RESUMO E EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS ( )

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO E EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS ( )"

Transcrição

1 NÚMEROS COMPLEXOS Forma algébrca e geométrca Um úmero complexo é um úmero da forma a + b, com a e b reas e = 1 (ou, = -1), chamaremos: a parte real; b parte magára; e udade magára. Fxado um sstema de coordeadas o plao, o complexo z = a + b é represetado pelo poto P(a, b). O poto P é chamado de magem (ou afxo) do complexo z. O plao o qual represetamos os complexos é chamado de plao de Argad-Gauss. O exo dos x é chamado de exo real e o exo dos y é chamado de exo magáro. Em partcular o úmero complexo z = a + b, será chamado: magáro puro se a = 0 e b 0; magáro se a 0 e b 0; real se b = 0. POTÊNCIAS DA UNIDADE IMAGINÁRIA As potêcas de apresetam um comportameto teressate. Essas potêcas se repetem em cclos de 4 e para qualquer potêca atural de correspoderá a uma das segutes possbldades: 0 = 1; 1 = ; = 1; 3 =. Observe que pode ser escrto como = 4q + r, ode q é quocete e r é o resto da dvsão de por 4, assm: IGUALDADE ( ) 4q+ r 4q r 4 q r q r r = =. =. = 1. =. Os complexos z 1 = a 1 + b 1 e z = a + b são guas se, e somete se, a 1 = a e b 1 = b. OPERAÇÃO DE ADIÇÃO/SUBTRAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO Defem-se, o cojuto dos complexos, as operações usuas, váldas para os úmeros reas, sto é, para efetuarmos a adção/subtração etre complexos basta adcoar/subtrar as partes reas e magáras ordeadamete, para efetuarmos a multplcação etre complexos basta usarmos a dstrbutvdade etre seus elemetos. CONJUGADO O cojugado do complexo z = a + b, a e b reas, é o complexo z = a b. Os complexos cojugados tem mages smétrcas em relação ao exo real. Fazedo. z z obtemos a orma de z, um úmero real. DIVISÃO Para dvdr úmeros complexos, multplcamos dvdedo e dvsor pelo cojugado do dvsor, o que trasforma o problema em uma dvsão por um úmero real. Prof. Claudo Salda

2 EXERCÍCIOS EM SALA 1. (FUVEST) Sabedo que α é um úmero real e que a parte magára do úmero complexo a) -4 b) - c) 1 d) e) 4 + é zero, etão α é: α+. (UEL) Seja o úmero complexo z = x + y, com x e y reas. Se z.(1 ) = (1 + ), etão: a) x = y b) x y = c) x.y = 1 d) x + y = 0 e) y = x 3. Seja a matrz 34 z+ z A=, ode z = a + b é um úmero complexo. zz z z Sedo det A = 7, o valor de a + b é gual a... QUESTÕES PROPOSTAS 01 - (UFJF MG) A fgura abaxo mostra, o plao complexo, o círculo de rao 1, os afxos de cco úmeros complexos e as bssetrz dos quadrates. O úmero complexo z, ode é a udade magára e z é o cojugado de z, é gual a: ṛ ẓ s... w t a) z; b) w; c) r; d) s; e) t; Prof. Claudo Salda

3 0 - (UNICAMP) Um trâgulo eqülátero, scrto em uma crcuferêca de cetro a orgem, tem como um de seus vértces o poto do plao assocado ao úmero complexo 3+. a) Que úmeros complexos estão assocados aos outros dos vértces do mesmo trâgulo? Faça a fgura desse trâgulo. b) Qual a medda do lado desse trâgulo? 03 - (UNIFICADO) A fgura mostra, o plao complexo, o círculo de cetro a orgem rao 1, e as mages de cco úmeros complexos. O complexo 1/z é gual a:. r w. ż. s. t a) z b) w c) r d) s e) t 04 -(UEM) Seja a udade magára, a e b as raízes da equação x + x+ 1= 0, é correto afrmar que a) a parte real de a e a parte real de b são guas. b) a + b = a b c) a + b v = a+ b 3π 3π π π d) as raízes são cos + se e cos + se 6 e) ab = ab 05 -(UFSC) Dados z = 1+ 3, determe a soma dos úmeros assocados à(s) afrmações verdadera(s): 01. O cojugado de z é z= O quadrado de z é z² = (1 3) 04. O oposto de z é z= O produto de z pelo seu cojugado é z.z= A orma de z é 4. Prof. Claudo Salda

4 06 - (UERJ) O valor de a) +. b). c). d). e) é 07 - (IBMEC) Dada uma costate real k, cosdere a equação x kx + k + 1 = 0, a varável x. Para cada valor de k, a equação fo resolvda e suas soluções foram plotadas o plao complexo de Argad-Gauss. Detre as alteratvas abaxo, aquela que mas se assemelha à fgura obtda é a) b) c) d) e) Prof. Claudo Salda

5 08 - (UFOP MG) O cojuto-solução da equação z + (z) = 0 (ode z deota o cojugado do úmero complexo z) é represetado o plao complexo por: a) duas retas perpedculares. b) uma elpse. c) uma hpérbole. d) duas retas paralelas. 09 -(UEPG) Sabedo que = 1, assale as proposções corretas = Se é uma raz da equação x + bx = 0, etão b = 4 + a 04. Para que z= seja um úmero real, a = O termo médo do desevolvmeto do bômo ( + 1) 4 vale 4 7π 16. O argumeto do complexo z= 1 é rad (UFRN) O úmero complexo ( ) 5 é gual a: 1+ a) b) 1 c) 1 d) 11 -(FURG) Se u = 1 é um úmero complexo e u, seu cojugado, etão z = u + 3u é gual a a) 6 b) c) 6 d) 8 + e) (UNESP) Cosdere o úmero complexo z =, ode é a udade magára. O valor de a) 1 b) 0 c) 1 d) e) z z + z + z+ é z (UFJF MG) Se é a udade magára, etão = 1 a) 1 ; b) 1 + ; c) 0; d) 1 + ; e) 1. vale: Prof. Claudo Salda

6 14 - (UNIMEP) O valor de (1 + ) 10 ode é a udade magára, é: a) 64 b) 18 c) 3 d) -3 e) ehuma das aterores 15 - (ITA) Sejam x e y úmeros reas, com x 0, satsfazedo (x + y) = (x + y). Etão: a) x e y são úmeros rracoas. b) x > 0 e y < 0 c) x é uma raz da equação x 3 + 3x + x 6 = 0 d) x < 0 e y = x e) x + xy + y = 0, (UEPG) Sedo m o úmero que tora o complexo 4m z=, um magáro puro; etão o valor de N= 4m m é (UEL) Qual é o valor de a, real, para que a) b) 1 c) 0 d) 1 e) + a 1 seja um magáro puro? 18 - (UNIOESTE) Seja z um úmero complexo da forma a + b, ode a e b são escolhdos detre os elemetos do cojuto {0, 1,, 3, 4, 5}. a) Quatos úmeros complexos podem ser assm formados? b) Detre os úmeros formados, quas satsfazem a equação z + z=? 19 -(IME) Sejam z e w úmeros complexos tas que: w z = 4+ 1 z w= + 4 ode z e w represetam, respectvamete, os úmeros complexos cojugados de z e w. O valor de z + w é: a) 1 b) + c) 1 + d) e) + Prof. Claudo Salda

7 0 - (UEM) Cosderado z 1 e z dos úmeros complexos dsttos etre s, cujas represetações geométrcas em um sstema ortogoal de coordeadas são smétrcas em relação ao exo das abscssas, marque a(s) alteratva(s) correta(s). 01. Se z 1 = +, etão, z = z =. 1 z 04. z 1 + z = Se z 1 é a raz de um polômo com coefcetes reas, etão, z também é raz deste polômo. 16. Se O é a orgem do sstema ortogoal de coordeadas, etão, os potos que represetam O, z 1 e z, o sstema ortogoal, são potos coleares. GABARITO Udades Dezeas A * E C 9 A D A 31 1 D B E D C C 1 E * D a) ; A = 3+ ; B = - 3+ ; C = -. b) a) 36 b) 1, 1+, 1+, 1+3, 1+4, 1+5. Prof. Claudo Salda

8 Forma trgoométrca Represetaremos o complexo z = a + b, o plao de Argad-Gauss, ão mas como um poto P(a, b), mas como um vetor OP = (a, b). Assm o módulo de um úmero complexo z = a + b é defdo como sedo o módulo do vetor que o represeta, sto é, o valor da dstâca de sua magem P à orgem. Portato, z = a + b. Um argumeto de um complexo z 0, é por defção qualquer dos âgulos θ que o vetor OP forma com o sem-exo postvo dos x. O argumeto que pertece ao tervalo ]-π, π] é dto argumeto prcpal (a maora dos problemas quado exste referêca ao argumeto de um complexo é sobre este de que se trata). Usado a trgoometra temos que: a = z.cosθ; e b = z.seθ. Logo o complexo z = a + b pode ser escrto como: z = z.(cosθ +.seθ ). OPERAÇÕES Para efetuarmos as operações de multplcação e dvsão etre complexos usamos o segute teorema. Teorema: Se z = z ( α+ se α ) e = ( β+ β) 1 1. cos. z. cos. z se úmeros complexos etão: 1 1 ( ) z. z = z. z. cos( α+β ) +. se ( α+β) z z 1 1 e se z 0, =.( cos( α β ) +. se( α β) ) z z. Se é um úmero tero a potêca de um complexo é dada por: =.( cos( θ ) +. ( θ) ) cohecdo como Fórmula de Movre. z z se. Este resultado é Prof. Claudo Salda

9 Cálculo de raízes de um complexo Para calcular = z z.( cos θ+. se θ) devemos obter ω =.( cos θ+. θ) Fazedo ω= ω.( cos α+. se α), obtemos: z se. ( ω.( cos α+. α )) se = z.( cos θ+. seθ) ω.( cos( α ) +. se( α )) = z.( cos θ+. se θ) Como complexos guas tem módulos guas e argumetos cogruetes, temos: a) ω = z ω= b) α = θ + kπ z ; e θ+ kπ α=, k tero. Assm as raízes -ésmas de z são dadas por: θ+ kπ θ+ kπ ω k = z. cos +. se, com k = 0, 1,,..., (-1). Observe que: as mages das raízes de um complexo se stuam em uma crcuferêca de cetro a orgem e rao gual a z formado um polígoo regular scrto de lados (se >); os argumetos crescem em progressão artmétca de razão k. ( ) São formas equvaletes de se escrever um complexo: z= a+ b= z. cos θ+. seθ = z. e θ, respectvamete forma algébrca, trgoométrca e expoecal. EXERCÍCIOS EM SALA 1. (UFSC) Sedo θ o argumeto prcpal do úmero complexo z= +, etão o valor da quta parte de θ em graus, é:. (UEL) Sejam z 1 e z os úmeros complexos z 1 = 3.(cos 30º +.se 30º) e z = 5.(cos 45º +.se 45º). O produto de z 1 por z é o complexo: Prof. Claudo Salda

10 a) 15.(cos 1350º +.se 1350º) b) 8.(cos 75º +.se 75º) c) 8.(cos 1350º +.se 1350º) d) 15.(cos 15º +.se 15º) e) 15.(cos 75º +.se 75º) 3. (UFPR) Sedo a udade magára, o valor de 30 é: 4. (FGV) As raízes quadradas do úmero 3+4, ode represeta a udade magára, são: a) {+, } b) {1+, 1 } c) {3+, 3 } d) {4+, 4 } e) {1+, 1 } QUESTÕES PROPOSTAS 01 -(ITA) Cosdere os úmeros complexos z = + e w = Se a) 34 b) 6 c) 16 d) 4 e) w + 3z + 4 m=, etão m vale: 3 z + w (ITA) As raízes de ordem 4 do úmero z= e, ode é a udade magára, são: a) z k = cos θ k +. se θ k, ode θ = 1+ 4k k. π, com k = 0, 1,, 3. 8 b) z k = e θ k, ode θ = 1+ 3k k. π, com k = 0, 1,, 3 8 c) z k = e θ k, ode θ k = 4kπ, com k = 0, 1,, 3 d) z k = e θ k, ode θ = 1 4k k. π, com k = 0, 1,, 3 8 e).d.a π Prof. Claudo Salda

11 03 - (UNIFOR CE) Seja o úmero complexo z = x + 3, em que x é um úmero real egatvo. Se z = 6, etão a forma trgoométrca de z é a) π π 6.(cos +.se ) 3 3 b) 5π 5π 6.(cos +.se ) 6 6 c) 4π 4π 6.(cos +.se ) 3 3 d) 5π 5π 6.(cos +.se ) 3 3 e) 11π 11π 6.(cos +.se ) 6 6 5π 5π 04 -(UEM) Seja z = 3 cos + se um úmero complexo. 3 3 É correto afrmar que o cojugado de z é a) z = 3(1+ 3) b) 3 z = (1+ 3) c) 3 z= (1 3) d) 3 z = ( 1+ 3) e) z= 3(1 3) 05 -(UEM) Cosderado o polômo de varável complexa p(z) = z 1, assale o que for correto. π π 01. Pode-se afrmar que z = cos + se é uma raz para esse polômo. 1 1 π π 0. Pode-se afrmar que, se z = cos + se é uma raz para esse polômo, etão, para todo atural k, z k é 1 1 também raz desse polômo. kπ kπ 04. Pode-se afrmar que, se z k = cos + se, k, é uma raz para esse polômo, etão o polômo 1 1 tem ftas raízes. 08. As raízes desse polômo estão sobre a crcuferêca de cetro a orgem e rao1, dada por z = Como p(z) ( z 1)( z + 1) 1 =, cosdere apeas as raízes de q(z) = z 1. Essas raízes determam um polígoo 3 scrto a crcuferêca z = 1, cuja área é 3 u.a. 06 -(UEPG) Em relação aos úmeros complexos z 1 = +, z = 1 + e z 3 = 3, assale o que for correto z 1, z e z 3, esta ordem, formam uma P. G. de razão z 1, z e z 3, esta ordem, formam uma P.A. cuja razão é o cojugado de z = 1. π 04. O módulo e o argumeto de z 3 são, respectvamete, 3 e rd. 08. A soma dos quadrados dos módulos de z 1 e z é O valor de 6 z é Prof. Claudo Salda

