EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*"

Transcrição

1 Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em todas as economas desenvolvdas ou em desenvolvmento, a maora dos códgos fscas caracterzam-se por regras extremamente complexas nomeadamente no que dz respeto à trbutação dos rendmentos. Os altos custos assocados à admnstração com efcáca destes sstemas têm preocupado polítcos e académcos e a dscussão das vantagens de uma reforma fundamental do sstema tem vndo a fazer parte de uma dscussão públca cada vez mas alargada. Além destas dscussões teórcas, no passado recente alguns países, nomeadamente países em desenvolvmento, adoptaram sstemas de trbutação muto smplfcados, e não parece haver dúvdas sobre o bom desempenho destes sstemas naqueles países. Esta experênca ajudou ao aumento de apoantes da passagem para um sstema fscal de taxa únca. Assm como a justça dstrbutva é o argumento mas utlzado para defender a complexdade do sstema actual na maor parte dos países desenvolvdos, as maores retcêncas apontadas quanto a uma reforma que mplemente uma taxa únca são os efetos dstrbutvos negatvos que essa reforma comportara. Esta nota pretende mostar os resultados de um estudo que analsa o fundamento destas preocupações. Numa economa em que o sstema fscal está baseado prortaramente na trbutação dos rendmentos do trabalho e do captal quas os efetos sobre a equdade quando se passa para um sstema baseado num mposto sobre o consumo, com taxas guas para todos os bens? Ou seja, no lmte, se o rendmento dexasse de ser trbutado e as recetas fscas provessem uncamente de um mposto sobre o valor acrescentado com uma taxa únca quas os efetos sobre a equdade do sstema? Os agentes que têm maor bem estar fcam melhor ou por depos da reforma? E o agente médo? E o agente medano? E os pobres desta economa? Ou seja, o objectvo da nota é analsar o efeto sobre a dstrbução de bem estar de uma reforma deste tpo. Para o efeto é construído um modelo económco que tenta medr os efetos que uma reforma deste tpo tem sobre o equlíbro geral da economa. A razão porque se tem alargado o consenso da bondade desta reforma está muto lgada à dea de que os efetos sobre a efcênca da economa são quanttatvamente sgnfcatvos. Ora estes efetos dervam uncamente de uma alteração do equlíbro, nomeadamente de dferentes utlzações do tempo, e de dferentes decsões de consumo, poupança e nvestmento devdos à reforma. Se estes efetos são sgnfcatvos sobre a efcênca eles vão ser sgnfcatvos sobre cada agente ndvdual. A questão então que queremos dscutr não pode assm ser vsta como uma em que mantendo-se tudo o resto constante, como serão afectados dferentes agentes económcos, quando se alteram taxas de mposto; a prncpal razão pela qual cada agente n- * As opnões expressas no artgo são de ntera responsabldade do autor e não concdem necessaramente com a posção da Banco de Portugal. Este artgo é baseado em nvestgação recente em que a referênca prncpal é Correa (2005). ** Departamento de Estudos Económcos, Banco de Portugal. () Hall and Rabushka (995) é talvez o trabalho mas nfluente sobre uma proposta de um sstema de taxa únca. Boletm Económco Banco de Portugal 9

2 Prmavera 2007 Artgos dvdual va ser afectado pela reforma tem a ver com os efetos sobre o equlíbro geral, os quas mplcam que tudo o resto passa a ser dferente depos da reforma. O exercíco que vamos desenvolver é o de uma alteração permanente e credível do sstema fscal: não só não va haver retrocessos para o sstema anteror ou qualquer outro, como os agentes económcos confam que a reforma é para permanecer. Neste caso os efetos são permanentes mas não gualmente dstrbuídos ao longo do tempo. Exstrá um período de transção na economa mas ou menos longo antes que esta se mantenha estaconára face ao novo regme fscal. O nteresse deste estudo é analsar o mpacto na equdade da totaldade destes efetos. O modelo utlzado smplfca os modelos construídos para este efeto 2 de modo a se tornarem claros os canas através dos quas uma reforma fscal afecta a equdade. O modelo utlzado é um modelo de equlíbro geral compettvo, em que as famílas têm vda nfnta. No entanto mpõe-se que reflcta o tpo de assmetra ntrageraconal que se encontra na maora dos países mas sem necesstar de nformação específca para além de alguns momentos da dstrbução relevante. Este modelo permte-nos conclur que, quando através de uma reforma fscal se elmnam mpostos proporconas sobre o rendmento do trabalho e rendmento do captal, e são substtuídos por um mposto únco sobre o valor acrescentado não só aumenta a efcênca da economa como melhora também a dstrbução de bem estar. Ou seja, podemos garantr que o bem estar dos agentes com nível de bem estar abaxo da méda da economa aumenta com a reforma. Podemos anda conclur que a ntrodução de deduções, ou transferêncas, anónmas podem melhorar a equdade sem perdas na efcênca da economa, quando as recetas necessáras para fnancar estas deduções são pagas com um aumento do mposto sobre o valor acrescentado. Esta nota desenvolve-se da segunte forma: na secção 2 são dscutdas as característcas específcas do mposto sobre o valor acrescentado. São determnados quas os mpostos equvalentes para uma famíla ndvdual e, utlzando estes mpostos equvalentes é apresentada a ntução não só de como poderíamos atngr o óptmo de Pareto mas, mas mportante para o nosso argumento, como a utlzação do mposto sobre o consumo em detrmento do mposto sobre o rendmento do trabalho leva a um aumento de efcênca económca. Na secção 3 responde-se à questão fundamental desta nota, o efeto sobre a dstrbução de passar de um sstema baseado em mpostos sobre o rendmento para um sstema baseado uncamente na trbutação do valor acrescentado. Determna-se como este efeto depende do tpo de heterogenedade que caracterza a economa. Para uma caracterzação que defendemos representar as economas ndustralzadas verfcamos numercamente a melhora da equdade para a reforma fscal proposta. Tramos anda conclusões de haver uma melhora smultânea da efcênca e da equdade. Na secção 4 ntroduzmos a hpótese de o códgo fscal permtr deduções, ou realzar transferêncas, e mostramos como o mposto sobre o consumo, conjuntamente com transferêncas anónmas, pode redstrbur sem custos de efcênca. Assm a progressvdade exstente nos códgos actuas assocada a taxas margnas progressvas pode ser replcada com ganhos grandes de efcênca económca e admnstratva, devdo à exstênca de taxas úncas. A secção 5 contém as conclusões. (2) Por exemplo em relação aos modelos de overlappng generatons desenvolvdos por Altg et al. (200) Banco de Portugal Boletm Económco

3 Artgos Prmavera O PAPEL DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO NA ECONOMIA Nesta secção desenvolvemos a ntução de que as vantagens de um códgo fscal que nclu um mposto sobre o consumo (sobre o valor acrescentado) vêm de que com este tpo de mposto é possível replcar um mposto com o que o Governo pudesse dscrmnar entre os agentes económcos, de forma não dstorconára. São estas vantagens que levam a que seja consensual na lteratura o efeto benéfco sobre a efcênca de um aumento do peso do mposto sobre o valor acrescentado na totaldade dos mpostos lançados na economa. Determnar a forma mas efcente de fnancar determnado montante de gastos públcos é equvalente a calcular a forma menos dstorconára de o fazer. Além da transferênca de rendmento do sector prvado para o sector públco da economa, que mplca sempre o fnancamento daqueles gastos públcos, o desejável é que a alteração de ncentvos ntroduzda pelo sstema fscal seja a menor possível. O efeto dstorconáro do sstema fscal é meddo por esta alteração de ncentvos. No entanto este efeto dstorconáro actua de forma contra-ntutva: quando o agente económco não pode reagr ao mposto é exactamente quando o efeto dstorconáro é nulo; pelo contráro quando o agente vê os seus ncentvos alterados pelo mposto e faz evasão legal, ou seja altera o seu comportamento em reacção ao mposto, é quando os efetos dstorconáros tornam o mposto pouco efcente. Por exemplo, se o Governo se fnancasse com um mposto por cabeça 3, este mposto não afectara os ncentvos dos agentes económcos e não sera por sso dstorconáro. Por outro lado se se fnancasse com mpostos sobre o rendmento do trabalho fcara menos atractvo utlzar o tempo no mercado e a margem ntensva (número de horas de trabalho), ou mesmo a margem extensva (número de pessoas a trabalhar), ra ser alterada. É esta reacção à alteração de ncentvos que torna o mposto sobre o rendmento do trabalho dstorconáro. O que é contra-ntutvo é que, quando a nível ndvdual não há possbldade de fuga, no fm o ndvíduo fca melhor quando comparado com a stuação em que o tpo de mposto permte uma alteração voluntára das escolhas relatvas dos agentes económcos. Este é um caso muto representatvo da mportânca da utlzação da economa para avalar polítcas vsto os efetos de mpacto serem sempre domnados pelos efetos de feed-back, ou de equlíbro geral. Perceber o efeto postvo do mposto sobre o consumo no códgo fscal passa por perceber como os seus efetos podem ser nterpretados através de mpostos equvalentes. Para sso precsamos de descrever os nstrumentos que vamos analsar e a forma como estes afectam drectamente as escolhas dos agentes económcos. Vamos estudar uma economa não-monetára em que os mercados são compettvos e os agentes anónmos perante o fsco. O modelo também é smplfcado por analsarmos uma economa fechada. Os gastos públcos são exógenos e é bem defndo o perfl temporal desses gastos públcos. Estes gastos públcos assm como transferêncas, Tr, para os partculares, podem ser fnancados por mpostos sobre o rendmento do trabalho, mpostos sobre o rendmento do captal e mpostos sobre o consumo (valor acrescentado). Vamos supor que cada um destes mpostos tem uma taxa únca, ou seja uma taxa dêntca entre agentes económcos. Essas taxas serão representadas respectvamente por n, k e c. Assm os exercícos desenvolvdos comparam polítcas fscas com taxas margnas de mposto constante e com valores constantes ao longo do tempo. As preferêncas são dêntcas entre as famílas que habtam esta economa, ndexadas por, e defndas sobre sequêncas de consumo total, C t, e sobre sequêncas de horas de trabalho, t 0 N t. A dversdade entre os agentes resulta de dferentes montantes ncas de actvos,.e. de t 0 (3) A chamada poll tax Boletm Económco Banco de Portugal 93

4 Prmavera 2007 Artgos rqueza acumulável, prncpalmente captal físco e obrgações 4, assm como de dferentes efcêncas no trabalho que são tratadas como característcas natas e por sso exógenas para a famíla. As famílas são prce takers e anónmas nos mercados, o que mplca que cada famíla defronte preços dêntcos. Assm a restrção orçamental ntertemporal do agente pode ser escrta como: c o d C d W E N Tr r A (2.) t t t n t t t 0 t 0 onded, w,e r o representam, respectvamente o factor de desconto (líqudo de mpostos sobre o captal), o saláro real bruto e a rentabldade líquda sobre a rqueza ncal E e A o representam os factores exógenos que dferencam os agentes nesta economa. E é o nível de efcênca do trabalho do agente e A o representa a rqueza não-humana ncal do agente, ou seja, a dotação que, conjuntamente com E dferenca os agentes nesta economa. Os preços e taxas de mposto, p d t, w t, c, n, k t 0 e r o e as transferêncas são exógenos para a famíla ndvdual. A anonmdade das famílas mplca que o governo não pode desenhar mpostos ou transferêncas especfcamente para uma determnada famíla. Transferêncas e mpostos dscrmnatóros lump-sum são assm excluídos do códgo fscal. O equlíbro geral da economa depende da compatbldade das escolhas das empresas e das dferentes famílas. As empresas são entdades muto smples nesta economa que em cada período contratam trabalho e alugam bens de captal para, dada a tecnologa, produzrem um únco bem. Todas utlzam a mesma tecnologa e são prce takers nos város mercados em que operam. O únco bem produzdo pode ser utlzado para consumo prvado pelas famílas, para consumo públco ou para nvestmento que aumenta o stock de captal físco da economa. A smples análse da restrção 2. revela o papel que o mposto sobre o consumo tem na economa. É medato verfcar que para o agente é ndferente pagar uma determnada taxa de mposto sobre o consumo, ou não pagar este mposto e pagar uma taxa superor sobre o trabalho e uma taxa sobre a rqueza ncal. Ou seja o mposto sobre o consumo pode ser decomposto em duas componentes: uma componente dstorconára que actua sobre as decsões dos agentes exactamente da mesma forma que o mposto sobre o trabalho, e uma componente não dstorconára vsto que a trbutação da rqueza ncal não permte evasão legal por parte dos agente económcos. Uma vez percebda esta decomposção do mposto sobre o consumo é fácl perceber que se houver uma reforma em que ao mesmo tempo que aumenta o mposto sobre o consumo se subsda o trabalho, de modo a que o agente económco não snta desncentvos a trabalhar, esta alteração fnanca os gastos públcos, assm como os subsídos ao trabalho, uncamente através da componente não dstorconára do mposto sobre o consumo, e por sso é um códgo fscal óptmo. Óptmo no sentdo de consegur a efcênca máxma, ou frst best. No modelo que estamos a descrever a efcênca é medda pelo bem estar da famíla representatva e a efcênca máxma sgnfca que a economa está num óptmo de Pareto, ou seja que dadas as preferêncas e a tecnologa não é possível fnancar aquela trajetóra exógena de gastos públcos e melhorar o bem estar de alguma famíla sem que pelo menos outra famíla pore o nível de bem estar. Na solução de efcênca máxma descrta o mposto sobre o consumo deva ser acompanhado por um subsído sobre o rendmento do trabalho. Devdo a problemas de ncentvos a overreportng do subsído ao trabalho mpomos que as escolhas fscas fquem restrtas por um mposto sobre o rendmento o (4) Poderíamos ter também consderado captal humano como um actvo endógeno a partr do período zero. Isto mplcara que o captal humano fosse um nput produtvo. Por smplcdade consderamos que só o captal físco e o trabalho raw são produtvos Banco de Portugal Boletm Económco

5 Artgos Prmavera 2007 do trabalho que não pode ser negatvo. No entanto para o exercíco que estamos a desenvolver o mportante é demonstrar que um aumento do mposto sobre o consumo compensado por uma dmnução do mposto sobre o trabalho aumenta a efcênca, ou seja aumenta o bem estar da famíla representatva. A dmnução do mposto sobre o trabalho quando aumenta o mposto sobre o consumo permte que as decsões do trabalho sejam menos dstorcdas, vsto que parte dos gastos passam a ser fnancados pela componente não dstorconára do mposto sobre o consumo. Por ter uma componente não dstorconára superor um sstema fnancado com uma maor trbutação do consumo e uma menor do rendmento do trabalho é mas efcente. No lmte, quando o mposto sobre trabalho for zero, e for substtuído por um mposto sobre o consumo, a efcênca é a máxma dada a restrção que o mposto sobre o trabalho não pode ser negatvo 5. Esta característca postva na efcênca da economa do mposto sobre o consumo é bem conhecda, e os custos deste mposto são normalmente defndos contrapondo o efeto negatvo sobre a equdade contra este efeto postvo sobre a efcênca. No entanto, a forma como acabámos de dscutr os efetos do mposto sobre o consumo levanta a dúvda da exstênca de custos sobre a equdade quando este mposto substtu os actuas mpostos sobre o rendmento. Como vmos, um aumento do mposto sobre o consumo aumenta a componente não-dstorconára da trbutação dos actvos ncas, e dmnu a componente dstorconára, que altera as decsões do trabalho. A heterogenedade dos agentes nesta economa vem exactamente destas duas componentes: os agentes com maor bem estar na economa têm stocks maores de actvos ncas, ou maor efcênca no trabalho, ou ambas as cosas. Assm não é claro que a reforma em que o aumento do mposto sobre o consumo é compensada por uma dmnução do mposto sobre o trabalho vá melhorar mas os pobres ou os rcos. Além dsso, como dssemos anterormente, estas reformas dão orgem a mportantes efetos de equlíbro geral que vão ser transmtdos aos agentes essencalmente através de preços de equlíbro dferentes. Como se alteram estes preços com o novo regme fscal só pode ser determnado através da resolução do modelo de equlíbro da economa que acabámos de descrever. 3. EFEITOS SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Nesta secção vamos descrever os efetos sobre a equdade de uma reforma em que o mposto sobre o trabalho é substtuído por um mposto sobre o consumo. No entanto para ser mas comparável com o regme de trbutação da maor parte das economas actuas vamos defnr o status-quo como uma stuação em que os gastos públcos são fnancados uncamente por mpostos sobre o rendmento do trabalho e sobre o rendmento do captal. Vamos comparar com o equlíbro resultante deste tpo de fnancamento o equlíbro que resulta de elmnar o mposto sobre o captal, dmnur o mposto sobre o trabalho e aumentar o mposto sobre o consumo até a totaldade dos gastos públcos serem fnancados uncamente por mpostos sobre o consumo. Nesta secção vamos supor que não exstem transferêncas do sector públco para o sector prvado,.e. Tr 0. Como dssemos na ntrodução vamos usar um método muto smplfcado relatvamente aos exercícos normalmente apresentados na lteratura. Uma das hpóteses que permte esta smplfcação é o modelo escolhdo em que, apesar da heterogenedade das famílas, exste aqulo que se chama uma famíla representatva. Ou seja, o equlíbro agregado da economa, nomeadamente os preços de e- qulíbro, podem ser calculados ndependentemente da dstrbução da rqueza ncal, A o ou da dstr- (5) Não estamos a referr a escolha óptma em relação ao mposto sobre o captal vsto que está bem estabelecdo na lteratura que este mposto, que é equvalente a um mposto crescente ao longo do tempo sobre o consumo, é domnado por um mposto sobre o trabalho, e com maora de razão por um mposto sobre o consumo. Assm o códgo mas efcente terá um mposto zero sobre o captal. Boletm Económco Banco de Portugal 95

6 Prmavera 2007 Artgos bução dos níves de efcênca, E, assm como da dstrbução resultante desse equlíbro. A separabldade entre equlíbro agregado e ndvdual é consegudo com hpóteses relatvamente fracas: além das que já descrevemos, nomeadamente as famílas serem prce takers nos mercados e anónmas perante o Governo, as preferêncas, que já refermos serem comuns a todas as famílas, têm que pertencer a determnada classe. Escolhemos para este exercíco uma sub-classe que se adapta bem à evdênca empírca com dados secconas 6. Essa preferêncas são representadas por: U t C t 0 t t, 0, 0, (3.) ondec en representam respectvamente as escolhas de consumo e de horas de trabalho do agente. Cada famíla maxmza a função utldade (3.), sujeta à restrção orçamental representada pela equação (2.). A escolha óptma das horas de trabalho resultante deste problema para o agente é dada por: N t w E n t c Esta condção de prmera ordem reflecte o facto de que, para a sub-classe de preferêncas escolhda, a oferta de trabalho não tem efetos rqueza. A oferta de trabalho para um dado período depende exclusvamente do saláro real líqudo de mpostos. Note que o mposto sobre o trabalho e o mposto sobre o consumo afectam este saláro real líqudo da mesma forma. Vsto os agentes defrontarem guas saláros e guas taxas de mposto, a únca razão pela qual as horas de trabalho dferem entre trabalhadores é devda a dferentes níves de produtvdade entre trabalhadores,e. Trabalhadores com níves de efcênca maor têm uma oferta de trabalho superor relatvamente aos de produtvdade nferor. Se as famílas tverem guas níves de produtvdade só poderão ser dentfcadas no mercado devdo ao facto de as famílas com níves superores de rqueza ncal terem níves de consumo superores aos das famílas com níves de rqueza não-humana ncal menor. O efeto na equdade das reformas fscas é meddo através do efetos sobre a dstrbução do bem estar. Da forma proposta para a função utldade e da solução do problema das famílas podemos escrever a função utldade ndrectav como: V p ' pe pa p o (3.2) em que p representa os vectores dos preços e das taxas de mposto ao longo do tempo, como defndo anterormente. Note que esta função utldade é uma transformação de uma expressão lnear em E e A vsto ' que as funções p, p, pe p não dependem das característcas ndvduas. Esta propredade será essencal para a comparação das dstrbuções de bem estar assocadas a cada regme fscal. o (6) Para uma explcação mas detalhada veja Correa (2005). 96 Banco de Portugal Boletm Económco

7 Artgos Prmavera 2007 A comparação ntrapessoal de utldades, ou níves de bem estar, sempre levantou problemas devdo à cardnaldade necessára a essa comparação. Neste trabalho mnmzámos este problema usando para medr a utldade da famíla. ' v p E p A p o Neste caso para comparar a utldade entre duas famílas e j é calculado o ráco v j v. Este ráco tem uma nterpretação smples pos pode ser nterpretado como o ráco do consumo de cada bem, transformado pela desutldade do trabalho, entre o agente e o agente j. Assm este ráco responde à questão: Quanto tera que crescer o consumo (transformado) que o agente realza de cada bem de forma a que o agente j fosse ndferente quanto à posção de ambos na dstrbução de bem estar? A razão por que dzemos mnmzar o problema da cardnaldade da comparação nterpessoal de utldades é que as undades escolhdas permtem nterpretar a utldade relatva como um conceto de consumo (transformado) equvalente. Ordenar os dferentes regmes de polítca pelo seu efeto dstrbutvo é equvalente a comparar vectores de utldade ndvdual. Vamos comparar estes vectores utlzando o conceto de dferencal relatvo 7. Assm a polítca domna a polítca 2 se e só se o aumento percentual do consumo (transformado) de um agente mas pobre necessáro para que qualquer agente mas rco fque ndferente entre as suas posções na dstrbução, seja menor na polítca do que na polítca 2. Assm a escolha do ndcador ndvdual de utldade e do crtéro de desgualdade escolhdo complementam-se. Podemos provar que, quando exste uma únca dmensão de heterogenedade, no nosso caso quando por exemplo E,ouA A, ou seja quando a função que mede a utldade ndvdual se pode escrever como: o o v p H p em que H representa a dmensão de heterogenedade, a ordenação por equdade depende uncamente dos preços de equlíbro 2 p p ou 2 p p 2 v rd rd ou rd v quando Ou seja se a passagem da polítca 2 para a polítca mplcar um aumento (dmnução) do ráco p p, a equdade melhora (pora). A vantagem deste método é permtr a avalação qualtatva dos efetos dstrbutvos da polítca sem conhecmento explícto da dstrbução das característcas das famílas na economa. Vsto que no caso em estudo as famílas dferem em duas dmensões analzámos separadamente dos casos: Caso A: As famílas dferem exclusvamente no stock ncal de rqueza não humana. Neste caso, E e H A. o (3.3) 2 (7) A polítcadomna a polítca 2 em dferencas relatvos, v v, sse v v j v v 2 2 j, para v v j rd Para quasquer duas dstrbuções, a domnânca de Lorenz mplca a domnânca em dferencas relatvos, e a domnânca em dferencas relatvos é equvalente à domnânca de Lorenz para qualquer partção do suporte da dstrbução Boletm Económco Banco de Portugal 97

8 Prmavera 2007 Artgos Caso B: As famílas dferem no stock ncal de rqueza não humana assm como na efcênca no trabalho de tal forma que E,.e., o índce de efcênca do trabalho é perfetamente correlaconado com o stock ncal de rqueza não humana. Prova-se que neste caso, quando Tr 0, o ráco Ao Ao p é sempre zero, e por sso ndependente da polítca. Numa economa caracterzada por esta p heterogenedade varações da polítca fscal que não ncluam alterações nas transferêncas não tem efetos sobre a dstrbução de bem estar. A razão para nos focarmos nestes dos casos extremos está relaconada com a evdênca empírca que parece sugerr que a concentração da rqueza é superor à concentração do rendmento e que estas duas varáves estão postvamente correlaconadas. Na nossa caracterzação da heterogenedade a dstrbução deve encontrar-se entre os casos A e B. Assm para a determnação do efeto sobre a equdade das reformas referdas é necessáro calcular prmero o efeto sobre o equlíbro geral de modo a obter os vectores p de equlíbro assocados a p cada polítca e posterormente dado esse p calcular o ráco para o caso A. Para calcular o p assocado a cada equlíbro é necessáro resolver numercamente o modelo de equlíbro geral p assocada à polítca em causa. O quadro sumara os resultados obtdos que permtem ordenar as polítcas por efetos na desgualdade. A últma lnha, mostra que a partr da 4ª coluna, N. 5, K 0 e c.8, a desgualdade dmnu, quando comparada com o status quo. Neste caso a elmnação do mposto sobre o captal e substtução por um aumento do mposto sobre o trabalho, e depos por um aumento do mposto sobre o consumo aumenta a efcênca, e reduz a desgualdade quando o mposto sobre o consumo se torna sgnfcatvo. Note que estes efetos se referem ao que chamámos Caso A. Como vmos quando a heterogenedade é determnada smultaneamente por rqueza ncal e efcênca no trabalho, e estas dmensões estão perfetamente correlaconadas, não há efetos na dstrbução (caso B). Neste caso o efeto sobre o bem estar de cada agente é proporconal ao efeto sobre o bem estar do agente representatvo. Como Quadro AUMENTANDO A TAXA DE IMPOSTO SOBRE O CONSUMO Impostos s/ rendmento K status quo. 5,. 23 N N.35 K 0 N.2 K 0 N.5 K 0 N 0 K 0 Impostos s/ consumo c 0 c 0 c 4 c.8 c.29 p Equdade p * Nota: * Aumentos do ráco mplcam maor equdade. 98 Banco de Portugal Boletm Económco

9 Artgos Prmavera 2007 na sequênca de polítcas apresentadas aumenta sempre a efcênca, o aumento do mposto sobre o consumo no caso B leva a um movmento de Pareto. Se usarmos a evdênca empírca para defnr os casos A e B como os casos extremos que acomodam essa evdênca, podemos sumarar os resultados desta secção dzendo que a mudança de um sstema baseado em taxas úncas sobre o rendmento do trabalho e do captal para um sstema baseado numa taxa únca sobre o consumo, sem transferêncas, tem um efeto postvo sobre a equdade. Como descrevemos na secção 2 as alterações de polítca descrtas a partr da segunda coluna aumentam sempre a efcênca, ou seja o bem estar da famíla representatva. Podemos então afrmar que a crescente mportânca nas recetas fscas do mposto sobre o consumo melhora smultaneamente a efcênca e a equdade. E como consequênca quanto mas o sstema é baseado em mpostos sobre o consumo mas fortes são os efetos sobre o bem estar dos agentes stuados na aba esquerda da dstrbução. Por outras palavras os pobres benefcam sempre destas alterações de polítca. 4. IMPOSTOS SOBRE O CONSUMO E DEDUÇÕES OU REDISTRIBUIÇÃO SEM PERDAS DE EFICIÊNCIA Vmos na secção anteror que uma alteração do sstema fscal que dê maor papel aos mpostos sobre o consumo tem um efeto postvo sobre a equdade. Contudo podemos argumentar que a defnção do status quo como um sstema com taxas margnas úncas pode não permtr aplcar aquelas conclusões aos sstemas vgentes caracterzados por taxas margnas crescentes, e caracterzado por sso por um efeto dstrbutvo em prncípo mas forte do que na nossa defnção de ponto de partda. Por sso vamos mostrar nesta secção que a ntrodução de deduções, ou transferêncas, nos nstrumentos fscas conjuntamente com o mposto sobre o consumo permte obter qualquer nível desejado de progressvdade. Uma característca mportante dos mpostos sobre o consumo é a possbldade de que com estes mpostos é possível redstrbur sem custos de efcênca. Mantendo a dscplna de evtar transferêncas dscrmnatóras vamos ntroduzr uma dedução anual gual para todas as famílas. Assm, na stuação lmte em que não haja mpostos sobre o rendmento do trabalho nem sobre o rendmento do captal, o sstema é caracterzado por uma taxa únca sobre o consumo e por uma dedução dêntca para todos os agentes. Este sstema é caracterzado por uma taxa margnal constante mas por uma taxa méda crescente. Pode-se provar que a ntrodução de deduções permte manter o equlíbro agregado quando estas deduções são fnancadas por um aumento do mposto sobre o consumo e acompanhado por uma dmnução do mposto sobre o trabalho. Este resultado segue drectamente das característcas do mposto sobre o consumo que dscutmos na secção 2. Suponha que partndo de um mposto postvo c sobre o trabalho se aumenta o mposto sobre o consumo e se dmnu o mposto sobre o trabalho de n modo a que se mantenha. Vmos que o aumento do mposto sobre o consumo equvale tam- bém a um aumento do mposto sobre o valor ncal da rqueza. Se o valor actualzado das deduções, ou transferêncas, for equvalente ao aumento da trbutação desta rqueza ncal para a famíla representatva o equlíbro geral agregado mantêm-se e por sso mantem-se a efcênca. No entanto, esta polítca, neutra em termos de efcênca, tem efetos nas decsões ndvduas e no bem estar ndvdual. O aumento do mposto sobre o consumo e a dmnução do mpostos sobre o trabalho afecta dferentes famílas de forma dferente. Também a transferênca, apesar de gual para todos, afecta a dstrbução de bem estar. Boletm Económco Banco de Portugal 99

10 Prmavera 2007 Artgos O efeto na equdade va depender outra vez do tpo de heterogenedade consderada. Vamos assm, outra vez, consderar os dos casos extremos, caso A e caso B. Podemos verfcar que em ambos os casos a ntrodução de deduções fnancadas com mpostos sobre o consumo e acompanhadas por dmnuções de mpostos sobre o rendmento do trabalho, de modo a manter o equlíbro agregado, e por sso mantendo os preços que as famílas defrontam antes de mposto, levam a uma dmnução da desgualdade. Mantendo-se a efcênca e melhorando a equdade obtemos o resultado que esta polítca redstrbutva melhora o bem estar das famílas localzadas na aba esquerda da dstrbução de bem estar, ou seja os mas pobres que a méda da economa fcam benefcados com a polítca redstrbutva. 5. CONCLUSÕES Para evtar a complexdade dos sstemas fscas vgentes tem sdo advogada uma alteração para um sstema de taxa únca. Neste trabalho mostramos como é dstrbuda a carga do sstema fscal quando essa taxa únca é sobre o valor acrescentado. A vsão tradconal de que um sstema baseado no valor acrescentado penalza os pobres, vsto estes terem uma propensão maor a consumr que os rcos, é posta em causa. Num ambente em que a heterogenedade entre agentes tenta aproxmar-se da evdênca empírca, e em que os resultados não dependem da nformação específca sobre dstrbução das característcas ndvduas, mostramos que a mudança de um sstema como o actual para um sstema baseado numa taxa únca sobre o valor acrescentado e uma transferênca gual para todas as famílas, tem smultaneamente um efeto postvo sobre a efcênca e sobre a equdade. Este resultado afasta-se de outros encontrados na lteratura, em modelos de equlíbro geral semelhantes ao utlzado, devdo às hpóteses sobre o tpo de assmetra que caracterza a heterogenedade entre as famílas: estes trabalhos assumem como causa da heterogenedade a efcênca nata no trabalho dos dferentes agentes. Na presente nota consderamos que a heterogenedade advém não só da dstrbução da efcênca do trabalho mas também da dstrbução da rqueza no momento da reforma fscal. Os resultados encontrados sgnfcam que o votante medano sera favorável à mplementação desta reforma, vsto a medana ser nferor à méda na dstrbução de bem estar, e que uma reforma deste tpo mplcara que as famílas mas pobres teram necessaramente um aumento de bem estar devdo à reforma. REFERÊNCIAS Altg, D., A. Auerbach, L. Kotlkoff, K. Smetters e J. Wallser, (200), Smulatng Tax Reforms n the Unted States, Amercan Economc Revew, June, 9, 3. Correa, I, (2005), Consumpton Taxes and Redstrbuton, Workng Paper Banco de Portugal nº /2005. Hall, R. and A. Rabushka (995), The Flat Tax, 2nd edton Stanford, CA: Hoover Insttuton Press. 00 Banco de Portugal Boletm Económco

INFLAÇÃO E DESIGUALDADE*

INFLAÇÃO E DESIGUALDADE* Artgos Outono 2009 INFLAÇÃO E DESIGUALDADE* Isabel H. orrea** 1. INTRODUÇÃO A baxa persstente da taxa de nflação é talvez a mudança de polítca maor, mas sustentada, e comum a um maor número de países desenvolvdos.

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.3 Afectação de Bens Públcos: a Condção de Isabel Mendes 2007-2008 5/3/2008 Isabel Mendes/MICRO II 5.3 Afectação de Bens

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA Vtor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconoma I Ano lectvo 2008/09 Uma pequena economa aberta é uma economa para a qual o mercado externo, tanto a nível

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas Análse de Projectos ESAPL / IPVC Taxas Equvalentes Rendas Taxas Equvalentes Duas taxas e, referentes a períodos dferentes, dzem-se equvalentes se, aplcadas a um mesmo captal, produzrem durante o mesmo

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH Curso Bem Estar Socal Marcelo Ner - www.fgv.br/cps Metas Socas Entre as mutas questões decorrentes da déa de se mplementar uma proposta de metas socas temos: Qual a justfcatva econômca para a exstênca

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS 1. Introdução A busca de uma base concetual para a obtenção de meddas de bem-estar

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Capítulo 16: Equilíbrio Geral e Eficiência Econômica

Capítulo 16: Equilíbrio Geral e Eficiência Econômica Capítulo 6: Equlíbro Geral e Efcênca Econômca Pndck & Rubnfeld, Capítulo 6, Equlíbro Geral::EXERCÍCIOS. Em uma análse de trocas entre duas pessoas, suponha que ambas possuam dêntcas preferêncas. A curva

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA*

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Artgos Prmavera 2007 EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Manuel Coutnho Perera** Sara Morera** 1. INTRODUÇÃO As classfcações obtdas pelos estudantes

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4 Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.4 Provsão de Bens Públcos de forma descentralzada: a solução de Lndahl Isabel Mendes 2007-2008 13-05-2008 Isabel Mendes/MICRO

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Lnear com Restrções Aula 9: Programação Não-Lnear - Funções de Váras Varáves com Restrções Ponto Regular; Introdução aos Multplcadores de Lagrange; Multplcadores de Lagrange e Condções

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA *

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * 39 Danel A. Das ** Carlos Robalo Marques *** Fernando Martns **** Artgos Resumo Este artgo nvestga a forma

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 ópco: Dspardades regonas - estudos comparados de desenvolvmento e gestão terrtoral Márco Antôno Salvato 2 Paola Fara Lucas de Souza 3 Resumo:

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral Establdade de Lyapunov e Propredades Globas para Modelo de Dnâmca Vral Nara Bobko Insttuto de Matemátca Pura e Aplcada 22460-320, Estrada Dona Castorna, Ro de Janero - RJ E-mal: narabobko@gmal.com. Resumo:

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

F E ESTUDOS I. Cidadania, Instituição e Património. Economia e Desenvolvimento Regional. Finanças e Contabilidade. Gestão e Apoio à Decisão

F E ESTUDOS I. Cidadania, Instituição e Património. Economia e Desenvolvimento Regional. Finanças e Contabilidade. Gestão e Apoio à Decisão ESTUDOS I Cdadana, Insttução e Patrmóno Economa e Desenvolvmento Regonal Fnanças e Contabldade Gestão e Apoo à Decsão Modelos Aplcados à Economa e à Gestão A Faculdade de Economa da Unversdade do Algarve

Leia mais

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs.

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs. Incerteza: o básco Curso de especalzação em Fnanças e Economa Dscplna: Incerteza e Rsco Prof: Sabno da Slva Porto Júnor Sabno@ppge.ufrgs.br Introdução Até agora: conseqüêncas das escolhas dos consumdores

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Sistemas de Seguro Depósito: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantidor de Créditos *

Sistemas de Seguro Depósito: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantidor de Créditos * Sstemas de Seguro Depósto: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantdor de Crédtos * Ana Carla Abrão Costa Resumo Sstemas explíctos de seguro depósto vêm sendo adotados por países de todo o mundo,

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 10. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisores. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 10. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisores. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpcos de Trenamento Curso de Teora dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Fetosa Aula 10 Dvsores Suponha que n = p α 1 2...pα é a fatoração em prmos do ntero n. Todos os dvsores de n são da forma

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

DESENHO DE PATENTES. 1. Introdução. Bruno Pereira Jorge Oliveira Miguel Martins

DESENHO DE PATENTES. 1. Introdução. Bruno Pereira Jorge Oliveira Miguel Martins DESENHO DE PATENTES Por Bruno Perera Jorge Olvera Mguel Martns 1. Introdução A aqusção de uma patente é um passo crucal para o desenvolvmento de processos e para a compettvdade das empresas. Permte ao

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas Gestão Avançada ada de Sstemas de Abastecmento de Água Avalação de Económca de Projectos e Cálculo de Tarfas Antóno Jorge Montero 26 de Mao de 2008 Aula 5-1 COCEITO DE PROJECTO Processo específco utlzado

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL RESUMO Francel Tonet Macel 1 Ana Mara Hermeto Camlo de Olvera 2 O objetvo deste trabalho fo verfcar possíves fatores determnantes da decsão

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo Resumo Desempenho dos mcroempreendedores no Brasl Adrana Fontes 1 Valéra Pero 2 Os mcroempreendedores formam um grupo muto heterogêneo no Brasl, mas sobre-representados na pobreza. Este artgo examna, com

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.1 Oligopólio em Quantidades (Cournot)

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.1 Oligopólio em Quantidades (Cournot) Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 2.1 Olgopólo em Quantdades (Cournot) Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 2.1 Olgopólo em Quantdades

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Mecanismos de transmissão da política monetária: a visão das diferentes escolas de pensamento *

Mecanismos de transmissão da política monetária: a visão das diferentes escolas de pensamento * Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento * Marcos Wagner da Fonseca ** Marcelo Luz Curado *** Doutor em Desenvolvmento Econômco pelo Programa de Pós-Graduação

Leia mais