O oscilador harmônico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O oscilador harmônico"

Transcrição

1 O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador harmôico simples quâtico; comparar esses resultados com o correspodete oscilador clássico. Pré-requisitos Para melhor compreesão desta aula, você deverá rever o oscilador harmôico clássico, que estudou em Física A e Mecâica Clássica, e seus estudos sobre equações difereciais e séries de potêcias das disciplias de Cálculo.

2 Itrodução à Mecâica Quâtica O oscilador harmôico O OSCILADOR HARMÔNICO SIMPLES O oscilador harmôico simples é um dos primeiros sistemas que estudamos a Mecâica Clássica e também um dos mais importates. Uma de suas realizações experimetais mais simples é por meio de uma massa m ligada a uma mola ideal de costate elástica k. A mola exerce sobre a massa uma força restauradora (Lei de Hooke) sempre que a partícula sofre um deslocameto x, medido a partir da posição em que a mola está relaxada. O sistema é descrito por uma eergia potecial V( x) kx, e as soluções da equação de movimeto de Newto são fuções x(t) que oscilam o tempo com a freqüêcia atural do oscilador, ω k m. Ao logo do seu curso, você deve ter percebido que a importâcia do oscilador harmôico a Física Clássica vai muito além do sistema massa-mola. Oscilações harmôicas surgem em uma imesa variedade de sistemas: pêdulo, fluidos, circuitos eletromagéticos etc. Um sistema massa-mola quâtico é defiido por uma partícula quâtica de massa m sob ação de um potecial da forma V( x) kx, tal como o ilustrado a Figura 5.. F kx V(x) x Figura 5.: O potecial do oscilador harmôico. Assim como a Física Clássica, o oscilador harmôico também tem uma importâcia fudametal a Mecâica Quâtica. O motivo para isso é que sempre podemos aproximar o poto de equilíbrio de um potecial qualquer, V(x), pelo potecial parabólico do oscilador harmôico, como ilustrado a Figura 5.. Graficamete, isso sigifica ecotrar a parábola que melhor se ajusta ao potecial em toro do míimo. Se a eergia total da partícula for suficietemete pequea, de 6 C E D E R J

3 modo que a partícula passa a maior parte do tempo em toro do míimo, ode a parábola é uma boa aproximação à curva de eergia potecial, o sistema será aproximadamete harmôico. V(x) AULA 5 MÓDULO V(a) Figura 5.: O potecial V(x) (liha cheia), aproximado a região do etoro de seu míimo, em x a, por um potecial parabólico, típico de um oscilador harmôico (liha tracejada). a x Aaliticamete, podemos ecotrar o potecial harmôico que aproxima V(x) a vizihaça do poto x a, em que V(x) tem um míimo, cosiderado a expasão em série de Taylor em toro do míimo, V x V a x a dv d V ( ) ( ) + ( ) ( x a) dx x a dx V( a) + ( x a) d V dx x a x a, (5.) já que a primeira derivada do potecial, em x a, é ula, por se tratar de um míimo. Assim, vemos que o potecial de oscilador harmôico com d V k dx x a é uma aproximação de V(x) em toro do míimo. Desta forma, o potecial harmôico pode ser utilizado em casos em que existem pequeas oscilações em toro de potos de equilíbrio estável, como, por exemplo, o estudo de vibrações de moléculas ou dos átomos em um sólido. SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE SCHRÖDINGER No caso do oscilador harmôico, a equação de Schrödiger tem a forma: h d ψ ( x) + kx ψ ( x) Eψ ( x), (5.) m dx C E D E R J 6

4 Itrodução à Mecâica Quâtica O oscilador harmôico que tem soluções para valores positivos da eergia E. Costuma-se reescrever a Equação (5.) utilizado as defiições da freqüêcia agular do oscilador clássico, ω λ E /( ω) e h ξ ( mω / h ) de Schrödiger fica a forma: d ψ ( ξ ) + λ ξ ψ ( ξ ) k / m, e das variáveis adimesioais x. Fazedo essas substituições, a equação ( ). (5.3) Vamos começar osso estudo pela aálise do comportameto da fução de oda ψ(ξ). Fazemos mais uma substituição, defiido a fução h(ξ) de modo que: ξ / ψ ( ξ) e h( ξ). (5.4) Substituido a Equação (5.4) a Equação (5.3), obtemos a equação diferecial para h(ξ): d h( ξ) dh( ξ) ξ + ( λ ) h( ξ). (5.5) Essa equação é cohecida como equação de Hermite. ATIVIDADE. Faça, em detalhe, os passos algébricos que levam à Equação (5.3) e à Equação (5.5). RESPOSTA COMENTADA Partimos da equação de Schrödiger, h d ψ ( x) + kx ψ ( x) Eψ ( x), m dx e fazemos as substituições sugeridas, ou seja, ω k / m, λ E /( hω) e mω / h x. Note que as derivadas com relação a x também têm de ser substituídas: dψ mω dψ d ψ mω d ψ. dx h dx h ξ ( ) Assim, obtemos: 6 C E D E R J

5 ξ / que é a Equação (5.3). Fazedo agora a substituição ψ ( ξ) e h( ξ), vamos tomar a derivada seguda: h mω d ψ h h + mω m h m ω ξ ψ ξ ωλ ( ) ψ ( ξ ) hω d ψ hω hωλ + ξ ψ ( ξ ) ψ ( ξ ) d ψ + ( λ ξ ) ψ ( ξ), AULA 5 MÓDULO d ψ d dh ξ ξ e ξe h ξ ( ) ξ d h e ξ e ξ dh ξ + ( ξ ) e h( ξ ). Fialmete, substituido esse resultado em Equação (5.5): d ψ + λ ξ ψ ( ξ) ( ), obtemos a e d h dh ξ e + ( ξ ) e h( ξ ) + ( λ ξ ) e h( ξ ) ξ ξ ξ ξ d h dh ξ + λ h ξ d ξ ( ) ( ). Para resolver a equação de Hermite, lembramos que, como o potecial do oscilador harmôico é uma fução par, V(-x) V(x), pela discussão da aula passada, a fução de oda ψ(x) e, portato, a fução h(ξ) terão paridade bem defiida; ou seja, serão fuções pares ou ímpares. Vamos, assim, cosiderar a expasão de h(ξ) em séries de potêcias os dois casos: quado essa fução for par e quado ela for ímpar. a. h(ξ) par Neste caso, h(ξ) terá uma expasão exclusivamete em potêcias pares: h( ξ) c ξ, que, quado substituída a Equação (5.5), leva à relação (5.6) ( ) c 4 c ( ) ξ + ( λ ) ξ a que pode ser reescrita [ ( + )( + ) c+ + ( λ 4) c ] ξ (5.7) (5.8) C E D E R J 63

6 Itrodução à Mecâica Quâtica O oscilador harmôico Essa série de potêcias será exatamete ula somete se todos os coeficietes forem ulos, o que leva imediatamete à relação de recorrêcia: c λ c ( + )( + ) (5.9) ATIVIDADE. Obteha a Equação (5.7). RESPOSTA Substituido a Equação (5.6) a Equação (5.5), obtemos: d d d cξ ξ c λ cξ d + ( ) ξ ξ c c + ξ ξ ξ ( λ ) c ξ ( ) cξ 4cξ ( ) cξ 4cξ ( ) cξ + ( λ 4) c ξ + ( ) λ c ξ + ( ) λ cξ Observamos que, para valores grades de, o quociete c + c +, (5.) que é justamete a relação etre os coeficietes da expasão e ξ ξ ;! (5.) 64 C E D E R J

7 já que /( + )!. (5.) /! + AULA 5 MÓDULO Vemos assim que, para valores grades de ξ, em que é ecessário icluir muitos termos a expasão em série de Taylor, que o comportameto assitótico de h(ξ) é aproximadamete: lim h ξ ξ e, (5.3) ξ ( ) e, portato, ξ limψ ( ξ ) lim ( ) ξ ξ e h ξ e Isto é iaceitável, já que a fução ξ e ξ. (5.4) ão pode ser ormalizada. A úica maeira de evitar esta divergêcia de ψ( ξ) para valores grades de ξ é fazer com que a série (5.6) ão seja ifiita e termie para um dado valor de N. Nesse caso, h(ξ) vai ser um poliômio a variável ξ. Se cosideramos que a máxima potêcia de ξ esse poliômio é ξ N, temos, a Equação (5.6), que c N, equato que c N +. Levado essa iformação a relação (5.9), vemos que isso somete pode acotecer se λ 4N +. Temos agora a liberdade de escolher em qual valor N a expasão poliomial irá termiar. Na verdade, isso pode ocorrer para qualquer valor fiito de N, de modo que, para cada um desses valores, teremos uma solução diferete da equação de Schrödiger. Assim, λ pode tomar um dos valores λ 4N +, N,,,... (5.5) Para cada um desses valores de N, a fução h(ξ) será um poliômio de ordem N de ξ, e teremos uma fução de oda ψ(ξ) par e que vai teder a zero para valores grades de ξ, o que é fisicamete aceitável. b. h(ξ) ímpar Neste caso ψ(-ξ) -ψ(ξ), e, portato, h(-ξ) -h(ξ), que terá uma expasão em série de Taylor com todos os expoetes ímpares: + h( ξ) d ξ, (5.6) C E D E R J 65

8 Itrodução à Mecâica Quâtica O oscilador harmôico que, quado substituída a Equação (5.7), leva, após um tratameto similar ao feito o caso de h(ξ) par, à seguite relação etre os coeficietes: d λ d. ( + )( + 3) (5.7) Tal como o caso a, o quociete dos coeficietes d + /d / ( +) para valores grades de, o que ovamete leva à ecessidade de iterromper a série de potêcias em N, ou seja, dn, d N+. Nesse caso os valores possíveis de λ serão: λ 4N + 3, N,,,.... (5.8) Assim, cada valor N,,,... terá associado um poliômio h(ξ) de grau N+ e uma fução de oda ímpar, ψ(ξ). NÍVEIS DE ENERGIA Jutado os casos a e b, temos que os autovalores λ da Equação (5.3) são da forma: λ +,,,,..., (5.9) e, como λ E /( hω), os valores possíves para a eergia são dados por: E ( + / ) hω,,,,.... (5.) Perceba as difereças com relação ao oscilador harmôico clássico. No caso clássico, a eergia pode ter qualquer valor, sedo determiada pelas codições iiciais do problema (velocidade e posição iiciais da massa). Já o caso quâtico, o espectro de eergias cosiste em um úmero ifiito de íveis discretos, como mostrado a Figura 5.3. Vemos que, para todos os valores da eergia, a partícula está ligada, e que os íveis de eergia estão igualmete espaçados, com separação hω etre eles; exatamete da mesma forma que Plack havia proposto quado formulou a teoria que explicava a radiação emitida por um corpo 66 C E D E R J

9 egro, que voce estudou em Física 4B. Outra difereça com relação ao oscilador clássico é que o ível de meor eergia correspode a e é E hω/. Este valor fiito da eergia do estado fudametal, como vimos a discussão do poço ifiito, é chamado de eergia de poto zero, um feômeo essecialmete quâtico e que está relacioado ao Pricípio da Icerteza. Equato a Mecâica Clássica a meor eergia possível para o oscilador seria a que correspode à situação em que a partícula estiver em repouso a origem de coordeadas, ou seja, eergia igual a zero, o caso da Mecâica Quâtica a relação de icerteza ão permite esta situação de termos a partícula com mometo zero em uma posição determiada, pois assim teria posição e mometo simultaeamete bem defiidos. Notamos, fialmete, que, de acordo com a observação de que os estados ligados dos sistemas em uma dimesão são ão-degeerados, também o caso do oscilador harmôico quâtico existe apeas uma fução de oda associada a cada eergia E. AULA 5 MÓDULO V(x) E 4 E 3 E E E x Figura 5.3: Espectro de eergias para o potecial de oscilador harmôico quâtico. FUNÇÕES DE ONDA Voltado às fuções de oda ψ(ξ), vimos que elas podem ser colocadas a forma ξ / ψ ( ξ) H ( ξ) e, (5.) C E D E R J 67

10 Itrodução à Mecâica Quâtica O oscilador harmôico ode as fuções H (ξ), que víhamos chamado de h(ξ), são poliômios de grau chamados de poliômios de Hermite. A partir do que discutimos ateriormete, as fuções H (ξ) satisfazem à equação de Hermite (5.5) para λ +, ou seja: ( ) ( ) + ( ) d H ξ dh ξ ξ H ξ. (5.) As soluções desta equação são obtidas a partir das equações (5.6) e (5.6): H N + H N ( ξ ) N ( ξ ) i d ξ i N i i+ c ξ i i ( N, caso par), (5.3) ( N +, caso ímpar). (5.4) Como a Equação (5.) é homogêea, os poliômios de Hermite estão defiidos a meos de uma costate multiplicativa. Por coveção, costuma-se escolher esta costate de modo que o coeficiete de ξ em H (ξ) seja. Isto defie completamete os demais coeficietes a partir das relações de recorrêcia (5.9) e (5.7), que, usado os valores permitidos para λ, toram-se: c i+ 4( i N) ci ( i + )( i + ) (caso par, poliômio de grau N), (5.5) d i+ 4( i N) di ( i + )( i + 3) (caso ímpar, poliômio de grau N + ). (5.6) Os cico primeiros poliômios de Hermite são: H ( ξ) H ( ξ) ξ H 3 H ( ξ) 8ξ ξ H 3 4 ( ξ) ξ 4 ( ξ) ξ ξ (5.7) 68 C E D E R J

11 ATIVIDADE 3. A partir das defiições (5.3) e (5.4) e das relações de recorrêcia (5.5) e (5.6), obteha os quatro primeiros poliômios de Hermite. AULA 5 MÓDULO RESPOSTA COMENTADA o. (par). Só haverá um termo costate o poliômio, que pela coveção adotada será c. Assim, o poliômio ( ) será H ξ. o. (ímpar). Mais uma vez, só haverá um termo o poliômio, correspodedo a N. Usado ovamete a coveção, o coefi ciete deste termo será d. Assim, o poliômio será ( ) H ξ ξ. 3 o. (par). Desta vez, teremos dois termos o poliômio. O coeficiete do termo de ordem mais alta será c 4. O coefi ciete c pode ser obtido pela relação de recorrêcia (5.3): 4( ) c c, que dá. Assim, o poliômio é c ( + )( + ) ( ) H ξ 4ξ. 4 o. 3 (ímpar). Novamete, teremos dois termos o poliômio. 3 O coefi ciete do termo de ordem mais alta será d 8. O coefi ciete d pode ser obtido pela relação de recorrêcia (5.4): d ( ) 4 d ( + )( + 3), que dá d. Assim, o poliômio ( ) 3 é H 3 ξ 8ξ ξ.! Existe uma fórmula geral que permite calcular todos os poliômios de Hermite: H ξ ξ d e ( ξ) ( ) e. (5.8) C E D E R J 69

12 Itrodução à Mecâica Quâtica O oscilador harmôico Fialmete, cocluimos que para cada autovalor da eergia, E ( +, correspode uma úica autofução ψ (x), que pode ser ) hω escrita a forma: α x / ψ ( x) C H ( αx) e, (5.9) ode α m ω / h vem da defiição da variável ξ, e C é uma costate que vem da exigêcia da fução de oda estar ormalizada, ou seja, que: + + C ξ ψ ( x) dx e H ( ξ). α (5.3) de que A partir de uma propriedade geral dos poliômios de Hermite, + ξ e H ( ξ) H ( ξ) π! δ, m m (5.3) ode δ m é a delta de Kroecker, δ m para m, δ m, ecotramos que C α π! /, (5.3) de ode temos a expressão geral para ψ (x): ψ ( x) α π! / α x / H ( αx) e. (5.33) Na Figura 5.4, mostramos algumas fuções de oda do oscilador harmôico. Em particular, otamos que, à medida que aumeta a eergia, a paridade das fuções de oda vai alterado etre par e ímpar. Note aida que a eergia da partícula aumeta com o úmero de odos de sua fução de oda, da mesma maeira que observamos os poços de potecial fiito e ifiito. 7 C E D E R J

13 Vemos também que a expressão (5.3) também leva à ortoormalidade das fuções de oda, ou seja, cada ψ (x) está apropriadamete ormalizada e fuções ψ (x) e ψ m (x) para m são ortogoais. Matematicamete, E hω AULA 5 MÓDULO + ψ * ( x ) ψ ( m x ) dx δ. m (5.34) E 3 hω A partir do cohecimeto das fuções de oda ψ (x), podemos calcular todas as propriedades do oscilador harmôico quâtico. Por exemplo, podemos mostrar muito facilmete que o valor esperado da posição x, para qualquer ψ (x), é ulo. De fato, a expressão + x ψ * ( x) xψ ( x) dx ψ ( x) x dx. (5.35) temos que, como ψ (x) tem paridade defiida, par ou ímpar, ψ (x) vai ser sempre uma fução par, e quado multiplicada por x vai resultar em um itegrado ímpar a Equação (5.35), que vai levar sempre a uma itegral ula. De forma semelhate, utilizado as propriedades de ψ (x), ou mais precisamete, dos poliômios de Hermite, que podem ser ecotradas em livros-texto, podemos mostrar que: + x ψ * x x ψ h ( ) ( x) dx + mω (5.36) Cocluímos efatizado, mais uma vez, a importâcia do oscilador harmôico a Mecâica Quâtica. Como vimos, trata-se de um sistema que pode ser solucioado exatamete, apesar de que as dificuldades matemáticas são um pouco maiores do que as que vimos os sistemas que estudamos ateriormete. No etato, o importate é que ecotramos todas as fuções de oda e autovalores da eergia. Isto ão é comum em Mecâica Quâtica; pelo cotrário, a maioria dos sistemas quâticos ão tem solução exata! + + * d x p x ψ ( ) ψ ( ) ih dx dx p + ψ * ( x) h d ψ ( x) + dx dx mhω E 5 hω E 7 hω E 9 hω E hω Figura 5.4: As fuções de oda do oscilador harmôico para,,, 3, 4 e 5. C E D E R J 7

14 Itrodução à Mecâica Quâtica O oscilador harmôico ATIVIDADE FINAL No oscilador harmôico clássico, o valor médio temporal da eergia ciética é igual ao da eergia potecial. Usado as relações (5.36), mostre que algo semelhate ocorre com o oscilador harmôico quâtico: os valores esperados da eergia ciética e da eergia potecial são ambos iguais à metade da eergia do oscilador, qualquer que seja o estado quâtico em que ele se ecotre. RESPOSTA COMENTADA Os valores esperados da eergia ciética e da eergia potecial são, respec- tivamete, p e mω x. Usado as expressões (5.36) para a m fução de oda ψ p (x), obtemos: + mhω + hω e m m h ( + ) hω mω x mω +, como queríamos mω demostrar. ( ) ( ) R E S U M O Um oscilador harmôico quâtico possui íveis discretos de eergia dados por ( ) E + São, portato, íveis de eergia igualmete hω,,,,... espaçados. Note aida que a eergia do estado fudametal ão é ula, e sim hω, em acordo com o Pricípio da Icerteza. As fuções de oda do oscilador são pares ou ímpares, com um úmero de odos que cresce com a eergia. INFORMAÇÃO SOBRE A PRÓXIMA AULA Na próxima aula, passaremos ao estudo dos sistemas quâticos em três dimesões, ivestigado iicialmete a partícula livre e a caixa de potecial tridimesioal. 7 C E D E R J

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

Equações Diferenciais (ED) Resumo

Equações Diferenciais (ED) Resumo Equações Difereciais (ED) Resumo Equações Difereciais é uma equação que evolve derivadas(diferecial) Por eemplo: dy ) 5 ( y: variável depedete, : variável idepedete) d y dy ) 3 0 y ( y: variável depedete,

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia Elétrica Processameto Digital de Siais Notas de Aula Prof. Marcio Eisecraft Segudo semestre de 7 Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia

Leia mais

Equação Diferencial. Uma equação diferencial é uma expressão que relaciona uma função desconhecida (incógnita) y com suas derivadas.

Equação Diferencial. Uma equação diferencial é uma expressão que relaciona uma função desconhecida (incógnita) y com suas derivadas. Equação Difereial Uma equação difereial é uma epressão que relaioa uma fução desoheida (iógita) om suas derivadas É útil lassifiar os diferetes tipos de equações para um desevolvimeto sistemátio da Teoria

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ =

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ = RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ QUÍMICA BÁSICAB ESTRUTURA ATÔMICA II PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DAQBI Prof. Luiz Alberto RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ λ comprimeto de oda Uidade: metro

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Exercícios A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico estudado as Aulas a 5 deste módulo à resolução de um cojuto de exercícios. objetivo Esperamos que, após o térmio desta aula, você teha cosolidado

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

Estudo das Energias e Funções de Onda em um Ponto Quântico Cilíndrico Study of Energies and Wave Functions in a Cylindrical Quantum Dot

Estudo das Energias e Funções de Onda em um Ponto Quântico Cilíndrico Study of Energies and Wave Functions in a Cylindrical Quantum Dot 4 Estudo das Eergias e Fuções de Oda em um Poto Quâtico Cilídrico Study of Eergies ad Wave Fuctios i a Cylidrical Quatum Dot Sílvio José Prado Faculdade de Ciêcias Itegradas do Potal FACIP UFU, Uberlâdia,

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UFMG DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA ICEx MONOGRAFIA PARA OBTENÇÃO DE TÍTULO DE ESPECIALISTA EM MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM CÁLCULO O período do pêdulo: Porque Galileu estava

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

Exercício 1. Quantos bytes (8 bits) existem de modo que ele contenha exatamente quatro 1 s? Exercício 2. Verifique que

Exercício 1. Quantos bytes (8 bits) existem de modo que ele contenha exatamente quatro 1 s? Exercício 2. Verifique que LISTA INCRÍVEL DE MATEMÁTICA DISCRETA II DANIEL SMANIA 1 Amostras, seleções, permutações e combiações Exercício 1 Quatos bytes (8 bits) existem de modo que ele coteha exatamete quatro 1 s? Exercício 2

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS AT49-07 - CD 6-07 - PÁG.: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGAÇÃO TAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTICOS J.. Cogo A.. C. de Oliveira IEE - EFEI Uiv. Taubaté Artigo apresetado o Semiário de Pesquisa EFEI 983 ESUMO Este

Leia mais

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde?

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde? Até que tamaho podemos bricar de escode-escode? Carlos Shie Sejam K e L dois subcojutos covexos e compactos de R. Supoha que K sempre cosiga se escoder atrás de L. Em termos mais precisos, para todo vetor

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Capítulo 5. Misturas Simples

Capítulo 5. Misturas Simples Capítulo 5. Misturas Simples aseado o livro: tkis Physical Chemistry Eighth Editio Peter tkis Julio de Paula 04-06-2007 Maria da Coceição Paiva 1 Misturas Simples Para iterpretar termodiamicamete o efeito

Leia mais

Matemática Ficha de Trabalho

Matemática Ficha de Trabalho Matemática Ficha de Trabalho Probabilidades 12º ao FT4 Arrajos completos (arrajos com repetição) Na liguagem dos computadores usa-se o código biário que é caracterizado pela utilização de apeas dois algarismos,

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE CAOS EM UMA REDE COM INTERAÇÃO DE LONGO ALCANCE

SINCRONIZAÇÃO DE CAOS EM UMA REDE COM INTERAÇÃO DE LONGO ALCANCE Uiversidade Estadual de Pota Grossa Programa de Pós-Graduação em Ciêcias Área de cocetração - Física SINCRONIZAÇÃO DE CAOS EM UMA REDE COM INTERAÇÃO DE LONGO ALCANCE MARLI TEREZINHA VAN KAN PONTA GROSSA

Leia mais

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO Rita Moura Fortes proeg.upm@mackezie.com.br Uiversidade Presbiteriaa Mackezie, Escola de Egeharia, Departameto de Propedêutica de Egeharia Rua da Cosolação,

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1 1. Costrua os algoritmos para resolver os problemas que se seguem e determie as respetivas ordes de complexidade. a) Elaborar um algoritmo para determiar o maior elemeto em cada liha de uma matriz A de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

Solução de Equações Diferenciais Ordinárias Usando Métodos Numéricos

Solução de Equações Diferenciais Ordinárias Usando Métodos Numéricos DELC - Departameto de Eletrôica e Computação ELC 0 Estudo de Casos em Egeharia Elétrica Solução de Equações Difereciais Ordiárias Usado Métodos Numéricos Versão 0. Giovai Baratto Fevereiro de 007 Ídice

Leia mais

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem.

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem. Modelo Atômico de Bohr No fial do século XIX, o elétro já estava estabelecido como partícula fudametal, pricipalmete depois que, em 897, J. J. Thomso determiou a sua razão carga/massa. Sabia-se, etão,

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS José Carlos Valete de Oliveira Aluo do mestrado profissioal em Sistemas de Gestão da Uiversidade

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Frações Contínuas, Representações de Números e Aproximações Diofantinas

Frações Contínuas, Representações de Números e Aproximações Diofantinas Frações Cotíuas, Represetações de Números e Aproximações Diofatias Carlos Gustavo T. de A. Moreira I M P A o Colóuio da Região Sudeste Abril de 0 Sumário Frações Cotíuas. Itrodução.....................................

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia.

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia. Resolução -Vestibular Isper 0- Aálise Quatitativa e Lógica Por profa. Maria Atôia Coceição Gouveia.. A fila para etrar em uma balada é ecerrada às h e, quem chega exatamete esse horário, somete cosegue

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

Processamento Digital de Sinais

Processamento Digital de Sinais Processameto Digital de Siais Prof. Luciao Leoel Medes S. Mitra, Digital Sigal Processig A computer-based approach, 2 d editio. Capítulo Siais e Processameto de Siais Sial é uma fução de uma variável idepedete,

Leia mais

NOTAS DE AULA CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

NOTAS DE AULA CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I NOTAS DE AULA CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I ERON SALVADOR BA 6 Ifiitos e idivisíveis trascedem osso etedimeto fiito, o primeiro por cota de sua magitude, o segudo pela sua pequeez; imagie o que eles

Leia mais

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1)

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1) a Supoha que um ioiô parte do repouso e desce até uma altura (deslocameto vertical) h, medida desde o poto de ode o ioiô foi solto. Ecotrar a sua velocidade fial de traslação e rotação, e sua aceleração

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

PRÁTICAS DE LABORATÓRIO PRÁTICAS DE LABORATÓRIO TRATAMENTO E APRESENTAÇÃO DE DADOS EXPERIMENTAIS M. Ribeiro da Silva Istituto Superior Técico Departameto de Física 1997 1 Ídice Itrodução 1 1. - Tratameto de dados experimetais

Leia mais

CAPITULO 05 - EIXOS E ARVORES DE TRANSMISSÃO

CAPITULO 05 - EIXOS E ARVORES DE TRANSMISSÃO CAPITULO 05 - EIXOS E ARVORES DE TRANSMISSÃO 5. - INTRODUÇÃO Eixo é um elemeto mecâico rotativo ou estacioário (codição estática) de secção usualmete circular ode são motados outros elemetos mecâicos de

Leia mais

Unesp Universidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA

Unesp Universidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA Uesp Uiversidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ MBA-PRO ESTATÍSTICA PARA A TOMADA DE DECISÃO Prof. Dr. Messias Borges Silva e Prof. M.Sc. Fabricio Maciel Gomes GUARATINGUETÁ,

Leia mais

Fundamentos de Electrónica. Teoria Cap.6 - Heterojunções

Fundamentos de Electrónica. Teoria Cap.6 - Heterojunções Fudametos de Electróica Teoria Cap.6 - Heterojuções Jorge Mauel Torres Pereira IST-2010 ÍNDICE CAP. 6 HETEROJUNÇÕES Pag. 6.1 Itrodução... 6.1 6.2 Heterojução semicodutor-semicodutor... 6.1 6.2.1 Costrução

Leia mais

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida.

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida. . EQUAÇÕES DIFERENCIAIS.. Coceito e Classificação Equação iferecial é uma equação que apreseta erivaas ou ifereciais e uma fução escohecia. Seja uma fução e e um iteiro positivo, etão uma relação e igualae

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

MODELAGEM NUMÉRICA DE DADOS SÍSMICOS MARINHOS SIMULANDO ARRANJOS DE FONTE DO TIPO CANHÕES DE AR (AIRGUNS)

MODELAGEM NUMÉRICA DE DADOS SÍSMICOS MARINHOS SIMULANDO ARRANJOS DE FONTE DO TIPO CANHÕES DE AR (AIRGUNS) Copyright 004, Istituto Brasileiro de etróleo e Gás - IB Este Trabalho Técico Cietífico foi preparado para apresetação o 3 Cogresso Brasileiro de &D em etróleo e Gás, a ser realizado o período de a 5 de

Leia mais

Prova 3 Física. N ọ DE INSCRIÇÃO:

Prova 3 Física. N ọ DE INSCRIÇÃO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REAIIZAÇÃO DA PROVA. Coira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, coorme o que costa a etiqueta

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES

ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES sid.ipe.br/mtc-m9/0/07.3..08-pud ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES Valdemir Carrara URL do documeto origial: INPE São José dos Campos 0 PUBLICADO POR: Istituto

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS Aais do XIX Cogresso Brasileiro de Automática, CBA 2012. FLUXO DE CARA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS HEBERT AILA CARHUALLANQUI, DILSON AMANCIO ALES LASEP, DEE, UNESP Av.

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

FELIPE ANDRADE VELOZO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SISTEMAS DA MECÂNICA QUÂNTICA

FELIPE ANDRADE VELOZO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SISTEMAS DA MECÂNICA QUÂNTICA FELIPE ANDRADE VELOZO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SISTEMAS DA MECÂNICA QUÂNTICA Moografia de graduação apresetada ao Departameto de Ciêcia da Computação da Uiversidade Federal de Lavras como parte das exigêcias

Leia mais