Capítulo I Séries Numéricas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo I Séries Numéricas"

Transcrição

1 Capítulo I Séries Numéricas

2 Capitulo I Séries. SÉRIES NÚMERICAS DEFINIÇÃO Sedo u, u,..., u,... uma sucessão umérica, chama-se série umérica de termo geral u à epressão que habitualmete se escreve u u... u... u ou simplesmete u Para determiar a soma de uma série, usa-se a chamada sucessão de somas parciais. DEFINIÇÃO Associada a uma série, eiste a sucessão de somas parciais defiida por s u... s u u s u u u s u u u... u. DEFINIÇÃO Uma série u quato à sua atureza, pode ser covergete ou divergete. Será Covergete se a sucessão das somas parciais a ela associada for covergete, e isto sucede quado lim S for um valor fiito e determiado. Será Divergete se a sucessão das somas parciais a ela associada for divergete, e isto sucede quado lim S ifiito ou idetermiado. for um valor No caso da série ser covergete, o valor de lim S é a soma da série. No caso da série ser divergete, ão eiste soma da série, como é obvio. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

3 Capitulo I Séries EXEMPLO Dada a série soma., determie a sua atureza e, caso seja covergete, calcule a sua ( ) : A Sucessão associada à série é: s s 6 s 6 s s Efectuado as operações acima idicadas, obtemos: s s s 4 4 s s Vejamos etão se eiste e é fiito o lim S. Aálise Matemática II lim S lim. Como o lim S eiste e é fiito, podemos afirmar que a série é covergete e portato é possível determiar a sua soma que será o valor do lim S, ou seja. Curso de Egª Electromecâica

4 Capitulo I Séries 4 EXEMPLO Dada a série, determie a sua atureza e, caso seja possível, determie a sua soma. : A Sucessão associada à série é: s s s s s 4... Efectuado as operações acima idicadas, obtemos: s s s s soma dos primeiros termos de uma p. a. s u u Vejamos etão se eiste e é fiito o lim S.Temos: lim S lim. Etão, podemos afirmar que a série é divergete e que ão é possível determiar a sua soma. EXEMPLO Dada a série, determie a sua atureza e, caso seja possível, determie a sua soma. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

5 Capitulo I Séries 5 : A Sucessão associada à série é: s s s s s. Soma dos primeiros termos... 4 de uma progressão geometrica de razão Vejamos etão se eiste e é fiito o lim S.Temos: lim S lim. Etão, podemos afirmar que a série é covergete e que a sua soma é lim S, ou seja. EXEMPLO 4 Dada a série, determie a sua atureza e, caso seja possível, determie a sua soma. : A Sucessão associada à série é: Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

6 Capitulo I Séries 6 s s s s s Soma dos primeiros termos. de razão 4... de uma progressão geometrica Vejamos etão se eiste e é fiito o lim S.Temos: lim lim S. Etão, podemos afirmar que a série é divergete e que por isso ão é possível calcular a sua soma.. ALGUMAS PROPRIEDADES DAS SÉRIES Se duas séries u e v covergem e têm somas respectivamete U e V, etão: i) u v, soma de u e v, coverge e tem soma U+V. ii), u, coverge e tem soma U. Se a série b, u for covergete e a série u b, é divergete. b for divergete, a soma de u e Se duas séries divergir. a e b divergem, a b, soma de a e b, pode ão Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

7 Capitulo I Séries 7. EXEMPLOS DE ALGUMAS SÉRIES.. SÉRIE GEOMÉTRICA Chama-se Série geométrica a u, ode 0 geométrica represeta-se, habitualmete, por: u é uma progressão geométrica. A série A Sucessão associada à série é: s a s a ar s a ar ar s a ar ar ar 4... s a ar ar ar... ar Vê-se facilmete que razão r, que será portato: 0 ar S é a soma dos primeiros termos de uma progressão geométrica de S a ar r a r r r Para idetificar a atureza da série, teremos que aalisar o lim S, que depede de r. Vejamos: i) Se ii) iii) iv). a r r, temos lim S lim r a r a r, temos lim S lim r r a r r, temos lim S lim r a r, temos lim S lim ão eiste. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

8 Capitulo I Séries 8 Cocluímos etão que a série geométrica a a sua soma é S. r 0 ar é covergete se e só se r e este caso EXEMPLO 5 a) Determie a atureza da série. b) Determie, caso seja possível a sua soma. Podemos usar dois métodos: º método: a) Usado as propriedades das séries, temos: =. Ora, covergete. é uma série geométrica de razão, logo a b) A soma de uma série geométrica de razão r e cujo primeiro termo é a, é. No osso r caso, teremos etão a soma da série igual a. Como a série que os é dada é, a sua soma será. º Método: a) A Sucessão associada à série é: Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

9 Capitulo I Séries 9 s s s 4... s Ora,... 4 S ada mais é do que a soma dos primeiros termos de uma progressão geométrica de razão. Etão S. Calculemos lim S : lim S valor fiito) logo, a série é covergete. lim ( b) A sua soma será: lim S lim....série DE DIRICHLET OU SÉRIE DE RIEMMAN Chama-se série de Dirichlet à série. Esta série é uma série divergete, se e covergete se. Se, a série toma o ome de série harmóica. EXEMPLO 6 Determie a atureza da série. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

10 Capitulo I Séries 0 A série dada é covergete, pois é uma série de Dirichlet, com... SÉRIE DE MENGOLI OU SÉRIE TELESCÓPICA Cosideremos a série a. Se for possível decompor o termo geral uma difereça tal que a u u p, à série u u p dá-se o ome de Série de Megoli ou Série Telescópica. A série de Megoli u u p será covergete se a sucessão u o for, ou seja se lim u k, sedo k um valor fiito e determiado. Neste caso a soma da série será dada por: s u u... up p limu. EXEMPLO 7 Determie a soma da série. Vamos tetar decompor o termo geral uma subtracção de duas fracções, usado a seguite regra: Na primeira fracção colocamos todos os factores do deomiador da fracção origial meos o último e a seguda colocamos todos os factores do deomiador da fracção origial meos o primeiro. A B Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

11 Capitulo I Séries Deste modo, vem: A( ) A( ), logo A e B. Etão: = Ora, ada mais é do que uma série de Megolli, ode p=. Já sabemos que uma série de Megolli é covergete se a sucessão u for. Neste caso cocreto temos lim u = lim série dada será etão: =0, logo a sucessão u é covergete e a soma da u. lim. EXEMPLO 8 Caso seja possível, determie a soma da série,. 6 Vamos tetar decompor o termo geral uma subtracção de duas fracções, usado a seguite regra: Na primeira fracção colocamos todos os factores do deomiador da fracção origial meos o último e a seguda colocamos todos os factores do deomiador da fracção origial meos o primeiro. A B 6 6 Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

12 Capitulo I Séries Deste modo, vem: A( 6) B, logo A e B 6 6. Temos etão: = Ora, ada mais é do que uma série de Megolli, ode p=. Já sabemos que uma série de Megolli é covergete se a sucessão u for. Neste caso cocreto temos lim u = lim série dada será etão: 6 =0, logo a sucessão u é covergete e a soma da u u u. lim ou seja CONDIÇÃO NECESSÁRIA DE CONVERGÊNCIA DE UMA SÉRIE A Codição ecessária para que a série sigifica que: u seja covergete é que lim u 0. Isto Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

13 Capitulo I Séries Dada a série u, se: lim u 0, a série é divergete lim u 0, a série poderá ser covergete ou divergete EXEMPLO 9 Determie a atureza da série 5 6. Calculemos lim u lim u lim 0. Uma vez que ão obedece à codição ecessária de covergêcia podemos afirmar que a série é divergete. EXEMPLO 0 Determie a atureza da série. Calculemos lim u. lim u lim 0. Nada podemos cocluir pela aálise do termo geral. Mas, se falou ateriormete e já se afirmou ser divergete. é a série harmóica, de que já Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

14 Capitulo I Séries 4.4 SOMA OU SUBTRACÇÃO DE UM NÚMERO FINITO DE TERMOS A UMA SÉRIE Não se altera a atureza de uma série, somado-lhe ou subtraido-lhe um úmero fiito de termos. EXEMPLO Determiar a atureza da série +++. Cosideremos apeas a série covergete.. É uma série geométrica de razão r, logo A soma da série é. Adicioado a este valor os restates termos da série dada, ou seja, e, vamos obter +++=7, um valor fiito. Podemos etão dizer que a série +++ também é covergete..5 CONVERGÊNCIA DE SÉRIES DE TERMOS NÃO NEGATIVOS Vamos em seguida estudar vários critérios de covergêcia de séries. Cosideraremos apeas séries de termos ão egativos, ou seja séries de termos ulos ou positivos. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

15 Capitulo I Séries 5.5..CRITÉRIO GERAL DE COMPARAÇÃO (º CRITÉRIO DE COMPARAÇÃO) Se, para qualquer N, se tem 0 a b, i) Se b é covergete, a ii) iii) Se a é divergete, b também é covergete. também é divergete.5. COROLÁRIO DO CRITÉRIO GERAL DE COMPARAÇÃO ( º CRITÉRIO DE COMPARAÇÃO) Sejam as séries S a e S b a i) Se lim k 0,, as séries são da mesma atureza. b a ii) Se lim 0, e se a série b é covergete, também a série S é covergete. b a iii) Se lim b, e se a série b é divergete, também a série S é divergete. Para se aplicar o critério geral de comparação assim como o seu corolário, é ecessário relacioar a série dada com qualquer outra série da qual se coheça a atureza. As séries que se utilizam habitualmete para fazer essa comparação são as Séries Geométricas, Séries de Megoli e Séries de Dirichlet, já ateriormete mecioadas. EXEMPLO 5 Estude a atureza da série. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

16 Capitulo I Séries 6 Sabemos que: 5 e que a série (série harmóica) é divergete. Etão, aplicado o critério geral de comparação( º critério de comparação), podemos imediatamete cocluir que 5 também é divergete. EXEMPLO Estude a atureza da série. Sabemos que. Cohecemos também a atureza da série de Dirichlet com, por isso covergete. Etão, covergete. que é uma série EXEMPLO 4 Determie a atureza da série. l Sabemos que Como é covergete pois é uma série de Dirichlet com. lim l 0,pelo corolário do critério geral de comparação cocluimos que a série é também covergete. l EXEMPLO 5 Determie a atureza da série u u, sabedo que a série u é covergete. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

17 Capitulo I Séries 7 Se a série u é covergete, etão obrigatóriamete lim u 0 ( pela cod. ec. de covergêcia).usado o corolário do critério geral de comparação, temos que : u u lim lim 0, u u Sedo assim, as séries são da mesma atureza, logo covergetes..5. CRITÉRIO DA RAZÃO OU CRITÉRIO DE D ALEMBERT Cosideremos a série u, de termos ão egativos. Se: u lim u, u e covergete, u e divergete, u e divergete, ada se pode cocluir O critério de D Alembert está especialmete idicado quado o termo geral da série aparecem factoriais, potêcias ou produtos sucessivos. EXEMPLO ( ) Determie a atureza da série ( ) Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

18 Capitulo I Séries 8 No termo geral da série estão presetes produtos sucessivos, estado portato idicada a utilização do critério de D Alembert. Temos etão: u Logo, a série é Divergete lim lim lim u..... EXEMPLO 7 Determie a atureza das séries dadas abaio, aplicado o critério de D Alembert. a) b) c)!!!! a) Aplicado o critério de D Alembert temos: u! 0. lim lim lim u! Logo, a série dada é covergete. b) Aplicado o critério de D Alembert temos: u!! 0 u!! lim lim lim lim Logo, a série dada é covergete. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

19 Capitulo I Séries 9 c) Aplicado o critério de D Alembert temos: u lim lim lim!! u!! Logo, a série dada é divergete CRITÉRIO DA RAIZ Cosideremos a série u, de termos ão egativos. Se: lim u, u e covergete, u e divergete, u e divergete, ada se pode cocluir O critério da raiz está especialmete idicado os casos em que todos os factores do termo geral estão elevados pelo meos ao epoete. EXEMPLO 8 Determie a atureza da série. Aplicado o critério da raiz, temos: lim u lim lim lim 0 Logo, a série é covergete. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

20 Capitulo I Séries 0 EXEMPLO 9 Determie a atureza da série 8 9. Aplicado o critério da raiz, temos: 9 lim u lim lim Logo, a série é covergete. EXEMPLO 0 Determie a atureza da série. Aplicado o critério da raiz, temos: lim u lim lim lim e Logo, a série é covergete..5.5.critério DO INTEGRAL u Seja f:, f. uma fução Cotíua e Decrescete ode para cada, A série de termo geral u e o itegral f d são da mesma atureza. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

21 Capitulo I Séries OBSERVAÇÃO Este critério permite cocluir que a série de Dirichlet mesma atureza. e o itegral d são da EXEMPLO Estude a atureza das séries abaio, recorredo ao critério do itegral. a) 4 b) 4 a) Cosideremos a fução f. Esta fução é cotiua e decrescete em,, etão a série 4 é da mesma atureza que o itegral 4 qual é a atureza do itegral: d. Vejamos etão d lim d lim 4 4 t 4 4 t t t O itegral é covergete e etão, pelo critério do itegral, cocluimos que a série 4 também é covergete. b) Cosideremos a fução f. Esta fução é cotíua e decrescete em,, etão a série é da mesma atureza que o itegral d. Vejamos etão qual é a atureza do itegral t t d t d lim d lim t Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

22 Capitulo I Séries O itegral é divergete e etão, pelo critério do itegral, cocluímos que a série também é divergete..6 SÉRIES ALTERNADAS DEFINIÇÃO 4 Chama-se série alterada a toda a série cujos termos são alteradamete positivos e egativos. A sua forma é u, u , e 4 5 Por eemplo, alteradas. cos são séries Para fazer o estudo da covergêcia deste tipo de séries é muito útil o critério de Leibiz, que diz o seguite:.6. CRITÉRIO DE LEIBNIZ Dada a série alterada etão a série é covergete. u, u 0, se u for decrescete e se 0 lim u, EXEMPLO Determiar a atureza da série. : A série dada é uma série harmóica alterada afirmar que é covergete, pois :. Pelo critério de Leibiz, podemos Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

23 Capitulo I Séries a) b )lim 0 EXEMPLO Verifique se a série é covergetes ou divergete. 4 É uma série alterada, por isso, para estudar a sua atureza, vamos recorrer ao critério de Leibiz. Verificamos que a ª codição deste ão é satisfeita, ou seja lim Etão, por este critério, ada podemos cocluir. Mas, se recorrermos à codição ecessária de covergêcia, vemos que lim 4 ão eiste, logo a série é divergete..6. CONVERGÊNCIA ABSOLUTA E CONVERGÊNCIA SIMPLES Cosideremos as séries u e u. TEOREMA Se u coverge também u coverge. DEFINIÇÃO 5 Se uma série u u e a série dos seus módulos, diz-se ABSOLUTAMENTE CONVERGENTE. u, são ambas covergetes, a série Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

24 Capitulo I Séries 4 DEFINIÇÃO 6 Se a série dos módulos, diz-se SIMPLESMENTE CONVERGENTE. u, é divergete e a série u é covergete, a série u EXEMPLO 4 Verifique se as séries são absolutamete covergetes, ou simplesmete covergetes a) b) a) Vamos aalisar a série dos módulos: Sabemos que Vamos ver se e já vimos que esta série é divergete ( série harmóica). lim 0 e é covergete ou divergete, aplicado o critério de Leibiz. Ora, u é decrescete pois, u u, etão é covergete. Podemos etão cocluir que é simplesmete covergete, pois a série dos módulos diverge e coverge. b) Vamos aalisar a série dos módulos: Sabemos que. Esta série é covergete (série de Dirichlet com. Como a série dos módulos é covergete, pelo teorema.7.., podemos afirmar que a série dada é covergete. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

25 Capitulo I Séries 5 Coclusão: A série como ela própria são covergetes. é absolutamete covergete, pois tato a série dos módulos OBSERVAÇÃO Série Absolutamete Covergete Série Covergete. MAS A RECÍPROCA NÃO É VERDADEIRA.7. CRITÉRIO DA RAIZ E CRITÉRIO DE D ALEMBERT PARA SÉRIES DE TERMOS POSITIVOS E NEGATIVOS.7.CRITÉRIO DA RAIZ Cosideremos a série u, de termos positivos e egativos, mas ão alterada. Se: lim u u e divergete, u e absolutamete covergete u e divergete.7..critério DE D ALEMBERT Cosideremos a série u, de termos positivos e egativos, mas ão alterada. Se: Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

