Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira?"

Transcrição

1 Decsão de Recompra de Ações: Intenção de Blndagem em Período de Turbulênca Fnancera? Resumo Autora: Llam Sanchez Carrete Este trabalho tem como objetvo avalar se o anúnco de programas de recompra de ações exerceu algum tpo de blndagem às empresas que o fzeram em período de turbulênca fnancera e se os gestores tnham ntenção de snalzar que as ações estavam subavaladas. O estudo compreendeu as empresas que anuncaram este tpo de programa no segundo semestre de 2008, época em que ocorreu o agravamento da crse econômca e fnancera mundal. O estudo consstu em três etapas: () dentfcou-se os AR (retorno anormal) e CAR (retorno anormal acumulado) das empresas que mplementaram programas de recompra aplcando metodologa de estudo de evento e os resultados ndcam retornos anormas postvos; () calculou-se o lucro dscrconáro (DA) das empresas que recompraram ações, calculado por Jones (2001) e () analsou-se a relação entre CAR e DA (lucro dscrconáro) das empresas que recompraram ações não encontrando sgnfcânca estatístca. As evdêncas obtdas confrmam retornos anormas a partr da data de aprovação do programa de recompra de ações em um período de forte queda do mercado de captas. Esses resultados são favoráves à hpótese da snalzação, conforme descrta por Dann (1981), Vermaelen (1981), Lakonshok e Vermaelenm (1990), a qual afrma que quando uma empresa anunca um programa de recompra de ações, está ndcando para o mercado que acredta que suas ações estão subavaladas. Lous e Whte (2007) afrmam que essa é a explcação mas usualmente apresentada na lteratura de fnanças para a tomada de decsão de recompra de ações. Portanto, quando as empresas recompram suas ações, o mercado entende esta decsão como um snal de que os gestores acredtam que o preço das ações está abaxo do seu preço justo, consderando suas expectatvas de geração de caxa no futuro, snalzando ao mercado sobre a potencal valorzação da ação para o aconsta da empresa. Em segundo lugar, não se confrmou a presença da ntenção da snalzação de subprecfcação na decsão corporatva de recompra de ações. Na tercera etapa do estudo obteve-se coefcente com snal negatvo e estatstcamente sgnfcante da varável alavancagem fnancera. Este resultado pode ser uma ndcação de que o mercado responde mas postvamente à decsão de recompra das empresas com menor alavancagem fnancera. A decsão de recompra provoca o aumento da alavancagem fnancera o que mplca em aumento de rsco e, conseqüentemente, potencal aumento de custo de captal. Então as empresas com maor alavancagem fnancera apresentaram menor retorno anormal acumulado. Este estudo é relevante em função da peculardade do período analsado, caracterzado por um ambente de ncerteza e alta volatldade dos preços, pela nvestgação da presença da ntenção de recompra pelos gestores e pela evdênca da relação negatva entre retornos acumulados anormas e alavancagem fnancera. 1

2 1. Introdução Há três mecansmos de transferênca de recursos da empresa para os aconstas: pagamento de dvdendos, juros sobre captal própro e recompra de ações. Este trabalho tem como prncpal objetvo avalar a presença de retorno anormal em função da decsão de recompra de ações e se houve a ntenção de snalzação de subprecfcação ao mercado. Foram seleconadas 19 empresas que anuncaram programas de recompra de ações no período entre 1º de julho de 2008 e 31 de dezembro de 2008 com dsponbldade de ações. O período escolhdo compreende a época em que ocorreu o agravamento da crse econômca e fnancera mundal, desencadeada pela crse do subprme amercano. A relevânca desse estudo se dá na escolha do período de estudo caracterzado como um ambente de alta volatldade de forte queda dos mercados fnanceros mundas e pela nvestgação da presença da ntenção de snalzação pelo gestor. O trabalho consste em duas hpóteses de pesqusa. A prmera afrma que a recompra de ações funcona como blndagem à empresa, uma vez que aumenta o valor do preço das ações em função do conteúdo nformaconal presente nesta decsão, de acordo com a hpótese da snalzação. A segunda consste na presença da ntenção do gestor de snalzação ao mplementar o programa de recompra. Este artgo consste em cnco seções. A seção 2 aborda a lteratura de recompra de ações e gerencamento de resultados e a 3 apresenta as evdêncas empírcas das pesqusas de evento de recompra de ações realzadas no Brasl. A quarta seção descreve a pesqusa e respectvos resultados. E, fnalmente a qunta seção apresenta as consderações fnas do artgo. 2. Revsão da lteratura A decsão corporatva de recompra de ações é uma forma de dstrbução de lucros aos aconstas além do pagamento de dvdendos e pagamento de juros sobre captal própro. Dentre as hpóteses descrtas pela teora de fnanças, destacam-se cnco hpóteses. A prmera hpótese, descrta por Dann (1981), Vermaelen (1981), Lakonshok e Vermaelenm (1990), basea-se na presença da assmetra de nformações entre gestores e aconstas, a hpótese da snalzação, a qual afrma que quando uma empresa anunca um programa de recompra de ações, está ndcando para o mercado que acredta que suas ações estão subavaladas. Esses autores encontram retornos anormas postvos após a data do anúnco. Peyer e Vermaelen (2006) obtveram retornos anormas de longo prazo a partr da data da aprovação da recompra. Lous e Whte (2007) afrmam que essa é a explcação mas usualmente apresentada na lteratura de fnanças para a tomada de decsão de recompra de ações. Portanto, quando as empresas recompram suas ações, o mercado entende esta decsão como um snal de que os gestores acredtam que o preço das ações está abaxo do seu preço justo, consderando suas expectatvas de geração de caxa no futuro, snalzando ao mercado sobre a potencal valorzação da ação para o aconsta da empresa. A segunda hpótese, descrta por Masuls (1980), Dann (1981), é a do benefíco fscal da recompra de ações quando há captação de recursos va contratação de dívdas, aumentando a alavancagem fnancera, há aumento de despesa de juros o que traz como conseqüênca a economa fscal em função da obtenção de um menor lucro trbutável. Por outro lado a decsão de contratação de dívda para a recompra de ações aumenta a alavancagem fnancera o que pode elevar o custo de endvdamento em função do aumento do rsco de nadmplênca, e, conseqüentemente, aumento do custo de captal. 2

