2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. PAGAMENTO ÚNICO (quando PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, no fim de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos)."

Transcrição

1 1. FUNÇÕES ANCEIRAS: FLUXOS CONSTANTES Mateha sempre o FLAG C ligado o visor, executado STO EEX. Caso cotrário, o cálculo de períodos racioários (0,45 meses, por exemplo) será eito por juros simples, o que é errado. Se o luxo de caixa or com termos vecidos (laçametos sempre o ial do período), execute g END Se orem atecipados (o iício) execute g BEG. Neste caso, o lag BEGIN ica ligado o visor. PV FV i PMT Preset Value (Valor Presete) Future Value (Valor Futuro) Taxa de juros costate em todo o luxo, em % Paymet (Pagameto ou Parcela) Número de períodos iguais do luxo No Apêdice D do Maual da HP-12C estão idicadas as órmulas utilizadas pela calculadora. ATENÇÃO: FV PV parcela. quado é um dado de etrada, ão é o valor uturo do luxo, mas apeas a sua última parcela. quado é um dado de etrada, ão é o valor presete do luxo, mas apeas a sua primeira 2. PAGAMENTO ÚNICO (quado PMT = 0) Se aplicarmos R$ 100 a 10 % a/m, o im de 3 meses teremos R$ 133,10 (juros compostos). % + % + % ENTER ou, o que dá a mesma, 100 x (1,10) 3 Usado as uções iaceiras, esse cálculo é eito assim: limpa os registros iaceiros 100 PV coloca 100 como valor a ser capitalizado (Valor Presete) 10 i iorma-se a taxa (deve estar de acordo com o período) 3 iorma o úmero de períodos a ser capitalizado FV pressioado essa tecla calcula-se o motate.(valor Futuro) Note que os siais de PV e de FV devem ser opostos (etra 100 sai 133,10; ou sai 100 e etra 133,10). Não importa se valor positivo sigiica etrada ou saída: o que importa é que os siais sejam dieretes. Por exemplo, se o R$ 100 acima osse itroduzido como egativo, a calculadora oreceria FV como positivo. Esta coveção de siais vale em qualquer situação. Aplicado R$100 e recebedo R$133,10 em 3 meses, a retabilidade será de 10% a/m: Como azer? limpa os registros iaceiros 100 CHS PV isere 100 como valor a ser capitalizado (Valor Presete) (egativo) 133,10 PV isere 133,10 como valor uturo da aplicação 3 iorma o úmero de períodos a ser capitalizado i pressioado essa tecla ecotramos a taxa mesal Pro. Me. Eugêio Carlos Stieler (UNEMAT) Págia 1

2 Note que o período de reerêcia da taxa (mês) e a duração de cada período (mês) têm sempre a mesma uidade de tempo. Não importa, para a calculadora, qual é a duração de cada período em o período da taxa. Assim, orecer o período em meses e taxa ao ao provoca resultados errados. A taxa e o período sempre devem ter a mesma uidade: mês com mês, ao com ao, dia com dia etc. Em quato tempo R$ 100 se capitaliza em R$ 133,10, a 10 % a/m? Como azer? limpa os registros iaceiros 100 CHS PV isere 100 como valor a ser capitalizado (Valor Presete) (egativo) 133,10 FV isere 133,10 como valor uturo da aplicação 10 i iorma a taxa pressioado essa tecla ecotramos o úmero de períodos. Resp. 3 meses. O valor de é sempre arredodado para mais. Veriique, azedo FV = 133,20 cujo resultado correto é = 3,008. A calculadora orecerá = 4. Se covertermos essa taxa para diária, o erro de arredodameto se reduz a 1 dia o máximo (sobre a coversão de taxas de mês para dia, ver mais adiate esta apostila). 3. SÉRIES UNIFORMES (quado PMT ão é zero) Um iaciameto de R$ 2.000,00 oi pago em 6 parcelas iguais mesais a taxa 7,5 % a.m, qual o valor das parcelas? Fazedo para a primeira parcela sedo paga o ial do primeiro mês. (caso termos vecidos) g END prepara a calculadora para pagametos com termos vecidos; limpa os registros iaceiros; 2000 PV itroduz 200 como valor iaciado (valor presete) 6 itroduz o úmero de parcelas 7,5 i itroduz a taxa mesal. PMT Calcula o valor da parcela. Resp ,09 No caso da primeira parcela ser paga a vista azer (1 + 5 meses, a liguagem do comércio) devemos azer: g PMT BEG iorma a calculadora que a primeira parcela é paga a vista (atecipado) calcula o valor da parcela para o caso atecipado. Resp ,36 Note que calculadora. ão oi executado o cálculo de (1 + 5), pois os dados já estavam guardados a Se um preço à vista or de R$1500, e a prazo as parcelas mesais orem de R$40,09 em vezes, etão o custo do iaciameto será de? g BEG prepara a calculadora para pagametos termos vecidos; limpa os registros iaceiros; Pro. Me. Eugêio Carlos Stieler (UNEMAT) Págia 2

3 1500 PV itroduz 200 como valor iaciado (valor presete) 6 itroduz o úmero de parcelas 302,02 CHS PMT itroduz o valor da parcela (como PV oi positivo o valor da parcela tem que ser egativo). i Resp. 8,25% ao mês calcula a taxa mesal. No caso da primeira parcela ser paga o sistema de termos vecidos, (0+6 a liguagem comercial). Acioar g END i deste modo será calculado a taxa para o caso de termos vecidos. Resp. 5,68 % ao mês. 4. FUNÇÕES ANCEIRAS FLUXOS VARIÁVEIS TAXA INTERNA DE RETORNO (Iteral Rate o Retur, IRR) Determiar o custo mesal de uma dívida de R$ 237,25, paga com o luxo de caixa abaixo.. Fim do mês Valor pago R$ azer visor azer visor azer visor clear REG 0, ,25 237,25 g CFj 64,00 g CFj 152,00 CHS -237, IRR 9,30 g CFo -237,25 g CFj 0, g CFj 57,00 g CFj 19, g CFj 31,00 g CFj 0, g Nj 3,00 g Nj 2,00 Pro. Me. Eugêio Carlos Stieler (UNEMAT) Págia 3

4 Resposta: 9,3% ao mês. Use Co para itroduzir a parcela da data zero. Use Cj para as demais. Mesmo que seja zero, a parcela deverá ser também itroduzida, pois a cotagem dos períodos é eita cotado as parcelas itroduzidas. RCL Essa cotagem é eita a memória (com pode-se ver quatas vezes Cj oi pressioado). Se uma parcela se repete, use Nj para idicar essa repetição. Ateção: Nem sempre existe uma taxa de retoro de um luxo. Nesses casos, a calculadora apreseta ERRO. VALOR PRESENTE LÍQUIDO (Net Preset Value, NPV) No luxo acima, qual o NPV? NPV Execute sem limpar a memória. O resultado é zero, pois toda a dívida oi amortizada (paga). Aliás, essa é a própria deiição de Taxa Itera de Retoro: é aquela que zera o NPV. ADMINISTRAÇÃO DOS DADOS NA MEMÓRIA Esta parte é útil quado se lida com luxos de caixa complicados. Cada vez que CFj é pressioado, seu valor vai para a memória de uso geral de ordem j. Sem ter limpado a memória, execute RCL 0, RCL 1 etc., e veja os valores do luxo acima. Esses valores também podem ser alterados via STO, sem que todo o luxo teha que ser ovamete itroduzido. O tamaho máximo do luxo que pode ser armazeado depede da memória dispoível (execute g MEM). O valor de r idica quatas vezes CFj pode ser pressioado. O luxo máximo terá 20 valores dieretes (CFj), sedo que cada valor poderá ser repetido até 99 vezes (Nj). Se o valor de r or meor que 20, sigiica que há programas armazeados a memória de programação. Limpado, r volta a 20. Cada vez que CFj é pressioado, o valor de aumeta de 1. Quado o luxo é calculado (IRR ou NPV), o valor de idica até ode, a memória, a calculadora irá buscar os valores do luxo. No caso acima, = 7 (execute RCL ), pois CFj oi pressioado 7 vezes. Por exemplo, executado 6 STO e depois IRR, a taxa resultate ão icluirá a parcela de R$152 o luxo acima. O valor de NPV é armazeado em PV e IRR em i (execute RCL PV, RCL i). Para alterar o valor de Nj, coloque em o valor de j, com STO ; digite o ovo valor de Nj; execute STO g Nj; restaure o valor de com STO. Para veriicar o valor de Nj, coloque em o valor de j, com STO ; execute RCL g Nj; restaure o valor de com STO. Há casos em que IRR ão existe, ou etão possui vários valores simultâeos. Isto geralmete ocorre quado o luxo possui mais de uma iversão de sial (os laçametos do luxo ora são positivos, ora são egativos). Em tais casos, o cálculo de IRR poderá ocasioar mesages de erro (ERROR). Não use a IRR em tais situações. Preira o NPV ou outro método de aálise iaceira. O FLAG C O lag C (de Compoud iterest, ou juros compostos), que aparece o visor quado se digita STO EEX, idica à calculadora se os períodos racioários de um luxo serão tratados usado taxas de juros simples ou compostas. Mostraremos isto através de um exemplo. Em 10 de abril, oi cotratado um empréstimo para ser pago em 2 parcelas mesais de R$ 70, em 30 de maio e em 30 de juho, a juros de 15 % a.m. Qual o valor do empréstimo se, durate o período de carêcia de 20 dias, orem utilizadas taxas de juros: (a) compostos; (b) pro rata tempore (em proporção ao tempo, isto é, juros simples ou proporcioais)? O luxo de caixa é o seguite: dias 30 dias 30 dias 10/4 30/4 30/5 30/6 Pro. Me. Eugêio Carlos Stieler (UNEMAT) Págia 4

5 O valor do empréstimo em 30/4 é obtido por PV: 70 PMT 15 i 2 PV 113,80 Para computá-lo em 10/4, o valor deverá ser descapitalizado por 20 dias (juros compostos) a uma taxa que depede do caso (a) ou (b). No caso (a), com a taxa covertida via juros compostos, esta será de 9,765 % em 20 dias (o próximo item veremos como se az essa coversão de taxas). Assim, o valor do empréstimo será de 113,80 / 1,09765 = 103,68 já que 103,68 mais 9,765 % de juros dá 113,80: 103,68 ENTER 9,765 % + (113,80) No caso (b), juros simples, a taxa será de (15 / 30) x 20, ou de 10 % em 20 dias. O empréstimo será etão 113,80 / 1,10 = 103,45, pois 103,45 mais 10 % de juros dão 113,80. Assim, o caso (a) o valor do empréstimo será de R$103,68 equato que em (b) será de R$103,45 Usado agora a calculadora, e lembrado que o prazo do luxo é de 80 dias, ou de 80 / 30 = 2, meses, o cálculo ica: 70 PMT 15 i 80 ENTER 30 PV 103,45 com o lag C desligado, e R$ 103,68 com o lag C ligado. Cocluido, o período racioário (20 / 30 meses = 0,66666 meses) a calculadora usa taxa de juros proporcioais se o lag C estiver desligado, e taxa de juros compostos com C ligado. OUTRAS FUNÇÕES DA CALCULADORA As uções AMORT (amortização de empréstimos pelo método racês, ou Price), INT, 12x e 12 (para coversão via juros simples), BOND (títulos) e DEPRECIATION (depreciação pela soma dos dígitos, liear e acelerada) podem ser ecotradas o Maual, bem como detalhes sobre a elaboração de programas. Esses cálculos em sempre são iguais aos utilizados o Brasil. PROGRAMA DE CONVERSÃO DE TAXAS Supohamos que um capital de R$ 1000 teha sido aplicado durate 12 meses à taxa de 1 % a.m. Naturalmete, após esse tempo, o motate (capital + juros) será de: 1000 PV 1 i 12 FV (1.126,83) Se, o etato, pesarmos em termos de 1 ao, ao ivés de 12 meses (o que obviamete dá a mesma), a taxa aual de juros terá sido etão de % 1000 ENTER 1126,26. ou 12,68% ao ao. Pro. Me. Eugêio Carlos Stieler (UNEMAT) Págia 5

6 Assim, dizemos que a taxa de 1 % a.m. é equivalete a 12,68 % a.a. (e ão a 12 % a./a., como erroeamete às vezes se az). Notemos que essas taxas, 12,68% e 1%, podem ser tato taxas de juros como taxas de ilação. O processo de coversão é exatamete o mesmo os dois casos. Assim, 12,68% a.a. de taxa de ilação (ou de correção moetária, ou de atualização moetária) equivale a uma taxa de ilação mesal de 1%, e viceversa. Como problemas de coversão de taxas são muito comus, podemos automatizar esse procedimeto, carregado a calculadora o programa seguite (que elimia o atigo uso de órmulas de coversão de taxas): SOFTWARE DE CONVERSÃO AUTOMÁTICA DE TAXAS x>y P/R PRGM Limpa memória de programação Iicia programação Troca x por y Divide x>y Troca x por y EEX 2 Divide 1 + Soma x>y y x Troca x por y Eleva a potêcia x 1 Subtrai EEX 2 x Multiplica P/R Fializa programação Em seguida veriique se o programa oi corretamete carregado, executado o teste: 1 ENTER 30 ENTER 360 R/S O resultado o visor, em 5, deverá ser 12, Se este valor ão tiver sido obtido, carregue e teste ovamete o programa, até ucioar. Para utilizar o programa, covertamos 1% a.m para taxa aual: Passos Exemplo Digite a taxa a coverter em % 1 ENTER ENTER Pro. Me. Eugêio Carlos Stieler (UNEMAT) Págia 6

7 Digite o º. de dias da taxa a coverter 30 ENTER ENTER Digite o º. de dias da taxa covertida 360 Execute o programa de coversão (Ru/Stop) R/S O resultado será 12,68 % a.a, equivalete à taxa de 1 % a.m, como já visto ateriormete. Veriique, agora, algus exemplos, como exercício: CONVERSÃO DE TAXAS DE JUROS COMPOSTOS períodos comerciais ou civis 12,68 % a.a 1 % a/m 25 % a.m 1 355,19 % a/a 12 % a.m em jaeiro (31 dias) 42,56 % em 97 dias corridos 500 % a.a civil (365 dias) 0,49 % a.d corrido 1,5 % a.quadrimestre 2,26 % a.semestre 20 % a.bimestre comercial 791,61 % a.biêio comercial 0,8 % a.d CONVERSÃO DE TAXAS DE INFLAÇÃO Períodos geralmete comerciais: meses com 30 dias 0,5 % a.d 502,26 % a.a 19,16 % a.m. (overight: 22 dias de compesação) 300 % a.a de Atualização Moetária 12,25 % a.m. de Atualização Moetária 50 % a.m. (hiperilação) ,63 % a.a 10 % a/m 213,84 % a/a Note que: Ao comercial = 360 dias Mês comercial = 30 dias Ao civil = 365 ou 366 dias, ou 365,25 dias (para logo prazo) Mês civil = 28 ou 29 ou 30 ou 31 dias, ou 30,44 dias (para logo prazo ATIVIDADES 1. Fulao de Tal cotraiu um empréstimo de R$ para ser pago daqui a 17 meses, a juros de 8 % a.m. Quato deverá ser pago o vecimeto? 2. O tal Fulao aplicou R$ uma Cadereta de Poupaça que rede 0,5 % a/m. Quato poderá sacar daqui a 12 meses? 3. José comprou uma calculadora cujo preço à vista era de R$ 286,00. Como ão possuía esse motate, resolveu pagar a prazo, através de um plao de 10 prestações mesais iguais e cosecutivas, a juros de 7 % a/m. Qual o valor das mesalidades? 4. Atôio aplica R$ em um Fudo de reda ixa que paga juros de 1,3% a.m. Para azer 12 saques mesais e iguais a partir do primeiro mês. Qual será o valor do saque mesal? 5. Uma empresa igressa a Justiça, movedo ação de perdas e daos. Se essa Causa or perdida, terá que pagar, em 48 horas, a importâcia de R$ ,00 em moeda de hoje. Para se precaver, resolve depositar certa quatia em um Fudo de Ivestimetos, que rede 12,33 % a.a, mais CM. Sabedo-se que Pro. Me. Eugêio Carlos Stieler (UNEMAT) Págia 7

8 esse Processo demora o míimo 2,5 aos, quato a empresa deverá depositar hoje o Fudo? O valor de R$ ,00 é atualizado pela mesma CM do Fudo. 6. Raymudo pagou, através de Cartão de Crédito, a quatia de R$ 746,66, reerete à compra de um soá, realizada há 45 dias. Sabedo-se que o custo do diheiro oi de 9,3 % a.m, por quato poderia ter saído o soá, se comprado à vista? 7. Quado asceu Chiquiha, seu pai resolveu depositar, todo mês de dezembro, certa quatia em diheiro, de tal modo que tivesse, ao se casar com 25 aos, uma reserva de R$ ,00. Se o diheiro pode ser aplicado a 11 % a.a mais CM (depois do IR), de quato deverão ser os depósitos auais, a valores de hoje? 8. Um estudate recebe uma Bolsa de Estudos mesal, durate os 4 aos de Faculdade, para ser paga logo após esse prazo, quado etão sua dívida ão poderá ter ultrapassado o teto de 60 salários-míimos. Se a taxa cobrada é de 3% a.a (real), qual o máximo valor aual dessa Bolsa? 9. No caso aterior, se a Bolsa devesse ser paga em 60 parcelas mesais iguais, a 0,25 % a.m, qual o valor das mesalidades? 10. Uma empresa realiza uma compra para ser aturada em 30/60/90 dias. Cada parcela vale R$ 100 mil. Se o custo do diheiro é de 2,5 % a.m, qual deveria ser o valor da compra para pagameto à vista? 11. Uma mercadoria pode ser paga à vista com R$ 7.000, ou em 5 parcelas mesais (termos vecidos) de R$ Qual a taxa de juro cobrada? 12. No caso aterior, se o pagameto osse de parcelas de R$ 2.000, qual teria sido a taxa cobrada? 13. Se, o problema 11, a taxa osse de 10% a.m, quatas parcelas mesais Termos vecidos) de R$ 2.000,00 seriam cobradas? Veriique a resposta. 14. Um empréstimo de R$ 70,00 oi liquidado em uma úica parcela de R$ 103,00 a juros de 7 % a.m. Qual o prazo decorrido? 15. Mesalmete, oi aplicado R$ 50,00 em um Fudo, durate 36 meses, orecedo ao ial um saldo de R$ Qual a retabilidade mesal desse Fudo? 16. Um lote de ações oi adquirido por R$ 172 e vedido 52 dias depois por R$ 232. Qual a lucratividade mesal dessa operação? 17. Diz a História que a ilha de Mahatta, ode se localiza a cidade de New York (EUA), oi comprada, em 1626, pelo holadês Peter Miuit, que pagou por ela US$ aos ídios Mahica, cosiderado pelos historiadores um valor irrisório. Supodo que o terreo da ilha teha se valorizado em média à taxa de 7% ao ao, qual o valor da ilha em 2012? 18. Um jogador passou 70 aos apostado a Mega-Sea, azedo duas apostas de R$ 4,50 por semaa (as quartas-eiras e os sábados). Nuca gahou ada (a chace de gahar é de uma em 50 milhões de apostas = combiação de 60 úmeros ão repetidos, tomados 6 a 6). Se ele tivesse aplicado o valor dessas apostas a 0,5% ao mês, quato teria gahado a aplicação, depois desse tempo? 19. Um umate gasta R$ 3,80 por dia com um maço de cigarros. Após 50 aos umado, quato teria acumulado em reais, se aplicasse mesalmete seus gastos com cigarros em um udo a 0,5% ao mês? Usar o mês comercial. 20. Uma loja tem o seguite aúcio colado em uma geladeira: "Valor à vista: R$ 2.100,00 ou em 3 vezes sem juros". Cosiderado que a loja cobra 8% a/m do cosumidor, como deveria ser esse aúcio, se osse hoesto? Pro. Me. Eugêio Carlos Stieler (UNEMAT) Págia 8

9 21. Vamos supor que sua empresa esteja adquirido um toro mecâico pelo valor de R$ ,00. Existem duas propostas cujo ivestimeto iicial é o mesmo. Após a aálise do luxo líquido de caixa das duas propostas, os valores líquidos gerados de cada alterativa oram os seguites: Ao Alterativa A Alterativa B , , , , , , , , , , Cosiderado que a empresa trabalha com uma TMA de 10% ao ao, aalise qual será o melhor projeto tomado como base a TIR. 23. Uma máquia pode ser comprada, sem etrada, em três parcelas sucessivas de R$ 2.400,00; R$ 2.600,00 e R$ 2.800,00. O abricate airma estar cobrado juros de 0,5% ao mês. Qual é preço à vista da máquia? 24. Uma empresa está tetado avaliar um projeto com os seguites luxos de caixa: ANO FLUXO DE CAIXA 0 (R$ 900) 1 R$ (R$ 200) a. Se a empresa exigir um retoro de 10% em seus ivestimetos, deverá aceitar esse projeto? b. Qual a taxa itera de retoro deste projeto? 25. Os técicos de uma empresa idustrial estão aalisado duas opções apresetadas para a compra de uma máquia: uma, de valor equivalete a US$ com vida útil prevista de cico aos, e outra, como dobro de capacidade da primeira, vida útil de dez aos e custo correspodete a US$ , ambas com valor de reveda zero o im do período de vida útil. A meor tem capacidade para ateder á produção prevista para os próximos cico aos; como a partir do 6º ao a produção deverá crescer substacialmete, a compra da meor hoje implicará a ecessidade de compra de duas do mesmo porte o ial do 5º ao com custo uitário idêtico ao atual. Comprado a meor, as receitas líquidas auais geradas (já descotados todos os custos, diretos e idiretos de abricação, com exceção da depreciação) para os próximos dez aos são estimadas em US$ ao ao para os cico primeiros aos, US$ para os dois seguites e US$ para os três últimos. Adquirido a maior, as receitas líquidas auais estão estimadas em US$ para os próximos dois aos, US$ para os três seguites e US$ para os cico últimos. Determiar qual a melhor opção. Pro. Me. Eugêio Carlos Stieler (UNEMAT) Págia / 004

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

COMO USAR A CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA. Professor Antonio Pertence Jr.

COMO USAR A CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA. Professor Antonio Pertence Jr. COMO USAR A CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA APLICADA Professor Antonio Pertence Jr. DIAGNÓSTICOS PONTO E VÍRGULA DECIMAIS NÚMERO DE CASAS DEPOIS DA VÍRGULA TROCA DE SINAL LÓGICA

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Evaivaldo Castro Silva Júior 1 3. Regime de Juros Compostos 2 Coceitos fudametais em capitalização composta Regime de Juros ode os juros são calculados a partir do capital iicial de cada período No processo

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

Aplicações de conceitos da

Aplicações de conceitos da Aplicações de conceitos da matemática financeira WERNKE, RODNEY. Gestão financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008. Capítulo 2. Aula de Fernando Nogueira da Costa

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br

Matemática Financeira. Prof. MSc. Denilson Nogueira da Silva denilsonnogueira@uol.com.br Matemática Fiaceira Prof. MSc. Deilso Nogueira da Silva deilsoogueira@uol.com.br Juho/03 Ídice -INTRODUÇÃO... 3. O Excel... 3. A Calculadora HPC.... 3.3 Pricipais Operações do Excel... 4.4 Operações com

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL

Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL CURSO BÁSICO DE MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA (Idicado para as Áreas: Ecoomia, Admiistração, Cotabilidade, Matemática e Preparação para Cocursos) Coceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas fiaceiras

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares Matemática Fiaceira para Gestão de Negócios Júlio Cezar dos Satos Patrício Cosiderações Prelimiares O objeto do presete estudo, que ão tem a pretesão de esgotar o assuto, é oferecer base aos empresários

Leia mais

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON 1.2. NOTAÇÃO DECIMAL A máquina HP 12C possui duas formas de separar a parte fracionária da parte inteira de um número: utilizando

Leia mais

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C - RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C 1. Juros compostos, operação única PV 0 n ou 0 n PV 1.1. Quanto devo receber ao aplicar R$ 1.000,00 por 6 meses, à taxa de 5% ao mês? f CLEAR FIN 1.000 CHS PV -1.000,00 6

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização MATEMÁTICA FINANCEIRA Capitalização Seu estudo é desevolvido, basicamete, através do seguite raciocíio: ao logo do tempo existem etradas de diheiro (RECEITAS) e saídas de diheiro (DESEMBOLSOS) os caixas

Leia mais

Este é um guia prática com algumas teclas e funções da calculadora HP 12C

Este é um guia prática com algumas teclas e funções da calculadora HP 12C 1. Inicialização da HP 12C Este é um guia prática com algumas teclas e funções da calculadora HP 12C 2. AS TECLAS Função f corresponde à segunda função da citada tecla (gold) Função g corresponde à terceira

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2)

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2) Resolução da questão 3 Para respoder essa questão é ecessário veriicar que o motor já está operado e que em determiado mometo algum gradeza do motor irá variar. Frete a essa variação, deve-se determiar

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Matemática Financeira - NOÇÕES SOBRE A CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C

Matemática Financeira - NOÇÕES SOBRE A CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C Matemática Financeira - NOÇÕES SOBRE A CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C Matemática Financeira - Turma B Departamento de Matemática - ICE - UFJF 2009 Preparação para o uso FUNÇÃO NA COR LARANJA = TECLA LARANJA

Leia mais

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade Curso Básico de Matemática Financeira Celso H. P. Andrade ÍNDICE JURO... 3 FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO... 4 JURO SIMPLES... 6 JURO COMPOSTO... 7 Equivalência de Taxa de Juros... 9 DESCONTO... 10 FLUXO DE

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c Edição de Fevereiro de 2008 Nota do Autor: A qualificação do profissioal passa pela ecessidade dos cohecimetos que possam lhe trasmitir seguraça as decisões fiaceiras. Seja este profissioal da área de

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual;

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual; curso completo de CALCULADORA HP-12C - 3 JUROS SIMPLES Além dos registradores X (visor), Y, Z e W, discutidos no capítulo anterior, vimos também que a calculadora HP-12C apresenta os registradores financeiros,

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira

Apostila de Matemática Financeira 200.2 Apostila de Matemática Fiaceira Prof. Davi Riai Gotardelo Dispoível o Xerox e o Quiosque Uiversidade Federal Rural do Rio de Jaeiro (UFRRJ) A p o s t i l a d e M a t e m á t i c a F i a c e i r a

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Uiversidade Comuitária da Região de Chapecó Sistemas de Iformação $$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ MATEMÁTICA FINANCEIRA (MATERIAL DE APOIO E EXERCÍCIOS) $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

Matemática Financeira FN1200C

Matemática Financeira FN1200C Matemática Financeira FN1200C 0 Índice Introdução... 2 Principais Funções... 2 Juros... 8 Capitalização Simples ou Linear... 9 Capitalização Composta ou Exponencial... 12 Taxas Equivalentes... 16 Prestações

Leia mais

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C

Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Matemática Financeira Funções da calculadora financeira HP-12C Prof. Msc. Sergio Silva Braga Junior Consultor Financeiro Observações Gerais É indispensável o uso da calculadora financeira HP-12C O curso

Leia mais

Curso Preparatório. Matemática Financeira

Curso Preparatório. Matemática Financeira Curso Preparatório Tel: 4004-0435 ramal 4505 Email: contato@ifb.net.br Matemática Financeira 1ª Edição CALCULADORA HP 12 C INTRODUÇÃO 2 Memorize o número de série da sua HP-12C, indicada no verso da mesma,

Leia mais

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12 Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 PARTE 1 - ASPECTOS ECONÔMICOS DOS JUROS 3 PARTE 2 - ASPECTOS FINANCEIROS DOS JUROS 3 PARTE 3 - VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO 6 PARTE 4 DESCONTO

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ. Disciplina: Cálculos Financeiros

MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ. Disciplina: Cálculos Financeiros 1 MBA EM FINANÇAS UNOCHAPECÓ Disciplina: Cálculos Financeiros Material de Apoio ao Livro Texto: A Matemática das Finanças: com aplicações na HP 12C e Excel Autores: Adriano Leal Bruni e Rubens Famá 3 a.

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término

Leia mais

Gestão Financeira. Cálculos Financeiros. Matemática Financeira. HP12C on line 18/9/2012. Prof.: Marcelo dos Santos

Gestão Financeira. Cálculos Financeiros. Matemática Financeira. HP12C on line 18/9/2012. Prof.: Marcelo dos Santos Gestão Financeira Prof.: Marcelo dos Santos Cálculos Financeiros Matemática Financeira http://fazaconta.com/calculadora-hp-12c-online.htm http://us.geocities.com/univix/hp_12c.htm com/univix/hp htm Fonte:

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira através da HP-12C Leonel Estevam APRESENTAÇÃO Esta apostila foi elaborada com o objetivo de servir como material didático no curso básico de Matemática financeira utilizando a calculadora

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

TABELA PRICE NÃO EXISTE *

TABELA PRICE NÃO EXISTE * TABELA PRICE NÃO EXISTE * Rio, Novembro / 203 * Matéria elaborada por Pedro Schubert. Admiistrador, Sócio Fudador da BMA Iformática & Assessorameto Empresarial Ltda. TABELA PRICE NÃO EXISTE ÍNDICE Págia

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL SOLUÇÕES COMPLETAS DE QUESTÕES E EXERCÍCIOS ADRIANO LEAL BRUNI E RUBENS FAMÁ 5ª EDIÇÃO ATLAS 2010 1 APRESENTAÇÃO Este texto apresenta as respostas da questões e

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG Projeto Institucional de Formação Continuada Aprendizagem de Matemática Mediada por suas Aplicações 6 o Encontro: Matemática Financeira Professor José Carlos

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos Matemática Financeira Resumo Prof. Adriana C. Ferrazza Semana Acadêmica Curso de matemática O que são juros? Porque cobrar juros? O que significa Amortizar? Quais os sistemas de amortização? Quando os

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira FGV Maagemet Matemática Fiaceira Paulo Lamosa Berger aluos@plberger.com.br Realização Fudação Getulio Vargas FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PRESIDENTE arlos Iva Simose Leal ESOLAS FGV EAESP Diretor Ferado S.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL SOLUÇÕES COMPLETAS DE QUESTÕES E EXERCÍCIOS ADRIANO LEAL BRUNI E RUBENS FAMÁ 4ª EDIÇÃO ATLAS 2007 1 APRESENTAÇÃO Este texto apresenta todas as respostas de todas

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Roberta Torres MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática Trabalho de Coclusão de Curso submetido ao Curso de Matemática Habilitação Liceciatura

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Sistemas de amortização são metodologias que operacionaliza uma transação financeira, definindo regras e formas de cálculo da taxa de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES)

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) APOIO AO MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Nehuma empresa é pequea quado os dirigetes são grades e o segredo para ser grade é se istruir sempre! PROJETO INTEGRALMENTE

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL

CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL OPINE CONSULTORIA CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM AUXÍLIO DA CALCULADORA HP 12-C E DA PLANILHA ELETRÔNICA DO MICROSOF EXCEL CALCULADORA HP 12C: Operações Financeiras Básicas A calculadora HP 12C é uma

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Logaritmo natural LN [g] [%T] [tecla amarela] [2] Fluxo de caixa (cash Fluxo zero Cf 0 [g] [PV] [Cf j ] (logo após C ALL

Logaritmo natural LN [g] [%T] [tecla amarela] [2] Fluxo de caixa (cash Fluxo zero Cf 0 [g] [PV] [Cf j ] (logo após C ALL As tabelas a seguir, contendo fórmulas e instruções de uso de calculadora financeira, são apoio complementar ao material e exercícios vistos em aula, não devendo os subsitutir. Os modelos de cada fabricante

Leia mais

Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Parte 2: Matemática Comercial e Financeira. Prof. Ilydio Pereira de Sá

Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Parte 2: Matemática Comercial e Financeira. Prof. Ilydio Pereira de Sá Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Parte 2: Matemática Comercial e Fiaceira Prof. Ilydio Pereira de Sá Matemática Comercial e Fiaceira para Educadores Matemáticos Prof. Ilydio

Leia mais

RELEMBRANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA

RELEMBRANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA RELEMBRANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA 1) Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração. Taxa de juros nominal, efetiva e real. O juro é a remuneração pelo empréstimo

Leia mais

Manual sobre o Valor do Dinheiro no Tempo

Manual sobre o Valor do Dinheiro no Tempo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo...Dai de graça o que de graça recebeste... A oção de que um dólar hoje é preferível a um dólar em algum mometo o futuro é bastate ituitiva para a maioria das pessoas

Leia mais