26 Capitulo I Séries 6 u e divergete, u e divergete, u e absolutamete covergete lim, u u ESTRATÉGIAS NA ESCOLHA DO CRITÉRIO A EFECTUAR PARA DETERMINAR A NATUREZA DE UMA SÉRIE Foram epostos aqui vários critérios para determiar a atureza de uma série. A destreza em escolher e aplicar os vários critérios, cosegue-se apeas com a prática. A seguir serão apresetados um cojuto de procedimetos para escolher um critério adequado. A estratégia deverá ser a seguite: ) O -ésimo termo da série tede a zero? Se ão tede, a série é divergete (Codição ecessária de covergêcia) ) A série é uma série cohecida? ( geométrica, Megolli, Dirichlet) ) É uma série alterada? 4) Pode-se comparar com uma das séries cohecidas? 5) Pode-se aplicar o critério de D Alembert, da raiz ou do itegral? Aplicado as estratégias para determiar a atureza das séries, determie a covergêcia ou divergêcia das séries abaio: a) b) 5 5 c) e d) 5! f) 5 5 g) 5 e) Solução a) Codição ec. de Covergêcia: lim b) Série geométrica: razão meor que, logo covergete. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica, logo a série é Divergete

27 Capitulo I Séries 7 c) Critério do Itegral. Série covergete d) Teste de Comparação: Comparar com a série harmóica: séries são da mesma atureza, por isso, divergetes. 5 lim 0, 5, logo as e) Série alterada(aalisar a série dos módulos, que é div. E em seguida aplicar o critério de Leibiz), cocluido fialmete que é Covergete. f) Critério de D Alembert (o termo geral tem factoriais). Divergete. g) Critério da raiz ( o termo geral está elevado ao epoete ). Covergete. EXERCÍCIOS I Determie a sucessão das somas parciais e, caso seja possível, a soma de cada uma das seguites séries: a) b) c) l d) 5 4 e) - Cosidere a série umérica C. a) Mostre que é covergete qualquer que seja o valor da costate C. b) Determie o valor da costate C de modo que a série teha por soma. a) Verifique se 5, para b) Cosidere u uma série geométrica de razão a que a soma da série é, calcule o termo geral da série. com a \0. Sabedo 4 Diga para que valores de a e b as séries 5 e a b calcule a soma de cada uma das séries para os valores ecotrados. são covergetes e Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

28 Capitulo I Séries 8 5 Usado as propriedades das séries, determie, caso seja possível, a atureza das séries abaio: a) b) c) 4 6- Determie a atureza das séries de Megoli: a) b) c) d) 54 e) 9 f) 4 g) Determie a atureza das séries, aalisado o seu termo geral: a) b) c) 7 4 d) e) f) 4 8 Aplicado o º critério de comparação, classifique as séries abaio a) l comparar com b)! comparar com c) comparar com d) comparar com l e) comparar com 5 5 f) d, d comparar com 9 Estude, aplicado o º critério de comparação, a atureza das séries abaio: a) 5 b) 4 c) 5 5 d) Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

29 Capitulo I Séries 9 e) se 4 f) g) h) i) j) k) l) 5 5 l m) 5 4 ) o) se p) 6 0- Mostre que a série covergete. a é covergete, sedo a o termo geral de uma série O que pode cocluir quato à atureza da série a? a) a lim 7 b) a a lim c) a a lim a d) a lim a Estude a atureza das seguites séries: a) b). c) d) Recorredo ao critério de D Alembert, determie a atureza das seguites séries: a)!! b) c) ! d) b, 0 b e) d!, d 0 f)! Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

30 Capitulo I Séries 0 Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica g) 0 h)!! i) j)! 4 Aplicado o critério da raiz, determie a atureza das séries abaio a) b) 5 c) 4 4 d) e) 5 f) 4 5 Discuta a atureza da série k, k. 6 Recorredo ao critério do itegral, mostre que a série abaio é divergete Recorredo ao critério de Leibiz determie a atureza das séries abaio: a) b) c) 8 -. Utilize a série 0 para mostrar que uma série pode ser simplesmete covergete e ão ser absolutamete covergete. 9 - Estude quato à covergêcia simples e absoluta as séries a) ( ) b) ( ) c) ( ) d) e) 4 f) 6

31 Capitulo I Séries Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica 0- Determie a atureza das séries abaio idicadas: a) ) 5 ( se b) se c) d) e)! 5 f) g) ta( ) se h) ) l ( i)! 5 j) k)! l) ) ( m) e ) log o) 5 p)!! q) l r) s) 5! t) 4 ( ) u) 0 4 ) 4 y) z) a) 4 cos b) 4 c) d), d d d) d)! e). f) g) 5 h) i)! j) k) l) 0 5 m) e ) e o) 0

32 Capitulo I Séries - Determie os valores iteiros positivos de K que toram a série! covergete. k! - Cosidere a série umérica k. a) Mostre que a série é covergete para todo o valor da costate k. b) Determie o valor da costate k de modo que a série teha soma. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

33 Capítulo II Séries de Potêcias

34 Capitulo II Séries de potêcias 4. SÉRIES DE POTÊNCIAS DEFINIÇÃO 7 Uma série de potêcias de (-a) é uma série da forma: 0 a a = a a ( a) a a... a ( a)... 0 DEFINIÇÃO 8 Uma série de potêcias de, é uma série da forma: 0 a = a a a... a... 0 ( É o caso particular das série de potêcias de (-a) ode se cosidera a = 0). SÉRIE DE POTÊNCIAS DE X Já vimos que uma série de potêcias de é uma série da forma 0 a = a a a... a... 0 Para que valores de será a série de potêcias 0 a covergete? Não há qualquer dúvida que para = 0 a série é covergete, vejamos: 0 a = a0 a 0 a 0... a 0 a0, reduzido-se ao primeiro termo. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

35 Capitulo II Séries de potêcias 5 Para determiar para que outros valores de a série covergirá, pode aplicar-se o critério de D Alembert ou o Critério da Raiz à série dos módulos. Vejamos o eemplo abaio: EXEMPLOS 5 Determiar a atureza da série de potêcias 0 Vamos cosiderar a série dos módulos: 0. Aplicado o critério de D Alembert, temos: lim lim lim lim, Se, a série 0 é absolutamete covergete. Se a série 0 é divergete. Se = teremos que fazer uma aálise potual. Se = temos 0 que é uma série divergete (compara-se com ). Se =- temos ( ) que é uma série alterada simplesmete covergete pelo critério 0 de Leibiz. Coclusão: A série é covergete para, Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

36 Capitulo II Séries de potêcias 6 EXEMPLO 6 Determiar a atureza da série de potêcias. 0! Vamos cosiderar a série dos módulos: 0!. Aplicado o critério de D Alembert, temos ( )!! lim lim lim lim 0 ( )!! Coclusão:, a série é covergete, pois 0<. EXEMPLO 7 Determiar a atureza da série de potêcias! 0. Vamos cosiderar a série dos módulos:! 0. Aplicado o critério de D Alembert, temos ( )!! lim lim lim lim!! Coclusão: A série é divergete. Só é covergete quado =0 (este caso, reduz-se ao primeiro termo). Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

37 Capitulo II Séries de potêcias 7 TEOREMA Para toda a série de potêcias 0 a eiste um úmero real r, chamado raio de covergêcia (que pode ser zero, qualquer outro úmero fiito, ou ifiito), tal que: - A série é absolutamete covergete se r - A série é divergete se r - Em r a série pode ser covergete ou divergete. OBSERVAÇÃO O raio de covergêcia pode ser determiado da seguite forma: r a lim a ou aida r lim a EXEMPLO 8 Determiar o raio de covergêcia da série de potêcias 4. 0 Segudo a defiição aterior, r lim a. No caso presete temos r lim 4 4. O raio de covergêcia será etão 4. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

38 Capitulo II Séries de potêcias 8 DEFINIÇÃO 9 Chama-se Itervalo de Covergêcia da série 0 a ao cojuto de potos para os quais a série de potêcias coverge. Habitualmete é represetado por I(r). O Itervalo de covergêcia pode ser: se r 0 se r = 0 r,r ou r,r ou r,r ou r,r, se r 0, EXEMPLO 9 Determiar o itervalo de covergêcia da série de potêcias 4. 0 Já vimos o eemplo aterior que o raio de covergêcia é 4.Etão pelo teorema aterior a série será covergete para : 4. Aalisemos agora os etremos do itervalo: Vejamos quado = 4, temos que o limite do termo geral é diferete de zero. que é uma série divergete uma vez Vejamos quado = -, temos vez que o limite do termo geral ão eiste. 4 0 que é uma série divergete uma Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

39 Capitulo II Séries de potêcias 9 CONCLUSÃO: O INTERVALO DE CONVERGÊNCIA DA SÉRIE 4 É 0, 4 4. EXERCÍCIOS II. a) Defia série de potêcias de. b) Defia raio e itervalo de covergêcia de uma série de potêcias de e diga como se calculam.. Determie o raio de covergêcia e o itervalo de covergêcia das seguites séries de potêcias: a) 0 b) 5 c) d)! 0 0 e) f)! g) h)! log i) j) 0 0 k)! l)!! 0 m) ) p) log q) ! r) o) Provar que se a série de potêcias 0 c tem raio de covergêcia r, etão a série c 0 tem raio de covergêcia r. 4 Se c 4 for covergete, as séries que se seguem são covergetes? 0 a) c b) c Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

40 Capitulo II Séries de potêcias Prove que a série se é absolutamete covergete para. 6- Se k for um iteiro positivo, ecotre o raio de covergêcia da série k!. 0 k!.. SÉRIES DE POTÊNCIAS DE (-a) Já vimos que uma série de potêcias de (-a) é uma série da forma: 0 a a = a a ( a) a a... a ( a)... 0 Para séries de potêcias de (-a) a a, os teoremas e propriedades ateriormete apresetados para as séries de potêcias de são adaptados substituido por (-a). Assim: TEOREMA Para toda a série de potêcias 0 a a eiste um úmero real r (que pode ser zero, qualquer outro úmero fiito, ou ifiito), tal que: - A série é absolutamete covergete se a r - A série é divergete se a r - Em a r a série pode ser covergete ou divergete. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

41 Capitulo II Séries de potêcias 4 OBSERVAÇÃO 4: Chama-se Itervalo de Covergêcia da série 0 a ( a) ao cojuto de potos para os quais a série coverge. Habitualmete é represetado por I(r). O itervalo de covergêcia pode ser: se r a se r = 0 a r, a r ou a r, a r ou a r, a r ou a r, a r, se r 0, EXEMPLO 0 Determiar o raio de covergêcia e o itervalo de covergêcia da série de potêcias 0 4 Partido da defiição de a r lim a, temos: r lim lim 4. CONCLUSÃO: O RAIO DE CONVERGÊNCIA É. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

42 Capitulo II Séries de potêcias 4 Vejamos agora qual é o itervalo de covergêcia. Pelo teorema.., a série será absolutamete covergete para, etão temos : < -< e portato 0 < <. Podemos etão afirmar que a série é absolutamete covergete o itervalo 0,. Temos que aalisar agora a atureza da série os etremos do itervalo: Se = a série ficará 0 4 que é uma série divergete (comparação com a série divergete ). Se = 0 a série ficará 0 4 que é uma série alterada. Para estudar a sua atureza teremos que recorrer ao critério de Leibiz uma vez que a série dos módulos diverge. Aplicado o critério de Leibiz, cocluímos que a série é simplesmete covergete em = 0, pois i) lim 0 4 ii)a é decrescete pois, ( a 0 ). a Estado satisfeitas estas duas codições, podemos afirmar que a série é simplesmete covergete quado =0. Coclusão: o itervalo de covergêcia é 0,. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

43 Capitulo II Séries de potêcias 4 EXEMPLO Determiar o raio de covergêcia e o itervalo de covergêcia da série de 0. potêcias Partido da defiição de r temos: a r lim. a Como a, temos r lim. CONCLUSÃO: O RAIO DE CONVERGÊNCIA É. Passemos à determiação do itervalo de covergêcia: Pelo teorema.. a série será absolutamete covergete para, portato, < - <, logo < <4. Se = a série ficará 0 que é uma série alterada divergete..se = 4 a série ficará 0 que é uma série divergete(cod. ec. cov) Podemos etão afirmar que a série é absolutamete covergete o itervalo,4. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

44 Capitulo II Séries de potêcias 44 EXERCÍCIOS III.a) Defia série de potêcias de (-a). b) Defia raio e itervalo de covergêcia de uma série de potêcias de (-a) e diga como se calculam.. Determie o raio de covergêcia e o itervalo de covergêcia das seguites séries de potêcias: a)! b) 0 4 c) 0 d) e) 0! 0 4 f) 5 g) h) 0! 0 5 i) j) k) 0 l)! m) 0! 4 k ) o) q) 0 p) r) 4 s) t) 0 u) 0 5 Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

45 Capitulo II Séries de potêcias 45. REPRESENTAÇÃO DE FUNÇÕES POR MEIO DE SÉRIES DE POTÊNCIAS Há fuções que podem ser represetadas por séries de potêcias, como por eemplo f ( )..., para ( 0 represeta a soma da série de potêcias, para ). 0 Se uma determiada fução admitir represetação em série de potêcias, em toro de um poto a, etão ela será da forma 0 a f f ( ) a, para a r ( raio de covergêcia da série )! A esta série chama-se Série de Taylor da fução f cetrada em a. OBSERVAÇÃO 5: 0 f a! a represeta f() por uma série de potêcias de (-a), cujo domíio é o itervalo de covergêcia,i(r), da série. 0 f a! a diz-se desevolvimeto de f segudo as potêcias de (-a) em I(r). Para o caso especial de a=0, a série de Taylor ficará: 0 f 0 f ( ), para r ( raio de covergêcia da série )! que tem o ome de Série de Mac-Lauri. Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

46 Capitulo II Séries de potêcias 46 OBSERVAÇÃO 6 0 f 0! represeta f() por uma série de potêcias de, cujo domíio é o itervalo de covergêcia, I(r), da série. 0 f 0! diz-se desevolvimeto de f segudo as potêcias de em I(r). TEOREMA 4 Uma fução que admite represetação em série de potêcias o itervalo r,r é cotíua esse itervalo, assim como uma fução que admite represetação em série de potêcias em a r, a r é também cotíua esse itervalo. EXEMPLO Cosidere a fução f em que itervalo é válido esse desevolvimeto.. Represete-a através de uma série de potêcias de e diga RESOLUÇÂO Vamos achar a derivada de ordem da fução f 0 f()=, para r.! 0 f, pois já sabemos que Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

47 Capitulo II Séries de potêcias 47 f f f f... f 6 4! agora facilmete calculamos 0 f : f 0!. Etão temos f()= f f 0, ou seja 0! f 0, que será o desevolvimeto de em série de potêcias de. Falta saber agora qual é o itervalo em que este desevolvimeto é válido. Vejamos: O itervalo de covergêcia da série desevolvimeto acima é válido é,. é, 0, logo o itervalo em que o CONCLUSÃO: O DESENVOLVIMENTO DE VÁLIDO PARA,. f, EM SÉRIE DE POTÊNCIAS DE X É:, f 0 TEOREMA 5 i) Se a série 0 at dt 0 0 a tem raio de covergêcia r, etão as séries terão raio de covergêcia r. a e Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

48 Capitulo II Séries de potêcias 48 ii) Se a série 0 a ( b) tem raio de covergêcia r, etão as séries a (t b) dt terão raio de covergêcia r. 0 0 a ( b) e Ou seja: Se derivarmos ou primitivarmos todos os membros de uma série de potêcias de itervalo I(r), obtemos uma série de potêcias cujo iterior do itervalo é o mesmo. EXEMPLO Desevolver em série de potêcias de a fução f ( ) l( ). Sabemos de um eemplo aterior que 0, para, e sabemos também que f f ( ) l( )., etão f (válido para ). Pelo teorema.4. temos que 0 0 ( itegraram-se todos os termos da série 0 ),válido para EXERCÍCIOS IV. Desevolva em série de potêcias de as fuções de epressões aalíticas idicadas e determie os itervalos de covergêcia das séries obtidas. a) b) c) d) e) f) ( ) g) ( ) h) 4 i) Aálise Matemática II j) e k) l) l Curso de Egª Electromecâica

49 Capitulo II Séries de potêcias 49. Desevolva a) l() segudo potêcias de (-) b) c) e segudo potêcias de e segudo potêcias de (+) Aálise Matemática II Curso de Egª Electromecâica

Os testes da Comparação, Raiz e Razão e Convergência absoluta

Os testes da Comparação, Raiz e Razão e Convergência absoluta Os testes da Comparação, Raiz e Razão e Covergêcia absoluta Prof. Flávia Simões AULA 4 Os testes de Comparação Comparar uma série dada com uma que já sabemos se coverge ou diverge. Usamos geralmete as

