FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO"

Transcrição

1 FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO Dayse Regia Batistus (UTFPR) Marcelo Rosa (UTFPR) Ricardo Beffart Aiolfi (UTFPR) Adre Brugara Soares (UTFPR) Jose Doizetti de Lima (UTFPR) Um desafio atual para os boviocultores de leite tem sido o aumeto costate da produtividade. Forecer uma dieta balaceada ao aimal, que veha a satisfazer suas exigêcias de mauteção e produção tem sido um fator crítico os custos de produção, impactado sigificativamete a retabilidade da atividade de produção de leite (Souza et al., 2006). Neste setido, se cosolidou o obetivo desse trabalho, que foi defiir a modelagem matemática do problema em questão para que o mesmo pudesse ser tratado com ferrameta da programação liear e desta forma, miimizar o custo atrelado à dieta alimetar dos aimais que se ecotram os dois últimos meses de gestação. Os resultados obtidos por meio dos ceários simulados foram promissores e refletem a importâcia da utilização da programação liear a tomada de decisão. Palavras-chave: Programação liear, boviocultura de leite, formulação de ração.

2 1. Itrodução O muicípio de Pato Braco está iserido o sudoeste do Paraá, maior bacia leiteira do país, e seus gestores têm ivestido esforços o setido de melhorar a qualidade da produção de bovios o muicípio, visado maior desevolvimeto ecoômico para o setor. Evidêcia disso é a implatação do Laboratório de Reprodução Aimal, o qual obetiva, etre outros, o fortalecimeto da boviocultura de leite a região (JORNAL DO SUDOESTE, 2012). Os aimais que costituem essa atividade possuem um período de lactação de 305 dias do ao, os outros 60 dias restates caracterizam o chamado período seco. Este período represeta os dois últimos meses de gestação dos bovios, o qual grade parte dos utrietes igeridos pelos mesmos é destiada a ateder as ecessidades do feto e para o desevolvimeto de reserva do aimal (ANDRIGUETTO, et al., 2005). Adicioalmete, de acordo com o autor supracitado, a máxima produção de leite ocorre os dois primeiros meses do período de lactação. Nesta fase, o aimal cosome a reserva adquirida o período seco por ão coseguir cosumir alimetos em quatidade suficiete, devido sua capacidade de igestão, para satisfazer suas ecessidades utricioais de mauteção e produção, implicado em perca de peso. Nesse setido, segudo o autor, cofigura-se a ecessidade de uma dieta especial, que ão somete ateda às ecessidades do aimal o período seco, mas que também proporcioe reservas eergéticas a fim de que o aimal atia todo o seu potecial geético de produção de leite os dois meses subsequetes. Etretato, de acordo com Satos et al. (2006), a alimetação dos bovios apreseta-se como um fator crítico os custos de produção, represetado de 50 a 75% dos custos totais, fazedo com que uma variação a dieta impacte sigificativamete sobre a retabilidade da atividade de produção de leite. Dessa forma, como a alimetação do aimal é um fator determiate para a produção, se faz ecessária a formulação de uma dieta balaceada e de baixo custo. Neste cotexto, isere-se o obetivo da presete pesquisa, que é modelar matematicamete o problema supracitado e formular, via programação liear, uma dieta balaceada e de míimo custo para bovios que se ecotram os dois últimos meses de gestação, tedo em vista que a dieta alimetar essa fase biológica ifluecia o período o qual ocorre a máxima produção de leite dos aimais. 2