3 A tercera hpótese também se basea no argumento trbutáro, entretanto do ponto de vsta do aconsta e não da empresa como na hpótese anteror. Masuls (1980) e Dann (1981) apresentam argumentos da defesa pela recompra de ações em função do benefíco trbutáro em comparação ao pagamento de dvdendos em países onde há dferenças de alíquotas entre essas duas fontes de retornos para o nvestdor. No Brasl, há preferênca por dvdendos à recompra em função da não ncdênca de trbutação sobre dvdendos e ncdênca de trbutação sobre ganhos de captal do nvestdor. A hpótese do fluxo de caxa lvre, a quarta hpótese, dz respeto à forma como o caxa da empresa é utlzado quando se decde por um programa de recompra de ações. Como forma de reduzr o custo de agênca, os gestores decdem pela recompra com o objetvo de dstrbução de recursos aos aconstas para mnmzar rsco de mplementação de nvestmentos não rentáves. Dann (1981) apresenta o argumento de que a hpótese da snalzação pode também mpactar em custo para a empresa caso o mercado nterprete a dstrbução de lucros através da recompra como falta de oportundades de nvestmentos rentáves, ao contráro de expectatvas prévas. Fnalmente, a qunta hpótese consste na concentração das ações, redução de pulverzação do controle da empresa, trazendo como conseqüênca aumento dos confltos entre aconstas mnortáros e majortáros, elevando custos de agênca. Dessa forma a decsão de recompra sera vsta negatvamente pelos aconstas. Lous e Whte (2007) nvestga se há ntenção dos gestores de snalzar que a ação está subavalada ao tomar a decsão de recompra de ação. Os autores argumentam que é possível avalar a ntenção dos gestores a partr dos demonstratvos fnanceros do últmo trmestre anteror à decsão da recompra. Quando os gestores tomam decsão de recompra sem ntenção de snalzação de subprecfcação, então há nteresse em adqurr as ações ao menor preço possível e, portanto, não possuem ncentvos para apresentar resultados postvos no exercíco medatamente anteror ao da decsão de recompra, então não há ncentvo para alterar, dscrconaramente, os resultados. Se a decsão tem, exclusvamente, o objetvo de snalzação ao mercado, então os executvos procuram apresentar bons resultados nos demonstratvos fnanceros do exercíco anteror ao da decsão de recompra. A ntenção de snalzação é obtda verfcando se há gerencamento dos resultados nos demonstratvos fnanceros do trmestre medatamente anteror ao da decsão de recompra. Paulo et. al (2008) argumenta que a nformação contábl é nfluencada pela exstênca de crtéros alternatvos de mensuração e evdencação permtndo ao gestor decdr por prátcas alternatvas de contablzação de acordo com seu objetvo. A área de pesqusa de gerencamento de resultados defne resultado total como sendo a soma do resultado não dscrconáro e resultado dscrconáro. O resultado dscrconáro pode ser nterpretado como sendo apenas um artfíco para gerencar o resultado contábl, enquanto que o não dscrconáro é aquele obtdo em função das atvdades operaconas da empresa. Os autores estudaram anúncos de recompra dos anos de 1981 até O retorno anormal acumulado (CAR) das ações das empresas que mplementaram decsão de recompra é negatvo no período [-130,-68] da data do evento e postvo no período [0,2] da data da evento. Ao relaconar o CAR com lucro dscrconáro obteve-se snal postvo e estatstcamente sgnfcante ndcando que as empresas que mplementaram programas de recompra de ações apresentaram retornos negatvos aos aconstas no período anteror ao da recompra. Com o objetvo de snalzar que a ação estava subprecfcada, os gestores decdram adotar métodos de contablzação que apresentassem resultados mas favoráves, buscando assm a valorzação anormal do preço das ações. 3

4 Lous e Whte (2007) determnam os lucros dscrconáros utlzando a metodologa Kothar, Leone e Wasley (2005) que defne como sendo o lucro dscrconáro a dferença do lucro dscrconáro da empresa e o lucro dscrconáro do grupo de empresas da mesma ndústra e mesmo quntl de acordo com classfcação do ROA (retorno sobre atvos). Kothar, Leone e Wasley (2005) comparam as meddas de lucro dscrconáro Jones e Jones modfcado de cada empresa e propõe a metodologa de lucro dscrconáro da performance combnada como sendo a dferença do lucro dscrconáro da empresa e o lucro dscrconáro de uma cartera de empresas do mesmo setor e mesma performance, empresas do mesmo quntl classfcadas por ROA. Os autores concluem que o lucro dscrconáro da performance combnada é uma medda superor que as meddas de Jones e Jones modfcado na condção em que a decsão de gerencamento dos resultados não depende da performance operaconal da empresa. Esses autores ndcam que as meddas Jones e Jones modfcado apresentam maor probabldade de erro Tpo I: rejetar a hpótese nula quando ela é verdadera, quando a hpótese alternatva é de resultado dscrconáro negatvo. Por outro lado quando a hpótese alternatva é a de resultado dscrconáro postvo, ncorre-se em um vés de subestmação e rejeta-se a hpótese nula com menor freqüênca do que rejetara utlzando meddas de performance superores como a da performance combnada, ou seja, há maor probabldade de ncorrer no erro Tpo II. Esses resultados ndcam que utlzando as meddas tradconas de lucro dscrconáro, o pesqusador que estver testando a hpótese de lucro dscrconáro postvo, estara ncorrendo em um vés de não rejetar a hpótese nula quando ela deve ser rejetada. 3. Evdêncas empírcas de retornos anormas em função de recompra de ações no Brasl Morera (2000) realzou estudo de evento durante o período de 30/5/1997 e 31/10/1998 para verfcar a resposta do mercado ao anúnco de recompra de ações e obteve evdêncas favoráves á teora da snalzação. O mpacto da decsão de recompra não é absorvdo de medato pelo mercado mas após um período de 25 das de negocação. Gordon (2001) estuda os 164 programas de recompra de ações realzados por 155 empresas durante o período de 1994 até 2001 e encontra retornos anormas postvos para a janela de evento de dos das da data do evento. Gabrell (2003) estuda o mpacto da decsão de recompra de ações sobre preços no período de 1994 e 2002 e encontra evdêncas de retorno anormal nos dos prmeros das a partr da data do anúnco do programa de recompra. Decourt e Procanoy (2009) pesqusaram com os executvos fnanceros de empresas lstadas na Bovespa sobre o processo decsóro de dstrbução de lucros e dentre os resultados obtdos, destaca-se que 77,97% dos respondentes concordam que a recompra de ações é um ndcatvo de que o preço das ações da sua empresa está abaxo de seu real valor. 4.Método de pesqusa Essa pesqusa é realzada em três etapas: () obtenção dos retornos anormas acumulados (CAR); () determnação dos lucros dscrconáros (DA); () dentfcação da relação entre CAR e DA. Prmeramente verfca-se a exstênca de retornos anormas e retornos anormas acumulados a partr da data do evento aplcando metodologa de estudo de eventos. Segundo, 4

5 aplca-se regressão por mínmos quadrados ordnáros para dentfcar a presença da ntenção de snalzação. 4.1.Dados Foram dentfcadas 19 empresas que realzaram recompra de ações durante o 2º semestre de 2008, período de queda generalzada nos preços das ações, apresentadas na tabela 1 a segur. Tabela 1:Empresas que Implementação Programas de Recompra de Ações Data da Alavancagem Patrmôno Empresa Aprovação Fnancera Atvo Total Líqudo All Amer Lat 01/10/ ,31% Bematech 21/08/ ,25% Aml 02/10/ ,83% BR Brokers 18/09/2008 6,90% BR Malls Par 17/11/ ,49% Cremer 17/10/ ,56% Cyre Com-Ccp 12/11/ ,79% Energas BR 07/10/ ,42% Inds Rom 21/10/ ,83% JHSF Part 20/10/ ,65% M. Dasbranco 11/09/ ,94% Profarma 06/08/ ,93% Tegma 22/12/ ,20% Abnote 30/12/ ,35% Fosfertl 16/09/2008 9,73% Klabn S/A 10/10/ ,37% Mangels Indl 16/10/ ,77% Sao Martnho 22/09/ ,32% Trsul 16/10/ ,80% Méda 45,81% Desvo Padrão 36,58% o Percentl 10,11% o Percentl 76,18% Retornos Anormas Acumulados (CAR) O estudo de evento realzado consderou a data do evento da recompra como a data da aprovação em assembléa. O estudo de evento consste na dentfcação de um ganho, exclusvamente, em função da decsão de recompra. A metodologa usualmente utlzada para medr mpactos nos preços de decsões corporatvas é a dentfcação de retornos anormas como sendo a dferença do retorno realzado e do retorno esperado. Os retornos realzados do preço da ação objeto da recompra fo meddo por dez das que antecederam a data da aprovação da recompra para captar qualquer movmentação de preços em função da expectatva da aprovação do programa de recompra de ações até 21 das após a data da recompra. 5

6 Para cada retorno realzado fo estmado o retorno esperado dado o rsco da empresa aplcando a equação: RE t = R + β ft ( R R ) mt ft Sendo que, RE t = retorno esperado da empresa no período t; Rf t = taxa lvre de rsco do período t; B = medda de rsco da empresa com relação ao mercado; Rm t : retorno do mercado no período t. O parâmetro β fo meddo no período de ses meses da data da recompra aplcando a metodologa de regressão por mínmos quadrados ordnáros dos retornos dáros da ação com relação aos retornos dáros do mercado. O retorno anormal é meddo pela dferença do retorno realzado e o retorno esperado: RA t = R R β t ft ( R R ) mt ft O retorno acumulado de cada período é obtdo pelo RA da data do evento até a data de nteresse. A tabela a segur apresenta as médas e sgnfcânca estatístca do teste de médas uncaudal: Tabela 2: Méda do AR e CAR AR CAR D-10-0,80% D-5-0,50% -4,42% * D-4-2,99% *** -3,95% * D-3-0,75% -1,11% D-2 1,24% -0,40% D-1-0,70% 0,78% D+1 2,67% *** 4,01% *** D+2 1,40% 5,27% *** D+3-1,36% ** 4,12% *** D+4 0,30% 4,38% ** D+5-2,73% ** 1,79% D+10 1,43% * 6,55% *** ***Sgnfcânca estatístca a 1% **Sgnfcânca estatístca a 5% *Sgnfcânca estatístca a 10% O retorno anormal, RA, é postvo nos das D+1 (2,6%) e D+2 (1,4%), entretanto, somente de D+1 apresenta sgnfcânca estatístca. O CAR é postvo e sgnfcante estatstcamente para as janelas [0,1]; [0,2]; [0,3]; [0,4]. Por outro lado, os retornos anormas acumulados médos anterores ao evento são negatvos, ndcando que não há recebmento de nformação da recompra anteror à data do evento. Os resultados são favoráves à hpótese de snalzação. 6

7 4.3. Determnação do Resultado Dscrconáro (DA) A segunda etapa consste em determnar o lucro dscrconáro, DA, das empresas que mplem entaram programas de recompra de ações. A metodologa utlzada é a de Jones (1991) que defne o resultado dscrconáro como sendo o resíduo da regressão do resultado total dvulgado pela empresa, de acordo com a segunte regressão: ΔVENDAS TA IMOBDIF, t = β 0 + β1 + Onde, 1, t ATIVO + β 2 t t ATIVO + β 3 t ATIVO ε,, 1, 1, t 1 TA,t =resultado total da empresa no 2º trmestre de 2008; ATIVO,t-1 =atvo total da empresa do 1º trmestre de 2008; ΔVENDAS,t =vendas do 2º trmestre menos vendas do 1º trmestre; IMOBDIF,t =atvo moblzado mas atvo dferdo do 2º trmestre. A regressão fo aplcada para a amostra de 180 empresas de captal aberto com dsponbldade de nformações dos demonstratvos fnanceros de Junho/2008 e Março/2008, cuja estatístca descrtva está apresentada na tabela 3 abaxo. Esse período fo escolhdo porque as empresas que possuem ntenção de mplementar os programas de recompra, em função da queda dos preços de suas ações a partr de junho de 2008, devem decdr por gerencar os resultados do 2º trmestre de Os gestores devem tomar a decsão de recompra, para posteror aprovação em assembléa, ao ver os preços em queda, no mesmo período do fechamento das demonstrações fnanceras do 2º trmestre de Tabela 3: Estatístca Descrtva do Amostra para Estmação dos Resultados Dscrconáros Jun 2008 (R$ Ml) Méda Desvo Padrão Percentl 10o Percentl 90o Atvo Total Imoblzado Dferdo Deprec./Amort Receta Líquda Passvo Crculante Exgível a Longo Prazo Valor de Mercado Patrmôno Líqudo O lucro dscrconáro obtdo das empresas que recompraram ações refere-se ao resíduo da regressão descrta acma e está apresentado na tabela a segur. O DA médo das empresa que recompraram ações é negatvo e a correlação com o CAR é negatva snalzando que as empresas que recompraram ações não mplementaram métodos contábes com o objetvo de apresentar resultados mas favoráves do aqueles que seram obtdos com métodos de contablzação alternatvos. 7

8 Tabela 4: CAR, DA e Alavancagem Fnancera Empresa DA Alavancagem Fnancera All Amer Lat -0,1646-0,1034-0,1115 0,011 62,31% Bematech 0,0556 0,0578 0,062 0, ,25% Aml 0,0929 0,1308 0,1119-0, ,83% BR Brokers 0,2573 0,2728 0,2271-0,091 6,90% BR Malls Par 0,1158 0,0993 0,0993-0, ,49% Cremer -0,0204-0,0109-0,0018-0, ,56% Cyre Com-Ccp 0,1247 0,117 0,1269 0, ,79% Energas BR 0,0863 0,112 0,0738 0,001 95,42% Inds Rom 0,0287 0,0523-0,0092-0, ,83% JHSF Part 0,0706 0,0794 0,0239 0, ,65% M. Dasbranco 0,0139-0,0339-0,0908 0, ,94% Profarma -0,0311-0,0764-0,0767 0, ,93% Tegma 0,0889 0,0889 0,0889 0, ,20% Abnote 0,0184 0,0184 0,0184 0, ,35% Fosfertl -0,014-0,036-0,0367-0,0844 9,73% Klabn S/A 0,0374 0,0788 0,0464 0, ,37% Mangels Indl -0,1024 0,1124 0,1433-0, ,77% Sao Martnho 0,0387 0,0191 0,0229 0, ,32% Trsul 0,0653 0,022 0,0649 0, ,80% Méda 4,01% 5,27% 4,12% -1,17% 45,81% Desvo Padrão 8,95% 8,64% 8,54% 7,72% 36,58% 10o Percentl -4,53% -4,41% -7,95% -8,57% 10,11% 90o Percentl 11,76% 11,98% 13,02% 4,20% 76,18% Correlação com DA -0,29-0,31-0,31 0,04 Apesar da correlação negatva entre DA e CAR[0,1]; CAR[0,2] e CAR[0,3] contrára ao esperado para dentfcar se houve ntenção ou não dos gestores de snalzar subprecfcação, realzou-se regressão por mínmos quadrados ordnáros dos retornos acumulados anormas da amostra de 19 empresas. A equação da regressão é dada por: CAR β DA Alav + ε = 0 + β1 + β 2 Onde, CAR = retorno anormal acumulado da empresa ; DA =resultado dscrconáro da empresa ; Alav =alavancagem fnancera medda pela soma do passvo crculante e exgível a longo prazo de junho de 2008, demonstrações fnanceras do período medatamente anteror ao da decsão de recompra. A equação da regressão nclu a varável alavancagem fnancera porque conforme agumentam Lous e Whte (2007) as pesqusas sobre recompra de ações sugerem que as 8

9 empresas de baxa alavancagem fnancera mplemetam programas de recompra de ações para aumentar a alavancagem fnancera à estrutura ótma de captal. Por outro lado empresas que apresentam alta alavancagem fnancera tendem a nflar os resultados para evtar aumento da alavancagem e ultrapasssar lmtações de endvdamento mpostas pelos credores. Dessa forma, empresas que apresentam baxo endvdamento apresentam menos ncentvo para apresentar DAs postvos, enquanto que as empresas que apresentam alto endvdamento apresentam maor ncentvo para apresentar DAs negatvos. Tabela 5: Resultado Regressão Alavancagem DA Fnancera CAR [0,1] -0,31-0,11 p-value 0,22 0,05 R 2 0,286 A varável dependente fo medda por CAR [0,1]; CAR[0,2] e CAR[0,3] e foram reportados os resultados da varável CAR[0,1] em função dos demas resultados obtdos não apresentarem sgnfcânca estatístca. O resultado da regressão ndca snal negatvo contráro ao esperado do coefcente da varável DA, entretanto sem sgnfcânca estatístca. O DA fo meddo por Jones (1991) e, conforme relatado por Kothar, Leone e Wasley (2005), quando o objetvo é testar a hpótese de DA postvo, essa medda resulta em maor probabldade de rejeção da hpótese nula quando ela é verdadera. Como o resultado obtdo neste trabalho é DA médo negatvo das empresas que recompraram ações, não rejetou-se a hpótese nula, então optou-se por não mplementar a medda de performance combnada. O coefcente da varável alavancagem apresentou snal negatvo e estatstcamente sgnfcante ao grau de confança de 5%. Esse resultado pode ser nterpretado como sendo uma resposta mas postva do mercado para empresas com baxo endvdamento que recompram ações, o que acarreta o aumento da alavancagem fnancera em comparação com empresas que já possuem alta alavancagem fnancera, que com a mplementação do programa de recompra terão aumento da alavancagem fnancera. Esse resultado é contráro à hpótese do benefíco fscal da recompra de ações de que há economa fscal em função do aumento de alavancagem e favorável à hpótese de que a decsão de contratação de dívda para a recompra de ações aumenta a alavancagem fnancera o que pode elevar o custo de endvdamento em função do aumento do rsco de nadmplênca, e, conseqüentemente, aumento do custo de captal. 5. Consderações fnas O objetvo deste artgo fo avalar se o anúnco de programas de recompra de ações exerceu algum tpo de blndagem às empresas que o fzeram em período de turbulênca fnancera e se os gestores tnham ntenção de snalzar que as ações estavam subavaladas. A mportânca desse estudo se dá pela peculardade do período analsado, caracterzado por um ambente de ncerteza e alta volatldade dos preços e pela nvestgação da presença da ntenção de recompra pelos gestores. 9

10 A metodologa da pesqusa consstu em 3 etapas: () cálculo dos ARs e CARs das empresas que mplementaram programas de recompra e obteve-se retornos anormas postvos; () calculou-se o lucro dscrconáro das empresas que recompraram ações, obteve-se lucros dscrconáros negatvos e () analsou-se a relação entre CAR e DA (lucro dscrconáro) das empresas, calculado por Jones (1991), que recompraram ações não encontrando sgnfcânca estatístca. As evdêncas obtdas confrmam retornos anormas a partr da data de aprovação do programa de recompra de ações em um período de forte queda do mercado de captas e não se detectou a confrmação sobre a ntenção da mplementação da recompra de ações para snalzar ao mercado subprecfcação por parte dos gestores. No estudo da relação entre CAR e DA, controlando pela alavancagem fnancera, obteve-se coefcente com snal negatvo e estatstcamente sgnfcante da varável alavancagem fnancera. Este resultado pode ser uma ndcação de que o mercado responde mas postvamente à decsão de recompra das empresas com menor alavancagem fnancera. Por fm, os resultados ndcam que a decsão de recompra durante o período de queda dos mercados fnanceros de exerceu blndagem às empresas em função da presença de retornos anormas acumulados. Não se dentfcou a presença da ntenção de snalzação pelos gestores. Os retornos anormas são maores para as empresas com menor alavancagem fnancera, contrára à hpótese do benefíco fscal e à favor da hpótese de que o aumento da alavancagem fnancera traz como conseqüênca um potencal aumento de custo de captal. 10

11 Referêncas Bblográfcas DANN, L. Commons stock repurchases: an analyss of returns to bondholders and stockholders. Journal of Fnancal Economcs No DECOURT, Roberto Frota; PROCIANOY, Jaro Laser. O processo decsóro da dstrbução de lucros das empresas lstadas na Bovespa. Encontro Braslero de Fnanças, 2009, São Leopoldo. Nono Encontro Braslero de Fnanças, GABRIELLI, M. Recompra de Ações e Retornos Anormas Uma Análse Empírca de 1994 a 2002 Dssertação de Mestrado para FGV/EAESP 2003 GORDON, André. Recompra de Ações: Uma abordagem Empírca. Dssertação de Mestrado em Economa da Escola de Pós-Graduação em Economa Fundação Getúlo Vargas, JONES, J. Earnngs Management durng mport refef nvestgatons. Journal of Accountng Research N KOTHARI, S.P.; LEONE, A.J. E WASLEY C.R. Performance Matched Dscrtonary Accrual Measures Journal of Accountng and Economcs 2005 n. 39 LAKONISHOK, J. & VERMAELEN, T. Anomalous prce behavor around repurchase tender offers. The Journal of Fnance, v. 45, n.2, junho, LOUIS, H. e WHITE, H. Do Managers ntentonally use repurchase tender offers to sgnal prvate nformaton? Evdence from frm fnancal reportng behavor Journal of Fnancal Economcs N MASULIS, R.W. Stock repurchase by tender offer: an analyss of the causes of common stock prces changes. The Journal of Fnance V. 35 No MOREIRA, Luís Fernando. A Recompra de Ações na Bovespa Dssertação (Mestrado em Admnstração) Escola de Admnstração. Porto Alegre: Unversdade Federal do Ro Grande do Sul, PAULO, E.et al. A Influênca da cobertura das Empresas de Ratng sobre o Gerencamento de Resultados das Companhas Abertas Brasleras. Congresso USP de Controladora e Contabldade, 8, 2008 PEYER, U. E VERMAELEN, T. The nature and persstence of buyback anomales. Journal of Corporate Fnance No VERMAELEN, T. Common Stock repurchases and market sgnalng: an emprcal study. Journal of Fnancal Economcs, v. 9, p ,

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Assimetria de informação e os preços das emissões públicas de ações

Assimetria de informação e os preços das emissões públicas de ações XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasl, 9 a de Outubro de 006 Assmetra de nformação e os preços das emssões públcas de ações Hudson Fernandes Amaral CAD/CEPEAD/UFMG) hamaral@face.ufmg.br Robert Aldo Iquapaza

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM FINANÇAS E ECONOMIA EMPRESARIAL FELIPE ABAD HENRIQUES

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM FINANÇAS E ECONOMIA EMPRESARIAL FELIPE ABAD HENRIQUES FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM FINANÇAS E ECONOMIA EMPRESARIAL FELIPE ABAD HENRIQUES ESTUDO DO COMPORTAMENTO DO RETORNO DAS AÇÕES AO REDOR DA DATA EX-DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Assimetria de Informações e Pagamento de Proventos em Dinheiro na Bovespa.

Assimetria de Informações e Pagamento de Proventos em Dinheiro na Bovespa. Assmetra de Informações e Pagamento de Proventos em Dnhero na Bovespa. Autora: Robert Aldo Iquapaza, Wagner Moura Lamouner, Hudson Fernandes Amaral Resumo: Nesta pesqusa avala-se o efeto da assmetra de

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA E DESEMPENHO: UM ESTUDO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS NÃO LISTADAS NA BOVESPA

GOVERNANÇA CORPORATIVA E DESEMPENHO: UM ESTUDO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS NÃO LISTADAS NA BOVESPA GOVERNANÇA CORPORATIVA E DESEMPENHO: UM ESTUDO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS NÃO LISTADAS NA BOVESPA MOISÉS ARAÚJO ALMEIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO JOSÉTE FLORENCIO DOS SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Palavras-chave: Governança corporativa. Desempenho. Empresas de capital aberto.

Palavras-chave: Governança corporativa. Desempenho. Empresas de capital aberto. AS EMPRESAS QUE ADOTAM AS MELHORES PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA POSSUEM MELHOR DESEMPENHO? UM ESTUDO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO NÃO LISTADAS EM BOLSA Mosés Araújo Almeda Doutorando

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A Engenhara de Produção e o Desenvolvmento Sustentável: Integrando Tecnologa e Gestão. Salvador, BA, Brasl, 06 a 09 de outubro de 009 O RISCO IDIOSSINCRÁTICO

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Determinantes da Gestão de Risco em Empresas de Capital Aberto no Brasil. Autoria: Rafael Felipe Schiozer, Richard Saito

Determinantes da Gestão de Risco em Empresas de Capital Aberto no Brasil. Autoria: Rafael Felipe Schiozer, Richard Saito Determnantes da Gestão de Rsco em Empresas de Captal Aberto no Brasl Autora: Rafael Felpe Schozer, Rchard Sato Resumo: Esse artgo traz evdêncas empírcas sobre os fatores determnantes para a decsão de gerencar

Leia mais

FLÁVIA Z. DALMÁCIO - flavia@fucape.br Doutoranda em Contabilidade pela Usp e Professora. da FUCAPE

FLÁVIA Z. DALMÁCIO - flavia@fucape.br Doutoranda em Contabilidade pela Usp e Professora. da FUCAPE 1 UM ESTUDO DO IMPACTO DA GOVERNANÇA CORPORATIVA NA RENTABILIDADE E PERFORMANCE DO ÍNDICE BRASIL (IBrX) CARLOS BOLÍVAR DE ASSUMPÇÃO JÚNIOR - bolvar.vx@terra.com.br Mestrado Profssonal em Cêncas Contábes

Leia mais

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências Governança Corporatva e Estrutura de Propredade no Brasl: Causas e Conseqüêncas Anaméla Borges Tannús Dam (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Pablo Rogers (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Kárem

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Revista de Administração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Administração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revsta de Admnstração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Unversdade de São Paulo Brasl Pozz Lucches, Eduardo; Famá, Rubens O mpacto das decsões de nvestmento das empresas no valor de mercado das

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasl, 9 a 11 de Outubro de 006 Análse multvarada do rsco sstemátco dos prncpas mercados de ações da Amérca Latna: um enfoque Bayesano André Asss de Salles (UFRJ) asalles@nd.ufrj.br

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Bruno Flora Sales. Dissertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ

Bruno Flora Sales. Dissertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ Bruno Flora Sales Dssertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA DE RATING BASEADO NO MODELO ORDERED PROBIT Bruno Flora Sales Dssertação apresentada à Banca Examnadora da Escola

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

ANÁLISE DA ALAVANCAGEM DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM USANDO LOGIT MULTINOMIAL 1

ANÁLISE DA ALAVANCAGEM DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM USANDO LOGIT MULTINOMIAL 1 Valéra Gama Fully Bressan, Aurelano Angel Bressan, ISSN 1679-1614 João Eustáquo de Lma & Marcelo José Braga ANÁLISE DA ALAVANCAGEM DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

INVESTIMENTO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO: UM ESTUDO QUANTITATIVO DAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PÓS- PLANO REAL

INVESTIMENTO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO: UM ESTUDO QUANTITATIVO DAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PÓS- PLANO REAL INVESTIMENTO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO: UM ESTUDO QUANTITATIVO DAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PÓS- ANO REAL Igor Vasconcelos Noguera Mestre Dscente CEPEAD/UFMG Rua Dona Lbâna, 15. Ap.

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Ativos Intangíveis e Criação de Valor: o Papel das Marcas e Patentes. Autoria: Eduardo Kazuo Kayo, Chang Chuan Teh, Herbert Kimura

Ativos Intangíveis e Criação de Valor: o Papel das Marcas e Patentes. Autoria: Eduardo Kazuo Kayo, Chang Chuan Teh, Herbert Kimura 1 Atvos Intangíves e Cração de Valor: o Papel das Marcas e Patentes Autora: Eduardo Kazuo Kayo, Chang Chuan Teh, Herbert Kmura Resumo Os atvos ntangíves, como bem destaca a Vsão Baseada em Recursos, são

Leia mais

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE Vctor Hugo de Olvera José Ramundo Carvalho Resumo O objetvo do presente estudo é o de analsar

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL E DETERMINANTES DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS SUSTENTÃ VEIS DA BM&FBOVESPA

ESTRUTURA DE CAPITAL E DETERMINANTES DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS SUSTENTÃ VEIS DA BM&FBOVESPA ISSN 1984-9354 ESTRUTURA DE CAPITAL E DETERMINANTES DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS SUSTENTÃ VEIS DA BM&FBOVESPA Davd Ferrera Lopes Santos (Unversdade Estadual Paulsta) Santago Valcacer Rodrgues

Leia mais

O ANÚNCIO DA DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS E SEU EFEITO SOBRE OS PREÇOS DAS AÇÕES: UM ESTUDO EMPÍRICO NO BRASIL.

O ANÚNCIO DA DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS E SEU EFEITO SOBRE OS PREÇOS DAS AÇÕES: UM ESTUDO EMPÍRICO NO BRASIL. O ANÚNCIO DA DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS E SEU EFEITO SOBRE OS PREÇOS DAS AÇÕES: UM ESTUDO EMPÍRICO NO BRASIL. Adlson Frmno, Alex Gama, Adrano Leal Brun e Rubens Famá BRUNI, A. L., FIRMINO, Adlson, GAMA,

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Capítulo 1. Exercício 5. Capítulo 2 Exercício

Capítulo 1. Exercício 5. Capítulo 2 Exercício UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECONOMETRIA (04-II) PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS Exercícos do Gujarat Exercíco 5 Capítulo Capítulo Exercíco 3 4 5 7 0 5 Capítulo 3 As duas prmeras demonstrações

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Slva, Dany Rogers; Sousa Rbero, Karem Crstna de; Hua Sheng, Hsa Mensuração da rentabldade do crédto comercal:

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL RESUMO Francel Tonet Macel 1 Ana Mara Hermeto Camlo de Olvera 2 O objetvo deste trabalho fo verfcar possíves fatores determnantes da decsão

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

O Relacionamento entre a Governança das Empresas e a Qualidade das suas Informações Financeiras

O Relacionamento entre a Governança das Empresas e a Qualidade das suas Informações Financeiras RESUMO O Relaconamento entre a Governança das Empresas e a Qualdade das suas Informações Fnanceras Autora: Lase Ferraz Correa, Pascal Louvet O objetvo deste artgo fo dentfcar os mecansmos de governança

Leia mais

O EFEITO MODERADOR DO DINAMISMO AMBIENTAL SOBRE A RELAÇÃO ENTRE ESTRUTURA DE CAPITAL E PERFORMANCE

O EFEITO MODERADOR DO DINAMISMO AMBIENTAL SOBRE A RELAÇÃO ENTRE ESTRUTURA DE CAPITAL E PERFORMANCE O EFEITO MODERADOR DO DINAMISMO AMBIENTAL SOBRE A RELAÇÃO ENTRE ESTRUTURA DE CAPITAL E PERFORMANCE Antono Das Perera Flho Departamento de Cêncas Admnstratvas Unversdade Federal de Mnas Geras Resumo O objetvo

Leia mais

Sistemas de Seguro Depósito: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantidor de Créditos *

Sistemas de Seguro Depósito: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantidor de Créditos * Sstemas de Seguro Depósto: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantdor de Crédtos * Ana Carla Abrão Costa Resumo Sstemas explíctos de seguro depósto vêm sendo adotados por países de todo o mundo,

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial Modelo de Mensuração da Rentabldade do Crédto Comercal Autora: Dany Rogers, Pablo Rogers, Karem Crstna de Sousa Rbero Resumo A avalação para concessão de crédto, prncpalmente em empresas comercas, é tradconalmente

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO E EFEITOS DA INCERTEZA NA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS

ANÁLISE DE RISCO E EFEITOS DA INCERTEZA NA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS ANÁLISE DE RISCO E EFEITOS DA INCERTEZA NA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Dogo Raael de Arruda RESUMO Constam, neste trabalho, concetos relaconados aos rscos e as ncertezas exstentes nas carteras de nvestmento

Leia mais

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ M. G. F. Costa, C. F. F. Costa Flho, M. C. Das, A. C. S.Fretas. Unversdade do Amazonas Laboratóro de Processamento Dgtal de Imagens Av. Gal.

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Palavras-chave: Índice de Sustentabilidade Empresarial, Q-Tobin e Valor de Mercado.

Palavras-chave: Índice de Sustentabilidade Empresarial, Q-Tobin e Valor de Mercado. ÁREA TEMÀTICA: Gestão Socoambental TÍTULO DO TRABALHO: Sustentabldade Empresaral versus Valor de Mercado: Uma Analse Empírca no Mercado de Captas Braslero AUTORES RONALD MARCELINO ABASTO MONTEIRO Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO Revsta Economa e Desenvolvmento, n. 21, 2009 DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO Elane Pnhero de Sousa 1 João Eustáquo de Lma 2 RESUMO As mudanças

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA, ESTRATÉGIA E DESEMPENHO DA GESTÃO DE SUPRIMENTOS: UMA ANÁLISE EMPÍRICA COM INDÚSTRIAS LISTADAS NA BOVESPA

GOVERNANÇA CORPORATIVA, ESTRATÉGIA E DESEMPENHO DA GESTÃO DE SUPRIMENTOS: UMA ANÁLISE EMPÍRICA COM INDÚSTRIAS LISTADAS NA BOVESPA GOVERNANÇA CORPORATIVA, ESTRATÉGIA E DESEMPENHO DA GESTÃO DE SUPRIMENTOS: UMA ANÁLISE EMPÍRICA COM INDÚSTRIAS LISTADAS NA BOVESPA Wesley Mendes-da-Slva 1 I. RESUMO Cada vez mas, o entorno concorrente tem

Leia mais

Danilo Luís Damasceno DETERMINAÇÃO DE RATING DE CRÉDITO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE INDICADORES CONTÁBEIS

Danilo Luís Damasceno DETERMINAÇÃO DE RATING DE CRÉDITO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE INDICADORES CONTÁBEIS FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profssonal em Economa Danlo Luís Damasceno DETERMINAÇÃO DE RATING DE CRÉDITO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE INDICADORES CONTÁBEIS São Paulo 2007 Danlo

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA waslva89@hotmal.com Fernando

Leia mais

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 Danlo Coelho Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada João Alberto De Negr (IPEA) Insttuto

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO.

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. ELMO TAMBOSI FILHO TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

A Relevância de Prêmios por Risco Soberano e Risco Cambial no Uso do CAPM para a

A Relevância de Prêmios por Risco Soberano e Risco Cambial no Uso do CAPM para a A Relevânca de Prêmos por Rsco Soberano e Rsco Cambal no Uso do CAPM para a Estmação do Custo de Captal das Empresas Antono Zoratto Sanvcente Ibmec São Paulo Julho de 2008 INTRODUÇÃO Em sua versão ncal,

Leia mais

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil RAE-eletrônca ISSN: 676-5648 rae@fgv.br Escola de Admnstração de Empresas de São Paulo Brasl Gumarães, Ináco Andrusk; Chaves Neto, Anselmo RECONHECIMENTO DE PADRÕES: METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS EM CRÉDITO

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos INFORMAÇÕES ASSIMÉTRICAS NO MERCADO DE CRÉDITO: UMA ABORDAGEM SOBRE O COMPORTAMENTO DOS BANCOS BRUNO FERREIRA FRASCAROLI Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Economa Unversdade Federal da Paraíba

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

), demonstrado no capítulo 3, para

), demonstrado no capítulo 3, para 6 Conclusão Neste trabalho foram realzados cnco estudos de casos como meo de nvestgar a nfluênca de trbutos no processo decsóro de localzação. Buscou-se realzar as entrevstas em dferentes negócos para

Leia mais

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários Programa de reforma agrára Cédula da Terra: medndo a efcênca dos benefcáros RESUMO Hldo Merelles de Souza Flho Mguel Rocha de Sousa Antôno Márco Buanan José Mara Slvera Marcelo Marques Magalhães Esse artgo

Leia mais

2 ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS

2 ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS Glberto Câmara Marla Sá Carvalho.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo serão estudados os fenômenos expressos através de ocorrêncas dentfcadas como pontos localzados no espaço, denomnados

Leia mais

Análise de Regressão Linear Múltipla VII

Análise de Regressão Linear Múltipla VII Análse de Regressão Lnear Múltpla VII Aula 1 Hej et al., 4 Seções 3. e 3.4 Hpótese Lnear Geral Seja y = + 1 x 1 + x +... + k x k +, = 1,,..., n. um modelo de regressão lnear múltpla, que pode ser escrto

Leia mais

CAPM TEÓRICO VERSUS CAPM EMPÍRICO: SUGESTÃO PARA ESTIMATIVA DO BETA NAS DECISÕES FINANCEIRAS

CAPM TEÓRICO VERSUS CAPM EMPÍRICO: SUGESTÃO PARA ESTIMATIVA DO BETA NAS DECISÕES FINANCEIRAS CAP TEÓRICO VERSUS CAP EPÍRICO: SUGESTÃO PARA ESTIATIVA DO BETA NAS DECISÕES INANCEIRAS Pablo Rogers UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO / UNIVERSIDADE EDERAL DE VIÇOSA Resumo José Roberto Securato UNIVERSIDADE

Leia mais

Estatística I Licenciatura MAEG 2006/07

Estatística I Licenciatura MAEG 2006/07 Estatístca I Lcencatura MAEG 006/07 AMOSTRAGEM. DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM.. Em determnada unversdade verfca-se que 30% dos alunos têm carro. Seleccona-se uma amostra casual smples de 0 alunos. a) Qual

Leia mais