAS) e saídas de diheiro (DESEMBOLSOS) os caixas

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares Matemática Fiaceira para Gestão de Negócios Júlio Cezar dos Satos Patrício Cosiderações Prelimiares O objeto do presete estudo, que ão tem a pretesão de esgotar o assuto, é oferecer base aos empresários

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Roberta Torres MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática Trabalho de Coclusão de Curso submetido ao Curso de Matemática Habilitação Liceciatura

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09 1 AULA 09 Olá, amigos! Chegamos hoje ao osso peúltimo simulado! Com mais esta aula, completaremos 8 (ceto e oito) questões resolvidas e miuciosamete aalisadas (54 de cada matéria). Teho a impressão de

Leia mais

DPS 1016 Engenharia Econômica

DPS 1016 Engenharia Econômica DPS Egeharia Ecoômica Material de Aula Departameto de Egeharia de Produção e Sistemas Cetro de Tecologia - Uiversidade Federal de Sata Maria - RS Egeharia Ecoômica Prof. Dr. Eg. Dipl. Wirt. Ig. Adreas

Leia mais

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12 Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 PARTE 1 - ASPECTOS ECONÔMICOS DOS JUROS 3 PARTE 2 - ASPECTOS FINANCEIROS DOS JUROS 3 PARTE 3 - VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO 6 PARTE 4 DESCONTO

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO JURANDIR GURGEL GONDIM FILHO Professor Adjuto do IESC Mestre em ecoomia (UFC/CAEN), MBA em Fiaças pelo IBMEC, Especialista em Fiaças Públicas (FGV)

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES)

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) APOIO AO MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Nehuma empresa é pequea quado os dirigetes são grades e o segredo para ser grade é se istruir sempre! PROJETO INTEGRALMENTE

Leia mais

O impacto da incorporação da inflação na análise de projetos de investimentos

O impacto da incorporação da inflação na análise de projetos de investimentos Produção, v. 22,. 4, p. 709-717, set./dez. 2012 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65132012005000073 O impacto da icorporação da iflação a aálise de projetos de ivestimetos Joaa Siqueira de Souza a *, Fracisco

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira

Apostila de Matemática Financeira 200.2 Apostila de Matemática Fiaceira Prof. Davi Riai Gotardelo Dispoível o Xerox e o Quiosque Uiversidade Federal Rural do Rio de Jaeiro (UFRRJ) A p o s t i l a d e M a t e m á t i c a F i a c e i r a

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

Mauá Prev Regime de tributação do Pao de Aposetadoria Mauá Prev será escohido peos próprios participates A Lei º 11.053, de 29/12/2004, dá aos participates de paos de previdêcia compemetar do tipo cotribuição

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br Matemática Fiaceira Prof. MSc. Deilso Nogueira da Silva deilsoogueira@uol.com.br Juho/03 Ídice -INTRODUÇÃO... 3. O Excel... 3. A Calculadora HPC.... 3.3 Pricipais Operações do Excel... 4.4 Operações com

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Uiversidade Comuitária da Região de Chapecó Sistemas de Iformação $$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ MATEMÁTICA FINANCEIRA (MATERIAL DE APOIO E EXERCÍCIOS) $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos).

2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos). 1. FUNÇÕES ANCEIRAS: FLUXOS CONSTANTES Mateha sempre o FLAG C ligado o visor, executado STO EEX. Caso cotrário, o cálculo de períodos racioários (0,45 meses, por exemplo) será eito por juros simples, o

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 2012. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO.

SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 2012. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 0 Muitas vezes

Leia mais

Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL

Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL CURSO BÁSICO DE MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA (Idicado para as Áreas: Ecoomia, Admiistração, Cotabilidade, Matemática e Preparação para Cocursos) Coceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas fiaceiras

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

TABELA PRICE NÃO EXISTE *

TABELA PRICE NÃO EXISTE * TABELA PRICE NÃO EXISTE * Rio, Novembro / 203 * Matéria elaborada por Pedro Schubert. Admiistrador, Sócio Fudador da BMA Iformática & Assessorameto Empresarial Ltda. TABELA PRICE NÃO EXISTE ÍNDICE Págia

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS João Ediso Tamelii Martis FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS & MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS Permitida a reprodução pelos aluos dos Cursos Técicos da ETE Prof. Camargo Araha 03 Apresetação

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 1 Curso de Graduação em Admiistração a Distâcia UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Reitora Célia Maria da Silva Oliveira Vice-Reitor João Ricardo

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Uma Nota Sobre Amortização de Dívidas: Juros Compostos e Anatocismo

Uma Nota Sobre Amortização de Dívidas: Juros Compostos e Anatocismo Uma Nota Sobre Amortização de Dívidas: Juros Compostos e Aatocismo Clovis de aro Coteúdo: Palavras-chave: Códigos JEL: E4, E5. 1. INTRODUÇÃO 1. Itrodução; 2. O Caso de Um Esquema Geral de iaciameto; 3.

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS

MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS MERCADOS e INVESTIMENTOS FINANCEIROS Obrigações e Risco de Taxa de Juro ANO : 1º SEMESTRE: 2º 6ª Edição DOCENTE : Luís Ferades Rodrigues

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c Edição de Fevereiro de 2008 Nota do Autor: A qualificação do profissioal passa pela ecessidade dos cohecimetos que possam lhe trasmitir seguraça as decisões fiaceiras. Seja este profissioal da área de

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4 SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4 1.1. Coceitos básicos 4 1.. Distribuição amostral dos estimadores 8 1..1. Distribuição amostral da média 8 1... Distribuição amostral da variâcia 11 1..3. Distribuição amostral

Leia mais