3 2. Classificação da metodologia Os aspectos metodológicos da pesquisa foram permeados a partir das premissas elecadas por Mareth et al. (2012) e Martis et al. (2014), coforme Fluxograma 1. Fluxograma 1 Classificação metodológica da pesquisa METODOLOGIA DA PESQUISA Quato a atureza Quato aos obetivos Quato as abordages Quato aos procedimetos Pesquisa Aplicada cohecimetos serão gerados com o ituito de aplicá-los a resolução de um problema específico: formular uma dieta balaceada e de custo míimo para bovios de leite que se ecotram o período seco. 1ª Fase Pesquisa Exploratória obetivado maior familiaridade com o problema para torá-lo explícito, realizou-se levatameto bibliográfico, aálise de exemplos e cosultas a grupo focal. Mista 2ª Fase Pesquisa Operacioal a partir das iformações obtidas a 1ª Fase da pesquisa, defiiu-se uma base de dados, a qual foi utilizada para a realização da modelagem matemática do problema. A modelagem possibilitou a resolução do problema por meio de ferrameta da Programação Liear, com a utilização do software What s Best. A validação dos resultados foi obtida via ceários simulados. Pesquisa Qualitativa caracterizada pelas ações descritas a Pesquisa Exploratória. Pesquisa Quatitativa caracterizada pelas ações descritas a Pesquisa Operacioal. Fote: Elaborado pelos autores. 3. Descrição da pesquisa 3

4 Nesse tópico descreve-se a pesquisa propriamete dita. A primeira fase da pesquisa, coforme costa o Fluxograma 1, cosistiu de revisão bibliográfica ierete à Programação Liear e à Nutrição dos Bovios de Leite. Na sequêcia, apreseta-se de forma sucita, o referecial teórico levatado Programação liear O desevolvimeto da Programação Liear (PL) ecotra-se etre os mais relevates avaços cietíficos do século XX (HILLER & LIEBERMAN, 2013). Criada com o propósito de reduzir custos militares e maximizar as baixas iimigas o decorrer da Seguda Guerra Mudial, após o térmio da mesma, devido à sua eficiêcia, passou a ser utilizada o cotexto empresarial (MERLO et al., 2012; ARENALES et al., 2007). Etretato, em virtude da complexidade dos cálculos matemáticos ieretes à ela, a Programação Liear só foi difudida após o surgimeto do computador (MIRANDA et al., 2007). Atualmete a Programação Liear tem sido empregada as mais diversas áreas e tem auxiliado os gestores a empregar seus recursos, geralmete escassos, da melhor forma possível, aumetado a competitividade das empresas o mercado em que atuam. Para Hiller e Lieberma (2013), a aplicabilidade da PL tem sido admirável uma vez que se expade em um uiverso de problemas muito variados, partido da alocação de recursos de produção à ecessidades domésticas. A programação liear descreve o problema a ser tratado por meio de modelos matemáticos, cuas fuções são, ecessariamete, lieares. Nelas, variáveis ão egativas são defiidas e relações matemáticas etre essas variáveis são estabelecidas de forma a descrever o comportameto do sistema o qual o problema ecotra-se iserido. Além disso, isere-se a fução que descreve o obetivo do modelo, que se traduz em idetificar, detre todas as alterativas viáveis, a que apreseta o melhor resultado solução ótima. (ZIONTS, 1974; LUENBERGER, 1984; BOWEN, 2004). Lieberma (2013), eleca os passos para a modelagem de problemas: a) determiação das variáveis de decisão; b) estabelecimeto do obetivo; c) idetificação das relações existetes etre as variáveis de decisão que defiam as limitações do sistema; e d) cálculo da solução ótima. De acordo com Goldbarg e Lua (2005), a vatagem do modelo de programação liear ecotra-se a eficácia dos algoritmos de solução existetes, os quais possuem grade 4

