CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS"

Transcrição

1 Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 28 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS CONTRIBUTION OF MARKETING RESEARCH TO PRICING STRATEGIES OF PRODUCTS AND SERVICES RESUMO Este artigo apreseta uma visão sobre a cotribuição da pesquisa de marketig para o processo de decisão de apreçameto. Iicialmete é feita uma revisão bibliográfica do processo de decisão de preços a orgaização. No segudo mometo se itroduz a perspectiva do cosumidor através dos elemetos psicológicos presetes a escolha de bes e serviços coduzido às formulações de elasticidade preço da demada e de curva de demada presetes a teoria ecoômica do cosumidor. Fialmete é apresetado o resultado de um estudo de preços ode se aplica o modelo de aálise cojuta para a costrução de curvas de demada de ode é possível a derivação das elasticidades preço da demada. GRADUADO EM ECONOMIA PELA UNIVERSIDA- DE PRESBITERIANA MACKENZIE. PARTICI- POU DE DIVERSOS SEMINÁRIOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROMOVIDOS POR ORGANIZA- ÇÕES COMO THE BURKE INSTITUTE E AME- RICAN MARKETING ASSOCIATION. É DIRETOR GERAL DA LARC PESQUISA DE MARKETING. PALAVRAS-CHAVE: Apreçameto, elasticidade preço da demada, curva de demada, pesquisa de marketig, aálise cojuta. ABSTRACT This paper presets a view o the cotributio of marketig research to the price-settig process. Iitially, a review of the price-settig process withi orgaizatios is explaied. Followig, the cosumer perspective is brought to the scee through the psychological elemets that moderate the choice for products ad services, leadig to the defiitio of the demad price elasticity ad the demad curves foud i the cosumers ecoomic theory. Fially, a practical marketig research study is preseted, where the deploymet of a cojoit aalysis model allows the buildig of demad curves ad the uderstadig of demad price elasticities. KEY WORDS: Pricig, demad price elasticity, demad curve, marketig research, cojoit aalysis. 28

2 Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 29 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS 1. INTRODUÇÃO Apreçameto é o mometo da verdade todo o marketig é colocado em foco a decisão de preço (COREY apud NAGLE; HOLDEN,1995) [tradução do autor]. O objetivo deste artigo é estudar a possível cotribuição da pesquisa de marketig para o processo de decisões de apreçameto, com foco em pesquisa customizada. Para tato será feita uma revisão do processo de decisão de preços que estabelece as iformações ecessárias para a defiição da estratégia de apreçameto, permitido a idetificação do tipo de cotribuição que a pesquisa de marketig pode aportar. Vale observar que o curso da formulação de estratégias de apreçameto, a pesquisa de marketig customizada pode oferecer cotribuições que vão além do etedimeto da resposta de cosumidores às variações de preço a forma como será mostrado adiate, porém explorar essas possibilidades ão faz parte do objetivo deste trabalho. 2. PROCESSO DE DECISÃO DE PREÇOS A icorporação do apreçameto como variável importate as estratégias de marketig implica a sistematização das decisões de preço e a iclusão do tema o processo de plaejameto estratégico de marketig. A Figura1apreseta um sistema de decisões de preço proposto por Nagle e Holde (1995) o qual a avaliação e o acompahameto regular dos custos, dos cosumidores e do ambiete competitivo são os elemetos de sustetação da formulação da estratégia de apreçameto. Os autores argumetam que as três dimesões devem ser colocadas sob a resposabilidade de equipes idepedetes com o objetivo de evitar vieses de aálises decorretes de uma situação de dificuldade com uma dimesão e que sejam trasferidas para outra.um exemplo pode ser a dificuldade de idetificar precisamete ou reduzir custos variáveis e ão persistir a tarefa assumido a mesma dificuldade para os competidores. A compreesão da resposta do cosumidor às variações de preços é decisiva os aspectos relacioados ao estudo de custos e a aálise fiaceira, por isso esses elemetos do sistema serão aprofudados a seguir. 2.1 ESTUDO DOS CUSTOS E ANÁLISE FINANCEIRA Esta etapa do processo de defiição de preços tem como objetivo cohecer e defiir o modelo de custos do produto, as formas como os mesmos variam em fução da produção e, por cosequêcia, os impactos das possíveis decisões de preço sobre o lucro. Dola e Simo (1996) apresetam o esquema de determiação de lucros ilustrado a Figura 2, a seguir,ode mostram que o lucro represeta a difereça etre receitas de vedas e custos. A receita é fução do preço uitário multiplicado pelo volume de COLETA DE DADOS EDTUDO DOS CUSTOS IDENTIFICAÇÃO DO CONSUMIDOR IDENTIFICAÇÃO DOS COMPETIDORES ANÁLISE ESTRATÉGICA ANÁLISE FINANCEIRA ANÁLISE DE SEGMENTAÇÃO ANÁLISE COMPETITIVA FORMULAÇÃO DA ESTRATÉGIA ESTRATÉGIA FINAL Fote: NAGLE, T. T.; HOLDEN, R. K. The strategy ad tactics of pricig: a guide to profitable decisio makig. 2. ed. Upper Saddle River, NJ: Pretice Hall, FIGURA 1 Sistema de decisões de preço. 2910

3 Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 30 LUCRO RECEITA DE VENDAS CUSTOS VOLUME DE VENDAS X PREÇO CUSTO VARIÁVEL + CUSTOS FIXOS CUSTO UNITÁRIO VARIÁVEL X VOLUME DE VENDAS Fote: DOLAN, R. J.; SIMON, H. Power pricig: how maagig price trasforms the bottom lie. New York: The Free Press, FIGURA 2 Determiates do lucro. vedas e os dois tedem a variar em setidos iversos, ou seja, quato maiores os preços meores os volumes de vedas e vice-versa. Os custos são formados pela soma de custos fixos e custos variáveis, sedo os primeiros aqueles que ão sofrem ifluêcia dos volumes de vedas e os últimos são icorridos a partir da decisão de produção. O custo variável é fução do custo uitário de produção multiplicado pelo volume de vedas. Nagle e Holde (1995) são efáticos em argumetar que em todos os custos devem ser levados em cosideração para efeito de decisão de preços. Os autores defiem custos relevates como aqueles que afetam o lucro em fução da decisão de preço e os decompõe em icremetais e evitáveis. Os custos icremetais são os que variam em decorrêcia da decisão de preços e são divididos em: Variáveis: Relacioados à produção da uidade adicioal de produto. Fixos: Relacioados ao esforço de mudaça de preços e que ocorrem apeas uma vez. Semifixos: Variam de acordo com as mudaças o patamar de produção. Já os custos evitáveis podem ser de duas aturezas: Não icorridos: Como custos de trasação, etrega ou reposição. Reversíveis: Tais como devolução de ativos alugados ou alocação dos recursos em outros produtos ou mercados mais lucrativos. O cohecimeto dos custos relevates evolvidos em decisão de 30

4 Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 31 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS P 1 = $ 10,00 Cotribuição ates da mudaça P 1 = $ 10,00 P 2 = $ 9,50 Cotribuição após a mudaça (c) (a) (d) (e) CV = $ 5,50 CV = $ 5,50 (b) (b) (f) Volume uidades Volume uidades Volume??? uidades Fote: NAGLE, T. T.; HOLDEN, R. K. The strategy ad tactics of pricig: a guide to profitable decisio makig. 2. ed. Upper Saddle River, NJ: Pretice Hall, FIGURA 3 Poto de equilíbrio de vedas. preços permite a execução da aálise fiaceira cujo objetivo é idetificar o poto de equilíbrio das vedas, ou seja, quais são as variações ecessárias o volume de vedas para torar a mudaça de preços lucrativa. A Figura 3 ilustra um exemplo apresetado por Nagle e Holde (1995). O retâgulo do lado esquerdo represeta a situação aterior à mudaça de preços.a altura do retâgulo defie o preço uitário, este caso R$10,00. Essa altura é dividida para idicar o custo variável uitário de R$ 5,50 e a margem de cotribuição de R$ 4,50 por uidade.a largura do retâgulo iforma o volume de vedas de uidades e a área total é a medida da receita de vedas que pode ser dividida em margem de cotribuição (a) e custo variável (b). O retâgulo do lado direito da figura ilustra a situação após uma redução do preço uitário para R$ 9,50 reduzido a receita total associada ao volume de vedas de uidades e, portato, levado a uma perda de margem de cotribuição (c). O custo variável para a produção das primeiras uidades cotiua igual (b) já que a mudaça de preços ão foi acompahada pela redução de custos variáveis. Por outro lado, a redução do preço deve provocar um icremeto o volume de vedas e, por cosequêcia, um gaho a margem de cotribuição (e) e um aumeto o custo variável total (f). Dado o objetivo da aálise fiaceira de idetificar o volume de vedas que tora a mudaça vatajosa para a empresa, a figura apresetada forece os elemetos ecessários. A redução da margem de cotribuição em fução da mudaça de preços é de R$ 2.000,00 (c). Dada a ova margem de cotribuição uitária de R$ 4,00, o volume de vedas adicioal para repor a margem de cotribuição é de 500 uidades (R$ 2.000,00 dividido por R$ 4,00). As alterações de volumes de vedas superiores ao poto de equilíbrio idicam que a mudaça é vatajosa e as alterações iferiores idicam que a empresa terá prejuízos. O tamaho da alteração de preços, sua direção (aumeto ou dimiuição) e o custo variável uitário em relação ao preço são as variáveis que codicioam a variação ecessária o volume de vedas. 3110

5 Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page % (a) (c) 80% 60% Var. % ecessária o volume 40% 20% 0% -20% 20% 40% 60% (b) (d) 80% C.U.V. (% do Preço) -40% -60% -80% -100% Aumeto 20% Aumeto 10% Redução 10% Redução 20% Fote: DOLAN, R. J.; SIMON, H. Power pricig: how maagig price trasforms the bottom lie. New York: The Free Press, FIGURA 4 Relação etre variação de preço e volume de vedas. A Figura 4 permite a avaliação da relação etre a decisão de preço e o volume de vedas. O eixo horizotal apreseta os diferetes íveis de custo variável e preço e o eixo vertical as variações ecessárias em volume de vedas. Cosiderado, por exemplo, um custo variável de 60% do preço do produto, uma redução de10% o preço exige um aumeto de 33% (b) o volume de vedas para atigir o poto de equilíbrio. Porém, se a redução for de 20%, o aumeto ecessário do volume de vedas passa a ser de 100% (a). Se o custo variável for 80% do preço a dificuldade para atigir o poto de equilíbrio é aida maior. Uma redução de 10% o preço exige um aumeto de100% (c) a quatidade vedida. Portato, quato meor for a margem de cotribuição uitária como percetual do preço, maior deverá ser o aumeto ecessário do volume de vedas para equilibrar uma redução de preços. Por outro lado, se o movimeto for um aumeto de 10% o preço, a situação em que o custo uitário represeta 60% do preço do produto, a empresa pode sofrer uma redução de 20% (d) o volume de vedas para atigir o poto de equilíbrio. Isso sigifica que o movimeto de redução de preços ecessita de uma variação mais acetuada o volume de vedas para atigir o poto de equilíbrio. A resposta do cosumidor a diferetes estratégias de preço é o que defie os volumes de vedas e, portato, a receita, a cada ível de preços e vai depeder de características psicológicas, elemetos presetes o ambiete, como a estrutura da idústria, e de estímulos recebidos o mometo da compra e do cosumo. 2.2 VALOR DE USO E UTILIDADE Giaeti (2005) explora a racioalidade do ser humao e coclui que a prática de valorar, medir e poderar defie a ação humaa em diversas dimesões da vida.a forte característica avaliativa do homem é reforçada o pesameto filosófico de Nietzche apud Giaeti (2005) que propõe que: Estabelecer preços, medir valores,imagiar equivalêcias,tro- 32

6 Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 3/23/10 3:34 PM Page 33 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS car isso ocupou de tal maeira o mais atigo pesameto do homem, que um certo setido costitui o pesameto. A atuação do idivíduo o mercado é uma das dimesões da vida humaa, sedo o mercado, por excelêcia, o espaço social o qual o homem exercita sua característica avaliativa com o objetivo de maximizar a satisfação de seus desejos. Pode-se avaçar a compreesão do fucioameto do homem avaliador a partir de Jolivet apud Siqueira (2000) que apreseta as três fases que descrevem um ato volutário como a aálise de alterativas, a escolha de uma das possibilidades e a execução da decisão. A fução exprime a variação relativa a demada como resultado de uma determiada variação relativa o preço do produto. A magitude da elasticidade revela a itesidade provável de resposta da demada a uma variação o preço e o sial esperado como resultado da fução é egativo, o que idica que a demada tede a variar o setido iverso ao preço coforme a defiição de Fergusso (1988). Porém, a demada de um produto qualquer também é afetada pelos preços de produtos cocorretes e esse efeito é defiido como elasticidade cruzada do preço da demada e pode ser expressa através da seguite fução: Um aspecto importate da aálise de alterativas é a atribuição de valor a cada uma das possibilidades que decorre da avaliação de suas vatages e desvatages e que leva às defiições de valor de uso de um objeto e sua respectiva utilidade, coforme propostas por Geléda e Brémod apud Siqueira (2000): O valor de uso é uma avaliação subjetiva da satisfação que, direta ou idiretamete, proporcioam a posse e a utilização de um bem. Esta avaliação efetua-se um dado mometo e um cotexto social preciso. Para os eoclássicos (ecoomistas) o valor de uso represeta a totalidade de utilidade que um idivíduo extrai de um objeto.a utilidade desiga a propriedade que um objeto possui de proporcioar satisfação. A satisfação pode ser direta (bes de cosumo) ou idireta (bes de produção). Note-se que a palavra utilidade de modo algum remete para a oção de ecessidade, mas simplesmete para a de prazer. Partido da lógica idividual da maximização subjetiva de satisfação, observa-se como a mesma remete à defiição de curva da demada por uma mercadoria específica. Fergusso (1988) defie a curva da demada como a relação etre as quatidades de equilíbrio desta mercadoria, compradas ao preço de mercado, matedo-se costates a reda moetária omial e os preços omiais das demais mercadorias e, a partir desta formulação, expõe o pricípio segudo o qual a quatidade demadada varia iversamete com o preço, permaecedo costates a reda moetária omial e os preços das demais mercadorias. A relação etre as quatidades demadadas e o preço é defiida como elasticidade preço da demada e pode ser expressa através da seguite fução: A fórmula revela a variação relativa esperada a quatidade de um dado produto (X) como fução da variação relativa o preço de outro produto (Y). No caso de produtos substitutos ou cocorretes o sial esperado como resultado da fução é positivo, o que sigifica que o aumeto de preço em um produto (Y) deve ser acompahado de crescimeto a demada pelo produto cocorrete (X). Nesse poto, pode-se afirmar que o grade desafio da pesquisa de marketig é estabelecer tais relações etre preço e demada, de forma a permitir ao executivo de marca ou produto a aálise de diversas alterativas de apreçameto e a formulação da estratégia mais adequada de preço levado em cosideração todos os elemetos apresetados a Figura PESQUISA DE PREÇO A pesquisa de marketig é o istrumeto que forece os métodos adequados para esta tarefa e Nagle e Holde (1995) propõem uma tipologia das técicas atabela 1, a seguir, sedo que a marca (*) idica iclusão por parte do autor deste artigo. Os autores classificam as técicas de pesquisa de preço a partir de duas características: A primeira característica diz respeito a variável observada que pode ser costruída a partir de compras realmete realizadas revelado, portato, o comportameto real do cosumidor ou pode ser iferida a partir de iformação sobre preferêcias ou iteções que represetam atitudes do cosumidor utilizadas como mediadoras de comportametos futuros. A seguda característica se relacioa com a preseça, ou ão, 3310

7 Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 34 TABELA 1 Tipologia das técicas de pesquisa de preço. VARIÁVEL OBSERVADA Compras reais (comportameto) Preferêcias e iteções CONDIÇÕES DE MEDIÇÃO SEM CONTROLE EXPERIMENTAL COM CONTROLE EXPERIMENTAL Dados agregados de vedas Auditoria de varejo Paiel de Cosumidores Questioameto direto Pesquisa de resposta de compra Medidor de sesibilidade a preço de Va Westedorp (PSM) (*) Experimeto em poto de veda Compras em laboratório Pesquisa de compra simulada Aálise cojuta Fote: NAGLE, T. T.; HOLDEN, R. K. The strategy ad tactics of pricig: a guide to profitable decisio makig. 2. ed. Upper Saddle River, NJ: Pretice Hall, de mecaismo de cotrole experimetal a obteção da iformação. O cotrole experimetal é um cojuto de técicas que permite isolar o efeito de diversas variáveis presetes o plaejameto sobre a variável alvo idetificado relações causais. As diversas técicas podem ser utilizadas em muitas situações, a escolha deve ser cuidadosa e realizada em fução de avaliações técicas e da dispoibilidade de recursos fiaceiros e de tempo. Etretato, a situação em que se deve isolar o efeito do preço sobre a decisão de compra, técicas que empreguem cotrole experimetal são uma alterativa iteressate por permitirem o estabelecimeto da relação de causa e efeito etre preço e demada matedo costates as demais variáveis. Em particular, a aálise cojuta por suas características de coleta, processameto e aálise de dados, se mostra como possibilidade adequada em grade parte das situações de estudo de preço através da pesquisa customizada. Existem diversas formas de estruturar o exercício de aálise cojuta, porém a que melhor represeta situações mais comus de mercado é a costrução de ceários ode são apresetados produtos que apresetam combiações de atributos. Cada produto de um ceário é composto por um ível de oferta de cada atributo e o cosumidor escolhe, em cada ceário, seu produto preferido. Siqueira (2000) mostra que, a partir das escolhas maifestadas pelos cosumidores, desevolvem-se medidas quatitativas de utilidade atribuídas aos produtos e às suas características específicas e que o ideal é a possibilidade de costruir esta rede de utilidades por idivíduo, o que se tora possível com os softwares mais recetes. A partir desse cojuto de medidas é possível a realização de simulações de desempeho de outros produtos com os mesmos atributos, mas com combiações diferetes das testadas. O exemplo apresetado a Figura 5, a seguir, tem origem em um trabalho profissioal realizado pelo autor, sedo que a idetificação do cliete e outros detalhes ão serão revelados por compromissos de cofidecialidade. O produto é um serviço de etreteimeto que seria oferecido aos assiates de um provedor de acesso à Iteret. Foram testados algus outros atributos que ão serão detalhados, pois o objetivo, este mometo, é ilustrar os resultados relacioados a preços. Os atributos trabalhados são os úmeros de alterativas de uso simultâeas que o assiate tem direito a escolher e o preço da assiatura associado à escolha. Imagie que ao falar de quatidade de alterativas esteja se referido, por exemplo, a um determiado úmero de filmes (o produto específico ão pode ser revelado) que o assiate terá à sua disposição por um dado período. Dessa forma o assiate tem a opção de escolher pacotes de três, cico ou dez alterativas simultâeas e, para cada um desses pacotes, são testados quatro potos de preço: Pacote de três: R$ 6,90, R$ 9,90, R$ 12,90, R$ 15,90. Pacote de cico: R$ 9,90, R$ 13,90, R$ 17,90, R$ 21,90. Pacote de dez: R$ 13,90, R$ 19,90, R$ 25,90, R$ 31, ANÁLISE CONJUNTA Siqueira (2000) afirma que a aálise cojuta é uma forma realista de medir o impacto de um determiado atributo de um produto a preferêcia do cosumidor. Isso é feito através da costrução de um cojuto míimo possível de compostos de marketig, que icorpore os atributos determiates a decisão. O pricípio a partir do qual se desevolve um modelo de aálise cojuta é o de que um produto ou serviço pode ser decomposto em uma série de atributos e que cada atributo pode ser defiido por diversos íveis de oferta. Cada etrevistado avaliou uma sequêcia de estímulos e cada estímulo exibia quatro alterativas de produto, descritos a partir dos íveis de oferta de cada atributo, icluido aqueles ão icluídos este artigo. O etrevistado deveria escolher em cada estímulo o pacote que teria maior chace de ser adquirido e poderia, em qualquer estímulo específico, escolher a alterativa de ão assiar ehum daqueles produtos. A partir dessas avaliações a utilização de técicas estatísticas robustas, que ão são objetivo deste artigo, permite a estimativa das redes de utilidades para cada etrevistado. A partir das redes de utilidades idividuais e da costrução de diversos ceários de simulação os quais os preços variam para cada uma das possibilidades 34

8 Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 35 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS 40% 35% 30% Pacote de 10 Demada relativa 25% 20% 15% Pacote de 5 10% 5% Pacote de 3 0% R$ 6,90 R$ 7,90 R$ 8,90 R$ 9,90 R$ 10,90 R$ 11,90 R$ 12,90 R$ 13,90 R$ 14,90 R$ 15,90 Preço FIGURA 5 Curva de demada Pacote de 3. de produto, se obtém a distribuição provável da demada por idivíduo, para os diversos ceários possíveis. Os ceários de simulação desevolvidos permitem justamete a costrução das curvas de demada defiidas por Fergusso (1988), coforme apresetado a Figura 5 para o pacote de três. O eixo vertical represeta a distribuição da demada etre as três possibilidades de pacote, equato o eixo horizotal represeta o ível de preço do pacote de três, matidos costates os preços dos demais pacotes. A demada pelo pacote de três é egativamete icliada ilustrado reação iversa da procura por esse produto em relação ao preço.a demada pelos demais pacotes é positivamete icliada idicado que um aumeto o preço do pacote de três provoca um aumeto a procura pelos demais produtos. As icliações, ou derivadas primeiras, das curvas apresetadas a Figura 5 têm exatamete o sigificado das fórmulas ateriormete apresetadas para elasticidades (própria e cruzadas) preço da demada. NaTabela 2 são apresetadas as estimativas para os diversos parâmetros de elasticidade deste mercado, tato as do pacote de três, ilustradas a Figura 5, quato as dos demais pacotes. A diagoal pricipal descreve as elasticidades próprias e tem sempre sial egativo, idicado que a demada varia em setido iverso ao preço. Portato, além de os parâmetros serem relativamete elevados, observa-se que a elasticidade preço da demada é maior para os pacotes de cico e dez do que para o pacote de três. As demais células da tabela revelam as elasticidades cruzadas e têm sempre sial positivo, sigificado que a demada por um produto varia o mesmo setido da variação de preço das demais alterativas. Desta forma, a elasticidade da demada para o pacote de ci- TABELA 2 Elasticidade preço da demada. Pacote de 3 Pacote de 5 Pacote de 10 Pacote de 3 Pacote de 5 Pacote de10-1,64 0,69 0,69 0,57-2,15 0,69 0,56 0,68-2,

9 Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 36 co, em fução de uma variação o preço do pacote de três jogos é de 0,57. Isto é o mesmo que dizer que um aumeto de 1% o preço do pacote de três provoca um aumeto de 0,57% a demada do pacote de cico. 4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Pricípios iadequados os sistemas de decisões de preço provocam, ão apeas itrodução de produtos o mercado cujos preços ão estão relacioados ao valor atribuído pelo cliete, mas também impedem o desevolvimeto de compostos de marketig orietados para o cosumidor. Nagle e Holde (1995), através do apreçameto estratégico e Dola e Simo (1996), através do apreçameto eficaz, defedem uma iversão a lógica tradicioal de defiição de preços, a qual este é fução da cocepção de um produto aos quais estão associados custos mais uma remueração adequada e cuja oferta fial deve ser etregue ao mercado. Nagle e Holde (1995) argumetam que a estratégia de preços deve seguir o esquema apresetado a Figura 6, sedo origiada o valor atribuído para o produto e suas características para o cliete. A partir do estabelecimeto do preço, alvo baseado esta lógica, a empresa deve buscar uma estrutura de custos e uma especificação de produto adequado ao preço alvo e aos desejos do mercado. Cliete Valor Preço Custo Produto Fote: NAGLE, T. T.; HOLDEN, R. K. The strategy ad tactics of pricig: a guide to profitable decisio makig. 2. ed. Upper Saddle River, NJ: Pretice Hall, FIGURA 6 Preço baseado em valor. Isso exige uma profuda itegração etre as áreas de marketig, vedas, fiaças, custos e outras que teham resposabilidade por fazer o produto chegar ao cosumidor fial. Como demostrado o artigo, a itegração de áreas e profissioais com papéis e visões distitas ão é a úica barreira para a implatação do processo apresetado. A ecessidade de iformações dispoíveis em quatidade, rapidez e complexidade é um grade desafio. Do poto de vista da aálise fiaceira, o estabelecimeto preciso de custos icremetais é fudametal para o estabelecimeto de estratégias e para a realização de movimetos competitivos que permitam a maximização dos lucros da empresa. Quado se cosidera a aálise competitiva, a empresa precisa cohecer profudamete seus cocorretes, sua cultura de apreçameto e estar ateta aos movimetos estratégicos dos opoetes. Em relação à aálise do cosumidor, a empresa deve ser capaz de idetificar o valor atribuído aos produtos oferecidos o mercado e cada uma de suas características. Deve estar preparada para operar com todos os fatores que iflueciam a sesibilidade a preços, icluido a psicologia de preços do cosumidor e a ifluêcia das variáveis de cotexto. A pesquisa de marketig customizada pode cotribuir de maeira fudametal para as decisões de preço através da costrução de curvas de demada que possam ser utilizadas a aálise fiaceira. Tais curvas devem cosiderar a elasticidade preço da demada do produto bem como as elasticidades cruzadas com outros produtos. A aálise cojuta é um istrumeto decisivo para a pesquisa de marketig em fução das seguites características: O foco difuso o preço, em fução da iclusão de outros atributos, evita o comportameto de bargaha por parte do etrevistado. Resultados obtidos o ível idividual. Competidores podem ser icluídos. Permite a estimativa de todos os parâmetros relevates em estudo de preço, ou seja, elasticidades próprias e cruzadas. A propriedade preditiva do método e a possibilidade de simulação permitem o teste de várias hipóteses, icluido movimetos de competidores. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DOLAN, R.J.; SIMON, H. Power pricig: how maagig price trasforms the bottom lie. New York: The Free Press,1996. FERGUSSON, C. E. Micro Ecoomia.11. ed. Rio de Jaeiro: Forese Uiversitário, GIANNETTI, E. O valor do amahã.1. ed. São Paulo: Compahia das Letras, McDONALD, C.; VANGELDER, P. (Editors). ESOMAR Hadbook of Market ad Opiio Research. Amsterdam: ESOMAR,1998. NAGLE, T.T.; HOLDEN, R. K.The strategy ad tactics of pricig: a guide to profitable decisio makig. 2. ed.upper Saddle River, NJ: Pretice Hall,1995. SIQUEIRA, J. Mesuração da estrutura de preferêcia do cosumidor: uma aplicação de cojoit aalysis em marketig Dissertação (Mestrado em Admiistração) Departameto de Admiistração da Faculdade de Ecoomia, Admiistração e Cotabilidade, Uiversidade de São Paulo, São Paulo. 36

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização Precificação orietada ao mercado: uma abordagem ecoométrica e de otimização Rodrigo Araldo Scarpel (ITA) rodrigo@ita.br Resumo A estratégia de determiação do preço sedo customizada por marca, categoria,

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA

DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA RECIFE 011 THOMAS DA SILVA CAMELO BASTOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS THOMAS DA SILVA CAMELO BASTOS DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS:

Leia mais

PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

PRÁTICAS DE LABORATÓRIO PRÁTICAS DE LABORATÓRIO TRATAMENTO E APRESENTAÇÃO DE DADOS EXPERIMENTAIS M. Ribeiro da Silva Istituto Superior Técico Departameto de Física 1997 1 Ídice Itrodução 1 1. - Tratameto de dados experimetais

Leia mais

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais *

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais * Aálise de Pobreza com Idicadores Multidimesioais: Uma Aplicação para Brasil e Mias Gerais * Helger Marra Lopes Paulo Brígido Rocha Macedo Aa Flávia Machado ' Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

A Elasticidade preço-demanda e a concentração do mercado de cimento no Brasil.

A Elasticidade preço-demanda e a concentração do mercado de cimento no Brasil. A Elasticidade preço-demada e a cocetração do mercado de cimeto o Brasil. Thiago do Bomfim Dorelas * Área de Submissão para o III Ecotro Perambucao de Ecoomia: 3. Teoria Aplicada Edereço: Rua Desembargador

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL CHARLES THIBES SARMENTO RESUMO Tecioa-se aalisar a regressão múltipla como auxílio às políticas istitucioais as pesquisas

Leia mais

XII PREMIO DO TESOURO NACIONAL TEMA 4: QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO SUBTEMA 4.2: QUALIDADE DO INVESTIMENTO PÚBLICO TÍTULO:

XII PREMIO DO TESOURO NACIONAL TEMA 4: QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO SUBTEMA 4.2: QUALIDADE DO INVESTIMENTO PÚBLICO TÍTULO: XII PREMIO DO TESOURO NACIONAL TEMA 4: QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO SUBTEMA 4.2: QUALIDADE DO INVESTIMENTO PÚBLICO TÍTULO: INVESTIMENTO PÚBLICO OU PARCERIA PÚBLICO PRIVADA? PROPOSTA A REGRA DE DECISÃO COM

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12 Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 PARTE 1 - ASPECTOS ECONÔMICOS DOS JUROS 3 PARTE 2 - ASPECTOS FINANCEIROS DOS JUROS 3 PARTE 3 - VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO 6 PARTE 4 DESCONTO

Leia mais

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização 4 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.,., p.4 49, 007 Fortaleza, CE, INOVAGRI http://.iovagri.org.br Protocolo 00.07 9//007 Aprovado em 09//007 Plaejameto da Irrigação com Uso de Técicas de Otimização

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

SÉRIE: Estatística Básica Texto v: CORRELAÇÃO E REGRESSÃO SUMÁRIO 1. CORRELAÇÃO...2

SÉRIE: Estatística Básica Texto v: CORRELAÇÃO E REGRESSÃO SUMÁRIO 1. CORRELAÇÃO...2 SUMÁRIO 1. CORRELAÇÃO... 1.1. Itrodução... 1.. Padrões de associação... 3 1.3. Idicadores de associação... 3 1.4. O coeficiete de correlação... 5 1.5. Hipóteses básicas... 5 1.6. Defiição... 6 1.7. Distribuição

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 008 Istruções para a prova: a) Cada questão respodida corretamete vale um poto. b) Questões deixadas em braco valem zero potos (este caso marque

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística i Sumário 1 Estatística Descritiva 1 1.1 Coceitos Básicos.................................... 1 1.1.1 Defiições importates............................. 1 1.2 Tabelas Estatísticas...................................

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ESTATÍSTICA DESCRITIVA COORDENADORIA DE MATEMÁTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA Vitória - ES CAPÍTULO I 1-UM BREVE HISTÓRICO Pesquisas arqueológicas idicam que há 3000 aos A.C. já se faziam cesos a Babilôia, Chia e Egito. Até mesmo

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

Incertezas de Medição e Ajuste de dados

Incertezas de Medição e Ajuste de dados Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul Escola de Egeharia Egeharia Mecâica Icertezas de Medição e Ajuste de dados Medições Térmicas - ENG0308 Prof. Paulo Scheider www.geste.mecaica.ufrgs.br pss@mecaica.ufrgs.br

Leia mais

PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE DE DADOS

PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE DE DADOS FRANCISCO LOUZADA-NETO / CARLOS A. RIBEIRO DINIZ / CLOVIS CORREA DA COSTA / PAULO HENRIQUE F. DA SILVA / CAMILA R. DESTEFANI / ANA PAULA O. TEMPONI PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais