Bruno Flora Sales. Dissertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bruno Flora Sales. Dissertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ"

Transcrição

1 Bruno Flora Sales Dssertação de Mestrado 2006 FGV /EPGE - RJ

2 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA DE RATING BASEADO NO MODELO ORDERED PROBIT Bruno Flora Sales Dssertação apresentada à Banca Examnadora da Escola de Pós Graduação em Economa da Fundação Getúlo Vargas, como exgênca parcal para a obtenção do título de Mestre em Fnanças e Economa Empresaral, sob a orentação do Professor Luz Renato Regs de Olvera Lma. Mestrado Profssonalzante em Fnanças e Economa Empresaral FGV / EPGE - RJ Ro de Janero 2006

3 Dssertação de Mestrado: Desenvolvmento de Metodologa de Ratng baseado no modelo ordered probt Autor: Bruno Flora Sales Orentador: Luz Renato Regs de Olvera Lma Data da defesa: 19 de junho de 2006 Aprovada por: Luz Renato Regs de Olvera Lma - Orentador FGV -RJ Carlos Eugeno Ellery Lustosa da Costa FGV - RJ José Santago Fajardo Barbachan IBMEC - RJ Ro de Janero 2006

4 v Sales, Bruno Flora. Desenvolvmento de Metodologa de Ratng baseado no Modelo Ordered Probt / Bruno Flora Sales. Ro de Janero, x, 44 f.: l. Dssertação (Mestrado Profssonalzante em Fnanças e Economa Empresaral Fundação Getúlo Vargas - FGV, Escola de Pós-Graduação em Economa - EPGE, Orentador: Luz Renato Regs de Olvera Lma. 1. Ratng. 2. Ordered Probt. 3. Rsco de Crédto I. Lma, Luz Renato Regs de Olvera. (Orent.). II. Fundação Getúlo Vargas. Escola de Pós- Graduação em Economa. III. Desenvolvmento de Metodologa de Ratng baseado no Modelo Ordered Probt.

5 v Dedcatóra Dedco esse trabalho à mnha famíla.

6 v Agradecmentos Agradeço a meus pas pelo suporte à mas uma conqusta em mnha vda. Sem eles, meu camnho até aqu não sera possível. Agradeço aos meus amgos pela pacênca e companhersmo ao longo desses últmos três anos. A meu chefe, e agora amgo, Sergo Battagla, por acredtar em meu potencal e me apresentar a demanda de mercado, a motvação deste trabalho. Ao amgo Nelson Chaves, grande conhecedor da teora de crédto, pelo aprendzado e sugestões no estudo.

7 v Epígrafe É mpossível algo ser produzdo se não exstsse nada antes Arstóteles

8 v Resumo da Dssertação apresentada na Fundação Getúlo Vargas Escola da Pós- Graduação em Economa, como parte dos requstos necessáros para a obtenção do grau de Mestre em Fnanças e Economa Empresaral DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA DE RATING BASEADO NO MODELO ORDERED PROBIT Bruno Flora Sales Orentador: Luz Renato Regs de Olvera Lma Nos últmos anos o mercado de crédto braslero apresentou grande crescmento em termos de volume e modaldade de operações de crédto. Além dsso, observou-se também o aumento da partcpação dos bancos nesse setor, prncpas ntermedáros fnanceros da economa. Com sso, em um mercado em desenvolvmento, torna-se cada vez mas mportante a correta avalação e admnstração do rsco fnancero envolvdo nas operações: o rsco de crédto. Nesse contexto, a classfcação de ratng surge como referênca para nvestdores. No entanto, como o mercado bancáro braslero anda é pouco desenvolvdo, apenas nsttuções de grande porte são classfcados pelas agêncas de ratng em funconamento no país. Este trabalho tem como objetvo o desenvolvmento de uma metodologa de ratng baseada no modelo ordered probt, que seja capaz de replcar o nível de ratng de uma determnada agênca, e assm consegur estmar o nível de ratng para aqueles bancos que não têm a referda classfcação de ratng. Ro de Janero 2006

9 x DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA DE RATING BASEADO NO MODELO ORDERED PROBIT Bruno Flora Sales Orentador: Luz Renato Regs de Olvera Lma In the last few years there has been an ncrease n the Brazlan credt market n terms of volume and modalty of credt operatons. Besdes, Banks, whch are the man economcs fnancal medator, have ncreased ther role on ths area. Therefore, n a developng marked, t becomes ncreasngly mportant the correct evaluaton and admnstraton of the fnancal rsk nvolved n credt operatons: credt rsk. In ths context, ratng classfcaton emerge as a reference to nvestors. However, as the Brazlan fnancal market s only slghtly developed, ratng agences operatng n ths country classfy only the bggest and more mportant nsttutons. The purpose of ths study s to develop a ratng methodology -based on the ordered probt modelcapable of replcatng the ratng level of a certan agency. Ths way, t would be possble to estmate the ratng level to those Banks that are not classfed by any ratng agency. Ro de Janero 2006