5 capacidade de realização de cálculos, podedo, atualmete, ser executados em microcomputadores pessoais. No âmbito desse trabalho será utilizado a ferrameta What s Best Nutrição Aimal O processo de formulação de dieta alimetar, o cotexto desse trabalho, também deomiada ração, para gado leiteiro está relacioado com a produção e a mauteção do aimal, visado ateder as ecessidades utricioais desses para que sua produção sea satisfatória. Para suprir essas ecessidades é fudametal forecer ao aimal uma dieta balaceada. Outro fator importate a ser cosiderado o processo de produção como um todo, é que os alimetos que compõem a dieta do aimal geram custos sigificativos de produção, com isso, sempre que possível, é idicada a utilização de métodos que possam otimizar o uso dos alimetos a composição da ração para que a mesma teha um custo míimo e que, também, satisfaça as ecessidades utricioais do aimal, e dessa forma sea miimizado o custo de produção (SANTOS, et al., 2006). De acordo com os autores supracitados, a igestão de alimetos é um obeto de estudo de grade importâcia para a área de utrição aimal, pois a mesma é fator limitate quato a quatidade de utrietes que serão forecidos ao mesmo. Segudo experimetos de igestão de alimetos em vacas leiteiras, um aimal tem a capacidade de igerir de 1,7 a 3,6 kg de matéria seca para cada 100 kg de peso vivo. Ressaltase que o cotexto de utrição aimal, matéria seca refere-se ao alimeto que o orgaismo do aimal cosegue aproveitar o processo de digestão. Essa capacidade é alterada pela gestação do aimal, pricipalmete o fial da mesma. Isso acotece devido ao fato de que o volume do útero comprime os reservatórios gástricos, reduzido a capacidade de igestão do alimeto pelo aimal para 1,6 kg a 2,2 kg de matéria seca, para cada 100 kg de peso vivo (ANDRIGUETTO, et al., 2005). Esse cotexto, alerta para que se teha uma especial ateção à formulação de rações para os bovios em seus dois últimos meses de prehes. No que diz respeito ao processo de formulação de ração, esse pode ser dividido em três etapas: (i) estudo das ecessidades utricioais do aimal, (ii) pesquisa de dados relacioados aos alimetos que irão compor a ração, como valor utricioal, dispoibilidade e custos, (iii) modelagem do problema e aplicação de programação liear para formular ração a custo míimo (ANDRIGUETTO, et al., 2005; SANTOS, et al., 2006). 5

6 As ecessidades utricioais são determiadas de acordo com as características fisiológicas e metabólicas do aimal, detre estas características ecotram-se o seu peso, sua capacidade de igestão de alimeto, a idade, a hereditariedade, a gestação e a produção de leite. Os pricipais utrietes exigidos pelo aimal são: a proteía bruta (PB), a proteía digestível, os utrietes digestíveis eutros (NDT), a eergia metabolizável (EM), a eergia líquida para vacas em lactação (Eml), o cálcio (Ca) e o fósforo (P). As ecessidades utricioais para aimais os dois últimos meses de gestação são elecadas o Quadro 1. Quadro 1 Necessidades utricioais diárias de vacas leiteiras Período Seco Peso vivo (kg) Matéria seca míimo (kg) 5,6 6,4 7,2 8 8,8 9,6 11,2 Matéria seca máximo (kg) 7,7 8,8 9, ,1 13,2 15,4 Proteía bruta (kg) 0,57 0,65 0,73 0,77 0,86 0,91 1 Proteía digestível (kg) 0,32 0,35 0,4 0,43 0,46 0,5 0,55 NDT (kg) 3,6 4 4,4 4,8 5,2 5,6 6,3 EM (Mcal) 13 14,1 15,9 17,3 18,8 20,2 22,7 EL vacas lactação (Mcal) 8,7 9,7 10,7 11,6 12,6 13,5 15,3 Cálcio (Kg) 0,021 0,023 0,026 0,029 0,031 0,034 0,039 Fósforo (Kg) 0,016 0,018 0,02 0,022 0,024 0,026 0,03 Fote: adaptado de Adriguetto, et al., (2005). No que diz respeito à composição dos alimetos, após cosultas a grupo focal formado por professores com doutorado em zootecia e por mestrado cua liha de pesquisa se cocetra a área, aqui deomiados especialistas, optou-se por utilizar os dados dispoibilizados por Salma e Garcia (2011) e por Silva (2014), os quais são estruturados a partir de tabelas forecidas pelo Coselho Americao de Pesquisa (NCR). Os especialistas defiiram aida, quais seriam as restrições impostas à formulação da ração. As mesmas são elecadas a descrição da modelagem matemática do problema. 4. Modelagem matemática do problema proposto A partir das iformações levatadas a 1ª Fase da pesquisa, estruturou-se a base de dados, a qual subsidiou a modelagem matemática do problema, coforme segue: Sea: 6

7 : o úmero de alimetos que podem ser utilizados a composição da ração; m: o úmero de utrietes relevates a formulação da ração; x : a quatidade do alimeto que deve ser utilizada em uma uidade de ração, =1,...,; a i : a fração do utriete i ecotrada o alimeto, i=1,...,m e =1,..., a cada uidade de ração; b : a fração do utriete i exigido a ração, i=1,...,m; v : alimetos classificados como volumosos; c : o custo de uma uidade do alimeto, =1,...,; q : quatidade dispoível do alimeto, = 1,...,; Como a i é a fração do utriete i o alimeto, isto é, a quatidade do utriete i em uma uidade da ração, etão a i x é a quatidade do utriete i em x uidades do alimeto. Aida, o custo de uma uidade da ração é a soma dos custos de todos os igredietes utilizados para sua obteção. O obetivo do problema em questão é miimizar o custo da ração, etão, a Fução Obetivo é dada por: Mi C 1 c. x (1) Sueito às seguites restrições: ai. x bi i 1,2,..., m 1 (2) A equação (2) represeta as restrições relacioadas à quatidade míima de cada utriete exigida a ração, ou sea, de PB, NDT, EM, Elm, Ca e P; x q 1,2,..., (3) A equação (3) represeta as restrições relacioadas à quatidade máxima de cada alimeto dispoível para compor a ração; 1 a. 1 x b1 (4) 7

8 e 1 a. 2 x b2 (5) As equações (4) e (5) represetam, respectivamete, as restrições relacioadas às quatidades míima e máxima de matéria seca a serem igeridas diariamete pelos bovios. Nas quais a 1 e a 2 correspodem à fração de matéria seca ecotrada em cada alimeto, ambos colocados, respectivamete, a primeira e seguda lihas da tabela de composição dos alimetos implemetada o Excel. a7. x 2. a8. x (6) A equação (6) represeta a restrição relacioada à relação existete etre o Cálcio e o Fósforo, a qual deve ser 2:1. Em que a 7 e a 8 represetam, respectivamete, a fração de cálcio e fósforo de cada alimeto. v 1 x 0,6. x 0 (7) 1 A equação (7) garate que a quatidade de alimetos volumosos sea maior ou igual a 60% do total da mistura; x 0 1,2,..., (8) A equação (8) represeta a restrição relacioada a ão egatividade; Com a modelagem do problema completa, a base de dados foi orgaizada em uma plailha eletrôica do Software Excel para que se procedesse a validação da modelagem. 5. Validação da modelagem Com o ituito de validar a modelagem matemática desevolvida, os especialistas cosultados, dois deles coautores do trabalho, simularam três ceários, os quais apresetavam as características de pequeas propriedades do Sudoeste do Paraá e Oeste de Sata Cataria, o que diz respeito à quatidade de aimais, ao peso médio desses e à dispoibilidade de 8

9 alimetos a região. Na defiição dos custos de alimetos, utilizou-se uma média dos praticados as duas regiões. Para possibilitar um comparativo etre os resultados, os especialistas elaboraram uma dieta para cada ceário, como fazem usualmete, para ateder aos 21 últimos dias do período seco, tedo como apoio uma plailha desevolvida o Software Excel, a qual auxilia a escolha de alimetos e a quatidade desses, para que as ecessidades utricioais dos aimais seam supridas. Subsequetemete, estruturou-se o Software Excel uma plailha cotedo a composição físico-química de cada um dos alimetos costates os ceários simulados, bem como sua seu custo, em reais, Figura 1. Figura 1 - Composição físico-química dos alimetos dispoíveis para formular a dieta Fote: Adaptado de Salma e Garcia (2011) e Silva (2014). Além da composição físico-química dos alimetos dispoíveis as propriedades simuladas (pastagem muito boa, feo de aveia, silagem de milho, milho em grão, farelo de soa, farelo de trigo, casca de soa, mieral e calcário), por meio do Quadro 1, as ecessidades utricioais dos aimais, de acordo com seu peso, foram especificadas. As restrições explicitadas o processo de modelagem do problema foram implemetadas e, com a utilização da ferrameta What s Best, elaborou-se uma dieta de míimo custo que atede a todas as exigêcias utricioais dos aimais. 6. Resultados e discussões A modelagem matemática do problema e a estruturação dos dados o Software Excel permitiram que, por meio da ferrameta What s Best, se idetificasse a solução ótima para o problema. Uma aálise detalhada dos resultados pode ser efetivada partido-se dos dados 9

10 explaados a Figura 2, Figura 3 e Figura 4. Nessas Figuras são apresetadas a dieta ormal, formulada pelos especialistas e a dieta otimizada, obtida via programação liear. As dietas foram formuladas cosiderado a ecessidade utricioal diária de um aimal. Figura 2 - Avaliação das dietas para aimais com 400 kg. Fote: os autores Figura 3 - Avaliação das dietas para aimais com 450 kg. 10

11 Fote: os autores Figura 4 - Avaliação das dietas para aimais com 500 kg. Fote: os autores 11

12 Verifica-se que os três ceários apresetados, a solução ecotrada pela dieta otimizada (DO) satisfaz todas as restrições, o que garate que os aimais recebam uma dieta balaceada durate os 21 últimos dias do período seco. No que diz respeito à dieta formulada pelos especialistas (DE), a mesma também supre todas as ecessidades utricioais dos aimais. Observou-se aida, a dieta otimizada dos três ceários avaliados, que a pastagem muito boa foi o alimeto mais utilizado, o que reflete a ecessidade de se dar ao seu cultivo uma especial ateção. No que diz respeito à silagem de milho e ao feo de aveia, aida que durate as simulações as quatidades das mesmas fossem alteradas, ambas acabaram ão sedo utilizadas. Essa iformação é relevate pois evidecia que a utilização das mesmas só será ecessária as épocas em que as pastages estiverem escassas ou com qualidade comprometida. Quato aos custos das dietas, os valores otimizados foram iferiores aos das dietas elaboradas pelos especialistas. Na Figura 5, visualiza-se o impacto desses valores cosiderado-se propriedades com 10 aimais, os quais recebem a dieta estabelecida os últimos 21 dias do período seco. Figura 5 - Avaliação dos custos das dietas. Fote: os autores 12

13 A difereça etre os custos das dietas formuladas por especialistas (DE) e das dietas otimizadas (DO), cofiguram a importâcia da Programação Liear como ferrameta de apoio a tomada de decisão. 6. Coclusões Com o ituito de estabelecer, via programação liear, uma dieta alimetar de míimo custo para bovios que se ecotram os dois últimos meses de gestação, o presete trabalho modelou matematicamete o problema para que a solução ótima do mesmo pudesse ser ecotrada. Esse obetivo foi atigido a ítegra. Durate a formulação das dietas para os ceários simulados, as mesmas ão somete atederam às exigêcias utricioais dos aimais, mas também, apresetaram custos bem iferiores aos custos das dietas formuladas por especialistas. Como os custos de alimetação dos bovios de leite, de acordo com Satos et al (2006), represetam de 50 a 75% dos custos totais de produção, a redução desses custos por meio da otimização poderá causar impacto positivo a retabilidade da atividade de produção de leite. Além disso, o processo de resolução do problema, via programação liear, apota quais são os alimetos que mais cotribuem para a obteção de uma dieta equilibrada e de custo míimo para a boviocultura de leite, orietado os gestores da agroidústria leiteira o que diz respeito aos cultivos que merecem maior ateção. Essa pesquisa está sedo ampliada para a formulação de dietas para bovios de leite em fase de lactação e posteriormete, será adequado para bovios em fase de crescimeto. Assim que essas etapas forem efetivadas, pretede-se dispoibilizar as plailhas a iteret para que as mesmas possam ser utilizadas livremete. Atualmete está sedo desevolvido um aplicativo a liguagem computacioal Java para facilitar aida mais a utilização da ferrameta pelo usuário. REFERÊNCIAS ANDRIGUETTO, José M. et al. Nutrição Aimal. São Paulo: Nobel, v. 2, ARENALES, M.; ARMENTANO, V.; MORABITO, R.; YANASSE, H. Pesquisa Operacioal. 8 ª ed. Rio de Jaeiro: Editora Câmpus Abepro, BOWEN, K. Sixty years of Operatioal Research. Europea Joural of Operatioal Research, V.153,

14 GOLDBARG, M. C. e LUNA, H. P. Otimização combiatória e programação liear: modelos e algoritmos. 2ªed. Rio de Jaeiro: Elsevier, p. 649, HILLIER, Frederick S.; LIEBERMAN, Gerald. Itroducão à Pesquisa Operacioal, 9 a ed., McGraw Hill, JORNAL DO SUDOESTE. Implatação de Laboratório de Reprodução Aimal. 01 de ulho de LUENBERGER, D. Liear ad Noliear Programmig. Addiso Wesley, MARETH, T.; PAIM, E. S. E.; PIENIZ, L. P.;, ERTHAL, F. S.; Programação liear como ferrameta de apoio a gestão de custos: um estudo de caso em uma idústria de usiagem. XLII SBPO simpósio, MARTINS, R.A.; MELLO, C.H.P; TURRIONI, J.B. Guia de Elaboração de Moografia e TCC em Egeharia de Produção. 1. ed. São Paulo: Atlas, MIRANDA, G. J; MARTINS, V. F; FARIA. A. F. O uso da programação liear um cotexto de laticíios com várias restrições a capacidade produtiva, Custos e agroegócio o-lie, v. 3, edição especial, maio, SALMAN, A. K. D; et al. Maual prático para formulação de ração vacas leiteiras. Porto Velho: EMBRAPA Rodôia, SANTOS, F.A. et al. Modelo computacioal para formulação de rações de míimo custo para pequeos rumiates utilizado programação liear. XIII SIMPEP, Bauru, Novembro SILVA, J. M. EMBRAPA, Dispoível em: < Acesso em: 26/08/2014. ZIONTS, S. Liear ad iteger programmig, Pretice-hall,

Tópicos em Otimização. Otimização Linear - Aplicações

Tópicos em Otimização. Otimização Linear - Aplicações Tópicos em Otimização Otimização Liear - Aplicações Problemas tratados por otimização liear Problema da Mistura: Combiar materiais obtidos a atureza (ou restos de outros á combiados) para gerar ovos materiais

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais Aais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Biodigestores em Propriedades Rurais Eliaa Walker Depto de Física, Estatística e Matemática, DEFEM,

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR)

PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR) PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR) NEI CARLOS DOS SANTOS ROCHA ALBA REGINA MORETTI 2 LUIZ HENRIQUE DA COSTA ARAÚJO CARLA

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização 4 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.,., p.4 49, 007 Fortaleza, CE, INOVAGRI http://.iovagri.org.br Protocolo 00.07 9//007 Aprovado em 09//007 Plaejameto da Irrigação com Uso de Técicas de Otimização

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZAÇÃO ÓTIMA E TRANSFORMAORES E OTIMIZAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEAES RURAIS *ROGÉRIO SILVA A CUNHA (BSC) - JOSÉ ROBERTO CAMACHO (PH) SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (R.) *UNIVERSIAE FEERAL

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12 Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 PARTE 1 - ASPECTOS ECONÔMICOS DOS JUROS 3 PARTE 2 - ASPECTOS FINANCEIROS DOS JUROS 3 PARTE 3 - VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO 6 PARTE 4 DESCONTO

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas Departameto Gestão Disciplia Matemática I Curso Gestão de Empresas Ao 1º Semestre 1º Grupo Docete Resposável Teóricas Carga horária semaal Teórico Práticas Nuo Coceição 3h 3h/5h Práticas/ Lab. Semiários

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ESTATÍSTICA DESCRITIVA COORDENADORIA DE MATEMÁTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA Vitória - ES CAPÍTULO I 1-UM BREVE HISTÓRICO Pesquisas arqueológicas idicam que há 3000 aos A.C. já se faziam cesos a Babilôia, Chia e Egito. Até mesmo

Leia mais

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ MODELO MATEMÁTO ARA ANALAR O DEEMENHO DO MOTORE ELÉTRO EM MÁQUNA DE ROEAMENTO DE ARROZ LUZ G.. ORTO, RENATO. REE Departameto de Egeharia Elétrica, Faculdade de Egeharia de Bauru Uiversidade Estadual aulista

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA LEGAL NA GERAÇÃO DE RENDA DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO ACRE, AMAZÔNIA

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA LEGAL NA GERAÇÃO DE RENDA DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO ACRE, AMAZÔNIA A IMPORTÂNCIA DA RESERVA LEGAL NA GERAÇÃO DE RENDA DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO ACRE, AMAZÔNIA Roei Sat Aa de Meezes*, Aadalvo Juazeiro dos Satos**, Ricardo Berger** * Eg.

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO SETOR DE TRANSPORTE NA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM INSUMO-PRODUTO ELIANE PINHEIRO DE SOUSA; MARCELO JOSÉ BRAGA; UFV

CONTRIBUIÇÃO DO SETOR DE TRANSPORTE NA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM INSUMO-PRODUTO ELIANE PINHEIRO DE SOUSA; MARCELO JOSÉ BRAGA; UFV CONTRIBUIÇÃO DO SETOR DE TRANSPORTE NA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM INSUMO-PRODUTO ELIANE PINHEIRO DE SOUSA; MARCELO JOSÉ BRAGA; UFV VIÇOSA - MG - BRASIL piheiroeliae@hotmail.com APRESENTAÇÃO ORAL

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO Dr. Olívio Novaski Uiversidade Estadual de Campias - UNICAMP - DEF CP 6122 CEP 13083-970 CAMPINAS - SP - BRASIL MSc.

Leia mais

Quem Apresenta Melhor Rendimento Escolar,Meninas ou Meninos?

Quem Apresenta Melhor Rendimento Escolar,Meninas ou Meninos? Quem Apreseta elhor Redimeto Escolar,eias ou eios? Lidamir Salete Casagrade arilia Gomes de Carvalho Resumo Este estudo faz parte de uma pesquisa maior que visa aalisar as relações de gêero a sala de aula

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

Dimensionamento de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistência Direta

Dimensionamento de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistência Direta Dimesioameto de Perfis de Aço Formados a Frio via Método da Resistêcia Direta Gladimir de Campos Grigoletti Dr. Grigoletti@uiritter.edu.br Resumo: A utilização de perfis formados a frio tem aumetado cosideravelmete

Leia mais

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP Costrução de um modelo para o preço de veda de casas resideciais a cidade de Sorocaba-SP Recebido: 0/03/01 Aprovado: 5/09/01 Júlio César Pereira (UFSCar-SP/Brasil) - julio.pereira.ufscar@gmail.com, Rodovia

Leia mais

Dois Exemplos da Aplicação da Técnica TOPSIS para Tomada de Decisão

Dois Exemplos da Aplicação da Técnica TOPSIS para Tomada de Decisão Revista de Sistemas de Iformação da FSM. 8 (20) pp. 3-35 http://www.fsma.edu.br/si/sistemas.html Dois Exemplos da plicação da Técica TOPSIS para Tomada de Decisão Reato. Krohlig, & Talles T.M. de Souza

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

O SETOR LÁCTEO NA ECONOMIA MINEIRA: UM ESTUDO EMPÍRICO A PARTIR DA MATRIZ INSUMO-PRODUTO chrystian.mendes@ufv.br

O SETOR LÁCTEO NA ECONOMIA MINEIRA: UM ESTUDO EMPÍRICO A PARTIR DA MATRIZ INSUMO-PRODUTO chrystian.mendes@ufv.br O SETOR LÁCTEO NA ECONOMIA MINEIRA: UM ESTUDO EMPÍRICO A PARTIR DA MATRIZ INSUMO-PRODUTO chrystia.medes@ufv.br APRESENTACAO ORAL-Estrutura, Evolução e Diâmica dos Sistemas Agroalimetares e Cadeias Agroidustriais

Leia mais

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização Precificação orietada ao mercado: uma abordagem ecoométrica e de otimização Rodrigo Araldo Scarpel (ITA) rodrigo@ita.br Resumo A estratégia de determiação do preço sedo customizada por marca, categoria,

Leia mais

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ANÁLISE DO ETONO ELÁSTICO EM DOBAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Alexadre Tácito Malavolta Escola de Egeharia de São Carlos, Av. Trabalhador São-Carlese 400, CEP 13566-590, São Carlos

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais