BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL, ANÁLISE ECONÔMICA DE DUAS CONFIGURAÇÕES FOTOVOLTAICAS E UMA ELÉTRICA CONVENCIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL, ANÁLISE ECONÔMICA DE DUAS CONFIGURAÇÕES FOTOVOLTAICAS E UMA ELÉTRICA CONVENCIONAL"

Transcrição

1 ASADES Avaces e Eergías Reovables y Medio Ambiete Vol. 13, Impreso e la Argetia. ISSN BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL, ANÁLISE ECONÔMICA DE DUAS CONFIGURAÇÕES FOTOVOLTAICAS E UMA ELÉTRICA CONVENCIONAL M. C. Fedrizzi, F. S. Ribeiro, R. Zilles Uiversidade de São Paulo (USP) - Istituto de Eletrotécica e Eergia (IEE) Laboratório de Sistemas Fotovoltaicos (LSF) Av. Prof. Luciao Gualberto, 1289 CEP São Paulo Brasil Tel Fax RESUMO: Apesar do grade potecial de aplicação, a tecologia de bombeameto fotovoltaico ão está mais dissemiada por requerer um grade aporte de ivestimeto iicial, aida que seus custos de operação sejam reduzidos por ão depeder da compra de combustível, como é o caso dos sistemas com eergia fóssil, ou do pagameto de tarifa elétrica, como é o caso dos sistemas elétricos covecioais. Este trabalho apreseta uma avaliação ecoômica de duas cofigurações de sistemas fotovoltaicos de bombeameto e a respectiva comparação com a alterativa de atedimeto com a rede elétrica covecioal. Através dos resultados e premissas de um estudo de caso o estado de São Paulo, pôde-se costatar que para um úico atedimeto, as potêcias ecessárias, que são usualmete baixas, a opção fotovoltaica é mais competitiva para distâcias superiores a 1 km da rede. Palavras chave: eergia solar, bombeameto fotovoltaico, bombeameto de água. INTRODUÇÃO Dos 6 bilhões de habitates do plaeta, cerca de 1,2 bilhões ão tem acesso à água potável. A Coferêcia do Milêio promovida pelas Nações Uidas realizada em 2000, determiou que até o ao de 2015 seja reduzido à metade o úmero de pessoas sem acesso à água potável (WHO, 2003). Para viabilizar esta determiação é ecessário prover soluções eergéticas que facilitem a difusão do acesso à água, pois grade parte da população com deficiêcia o abastecimeto de água carece de eergia para a sua captação e trasporte. O meio rural empobrecido e distate das redes de serviços ecessita de meios tecológicos compatíveis com sua codição. No caso do abastecimeto de água com fote de captação local, há os sistemas de bombeameto com motores de acioameto à combustão itera e com motores elétricos de idução. Este estudo efoca o segudo caso, especificamete as opções elétrica covecioal e fotovoltaica. A expasão da rede elétrica o Brasil tem alcaçado grades avaços os últimos aos como coseqüêcia da obrigatoriedade da uiversalização do serviço elétrico (Lei , 2002) e do Programa Luz para Todos, que levou eergia a mais de dez milhões de pessoas o meio rural, os últimos quatro aos (PLpT, 2009). No etato, por ser um país de dimesões cotietais e deter baixa desidade populacioal do meio rural, um certo úmero de localidades ão receberá o atedimeto pela rede elétrica covecioal. No caso de atedimeto com a rede elétrica covecioal o bombeameto de água pode ser realizado com equipametos acioais amplamete difudidos o mercado, bombas com motor de idução, de fabricação acioal. O Luz para Todos é um programa que privilegia o atedimeto de moradias rurais e tem apresetado dificuldades para o forecimeto de eergia quado o cosumidor for uma estação de bombeameto de água isolada. Quado a população ão é atedida pela rede covecioal o abastecimeto de água, em geral, é precário e faz uso de pequeos geradores a combustão ou, o meor dos casos, de sistemas fotovoltaicos. O bombeameto fotovoltaico teve grades avaços tecológicos desde suas primeiras aplicações a década de No Brasil, desde 1994, foram implatados cerca de sistemas correspodedo a mais de 2 MWp de potêcia istalada (PRODEEM, 2001; Galdio et al., 2002; Fedrizzi, 2003), sedo que a maior parte deles foi implemetada por iiciativas do Govero Federal, ONGs, grupos de pesquisa e istituições assisteciais em comuidades rurais de baixa reda. Comparado com o Brasil, como país em desevolvimeto, e por ter iiciado suas primeiras istalações fotovoltaicas de bombeameto a mesma época, a Ídia cota com cerca de sistemas istalados e com vários programas goverametais de icetivo à aplicação do bombeameto fotovoltaico (Purohit & Michaelowa, 2008), em que pese os sistemas de potêcia serem muito diferetes. Além do aprimorameto da tecologia, outro fator que cotribuiu para sua dissemiação foi a redução dos preços dos módulos fotovoltaicos o mercado iteracioal que passaram de 20,00 US$/Wp, em 1970 (Barlow et al., 1991), para 3,00 US$/Wp atualmete o mercado spot (Siemer, 2009). No Brasil, o etato, o preço está por volta dos 5,50 US$/Wp, uma vez que ão há produção acioal de módulos e os custos de importação, seguro e trasporte aumetam cosideravelmete o preço para o cosumidor fial. Apesar do grade potecial de aplicação o país, a tecologia de bombeameto fotovoltaico ão está mais dissemiada por requerer um grade aporte de ivestimeto iicial, aida que seus custos de operação sejam reduzidos pois ão depede da compra de combustível, como é o caso dos sistemas com eergia fóssil; ou do pagameto de tarifa elétrica, como é o caso dos sistemas elétricos covecioais

2 Aida que os custos de operação sejam reduzidos, os sistemas fotovoltaicos de bombeameto deve-se cosiderar as dificuldades de mauteção e os custos de reposição dos equipametos importados. Exemplo extremo disso apreseta um levatameto em 801 sistemas istalados pelo PRODEEM (Programa de Desevolvimeto Eergético de Estados e Muicípios, do Govero Federal), ode foram registradas 337 ocorrêcias, sedo que 57% das avarias ocorreram com os grupos motobombas e 41% com os equipametos de codicioameto de potêcia (Bezerra, 2002). Os custos e as dificuldades evolvidas o reparo dos sistemas importados levaram ao sucateameto de muitos desses sistemas e ao descrédito a tecologia de bombeameto fotovoltaico. Com vistas a miimizar esse problema vem sedo desevolvidas modalidades de parametrização/acoplameto de coversores de freqüêcia comerciais para acioar motobombas cetrífugas trifásicas covecioais com geração fotovoltaica (Aloso-Abella et al., 2003; Brito, 2006). Este trabalho apreseta uma avaliação ecoômica de duas modalidades de sistemas fotovoltaicos de bombeameto e a respectiva comparação com a alterativa de atedimeto com a rede elétrica covecioal. SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BOMBEAMENTO Um sistema fotovoltaico de bombeameto padrão é costituído de gerador fotovoltaico, mecaismo de codicioameto de potêcia (iversor, cotrolador, seguidor do poto de máxima potêcia), grupo motobomba e reservatório de água, coforme ilustra a figura 1. Diferetemete dos sistemas domiciliares de geração fotovoltaica autôoma, o bombeameto ão são utilizados acumuladores eletroquímicos para armazeameto de eergia elétrica os horários de maior irradiâcia para sua posterior utilização, exceção feita os casos em que a bomba é uma carga a mais de um sistema fotovoltaico autôomo. Como regra geral, os períodos de maior irradiâcia a água é bombeada e armazeada em reservatórios para sua posterior utilização, os quais são dimesioados para prestar o serviço garatido a autoomia defiida de acordo com a aplicação e as codições de cotoro. A eergia é armazeada a forma de eergia potecial da massa de água. Gerador fotovoltaico Grupo motobomba Equipametos de codicioameto de potêcia Figura 1: Sistema fotovoltaico de bombeameto padrão. Até pouco tempo atrás, os sistemas fotovoltaicos de bombeameto só utilizavam motobombas e codicioameto de potêcia fabricados especialmete para as especificidades da fote solar itermitete, ou seja, para a variação da irradiâcia ao logo do tempo, coforme figura 2. Outra característica desses grupos motobombas é a sua alta eficiêcia, podedo ser acima dos 40% para cetrífugas e acima dos 50% para helicoidais. Esses equipametos são produzidos por poucas empresas o mudo e serão chamados este trabalho de sistemas fotovoltaicos de bombeameto importados (). Irradiâcia [W/m 2 ] Vazão [m 3 /h] :48 07:12 09:36 12:00 14:24 16:48 19:12 Tempo [h] Figura 2: Variação da vazão em fução da irradiâcia ao logo de um dia de bombeameto

3 Apesar da alta qualidade dos uma ova modalidade de sistemas de bombeameto fotovoltaico aparece como sedo viável tecicamete e promissora ecoomicamete. Ela é caracterizada pelo uso de coversores de freqüêcia (aplicados em larga escala a idústria para o cotrole de processos) com motobombas elétricas covecioais, chamados aqui de sistemas fotovoltaicos de bombeameto com coversor de freqüêcia (SFB-CF). CONVERSOR DE FREQÜÊNCIA EM BOMBEAMENTO FOTOVOLTAICO O coversor de freqüêcia (CF) é um equipameto eletrôico que permite obter potêcia com tesão e freqüêcia variáveis. É uma excelete opção para cotrole de velocidade de motores elétricos de correte alterada, particularmete para motor de idução trifásico. Ele é costituído por um circuito retificador que alimeta, através de um circuito itermediário chamado barrameto cc, o seu circuito de saída. A fucioalidade de retificar a tesão de alimetação permite que este dispositivo seja acoplado diretamete a uma fote de correte cotíua, como por exemplo, um gerador fotovoltaico (Brito, 2006). Para que o coversor de freqüêcia possa ser utilizado este tipo de aplicação, é ecessário que possua como característica técica o cotrolador proporcioal itegral (PI) icorporado ao seu circuito. Este dispositivo permite realizar a tarefa de variar automaticamete, proporcioalmete à irradiâcia, a relação V/f da forma de oda de alimetação da motobomba. Dessa forma, se a potêcia dispoível do gerador fotovoltaico, para um determiado ível de irradiâcia, ão for suficiete para mater a motobomba fucioado em sua freqüêcia omial (50 ou 60 Hz), o coversor de freqüêcia reduz a relação V/f para um valor permissível. Isto tem como objetivo mater o torque que a motobomba ecessita para cotiuar operado; aida que seja fora do seu poto omial (Brito et al., 2007). Neste tipo de sistema todo o cotrole é feito pelo coversor de freqüêcia, sedo preciso parametrizá-lo para as codições de trabalho em que irá operar, coforme descrição de Brito e Zilles (2006). AVALIAÇÃO ECONÔMICA DAS OPÇÕES Partido-se do pricípio de que as opções de bombeameto para o meio rural euciadas gozam de cofiabilidade técica, faz-se uma avaliação ecoômica que pode ser muito útil a tomada de decisão quato à escolha da modalidade a ser adotada. A aálise ecoômica das opções foi feita através do cálculo de algumas figuras de mérito que equiparam os custos de ivestimeto, de reposição, de operação e de mauteção dos diferetes sistemas para um mesmo período de vida útil do projeto (Dutt, 1992; Larso, 1989). Custo do Ciclo de Vida (CCV) é o valor presete de todos os custos ao logo da vida útil do projeto, isto é: ivestimeto iicial, reposição de equipametos, operação, mauteção e tarifa elétrica ao logo da vida útil do projeto. Leva-se em cota o valor do diheiro o tempo em fução da taxa de descoto utilizada. [ ] ( ) ( 1+ i ) 1 CCV = I 0 + O & M + MB 1 + i (1) i( 1+ i ) I o - Custo do ivestimeto iicial O&M - Custo em Operação e Mauteção i - Taxa de descoto (% ao ao) - Vida útil (aos) MB-CP - Custo motobomba +codicioameto de potêcia Taxa de descoto (i) é o ídice pelo qual estima-se o valor presete de determiada quatidade de moeda o futuro. A taxa de descoto oferece uma idicação do ível de aproveitameto das oportuidades de ivestimeto ecoômico da sociedade. 1 VP (2) VP - Valor presete i = 1 VF - Valor futuro VF Custo do Ciclo de Vida Aualizado (CCVA) é o custo aual requerido para o pagameto total do ivestimeto ao logo de sua vida útil. Pode ser calculado como sedo o produto etre o Custo do Ciclo de Vida e o Fator de Recuperação de Capital ode: (3) Fator de Recuperação de Capital (FRC) é o ídice pelo qual o ivestimeto total do projeto é recuperado aualmete em fução de determiada taxa de descoto, detro de seu período de vida útil. (4) i( 1+ i) FRC = Custo do Volume Bombeado (CVB) proporcioa o custo uitário do volume bombeado, metro cúbico, para cada uma das opções utilizadas. Determia o custo aual do projeto e divide pelo volume bombeado ao logo de um ao. CCVA - Custo do Ciclo de Vida Aualizado (US$/a) VB a - Volume Bombeado por ao (m 3 /a) CCVA = CCV FRC CVB = ( 1+ i) 1 CCVA VB a (5)

4 A avaliação ecoômica é realizada cosiderado as três modalidades de bombeameto para duas codições específicas: - 12 m 3 /dia a uma altura maométrica de 30 m (deomiado sistema pequeo) m 3 /dia a uma altura maométrica de 60 m (deomiado sistema grade). Sistema de bombeameto elétrico covecioal utiliza motobomba covecioal acioal acioada pela rede elétrica. A tarifa elétrica utilizada é a tarifa rural para bombeameto da Elektro (Cocessioária de eergia que atua os estados de São Paulo e Matogrosso do Sul), icluido taxas. Nesta cofiguração são calculados os custos de extesão da rede de distribuição para 1, 2, 3, 4 e 5 km, relativos ao atedimeto a uma úica uidade cosumidora. Estes custos e os evolvidos a de mauteção dos equipametos da rede e da faixa de servidão foram atualizados de Delsi e De Stefai (2007). As motobombas utilizadas são da marca Somar. Sistema fotovoltaico de bombeameto importado utiliza motobomba em correte cotíua importada fabricada especialmete para uso fotovoltaico, assim como o codicioameto de potêcia (booster). As motobombas são da marca Supumps, atiga Solarjack, amplamete utilizada o PRODEEM. Sistema fotovoltaico de bombeameto com coversor de freqüêcia SFB-CF utiliza as mesmas motobombas cetrífugas trifásicas covecioais acioais do sistema, com a adição do coversor de freqüêcia igualmete acioal, da marca WEG. Em fução das características mecâicas/elétricas das motobombas e por ão haver uma padroização de sua produção, foram escolhidos os equipametos que melhor se adequavam à cada demada (vazão altura maométrica) e ão, ecessariamete, tivessem a mesma potêcia de motor em o mesmo úmero de estágios. Ou seja, para cada modalidade foi cosiderado o equipameto que melhor satisfizesse as exigêcias o seu poto de melhor eficiêcia. A tabela 1 apreseta as pricipais características das motobombas utilizadas essa aálise. Sistema Motobomba Potêcia motor Motor Campo Fotovoltaico SFB-EC BMSAF-404/0,75-9 0,75 CV ca-trifásico - BMSAF-407/0,2-13 2,0 CV ca-trifásico - SCS ,0 CV cc 960 Wp SCS ,0 CV cc Wp SFB-CF BMSAF-404/0,75-9 0,75 CV ca-trifásico Wp BMSAF-407/0,2-13 2,0 CV ca-trifásico Wp Tabela 1: Características das motobombas utilizadas. A tabela 2 apreseta os parâmetros e premissas gerais utilizados os cálculos. Período de aálise 24 aos Taxa de descoto 12 % ao ao Irradiação de referêcia 5 kwh/m 2.dia Tarifa elétrica rural para irrigação (iclui taxas) 0,17538 R$/kWh Distâcia da rede elétrica 1, 2, 3, 4 e 5 km Custo de geração fotovoltaica 5,50 US$/Wp Custo rede elétrica uma uidade cosumidora 9.720,00 US$/km Mauteção rede elétrica equipametos + servidão 691,00 US$/km.ao Mauteção e SFB-CF 100,00 US$/ao Cotação do dólar 1,00 US$ = 1,80 R$ Tabela 2: Parâmetros utilizados os cálculos. A tabela 3 apreseta os valores dos seguites ites utilizados os cálculos: motobombas, sistemas de codicioameto de potêcia, geração fotovoltaica e rede elétrica por km. Sistema Motobomba Preço Codicio. potêc. Preço Geração Wp Custo Custo rede (US$/km) SFB-EC BMSAF-404/0, , ,00 BMSAF-407/0, , ,00 SCS ,00 PCB , ,00 - SCS ,00 PCB , ,00 - SFB-CF BMSAF-404/0, ,00 CFW , ,00 - BMSAF-407/0, ,00 CFW , ,00 - Tabela 3: Valores utilizados os cálculos em cada sistema de bombeameto

5 As tabelas 4 e 5 apresetam os resultados dos cálculos para cada cofiguração os sistemas pequeo e grade, respectivamete. Tipo sistema Distâcia rede (km) Custo rede distrib. Comparação Sistemas Pequeos Mauteção Ivestimeto total rede Iicial ao (US$/a) Custo Ciclo Vida-CCV CCV Aualizado (US$/a) Custo Bombea. (US$/m 3 ) ,00 567, , , ,00 0, , , , , ,25 0, , , , , ,00 1, , , , , ,00 1, , , , , ,00 2,12 C. geração FV ,00 100, , , ,00 0,48 SFB-CF ,00 100, , , ,00 0,29 Tabela 4: Resultados dos cálculos para cada cofiguração os sistemas pequeos. Tipo sistema Distâcia rede (km) Custo rede distrib. Comparação Sistemas Grades Mauteção Ivestimeto total rede Iicial ao (US$/a) Custo Ciclo Vida-CCV CCV Aualizado (US$/a) Custo Bombea. (US$/m 3 ) ,00 567, , , ,00 0, , , , , ,00 0, , , , , ,00 0, , , , , ,00 1, , , , , ,00 1,31 C. geração FV ,00 100, , , ,00 0,41 SFB-CF ,00 100, , , ,00 0,32 Tabela 5: Resultados dos cálculos para cada cofiguração os sistemas grades. RESULTADOS E CONCLUSÕES As figuras 3 e 4 apresetam de forma gráfica o valor presete do custo do volume bombeado (US$/m 3 ) das três cofigurações para sistemas pequeo e grade, respectivamete. Os gráficos foram costruídos de forma a facilitar a comparação etre os sistemas, sedo a modalidade com eergia elétrica covecioal apresetada em fução das distâcias da rede de distribuição para ambos tamahos de sistema. Comparado-se os dois sistemas fotovoltaicos etre si, em ambos ceários (pequeo e grade) o SFB-CF apreseta meores custos de bombeameto. Isto ocorre, mesmo que este sistema ecessite uma maior potêcia istalada em virtude da meor eficiêcia do seu grupo motobomba, coforme tabela 3. O que ecarece o são os custos dos equipametos motobomba e codicioador de potêcia importados, coforme tabela 3. Aalisado-se as três modalidades o sistema pequeo, a opção SFB-CF obteve o meor custo, sedo seguida pela opção a 1 km de rede e da opção. A partir de, aproximadamete, 1,5 km a opção com rede elétrica covecioal apreseta os maiores custos. No sistema grade as modalidades e SFB-CF apresetaram, praticamete, o mesmo custo para 1 km de rede (0,31 US$/m 3 e 0,32 US$/m 3, respectivamete) seguido pela opção. A partir de 1,5 km de rede ambas opções fotovoltaicas são mais competitivas que a opção. É importate ressaltar, o etato, que a aálise aqui feita leva em cota somete a aplicação da eergia para o bombeameto de água e que a opção com rede elétrica covecioal adotada é para o atedimeto de uma úica uidade cosumidora, justamete essa carga do bombeameto de água

6 US$/m 3 2,25 2,00 1,75 1,50 1,25 1,00 0,75 0,50 0,25 SFB-CF 0, Rede (km) Figura 3: Sistema pequeo - custo do volume bombeado (US$/m 3 ) para as três cofigurações, com a opção em fução da distâcia da rede (km). 1,40 1,20 US$/m 3 1,00 0,80 0,60 0,40 SFB-CF 0,20 0, Rede (km) Figura 4: Sistema grade - custo do volume bombeado (US$/m 3 ) para as três cofigurações, com a opção em fução da distâcia da rede (km). A partir dos resultados pôde-se costatar que o caso da ecessidade de extesão da rede elétrica para um úico atedimeto de bombeameto, a opção fotovoltaica é competitiva a partir de 1 km de rede. Cabe mecioar que a opção SFB-CF, além de apresetar maior competitividade ecoômica, tem vatages operacioais por utilizar motobomba e codicioameto de potêcia de fabricação acioal. Nesse setido, a cofiguração SFB-CF (exemplo da figura 5), apreseta-se como a melhor alterativa para a revitalização dos ioperates o país. Figura 5: Sistema fotovoltaico de bombeameto do PRODEEM revitalizado com a cofiguração SFB-CF, Potal do Paraapaema-SP, Brasil

7 Por último, destaca-se que a utilização da cofiguração SFB-CF pode facilmete ser re-cofigurada o caso da chegada da rede elétrica. Neste caso, o grupo motobomba pode ser matido o local, sedo ecessário apeas a remoção do gerador fotovoltaico e do codicioameto de potêcia. Sedo que esses últimos podem ser utilizados em outras localidades. Os resultados apresetados podem auxiliar as ações e decisões de atedimeto elétrico para forecimeto de água em localidades aida ão atedidas pela rede elétrica covecioal. AGRADECIMENTO: este trabalho cotou com o apoio da Fudação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP. REFERENCIAS Aloso-Abella, M., Lorezo E., Chelo F. (2003). PV water pumpig systems based o stadard frequecy coverters, Progress i Photovoltaics: Research ad Applicatios, 11: Barlow R., Mc Nelis, B., Derrick, A. (1991). Status ad experiece of solar PV pumpig i developig coutries. I: 10 th Europea Photovoltaic Solar Eergy Coferece, Lisboa, Portugal, Bezerra, P. (2002). Bombeameto de água fotovoltaico problemas a implatação de um programa de utilização ampla: PRODEE. VIII Semiário Ibero-Americao de Eergia Solar Abastecimeto de água em Área Rurais Mediate Bombeameto Fotovoltaico, Apresetação oral, Recife, Brasil. Brito, A. U. (2006). Otimização do acoplameto de geradores fotovoltaicos a motores de correte alterada através de coversores de freqüêcia comerciais para acioar bombas cetrífugas. Tese apresetada ao Programa Iteruidades de Pós-Graduação em Eergia da Uiversidade de São Paulo, São Paulo. Brasil. Brito, A. U. Zilles, R. (2006). Systematized procedure for parameter characterizatio of a variable-speed drive used i photovoltaic pumpig applicatios, Progress i Photovoltaics: Research ad Applicatios, vol.14,. 3, pp Brito, A. U., Fedrizzi, M.C., Zilles, R. (2007). PV Pumpig Systems: A Useful Tool to Check Operatioal Performace. Progress i Photovoltaics, DOI: /pip.710, v. 15, p Delsi, R., De Stefai, D. L. (2007). Sistemas idividuais de geração com fotes itermitetes: Sistemas fotovoltaicos domiciliares como alterativa à istalação de rede elétrica covecioal. Dissertação apresetada à Escola Politécica da Uiversidade de São Paulo para obteção de certificado de Especialista em Eergia MBA em Eergia. São Paulo. Brasil. Dutt, G. S. (1992). Techiques for Ed-Use Electricity Aalysis ad Coservatio Program Desig ad Evaluatio. A Maual, for the Ceter for Eergy ad Evirometal Studies, Priceto Uiversity, NJ ad the Office of Eergy ad Ifrastructure US Agecy for Iteratioal Developmet, Washigto, DC, vol.a cap.6, USA. Fedrizzi, M. C. (2003). Sistemas fotovoltaicos de abastecimeto de água para uso comuitário: lições apreedidas e procedimetos para potecializar sua difusão. Tese de doutorado apresetada ao Programa Iteruidades de Pós- Graduação em Eergia da Uiversidade de São Paulo. São Paulo. Galdio, M. A., Lima, J.H.G. (2002). PRODEEM O programa acioal de eletrificação rural baseado em eergia solar fotovoltaica. IX Cogresso Brasileiro de Eergia, Rio de Jaeiro. Larso, E. D. et al. (1989). The Techology Meu for Efficiet Ed Use of Eergy, Evirometal ad Eergy Systems Studies, Lud Uiversity, Lud, vol.1, Swede. PLpT. (2009). Iformativo 20. PRODEEM. (2001). Eergia das pequeas comuidades. Relatório de Atividades. (agosto 2000 março 2001), Miistério de Mias e Eergia, Brasília. Purohit, P., Michaelowa, A. (2008).CDM potetial of SPV pumps i Idia. Reewable ad Sustaiable Eergy Reviews, 12, pp Sciece Direct, Elsevier. Siemer T. (2009). Fiace & ecoomics module price idex. PHOTON Iteratioal, 3, pp 96. WHO, (2003). The World Health Orgaizatio. The right to water. Geeve: World Health Orgaizatio, [Health ad huma rights publicatio series 3.] ABSTRACT I spite of the great potetial of applicatio, the photovoltaic pumpig techology is ot more dissemiated by requestig a great cotributio of iitial ivestmet, although its operatio costs are reduced for ot depedig of the purchase of fuel, as it is the case of the systems with fossil eergy, or of the paymet of electric tariff, as it is the case of the covetioal electric systems. This work presets a ecoomic evaluatio of two cofiguratios of photovoltaic pumpig systems ad the respective compariso with the attedace alterative with the covetioal electric grid. Through the results ad premises of a case study i the state of São Paulo, it could be verified that for a oly attedace, i the ecessary potecies, that they are usually low, the optio photovoltaic is more competitive for distaces higher tha 1 km of the grid. Keywords: solar eergy, photovoltaic pumpig, water pumpig

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS EÓLICO-SOLAR- DIESEL

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS EÓLICO-SOLAR- DIESEL V COGRESSO ACIOAL DE EGEHARIA MECÂICA V ATIOAL COGRESS OF MECHAICAL EGIEERIG 25 a 28 de agosto de 2008 Salvador Bahia - Brasil August 25 28 2008 - Salvador Bahia Brazil AÁLISE ECOÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais Aais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Biodigestores em Propriedades Rurais Eliaa Walker Depto de Física, Estatística e Matemática, DEFEM,

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS.

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. 16º POSMEC Uiversidade Federal de Uberlâdia Faculdade de Egeharia Mecâica METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. Gustavo Soares de Almeida Uiversidade

Leia mais

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE-

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- MA DE IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL PAULO HENRIQUE C. PEREIRA 1, ALBERTO COLOMBO 2, GIOVANNI FRANCISCO RABELO 2. 1.

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

CUSTOS DA GASEIFICAÇÃO DE GRAMÍNEA PARA ELETRIFICAÇÃO RURAL

CUSTOS DA GASEIFICAÇÃO DE GRAMÍNEA PARA ELETRIFICAÇÃO RURAL CUSTOS D GSEIFICÇÃO DE GRMÍNE PR ELETRIFICÇÃO RURL Ms. Marcelo Côrtes Ferades Prof.Dr. Caio Glauco Sáchez Eg o Mario Barriga gulo Departameto de Egeharia Térmica e de Fluidos Faculdade de Egeharia Mecâica,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA LEGAL NA GERAÇÃO DE RENDA DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO ACRE, AMAZÔNIA

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA LEGAL NA GERAÇÃO DE RENDA DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO ACRE, AMAZÔNIA A IMPORTÂNCIA DA RESERVA LEGAL NA GERAÇÃO DE RENDA DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO ACRE, AMAZÔNIA Roei Sat Aa de Meezes*, Aadalvo Juazeiro dos Satos**, Ricardo Berger** * Eg.

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE OTORES ELÉCTRICOS ACCIONAENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL Rede Coversor de potecia otor Carga Dispositivo de cotrolo Parâmetros O coversor estático trasforma a eergia eléctrica de

Leia mais

Dimensionamento de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistência Direta

Dimensionamento de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistência Direta Dimesioameto de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistêcia Direta Gladimir de Campos Grigoletti Dr. Grigoletti@uiritter.edu.br Resumo: A utilização de perfis formados a frio tem aumetado cosideravelmete

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

- 6,5% de consumo de combustível

- 6,5% de consumo de combustível - 6,5% de cosumo de combustível MAN EfficietLie 2. Meos combustível e mais gahos. Campeões da eficiêcia: MAN EfficietLie 2 Ídice O EfficietLie 2 com Euro 6 é melhor para o ambiete e utiliza meos combustível

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZAÇÃO ÓTIMA E TRANSFORMAORES E OTIMIZAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEAES RURAIS *ROGÉRIO SILVA A CUNHA (BSC) - JOSÉ ROBERTO CAMACHO (PH) SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (R.) *UNIVERSIAE FEERAL

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA FASCÍCULO / harmôicos Este texto foi preparado como um curso de extesão: Ifluêcia dos Harmôicos as Istalações Elétricas Idustriais. Trata-se de um curso voltado para profissioais atuates o setor elétrico

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Rentabilidade Econômica do Arrendamento de Terra para Cultivo de Eucalipto em São Paulo

Rentabilidade Econômica do Arrendamento de Terra para Cultivo de Eucalipto em São Paulo Floresta e Ambiete 2015; 22(3): 345-354 http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.033113 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (olie) Artigo Origial Retabilidade Ecoômica do Arredameto de Terra para Cultivo

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO Dr. Olívio Novaski Uiversidade Estadual de Campias - UNICAMP - DEF CP 6122 CEP 13083-970 CAMPINAS - SP - BRASIL MSc.

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO Dayse Regia Batistus (UTFPR) batistus@utfpr.edu.br Marcelo Rosa (UTFPR) marcelorosa@aluos.utfpr.edu.br

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP Beedito Camilo Corrêa 1, Deivis Cursio 2, Prof. Gilbert Silva 3 1-2-3 UNIVAP/FEAU, Av. Shishima

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ MODELO MATEMÁTO ARA ANALAR O DEEMENHO DO MOTORE ELÉTRO EM MÁQUNA DE ROEAMENTO DE ARROZ LUZ G.. ORTO, RENATO. REE Departameto de Egeharia Elétrica, Faculdade de Egeharia de Bauru Uiversidade Estadual aulista

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes a 5 de Agosto de 006 Belo Horizote - MG Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo as Redes de Distribuição Atedidas por Subestações de Diferetes Fotes M.Sc. Daiel P. Berardo AES

Leia mais

XII PREMIO DO TESOURO NACIONAL TEMA 4: QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO SUBTEMA 4.2: QUALIDADE DO INVESTIMENTO PÚBLICO TÍTULO:

XII PREMIO DO TESOURO NACIONAL TEMA 4: QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO SUBTEMA 4.2: QUALIDADE DO INVESTIMENTO PÚBLICO TÍTULO: XII PREMIO DO TESOURO NACIONAL TEMA 4: QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO SUBTEMA 4.2: QUALIDADE DO INVESTIMENTO PÚBLICO TÍTULO: INVESTIMENTO PÚBLICO OU PARCERIA PÚBLICO PRIVADA? PROPOSTA A REGRA DE DECISÃO COM

Leia mais

PROJETO E OTIMIZAÇÃO, POR COMPUTADOR,DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO

PROJETO E OTIMIZAÇÃO, POR COMPUTADOR,DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO PROJETO E OTIMIZAÇÃO, POR COMPUTADOR,DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO Carlos Alberto de Melo Uiversidade Federal de Uberlâdia Departameto de Egeharia Mecâica 384-89, Uberlâdia MG, Brasil Resumo Desevolveu-se

Leia mais

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização 4 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.,., p.4 49, 007 Fortaleza, CE, INOVAGRI http://.iovagri.org.br Protocolo 00.07 9//007 Aprovado em 09//007 Plaejameto da Irrigação com Uso de Técicas de Otimização

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004 ILHA SOLTEIRA XII Cogresso Nacioal de Estudates de Egeharia Mecâica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-FS20 ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

Rentabilidade e risco de RENTABILIDADE investimento na produção... E RISCO DE INVESTIMENTO NA PRODUÇÃO DE PALMITO DE PUPUNHA (Bactris gasipaes Kunth.

Rentabilidade e risco de RENTABILIDADE investimento na produção... E RISCO DE INVESTIMENTO NA PRODUÇÃO DE PALMITO DE PUPUNHA (Bactris gasipaes Kunth. Retabilidade e risco de RENTABILIDADE ivestimeto a produção... E RISCO DE INVESTIMENTO NA PRODUÇÃO DE PALMITO DE PUPUNHA (Bactris gasipaes Kuth.) 53 Sidey Arauo Cordeiro, Márcio Lopes da Silva 2 (recebido:

Leia mais

DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS

DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS Pré-Sal E MARCO REGULATÓRIO DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS sumário CAPÍTULO 1 aspectos GEOPOLÍTICos e ecoômicos do Pré-Sal... 2 CAPÍTULO 2 NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O BRASIL E A PETROBRAS....

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO GSC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO GSC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC 30 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Jaeiro - RJ GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO GSC ESTUDOS

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso Detecção de Perdas com WaterGEMS usado AG - Case de Sucesso Ego. Jua Carlos Gutiérrez, M.Sc. Regioal Egieer - Water ad Wastewater Solutios Jua.Gutierrez@Betley.com Problema Mudial: cotrole e redução de

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? O CFTV que a verdade sigifica "circuito fechado de televisão", ou "circuito itero de televisão" é um sistema de câmeras baseados em computador

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Faculdade de Tecnologia da São Sebastião Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Faculdade de Tecnologia da São Sebastião Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Faculdade de Tecologia da São Sebastião Curso Superior de Tecologia em Gestão Empresarial ROBERTO DE ANDRADE ANÀLISE ECONÔMICA PARA SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS UM ESTUDO DE CASO.

IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS UM ESTUDO DE CASO. ISSN 1984-9354 IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS UM ESTUDO DE CASO. Aderso Foseca Barbosa, Edso Neves da Silva, Rafael herique

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

DPS 1016 Engenharia Econômica

DPS 1016 Engenharia Econômica DPS Egeharia Ecoômica Material de Aula Departameto de Egeharia de Produção e Sistemas Cetro de Tecologia - Uiversidade Federal de Sata Maria - RS Egeharia Ecoômica Prof. Dr. Eg. Dipl. Wirt. Ig. Adreas

Leia mais

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID XXIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBrT 11, 2-5 DE OUTUBRO DE 211, CURITIBA, PR Um Protocolo Híbrido de Ati-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID Bruo A. de Jesus, Rafael C. de Moura, Liliae

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Uiversidade Federal de Sata Cataria Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção UMA METODOLOGIA PARA DETERMINAÇÃO DO PONTO ECONÔMICO DE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE Adriao Araujo de

Leia mais

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL O Lie com a ecessidade de sua empresa CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? O CFTV que a verdade sigifica "circuito fechado de televisão", ou "circuito itero de televisão" é um sistema

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO - INTRODUÇÃO GERAL.- Defiição O cocreto armado é um material composto, costituído por cocreto simples e barras ou fios de aço. Os dois materiais costituites (cocreto

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais