Perguntas freqüentes Credenciadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas freqüentes Credenciadores"

Transcrição

1 Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor? Resposta: Nas trasações com cartões de pagameto, em que o portador opte pelo facameto das compras pelo emssor, deverão ser formadas como se fossem à vsta, e pelo valor total da compra. A varável de aálse é a operação de compra e veda, e ão os recebmetos por parte do lojsta; assm, depedetemete do úmero de parcelas com as quas uma compra é realzada, ela é apeas uma operação e deve ser formada pelo valor total. Da mesma maera, quado formar acerca do úmero de operações fetas com uma parcela, cotablzar apeas as compras à vsta, ão devedo computar a prmera parcela de compras parceladas. Novamete aqu, vale a pea saletar que a varável de aálse é a operação de compra e veda e ão o mometo do recebmeto por parte do lojsta. 2 Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada (facameto do lojsta)? Resposta: As formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, a serem lqudadas de forma parcelada (parcelameto do lojsta ou do emssor) deverão ser prestadas de modo a evdecar o valor da trasação e ão o das parcelas. Por exemplo, uma compra cujo valor seja de R$600,00 para lqudação em ses parcelas, deverá ser formado como (uma) trasação o valor de R$600,00 e ão como 6 (ses) trasações o valor de R$00,00. 3 A tarfa de tercâmbo aplcável às trasações smlares sofreram alterações o decorrer do trmestre de referêca da formação. Como devo formar essa tarfa de tercâmbo? Resposta: As tarfas de tercâmbo formadas devem ser as tarfas efetvamete cobradas as operações do período de referêca e ão aquelas costates de tabela ou vgetes o fal do período. O percetual das tarfas de tercâmbo deverá ser calculado pela méda das tarfas de tercâmbo poderadas pelos respectvos valores das trasações smlares (trasações com o mesmo perfl ou as mesmas agregações) o decorrer do trmestre de referêca. Desse modo, a méda das tarfas que ão sofreram alteração o decorrer do trmestre será a própra tarfa de tercâmbo, equato aquelas que sofreram alteração serão formadas pela méda poderada das operações cursadas as respectvas agregações o respectvo período. 4. Como vou defr os segmetos, se houver varação a metodologa usada durate o período da pesqusa?

2 Os segmetos devem procurar segur os crtéros teros de classfcação da badera tedo o meor ível de desagregação possível que permta detfcar, em grades termos, o ramo de atuação do estabelecmeto comercal. O úmero máxmo de segmetos permtdo é de 20, sedo que um segmeto específco deve ser reservado para a classe de outros segmetos. Os omes dos segmetos devem ser memôcos de forma a permtr a compreesão da área de atuação. Se houver alguma varação a metodologa de classfcação dos segmetos ao logo do período de formação, sso deverá ser reportado ao Baco Cetral em espaço adequado para formações qualtatvas formado a data de modfcação, os segmetos que sofreram a modfcação, prcpas mplcações e, se possível, a relação etre os segmetos ates e depos da modfcação. 5. Qual crtéro deve ser utlzado para a escolha dos 5 maores e 200 meores estabelecmetos por segmeto, por trmestre que estão a tabela Rakg? Resposta: Para cada trmestre, deve-se calcular o volume facero total das vedas realzadas com cartões de pagameto do trmestre para cada comercate. Após o cálculo do volume, deve-se ordear os comercates de forma decrescete pelo volume facero de vedas com cartões de pagameto por segmeto dos estabelecmetos comercas. Para cada segmeto, os 5 maores serão os 5 prmeros dessa lsta ordeada e os 200 meores serão os últmos 200 da mesma lsta. A detfcação do comercate deve ser úca e válda para toda a sére, depedete da localzação deste os meses cosecutvos. 6. Na formação desagregada dos 5 maores e dos 200 meores comercates, devo clur o mesmo códgo de detfcação do comercate para todos os trmestres ou posso varar a detfcação para cada trmestre formado? Resposta: A detfcação do estabelecmeto deve ser úca e válda para toda a sére. Assm sedo, se para um determado estabelecmeto EXEMPLO o prmero trmestre de 999 fo atrbuído o detfcador A, em todos os trmestres em que ele for reportado, deverá ser reportado com o detfcador A e os trmestres em que ele ão ecessta ser reportado (ão fgura etre os 5 maores do segmeto) ehum outro estabelecmeto pode ter o detfcador A. 7. Teho uma defção dferete de estabelecmetos credecados atvos. Como devo proceder? Resposta: O coceto de estabelecmetos credecados atvos está defdo o relatóro como aquele que efetuou ao meos uma trasação com o cartão de pagameto os últmos 80 das. Este coceto deve ser segudo depedetemete do acompahameto gerecal realzado pelo credecador. Possíves adaptações devem ser realzadas, se ecessáro, a fm

3 de ateder ao coceto úco. A quatdade de estabelecmetos credecados atvos deve ser ajustada para a segute defção do relatóro a fm de permtr comparabldade etre os dferetes formates. 8. No cálculo da mha retabldade, se eu tver outros servços ão assocados aos cartões de pagameto, como devo proceder? Resposta: O objetvo da formação é aferr estrtamete a retabldade do egóco de cartões de pagameto. Somete os servços assocados à fução cartão de pagameto deve ter sua retabldade reportada. Se você tver outros servços ão assocados ao egóco de cartões, use algum crtéro de rateo, tato a parte de retabldade quato a parte de custos. O crtéro de rateo ão será defdo a pror, estado a cargo do formate determar aquele que acredte melhor ajustar a sua realdade. O mportate é que esse crtéro seja matdo ao logo do tempo e que, se requstado, possa ser replcado pelos tegrates do covêo. Sera teressate mater uma documetação a respeto, pos exste a possbldade de que seja demadada para esclarecmetos sobre o crtéro de rateo utlzado. 9. Posso colocar a mha retabldade recetas com outros servços? Resposta: Não. O objetvo da formação é aferr estrtamete a retabldade do egóco de cartões de pagameto. Somete os servços assocados à fução cartão de pagameto deve ser reportada. As rubrcas especfcadas como outros (seja servço, custos ou recetas) são reservadas apeas para formação referetes ao egóco de cartões de pagameto e ão cotemplados a desagregação daquele tem. Não devem ser formadas recetas com outros servços que ão sejam relacoados ao egóco de cartões de pagameto. 0. No questoáro qualtatvo sobre tegração / vertcalzação, como deve ser a mha potuação se quase todos os meus servços são tercerzados? Resposta: Aqu ão teressa se a efetva operacoalzação é realzada uma estrutura tera ou se é prestada por terceros. O foco deve estar a resposabldade e ão a operacoalzação. Ada que a rede tercerze a atvdade, se ela for de sua resposabldade perate os cletes do servço prestado, a resposta a ser dada é sm e um poto deve ser adcoado ao total. A cada fator presete, cuja resposabldade juto ao clete do servço prestado resde o credecador, deve-se atrbur um poto. A ota da tegração e vertcalzação surge da soma dos potos atrbuídos a cada perguta, podedo varar de zero a ses.. Como calculo o tempo médo para crédto a cota do comercate (das corrdos) após a veda? Resposta: A estatístca vsa obter formações acerca do tempo médo etre a data da veda e a data de recebmeto do pagameto efetuado pelo baco emssor ao credecador. O cálculo deve levar em cota a dfereça etre a data da veda e a data do recebmeto do pagameto pelo lojsta em das

4 corrdos. A formação deve revelar o tempo médo real efetvamete ocorrdo, e ão valores presetes em cotratos de prestação de servços. Deve ser calculado para cada operação de veda o prazo etre a veda e o crédto a cota do comercate. Depos deve-se calcular a méda smples do prazo de cada operação. Para mas detalhes, ver Exemplo Qual é o tempo médo poderado pelo motate facero para crédto a cota do comercate (das corrdos) após a veda? Resposta: A estatístca vsa obter formações acerca do tempo médo etre a data da veda e a data de recebmeto do pagameto efetuado pelo baco emssor ao credecador. O cálculo deve levar em cota a dfereça etre a data da veda e a data do recebmeto do pagameto pelo lojsta em das corrdos. A formação deve revelar o tempo médo real, efetvamete ocorrdo e ão valores presetes em cotratos de prestação de servços. Deve ser calculado para cada operação de veda o prazo etre a veda e o crédto a cota do comercate. Depos deve-se calcular a méda do prazo de cada operação poderado pelo volume facero da respectva operação. Para mas detalhes, ver Exemplo Como devo proceder para apurar o valor a ser formado o campo "Valor facado o crédto rotatvo" os casos em que o vecmeto da fatura, objeto de facameto o crédto rotatvo, ocorra em trmestre posteror ao período em que foram realzadas as compras ela laçadas? Resposta: Na apuração do valor a ser formado o campo "Valor facado o crédto rotatvo" deve-se cosderar todas as faturas que tveram saldo facado o crédto rotatvo o trmestre de referêca, depedetemete da data das compras ela laçadas. Assm, o valor formado o campo "Valor facado o crédto rotatvo", referete ao prmero trmestre de 200, poderá agregar saldo de compras efetuadas em período ateror ao da sére hstórca

5 Exemplo : Cálculo das Tarfas de Itercâmbo: Abaxo segue um exemplo smulado, compra por compra, para um trmestre qualquer: Note que as possíves dstções em termos de desagregações, ou dmesões de aálses (coluas a 6), há três grupos dsttos, dferecados pelas cores:. O prmero grupo, em vermelho, correspode a compras realzadas o segmeto G e em apeas uma parcela; 2. O segudo grupo, em verde, correspode a compras realzadas o segmeto G e em 2 parcelas. A varável de aálse é a compra e ão as parcelas. Dessa forma, uma compra em 2 parcelas correspode a apeas uma operação e é cotablzada pelo seu valor total cotado o período de referêca da compra; 3. O tercero grupo, em azul, correspode a compras realzadas o segmeto H e em uma parcela. Dessa forma, a agregação dos dados seram resultates três lhas, da segute forma: A prmera lha correspode às operações com fução crédto, produto A, badera X, modaldade puro, operações presecas, com autorzação eletrôca e com chp, realzadas o segmeto G e em apeas uma parcela. A tarfa de tercâmbo reportada essa lha é a tarfa de tercâmbo méda poderada pelo volume das operações desagregadas com essa especfcação (as três prmeras lhas de dados desagregados), segudo a fórmula: TI ( TI VF ) VF TI Tarfa de Itercâmbo méda poderada pelo volume; TI Tarfa de Itercâmbo da -ésma operação da agregação o período;

6 VF Valor facero da -ésma operação da agregação o período; Nº de compras realzadas a agregação o período. No exemplo acma, a tarfa de tercâmbo da lha vermelha fo resultado da operação: TI, ,2 20, O valor das trasações é a soma do valor facero das operações da agregação o período, segudo a fórmula: VT VF VT Soma do valor facero das operações a agregação o período; VF Valor facero da -ésma operação da agregação o período; Nº de operações realzadas o período. A colua Qtde trasações resultou da cotagem das operações da agregação o período. Na lha vermelha da tabela Dado agregado, observam-se três operações a agregação decorrete das três prmeras operações, em vermelho, a tabela Dado desagregado. Note que, mesmo que as lhas em verde da tabela Dado desagregado só se dstgam das operações em vermelho pelo º de parcelas, elas ão são agregadas de forma cojuta. Note ada que, como o objeto de aálse é a compra e ão a parcela, a prmera parcela referete a operações de maor úmero de parcelas ão é cotada a agregação º parcelas.

7 Exemplo 2: Pagameto parcelado pelo lojsta (ão clu crédto rotatvo): Segue abaxo quadro com cco operações todas realzadas o mesmo período, com fução crédto, produto A, badera X, modaldade puro, forma de captura presecal com autorzação eletrôca e cartão com chp, e em estabelecmeto do segmeto G. Passo: A últma lha da tabela acma, tarfa de tercâmbo méda da compra, resulta da méda artmétca smples das tarfas de tercâmbo de cada parcela; depedete do valor de cada parcela; segudo a fórmula: TI TIC TIC Tarfa de tercâmbo méda da compra; TI Tarfa de tercâmbo da -ésma operação da agregação o período; Nº de parcelas da compra. Note que o exemplo cotempla bascamete duas possbldades:. A tarfa de tercâmbo é gual em todas as parcelas da compra (exemplos C e E). Nesse caso, a tarfa de tercâmbo méda da compra é gual à tarfa de tercâmbo de cada parcela. 2. A tarfa de tercâmbo é dferete a partr de algumas parcelas específcas (exemplos B e D). Nesse caso tora-se ecessáro o cálculo da méda smples das tarfas de tercâmbo de cada parcela da compra, coforme fórmula acma. Passo 2: A agregação pelo º de parcelas da tarfa de tercâmbo, volume e º de operações dáse da segute forma:

8 A tarfa de tercâmbo agregada pelo úmero de parcelas, coforme a tabela Dado agregado acma exemplfca a forma de agregação da tabela fal. A tarfa de tercâmbo méda segue a fórmula especfcada abaxo: TI j ( TIC VF ) j j VF j j TI Tarfa de Itercâmbo méda poderada pelo volume; TIC j Tarfa de Itercâmbo méda da j-ésma compra da agregação o período (últma lha da tabela desagregada); VF j Valor facero do valor total da j-ésma compra da agregação o período (lha valor total a tabela desagregada); Nº de compras realzadas a agregação o período. No exemplo, para o cálculo da tarfa de tercâmbo méda das compras com apeas uma parcela, apeas a tarfa de tercâmbo da operação com uma parcela é cosderada. A tarfa de tercâmbo da prmera parcela de uma compra parcelada ão é cosderada o cálculo da tarfa méda das operações de uma parcela. Dessa forma, a tarfa de tercâmbo méda para compras com uma parcela resulta de: TI 00 2, 2, 00 Equato a tarfa de tercâmbo méda para compras com 2 parcelas resulta de: TI.500 2, , O valor das trasações é a soma do valor facero das compras da agregação o período, segudo a fórmula: VT j VF j VT Soma do valor facero das operações a agregação o período; VF Valor facero da j-ésma operação da agregação o período; j Nº de compras realzadas a agregação o período. A colua Qtde trasações resultou da cotagem das operações da agregação o período. Note que, como o objeto de aálse é a compra e ão a parcela, a prmera parcela referete a uma compra de maor úmero de parcelas ão é cotada a agregação º parcelas. Da mesma forma, as 2 parcelas de uma compra parcelada em 2 vezes compõem apeas uma operação de compra, de forma que as duas trasações parceladas em 2 vezes a tabela desagregada resultam a quatdade de trasações gual a 2.

9 Exemplo 3: Cálculo das taxas de descoto: Abaxo segue um exemplo smulado, compra por compra, para um trmestre qualquer: Note que as possíves dstções de desagregações, ou dmesões de aálses, (coluas a 3) há três grupos dsttos, dferecados pelas cores:. O prmero grupo, em vermelho, correspode a compras realzadas o segmeto A e em apeas uma parcela; 2. O segudo grupo, em verde, correspode a compras realzadas o segmeto A e em 2 parcelas. Note aqu que a varável de aálse é a compra e ão as parcelas. Dessa forma, uma compra em 2 parcelas correspode a apeas uma operação cotablzada pelo seu valor total cotado o período de referêca da compra; 3. O tercero grupo, em azul, correspode a compras realzadas o segmeto H e em uma parcela. Dessa forma, a agregação dos dados, teríamos três lhas resultates, da segute forma: A prmera lha correspode às operações com fução crédto, badera X, operações presecas, com autorzação eletrôca e com chp, realzadas o segmeto A e em apeas uma parcela. A taxa de descoto méda reportada essa lha é a taxa de descoto méda poderada pelo volume das operações desagregadas com essa especfcação (as três prmeras lhas de dados desagregados), segudo a fórmula: TD ( TD VF ) VF TD Taxa de Descoto méda poderada pelo valor; TD Taxa de Descoto da -ésma operação da agregação o período; VF Valor facero da -ésma operação da agregação o período; Nº de compras realzadas a agregação o período.

10 No exemplo acma, a tarfa de tercâmbo da lha vermelha fo resultado da operação:, ,2 20 TD, As estatístcas de mímo e máxmo referem-se às taxas de descotos mímas e máxmas efetvamete cobradas em compras realzadas observado-se os dados desagregados. O mímo é o meor valor observado detre todas as observações o período aalsado. O máxmo é o maor valor observado detre todas as observações o período aalsado. A colua Tx de descoto desv.pad é o desvo padrão das taxas de descoto cobradas aquela desagregação específca segudo a fórmula: σ TD ( ) 2 TD TDs σ TD Desvo-padrão da Tarfa de descoto o período TDs Taxa de Descoto méda; TD Taxa de Descoto da -ésma operação da agregação o período; Nº de compras realzadas a agregação o período Como exemplo para as trasações com 2 parcelas o segmeto A, teríamos: 2,5 + 2,8 TDs 2,65 2 σ TD (2,5 2,65) 2 + (2,8 2,65) 2 2 0,5 O valor das trasações é a soma do valor facero das operações da agregação o período, segudo a fórmula: VT VF VT Soma do valor facero das operações o período; VF Valor facero da -ésma operação o período; Nº de operações realzadas o período. A colua Qtde trasações resultou da cotagem das operações da agregação o período. Na lha vermelha da tabela Dado agregado observam-se três operações a agregação decorrete das três prmeras operações, em vermelho, a tabela Dado desagregado. Note que, mesmo que as lhas em verde da tabela Dado desagregado só se dstgam das operações em vermelho pelo º de parcelas, elas ão são agregadas de forma cojuta. Note ada que, como o objeto de aálse é a compra e ão a parcela, a prmera parcela referete a uma operação de maor úmero de parcelas ão é cotadas a agregação º parcelas gual a.

11 Exemplo 4: Taxa de descoto desagregada dvdualmete para os 5 maores estabelecmetos de cada segmeto e a méda dos 200 meores estabelecmetos de cada segmeto: Essa tabela vsa acompahar dvdualmete os 5 maores estabelecmetos credecados por cada segmeto e dados agregados dos 200 meores estabelecmetos de cada segmeto. Para efeto ddátco, lmtamos o exemplo a um grupo de 5 estabelecmetos, acompahado os cco maores dvdualmete e os dez meores de forma agregada. Para cada trmestre, deve-se calcular o valor total das trasações do trmestre para cada estabelecmeto. Após esse cálculo, deve-se ordeá-lo de forma decrescete; crado um rakg por trmestre, coforme as quatro últmas coluas da tabela abaxo de forma a detfcar os 5 maores e os 200 meores de cada segmeto. A detfcação do estabelecmeto deve ser úca e válda para toda a sére. A segur, apreseta-se o exemplo smplfcado com apeas 5 estabelecmetos do segmeto Outros, com fução crédto, badera X, forma de captura ão presecal e º de parcelas (operações à vsta), de forma a detfcar os 5 maores e os 0 meores para cada trmestre. Nota-se que a posção relatva dos estabelecmetos pode varar de um trmestre para o outro. Por exemplo: o estabelecmeto B ecotra-se classfcado etre os 5 maores o prmero e o quarto trmestre, mas ão o segudo e o tercero trmestres, quado ocupa respectvamete a 0º e 9º posções. Dessa forma, deve ser formado dvdualmete o prmero e quarto semestre e de forma agregada os demas. O estabelecmeto K aparece a 2ª posção o prmero trmestre, mas o quarto trmestre está classfcado a 5ª posção. Da mesma forma, deve ter sua posção dvdualmete formada apeas o quarto trmestre, sedo formado de forma agregada etre os dez meores os demas trmestres. Vale saletar que apeas para efeto ddátco o grupo dos cco maores e o cojuto dos dez meores toraram-se complemetares e exaustvos. Espera-se que a base de

12 dados real por segmeto o grupo dos 5 maores e 200 meores ão cotemple, ecessaramete, todos os estabelecmetos do segmeto. Dessa forma, deverá haver um cojuto de sttuções que ão terão seus valores formados seja de forma dvdualzada, seja de forma agregada. Caso haja um úmero de estabelecmetos credecados meor que 25 para um segmeto específco, deve-se formar de forma desagregada e dvdualzada os 5 maores estabelecmetos comercas e, a segur, de forma agregada os restates. Caso haja quze ou meos estabelecmetos em um segmeto específco, deve-se reportar as formações dvdualzadas de todos os estabelecmetos credecados aquele segmeto. A tabela abaxo exemplfca a forma agregada das formações: É mportate que os credecadores utlzem o mesmo códgo de detfcação do estabelecmeto para todos os períodos da amostra e também para os períodos segutes, depedete das posções relatvas dos estabelecmetos em cada período. O fato de um estabelecmeto ão estar presete etre os 5 maores em um período ão faz com que ele ão seja formado os demas. A tabela acma exemplfca e mostra a varação de ocupates das cco prmeras posções em cada período. A detfcação dos estabelecmetos deve-se dar por um dcador que o credecador atrbua ao estabelecmeto comercal válda para todo o período da amostra. Nota-se ada que a estatístca de méda das taxas de descoto se aplca apeas à agregação dos 200 (0 o exemplo) meores estabelecmetos (lha destacada em vermelho a tabela). Essa taxa deverá ser calculada como a taxa de descoto méda poderada pelo volume dos volumes desagregados dos estabelecmetos segudo a fórmula:

13 TD pod ( TD VF ) VF TD Taxa de Descoto méda poderada pelo volume; pod TD Taxa de Descoto do -ésmo estabelecmeto; VF Valor facero do -ésmo estabelecmeto; Nº de estabelecmetos, varado de zero a 200. No exemplo acma, referete ao prmero trmestre, sera a tarfa méda poderada dos estabelecmetos D, F, H, I, J, K, L, M, N, O, segudo a fórmula: TD pod,% 70,65 + 6,9% 548,23 + 7% ,% ,2% 280,83 + 7,3% 73, ,4% ,7% 3, + 7,8% %,77 6,2% 70, , , , , ,77 O valor das trasações é a soma do valor facero dos 200 (dez o exemplo) meores estabelecmetos do segmeto o trmestre, coforme a fórmula: VT VF VT Soma do motate facero dos 200 meores estabelecmetos do segmeto o período; VF Valor facero do -ésmo estabelecmeto do segmeto o período; Nº de estabelecmetos, podedo varar de 0 a 200. A colua Qtde trasações resultou da cotagem das operações dos duzetos (0 o exemplo) meores estabelecmetos o segmeto o período.

14 Exemplo 5: Defção dos segmetos O segmeto de mercado será defdo pelas baderas e pelos credecadores para cada trmestre e serão lmtados a 20 segmetos por trmestre sedo que o 20º segmeto será defdo como outros e terá o códgo 999. Importate ressaltar que os códgos atrbuídos ao segmeto ao logo de período podem varar de a 998, coforme ovos segmetos sejam crados ou substtuam segmetos exstetes. A tabela de segmeto de mercado terá as coluas de códgo, ome e descrção do segmeto. No º trmestre de 999, a badera X ou o credecador Y classfcou os segmetos da segute forma: No trmestre segute, 2º de 999, a badera X ou o credecador Y classfcou os segmetos de forma dferete, agrupou os atgos segmetos restaurates (códgo) e supermercado (códgo2) um ovo segmeto almetação (códgo20) e crou um ovo segmeto telemarketg (códgo2), matedo o total de 20 segmetos, coforme tabela a segur: Para efeto de remessa de dados, a cada modfcação deverão ser evados apeas os ovos códgos, omes e descrção e formações acerca da mudaça.

15 Exemplo 6: Tempo médo etre a data da veda e a data de recebmeto do pagameto efetuado pelo baco emssor ao credecador: A estatístca vsa obter formações acerca do tempo médo etre a data da veda e a data de recebmeto do pagameto efetuado pelo baco emssor ao credecador. A tabela abaxo exemplfca uma fote de dados desagregada de ode a formação sera retrada: As vedas e 2 referem-se a jaero, a veda 3 refere-se a feverero e a veda 4 a março. Note que apesar de os crédtos ao credecador terem ocorrdo em feverero, o tempo médo será computado o mês em que fo efetvada a veda. A tabela agregada resultate sera: O tempo médo etre a data da veda e a data do recebmeto do pagameto pelo credecador em das corrdos é calculado segudo a fórmula abaxo: Dtcr Dtv Tm t Tm t Tempo médo em das corrdos o t-ésmo mês;

16 Dtcr Data de crédto ao credecador da -ésma veda do período; Dtv Data de veda referete a -ésma veda do período; Nº de vedas realzadas o mês de referêca. No exemplo acma, para o mês de jaero, o tempo médo fo resultado da operação: Tm ja 29,5 2 O tempo médo etre a data da veda e a data do recebmeto do pagameto pelo credecador poderado pelo volume facero em das corrdos é calculado segudo a fórmula abaxo: Tm pod t (( Dtcr Dtv ) VF ) VF Tm pod t Tempo médo poderado pelo volume facero em das corrdos o t-ésmo mês; Dtcr Data de crédto ao credecador da -ésma veda do período; Dtv Data de veda referete a -ésma veda do período; VF Valor facero da -ésma veda do período; Nº de vedas realzadas o mês de referêca. No exemplo acma, para o mês de jaero, o tempo médo poderado fo resultado da operação: Tm pod ja 29,

17 Exemplo 7: Tempo médo para crédto a cota do estabelecmeto após a veda: A estatístca vsa obter formações acerca do tempo médo de crédto a cota do estabelecmeto após a veda. A tabela abaxo exemplfca uma fote de dados desagregada de ode a formação sera retrada: As vedas e 2 referem-se a jaero, a veda 3 refere-se a feverero e a veda 4 a março. Note que apesar de os crédtos ao lojsta terem ocorrdo em feverero, o tempo médo será computado o mês em que fo efetvada a veda. A tabela agregada resultate sera: O tempo médo do crédto ao lojsta em das corrdos é calculado segudo a fórmula abaxo: Dtcr Dtv Tm t Tm t Tempo médo em das corrdos o t-ésmo mês; Dtcr Data de crédto ao lojsta da -ésma veda do período; Dtv Data de veda referete a -ésma veda do período; Nº de vedas realzadas o mês de referêca.

18 No exemplo acma, para o mês de jaero, o tempo médo fo resultado da operação: Tm ja 32 2 O tempo médo do crédto ao lojsta poderado pelo volume facero em das corrdos é calculado segudo a fórmula abaxo: Tm pod t (( Dtcr Dtv ) VF ) VF Tm pod t Tempo médo poderado pelo volume facero em das corrdos o t-ésmo mês; Dtcr Data de crédto ao lojsta da -ésma veda do período; Dtv Data de veda referete a -ésma veda do período; VF Valor facero da -ésma veda do período; Nº de vedas realzadas o mês de referêca. No exemplo acma, para o mês de jaero, o tempo médo poderado fo resultado da operação: Tm pod ja 30,

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado.

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado. 1 Belo Horzote, 14 de abrl de 2007. À UNAFISCO SAÚDE AT.: Glso Bezerra REF: AVALIAÇÃO ATUARIAL Prezado Sehor, Em atedmeto à solctação de V.Sa., apresetamos, a seqüêca, os resultados do estudo referecado.

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL CÁLCULOS DE FINANÇAS MATEMÁTICA FINANCEIRA Semestre: A/2008 PROFESSOR: IRANI LASSEN CURSO: ALUNO: SUMÁRIO CÁLCULOS DE FINANÇAS INTRODUÇÃO...3. OBJETIVO:...3.2 FLUXO DE CAIXA...4.3

Leia mais

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações

15/03/2012. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações. Capítulo 2 Cálculo Financeiro e Aplicações Itrodução.1 Juros Smples Juro: recompesa pelo sacrfíco de poupar o presete, postergado o cosumo para o futuro Maora das taxas de uros aplcadas o mercado facero são referecadas pelo crtéro smples Determa

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecologa de Cataduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 5. Meddas de Posção cetral ou Meddas de Tedêca Cetral Meddas de posção cetral preocupam-se com a caracterzação e a

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária.

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária. 1 UTOR: Emeta Luz Herque M da Slva 1 Defções de razão e proporção, propredades; Graduado em Matemátca e habltado em ísca pelo UNIEB 2 Gradezas dretamete proporcoas e versamete proporcoas, Regra de três;

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Goverador Domgos Gomes de Aguar Flho Vce Goverador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GES- TÃO (SEPLAG)

Leia mais

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística BAC 0 - Estatístca Uversdade Federal de Itajubá - Campus Itabra BAC0 - ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA MEDIDAS DE CENTRO Méda Medda de cetro ecotrada pela somatóra de todos os valores de um cojuto,

Leia mais

1.1 Apresentação. do capítulo

1.1 Apresentação. do capítulo apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A Matemátca Facera trata da comparação de valores moetáros que estão dspersos ao logoo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

Capítulo 1 Matemática Financeira

Capítulo 1 Matemática Financeira apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A matemátca facera trata da comparação de valores moetáros ao logo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas de vestmeto e

Leia mais

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos!

( ) Editora Ferreira - Toque de Mestre. Olá Amigos! Olá Amgos! Hoje coloco à dsposção de vocês aqu a seção Toque de Mestre da Edtora Ferrera (www.edtoraferrera.com.br) as questões de Matemátca Facera cobradas o últmo cocurso da axa Ecoômca Federal (EF),

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler UNEMAT Uversdade do Estado de Mato Grosso Matemátca Facera http://www2.uemat.br/eugeo SÉRIE DE PAGAMENTOS 1. NOÇÕES SOBRE FLUXO DE CAIXA Prof. Eugêo Carlos Steler Estudar sem racocar é trabalho perddo

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS MERCANTIL DO BRASIL DISTRIBUIDORA TVM

MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS MERCANTIL DO BRASIL DISTRIBUIDORA TVM MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS MERCANTIL DO BRASIL DISTRIBUIDORA TVM Atualzação.: 29/08/2014 SUMÁRIO 1 PRINCÍPIOS GERAIS PARA MARCAÇÃO A MERCADO 3 INTRODUÇÃO 3 PRINCÍPIOS GERAIS 3 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO;

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO; Aplcação de Motores de Méda esão dedcados acoados por versor de frequêca e utlzação de um úco projeto em dferetes solctações de carga. Gleuber Helder Perera Rodrgues Esp. Eg. WEG Brasl gleuber@weg.et Alex

Leia mais

( Sistema Francês de Amortização )

( Sistema Francês de Amortização ) NA PRÁTICA A TEORIA É A MESMA ( Sstema Fracês de Amortzação ) Em um Cogresso, um Grupo de Professores e Autores composto por Admstradores, Ecoomstas, Cotadores e, todos Pertos Judcas, apresetam os segutes

Leia mais

Oitava Lista de Exercícios

Oitava Lista de Exercícios Uversdade Federal Rural de Perambuco Dscpla: Matemátca Dscreta I Professor: Pablo Azevedo Sampao Semestre: 07 Otava Lsta de Exercícos Lsta sobre defções dutvas (recursvas) e prova por dução Esta lsta fo

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

Cursos de Licenciatura em Ensino de Matemática e de EGI. Teoria de Probabilidade

Cursos de Licenciatura em Ensino de Matemática e de EGI. Teoria de Probabilidade Celso Albo FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Campus de Lhaguee, Av. de Moçambque, km, Tel: +258 240078, Fax: +258 240082, Maputo Cursos de Lcecatura em Eso de Matemátca

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Nota Técca o 037/2013-SRG/ANEEL Em 17 de mao de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Assuto: Cosoldação de todas as regulametações referetes à apuração de dspobldades de empreedmetos de geração de eerga

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://www.uemat.br/eugeo Estudar sem racocar é trabalho 009/ TAXA INTERNA DE RETORNO A taa tera de retoro é a taa que equalza o valor presete de um ou mas pagametos (saídas de caa) com o valor presete

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1)Um vestdor aplcou R$6,, gerado uma remueração de R$3, ao fal de um período de um ao (36 das). Calcular a taxa de juros paga a operação. = J/ = 3/6 =, ou % ou 63 = 6 (1+ 1) 63 = 6 + 6 63 6 = 6 3 = 6 =

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados 3.1. Meddas de Tedêca Cetral CAPÍTULO 3 MEDIDA DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE UFRG 1 Há váras meddas de tedêca cetral. Etre elas ctamos a méda artmétca, a medaa, a méda harmôca, etc. Cada uma dessas

Leia mais

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA Proessor Maurco Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA. Coceto Exstem mutas deções propostas por autores, objetvado estabelecer com clareza o que é estatístca, como por exemplo: Þ A Estatístca é um cojuto de métodos

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Maríla Brasl Xaver REITORA Prof. Rubes Vlhea Foseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odvaldo Texera Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odvaldo Texera Lopes REALIZAÇÃO

Leia mais

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro O mercado de reda fxa e a estrtra da taxa de jro No Brasl, a egocação o mercado de reda fxa egloba títlos públcos e títlos prvados. O strmeto para a expressão da remeração e/o o valor de mercado de cada

Leia mais

Capitulo 1 Resolução de Exercícios

Capitulo 1 Resolução de Exercícios S C J S C J J C FORMULÁRIO Regme de Juros Smples 1 1 S C 1 C S 1 1.8 Exercícos Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplcação de R$ 0.000,00 aplcados por um prazo de meses, à uma taxa de 2% a.m, os regmes

Leia mais

Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de 2013. Escola de. Pós-Graduação.

Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de 2013. Escola de. Pós-Graduação. Esaos Ecoômcos Escola de ós-graduação em Ecooma da Fudação Getulo Vargas N 746 ISSN 004-890 Amortzação de Dívdas e restações Costates: Uma Aálse Crítca Clovs de Faro Outubro de 203 URL: http://hdl.hadle.et/0438/232

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que Estatístca - Desvo Padrão e Varâca Preparado pelo Prof. Atoo Sales,00 Supoha que tehamos acompahado as otas de quatro aluos, com méda 6,0. Aluo A: 4,0; 6,0; 8,0; méda 6,0 Aluo B:,0; 8,0; 8,0; méda 6,0

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES Aa Mara Lma de Faras Luz da Costa Laurecel Com a colaboração dos motores Maracajaro

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO / ESTATÍSTICA LISTA 2 RESUMO TEÓRICO

RACIOCÍNIO LÓGICO / ESTATÍSTICA LISTA 2 RESUMO TEÓRICO RACIOCÍIO LÓGICO - Zé Carlos RACIOCÍIO LÓGICO / ESTATÍSTICA LISTA RESUMO TEÓRICO I. Cocetos Icas. O desvo médo (DM), é a méda artmétca dos desvos de cada dado da amostra em toro do valor médo, sto é x

Leia mais

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas.

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas. Físca plcada à Egehara vl II aulo Medes ENTRÓIDES Neste capítulo pretede-se troduzr o coceto de cetróde, em especal quado aplcado para o caso de superfíces plaas. Este documeto, costtu apeas um strumeto

Leia mais

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini INTRODUÇÃO TT405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Materal Ddátco - 2008 Prof Lúca R A Motah INTRODUÇÃO 2 INDICE INTRODUÇÃO 7 2 O CONCEITO E ORIGEM DA ENGENHARIA ECONÔMICA 8 3 MATEMÁTICA FINANCEIRA 9 3 CONCEITOS

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO:

MEDIDAS DE DISPERSÃO: MEDID DE DIPERÃO: fução dessas meddas é avalar o quato estão dspersos os valores observados uma dstrbução de freqüêca ou de probabldades, ou seja, o grau de afastameto ou de cocetração etre os valores.

Leia mais

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição:

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição: 6// IV. Juros: taxa efetva, equvalete e proporcoal Matemátca Facera Aplcada ao Mercado Facero e de Captas Professor Roaldo Távora IV. Taxa efetva Defção: É a taxa de juros em que a udade referecal de seu

Leia mais

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO DE JNEIRO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PLICÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGI PROBLEMS DE INSTBILIDDE DE ESTRUTURS Julaa Bragh Ramalho Raul Rosas e Slva lua de graduação do curso

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística Projeção de Ceáros Aplcados ao Orçameto Empresaral Com revsão das Ferrametas de Estatístca Prof. Dr. Marco Atoo Leoel Caetao TÓPICO Tratameto, Quatfcação e Vsualzação de Dados Faceros. Itrodução Na dvulgação

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO Núcleo das Cêcas Bológcas e da Saúde Cursos de Bomedca, Ed. Físca, Efermagem, Farmáca, Fsoterapa, Fooaudologa, Medca Veterára, Muscoterapa, Odotologa, Pscologa MEDIDAS DE DISPERSÃO 9 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO

Leia mais

Econometria: 3 - Regressão Múltipla

Econometria: 3 - Regressão Múltipla Ecoometra: 3 - Regressão Múltpla Prof. Marcelo C. Mederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. Marco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo de regressão

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA versão mpressa ISSN 00-7438 / versão ole ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA Luís Alberto Duca Ragel UFF-COPPE/PEP/UFRJ

Leia mais

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM Fabríca D. Satos, Lucla G. Rbero, Leoardo G. de R. Guedes, Weber Marts Uversdade Católca de Goás, Departameto de Computação Uversdade

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø.

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø. Professor Maurco Lutz 1 EGESSÃO LINEA SIMPLES A correlação lear é uma correlação etre duas varáves, cujo gráfco aproma-se de uma lha. O gráfco cartesao que represeta essa lha é deomado dagrama de dspersão.

Leia mais

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1.

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1. Iterpolação Iterpolação é um método que permte costrur um ovo cojuto de dados a partr de um cojuto dscreto de dados potuas cohecdos. Em egehara e cêcas, dspõese habtualmete de dados potuas, obtdos a partr

Leia mais

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13.

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13. SUMARIO 2 MÉTODO ESTATÍSTICO...3 2. A ESTATÍSTICA...3 2.2 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO...4 3 FERRAMENTAS DE CÁLCULO PARA O ESTUDO DA ESTATÍSTICA...5 3. FRAÇÃO...5 3.. Adção e subtração...5 3..2 Multplcação

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Swap

Caderno de Fórmulas. Swap Swap Elaboração: Abrl/25 Últma Atualzação: 5/4/216 Apresetação O adero de Fórmulas tem por objetvo oretar os usuáros do Módulo de, a compreesão da metodologa de cálculo e dos crtéros de precsão usados

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Títulos Públicos - Cetip 21

Caderno de Fórmulas. Títulos Públicos - Cetip 21 Cadero de Fórmulas Títulos Públcos - Cetp 21 Últma Atualzação: 21/06/2017 Cadero de Fórmulas Apresetação Títulos Públcos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de

Leia mais

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL Dese de Mrada e Slva Correa Vâa Barcellos Gouvêa Campos Isttuto Mltar de Egehara Resumo Neste trabalho apreseta-se uma aálse espacal

Leia mais

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida Gestão de Sstemas de Produção/Operações Profº Túlo de Almeda 3. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E INDICADORES 3.1. INDICADORES DE DESEMPENHO Os dcadores são tes essecas para qualquer tpo de projeto, processo,

Leia mais

Revisão de Estatística X = X n

Revisão de Estatística X = X n Revsão de Estatístca MÉDIA É medda de tedêca cetral mas comumete usada ara descrever resumdamete uma dstrbução de freqüêca. MÉDIA ARIMÉTICA SIMPLES São utlzados os valores do cojuto com esos guas. + +...

Leia mais

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST º Semestre 05/6 3º TRABALHO LABORATORIAL CIRCUITO RLC SÉRIE em Regme Forçado Alterado Susodal Prof. V. Maló Machado Prof. M. Guerrero das Neves Prof.ª Mª Eduarda Pedro Eg.

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

7 Análise de covariância (ANCOVA)

7 Análise de covariância (ANCOVA) Plejameto de Expermetos II - Adlso dos Ajos 74 7 Aálse de covarâca (ANCOVA) 7.1 Itrodução Em algus expermetos, pode ser muto dfícl e até mpossível obter udades expermetas semelhtes. Por exemplo, pode-se

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A.

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A. MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS M. Z. Nascmeto, A. F. Frère e L. A. Neves INTRODUÇÃO O cotraste as radografas vara ao logo do campo de

Leia mais