5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual"

Transcrição

1 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela área de Trasporte Marítimo da Petrobras, com foco o deseho de um ovo sistema com o ituito de aperfeiçoar o atual sistema. A aálise realizada a Seção 4.3 permitiu verificar que as medidas de desempeho IDO e IPD devem ser matidas sem alterações, uma vez que atedem às características apresetadas a literatura revisada para uma boa medida de desempeho e, também, às ecessidades da Petrobras expressas pelos etrevistados. No que diz respeito ao IDO, é recomedável que o sistema de iformação gere algum tipo de alerta ao gerete da área de Operação e Cotrole iformado os avios com ídice abaixo do limite desejável, possibilitado, dessa forma, idetificar avios com baixa cofiabilidade, o que ão seria possível aalisado apeas a média dos IDO. Cabe lembrar que o IDO para cada avio já é calculado atualmete. Sedo assim, para a implemetação da melhoria proposta é ecessário evolver a área de TI para criar o mecaismo de alerta o sistema de iformação e estabelecer uma mudaça de procedimeto, em que o gerete da área de Operação e Cotrole passaria a receber a iformação sobre os avios com baixo IDO. Os Apêdices III e IV apresetam, respectivamete, os atributos das medidas de desempeho IDO e IPD, e estão estruturados com base os trabalhos de Neely et al. (997), Neely et al. (2002) e Lohma et al. (2004). No etato, a aálise das medidas CUTM, ICDN e IEFTM demostrou a ecessidade de ajustes o método de medição adotada, ou a própria cocepção da medida, o que implica também em alterações o sistema, pricipalmete o que diz respeito à TI. Este capítulo tem como objetivo propor alterações para essas três últimas medidas de desempeho citadas.

2 Custo Uitário do Trasporte Marítimo (CUTM) Para esta medida, serão apresetadas uma proposta ideal, porém de difícil implemetação, e uma proposta viável, cuja implemetação foi cosiderada pelos etrevistados como viável. Uma das críticas mais sigificativas para esta medida foi o ível de agregação apresetado. A proposta ideal cotempla a criação de uma medida desagregada por classe de avio e por modalidade de avegação (logo curso e cabotagem). A desagregação proposta evita distorções proveietes, por exemplo, da aálise cojuta de avios com portes, características e emprego diferetes. O somatório do custo total icorrido o umerador e da toelada-milha total realizada o deomiador ão permite idetificar qual(is) seria(m) a(s) classe(s) mais problemática(s), tratado, dessa forma, todas as classes com o mesmo peso. Esta proposta permite, portato, verificar se cada classe está sedo ou ão bem gerida. Essa proposta está alihada com o trabalho de Globerso (985) o que diz respeito ao ível de agregação. Vale mecioar que a desagregação da medida por avio ão foi proposta devido à dificuldade em se estabelecer metas por avio dada a diâmica das rotas a serem realizadas. Além disso, as etrevistas apotaram ão haver ecessidade do detalhameto da medida por avios. A desagregação por produto também ão foi proposta, pois se refere ao custo agregado por produto, traduzido uma visão mais comercial, cetrada a cadeia logística do próprio produto, o que ão é de iteresse para a área. Além disso, é proposta a correta alocação de todos os custos o umerador, solucioado a questão mecioada a Seção 4.3., relacioada ao mometo de alocação dos custos, e é também proposto o rateio da toelada-milha realizada por cada avio pelo úmero de dias relativos a cada mês de viagem. No etato, para a correta alocação dos custos e rateio da toelada-milha realizada, seria ecessária uma reestruturação do sistema de iformação operacioal e de custos utilizados atualmete pela empresa. Além disso, o atual sistema de iformação de custos da empresa ão permite separar o custo proveiete da cabotagem e do logo curso para os avios que participam dessas duas modalidades de avegação. Desta forma, etedeu-se que o esforço para

3 5 adequação dos dados seria sigificativo e, de acordo com as etrevistas de validação, o custo de coleta ão compesaria. A limitação ecotrada é suportada pelo trabalho de Lohma et al. (2004) que realça o fato de ão fazer setido se desehar um sistema cujos dados são de difícil obteção ou, até mesmo, idispoíveis. Por outro lado, a proposta cosiderada viável cotempla a desagregação da medida por classe de avio e a utilização da média-móvel 3 meses a medição mesal do custo e da toelada-milha realizados. A média-móvel 3 meses dilui o efeito do método utilizado para apuração da toelada-milha realizada, em que esta última é cotabilizada apeas o mês de térmio da viagem, e também suaviza a questão do mometo de alocação dos custos. A utilização da média-móvel 3 meses se justifica pela duração da maioria das viages de logo curso ser meor que 3 meses, ou seja, em sua maioria as viages começam em um determiado mês e termiam até dois meses após, como pode ser observado o histograma apresetado a Figura 2, em que verifica-se que aproximadamete 97% das viages realizadas em 2007 pela classe 7, empregada geralmete em viages de maior distâcia, possuem tempo de duração abaixo de 3 meses. Como a cabotagem um grade úmero de rotas tem curta duração, a utilização da médiamóvel 3 meses ão trará grade impacto. O horizote de 3 meses também é compatível com os exemplos citados a Seção 4.3., o que diz respeito à questão relacioada ao mometo de alocação dos custos. Cabe mecioar, aida, que as etrevistas de validação realizadas demostraram como satisfatória a desagregação por classe de avio e a utilização da média-móvel 3 meses. 7 Por motivo de cofidecialidade, o ome da classe que foi utilizada ão é mecioado.

4 52 Figura 2 Histograma Classe Histograma Classe (2007) 25 20% Número de viages % 80% 60% 40% 20% Mais Duração da viagem (dias) 0% Fote: elaborado pela autora a partir de dados da Petrobras Ressalte-se, por fim, que, além da média-móvel 3 meses, também foram estudadas a utilização da média-móvel 2 meses e 4 meses, como pode ser observado o Apêdice V. A utilização da média-móvel 2 meses correspoderia a apeas 77% das viages realizadas pela classe, como pode ser observado a Figura 2. Por outro lado, a utilização da média-móvel 4 meses ateuaria excessivamete o efeito do método utilizado para apuração da toelada-milha realizada. Com a desagregação, criam-se ovas medidas de desempeho, que por sua vez devem ter metas. As metas para cada classe de avios seriam obtidas pela divisão do Orçameto de Trasporte Marítimo pela toelada-milha prevista o Plao de Trasporte Marítimo da Petrobras, ambos relativamete a cada classe de avio. Verifica-se, portato, que esta proposta cosiste em mudaça o deomiador da meta. A obteção da toelada-milha prevista por classe de avio somete será possível após a alocação dos avios aos fluxos gerados pelo Plao de Abastecimeto. A alocação dos avios aos fluxos proveietes do Plao de Abastecimeto é realizada o Plao de Trasporte Marítimo (PLAN TM). O valor do CUTM por classe de avio deve ser poderado pela toeladamilha realizada por cada avio, fazedo assim com que avios da mesma classe, porém com produtividades diferetes, ão sejam tratados com pesos iguais. O CUTM de uma classe de avio correspoderá, portato, à poderação pela

5 53 toelada-milha dos CUTM dos avios da referida classe. Já o CUTM de um avio similarmete correspode à poderação pela toelada-milha dos CUTM das rotas realizadas por este avio. Cosiderado que determiada classe y possua avios, a fórmula proposta para o cálculo do CUTM para esta classe de avios será a seguite: CUTM CLASSE y = CTOTALz TON MILHAz Navio z= TONMILHAz TON MILHAz Navio z= (6) Em que: CUTM CLASSE y: custo uitário do trasporte marítimo da classe y, em US$/mil toelada-milha; CTOTALz: média-móvel 3 meses do custo total do avio z, em US$; TON MILHAz: média-móvel 3 meses da toelada-milha realizada pelo avio z, em mil toelada-milha; z Є y. a seguir: A TON MILHAz pode ser simplificada a Fórmula 6 obtedo-se a fórmula CUTM CLASSE y = CTOTALz Navio z= TON MILHAz Navio z= (7) fórmula: A meta associada a cada classe será calculada de acordo com a seguite Meta CUTM CLASSE y = Orçameto da classe y to - milha prevista o PLAN TM para classe y (8) Esta proposta permite que a capacidade dos gestores ou geretes em detectar rapidamete a fote do problema operacioal e respoder adequadamete (Globerso, 985) seja maior. No etato, o ível executivo, etede-se como ecessária a mauteção da utilização da atual fórmula do CUTM agregado da

6 54 frota. A proposta de mauteção da agregação existete está em liha com o ível orgaizacioal hierarquicamete superior mecioado por Attadia e Martis (2003), e com o primeiro ível hierárquico do modelo desevolvido por Lohma et al. (2004), íveis estes ligados aos processos de tomada de decisão (Guasekara et al., 2004) uma vez que é ecessário ter medidas que atedam aos íveis hierarquicamete superiores. A lógica utilizada seria a mesma: poderação dos CUTM de cada classe pela toelada-milha produzida por cada classe. Cosiderado que a frota seja composta por classes diferetes: Classe y= CUTM Frota = CTOTALy TON MILHAy TON MILHAy Classe y= TON MILHAy (9) Em que: CUTM Frota: custo uitário do trasporte marítimo da frota, em US$/mil toelada-milha; CTOTALy: média-móvel 3 meses do custo total da classe y, em US$; TON MILHAy: média-móvel 3 meses da toelada-milha realizada pela classe y, em mil toelada-milha; y Є Frota. Da mesma forma que a Fórmula 9, a TON MILHAz pode ser simplificada obtedo-se a fórmula a seguir: CTOTALy Classe y= CUTM Frota = TON MILHAy Classe y= (0) fórmula: A meta associada ao CUTM Frota será calculada com base a seguite Meta CUTM Frota = Orçameto para todas as classes to - milha prevista o PLAN TM todas as classes ()

7 55 As medidas foram alimetadas em uma plailha eletrôica com o objetivo de verificar o método proposto para a medição do CUTM de cada classe e da frota, validado-as por meio de sua apresetação aos geretes e demais etrevistados da área de Trasporte Marítimo. Foram utilizados os dados de custo e toelada-milha de 2007 realizados de cotratos em TCP das classes e 2 8. Essas duas classes foram utilizadas por terem correspodido a aproximadamete 70% da movimetação total de toeladas-milhas em Foi também utilizada a médiamóvel 3 meses proposta para o cálculo do custo e toelada-milha realizados por cada classe. Os dados utilizados foram tratados, verificado-se um úmero sigificativo de icosistêcias. Nesse setido, sugere-se a iclusão de filtros para evitar, por exemplo, erros de digitação. Na Figura 3, observa-se a evolução do CUTM Frota ao logo de 2007 utilizado-se o método atual, já cometado a Seção A aálise da Figura 3 demostra que essa medida ecotrou-se abaixo da meta durate todo o período aalisado. Figura 3 CUTM Frota Total (método atual) 6,5 CUTM FROTA TOTAL (método atual) US$/mil toelada-milha 6,0 5,5 5,0 4,5 4,0 ja/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 ju/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 ov/07 dez/07 CUTM Frota Total Meta 2007 Fote: elaborado pela autora a partir de dados da Petrobras Na Figura 4, verifica-se a evolução da medida proposta CUTM Classe ao logo do mesmo período. A aálise por classe de avio demostra que esta classe esteve durate todo o período aalisado acima da meta. No etato, a aálise 8 Por motivo de cofidecialidade, os omes das classes que foram utilizadas ão são mecioados. Também por motivo de cofidecialidade os úmeros utilizados foram alterados, porém as proporções foram matidas ão prejudicado, dessa forma, a aálise realizada.

8 56 agregada da frota, coforme apresetado a Figura 3, ão permitiu idetificar esta classe como problemática. Sedo assim, a desagregação proposta por classe de avio permite que os gestores detectem rapidamete a fote do problema operacioal, respodedo adequadamete (Globerso, 985). Além disso, a utilização da média-móvel 3 meses suaviza o efeito causado pela cocetração da cotabilização do custo ou toelada-milha em determiados meses, represetado melhor a realidade. A aálise dos dados permitiu idetificar que, utilizado o método atual, há meses ode apeas 40% dos avios dessa classe tiveram suas toeladas-milhas computadas. Figura 4 CUTM Classe (Proposta) 4,5 CUTM Classe - Proposta 4,0 US$/mil toelada-milha 3,5 3,0 2,5 2,0,5,0 ja/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 ju/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 ov/07 dez/07 CUTM Classe (método atual) CUTM Classe (média móvel 3 meses) Meta 2007 Fote: elaborado pela autora a partir de dados da Petrobras Na Figura 5, observa-se o comportameto da medida proposta CUTM Classe 2 ao logo de Nesse caso, a medida ecotra-se abaixo da meta durate o período aalisado, idicado que esta classe está sedo bem gerida.

9 57 Figura 5 - CUTM Classe 2 (Proposta) CUTM Classe 2 - Proposta 2,5 US$/mil toelada-milha 2,0,5,0 0,5 0,0 ja/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 ju/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 ov/07 dez/07 CUTM Classe 2 (método atual) CUTM Classe 2 (média móvel 3 meses) Meta 2007 Fote: elaborado pela autora a partir de dados da Petrobras A agregação da medida ão permitia idetificar classes problemáticas, a medida em que o efeito causado por diferetes classes de avios com portes, características e emprego diferetes se compesavam. Tal costatação é demostrada a Figura 6, ode o bom desempeho da classe 2 compesa em grade parte o mau desempeho da classe. Figura 6 CUTM Frota (Classe e Classe 2) Proposta 3,5 CUTM FROTA (Classe + Classe 2) - Proposta 3,0 US$/mil toelada-milha 2,5 2,0,5,0 ja/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 ju/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 ov/07 dez/07 CUTM Frota (Classe e Classe 2) (método atual) CUTM Frota (Classe e Classe 2) (média móvel 3 meses) Meta 2007 Fote: elaborado pela autora a partir de dados da Petrobras Os resultados apresetados as Figuras 3, 4, 5 e 6 foram apresetados aos geretes e demais etrevistados e validados pelos mesmos.

10 58 Para a implemetação da proposta viável, é ecessário evolver a área de TI para que as médias-móveis 3 meses sejam geradas automaticamete pelos sistemas de iformação. Além disso, é recomedável que a área de TI também seja evolvida a elaboração de filtros com o objetivo de evitar erros de digitação a alimetação da distâcia e da toelada carregada. O Apêdice VI apreseta uma tabela com os atributos das medidas de desempeho propostas CUTM/classe de avio e CUTM Frota, tedo sido estruturada com base os trabalhos de Neely et al. (997), Neely et al. (2002) e Lohma et al. (2004). Etede-se também como coveiete que a estruturação do sistema de iformação permita a obteção do CUTM/classe de avio e por tipo de cotrato: TCP com a Traspetro, TCP com Terceiros, VCP e COA, o que pode ser facilmete obtido pela classificação de cada avio de acordo com seu tipo de cotrato. Adicioalmete, propõe-se que a área resposável pela aálise dessa medida acompahe o comportameto dos direcioadores da mesma, pricipalmete das variáveis exógeas, visado a facilitar o processo de aálise desta medida Ídice de Cofiabilidade e Desempeho do Navio (ICDN) Para esta medida, é proposta a simplificação pela separação dos evetos cotemplados pela mesma, coforme descrito a Seção Os evetos quebra/avaria imprevista já são cosiderados o cálculo do IDO, portato, ão haveria ecessidade de mater essa medida isolada. O IDO SEM DOCAGEM traduz apeas um refiameto do IDO. Ao ão cosiderar docages programadas como off-hire, sua meta será maior, o etato, a lógica da medida é matida. Sedo assim, etede-se como coveiete mater o método utilizado pelo IDO, já que se trata de uma medida, como mecioado ateriormete, freqüetemete observada os relatórios auais de diversos armadores. Etede-se, o etato, que a aálise da velocidade e cosumo já é realizada mesalmete pelos admiistradores dos avios pelo fato de existirem cláusulas de

11 59 desempeho em seus cotratos, com base as quais o avio é pealizado. Sedo assim, ão há ecessidade de mater essas medidas. Os evetos de poluição já são medidos pelo IPD, que traz a iformação de forma mais completa ao iformar também a quatidade vazada. No etato, para o eveto acidetes, propõe-se a criação de uma medida por avio. Esta ova medida NACIDENTES teria o objetivo de medir o úmero de acidetes por avio. Os evetos ão cumprimeto da programação e cotamiação/perda da carga podem ser desagregados, formado medidas de desempeho idepedetes através das medidas PRAZO e DANO CARGA, respectivamete. A proposta também destaca que o registro de tais evetos seja realizado diretamete o SIGO II pelos operadores dos avios e ão em plailhas eletrôicas de apotametos diários de evetos, como é realizado atualmete. Nesse setido, é importate o evolvimeto da área de TI para icluir campos para essas iformações o sistema de iformação. Verifica-se também uma mudaça de procedimeto a medida em que os operadores dos avios icluiriam iformações diretamete o sistema de iformação. As metas para essas medidas foram propostas com base a aálise da série histórica de 2007 e as etrevistas de validação. Propõe-se, o caso da medida PRAZO, que a meta seja reduzida aualmete, o que está em liha com o trabalho de Fortui (988), que destaca que, uma vez alcaçada a meta, uma ova meta, mais desafiadora, porém realista, deve ser estabelecida. Os Apêdices VII, VIII e IX apresetam os atributos dessas três medidas de desempeho propostas e estão estruturados com base os trabalhos de Neely et al. (997), Neely et al. (2002) e Lohma et al. (2004) Ídice de Eficiêcia do Trasporte Marítimo (IEFTM) Assim como o CUTM, é também proposta para o IEFTM a desagregação em classes de avios e a mauteção da segregação já existete em cabotagem e logo curso. A aálise desagregada por classes permitirá verificar em que classes ecotram-se as ieficiêcias. O IEFTM para cada rota i realizada por cada avio z será obtido de acordo com a seguite fórmula:

12 60 IEFTM ROTAi = TON MILHAi(toelada- milha realizada) 0,95TPB DISTi( toelada milhaideal) (2) Em que: IEFTM Rotai: ídice de eficiêcia do avio z a rota i TON MILHAi: toelada-milha realizada pelo avio z a rota i DISTi: distâcia avegada a rota i pelo avio z No cálculo do IEFTM da rota, propõe-se que a toelada-milha realizada (umerador) e a toelada-milha ideal (deomiador) para avios que trasportam produtos com baixa desidade (<0,83 to/m 3 ) sejam calculadas com base a quatidade trasportada em volume e a capacidade volumétrica do avio, respectivamete, evitado-se, dessa forma, as distorções cometadas a Seção Para efeito de simplificação, as fórmulas a seguir serão apresetadas cosiderado-se um produto com alta desidade, sedo, portato, elaboradas com base a toelada-milha realizada e a capacidade em peso do avio (TPB). A obteção do IEFTM para cada avio z em determiado período deverá ser poderada pela toelada-milha realizada pelo mesmo em cada rota i sedo calculada pela seguite fórmula: IEFTM NAVIO z = Rotai= IEFTMROTAi TONMILHAi TONMILHAi Rotai= (3) Em que: IEFTM NAVIOz: ídice de eficiêcia do trasporte marítimo do avio z; TON MILHAi: toelada-milha produzida pelo avio z a rota i. Para obter o IEFTM de cada classe y, o IEFTM de cada avio z desta classe deve ser poderado pela toelada-milha realizada por cada avio o período aalisado: 9 O diesel é uma exceção devido às suas características técicas particulares.

13 6 IEFTM CLASSE y = IEFTM NAVIOz TONMILHAz Navioz = TONMILHAz Navioz= (4) Em que: IEFTM CLASSE y: ídice de eficiêcia do trasporte marítimo da classe y; IEFTM NAVIOz: ídice de eficiêcia do trasporte marítimo do avio z; TON MILHAz: toelada-milha produzida pelo avio z; z Є y. O IEFTM total da frota será obtido separadamete para cabotagem e logo curso pela fórmula abaixo: Classey= IEFTM FROTA = IEFTM CLASSEy TONMILHAy TONMILHAy Classey= (5) Em que: IEFTM FROTA: ídice de eficiêcia do trasporte marítimo da frota; IEFTM CLASSE y: ídice de eficiêcia do trasporte marítimo da classe y; TON MILHAy: toelada-milha produzida pela classe y; y Є Frota. A Fórmulas 4 e 5 serão calculadas separadamete para cabotagem (IEFTM/CAB) e logo curso (IEFTM/LC). Sedo assim, avios que operam tato a cabotagem como o logo curso terão suas viages em cada modalidade de avegação aalisadas separadamete. Com a desagregação e a coseqüete criação de ovas medidas, tora-se ecessária a defiição de metas para cada classe de avio. As metas serão obtidas o Plao de Trasporte Marítimo, em que são calculadas as toeladas-milhas a serem produzidas o logo curso e a cabotagem por cada classe de avio. A meta associada ao IEFTM/classe de avio será calculada com base a fórmula a seguir:

14 62 IEFTM CLASSE y = Navioz = IEFTM NAVIOz TONMILHAz TONMILHAz Navioz= (6) Em que: IEFTM NAVIO z: ídice de eficiêcia do trasporte marítimo do avio z calculado com base o PLAN TM; TON MILHA z: toelada-milha prevista para o avio z o PLAN TM; z Є y. fórmula: A meta associada ao IEFTM Frota será calculada com base a seguite Classey= IEFTM FROTA = IEFTMCLASSEy TONMILHAy TONMILHAy Classey= (7) Em que: IEFTM CLASSE y: ídice de eficiêcia do trasporte marítimo da classe y calculado com base o PLAN TM; TON MILHA z: toelada-milha prevista para a classe y o PLAN TM; y Є Frota. Deve-se ressaltar que se a desidade do produto for meor que 0,83 to/m 3, deve-se utilizar volume (m 3 -milha) e ão toelada-milha, como já mecioado ateriormete. As metas acima também seriam calculadas para logo curso e cabotagem separadamete. A medida IEFTM/classe de avio foi alimetada em uma plailha eletrôica com o objetivo de verificar o método proposto para sua medição. A mesma foi validada mediate sua apresetação aos geretes e demais etrevistados da área de Trasporte Marítimo. Foram utilizados os dados de 2007 da classe de avio por terem sido estes dados os mais recetes detre aqueles dispoibilizados pela área de TI para a realização deste trabalho.

15 63 Na Figura 7, observa-se o comportameto do IEFTM da classe utilizadose o método atual e o proposto. Verifica-se que a difereça existete é pequea, sedo mais sigificativa em meses em que o úmero de viages realizadas por todos os avios desta classe é maior, fazedo, dessa forma, com que a poderação proposta pela toelada-milha apresete um maior impacto. Figura 7 IEFTM Classe 90% IEFTM Classe 80% 70% 60% 50% 40% 30% ja/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 ju/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 ov/07 dez/07 IEFTM Classe (método atual) IEFTM Classe (método proposto) Meta 2007 Fote: elaborado pela autora a partir de dados da Petrobras Para a implemetação dessa proposta será ecessário evolver a área de TI a elaboração de relatórios que foreçam a toelada-milha realizada e ideal para cada avio em cada rota. Além disso, será também ecessária a associação dos produtos à sua desidade, de forma que a quatidade trasportada e a capacidade do avio em peso ou volume sejam calculadas automaticamete pelo sistema de iformação. Assim como o CUTM, também é importate evolver a área de TI a elaboração de filtros, a fim de evitar erros de digitação quado da alimetação da distâcia e da toelada carregada pelos operadores dos avios. O Apêdice X apreseta os atributos das medidas de desempeho propostas IEFTM/classe de avio e IEFTM Frota, tedo sido estruturado com base os trabalhos de Neely et al. (997), Neely et al. (2002) e Lohma et al. (2004) Sítese da proposta apresetada A proposta trata, portato, de medidas relacioadas ao custo (como o CUTM), a SMS (como o IPD e o NACIDENTES) e ao ível de serviço logístico

16 64 prestado (como IDO, IEFTM, DANO CARGA e PRAZO), sedo estes os pricipais grupos relacioados aos objetivos estratégicos da área de Trasporte Marítimo. Buscou-se, esse setido, mesurar os objetivos do trasporte marítimo pela aálise do trade-off etre o custo e o ível de serviço com foco em SMS. Na Tabela 9, pode-se verificar a sítese da proposta validada pelos geretes e demais etrevistados. Na primeira e seguda coluas, observam-se, respectivamete, as medidas de desempeho atualmete utilizadas pela área de Trasporte Marítimo e o seu detalhameto. Na terceira e quarta coluas, têm-se, respectivamete, a proposta apresetada e as alterações sugeridas pela mesma. Na quita colua apresetam-se as ações ecessárias para a implemetação da proposta apresetada. Tabela 9 Sítese da proposta Medida atual CUTM - Medida atual (detalhameto) Fote: elaborada pela autora Proposta PROPOSTA IDEAL: Criar CUTM/Classe/LC Criar CUTM/Classe/Cabot. (ível desagregado) Mater CUTM Frota (ível agregado) PROPOSTA VIÁVEL: Criar CUTM/Classe (ível desagregado) Mater CUTM Frota (ível agregado) Alteração sugerida Correta alocação de todos os custos o umerador Separação dos custos proveietes da cabotagem e logo curso para avios que participam das duas modalidades de avegação Rateio da toeladamilha realizada por cada avio pelo úmero de dias relativos a cada mês de viagem Desagregação por classe de avio e por logo curso e cabotagem Toelada-milha do PLAN TM como deomiador da meta Desagregação por classe de avio Toelada-milha do PLAN TM como deomiador da meta Utilização da médiamóvel 3 meses a aálise mesal Procedimetos ecessários para implemetação Reestruturar sistema de iformação possibilitado o rateio da toelada-milha Reestruturar sistema de iformação de custos (correta alocação dos custos e separação do custo proveiete da cabotagem e logo curso) Implemetar metas para cada medida Evolver a área de TI a elaboração de filtros evitado erros de digitação a alimetação da distâcia e da toelada carregada Implemetar metas para cada medida Evolver a área de TI para que as médias-móveis 3 meses sejam geradas automaticamete pelos sistemas de iformação Evolver TI a elaboração de filtros evitado erros de digitação a alimetação da distâcia e da toelada carregada

17 65 Medida atual IDO ICDN Medida atual (detalhameto) IDO TCP Traspetro IDO TCP Terceiros ICDN (Acidetes/Polui ção) ICDN (IDO sem docagem, Quebra/ avaria imprevista, Cotamiação/p erda da carga, Não cumprimeto da programação, Velocidade, porte e cosumo) Tabela 9 Sítese da proposta (cotiuação ) Proposta Acompahar IDO/avio (já calculado atualmete) Mater IDO TCP Traspetro Mater IDO TCP Terceiros Elimiar ICDN Criar NACIDENTES Elimiar ICDN Criar DANO CARGA (Cotamiação/perda da carga) Criar PRAZO (Não cumprimeto da programação) Alteração sugerida Criação de mecaismo de alerta o sistema de iformação o que se refere aos avios com IDO abaixo do desejável. Criação de ova medida: NACIDENTES Criação das ovas medidas: DANO CARGA e PRAZO Procedimetos ecessários para implemetação Evolver a área de TI para criar mecaismo de alerta automático ao gerete da área de Operação e Cotrole, iformado avios com IDO abaixo do desejável Mudaça de procedimeto: gerete da área de Operação e Cotrole passaria a receber iformação sobre os avios com baixo IDO Implemetar metas Evolver a área de TI para icluir campos para essa iformação o sistema de iformação Mudaça de procedimeto: operadores dos avios icluiriam iformação diretamete o sistema de iformação Implemetar metas para cada medida Evolver a área de TI para icluir campos para essas iformações o sistema de iformação Mudaça de procedimeto: operadores dos avios icluiriam iformações diretamete o sistema de iformação Fote: elaborada pela autora

18 66 Medida atual IEFTM Medida atual (detalhameto) IEFTM/LC IEFTM/Cabotag em Tabela 9 Sítese da proposta (cotiuação 2) Proposta Criar IEFTM/classe/LC Criar IEFTM/classe/Cabotagem (ível desagregado) Mater IEFTM Frota/LC Mater IEFTM Frota/Cabotagem (ível agregado) Alteração sugerida Desagregação por classe de avio Utilização do volume para o cálculo da toeladamilha ideal e realizada o cálculo do IEFTM da rota para produtos com desidade < 0,83 to/m 3 Alteração da fórmula Utilização do volume para o cálculo da toeladamilha ideal e realizada o cálculo do IEFTM da rota para produtos com desidade < 0,83 to/m 3 Procedimetos ecessários para implemetação Implemetar metas para cada medida Associar produtos às suas desidades Evolver a área de TI a elaboração de relatórios ode seja possível verificar a toelada-milha realizada e a ideal para cada avio em cada rota Evolver a área de TI a elaboração de filtros evitado erros de digitação a alimetação da distâcia e da toelada carregada Implemetar metas para cada medida Associar produtos às suas desidades Evolver a área de TI a elaboração de filtros evitado erros de digitação a alimetação da distâcia e da toelada carregada IPD - Mater IPD - - Fote: elaborada pela autora

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS rof. Vieira Filho SOLUÇÕES e GSES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SOLUÇÕES. em-se 500g de uma solução aquosa de sacarose (C O ), saturada a 50 C. Qual a massa de cristais que se separam da solução, quado ela é

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA MARIANO YOSHITAKE Adelmo Ferado Ribeiro Schidler Júior Adriao Moitiho Pito Iracema Raimuda Brito das Neves Aselmo Teixeira Motes Resumo: O objetivo

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Modelos Conceituais de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

Modelos Conceituais de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Modelos Coceituais de Dados Baco de Dados Motivação Objetivo da abordagem de BD: oferecer abstração dos dados separar aplicações dos usuários dos detalhes de hardware ferrameta utilizada: modelo de dados

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL GRUPO DE ENSINO E PESQUISA EM REAL ESTATE

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL GRUPO DE ENSINO E PESQUISA EM REAL ESTATE Ídice Setorial de Real Estate IRE São Paulo Juho 205 2 FINALIDADE A costrução e a divulgação do IRE tem o propósito de espelhar o comportameto médio dos preços das ações das empresas que atuam o segmeto

Leia mais

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID XXIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBrT 11, 2-5 DE OUTUBRO DE 211, CURITIBA, PR Um Protocolo Híbrido de Ati-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID Bruo A. de Jesus, Rafael C. de Moura, Liliae

Leia mais

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP Costrução de um modelo para o preço de veda de casas resideciais a cidade de Sorocaba-SP Recebido: 0/03/01 Aprovado: 5/09/01 Júlio César Pereira (UFSCar-SP/Brasil) - julio.pereira.ufscar@gmail.com, Rodovia

Leia mais

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE OTORES ELÉCTRICOS ACCIONAENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL Rede Coversor de potecia otor Carga Dispositivo de cotrolo Parâmetros O coversor estático trasforma a eergia eléctrica de

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas.

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas. THE 9 th LATIN-AMERICAN CONGRESS ON ELECTRICITY GENERATION AND TRANSMISSION - CLAGTEE 2011 1 A ifluêcia dos fatores humaos os idicadores de O&M das usias termelétricas. Maria Alice Morato Ribeiro (1) (e-mail:

Leia mais

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização Precificação orietada ao mercado: uma abordagem ecoométrica e de otimização Rodrigo Araldo Scarpel (ITA) rodrigo@ita.br Resumo A estratégia de determiação do preço sedo customizada por marca, categoria,

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09 1 AULA 09 Olá, amigos! Chegamos hoje ao osso peúltimo simulado! Com mais esta aula, completaremos 8 (ceto e oito) questões resolvidas e miuciosamete aalisadas (54 de cada matéria). Teho a impressão de

Leia mais

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO Dayse Regia Batistus (UTFPR) batistus@utfpr.edu.br Marcelo Rosa (UTFPR) marcelorosa@aluos.utfpr.edu.br

Leia mais

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais *

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais * Aálise de Pobreza com Idicadores Multidimesioais: Uma Aplicação para Brasil e Mias Gerais * Helger Marra Lopes Paulo Brígido Rocha Macedo Aa Flávia Machado ' Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA FATORES DE INFLUÊNCIA - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA FATORES DE INFLUÊNCIA - TEORIA Itrodução CINÉTICA QUÍMICA FATORES DE INFLUÊNCIA - TEORIA A Ciética Química estuda a velocidade com a qual as reações acotecem e os fatores que são capazes de realizar ifluêcia sobre ela. A medida mais

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA IM 37 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS PROF. DR. SÉRGIO

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais