O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE-

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE-"

Transcrição

1 O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- MA DE IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL PAULO HENRIQUE C. PEREIRA 1, ALBERTO COLOMBO 2, GIOVANNI FRANCISCO RABELO Departameto de Mecatrôica, CEFET/MG Campus Vargiha Av. Imigrates, Bairro da Vargem Vargiha/MG CEP: Departameto de Egeharia, Uiversidade Federal de Lavras Campus Uiversitário Lavras/MG CEP: s: Abstract This work describes the possibility of the use of Programmable Logic Cotroller (PLC) i set with Variable Drive Frequecy (VDF), i systems of irrigatio for cetral pivot, with the objective to icrease the use of the efficiecy of the electric eergy, usig ets Modbus-RTU, Zigbee ad Compobus, for commuicatio betwee the equipmet. The icrease of the cosumptio of the electric eergy i the agricultural way this directly associated with the techological developmet of agriculture is kow that. Therefore the moder job techiques that optimize the ratioal use of the electric eergy is basic i all the fields. The experimet was coducted o the campus of the Federal Uiversity of Lavras - UFLA withi the Ph.D. program i Agricultural Egieerig, resultig i a 19% reductio i power cosumptio of the system. Keywords Cotrolled Irrigatio, Efficiecy Power, Irrigatio System, Itelliget Automatio. Resumo Este trabalho descreve a possibilidade do uso de Cotrolador Lógico Programável (CLP) em cojuto com um iversor de frequêcia, em sistemas de irrigação por pivô cetral, com o objetivo de aumetar o uso da eficiêcia da eergia elétrica, utilizado redes Modbus-RTU, ZigBee e CompoBus, para comuicação etre os equipametos. O aumeto do cosumo de eergia elétrica o meio rural esta diretamete associada com o desevolvimeto tecológico da agricultura. Portato, as técicas moderas de trabalho que otimizam o uso racioal da eergia elétrica é fudametal em todos os campos. O experimeto foi coduzido o campus da Uiversidade Federal de Lavras - UFLA detro do programa de doutorado em Egeharia Agrícola, resultado em uma redução de 19% o cosumo de eergia elétrica do sistema. Palavras-chave Irrigação Cotrolada, Eficiêcia Eergética, Sistema de Irrigação, Automação Iteligete. 1 Itrodução O aumeto do cosumo da eergia elétrica o meio rural esta diretamete associada com o desevolvimeto tecológico da agricultura. Como a oferta de eergia elétrica é limitada, tora-se ecessário icetivar o uso mais eficiete da eergia elétrica o meio rural. No meio rural, os sistemas de irrigação do tipo pivô cetral são resposáveis por grade parte do cosumo de eergia elétrica. A eergia cosumida estes sistemas é em sua quase exclusivamete dirigida para o acioameto do cojuto moto-bomba. Uma utilização mais racioal da eergia cosumida pelos cojutos moto bombas pode ser obtida através da adoção de práticas adequadas de projeto e maejo destes sistemas de irrigação. A viabilidade ecoômica do uso de iversores de frequêcia em sistemas de irrigação do tipo pivô cetral foi demostrada em diversos estudos. No etato, apesar da ecessidade de aumetar a eficiêcia do uso da eergia elétrica dispoível e das vatages comparativas de algumas áreas irrigadas do Brasil, o icremeto esperado a utilização destes equipametos em sistemas de irrigação do tipo pivô cetral ão tem sido observado. Nos sistemas de irrigação, por pivô cetral, o uso de iversores de frequêcia deve ser icetivado porque as uidades de bombeameto destes sistemas são geralmete dimesioas para ateder a máxima demada de potêcia. Desta forma, estes sistemas apresetam codições poteciais para se obter uma redução substacial o cosumo de eergia elétrica através do uso de iversores de frequêcia. No mometo, três fatores cotribuem para a cotiuidade deste quadro de estagação o uso de iversores de frequêcia em sistemas de irrigação: (i) as estratégias para cotrole dos iversores os pivôs cetrais aida são um desafio para os profissioais da automação que atuam a área agrícola, (ii) existem discrepâcias etre valores esperados e valores realizados (observados) de redução o cosumo de eergia elétrica; e, (iii) são raras as oportuidades de se observar equipametos de irrigação do tipo pivô cetral operado com iversores de frequêcia. Este trabalho teve como objetivo promover, através da istalação de um iversor de frequêcia e um cotrolador lógico programável (CLP), o pivô cetral existete o Campus da UFLA, ações que cotribuam para elimiação destes três fatores restritivos, através da comuicação etre o iversor de frequêcia, o CLP e os sesores de umidade de solo,

2 com a utilização de uma rede de comuicação idustrial do tipo Modbus, RS485 e Zigbee. Para tal, foram utilizados os cabos já existetes para cotrole de eergização do cojuto motobomba, utilizado pelo pressostato do pivô cetral. Todos os parâmetros do iversor de frequêcia serão forecidos pelo CLP ao logo da topografia do terreo ode o pivô cetral está istalado, etre outros. sesores de pressão, uidades remotas de comuicação e um iversor de frequêcia, todos istalados o pivô cetral existete o Campus da UFLA (Figura. 1), modelo Valley VSN/2-94, visado implatar a estrutura míima ecessária para execução de trabalhos de pesquisa voltados ao desevolvimeto de ovas técicas e equipametos, que cotribuíam para a dissemiação do uso de sistemas automáticos de irrigação, com o objetivo de redução do cosumo de eergia elétrica (Figura. 2 e 3). 2 Metodologia Para execução deste trabalho, primeiramete, foi ecessário realizar um mapeameto da área irrigada quato à umidade e declividade, o que demadou a istalação de sesores e trasdutores de umidade em toda a área. Um dos fatores limitates da relação iversor de frequêcia e sesores é o limite de sesores a serem utilizados, por isso resolveu-se adotar a utilização de um Cotrolador Lógico Programável (CLP), marca Orom, modelo CPIH-X40DT1-D, como sedo a uidade cetral de processameto de dados, ou seja, os siais dos sesores são direcioados e aalisados pelo cotrolador lógico programável e este evia um sial para o iversor de frequêcia, da marca Omro, modelo 3G3RX-A2150, para ajustar a rotação do motor da bomba d água, tudo em fução da declividade e da umidade do solo. No trabalho, os sesores de umidade relativa do solo foram acoplados a microcotroladores com tecologia Zigbee, Digi XBee-PRO ZB (S2B), que eviam as iformações a uma cetral, o cotrolador lógico programável, que aalisava os dados, iiciado ou ão o processo de irrigação por pivô cetral, coforme a aálise dos dados. Para determiação de posicioameto da liha lateral do pivô cetral foi istalado um ecoder absoluto, da marca Omro, modelo E6C3-AG5B, o poto do pivô (torre cetral), ode o sial também era eviado para mesma cetral de processameto de dados dos sesores de umidade (o cotrolador lógico programável). Ao logo da liha lateral móvel, istalou-se 4 sesores de pressão, da marca HBM, modelo P15RVA1/10B, porém utilizado uma comuicação por fios o padrão CompoBus, da Omro, utilizado-se somete 3 fios, tato para alimetação elétrica como siais de comuicação, iterligados a uidades remotas de comuicação, da Omro, modelo SRT2- AD04, para geração de potos de edereços distitos para cada um dos sesores de pressão. Os sesores de pressão, istalados ao logo da liha lateral do pivô cetral, eram os resposáveis pelo moitorameto da pressão de água, que também eviavam os siais para a cetral, a fim de se garatir a pressão míima do sistema, de forma a ão se afetar a lâmia de água aplicada a cultura irrigada. Portato, o sistema de irrigação foi dotado de um cotrolador lógico programável, um ecoder absoluto, um cojuto de sesores de umidade, um outro de Figura 1. Visão aérea do Pivô Cetral existete o Campus da UFLA, Figura 2. Esboço do sistema de cotrole (posição x pressão x frequêcia), com seus compoetes e tipos de redes de comuicação evolvidas.

3 Q = vazão bombeada (m3/s); = diâmetro do rotor (m); = velocidade agular do rotor (rad/s); H = altura maométrica adimesioal; HMT= altura maométrica total (m). Azevedo (2003) utilizou poliômios de terceiro grau e a adimesioalização recomeda por Alcâtara (1998) para represetar as curvas de altura maométrica total e redimeto através das seguites expressões: HMT 2 Q Q a b c 2 2 H H 3 H 3 Nr 3 g Q d H 3 (3) Figura 3. Visão geral do sistema de cotrole automatizado adotado que permitiu o cotrole da frequêcia do cojuto moto-bomba 2.1 Fudametação Teórica para o Cálculo Em sistema de irrigação do tipo pivô cetral, a movimetação da lateral provoca variação a elevação topográfica da mesma, resultado em diferetes requisitos de altura maométrica. A ausêcia de variação a demada do valor de vazão requerida é obtida através do uso de válvulas reguladoras de pressão em cada emissor. Estas válvulas evitam que as variações a elevação topográfica da liha lateral afetem a uiformidade de aplicação de água. Segudo Campaa (2000), a demada de potêcia para acioameto da uidade de bombeameto será meor quado o pivô estiver irrigado a faixa de meor requisito de altura maométrica e a demada de potêcia será máxima quado o pivô estiver irrigado a posição correspodete à maior altura maométrica. Alcâtara (1998), acoselha que as modificações as curvas características das bombas cetrifugas (vazão versus altura maométrica e vazão versus redimeto) resultates de alterações os valores de diâmetro e/ou de velocidade de rotação do rotor sejam modeladas através da adimesioalização dos valores de vazão e altura maométrica: Nr = úmero de rotores da bomba cosiderada; a H, b H, c H, d H = coeficietes de ajuste da curva característica da bomba. Q Q b a b c Q d 3 2 (4) η b = redimeto hidráulico da bomba (0 ηb 1); a η, b η, c η, d η = coeficietes de ajuste da equação de redimeto da bomba. Segudo Carvalho & Oliveira (2008), a potêcia requerida o eixo de acioameto de uma bomba é calculada com base a seguite expressão: Pot eixo Q HMT Pot eixo = potêcia o eixo da bomba (Watt); γ = peso específico da água (N/m 3 ). b (5) O torque, ou cojugado, requerido o eixo de acioameto da bomba é calculado com base a potêcia e a velocidade agular do eixo: Q Q 3 (1) Pot eixo (6) g HMT H 2 2 Q = vazão bombeada adimesioal; (2) = torque, ou cojugado, requerido o eixo de acioameto da bomba (N.m).

4 A relação etre a velocidade de rotação do eixo de um motor e a sua velocidade agular é dada por: O comportameto da curva cojugado versus rotação de um motor elétrico assícroo que possui sua alimetação através de um iversor de frequêcia apreseta algumas difereças em relação ao comportameto de um motor com alimetação direta da rede. Nas diferetes frequêcias forecidas pelo iversor, a difereça, em RPM, etre a rotação com torque omial e a rotação com torque ulo (rotação sícroa) é sempre igual, a Figura 4 ilustra este pricípio. 2 (7) 60 = velocidade agular do rotor (rad/s); = velocidade de rotação do motor (rpm). Quado os valores omiais de frequêcia e tesão da rede elétrica de alimetação de um motor assícroo são atedidos, a liearização da curva cojugado versos rotação do motor permite estimar com precisão o cojugado em fução do valor da velocidade de rotação do motor [15]. Esta liearização pode ser represetada pela seguite expressão: s s (8) = cojugado o eixo do motor operado com rotação (N.m); = cojugado omial do motor (N.m); s = velocidade sícroa de rotação do motor (rpm); = velocidade omial de rotação do motor (rpm). Figura 4. Curvas do cojugado versus rotação de um motor elétrico operado com diferetes frequêcias da rede elétrica (30,60, e 90 Hz), mostrado uma difereça costate de 50 rpm etre a rotação com torque ulo e a rotação com toque omial (adaptado de WEG, 2009). Em decorrêcia da difereça costate etre a rotação sícroa e a rotação sob torque omial, que ocorre os motores assícroos cotrolados por iversores de frequêcia, pode-se estabelecer, para as diferetes frequêcias de alimetação, a seguite relação etre torque omial e torque de trabalho: A velocidade sícroa de um motor elétrico é dada por: s s f f f f (11) S 120 f (9) p f = frequêcia de alimetação do motor (Hz); p = úmero de pólos do motor. Nos motores assícroos, a difereça etre a velocidade de trabalho e a velocidade sícroa é chamada de escorregameto, sedo ormalmete expressa em porcetagem: S S % 100 (10) S S (%) = escorregameto (%). τ= torque, ou cojugado omial do motor (N.m); ( s ) f = Rotação sícroa com a frequêcia omial de alimetação (rpm); ( ) f = Rotação omial com a frequêcia omial de alimetação (rpm); ( s ) f = Rotação sícroa com a frequêcia f de alimetação (rpm); () f = Rotação sob o cojugado τ coma a frequêcia f de alimetação (rpm) 2.2 Procedimeto para o Calculo da Frequêcia Para a determiação teórica das frequêcias de alimetação do cojuto moto-bomba para cada posição da lateral móvel do pivô, sedo a vazão costate (Q o =21 m 3.h -1 ), calcula-se o comprimeto equivalete da lateral (L eq ). Determia-se a taxa da perda de carga a distâcia r do poto do pivô. Determia-se a distâcia do poto do pivô até o poto de meor carga de pressão (r ). A partir de r, determia-se a altura maométrica total para cada posição da lateral, assim é possível

5 determiar a altura maométrica o poto do pivô (Hpp ) e em seguida determiar a altura maométrica total (HMT ). Com os valores de vazão e altura maométrica já admesioalizados, determia-se através da equação 3, a rotação agular () da bomba para cada posição da lateral. Com a equação 4, determia-se o redimeto da bomba ( b ) para cada posição da lateral, para a determiação da potêcia o eixo da bomba (Pot eixo ), utiliza-se a equação 5 e cosequetemete com a equação 6, determia se o cojugado o eixo do motor (). A trasformação da rotação agular () em rotações por miuto (rpm), é obtida pela equação 7, após a trasformação, a rotação passa por uma liearização que é realizada pela equação 11 e fialmete calcula-se a frequêcia de alimetação do cojuto moto-bomba através da equação 9. Tabela 1. Frequêcias calculadas em fução da posição da liha lateral do pivô cetral. HMT Red Pot eixo s f graus m rpm % Watt N.m rpm Hz 0 82, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,09 3 Resultados A programação Ladder do CLP mostrou-se extremamete fácil com este tipo de cotrolador, uma vez que já existem áreas de memória destiadas para trasferêcia de dados para os protocolos de rede Modbus-RTU. Os protocolos de comuicação (Modbus-RTU e Compobus ) utilizados e seus meios de trasmissão ão sofreram ehuma degradação do sial ou iterferêcias devido a utilização de cabos comus, mesmo os locais mais próximos ao iversor de frequêcia. O cotrole dos parâmetros do iversor de frequêcia através do cotrolador lógico programável (CLP), mostrou-se eficaz e matedo a frequêcia de rotação do cojuto moto-bomba estável e coforme a ecessidade de pressão ao logo da liha lateral em fução da declividade do terreo, o qual o pivô cetral estava istalado. A frequêcia míima ecessária para se mater a pressão da liha lateral do pivô cetral, para este tipo de topografia do terreo, programada, foi de 54,45Hz, já a frequêcia máxima utilizada o sistema, CLP vs. Iversor, foi de 57,05Hz. Ressalta-se que com estes valores de frequêcia ão houve problema de variação da vazão (lâmia de água aplicada costate), uma vez que a pressão da liha lateral móvel ficou sempre acima da pressão das válvulas reguladoras (cofiguradas em 20mca). Sem o sistema de cotrole realizado pelo CLP, a frequêcia era costate e igual a 60Hz, utilizado-se a potêcia máxima que poderia ser forecida pelo cojuto moto-bomba. Figura 5. Gráfico da potêcia cosumida (kw) pelo cojuto moto-bomba em fução da frequêcia do iversor (Hz). Na figura 6, são apresetados valores de potêcia ativa medidos ao logo de um giro completo da liha lateral móvel do pivô. Nesta figura, são também apresetados valores de potêcia mecâica o eixo de acioameto do motor. Estas séries de dados foram tomadas sob duas codições operacioais distitas: (i) com a uidade de bombeameto sedo cotrolada pelo iverso de frequêcia (P.Ativa COM e P.Eixo COM) e (ii) com a uidade de bombeameto sem o cotrole do iversor (P.Ativa SEM e P.Eixo SEM).

6 sempre superior a 20mca (pressão de trabalho das válvulas reguladoras). Coforme já destacado ateriormete, em termos de valores médios, houve uma redução da ordem de 19%, a potêcia ativa, cosumida pelo cojuto moto-bomba, após a utilização do iversor de frequêcia, bem como um melhora o fator de potêcia. Agradecimetos Ao Cetro Federal de Educação Tecológica de Mias Gerais CEFET/MG, ao Coselho Nacioal de Desevolvimeto Cietífico e Tecológico CNPq, e à Fudação de Amparo a Pesquisa de Mias Gerais FAPEMIG, pelo apoio a realização das pesquisas e publicação de mais este trabalho. Referêcias Bibliográficas Figura 6. Gráfico da potêcia cosumida (kw) pelo cojuto moto-bomba em fução da frequêcia do iversor (Hz). Os valores médios de potêcia ativa por giro completo (13,23kW sem o iversor e 10,75kW com o iversor) idicam uma redução de cosumo de eergia da ordem de 19% ((13,23-10,75)/13,23) quado o iversor é utilizado. A razão potêcia o eixo/potêcia ativa (8,53/10,75=0,79) determiada equato o a uidade de bombeameto operava sob cotrole do iversor foi pouco superior ao valor determiado sem o cotrole do iversor (10,20/13,23=0,77), idicado que o iversor promoveu uma pequea melhora o redimeto do motor. Além da redução do cosumo de eergia e da uma pequea melhora o redimeto do motor, foi também observada uma melhora o fator de potêcia, que passou de 0,84 para 0,88. 5 Coclusão O sistema de cotrole e os protocolos de redes de comuicação utilizados etre o iversor de frequêcia e o cotrolador lógico programável (CLP), bem como etre os sesores de pressão, ao logo da liha lateral móvel do pivô cetral e o CLP mostrou-se efetivo e estável, para o tipo de aplicação de irrigação por pivô cetral (tempo de resposta ão ecessariamete curto). Foi perfeitamete viável a implatação das frequêcias calculadas para o correto fucioameto do sistema de irrigação por pivô cetral já que ão houve falta de pressão ao logo da liha lateral durate todo o ciclo de 3 giros. A vazão de água e cosequetemete a lâmia de água aplicada a cultura irrigada, o caso específico, o café, ão sofreu ehum tipo de alteração, já que a pressão ao logo da liha lateral móvel foi Alcâtara, W. (1998). Estações de bombeameto. I: CONGRESSO NACIONAL DE IRRIGAÇÃO E DRENAGEM, 8a., Floriaópolis. Aais Floriaópolis: Associação Brasileira de Irrigação e Dreagem, p Azevedo, E. B. (2003). Viabilidade do uso de iversores de frequêcia em sistemas de irrigação do tipo pivô cetral. 77p. Dissertação (mestrado em Egeharia Agrícola)-Uiversidade Federal de Lavras, Lavras. Carvalho, J. A. de; Oliveira, L. F. C. de. (2008). Istalações de bombeameto para irrigação. Lavras: UFLA. 354p. Campaa, S., Oliveira Filho, D., Soares, A. A. et. al. (2000). Adequação de forca motriz em sistemas de irrigação por aspersão covecioal e pivô cetral. I: Ecotro de Eergia o Meio Rural, 3., Campias. Masiero L.A.M., Oliveira Filho, D., Oliveira, R.A. (1999). Utilização de iversores de freqüêcia para racioalização do uso da eergia elétrica em sistemas de irrigação por pivô cetral. Egeharia a Agricultura, Viçosa; v.7.; p Pereira, Paulo Herique Cruz. Sistema automatizado de irrigação por pivô cetral : uma proposta para melhoria da eficiêcia eergética através do uso de cotroladores lógicos programáveis em cojuto com iversor de frequêcia e rede sem fio ZigBee. Tese de Doutorado em Egeharia Agrícola, Uiversidade Federal de Lavras p. WEG. Catálogo eletrôico de produtos. Jaraguá do Sul, Dispoível em: Acesso em: 22 out

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL Paulo Herique Cruz Pereira 1, Alberto Colombo 2, Giovai Fracisco Rabelo, Daiel de

Leia mais

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ MODELO MATEMÁTO ARA ANALAR O DEEMENHO DO MOTORE ELÉTRO EM MÁQUNA DE ROEAMENTO DE ARROZ LUZ G.. ORTO, RENATO. REE Departameto de Egeharia Elétrica, Faculdade de Egeharia de Bauru Uiversidade Estadual aulista

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZAÇÃO ÓTIMA E TRANSFORMAORES E OTIMIZAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEAES RURAIS *ROGÉRIO SILVA A CUNHA (BSC) - JOSÉ ROBERTO CAMACHO (PH) SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (R.) *UNIVERSIAE FEERAL

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE DETERMINAÇÃO DOS ARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE José Tarcísio Assução 1 ; Tereza Cristia Bessa Nogueira Assução Uiversidade Federal de São João del-rei,

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes a 5 de Agosto de 006 Belo Horizote - MG Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo as Redes de Distribuição Atedidas por Subestações de Diferetes Fotes M.Sc. Daiel P. Berardo AES

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS Aais do XIX Cogresso Brasileiro de Automática, CBA 2012. FLUXO DE CARA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS HEBERT AILA CARHUALLANQUI, DILSON AMANCIO ALES LASEP, DEE, UNESP Av.

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS José Carlos Valete de Oliveira Aluo do mestrado profissioal em Sistemas de Gestão da Uiversidade

Leia mais

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE OTORES ELÉCTRICOS ACCIONAENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL Rede Coversor de potecia otor Carga Dispositivo de cotrolo Parâmetros O coversor estático trasforma a eergia eléctrica de

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 07/08 CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS O que é um circuito it sequêcial? Difereça etre circuito combiatório e sequecial... O elemeto básico e fudametal da lógica sequecial

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ =

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ = RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ QUÍMICA BÁSICAB ESTRUTURA ATÔMICA II PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DAQBI Prof. Luiz Alberto RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ λ comprimeto de oda Uidade: metro

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004 ILHA SOLTEIRA XII Cogresso Nacioal de Estudates de Egeharia Mecâica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-FS20 ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

VALORES por unidade (pu)

VALORES por unidade (pu) VALORES por uidade (pu) 13,8/230kV 230/69kV Como trabalhar um circuito com múltiplas tesões? As impedâcias deem ser referidas ao lado de alta ou baixa (o trafo)? Solução: ormalizar os alores para uma base

Leia mais

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014 Belo Horizote, MG, 20 a 24 de Setembro de 204 BANCADA DIDÁTICA DE CARGAS MECÂNICAS APLICADA EM MIT ACIONADO POR INVERSOR DE FREQUÊNCIA FELIPPE DOS S. E SILVA *, VANDEIR P. MARINS *, CÁSSIO A. DE OLIVEIRA

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

CLEBER V. R. ALMEIDA *, AMAURI OLIVEIRA, JÉS J. F. CERQUEIRA, ANTONIO C. C. LIMA

CLEBER V. R. ALMEIDA *, AMAURI OLIVEIRA, JÉS J. F. CERQUEIRA, ANTONIO C. C. LIMA EQUIPAMENTO PARA ESTIMAÇÃO DO TORQUE EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS PELO MÉTODO DO ESCORREGAMENTO AUXILIADO PELA ANÁLISE ESPECTRAL DO SINAL DE CORRENTE DO ESTATOR - DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO CLEBER

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

ANÁLISE DO RETORNO ELÁSTICO EM DOBRAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ANÁLISE DO ETONO ELÁSTICO EM DOBAMENTO DE CHAPAS VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Alexadre Tácito Malavolta Escola de Egeharia de São Carlos, Av. Trabalhador São-Carlese 400, CEP 13566-590, São Carlos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso Detecção de Perdas com WaterGEMS usado AG - Case de Sucesso Ego. Jua Carlos Gutiérrez, M.Sc. Regioal Egieer - Water ad Wastewater Solutios Jua.Gutierrez@Betley.com Problema Mudial: cotrole e redução de

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS.

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. 16º POSMEC Uiversidade Federal de Uberlâdia Faculdade de Egeharia Mecâica METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. Gustavo Soares de Almeida Uiversidade

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2012, 2.ª fase, versão 1. constante

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2012, 2.ª fase, versão 1. constante Proposta de Resolução do Exame Nacioal de Física e Química A 11.º ao, 01,.ª fase, versão 1 Sociedade Portuuesa de Física, Divisão de Educação, 18 de julho de 01, http://de.spf.pt/moodle/ Grupo I 1. (D)

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

43º Seminário de Laminação - Processos e Produtos Laminados e Revestidos

43º Seminário de Laminação - Processos e Produtos Laminados e Revestidos OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE LAMINAÇÃO CONTROLADA DE CHAPAS GROSSAS ATRAVÉS DA REDISTRIBUIÇÃO DA DEFORMAÇÃO NAS FASES DE ESBOÇAMENTO E ACABAMENTO 1 Atoio Augusto Gori 2 José Herbert Dolabela da Silveira 3

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização 4 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.,., p.4 49, 007 Fortaleza, CE, INOVAGRI http://.iovagri.org.br Protocolo 00.07 9//007 Aprovado em 09//007 Plaejameto da Irrigação com Uso de Técicas de Otimização

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS EÓLICO-SOLAR- DIESEL

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS EÓLICO-SOLAR- DIESEL V COGRESSO ACIOAL DE EGEHARIA MECÂICA V ATIOAL COGRESS OF MECHAICAL EGIEERIG 25 a 28 de agosto de 2008 Salvador Bahia - Brasil August 25 28 2008 - Salvador Bahia Brazil AÁLISE ECOÔMICA DE SISTEMAS HÍBRIDOS

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES C O P O S I T I O N No-break S é r i e P r e m i u m No-Break para Rack C E Iovação, qualidade, tecologia e cofiabilidade. arcas das soluções C Comados Lieares A E P R E S A Com mais de 30 aos de atuação,

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito o INSPE INSPE esolvida /ovembro/0 Prova A (Marrom) MATEMÁTICA 7. Cosidere o quadrilátero coveo ABCD mostrado a figura, em que AB = cm, AD = cm e m(^a) = 90º. 8. No plao cartesiao da

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais

REALOCAÇÃO DE CABINAS POLICIAS NOS BAIRROS DE LEBLON E IPANEMA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - RJ

REALOCAÇÃO DE CABINAS POLICIAS NOS BAIRROS DE LEBLON E IPANEMA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - RJ REALOCAÇÃO DE CABINAS POLICIAS NOS BAIRROS DE LEBLON E IPANEMA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - RJ Jea Eduardo Glazar Mestrado do Programa de Egeharia de Produção - COPPE / UFRJ. ea@pep.ufr.br Herique Meirelles

Leia mais

Incertezas de Medição e Ajuste de dados

Incertezas de Medição e Ajuste de dados Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul Escola de Egeharia Egeharia Mecâica Icertezas de Medição e Ajuste de dados Medições Térmicas - ENG0308 Prof. Paulo Scheider www.geste.mecaica.ufrgs.br pss@mecaica.ufrgs.br

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO

SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO XPS - POLIESTIRENO EXTRUDADO SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO RESISTÊNCIA TÉRMICA ECONOMIA DE ENERGIA DURABILIDADE RESISTÊNCIA MECÂNICA SUSTENTABILIDADE SPUMAPAC INOVAÇÃO SEMPRE Fudada em 1970, a Spumapac

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

CONTROLO. 1º semestre 2007/2008. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 10 Diagrama de Bode e Relação Tempo-Frequência

CONTROLO. 1º semestre 2007/2008. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 10 Diagrama de Bode e Relação Tempo-Frequência Mestrado Itegrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores (LEEC Departameto de Egeharia Electrotécica e de Computadores (DEEC CONTROLO º semestre 007/008 Trasparêcias de apoio às aulas teóricas Capítulo

Leia mais

PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR)

PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR) PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR) NEI CARLOS DOS SANTOS ROCHA ALBA REGINA MORETTI 2 LUIZ HENRIQUE DA COSTA ARAÚJO CARLA

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais