RESISTORES E RESISTÊNCIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESISTORES E RESISTÊNCIAS"

Transcrição

1 ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de uma correte elétrica pelo mesmo, quado este for submetido a uma difereça de potecial elétrico. Nos circuitos elétricos e eletrôicos, em geral, as resistêcias são caracterizadas por dispositivos deomiados resistores. esistores Um resistor costitui um dispositivo que tem por fialidade apresetar uma determiada resistêcia elétrica, a partir do material empregado, que pode ser, por exemplo, carboo. Algus resistores são logos e fios, com o material resistivo colocado ao cetro, e um termial de metal ligado em cada extremidade. Este tipo de ecapsulameto é deomiado axial. A Figura. mostra, como modelo, algus resistores comerciais usados os circuitos elétricos e eletrôicos. Figura. Grupo de resistores. Os resistores usados em computadores e outros dispositivos são tipicamete muito meores. Nestes, freqüetemete são utilizadas tecologias de motagem superficial (Surface-mout techology), ou seja, SMT. Esse tipo de resistor ão tem pera de metal (deomiada termial). esistores de maiores potêcias são produzidos de forma robusta para dissipar calor com maior eficiêcia, embora sigam basicamete a mesma estrutura. Cabe mecioar que o resistor, bem como a resistêcia em si, são dispositivos ão polarizados, isto é, sem um lado (termial) específico para ser coectado o positivo (+) ou egativo ( ) de um circuito ou fote de fem. esistor Variável Os resistores discutidos acima são deomiados fixos, pois seu valor ão pode ser ajustado/variado. Porém, existem também os deomiados resitores variáveis. Estes são aqueles cujo valor pode ser ajustado por um movimeto mecâico como, por exemplo, rodado maualmete uma alavaca, também deomiada cursor. Os resistores variáveis podem ser de volta simples ou de múltiplas voltas, com um elemeto helicoidal. Abaixo é mostrada a simbologia de um resistor variável. Tradicioalmete, resistores variáveis ão são cofiáveis. Isto porque o fio ou o metal que o costitui pode corroer ou se desgastar. Algus resistores variáveis moderos usam materiais plásticos que ão

2 corroem. Outro método de cotrole evolve um sistema com sesor fotoelétrico que mede a desidade ótica de um pedaço de filme. Desde que o sesor ão toque o filme, é impossível haver desgaste do resistor. Os resitores variáveis podem ser agrupados em poteciômetros (também deomiados reostatos) ou trimpots. O poteciômetro, mostrado a Figura., é um tipo de resistor variável comumete utilizado para cotrolar o volume em amplificadores de áudio. É um resistor de três termiais ode a coexão cetral, além de deslizate, é facilmete maipulável/ajustável. Figura. Poteciômetro. O trimpot (do iglês trimmer potetiometer), mostrado a Figura., é um poteciômetro miiatura de calibre. O mesmo é um resistor ajustável. Porém, quado istalado em algum dispositivo/circuito, este ormalmete fica em local de difícil acesso ao usuário. Assim, evetuais ajustes deste acabam, em geral, sedo feitos somete por técicos. Esses ajustes são comus em circuitos de precisão, como compoetes de áudio ou vídeo, e podem ecessários quado o aparelho é cosertado. Isto justifica o termo calibre (é mais coveiete dizer que o trimpot é calibrado ao ivés de ajustado), pois o acesso ao mesmo dá-se apeas em situações especiais (cosertos, mauteção, etc), diferetemete do poteciômetro, o qual é maipulado freqüetemete. Ao cotrário de outros cotroles variáveis, os trimpots são motados diretamete a placa de circuito, ajustados por uma pequea chave, e projetados para uma grade quatidade de pequeos ajustes em sua vida útil. Figura. Aspecto dos trimpots. Código de Cores para esistores de Quatro Faixas A Figura. mostrou um cojuto de resistores fixos de pequea potêcia (em geral, /8W ou /W). Supohamos, etão, agora, que vamos sortear um deles e observá-lo mais de perto. Assim sedo, teríamos uma visão do resistor escolhido tal como a Figura., abaixo. Figura. Da esquerda para a direita, temos a ª, ª, ª e ª faixa (os aéis).

3 Observado esse resistor, verificamos que o mesmo apreseta quatro faixas em seu ivólucro. Essas faixas são coloridas. Da esquerda para a direita, a Figura., as três primeiras faixas estão bem próximas umas das outras, ao passo que a quarta e última faixa localiza-se mais distaciada da terceira, e próxima da extremidade direita do compoete. Essas (quatro) faixas coloridas mecioadas têm a fialidade de expressar o valor da resistêcia ôhmica deste resistor. A Figura.5 exibe/esquematiza com mais detalhes as características mecioadas a respeito da Figura. e do código de cores. Figura.5 Código de cores para resistores de quatro faixas. Existem basicamete duas opções para cohecer o valor de um resistor. Uma destas maeiras cosiste em medir o valor de um resistor com um ohmímetro, sedo este o aparelho usado para efetuar a medida de uma determiada resistêcia. O mesmo é dotado de duas poteiras. Para tato, cada uma destas poteiras deve ser coectada a cada um dos extremos da resistêcia. Neste caso, dizemos que o ohmímetro está coectado em paralelo com a resistêcia (o termo paralelo ficará mais claro o capítulo sobre circuitos elétricos). Além disso, a resistêcia deve estar descoectada do circuito ao qual esta faz parte. Maiores detalhes sobre o fucioameto do ohmímetro serão vistos mais adiate, o capítulo que trata sobre circuitos elétricos. Uma outra alterativa para se cohecer o valor de um resistor cosiste em ler o seu valor diretamete o seu ivólucro. Esta opção é a mais eficaz. Para tato, é ecessário cohecer o código de cores que possibilitará a leitura desses valores de resistêcia. O código de cores, idetificado a Tabela., é a coveção utilizada para idetificação de resistores de uso geral. Compreede os resistores das séries E6, E e E (0%, 0% e 5% de tolerâcia, respectivamete) da orma iteracioal IEC (Iteratioal Electrotechical Commissio). Primeiro, veremos o caso dos resistores com quatro faixas coloridas. Cores ª faixa ª faixa ª faixa ª faixa Preto = - Marrom 0 = 0 - Vermelho 0 - Laraja 0 - Amarelo 0 - Verde Azul Violeta Ciza Braco Prata = 0,0 ±0% Ouro = 0, ±5% Sem cor ±0% Tabela. Código de cores para resistores de quatro faixas. Procedimeto para Determiar o Valor dos esistores de Quatro Faixas Via Código de Cores Para determiar o valor ôhmico da resistêcia de um resistor codificado em quatro faixas coloridas, utilizemos a Figura. e a Tabela.. Observemos o resistor da Figura., tal como este aparece ela: da esquerda para a direita, as três primeiras faixas, próximas umas das outras; ao passo que a quarta e última

4 faixa localiza-se mais distaciada da terceira, próxima da extremidade direita. Etão, essa seqüêcia, devemos: I. Idetificar a cor do primeiro ael, e verificar através da tabela de cores o algarismo correspodete à cor. Este algarismo (sigificativo) será o primeiro dígito do valor do resistor. II. Idetificar a cor do segudo ael, e verificar através da tabela de cores o algarismo correspodete à cor. Este algarismo (sigificativo) será o segudo dígito do valor do resistor. III. Idetificar a cor do terceiro ael, e verificar através da tabela de cores o algarismo (sigificativo) correspodete à cor pela primeira (ou seguda) faixa (ael). Esse úmero será o expoete de um fator multiplicativo de uma potêcia de base dez, tal como ilustra a colua ª Faixa, a Tabela.. Etão, deve-se multiplicar o úmero formado pelos ites I e II (uma dezea, especificamete) por este fator de potêcia para, etão, obter o valor omial (ideal) ôhmico da resistêcia. Este ael é também cohecido como multiplicador. Ateção especial se deve ter com as cores ouro e prata essa faixa. Quado esta faixa for de cor dourada, o valor omial da resistêcia estará detro de uma dezea de ohms, isto é, etre 0Ω e 0Ω. Quado esta faixa for de cor prata, o valor omial da resistêcia será meor que um ohm; em outras palavras, estará detro de ceteas de miliohms. IV. Idetificar a cor do quarto ael, verificado a colua ª Faixa, a Tabela., para a determiação da porcetagem de tolerâcia do valor omial da resistêcia do resistor (ota: a ausêcia do quarto ael idica a tolerâcia de ±0%). Este percetual idica o quato o valor real da resistêcia poderá ser para mais, ou para meos, do valor omial determiado pelos ites ateriores. Este ael é também cohecido como tolerâcia. Como um rápido exemplo, cosideremos que: ª Faixa = Vermelha = ; ª Faixa = Violeta = 7; ª Faixa = Amarelo = ; e a ª Faixa = Ouro = ±5%. Assim sedo, o valor do resistor será de (7 0 Ω)±5% = 70000Ω±5% = 70kΩ±5%. Logo, o valor será 70kΩ com 5% de tolerâcia. Ou seja, o valor exato da resistêcia para qualquer elemeto com esta especificação estará etre 56,5kΩ (5% abaixo do valor omial 70kΩ) e 8,5kΩ (5% acima do valor omial 70kΩ). Vemos que o multiplicador cosiste o úmero de zeros que você coloca a frete do úmero (dezea) formado pelos ites I e II. No exemplo, a terceira faixa (ael) é o amarelo, de valor. Logo, você coloca quatro zeros após o úmero (dezea) formado pelos ites I e II; se a terceira faixa fosse o Vermelho =, você colocaria dois zeros; e se fosse o preto = 0, você ão colocaria ehum zero, o que equivale a multiplicar o úmero (dezea) formado pelos ites I e II por. Um elemeto que talvez ecessite explicação mais apurada é a tolerâcia. O processo de fabricação em massa de resistores ão cosegue garatir, para estes compoetes, um valor exato de resistêcia. Assim, pode haver variação detro do valor especificado de tolerâcia. É importate otar que quato meor a tolerâcia, mais caro o resistor, pois o processo de fabricação deve ser mais refiado para reduzir a (míima) variação em toro do valor omial. Caso cotrário, o teste dos resistores pelo fabricate rejeitaria mais compoetes, elevado, assim, o custo de produção. esistores de Cico Faixas Em algumas aplicações, são ecessários resistores com valores mais precisos. Etão, são usados resistores os quais podem apresetar até cico faixas coloridas. Nesses resistores, as três primeiras faixas são dígitos sigificativos, a quarta faixa represeta o úmero de zeros e a quita faixa é etão a tolerâcia. Como um rápido exemplo, cosideremos: ª Faixa = Vermelha = ; ª Faixa = Violeta = 7; ª Faixa = Verde = 5; ª Faixa = Amarelo = ; e a 5ª Faixa = Ouro = ±5%. Assim sedo, o valor do resistor será de (75 0 Ω)±5% = Ω±5% =,75MΩ±5%. Valores Comerciais de esistores Existem três séries de resistores comerciais. Cada série tem seus valores padrão, dos quais o valor idicado em um resistor, via código de cores, será múltiplo ou submúltiplo deste (fução esta desempehada pela terceira faixa, o caso dos resistores de quatro faixas; e pela quarta faixa, o caso dos resistores de cico faixas). Tais valores padrão são aqueles formados pela combiação dos algarismos sigificativos (da primeira e da seguda faixa, o caso dos resistores de quatro faixas; e da primeira, seguda e terceira faixa, o caso dos resistores de cico faixas). Não vamos listar aqui todos estes, mas apeas os valores padrão da

5 primeira série de resistores comerciais. Isto porque estes são de uso mais geral, sobretudo a eletrôica. Os valores padrão da primeira série de resistores (5%, 0% e 0% de tolerâcia) são: 0,, 5, 8,, 7,, 9, 7, 56, 68 e 8. EXEMPLOS. Determie o valor ôhmico dos seguites resistores de quatro faixas, mostrados abaixo, através da sua codificação em cores: a) Marrom,, prata. b) Laraja, laraja, prata. c) Amarelo, verde,. d) Laraja, braco,,. e) Amarelo, prata. f) Marrom, vermelho.. Determie a codificação em cores para os seguites resistores de quatro faixas abaixo: a) 0Ω±0%. b) 80Ω±0%. c),kω±5%. d),9mω±0%. e) ±0%. f) 056±5%. Associação de esistêcias Na prática, em circuitos elétricos e eletrôicos, em geral, é freqüete o uso de resistores associados em série, ou em paralelo, ou de maeira mista (misturado as cofigurações série e paralelo). O coceito de associação de resistêcias dá-se o estudo de circuitos elétricos, o qual faremos em um capítulo adiate. Por uma questão de simplicidade, o façamos com atecedêcia. Associação de esistêcias em Série A associação de resistêcias em série é feita coforme mostra a Figura.6. Figura.6 Associação de resistêcias em série. Ligado-se o ohmímetro (aparelho cuja simbologia correspode a um círculo com a uidade de medida de resistêcia, Ω, iscrita o mesmo) etre os extremos da combiação de resistêcias em série, o mesmo idicará o valor da resistêcia equivalete dessa combiação. O coceito de resistêcia equivalete 5

6 será mais bem etedido o estudo de circuitos elétricos, mais adiate. Por hora, podemos dizer que a resistêcia equivalete ( eq ) é aquela (resistêcia úica) de valor tal que pode substituir, por completo, uma combiação resistiva, seja esta do tipo série, ou paralela, ou mista. Portato, pela Figura.6, geeralizado o resultado obtido acima para resistêcias associadas em série, coclui-se que eq = j= = (.) j Logo, a resistêcia equivalete ( eq ), referete a uma associação em série de resistêcias, correspoderá à soma dos valores das resistêcias usadas a associação. Assim, em uma associação de resistêcias em série, a resistêcia equivalete é sempre maior que a maior resistêcia detre aquelas usadas a referida associação. Para o caso especial em que todas as resistêcias usadas a associação série teham o mesmo valor ôhmico ideal, podemos determiar, via (.), que a resistêcia equivalete, este caso, seja dada por eq =, (.) ode é o valor comum de resistêcia ôhmica usada a associação e o úmero de resistêcias (iguais) dessa associação. Associação de esistêcias em Paralelo A associação de resistêcias em paralelo é feita coforme mostra a Figura.7. Figura.7 Associação de resistêcias em paralelo. Na Figura.7, podemos perceber que um lado (termial) de cada uma das resistêcias da associação estão coectados a liha superior horizotal, e o outro lado, etão, a liha iferior horizotal. Estas coexões são deomiadas ós ou juções (que correspodem aos potos escuros e ressaltados). O coceito de ó, ou jução, será mais bem etedido o capítulo que aborda o estudo de circuitos elétricos. Por hora, o etato, podemos apeas afirmar que ó é um poto (comum) ode os termiais de diversos codutores se coectam. Pela Figura.7, geeralizado o resultado obtido acima para resistêcias associadas em paralelo, coclui-se que eq = j= j = (.) Logo, o iverso da resistêcia equivalete ( eq ), referete a uma associação em paralelo de resistêcias, correspoderá à soma dos iversos dos valores das resistêcias usadas a referida associação. Assim, em uma associação de resistêcias em paralelo, a resistêcia equivalete é sempre meor que a meor resistêcia detre aquelas usadas a associação. Aida, às vezes, (.) pode aparecer a forma 6

7 eq = = + + j j=, (.) a qual diz que a resistêcia equivalete ( eq ), referete a uma associação em paralelo de resistêcias, correspoderá ao iverso da soma dos iversos dos valores das resistêcias usadas a referida associação. Para o caso especial em que todas as resistêcias usadas a associação paralela teham o mesmo valor ôhmico ideal, podemos determiar, via (.) ou (.), que a resistêcia equivalete, este caso, seja dada por eq =, (.5) ode é o valor comum de resistêcia ôhmica usada a associação e o úmero de resistêcias (iguais) dessa associação. Para o caso especial de duas resistêcias associadas em paralelo, há uma relação bastate útil, derivada do somatório (.), e expressa matematicamete a seguite forma: eq + =. (.6) EXEMPLOS. Duas resistêcias, = 6Ω e = Ω, são associadas em série. Qual o valor da resistêcia equivalete desta associação?. Cosidere que você teha em mãos uma resistêcia de valor igual a Ω. Sedo assim, pede-se para determiar o valor da resistêcia que se deve colocar em série com esta (de Ω) a fim de que a resistêcia equivalete do cojuto seja igual a 0Ω. 5. Supoha que você queira associar em série 00 resistores com resistêcia de 6,8Ω cada. Assim sedo, determie a resistêcia equivalete desse cojuto. 6. esolva o exemplo cosiderado que as resistêcias e estejam associadas em paralelo. 7. Três resistêcias, = 6Ω e = Ω e = Ω, são associadas em paralelo. Qual o valor da resistêcia equivalete desta associação? 8. Supoha que você queira associar em paralelo 00 resistores com resistêcia de 8kΩ cada. Assim sedo, determie a resistêcia equivalete desse cojuto. 9. Determie a resistêcia que se deve colocar em paralelo com uma outra de Ω a fim de que a resistêcia equivalete do cojuto se reduza a 8Ω. 0. Determie o valor da resistêcia que se deve colocar em paralelo com outra de Ω a fim de que a resistêcia equivalete do cojuto se reduza a um oitavo do valor da resistêcia equivalete que seria obtida pela associação em série das mesmas. Associação Mista de esistêcias 7

8 A associação mista de resistêcias é aquela que mistura resistêcias associadas em série e também em paralelo. EXEMPLOS. Determie a resistêcia equivalete da associação resistiva idicada abaixo. = verde, = 5 = 6 = =, Observação: Despreze as tolerâcias das resistêcias para os cálculos esse último item. EXECÍCIOS POPOSTOS. Determie o valor ôhmico dos seguites resistores de quatro faixas, mostrados abaixo, através da sua codificação em cores: a) Azul, ciza, prata. b) Vermelho, verde, prata. c) Verde, azul,. d) Laraja, braco,,. e) Amarelo, azul. f) Marrom, ciza, prata. g) Ciza,,.. Determie a codificação em cores para os seguites resistores de quatro faixas abaixo: a) 70Ω±0%. b) 70Ω±5%. c) 560Ω±0%. d),8kω±0%. e) 80Ω±0%. f) kω±5%. g) 68±0%. h) 0kΩ±0%. i),7mω±5%. j) 7MΩ±5%. k) 09Ω±0%. l) 5Ω±0%.. Duas resistêcias, = Ω e = 8Ω, são associadas em série. Qual o valor da resistêcia equivalete desta associação?. Cosidere que você teha em mãos uma resistêcia de valor igual a 9Ω. Sedo assim, pede-se para determiar o valor da resistêcia que se deve colocar em série com esta (de 9Ω) a fim de que a resistêcia equivalete do cojuto seja igual a 0Ω. 8

9 5. Supoha que você queira associar em série resistores com resistêcia de Ω cada. Assim sedo, determie a resistêcia equivalete desse cojuto, em quilo-ohm (kω). 6. Quatos resistores com resistêcia de 8Ω são ecessários para serem associados em série com vistas a obtermos uma resistêcia equivalete de 5,kΩ? 7. esolva o exercício cosiderado que as resistêcias e estejam associadas em paralelo. 8. Três resistêcias, = Ω e = 8Ω e = Ω, são associadas em paralelo. Qual o valor da resistêcia equivalete desta associação? 9. Supoha que você queira associar em paralelo resistores com resistêcia de,8mω cada. Assim sedo, determie a resistêcia equivalete desse cojuto. 0. Quatos resistores com resistêcia de,7kω são ecessários para serem associados em paralelo com vistas a obtermos uma resistêcia equivalete de Ω?. Determiar a resistêcia que se deve colocar em paralelo com uma outra de Ω a fim de que a resistêcia equivalete do cojuto se reduza a Ω.. Determie o valor da resistêcia que se deve colocar em paralelo com outra de Ω a fim de que a resistêcia equivalete do cojuto se reduza a metade da difereça etre a resistêcia descohecida e a de Ω. Dica: lembre da fórmula de Bhaskara!. Determie a resistêcia equivalete da associação resistiva idicada abaixo. = = = 6Ω = Ω. Determie a resistêcia equivalete da associação resistiva idicada o diagrama abaixo. =, = laraja, laraja, = = laraja, braco,, Observação: Despreze as tolerâcias das resistêcias os cálculos dessa questão. 5. Determie a resistêcia equivalete da associação resistiva idicada o diagrama abaixo. = laraja, braco, amarelo, =, verde, amarelo, =, laraja, =, azul, Observação: Despreze as tolerâcias das resistêcias os cálculos dessa questão. 9

10 6. Determie a resistêcia equivalete da associação resistiva idicada o diagrama abaixo. = amarelo, = azul, ciza, Observação: Despreze as tolerâcias das resistêcias os cálculos dessa questão. 7. Determie a resistêcia equivalete da associação resistiva idicada o diagrama abaixo. = =, amarelo, = laraja, braco, amarelo, =, ciza, amarelo, Observação: Despreze as tolerâcias das resistêcias os cálculos dessa questão. 8. Determie a resistêcia equivalete da associação resistiva idicada o diagrama abaixo. = = = = Observação: 9 = = até 7 5 = = =, = 6 = azul, = laraja, Despreze as tolerâcias das resistêcias os cálculos dessa questão. 0

11 9. Duas resistêcias, = 6Ω e de valor descohecido, são ligadas em paralelo e, em seguida, uma terceira resistêcia, valedo o dobro da primeira, é ligada em série com esta combiação, formado, etão, uma associação resistiva mista de Ω. Determie o valor da resistêcia. 0. Duas resistêcias, = 6Ω e de valor descohecido, são ligadas em série e, em seguida, uma terceira resistêcia, valedo o dobro da primeira, é ligada em paralelo com esta combiação série, formado, etão, uma associação resistiva mista de 0Ω. Determie o valor da resistêcia. ESPOSTAS DOS EXECÍCIOS POPOSTOS. a) 6,8kΩ±0%; b),mω±0%; c) 56Ω±5%; d) 90Ω±5%; e) 7MΩ±0%; f) 0,8Ω±0%; g) 8,Ω±5%.. a) amarelo,, prata; b), ; c) verde, azul,, prata; d), ciza, prata; e) ciza,, sem cor; f), laraja, ; g) azul, ciza,, sem cor; h) amarelo, prata; i) verde, ; j) azul, ; k) laraja, braco, prata, sem cor; l), verde, sem cor.. 0Ω.. Ω kΩ resistores. 7.,6Ω. 8.,8Ω Ω resistores.. 6Ω.. 9,66Ω..,Ω...55,5Ω ,88kΩ. 6. 7,78kΩ ,89kΩ Ω. 9. Ω. 0. 5Ω.

12 EXECÍCIOS POPOSTOS Usado o protoboard. Determie a resistêcia equivalete da associação resistiva idicada os diagramas dos ites abaixo de duas maeiras: () Por meio de cálculos e () motado os circuitos o protoboard, usado os resistores (da lista de materiais). Verifique o resultado obtido, o passo (), por meio do multímetro (este último atuado como ohmímetro). Compare, etão, os resultados obtidos, pelos passos () e (), etre si. Procure eteder as difereças ecotradas. a) Diagrama : 5 6 preto = verde, azul, preto =, =, verde, = = Observação: Despreze as tolerâcias das resistêcias para os cálculos esse último item. b) Diagrama : 5 6 = laraja, braco, = verde, azul, preto = verde, azul, preto =, =, verde, Observação: Despreze as tolerâcias das resistêcias os cálculos dessa questão. c) Diagrama : 6 = = laraja, braco, preto = verde, azul, preto =, =, verde, = = verde, azul, Observação: Despreze as tolerâcias das resistêcias os cálculos dessa questão. = laraja, laraja, laraja

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

CAPACITÂNCIA. Figura 7.1 Vítima de fibrilação (ataque cardíaco) sendo submetida a um desfibrilador.

CAPACITÂNCIA. Figura 7.1 Vítima de fibrilação (ataque cardíaco) sendo submetida a um desfibrilador. ELETRIIDADE APÍTLO 7 APAITÂNIA Na oite de 7 de outubro de 004, quarta-feira, o futebol brasileiro ficou de luto pela morte do jogador Sergiho, do São aetao. O zagueiro, etão com 0 aos de idade, desmaiou

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

RESISTORES ELÉTRICOS

RESISTORES ELÉTRICOS RESISTORES ELÉTRICOS São dispositivos utilizados para limitar a passagem da corrente elétrica nos circuitos São feitos com material condutor de alta resistividade elétrica Transformam a energia elétrica

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

RESISTORES, TIPOS DE RESISTORES, IDENTIFICAÇÃO E PRÁTICA DE MEDIÇÃO.

RESISTORES, TIPOS DE RESISTORES, IDENTIFICAÇÃO E PRÁTICA DE MEDIÇÃO. RESISTORES, TIPOS DE RESISTORES, IDENTIFICAÇÃO E PRÁTICA DE MEDIÇÃO. O resistor normalmente é encontrado na forma cilíndrica onde temos um material cerâmico enrolado por uma camada espiral de material

Leia mais

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1. Objetivos Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; Determinar a máxima potência dissipada pelo resistor por meio de suas

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *O resistor é um componente que tem a função de exercer uma determinada resistência à passagem da corrente elétrica, oferecendo uma maior ou menor dificuldade à corrente

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

1.1. Resistor fixo de carvão e resistor fixo de fio. 1.2. Resistor de fio com derivação - ajustável

1.1. Resistor fixo de carvão e resistor fixo de fio. 1.2. Resistor de fio com derivação - ajustável Resistores 1. Introdução 2. Codigo de cores 3. Associação 4. Associação série 5. Associação paralela 6. Associação mista 7. Observações 8. Circuito em série 9. Circuito em paralelo 10. Exercícios 11. Referências

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 1: Código de cores e associação de resistores. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 1: Código de cores e associação de resistores. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Turma: AM1 Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Período: 2012-1 Roteiro para

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque.

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque. 2 MULTÍMETRO 2.1 - Objetivos Aprender a manusear o multímetro na realização de medidas de tensões e correntes elétricas, contínuas e alternadas, bem como medir resistências elétricas. 2.2 - Introdução

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

ERROS ERRO DE ARREDONDAMENTO

ERROS ERRO DE ARREDONDAMENTO ERROS Seja o valor aproimado do valor eacto. O erro de deie-se por ε ε erro absoluto de Aálise N um érica 4 ERRO DE ARREDONDAENTO Seja o valor aproimado do valor eacto tedo eactamete k dígitos após o poto

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado 7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Ferado Vargas É a área da Matemática que trata dos problemas de cotagem. Estuda problemas que evolvem o cálculo do úmero de agrupametos que podem ser feitos com os elemetos

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS I 0. (4.1)

CIRCUITOS ELÉTRICOS I 0. (4.1) ELETICIDADE CAPÍTULO CICUITOS ELÉTICOS Conforme visto no Capítulo, um circuito elétrico constitui um caminho condutor fechado pelo qual se permite conduzir uma corrente elétrica. Um circuito elétrico pode

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

Texto Teórico 02: RESISTORES

Texto Teórico 02: RESISTORES INSTITUTO FEDERL SNT CTRIN MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CURSO DE ENGENHRI DE TELECOMUNICÇÕES Texto Teórico

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

5. A nota final será a soma dos pontos (negativos e positivos) de todas as questões

5. A nota final será a soma dos pontos (negativos e positivos) de todas as questões DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA - UFMG PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO - MESTRADO/ UFMG - 2013/2014 Istruções: 1. Cada questão respodida corretamete vale 1 (um) poto. 2. Cada questão respodida

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Jackkife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Camilo Daleles Reó camilo@dpi.ipe.br Referata Biodiversa (http://www.dpi.ipe.br/referata/idex.html) São José dos Campos, 8 de dezembro de 20 Iferêcia

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES EXPEIÊNCIA 1 ESISTOES E ASSOCIAÇÃO DE ESISTOES 1 INTODUÇÃO TEÓICA Os resistores são componentes básicos dos circuitos eletro-eletrônicos utilizados nos trechos dos circuitos onde se deseja oferecer uma

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde?

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde? Até que tamaho podemos bricar de escode-escode? Carlos Shie Sejam K e L dois subcojutos covexos e compactos de R. Supoha que K sempre cosiga se escoder atrás de L. Em termos mais precisos, para todo vetor

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Matemática Ficha de Trabalho

Matemática Ficha de Trabalho Matemática Ficha de Trabalho Probabilidades 12º ao FT4 Arrajos completos (arrajos com repetição) Na liguagem dos computadores usa-se o código biário que é caracterizado pela utilização de apeas dois algarismos,

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1 1. Costrua os algoritmos para resolver os problemas que se seguem e determie as respetivas ordes de complexidade. a) Elaborar um algoritmo para determiar o maior elemeto em cada liha de uma matriz A de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2)

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2) Resolução da questão 3 Para respoder essa questão é ecessário veriicar que o motor já está operado e que em determiado mometo algum gradeza do motor irá variar. Frete a essa variação, deve-se determiar

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais