2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria"

Transcrição

1 Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores date de dstúrbos de médos e grades portes, tas como: perdas de geração, aumetos de carga, curtos-crcutos segudo de deslgameto de compoetes, etc. O objetvo é a determação dos lmtes operatvos do sstema, vsado otmzar a operação, preservado a seguraça. ara sso, o sstema deverá ser capaz de desevolver forças restauradoras que garatam a sua establdade, assegurado que as udades geradoras mateham-se em scrosmo quado ocorrer uma falta. as do que um resultado do tpo estável ou stável, pode-se quatfcar o quão estável é o cada uma das udades geradoras deste sstema, e o sstema como um todo, atrbudo ídces de establdade. Tas ídces dcam se a udade geradora está próxma ou ão da perda de establdade. O método cosderado basea-se o crtéro das áreas guas de um sstema máqua - barra fta, esteddo para um sstema multmáqua, a determação da establdade trastóra. Avala-se o comportameto das potêcas acelerates das máquas durate a falta e o período pós-falta, a fm de se obter ídces de establdade trastóra, bem como tempos crítcos de elmação de falta. O procedmeto para a determação dos tempos crítcos de elmação das faltas é dvddo em 8 (oto) etapas, coforme apresetado a fgura..

2 Determação da matrz de admtâca de barra pré-falta Cálculo da matrz de admtâca de barra durate a falta e pós-falta reduzda aos ós teros dos geradores Cálculo das varáves de estado dos geradores - âgulo, velocdade agular e potêca acelerate o período pós falta Determação das equações de osclação dos geradores Defção do cojuto dos geradores severamete perturbados Determação das marges de establdade dos geradores crítcos Herarq uzação das cotgêc as por ível de severdade Determação dos tempos crítcos de elmação da falta Fgura. rocedmeto para determação dos tempos crítcos de elmação da falta.. Establdade trastóra do sstema máqua - barra fta Os estudos de establdade trastóra em sstemas de potêca são bastates complexos devdo às ão-leardades eretes aos sstemas. Cosderado o modelo clássco para a máqua sícroa, devemos solucoar cada uma das equações dferecas ão-leares de ª ordem, que são as equações de osclação dos geradores, a fm de se obter o comportameto dâmco de cada gerador o período pós-dstúrbo. Etretato, uma maera de avalarmos a establdade trastóra dos dversos geradores é cosderar que cada um deles, dvdualmete, exergue o sstema como uma barra fta. Logo, o estudo de uma máqua lgada a uma barra fta, com a aplcação dos cocetos do crtéro das áreas guas, permte aalsarmos a establdade trastóra de um sstema multmáqua, sem a ecessdade de obter a solução das equações dâmcas.

3 3.. Crtéro das áreas guas [9] Nessa sessão é apresetado o crtéro das áreas guas, terpretado com base em um sstema máqua - barra fta, uma vez que o método cosderado utlza os mesmos cocetos para avalação da establdade trastóra de um sstema multmáqua. A fgura. apreseta um gerador lgado a uma barra fta [0]. A ocorrêca de um curto-crcuto trfásco sóldo o poto, com coseqüete abertura do dsjutor A, acarreta uma varação etre os cojugados mecâco e elétrco, fazedo com que o gerador acelere. Sedo assm, o âgulo do rotor do gerador oscla até atgr um pco, caso o gerador suporte o dstúrbo, ou cresce mootocamete, fazedo com que o gerador perca o scrosmo. Gerador Trasformador Barra fta A B (aberto) Fgura. Sstema máqua barra fta ara um melhor etedmeto, aalsa-se o comportameto do âgulo do rotor do gerador em fução da potêca acelerate, como mostra a fgura.3.

4 4 e d e = max se m a A b 0 A c c x y f Fgura.3 Curva potêca âgulo de um gerador lgado a uma barra fta Icalmete o gerador opera a velocdade sícroa, com âgulo de potêca 0,poto a da fgura.3, e sem dfereça etre os cojugados mecâco e elétrco. A ocorrêca de um curto trfásco o poto, elmado pelo dsjutor A após algus cclos, leva a potêca elétrca de saída a zero, fazedo a máqua acelerar. Durate a falta (trecho b-c) há uma dfereça etre a potêca mecâca e elétrca. Tal dfereça é armazeada o rotor sob a forma de eerga cétca através do cremeto da velocdade, que ultrapassa a velocdade sícroa. No mometo em que a falta é removda (poto c), a potêca acelerate tora-se egatva (poto d). Etretato, a velocdade ada está acma da sícroa, porém tededo a reduzr, vsto o efeto desacelerate da máqua, até atgr o poto e. Nesse poto, a posção agular do rotor é x e a máqua atge a velocdade sícroa ( ω ω =0). Como a ada é egatvo, a velocdade cotuará a reduzr s assumdo valores abaxo da velocdade sícroa, e o âgulo excursoará do poto e ao poto a. Nesse mometo, a ovamete troca de sal, aumetado a velocdade da máqua, até que ela atja a velocdade sícroa o poto f. A

5 5 partr daí o cclo se repete, com a máqua osclado em toro de um poto de equlíbro etre x e y ( 0 ), até atgr seu fucoameto estável, desde que haja amortecmeto. Vale ressaltar que o poto e será atgdo se, e somete se, A e A forem guas, o que garatrá a establdade a prmera osclação. Note que, à medda que aumetamos o tempo de elmação da falta, a área aumeta e a máqua materá o scrosmo só se exstr área A sufcete para compesar A. Fscamete sgfca que o cremeto de eerga cétca armazeada o rotor devdo à falta deve ser assmlado pelo sstema, quado de sua elmação, para que se possa restabelecer a velocdade sícroa, mpeddo que ω cresça mootocamete, assm como. ortato, utlza-se o crtéro das áreas guas para estabelecer o lmte de establdade dos geradores, através do comportameto do âgulo e da potêca acelerate o período pós-falta..3 Establdade trastóra de um sstema multmáqua Uma vez eteddo o coceto de establdade trastóra de um sstema máqua - barra fta podemos estedê-lo para um sstema multmáqua. Em sstemas de grade porte, apeas algumas máquas são severamete perturbadas quado ocorre um dstúrbo. Essas máquas são resposáves pela stabldade do sstema, portato defem se o sstema é estável ou ão. Logo, a detfcação do cojuto de máquas severamete perturbadas é uma etapa fudametal a determação da establdade do sstema. Etretato, o fato de um gerador perder a establdade ão garate que o sstema tero perderá a establdade caso haja atuação de proteções que solem o subsstema afetado. Com posse das marges de establdade das máquas severamete perturbadas, a máqua que possur a meor margem de establdade é cosderada a máqua crítca, e defe a margem de establdade do sstema. A tedêca é que a máqua crítca perca o scrosmo e carregue, juto com ela, outras máquas, formado um grupo de máquas stáves.

6 6 ortato, para avalarmos a establdade trastóra de um sstema multmáqua, defmos o cojuto de máquas severamete perturbadas para uma dada cotgêca e, a partr daí, calculamos as marges de establdade destas máquas, a fm de defr a margem de establdade do sstema..4 Equação de osclação de um gerador Formulação em relação ao cetro de érca do sstema [3, 9] A fgura.4 apreseta um sstema de potêca multmáqua com barras de geradores e m barras de carga. Os geradores são represetados pelo modelo clássco. ' x d V V + E E x ' d x ' d V : : V V + : : V +m E [, ] barras termas dos [ +, + m ] barras de carga geradores Fgura.4 Sstema multmáqua. Tratado as cargas como mpedâcas costates, podemos elmar as barras de carga e as barras termas dos geradores, reduzdo a matrz de admtâca de barra (Y barra ) aos ós teros das máquas. Cosderado que Y e Y j são os elemetos que compõem a matrz de admtâca de barra,

7 7 ode, Y Y = + y θ = G j B (.) j = j j j + y θ = G j B (.) j sedo, Y : elemetos da dagoal prcpal Y j : elemetos fora da dagoal prcpal O vetor de corretes dos ós é: I = Y E (.3) atrcalmete temos: I I I x = Y Y Y Y Y Y L L O L L L L O L Y Y Y x * E E E x ortato, a expressão geral é: I = Y E + j = j Y E j j (.4) Uma vez defda as cotrbuções de correte, podemos estabelecer a expressão aalítca da potêca elétrca da máqua : e _ = Re E _ * I = EG + j= j E E j ( B se( ) + G cos( ) j (.5) j j j

8 8 ode, =,,...,. Defdo: C = E E B = C (.6) j j j j j j j D = E E G = D (.7) j Temos etão: e = E G + j= j j ( ) + D cos( ) C se, =,,..., (.8) j j j sedo, E - tesão tera da máqua E j - tesão tera da máqua j - âgulo do rotor da máqua a referêca sícroa j - âgulo do rotor da máqua j a referêca sícroa B j - susceptâca equvalete etre as máquas e j G j - codutâca equvalete etre as máquas e j G - codutâca própra da máqua. Desevolvedo a expressão do âgulo do rotor da máqua em relação ao exo estacoáro, temos: θ = + (.9) ω st = ω = ω s + θ (.0) = ω ωs (.)

9 9 ode, θ - âgulo do rotor da máqua em relação ao exo estacoáro ω - velocdade agular da máqua ω s - velocdade sícroa Dervado a expressão., temos: = ω (.) ultplcado ambos os lados pela costate de érca da máqua ( ), temos: = ω (.3) Lembrado que: a = ω = m e (.4) ode, a - potêca acelerate da máqua m - potêca mecâca da máqua Etão temos: = m e (.5) A equação.5, descreve a dâmca da máqua. Aplcado o somatóro os dos lados da equação.5, temos:

10 30 = = ( m ) e (.6) = Cosderado a equação.8, podemos escrever: e = E G + C se + D cos + LL + C se + D cos e = E G + C se + D cos + LL + C se + D cos e = E G + C se + D cos + LL + C se + D cos ( ) ( ) ( ) ( ) Somado as potêcas elétrcas dos geradores, e lembrado que se j = se j e cos j = cos j, resulta: = e = = E G + D cos (.7) = j= + j j Assm, o lado dreto da equação.6 resulta: = = ( ) = D cos (.8) m e = j= + j j ode, = E G (.9) m or defção, o cetro de érca do sstema (COI), temos: 0 = T = (.0)

11 3 ω 0 = T = (.) T = = (.) Cosderado a equação., podemos reescrever o lado esquerdo da equação.6 da segute forma: = T ω 0 = = (.3) COI Cosderado as equações.6,.8 e.3, cocluímos que: COI = = D cos (.4) = j= + j j A equação.3 represeta o movmeto do cetro de érca de um sstema com máquas. ara determar a equação de osclação da máqua, em relação ao COI, multplcam-se ambos os lados da equação.3 pela costate de érca da máqua ( ). Assm temos: = ω 0 COI (.5) T Lembrado que, por defção: COI = 0 (.6) ω COI = ω ω 0 (.7) Etão, da equação.5, resulta:

12 3 = COI COI ω ω = ω ω COI (.8) T Cosderado a equação.4, temos: COI ω = a COI (.9) T Falmete, podemos escrever a equação que represeta a dâmca da máqua o cetro de érca do sstema: d = m e dt COI t COI (.30).5 étodo para avalação da establdade trastóra a prmera osclação [] Cosdera-se um sstema estável a prmera osclação se, para qualquer perturbação, o âgulo em relação ao cetro de érca do sstema das máquas, após a elmação do dstúrbo, atge um valor de pco e retora a um poto de equlíbro estável. Em outras palavras, se exste um poto pós-falta tal que d dt = 0 (a velocdade agular do rotor é exatamete gual à velocdade sícroa) para todas as udades geradoras do sstema, etão o sstema é estável. or outro lado, se o âgulo de pelo meos uma das máquas exceder 80 0 em relação ao cetro de érca do sstema, etão o sstema é dto stável, cosderado que ão há atuação de esquemas de proteção. A aálse da establdade é feta observado o comportameto da velocdade e da potêca acelerate, em relação ao COI, o período pós-dstúrbo. Se da máqua atge um poto ode d dt = 0 e sua potêca acelerate ada é egatva ( a < 0), etão a máqua é estável a prmera osclação. A stuação crítca é caracterzada pela ocorrêca smultâea de

13 33 d dt = 0 e a = 0. Já para a stuação stável, a velocdade agular da máqua excede a velocdade sícroa o state que a = 0. ortato, o valor da potêca desacelerate o poto em que d dt = 0 é uma medda do grau de establdade da máqua. A tabela. apreseta um resumo. Tabela. Resumo da establdade a prmera osclação Stuação Estável Stuação Crítca Stuação Istável ω ω s = 0 e a < 0 ωs ω = 0 e a = 0 ω ωs > 0 e a = 0.5. arges de establdade de uma máqua ara a determação do grau de establdade de um sstema de eerga elétrca, é ecessáro aalsar os âgulos, as velocdades agulares e as potêcas acelerates o período pós-dstúrbo. A margem de establdade de um gerador é calculada através do quadrado da razão etre o valor da potêca desacelerate em t p (state em que d dt = 0) e a máxma potêca desacelerate ocorrda o tervalo [t cl, t p ], coforme dcado a equação abaxo: D ( t ) k p E = (.3) D max sedo: D ( t p ) : otêca desacelerate da máqua k o state em que a velocdade da máqua troca de sal. max : otêca desacelerate máxma etre o state em que a falta é D elmada (t cl ) e o state em que a velocdade da máqua troca de sal (t p ).

14 34.5. Iterpretação da margem de establdade através da curva potêca - âgulo A fgura.5 apreseta a curva potêca - âgulo de um gerador. O poto ( d dt = 0) excursoa de c a l u à medda em que aumetamos o tempo de elmação da falta (t cl ). Se p ultrapassa u, o caso é cosderado stável. A relação etre o valor de d o state em que ocorre p e o maor valor que d assume durate o tervalo [t cl, t p ] dcará a margem de establdade. ara valores muto pequeos de t cl, A sera sufcetemete pequeo que, tão logo a falta fosse elmada, a máqua atgra a velocdade sícroa, gualado A e A (Fgura.3). Esse caso é cosderado muto estável ( ocorre ates de π ), pos d (t p ) sera o maor valor assumdo o tervalo [t cl, t p ], determado a margem de establdade gual a um (E=). Tal fato ocorre até = π, pos d (t p ) cocde com d max. Se p ocorre após π, d (t p ) < d max e portato 0 < E <. Falmete, quado temos t cl = t cr, p = u ( d = 0 ). Nesse caso, as áreas A e A se gualam e a margem de establdade é aproxmadamete zero. p p p d max d dt = 0 m E = 0 < E < d (t p ) = E 0 c l π p u π Fgura.5 argem de establdade terpretada através da curva potêca - âgulo de um gerador

15 Determação da margem de establdade em um sstema multmáqua Uma vez compreeddo o coceto de margem de establdade de um gerador, veremos como avalar a margem de establdade de um sstema que possu dversos geradores. Como vmos, aalsado o comportameto de para as máquas do sstema, ao logo de um tervalo de tempo [ 0, t ], ode é o âgulo em relação ao cetro de érca do sstema, verfcamos se o gerador é estável. Se após a elmação da falta, ( ) < π (.3) t m e a velocdade troca de sal, etão o sstema é estável a prmera osclação, ode, t m [ 0, t ]; ara a determação da margem de establdade do sstema, é ecessáro defrmos o cojuto de geradores severamete perturbados, sto é, aqueles mas afetados pelo dstúrbo. A aálse deste subcojuto de geradores caddatos à perda de establdade é codção sufcete para a determação da margem de establdade do sstema, além de apresetar como grade vatagem a redução do esforço computacoal Idetfcação do cojuto de máquas severamete perturbadas O procedmeto para acharmos o cojuto das máquas severamete perturbadas basea-se as acelerações das máquas o state medatamete

16 36 após a ocorrêca da falta (t + 0 ), ou o state medatamete após a elmação da falta (t + cl ), e é apresetado a segur. A máqua é severamete perturbada se: a a f f max >σ (.33) ode: f a : aceleração da máqua o state medatamete após a ocorrêca da falta, ou o state medatamete após a elmação da falta; f a max : máxma aceleração o state medatamete após a ocorrêca da falta ou o state medatamete após a elmação da falta, detre todas as máquas; σ : tolerâca pré-determada. ara calcularmos as acelerações, basta dvdrmos a potêca acelerate, um dado state de tempo, pela costate de érca da máqua. A máqua mas próxma do poto ode ocorre a falta é forte caddata ao cojuto de máquas severamete perturbadas. Etretato, podemos ter mas de uma máqua compodo o cojuto de máquas severamete perturbadas. Valores típcos de σ gram em toro de 0,7. Uma vez obtdas as marges de establdade dos geradores crítcos, lea-se, severamete perturbados, com base a equação.3, podemos defr o grau de establdade do sstema argem de establdade do sstema Cohecdas as marges de establdade dos geradores severamete perturbados, podemos defr a margem de establdade do sstema, que será estabelecda pelo gerador que apresetar a meor margem de establdade detre todos aqueles severamete perturbados. ortato, defe-se a margem de establdade do sstema como:

17 37 E s = m{ E }, S (.34) ode, S: Cojuto dos geradores severamete perturbados E : argem de establdade do gerador Tal margem avala o quão próxmo da perda de establdade está o sstema. ortato, para cada tempo de elmação da falta, o sstema apreseta uma margem de establdade, que se reduz a medda em que o tempo de duração do curto-crcuto aumeta. ode-se, etão, avalar o comportameto da margem de establdade do sstema em fução do tempo de duração da falta, até que a margem assuma o valor ulo, caracterzado a perda de establdade do sstema. Este state de tempo defe o tempo crítco Determação dos tempos crítcos de elmação da falta Sabe-se que, à medda que se aumeta o tempo de elmação da falta, o sstema se aproxma do lmte de establdade. Se o tempo de elmação for sufcetemete grade, o sstema poderá perder o scrosmo. No etato, exste um state em que o sstema está o lmar de perder o scrosmo. Nesta stuação, qualquer perturbação o sstema, pode ocasoar a perda de scrosmo. Os tempos crítcos de elmação da falta são defdos com base a margem de establdade do sstema. A redução da margem sgfca uma aproxmação do lmte de establdade. ortato, marges de establdade cujos valores se aproxmam de zero represetam proxmdade do lmte de establdade. Sedo assm, o tempo crítco é determado pelo state em que a máqua do sstema apreseta margem de establdade ula, coforme dcado abaxo. t t ( E 0) (.35) cr =

18 38 Com base os tempos crítcos defdos para cada falta o sstema, podemos classfcar as cotgêcas de acordo com o ível de severdade, permtdo que váras cotgêcas sejam descartadas de atemão, por ão se caracterzarem como crítcas ou graves. Deste modo, reduzmos o esforço computacoal a avalação da seguraça dâmca de um sstema de eerga elétrca, dado que apeas o cojuto de cotgêcas crítcas deverá ser estudado, composto pelas faltas que apresetam os meores tempos crítcos. A herarquzação das cotgêcas permte uma redução préva do cojuto de cotgêcas de um sstema a ser estudado, o que caracterza uma grade vatagem do método.

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA O objetvo deste capítulo é apresetar formas da equação da coservação da massa em fução de propredades tesvas faclmete mesuráves, como a temperatura, a pressão,

Leia mais

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Goverador Domgos Gomes de Aguar Flho Vce Goverador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GES- TÃO (SEPLAG)

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO DE JNEIRO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PLICÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGI PROBLEMS DE INSTBILIDDE DE ESTRUTURS Julaa Bragh Ramalho Raul Rosas e Slva lua de graduação do curso

Leia mais

Sumário. Mecânica. Sistemas de partículas

Sumário. Mecânica. Sistemas de partículas umáro Udade I MECÂNICA 2- Cetro de massa e mometo lear de um sstema de partículas - stemas de partículas e corpo rígdo. - Cetro de massa. - Como determar o cetro de massa dum sstema de partículas. - Vetor

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Momento Linear duma partícula

Momento Linear duma partícula umáro Udade I MECÂNICA 2- Cetro de massa e mometo lear de um sstema de partículas - Mometo lear de uma partícula e de um sstema de partículas. - Le fudametal da dâmca para um sstema de partículas. - Impulso

Leia mais

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental.

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental. É o grau de assocação etre duas ou mas varáves. Pode ser: Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/val www.pucrs.br/famat/val/ correlacoal ou expermetal. Numa relação expermetal os valores

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO;

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO; Aplcação de Motores de Méda esão dedcados acoados por versor de frequêca e utlzação de um úco projeto em dferetes solctações de carga. Gleuber Helder Perera Rodrgues Esp. Eg. WEG Brasl gleuber@weg.et Alex

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

Centro de massa, momento linear de sistemas de partículas e colisões

Centro de massa, momento linear de sistemas de partículas e colisões Cetro de massa, mometo lear de sstemas de partículas e colsões Prof. Luís C. Pera stemas de partículas No estudo que temos vdo a fazer tratámos os objectos, como, por exemplo, blocos de madera, automóves,

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

Como CD = DC CD + DC = 0

Como CD = DC CD + DC = 0 (9-0 www.eltecampas.com.br O ELITE RESOLVE IME 008 MATEMÁTICA - DISCURSIVAS MATEMÁTICA QUESTÃO Determe o cojuto-solução da equação se +cos = -se.cos se + cos = se cos ( se cos ( se se.cos cos + + = = (

Leia mais

MODELO DE ISING BIDIMENSIONAL SEGUNDO A TÉCNICA DE MATRIZ DE TRANSFERÊNCIA

MODELO DE ISING BIDIMENSIONAL SEGUNDO A TÉCNICA DE MATRIZ DE TRANSFERÊNCIA UIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ RAFAEL DE LIMA BARBOSA MODELO DE ISIG BIDIMESIOAL SEGUDO A TÉCICA DE MATRIZ DE TRASFERÊCIA FORTALEZA CEARÁ 4 RAFAEL DE LIMA BARBOSA MODELO DE ISIG BIDIMESIOAL SEGUDO A TÉCICA

Leia mais

RESUMO E EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS ( )

RESUMO E EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS ( ) NÚMEROS COMPLEXOS Forma algébrca e geométrca Um úmero complexo é um úmero da forma a + b, com a e b reas e = 1 (ou, = -1), chamaremos: a parte real; b parte magára; e udade magára. Fxado um sstema de coordeadas

Leia mais

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST º Semestre 05/6 3º TRABALHO LABORATORIAL CIRCUITO RLC SÉRIE em Regme Forçado Alterado Susodal Prof. V. Maló Machado Prof. M. Guerrero das Neves Prof.ª Mª Eduarda Pedro Eg.

Leia mais

n. A densidade de corrente associada a esta espécie iônica é J n. O modelo está ilustrado na figura abaixo.

n. A densidade de corrente associada a esta espécie iônica é J n. O modelo está ilustrado na figura abaixo. Equlíbro e o Potecal de Nerst 5910187 Bofísca II FFCLRP USP Prof. Atôo Roque Aula 11 Nesta aula, vamos utlzar a equação para o modelo de eletrodfusão o equlíbro obtda a aula passada para estudar o trasporte

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesqusa ISS: 1517-972 revedu@usp.br Uversdade de São Paulo Brasl Helee, Otavao Evolução da escolardade esperada o Brasl ao logo do século XX Educação e Pesqusa, vol. 38, úm. 1, marzo, 212, pp.

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

Capítulo 2 Circuitos Resistivos

Capítulo 2 Circuitos Resistivos EA53 Crcutos Elétrcos I DECOMFEECUICAMP Caítulo Crcutos esstos EA53 Crcutos Elétrcos I DECOMFEECUICAMP. Le de Ohm esstor: qualquer dsosto que exbe somete uma resstêca. a resstêca está assocada ao úmero

Leia mais

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados 3.1. Meddas de Tedêca Cetral CAPÍTULO 3 MEDIDA DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE UFRG 1 Há váras meddas de tedêca cetral. Etre elas ctamos a méda artmétca, a medaa, a méda harmôca, etc. Cada uma dessas

Leia mais

REGESD Prolic Matemática e Realidade- Profª Suzi Samá Pinto e Profº Alessandro da Silva Saadi

REGESD Prolic Matemática e Realidade- Profª Suzi Samá Pinto e Profº Alessandro da Silva Saadi REGESD Prolc Matemátca e Realdade- Profª Suz Samá Pto e Profº Alessadro da Slva Saad Meddas de Posção ou Tedêca Cetral As meddas de posção ou meddas de tedêca cetral dcam um valor que melhor represeta

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição:

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição: 6// IV. Juros: taxa efetva, equvalete e proporcoal Matemátca Facera Aplcada ao Mercado Facero e de Captas Professor Roaldo Távora IV. Taxa efetva Defção: É a taxa de juros em que a udade referecal de seu

Leia mais

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas.

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas. Físca plcada à Egehara vl II aulo Medes ENTRÓIDES Neste capítulo pretede-se troduzr o coceto de cetróde, em especal quado aplcado para o caso de superfíces plaas. Este documeto, costtu apeas um strumeto

Leia mais

A Medição e o Erro de Medição

A Medição e o Erro de Medição A Medção e o Erro de Medção Sumáro 1.1 Itrodução 1.2 Defções 1.3 Caracterzação da qualdade de medção 1.4 O erro da medção 1.4.1 Os erros aleatóros 1.4.2 Os erros sstemátcos 1.5 O verdadero valor, o erro

Leia mais

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13.

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13. SUMARIO 2 MÉTODO ESTATÍSTICO...3 2. A ESTATÍSTICA...3 2.2 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO...4 3 FERRAMENTAS DE CÁLCULO PARA O ESTUDO DA ESTATÍSTICA...5 3. FRAÇÃO...5 3.. Adção e subtração...5 3..2 Multplcação

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A.

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A. MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS M. Z. Nascmeto, A. F. Frère e L. A. Neves INTRODUÇÃO O cotraste as radografas vara ao logo do campo de

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Nota Técca o 037/2013-SRG/ANEEL Em 17 de mao de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Assuto: Cosoldação de todas as regulametações referetes à apuração de dspobldades de empreedmetos de geração de eerga

Leia mais

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística otas de aula da dscpla Probabldade e Estatístca Proessor M Sc Adré Luz DAMAT - UTFPR Esta apostla apreseta os tópcos prcpas abordados em sala de aula, cotedo deções, teoremas, eemplos Sua letura ão é obrgatóra,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS Prof José Leoardo Noroha M Eg Departameto de Egehara de Prodção Escola Federal de Egehara de Itabá EFEI RESUMO: Neste trabalho

Leia mais

( x) Método Implícito. No método implícito as diferenças são tomadas no tempo n+1 ao invés de tomá-las no tempo n, como no método explícito.

( x) Método Implícito. No método implícito as diferenças são tomadas no tempo n+1 ao invés de tomá-las no tempo n, como no método explícito. PMR 40 Mecâca Computacoal Método Implícto No método mplícto as dfereças são tomadas o tempo ao vés de tomá-las o tempo, como o método explícto. O método mplícto ão apreseta restrção em relação ao valor

Leia mais

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística Projeção de Ceáros Aplcados ao Orçameto Empresaral Com revsão das Ferrametas de Estatístca Prof. Dr. Marco Atoo Leoel Caetao TÓPICO Tratameto, Quatfcação e Vsualzação de Dados Faceros. Itrodução Na dvulgação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES Aa Mara Lma de Faras Luz da Costa Laurecel Com a colaboração dos motores Maracajaro

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística BAC 0 - Estatístca Uversdade Federal de Itajubá - Campus Itabra BAC0 - ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA MEDIDAS DE CENTRO Méda Medda de cetro ecotrada pela somatóra de todos os valores de um cojuto,

Leia mais

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09 Estatístca - exestatmeddsper.doc 5/0/09 Meddas de Dspersão Itrodução ão meddas estatístcas utlzadas para avalar o grau de varabldade, ou dspersão, dos valores em toro da méda. ervem para medr a represetatvdade

Leia mais

3 Fundamentação Teórica

3 Fundamentação Teórica 3 Fudametação Teórca A segur são apresetados os fudametos teórcos os quas é embasado o desevolvmeto do trabalho. 3.. Espectros de Resposta De acordo com Sampao [3], é descrta a resposta máxma de um osclador

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

Métodos iterativos. Capítulo O Método de Jacobi

Métodos iterativos. Capítulo O Método de Jacobi Capítulo 4 Métodos teratvos 41 O Método de Jacob O Método de Jacob é um procedmeto teratvo para a resolução de sstemas leares Tem a vatagem de ser mas smples de se mplemetar o computador do que o Método

Leia mais

Diferenciais Ordinárias. Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais

Diferenciais Ordinárias. Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais Exstêca e Ucdade de Soluções de Equações Dferecas Ordáras Regaldo J Satos Departameto de Matemátca-ICEx Uversdade Federal de Mas Geras http://wwwmatufmgbr/ reg 10 de ulho de 2010 2 1 INTRODUÇÃO Sumáro

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA versão mpressa ISSN 00-7438 / versão ole ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA Luís Alberto Duca Ragel UFF-COPPE/PEP/UFRJ

Leia mais

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA Proessor Maurco Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA. Coceto Exstem mutas deções propostas por autores, objetvado estabelecer com clareza o que é estatístca, como por exemplo: Þ A Estatístca é um cojuto de métodos

Leia mais

1. Revisão Matemática

1. Revisão Matemática 1. Revsão Matemátca Dervadas Seja a fução f : R R, fxe x R, e cosdere a expressão : f ( x+ αe ) lmα 0 α f, ode e é o vector utáro. Se o lmte acma exstr, chama-se a dervada parcal de f o poto x e é represetado

Leia mais

Teoria da Amostragem

Teoria da Amostragem Teora da Amostragem I- oções fudametas sobre amostragem. Amostragem é todo o processo de recolha de uma parte, geralmete pequea, dos elemetos que costtuem um dado couto. Da aálse dessa parte pretede obter-se

Leia mais

Notas em Matemática Aplicada 9

Notas em Matemática Aplicada 9 Notas em atemátca Aplcada 9 Edtado por Elaa XL de Adrade Uversdade Estadual aulsta - UNES São José do Ro reto, S, Brasl Rubes Sampao otfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero Ro de Jaero, RJ, Brasl Geraldo

Leia mais

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica 59087 Bofísca II FFCLRP P Pof. Atôo Roque Aula 7 A Base emodâmca da Pessão Osmótca Elemetos de emodâmca As les báscas da temodâmca dzem espeto à covesão de eega de uma foma em outa e à tasfeêca de eega

Leia mais

CAPÍTULO 1 PROBABILIDADE

CAPÍTULO 1 PROBABILIDADE CAPÍTULO PROBABILIDADE. Coceto O coceto de probabldade está sempre presete em osso da a da: qual é a probabldade de que o meu tme seja campeão? Qual é a probabldade de que eu passe aquela dscpla? Qual

Leia mais

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado.

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado. 1 Belo Horzote, 14 de abrl de 2007. À UNAFISCO SAÚDE AT.: Glso Bezerra REF: AVALIAÇÃO ATUARIAL Prezado Sehor, Em atedmeto à solctação de V.Sa., apresetamos, a seqüêca, os resultados do estudo referecado.

Leia mais

Econometria: 3 - Regressão Múltipla

Econometria: 3 - Regressão Múltipla Ecoometra: 3 - Regressão Múltpla Prof. Marcelo C. Mederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. Marco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo de regressão

Leia mais

Estatística Agosto 2009 Campus do Pontal Prof. MSc. Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini

Estatística Agosto 2009 Campus do Pontal Prof. MSc. Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini Estatístca Agosto 009 Campus do Potal Prof. MSc. Qutlao Squera Schrode Nomel - ESTATÍSTICA DESCRITIVA. - A NATUREZA DA ESTATÍSTICA COMO SURGIU A ESTATÍSTICA????? A Matemátca surge do covívo socal, da cotagem,

Leia mais

Companhia Energética de Minas LINHAS DE TRANSMISSÃO VISTO N o.

Companhia Energética de Minas LINHAS DE TRANSMISSÃO VISTO N o. Impressora utlzada PLSERJET00 a REV. PROJ.J DES. CONF. LCR LCR BSLM BSLM 03//0 FEITO VISTO DT PROV. L T E R Ç Õ E S PRO V. BSLM Compaha Eergétca de Mas LINS DE TRNSMISSÃO VISTO N o. DT BSLM 03//0 Compatbldade

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecologa de Cataduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 5. Meddas de Posção cetral ou Meddas de Tedêca Cetral Meddas de posção cetral preocupam-se com a caracterzação e a

Leia mais

Avaliação da Localização de Base de Atendimento para Equipamentos de Movimentação de uma Empresa Siderúrgica

Avaliação da Localização de Base de Atendimento para Equipamentos de Movimentação de uma Empresa Siderúrgica Avalação da Localzação de Base de Atedmeto para Equpametos de Movmetação de uma Empresa Sderúrgca Leadro Ferades da Slva Leadro.Ferades@cs.com.br UFF Ilto Curty Leal Juor ltocurty@gmal.com UFRJ Paul Adrao

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Obra publicada pela Universidade Federal de Pelotas

Obra publicada pela Universidade Federal de Pelotas Obra publcada pela Uversdade Federal de Pelotas Retor: Prof. Dr. Atoo Cesar Goçalves Bores Vce-Retor: Prof. Dr. Maoel Luz Breer de Moraes Pró-Retor de Etesão e Cultura: Prof. Dr. Luz Era Goçalves Ávla

Leia mais

7 Análise de covariância (ANCOVA)

7 Análise de covariância (ANCOVA) Plejameto de Expermetos II - Adlso dos Ajos 74 7 Aálse de covarâca (ANCOVA) 7.1 Itrodução Em algus expermetos, pode ser muto dfícl e até mpossível obter udades expermetas semelhtes. Por exemplo, pode-se

Leia mais

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento.

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento. Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.r http://www.pucrs.r/famat/val/ Em mutas stuações duas ou mas varáves estão relacoadas e surge etão a ecessdade de determar a atureza deste relacoameto. A aálse de regressão

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos Apostla de Itrodução Aos Métodos Numércos PARTE III o Semestre - Pro a. Salete Souza de Olvera Buo Ídce INTERPOAÇÃO POINOMIA...3 INTRODUÇÃO...3 FORMA DE AGRANGE... 4 Iterpolação para potos (+) - ajuste

Leia mais

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3 Idetfcação da exstêca de padrão espacal aleatóro a dstrbução dos pacetes portadores de doeça geétca rara com defcêca físca da Assocação de Assstêca à Craça Defcete (AACD) de Perambuco Aa Clara P. Campos

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO Núcleo das Cêcas Bológcas e da Saúde Cursos de Bomedca, Ed. Físca, Efermagem, Farmáca, Fsoterapa, Fooaudologa, Medca Veterára, Muscoterapa, Odotologa, Pscologa MEDIDAS DE DISPERSÃO 9 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO

Leia mais

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária.

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária. 1 UTOR: Emeta Luz Herque M da Slva 1 Defções de razão e proporção, propredades; Graduado em Matemátca e habltado em ísca pelo UNIEB 2 Gradezas dretamete proporcoas e versamete proporcoas, Regra de três;

Leia mais

Capítulo 5 CINEMÁTICA DIRETA DE ROBÔS MANIPULADORES

Capítulo 5 CINEMÁTICA DIRETA DE ROBÔS MANIPULADORES Cemátca da Posção de Robôs Mapuladores Capítulo 5 CINEMÁTICA DIRETA DE ROBÔS MANIPULADORES A cemátca de um robô mapulador é o estudo da posção e da velocdade do seu efetuador e dos seus lgametos. Quado

Leia mais

Forma padrão do modelo de Programação Linear

Forma padrão do modelo de Programação Linear POGAMAÇÃO LINEA. Forma Padrão do Modelo de Programação Lear 2. elações de Equvalêca 3. Suposções da Programação Lear 4. Eemplos de Modelos de PPL 5. Suposções da Programação Lear 6. Solução Gráfca e Iterpretação

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Maríla Brasl Xaver REITORA Prof. Rubes Vlhea Foseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odvaldo Texera Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odvaldo Texera Lopes REALIZAÇÃO

Leia mais

DINÂMICA VIBRAÇÕES DE SISTEMAS COM 1 GRAU DE LIBERDADE. António Araújo Correia

DINÂMICA VIBRAÇÕES DE SISTEMAS COM 1 GRAU DE LIBERDADE. António Araújo Correia DINÂMICA VIBRAÇÕES DE SISTEMAS COM GRAU DE IBERDADE Atóo Araújo Correa Jaero de 007 VIBRAÇÕES DE SISTEMAS COM GRAU DE IBERDADE. INTRODUÇÃO Esta publcação desta-se ao apoo das aulas da dscpla seestral de

Leia mais

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø.

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø. Professor Maurco Lutz 1 EGESSÃO LINEA SIMPLES A correlação lear é uma correlação etre duas varáves, cujo gráfco aproma-se de uma lha. O gráfco cartesao que represeta essa lha é deomado dagrama de dspersão.

Leia mais

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL Dese de Mrada e Slva Correa Vâa Barcellos Gouvêa Campos Isttuto Mltar de Egehara Resumo Neste trabalho apreseta-se uma aálse espacal

Leia mais

Análise Computacional do Impacto de Geração Distribuída em Redes de Distribuição

Análise Computacional do Impacto de Geração Distribuída em Redes de Distribuição Aálse Computacoal do Impacto de Geração Dstrbuída em Redes de Dstrbução Luz C. P. da Slva, Walmr Fretas, Adré L.M. Fraça,.C. M. era r., Paulo C.M. Mera, Eduardo N. Asada e Hdeo Nshda. Resumo Este trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA ESTIMAÇÃO DE RIGIDEZES DE MANCAIS DE ROTORES POR ANÁLISE DE SENSIBILIDADE. Leonardo Caldiron

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA ESTIMAÇÃO DE RIGIDEZES DE MANCAIS DE ROTORES POR ANÁLISE DE SENSIBILIDADE. Leonardo Caldiron uesp UNIVERIDADE ETADUA PAUITA FACUDADE DE ENGENHARIA DE IHA OTEIRA PROGRAA DE PÓ-GRADUAÇÃO E ENGENHARIA ECÂNICA ETIAÇÃO DE RIGIDEZE DE ANCAI DE ROTORE POR ANÁIE DE ENIBIIDADE eoardo Cadro Dssertação apresetada

Leia mais

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo.

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo. Teora das Restrções e Decsões de Logo Prazo: Camho para a Covergêca Autores PABLO ROGERS Uversdade Federal de Uberlâda ERNANDO ANTONIO REIS Uversdade Federal de Uberlâda Resumo Advogam os crítcos da Teora

Leia mais