Fabio Halfeld de Azevedo UNIFOA. Fabio Henrique de Melo UNIFOA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fabio Halfeld de Azevedo fábio.azevedo@yahoo.com.br UNIFOA. Fabio Henrique de Melo fabiohmelo@yahoo.com.br UNIFOA"

Transcrição

1 ANÁLISE DO DESEMPENHO DAS EMPRESAS DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES COM A UTILIZAÇÃO DOS ÍNDICES ECONÔMICO-FINANCEIROS E A TÉCNICA DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS - DEA Fabio Halfeld de Azevedo UNIFOA Fabio Herique de Melo UNIFOA Lucimeire Cordeiro da Silva Faria UNIFOA Resumo:Esta esquisa aalisou o desemeho das riciais emresas que ossuem ações em bolsa do setor de Telecomuicações a área de Telefoia Móvel Celular através da utilização de idicadores ecoômico-fiaceiros e a técica Aálise Evoltória de Dados, metodologia adotada or FARIA, 006 em sua dissertação de Mestrado ara o setor de siderurgia. Verificou-se ser ossível a atribuição de esos e a idetificação das variáveis mais relevates através da utilização da metodologia de MATARAZZO(007) e FARIA (006). Este estudo idetificou as variáveis PCT, IPL, LC, RA, GA e RPL, ara defiição da eficiêcia das emresas de Telecomuicações, com a utilização do modelo foi ossível a idetificação do grau de imortâcia de cada idicador, atribuição dos esos e costrução da froteira de eficiêcia. As uidades idetificadas a froteira de eficiêcia foram: TELEMIG 003, TIM 003, 005 e 007, cosiderado os íveis ótimos de iuts e matidos o íveis de oututs costates

2 (modelo BCC). Ao costruir o rakig idetificou-se a TELEMIG como líder, e a TELENORTE como a última colocada. Palavras Chave: Avaliação - Desemeho - Idicadores - Aálise Evoltória - Eficiêcia

3 1. INTRODUÇÃO A artir dos aos 80, a diâmica da ecoomia mudial sofreu rofudas trasformações os modelos de geração e acumulação de riqueza. Diferetemete do atigo adrão de acumulação baseado em recursos tagíveis, disersos ao redor do mudo, o atual adrão, o cohecimeto e a iformação exercem aeis cetrais, sedo as tecologias de iformação e comuicação se u elemeto roulsor. No Brasil, o mercado de telefoia móvel cresceu a uma taxa suerior a 0% o ao de 008. Ecerrou o eríodo com mais de 150 milhões de celulares. Verifica-se que o celular tem uma crescete eetração as classes sociais de meor reda. São mais essoas iseridas a sociedade em rede, com mais ossibilidades de geração de reda, de acesso a cultura, iformação, educação, seguraça, etreteimeto. O serviço de telefoia móvel é essecial ara que as essoas cotiuem coectadas e a artir das coexões, ecotrem ovas oortuidades em temos de estabilidade ou de crise ecoômica. Esta esquisa retede aalisar o desemeho das riciais emresas que ossuem ações em bolsa do setor de Telecomuicações a área de Telefoia Móvel Celular através da utilização de idicadores ecoômico-fiaceiros e a técica Aálise Evoltória de Dados. O roblema etão da esquisa ode ser aresetado da seguite forma: Através dos idicadores ecoômico-fiaceiros e a utilização da técica de Aálise Evoltória de Dados DEA é ossível avaliar o desemeho das emresas objeto de estudo e criar um rakig? Estatisticamete, é ossível atribuir esos aos idicadores de acordo com a sua caacidade de idicação de sucesso e isucesso? 1.. OBJETIVO DA PESQUISA 1..1 OBJETIVO FINAL Avaliar a eficiêcia do setor de Telecomuicações (Telefoia Móvel Celular) quato a estrutura e liquidez utilizado os idicadores de desemeho e a aálise evoltória de dados. 1.. OBJETIVOS INTERMEDIÁRIOS a. Aalisar os idicadores de desemeho. b. Idetificar o grau de imortâcia dos idicadores e atribuir esos aos mesmos através da metodologia adotada or FARIA SILVA em sua tese de Mestrado. c. Calcular a eficiêcia das emresas com a utilização da técica Aálise Evoltória de dados. d. Costruir um rakig DELIMITAÇÃO DO ESTUDO A esquisa abragerá as iformações ecoômico-fiaceiras cotábeis, a luz das Demostrações Fiaceiras ublicadas, dos sete últimos exercícios - 00 a 008 das emresas do setor de Telecomuicações da área de Telefoia Móvel Celular que ossuem ações em bolsa.

4 Fixar-se-á ateção aos valores ublicados elas emresas através de suas Demostrações Fiaceiras, extraído delas os valores das cotas cotábeis ecessárias a realização da esquisa. O estudo ficará restrito aos resultados dos sete últimos exercícios de 00 a 008. A Amostra será comosta de todas as emresas do Setor de Telecomuicações: Telefoia móvel Celular que ossuem ações em bolsa. São elas: Tele Norte Celular Particiações S.A., TELEMIG Celular Particiações S.A., TELEMIG Celular S.A., TIM Particiações S.A., VIVO Particiações S.A.. As ossíveis alterações ocorridas os resultados obtidos, ão serão alvo de estudo, or motivo da ão etrega oficial ara ublicação, dos relatórios admiistrativos e das Demostrações Fiaceiras elas emresas em estudo RELEVÂNCIA DO ESTUDO Diate das turbulêcias do Mercado Global, verifica-se a ecessidade do acomahameto do desemeho das emresas elos acioistas e gestores, a fim de saber ode e como melhorar ara ser mais eficiete e cometitivo, assa a ser um dos riciais objetivos erseguidos elos seus gestores. No etato, ara realizar uma boa aálise é ecessário o cohecimeto rofudo e itríseco dos ídices de desemeho e a costrução de um score de eficiêcia, acomahado o desemeho de emresas cocorretes do setor. A metodologia alicada destaca-se or ser utilizada uma aálise estruturada abordada a dissertação de Mestrado de FARIA SILVA. A relevâcia da esquisa também se areseta elo setor a ser estudado, o setor de Telecomuicações (telefoia móvel celular) cresce a uma velocidade tecológica muito grade, o arimorameto, a cada mometo, do roduto ocorre com a iteção de satisfazer cada vez mais o cliete e os acioistas. Verifica-se a grade imortâcia deste setor ara o crescimeto tecológico de osso aís.. REFERENCIAL TEÓRICO.1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Os ídices, que serão exostos esse estudo, rovêm segudo Matarazzo (007), da exeriêcia de rofissioais que aalisaram durate doze aos cerca de de balaços, que é demostrado o quadro.1.

5 Quadro.1: Resumo dos Ídices de Desemeho.4.1 ATRIBUIÇÃO DE PESOS SEGUNDO A IMPORTÂNCIA RELATIVA DE CADA INDICADOR Date Matarazzo (001) aborda um método de atribuição de esos aos idicadores. cietificamete. Os assos ara atribuição de esos cietificamete aos ídices, segudo MATARAZZO (001), são: 1o asso: classificar determiada quatidade de emresas em uma de duas categorias: Sucesso ou Isucesso. Sucesso rereseta a categoria em que se equadram emresas com as quais as oerações foram bem sucedidas. Isucesso é a categoria de emresas com as quais os resultados foram isatisfatórios. O úmero de emresas equadradas a categoria Sucesso deve ser igual ao da categoria Isucesso. É desejável que a quatidade de cada categoria ão fique abaixo de 50, orém é suortável até um limite míimo de 0. Abaixo disso, embora existam técicas estatísticas de tratameto às equeas amostras, os resultados costumam ficar rejudicados. As emresas do gruo Sucesso devem ser escolhidas aleatoriamete. Quato ao gruo Isucesso, ormalmete são tomadas todas as emresas que aí se equadram, a ão ser que esse úmero seja muito grade, quado etão se recorre à amostragem estatística. º. Passo: uma vez searadas as emresas segudo as categorias Sucesso e Isucesso, de cada emresa se extrai determiado úmero de ídices de balaço. Esses ídices searados or categoria e or tio (Particiação de Caitais de Terceiros, Liquidez Correte etc..), deve ser tratados estatisticamete e costruídos ídices-adrão, elaborado adrões de sucesso e isucesso, com base as resectivas amostrages.

6 Quato maior a difereça etre os ídices das emresas do gruo Isucesso e os das emresas do gruo Sucesso, maior será a caacidade de revisão do isucesso através dos ídices. O estudo dessas difereças ecotra embasameto estatístico que ermite aferição do grau de revisão de isolvêcia de cada ídice. Quato maior o oder de revisão de um ídice, maior será a sua imortâcia e, ortato, maior o seu eso a oderação fial dos ídices..4. ABORDAGEM ESTATÍSTICA DAS DIFERENÇAS ENTRE ÍNDICES DE EMPRESAS SUCESSO E EMPRESAS INSUCESSO Através da estatística ode-se testar se as emresas Isucesso e Sucesso ertecem a uma úica oulação a oulação de emresas, em geral, ode ão há difereças etre elas ou, se ao cotrário, existem duas oulações distitas, ou seja, a oulação das emresas Isucesso e a oulação das emresas sucesso..4.3 TESTE DE STUDENT Através desse teste verifica-se qual a robabilidade de duas amostras ertecerem a oulações diferetes. Segudo WILLIANS e outros (003), ara testar a hiótese sobre a difereça etre as médias de duas oulações (µ1 e µ) o caso de uma equea amostra ou seja, 1(sucesso)<30 e/ou (isucesso)<30 utiliza-se o rocedimeto baseado a distribuição t com 1+ graus de liberdade. µ1 média da oulação das emresas classificadas como sucesso µ média da oulação das emresas classificadas como isucesso Cosidera-se a hiótese de iexistêcia de difereça etre as médias, faz-se a hiótese ula ser µ1 = µ, e a hiótese alterativa ser µ1 µ, ou seja: H H 0 a : µ µ 1 : µ µ 1 = 0 0 ( x t = 1 x ) ( µ 1 µ ) 1.a 1 1 s + 1 Ode: t = valor t studet. x 1 = média da amostra das emresas classificadas sucesso. x = média da amostra das emresas classificadas isucesso. s = estimativa agruada deσ. ( 1 1) s1 + ( 1) s s =.b + 1

7 .4.4 TESTE DO QUI-QUADRADO O qui quadrado mede a correlação existetes etre os atributos.o ídice que obtiver o maior coeficiete de correlação terá maior oder reditivo e deverá receber maior eso as lailhas e fórmulas. A grade difereça existete etre a distribuição teórica eserada e a distribuição costatada, a colua das isolvetes, idica a olho u que esses ídices são caazes de searar as emresas solvetes das isolvetes..4.5 COEFICIENTE DE CORRELAÇÃO DE ATRIBUTOS QUALITATIVOS CAQ Segudo Matarazzo (007), é um úmero que varia de 0 a 0,7, ou seja, a correlação máxima será 0,7. O zero idica ão haver correlação. Etretato ara haver a correlação máxima é reciso que: O Coeficiete de Correlação de Atributos Qualitativos - CAQ tem o mérito de ossibilitar o escaloameto dos ídices mais imortates (maior eso) ara os meos imortates (meor eso). Afial, se um ídice tem CAQ mais baixo é orque são meores as difereças que é caaz de aotar etre as emresas solvetes e isolvetes e, assim, meor deverá ser o seu eso. Para calcular o CAQ usam-se as seguites fórmulas: X ( cj = j ej ej ).4.5.a CAQ = X X + N c = úmero de elemetos costatados a casa j. e = úmero de elemetos eserados a casa j. N = úmero total de elemetos da amostra b O teste de qui-quadrado é simles, objetivo e eficiete e ode ser emregado or qualquer dos usuários de Aálise de Balaços, bastado tomar algo etre 0 e 50 emresas do gruo sucesso e igual úmero de emresas do isucesso..5 VALOR DE MERCADO IDEAL PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Segudo MARTELANC e outros (005), a comaração ura e simles dos reços das ações de diferetes emresas ão tem lógica, ois o que iteressa ão é o reço da ação idividual, que deede da quatidade de ações egociáveis, mas sim o valor de bolsa ou de mercado da emresa, calculado ela multilicação do reço das ações ela quatidade de ações. O valor de mercado é muito usado ara avaliação de desemeho de ações das emresas.

8 (Cotação das ações Ordiárias x Quatidade das ações Ordiárias emitidas) VM = + (Cotação das ações Prefereciais x Quatidade das ações Prefereciais emitidas).6 ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS (DATA ENVELOPMENT ANALYSIS - DEA).6.1 O MODELO BCC BÁSICO Os modelos CCR origial e básico calculam a eficiêcia da DMU0, cosiderado uma tecologia que exibe retoros costates de escala. Para avaliar a eficiêcia técica de setores que exibem tecologias com retoros variáveis de escala, Baker, Chares & Cooer (1984) modificaram o modelo CCR básico e desevolveram o modelo cohecido como modelo BCC (iiciais dos seus criadores) básico. C se se Figura 3.1: Forma dos multilicadores orietado ara o isumo B sujeito i 0 µ 0 sujeito i µ se ν x µ y ν x i ν x ε > 0, = max C C i ε > 0, i0 = mi B i ε, ν ε, i * 0 i ε, ν ε, * 0 * 0 a = 1 = 1 < 1 a 0 + = 1 µ y = 1 µ y i = 1,..., I DMUo DMUo ν x i = 1,..., P µ y 0 i0 + M = 1,..., P i = 1,..., I DMUo + M + M 0, = 1,..., N eficiete ieficiet e + M 0, = 1,..., N eficiete Figura 3.: Forma dos multilicadores orietado ara o roduto

9 E sujeito θ x N * = 1 = miθ ε y i0 z z a = 1 s + x i z + ( s + si ) = z y 0 s,0 i = 1,..., P = 0, i = 1,..., I 0, = 1,..., N θ R si 0, i = 1,..., I + s 0, = 1,..., P ε > 0, se * E = 1 DMUo eficiete Figura 3.3: Forma da evoltória orietado ara o isumo F sujeito λ y λ R s s N = 1 i + se * x 0 z i ε > 0, = max λ + ε F z 0, 0, a = 1 * s i = x y z + ( s + si ) i0 z,0 + s + i = 1,..., I = 0, = 1,..., P 0, = 1,..., N i = 1,..., I = 1,..., P = 1 DMUo eficiete Figura 3.4: Forma da evoltória orietado ara o roduto z = 1 A restrição adicioal de a tecologia ser covexa ( ) imosta a forma da evoltória do modelo BCC básico reflete-se a variável dual associada M que caracteriza a roriedade

10 da froteira de eficiêcia ser localmete crescete quado M * < 0, costate quado M * = 0 ou decrescete quado * > 0 M [ ] a vizihaça da solução eficiete X * ;Y * = * [ X Y ] z, As iterretações dos multilicadores e das folgas do modelo BCC básico são iguais as do modelo CCR básico..6.. MODELOS COM RESTRIÇÃO NOS MULTIPLICADORES ÓTIMOS Segudo Kassai (00), existem aida três extesões que retratam modos elemetares de estabelecer restrições ara os multilicadores. São os modelos de Dyso & Thaassoulis - DT, de Wog & Beasley-WB e de Ali, Cook & Seiford ACS: Dyso & Thaassoulis ( 1988 ), que cosidera um úico isumo e que estabelece limites ara as taxas de troca etre rodutos, tedo em vista a ecessidade de ser cosumida uma quatidade míima do isumo ara cada uidade de roduto gerado; Wog & Beasley ( 1990 ), que estabelece limites ara a roorção etre o valor virtual idividual de cada roduto (isumo) e o valor virtual global da rodução (cosumo); e, Ali, Cook & Seiford (1991), que estabelece ordeametos ara as taxas de substituição dos isumos e as taxas de trocas etre os rodutos..6.3 MODELOS DEA COM VARIÁVEIS NEGATIVAS Uma das limitações da utilização da técica DEA, em algus casos ráticos, é quado se deseja que façam arte da avaliação da eficiêcia de um gruo de DMUs variáveis ( iuts ou oututs ) que ossuam valores egativos. Segudo Kassai (00) aud Chare, Cooer, Golary, Seiford e Stutz (1985) rovaram que ara o modelo BCC uma trasformação afim os dados ão altera a froteira de eficiêcia e a classificação das DMUs como eficietes ou ieficietes é ivariate com a trasformação. 3. METODOLOGIA 3.1 TIPO DE PESQUISA A esquisa será quato aos fis e aos meios da seguite forma: quato aos fis: esquisa descritiva: Exosição dos riciais idicadores de desemeho e debates teóricos relacioados ao tema, aálise estruturada dos idicadores de desemeho. quato aos meios: esquisa bibliográfica: cosulta de material (livros didáticos, artigos, dissertações e teses) relacioado ao tema. Pesquisa documetal: este estudo utilizará os dados de Iformação Fiaceiras úblicas das emresas do setor de Telecomuicações/Telefoia Celular Móvel os aos de 00 a COLETA DE DADOS Serão utilizadas diversas ublicações relacioadas ao tema em questão..

11 Os dados serão obtidos através do site da Comissão de Valores Mobiliários, da BOVESPA e do IBGE. 3.3 TRATAMENTO DOS DADOS A amostra será comosta de todas as emresas do setor de Telefoia Móvel Celular que ossuem ações em bolsa. O tratameto dos dados será da seguite forma: a) Obteção dos dados das emresas em estudo; b) Cálculo dos Idicadores e trasformação afim dos idicadores; c) Aálise da correlação e seleção das variáveis; e) Defiição dos esos de cada idicador; f) Cálculo do DEA através da utilização do Software free SIAD, sedo este um Software Brasileiro ara o cálculo do DEA, criado or um gruo de esquisadores da UFF Uiversidade Federal Flumiese e disoibilizado gratuitamete. Utilizar-se-á o modelo BCC orietado ara iut. g) Cálculo da média oderada das eficiêcias segudo FARIA, 006 e costrução de um rakig. Segudo Faria (006) a costrução do Rakig se dará com o cálculo da média oderada atribuido eso aleatoriamete de forma crescete em um itervalo costate de 0,5 coforme demostrado abaixo: Ode: a = ao de 003 b = ao de 004 m = média oderada c = ao de 005 d = ao de 006 e = ao de 007 f = ao de RESULTADOS E DISCUSSÕES 4.1 TRANSFORMAÇÃO AFIM DOS INDICADORES NEGATIVOS Tabela 1: Trasformação afim dos idicadores egativos

12 Fote: o autor 4. ANÁLISE DE CORRELAÇÃO ENTRE AS VARIÁVEIS Tabela : Correlação etre as variáveis ote: o autor Aalisado a correlação etre os idicadores, verificam-se altas correlações etre o idicador de PCT com o IPL (91%), o idicador de IPL com o IRNC (88%); LC com o LS (99%) e o ROE com o ML (85%). F 4.3 DEFINIÇÃO DE SUCESSO E INSUCESSO Tabela 3: Valor de Mercado

13 Fote: o autor Tabela 4: Defiição de Sucesso e Isucesso Fote: o autor 4.4 TESTE T STUDENT Tabela 5: T-Studet Fote: o autor Os idicadores de RPL, ML e RA ossuem o maior valor de t-studet sigificado maior caacidade de distição das oulações (sucesso x isucesso). As iformações acima são cofirmadas elo P-valor. Quato meor o -valor maior a caacidade de difereciar as médias. Tabela 6: -valor Fote: o autor 4.5 ESTRATIFICAÇÃO E CÁLCULO DO QUI-QUADRADO

14 Quadro 01: Estratificação ara cálculo do Qui-Quadrado Fote: o autor Aós estratificação das emresas, calculou-se o Qui-Quadrado, o -valor e o coeficiete de correlação de atributos. Tabela 7: Qui-quadrado Fote: o autor

15 Tabela 8: -valor Tabela 9: CCA Fote: o autor Fote: o autor Os idicadores PCT,CE e GA, IPL e IRNC, LC e LS aresetam raticamete a mesma caacidade de idicação de sucesso e isucesso. Portato, ode-se elimiar os idicadores CE, GA, IRNC e LS. Etre os idicadores RPL, LG e ML, a aálise favoreceu a elimiação do LG e ML devido sua meor relatividade em comaração com o RPL. Decisões ratificadas em ambos os testes qui-quadrado e t-studet coforme demostrados as figuras ateriores. Tabela 10: Variáveis Elimiadas Fote: o autor 4.6 DEFINIÇÃO DOS PESOS Os idicadores correlacioados foram elimiados e seus esos relativos foram trasferidos ara os idicadores correlacioados. Tabela 11: Atribuição de esos Fote: o autor As restrições, ortato, ficam defiidas coforme abaixo: Tabela 1: Restrições aos esos ara utilização do DEA Fote: o autor

16 Tabela 13: Score de eficiêcia das emresas utilizado o modelo BCC (Retoro Variável de Escala) orietado ara iut 4.8 RANKING Fote: Resultados da esquisa Figura 4: Evolução da Eficiêcia 10% 100% VIVO TIM TELEMIG TELEMIG CEL TELENORTE 80% 60% 40% 0% 0% Fote: o autor

17 O modelo idetificou a TIM com uma eficiêcia em destaque o ao de 005. Para costruir um rakig é calculada a média oderada de todos os aos, coforme abaixo: Tabela 14: Rakig Fote: o autor Verifica-se a emresa TELEMIG com uma média mais elevada e a TELENORTE em último lugar. 5. CONCLUSÃO Verificou-se ser ossível a atribuição de esos e a idetificação das variáveis mais relevates através da utilização da metodologia de MATARAZZO(007) e FARIA (006). Este estudo idetificou as variáveis PCT, IPL, LC, RA, GA e RPL, ara defiição da eficiêcia das emresas de Telecomuicações, objetivado idetificação do grau de imortâcia de cada idicador, fortaleceu o modelo revelado fatores determiates da situação atual como também servido de oto de artida ara idetificar o comortameto futuro das emresas. Vale ressaltar que o setor estudado, está em exasão e com forte cocorrêcia. Diate dos resultados foi idetificado uma DMU a froteria de eficiêcia: TELEMIG 003, TIM 003, 005 e 007, cosiderado os íveis ótimos de iuts e matidos o íveis de oututs costates (modelo BCC). O modelo DEA gerou o ídice ótimo e um escore das DMUs objeto de estudo. Para costrução do rakig adotou-se uma média oderada ecotrado a TELEMIG como líder, e a TELENORTE como a última colocada. Este estudo ão se ecerra or aqui. Para afirmar-se que a TELEMIG, é um Bechmark ara as demais DMUs, é de fudametal imortâcia uma aálise mais cuidadosa dos seus resultados, bem como de fatores sazoais ara determiar se o seu score de eficiêcia advém de eficiêcia geuía ou da ausêcia de cometidores comaráveis. 6. REFERÊNCIAS ANDERSON, David R.; SWEENEY, Deis J.; WILLIANS, Thomas A. Estatística Alicada à Admiistração e Ecoomia. a. edição. São Paulo:Pioeira,00 ANGULO MEZA, Lidia, BIONDI NETO, Luiz, SOARES DE MELLO, João Carlos C. B., GOMES, Eliae Goçalves, COELHO, Pedro Herique Gouvêa SIAD - Sistema Itegrado de Aoio à Decisão: Uma Imlemetação Comutacioal de Modelos de Aálise Evoltória de Dados. Relatórios de Pesquisa em Egeharia de Produção, v. 3,. 0. Niterói: Uiversidade Federal Flumiese - Mestrado em Egeharia de Produção, 003. ASSAF Neto, Alexadre. Fiaças Cororativas e Valor, 3a ed. São Paulo, Atlas, 007. BREALEY, Richard A., MYERS, Stewart C. e MARCUS, A. J. Fudametos da Admiistração Fiaceira.3a ed. trad.: Robert Bria Taylor. Rio de Jaeiro: McGraw, 00. BRIGHAM, Eugee F., GAPENSKI, Louis C. e EHRHARDT, Michael C. Admiistração Fiaceira Teoria e Prática. São Paulo, Atlas, 001.

18 Powered by TCPDF (www.tcdf.org) BRIGHAM, Eugee F.; HOUSTON, J.F. Fudametos da Modera Admiistração Fiaceira. Rio de Jaeiro: Camus, 1999.BOVESPA - BOLSA DE VALORES DO ESTADO DE SÃO PAULO, Acervo Histórico de Negociação das Ações das S.A.s Brasileiras egociadas em bolsa: Americel S.A., Futuretel S.A, INEPAR Telecomiicações S.A., NEWTEL Particiações S.A., Tele Norte Celular Particiações S.A., TELEMIG Celular Particiações S.A., TELEMIG Celular S.A., TIM Particiações S.A., VIVO Particiações S.A.. dos aos de 00, 003, 004, 005, 006, 007, 008. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, Relatórios da Admiistração e Demostrações Fiaceiras das emresas: Americel S.A., Futuretel S.A, INEPAR Telecomiicações S.A., NEWTEL Particiações S.A., Tele Norte Celular Particiações S.A., TELEMIG Celular Particiações S.A., TELEMIG Celular S.A., TIM Particiações S.A., VIVO Particiações S.A.. dos aos de 00, 003, 004, 005, 006, 007, 008. FARIA, Lucimeire Cordeiro da Silva. Aálise do Desemeho do setor Siderúrgico Brasileiro de 1998 à 004: Utilizado a Técica de Aálise Evoltória de Dados baseada em Ídices Ecoômico-Fiaceiros Dissertação de Mestrado Programa de Mestrado em Ecoomia Emresarial, da Uiversidade Câdido Medes: UCAM. GIL, Atoio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. ª. Ed. São Paulo: Atlas, KASSAI, Sylvia. Utilização da Aálise or Evoltória de Dados -DEA a Aálise de Demostrações Cotábeis. 00. Tese de Doutorado Programa de Pós-Graduação em Cotroladoria e Cotabilidade, da Faculdade de Ecoomia, Admiistração e Cotabilidade, da Uiversidade de São Paulo: FEA-USP. MARTELANC, Roy; PASIN, Rodrigo; CAVALCANTE, Fracisco. Avaliação de Emresas: Um guia ara fusões & aquisições e gestão de valor. São Paulo: Pearso Pretice Hall, 005. MATARAZZO, Date C. Aálise Fiaceira de Balaços: abordagem básica e gerecial. 5ª ed.. São Paulo, Atlas, 007. VERGARA, Sylvia Costat. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Admiistração. 3ª ed. São Paulo. Atlas, 000.

INTERVALOS DE CONFIANÇA ESTATISTICA AVANÇADA

INTERVALOS DE CONFIANÇA ESTATISTICA AVANÇADA INTERVALOS DE CONFIANÇA ESTATISTICA AVANÇADA Resumo Itervalos de Cofiaça ara médias e roorções com alicações a Egeharia. Ferado Mori Prof.fmori@gmail.com Itervallos de Cofiiaça ara Médiias e Proorções

Leia mais

AULA: Inferência Estatística

AULA: Inferência Estatística AULA: Iferêcia Estatística stica Prof. Víctor Hugo Lachos Dávila Iferêcia Estatística Iferêcia Estatística é um cojuto de técicas que objetiva estudar uma oulação através de evidêcias forecidas or uma

Leia mais

Avaliação da Confiabilidade de Itens com Testes Destrutivos - Aplicação da Estimação da Proporção em uma População Finita Amostrada sem Reposição

Avaliação da Confiabilidade de Itens com Testes Destrutivos - Aplicação da Estimação da Proporção em uma População Finita Amostrada sem Reposição Avaliação da Cofiabilidade de Ites com Testes Destrutivos - Alicação da Estimação da roorção em uma oulação Fiita Amostrada sem Reosição F. A. A. Coelho e Y.. Tavares Diretoria de Sistemas de Armas da

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Sistemas de Filas Simples

Sistemas de Filas Simples Sistemas de Filas Simles Teoria de Filas Processo de chegada: se os usuários de uma fila chegam os istates t, t, t 3,..., t, as variáveis aleatórias τ t - t - são chamadas de itervalos etre chegadas. As

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Aulas de Estatística / Prof. Jones Garcia da Mata / www.professorjones.hpg.com.br

Aulas de Estatística / Prof. Jones Garcia da Mata / www.professorjones.hpg.com.br # Variável aleatória Quado uma variável tem resultados ou valores que tedem a variar de uma observação ara outra em razão de fatores relacioados com a chace, ós chamamos de variável aleatória Defiimos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD Teste de ióteses VÍCTOR UGO LACOS DÁVILAD Teste De ióteses. Exemlo. Cosidere que uma idustria comra de um certo fabricate, ios cuja resistêcia média à rutura é esecificada em 6 kgf (valor omial da esecificação).

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA Almir MANTOVANI Maria Aarecida de Paiva FRANCO 2 RESUMO: O objetivo

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Análise Financeira de Projectos de Software (VAL, TIR e PRI)

Análise Financeira de Projectos de Software (VAL, TIR e PRI) Aálise Fiaceira de Projectos de Software (VAL, TIR e PRI) Adré Zuido, Germao Magalhães e Vasco Egª Sistemas e Iformática e Iformática, Faculdade de Ciêcias e Tecologia, Uiversidade do Algarve, Dezembro

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO 8. Regimes de trabalho. CAÍULO VIII - REGIMES DE RABALHO Há iúmeros tios de máquias cujos regimes de trabalho se caracterizam or aresetar eríodos curtos de oeração, seguidos de logos eríodos de reouso.

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Parte 1: Matemática Combinatória, Binômio de Newton e Cálculo de Probabilidades

Parte 1: Matemática Combinatória, Binômio de Newton e Cálculo de Probabilidades Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Parte : Matemática ombiatória, Biômio de Newto e álculo de Probabilidades Prof. Ilydio Pereira de Sá ombiatória e Probabilidades ara Educadores

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

5. A nota final será a soma dos pontos (negativos e positivos) de todas as questões

5. A nota final será a soma dos pontos (negativos e positivos) de todas as questões DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA - UFMG PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO - MESTRADO/ UFMG - 2013/2014 Istruções: 1. Cada questão respodida corretamete vale 1 (um) poto. 2. Cada questão respodida

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Jackkife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Camilo Daleles Reó camilo@dpi.ipe.br Referata Biodiversa (http://www.dpi.ipe.br/referata/idex.html) São José dos Campos, 8 de dezembro de 20 Iferêcia

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 28 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS CONTRIBUTION OF MARKETING RESEARCH

Leia mais

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4 SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4 1.1. Coceitos básicos 4 1.. Distribuição amostral dos estimadores 8 1..1. Distribuição amostral da média 8 1... Distribuição amostral da variâcia 11 1..3. Distribuição amostral

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UMA MUDANÇA EM SÉRIES DE DADOS COM DISTRIBUIÇÃO POISSON

AVALIAÇÃO DA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UMA MUDANÇA EM SÉRIES DE DADOS COM DISTRIBUIÇÃO POISSON AVALIAÇÃO DA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UMA MUDANÇA EM SÉRIES DE DADOS COM DISTRIBUIÇÃO POISSON Flávio Bambirra Goçalves, e Frederico R. B. da Cruz Deartameto de Estatística ICEx - Uiversidade Federal de Mias

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

ESTUDO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FAFIC EM MATEMÁTICA

ESTUDO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FAFIC EM MATEMÁTICA ESTUDO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FAFIC EM MATEMÁTICA Prof. Ms. Rhodolffo Allysso Felix de Alecar Lima * Prof. Ms. José Flávio Portela Soares** Joelbso Moreira Alves Josefa Tavares

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

A Elasticidade preço-demanda e a concentração do mercado de cimento no Brasil.

A Elasticidade preço-demanda e a concentração do mercado de cimento no Brasil. A Elasticidade preço-demada e a cocetração do mercado de cimeto o Brasil. Thiago do Bomfim Dorelas * Área de Submissão para o III Ecotro Perambucao de Ecoomia: 3. Teoria Aplicada Edereço: Rua Desembargador

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS. Aulas 15-16. Compressores Alternativos

MÁQUINAS TÉRMICAS. Aulas 15-16. Compressores Alternativos MÁQUINAS TÉRMICAS Aulas 5-6 Comressores Alterativos Itrodução, descrição, tios, características. Termodiâmica: diagrama do ciclo, rocesso de comressão isetróico, olitróico, isotérmico, cálculo da otêcia,

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09 1 AULA 09 Olá, amigos! Chegamos hoje ao osso peúltimo simulado! Com mais esta aula, completaremos 8 (ceto e oito) questões resolvidas e miuciosamete aalisadas (54 de cada matéria). Teho a impressão de

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Uma Observação sobre. Exposição ao risco de acidentes domésticos. sticos. www.onsa.pt

Uma Observação sobre. Exposição ao risco de acidentes domésticos. sticos. www.onsa.pt Uma Observação sobre Seguraça a a Habitação. Exosição ao risco de acidetes domésticos sticos www.osa.t Uma observação sobre a seguraça a habitação. Exosição ao risco de acidetes domésticos Relatório Maria

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12 Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 PARTE 1 - ASPECTOS ECONÔMICOS DOS JUROS 3 PARTE 2 - ASPECTOS FINANCEIROS DOS JUROS 3 PARTE 3 - VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO 6 PARTE 4 DESCONTO

Leia mais

Análise estratégica dos leilões de novos empreendimentos de geração de energia

Análise estratégica dos leilões de novos empreendimentos de geração de energia Aálise estratégica dos leilões de ovos empreedimetos de geração de eergia elétrica Gustavo S. Masili masili@fem.uicamp.r Ferado C. Muhoz fcolli@fem.uicamp.r Resumo Leilões de empreedimetos o setor elétrico

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais