PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PIM da Janela Única Logística Vertente funcional"

Transcrição

1 Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0

2 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete BB o projecto MIELE. Modelo coceptual da JUL Posicioameto dos pricipais actores. Jaela Úica Logística. Pricípios de fucioameto. Equadrameto da JUL as restates compoetes do MIELE.3 Oportuidades Lisboa, 9 de Maio de 0

3 . A Compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete BB o projecto MIELE A Jaela Úica Logística equadra os processos Busiess-to-Busiess, materializados um plataforma e-busiess, com um coceito de oe-stop-shop para serviços logísticos, tedo por base as boas práticas das redes de correio urgete, evolvedo Clietes e Prestadores de serviços privados. Lisboa, 9 de Maio de 0 3

4 . A Compoete BB do projecto MIELE. Modelo coceptual da JUL Posicioameto dos pricipais actores Node Leg Node Leg Node Shipper Leg trasport Chai Optio Leg + Cosigee Leg Node Leg Node Leg Node trasport Chai Optio Leg + A Jaela Úica logística irá suportar a costrução de cadeias multimodais de trasporte optimizadas. Os Itegradores Logísticos poderão oferecer soluções de trasporte porta-a-porta aos seus Clietes, suportadas uma rede qualificada de serviços e Prestadores de serviços. Os Clietes poderão defiir os seus requisitos específicos e pesquisar soluções optimizadas de trasporte, comparar alterativas utilizado aálises multicritério: Custo, Prazo de etrega, Impacto ambietal, avaliação dos forecedores. Lisboa, 9 de Maio de 0 4

5 . A Compoete BB do projecto MIELE. Modelo coceptual da JUL Posicioameto dos pricipais actores A etidade gestora da Jaela Úica Logística irá Registar os Prestadores de serviços iteressados em publicar os seus serviços a plataforma, assim como as empresas que pretedam actuar como Itegradores Logísticos Jaela Úica Logística Registo dos Prestadores de Serviços e Itegradores Logísticos Logistic Service Provider / Prestadores de serviços Logistic Itegrator / Itegrador Logístico Lisboa, 9 de Maio de 0 5

6 . A Compoete BB do projecto MIELE. Modelo coceptual da JUL Posicioameto dos pricipais actores Os Prestadores de serviços registados poderão publicar os seus serviços a JUL. Os Itegradores Logísticos irão costruir a sua rede logística, itegrado os serviços e os Prestadores de serviços em fução da cobertura geográfica e os meios de trasporte, que melhor se adequarem à sua estratégia e às ecessidades dos seus Clietes. Itegradores Logísticos Jaela Úica Logística Itegração de serviços a rede Prestadores de Serviços Logísticos S S S S S S Publicação de serviços Publicação de serviços Logistic Service Provider / Prestadores de serviços Logistic Itegrator / Itegrador Logístico Logistic Service / Serviço Logístico Lisboa, 9 de Maio de 0 6

7 . A Compoete BB do projecto MIELE. Modelo coceptual da JUL Posicioameto dos pricipais actores Os Clietes irão pesquisar soluções de serviços que respodam às suas ecessidades em termos de capacidade, prazo de etrega, custo e ível de serviço. Cliete de Serviços logísticos Itegradores Logísticos Jaela Úica Logística Prestadores de Serviços Logísticos S S O sistema irá pesquisar soluções optimizadas, tedo por base mecaismos de routig e mappig, combiado serviços, através das redes de cada Itegrador Logístico Procura de Soluções de serviço S S S S Logistic Service Provider / Prestadores de serviços Logistic Itegrator / Itegrador Logístico Logistic Service / Serviço Logístico Lisboa, 9 de Maio de 0 7

8 . Jaela Úica Logística. Modelo coceptual da JUL Casos de uso exemplificativos.submete pedido de etrada a JUL como e.regista a empresa como Prestador de Serviço e Itegrador Logístico.Publica serviços logísticos a JUL 3 4.Submete pedido de etrada a rede do Itegrador logístico.itegra serviços de outro prestador de serviços para a rede.defie requisitos de serviço e pesquisa soluções a JUL através das redes dos Itegradores logísticos 5.Aalisa soluções, seleccioa as opções e iicia o processo de cosulta de propostas Solução Solução Cliete da JUL Empresa de serviços logísticos Gestor da plataforma BB - JUL Logistic Service Provider / Prestadores de serviços Logistic Itegrator / Itegrador Logístico Logistic Service / Serviço Logístico Lisboa, 9 de Maio de 0 8

9 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete BB o projecto MIELE. Modelo coceptual da JUL Posicioameto dos pricipais actores. Jaela Úica Logística. Pricípios de fucioameto. Equadrameto da JUL as restates compoetes do MIELE.3 Oportuidades Lisboa, 9 de Maio de 0 9

10 . Jaela Úica Logística. Pricípios de fucioameto Sourcig Plaig Bookig Executio Completio Moitorig Publishig Os Clietes Itegradores Recebedores Prestadores poderão e os Itegradores Logísticos logísticos (cosigatários) serviços pesquisar e irão publicam os Logísticos plaear soluções Prestadores cotrolar da mercadoria a os oferta irão de a serviços execução trasporte de formalizar de irão serviços solicitados aprovar e optimizadas, a o irão reserva estado o programar catálogoa pelos etrega dos Clietes, detro serviços, da a da execução JUL. carga da rede de cosultado logísticos, dos acordo registado Os cada Itegradores serviços, com itegrador tedo a o alocado potos coformidade estado qualificam por logístico, base de os relato protidão meios as serviços da defiições utilizado que mesma ecessários permitirão das e os e mecaismos ifra-estruturas respectivos as codições às fazer operações. o de forecedores trackig acordadas routig logísticas. a e tracig com mappig fase para o de a carregador. da sua Sourcig. e carga. rede a comparar Os JUL Gestor Itegradores Clietes e compõem da as e rede opções os Itegradores Prestadores logísticos serviços de em trasporte termos publicados poderão Logísticos serviços irá de itegrar custo, solicitar detro poderão irão prazo a o da activar cocluir iformação plaeameto formalizar sua de etrega, rede. a execução os serviços acordos de impacto trackig dos serviços após de serviços ambietal, loga e a dispoibilizála para operações cosulta. dos sua duração, em avaliação subcotratados para fução execução em seu coformidade forecedores, estado que aos decorram Prestadores protidão com etc. durate de o acordado. e serviços do um plaeameto período da sua rede. efectuado. tempo sigificativo. Os Os Clietes Prestadores Clietes poderão e os Prestadores de Itegradores serviços solicitar de irão serviços propostas logísticos executar poderão irão aos os avaliar serviços Itegradores acompahar a de performace acordo Logísticos, a execução com e em aprogramação qualidade dos fução serviços, das dos características efectuada serviços através de prestados e mecaismos as codições das suas através de operações acordadas track de um & cojuto trace e a ecessidades fase da de mercadoria critérios: Bookig. específicas. e Cumprimeto desevolver as do acções prazo de etrega, correctivas flexibilidade, quado ecessário. custo, Coformidade da carga, etc. Lisboa, 9 de Maio de 0 0

11 . Jaela Úica Logística. Equadrameto da JUL as restates compoetes do MIELE Itegração dos processos BB (JUL) com os processos BA (PCS/JUP), quado a sua iterdepedêcia for crítica para a agilização das operações. Itegração dos processos BA (PCS/JUP) a ível Nacioal e da UE, tedo em vista a simplificação dos procedimetos admiistrativos associadas à carga e aos meios de trasporte. Lisboa, 9 de Maio de 0

12 . Jaela Úica Logística.3 Oportuidades Melhorar a eficiêcia e a flexibilidade dos processos, a qualidade da iformação em tempo real e a rastreabilidade da carga, reduzido os custos admiistrativos e os erros processuais. Aumetar a visibilidade e previsibilidade ao logo da cadeia de trasporte - Poteciar a redução de custos de produção / stock, assim como dos os custos logísticos, oferecedo soluções de trasporte multimodais optimizadas. Melhorar a seguraça a trasparêcia e fiabilidade, oferecedo serviços padroizados e qualificados. Provideciar serviços de suporte TI para garatir a iteroperabilidade e implemetar procedimetos e mecaismos stadard de itercâmbio de dados - Redução dos custos de adaptabilidade Melhorar o cohecimeto e o acesso dos Clietes, relativamete às melhores ofertas de serviços logísticos, que abragem toda a cadeia de trasporte, forecedo iformação da pegada ambietal das suas cadeias logísticas. Forecer soluções persoalizadas e alihadas com os requisitos de Clietes, poteciado a oferta de serviços de valor acrescetado dos Carregadores aos seus Clietes. Poteciar o egócio dos Prestadores de serviços através de uma plataforma de e-busiess. Poteciar a implemetação do coceito de jaela úica logística em outros portos /plataformas logísticas. Lisboa, 9 de Maio de 0

13 . Jaela Úica Logística Obrigado! Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 3

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa Mais de 100 filiais e 800 profissioais a Europa e América www.ifos.com 214 143 334 Catálogo de Servicios Cosultoría Edição Portuguesa Catálogo de Serviços Área de Cosultoria Edição Portuguesa Catálogo

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

Um arquivo digital para dados de monitorização

Um arquivo digital para dados de monitorização Um arquivo digital para dados de moitorização Fábio Costa, Gabriel David, Álvaro Cuha ViBest e INESC TEC, Faculdade de Egeharia Uiversidade do Porto {fabiopcosta, gtd, acuha}@fe.up.pt 1 Uidade de ivestigação

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Logística e interoperabilidade

Logística e interoperabilidade Workshop Stakeholders Lisboa Logística e interoperabilidade Estratégia tecnológica - logística colaborativa Luís Osório (IPL/ISEL) Lisboa, 9 de Maio de 2012 Tópicos Redes de Empresas/Organizações (E/O)

Leia mais

www.partnervision.com.br

www.partnervision.com.br www.partervisio.com.br SERVIÇOS E SUPORTE PROCESSOS E INICIATIVAS PRODUTOS DE SOFTWARE SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA Software para o Desevolvimeto de Coteúdo e Processos Para Otimizar o Desevolvimeto de Produtos

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013]

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013] Ficha Técica TÍTULO Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Desempeho Ecoómico e Fiaceiro do Segmeto de Mauteção de Aeroaves [2011-2013] EDIÇÃO INAC Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

Sistema de Comunidade Portuária

Sistema de Comunidade Portuária Workshop Stakeholders Lisboa Sistema de Comunidade Portuária Apresentação da PCS (Port Community System) Paula Graça (IPL/ISEL) Lisboa, 9 de Maio de 2012 Tópicos A segunda componente do Business Domain

Leia mais

Problemática da Logística e interoperabilidade

Problemática da Logística e interoperabilidade Workshop Stakeholders Lisboa Problemática da Logística e interoperabilidade João Soares Lisboa, 9 de Maio de 2012 O Sistema Logístico e a sua permanente otimização Workshop Lisboa 2012.05.09 2 Objectivos

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL O Lie com a ecessidade de sua empresa CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? O CFTV que a verdade sigifica "circuito fechado de televisão", ou "circuito itero de televisão" é um sistema

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06 Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool Lisboa 2014-03-06 3 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC PT Data Pool O PROJETO IMPLEMENTAÇÃO O PROCESSO 4 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? O CFTV que a verdade sigifica "circuito fechado de televisão", ou "circuito itero de televisão" é um sistema de câmeras baseados em computador

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

Suporte e Consultoria. KuboIC. Suporte Avançado

Suporte e Consultoria. KuboIC. Suporte Avançado Suporte e Cosultoria A KuboIT é uma empresa de serviços que atua o mercado acioal e iteracioal de seguraça da iformação. A KuboIT foi formada com base as ecessidades das pequeas, médias e grades empresas

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

Modelo analítico de suporte à configuração e integração da cadeia de suprimentos

Modelo analítico de suporte à configuração e integração da cadeia de suprimentos Gest. Prod., São Carlos, v. 7,. 3, p. 447-463, 200 Modelo aalítico de suporte à cofiguração e itegração da cadeia de suprimetos Aalytical model of support for settig up ad itegratiig a supply chai Joseildo

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas Departameto Gestão Disciplia Matemática I Curso Gestão de Empresas Ao 1º Semestre 1º Grupo Docete Resposável Teóricas Carga horária semaal Teórico Práticas Nuo Coceição 3h 3h/5h Práticas/ Lab. Semiários

Leia mais

TELEVISÃO NA INTERNET. Filipe Martins nº 53 655, Gonçalo Carmo nº 55 108 e Tiago Vaz nº 55 118

TELEVISÃO NA INTERNET. Filipe Martins nº 53 655, Gonçalo Carmo nº 55 108 e Tiago Vaz nº 55 118 TELEVISÃO NA INTERNET Filipe Martis º 53 655, Goçalo Carmo º 55 108 e Tiago Vaz º 55 118 Istituto Superior Técico Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal E-mails: {filipesmartis@sapo.pt, gocalo.do.carmo@ist.utl.pt,

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SETÚBAL DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA o Teste 7 o SEMESTRE 5/6 Data: Sábado, 7 de Jaeiro de 6 Duração: 9:3 às :3 Tópicos de Resolução. O úmero

Leia mais

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 07/08 CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS O que é um circuito it sequêcial? Difereça etre circuito combiatório e sequecial... O elemeto básico e fudametal da lógica sequecial

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Soluções em Engenharia Civil

Soluções em Engenharia Civil ENGECRAM K Soluções em Egeharia Civil 35 aos A ENGECRAM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA foi costituída em 13 de dezembro de 1977, resultado de um ideal de prestar serviços a área de egeharia civil.

Leia mais

de talentos Como as organizações podem melhorar o retorno sobre seus investimentos na gestão de talentos

de talentos Como as organizações podem melhorar o retorno sobre seus investimentos na gestão de talentos Ecarado a Gestão de taletos Como as orgaizações podem melhorar o retoro sobre seus ivestimetos a gestão de taletos Muitas orgaizações se furtam de abordar questões de capital humao, preferido se cocetrar

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO - INTRODUÇÃO GERAL.- Defiição O cocreto armado é um material composto, costituído por cocreto simples e barras ou fios de aço. Os dois materiais costituites (cocreto

Leia mais

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 1 M A R Ç O 2 0 0 7 R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A Iforme

Leia mais

DPS 1016 Engenharia Econômica

DPS 1016 Engenharia Econômica DPS Egeharia Ecoômica Material de Aula Departameto de Egeharia de Produção e Sistemas Cetro de Tecologia - Uiversidade Federal de Sata Maria - RS Egeharia Ecoômica Prof. Dr. Eg. Dipl. Wirt. Ig. Adreas

Leia mais

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso Detecção de Perdas com WaterGEMS usado AG - Case de Sucesso Ego. Jua Carlos Gutiérrez, M.Sc. Regioal Egieer - Water ad Wastewater Solutios Jua.Gutierrez@Betley.com Problema Mudial: cotrole e redução de

Leia mais

Universalização do Saneamento: Avanços e Desafios

Universalização do Saneamento: Avanços e Desafios Latiosa 2010 Coferêcia Latioamericaa de Saeameto Uiversalização do Saeameto: Avaços e Desafios Atoio da Costa Mirada Neto Membro do UNSGAB Coselho de Assessorameto ao Secretário-Geral da ONU, para Assutos

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ MODELO MATEMÁTO ARA ANALAR O DEEMENHO DO MOTORE ELÉTRO EM MÁQUNA DE ROEAMENTO DE ARROZ LUZ G.. ORTO, RENATO. REE Departameto de Egeharia Elétrica, Faculdade de Egeharia de Bauru Uiversidade Estadual aulista

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS: CONVENCIONAL E MILK RUN

DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS: CONVENCIONAL E MILK RUN 1. PLAEJAMETO DE UMA OPEAÇÃO DE MILK-U ITODUÇÃO O estudo visa copreeder o papel do ivetário e do trasporte o ovo sistea de abastecieto de suprietos adotado por alguas epresas para alietar sua liha de produção.

Leia mais

Serviços e Protocolos INTRANET

Serviços e Protocolos INTRANET Serviços e Protocolos INTRANET Um resumo das propostas e atividades do Helder L. S. da Rocha (hlsr( hlsr@uol.com..com.br) Objetivos Apresetar domíios de atuação do World Wide Web Cosortium Recomedações

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED

PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED ISSN 1984-9354 PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED Alie de Aquio Pito (UFAM) Armado Araújo de Souza Juior (UFMG/UFAM) Sadro Breval Satiago

Leia mais

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação Uidade V - Desempeho de Sistemas de Cotrole com Retroação Itrodução; Siais de etrada para Teste; Desempeho de um Sistemas de Seguda Ordem; Efeitos de um Terceiro Pólo e de um Zero a Resposta Sistemas de

Leia mais

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA MARIANO YOSHITAKE Adelmo Ferado Ribeiro Schidler Júior Adriao Moitiho Pito Iracema Raimuda Brito das Neves Aselmo Teixeira Motes Resumo: O objetivo

Leia mais

Sistemas de Suporte Executivo (ESS)

Sistemas de Suporte Executivo (ESS) Uiversidade de São Paulo Istituto de Ciêcias Matemáticas e de Computação Sistemas de Suporte Executivo (ESS) Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1. Semestre de 2016 Tipos de SIs Uma orgaização típica tem sistemas

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

Proposta de ferramenta de diagnóstico socioambiental empresarial Proposal of a tool for socio-environmental diagnostic of a company

Proposta de ferramenta de diagnóstico socioambiental empresarial Proposal of a tool for socio-environmental diagnostic of a company Proposta de ferrameta de diagóstico socioambietal empresarial Proposal of a tool for socio-evirometal diagostic of a compay RESUMO O presete artigo apreseta os pricipais resultados de pesquisa que teve

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS UM ESTUDO DE CASO.

IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS UM ESTUDO DE CASO. ISSN 1984-9354 IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS UM ESTUDO DE CASO. Aderso Foseca Barbosa, Edso Neves da Silva, Rafael herique

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

Modelagem Conceitual Entidade-Relacionamento. Projeto de Sistemas de Informação. Processo de Software. Fernanda Baião UNIRIO

Modelagem Conceitual Entidade-Relacionamento. Projeto de Sistemas de Informação. Processo de Software. Fernanda Baião UNIRIO Modelagem Coceitual Etidade-Relacioameto Ferada Baião UNIRIO Material parcialmete extraído a partir das otas de aula de Maria Luiza M. Campos, Araldo Vieira e Maria Cláudia Cavalcati Projeto de Sistemas

Leia mais

Endereço. Dados. Mem Read Mem select

Endereço. Dados. Mem Read Mem select Parte IV Sistea de Meória Os sisteas de coputação utiliza vários tipos de dispositivos para arazeaeto de dados e de istruções. Os dispositivos de arazeaeto cosiste e eória pricipal e eória secudária. A

Leia mais

MÉTODO DE APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO NA SELEÇÃO E PRIORIZAÇÃO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS

MÉTODO DE APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO NA SELEÇÃO E PRIORIZAÇÃO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS ais do 3 O Ecotro de Iiciação Cietífica e Pós Graduação do IT XIII ENCIT / 007 Istituto Tecológico de eroáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 0 a 04, 007. MÉTODO DE POIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

XXIV ENANGRAD. GDS Gestão da Sustentabilidade

XXIV ENANGRAD. GDS Gestão da Sustentabilidade XXIV ENANGRAD GDS Gestão da Sustetabilidade A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE: ESTUDO DE CASO EM UM SEGMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Adré

Leia mais

Estudo de um fluxo interno de materiais baseado na filosofia Lean Manufacturing

Estudo de um fluxo interno de materiais baseado na filosofia Lean Manufacturing Productio, xx(x), xx-xx http://dx.doi.org/0.590/003-653.232 Estudo de um fluxo itero de materiais baseado a filosofia Lea Maufacturig Alvaro Luiz Neuefeldt Júior a *, Julio Cezar Mairesse Siluk a, Elpidio

Leia mais

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização Gestão Itegrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regioalização Ceará 2011 Apoio Istitucioal Covêio SRHU/MMA/ º 003/2008 - Projeto Regioalização da Gestão Itegrada de Resíduos Sólidos do Estado do

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal Coselo da Justiça Federal RESOUÇÃO º 03, DE 9 DE SETEMBRO DE 008 Estabelece a Cosolidação ormativa do Programa de Gestão Documetal da Justiça Federal de º e º graus O PRESIDETE DO COSEHO DA JUSTIÇA FEDERA,

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Avaliação da logística de distribuição de produtos em uma empresa de e-commerce

Avaliação da logística de distribuição de produtos em uma empresa de e-commerce XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de oembro de 26 Aaliação da logística de distribuição de produtos em uma empresa de e-commerce Gisele Castro Fotaella Pileggi (UPM) giselepileggi@mackezie.com.br Reata

Leia mais

Introdução às Telecomunicações 2014/2015. 4º Trabalho de Laboratório

Introdução às Telecomunicações 2014/2015. 4º Trabalho de Laboratório Itrodução às Telecomuicações 2014/2015 Departameto de Egeharia Electrotécica Secção de Telecomuicações Mestrado itegrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores Liceciatura em Egeharia Iformática Grupo:

Leia mais