10 x SUMÁRIO 1. Introdução Objetvo O Mercado de Crédto Braslero Concetuação de Crédto A ntermedação fnancera A evolução do segmento bancáro em operações de crédto Concetos e as Agêncas de Classfcação de Ratng Rsco de Crédto Ratng Agêncas de Ratng A escala de ratng da Ftch Descrção dos dados e ndcadores utlzados Metodologa Concetos Resumo Estatístco do Modelo Resultados Conclusão Referêncas APÊNCIDE I Dados utlzados...34

11 x ÍNDICE DE TABELAS E FIGURAS Tabela 1 - Volume de Operações de Crédto Pessoa Jurídca. Fonte: Ssbacen...8 Tabela 2 - Volume de Operações de Crédto Pessoa Físca. Fonte: Ssbacen...8 Tabela 3 - Correspondênca Tpo de Controle - Patrmôno dos Aconstas...15 Tabela 4 - Indcadores e Nome de Varáves usadas no Modelo...16 Tabela 5 - Descrção das Contas Contábes Passvo_Curto...16 Tabela 6 - Descrção das Contas Contábes Atvo_Curto...17 Tabela 7 - Descrção das Contas Contábes Passvo_Longo...17 Tabela 8 - Descrção das Contas Contábes Atvo_Longo...17 Tabela 9 - Método usado no modelo de regressão...18 Tabela 10 - Correspondênca entre a Nota de Ratng e o Nível equvalente...19 Tabela 11 - Comparação entre os níves de ratng: Estmados vs Ftch...29 Fgura 1 - Resultados obtdos na regressão...28

12 1. Introdução Desde 2004, e mas ntensamente em 2005, o volume das operações de crédto no mercado fnancero braslero vem apresentando aumento sgnfcatvo1. Tanto operações de crédto consgnado às pessoas físcas quanto operações corporatvas, seja por emssão de debêntures ou seja por meo de operações estruturadas, tas como, Cessão de Crédtos Bancáros (CCB s), Cessão de Recebíves Imobláros (CRI s) ou Fundos de Recebíves. Fguram estas como as novas modaldades de crédto mas observadas. Alado à nova realdade de mercado, é cada vez mas mportante o conhecmento e controle da capacdade de empresas e bancos na captação de novos recursos. Com objetvo de regular e prover nformação ao mercado, entdades como Bacen Banco Central do Brasl, Andma - Assocação Naconal das Insttuções do Mercado Fnancero e agêncas de classfcação de ratng, passaram a ser a fonte de pesqusa para os nteressados na obtenção de dados a respeto do mercado de crédto no setor bancáro braslero. No entanto, à medda que a maora dos bancos de pequeno porte 2 são classfcados por poucas agêncas de ratng, a correta classfcação do rsco de crédto dessas nsttuções torna-se mas dfícl. Um exemplo, é o Banco Morada. 1 Segundo matéra da Revsta Exame de :... As operações de crédto, que dspararam em 2005 e mpulsonaram o lucro de bancos como Itaú e Banco do Brasl, reduzram o rtmo de crescmento no prmero mês de De acordo com dados do Banco Central (BC) dvulgados nesta quarta-fera (22/2), os empréstmos realzados em janero mostraram expansão de 0,3% no mês e somaram 608,9 blhões de reas. Em dezembro, o número de operações hava crescdo 2,8%. Em 2005, o crédto teve fôlego sufcente para saltar de 27,2% para 31,3% do Produto Interno Bruto (PIB) braslero ao longo do ano. Em janero de 2006, o resultado fcou em 31% nada com que se preocupar, na opnão de Érco Sodré, presdente da Assocação Naconal das Insttuções de Crédto, Fnancamento e Investmento (Acref). "A tendênca anda é de alta. Acredto que, nesse ano, [o crédto] pode chegar a 33% [do PI... 2 Bancos que ocupam a colocação superor a qunquagésma posção no Relatóro de 50 Maores Bancos e o Consoldado do Sstema Fnancero Naconal, nesse estudo são consderados como bancos de pequeno porte.

13 3 2. Objetvo O objetvo desse trabalho é desenvolver um modelo capaz de replcar a classfcação de uma determnada agênca de ratng para o setor bancáro braslero, de manera a estmar o nível de ratng dos bancos que não são acompanhados por nenhuma agênca, ou não tem sua nota dvulgada publcamente. Antecpando uma necessdade de mercado 3 e baseado em um projeto conduzdo pelo Comtê de Precfcação da Andma 4, que tem como fnaldade desenvolver uma metodologa de precfcação de CDB s baseada no prazo e no nível de ratng do emssor, o modelo utlzará como base a classfcação dos níves de ratng ncalmente proposta pelo Comtê. A déa utlzada prevê o agrupamento das dversas notas de ratng em níves, possbltando, dessa manera, a utlzação do modelo de regressão ordered probt 5. Por meo da escolha de ndcadores retrados e calculados a partr do balanço patrmonal e do demonstratvo do resultado de exercíco, o modelo ordered probt estma o valor de cada coefcente, nesse caso as varáves explcatvas, bem como os valores de lmtes entre os níves. O resultado fnal do modelo é a probabldade do banco ser classfcado em cada um dos níves de ratng consderados. A fm de facltar o entendmento, dvdu-se o trabalho em tens, como segue: 3) Apresentação do conceto de crédto e a evolução do mercado de crédto bancáro nos últmos anos; 4) Apresentação dos prncpas concetos abordados no documento: rsco e ratng. Além dsso, apresenta a escala de ratng utlzada pela Ftch, agênca de ratng escolhda como fonte de dados para o modelo; 5) Descrção da base de dados e dos ndcadores utlzados na regressão do modelo; 3 Pode-se entender como necessdade de mercado, o nteresse de nsttuções responsáves pela admnstração fducára de Fundos de Investmento. 4 Segundo Informe de Mercado da Andma - nº /01/2006

14 4 6) Descrção da teora do modelo de regressão ordered probt utlzado e os concetos estatístcos envolvdos; 7) Apresenta o modelo ordered probt escolhdo, comentáros a respeto dos resultados obtdos e a comparação dos ratngs estmados com os valores obtdos a partr da Ftch; 8) Apresenta a conclusão do trabalho destacando pontos postvos e negatvos do estudo; 9) Cta as fontes de estudo consultadas: lvros, papers e stes na nternet; 10) Apresenta os dados utlzados neste estudo. 5 Outros modelos poderam ser usados, como por exemplo, o de Redes Neuras. No entanto, a facldade de mplementação e a rapdez para geração dos resultados, foram crtéros consderados na escolha do modelo a ser usado no estudo.

15 5 3. O Mercado de Crédto Braslero 3.1. Concetuação de Crédto A palavra crédto, num sentdo restrto e específco, consste na entrega de um valor presente medante promessa de pagamento no futuro. Em um banco, que tem a ntermedação fnancera como sua prncpal atvdade, o crédto consste em colocar à dsposção do tomador de recursos (clentes) determnados valores sob forma de empréstmos ou fnancamentos, medante promessa de pagamento futura. Abrangendo o conceto, o crédto pode ser entenddo como parte ntegrante do processo de negóco de uma empresa, ndústra ou banco, à medda que assume papel de facltador de venda. No caso dos bancos, o crédto é o elemento tradconal na relação clente-banco, sto é, é o própro negóco, gerador da prncpal fonte de receta provenente de sua ntermedação fnancera. S., José, (1997), descreve o cclo da ntermedação fnancera como no dagrama apresentado a segur: CLIENTE APLICADOR Dspõe de recuros Aceta qualdade e reputação do Banco Aceta taxas e prazos Aplca recursos Assume o rsco representado pelo Banco Recursos (Depóstos) Recbo Fnancero Captação de Recursos INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO Aplcando Recursos Recursos (Emp./Fn.) Promessa de Pagamento CLIENTE TOMADOR Precsa de recuros É avalado pelo Banco Enquadra-se no perfl de Rsco Assna promessa de pagamento Recebe empréstmos/fnancamento

16 A ntermedação fnancera As funções de captar e aplcar recursos - ntermedação fnancera -, além da prestação de servços, é que propcam retorno aos aconstas dos bancos, prncpas ntermedáros fnanceros. Assocado ao retorno, há o rsco a que esses aconstas estão expostos. Adconalmente, o rsco representado por um banco nteressa também aos város clentes depostantes e aplcadores. Prncpas ntermedáros fnanceros os bancos emtem títulos contra s a fm de obter bter fundos junto aos agentes econômcos usando esses recursos para fazer empréstmos a terceros - concessão de crédto. Nsto consste sua prncpal fonte de renda, auferndo ganhos na dferença entre as taxas de juros pagas aos fornecedores de fundos e as taxas de juros cobradas aos demandadores. A ntermedação fnancera proporcona aos agentes econômcos benefícos, tas como: Avalação de rsco. os ntermedáros fnanceros são mas bem preparados que os agentes econômcos no sentdo de saber avalar melhor os rscos decorrentes das atvdades econômcas. Nesse sentdo, o ntermedáro fnancero é mas bem preparado para essa tarefa, propcando maor segurança ao aplcador de recursos. Facldade de obtenção de recursos. A exstênca de ntermedáros fnanceros faclta o processo de localzação e aproxmação dos agentes econômcos defctáros (tomadores de recursos) e superavtáros (ofertadores de recursos) 3.3. A evolução do segmento bancáro em operações de crédto Nos últmos anos, o mercado braslero vem apresentando mudanças sgnfcatvas não só quanto ao volume das operações de crédto em relação ao PIB,

17 mas também quanto às modaldades de operações e sua dstrbução por segmento bancáro. 7 Segundo relatóro Anual do Banco Central de dezembro de :...Em conseqüênca, a partcpação do total de empréstmos no PIB atngu 31,2% ante 27% em dezembro de O comportamento do crédto em 2005 fo sustentando pelo desempenho favorável do segmento de recursos lvres, mpulsonado, prncpalmente, pela trajetóra expansonsta das operações contratadas com pessoas físcas, com ênfase para a aqusção de bens duráves e para o crédto pessoal, o que traduzu a expressva evolução dos empréstmos consgnados em folha de pagamento......quanto às fontes de fnancamento, destaca-se o crescmento da emssão de Certfcado de Depóstos Bancáros (CDB), que tem se consttuído em uma das prncpas fontes de recursos para a amplação do crédto ao setor prvado. De fato, observa-se que, nos últmos dos anos, período de expressvo crescmento das operações de crédto, essas captações amplaram sua partcpação na exgbldade do sstema......a evolução dos atvos do sstema bancáro segundo a orgem do captal evdenca a maor representatvdade dos bancos prvados naconas, com 45,2% em dezembro, ante 43,6% no fnal de No mesmo período, a partcpação dos bancos estrangeros evoluu de 21,4% para 21,9%e a dos bancos públcos recuou de 35% para 33%... A segur, na Tabela 1 e Tabela 2, é apresentado resumo das nformações consoldadas do sstema fnancero naconal, confrmando a evolução crescente do volume total de crédto no país. As tabelas orgnas 7 são dvulgadas para cada modaldade de crédto com a classfcação por tpo de encargo e por categora de tomador. Apresentam perodcdade mensal e referem-se ao volume total de crédto, às novas concessões efetuadas no período, às taxas médas de juros, ao spread e, anda, ao prazo médo e aos níves de atraso das carteras de crédto

18 8 Tabela 1 - Volume de Operações de Crédto Pessoa Jurídca. Fonte: Ssbacen Tabela 2 - Volume de Operações de Crédto Pessoa Físca. Fonte: Ssbacen

19 9 4. Concetos e as Agêncas de Classfcação de Ratng 4.1. Rsco de Crédto O conceto de rsco está ntmamente lgado à ncerteza na ocorrênca de um determnado evento. Na teora de Fnanças, rsco está relaconado à ncerteza quanto ao retorno dos atvos e, por sso, todas as defnções surgem a partr da dstrbução de probabldade dos possíves retornos. A dstrbução descreve a probabldade do retorno de um atvo, portfolo, ou de um benchmark. A melhor medda de rsco é o desvo-padrão, pos ele determna probabldades guas em torno da méda dos retornos. Se esses últmos são normalmente dstrbuídos, então dos-terços deles estão embaxo de um desvo-padrão a partr da méda. O desvo-padrão mede a ncerteza do retorno. J, Phlpe (1999), defne dversos tpos de rscos fnanceros. Neste trabalho, estamos nteressados no Rsco de Crédto, que surge quando há ncerteza assocada ao cumprmento das obrgações contratuas de uma determnada contraparte. Quando relaconado a países, o rsco de crédto é conhecdo como rsco soberano. O conceto de rsco de crédto pode ser entenddo como a probabldade de um emssor fcar nadmplente, levando ao não pagamento de juros ou prncpal. Dessa forma, os bancos podem reduzr seu rsco de crédto dversfcando suas operações entre mutos setores e mutuáros Ratng O conceto de Ratng pode ser defndo como uma opnão ndependente a respeto da capacdade futura de um determnado emssor em realzar suas

20 10 obrgações fnanceras contratuas pontualmente, efetuando pagamentos de juros e amortzações nas datas estabelecdas. Pode ser entenddo também como uma medda relatva de rsco de crédto, baseada em análse de fundamentos quanttatvos e qualtatvos. Ratng não deve ser entenddo como uma medda de volatldade de preços ou meddas de valor relatvo, e sm de rsco relatvo. Não é uma medda de potencal de valorzação de atvos ou outros rscos relaconados a nvestmentos em renda fxa que não à perda esperada em função da nadmplênca do emssor. Em outras palavras, utlzando-se a classfcação de ratng, torna-se possível determnar, através de fatores qualtatvos e quanttatvos, a prevsbldade e establdade da geração de caxa futura do emssor, bem como o nível de rsco relatvo assocado ao não recebmento pontual. Os ratngs de crédto são utlzados por nvestdores como ndcação da probabldade destes receberem seu captal aplcado de volta, segundo os termos acordados na ocasão da realzação do nvestmento. Os ratngs de crédto são aplcáves a uma gama de emssores e emssões, não se lmtando a países, estados, muncípos, nsttuções fnanceras, seguradoras, empresas, assm como operações estruturadas garantdas por recebíves ou outros atvos fnanceros 4.3. Agêncas de Ratng Em um mercado de crédto desenvolvdo, torna-se cada vez maor a mportânca das agêncas de ratng. Isso porque no regulamento de mutos nvestdores nsttuconas são aprovados lmtes de crédto somente para aquelas nsttuções com determnado nível de ratng e classfcadas por determnadas agêncas. É o caso de Fundos de Investmentos, Empresas, Bancos e até Países. No caso do Brasl, por exemplo, o fluxo de nvestmento vndo de países desenvolvdos somente não é maor atualmente porque nosso país anda não atngu o nível de nvestment grade. Tal avalação funcona como referênca para o mercado, à medda que ndca a capacdade de países e empresas em honrar seus compromssos, sendo um nvestmento de baxo rsco.

21 11 Porém, não é apenas a nota de ratng que é mportante para determnados nvestdores. Há também aqueles que são compeldos a consderar somente notas de determnadas agêncas de grande prestígo. Esta stuação ocorre porque, muto embora o processo de avalação para classfcação de ratng pareça não varar muto de uma agênca para outra, devdo à possbldade da ocorrênca de confltos de nteresse no processo de avalação de ratng por parte das agêncas, os analstas acabam por eleger àquelas com maor porte e prestígo no mercado. Os possíves confltos de nteresse podem vr a ocorrer na medda em que as agêncas são contratadas pelas própras empresas nteressadas na obtenção de uma boa classfcação de ratng. As agêncas em funconamento no Brasl são: Austn Ratng, FtchRatng, LFRatng, Moody s, SR Ratng e Standard & Poor s. Para efeto de crtéro de escolha da fonte de dados de ratng a ser usada nesse estudo, consderou-se a quantdade de dados dsponíves e a facldade de obtenção. Nestas crcunstâncas optou-se pela agênca Ftch como fonte de referênca, embora a agênca seja reconhecda como a com mas prestígo no mercado A escala de ratng da Ftch A Ftch ncou suas operações no Brasl na década de 80 e em abrl de 2003 adquru a Atlantc Ratng, maor agênca naconal, com atuação no Brasl desde A fusão das duas empresas deu orgem à agênca de classfcação de rsco líder no mercado naconal. O ratng correto e váldo para qualquer emssor ou emssão avalado pela Ftch é aquele que se encontra na lsta de ratngs no webste da agênca. Apesar de parte do acesso ao ste ser reservado a assnantes, as notas encontram-se com acesso lberado para todo o mercado.

22 12 Um ratng da Ftch reflete as opnões da agênca e a percepção da qualdade de crédto do emssor ou da operação em questão até o momento atual e não apenas na data em que um relatóro fo publcado. A perodcdade de publcação dos relatóros vara de acordo com cada tpo operação, podendo ser trmestral, semestral ou anual, sendo mportante frsar que, segundo a agênca, exste o montoramento constante de todos emssores e emssões e que são analsados e atualzados constantemente os ratngs atrbuídos, ndependentemente da freqüênca de publcação de análses ou relatóros. Assm sendo, a nota que se encontra dsponblzada no webste é a correta avalação de rsco pela Ftch e válda no momento da consulta. Portanto, é errôneo nferr que um relatóro publcado há algum tempo possa mplcar em desatualzação da nota. A agênca coloca anda o segunte:...o mportante para o nvestdor não é a freqüênca da publcação de relatóros e sm a qualdade e freqüênca do montoramento de emssões e emssores cobertos pela agênca, que é feto nnterruptamente no caso da Ftch... As análses para o Setor de Bancos fetas pela Ftch são, preferencalmente, baseadas em demonstrações fnanceras consoldadas. Como era de se esperar a agênca escolhe as demonstrações consoldadas porque estas contemplam, com detalhes, o conjunto das operações realzadas pela própra nsttução e por suas colgadas e controladas (corretora, dstrbudora, leasng etc.). Já as demonstrações não-consoldadas são mas restrtas, e eventualmente pode apresentar dstorções em face das transferêncas de atvos e lucro, entre outros, dentro do própro grupo, podendo afetar a análse dos ndcadores de qualdade dos atvos de crédto, lqudez, alavancagem, além da formação do lucro do banco. As notas utlzadas são aquelas referentes à classfcação de Ratng Naconal de Crédto de Longo Prazo. Entende-se por Ratng Naconal avalação da qualdade de crédto relatva ao ratng do melhor rsco de crédto dentro de um país. De acordo com a classfcação da Ftch, as notas representam o segunte:

23 13 AAA (bra) Denota o mas alto ratng atrbuído pela Ftch em sua Escala de ratng Naconal. Este ratng é atrbuído ao melhor rsco de crédto comparado a todos os outros emssores ou emssões do mesmo país. AA (bra) Denota um rsco de crédto muto baxo comparado a outros emssores ou emssões do mesmo país. O rsco de crédto embutdo nessas obrgações dfere apenas levemente do rsco das obrgações com o mas alto ratng daquele mesmo país. A (bra) Representa um baxo rsco de crédto comparado a outros emssores ou emssões do mesmo país. Contudo, mudanças adversas nas condções dos negócos, econômcas ou fnanceras, talvez afetem mas a capacdade de pagamento dessas obrgações no prazo esperado que no caso das categoras de ratngs mas elevados. BBB (bra) Denota um adequado rsco de crédto comparado a outros emssores ou emssões do mesmo país. Todava, mudanças adversas nas condções dos negócos, econômcas ou fnanceras têm maor probabldade de afetar a capacdade de pagamento dessas obrgações no prazo esperado que no caso das categoras de ratngs superores. BB (bra) Representa um rsco de crédto relatvamente fraco comparado a outros emssores ou emssões do mesmo país. No âmbto do país, a capacdade de pagamento, no prazo esperado, dessas obrgações é ncerta e permanece mas vulnerável à mudanças adversas nas condções dos negócos, econômcas ou fnanceras ao longo do tempo. B (bra) Denota um rsco de crédto sgnfcatvamente fraco comparado a outros emssores ou emssões do mesmo país. Os compromssos fnanceros correntes

24 14 estão sendo honrados, mas a margem de segurança permanece lmtada e a manutenção da capacdade de pagamento, no prazo esperado, depende de condções favoráves dos negócos, econômcas ou fnanceras. Um dentfcador especal para o país em questão é adconado a todos os ratngs naconas. Para fnaldade lustratvas, (bra) fo utlzado acma. "+" ou "-" podem ser adconados a um ratng naconal para denotar sua posção relatva numa categora de ratng. 5. Descrção dos dados e ndcadores utlzados De acordo com a Le 4.595/64, as nsttuções fnanceras devem apurar resultados referentes a 30 de junho e 31 de dezembro de cada ano, obrgatoramente, com observânca das regras contábes estabelecdas pelo Conselho Monetáro Naconal. Desta forma, em março e setembro, os dados contábes referentes a recetas e despesas correspondem aos saldos acumulados de janero a março e de julho a setembro, respectvamente. Os demonstratvos de resultado de junho e dezembro regstram os valores acumulados de janero a junho e de julho a dezembro, respectvamente. Tas dados utlzados são referentes ao 4º trmestre de Os valores são dsponblzados para consulta dretamente no ste do BACEN 8, que pode ser feta por nome ou CNPJ da nsttução. Os ndcadores foram escolhdos de manera que pudessem, preferencalmente, ser classfcados de acordo com a metodologa de CAMEL, recomendada pelo FED e outras agênca reguladoras, e dvddos nos seguntes grupos: adequação de captal (Captal adequacy), qualdade de atvos (Assets qualty), admnstração (Management), lucros (Earnngs) e lqudez (Lqudty). No entanto, com o objetvo de smplfcar o modelo, mas sem prejudcá-lo, poucas varáves foram utlzadas. 8 https://www3.bcb.gov.br/ftmagem/

25 15 A maora das varáves explcatvas usada no modelo fo obtda dretamente dos dados contábes. Outras foram calculadas a partr deles, de manera a consderar as varáves que analstas de crédto costumam observar ao avalar a qualdade de crédto de Bancos. É o caso do conceto conhecdo como coefcente de cobertura de operações de crédto ou colchão. Em resumo, pode ser entenddo como a dferença entre atvos e passvos de crédto, curtos e longos, representando a alocação e orgem de fundngs do banco. Além dsso, pode ser utlzado também como um dado de lqudez. Bancos com valor negatvo para esse ndcador são penalzados à medda que ndcam que a nsttução não está fnancando suas operações de crédto adequadamente. É o caso, mutas vezes, de Bancos assocados a montadoras de veículos, os quas fazem suas captações com operações no mercado nterbancáro, e apresentam o valor do colchão negatvo. A únca varável explcatva que não retrada dos dados contábes é a que representa a orgem do patrmôno dos aconstas ou tpo de controle. A partr da classfcação estabelecda pelo BACEN 9, atrbuu-se uma nota, apresentando um rankng. O melhor tpo de controle fcou com a menor nota e o por, como a maor. A relação é arbtrára e apresentada na Tabela 3, a segur: Nota Tpo de Controle 1 Públco Federal 2 Prvado - Controle Estrangero 3 Prvado Controle Naconal 4 Prvado Partcpação Estrangera 5 Públco Estadual Tabela 3 - Correspondênca Tpo de Controle - Patrmôno dos Aconstas As varáves utlzadas dretamente do modelo, bem como seus os códgos, estão lstados na Tabela 4, a segur:

26 16 Indcador Nome no Modelo Orgem Conta Atvo Total AT Balanço Patrmôno Líqudo PL Balanço Depóstos (Curtos e Longos) DE Balanço Resultado Bruto RB DRE Lucro Líqudo LL DRE Resultado Operaconal RO DRE Colchão CO Balanço Tpo de Controle - Patrmôno dos Aconstas PA BACEN 10 Tabela 4 - Indcadores e Nome de Varáves usadas no Modelo A varável Colchão, ctada anterormente, fo calculada segundo a equação abaxo: CO = ( Passvo _ Curto Atvo _ Curto) + ( Passvo _ Longo Atvo _ Longo) Nas tabelas a segur estão lstadas as varáves da equação acma e as contas usadas por cada uma delas: Passvo_Curto (BACEN) Descrção DEPOSITOS A VISTA DEPOSITOS DE POUPANCA DEPOSITOS A PRAZO RECURSOS DE ACEITES E EMISSAO DE TITULOS OBRIGACOES POR EMPRESTIMOS OBRIGACOES POR REPASSES DO EXTERIOR OBRIGACOES POR REPASSES DO PAIS - INSTITUICOES (PROVISAO PARA CREDITOS DE LIQUIDACAO DUVIDOSA) DIVERSAS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS Tabela 5 - Descrção das Contas Contábes Passvo_Curto 9 Dados obtdos no Relatóro de 50 Maores Bancos e o Consoldado do Sstema Fnancero Naconal 10 De acordo com a tabela 3

27 17 Atvo_Curto (BACEN) Descrção OPERACOES DE CREDITO INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS VINCULADOS A PRESTACAO DE GARANTIAS OUTROS VALORES E BENS CREDITOS VINCULADOS OPERACOES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL DIVERSOS CREDITOS POR AVAIS E FIANCAS HONRADOS Tabela 6 - Descrção das Contas Contábes Atvo_Curto Passvo_Longo (BACEN) Descrção DEPOSITOS OBRIGACOES POR EMPRESTIMOS OBRIGACOES POR REPASSES DO PAIS - INSTITUICOES OBRIGACOES POR REPASSES DO EXTERIOR RECURSOS DE ACEITES E EMISSAO DE TITULOS (PROVISAO PARA CREDITOS DE LIQUIDACAO DUVIDOSA) PERMANENTE PATRIMONIO LIQUIDO INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS DIVERSAS Tabela 7 - Descrção das Contas Contábes Passvo_Longo Atvo_Longo (BACEN) Descrção OPERACOES DE CREDITO INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS VINCULADOS A PRESTACAO DE GARANTIA OUTROS VALORES E BENS CREDITOS VINCULADOS OPERACOES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL OUTROS CREDITOS CREDITOS POR AVAIS E FIANCAS HONRADOS IMOBILIZADO DE ARRENDAMENTO Tabela 8 - Descrção das Contas Contábes Atvo_Longo

28 18 Com objetvo de mnmzar a varânca da amostra, dado a grande dferença entre a ordem de grandeza dos números, fo utlzada a função logarítmca. Para as varáves que apresentavam valores negatvos, mpossbltando o uso da função, como é o caso dos dados de resultado obtdos do DRE, fo analsada a relação entre o ndcador e o Patrmôno Líqudo (PL). No modelo, essas varáves são dentfcadas pelo símbolo _. Algumas varáves foram anda elevadas ao quadrado com o objetvo de capturar uma possível relação decrescente de escala, sto é, varáves que a partr de determnado valor pudessem contrbur negatvamente para o ratng do Banco. Na Tabela 9, abaxo, são lstadas as varáves explcatvas utlzadas no modelo de regressão: Nome da Varável Explcatva PL AT^2 PA^2 DE RB LL_PL RO_PL CO_PL CO_PL^2 Método Log(PL) Log(AT)^2 PA^2 Log(DE) Log(RB) LL / PL RO / PL CO / PL (CO / PL)^2 Tabela 9 - Método usado no modelo de regressão Como a classfcação utlzada para agrupar as notas da ratng em níves é arbtrára, optou-se por utlzar a classfcação do projeto de precfcação de CDB s em estudo pela Andma. Contudo, devdo à restrção quanto a quantdade de dados amostras para o 4º nível, a quantdade de níves utlzadas no estudo fo nferor a proposta pela Assocação. O modelo contará apenas com 3 níves, de manera que o nível de ratng 3 agrupará nformação referente ao 4º nível de ratng.

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Danilo Luís Damasceno DETERMINAÇÃO DE RATING DE CRÉDITO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE INDICADORES CONTÁBEIS

Danilo Luís Damasceno DETERMINAÇÃO DE RATING DE CRÉDITO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE INDICADORES CONTÁBEIS FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profssonal em Economa Danlo Luís Damasceno DETERMINAÇÃO DE RATING DE CRÉDITO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS ATRAVÉS DE INDICADORES CONTÁBEIS São Paulo 2007 Danlo

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira?

Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira? Decsão de Recompra de Ações: Intenção de Blndagem em Período de Turbulênca Fnancera? Resumo Autora: Llam Sanchez Carrete Este trabalho tem como objetvo avalar se o anúnco de programas de recompra de ações

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil RAE-eletrônca ISSN: 676-5648 rae@fgv.br Escola de Admnstração de Empresas de São Paulo Brasl Gumarães, Ináco Andrusk; Chaves Neto, Anselmo RECONHECIMENTO DE PADRÕES: METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS EM CRÉDITO

Leia mais

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial Modelo de Mensuração da Rentabldade do Crédto Comercal Autora: Dany Rogers, Pablo Rogers, Karem Crstna de Sousa Rbero Resumo A avalação para concessão de crédto, prncpalmente em empresas comercas, é tradconalmente

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências Governança Corporatva e Estrutura de Propredade no Brasl: Causas e Conseqüêncas Anaméla Borges Tannús Dam (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Pablo Rogers (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Kárem

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos INFORMAÇÕES ASSIMÉTRICAS NO MERCADO DE CRÉDITO: UMA ABORDAGEM SOBRE O COMPORTAMENTO DOS BANCOS BRUNO FERREIRA FRASCAROLI Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Economa Unversdade Federal da Paraíba

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Slva, Dany Rogers; Sousa Rbero, Karem Crstna de; Hua Sheng, Hsa Mensuração da rentabldade do crédto comercal:

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasl, 9 a 11 de Outubro de 006 Análse multvarada do rsco sstemátco dos prncpas mercados de ações da Amérca Latna: um enfoque Bayesano André Asss de Salles (UFRJ) asalles@nd.ufrj.br

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

FLÁVIA Z. DALMÁCIO - flavia@fucape.br Doutoranda em Contabilidade pela Usp e Professora. da FUCAPE

FLÁVIA Z. DALMÁCIO - flavia@fucape.br Doutoranda em Contabilidade pela Usp e Professora. da FUCAPE 1 UM ESTUDO DO IMPACTO DA GOVERNANÇA CORPORATIVA NA RENTABILIDADE E PERFORMANCE DO ÍNDICE BRASIL (IBrX) CARLOS BOLÍVAR DE ASSUMPÇÃO JÚNIOR - bolvar.vx@terra.com.br Mestrado Profssonal em Cêncas Contábes

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM FINANÇAS E ECONOMIA EMPRESARIAL FELIPE ABAD HENRIQUES

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM FINANÇAS E ECONOMIA EMPRESARIAL FELIPE ABAD HENRIQUES FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM FINANÇAS E ECONOMIA EMPRESARIAL FELIPE ABAD HENRIQUES ESTUDO DO COMPORTAMENTO DO RETORNO DAS AÇÕES AO REDOR DA DATA EX-DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasl, 1 a 4 de out de 003 Uso dos gráfcos de controle da regressão no processo de polução em uma nterseção snalzada Luz Delca Castllo Vllalobos

Leia mais

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A Engenhara de Produção e o Desenvolvmento Sustentável: Integrando Tecnologa e Gestão. Salvador, BA, Brasl, 06 a 09 de outubro de 009 O RISCO IDIOSSINCRÁTICO

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Variáveis dummy: especificações de modelos com parâmetros variáveis

Variáveis dummy: especificações de modelos com parâmetros variáveis Varáves dummy: especfcações de modelos com parâmetros varáves Fabríco Msso, Lucane Flores Jacob Curso de Cêncas Econômcas/Unversdade Estadual de Mato Grosso do Sul E-mal: fabrcomsso@gmal.com Departamento

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 Danlo Coelho Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada João Alberto De Negr (IPEA) Insttuto

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

Modelo Multi-Estado de Markov em Cartões de Crédito. Daniel Evangelista Régis Rinaldo Artes

Modelo Multi-Estado de Markov em Cartões de Crédito. Daniel Evangelista Régis Rinaldo Artes Modelo Mult-Estado de Markov em Cartões de Crédto Danel Evangelsta Régs Rnaldo Artes Insper Workng Paper WPE: 137/2008 Copyrght Insper. Todos os dretos reservados. É probda a reprodução parcal ou ntegral

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Unversdade do Estado do Ro de Janero Insttuto de Matemátca e Estatístca Econometra Revsão de modelos de regressão lnear Prof. José Francsco Morera Pessanha professorjfmp@hotmal.com Regressão Objetvo: Estabelecer

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Assimetria de Informações e Pagamento de Proventos em Dinheiro na Bovespa.

Assimetria de Informações e Pagamento de Proventos em Dinheiro na Bovespa. Assmetra de Informações e Pagamento de Proventos em Dnhero na Bovespa. Autora: Robert Aldo Iquapaza, Wagner Moura Lamouner, Hudson Fernandes Amaral Resumo: Nesta pesqusa avala-se o efeto da assmetra de

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira Índce de Oportundades da Educação Braslera Centro de Lderança Públca - CLP Produto 2 METAS 13 de agosto de 2015 Sumáro Sumáro... 2 1. Introdução... 4 O Sstema de Educação Básca no Brasl... 4 2. Especfcação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA NO RISCO FINANCEIRO DE PROJETOS HIDROELÉTRICOS

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA NO RISCO FINANCEIRO DE PROJETOS HIDROELÉTRICOS GPL/011 21 a 26 de Outubro de 2001 Campnas - São Paulo - Brasl GUPO VII GUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTICOS AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO MECANISMO DE EALOCAÇÃO DE ENEGIA NO ISCO FINANCEIO DE

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Investigação do desempenho das cooperativas de

Investigação do desempenho das cooperativas de Investgação do desempenho das cooperatvas de crédto de Mnas Geras por meo da Análse Envoltóra de Dados (DEA) Marco Aurélo Marques Ferrera Rosane Mara Lma Gonçalves Marcelo José Braga Resumo Este trabalho

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL RISCO DE TAXA DE JUROS 1. Introdução O rsco de taxas de juros é a exposção da condção fnancera de um

Leia mais