Leia mais

SUCESSÕES E SÉRIES. Definição: Chama-se sucessão de números reais a qualquer f. r. v. r., cujo domínio é o conjunto dos números naturais IN, isto é,

SUCESSÕES E SÉRIES. Definição: Chama-se sucessão de números reais a qualquer f. r. v. r., cujo domínio é o conjunto dos números naturais IN, isto é, SUCESSÕES E SÉRIES Defiição: Chama-se sucessão de úmeros reais a qualquer f. r. v. r., cujo domíio é o cojuto dos úmeros aturais IN, isto é, u : IN IR u( ) = u Defiição: i) ( u ) IN é crescete IN, u u

Leia mais

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes Capítulo Séquêcias e Séries Ifiitas de Termos Costates.. Itrodução Neste capítulo estamos iteressados em aalisar as séries ifiitas de termos costates. Etretato, para eteder as séries ifiitas devemos ates

Leia mais

Capítulo II - Sucessões e Séries de Números Reais

Capítulo II - Sucessões e Séries de Números Reais Capítulo II - Sucessões e Séries de Números Reais 2 Séries de úmeros reais Sabemos bem o que sigifica u 1 + u 2 + + u p = p =1 e cohecemos as propriedades desta operação - comutatividade, associatividade,

Leia mais

Seqüências e Séries. Notas de Aula 4º Bimestre/2010 1º ano - Matemática Cálculo Diferencial e Integral I Profª Drª Gilcilene Sanchez de Paulo

Seqüências e Séries. Notas de Aula 4º Bimestre/2010 1º ano - Matemática Cálculo Diferencial e Integral I Profª Drª Gilcilene Sanchez de Paulo Seqüêcias e Séries Notas de Aula 4º Bimestre/200 º ao - Matemática Cálculo Diferecial e Itegral I Profª Drª Gilcilee Sachez de Paulo Seqüêcias e Séries Para x R, podemos em geral, obter sex, e x, lx, arctgx

Leia mais

2.2. Séries de potências

2.2. Séries de potências Capítulo 2 Séries de Potêcias 2.. Itrodução Série de potêcias é uma série ifiita de termos variáveis. Assim, a teoria desevolvida para séries ifiitas de termos costates pode ser estedida para a aálise

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 2 Módulo 1 - Primeira Lista - 01/2017

Lista de Exercícios de Cálculo 2 Módulo 1 - Primeira Lista - 01/2017 Lista de Exercícios de Cálculo 2 Módulo - Primeira Lista - 0/207. Determie { ( se a seqüêcia coverge ou diverge; se covergir, ache o limite. 5 ) } { } { } { arcta(), 000 (b) (c) ( ) l() } { 000 2 } { 4

Leia mais

1 Formulário Seqüências e Séries

1 Formulário Seqüências e Séries Formulário Seqüêcias e Séries Difereça etre Seqüêcia e Série Uma seqüêcia é uma lista ordeada de úmeros. Uma série é uma soma iita dos termos de uma seqüêcia. As somas parciais de uma série também formam

Leia mais

CAPÍTULO IV DESENVOLVIMENTOS EM SÉRIE

CAPÍTULO IV DESENVOLVIMENTOS EM SÉRIE CAPÍTUO IV DESENVOVIMENTOS EM SÉRIE Série de Taylor e de Mac-auri Seja f ) uma fução real de variável real com domíio A e seja a um poto iterior desse domíio Supoha-se que a fução admite derivadas fiitas

Leia mais

Cálculo II Sucessões de números reais revisões

Cálculo II Sucessões de números reais revisões Ídice 1 Defiição e exemplos Cálculo II Sucessões de úmeros reais revisões Mestrado Itegrado em Egeharia Aeroáutica Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Atóio Beto beto@ubi.pt Departameto de Matemática Uiversidade

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Sequência Infinitas

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Sequência Infinitas Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Sequêcia Ifiitas Defiição 1: Uma sequêcia umérica a 1, a 2, a 3,,a,é uma fução, defiida o cojuto dos úmeros aturais : f : f a Notação: O úmero é chamado de

Leia mais

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real.

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real. Resumo. O estudo das séries de termos reais, estudado as disciplias de Aálise Matemática da grade geeralidade dos cursos técicos de liceciatura, é aqui estedido ao corpo complexo, bem como ao caso em que

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Matemática MTM123 - Cálculo Diferencial e Integral II Lista 3 - Tiago de Oliveira

Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Matemática MTM123 - Cálculo Diferencial e Integral II Lista 3 - Tiago de Oliveira Uiversidade Federal de Ouro Preto Departameto de Matemática MTM - Cálculo Diferecial e Itegral II Lista - Tiago de Oliveira. Ecotre uma fórmula para a -ésima soma parcial de cada série e use-a para ecotrar

Leia mais

Instituto Universitário de Lisboa

Instituto Universitário de Lisboa Istituto Uiversitário de Lisboa Departameto de Matemática Exercícios de Sucessões e Séries Exercícios: sucessões. Estude quato à mootoia cada uma das seguites sucessões. (a) (g) + (b) + + + 4 (c) + (h)

Leia mais

Capítulo 3. Sucessões e Séries Geométricas

Capítulo 3. Sucessões e Séries Geométricas Capítulo 3 Sucessões e Séries Geométricas SUMÁRIO Defiição de sucessão Mootoia de sucessões Sucessões itadas (majoradas e mioradas) Limites de sucessões Sucessões covergetes e divergetes Resultados sobre

Leia mais

Apoio às aulas MAT II INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE LISBOA LICENCIATURA EM GESTÃO MATEMÁTICA II

Apoio às aulas MAT II INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE LISBOA LICENCIATURA EM GESTÃO MATEMÁTICA II Apoio às alas MAT II 8-05-06 INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE LISBOA LICENCIATURA EM GESTÃO MATEMÁTICA II APOIO ÀS AULAS DE 05/06 Mael Martis Carla Martiho Aa Jorge Defiições Chama-se

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

4 SÉRIES DE POTÊNCIAS

4 SÉRIES DE POTÊNCIAS 4 SÉRIES DE POTÊNCIAS Por via da existêcia de um produto em C; as séries adquirem a mesma relevâcia que em R; talvez mesmo maior. Isso deve-se basicamete ao facto de podermos ovamete formular as chamadas

Leia mais

(x a) f (n) (a) (x t) n dt. (x t) f (n) (t)

(x a) f (n) (a) (x t) n dt. (x t) f (n) (t) . Aula Resto e Teorema de Taylor revisitado. Seja f : D R uma fução e p,a (x) o seu poliómio de Taylor de grau. O resto de ordem foi defiido ateriormete como sedo a fução: R,a (x) := f(x) p,a (x). O resultado

Leia mais

Sucessões Reais. Ana Isabel Matos DMAT

Sucessões Reais. Ana Isabel Matos DMAT Sucessões Reais Aa Isabel Matos DMAT 8 de Outubro de 000 Coteúdo Noção de Sucessão Limite de uma Sucessão 3 Sucessões Limitadas 3 4 Propriedades dos Limites 4 5 Limites I itos 8 5. Propriedades dos Limites

Leia mais

lim Px ( ) 35 x 5 ), teremos Px ( ) cada vez mais próximo de 35 (denotaremos isso da forma Px ( ) 35 ). UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE

lim Px ( ) 35 x 5 ), teremos Px ( ) cada vez mais próximo de 35 (denotaremos isso da forma Px ( ) 35 ). UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE CURSO DISCIPLINA PROFESSOR I) Itrodução ao Limite de uma Fução UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Limite de uma Fução José Elias

Leia mais

DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL. todas as repetições). Então, para todo o número positivo ξ, teremos:

DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL. todas as repetições). Então, para todo o número positivo ξ, teremos: 48 DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL LEI DOS GRANDES NÚMEROS Pretede-se estudar o seguite problema: À medida que o úmero de repetições de uma experiêcia cresce, a frequêcia relativa

Leia mais

Exercícios de Cálculo III - CM043

Exercícios de Cálculo III - CM043 Eercícios de Cálculo III - CM43 Prof. José Carlos Corrêa Eidam DMAT/UFPR Dispoível o sítio people.ufpr.br/ eidam/ide.htm o. semestre de 22 Lista Sequêcias e séries de úmeros reais. Decida se cada uma das

Leia mais

Neste capítulo, vamos estender o conceito de adição, válido para um número finito de parcelas, à uma soma infinita de parcelas.

Neste capítulo, vamos estender o conceito de adição, válido para um número finito de parcelas, à uma soma infinita de parcelas. 5. SÉRIES NUMÉRICAS Neste capítulo, vamos esteder o coceito de adição, válido para um úmero fiito de parcelas, à uma soma ifiita de parcelas. 5.: Defiição e exemplos: Série geométrica e série de Dirichlet

Leia mais

Definição 1: Sequência é uma lista infinita de números reais ordenados.

Definição 1: Sequência é uma lista infinita de números reais ordenados. Cálculo I Egeharia Mecâica. Sequêcias Defiição : Sequêcia é uma lista ifiita de úmeros reais ordeados. 2º termo º termo Nome (x ) = (x, x 2, x,..., x,...) º termo º termo N R x Observação: Podemos pesar

Leia mais

SEQUÊNCIAS IMPORTANTES PARA O LIMITE

SEQUÊNCIAS IMPORTANTES PARA O LIMITE começado a eteder CÁLCULO Volume Um - SEQUÊNCIAS IMPORTANTES PARA O LIMITE Uma sequêcia ifiita de úmeros () é covergete a um úmero o quado () se tora (ou é sempre) igual a o, ou se tora cada vez mais próima

Leia mais

Capítulo VII: Soluções Numéricas de Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo VII: Soluções Numéricas de Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo VII: Soluções Numéricas de Equações Difereciais Ordiárias 0. Itrodução Muitos feómeos as áreas das ciêcias egearias ecoomia etc. são modelados por equações difereciais. Supoa-se que se quer determiar

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL. Conceito de derivada. Interpretação geométrica

CÁLCULO DIFERENCIAL. Conceito de derivada. Interpretação geométrica CÁLCULO DIFERENCIAL Coceito de derivada Iterpretação geométrica A oção fudametal do Cálculo Diferecial a derivada parece ter sido pela primeira vez explicitada o século XVII, pelo matemático fracês Pierre

Leia mais

Séries e aplicações15

Séries e aplicações15 Séries e aplicações5 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 5. Sequêcias 5. Séries 5. Séries especiais 5.4 Arquimedes e a quadratura da parábola 5.5 Sobre a Covergêcia de séries 5.6 Séries de Taylor

Leia mais

FICHA DE TRABALHO 11º ANO. Sucessões

FICHA DE TRABALHO 11º ANO. Sucessões . Observe a sequêcia das seguites figuras: FICHA DE TRABALHO º ANO Sucessões Vão-se costruido, sucessivamete, triâgulos equiláteros os vértices dos triâgulos equiláteros já existetes, prologado-se os seus

Leia mais

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré. 1 Sequências de números reais 1

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré.  1 Sequências de números reais 1 Matemática Essecial Sequêcias Reais Departameto de Matemática - UEL - 200 Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessecial/ Coteúdo Sequêcias de úmeros reais 2 Médias usuais 6 3 Médias versus progressões

Leia mais

Prova-Modelo de Matemática

Prova-Modelo de Matemática Prova-Modelo de Matemática PROVA Págias Esio Secudário DURAÇÃO DA PROVA: miutos TOLERÂNCIA: miutos Cotações GRUPO I O quarto úmero de uma certa liha do triâgulo de Pascal é. A soma dos quatro primeiros

Leia mais

Análise Infinitesimal II LIMITES DE SUCESSÕES

Análise Infinitesimal II LIMITES DE SUCESSÕES -. Calcule os seguites limites Aálise Ifiitesimal II LIMITES DE SUCESSÕES a) lim + ) b) lim 3 + 4 5 + 7 + c) lim + + ) d) lim 3 + 4 5 + 7 + e) lim + ) + 3 f) lim + 3 + ) g) lim + ) h) lim + 3 i) lim +

Leia mais

a 1, se n=1 i=1 a i + a n, se n > 1 a i. i=1 n N

a 1, se n=1 i=1 a i + a n, se n > 1 a i. i=1 n N Capítulo 3 Séries Numéricas 3. Geeralização da operação adição A operação adição ou soma é iicialmete defiida como a aplicação que a cada par de úmeros reais faz correspoder um úmero real, de acordo com

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ao 00 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I 1. Como a probabilidade do João acertar em cada tetativa é 0,, a probabilidade do João acertar as tetativas é 0, 0, 0, 0,

Leia mais

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 4

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 4 Aálise Complexa Resolução de algus exercícios do capítulo 4. Caso de C0, 0, : Caso de C0,, + : Exercício º z z i i z + iz iz iz porque iz < i + z i +3 z. z z i i z + iz iz porque iz > iz i z 3 i 3 z..

Leia mais

Cap. VI Histogramas e Curvas de Distribuição

Cap. VI Histogramas e Curvas de Distribuição TLF /11 Capítulo VI Histogramas e curvas de distribuição 6.1. Distribuições e histogramas. 6 6.. Distribuição limite 63 6.3. Sigificado da distribuição limite: frequêcia esperada e probabilidade de um

Leia mais

Limite, Continuidade e

Limite, Continuidade e Módulo Limite, Cotiuidade e Derivação Este módulo é dedicado, essecialmete, ao estudo das oções de limite, cotiuidade e derivabilidade para fuções reais de uma variável real e de propriedades básicas a

Leia mais

Função Logarítmica 2 = 2

Função Logarítmica 2 = 2 Itrodução Veja a sequêcia de cálculos aaio: Fução Logarítmica = = 4 = 6 3 = 8 Qual deve ser o valor de esse caso? Como a fução epoecial é estritamete crescete, certamete está etre e 3. Mais adiate veremos

Leia mais

Exercícios de exames e provas oficiais

Exercícios de exames e provas oficiais Eercícios de eames e provas oficiais. Cosidere as fuções f e g, de domíio,0, defiidas por l e g f f Recorredo a processos eclusivamete aalíticos, mostre que a codição pelo meos, uma solução em e, f e tem,

Leia mais

DERIVADAS DE FUNÇÕES11

DERIVADAS DE FUNÇÕES11 DERIVADAS DE FUNÇÕES11 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 11.1 O cálculo diferecial 11. Difereças 11.3 Taxa de variação média 11.4 Taxa de variação istatâea e potual 11.5 Primeiros exemplos

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1 Capítulo. Aritmética e Expressões Algébricas O estudo de cálculo exige muito mais que o cohecimeto de limite, derivada e itegral. Para que o apredizado seja satisfatório o domíio de tópicos de aritmética

Leia mais

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Colégio de S. Goçalo - Amarate - F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Este método, sob determiadas codições, apreseta vatages sobre os método ateriores: é de covergêcia mais rápida e, para ecotrar as raízes, ão

Leia mais

Análise Matemática 2 D. Filipe Oliveira, 2011

Análise Matemática 2 D. Filipe Oliveira, 2011 Aálise Matemática 2 D Itrodução às Séries Numéricas Filipe Oliveira, 20 Coteúdo Itrodução às séries uméricas 3. Prelúdio: O paradoxo de Aquiles e da tartaruga................... 3.2 Sucessão das somas

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Alguns autores também denotam uma sequência usando parêntesis:

Alguns autores também denotam uma sequência usando parêntesis: Capítulo 3 Sequêcias e Séries Numéricas 3. Sequêcias Numéricas Uma sequêcia umérica é uma fução real com domíio N que, a cada associa um úmero real a. Os úmeros a são chamados termos da sequêcia. É comum

Leia mais

12 Séries. O esquema usado a seguir permite um melhor entendimento da forma de se obter a solução do problema.

12 Séries. O esquema usado a seguir permite um melhor entendimento da forma de se obter a solução do problema. 2 Séries 2. Sequêcia O matemático italiao Leoardo de Pisa (80 250), também chamado Fiboacci, escreveu em 202 o Livro Liber Abaci (O Livro do Ábaco), o qual propôs o seguite problema: Caso ão ocorram mortes,

Leia mais

Sequências, PA e PG material teórico

Sequências, PA e PG material teórico Sequêcias, PA e PG material teórico 1 SEQUÊNCIA ou SUCESSÃO: é todo cojuto ode cosideramos os seus elemetos colocados, ou dispostos, uma certa ordem. Cosiderado a sequêcia (; 3; 5; 7;...), dizemos que:

Leia mais

Cálculo I Caderno de exercícios Três

Cálculo I Caderno de exercícios Três Uiversidade Nova de Lisboa Faculdade de Ecoomia Uiversidade Nova de Lisboa Semestre de Primavera 0/0 Cálculo I Cadero de exercícios Três Sucessões Todos os exercicios ão resolvidos as aulas são cosiderados

Leia mais

Cálculo III - SMA 333. Notas de Aula

Cálculo III - SMA 333. Notas de Aula Cálculo III - SMA 333 Notas de Aula Sumário 1 Itrodução 2 2 Seqüêcias Numéricas 6 2.1 Defiição, Exemplos e Operações........................ 6 2.2 Seqüêcias Limitadas e Ilimitadas........................

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES U.E PROF EDGAR TITO

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES  U.E PROF EDGAR TITO ESTATÍSTICA PROF. RANILDO LOPES http://ueedgartito.wordpress.com U.E PROF EDGAR TITO Medidas de tedêcia cetral Medidas cetrais são valores que resumem um cojuto de dados a um úico valor que, de alguma

Leia mais

Exercícios de exames e provas oficiais

Exercícios de exames e provas oficiais limites, cotiuidade, Teorema de Bolzao Eercícios de eames e provas oficiais. Cosidere as sucessões covergetes a e a b de termos gerais e b l e Sejam a e b os úmeros reais tais que a lima e b limb Qual

Leia mais

Professor Mauricio Lutz LIMITES

Professor Mauricio Lutz LIMITES LIMITES ) Noção ituitiva de ites Seja a fução f ( ) +. Vamos dar valores de que se aproimem de, pela sua direita (valores maiores que ) e pela esquerda (valores meores que ) e calcular o valor correspodete

Leia mais

AULA 17 A TRANSFORMADA Z - DEFINIÇÃO

AULA 17 A TRANSFORMADA Z - DEFINIÇÃO Processameto Digital de Siais Aula 7 Professor Marcio Eisecraft abril 0 AULA 7 A TRANSFORMADA Z - DEFINIÇÃO Bibliografia OPPENHEIM, A.V.; WILLSKY, A. S. Siais e Sistemas, a edição, Pearso, 00. ISBN 9788576055044.

Leia mais

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2 M Ficha de Trabalho NOME: SUCESSÕES I PARTE Relativamete à sucessão a =, pode-se afirmar que: (A) É um ifiitamete grade positivo (B) É um ifiitésimo (C) É um ifiitamete grade egativo (D) É limitada Cosidere

Leia mais

AMOSTRAGEM ALEATÓRIA DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM ALEATÓRIA DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM 6 AMOSTRAGEM ALEATÓRIA DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM Quado se pretede estudar uma determiada população, aalisam-se certas características ou variáveis dessa população. Essas variáveis poderão ser discretas

Leia mais

DFS Série Discreta de Fourier DFT Transformada Discreta de Fourier Convolução Circular

DFS Série Discreta de Fourier DFT Transformada Discreta de Fourier Convolução Circular Sistemas de Processameto Digital Egeharia de Sistemas e Iformática Ficha 4 5/6 4º Ao/ º Semestre DFS Série Discreta de Fourier DFT Trasformada Discreta de Fourier Covolução Circular Para calcular a DFT,

Leia mais

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres-

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres- MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO MÓDULO DE REFORÇO - EAD PROGRESSÕES Progressão Geométrica I) PROGRESSÃO GEOMÉTRICA (P.G.) Progressão Geométrica é uma sequêcia de elemetos (a, a 2, a 3,..., a,...) tais que, a partir

Leia mais

( 1,2,4,8,16,32,... ) PG de razão 2 ( 5,5,5,5,5,5,5,... ) PG de razão 1 ( 100,50,25,... ) PG de razão ½ ( 2, 6,18, 54,162,...

( 1,2,4,8,16,32,... ) PG de razão 2 ( 5,5,5,5,5,5,5,... ) PG de razão 1 ( 100,50,25,... ) PG de razão ½ ( 2, 6,18, 54,162,... Progressões Geométricas Defiição Chama se progressão geométrica PG qualquer seqüêcia de úmeros reais ou complexos, ode cada termo a partir do segudo, é igual ao aterior, multiplicado por uma costate deomiada

Leia mais

... Newton e Leibniz criaram, cada qual em seu país e quase ao mesmo tempo, as bases do cálculo diferencial.

... Newton e Leibniz criaram, cada qual em seu país e quase ao mesmo tempo, as bases do cálculo diferencial. DERIVADAS INTRODUÇÃO O Cálculo Diferecial e Itegral, criado por Leibiz e Newto o século XVII, torou-se logo de iício um istrumeto precioso e imprescidível para a solução de vários problemas relativos à

Leia mais

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD.

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD. Matemática 0. Um losago do plao cartesiao oxy tem vértices A(0,0), B(,0), C(,) e D(,). A) Determie a equação da reta que cotém a diagoal AC. B) Determie a equação da reta que cotém a diagoal BD. C) Ecotre

Leia mais

Definição 1: Sequência é uma lista infinita de números ordenados.

Definição 1: Sequência é uma lista infinita de números ordenados. . Sequêcia Matemática I Tecólogo em Costrução de Edifícios e Tecólogo Defiição : Sequêcia é uma lista ifiita de úmeros ordeados. º, º, º,...,º,... O do ídice, idicado a otação abaixo, é viculado com o

Leia mais

Preliminares 1. 1 lim sup, lim inf. Medida e Integração. Departamento de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales. 8 de março de 2009.

Preliminares 1. 1 lim sup, lim inf. Medida e Integração. Departamento de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales. 8 de março de 2009. Medida e Itegração. Departameto de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales 8 de março de 2009. 1 lim sup, lim if Prelimiares 1 Seja (x ), N, uma seqüêcia de úmeros reais, e l o limite desta

Leia mais

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma:

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma: 07 BINÔMIO DE NEWTON O desevolvimeto da epressão a b é simples, pois eige somete quatro multiplicações e uma soma: a b a b a b a ab ba b a ab b O desevolvimeto de a b é uma tarefa um pouco mais trabalhosa,

Leia mais

Sequências e Séries. Sadao Massago

Sequências e Séries. Sadao Massago Sequêcias e Séries Sadao Massago Maio de 0 Sumário Aritmética Iitesimal Sequêcias Numéricas. Algumas propriedades operacioais............................. Teste da subsequêcia...................................

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL 1 Mat-15/ Cálculo Numérico/ Departameto de Matemática/Prof. Dirceu Melo LISTA DE EXERCÍCIOS INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL A aproximação de fuções por poliômios é uma das ideias mais atigas da aálise umérica,

Leia mais

Exercícios Complementares 1.2

Exercícios Complementares 1.2 Exercícios Comlemetares 1. 1.A Dê exemlo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, ara ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e crescete (c) limitada e ão moótoa (e) ão limitada e ão moótoa (b) limitada

Leia mais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais Secção. Itrodução às equações difereciais (Farlow: Sec..,.) Cosideremos um exemplo simples de um feómeo que pode ser descrito por uma equação diferecial. A velocidade de um corpo é defiida como o espaço

Leia mais

A letra x representa números reais, portanto

A letra x representa números reais, portanto Aula 0 FUNÇÕES UFPA, 8 de março de 05 No ial desta aula, você seja capaz de: Saber dizer o domíio e a imagem das uções esseciais particularmete esta aula as uções potêcias; Fazer o esboço de gráico da

Leia mais

Solução Comentada Prova de Matemática

Solução Comentada Prova de Matemática 0 questões. Sejam a, b e c os três meores úmeros iteiros positivos, tais que 5a = 75b = 00c. Assiale com V (verdadeiro) ou F (falso) as opções abaixo. ( ) A soma a b c é igual a 9 ( ) A soma a b c é igual

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Números reais 1,, 3, cojuto dos úmeros aturais 0,1,,3, cojuto dos úmeros iteiros p q /p e q cojuto dos úmeros racioais a, a 0 a 1 a a, a e a i 0, 1,, 3, 4,

Leia mais

1.4 Determinantes. determinante é igual ao produto dos elementos da diagonal principal menos o produto dos elementos da diagonal secundária.

1.4 Determinantes. determinante é igual ao produto dos elementos da diagonal principal menos o produto dos elementos da diagonal secundária. 1.4 Determiates A teoria dos determiates surgiu quase simultaeamete a Alemaha e o Japão. Ela foi desevolvida por dois matemáticos, Gottfried Wilhelm Leibiz (1642-1716) e Seki Shisuke Kowa (1642-1708),

Leia mais

Probabilidade II Aula 12

Probabilidade II Aula 12 Coteúdo Probabilidade II Aula Juho de 009 Desigualdade de Marov Desigualdade de Jese Lei Fraca dos Grades Números Môica Barros, D.Sc. Itrodução A variâcia de uma variável aleatória mede a dispersão em

Leia mais

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia.

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia. 6//000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR 00- PROVA MATEMÁTICA Prova resolvida pela Profª Maria Atôia Coceição Gouveia RESPONDA ÀS QUESTÕES A SEGUIR, JUSTIFICANDO SUAS SOLUÇÕES QUESTÃO A

Leia mais

a = b n Vejamos alguns exemplos que nos permitem observar essas relações. = 4 4² = 16 radical radicando

a = b n Vejamos alguns exemplos que nos permitem observar essas relações. = 4 4² = 16 radical radicando Caro aluo, Com o objetivo de esclarecer as dúvidas sobre a raiz quadrada, apresetamos este material a defiição de radiciação, o cálculo da raiz quadrada e algumas propriedades de radiciação. Além disso,

Leia mais

Capítulo 5 Cálculo Diferencial em IR n 5.1 Definição de função de várias variáveis: campos vetoriais e campos escalares.

Capítulo 5 Cálculo Diferencial em IR n 5.1 Definição de função de várias variáveis: campos vetoriais e campos escalares. 5. Defiição de fução de várias variáveis: campos vetoriais e. Uma fução f : D f IR IR m é uma fução de variáveis reais. Se m = f é desigada campo escalar, ode f(,, ) IR. Temos assim f : D f IR IR (,, )

Leia mais

Universidade Federal Fluminense - UFF-RJ

Universidade Federal Fluminense - UFF-RJ Aotações sobre somatórios Rodrigo Carlos Silva de Lima Uiversidade Federal Flumiese - UFF-RJ rodrigouffmath@gmailcom Sumário Somatórios 3 Somatórios e úmeros complexos 3 O truque de Gauss para somatórios

Leia mais

11 Aplicações da Integral

11 Aplicações da Integral Aplicações da Itegral Ao itroduzirmos a Itegral Defiida vimos que ela pode ser usada para calcular áreas sob curvas. Veremos este capítulo que existem outras aplicações. Essas aplicações estedem-se aos

Leia mais

5n 3. 1 nsen(n + 327) e)

5n 3. 1 nsen(n + 327) e) Exercícios 1 Mostre, utilizado a defiição, que as seguites sucessões são limitadas: 2 4 50 a) b) 3 +16 1 5 3 2 c) 1 4( 1) 8 5 d) 100 5 3 2 + 2( 1) 1 4( 1) 8 1 se( + 327) e) f) 5 3 2 4 4 2 2 Mostre, utilizado

Leia mais

( ) 4. Novo Espaço Matemática A 12.º ano Proposta de Teste de Avaliação [maio 2015] GRUPO I. f x

( ) 4. Novo Espaço Matemática A 12.º ano Proposta de Teste de Avaliação [maio 2015] GRUPO I. f x Novo Espaço Matemática A º ao Proposta de Teste de Avaliação [maio 05] Nome: Ao / Turma: Nº: Data: - - GRUPO I Os sete ites deste grupo são de escolha múltipla Em cada um deles, são idicadas quatro opções,

Leia mais

CORRELAÇÃO Aqui me tens de regresso

CORRELAÇÃO Aqui me tens de regresso CORRELAÇÃO Aqui me tes de regresso O assuto Correlação fez parte, acompahado de Regressão, do programa de Auditor Fiscal, até 998, desaparecedo a partir do cocurso do ao 000 para agora retorar soziho.

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS rof Me Arto Barboi SUMÁRIO INTRODUÇÃO EQUAÇÃO DIFERENCIAL ORDINÁRIA (EDO) Ordem de uma Equação Diferecial Ordiária Grau de uma Equação Diferecial Ordiária Solução geral e particular

Leia mais

Lista de Exercícios Método de Newton

Lista de Exercícios Método de Newton UNEMAT Uiversidade do Estado de Mato Grosso Campus Uiversitário de Siop Faculdade de Ciêcias Eatas e Tecológicas Curso de Egeharia Civil Disciplia: Cálculo Diferecial e Itegral I Lista de Eercícios Método

Leia mais

Sobre a necessidade das hipóteses no Teorema do Ponto Fixo de Banach

Sobre a necessidade das hipóteses no Teorema do Ponto Fixo de Banach Sobre a ecessidade das hipóteses o Teorema do Poto Fio de Baach Marcelo Lopes Vieira Valdair Bofim Itrodução: O Teorema do Poto Fio de Baach é crucial a demostração de vários resultados importates da Matemática

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A FICHA DE AVALIAÇÃO 12º A1. Grupo I

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A FICHA DE AVALIAÇÃO 12º A1. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA COM º CICLO D. DINIS COIMBRA º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A FICHA DE AVALIAÇÃO º A Grupo I As três questões deste grupo são de escolha múltipla. Para cada uma delas são idicadas quatro

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

Resposta de Sistemas de 2 a Ordem à Excitação Periódica Não Harmônica

Resposta de Sistemas de 2 a Ordem à Excitação Periódica Não Harmônica Resposta de Sistemas de a Ordem à Excitação Periódica Não Harmôica 1 18 Resposta de Sistemas de a Ordem à Excitação Periódica Não Harmôica 1 INTRODUÇÃO Muitas vezes, a excitação é uma fução periódica,

Leia mais

( 7) ( 3) Potenciação

( 7) ( 3) Potenciação Poteciação Defiição: Calcular a potêcia de um úmero real a equivale a multiplicar a, por ele mesmo, vezes. A otação da operação de poteciação é equivalete a: Eemplos: 6; 7 9 a a. a. a... a vezes Propriedades:

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica Exercícios de Aprofudameto Matemática Progressão Aritmética e b. (Fuvest 05) Dadas as sequêcias a 4 4, b, c a a e d, b defiidas para valores iteiros positivos de, cosidere as seguites afirmações: I. a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO LIMITES. Itrodução: Usamos a palavra ite o osso cotidiao para idicar, geericamete, um poto que pode ser evetualmete

Leia mais

1. Revisão Matemática

1. Revisão Matemática Sequêcias de Escalares Uma sequêcia { } diz-se uma sequêcia de Cauchy se para qualquer (depedete de ε ) tal que : ε > 0 algum K m < ε para todo K e m K Uma sequêcia { } diz-se ser limitada superiormete

Leia mais

Duração: 90 minutos 5º Teste, Junho Nome Nº T:

Duração: 90 minutos 5º Teste, Junho Nome Nº T: Escola Secudária Dr. Âgelo Augusto da Silva Teste de MATEMÁTICA A 11º Ao Duração: 90 miutos 5º Teste, Juho 006 Nome Nº T: Classificação O Prof. (Luís Abreu) 1ª PARTE Para cada uma das seguites questões

Leia mais

INTEGRAÇÃO NUMÉRICA. b a

INTEGRAÇÃO NUMÉRICA. b a INTEGRAÇÃO NUMÉRICA No cálculo, a itegral de uma ução oi criada origialmete para determiar a área sob uma curva o plao cartesiao. Ela também surge aturalmete em dezeas de problemas de Física, como por

Leia mais

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan.

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan. Matemática Biômio de Newto Professor Duda www.acasadococurseiro.com.br Matemática BINÔMIO DE NEWTON Defiição O biômio de Newto é uma expressão que permite calcular o desevolvimeto de (a + b), sedo a +

Leia mais

Elementos de Análise - Verão 2001

Elementos de Análise - Verão 2001 Elemetos de Aálise - Verão 00 Lista Thomas Robert Malthus, 766-834, foi professor de Ecoomia Política em East Idia College e em seu trabalho trouxe à luz os estudos sobre diâmica populacioal. Um de seus

Leia mais

Cap. 4 - Estimação por Intervalo

Cap. 4 - Estimação por Intervalo Cap. 4 - Estimação por Itervalo Amostragem e iferêcia estatística População: cosiste a totalidade das observações em que estamos iteressados. Nº de observações a população é deomiado tamaho=n. Amostra:

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II ANÁLISE MATEMÁTICA II Acetatos de Ana Matos Séries Numéricas DMAT Séries Numéricas Definições básicas Chama-se série numérica a uma expressão do tipo a a 2, em geral representada por, ou, onde é uma sucessão

Leia mais