Danilo Luís Damasceno DETERMINAÇÃO DE RATING DE CRÉDITO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE INDICADORES CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Danilo Luís Damasceno DETERMINAÇÃO DE RATING DE CRÉDITO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE INDICADORES CONTÁBEIS"

Transcrição

1 FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profssonal em Economa Danlo Luís Damasceno DETERMINAÇÃO DE RATING DE CRÉDITO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE INDICADORES CONTÁBEIS São Paulo 2007

2 Danlo Luís Damasceno Determnação de ratngs de crédto para empresas brasleras através de ndcadores contábes Dssertação apresentada ao Programa de Mestrado Profssonal em Economa da Faculdade Ibmec São Paulo, como parte dos requstos para a obtenção do título de Mestre em Economa. Área de Concentração: Fnanças e Macroeconoma Aplcadas Orentador: Prof. Dr. Rnaldo Artes Ibmec SP São Paulo 2007

3 Damasceno, Danlo Luís Determnação de ratngs de crédto para empresas brasleras através de ndcadores contábes / Danlo Luís Damasceno. São Paulo: Ibmec São Paulo, f. Dssertação (Mestrado Programa de Mestrado Profssonal em Economa. Área de concentração: Fnanças e Macroeconoma Aplcadas) Faculdade Ibmec São Paulo. 1. Ratngs de Crédto 2. Modelo Probto Ordenado 3. Dados em Panel 4. Rsco de Crédto

4 Folha de Aprovação Danlo Luís Damasceno Determnação de ratngs de crédto para empresas brasleras através de ndcadores contábes Dssertação apresentada ao Programa de Mestrado Profssonal em Economa da Faculdade Ibmec São Paulo, requsto parcal para a obtenção do título de Mestre em Economa. Área de concentração: Fnanças e Macroeconoma Aplcadas Aprovado em: Junho/2007 Banca Examnadora: Prof. Dr. Rnaldo Artes Insttução: Ibmec São Paulo Orentador Assnatura: Profª. Dra. Andrea Mnard Insttução: Ibmec São Paulo Assnatura: Profª. Dra. Lúca Barroso Insttução: USP São Paulo Assnatura:

5 À mnha Famíla

6 Agradecmentos Prmeramente, agradeço ao Prof. Dr. Rnaldo Artes pelos ensnamentos e pela enorme dedcação na elaboração desta dssertação. Agradeço também à Prof. Dra. Andrea Mnard pelas mportantes sugestões para o aprmoramento deste trabalho e por gentlmente ter acetado partcpar da banca de defesa. Gostara de agradecer a números colegas da segunda turma do mestrado, que no decorrer deste trabalho contrbuíram com sugestões, em especal André, Renata, Felpe, Danel e Fernanda. Agradeço também ao amgo Clayton Neves Xaver, com quem sempre pude contar para as mas varadas dscussões. Agradeço aos meus pas por ncentvarem e prorzarem a educação em nossa famíla e por terem contrbuído de forma decsva na mnha vda. Não podera dexar de agradecer a mnha esposa, Thaís, por toda a sua pacênca e apoo nestes últmos dos anos e meo de estudo. Fnalmente, gostara de agradecer aos Srs. Roberto Sobral Hollander e José Carlos Luz por possbltarem a contnudade de meus estudos e aos dversos colegas de trabalho que ao longo de város anos contrbuíram com o meu desenvolvmento profssonal e pessoal.

7 Resumo Damasceno, Danlo Luís. Determnação de ratngs de crédto para empresas brasleras através de ndcadores contábes. São Paulo, f. Dssertação (Mestrado) Faculdade Ibmec São Paulo. Um dos benefícos obtdos com a establdade econômca braslera fo o crescmento das operações de crédto. Conseqüentemente, os nvestdores e os agentes fnanceros passaram a demandar de forma mas ntensa as avalações e opnões sobre a qualdade de crédto das empresas. Mesmo assm, o número de empresas avaladas pelas agêncas de ratng anda é pequeno. Assm, este trabalho tem dos dferentes, mas complementares, objetvos: o prmero deles é averguar se as agêncas de avalação de crédto estão sendo mas severas nas análses de empresas brasleras ao longo do tempo, conforme sugerdo em alguns estudos efetuados para o mercado norte-amercano. O segundo objetvo está relaconado ao desenvolvmento de uma metodologa de ratng baseada no modelo probto ordnal em panel, que, através da utlzação de varáves contábes e ndcadoras, seja capaz de prever o nível de ratng para aquelas companhas que não possuem nenhuma avalação de crédto. Os resultados não apontaram nenhuma evdênca de que as agêncas de ratngs estão sendo mas rgorosas em suas análses ao longo do tempo para as companhas brasleras. Isto permtu a utlzação da amostra no período de dezembro de 2000 a dezembro de 2005 para a prevsão de ratngs. As varáves lucro líqudo sobre o total de atvos (ROA), dívda total sobre total de atvos (TDA) e a varável ndcadora de presença no Índce Bovespa (DIBOV) foram as que, conjuntamente, melhor explcaram os ratngs no modelo proposto. Palavras-chave: Ratngs de Crédto, Modelo Probt Ordenado, Dados em Panel, Rsco de Crédto.

8 Abstract Damasceno, Danlo Luís. Determnaton of credt ratngs to Brazlan Companes usng accountng ratos. São Paulo, f. Dssertaton (Mastershp)) Faculdade Ibmec São Paulo. One of the Brazlan economc stablty benefts was the credt operaton growth. Consequently, both nvestors and fnancal brokers have demanded a more effectve as well as frequent evaluaton consderng opnons about corporate credt qualty. Nevertheless, few corporatons are rated by ratng agences. Ths work shows two dfferent, but complementary, objectves: the frst, s checkng satsfactorly whether the ratng agences are dong a tght job towards Brazlan Corporatons on a tme bass; as t has been suggested n some studes carred out n the Amercan Fnancal Market. The second, s related to the development of a ratng methodology based on probt ordered n panel, whch, through accountng ratos employed and dummy varables, s able to foresee a level of ratng to any corporaton whose evaluaton has not been carred out. The results presented here have not show any clue that ratng agences have been more strct n ther analyss through tme what concerns Brazlan Corporatons. Thus, allowng the use of data samples between Dec 2000 and Dec 2005 to forecast ratngs. Return on assets (ROA), total debts on total assets and a dummy varable of presence n Bovespa Index (DIBOV) varables were the ones whch better explan the ratng on ths proposed model.. Keywords: Credt Ratngs, Probt Ordered Model, Data n Panel, Credt Rsk.

9 Sumáro Lsta de tabelas...9 Lsta de gráfcos e fguras Introdução Objetvos Agêncas de Ratng Revsão da Lteratura Evdêncas Internaconas Evdêncas no Brasl Metodologa O Modelo Probto O Modelo Probto Ordnal O Modelo Probto Ordnal em Panel Descrção dos Dados Classfcação da Qualdade de Crédto das Empresas Brasleras Especfcação dos Dados e das Varáves Adotadas Varável Dependente Análses dos Resultados Análse Exploratóra Verfcação de maor severdade por parte das Agêncas de ratng Resultados das prevsões de ratngs através de varáves contábes Conclusão Referêncas bblográfcas...42 Apêndce Apêndce Apêndce Apêndce

10 Lsta de tabelas Tabela 1 Indcadores contábes sugerdos pela S&P...16 Tabela 2 Descrção dos ratngs atrbuídos pela S&P...24 Tabela 3 Varáves explcatvas adotadas no estudo...25 Tabela 4 Determnação da varável categorzada...28 Tabela 5 Regressões utlzando apenas uma varável e o ntercepto...30 Tabela 6 Regressões com todas as varáves explcatvas...33 Tabela 7 Interceptos ajustados com todas as varáves explcatvas...33 Tabela 8 Regressões com as varáves explcatvas adotadas por Blume et al...34 Tabela 9 Interceptos ajustados com as varáves adotadas por Blume et al...35 Tabela 10 Modelo com todas as varáves para a determnação de ratngs...37 Tabela 11 Resultado do modelo de determnação de ratngs (todas as varáves)...37 Tabela 12 Modelo reduzdo para determnação de ratngs...39 Tabela 13 Resultado do modelo reduzdo de determnação de ratngs...39 Tabela A.1.1 Empresas seleconadas para a elaboração do estudo...44 Tabela A.2.1 Companhas com ratng de crédto da S&P...45 Tabela A.3.1 Hstórco de ratngs (Escala Naconal Brasl)...46 Tabela A.4.1 Varáves adotadas para a elaboração do modelo...47 Lsta de gráfcos e fguras Gráfco 1 Análse dos nterceptos das regressões (todas as varáves explcatvas)...34 Gráfco 2 Análse dos nterceptos das regressões (varáves sugerdas por Blume et al)...35

11 10 1 Introdução 1.1 Objetvos Em meados dos anos 90, com o controle do processo nflaconáro e consequentemente com a establdade econômca, as empresas brasleras passaram a vvencar um ambente mas propíco para o desenvolvmento de novas formas de captação de recursos. Com este advento os nvestdores e os agentes fnanceros passaram a demandar de forma mas ntensa as avalações e opnões sobre a qualdade de crédto destas empresas. Mundalmente agêncas como a Standard & Poor s (S&P) e a Moody s efetuam suas avalações de qualdade de crédto baseando-se nas perspectvas do setor no qual a empresa está nserda, além de questões relaconadas ao aspecto fnancero e econômco, como crescmento da economa local e nternaconal, concorrênca, posção compettva e outros. Assm, um ratng procura sntetzar aspectos qualtatvos e quanttatvos dos emssores ou emssões 1. Nos últmos anos alguns estudos efetuados para empresas amercanas constataram que o número de downgrades 2 tem sdo muto maor do que o de upgrades, entre eles está o trabalho de Blume, Lm e MacKnlay (1998). De acordo com os autores, 8,2% dos títulos prvados tnham avalação AAA em 1978, contra apenas 2,8% em Por outro lado, os títulos BBB passaram de 15,8% para 40,3%, no mesmo período. Para Blume et al (1998), o aumento no número de downgrades estara relaconado a uma maor severdade das agêncas de ratng nas análses de crédto. Este trabalho tem dos dferentes, mas complementares, objetvos: prmeramente verfcar se há evdêncas de que as agêncas de ratng estão efetvamente sendo mas crterosas nas avalações de crédto de empresas brasleras e, na seqüênca, desenvolver um modelo capaz de replcar a classfcação de ratngs da S&P, através do uso de ndcadores 1 Neste trabalho, o termo emssão está relaconado à colocação no mercado de nstrumentos fnanceros, como um título de crédto, por exemplo. As emssões são efetuadas por pessoas jurídcas de dreto públco ou prvado, conhecdas como emssores. 2 Os termos downgrade e upgrade estão relaconados, respectvamente, ao rebaxamento e à elevação da qualdade de crédto de um emssor ou de uma emssão, respectvamente. Decdu-se não traduzr estes termos, uma vez que o seu uso é consagrado pelo mercado.

12 11 contábes e fnanceros, e com sto estmar o nível de ratng das empresas que não são acompanhadas por esta agênca. Ambas as abordagens apresentam um elevado grau de relevânca para os mercados fnanceros. Por exemplo, se for verdade que as agêncas de ratng estão sendo mas severas em suas análses, as mplcações podem ser amplas, prncpalmente no que dz respeto à alocação de captal para fns regulatóros, conforme defndo pelo comtê da Basléa 3. O Novo Acordo da Basléa (Basléa II) está estruturado em três plares: requstos de captal mínmo alocado, supervsão bancára e transparênca e dsponblzação de nformações ao mercado (PrcewaterhouseCoopers, 2006). Cabe destacar que o conceto de captal mínmo está relaconado à cobertura dos dversos tpos de rscos aos quas uma nsttução fnancera está exposta (rsco de mercado, crédto e operaconal). Para a determnação do captal mínmo para cobertura do rsco de crédto estão prevstas três abordagens possíves: Padrão, Básca e Avançada 4. No Brasl, o órgão regulador (Banco Central do Brasl), apesar de não ter se posconado ofcalmente sobre as três abordagens, vem fornecendo ndícos de que não permtrá a abordagem Padrão, até mesmo porque o número de emssores e emssões acompanhados por agêncas de ratng é pequeno. Este fato certamente levará os bancos, prncpalmente os maores, para a abordagem Avançada. Assm, se as agêncas de avalação de rsco de crédto estverem sendo mas rígdas ao longo do tempo, as nsttuções fnanceras, ao adotarem a abordagem Avançada, obterão matrzes de transção de ratngs mas severas, que mplcarão em uma maor alocação de captal para a cobertura do rsco de crédto. 3 O Comtê de Supervsão Bancára da Basléa (Basle Commttee on Bankng Supervson) congrega autordades de supervsão bancára e fo estabelecdo pelos Presdentes dos Bancos Centras dos países do Grupo dos Dez (G-10), em É consttuído por representantes de autordades de supervsão bancára e bancos centras da Bélgca, Canadá, França, Alemanha, Itála, Japão, Luxemburgo, Holanda, Suéca, Suíça, Reno Undo e Estados Undos. Normalmente se reúne no Banco de Compensações Internaconas, na Basléa, Suíça, onde se localza sua Secretara permanente. 4 Na abordagem Padrão o órgão regulador permte a utlzação de ratngs das agêncas externas para alocação de captal. Já na abordagem Básca, é permtda a utlzação de ratngs nternos para a determnação das probabldades de default, entretanto os demas parâmetros para estmação do rsco de crédto, como a taxa de recuperação de crédto, por exemplo, são fornecdas pelo órgão regulador. Por últmo, os bancos têm a opção da abordagem Avançada, onde todos os parâmetros para determnação do rsco de crédto podem ser obtdos através de modelos nternos.

13 12 Com relação a um modelo para a estmatva de ratngs, númeras empresas no Brasl não são avaladas por nenhuma agênca, assm este estudo pode auxlar no apreçamento de títulos destas empresas. Outra utlzação possível está relaconada ao nível de taxa de juro pratcado na concessão de empréstmos bancáros para empresas não avaladas pelas agêncas de ratng. 1.2 Agêncas de Ratng Segundo Bone (2004), as agêncas de ratng ncaram suas atvdades nos EUA, onde os prmeros clentes foram as empresas ferrováras. Posterormente, as análses se estenderam para a ndústra e as companhas de utldade públca, como companhas de energa elétrca, de telefona e água e esgoto. Na década de 20, agêncas como a Moody s e a S&P ncaram a classfcação de dívdas de estados e muncípos amercanos. Não tardou para que as análses se voltassem para países e regões de economas mas maduras, como a européa. Mas recentemente, com a globalzação dos mercados fnanceros, o desenvolvmento de novos produtos e a establdade econômca de regões até então pouco conhecdas pelos nvestdores nternaconas, as agêncas de ratng expandram as suas análses, além de aumentarem a sofstcação dos crtéros e da metodologa empregadas para as análses de crédto. Bone (2004), relata que após as dversas crses fnanceras ocorrdas entre os anos de 1994 e 2002, o olhar crítco dos nvestdores com relação às agêncas de ratng fez com que houvesse uma maor transparênca dos crtéros adotados para elaboração das análses de crédto. Como resultado natural deste processo, têm-se hoje um farto materal dsponblzado por estas agêncas de classfcação. A Moody s, por exemplo, em seu documento Understandng Moody s Corporate Bond Ratngs and Ratng Process (Moody s Investors Servce, 2002), além de dvulgar númeras estatístcas sobre ratngs, probabldades de

14 13 nadmplênca 5, taxa de recuperação de crédto 6 e matrzes de transção de ratngs 7, dscorre sobre a mportânca do dálogo com os partcpantes do mercado. Para a Moody s (Moody s Investors Servce, 1999), ratng é uma opnão sobre a capacdade futura, a responsabldade jurídca e a vontade de um emtente de efetuar, dentro do prazo, pagamentos do prncpal e juros de um título específco de renda fxa. Para as agêncas uma avalação de crédto nunca deve ser nterpretada como uma ndcação de nvestmento, pos não avala outros rscos, como o rsco de mercado e operaconal, por exemplo. No contexto braslero, cabe destacar que, além de ncpente, a avalação de ratngs de companhas brasleras abrange um número relatvamente pequeno de empresas quando comparado aos EUA e à Europa. Para se ter uma déa do quão recente é este tpo de avalação para o mercado braslero, a S&P abru seu escrtóro no Brasl em 1998, ano em que atrbuu o seu prmero ratng em Escala Naconal Brasl. As agêncas mas relevantes e que atuam no Brasl são: Austn Ratng, Ftch Ratng, LFRatng, Moody s, SR Ratng e S&P. Bascamente, uma avalação de crédto pode ser atrbuída a um emssor ou a uma emssão e é sempre baseada em nformações fornecdas pelo emssor ou obtdas por outras fontes de confança. De acordo com a S&P 8, há uma estreta correspondênca entre o ratng de um emssor e o de uma emssão, sendo que a avalação de um emssor não se refere a nenhuma obrgação fnancera específca, nem leva em consderação a natureza e as provsões da obrgação, sua posção relatva no caso de falênca ou lqudação, preferêncas estatutáras, ou a legaldade e a capacdade de execução da obrgação. Além dsso, o ratng não leva em consderação a qualdade de crédto de fadores, seguradoras ou outras formas de redução de rsco. Um ratng pode ser de curto ou de longo prazo, dependendo das emssões consderadas na análse. Uma avalação de curto prazo é aquela que contempla operações de 5 Segundo Joron (2003), as probabldades de nadmplênca normalmente são estmadas através de modelos atuaras, que se baseam nas taxas hstórcas de nadmplênca para a sua prevsão. 6 De acordo com Joron (2003), a taxa de recuperação de crédto representa a fração recuperada, dada a nadmplênca da contraparte. Para Servgny e Renault (2004) a taxa de recuperação de crédto está dretamente relaconada aos colateras e as garantas dsponblzadas pela contraparte, ao setor econômco ao qual o emssor faz parte e aos cclos econômcos. 7 Em uma matrz de transção de ratngs são apontadas as probabldades de um emssor/emssão mgrar do seu ratng atual para qualquer outra classfcação de crédto, em um determnado período de tempo. 8 Em

15 14 até um ano, sendo que no geral são utlzadas como ndcadores da qualdade de crédto das obrgações de médo e de longo prazo. A S&P possu três tpos de ratngs: Escala Global em Moeda Local, Escala Global em Moeda Estrangera e Escala Naconal. O prmero tpo reflete a capacdade de um devedor gerar moeda local em volume sufcente para honrar suas obrgações (nclusve as denomnadas em moeda estrangera). Os ratngs Escala Global em Moeda Estrangera avalam a capacdade dos devedores de cumprrem suas obrgações em moeda estrangera, consderando nclusve a capacdade do governo soberano de honrar sua dívda externa, uma vez que a probabldade de um governo soberano restrngr o acesso à moeda estrangera é dêntca àquela dele não honrar sua própra dívda externa. Por últmo, o ratng em Escala Naconal é muto parecdo com um de Escala Global, exceto pelo fato deste apresentar um peso menor nos fatores relaconados ao rsco soberano. A análse do documento Ratngs Corporatvos (Standard and Poor s, 2005), auxla no entendmento dos prncpas fatores para uma análse de crédto. De acordo com este documento: [...] A estrutura analítca para emssores corporatvos apresenta dos componentes prncpas. O prmero tem seu foco orentado à análse do negóco ou à compettvdade da empresa, enquanto o segundo para a análse funconal. É crítco entender que o processo de ratng não se lmta a um exame de váras meddas fnanceras. A avalação adequada dos níves de proteção da dívda requer uma perspectva mas ampla, envolvendo uma revsão detalhada dos fundamentos do negóco, nclundo opnões sobre a posção compettva da empresa e a avalação de seu corpo admnstratvo e de suas estratégas. (Standard and Poor s, 2005) Dentre as análses realzadas, a avalação do rsco setoral tem um grande peso na atrbução de um ratng máxmo, desempenhando um papel fundamental na determnação do perfl básco de rsco. Por exemplo, sera dfícl para uma empresa receber um ratng muto alto, caso esta esteja nserda em um setor cujo rsco apresente-se acma da méda. Pode-se destacar dversos outros fatores que são contemplados em uma análse de crédto, dentre eles: posção compettva (partcpação no mercado, efcênca operaconal, tamanho, qualdade do corpo admnstratvo e dversfcação dos negócos), rsco fnancero, qualdade da contabldade, polítca fnancera, rentabldade, alavancagem fnancera, proteção dos atvos, adequação do fluxo de caxa, flexbldade fnancera, propredade e apoo do estado e acesso a fontes locas de fnancamento.

16 15 2 Revsão da Lteratura De acordo com o documento Ratngs Corporatvos (Standard and Poor s, 2005), o processo de ratng não se lmta ao exame de váras meddas fnanceras, sendo necessáro um acompanhamento detalhado dos fundamentos do negóco, o que nclu a opnão sobre a posção compettva da empresa e a avalação dos admnstradores e de suas estratégas. Entretanto, os prncpas estudos relaconados à determnação de ratngs de crédto são baseados exclusvamente em nformações contábes e fnanceras, não consderando as análses qualtatvas das empresas, conforme será vsto nos próxmos tens. 2.1 Evdêncas Internaconas Os prmeros estudos a empregarem dados contábes de empresas para determnação de ratngs são do níco dos anos sessenta nos EUA. Em geral, os ndcadores contábes e fnanceros mas ctados como sgnfcatvos na lteratura são aqueles relaconados à cobertura de juros, ao grau de alavancagem, às meddas de lucratvdade (avalação do negóco) e, mutas vezes, ao tamanho da empresa (sze). Quanto a varável tamanho da empresa (sze), Blume et al (1998) defende a déa de que grandes empresas tendem a ser mas velhas e, portanto, mas estáves, tendendo com sto a receber ratngs de crédto mas elevados. Além de varáves contábes, alguns estudos sugerem o uso de varáves de mercado como o coefcente beta e o erro-padrão (standard error) do modelo CAPM. Blume et al (1998) argumenta que o uso destas duas varáves pode fornecer mas nformação sobre a competênca dos gestores. O documento Corporate Ratngs Crtera (Standard and Poor s, 2006), descreve alguns ndcadores mportantes para a análse de empresas, resumdos na Tabela 1.

17 16 Tabela 1 Indcadores contábes sugerdos pela S&P Lucratvdade Cobertura de juros Estrutura de Captal Fluxo de Caxa Retorno sobre o captal Lucro Operaconal / Vendas Ganhos / atvos relaconados ao negóco. EBIT / juros Ganhos antes de juros, mpostos e alugués (EBITR) / juros + alugués. Dívda Total / Dívda Total + Patrmôno Dívda Total / Dívda Total + Patrmôno marcado a mercado Dívda Total + Passvos fora do Balanço/ Dívda Total + Passvos fora do Balanço + Patrmôno Fluxo de Caxa Bruto / Dívda Total Dívda Total / EBITDA EBITDA/ juros Fluxo de Caxa Lvre + Juros / Juros; Fluxo de caxa lvre + juros / juros + pagamento de prncpal Dívda Total / Fluxo de Caxa Dscrconáro Fluxo de Caxa Bruto / Captal Regulatóro Fonte: Standard and Poor s Com relação aos modelos utlzados para a determnação de ratngs, Ederngton (1985) comparou dversos métodos empregados, entre eles os modelos logto, logto ordnal e análse de dscrmnante, recomendando o logto ordnal (ver Jackman, 2003, por exemplo), prncpalmente pelos resultados empírcos obtdos. Kaplan e Urwtz (1979) também consderaram o modelo logto ordnal mas adequado em detrmento a outras técncas, uma vez que o método admte a exstênca de uma varável latente, a partr da qual se orgnam os ratngs das empresas. Baseando-se na premssa de que as agêncas de ratngs estão sendo mas crterosas em suas análses, há dos mportantes trabalhos elaborados nos EUA. No prmero, Blume et al (1998) utlzou-se de varáves contábes e de rsco de mercado para empresas com grau de nvestmento (nvestment grade 9 ) no período de 1978 a A técnca empregada para a estmação do modelo de ratngs de crédto fo o modelo probto ordnal em panel (ordered probt n panel), sendo a tendênca do comportamento do ntercepto desta regressão ao longo do tempo nterpretada como um ndcador de aperto ou não nas avalações das agêncas de ratng. Os resultados encontrados ndcavam que os ratngs de crédto tornaram-se mas severos, prncpalmente nos anos noventa. 9 O termo nvestment grade (grau de nvestmento) é utlzado para emssões ou emssores com avalação entre AAA e BBB, enquanto o termo speculatve grade (grau especulatvo) para emssões ou emssores de BB a C (vde Tabela 2).

18 17 Por outro lado, Joron, Sh e Zhang (2005) amplaram os estudos e, por fm, contestaram os resultados obtdos por Blume et al (1998) para empresas com grau de nvestmento. Prmeramente os autores, utlzando o mesmo modelo e as varáves para o período de 1985 a 2002, estenderam suas análses para empresas com grau especulatvo (speculatve grade), não encontrando nenhuma tendênca no ntercepto, ou seja, não houve ndícos de aperto por parte das agêncas de ratng. Assm, a questão é: por quê as agêncas de ratng foram mas crterosas apenas com as empresas com grau de nvestmento? Joron et al (2005) procuraram responder a esta questão embasando-se em estudos de outros autores, que afrmavam que os dados contábes tornaram-se menos nformatvos e confáves ao longo do tempo, e que sto estava dretamente relaconado à elevação dos rendmentos dos admnstradores, prncpalmente para empresas com grau de nvestmento. Cohen, Dey e Lys (2004), por exemplo, relataram um aumento nos rendmentos dos admnstradores no período 1987 a 2003, atrbuído ao comportamento oportunsta dos gerentes em função do uso crescente de stock optons 10. Segundo os autores, este comportamento oportunsta está dretamente relaconado à manpulação de dados contábes, que podem levar a um alsamento artfcal dos ganhos, ou ao relato de uma menor alavancagem. Assm, Joron et al (2005) ncluíram no modelo uma varável que exprma o aumento dos ganhos dos admnstradores, obtendo uma establzação do ntercepto da regressão, ou seja, não houve nenhum ndcatvo que sustentasse a vsão de que as agêncas de ratngs estavam sendo mas crterosas em suas análses do que no passado. 10 De acordo com Godo e Marcon (2003), stock optons é um dos prncpas programas de dstrbução de resultados através de partcpação aconára. O sstema permte que executvos e funconáros comprem ações da empresa, atrelando os ganhos à valorzação das ações no longo prazo.

19 Evdêncas no Brasl Para os trabalhos efetuados por Blume et al (1998) e Joron et al (2005) nos EUA, não foram encontrados estudos correspondentes em toda a Amérca Latna, sendo portanto, até onde va o conhecmento do autor, nédta a avalação de maor severdade das agêncas de ratng em suas análses de crédto. Com relação à estmação de ratngs através da utlzação de ndcadores contábes e fnanceros, Mnard, Sanvcente e Artes (2006) adotaram um modelo logto ordnal, sendo que as varáves seleconadas foram: Atvo (em escala logarítmca), Dívda Bruta/Atvo Total, EBIT/Dívda Fnancera Líquda, ROA (retorno sobre o atvo), EBIT/Receta Líquda e Volatldade. Os resultados apontaram para um acerto de 58% dos ratngs, além dsto 39% das empresas foram classfcadas nos ratngs medatamente superor ou medatamente nferor. Sales (2006) também utlzou um modelo logto ordnal para estmatva de ratngs, entretanto o autor utlzou em sua amostra apenas nsttuções fnanceras. Dos 44 bancos analsados, 41 deles tveram o nível de ratng estmado gual ao nível obtdo a partr da Ftch, o que representou 93 % de acerto.

20 19 3 Metodologa Neste capítulo, apresentamos o modelo probto ordnal em panel utlzado na dssertação. Incalmente, apresentamos o modelo probto usual e, sem seguda, a versão ordnal para dados transversas e por fm o modelo ordnal para dados em panés. Em todos os modelos apresentados o ntercepto fo ncluído no vetor de parâmetros β. 3.1 O Modelo Probto Sejam y, = 1,...,n, varáves aleatóras ndependentes que assumem, para o -ésmo elemento da amostra, o valor 0 ou 1. Seja x um vetor p-dmensonal com os valores assumdos pelas varáves ndependentes para o ndvíduo. O modelo probto é defndo por: P ( y 1 x ) = Φ( βx' ) = (3.1) sendo β um vetor paramétrco p-dmensonal e Φ a função dstrbução acumulada de uma varável aleatóra normal com méda zero e varânca 1. Um método utlzado para estmar β é o de máxma verossmlhança, sendo que a função de verossmlhança de β é dada por: na qual, = ( y,..., ) e = ( x ) y 1 y n n = 1 y 1 ( βx' ) [ 1 Φ( x' )] L( β ; y, X ) = Φ β X 1,...,x n y Uma forma alternatva de obter o modelo probto é admtr a exstênca de uma varável latente y*: y * = β x' + ε, (3.2)

21 20 em que ε são varáves ndependentes com uma dstrbução normal padrão 11. Assumndo que: * * y = 1 y 0 e y = 0 y < 0 Temos então que: P ( y 1 x ) = P( βx' + ε 0 x ) = P( ε βx' x ) = Φ( βx' ) =, que concde com o modelo (3.1). Essa alternatva pode trazer algumas vantagens em termos da formulação teórca do problema. Admta, por exemplo, que y =1 se a empresa for classfcada como grau de nvestmento e 0, se for classfcada como grau especulatvo (vde Tabela 2 para defnções). Através desta classfcação se orgna uma varável latente y*, contínua, normalmente dstrbuída, que não é dretamente observada e que expressa a propensão de uma empresa assumr o grau de nvestmento. 3.2 O Modelo Probto Ordnal Corb e Menezes-Flho (2006) descrevem o probto ordnal (ou ordenado) como um modelo multnomal, utlzado prncpalmente para modelagem de uma varável dependente dscreta e qualtatva, como é o caso dos ratngs emtdos pelas agêncas de avalação de rsco de crédto. Anda, segundo os autores, a varável dependente assume valores que estabelecem um certo ordenamento dos dados, não de forma lnear, mas sm de forma a ordenar os possíves resultados. No caso deste estudo a varável ordnal observada y, assoca números aos ratngs, da segunte forma: 0 para "AAA", 1 para "AA", 2 para "A" e assm sucessvamente (vde Tabela 4). O modelo probto ordnal pode ser obtdo a partr de uma generalzação de (3.2). Assumndo que y represente uma varável qualtatva ordnal e admtndo-se a exstênca de m+1 categoras varando de zero a m (veja, por exemplo, a Tabela 4), tem-se: 11 O uso de varânca gual a 1 pode ser encarado como uma restrção de dentfcabldade do modelo.

22 21 y * = β x' + ε, ε ~ N (0,1), = 1,..., n e ε ndependentes entre s. Admtndo a exstênca de pontos de corte, dados por m = µ < µ = µ L < µ = 12 e tas que y = µ 1 < µ. j j yt* j temos: P * * ( y = 0 x ) = P( µ 1 < y < µ 0 x ) = P( y < 0 x ) = P( ε < βx' x ) = Φ( βx' ) * ( y j x ) = P( µ < y < µ x ) = P( µ βx' < ε < µ x' x ) P P P = j 1 j j 1 j β ( y = j x ) = Φ( µ j βx' ) Φ( µ j 1 βx' ), j = 1, K, m 1 e * * ( y m x ) = P( µ < y < µ x ) = P( µ < y < x ) = 1 Φ( µ x' ) = m 1 m m 1 m 1 β. A estmação dos parâmetros do modelo pode ser feta pelo método da máxma verossmlhança. Para tanto, é convenente defnr a varável ndcadora Z j tal que Z =1 y j (ver detalhes em Jackman, 2003, por exemplo). Assm, a função de máxma j = θ K é dada por: = β, µ 1,, µ m 1 ' verossmlhança de ( ) ' n = 1 n m ( y0, ym ) = [ Φ( µ j βx' ) Φ( µ j 1 x' )] L( θ; y, X ) = P K β, assumndo Φ ( ) = 0 e ( ) = 1 Φ. = 1 j= 0 Zj 3.3 O Modelo Probto Ordnal em Panel Em dados em panel, uma mesma undade amostral é acompanhada ao longo do tempo. Assuma que y t representa o valor de uma varável qualtatva ordnal para a undade amostral no nstante de tempo t. Como no capítulo anteror, consdere que a varável possa assumr m+1 dferentes categoras (detalhes sobre modelos probto para dados em panel podem ser encontrados em Maddala, 1987, Wooldrdge, 2002 e Greene, 2003, por exemplo). Consdere, agora: y = β x' + ε, =1,..., n e t=1,..., T (3.3) t * t t 12 Assume-se µ o =0 para garantr a dentfcabldade do modelo.

23 22 na qual x t é um vetor p-dmensonal com os valores das varáves ndependentes para o -ésmo ndvíduo da amostra, no t-ésmo nstante de tempo e ε t = a + ν t, em que, dadas as varáves ndependentes, a e ν t seguem dstrbuções normas com méda zero e varâncas 2 dadas por σ a e 1, respectvamente. Além dsso, dadas as varáves ndependentes, a e a j são não correlaconadas (para dferente de j), a j e ν t são não correlaconadas e o mesmo acontecendo para ν t e ν js para j e/ou t s. A partr desses resultados temos que: 2 a ( ε X ) 0, Var( ε t X ) = 1+ σ a e Corr( ε t, ε s X ) ρ = 2 E t = σ 2 a 2 σ =, sendo ρ o coefcente de 1+ σ correlação ntraclasse. O parâmetro expressa a heterogenedade exstente entre as dferentes undades amostras (no caso empresas); já a correlação ntraclasse, relacona-se ao grau de dependênca exstente entre observação de uma mesma undade amostral ao longo do tempo. De modo análogo ao apresentado no capítulo anteror, podemos construr as probabldades assocadas aos possíves valores de y e a respectva função de verossmlhança: n = 1 ( y,, ) L( θ ; y,x ) = P. 1 K y t A dfculdade adconal é que o termo a acaba por ntroduzr uma estrutura de dependênca ao modelo no que se refere aos dados de uma mesma undade amostral. Por exemplo, assuma que T=2 e que ao ndvíduo tenham sdo atrbuídos os valores y 1 =1e y 2 =2. Nesse caso, P ( y =, y = 2) = P( x' β < ε < µ x' β, µ x' β < ε < µ x β ) µ ' 2 ) T 1, ε 2 e a dstrbução conjunta de ( ε é uma normal bvarada com vetor méda zero e matrz σ a σ a de covarânca dada por Σ = 2 2. σ a 1+ σ a Sem perda de generaldade, o modelo apresentado pode ser utlzado em panés desbalanceados. Extensões desse modelo podem ser encontradas nas referêncas deste capítulo e na lteratura especalzada. Em partcular, há varações do modelo que permtem modelar a varânca dos erros, acomodando, assm, efetos de heterocedastcdade. a

24 23 4 Descrção dos Dados 4.1 Classfcação da Qualdade de Crédto das Empresas Brasleras Os ratngs utlzados neste trabalho foram aqueles emtdos pela S&P e referentes à classfcação Escala Naconal de Crédto de Longo Prazo. A utlzação de dados da S&P fo devda a dsponbldade de sére hstórca em seu sstema Credt Watch. Cabe destacar que se adotou, para cada empresa da amostra, o ratng váldo para o últmo da do ano entre dezembro de 2000 a dezembro de A opção pela classfcação Escala Naconal de Crédto de Longo Prazo fo motvada pelo fato desta avalação atrbur um menor peso ao rsco soberano naconal. Esta medda mostra-se mportante pelo fato do Brasl ter passado por séros problemas de lqudez durante o processo eletoral de 2002, que acarretou em sgnfcatva elevação do Rsco Brasl (o índce dvulgado pelo Banco J.P. Morgan chegou a atngr pontos, o que sgnfca que os títulos soberanos brasleros estavam pagando, em méda, 24,40% a mas do que as Treasures amercanas). A Tabela 2 demonstra a nterpretação de cada avalação de crédto. Os ratngs nas categoras AAA, AA, A e BBB são conhecdo como grau de nvestmento. Por outro lado, os ratngs nas categoras BB, B, CCC, CC e C são denomnados como grau especulatvo. Anda com relação aos ratngs, os mesmos podem ser modfcados pela adção de um snal de mas (+) ou menos (-), de modo a demonstrar o posconamento relatvo dentro das prncpas categoras. O Apêndce 1 apresenta as empresas seleconadas para o estudo, descrevendo o setor de atuação de cada uma delas. Já os Apêndces 2 e 3 demonstram, respectvamente, a quantdade de ratngs por grau de avalação e o hstórco de ratng das empresas que fzeram parte da amostra analsada. Através da análse dos apêndces é possível nferr sobre a concentração de empresas com grau de nvestmento na amostra, sendo que não hava nenhuma companha com ratngs B e C.

25 24 Tabela 2 Descrção dos ratngs atrbuídos pela S&P Classfcação Ratng Descrção Grau de nvestmento Grau especulatvo AAA AA A BBB BB B CCC CC Capacdade extremamente forte para cumprr compromssos fnanceros. Capacdade muto forte para cumprr compromssos fnanceros. Forte capacdade para cumprr compromssos fnanceros, mas lgeramente suscetível às condções econômcas adversas e às alterações nas crcunstâncas. Capacdade adequada para cumprr compromssos fnanceros, porém mas sujeta às condções econômcas adversas. Menos vulnerável a curto prazo, mas enfrenta ncertezas mportantes em relação às condções comercas, fnanceras e econômcas adversas. Mas vulnerável às condções comercas, fnanceras e econômcas adversas, mas tem atualmente capacdade para cumprr compromssos fnanceros. Atualmente, vulnerável e dependente de condções comercas, fnanceras e econômcas favoráves para cumprr seus compromssos fnanceros. No momento, altamente vulnerável. C Fo apresentado um peddo de falênca ou ação smlar, mas os pagamentos ou compromssos fnanceros estão sendo honrados. D Inadmplênca no pagamento de compromssos fnanceros. Fonte: Standard and Poor s 4.2 Especfcação dos Dados e das Varáves Adotadas No Brasl, as socedades anônmas são obrgadas a dvulgar seus demonstratvos contábes. Assm, as varáves explcatvas usadas no modelo foram construídas a partr dos dados contábes obtdos da base Economátca. Cabe destacar, que os dados contábes referentes às demonstrações de resultados (recetas e despesas) correspondem aos saldos acumulados de janero a dezembro, enquanto os dados de Balanço (atvos e passvos) correspondem ao seu valor em 31 de dezembro de cada ano analsado.

26 25 As varáves contábes e fnanceras 13 utlzadas neste estudo são as adotadas nos trabalhos de Blume et al (1998), Joron et al (2005) e Mnard et al (2006), além das especfcadas na documentação Corporate Ratngs Crtera (Standard and Poor s, 2006). As varáves podem ser classfcadas em cnco grupos: tamanho, cobertura de juros, estrutura patrmonal, fluxo de caxa e lucratvdade. A Tabela 3 demonstra em qual categora está nserda cada uma das varáves construídas, bem como as referêncas relaconadas. Para maor detalhamento sobre como foram construídas as varáves explcatvas, vde Apêndce 4. Tabela 3 Varáves explcatvas adotadas no estudo Categora Nome Composção Referênca Bblográfca Ibovespa DIBOV Varável Indcadora de presença no Índce Bovespa (I) Tamanho (Sze) Cobertura de Juros Estrutura Patrmonal Lucratvdade Fluxo de Caxa Atvo Ln(Atvo Total) Mnard et al (2006) ICR LTDA TDA OIS EBIT (II) / Desp. Fnancera Exgível de Longo Prazo / Atvo Total Dívda Total Bruta (III) + Outras Obrgações de Curto e Longo Prazo / Atvo Total EBIT / Receta Líquda Operaconal Blume et al (1998), Joron et al (2005) e Standard and Poor s (2006) Blume et al (1998) e Joron et al (2005) Blume et al (1998), Joron et al (2005) e Standard and Poor s (2006) Blume et al (1998), Joron et al (2005), Mnard et al (2006) e Standard and Poor s (2006) ROA Lucro Líqudo / Atvo Total Mnard et al (2006) DE Dívda Total Bruta / EBITDA (IV) Standard and Poor s (2006) FFO Lucro Líqudo + Deprecação e Amortzação / Dívda Total Bruta FOC Lucro Líqudo + Deprecação e Amortzação Var. Captal Gro Var. Atvo Permanente / Despesa Fnancera Blume et al (1998), Joron et al (2005) e Standard and Poor s (2006) (I) Não há referênca bblográfca para esta varável, entretanto empresas com ações no Índce Bovespa usualmente são mas transparentes, pos dsponblzam um grande volume de nformações ao mercado, e normalmente são empresas de grande porte; (II) EBIT Ganhos antes do pagamento de juros e mpostos (do nglês Earnngs before nterest and taxes); (III) Dívda Total Bruta Fnancamento de Curto e Longo Prazo + Debêntures de Curto e Longo Prazo; (IV) EBITDA - Ganhos antes do pagamento de juros, mpostos, deprecação e amortzação (do nglês Earnngs before nterest,taxes, deprecaton and amortzaton). 13 Braga (1989) e Matarazzo (2003) foram utlzados como referênca para a construção dos ndcadores fnanceros sugerdos em outros estudos.

27 26 Fzeram parte da amostra as companhas brasleras que dsponblzavam nformações contábes e possuíam avalação de crédto da S&P, no período de 2000 a Empresas fnanceras e seguradoras foram excluídas da amostra, uma vez estas companhas apresentam um alto grau de alavancagem, dferentemente da maora das companhas ndustras e de servços. Também não fzeram parte da amostra empresas de captal fechado, dado que as mesmas não são obrgadas a publcar suas demonstrações contábes. As 39 empresas que fzeram parte da amostra estão relaconadas no Apêndce 1. As varáves relaconadas ao mercado, como o coefcente beta e o erro-padrão do modelo CAPM e o valor de mercado das companhas (Sze), não puderam ser utlzadas, uma vez que algumas empresas não tnham ações negocadas na Bolsa de São Paulo, além de outras apresentarem baxa lqudez, ou seja, hava mutos das sem um únco negóco. Alguns ndcadores sugerdos pela S&P e por Joron et al (2005) também não puderam ser replcados, pos as bases de dados dsponíves no Brasl não apresentam o mesmo nível de detalhamento das exstentes nos EUA e na Europa. Dversas tentatvas foram realzadas no ntuto de amplar o número de empresas da amostra, entre elas a nclusão de companhas argentnas, chlenas e mexcanas. Durante o estudo algumas restrções nvablzaram a partcpação destas companhas na amostra, entre elas, a ndsponbldade de nformações contábes em um padrão contábl únco e em mesma moeda (Standard and Poor s, 2005). Apesar de Servgny e Renault (2004) defenderem que não há dferenças sgnfcatvas entre os ratngs atrbuídos entre as agêncas, não fo possível utlzar dados de uma outra agênca, como a Moody s, por exemplo. Prmeramente por não exstr uma base hstórca com este tpo de nformação e, em segundo lugar, é comum as empresas receberem ratngs de mas de uma agênca, o que não contrbura para um aumento sgnfcatvo da amostra. Assm como em Blume et al (1998) e Joron et al (2005), para que fosse testada a hpótese de que as agêncas de ratng estão sendo mas restrtvas em suas análses fo necessáro nclur uma varável ndcadora para cada ano. Na prátca é como se fosse construída uma função ratng (Y) para cada ano, na qual a nfluênca das demas varáves ndependentes (ndcadores contábes, entre elas) sera controlada (no caso admtu-se que a nfluênca dessas varáves se manteve constante ao longo do tempo). As varáves

28 27 ndependentes expressam característcas da empresa que são relevantes na determnação do seu ratng, desse modo, caso a S&P esteja aumentando, ou dmnundo, o rgor das avalações espera-se que, em méda, empresas com mesmo perfl (dado pelas varáves ndependentes) tenham, em anos dstntos, ratngs dferentes. Isso pode ser captado pelo modelo através do comportamento de seu ntercepto ao longo do tempo. Caso haja uma tendênca de aumento ou de dmnução no rgor das análses, os nterceptos do modelo apresentarão tendênca de crescmento ou decrescmento ao longo do tempo. O período analsado neste estudo fo de 2000 a 2005, sendo, portanto, cradas as varáves ndcadoras: D2001, D2002, D2003, D2004 e D2005. O ano de 2000 fo representado pelo própro ntercepto da regressão, evtando-se com sto uma stuação de perfeta multcolneardade. Desse modo, o ntercepto de 2001, por exemplo, poderá ser obtdo pela soma do ntercepto do modelo com o parâmetro que multplca D2001. Além das varáves ndcadoras de ano, fo crada uma varável ndcadora de presença no Índce Bovespa (DIBOV), cujo ntuto fo o de dferencar as companhas com ações no Ibovespa daquelas que não fazam parte do índce. Usualmente as ações que fazem parte do Ibovespa, além de muto líqudas, são de grandes companhas, que no geral oferecem aos seus aconstas maor transparênca, através da dvulgação de um maor volume de nformações de qualdade, facltando o acompanhamento de seu desempenho. Com relação a uma varável que exprmsse o tamanho da empresa (sze), utlzouse o Total de Atvos, em escala logarítmca, uma vez que o valor de mercado de mutas empresas não estava dsponível. Todos os ndcadores contábes e fnanceros foram construídos com base em nformações do últmo da de cada ano, entretanto foram utlzadas as médas destes ndcadores nos últmos três anos, nclundo o ano em questão. A utlzação da méda fo proposta por Blume et al (1998). Assm, o que prevaleceu dos trabalhos de Blume et al (1998) e de Joron et al (2005) fo o conceto da análse do ntercepto do modelo probto ordnal em panel, para averguação da hpótese de que as agêncas de ratng estavam sendo mas crterosas em suas análses.

29 Varável Dependente O prmero passo para o desenvolvmento deste trabalho fo o agrupamento dos ratngs e a determnação da varável categorzada Y para cada um desses agrupamentos. A Tabela 4 demonstra a confguração fnal dos agrupamentos. Tabela 4 Determnação da Varável categorzada Ratng Standard and Poor s Grau de Investmento Grau Especulatvo D AAA+ AAA AAA- AA+ AA AA- A+ A A- BBB+ BBB BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC+ CCC CCC- CC+ CC CC- C+ C C- Varável Y Cabe destacar que a utlzação do software LIMDEP se mostrou aproprada, pos o mesmo possblta o cálculo do modelo em um panel desbalanceado, ou seja, não é necessáro que o número de observações entre as empresas seja gual.

30 29 5 Análses dos Resultados 5.1 Análse Exploratóra Para que houvesse uma déa ncal de quas varáves eram mportantes para determnação dos ratngs, as regressões foram, em um prmero momento, calculadas utlzando-se apenas uma varável ndependente de cada vez e o ntercepto. O modelo utlzado fo o ndcado na equação (5.1), construído com base no modelo (3.3). E ( y t ) = α + βx' (5.1) t sendo: y t a varável latente que determna o ratng da empresa no ano t (vde capítulo 3); α o ntercepto da regressão; x t o vetor com os valores das varáves ndependentes observados no nstante t para o ndvíduo ; β o parâmetro que ndca a contrbução das varáves ndependentes na explcação da méda de y. A Tabela 5 apresenta os resultados das regressões. As varáves termnadas com a letra M ndcam que foram utlzadas as médas dos últmos três anos dos ndcadores, enquanto que para as demas varáves utlzou-se os ndcadores em 31/dez de cada ano. Todos os coefcentes estmados tveram snas guas aos esperados, entretanto as varáves DEM, FFO, FFOM, FOC e FOCM não foram sgnfcatvas, quando analsadas ndvdualmente.

31 30 Tabela 5 Regressões utlzando apenas uma varável e o ntercepto Varável Coefcente Estatístca-T Intercepto Estatístca-T Indcadora DIBOV -2,93-3,37 5,91 5,11 LN(ATIVO) -1,22-3,97 31,65 4,46 Atvo LN(ATIVOM) -0,92-2,68 24,72 3,13 DE 0,22 4,08 3,77 4,85 DE DEM 0,13 1,10 3,88 4,78 FFO -0,50-1,07 4,26 5,10 FFO FFOM -0,15-1,01 4,23 4,89 FOC -0,01-0,32 4,11 5,34 FOC FOCM 0,03 0,39 4,06 5,12 ICR -0,24-2,79 4,81 6,13 ICR ICRM -0,49-2,58 5,34 7,04 LTDA 2,00 3,10 3,38 4,25 LTDA LTDAM 3,29 2,21 2,95 3,90 OIS -11,83-4,20 7,07 6,12 OIS OISM -9,33-1,90 6,63 3,85 ROA -3,95-2,21 4,21 5,45 ROA ROAM -14,01-6,15 4,79 6,28 TDA 6,48 4,05 1,62 1,84 TDA TDAM 7,23 2,81 1,70 1, Verfcação de maor severdade por parte das Agêncas de ratng Conforme menconado anterormente, para a verfcação de uma maor severdade por parte das agêncas de ratng em suas análses de crédto, além das varáves contábes e fnanceras, fo necessára a nclusão das varáves ndcadoras de tempo (D2001, D2002, D2003, D2004 e D2005). Os valores destes coefcentes é que ndcarão se houve ou não um aperto nas análses das agêncas. O modelo utlzado nesta parte do estudo é o ndcado pela equação (5.2), construído com base no modelo (3.3).

32 31 E ( yt ) α 1 + α 2D2001t + α 3D2002t + α 4D2003t + α 5D2004t + α 6D2005t + βx' t = (5.2) em que: y t é a varável latente que determna o ratng da empresa no ano t (vde capítulo 3); α1é o ntercepto da regressão; D ANOt é 1 se t=ano e 0 caso contráro; α j, j = 2,...,6, é o parâmetro que ndca a mportânca da varável ndcadora de ano (D ANO ); xt é o vetor com os valores observados das varáves ndependentes para a empresa no ano t; β é o vetor de parâmetros que ndca a contrbução das varáves ndependentes na explcação da méda de y. Apesar de Blume et al (1998) ter utlzado a méda das varáves ndependentes para a construção do panel, nesta parte do trabalho optou-se também pelo cálculo das regressões utlzando os ndcadores contábes em 31/dez de cada ano da amostra. Desta forma, foram estmadas duas famílas de modelos: a prmera com ndcadores contábes em 31/dez e outra com a méda dos últmos três anos (vde Tabela 6). A análse do comportamento do ntercepto da regressão não ndcou nenhuma tendênca para ambas as estmatvas (méda e 31/dez), o que mplca que não se constatou uma maor severdade das agêncas de ratngs em suas análses para as empresas brasleras. A Tabela 6 mostra o resultado da regressão, quando utlzados todos os ndcadores construídos neste estudo e que seram, em prncípo, capazes de medr a saúde fnancera das empresas 14. A Tabela 7 traz os nterceptos estmados para cada ano, enquanto o Gráfco 1 demonstra o comportamento destes coefcentes ajustados. Apenas o coefcente da varável ROA e da varável ndcatva D2002, quando calculados com dados médos, foram sgnfcatvos. No modelo onde foram empregadas as varáves em 31/12, nenhum coefcente se mostrou soladamente sgnfcatvo. Cabe destacar que o fato de não se obter coefcentes sgnfcatvos não nvaldam o estudo, pos o ntuto 14 Nesta parte do trabalho, os ndcadores contáves têm um papel meramente de controle, Desse modo, optou-se por manter o modelo completo, mesmo quando o coefcente da varável não se mostrava sgnfcatvo.

33 32 desta parte do trabalho busca apenas dentfcar o comportamento das varáves relaconadas ao tempo. Aplcou-se também o teste de WALD sobre os coefcentes das varáves ndcadoras de ano, de modo a avalar se os mesmos eram sgnfcatvamente guas a zero, ou seja, se de fato não houve alteração dos nterceptos. As hpóteses avaladas foram: H 0 (Hpótese Nula): α = α = α = α = α 0 ; = H 1 (Hpótese Alternatva): pelo menos um dferente de zero. Através do teste de Wald, a hpótese de que os coefcentes são guas a zero não fo rejetada, tanto quando utlzadas as varáves médas (P= 0,6682) como para as datadas do últmo da de cada ano (P=0,4048). Em um segundo momento, a análse do comportamento do ntercepto e do teste de Wald também foram efetuadas utlzando-se as mesmas varáves adotadas por Blume et al (1998) (TDA, LTDA, OIS e ICR), exceto as varáves relaconadas ao mercado (coefcente beta e o erro-padrão do modelo CAPM), pelas razões anterormente expostas na págna 26. As estmatvas dos parâmetros dos modelos se encontram na Tabela 8. Os resultados não foram dferentes dos encontrados quando utlzadas todas as varáves contábes que poderam explcar um ratng. O teste de Wald acetou a hpótese de que os coefcentes são guas a zero, tanto quando utlzadas as varáves médas (P=0,1778) como para as datadas do últmo da de cada ano (P=0,3307). As tabelas 8 e 9 e o Gráfco 2 demonstram os resultados. Com relação ao nível de sgnfcânca dos regressores, apenas as varáves OIS e D2003 foram sgnfcatvas, sto tanto para o modelo que utlzou as varáves médas como para o modelo com as varáves em 31/dez. Tanto nos modelos da Tabela 6, como nos da Tabela 8, a correlação ntraclasse mostrou-se bastante elevada. Isso não chega a ser uma surpresa, pos observa-se, na maora das empresas pequenas varações do ratng ao longo do tempo. Isso leva a uma forte autocorrelação nos dados, captada por esse coefcente.

34 33 Tabela 6 Regressões com todas as varáves explcatvas Varáves Varáves Médas Varáves em 31/12 Parâmetro Erro-Padrão Estatístca-T Parâmetro Erro-Padrão Estatístca-T Constante 5,44 26,54 0,20 45,71 26,08 1,75 D2001 1,71 1,89 0,91 2,29 2,35 0,98 D2002 4,18 1,79 2,34 4,42 2,45 1,80 D2003 4,68 2,73 1,71 5,33 3,44 1,55 D2004 3,68 2,69 1,37 4,78 3,16 1,52 D2005 3,72 2,85 1,31 3,24 2,77 1,17 DIBOV -3,74 2,96-1,27-3,40 2,59-1,31 ATIVO 0,02 1,27 0,02-1,73 1,06-1,63 DE 0,14 0,70 0,21 0,28 0,63 0,45 FOCDF 0,03 0,22 0,16-0,08 0,15-0,58 OIS -4,98 8,75-0,57-12,29 8,00-1,54 ROA -25,00 10,95-2,28 0,05 14,16 0,00 TDA 13,99 9,36 1,49 5,04 8,33 0,60 FFO 0,13 0,57 0,24 0,13 1,52 0,08 ICR -0,12 0,51-0,23-0,01 0,45-0,03 LTDA -11,71 9,51-1,23 2,37 5,57 0,43 µ 1 6,53 3,29 1,98 10,13 4,40 2,30 µ 2 12,77 4,83 2,64 16,30 6,26 2,61 µ 3 16,24 5,89 2,76 19,70 7,23 2,72 µ 4 16,90 6,60 2,56 20,51 7,95 2,58 µ 5 17,61 7,30 2,41 21,18 8,08 2,62 Sgma 4,19 1,81 5,97 2,49 ρ 0,95 0,97 Teste de Wald 0,6682 0,4048 Tabela 7 Interceptos ajustados com todas as varáves explcatvas Interceptos Varáves Médas Varáves em 31/12 Parâmetro Erro-Padrão Estatístca-T Parâmetro Erro-Padrão Estatístca-T ,44 26,54 0,20 45,71 26,08 1, ,15 26,62 0,27 48,00 25,53 1, ,62 25,94 0,37 50,13 27,27 1, ,11 27,08 0,37 51,04 28,04 1, ,12 27,37 0,33 50,49 27,63 1, ,16 27,50 0,33 48,95 27,11 1,81

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

Bruno Flora Sales. Dissertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ

Bruno Flora Sales. Dissertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ Bruno Flora Sales Dssertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA DE RATING BASEADO NO MODELO ORDERED PROBIT Bruno Flora Sales Dssertação apresentada à Banca Examnadora da Escola

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasl, 9 a 11 de Outubro de 006 Análse multvarada do rsco sstemátco dos prncpas mercados de ações da Amérca Latna: um enfoque Bayesano André Asss de Salles (UFRJ) asalles@nd.ufrj.br

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira?

Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira? Decsão de Recompra de Ações: Intenção de Blndagem em Período de Turbulênca Fnancera? Resumo Autora: Llam Sanchez Carrete Este trabalho tem como objetvo avalar se o anúnco de programas de recompra de ações

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

FLÁVIA Z. DALMÁCIO - flavia@fucape.br Doutoranda em Contabilidade pela Usp e Professora. da FUCAPE

FLÁVIA Z. DALMÁCIO - flavia@fucape.br Doutoranda em Contabilidade pela Usp e Professora. da FUCAPE 1 UM ESTUDO DO IMPACTO DA GOVERNANÇA CORPORATIVA NA RENTABILIDADE E PERFORMANCE DO ÍNDICE BRASIL (IBrX) CARLOS BOLÍVAR DE ASSUMPÇÃO JÚNIOR - bolvar.vx@terra.com.br Mestrado Profssonal em Cêncas Contábes

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A Engenhara de Produção e o Desenvolvmento Sustentável: Integrando Tecnologa e Gestão. Salvador, BA, Brasl, 06 a 09 de outubro de 009 O RISCO IDIOSSINCRÁTICO

Leia mais

Modelo Multi-Estado de Markov em Cartões de Crédito. Daniel Evangelista Régis Rinaldo Artes

Modelo Multi-Estado de Markov em Cartões de Crédito. Daniel Evangelista Régis Rinaldo Artes Modelo Mult-Estado de Markov em Cartões de Crédto Danel Evangelsta Régs Rnaldo Artes Insper Workng Paper WPE: 137/2008 Copyrght Insper. Todos os dretos reservados. É probda a reprodução parcal ou ntegral

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial Modelo de Mensuração da Rentabldade do Crédto Comercal Autora: Dany Rogers, Pablo Rogers, Karem Crstna de Sousa Rbero Resumo A avalação para concessão de crédto, prncpalmente em empresas comercas, é tradconalmente

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo Resumo Desempenho dos mcroempreendedores no Brasl Adrana Fontes 1 Valéra Pero 2 Os mcroempreendedores formam um grupo muto heterogêneo no Brasl, mas sobre-representados na pobreza. Este artgo examna, com

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências Governança Corporatva e Estrutura de Propredade no Brasl: Causas e Conseqüêncas Anaméla Borges Tannús Dam (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Pablo Rogers (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Kárem

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL RISCO DE TAXA DE JUROS 1. Introdução O rsco de taxas de juros é a exposção da condção fnancera de um

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Slva, Dany Rogers; Sousa Rbero, Karem Crstna de; Hua Sheng, Hsa Mensuração da rentabldade do crédto comercal:

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

INVESTIMENTO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO: UM ESTUDO QUANTITATIVO DAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PÓS- PLANO REAL

INVESTIMENTO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO: UM ESTUDO QUANTITATIVO DAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PÓS- PLANO REAL INVESTIMENTO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO: UM ESTUDO QUANTITATIVO DAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PÓS- ANO REAL Igor Vasconcelos Noguera Mestre Dscente CEPEAD/UFMG Rua Dona Lbâna, 15. Ap.

Leia mais

Assimetria de Informações e Pagamento de Proventos em Dinheiro na Bovespa.

Assimetria de Informações e Pagamento de Proventos em Dinheiro na Bovespa. Assmetra de Informações e Pagamento de Proventos em Dnhero na Bovespa. Autora: Robert Aldo Iquapaza, Wagner Moura Lamouner, Hudson Fernandes Amaral Resumo: Nesta pesqusa avala-se o efeto da assmetra de

Leia mais

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza Processos partcpatvos na estratéga para a redução da pobreza Conteúdo J. Edgerton, K. McClean, C. Robb, P. Shah e S. Tkare Resumo 1. Introdução 1.1 Defnções 1.2 Que são abordagens partcpatvas? 1.3 Fundamento

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA*

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* Paulo Soares Esteves Carolna Res 1. INTRODUÇÃO Uma Taxa de Câmbo Efectva (TCE) é um ndcador que agrega váras

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

CURRICULUM VITAE - RESUMIDO

CURRICULUM VITAE - RESUMIDO A estatístca tem uma partculardade: pesqusamos para dzer algo sgnfcatvo sobre o unverso que elegemos, porém a pesqusa só será sgnfcatva se conhecermos sufcentemente o unverso para escolhermos adequadamente

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs.

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs. Incerteza: o básco Curso de especalzação em Fnanças e Economa Dscplna: Incerteza e Rsco Prof: Sabno da Slva Porto Júnor Sabno@ppge.ufrgs.br Introdução Até agora: conseqüêncas das escolhas dos consumdores

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasl, 1 a 4 de out de 003 Uso dos gráfcos de controle da regressão no processo de polução em uma nterseção snalzada Luz Delca Castllo Vllalobos

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

O Relacionamento entre a Governança das Empresas e a Qualidade das suas Informações Financeiras

O Relacionamento entre a Governança das Empresas e a Qualidade das suas Informações Financeiras RESUMO O Relaconamento entre a Governança das Empresas e a Qualdade das suas Informações Fnanceras Autora: Lase Ferraz Correa, Pascal Louvet O objetvo deste artgo fo dentfcar os mecansmos de governança

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

Investigação do desempenho das cooperativas de

Investigação do desempenho das cooperativas de Investgação do desempenho das cooperatvas de crédto de Mnas Geras por meo da Análse Envoltóra de Dados (DEA) Marco Aurélo Marques Ferrera Rosane Mara Lma Gonçalves Marcelo José Braga Resumo Este trabalho

Leia mais

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 Danlo Coelho Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada João Alberto De Negr (IPEA) Insttuto

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira Índce de Oportundades da Educação Braslera Centro de Lderança Públca - CLP Produto 2 METAS 13 de agosto de 2015 Sumáro Sumáro... 2 1. Introdução... 4 O Sstema de Educação Básca no Brasl... 4 2. Especfcação

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO.

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. ELMO TAMBOSI FILHO TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE Vctor Hugo de Olvera José Ramundo Carvalho Resumo O objetvo do presente estudo é o de analsar

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira. Informação Esta publcação é uma tradução do Gua de Calbração EURAMET Gua para a Estmatva da Incerteza em Medções de Dureza (EURAMET/cg-16/v.01, July 007). Os dretos autoras do documento orgnal pertencem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 7 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR Cesar Augusto Taconel Curtba-PR . INTRODUÇÃO Taconel, C.A. Análse de Regressão Lnear Ao se tratar da relação

Leia mais