12 07 - (CEFET) O úmero complexo, cujas raízes sextas estão represetadas a segur, é: 5 π 5 π a) 79 cos + se π 5 π b) 7 cos + se π 5 π c) 79 cos + se π 5 π d) 81 cos + se π 5π e) 7 cos + se (IME RJ/010) Cosdere o sstema abaxo, ode x 1, x, x 3 e Z pertecem ao cojuto dos úmeros complexos. (1+ )x1 x + x 3 = 0 x1 x x 3 = Z ( )x1+ x x 3 = 0 O argumeto de Z, em graus, para que x 3 seja um úmero real postvo é: a) 0 b) 45 c) 90 d) 135 e) 180 Obs.: = (UEM) Com relação aos úmeros complexos, assale o que for correto. 01. ( + ) 6 é um úmero magáro puro z= é um úmero cujo módulo é. 1+ z Se = 3, etão z=. z O poto, o plao complexo, correspodete ao úmero complexo z= está localzado o 4.º quadrate. 1+ 5π 5π cos + se é a forma trgoométrca do úmero complexo z= Prof. Claudo Salda

13 π π 7π 7π 10 -(UEM) Cosdere os úmeros complexos z 1 = (cos + se ) e z = (cos + se ) e as suas represetações o plao complexo xoy. Cosdere ada que, se z é um úmero complexo, etão z represeta o seu cojugado. Sobre o exposto, é correto afrmar que 01. z 1 = z ( z ) = 3(z. 1 ) 04. z 1 e z pertecem à crcuferêca de equação x + y =. 08. z 1 é solução da equação z z+ 4= a medda do segmeto que ue z1 e z é (1+ 3) udades de comprmeto (UFRJ) No jogo Batalha Complexa são dados úmeros complexos z e w, chamados mra e alvo respectvamete. O tro certero de z em w é o úmero complexo t tal que tz = w. Cosdere a mra z e o alvo w dcados a fgura acma. Determe o tro certero de z em w. 1 -(UEPG) A respeto do úmero complexo z=1+, assale o que for correto. 01. z 10 = 3 0. z zé um úmero real ( z é o cojugado de z) 04. z é uma das raízes cúbcas de 4 π π 08. A forma trgoométrca de z é z = cos + se (UEM) Com relação aos úmeros complexos, assale a alteratva correta. kπ kπ a) Para todo k Z, z = cos + se é solução de x 1= 0, para qualquer N *. b) =. π π c) (cosθ+ seθ) = cos θ+ + se θ+, em que θ R. d) Se z = a + b, etão z + z = (a+ b)(a b), em que a,b R e z é o cojugado de z. 1 z e) Se z= 1, etão =, em que z é o cojugado de z. z Prof. Claudo Salda

14 14 - (UNESP) Cosdere o úmero complexo a) 1 3 b) + c) d) e) π π z= cos + se. O valor de z + z + z é: (UEM) Cosdere os úmeros complexos z 1 = 6+ 3 e z = No plao complexo (ou plao de Argad- Gauss), a curva defda pela equação z z = z z tersecta o exo y (ou exo magáro) em um poto Q. A ordeada de Q é (UFMS) Um úmero complexo é um úmero da forma z = x+ y, com x e y reas e = 1. Fxado um sstema de coordeadas o plao, o complexo z = x+ y pode ser represetado pelo poto ( x, y), chamado magem do complexo z. O cojugado do complexo z = x+ y é o úmero complexo z= x y. A fgura abaxo mostra, o plao complexo, uma crcuferêca de cetro a orgem e rao 1, e as mages de oto úmeros complexos z 1, z, z 3, z 4, z 5, z 6, z 7 e z 8, que estão sobre os vértces de um octógoo regular scrto essa crcuferêca. Cosderado essas formações, assale a(s) proposção(ões) verdadera(s). 01. z = z8 0. z = 1 z3 7 z z3 z4 = z z 4 = cos135º se º z 0 z 6 = Prof. Claudo Salda

15 17 - (UEM) Deoma-se argumeto de um úmero complexo ão ulo z = x+ y um âgulo θ tal que y se θ =, em que r = z. Cosderado 0 θ< π, assale a alteratva correta. r π a) O argumeto de z= 3+ é 6 π 1 3 b) Se o argumeto de um úmero complexo z 0 é e o módulo de z0 é 1, etão z 0 = + 3 π c) Se z =, etão o argumeto de z é x cos θ = e r d) Se z = x+ y é um úmero complexo qualquer ão ulo, etão podemos escrevê lo como z= z (cosθ+ seθ), em que θé um argumeto z. e) Se o módulo de um úmero complexo z 0 é 5, etão z 0 = (UNESP) As soluções da equação z 3 =, ode z é um úmero complexo e = 1, são: 1 a) z= ± + ou z= 3 1 b) z= ± ou z= 3 1 c) z= ± + ou z= 1 d) z= ± ou z= 1 3 e) z= ± ou z= 19 - (UEPG) As represetações gráfcas dos complexos z tas que z 3 = 1 são os vértces de um trâgulo. Em relação a esse trâgulo assale o que for correto. 01. É um trâgulo equlátero de lado gual a 3 u.c. 0. É um trâgulo sósceles de altura gual a 4 3 u.c. 04. Um de seus vértces pertece ao º quadrate. 08. Seu perímetro é 3 3 u.c. 16. Sua área é u.a 0 -(UEM) Sobre os úmeros complexos, assale o que for correto ) Se z = 4 + e w=, etão zw = ) () 45 = ) z= é um úmero real ) Se z = + 3, etão z = 5. π π 16) Se z= 3+, etão z=. cos +. se ) Se z 1 = r 1 e α e z = r e β, etão z 1 z =r 1 r e (α+β). 64) Se z = re α etão z -1 = re -α. Prof. Claudo Salda

16 GABARITO Udades Dezeas A A B B 7 A E * 09 B D 35 1 E C t= 3 Prof. Claudo Salda

Números Complexos. 2. (IME) Seja z um número complexo de módulo unitário que satisfaz a condição z 2n 1, onde n é um número inteiro positivo.

Números Complexos. 2. (IME) Seja z um número complexo de módulo unitário que satisfaz a condição z 2n 1, onde n é um número inteiro positivo. Números Complexos. (IME) Cosdere os úmeros complexos Z se α cos α e Z cos α se α ode α é um úmero real. Mostre que se Z Z Z etão R e (Z) e I m (Z) ode R e (Z) e I m (Z) dcam respectvamete as partes real

Leia mais

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS PROF: Claudo Saldan CONTATO: saldan.mat@gmal.com PARTE 0 -(MACK SP/00/Janero) Se y = x, sendo x= e =, o valor de (xy) é a) 9 9 9 9 e) 9 0 -(FGV/00/Janero)

Leia mais

Números Complexos Sumário

Números Complexos Sumário Números Complexos Sumáro. FORMA ALGÉBRICA DOS NÚMEROS COMPLEXOS.. Adção de úmeros complexos... Propredades da operação de adção.. Multplcação de úmeros complexos... Propredades da operação de multplcação..

Leia mais

a) 3 c) 5 d) 6 b) i d) i

a) 3 c) 5 d) 6 b) i d) i Colégo Marsta Docesano de Uberaba ª Lsta de eercícos de Compleos Prof. Maluf Se é a undade magnára, para que a b seja um número real, a relação c d entre a, b, c e d deve satsfaer: 0 - (UNESP SP/00) a)

Leia mais

Como CD = DC CD + DC = 0

Como CD = DC CD + DC = 0 (9-0 www.eltecampas.com.br O ELITE RESOLVE IME 008 MATEMÁTICA - DISCURSIVAS MATEMÁTICA QUESTÃO Determe o cojuto-solução da equação se +cos = -se.cos se + cos = se cos ( se cos ( se se.cos cos + + = = (

Leia mais

QUESTÕES DISCURSIVAS Módulo

QUESTÕES DISCURSIVAS Módulo QUESTÕES DISCURSIVAS Módulo 0 009 D (FUVEST-SP 008 A fgura ao lado represeta o úero + o plao coplexo, sedo a udade agára Nessas codções, a detere as partes real e agára de e b represete e a fgura a segur

Leia mais

tica Professor Renato Tião

tica Professor Renato Tião Números complexos Algumas equações do segudo grau como x + 1 = 0 ão possuem solução o uverso real e o estudo destas soluções ão pareca ecessáro até o século XVI quado o matemátco aphael Bombell publcou

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS. Podemos definir o conjunto dos números complexos como sendo o conjunto dos números escritos na forma:

NÚMEROS COMPLEXOS. Podemos definir o conjunto dos números complexos como sendo o conjunto dos números escritos na forma: NÚMEROS COMPLEXOS DEFINIÇÃO No cojuto dos úmros ras R, tmos qu a a a é smpr um úmro ão gatvo para todo a Ou sja, ão é possívl xtrar a ra quadrada d um úmro gatvo m R Portato, podmos dfr um cojuto d úmros

Leia mais

( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) [ ] ( ) ( k) ( k ) ( ) ( ) Questões tipo exame

( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) [ ] ( ) ( k) ( k ) ( ) ( ) Questões tipo exame Questões tpo eame Pá O poto U tem coordeadas (6, 6, 6) e o poto S pertece ao eo Oz, pelo que as suas coordeadas são (,, 6) Um vetor dretor da reta US é, por eemplo, US Determemos as suas coordeadas: US

Leia mais

{ } Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues 1 NÚMEROS COMPLEXOS. Questão 06 Para que valor de x o número complexo + 8i é imaginário puro?

{ } Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues 1 NÚMEROS COMPLEXOS. Questão 06 Para que valor de x o número complexo + 8i é imaginário puro? Matemátca Prof.: Joaqum Rodrgues NÚMEROS COMPLEXOS INTRODUÇÃO Questão 0 Resolver as equações: a x = 0 + S = {, } + 6 S = {, } x + S = { +, } 6x + 0 S = { +, } b x = 0 c x = 0 d x = 0 e x x + = 0 f x 8x

Leia mais

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1.

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1. Iterpolação Iterpolação é um método que permte costrur um ovo cojuto de dados a partr de um cojuto dscreto de dados potuas cohecdos. Em egehara e cêcas, dspõese habtualmete de dados potuas, obtdos a partr

Leia mais

Exercícios - Sequências de Números Reais (Solução) Prof Carlos Alberto S Soares

Exercícios - Sequências de Números Reais (Solução) Prof Carlos Alberto S Soares Exercícos - Sequêcas de Números Reas (Solução Prof Carlos Alberto S Soares 1 Dscuta a covergêca da sequẽca se(2. Calcule, se exstr, lm se(2. Solução 1 Observe que se( 2 é lmtada e 1/ 0, portato lm se(2

Leia mais

FORMA TRIGONOMÉTRICA. Para ilustrar, calcularemos o argumento de z 1 i 3 e w 2 2i AULA 34 - NÚMEROS COMPLEXOS

FORMA TRIGONOMÉTRICA. Para ilustrar, calcularemos o argumento de z 1 i 3 e w 2 2i AULA 34 - NÚMEROS COMPLEXOS 145 AULA 34 - NÚMEROS COMPLEXOS FORMA TRIGONOMÉTRICA Argumeto de um Número Complexo Seja = a + bi um úmero complexo, sedo P seu afixo o plao complexo. Medido-se o âgulo formado pelo segmeto OP (módulo

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 8 COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA 1. FORMA TRIGONOMÉTRICA DE COMPLEXOS PROBIZU

MATEMÁTICA MÓDULO 8 COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA 1. FORMA TRIGONOMÉTRICA DE COMPLEXOS PROBIZU COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA. FORMA TRIGONOMÉTRICA DE COMPLEXOS Seja z = (a, b) = a + b r a b módulo do complexo z. a b cos = ; sen = a rcos e b = rsen r r z r (cos sen ) r cs. Com [0, ], é o argumento

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecologa de Cataduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 5. Meddas de Posção cetral ou Meddas de Tedêca Cetral Meddas de posção cetral preocupam-se com a caracterzação e a

Leia mais

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø.

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø. Professor Maurco Lutz 1 EGESSÃO LINEA SIMPLES A correlação lear é uma correlação etre duas varáves, cujo gráfco aproma-se de uma lha. O gráfco cartesao que represeta essa lha é deomado dagrama de dspersão.

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento.

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento. Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.r http://www.pucrs.r/famat/val/ Em mutas stuações duas ou mas varáves estão relacoadas e surge etão a ecessdade de determar a atureza deste relacoameto. A aálse de regressão

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M22 Números Complexos. 1 Resolva as equações no campo dos números complexos.

Matemática. Resolução das atividades complementares. M22 Números Complexos. 1 Resolva as equações no campo dos números complexos. Resolução das atvdades comlementares Matemátca M Números Comleos. Resolva as equações no camo dos números comleos. a 0 {, } b 8 0 a 0 D?? D 8 D Cálculo das raíes? S {, } b 8 0 D?? 8 Cálculo das raíes D

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA Prof. Mário

EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA Prof. Mário EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA Prof. Máro e-mal: maroffer@yahoo.com.br 0 Conjuntos dos Números Complexos 0. Undade magnára º) Determne as raíes magnáras da equação x + 75 = 0 º) Encontre as raíes magnáras da

Leia mais

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados 3.1. Meddas de Tedêca Cetral CAPÍTULO 3 MEDIDA DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE UFRG 1 Há váras meddas de tedêca cetral. Etre elas ctamos a méda artmétca, a medaa, a méda harmôca, etc. Cada uma dessas

Leia mais

SUBSTITUIÇÕES ENVOLVENDO NÚMEROS COMPLEXOS Diego Veloso Uchôa

SUBSTITUIÇÕES ENVOLVENDO NÚMEROS COMPLEXOS Diego Veloso Uchôa Nível Avaçado SUBSTITUIÇÕES ENVOLVENDO NÚMEROS COMPLEXOS Dego Veloso Uchôa É bastate útl e probleas de olpíada ode teos gualdades ou quereos ecotrar u valor de u soatóro fazeros substtuções por úeros coplexos

Leia mais

Matemática C Semiextensivo V. 2

Matemática C Semiextensivo V. 2 Matemátca C Semetesvo V. Eercícos 0) Através da observação dreta do gráfco, podemos coclur que: a) País. b) País. c) 00 habtates. d) 00 habtates. e) 00 0 0 habtates. 0) C Através do gráfco, podemos costrur

Leia mais

Revisão de Estatística X = X n

Revisão de Estatística X = X n Revsão de Estatístca MÉDIA É medda de tedêca cetral mas comumete usada ara descrever resumdamete uma dstrbução de freqüêca. MÉDIA ARIMÉTICA SIMPLES São utlzados os valores do cojuto com esos guas. + +...

Leia mais

Sumário. Mecânica. Sistemas de partículas

Sumário. Mecânica. Sistemas de partículas umáro Udade I MECÂNICA 2- Cetro de massa e mometo lear de um sstema de partículas - stemas de partículas e corpo rígdo. - Cetro de massa. - Como determar o cetro de massa dum sstema de partículas. - Vetor

Leia mais

n. A densidade de corrente associada a esta espécie iônica é J n. O modelo está ilustrado na figura abaixo.

n. A densidade de corrente associada a esta espécie iônica é J n. O modelo está ilustrado na figura abaixo. Equlíbro e o Potecal de Nerst 5910187 Bofísca II FFCLRP USP Prof. Atôo Roque Aula 11 Nesta aula, vamos utlzar a equação para o modelo de eletrodfusão o equlíbro obtda a aula passada para estudar o trasporte

Leia mais

Módulo: Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. 2 ano do E.M.

Módulo: Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. 2 ano do E.M. Módulo: Bômo de Newto e o Trâgulo de Pascal Bômo de Newto e o Trâgulo de Pascal ao do EM Módulo: Bômo de Newto e o Trâgulo de Pascal Bômo de Newto e o Trâgulo de Pascal Exercícos Itrodutóros Exercíco Para

Leia mais

ITA Destas, é (são) falsa(s) (A) Apenas I (B) apenas II (C) apenas III (D) apenas I e III (E) apenas nenhuma.

ITA Destas, é (são) falsa(s) (A) Apenas I (B) apenas II (C) apenas III (D) apenas I e III (E) apenas nenhuma. ITA 00. (ITA 00) Cosidere as afirmações abaixo relativas a cojutos A, B e C quaisquer: I. A egação de x A B é: x A ou x B. II. A (B C) = (A B) (A C) III. (A\B) (B\A) = (A B) \ (A B) Destas, é (são) falsa(s)

Leia mais

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09 Estatístca - exestatmeddsper.doc 5/0/09 Meddas de Dspersão Itrodução ão meddas estatístcas utlzadas para avalar o grau de varabldade, ou dspersão, dos valores em toro da méda. ervem para medr a represetatvdade

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO:

MEDIDAS DE DISPERSÃO: MEDID DE DIPERÃO: fução dessas meddas é avalar o quato estão dspersos os valores observados uma dstrbução de freqüêca ou de probabldades, ou seja, o grau de afastameto ou de cocetração etre os valores.

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ao 00 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I 1. Como a probabilidade do João acertar em cada tetativa é 0,, a probabilidade do João acertar as tetativas é 0, 0, 0, 0,

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

REGESD Prolic Matemática e Realidade- Profª Suzi Samá Pinto e Profº Alessandro da Silva Saadi

REGESD Prolic Matemática e Realidade- Profª Suzi Samá Pinto e Profº Alessandro da Silva Saadi REGESD Prolc Matemátca e Realdade- Profª Suz Samá Pto e Profº Alessadro da Slva Saad Meddas de Posção ou Tedêca Cetral As meddas de posção ou meddas de tedêca cetral dcam um valor que melhor represeta

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 0 Profa Maria Atôia Gouveia 6 A figura represeta um cabo de aço preso as etremidades de duas hastes de mesma altura h em relação a uma plataforma horizotal A represetação

Leia mais

AULA Espaços Vectoriais Estruturas Algébricas.

AULA Espaços Vectoriais Estruturas Algébricas. Note bem: a letura destes apotametos ão dspesa de modo algum a letura ateta da bblografa prcpal da cadera Chama-se a ateção para a mportâca do trabalho pessoal a realzar pelo aluo resolvedo os problemas

Leia mais

( ) 4. Novo Espaço Matemática A 12.º ano Proposta de Teste de Avaliação [maio 2015] GRUPO I. f x

( ) 4. Novo Espaço Matemática A 12.º ano Proposta de Teste de Avaliação [maio 2015] GRUPO I. f x Novo Espaço Matemática A º ao Proposta de Teste de Avaliação [maio 05] Nome: Ao / Turma: Nº: Data: - - GRUPO I Os sete ites deste grupo são de escolha múltipla Em cada um deles, são idicadas quatro opções,

Leia mais

MATEMÁTICA II. 01. Uma função f, de R em R, tal. , então podemos afirmar que a, b e c são números reais, tais. que. D) c =

MATEMÁTICA II. 01. Uma função f, de R em R, tal. , então podemos afirmar que a, b e c são números reais, tais. que. D) c = MATEMÁTCA 0. Uma fução f, de R em R, tal que f(x 5) f(x), f( x) f(x),f( ). Seja 9 a f( ), b f( ) e c f() f( 7), etão podemos afirmar que a, b e c são úmeros reais, tais que A) a b c B) b a c C) c a b ab

Leia mais

Álgebra ( ) ( ) Números complexos.

Álgebra ( ) ( ) Números complexos. Números complexos Resolva as equações no campo dos a) x² 49 = 0 x² - x = 0 x² - x = 0 d) x² - x = 0 Dado = (4a ) - (a - ) determne o número real a tal que seja: a) magnáro puro real Sendo = (4m -) (n -),

Leia mais

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que Estatístca - Desvo Padrão e Varâca Preparado pelo Prof. Atoo Sales,00 Supoha que tehamos acompahado as otas de quatro aluos, com méda 6,0. Aluo A: 4,0; 6,0; 8,0; méda 6,0 Aluo B:,0; 8,0; 8,0; méda 6,0

Leia mais

CAPÍTULO 5. Ajuste de curvas pelo Método dos Mínimos Quadrados

CAPÍTULO 5. Ajuste de curvas pelo Método dos Mínimos Quadrados CAPÍTULO Ajuste de curvas pelo Método dos Mímos Quadrados Ajuste Lear Smples (ou Regressão Lear); Ajuste Lear Múltplo (ou Regressão Lear Múltpla); Ajuste Polomal; Regressão Não Lear Iterpolação polomal

Leia mais

Forma padrão do modelo de Programação Linear

Forma padrão do modelo de Programação Linear POGAMAÇÃO LINEA. Forma Padrão do Modelo de Programação Lear 2. elações de Equvalêca 3. Suposções da Programação Lear 4. Eemplos de Modelos de PPL 5. Suposções da Programação Lear 6. Solução Gráfca e Iterpretação

Leia mais

QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA. Prova 3 Matemática QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 4

QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA. Prova 3 Matemática QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 4 Prova QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA UEM Comissão Cetral do Vestibular Uificado MATEMÁTICA 0 Seja f ( ) log ( ) + log uma fução

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

Métodos iterativos. Capítulo O Método de Jacobi

Métodos iterativos. Capítulo O Método de Jacobi Capítulo 4 Métodos teratvos 41 O Método de Jacob O Método de Jacob é um procedmeto teratvo para a resolução de sstemas leares Tem a vatagem de ser mas smples de se mplemetar o computador do que o Método

Leia mais

Elementos de Matemática

Elementos de Matemática Elemetos de Matemática Números Complexos e Biomiais: Exercícios - 2007 Versão compilada o dia de Outubro de 2007. Departameto de Matemática - UEL Prof. Ulysses Sodré: ulysses(auel(ptbr Matemática Essecial:

Leia mais

Fundamentos de Matemática I FUNÇÕES POLINOMIAIS4. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

Fundamentos de Matemática I FUNÇÕES POLINOMIAIS4. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques FUNÇÕES POLINOMIAIS4 Gl da Costa Marques Fudametos de Matemátca I 4.1 Potecação de epoete atural 4. Fuções polomas de grau 4. Fução polomal do segudo grau ou fução quadrátca 4.4 Aálse do gráfco de uma

Leia mais

Números Complexos. David zavaleta Villanueva 1

Números Complexos. David zavaleta Villanueva 1 Material do miicurso a ser lecioado o III EREM-Mossoró-UERN UFRN - Uiversidade Federal do Rio Grade do Norte Edição N 0 outubro 011 Números Complexos David zavaleta Villaueva 1 1 CCET-UFRN, Natal, RN,

Leia mais

NOTAÇÕES. denota o segmento que une os pontos A e B. In x denota o logarítmo natural de x. A t denota a matriz transposta da matriz A.

NOTAÇÕES. denota o segmento que une os pontos A e B. In x denota o logarítmo natural de x. A t denota a matriz transposta da matriz A. MATEMÁTICA NOTAÇÕES é o cojuto dos úmeros compleos. é o cojuto dos úmeros reais. = {,,, } i deota a uidade imagiária, ou seja, i =. Z é o cojugado do úmero compleo Z Se X é um cojuto, PX) deota o cojuto

Leia mais

Centro de massa, momento linear de sistemas de partículas e colisões

Centro de massa, momento linear de sistemas de partículas e colisões Cetro de massa, mometo lear de sstemas de partículas e colsões Prof. Luís C. Pera stemas de partículas No estudo que temos vdo a fazer tratámos os objectos, como, por exemplo, blocos de madera, automóves,

Leia mais

MATEMÁTICA. Determine o conjunto-solução da equação sen 3 x + cos 3 x =1 sen 2 x cos 2 x. Resolução: Fatorando a equação dada:

MATEMÁTICA. Determine o conjunto-solução da equação sen 3 x + cos 3 x =1 sen 2 x cos 2 x. Resolução: Fatorando a equação dada: MATEMÁTICA 0000 Questão 0 Determie o cojuto-solução da equação se x + cos x = se x cos x Fatorado a equação dada: se x + cos x= se x cos x ( sex + cos x)( se x sexcos x+ cos x) = ( sexcos x) ( x x)( x

Leia mais

Solução Comentada Prova de Matemática

Solução Comentada Prova de Matemática 0 questões. Sejam a, b e c os três meores úmeros iteiros positivos, tais que 5a = 75b = 00c. Assiale com V (verdadeiro) ou F (falso) as opções abaixo. ( ) A soma a b c é igual a 9 ( ) A soma a b c é igual

Leia mais

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD.

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD. Matemática 0. Um losago do plao cartesiao oxy tem vértices A(0,0), B(,0), C(,) e D(,). A) Determie a equação da reta que cotém a diagoal AC. B) Determie a equação da reta que cotém a diagoal BD. C) Ecotre

Leia mais

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1 Análse Complexa Resolução de alguns exercícos do capítulo 1 1. Tem-se:. = (0, 1) = (0, 1) =. 3. Sejam a, b R. Então Exercíco nº1 = (0, 1).(0, 1) = (0.0 1.1, 0.1 + 1.0) = ( 1, 0) = 1. a + b = a b = a +

Leia mais

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição:

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição: 6// IV. Juros: taxa efetva, equvalete e proporcoal Matemátca Facera Aplcada ao Mercado Facero e de Captas Professor Roaldo Távora IV. Taxa efetva Defção: É a taxa de juros em que a udade referecal de seu

Leia mais

1. (Espcex 2013) A figura geométrica formada pelos afixos das raízes complexas da equação a) 7 3 b) 6 3 c) 5 3 d) 4 3 e) 3 3

1. (Espcex 2013) A figura geométrica formada pelos afixos das raízes complexas da equação a) 7 3 b) 6 3 c) 5 3 d) 4 3 e) 3 3 Complexos 06. (Espcex 0) A figura geométrica formada pelos afixos das raízes complexas da equação a) 7 b) 6 c) 5 d) e) x 8 0 tem área igual a. (Unicamp 0) Chamamos de unidade imaginária e denotamos por

Leia mais

CAPÍTULO III. Aproximação de funções pelo método dos Mínimos Quadrados

CAPÍTULO III. Aproximação de funções pelo método dos Mínimos Quadrados Métodos Nuércos CAPÍULO III C. Balsa & A. Satos Aproxação de fuções pelo étodo dos Míos Quadrados. Algus cocetos fudaetas de Álgebra Lear Relebraos esta secção algus cocetos portates da álgebra Lear que

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica Exercícios de Aprofudameto Matemática Progressão Aritmética e b. (Fuvest 05) Dadas as sequêcias a 4 4, b, c a a e d, b defiidas para valores iteiros positivos de, cosidere as seguites afirmações: I. a

Leia mais

Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues 1 ESTUDO DOS POLINÔMIOS. nulo.

Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues 1 ESTUDO DOS POLINÔMIOS. nulo. Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues ESTUDO DOS POLINÔMIOS Questão 0 Dê o grau de P em cada caso: a) P() = 7 + b) P () = + + 7 c) P () = + d) P () = + e) P () = 0 f) P () = 0 Questão 0 Dado o poliômio P()

Leia mais

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia.

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia. 6//000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR 00- PROVA MATEMÁTICA Prova resolvida pela Profª Maria Atôia Coceição Gouveia RESPONDA ÀS QUESTÕES A SEGUIR, JUSTIFICANDO SUAS SOLUÇÕES QUESTÃO A

Leia mais

Capítulo 5 CINEMÁTICA DIRETA DE ROBÔS MANIPULADORES

Capítulo 5 CINEMÁTICA DIRETA DE ROBÔS MANIPULADORES Cemátca da Posção de Robôs Mapuladores Capítulo 5 CINEMÁTICA DIRETA DE ROBÔS MANIPULADORES A cemátca de um robô mapulador é o estudo da posção e da velocdade do seu efetuador e dos seus lgametos. Quado

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Diferenciais Ordinárias. Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais

Diferenciais Ordinárias. Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais Exstêca e Ucdade de Soluções de Equações Dferecas Ordáras Regaldo J Satos Departameto de Matemátca-ICEx Uversdade Federal de Mas Geras http://wwwmatufmgbr/ reg 10 de ulho de 2010 2 1 INTRODUÇÃO Sumáro

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

CÁLCULO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES

CÁLCULO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES CÁLCULO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES Itrodução Em dversos camos da Egehara é comum a ecessdade da determação de raízes de equações ão leares. Em algus casos artculares, como o caso de olômo, que

Leia mais

01 Um triângulo isósceles tem os lados congruentes medindo 5 cm, a base medindo 8 cm. A distância entre o seu baricentro é, aproximadamente, igual a:

01 Um triângulo isósceles tem os lados congruentes medindo 5 cm, a base medindo 8 cm. A distância entre o seu baricentro é, aproximadamente, igual a: 01 Um triâgulo isósceles tem os lados cogruetes medido 5 cm, a base medido 8 cm. A distâcia etre o seu baricetro é, aproximadamete, igual a: (A) 0,1cm (B) 0,3cm (C) 0,5cm (D) 0,7cm (E) 0,9cm 02 2 2 5 3

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Mas, a situação é diferente quando se considera, por exemplo, a

Mas, a situação é diferente quando se considera, por exemplo, a . NÚMEROS COMPLEXOS Se um corpo umérico uma equação algébrica ão tem raíes, é possível costruir outro corpo umérico, mais eteso, ode a equação se tora resolúvel. Eemplo: ± raíes irracioais Mas, a situação

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

Aulas Particulares on-line

Aulas Particulares on-line MATEMÁTICA PRÉ-VESTIBULAR LIVRO DO PROFESSOR 006-009 IESDE Brasl S.A. É probda a reprodução, mesmo parcal, por qualquer processo, sem autoração por escrto dos autores e do detentor dos dretos autoras.

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na fgv

CPV O cursinho que mais aprova na fgv CPV O cursiho que mais aprova a fgv FGV ecoomia a Fase 0/dezembro/0 MATEMÁTICA 0. Chamaremos de S() a soma dos algarismos do úmero iteiro positivo, e de P() o produto dos algarismos de. Por exemplo, se

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão

Matemática. Resolução das atividades complementares. M7 Função Exponencial. 2 Encontre o valor da expressão Resolução das atividades complemetares Matemática M Fução Epoecial p. 6 (Furg-RS) O valor da epressão A a) c) e) 6 6 b) d) 0 A?? A? 8? A A A? A 6 8 Ecotre o valor da epressão 0 ( ) 0 ( ) 0 0 0. Aplicado

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

e seja P uma matriz invisível tal que B = P -1 AP. Sendo n um número natural,

e seja P uma matriz invisível tal que B = P -1 AP. Sendo n um número natural, 3 Cosidere as matrizes A 3 alule o determiate da matriz A e 0 B, e seja P uma matriz ivisível tal que B P - AP Sedo um úmero atural, 0 det A det A, tem-se: Como ( ) ( ) ( ) det A 3 3 Cosidere uma seqüêia

Leia mais

Centro de massa Dinâmica do corpo rígido

Centro de massa Dinâmica do corpo rígido Cetro de assa Dâca do corpo rígdo Nota: As fotografas assaladas co () fora retradas do lvro () A. Bello, C. Portela e H. Caldera Rtos e Mudaça, Porto edtora. As restates são retradas de Sears e Zeasky

Leia mais

Matemática 5 aula 11 ( ) ( ) COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS REVISÃO. 4a 12ab + 5b 2a 2(2a)(3b) + (3b) (2b)

Matemática 5 aula 11 ( ) ( ) COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS REVISÃO. 4a 12ab + 5b 2a 2(2a)(3b) + (3b) (2b) Matemática 5 aula 11 REVISÃO 1. Seja L a capacidade, em litros, do taque. Por regra de três simples, temos: I. Toreira 1: II. Toreira : 1 L 18 L x 1 x + xl ( x+ ) 1 = = L 1 18 xl ( x+ ) Sabedo que R 1

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

Determine a média de velocidade, em km/h, dos veículos que trafegaram no local nesse período.

Determine a média de velocidade, em km/h, dos veículos que trafegaram no local nesse período. ESTATÍSTICA - 01 1. (UERJ 01) Téccos do órgão de trâsto recomedaram velocdade máxma de 80 km h o trecho de uma rodova ode ocorrem mutos acdetes. Para saber se os motorstas estavam cumprdo as recomedações,

Leia mais

Números Complexos na Forma Algébrica

Números Complexos na Forma Algébrica Colégo Adventsta Portão EIEFM MATEMÁTICA Números Complexos º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardm Dscplna: Matemátca Lsta º Bmestre Aluno(a): Número: Turma: Números Complexos na Forma Algébrca

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

Cursos de Licenciatura em Ensino de Matemática e de EGI. Teoria de Probabilidade

Cursos de Licenciatura em Ensino de Matemática e de EGI. Teoria de Probabilidade Celso Albo FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Campus de Lhaguee, Av. de Moçambque, km, Tel: +258 240078, Fax: +258 240082, Maputo Cursos de Lcecatura em Eso de Matemátca

Leia mais

Econometria: 3 - Regressão Múltipla

Econometria: 3 - Regressão Múltipla Ecoometra: 3 - Regressão Múltpla Prof. Marcelo C. Mederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. Marco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo de regressão

Leia mais

MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE

MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE 1. Seja X = (x ij ) uma matriz quadrada de ordem 2, onde i + j para i = j ;1 - j para i > j e 1 se i < j. A soma dos seus elementos é igual a: a. -1 b. 1 c. 6 d. 7 e. 8 2. Se

Leia mais

PRIMEIRA LISTA PARA A DISCURSIVA DE MATEMÁTICA-COMPLEXOS PROFESSOR PAULO ROBERTO

PRIMEIRA LISTA PARA A DISCURSIVA DE MATEMÁTICA-COMPLEXOS PROFESSOR PAULO ROBERTO 1. (Fuvest 94) a) Se z = cosš + isenš e z = cosš + isenš, mostre que o produto zz é igual a cos (š + š ) + isen(š + š ). b) Mostre que o número complexo z = cos48 + isen48 é raiz da equação z + z + 1 =

Leia mais

M mn (R) : conjunto das matrizes reais m n AnB = fx; x 2 A e x =2 Bg det A : determinante da matriz A

M mn (R) : conjunto das matrizes reais m n AnB = fx; x 2 A e x =2 Bg det A : determinante da matriz A NOTAÇÕES N = f1; ; ; g C conjunto dos números comlexos R conjunto dos números reas undade magnára = 1 [a; b] = fx R; a x bg jzj módulo do número z C [a; b[ = fx R; a x < bg z conjugado do número z C ]a;

Leia mais

( x) Método Implícito. No método implícito as diferenças são tomadas no tempo n+1 ao invés de tomá-las no tempo n, como no método explícito.

( x) Método Implícito. No método implícito as diferenças são tomadas no tempo n+1 ao invés de tomá-las no tempo n, como no método explícito. PMR 40 Mecâca Computacoal Método Implícto No método mplícto as dfereças são tomadas o tempo ao vés de tomá-las o tempo, como o método explícto. O método mplícto ão apreseta restrção em relação ao valor

Leia mais

Capítulo 2. Aproximações de Funções

Capítulo 2. Aproximações de Funções EQE-358 MÉTODOS NUMÉRICOS EM ENGENHARIA QUÍMICA PROFS. EVARISTO E ARGIMIRO Capítulo Aproações de Fuções Há bascaete dos tpos de probleas de aproações: ) ecotrar ua fução as sples, coo u polôo, para aproar

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Val, Dr. http://www.pucrs.br/famat/val/ val@pucrs.br Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Obetvos A Aálse de

Leia mais

CAP. V AJUSTE DE CURVAS PELO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS

CAP. V AJUSTE DE CURVAS PELO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS CAP. V AJUSTE DE CURVAS PELO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS No caítulo ateror estudamos uma forma de ldar com fuções matemátcas defdas or taelas de valores. Frequetemete, estas taelas são otdas com ase em

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa C. alternativa B. alternativa D. alternativa A n 2 n! O valor de log 2. c) n. b) 2n.

Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa C. alternativa B. alternativa D. alternativa A n 2 n! O valor de log 2. c) n. b) 2n. Questão 4 6 O valor de log :! a). b). c). d) log. e) log. Para iteiro positivo, 4 6 = = ( ) ( ) ( 3) ( ) = = ( 3 ) =! Portato 4 6! log = log!! = = log =. Questão Num determiado local, o litro de combustível,

Leia mais

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos Apostla de Itrodução Aos Métodos Numércos PARTE III o Semestre - Pro a. Salete Souza de Olvera Buo Ídce INTERPOAÇÃO POINOMIA...3 INTRODUÇÃO...3 FORMA DE AGRANGE... 4 Iterpolação para potos (+) - ajuste

Leia mais

Capítulo 1. Os Números Complexos. 1.1 Os números. Última atualização em outubro de 2012 por Sadao Massago

Capítulo 1. Os Números Complexos. 1.1 Os números. Última atualização em outubro de 2012 por Sadao Massago Capítulo 1 Os Números Complexos Última atualização em outubro de 2012 por Sadao Massago 1.1 Os úmeros Números aturais: N = {1, 2, 3,...}, mas existem vários autores cosiderado N = {0, 1, 2, 3,...}. Para

Leia mais

Módulo: Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Somas de elementos em Linhas, Colunas e Diagonais do Triângulo de Pascal. 2 ano do E.M.

Módulo: Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Somas de elementos em Linhas, Colunas e Diagonais do Triângulo de Pascal. 2 ano do E.M. Módulo: Bômo de Newto e o Tâgulo de Pascal Somas de elemetos em Lhas, Coluas e Dagoas do Tâgulo de Pascal ao do EM Módulo: Bômo de Newto e o Tâgulo de Pascal Somas de elemetos em Lhas, Coluas e Dagoas

Leia mais

Prova-Modelo de Matemática

Prova-Modelo de Matemática Prova-Modelo de Matemática PROVA Págias Esio Secudário DURAÇÃO DA PROVA: miutos TOLERÂNCIA: miutos Cotações GRUPO I O quarto úmero de uma certa liha do triâgulo de Pascal é. A soma dos quatro primeiros

Leia mais

3ª Lista de Exercícios de Programação I

3ª Lista de Exercícios de Programação I 3ª Lista de Exercícios de Programação I Istrução As questões devem ser implemetadas em C. 1. Desevolva um programa que leia dois valores a e b ( a b ) e mostre os seguites resultados: (1) a. Todos os úmeros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DAS ENGENHARIAS Disciplina: Vetores e Álgebra linear. Lista 01

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DAS ENGENHARIAS Disciplina: Vetores e Álgebra linear. Lista 01 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DAS ENGENHARIAS Disciplia: Vetores e Álgebra liear Lista Prof: Germá Suazo Desehe os seguites vetores com o poto iicial a origem de coordeadas (posição padrão) em

Leia mais

Matemática FUVEST ETAPA QUESTÃO 1. b) Como f(x) = = 0 + x = 1 e. Dados m e n inteiros, considere a função f definida por m

Matemática FUVEST ETAPA QUESTÃO 1. b) Como f(x) = = 0 + x = 1 e. Dados m e n inteiros, considere a função f definida por m Mateática FUVEST QUESTÃO 1 Dados e iteiros, cosidere a fução f defiida por fx (), x para x. a) No caso e que, ostre que a igualdade f( ) se verifica. b) No caso e que, ache as iterseções do gráfico de

Leia mais

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma:

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma: 07 BINÔMIO DE NEWTON O desevolvimeto da epressão a b é simples, pois eige somete quatro multiplicações e uma soma: a b a b a b a ab ba b a ab b O desevolvimeto de a b é uma tarefa um pouco mais trabalhosa,

Leia mais

Distribuições Amostrais. Estatística. 8 - Distribuições Amostrais UNESP FEG DPD

Distribuições Amostrais. Estatística. 8 - Distribuições Amostrais UNESP FEG DPD Dstrbuções Amostras Estatístca 8 - Dstrbuções Amostras 08- Dstrbuções Amostras Dstrbução Amostral de Objetvo: Estudar a dstrbução da população costtuída de todos os valores que se pode obter para, em fução

Leia mais

Exercícios de Matemática Binômio de Newton

Exercícios de Matemática Binômio de Newton Exercícios de Mateática Biôio de Newto ) (ESPM-995) Ua lachoete especializada e hot dogs oferece ao freguês 0 tipos diferetes de olhos coo tepero adicioal, que pode ser usados à votade. O tipos de hot

Leia mais