MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ"

Transcrição

1 MODELO MATEMÁTO ARA ANALAR O DEEMENHO DO MOTORE ELÉTRO EM MÁQUNA DE ROEAMENTO DE ARROZ LUZ G.. ORTO, RENATO. REE Departameto de Egeharia Elétrica, Faculdade de Egeharia de Bauru Uiversidade Estadual aulista UNE, Bauru. E Bauru- tel: (14) fax: (14) , REUMO Este trabalho apreseta o desevolvimeto de um modelo matemático simplificado, para aalisar o desempeho do motores elétricos em máquias de beeficiameto de produtos agrícolas. O modelo matemático foi desevolvido com base os dados de catálogos forecidos pelos fabricates de motores. A verificação do desempeho de um motor, é feita usado-se somete sua correte eracioal, medidas em seus termiais. om o valor desta correte e das curvas características obtidas através do modelo matemático, é possível determiar-se as gradezas ecessárias para avaliar o desempeho do motor, etre elas, redimeto e fator de potêcia, sedo possível também, obter as gradezas ecessárias para avaliar o desempeho global de uma máquia de beeficiameto de produtos agrícolas, etre elas as potêcias ativa e reativa e aparete, o fator de potêcia, as quais são fudametais para estudos relacioados com a racioalização de eergia elétrica. O modelo foi aplicado a uma máquia de beeficiameto de arroz, sedo que os resultados obtidos através de simulações em computador, permitiram verificar o desempeho e o carregameto de cada motor da máquia. ABTRAT This work presets the develmet of a simplified mathematical model, to aalyze the actig of the electric motors i machies of improvemet of agricultural products. The mathematical model was develed with base i the data of catalogs supplied by the maufacturers of motors. The verificatio of the actig of a motor, it is made beig used oly your eratioal curret, measures i your termials. ith the value of this curret ad of the characteristic curves obtaied through the mathematical model, it is possible to determie the ecessary greatess to evaluate the actig of the motor, amog them, reveue ad potecy factor, beig also possible, to obtai the ecessary greatess to evaluate the global actig of a machie of improvemet of agricultural products, amog them the active potecies ad it reactivates ad look, the potecy factor, which are fudametal for studies related with the electric power ratioalizatio. The model was applied her/it a machie of improvemet of rice, ad the results obtaied through simulatios i computer, they allowed to verify the actig ad the shipmet of each motor of the machie. NTRODUÇÃO O uso da eergia elétrica em agroidústrias, tem se caracterizado, em osso país, por dois fatores atagôicos: um suprimeto

2 deficiete e a utilização de equipametos superdimesioados, sob o aspecto de acioameto. A prática usual, em muitos casos, é utilizar máquias de processameto múltiplo, utilizado diversos produtos agrícolas, como é o caso do moiho a martelo. Mesmo máquias de processameto de produtos específicos estão sujeitas a este procedimeto ão adequado, muitas vezes para ateder as diversas prriedades viscoelásticas de um produto (ORTO, 1994). Uma das razões mais sigificativas para criar essa realidade, é o tradicioalismo da fabricação das máquias de processameto de produtos agrícolas acrescidas do fato de existir, em osso aís, poucas pesquisas sobre o tema. Diate desse quadro, a presete pesquisa aalisa, através de dados de campo e de modelos matemáticos, o comportameto de máquias de processameto agrícola. A metodologia desevolvida pode ser aplicada a qualquer tipo de máquia, acioada por um ou mais motores, objetivado o uso racioal de eergia elétrica. EQÜENA OERAONAL DA MÁQUNA ANALADA A máquia de beeficiameto aalisada é costituída por módulos ligados em série e, em cada módulo ocorre cada uma das fases de processameto, e ela tem a capacidade para beeficiameto de 244 kg de arroz por hora. A seqüêcia de eração da máquia está demostrada a Figura 1, sedo que a mesma é costituída pelos seguites setores: de limpeza do arroz em casca, de descascameto e abaação, de separação de mariheiros, de bruição e polimeto, de peeiração e classificação. MODELO MATEMÁTO Neste trabalho, apreseta-se um modelo metemático simplificado para represetar um motor de idução. Este modelo está baseado o pricípio de que, para a rede, o motor de idução é uma impedâcia variável com o carregameto (FALONE, 1979). Esta impedâcia varia com o escorregameto do motor, que, por sua vez, é fução da carga do eixo do motor. A impedâcia que represeta cada motor, é obtida através de regressão poliomial de seguda ordem, utilizado-se valores de impedâcias cohecidos. Estes valores são obtidos a partir de dados de catálogos forecidos pelos fabricates dos motores de idução. Os pricipais dados forecidos os catálogos são: tesão, correte, velocidade e potêcias omiais. Além destes, são forecidos: o fator de potêcia e redimeto do motor para 100, e da potêcia de saída (GOLDEMBERG, 1992). Os valores obtidos os catálogos são: V L tesão de liha L - correte de liha N N - velocidade omial fp fator de potêcia omial fp - fator de potêcia para da carga omial fp - fator de potêcia para da carga omial η 100 redimeto omial η - redimeto para da carga omial η - redimeto para da carga omial A impedâcia de um motor, o modelo por fase, podeser dadad por: U Z m (1) ode: Z m impedâcia de fase do motor (ohm) U - tesão de fase do motor (V) correte de fase do motor (A) A correte de fase do motor é: η 3U fp ode : potêcia da saída do motor (w) fp fator de potêcia η - redimeto ara as três codições de carga, tem-se: (2) η 100 (100) (3) 3U fp100 0, / η () (4) 3U fp

3 ode: 0, / η () (5) 3U fp potêcia omial do motor (w) ara relacioar os valores das impedâcias com o escorregameto, deve-se calcular os escorregametos para as três codições de fucioameto, s 100, s e s. ode: s velocidade sícroa N velocidade omial s N 100 (6) Os escorregametos para e de carga são obtidos utilizado-se: s mec (7) w - cojugado a da potêcia omial - escorregameto a da pot. Nomial - escorregameto a da pot. Nomial - velocidade sicroa (rad/s) - velocidade omial (rad/s) Quado o motor de idução era a região de escorregameto ormal, escreve-se: (16) (17) combiado as equações tem-se: ode:.. ) ) ) ) ) ) ) ) (18) (19) mec. (8) da potêcia omial. (9) 0,. (10) 0,. (11) - da potêcia omial Desta forma, pode-se calcular os escorregametos para e de carga, os quais estão relacioados com as impedâcias calculadas: e, ( ) 1 (12) V Z 100 (para ) (20) ( 100) etão: ( ) 1 (13) V Z ( para ) (21) ( ) 1 ( ) 0, (14) 1 ( ) 0, (15) ode: V Z (para ) (22) ( ) ode: - cojugado do motor - cojugado a da potêcia omial correte de fase omial do motor () correte de fase do motor a da potêcia omial () - correte de fase do motor a da potêcia omial

4 om estes valores, pode-se obter uma regressão para a variação da impedâcia do motor em fução do escorregameto, ou seja, desde vazio até plea carga. EORREGAMENTO DE OERAÇÃO Utilizado-se a prriedade que os motores de idução, fucioado o regime ormal de eração, tem cojugado prorcioal a correte, obtém-se: etão: (23) L L (26) ode: (27) L cojugado de eração correte de eração L - correte de liha omial escorregameto de eração ortato, medido-se somete a correte de eração, pode-se determiar o escorregameto de eração e a impedâcia do motor para este poto de er M-3: setor peeiração e classificação De forma semelhate, pode-se obter o fator de potêcia para uma determiada codição de eração, através de uma regressão poliomial de seguda ordem que defie a variação do fator de potêcia do motor em fução do escorregameto. om os valores da impedâcia e o valor do fator de potêcia de cada motor, pode-se obter a impedâcia equivalete de todos os motores que compõe a máquia de arroz e, portato, pode-se obter a correte e a potêcia total absorvida pela máquia. etão: ode: L cojugado de eração (24) (25) L MEDDA DE AMO Os dados omiais dos motores estão apresetados os Quadros de 1 a 3, ode adotaramse as seguites otações: M-1: setor de descascameto e abaação e separação de mariheiro. As características eracioais dos motores de idução, estão detalhados os Quadros de 4 a 6. QUADRO 1: aracterísticas omiais dos motores Ligados o M-1 MOTOR OT. F F (V) (A) M 1 1 4, ,66 1,15 M 4 1,5 5, ,73 1,15 M - 5 0, 3, ,60 1,15 M 6 0, 3, ,60 1,15 M 7 7, ,88 1,15 M 8 1 4, ,66 1,15 M 9 1 3, , 1,15 M 10 12, ,86 1,15 M 11 1, ,81 1,15 M ,78 1,15 M , ,66 1,15 M 14 7, ,88 1,15 M 15 7, ,88 1,15 M , ,66 1,15 M 17 7, ,88 1,15 M ,5 5, ,73 1,15 QUADRO 2: aracterísticas omiais dos motores Ligados o M 2 M-2: setor de bruição e polimeto MOTOR OT. (V) (A) F F

5 M ,87 1,15 M 2 0, 3, ,60 1,15 M 3 1 4, ,66 1,15 M ,79 1,15 M 5 7, , 1,15 M ,88 1,15 M ,80 1,15 M ,80 1,15 M , ,66 1,15 QUADRO 3: aracterísticas omiais dos motores Ligados o M 3 MOTOR OT. F F (V) (A) M 1 0, 3, ,60 1,15 M 2 0, 3, ,60 1,15 M 3 1 4, ,66 1,15 M 4 7, ,88 1,15 M 5 1 4, ,66 1,15 M 6 1 3, , 1,15 M 7 3 9, ,84 1,15 M 15 4, ,32 0,74 66 M 16 1,20 4,5 1131,41 0, M 17 2, ,63 0,65 32 M , ,61 0,66 86 QUADRO 5: aracterísticas eracioais dos motores ligados o M 2 MOTOR OT. (V) (A) F ARREG M 1 2, ,88 0, 53 M 2 0,41 3,2 1171,65 0,53 54 M 3 0,62 3,2 1164,78 0,49 62 M 4 1, ,61 0,55 40 M 5 1, ,15 0,29 15 M 6 20, ,51 0,86 80 M 7 14, ,18 0,77 M 8 14, ,18 0,77 M 9 0,62 3,2 1164,76 0,49 62 QUADRO 4: aracterísticas eracioais dos Ligados motores o M-1 MOTOR OT.(V) (A) F ARREG. M 1 0, ,54 0,62 96 M 4 0, ,94 0,57 56 M - 5 0,41 3,2 1171,65 0,53 54 M 6 0,41 3,2 1171,65 0,43 54 M 7 4, ,06 0,71 54 M 8 0,62 3,2 1164,76 0,49 62 M 9 1, ,90 0, M 10 7, ,49 0,79 60 M 11 0, ,22 0,49 38 M 12 1,18 8,5 1188,66 0,41 24 M 13 0,62 3,2 1164,76 0,49 62 M 14 5, ,08 0,77 73 QUADRO 6: aracterísticas eracioais dos motores ligados o M 3 MOTOR OT. (V) (A) F ARREG M 1 0,41 3,2 1171,65 0,43 54 M 2 0,41 3,2 1171,65 0,43 54 M 3 1,20 4,5 1131,41 0, M 4 2, ,16 0,64 27 M 5 0, ,78 0,36 25 M 6 0, ,87 0,53 55 M 7 0, ,99 0, 30 FGURA 1: Esquema e seqüêcia de eração da máquia

6 M-1: etro de cotrole de motores 1 M-18: Elevador para o elimiador de impurezas M-17: Elimiador de impurezas L-180 M-16: Elevador de alimetação dos descascadores M-15: Descascador M-14: Descascador M-13: Elevador para o separador da cascas M-12: eparador de casca M-11: Trasportador peumático de cascas M-10: Vetilador de farelo grosso M-9 : Trasportador helicoidal de cascas M-8 : Elevador de alimetação do sep. de cascas M-7 : eparador de mariheiro M-6 : Elevador de retoro M-5 : Trasportador helicoidal de retoro M-4 : Elevador da caiza pulmão (depósito) M-3 : Não ligado M-2 : Não ligado M-1 : Elevador de alimetação do trieur M-2: etro de cotrole de motores 2 M-9: Elevador de alimetação dos bruidores M-8: Terceiro bruidor M-7: egudo bruidor M-6: rimeiro bruidor M-5: olidor M-4: Elevador dos bruidores (saída) M-3: Elevador de alimetação da câmara M-2: Trasportador helicoidal de farelo M-1: Vetilador de farelo M-3: etro de cotrole de motores 3 M-7: Vetilador de fareliho M-6: eeira de quirera M-5: Elevador de alimetação de trieur M-4: Trieur M-3: Elevador de saída de arroz 1/1 M-2: Elevador de saída de arroz 1/2 M-1: Elevador de arroz de ¾ ONDÇÕE ATUA Após a simulação de todos os motores da máquia de beeficiameto de arroz, foram calculados mediate simulação matemática os seguites parâmetros: M-1 orrete de liha 125,21 A otêcia absorvida 32, kw otêcia aparete 47,77 kva Fator de potêcia 0,68 M-2 orrete de liha 172,871 A otêcia absorvida 49,31 kw otêcia aparete 65,95 kva Fator de potêcia 0, M-3 orrete de liha 32,40 A otêcia absorvida 6,87 kw otêcia aparete 12,36 kva Fator de potêcia 0,56 ara a máquia como um todo, foram obtidos os seguites parâmetros: orrete de liha 329,47 A otêcia absorvida 88,69 kw otêcia aparete 125,69 kva Fator de potêcia 0,71 Estes valores refletem a situação de ecessidade de mudaças, visado a racioalização de eergia elétrica. UBTTUÇÃO DE MOTORE om a coveiete adequação da potêcia motora a potêcia eracioal, obteve-se uma ova percetagem de carregameto, coforme mostram os Quadros de 7 a 9. QUADRO 7:odições eracioais dos ovos motores do M 1 MOTOR OT (V) F ARREG M ,81 0,59 84 M - 5 0, 1151,44 0,58 81 M 6 0, 1151,44 0,58 81 M ,26 0,83 80 M 8 0, 1154,61 0,55 82 M 9 1,5 1717,65 0,76 83 M ,77 0,85 M 11 0, 15,06 0,57 76 M 12 1,5 1145,31 0,66 79 M 13 0, 1154,61 0,55 82 M ,38 0,84 91 M ,96 0,87 99 M 16 1,5 1144,35 0,66 80 M ,90 0, 80

7 QUADRO 8:odições eracioais dos ovos motores do M 2 MOTOR OT (V) F ARREG M ,59 0,79 89 M - 5 0, 1151,44 0,58 81 M 6 0, 1154,61 0,55 82 M 7 1, 1143,97 0,66 81 M 8 1, 1147,67 0,64 76 M 9 0, 1154,61 0,55 82 QUADRO 9:odições eracioais dos ovos motores do M 3 MOTOR OT (V) F ARREG M 1 0, 1151,44 0,58 81 M - 2 0, 1151,44 0,58 81 M 3 1, 1144,35 0,66 80 M ,67 0,70 68 M 5 0, 1170,42 0,53 M 6 0, 1728,15 0,62 73 M ,92 0,70 89 om a substituição dos motores coforme Quadro de 7 a 9, os ovos parâmetros são: M-1 orrete de liha 111,09 A otêcia absorvida 32,55 kw otêcia aparete 42,38 kva Fator de potêcia 0,77 M-2 orrete de liha 165,11 A otêcia absorvida 49,38 kw otêcia aparete 62,99 kva Fator de potêcia 0,78 M-3 orrete de liha 26,67 A otêcia absorvida 6,55 kw otêcia aparete 10,18 kva Fator de potêcia 0,64 ara a máquia como um todo foram obtidos os seguites resultados: orrete de liha 302,41 A otêcia absorvida 88,49 kw otêcia aparete 115,37 kva Fator de potêcia 0,77 ONLUÕE O cofroto etre as codições origiais de cosumo de eergia elétrica e aquelas decorretes da substituição dos motores mostram que: M- 1 orrete de liha - redução de 11,27 otêcia absorvida - aumeto de 0,15 otêcia aparete - redução de 11,28 Fator de potêcia aumeto de 13,23 M 2 orrete de liha - redução de 4,49 otêcia absorvida - aumeto de 0,14 otêcia aparete - redução de 4,49 Fator de potêcia - aumeto de 4 M 3 orrete de liha - redução dew 17,68 otêcia absorvida - redução de 4,66 otêcia aparete - redução de 17,64 Fator de potêcia - aumeto de 14,28 ara a máquia como um todo foram obtidos os seguites parâmetros: orrete de liha - redução de 8,21 otêcia absorvida - redução de 0,22 otêcia aparete - redução de 8,36 Fator de potêcia - aumeto de 8,45 MÁQUNA EXTENTE - 9,37 dos motores estavam subdimesioados, 25 dos motores apresetavam carregameto iferior a da potêcia omial e 56,25 apresetavam carregameto etre e 80 e 9,37 possuem carregameto igual ou superior a 80; - a maioria eram com fator de potêcia abaixo do omial; - os motores existetes apresetam velocidades maiores que as omiais; - a potêcia aparete para o cojuto é de 125,69 kva e fator de potêcia 0,71. - MÁQUNA OM NOVO MOTORE - 71,87 dos ovos motores apresetam carregameto igual ou superiora 80 do omial e 28,12 com carregameto etre e 80 da potêcia omial do motor;

8 - a substituição dos motores ocasioou uma redução da velocidade em relação aos motores existetes; - a potêcia aparete do cojuto é de 115,37 kva e o fator de potêcia é de 0,77. ALAVRA HAVE Motores elétricos Racioalização de eergia elétrica imulação de motores REFERÊNA BBLOGRAFA [1] FALONE, A.G.; Eletromecâica -Máquias Elétricas Rotativas, Edgard Blucher, ão aulo, [2] ORTO, L.G..; Desevolvimeto de um modelo matemático para aalisar o desempeho dos motores elétricos em máquias de processameto de arroz. Tese de mestrado, Faculdade de iêcias Agroômicas de Botucatu, UNE, [3] GOLDEMBERG,. Determiação dos parâmetros fucioais de motores de idução a partir de catálogos de fabricates. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Egeharia Elétrica, UNAM, 1992.

VALORES por unidade (pu)

VALORES por unidade (pu) VALORES por uidade (pu) 13,8/230kV 230/69kV Como trabalhar um circuito com múltiplas tesões? As impedâcias deem ser referidas ao lado de alta ou baixa (o trafo)? Solução: ormalizar os alores para uma base

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE DETERMINAÇÃO DOS ARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE José Tarcísio Assução 1 ; Tereza Cristia Bessa Nogueira Assução Uiversidade Federal de São João del-rei,

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE-

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- MA DE IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL PAULO HENRIQUE C. PEREIRA 1, ALBERTO COLOMBO 2, GIOVANNI FRANCISCO RABELO 2. 1.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE OTORES ELÉCTRICOS ACCIONAENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL Rede Coversor de potecia otor Carga Dispositivo de cotrolo Parâmetros O coversor estático trasforma a eergia eléctrica de

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO 8. Regimes de trabalho. CAÍULO VIII - REGIMES DE RABALHO Há iúmeros tios de máquias cujos regimes de trabalho se caracterizam or aresetar eríodos curtos de oeração, seguidos de logos eríodos de reouso.

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZAÇÃO ÓTIMA E TRANSFORMAORES E OTIMIZAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEAES RURAIS *ROGÉRIO SILVA A CUNHA (BSC) - JOSÉ ROBERTO CAMACHO (PH) SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (R.) *UNIVERSIAE FEERAL

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 07/08 CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS O que é um circuito it sequêcial? Difereça etre circuito combiatório e sequecial... O elemeto básico e fudametal da lógica sequecial

Leia mais

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ANÁLISE DO ETONO ELÁSTICO EM DOBAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Alexadre Tácito Malavolta Escola de Egeharia de São Carlos, Av. Trabalhador São-Carlese 400, CEP 13566-590, São Carlos

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004 ILHA SOLTEIRA XII Cogresso Nacioal de Estudates de Egeharia Mecâica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-FS20 ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS Aais do XIX Cogresso Brasileiro de Automática, CBA 2012. FLUXO DE CARA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS HEBERT AILA CARHUALLANQUI, DILSON AMANCIO ALES LASEP, DEE, UNESP Av.

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes a 5 de Agosto de 006 Belo Horizote - MG Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo as Redes de Distribuição Atedidas por Subestações de Diferetes Fotes M.Sc. Daiel P. Berardo AES

Leia mais

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2)

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2) Resolução da questão 3 Para respoder essa questão é ecessário veriicar que o motor já está operado e que em determiado mometo algum gradeza do motor irá variar. Frete a essa variação, deve-se determiar

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS AT49-07 - CD 6-07 - PÁG.: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGAÇÃO TAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTICOS J.. Cogo A.. C. de Oliveira IEE - EFEI Uiv. Taubaté Artigo apresetado o Semiário de Pesquisa EFEI 983 ESUMO Este

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição

I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO 1- INTRODUÇÃO GERAL. 1.1- Definição I - FUNDAMENTOS DO CONCRETO ARMADO - INTRODUÇÃO GERAL.- Defiição O cocreto armado é um material composto, costituído por cocreto simples e barras ou fios de aço. Os dois materiais costituites (cocreto

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

43º Seminário de Laminação - Processos e Produtos Laminados e Revestidos

43º Seminário de Laminação - Processos e Produtos Laminados e Revestidos OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE LAMINAÇÃO CONTROLADA DE CHAPAS GROSSAS ATRAVÉS DA REDISTRIBUIÇÃO DA DEFORMAÇÃO NAS FASES DE ESBOÇAMENTO E ACABAMENTO 1 Atoio Augusto Gori 2 José Herbert Dolabela da Silveira 3

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD Teste de ióteses VÍCTOR UGO LACOS DÁVILAD Teste De ióteses. Exemlo. Cosidere que uma idustria comra de um certo fabricate, ios cuja resistêcia média à rutura é esecificada em 6 kgf (valor omial da esecificação).

Leia mais

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de 204 BANCADA DIDÁTICA DE CARGAS MECÂNICAS APLICADA EM MIT ACIONADO POR INVERSOR DE FREQUÊNCIA FELIPPE DOS S. E SILVA *, VANDEIR P. MARINS *, CÁSSIO A. DE OLIVEIRA

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

Tópicos em Otimização. Otimização Linear - Aplicações

Tópicos em Otimização. Otimização Linear - Aplicações Tópicos em Otimização Otimização Liear - Aplicações Problemas tratados por otimização liear Problema da Mistura: Combiar materiais obtidos a atureza (ou restos de outros á combiados) para gerar ovos materiais

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS EÓLICO-SOLAR- DIESEL

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS EÓLICO-SOLAR- DIESEL V COGRESSO ACIOAL DE EGEHARIA MECÂICA V ATIOAL COGRESS OF MECHAICAL EGIEERIG 25 a 28 de agosto de 2008 Salvador Bahia - Brasil August 25 28 2008 - Salvador Bahia Brazil AÁLISE ECOÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

PROJETO E OTIMIZAÇÃO, POR COMPUTADOR,DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO

PROJETO E OTIMIZAÇÃO, POR COMPUTADOR,DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO PROJETO E OTIMIZAÇÃO, POR COMPUTADOR,DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO Carlos Alberto de Melo Uiversidade Federal de Uberlâdia Departameto de Egeharia Mecâica 384-89, Uberlâdia MG, Brasil Resumo Desevolveu-se

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT XX SNPEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E RANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉRICA XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Refe - PE GRUPO GP GRUPO DE ESUDO DE PRODUÇÃO ÉRMICA E FONES NÃO CONVENCIONAIS - GP OBENÇÃO E ANÁLISE

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA FASCÍCULO / harmôicos Este texto foi preparado como um curso de extesão: Ifluêcia dos Harmôicos as Istalações Elétricas Idustriais. Trata-se de um curso voltado para profissioais atuates o setor elétrico

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Eletroquímica. Capítulo 10. 1. Dadas as reações de meia célula: Cu 2+ + e Cu + I 2 E 0 = 0,336 V. + 2e 2I E 0 = 0,536 V

Eletroquímica. Capítulo 10. 1. Dadas as reações de meia célula: Cu 2+ + e Cu + I 2 E 0 = 0,336 V. + 2e 2I E 0 = 0,536 V Capítulo 0 Eletroquímica. Dadas as reações de meia célula: Cu + + e Cu + E 0 = 0,53 V I + e I E 0 = 0,536 V pede-se: a) escrever a equação que represeta a reação global da célula; b) calcular o potecial

Leia mais

Evaluation of medical X-ray machines in Paraíba state radiology centers between 2008 and 2009

Evaluation of medical X-ray machines in Paraíba state radiology centers between 2008 and 2009 Avaliação ARTIGO dos ORIGINAL equipametos ORIGINAL de raios X ARTICLE o Estado da Paraíba Avaliação das codições de fucioameto dos equipametos de raios X médico em serviços de radiologia o Estado da Paraíba,

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Prof. Dr. Hugo Alexandre Soares Guedes

HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Prof. Dr. Hugo Alexandre Soares Guedes UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL HIDRÁULICA Prof. Dr. Hugo Alexadre Soares Guedes Colaboração: Michael Lopes Hoscha PELOTAS - RS AGOSTO - 05 ÍNDICE UNIDADE

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

Incertezas de Medição e Ajuste de dados

Incertezas de Medição e Ajuste de dados Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul Escola de Egeharia Egeharia Mecâica Icertezas de Medição e Ajuste de dados Medições Térmicas - ENG0308 Prof. Paulo Scheider www.geste.mecaica.ufrgs.br pss@mecaica.ufrgs.br

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA IM 37 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS PROF. DR. SÉRGIO

Leia mais