Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA"

Transcrição

1

2

3 Maríla Brasl Xaver REITORA Prof. Rubes Vlhea Foseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

4 MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odvaldo Texera Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odvaldo Texera Lopes REALIZAÇÃO Dados Iteracoas de Catalogação a Publcação (CIP) C834e Costa, Fabríco Marts da Estatístca / Fabríco Marts da Costa Belém: UEPA / Cetro de Cêcas Socas e Educação, p.; I. ISBN: Estatístca. I. Uversdade Estadual do Pará. II. Título. Ídce para catálogo sstemátco. Estatístca: 59. CDU: 59. CDD: 59.5 Belém - Pará - Brasl - 0 -

5 APRESENTAÇÃO. Prezado (a) aluo (a), este lvro ddátco fo elaborado com muto cudado vsado uma apredzagem autôoma. O que é Estatístca? Qual a utldade? Essas e outras pergutas tetaremos respoder o decorrer do lvro. Hoje em da percebemos que a Estatístca está pratcamete ao osso redor de uma forma tão forte, por exemplo, fala-se o otcáro de televsão que houve um aumeto as estatístcas de acdetes, ou que a probabldade de rebaxameto de um clube para sére B do campeoato braslero de futebol é 70%. O ENEM (Exame acoal do eso médo) adotará este ao um ovo formato, usar-se á Estatístca mas precsamete a Teora de Resposta ao Item (TRI). Quado os meos de comucação otcam um assuto com relação à estatístca, será que você etede por completo ou fca algo sem compreesão? Por exemplo, a ota méda do Eem aumetou com relação ao ao passado. Prmero, as provas dos dos aos estão a mesma escala? Se as provas ão estão a mesma escala ão pode haver comparações! Logo, temos que fcar atetos a tudo que se fala os meos de comucação, pos, vvemos a era da globalzação e o adveto da teret. Precsamos estar ateados para ão cometer ehum tpo de erro grossero. Este materal ddátco ão tem como objetvo formar estatístcos, mas formar profssoas que possam utlzar corretamete as téccas estatístcas em uma pesqusa mas especfcamete aálse dos dados. Sabemos que atualmete os problemas cetífcos ecesstam de város profssoas para serem resolvdos. Por exemplo, para realzar um Ceso, podemos ter a preseça de pelo meos os segutes profssoas: admstradores, estatístcos, matemátcos, socólogos, etc. Isto ocorre devdo a ossa socedade que a cada da tora-se mas complexa. E sto requer pessoas capactadas para resolver os problemas da atualdade. Logo, domar os cocetos báscos de Estatístca este mometo lhe proporcoará o futuro uma grade vatagem em relação aos demas profssoas, pos, a Estatístca está presete em váras as áreas. Por exemplo, Áreas de Aplcação da Estatístca: Pesqusa (Artes, Arqueologa, Cêcas Agráras, Cêcas Exatas, Cêcas Socas, Lteratura, Meo Ambete, Mercado, Petróleo), Idústra e Negóco (Cotrole de Qualdade, Prevsão de Demada, Gerecameto Efcete, Mercado e Faças), Medca (Dagóstco, Progóstco, Esaos Clícos), Dreto (Evdêca estatístca, teste de DNA, vestgação crmal), Ecooma (Téccas Ecoométrcas e Séres Temporas). Estude cudadosamete este materal. Refaça os exemplos apresetados e busque apoo as dcações forecdas o tópco pesqusado. Depos de fazer sto, faça as questões propostas que estão o fal de cada udade que estão de acordo com os exemplos apresetados. Teham um bom estudo!

6

7 SUMÁRIO Udade Cohecedo a Estatístca. 9 Udade Represetação Tabular. 7 Udade 3 Meddas de Tedêca Cetral 38 Udade 4 Meddas de Dspersão. 55

8

9 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação UNIDADE CONHECENDO A ESTATÍSTICA Nesta udade, estaremos apresetado a cêca estatístca. Mostraremos sua mportâca o estudo cetfco e como ela está presete o osso cotdao. Icalmete estudaremos os segutes tes:. Itrodução. Defções.3 Cocetos atuas.4 Cocetos mportates.5 Tpos de varáves. INTRODUÇÃO Na verdade a Estatístca é uma cêca muto útl os das atuas, etretato ela precsa ser etedda de forma correta. Por exemplo, mutas pessoas acham que Estatístca composta apeas de gráfcos e tabelas, e assumem este coceto errado de forma tão cocreta que são capazes de acetar algo cotráro. Isto se dá em vrtude de város fatores, por exemplo, o modo como uma otca é dada a mída, em mutas ocasões o meo de comucação descohece a estatístca e fazem afrmações sem fudameto a respeto do assuto. Afal o que é Estatístca? A palavra Estatístca vem de Status (Estado, em Latm). Etão ela sgfca estudo do estado. 9

10 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca. DEFINIÇÕES Abaxo temos algumas defções sobre Estatístca. A Estatístca está teressada os métodos cetífcos para a coleta, orgazação, resumo, apresetação e aálse de dados, bem como a obteção de coclusões váldas e a tomada de decsões razoáves, baseadas em tas aálses. (SPIEGEL, 994, p. ). Etedemos a Estatístca como um cojuto de téccas que permte, de forma sstemátca, orgazar, descrever, aalsar e terpretar dados orudos de estudos ou expermetos, realzados em qualquer área de cohecmeto. (MAGALHÃES, 00, p.)..3 CONCEITOS ATUAIS Estatístca: é a cêca que se preocupa com coleta, aálse, terpretação e apresetação dos dados, permtdo-os a obteção de coclusões váldas a partr destes dados, bem como a tomada de decsões razoáves baseadas essas coclusões. A Estatístca se dvde ddatcamete em duas partes: Estatístca Descrtva: é aquela que se preocupa com a coleta, aálse, terpretação e apresetação dos dados estatístcos. Estatístca Idutva: também cohecda como amostral ou ferecal, é aquela que partdo de uma amostra, estabelece hpóteses sobre a população de orgem e formula prevsões fudametado-se a teora das probabldades..4 CONCEITOS IMPORTANTES População: é todo cojuto, fto ou fto, que possu ao meos uma característca em comum etre todos os seus elemetos compoetes. População Fta: é aquela população em que é possível eumerar todos os seus elemetos compoetes. Exemplos: Idade dos aluos da UEPA; as otas dos aluos da dscpla Estatístca ou o úmero de cosumdores de algum produto. População Ifta: é aquela população em que ão é possível eumerar todos os seus elemetos compoetes. Exemplo: O úmero de astros o uverso. Ceso: é o cojuto dos dados estatístcos dos habtates de uma cdade, estado, etc, com todas as suas característcas, um determado período de tempo. É a coleta exaustva das formações de todas as N udades da população. Amostra: é um subcojuto, uma parte selecoada da totaldade de observações abragdas pela população da qual se quer ferr alguma cosa. (parte represetatva da população) Amostragem: é o processo de coleta das formações de parte da população - - chamada amostra, medate métodos adequados de seleção destas udades. 0

11 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação População Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Amostra Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y.5 TIPOS DE VARIÁVEIS N a Estatístca os deparamos com dversas varáves, ates de realzar algum estudo estatístco é ecessáro cohecer as varáves, pos para cada tpo de varável exste um teste estatístco especfco, por exemplo, Supoha que 50 craças foram expostas a três tpos de comercas de TV, sobre cereas para café da mahã. Após a exposção fo solctado a cada craça para dcar qual dos comercas ela gostou mas. O que se deseja saber é se a escolha do comercal está relacoada ao gêero da craça: pos se suspeta de que o gêero pode estar fluecado a escolha do comercal. Neste caso utlzaremos o teste de Idepedêca. Pos, as varáves são qualtatvas. Qualtatvas Quattatvas Nomas Ordas Dscretas Cotíuas Classfcação das varáves.5. Varáves qualtatvas Quado seus valores são expressos por atrbutos, de forma ão umérca. Ex: Estado cvl, sexo, raça, cor dos cabelos, ível de strução, classe socal As varáves qualtatvas se dvdem em Nomal e Ordal. Varável Nomal é aquela para a qual ão exste ehuma ordeação as prováves realzações. Ex.: População: Aluos do Eso a Dstâca Varáves: Sexo, relgão, aturaldade, cor, tpagem saguíea. A varável ordal é aquela para a qual exste uma ordem ou herarqua os possíves resultados. Ex.: População: Fucoáros das empresas paraeses. Varáves: Classe socal, grau de strução.

12 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca.5. Varáves quattatvas Quado seus valores são expressos por úmeros. Ex: dade, peso, temperatura, úmero de flhos, volume, tempo, massa. As varáves quattatvas ada são classfcadas como: dscreta: quado os seus valores podem eumerados. Ex. Número de acertos a Mega Sea (0,,, 3, 4, 5 e 6). cotíua: quado os seus valores podem ser qualquer um um tervalo. Ex. Alturas dos jogadores de um tme de futebol (,5 m;,0 m;,79 m...).6 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO Agora estudaremos os segutes tes:.6. Defção do Problema.6. Plaejameto.6. Defção do problema.6. Plaejameto.6.3 Coleta de dados.6.4 Crítca dos dados.6.5 Apresetação dos dados.6.6 Aálse e terpretação dos dados Para chegar ao estágo de terpretação de dados, que é o objetvo fal de uma pesqusa, é precso passar por algumas etapas, deomadas fases do método estatístco. Saber exatamete o que se pretede pesqusar é o mesmo que defr corretamete o problema. Portato, a prmera fase cosste em uma defção ou formulação correta do problema a ser estudado. Por exemplo: A ota méda o ENEM dos aluos do estado do Pará é meor do que as dos aluos dos outros estados? Nele se determa o procedmeto ecessáro para resolver o problema, como levatar formações sobre o assuto objeto do estudo. Nesta fase é mportate a escolha das pergutas, que, a medda do possível, devem ser fechadas. No caso de um expermeto, deve-se atetar para os objetvos que se pretede alcaçar. O levatameto de dados pode ser de dos tpos: Cestáro (quado evolve toda a população) Por amostragem (quado é utlzada uma fração da população) Outros elemetos do plaejameto de uma pesqusa são: croograma das atvdades, custos evolvdos, exame das formações dspoíves, deleameto da amostra, etc Coleta de dados. É o regstro sstemátco de dados, com um objetvo determado. Dados prmáros: Quado são publcados pela própra pessoa ou orgazação que os haja recolhdo.

13 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Dados secudáros: Quado são publcados por outra orgazação. Ex: quado determado joral publca estatístcas referetes ao ceso demográfco extraídas do IBGE. É mas seguro trabalhar com fotes prmáras. O uso da fote secudára traz o grade rsco de erros de trascrção. Cosste a busca ou complação dos dados. Quato ao tempo, ela pode ser classfcada em: a) Cotíua: quado realzada permaetemete. Ex.: flação, regstros de ascmetos e óbtos. b) Peródca: quado é feta em tervalos de tempo. Ex.: Iflação mesal, ceso. c) Ocasoal: quado efetuada sem época preestabelecda. Ex.: pesqusa de mercado, pesqusa eletoral..6.4 Crítca dos dados Objetva a elmação de erros capazes de provocar futuros egaos. Faz-se uma revsão crítca dos dados, suprmdo os valores estrahos ao levatameto..6.5 Apresetação dos dados A orgazação dos dados deoma-se Sére Estatístca. Sua apresetação pode ocorrer por meo de tabelas ou gráfcos..6.6 Aálse e terpretação dos dados Esta fase cosste em trar coclusões que auxlem o pesqusador a resolver seu problema, descrevedo o feômeo através do cálculo de meddas estatístcas, especalmete as de posção e as de dspersão. O objetvo últmo da estatístca é trar coclusões sobre o todo (população) a partr de formações forecdas por parte represetatva do todo (amostra). Assm, realzadas as fases aterores, fazemos uma aálse dos resultados obtdos através dos métodos da estatístca dutva ou ferecal, que tem por base a dução ou a ferêca, e tramos desses resultados coclusões e prevsões. O segute esquema pretede resumr as dferetes etapas que ormalmete são segudas um procedmeto estatístco: ALGUNS EXEMPLOS DE APLICAÇÃO DA ESTATÍSTICA População Amostra Característcas populacoas Estatístca Idutva Estudo da amostra: - tabelas - gráfcos - meddas - Estatístca Descrtva Característcas amostras 3

14 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Teora da resposta ao tem Uma Uversdade pretede estudar a profcêca dos estudates submetdos ao processo seletvo e os parâmetros dos tes (questões) da prova. População Cojuto de todos os estudates submetdos ao exame. Amostra Cojuto de algus estudates submetdos ao exame, que foram selecoados. Problema Estudar a profcêca dos estudates e os parâmetros dos tes (questões) pelo método da Máxma verossmlhaça margal. Medca Pretede-se estudar o efeto de um ovo medcameto para curar determada doeça. É selecoado um grupo de 0 doetes, admstrado-se o medcameto a 0 desses doetes escolhdos ao acaso, e o medcameto habtual aos restates. População Cojuto de todos os doetes com a doeça especfca. Amostra Cojuto dos 0 doetes selecoados. Problema Pretede-se, a partr dos resultados obtdos, realzar um teste de hpóteses para tomar uma decsão sobre qual dos medcametos é melhor. Cotrole de qualdade O admstrador de uma fábrca de parafusos pretede assegurar-se de que a percetagem de peças defetuosas, ão excede um determado valor, a partr do qual determada ecomeda podera ser rejetada. População Cojuto de todos os parafusos fabrcados pela fábrca. Amostra Cojuto de algus parafusos, escolhdos ao acaso, de etre o lote de produzdos. Problema A partr da percetagem de parafusos defetuosos presetes a amostra, estmar a percetagem de defetuosos em toda a produção. Pedagoga Um cojuto de pedagogos desevolveu uma técca ova para a apredzagem da letura a escola prmára, a qual, segudo dzem dmuem o tempo de apredzagem relatvamete ao método habtual. População Cojuto dos aluos que etram para a escola prmára sem saber ler. Amostra Cojuto de aluos de algumas escolas, selecoadas para o estudo. Os aluos foram separados em dos grupos para se aplcarem as duas téccas em cofroto. Problema A partr dos tempos de apredzagem obtdos verfcar se exste evdêca sgfcatva para afrmar que os tempos com a ova técca são meores. ATIVIDADES ) Classfque as varáves abaxo em quattatvas ou qualtatvas: a) Número de lvros em uma estate de bbloteca. b) Frequêca cardíaca. 4

15 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação c) Dâmetro de artéra. d) Raça e) QI (Quocete de telgêca). f) Dâmetro de esferas. g) Número de casas de uma cdade sem rede de esgoto. h) Classfcação de um pacete quato ao estago de uma determada doeça. ) Nota em uma prova de Estatístca j) Classfcação em um cocurso ) Classfquem em varáves qualtatvas ou quattatvas, as varáves que estão o texto abaxo. O Grupo de Estudos em Pesqusas Estatístcas e Computacoas (GEPEC) e o Laboratóro de Sstemas de Iformação e Georeferecameto (LASIG), ambos da UFPA, realzaram mas uma pesqusa amostral durate a VII Parada do Orgulho GLBT, que acoteceu o da 4 deste mês, em Belém. A catva do GEPEC e do LASIG de estudarem o uverso dos gays, lésbcas, bssexuas e trasgêeros começou a Parada do Orgulho GLBT de 007, dado cotudade este ao. Os etrevstados foram abordados em dferetes potos do eveto e respoderam a questões pessoas como dade, reda famlar, raça, grau de escolardade. Quado o assuto fo saúde, por exemplo, os etrevstados dsseram se usam ou ão camsha. Abordado assutos socas, os pesqusadores pergutaram sobre adoção de craça, partcpação em movmetos socas e cohecmetos de projetos de les que beefcem a classe GLBT. Somada a esses assutos, a questão da volêca sofrda por eles também fo abordada. Para a coordeadora da pesqusa, a professora Sílva Almeda, os prcpas resultados da avalação deste ao, a serem observados, referem-se ao fato de 48,78% dos GLBT s declararem que já sofreram algum tpo de homofoba. Quato ao tpo de homofoba, pode-se destacar que 75% dos partcpates declararam que sofreram dscrmação. Quato ao tpo de dscrmação sofrda, destaca-se que 30,3% dos GLBT s declararam terem recebdo tratameto dferecado; 8,8% foram excluídos ou margalzados em ambete famlar, todos por cota de sua oretação sexual. A mportâca geral deste trabalho cosste em cotrbur para futuras polítcas socas e de saúde públca, o que se refere aos homossexuas. Além de cotrbur para o combate das dscrmações e das volêcas sofrdas pela classe GLBT, ressaltou Sílva Almeda, avalado também os beefícos deste trabalho para a comudade acadêmca. Além da formação de baco de dados para futuras publcações cetífcas, tato a área de estatístca quato as outras áreas, como, por exemplo, Cêcas Socas, Polítca, etre outras, falzou. (Texto: Dadara Almeda - Assessora de Comucação UFPA.Foto: Dvulgação Google) 3) Classfque cada uma das varáves abaxo em qualtatva (omal / ordal) ou quattatva (dscreta / cotíua): a) Turma a que o aluo fo alocado (A ou B); b) Iteção de voto para presdete (possíves respostas são os omes dos caddatos, além de ão se). c) Perda de peso de maratostas a Corrda de São Slvestre, em qulos. d) Tolerâca ao cgarro (dferete, comoda pouco, comoda muto) e) Grau de satsfação da população braslera com relação ao trabalho de seu presdete (valores de 0 a 5, com 0 dcado totalmete satsfeto e 5 totalmete satsfeto). f) Tolerâca ao cgarro (dferete, comoda pouco, comoda muto). g) Itesdade da perda de peso de maratostas a Corrda de São Slvestre (leve, moderada, forte). h) Ocorrêca de hpertesão pré-atal em grávdas com mas de 35 aos (sm ou ão são possíves respostas para esta varável). 5

16 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca 4) Qual a prcpal etapa da fase do método estatístco? 5) Elabore uma stuação pratca e aplque as fases do método estatístco. 6) Cte uma stuação do seu da a da, em que se observa o uso da estatístca. PESQUISANDO Apreda mas sobre a hstóra da estatístca e os cocetos estudados, acessado os segutes stes:

17 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação UNIDADE REPRESENTAÇÃO TABULAR Nesta udade, trataremos da questão das tabelas e gráfcos estatístcos. Também observaremos as séres estatístcas que são de fudametal mportâca o estudo descrtvo. Pos, em todo estudo estatístco os dados observados ecesstam serem orgazados para que se faça a aálse dos mesmos. Estudaremos esta udade os segutes tes: Tabelas estatístcas. Tabela. Séres estatístcas.3 Represetação gráfca.4 Tpos de gráfcos.5 Dstrbução de frequêcas TABELAS ESTATÍSTICAS A apresetação tabular é uma apresetação umérca dos dados. Cosste em dspor os dados em lhas e coluas dstrbuídos de modo ordeado, segudo algumas regras prátcas adotadas pelos dversos sstemas estatístcos. As regras que prevalecem o Brasl foram fxadas pelo Coselho Nacoal de Estatístca.. Tabela: é um quadro que resume um cojuto de observações. As tabelas têm a vatagem de cosegur expor, stetcamete em um só local, os resultados sobre determado assuto, de modo a se obter uma vsão global mas rápda daqulo que se pretede aalsar. Uma tabela compõe-se de: título, cabeçalho, corpo, rodapé e coluas (dcadoras e umércas). Corpo da Tabela Título: O que? (fato) Ode?(lugar) Quado? (tempo) Cabeçalho Colua Colua O cruzameto de lha com a colua dcadora Numérca chama-se casa ou célula. Rodapé: fote, otas, observações. 7

18 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Obs: ) Recomeda-se ão delmtar (fechar) por traços vertcas, os extremos da tabela, à dreta e à esquerda; ) Usa-se um traço horzotal ( - ) quado o dado for ulo, exst o feômeo; 3) Usa-se (...) quado ão se dspuser dos dados, embora ele possa ser quatfcado; 4) Usa-se zero (0) quado o valor é muto pequeo para ser expresso pela udade utlzada. 5) Usa-se uma terrogação (?) quado o valor é duvdoso.. - SÉRIES ESTATÍSTICAS É um cojuto de dados estatístcos referecados aos segutes fatores: tempo, local e feômeo... Sére Temporal ou Croológca: Nesta sére o elemeto de varação é o tempo (da, mês, ao, etc) Cabeçalho Colua dcadora Produção de café o Brasl em Aos Produção (.000 t) Título Colua umérca Corpo Fote: IBGE Rodapé.. Sére Geográfca: O elemeto de varação é o lugar (mucípo, barro, escola, etc.) Rebahos brasleros Espéce Quatdade (.000 cabeças) Bovos Ovos Capros.59 Suíos Fote: IBGE 8

19 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação..3 Sére Especfcatva O elemeto de varação é a espéce (materal escolar, produto de uma fabrca, remédos, etc.) Produção de veículos de Autopropulsão Brasl -993 Tpos Quatdade Automóves Comercas Leves Comercas Pesados Fote: ANFAVEA..4 Sére Msta: É a jução de duas ou mas séres smples (geográfca, especfcatva ou temporal). Nº de Casos de Malára por Mucípo o período de 993 a 996 Mucípo Aos Abaetetuba Aadeua Barcarea Belém Fote: Pesqusa de Campo do Curso de Farmáca-UFPA, feverero de REPRESENTAÇÃO GRÁFICA Em relação a uma tabela estatístca um gráfco estatístco possblta uma mpressão vsual mas rápda da dstrbução dos valores em estudo. Isto ão sgfca que a represetação tabular seja de pouca, mas a represetação gráfca vem para complemetá-la. Os gráfcos estatístcos propcam uma déa cal mas satsfatóra da cocetração e dspersão dos valores, uma vez que através deles os dados estatístcos se apresetam em termos de gradezas vsualmete terpretáves. O que é um gráfco estatístco? É uma forma de apresetação dos dados estatístcos, cujo objetvo é o de produzr, o vestgador ou o públco em geral, uma mpressão mas rápda e vva do feômeo em estudo, já que os gráfcos falam mas rápdo à compreesão que as séres..3. Requstos fudametas de uma represetação gráfca: a) Smplcdade: Deve possbltar a aálse rápda do feômeo em estudo. Deve coter apeas o essecal. b) Clareza: Deve possbltar uma correta terpretação dos valores represetatvos do feômeo em estudo. c) Veracdade: Deve expressar a verdade sobre o feômeo em estudo. 9

20 Produção Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca.4 TIPOS DE GRÁFICOS. a) Dagramas: São gráfcos geométrcos de o máxmo duas dmesões. Para sua costrução usa-se o sstema cartesao. b) Cartogramas: É a represetação sobre uma carta geográfca, sedo muto usado a Geografa, Hstóra e Demografa. c) Pctogramas: A represetação gráfca costa de fguras represetatvas do feômeo. Desperta logo a ateção do públco..4. Gráfco em lha ou em curva: Este tpo de gráfco utlza a lha polgoal para represetar a sére estatístca. Costtu uma aplcação do processo de represetação das fuções um sstema de coordeadas cartesaas. Neste sstema faz-se uso de duas retas perpedculares; as retas são os exos coordeados e o poto de tersecção, a orgem. O exo horzotal é deomado exo das abscssas (ou exo dos x) e o vertcal, exo das ordeadas (ou exo dos y). Cosdere a sére abaxo: Produção de café o Brasl em Aos Produção (.000 t) Fote: IBGE Toma-se a colua dos ANOS como abscssas e a colua de PRODUÇÃO como ordeadas. Desta forma, um ao dado (x) e a respectva quatdade da produção (y) formam um par ordeado (x,y), que pode ser represetado um sstema cartesao. Determados, grafcamete, todos os potos da sére, usado as coordeadas, lga-se todos estes potos, dos a dos, por segmetos de reta, que rão dar uma polgoal, que é o gráfco em lha ou em curva correspodete ao gráfco abaxo. Produção de café o Brasl, Aos 0

21 Vedas Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação.4. Gráfco em colua ou em barras: É a represetação de uma sére por meo de retâgulos, dspostos vertcalmete (em coluas) ou horzotalmete (em barras). Quado em coluas, os retâgulos têm a mesma base e as alturas são proporcoas aos respectvos dados. E Quado em barras, os retâgulos têm a mesma altura e os comprmetos são proporcoas aos respectvos dados. Dada a sére abaxo. Aos Vedas Fote: Departameto de marketg da Compaha X Abaxo temos a represetação gráfca da sére acma. Vedas de seguros da Compaha X, , Brasl Aos

22 N de mgrates Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca NOTAS: Sempre que os dzeres a serem scrtos forem extesos, deve-se dar preferêca ao gráfco em barra (séres geográfcas e específcas). Se ada assm preferr o gráfco em colua, os dzeres deverão ser dspostos de baxo para cma, uca ao cotráro. A ordem a ser observada é a croológca, se a sére for hstórca, e a decrescete, se for geográfca ou categórca. À dstâca etre as coluas (ou barras), por questões estétcas, ão deverá ser meor que a metade em maor que os dos terços da largura (ou da altura) dos retâgulos..4.3 Gráfco em colua ou em barras múltplas: Este tpo de gráfco é geralmete empregado quado se deseja represetar, smultaeamete, dos ou mas feômeos estudados com o propósto de comparação. Etrada de mgrates em três Estados do Brasl Número de mgrates Aos Total Estados Amapá São Paulo Paraá Fote: Fctíca Abaxo temos a represetação gráfca da sére acma Amapá São Paulo Paraá Aos.4.4 Gráfco em setores: Este gráfco é costruído com base em um círculo, e é empregado sempre que se deseja ressaltar a partcpação do dado o total. O total é represetado pelo círculo, que fca dvddo em tatos setores quatas são as partes. Os setores são tas que suas áreas são respectvamete proporcoas aos dados da sére. Obtém-se cada setor por meo de uma regra de três smples e dreta, lembrado que o total da sére correspode a 360º.

23 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Vacas Quatdade BCG 3000 Sab 5000 Tríplce 500 Sarampo 600 Hepatte 400 Total 0500 Fote: Sespa-PA Temos: º 3000 X X = 0,86 X = 03º X = 7,43 X = 7º; X 3 =5,43 X 3 = 5º; X 4 =0,57 X 4 = 0º; X 5 = 3,7 X 5 = 4º Com esses dados (valores em graus), marca-se um círculo de rao arbtráro, com um trasferdor, os arcos correspodetes, obtedo o gráfco: 3

24 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca NOTAS: O gráfco em setores só deve ser empregado quado há, o máxmo, sete dados. Se a sére já apreseta os dados percetuas, obtêm-se os respectvos valores em graus multplcado o valor percetual por 3, Cartograma: É a represetação sobre uma carta geográfca. Este gráfco é empregado com o objetvo de represetar dados estatístcos dretamete relacoados com áreas geográfcas ou polítcas. Exemplo..4.6 Pctograma: Costtu um dos processos gráfcos que melhor fala ao públco, pela sua forma ao mesmo tempo atraete e sugestva. A represetação gráfca costa de fguras que lembrem o fato cosderado. Exemplo: Em meados de 969, uma regão stuada ao sul do estado do Texas, o Estados Udos, tha sua ecooma baseada quase que exclusvamete o comérco varejsta e o tursmo. No etato, em 970, descobru-se que esta regão hava petróleo. Estudos geológcos dcavam que al, ecotrava-se a maor reserva petrolífera já ecotrada em solo orte-amercao. Desde etão, váras empresas começaram a explorar este petróleo. O gráfco abaxo mostra a evolução da produção, etre os aos de 970 e 976 (em mlhares de barrs). Obs: A lha verde dca a produção máxma, e a lha vermelha, a produção míma. 4

25 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Obs: O exemplo acma fo retrado do ste: em agosto de DISTRIBUIÇÕES DE FREQUÊNCIA Na estatístca trabalha-se, habtualmete, com grade úmero de formações, resultados de medções realzadas. Que podem ser dados dscretos (o valor tero que ão pode ser partdo) ou cotíuo (em tervalos). Assm, é quase mpossível examá-los, mesmo que arrolados em ordem crescete ou decrescete (Rol). Daí, a ecessdade de orgazá-los em tabelas de dstrbuções de frequêca. 5

26 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca.5. Tpos de dstrbução de frequêca a) Sem Classe: Notas Escola Jardm Ecatado /97 Notas(X) N aluos(f) Total 0 b) Com Classe: Idade de 40 aluos Escola Atlas/98 Classe Frequêca (f) 5 І І І 6 І І І І l 9 3 Total 40 Fote: IBGE Observa-se que a prmera tabela é composta de duas coluas ode a prmera colua ecotram-se os valores obtdos da varável em estudo (otas dos aluos), apresetados de forma ordeada, cada ota correspodedo a uma classe; a seguda colua ecotram-se os úmeros de aluos que obtveram as respectvas otas (frequêcas f). O úmero total de aluos é a soma dos aluos em cada ota = 0. A prmera tabela de dados a forma acma é chamada Dstrbução de Frequêcas Sem Classe ou Por Potos. Quado o cojuto de dados possu mutas observações dferetes ou quado a varável em estudo é cotua, é coveete costrur uma dstrbução de frequêca em tervalos de classe (por tervalo). Para tato algus passos devem ser segudos:.5. Dstrbução de frequêca por tervalos CONCEITO: é uma sére estatístca a qual a varável observada está dvdda em subtervalos do tervalo total observado e o tempo, a espéce e a regão permaecem fxas 6

27 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação I ELEMENTOS DE UMA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS a) Coveções Itervalo fechado à esquerda e aberto à dreta: apeas o lmte feror pertece ao tervalo; Itervalo aberto à esquerda e fechado à dreta: apeas o lmte superor pertece ao tervalo; ---- Itervalo fechado de ambos os lados: os dos lmtes pertecem ao tervalo; Itervalo aberto em ambos os lados: os dos lmtes ão pertecem ao tervalo. Observação: Um símbolo como é chamado tervalo de classe. O tervalo de classe apreseta dos lmtes: um feror e outro superor. Para esse tervalo o lmte feror é 5 e o lmte superor é 0. a) Lmte feror da dstrbução de frequêca (LI): é o valor a partr do qual são cotadas as observações a dstrbução de frequêcas. b) Lmte superor da dstrbução de frequêca (LS): é o valor até o qual são cotadas as observações a dstrbução de frequêcas. c) d) Ampltude total da dstrbução de frequêca (AT): é a dfereça exstete etre o maor e o meor valor observado da dstrbução de frequêca. AT LS LI d) Classes de uma dstrbução de frequêca: são os subtervalos os quas são cotadas as observações da varável. Observação: o úmero de classes (K) é calculado a partr de uma das expressões mostradas a abaxo. K = + 3,3 log. N fórmula de STURGES. Método Prátco: se < 5 utlze k = 5 se 5 utlze k. Observação: exstem maeras de calcularmos o úmero de classes, depede da sesbldade do pesqusador. 7

28 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca e) Lmte Iferor de Classe (l): é o valor a partr do qual são cotadas as observações detro da classe. f) Lmte Superor de Classe (ls): é o valor até o qual são cotadas as observações detro da classe. g) Ampltude de Classe (at): é a dfereça etre o maor e o meor valor observado detro da classe. Observação: A ampltude de classe é obtda através da segute equação: at ls l. h) Frequêca Smples ou Frequêca Absoluta da Classe (f): é o úmero de observações cotadas detro da classe. ) Frequêca Absoluta acumulada de Classe (F): é a acumulação sucessva, a partr da prmera classe até uma classe qualquer, das frequêcas smples ou absoluta das classes. j) Frequêca Relatva de Classe (fr): é a relação exstete etre a frequêca absoluta ou smples de classe e o úmero de observações da varável. Observação: Obtém-se a frequêca relatva de cada classe a partr da segute equação: fr f f. k) Frequêca Relatva Acumulada (Fr): é a acumulação sucessva, a partr da prmera classe até uma classe qualquer das frequêcas relatvas das classes. l) Poto Médo de Classe (x): é a méda artmétca calculada etre o lmte feror e o superor da classe. Observação: Obtém-se o poto médo de cada classe a partr da segute ls l equação: x. m) Itervalo de Classe ou Ampltude do tervalo de Classe (h): é o comprmeto da classe. 8

29 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Observações: Obtém-se o tervalo de cada classe a partr da segute equação: AT h K. Covém arredodar o úmero correspodete à ampltude do tervalo de classe para facltar os cálculos. As séres de dados grupados (dstrbução de frequêcas por tervalos e por potos) são também chamadas de séres de magtude de varável. II CONSTRUÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS Como costrur uma dstrbução de freqüêcas? º Passo: Colocar os dados em forma de Rol. Isto é, orgazá-los de forma crescete ou decrescete. Aqu se recomeda colocá-los em ordem crescete; º Passo: Idetfcar o valor máxmo e o valor mímo do cojuto de dados e ecotrar a Ampltude Total (AT). Defmos por Ampltude Total (At) a dfereça etre o maor e o meor valor do cojuto de dados: AT Valor Máxmo Valor Mímo LS LI 3º Passo: Determar o Número de Classes (K) que rão formar uma dstrbução de frequêcas. Embora ão exsta uma formula precsa para esse úmero K, pode-se oretar a segute prátca: K = aproxmadamete. 4º Passo: Calcular o comprmeto ou a ampltude que deve ter o Itervalo de Classe (h), que é obtdo dvddo-se a ampltude total pelo úmero de classe, ou seja: AT h K 9

30 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Exemplo: Precsamos orgazar as otas da prmera avalação da dscpla estatístca dos 5 aluos matrculados regularmete. As otas são dadas abaxo: 0-0-9, ,5-8,5-7,5-4, (dados brutos) º Passo: Orgazar em Rol , ,5-7-7, ,5-9-9, º Passo: Obter a Ampltude Total. AT º Passo: Calcular o úmero de classes (K). K = 5 5 4º Passo: obter Itervalo de Classe (h) e escrever os tervalos da tabela. 0 h (Itervalo de classe) 5 Acompahe todos os passos! ) Comece pela a classe, e escreva o meor valor observado. ) Agora some o meor valor com o h=, assm ecotramos o lmte superor da classe. [0+=]. 3) A partr da a classe usa-se a regra, o lmte superor da classe ateror será o lmte feror da classe subsequete, e o lmte superor é o resultado da soma do lmte feror com o h (tervalo de classe). Notas Freqüêca Total 5 4) Agora temos que cotar os elemetos que pertecem a cada tervalo. Por exemplo, a a classe temos: 0 --, que sgfca, tervalo fechado à esquerda e aberto à dreta. Os valores deste tervalo se aproxmam de, sto é, ão pertecem ao tervalo. 5) Os elemetos: 0-0--, pertecem a a classe, etão colocamos o valor 4 a a colua(frequêca), pos, temos quatro elemetos que pertecem ao tervalo. Já os elemetos: -3, pertecem a a classe, etão a a colua(frequêca) colocamos o valor. Assm é feto para as demas classes, observa-se o Rol 30

31 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação III REPRESENTAÇÂO GRÀFICA DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS a) Hstograma: é a represetação gráfca de uma dstrbução de frequêca, através de retâgulos justapostos ode a base é colocada o exo das abscssas correspode ao tervalo das classes, e a altura é dada pela frequêca absoluta (ou relatva) das classes. Pressão arteral, em mlímetros de mercúro, de 50 cães aestesados 33% 6% 8% 4% % 8% 6% % 80 a a a 09 0 a 9 0 a 9 30 a a a 59 Pressão saguíea b) Polígoo de Frequêca: é outro tpo de apresetação bastate comum para dados quattatvos, ou seja, é um sumáro gráfco que pode ser preparado para dados que teham sdo sumaramete stetzados uma dstrbução de frequêca. Utlzado-se os potos médos de cada classe para a costrução do mesmo, ou seja, é um gráfco em lhas, sedo que as frequêcas são marcadas o exo vertcal e o exo horzotal são colocados os potos médos dos tervalos de cada classe. Utlzado o exemplo da tabela abaxo obtemos os segutes gráfcos Polígoo de frequêcas da potuação de 60 aluos da escola Aberlado Codurú em 999 3

32 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Agora mostraremos a aplcação da frequêca acumulada a dstrbução de frequêcas, que será muto útl a obteção da medaa e das meddas separatrzes, que serão estudadas a próxma udade:...classe.....f......fac Total 40 Ode, f - frequêca smples Fac- frequêca acumulada Icalmete repete-se a f da a classe Soma-se a f desta classe com a acumulada ateror: 9+4=3 O mesmo procedmeto é feto para as demas classes; Agora estudaremos um tem muto smples que faz a dfereça quado o osso objetvo é calcular a méda artmétca em dstrbuções de frequêcas, estamos falado do poto médo, x, que é a méda artmétca calculada etre o lmte feror e o superor da classe....classe.....f......x Total 40 x x x x x x

33 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Agora osso foco será a costrução da frequêca relatva que é um tópco bastate teressate. A obteção da frequêca relatva é a segute: dvde-se o valor de pela frequêca total, como podemos observar abaxo....classe.....f......fr , , ,75 fr fr fr ,00 0,5 0, , , ,075 fr fr ,00 0,5 Total 40,000 fr ,075 Obs: Se o teresse for apreseta a frequêca relatva em termos percetuas, basta multplcar cada frequêca relatva por 00. ATIVIDADES ) Cre uma sére estatístca. ) Pesquse em lvros ou a teret uma sére estatístca. 3) Quas que elemetos que compõe uma tabela estatístca? 4) Qual a sére estatístca que é a jução de outras duas? 5) Uma tabela estatístca pode ser fechada, ou seja, ser delmtada os extremos? Justfque. 6) Quas as pergutas que uma tabela estatístca precsa respoder? 7) Qual a vatagem de um gráfco estatístco com relação a uma sére estatístca? 33

34 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca 8) Quas os requstos fudametas de uma represetação gráfca? 9) Quas os tpos de gráfcos? 0) Faça uma represetação gráfca da sére que você crou a questão. ) Fazer uma tabela estatístca para represetar o movmeto relgoso de certo mucípo o período , que apresetou os segutes dados: em 975, houve habtates batzados, casametos e extremas-uções. Em 976, houve batzados; os casametos foram em úmero de 7.03 e as extremas-uções Em 977, realzou-se um total de 7.3 batzados; as extremas-uções foram 6.07 e os casametos Classfque esta sére estatístca e faça sua represetação gráfca. ) Quas os tpos de dstrbução de frequêcas? 3) Quas os passos para a costrução de uma Tabela de frequêcas? 4) O que é o rol? Para que serve? 5) Em certo da fo realzado um levatameto a respeto das dades dos aluos de um curso oturo, obtedo-se a tabela abaxo: Idades (aos) Nº de Aluos Cosderado esta turma como uma população, determe: a) A frequêca acumulada; b) Os potos médos; c) A frequêca relatva; d) A percetagem de aluos com meos de 4 aos. 6) Costrua um dagrama de setores, percetual, correspodete aos empregados da Marts Ltda que possu a segute dstrbução por área de trabalho: Dretora (3 pessoas), Assessora (6 pessoas), Trasporte (8 pessoas), Admstração (5 pessoas), Área técca (5 pessoas) e Área operacoal (33 pessoas). 7) Completar os dados que faltam: Valores f Fac fr ,08 0,6 34

35 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação ,4 0,4 8) (AFRF-00) Em um esao para o estudo da dstrbução de um atrbuto facero (X) foram examados 00 tes de atureza cotábl do balaço de uma empresa. Esse exercíco produzu a tabela de frequêcas abaxo. A colua Classes represeta tervalos de valores de X em reas e a colua P represeta a frequêca relatva acumulada. Não exstem observações cocdetes com os extremos das classes. Classes Porcetagem Acumulada Qual a estmatva da frequêca relatva de observações de X meores ou guas a 45? 9) Faça uma represetação gráfca da sére dada abaxo: Vedas de Seguros da compaha Vera Cruz Brasl Ao Vedas Fote: Departameto de marketg da Compaha 0) Qual a dfereça etre o gráfco de barras e o Hstograma? ) Qual a dfereça etre o gráfco de lhas e o polígoo de frequêcas? ) Classfque a sére dada abaxo. Duração méda de estudos Superores a Europa em 998. Países N o de aos Itála 7,5 Alemaha 6,5 Fraça 5,5 Holada 4,0 Fote: Revsta Veja 35

36 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca 3) Para os dados abaxo costrua duas dstrbuções de frequêcas: uma com classe e a outra sem classe: 45, 4, 4, 4, 4 43, 44, 4, 50, 46, 50, 46, 60, 54, 5, 58, 57, 58, 60, 5 4) Cre uma sére de dados e faça a duas dstrbuções de frequêcas: uma adotado a fórmula de Sturges e a outra ão. Compare as dfereças. 5) O úmero de gols marcados o últmo campeoato da Federação Paulsta de Futebol pelos 0 clubes partcpates os seus 38 jogos é uma varável com os segutes valores: Clubes Gols a) Classfque a varável em estudo. Costrua uma dstrbução (tabela) de frequêca para essa varável agrupado as observações em tervalos de comprmeto 0 a partr de 0. b) Obteha o hstograma correspodete. c) Que porcetagem dos clubes marcou mas de 38 gols? 6) O posto de saúde de certo barro matém um arquvo com o úmero de craças as famílas que utlzam o posto. Os dados são os segutes: 3, 4, 3, 4,, 5, 6, 3, 4, 5, 3, 4, 3, 3, 4, 3, 5, 5, 5, 5, 6,, 0,,,, 3,, 5 e. a) Orgaze uma tabela de frequêca; b) Costrua um hstograma. 7) Uma dústra de latcíos está plaejameto redrecoar seus produtos. Para tato, decdu vestgar a quatdade de lete (em ltros) cosumda daramete por dferetes famílas. Os dados (ordeados) estão a segur:,,,,,,,,,,,,,, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 4, 4, 4, 4, 4,4, 4, 4, 4, 5, 5, 5, 5, 5, 5, 6, 7, 7, 8 e 5. a) Obteha a dstrbução de frequêcas; b) Obteha a frequêca relatva percetual. 36

37 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação PESQUISANDO Para saber mas sobre a udade que acabamos de estudar sugro que pesquse: - Acesse o ste: - Os segutes lvros: BUSSAB, W. O., MORETTIN, P.A, Estatístca Básca 5ª ed. São Paulo: SARAIVA, 00. VIEIRA, Soa. Prcípos de Estatístca. ª rempr. da ª ed. São Paulo: Edtora Poera Thomso Learg,

38 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca UNIDADE 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL Nesta udade, coheceremos as prcpas meddas de posção. Será osso foco a obteção dessas meddas através das dstrbuções de frequêcas que foram estudadas a udade ateror. Também abordaremos as meddas separatrzes que são meddas que ocupam determados lugares a dstrbução de frequêcas. Agora estudaremos os segutes tes abaxo: 3 Itrodução 3. Coceto 3. Méda artmétca Smples 3.3 Méda artmétca Poderada 3.4 Méda geométrca 3.5 Méda harmôca 3.6 Medaa 3.7 Moda 3.8 Meddas separatrzes 3 INTRODUÇÃO: A Estatístca também é chamada de a cêca das médas, portato vamos estudar esta udade as meddas de posção que são bastate utlzadas a prátca. Tora-se ecessáro, após a tabulação dos resultados e da represetação gráfca, ecotrar valores que possam represetar a dstrbução como um todo. São as chamadas meddas de tedêca cetral ou meddas de posção. 3. CONCEITO: as meddas de posção ou também cohecdas como meddas de tedêca cetral compõem-se de um úmero que represeta um cojuto partcular de formações. Geralmete se localzam em toro do cetro da dstrbução, ode a maor parte das observações tede a cocetra-se. 3. MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES: cosste em somar todas as observações ou meddas dvddose o resultado pelo úmero total de valores. Observação: têm-se duas formas de calcular uma méda artmétca:. Quado estamos trabalhado com dados brutos: x x x x X 38

39 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação ode: X é a méda artmétca; x são os valores das observações; úmero de observações. Exemplo : seja o cojuto X = {8, 9, 0, 0, 8}, calcule a méda. X ( ) 9,0 3.. PROPRIEDADES DA MEDIA ARITMÉTICA a) A soma algébrca dos desvos em relação à méda é ula: ( x X) 0. Ex: voltado ao exemplo, temos que a méda é 9, etão calculado os desvos em toro da méda tem-se: ( x X) (8 9) (9 9) (0 9) (0 9) (8 9) 0 0. b) Somado-se (ou subtrado-se) uma costate (c) a todos os valores de uma varável, a méda do cojuto fca aumetada (ou dmuída) dessa costate. ( x k) x k x k X k. c) Multplcado-se (ou dvddo-se) todos os valores de uma varável por uma costate (c), a méda do cojuto fca multplcada (ou dvdda) por essa costate. kx k x kx. 3.3 MÉDIA ARITMÉTICA PONDERADA: é uma méda artmétca a qual será atrbuído um peso a cada valor da sére. X fx f x f f x f x f 39

40 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca X é a méda artmétca poderada; f frequêca smples; úmero de observações. Observação: se os valores forem dstrbuídos em classes o x será o poto médo de cada classe. Exemplo: Uma escola adotou os segutes pesos para as otas bmestras: o bmestre peso 3 o bmestre peso 3 o bmestre peso 4 o bmestre peso 4 Qual será a méda de um aluo que obteve as segutes otas de Matemátca: 5, 4, 3 e os respectvos bmestres? X MÉDIA GEOMÉTRICA: É aproprada para aqueles casos em que comportameto dos valores da sére que se está estudado, possuem um comportameto progressvo, tededo a uma progressão geométrca. Para dados brutos temos que, a fórmula da méda geométrca é: Mg x. x. x x x / Exemplo: A méda geométrca dos segutes dos úmeros:, 6, 36 é obtda da segute forma: Mg Para dados tabelados temos que, a fórmula da méda geométrca é: Mg f... f f f x. x. f x f f x f x f / f Observação: se os valores forem dstrbuídos em classes o x será o poto médo de cada classe. Exemplo: Um aluo realza três provas, obtedo as segutes otas: 0, 8 e 7, ode os pesos atrbuídos a elas são os segutes, a prova peso, a prova peso 3 e 3 a prova peso 4. Calcule a méda geométrca. 40

41 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Mg ,8 3.5 MÉDIA HARMÔNICA: É defda como o verso da méda artmétca dos versos dos valores da sére. Para dados brutos temos que, a fórmula da méda harmôca é: Mh x... x x ( ) x Exemplo: Determar a méda geométrca dos úmeros:,4 e 8. Mh ,875 3,43 Para dados tabelados temos que, a fórmula da méda harmôca é: Mh f f x f f x f f x f ( x ) Exemplo: Calcular a méda harmôca da dstrbução de frequêcas dada abaxo: Notas dos aluos da dscpla Estatístca o Isttuto Datavox, ao de 00 NOTAS f x Total 0 0 Mh , MEDIANA (Me): é o valor cetral em um rol, ou seja, a medaa de um cojuto de valores ordeados, ou ada a medaa dvde a dstrbução ao meo Medaa de valores brutos 4

42 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Ordear os valores em ordem crescete (Rol); Verfca se o úmero de elemetos é par ou ímpar; Se for ímpar, posção da medaa o cojuto, será o P valor localzado a posção dada por: Se for par, o cojuto terá dos valores cetras, este caso, a medaa será gual à méda artmétca dos valores cetras, cujas posções são dadas por: P = / e P = ( / ) + Exemplo : calcule a medaa dos valores: ; 5; 7; 5; 3; 4; 0. Rol: ; 4; 5; 7; 0; 3; 5. = 7 (ímpar) Posção da medaa: P = (7 + ) / = 4 Me = 7 Exemplo : Em um grupo de 6 pessoas cujas as alturas meddas em cetímetros fossem as segutes: 83 cm, 70 cm, 65 cm, 80 cm, 85 e 60 cm, qual a altura medaa deste grupo de pessoas? Rol: 60; 65; 70; 80; 83; 85. = 6 (par) Posção da medaa: P = 6 / =3 P = (6 / ) + =4 A medaa será a méda artmétca das posções P e P, etão: Me= (70+80)/= Medaa de valores tabelados Me l f f FAA h l = FAA = f = h = Lmte feror da classe da medaa; Frequêca acumulada ateror da classe da Me; Frequêca smples da classe da medaa; Itervalo de classe. º passo calcula-se a posção p f ; º passo: detfca-se a classe Medaa pela colua das Frequêcas Acumuladas; 3º passo: Aplca-se a fórmula: Exemplo: Calcule a medaa da dstrbução dada abaxo: 4

43 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação NOTAS f Total 0 Resolução: a) Calcule a Medaa. º passo: calcula-se a posção p f 0 0; º passo: detfca-se a classe Medaa pela colua das Frequêcas Acumuladas; Comparamos o valor da posção P com os valores da Fac, cado da Fac da prmera classe e fazedo a segute perguta: "esta Fac é maor ou gual a P?". NOTAS f Fac Total 0 5 é maor ou gual a 0? NÃO! é maor ou gual a 0? SIM! Etão esta é classe da Medaa. 3º passo: Aplca-se a fórmula: 0 5 Me 3 3,485 4,43 7 Logo, a Medaa é aproxmadamete,43. Observação: a medaa é muto empregada em pesqusas ode ão teressam valores extremos, por terem pouca sgfcação para o cojuto em geral. 3.7 MODA (Mo): é aqulo que está em evdeca, o valor que mas aparece um cojuto de formações ou o de maor frequêca em uma tabela. Observação: a moda pode ão ser úca ou ate mesmo pode ão exstr Moda de valores brutos: basta observar o valor que mas aparece o cojuto. Exemplo: 3 ; 3 ; 6 ; 8 ; 0 ; 0; 0; ; ; Mo = 0. 43

44 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca 3.7. Moda de valores tabelados: uma dstrbução de frequêca chamamos classe modal à classe que possu maor frequêca. Como o poto médo é represetatvo de qualquer classe de frequêcas, chamamos moda bruta ao poto médo da classe modal. MODA PELO PROCESSO DE CZUBER Mo l f Mo f Mo f at f at f post h l = fpost = fat = h = f MO = Lmte feror da classe modal; Frequêca smples posteror à classe modal; Frequêca smples ateror à classe modal; Itervalo de classe; Frequêca modal. Observação: É valda a segute relação empírca x 3Md M o Exemplo: Calcular a moda da dstrbução dada abaxo: NOTAS f Total 0 Prmeramete, observamos a colua das frequêcas smples e verfcamos qual o maor valor. Neste caso a últma classe apreseta o maor valor, 8, em relação às outras classes. Agora é só usar a fórmula pelo processo de CZUBER. Mo , Etão, a Moda é aproxmadamete 5,. 3.8 MEDIDAS SEPARATRIZES 3.8. Quarts (Q ): são os valores que dvdem um cojuto de dados em quatro partes guas, represetados por Q, Q e Q 3 deomam-se prmero, segudo e tercero quarts, respectvamete, sedo o valor de Q gual à medaa. Assm, temos; 0% % % % % Q Q Q 3 A fórmula para determação dos quarts para dados agrupados é semelhate à usada para o cálculo da medaa. 44

45 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação a) Quarts para dados brutos: Vamos abordar este assuto por meo de dos exemplos: Exemplo : calcule o Q Dados:,9,0,,5 3,0 3, 3,3 3,7 6, 7,7 =0 Posção do Q = 0,5(+). Etão, a posção de Q é: 0,5 () =,75 Como o valor ecotrado ão é tero, temos que o o Quartl (Q ) será a méda artmétca etre o o e 3 o elemetos: Q =( +,)/=,05 Portato, o o Quartl (Q ) é gual a,05. Exemplo : calcule o Q Dados: 0,9,0,7,9 3, 5,3 5,5,,9 4,0 33,6 = Posção do Q = 0,5(+). Etão, a posção de Q é: 0,5 (+) = 3; Portato, o o Quartl (Q ) é gual a,7. Obs: para calcular o Q 3 a fórmula da posção sera: 0,75(+), pos, temos 75% dos dados abaxo dele. b) Quarts para dados tabelados: Determação de Q : º passo: calcula-se a posção p f ; 4 º passo: detfca-se a classe Q pela colua das Frequêcas Acumuladas; 3º passo: Aplca-se a fórmula: ode: Q lq f FAA 4 fq h I = l Q = FAA = f Q = h = Ordem do quartl, = ou ou 3; Lmte feror da classe do quartl de ordem. Frequêca acumulada ateror da classe do quartl de ordem ; Frequêca smples da classe do quartl de ordem ; Itervalo de classe. Exemplo: cosderado a tabela abaxo, calcule o Q, Q e Q 3. Idades dos aluos da dscpla Estatístca o Isttuto Datavox, ao de 00. IDADES f Soma 50 Fote: dados hpotétcos 45

46 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Resolução: a) Calcule Q º passo: calcula-se a posção p f ,5 º passo: detfca-se a classe Q pela colua das Frequêcas Acumuladas; Comparamos o valor da posção P com os valores da Fac, cado da Fac da prmera classe e fazedo a segute perguta: "esta Fac é maor ou gual a P?". IDADES f Fac Soma 50 8 é maor ou gual a,5? NÃO! 0 é maor ou gual a,5? SIM! Etão esta é classe do o Quartl (Q ) 3º passo: Aplca-se a fórmula:,5 8 Q 9 9 0,75 Portato, o o Quartl é gual a 9,75. 9,75 b) Calcule Q º passo: calcula-se a posção p f º passo: detfca-se a classe Q pela colua das Frequêcas Acumuladas; Comparamos o valor da posção P com os valores da Fac, cado da Fac da prmera classe e fazedo a segute perguta: "esta Fac é maor ou gual a P?". IDADES f Fac Soma 50 8 é maor ou gual a 5? NÃO! 0 é maor ou gual a 5? NÃO! 40 é maor ou gual a 5? SIM! Etão esta é classe do o Quartl (Q ) 3º passo: Aplca-se a fórmula: 5 0 Q 0,5 0 Portato, o o Quartl é gual a,5.,5 c) Calcule Q 3 º passo: calcula-se a posção 46

47 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação p f ,5 º passo: detfca-se a classe Q pela colua das Frequêcas Acumuladas; Comparamos o valor da posção P com os valores da Fac, cado da Fac da prmera classe e fazedo a segute perguta: "esta Fac é maor ou gual a P?". IDADES f Fac Soma 50 8 é maor ou gual a 37,5? NÃO! 0 é maor ou gual a 37,5? NÃO! 40 é maor ou gual a 37,5? SIM! Etão esta é classe do 3 o Quartl (Q 3 ) 3º passo: Aplca-se a fórmula: 37,5 0 Q 3,75 0 Portato, o 3 o Quartl é gual a,75., Decs (D ): são as meddas separatrzes que dvdem a sére em 0 partes guas, e são represetadas por D, D,...,D 9. O quto decl correspode à medaa. 0% -- 0% -- 0% -- 30% -- 40% -- 50% -- 60% -- 70% -- 80% -- 90% -- 00% D D D 3 D 4 D 5 D 6 D 7 D 8 D 9 a) Decs para dados brutos: Vamos abordar este assuto por meo de dos exemplos: Exemplo : calcule o D 8 Dados:,9,0,,5 3,0 3, 3,3 3,7 6, 7,7 =0 Posção do D 8 = 0,8(+). Etão, a posção de D 8 é: 0,8 (0+) = 8,8 Como o valor ecotrado ão é tero, temos que o 8 o Decl (D 8 ) será a méda artmétca etre o 8 o e 9 o elemetos: D 8 =( 3,7+6,)/=4,9 Portato, o 8 o Decl (D 8 ) é gual a 4,9. Exemplo : calcule o D 8 Dados: 0,9,0,7,9 3, 5,3 5,5,,9 4,0 33,6 = Posção do D 8 = 0,8(+). Etão, a posção de D 8 é: 0,8 (+) = 9,6; Como o valor ecotrado ão é tero, temos que o 8 o Decl (D 8 ) será a méda artmétca etre o 9 o e 0 o elemetos: D 8 =(,9+4)/=3,45 Portato, o 8 o Decl (D 8 ) é gual a 3,45 b) Decs para dados tabelados: A fórmula, este caso, é semelhate à das separatrzes aterores. Determação de D : 47

48 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca º passo: calcula-se a posção p f 0 º passo: detfca-se a classe D pela Frequêca acumulada. 3º Passo: aplca-se a fórmula: f 0 FAA D ld h f D l D FAA f D h = = = = = Ordem do decl, =; ; 3; 4; 5; 6; 7; 8 ou 9; Lmte feror da classe do decl de ordem. Frequêca acumulada ateror da classe do decl de ordem ; Frequêca smples da classe do decl de ordem ; Itervalo de classe. Exemplo: Cosderado a tabela abaxo, calcule o D 3. Idades dos aluos da dscpla Estatístca o Isttuto Datavox, ao de 00. IDADES f Soma 50 Fote: dados hpotétcos Resolução: º passo: calcula-se a posção p º passo: detfca-se a classe D pela Frequêca acumulada. Comparamos o valor da posção P com os valores da Fac, cado da Fac da prmera classe e fazedo a segute perguta: "esta Fac é maor ou gual a P?". IDADES f Fac Soma 50 8 é maor ou gual a 5? NÃO! 0 é maor ou gual a 5? SIM! Etão esta é classe do 3 o Decl (D 3 ) 3º Passo: aplca-se a fórmula: D ,67 Portato, o 3 o Decl é aproxmadamete 0,67. 48

49 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Percets (P ): são as meddas separatrzes que dvdem a sére em 00 partes guas, e são represetadas por P, P,...,P 99. O ququagésmo cetl correspode à medaa. 0% -- % -- % -- 3% % % -- 98% -- 99% -- 00% P P P 3 P 50 P 97 P 98 P 99 a) Percets para dados brutos: Vamos abordar este assuto por meo de dos exemplos: Exemplo : calcule o P 30 Dados:,9,0,,5 3,0 3, 3,3 3,7 6, 7,7 =0 Posção do P 30 = 0,3(+). Etão, a posção de P 30 é: 0,3 (0+) =3,3 Como o valor ecotrado ão é tero, temos que o 30 o Percetl (P 30 ) será a méda artmétca etre o 3 o e 4 o elemetos: Q =(,+,5)/=,3 Portato, o 30 o Percetl (P 30 ) é gual a,3 Exemplo : calcule o P 30 Dados: 0,9,0,7,9 3, 5,3 5,5,,9 4,0 33,6 = Posção do P 30 = 0,3(+). Etão, a posção de P 30 é: 0,3 (+) = 3,6; Como o valor ecotrado ão é tero, temos que o 30 o Percetl (P 30 ) será a méda artmétca etre o 3 o e 4 o elemetos: P 30 =(,7+,9)/=,3 Portato, o 30 o Percetl (P 30 ) é gual a,3. b) Percets para dados tabelados: A fórmula, este caso, é semelhate à das separatrzes aterores. Determação de P : º passo: calcula-se a posção p f 00. º passo: detfca-se a classe de P pela Frequêca acumulada. 3º Passo: aplca-se a fórmula: f 00 FAA P lp h f P = l P = FAA = f P = h = Ordem do percetl, = ;;3;...,97;98 e 99. Lmte feror da classe do percetl de ordem. Frequêca acumulada ateror da classe do percetl de ordem ; Frequêca smples da classe do percetl de ordem ; Itervalo de classe. 49

50 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Exemplo: Cosderado a tabela abaxo, calcule o C 70. Idades dos aluos da dscpla Estatístca o Isttuto Datavox, ao de 00. IDADES f Soma 50 Fote: dados hpotétcos Resolução: º passo: calcula-se a posção p º passo: detfca-se a classe D pela Frequêca acumulada. Comparamos o valor da posção P com os valores da Fac, cado da Fac da prmera classe e fazedo a segute perguta: "esta Fac é maor ou gual a P?". IDADES f Fac Soma 50 8 é maor ou gual a 35? NÃO! 0 é maor ou gual a 35? NÃO! 40 é maor ou gual a 35? SIM!Etão esta é classe do 70 o Cetl (C 70 ) 3º Passo: aplca-se a fórmula: P 35 0,5,5 0 Portato, o 70 o Percetl é gual a,5. ATIVIDADES ) Fo orgazado um churrasco para comemorar a coclusão do Curso de Egehara Mecâca. Foram compradas as segutes cares aos respectvos preços: 50

51 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação 0 Kg de flé mgo R$,00 o Kg 0 Kg de lguça R$ 7,00 o Kg 0 Kg de pcaha R$ 6,00 o Kg Qual o valor médo do Kg de care adqurda ) Uma escola possu 8 professores. Um deles aposeta-se e é substtuído por um professor de aos. Com sso, a méda das dades dos professores dmu aos. Qual a dade do professor que se aposetou? 3) Os dados a segur foram obtdos em dvíduos cotamados pelo veeo de um certo tpo de seto e submetdos a tratameto. A varável de teresse Recup é defda como o tempo (em horas) etre a admstração do tratameto e a recuperação do dvíduo. Os valores de Recup são os segutes: 3, 90, 3, 46,, 4, 47, 37,, 5,,, 3, 3, 45, 3, 4,,, 8, 56, 39,, 6, 5 e 5. a) Costrua a Tabela de frequêcas para a varável Recup. b) Obteha a méda. c) O prmero quartl d) O tercero quartl 4) Em um tme de futebol, o jogador mas velho etre os ozes ttulares fo substtuído por um jogador de 6 aos. Isto fez com que a méda de dade dos jogadores dmuísse aos. Calcule a dade do jogador mas velho que fo substtuído. 5) Durate um jogo de futebol etre Vasco e Flamego fo feta uma pesqusa de dades das duas torcdas. Costatou-se que a dade méda da torcda em geral era 7 aos (depedete da preferêca). Qual a dade méda dos torcedores do Flamego, sabedo-se que se costtuem 60% da torcda presete o estádo e que os torcedores do Vasco têm em méda 30 aos? 6) 65% dos aluos de uma escola para adultos têm méda 0 aos. Cosderado que 5% tem em méda 30 aos. A méda geral é de 7,5 aos. Qual a méda dos demas aluos? 7) O saláro pago aos fucoáros de uma empresa X é de R$ 70,00. Os saláros médos pagos aos fucoáros especalzados e ão especalzados correspodem respectvamete a R$ 800,00 e R$ 500,00. Pede-se, determar o percetual de empregados especalzados e ão especalzados da empresa. 8) Em uma classe de 50 aluos, as otas obtdas formaram a segute dstrbução: Notas N o de aluos Calcule: a) A ota méda. b) A ota medaa. c) A ota modal. 9) (AFTN-98) Os dados segutes, ordeados do meor para o maor, foram obtdos de uma amostra aleatóra, de 50 preços (X) de ações, tomada uma bolsa de valores teracoal. A udade moetára é o dólar amercao. 4, 5, 5, 6, 6, 6, 6, 7, 7, 7, 7, 7, 7, 8, 8, 8, 8, 8, 8, 8, 8, 8, 9, 9, 9, 9, 9, 9, 0, 0, 0, 0, 0, 0, 0, 0,,,,, 3, 3,4, 5, 5, 5, 6, 6, 8, 3. Obteha: a méda, a medaa e a moda. 0) Cosdere os valores dos pesos de 3 aluos de uma classe apresetados abaxo: 5

52 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Determe: a) a méda ; b) a medaa; c) a moda ) Dos saláros de um grupo de 4000 fucoáros da empresa são cohecdos os segutes parâmetros. C 95 = R$ 3.600,00; Md= R$.00,00; D 3 = R$.000,00; Q = R$ 600,00. Respoda a) O o de fucoáros que recebem etre 600 a.00 reas; b) O o de fucoáros que recebem mas R$ 3.600,00; c) O o de fucoáros que recebem etre.000 e.00 reas; d) O percetual de fucoáros que recebem etre 600 e.00 reas ) O preço médo (artmétco) de produto químco produzdo por uma empresa é gual a 50 reas, o preço geométrco é de 40 reas. Qual o preço médo a forma harmôca? 3) Um jogo completo de xadrez é composto das segutes peças 08 peões, 0 torres, 0 cavalos, 0 dama, e 0 re. Atrbuem-se os segutes valores comparatvos para as peças re =4 potos, dama=0 potos, cavalo=03 potos, torres=05 potos, e peão=0 poto. Se este sstema 04 poto é valor médo de uma peça, levado em cota o jogo completo. Qual o valor comparatvo da peça bspo? 4) Dada a dstrbução de frequêcas dada abaxo: Calcule: a) a méda; b) a moda c) a medaa Idades dos aluos da dscpla Estatístca o Isttuto Datavox, ao de 00. IDADES f Soma 50 Fote: dados hpotétcos 5) Em certa empresa trabalham 4 aalstas de mercado, supervsores, chefe de seção e gerete que gaham, respectvamete: R$.300,00; R$.600,00; R$.750,00, R$ 5.000,00. Qual o valor do saláro médo desses fucoáros? 6) Uma dstrbudora de refrgerates fez um levatameto sobre o cosumo semaal (em ltros) por pessoa, em ja/00, em uma cdade do ltoral, obtedo a tabela abaxo: Cosumo Nº de Pessoas 5

53 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação 0,0 -- 0,5 0,5 --,0,0 --,5,5 --,0,0 --,5 a) Determe e terprete o cosumo médo. b) Qual o percetual de pessoas que cosomem meos de ltro por semaa? c) Determe os tervalos que cotém o cosumo modal e o cosumo medao. 7) A polução causada por óleo em mares e oceaos estmula o crescmeto de certos tpos de bactéras. Uma cotagem de mcroorgasmos presetes o petróleo (úmero de bactéras por 00 mlltros), em 0 porções de água do mar, dcou as segutes meddas: Determe a méda, a medaa e a moda ) Abaxo temos as otas de 5 aluos a a avalação da dscpla Aálse Real: 7,0 7,5 5,3 6,8 5,5 4, 8,0 7,0 7,5 6,5 5,9 8,0,5 5,7 5,0 Determe: a) o o quartl; b) o 8 o decl; c) 90 o percetl; 9) O preço geométrco de produto F produzdo por uma empresa é gual a 9 reas, o preço harmôco é de 3 reas. Qual o preço médo a forma artmétca? 0) (FISCAL DE TRIBUTOS DE MG-96) A estatura méda dos sócos de um clube é65 cm, sedo a dos homes 7 cm e a das mulheres 6 cm. Qual a porcetagem de mulheres o clube? ) (Audtor do Tesouro Mucpal - Recfe 003) Em uma amostra, realzada para se obter formação sobre a dstrbução salaral de homes e mulheres, ecotrou-se que o saláro médo vale R$.00,00. O saláro médo observado para os homes fo de R$.300,00 e para as mulheres fo de R$.00,00. Assale a opção correta e mostre os cálculos. a) O úmero de homes a amostra é gual ao de mulheres. b) O úmero de homes a amostra é o dobro do de mulheres. c) O úmero de homes a amostra é o trplo do de mulheres. d) O úmero de mulheres é o dobro do úmero de homes. e) O úmero de mulheres é o quádruplo do úmero de homes 53

54 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca PESQUISANDO Para você aprofudar os coteúdos apresetados esta udade, sugro que pesquse: - Os segutes lvros: COSTA NETO, Pedro Luz de Olvera. Estatístca.. ed. São Paulo: Edtora Edgard Blücher Ltda., 99. BUSSAB, W. O., MORETTIN, P.A, Estatístca Básca 5ª ed. São Paulo: SARAIVA, 00. FONSECA, J. S. Curso de Estatístca. São Paulo: Atlas, acesse os stes:

55 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação UNIDADE 4 MEDIDAS DE DISPERSÃO Nesta udade estudaremos as meddas de dspersão que tem um papel mportatíssmo a aálse dos dados, pos avalam a varabldade em toro da méda. Verfcaremos também que as meddas de dspersão avalam a represetatvdade das meddas de posção. Também estudaremos as meddas de Assmetra e Curtose. Na Assmetra estudaremos o grau de afastameto de uma dstrbução da udade de smetra, equato que a Curtose estudaremos o grau de achatameto ou afulameto de uma dstrbução. Caro(a) aluo(a) es o s tes que estudaremos esta udade 4. Ampltude 4. Desvo médo 4.3 Varâca 4.4 Desvo padrão 4.5 Coefcete de varação 4.6 Assmetra 4.8 Curtose 4. AMPLITUDE TOTAL Um modo mas smples de se ter uma dcação da dspersão dos valores de uma amostra ou população é comparar o valor máxmo com o mímo. Etretato a Ampltude Total ão os forece qualquer dcação do que ocorre o teror do cojuto. AT = Valor máxmo Valor mímo Temos três stuações para obteção da Ampltude Total: a) Para valores brutos: Por exemplo, otas em matemátca em cco avalações, 7; 7,5; 8; 8,5; 0. A ampltude total será: AT= 0 7 = 3. b) Para dstrbução de frequêcas sem classe (sem tervalo de classe) x f A ampltude total será: AT = 4-0 = 4 55

56 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca c) Para dstrbução de frequêcas com classe (com tervalo de classe). Neste caso a Ampltude Total será a dfereça etre o lmte superor da últma classe (LS) e o lmte feror da prmera classe (LI). AT = LS LI 4. DESVIO MÉDIO Classes f A ampltude total será: AT = - 6 = 6 É a medda de dspersão ou o grau de cocetração dos valores em toro da méda. Quado estamos calculado o desvo médo estamos meddo a dspersão etre cada x e a méda x. Temos dos tpos de Desvo médo: 4.. Desvo Médo para dados brutos ode: DM x X X é a méda artmétca; x são os valores das observações; x X é o valor absoluto do desvo de x em relação à X. úmero de observações. Exemplo: Calcular o Desvo médo para os dados abaxo:

57 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Prmero calcula-se a méda X ( ) 5 5 Segudo mota-se a tabela: Calculamos as dfereças etre os valores da sére e a méda Aplcamos o módulo as dfereças. X X ( X - X ) X - X Total - 6 x X Aplca-se a fórmula: DM 0 6, 5 5 Logo, o Desvo médo é gual a,. 4.. Desvo Médo para dados tabelados DM x X f ode: X é a méda artmétca; x são os valores das observações; f frequêca smples x x é o valor absoluto do desvo de x em relação à x. úmero de observações. Exemplo: Calcular o Desvo médo da dstrbução de frequêcas abaxo: Notas F x Total 5 X 3 3 Prmero calcula-se a méda ,8 57

58 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Calculamos as dfereças etre os potos médos e a méda Aplcamos o módulo as dfereças. Segudo mota-se a tabela: Multplcamos as dfereças pelas freqüêcas. Agora, aplca-se a fórmula: Notas f X X (X- X ) X- X X- X f 0 3 5,8-4,8 4,8 4, ,8 -,8,8 8, ,8-0,8 0,8 6, ,8,, 3, ,8 3, 3, 5,6 Total 5 58,4 x X f 58,4 DM,336,34 5 Logo, o Desvo médo é aproxmadamete, VARIÂNCIA: É a méda quadrátca das somas dos desvos em relação à méda artmétca. É uma medda de dspersão bastate estudada o meo cetfco. Quado o estudo for feto a amostra a varâca é smbolzada por: S. E quado estudamos a varâca de uma população, o símbolo usado é σ Fórmula para dados brutos Processo logo ( x X ) S Processo breve ou smplfcado S x X 58

59 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Observação: Quado se tratar de população, dvd-se apeas por. Exemplo: Calcular a varâca para os dados abaxo: Prmero calcula-se a méda X ( ) 5 5 Segudo mota-se a tabela: Calculamos as dfereças etre os valores da sére e a méda Elevamos ao quadrado as dfereças. X X ( X - X ) ( X - X ) Total - 0 Aplca-se a fórmula: ( x x) 0 0 S,5 5 4 Logo, a Varâca é gual a,5. Vamos calcular a Varâca do exemplo ateror pelo Processo Breve. Os dados são: Qual o valor da Varâca? S x X ( ) (5 5 ) ,5 Logo, a Varâca é gual a,5. 59

60 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Fórmula para dados tabelados: Processo logo ( x X ). f S Processo breve ou smplfcado S x f X Observação: Quado se trata de população dvdmos apeas por. Exemplo: Calcular a Varâca da dstrbução de frequêcas abaxo: Notas F x Total 5 X 3 3 Prmero calcula-se a méda ,8 Calculamos as dfereças etre os potos médos e a méda Elevamos ao quadrado as dfereças. Segudo mota-se a tabela: Multplcamos os quadrados das dfereças pelas freqüêcas. Notas f X X (X- X ) (X- X ) (X- X ) f 0 3 5,8-4,8 3,04 69, ,8 -,8 7,84 3, ,8-0,8 0,64 5, ,8,,44 4, ,8 3, 0,4 8,9 Total ,00 Aplca-se a fórmula: S ( x X ). f ,67 Logo, a Varâca é aproxmadamete gual 7,67. Agora calcularemos a Varâca do exemplo ateror pelo processo breve: x f X ( ) (5 5,8 ) S ,67 60

61 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Logo, a Varâca é aproxmadamete gual 7, Propredades da varâca: A varâca absoluta de uma costate é gual a zero; Somado-se ou dmudo-se a todos os valores da sére um valor costate K será gual à ateror, sto é, ão se altera. 0, a ova varâca Multplcado-se ou dvddo-se todos os valores de uma sére por um valor costate, K 0, a ova varâca calculada será gual à varâca absoluta orgal multplcada ou dvdda pelo quadrado da costate utlzada. 4.4 DESVIO PADRÃO: É a raz quadrada da varâca. É a medda mas formatva da varação dos dados. O Desvo Padrão os forece uma dcação do que ocorre etre os dos extremos. Portato, o Desvo Padrão é a medda de quato os valores observados varam em toro da méda. O Desvo Padrão amostral é dado por: S S O desvo padrão populacoal é dado por: Exemplo : Calcule o Desvo padrão dos dados brutos abaxo: Como já vmos aterormete o cálculo da varâca para os dados acma, basta extrar a raz quadrada da Varâca: Como a Varâca fo gual a,5, etão: S S,5,58 Etão, o Desvo padrão é gual a,58. Exemplo : Calcular o Desvo padrão da dstrbução de frequêcas abaxo: Notas F x Total 5 6

62 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Como já vmos aterormete o cálculo da varâca para os dados acma, basta extrar a raz quadrada da Varâca: Como a Varâca fo aproxmadamete gual a 7,67, etão: S S 7,67,77 Etão, o Desvo padrão é gual a,77. Resumdo: Para o cálculo do desvo padrão, deve-se prmeramete determar o valor da varâca e, em seguda, extrar a raz quadrada desse resultado. 4.5 COEFICIENTE DE VARIAÇÃO: é o valor postvo da raz quadrada da varâca relatva. ode: S SÍMBOLO: CV 00 X S: Desvo padrão; X : Méda Observação : Será cosderada a sére mas homogêea, aquela que apresetar meor valor do coefcete de varabldade. Observação : É uma medda estatístca que serve para avalar a homogeedade de séres estatístcas, que é o grau de cocetração dos valores observados em toro da sua méda artmétca. Observação 3: O seu valor umérco pode ser expresso em percetual. MEDIDAS DE ASSIMETRIA E CURTOSE Agora trataremos que são as meddas de assmetra e curtose. Elas referem-se à forma da curva de uma dstrbução de frequêca, mas especfcamete do polígoo de frequêca ou do hstograma. 4.6 ASSIMETRIA E o que são as meddas de assmetra? É o grau de afastameto de uma dstrbução da udade de smetra Destacamos que as dstrbuções de frequêcas ão dferem apeas quato ao valor médo e a varabldade, como também quato a sua forma. 6

63 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação 4.6. Tpos de curvas: a) Smétrca: Quado a méda, medaa e a moda são guas, sto é, apresetam o mesmo valor. f X = Me = Mo b) Assmetra postva: Neste caso, a méda artmétca apresetará um valor maor do que a medaa, e esta, por sua vez, apresetará um valor maor do que a moda. f Mo < Me < X A cauda é mas alogada à dreta da ordeada máxma (ordeada correspodete à moda). Nas dstrbuções assmétrcas à dreta, há uma predomâca de valores superores a moda. c) Assmetra egatva: Neste caso a méda artmétca será meor do que a medaa, e esta, por sua vez, é meor do que a moda. f X < Me < Mo A cauda é mas alogada à esquerda da ordeada máxma. Nas dstrbuções assmétrcas egatvas, predomam valores ferores à moda. 63

64 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca 4.7 COEFICIENTES DE ASSIMETRIA Há város coefcetes de assmetra a lteratura, etretato utlzaremos os de Pearso, por serem mas cohecdos. Temos dos tpos de coefcetes que são dados abaxo: 4.7. Prmero coefcete de assmetra de Pearso: A ( x Mo S ) 4.7. Segudo coefcete de assmetra de Pearso ode: A 3( x S Me ) O coefcete de assmetra, A, pode ser classfcado: A Coefcete de Assmetra; x Méda artmétca; Mo Moda; S Desvo-padrão. se A = 0 se A > 0 se A < 0 Smétrca Assmetra Postva Assmetra Negatva Exemplo : Calcular o coefcete de assmetra para os dados da sére abaxo: a) Icamos obtedo a Moda: Neste caso 3 é a Moda. b) Calculamos a Méda. X ( ) c) Obter o Desvo padrão, ates, porém precsamos calcular a Varâca: S x x ( ) (5 5 ) ,5 Etão, o Desvo padrão será: 64

65 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação S S 5,5,35 Agora, aplcamos a fórmula: ( x Mo ) 5 3 A 0,85 S,35 Portato, o coefcete de Assmetra é gual a 0,85. A dstrbução é Assmétrca Postva. Exemplo : Calcular o coefcete de Assmetra da dstrbução de frequêcas abaxo: a) Calcula-se a Medaa º passo: calcula-se a posção Notas F x Total 5 p f 5,5 º passo: detfca-se a classe Medaa, pela colua das Frequêcas Acumuladas; Comparamos o valor da posção P com os valores da Fac, cado da Fac da prmera classe e fazedo a segute perguta: "esta Fac é maor ou gual a P?". Notas f Fac 0 3 é maor ou gual a,5? NÃO! é maor ou gual a,5? NÃO! é maor ou gual a,5? NÃO! é maor ou gual a,5? SIM! Etão esta é classe da Medaa Total 5 3º passo: Aplca-se a fórmula: Me 6, ,33 8,33 Logo, a Medaa é aproxmadamete 8,33. b) Calcula-se a Méda X 5,8 5 5 c) Obter o Desvo padrão, ates, porém precsamos calcular a Varâca: 65

66 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca x f X ( S 5 Logo, a Varâca é aproxmadamete gual 7, ) (5 5,8 ) ,67 Etão, o Desvo padrão será: S S 7,67,77 Agora, aplcamos a fórmula: A 3( x S Me ) 3(5,8 8,33),77,74 Portato, o coefcete de Assmetra é gual a -,74. A dstrbução é Assmétrca Negatva. 4.8 CURTOSE O que é curtose? É o estudo do grau de achatameto de uma dstrbução, cosderado em relação a uma dstrbução ormal. De acordo com o grau de curtose, podemos ter três tpos de curvas de frequêca Curva Mesocúrtca: Quado a curva de frequêcas apreseta um grau de achatameto equvalete ou da curva ormal Curva Platcúrtca: Quado uma curva de frequêcas apreseta um alto grau de achatameto, superor ao da ormal Curva Leptocúrtca: Quado uma curva de frequêcas apreseta um alto grau de aflameto, superor ao da ormal. 66

67 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Para avalar o grau de curtose de uma curva de frequêca, usaremos o coefcete percetílco de curtose: D q Q Q K 3 ( D D ).( C ) 9 90 C 0 ode: K = coefcete percetílco de curtose D q = Desvo quartílco = (Q 3 - Q ) / D 9 = 9º decl D = º decl k = 0,63 C 90 = 90º Cetl C 0 = 0º Cetl k > 0,63 k < 0,63 Curva ou dstrbução mesocúrtca Curva ou dstrbução platcúrtca Curva ou dstrbução leptocúrtca Exemplo: determar o coefcete percetlco de curtose do resumo estatístco dado abaxo: Q =45; Q 3 =95; D =5; D 9 =05; Etão, aplca-se a formula: Q Q (95 45) K 3 0,77.( C C ) (05 5) (90) Etão, podemos classfcar o grau de curtose como Platcurtca, pos, k > 0,63. ATIVIDADES ) Dada a tabela abaxo, Pede-se: A Varâca, o Desvo médo, o Desvo Padrão e o Coefcete de varação. NOTAS f Fote: dados hpotétcos ) Quze pacetes de uma clíca de ortopeda foram avalados quato ao úmero de meses prevstos de fsoterapa, se haverá (S) ou ão (N) sequelas após o tratameto e o grau de 67

68 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca complexdade da crurga realzada: alto (A), médo(m) ou baxo(b). Os dados são apresetados a tabela abaxo Pacete Fsoterapa Sequelas S S N N N S S N N S S N S N N Crurga A M A M M B A M B M B B M M A a) Classfque cada uma das varáves; b) Dvda os pacetes em dos grupos: com (S) e sem (N) sequelas. Compare os grupos em relação ao tempo médo de fsoterapa. c) Qual dos dos grupos é mas homogêeo (meor dspersão) em relação ao tempo de fsoterapa? 3) São apresetados abaxo o dâmetro (em polegadas), a altura (em pés) e o volume (em pés cúbcos) de uma amostra de 0 cerejeras: Dâmetro 8,3 0,5 0,8,,0 3,3 4,5 6,3 7,5 8,0 Altura Volume 0,3 6,4 9,7,6 9, 7,4 38,3 4,6 55,7 5,5 Qual das três varáves tem maor varabldade? 4) (AFC-94) Etre os fucoáros de um órgão do govero, fo retrada uma amostra de dez dvíduos. Os úmeros que represetam as ausêcas ao trabalho regstradas para cada um deles, o últmo ao, são: 0, 0, 0,,,, 4, 4, 6 e 0. Sedo assm, qual o valor do desvo padrão desta amostra. 5) Um expermeto é coduzdo para comparar dos regmes almetares o que dz respeto ao aumeto de peso. Vte dvíduos são dstrbuídos ao acaso etre dos grupos em que ao prmero deles fo dada a deta A e ao segudo a deta B. Decorrdo certo período verfca-se que o gaho de peso em Kg para os dvíduos da amostra foram os segutes A -,0 0,0, 3, 3,3 4,3 5,0 5, 5,5 6,8 B,5 3,0 4,0 5,7 6,0 6,9 7,0 7, 7,3 8, a) Calcule a méda, medaa e desvo padrão da varável gaho de peso para cada deta. b) Obteha o coefcete de varação e comete o resultado. 6) Em um esao para o estudo da dstrbução de um atrbuto facero (X), foram examados 00 tes de atureza cotábl do balaço de uma empresa. Esse exercíco produzu a tabela de frequêca abaxo. A colua Classes represeta tervalos de valores de X em reas e a colua P represeta a frequêca relatva acumulada. Não exstem observações cocdetes com os extremos das classes Classes P(%)

69 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação Calcule: a) Coefcete de assmetra; b) Classfque o coefcete de assmetra; c) Coefcete de curtose; d) Classfque o coefcete de curtose. 7) O atrbuto do tpo cotíuo X, observado como um tero, uma amostra de tamaho 00 obtda de uma população de 000 dvíduos, produzu a tabela de frequêcas segute: Classes 9,5 39,5 39,5 49,5 49,5 59,5 59,5 69,5 69,5 79,5 79,5 89,5 89,5 99,5 Frequêca (f) Calcule: a) Coefcete de Assmetra. b) Coefcete de Curtose. 8) Obteha a varâca, o Desvo Padrão e o Coefcete de varação da dstrbução de frequêcas dada abaxo: Produção de 00 empregados da empresa Schalcher, Belém/PA, 004. Produção Frequêca Total 00 Fote: fctíca. 9) Um estudo fo realzado por um professor em três turmas, obtedo a méda e o desvo padrão das otas de sua dscpla, coforme abaxo. Qual a turma com meor varabldade? Justfque adequadamete. TURMA A B C MÉDIA 6,5 8,0 8,0 DESVIO PADRÃO,,7,0 0) O Desvo Padrão pode ser zero? O que sso sgfca? ) Na empresa Mercury Ltda. Fo observada a dstrbução de fucoáros do setor de servços geras com relação ao saláro semaal, coforme mostra a dstrbução de frequêca 69

70 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca Saláro Semaal (em US$) f Total 50 Calcule: a) O Desvo médo; b) O Desvo padrão. ) Classfque corretamete os coefcetes de Assmetra e Curtose dados abaxo: a) A=,45 e K= -0,367; b) A=-,45 e K= 0,3; c) A= 0,35 e K= 0,67; d) A= -0,45 e K= -0,56; e) A= -,77 e k= 0,479. ) Um baco tem à dsposção dos seus cletes duas zoas de atedmeto e cada uma com duas máquas multbaco. Na zoa Z, os cletes formam fla úca e a zoa Z fazem duas flas separadas, uma para cada máqua. Regstaram-se os segutes tempos de espera de 0 cletes Z 4,8 4,8 4,9 5, 5,4 5,5 5,7 5,8 5,8 5,8 Z,0 3,5 4, 4,5 5, 5,8 5,8 5,8 8,4 8,6 a) Com base estes dados, que coselho dara ao baco quato ao método a usar, uma fla úca ou flas separadas? b) Calcule o desvo padrão e o coefcete de varação para Z e Z. 3) Como parte de uma avalação médca em uma certa uversdade, fo medda a frequêca cardíaca dos aluos do prmero ao. Os dados serão apresetados em seguda. a) Obteha a Ampltude Total. b) Obteha a méda. c) Qual o Desvo médo? d) Ecotre a Varâca? e) Qual o valor do Desvo padrão? f) Calcule o coefcete de varação. Frequêca cardíaca Frequêca

71 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação 4) Aluos da Escola de Educação Físca foram submetdos a um treameto de resstêca por um período de meses. Ates de carem o treameto, foram submetdos a um teste de resstêca quato ao úmero de qulômetros que coseguram correr sem parar. Depos de 4 meses de treameto, foram ovamete submetdos ao mesmo teste. Os dados estão apresetados a segur. Faxas Frequêcas Ates do treameto Depos do treameto a) Calcule o Desvo médo para ambos os grupos. b) Obteha a Varâca para ambos os grupos. c) Obteha o Desvo padrão Para ambos os grupos d) Qual o grupo mas homogêeo? 5) Um laboratóro clíco precsa escolher, detre três aparelhos (A, B, C) para dosagem de sague, qual deverá comprar. Para sto o resposável pelas aálses preparou uma substâca de cocetração cohecda (0 mg/ml) e extrau váras amostras para serem dosadas pelos três aparelhos. Os resultados obtdos em cada um deles foram os segutes: A B C Qual strumeto lhe parece recomedável? Justfque sua resposta. 7

72 Departameto de Matemátca, Estatístca e Iformátca Lcecatura em Matemátca Modaldade a Dstâca PESQUISANDO Para melhorar sua apredzagem esta udade, sugro que você pesquse: - Os segutes lvros: CRESPO, Atoo Arot. Estatístca Fácl. São Paulo: Edtora Sarava, 998. MAGALHÃES, Marcos Nascmeto e LIMA, Atoo Carlos Pedroso de. Noções de Probabldade e Estatístca. São Paulo: 5a. ed. Edtora da Uversdade de São Paulo, 00. SPIEGEL, M. R., Estatístca, São Paulo: Makro Books, 993. STEVENSON, Wlla J. Estatístca Aplcada à Admstração. São Paulo: Ed. Harbra, acesse os stes:

73 Uversdade Estadual do Pará Cetro de Cêcas Socas e Educação RESPOSTAS Udade ) a) Quattatva b) Quattatva c) Quattatva d) Qualtatva e) Quattatva f) Quattatva g) Quattatva h) Qualtatva ) Quattatva j) Quattatva ) Idade (quattatva) Reda famlar (quattatva) Raça (qualtatva) Grau de escolardade (qualtatva) Uso da camsha (qualtatva) Partcpação em movmetos socas (qualtatva) Volêca sofrda (qualtatva) Dscrmação sofrda (qualtatva) 3) a) Qualtatva omal b) Qualtatva omal c) Quattatva cotíua d) Qualtatva ordal e) Qualtatva ordal f) Qualtatva ordal g) Qualtatva omal h) Qualtatva omal ) Com classe e sem classe. 4) É a Orgazação os dados de forma crescete ou decrescete. 5) a) frequêca acumulada 6) Fac b) os potos médos X c) frequêca relatva d) 60%. Fr 0, 0,4 0,3 0, 4) Defção do problema. Udade 3) Ttulo, Cabeçalho, colua dcadora, colua umérca, corpo, rodapé. 4) Sére msta. 5) Não pode ser fechada, pos, se assm for teremos um quadro e ão uma tabela. 6) O que? Ode? e Quado? 7) É que um gráfco explca melhor que uma tabela, ou seja, é mas fácl compreedêlo. 8) Clareza, smplcdade e veracdade. 9) Dagramas, pctogramas e cartogramas. 7) 8)6,5%. Valores F Fac fr ,08 0,08 0,6 0,4 0,0 0,0 0,4 0,0 73

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13.

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13. SUMARIO 2 MÉTODO ESTATÍSTICO...3 2. A ESTATÍSTICA...3 2.2 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO...4 3 FERRAMENTAS DE CÁLCULO PARA O ESTUDO DA ESTATÍSTICA...5 3. FRAÇÃO...5 3.. Adção e subtração...5 3..2 Multplcação

Leia mais

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA Proessor Maurco Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA. Coceto Exstem mutas deções propostas por autores, objetvado estabelecer com clareza o que é estatístca, como por exemplo: Þ A Estatístca é um cojuto de métodos

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística otas de aula da dscpla Probabldade e Estatístca Proessor M Sc Adré Luz DAMAT - UTFPR Esta apostla apreseta os tópcos prcpas abordados em sala de aula, cotedo deções, teoremas, eemplos Sua letura ão é obrgatóra,

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Goverador Domgos Gomes de Aguar Flho Vce Goverador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GES- TÃO (SEPLAG)

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística BAC 0 - Estatístca Uversdade Federal de Itajubá - Campus Itabra BAC0 - ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA MEDIDAS DE CENTRO Méda Medda de cetro ecotrada pela somatóra de todos os valores de um cojuto,

Leia mais

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental.

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental. É o grau de assocação etre duas ou mas varáves. Pode ser: Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/val www.pucrs.br/famat/val/ correlacoal ou expermetal. Numa relação expermetal os valores

Leia mais

APOSTILA DE ESTATÍSTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO, ECONOMIA, MATEMÁTICA INDUSTRIAL E ENGENHARIA

APOSTILA DE ESTATÍSTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO, ECONOMIA, MATEMÁTICA INDUSTRIAL E ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA APOSTILA DE ESTATÍSTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO, ECONOMIA, MATEMÁTICA INDUSTRIAL E ENGENHARIA SONIA ISOLDI MARTY GAMA

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesqusa ISS: 1517-972 revedu@usp.br Uversdade de São Paulo Brasl Helee, Otavao Evolução da escolardade esperada o Brasl ao logo do século XX Educação e Pesqusa, vol. 38, úm. 1, marzo, 212, pp.

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão LCE Etatítca Aplcada à Cêca Soca e Ambeta 00/0 Eemplo de revão Varável Aleatóra Cotíua Eemplo: Para e etudar o comportameto de uma plata típca de dua, a Hydrocotlle p., quato ao eu deevolvmeto, medu-e

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO A expressão dados, será ctada dversas vezes esta dscpla, em lguagem ormal, dados são ormações (úmeros ou ão) sobre um dvíduo (pessoa,

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecologa de Cataduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 5. Meddas de Posção cetral ou Meddas de Tedêca Cetral Meddas de posção cetral preocupam-se com a caracterzação e a

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Relatório Final da disciplina de Probabilidades e Estatística. Economia Gestão Informática e Gestão

Relatório Final da disciplina de Probabilidades e Estatística. Economia Gestão Informática e Gestão Relatóro Fal da dscpla de Probabldades e Estatístca Ecooma Gestão Iformátca e Gestão Docetes: Paulo Ifate (resposável) Iês Sousa Das Ao Lectvo 007/008 Ídce Relatóro Crítco de Leccoação Programa detalhado

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Val, Dr. http://www.pucrs.br/famat/val/ val@pucrs.br Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Obetvos A Aálse de

Leia mais

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Nota Técca o 037/2013-SRG/ANEEL Em 17 de mao de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Assuto: Cosoldação de todas as regulametações referetes à apuração de dspobldades de empreedmetos de geração de eerga

Leia mais

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística Projeção de Ceáros Aplcados ao Orçameto Empresaral Com revsão das Ferrametas de Estatístca Prof. Dr. Marco Atoo Leoel Caetao TÓPICO Tratameto, Quatfcação e Vsualzação de Dados Faceros. Itrodução Na dvulgação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS Prof José Leoardo Noroha M Eg Departameto de Egehara de Prodção Escola Federal de Egehara de Itabá EFEI RESUMO: Neste trabalho

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida Gestão de Sstemas de Produção/Operações Profº Túlo de Almeda 3. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E INDICADORES 3.1. INDICADORES DE DESEMPENHO Os dcadores são tes essecas para qualquer tpo de projeto, processo,

Leia mais

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados 3.1. Meddas de Tedêca Cetral CAPÍTULO 3 MEDIDA DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE UFRG 1 Há váras meddas de tedêca cetral. Etre elas ctamos a méda artmétca, a medaa, a méda harmôca, etc. Cada uma dessas

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

Estatística Agosto 2009 Campus do Pontal Prof. MSc. Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini

Estatística Agosto 2009 Campus do Pontal Prof. MSc. Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini Estatístca Agosto 009 Campus do Potal Prof. MSc. Qutlao Squera Schrode Nomel - ESTATÍSTICA DESCRITIVA. - A NATUREZA DA ESTATÍSTICA COMO SURGIU A ESTATÍSTICA????? A Matemátca surge do covívo socal, da cotagem,

Leia mais

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que Estatístca - Desvo Padrão e Varâca Preparado pelo Prof. Atoo Sales,00 Supoha que tehamos acompahado as otas de quatro aluos, com méda 6,0. Aluo A: 4,0; 6,0; 8,0; méda 6,0 Aluo B:,0; 8,0; 8,0; méda 6,0

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Notas em Matemática Aplicada 9

Notas em Matemática Aplicada 9 Notas em atemátca Aplcada 9 Edtado por Elaa XL de Adrade Uversdade Estadual aulsta - UNES São José do Ro reto, S, Brasl Rubes Sampao otfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero Ro de Jaero, RJ, Brasl Geraldo

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN Tayd Dayvso Custódo Pexoto ; Sérgo Luz Agular Leve ; Adre Herma Frere Bezerra 3 ; José

Leia mais

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL CÁLCULOS DE FINANÇAS MATEMÁTICA FINANCEIRA Semestre: A/2008 PROFESSOR: IRANI LASSEN CURSO: ALUNO: SUMÁRIO CÁLCULOS DE FINANÇAS INTRODUÇÃO...3. OBJETIVO:...3.2 FLUXO DE CAIXA...4.3

Leia mais

13 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL

13 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL 3 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Como vto em amotragem o prmero bmetre, etem fatore que fazem com que a obervação de toda uma população em uma pequa eja mpratcável, muta veze em vrtude

Leia mais

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo.

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo. Teora das Restrções e Decsões de Logo Prazo: Camho para a Covergêca Autores PABLO ROGERS Uversdade Federal de Uberlâda ERNANDO ANTONIO REIS Uversdade Federal de Uberlâda Resumo Advogam os crítcos da Teora

Leia mais

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO DE JNEIRO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PLICÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGI PROBLEMS DE INSTBILIDDE DE ESTRUTURS Julaa Bragh Ramalho Raul Rosas e Slva lua de graduação do curso

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

ESTATÍSTICA MÓDULO 2 OS RAMOS DA ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA MÓDULO 2 OS RAMOS DA ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA MÓDULO OS RAMOS DA ESTATÍSTICA Ídce. Os Ramos da Estatístca...3.. Dados Estatístcos...3.. Formas Icas de Tratameto dos Dados....3. Notação por Ídces...5.. Notação Sgma ()...5 Estatístca Módulo

Leia mais

CAPÍTULO 1 PROBABILIDADE

CAPÍTULO 1 PROBABILIDADE CAPÍTULO PROBABILIDADE. Coceto O coceto de probabldade está sempre presete em osso da a da: qual é a probabldade de que o meu tme seja campeão? Qual é a probabldade de que eu passe aquela dscpla? Qual

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST º Semestre 05/6 3º TRABALHO LABORATORIAL CIRCUITO RLC SÉRIE em Regme Forçado Alterado Susodal Prof. V. Maló Machado Prof. M. Guerrero das Neves Prof.ª Mª Eduarda Pedro Eg.

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO 1 VARIÁVEIS ALEATÓRIAS O que se etede por varável aleatóra? Até agora ossos estudos estavam pratcamete voltados mas para defrmos osso Espaço Amostral U, sem assocarmos suas respectvas probabldades aos

Leia mais

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM Fabríca D. Satos, Lucla G. Rbero, Leoardo G. de R. Guedes, Weber Marts Uversdade Católca de Goás, Departameto de Computação Uversdade

Leia mais

Medidas Numéricas Descritivas:

Medidas Numéricas Descritivas: Meddas Numércas Descrtvas: Meddas de dspersão Meddas de Varação Varação Ampltude Ampltude Iterquartl Varâca Desvo absoluto Coefcete de Varação Desvo Padrão Ampltude Medda de varação mas smples Dfereça

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A.

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A. MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS M. Z. Nascmeto, A. F. Frère e L. A. Neves INTRODUÇÃO O cotraste as radografas vara ao logo do campo de

Leia mais

Perguntas freqüentes Credenciadores

Perguntas freqüentes Credenciadores Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor?

Leia mais

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas.

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas. Físca plcada à Egehara vl II aulo Medes ENTRÓIDES Neste capítulo pretede-se troduzr o coceto de cetróde, em especal quado aplcado para o caso de superfíces plaas. Este documeto, costtu apeas um strumeto

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø.

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø. Professor Maurco Lutz 1 EGESSÃO LINEA SIMPLES A correlação lear é uma correlação etre duas varáves, cujo gráfco aproma-se de uma lha. O gráfco cartesao que represeta essa lha é deomado dagrama de dspersão.

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

A Medição e o Erro de Medição

A Medição e o Erro de Medição A Medção e o Erro de Medção Sumáro 1.1 Itrodução 1.2 Defções 1.3 Caracterzação da qualdade de medção 1.4 O erro da medção 1.4.1 Os erros aleatóros 1.4.2 Os erros sstemátcos 1.5 O verdadero valor, o erro

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Prof. Drª Marília Brasil Xavier REITORA. Profª. Drª. Maria das Graças Silva VICE-REITORA

Prof. Drª Marília Brasil Xavier REITORA. Profª. Drª. Maria das Graças Silva VICE-REITORA Prof. Drª Maríla Brasl Xaver REITORA Profª. Drª. Mara das Graças Slva VICE-REITORA Prof. Dr. Ruy Gulherme Castro de Almeda PRÓ-REITOR DE ENSINO E GRADUAÇÃO Profª. M.Sc. Mara José de Souza Cravo DIRETORA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES Aa Mara Lma de Faras Luz da Costa Laurecel Com a colaboração dos motores Maracajaro

Leia mais

APOSTILA DA DISCIPLINA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA I

APOSTILA DA DISCIPLINA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA I UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA APOSTILA DA DISCIPLINA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA I CURSO DE ESTATÍSTICA Prof. Paulo Rcardo Bttecourt Gumarães O SEMETRE

Leia mais

MÓDULO 8 REVISÃO REVISÃO MÓDULO 1

MÓDULO 8 REVISÃO REVISÃO MÓDULO 1 MÓDULO 8 REVISÃO REVISÃO MÓDULO A Estatístca é uma técca que egloba os métodos cetícos para a coleta, orgazação, apresetação, tratameto e aálse de dados. O objetvo da Estatístca é azer com que dados dspersos

Leia mais

TRABALHO DE COMPENSAÇÃO DE FALTAS - DP

TRABALHO DE COMPENSAÇÃO DE FALTAS - DP Cotrole do Proº Compesou as Faltas Não Compesou as Faltas TRABALHO DE COMPENSAÇÃO DE FALTAS - DP (De acordo coma s ormas da Isttução) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA 2º ANO

Leia mais

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento.

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento. Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.r http://www.pucrs.r/famat/val/ Em mutas stuações duas ou mas varáves estão relacoadas e surge etão a ecessdade de determar a atureza deste relacoameto. A aálse de regressão

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

9 Medidas Descritivas

9 Medidas Descritivas 1 9 Meddas Descrtvas Vmos aterormete que um cojuto de dados pode ser resumdo através de uma dstrbução de freqüêcas, e que esta pode ser represetada através de uma tabela ou de um gráfco. Se o cojuto refere-se

Leia mais

ESTATÍSTICA Aula 7. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

ESTATÍSTICA Aula 7. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano ESTATÍSTICA Aula 7 Prof. Dr. Marco Atoo Leoel Caetao Dstrbuções de Probabldade DISCRETAS CONTÍNUAS (Números teros) Bomal Posso Geométrca Hper-Geométrca Pascal (Números reas) Normal t-studet F-Sedecor Gama

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária.

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária. 1 UTOR: Emeta Luz Herque M da Slva 1 Defções de razão e proporção, propredades; Graduado em Matemátca e habltado em ísca pelo UNIEB 2 Gradezas dretamete proporcoas e versamete proporcoas, Regra de três;

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais