Capítulo IV TRANSFORMADAS DE LAPLACE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo IV TRANSFORMADAS DE LAPLACE"

Transcrição

1 Cpíulo IV TRANSFORMADAS DE LAPLACE

2 Cpíulo IV Trnormd d Lplc Cpíulo IV O méodo d rnormd d Lplc rolv quçõ dirncii corrpondn problm d vlor inicil problm d vlor ronir O proco d olução coni m rê po principi: Primiro po O diícil problm ddo é rnormdo num qução impl qução ubidiári Sgundo po A qução ubidiári é rolvid purmn por mnipulçõ lgébric Trciro po A olução d qução ubidiári é rnormd novmn pr obr olução do problm ddo D modo, rnormd d Lplc rduz o problm d rolução d um qução dirncil num problm lgébrico O rciro po é impliicdo por bl, cujo objcivo é imilr o d bl d ingri n ingrção E prmu nr oprçõ d cálculo oprçõ lgébric n rnormd é chmd cálculo oprcionl, um ár muio imporn m mmáic plicd, o méodo d rnormd d Lplc é pricmn o méodo mi imporn pr propóio N vrdd, rnormd d Lplc êm numro plicçõ n Engnhri, ndo priculrmn úi m problm ond orç moriz mcânic ou lécric m dconinuidd, é impuliv ou priódic m não mrmn um unção no ou cono Our vngm é qu o méodo rolv problm dircmn N vrdd, o problm d vlor inicil ão rolvido m drminr primiro um olução grl Similrmn, quçõ não homogén ão rolvid m primiro rpondr à corrpondn qução homogén Trnormd d Lplc Anirnormd Linridd Sj () um unção dd qu é dinid pr odo o Muliplic- () por ingr- m rlção d zro é o ininio Enão, o ingrl ruln xi io é, m lgum vlor inio - é um unção d, digmo, F () : 76 Pro Alzir Dini

3 Cpíulo IV Trnormd d Lplc F () = () d E unção F ( ) d vriávl é chmd rnormd d Lplc d unção originl ( ), rá nod por ( ) F () = L ( ) = () L Aim d Porno lmbrmo: unção dd dpnd d nov unção u rnormd dpnd d A oprção dcri, qu origin F () prir d (), é mbém chmd rnormd d Lplc Pr lém dio, unção originl ( ) m F() = ( ) = () L d é chmd L ; - rnormd invr, nirnormd ou invr d F ( ) rá nod por ( ) io é, crvrmo () = L - ( F ) Noção A unçõ origini ão nod por lr minúcul u rnormd pl mm lr m mícul, d modo qu F ( ) rprn rnormd d () Y ( ) rprn rnormd d y (), im ucivmn Exmplo Sj () = qundo Enconr ( ) F D F() = L ( ) = () d obmo por ingrção L ( ) L( ) = d = = ; im, qundo >, L () = = O ingrl com inrvlo d ingrção nr zro é chmdo um ingrl impróprio, por dinição, é clculdo d cordo com rgr () d = lim () T T T d = lim lim = T = T + ( > ) o d Aim no noção igniic Exmplo Sj () = qundo L, ond é um conn Enconr ( ) 77 Pro Alzir Dini

4 Cpíulo IV Trnormd d Lplc Novmn por F() = ( ) = () não, qundo >, ( ) ( ) L d, L ( ) = d = ; L = Srá qu dvmo coninur d modo obr rnormd d um unção pó our dircmn prir d dinição? Não! A rzão é qu rnormd d Lplc m mui propridd gri qu ão úi pr propóio Acim d udo, rnormd d Lplc é um oprção linr l como dirncição ingrção Signiic qu: Torm A rnormd d Lplc é um oprção linr, io é, pr quiqur unçõ () () b, L { () bg() } = L{ ( ) } + bl{ g( ) } g cuj rnormd d Lplc xim quiqur conn + Dmonrção Por dinição, L { () bg() } = [ () + bg() ] d = () d b g() d = L { () } + bl{ g( ) } + + Exmplo Sj () coh = ( + ) L = Enconr ( ) A prir do orm nrior do xmplo nrior obmo L ( coh ) = L( ) + L( ) = + ; io é, qundo > ( ), + L ( coh ) = Exmplo Sj F() = ( )( b) - Enconr ( F ), b L 78 Pro Alzir Dini

5 Cpíulo IV Trnormd d Lplc O invro d um rnormção linr é linr Por rdução d rcção prcil b b - obmo im do pnúlimo xmplo L ( F ) = L = = b - - L L = b b prnd no im d cpíulo b ( ) -, o qu prov ª órmul Exmplo Sj F() = b, b ( )( ) L - Enconr ( F ) Uilizndo idi do xmplo nrior, obmo = b b b b ( b ) - L = - L ( )( b) = Um pqun li d lgum unçõ lmnr imporn d u rnormçõ d Lplc é dd n bl qu gu Um li mi xn virá no im Um vz bid rnormd bixo, qu od rnormd qu ncirmo podm r obid rvé d uilizção d lgun orm impl qu vrmo A rê primir órmul d bl ão co pcii d qur órmul E úlim é provd por indução como gu Vriic- pr n = dvido o primiro xmplo! = Vrmo gor hipó d indução qu vriic pr qulqur iniro poiivo D F() = ( ) = () L n n+ n+ ingrção por pr ( ) ( ) = d = + + n + livr do ingrl é zro pr = pr n ( n ) L( ) L L d obmo n d A pr O ldo dirio é igul + Dqui d hipó d indução obmo n+ n + n ( ) ( ) ( n + ) n! ( n + ) L = =! = n+ n+ Io prov 4ª órmul 79 Pro Alzir Dini

6 Cpíulo IV Trnormd d Lplc Algum unçõ ( ) u rnormd d Lplc L ( ) () ( ) L ( ) L ( ) 6 7 co + 3 3! 8 in + 4 n ( n =,, ) n! n+ 9 coh 5 ( poiivo) Γ ( + ) + inh Γ( +) n órmul 5 é chmd unção gm obmo órmul 5 prir d F () = ( ) = () + L d, dinindo x x Γ = x dx = ( + ) + din Γ( +) No- qu ( n + ) = n! L x dx x = : ( ) = d = =, >, porqu o úlimo ingrl é prcimn o qu Γ qundo n é um iniro não ngivo, d modo qu órmul 4 mbém gu à órmul 5 A órmul 6 oi dmonrd no gundo xmplo Pr dmonrr órmul 7 8, dinimo = i n órmul 6 Enão ( i ) + i + i L = = = = + i i ( i )( + i ) Por ouro ldo, plo orm nrior i = co + iin, vm ( i ) L( co + iin) = L( co) il( in) L = + Equcionndo pr rl imginári d du quçõ, obmo órmul 7 8 A órmul 9 oi dmonrd no rciro xmplo, órmul pod r dmonrd d um orm imilr 8 Pro Alzir Dini

7 Cpíulo IV Trnormd d Lplc Exiênci d Trnormd d Lplc Concluindo pr inroduóri, dvrímo dizr lgo quno à xiênci d rnormd d Lplc: Pr um ixo o ingrl m F() = L ( ) = () xiirá odo o ingrndo ( ) qu nd pr zro uicinmn rápido à mdid, digmo, plo mno como um unção xponncil com xpon γ ngivo Io origin diguldd ( ) M d bixo no ubqun orm d xiênci () não nci d r conínu Io é d imporânci práic um vz qu nrd dconínu orç moriz ão prcimn qul pr qui o méodo d rnormd d Lplc orn priculrmn úil É uicin qu () j conínu por pr m odo o inrvlo inio n gm Por dinição, um unção () é conínu por pr num inrvlo inio b () é dinid n inrvlo é l qu o inrvlo pod r ubdividido m muio inrvlo inio, m cd um do qui ( ) é conínu m limi inio à mdid qu proxim d cd um do pono ini do inrvlo d ubdivião prir do inrior Sgu- d dinição qu o lo inio ão únic dconinuidd qu um unção conínu por pr pod r; ão conhcid como dconinuidd ordinári A igur o ldo mor um xmplo d um unção conínu por pr, ond o pono mrcm o vlor d unção no lo A cl d unçõ conínu por pr inclui od unçõ conínu b Torm Sj () um unção qu é conínu por pr m odo o inrvlo inio n gm γ qu iz ( ) conn γ M Enão rnormd d Lplc d ( ) M - pr odo - pr lgum xi pr > γ Dmonrção Um vz qu ( ) é conínu por pr, ( ) é ingrávl obr γ qulqur inrvlo inio no ixo do D ( ) M, umindo qu > γ, 8 Pro Alzir Dini

8 Cpíulo IV Trnormd d Lplc = γ M L d M d = ond condição γ obmo ( ) () d () > γ oi ncári pr xiênci do úlimo ingrl A condiçõ d úlimo orm ão uicin pr mior pr d plicçõ é ácil d dcobrir um dd unção iz um diguldd d orm γ () M Por xmplo, coh <,! n =,, ) pr odo o > - qulqur n < n ( unção limid m vlor boluo pr odo o, l como unçõ no cono d um vriávl rl, iz qul condição Um xmplo d um unção γ qu não iz um rlção d orm ( ) M é unção xponncil, γ porqu, não inrndo M γ colhido jm m ( ) M muio grnd, vriic- qu > M γ pr odo o >, ond é um númro uicinmn grnd, dpndndo d M γ Dv rir- qu condiçõ no orm nrior ão uicin m vz d ncári Por xmplo, unção é inini pr =, m u rnormd xi; d co, prir d dinição Γ( ) = π obmo x π L = d = x dx = Γ = Solução únic S rnormd d Lplc d um dd unção xi, é drmind d modo único Conqunmn, pod morr- qu du unçõ mb dinid no ixo rl poiivo êm mm rnormd, unçõ não podm dirir m vário pono ioldo Um vz qu não m imporânci n plicçõ, podmo dizr qu invr d um dd rnormd é ncilmn únic Em priculr, du unçõ conínu êm mm rnormd, l ão complmn idênic Trnormd d Drivd Ingri Dicuirmo plicrmo gor propridd mi crucil d rnormd d Lplc, nomdmn, lndo um pouco groirmn, qu dirncição d 8 Pro Alzir Dini

9 Cpíulo IV Trnormd d Lplc unçõ corrpond à muliplicção d rnormd por Aim, rnormd d Lplc ubiui oprçõ d cálculo por oprçõ d álgbr m rnormd Io é rumidmn, idi báic d Lplc, pl qul o dvmo dmirr O primiro orm diz rpio à dirncição d ( ) o gundo à xnão drivd d ordm uprior: Torm Suponh- qu ( ) γ é conínu pr odo o, iz () M, pr lgum γ M, m um drivd ( ) qu é conínu por pr m cd inrvlo inio n gm Enão rnormd d Lplc d drivd () xi qundo > γ, L ( ) = L( ) ( ) Dmonrção Conidrrmo primiro o co qundo ( ) é conínu pr odo o Enão pl dinição por ingrção por pr, ( ) = () d = () [ ] + () L d Um vz qu iz γ () M, pr ingrd à diri é zro no limi uprior qundo > γ, no limi inrior é ( ) O úlimo ingrl é ( ) L, ndo xiênci pr > γ um conquênci do úlimo orm n do qu dmonrmo gor Io prov qu xprão à diri xi qundo > γ, é igul ( ) + L( ) Conqunmn, ( ) L xi qundo > γ L vriic-, ( ) = L( ) ( ) S drivd () é mrmn conínu por pr, dmonrção é bn imilr; n co, gm d ingrção no originl dv r prd m pr i qu é conínu m cd um d pr No E orm pod plicr- mbém unçõ conínu por pr (), m m vz d L ( ) = L( ) ( ), obmo órmul L ( )= = L ( ) ( ) [ ( + ) ( ) ] Aplicndo ( ) = L( ) ( ) gund drivd () obmo ( ) = L( ) ( ) = [ L( ) ( ) ] ( ) 3 io é, L ( ) = L( ) ( ) ( ) Similrmn, L ( ) = L( ) ( ) L à L ; 83 Pro Alzir Dini

10 Cpíulo IV Trnormd d Lplc ( ) ( ) nrior:, c Por indução obmo im guin xnão do Torm ( n Torm Sjm () u drivd ( ), ( ),, ) ( ) pr odo o ( ) () γ, izndo ( ) M, unçõ conínu, pr lgum γ M, j drivd n conínu por pr m odo o inrvlo inio n gm Enão rnormd d Lplc d ( ) ( ) ( n) n n n ( n ( ) = L( ) ( ) ( ) ) ( ) L n xi qundo > γ, é dd por Exmplo Sj () L = Enconr ( ) Um vz qu ( ) =, ( ) =, ( ) =, L ( ) = L( ) =, obmo d L ( ) = L( ) ( ) ( ), L( ) = L( ) = = L( ) Aim L ( ) =, d 3 cordo com órmul d bl O xmplo é ípico, dmonrndo qu m grl xim vári mnir d obr rnormd d unçõ dd Exmplo Dduz rnormd d Lplc d co in Sj () = co Enão ( ) = co = ( ) ( ) =, ( ) = d L ( ) = L( ) ( ) ( ), vm ( ) = L( ) = L( ) + Dqui, não L ( ) = L( co) = Similrmn pr g( ) = in Enão ( ) = g, L + g ( ) =, L( g) = L( g ) = L( g), im ( g) = L( in) = L Exmplo Sj () = in Enconr ( ) Tm- ( ) =, ( ) = ; ( ) = co () = in + co in = co ( ), porno rvé d L ( ) = L( ) ( ) ( ) m- L( ) = L( co) L( ) = L( ) Uilizndo órmul d co 84 Pro Alzir Dini

11 Cpíulo IV Trnormd d Lplc L L + pr rnormd d Lplc obmo ( + ) ( ) = ( co ) = Aim, o ruldo é ( in) L = ( + ) Equçõ Dirncii Problm d Vlor Inicil y y by r y = K Conidrmo um problm d vlor inicil + + = ( ) ( ), ( ) K, com conn b Aqui ( ) y =, r é nrd orç moriz plicd o im y () é íd rpo o im No méodo d Lplc m- rê po: y y by r, y K y = K, Primiro po Trnormmo + + = ( ) ( ) = ( ) rvé d L ( ) = L( ) ( ) L ( ) = L( ) ( ) ( ), crvndo Y [ ] + Y y( ) = L( y) R = L() r Io dá Y y( ) y ( ) [ ] + by R() = chmd qução ubidiári Ordnndo o rmo m Y, m- ( + + b) Y = ( + ) y( ) + y ( ) + R( ) Sgundo po A divião por + + b uilizção d chmd unção d rnrênci, mbém conhcid por H, Q() = dá-no olução d + + b qução ubidiári Y ( ) = [( + ) y( ) + y ( ) ] Q( ) + R( ) Q( ) ( ) = y ( ) = é S y, io é implmn Y = RQ ; im Q é o quocin L( íd) L( nrd) Y Q = = io xplic o nom Q No- qu Q dpnd omn R d b, m não d r () nm d condiçõ inicii Trciro po Rduz- Y ( ) = [( + ) y( ) + y ( ) ] Q() + R() Q(), normlmn por rcçõ prcii, como no cálculo ingrl, um om d rmo cujo invro podm r nconrdo rvé d bl, d orm qu olução y() = L ( Y ) d y + y + by = r( ), y( ) = K, y ( ) = K obid j 85 Pro Alzir Dini

12 Cpíulo IV Trnormd d Lplc y y Exmplo Rolv y =, y( ) =, ( ) = L d bl nrior m- qução ubidiári D ( ) = L( ) ( ) ( ) ( ) y ( ) Y Y y =, im, ( ) = + rnrênci é Q = ( ) ( ) = ( + ) y( ) + y ( ) = + Y ( + ) Q + Q = + = + ( ) Y + A unção d [ ] Q( ) R( ) Q( ) Y + ic D xprão pr Y d bl obmo olução y() = L ( Y ) = L + L L = + inh O digrm guin rum no proximção: Epço Méodo d rnormd d Lplc Epço Problm ddo y y = y ( ) = y ( ) = Equção ubidiári ( ) Y = + + Solução do problm ddo y = + inh () Solução d qução ubidiári Y = + N práic, m vz d juiicrmo o uo d órmul orm n méodo, vriic- implmn no im y ( ) iz qução condiçõ inicii dd A vngn d méodo ão ncilmn du: não há drminção d um olução grl d qução homogén; não há drminção d vlor pr conn rbirári num olução grl Problm d lrção do ddo é um nom curo pr problm d vlor inicil no qui condiçõ inicii rrm um inn mi rdio do qu = O 86 Pro Alzir Dini

13 Cpíulo IV Trnormd d Lplc xmplo mi impl guin xplic como rolvr um problm d pl rnormd d Lplc Exmplo Rolv o problm d vlor inicil y + y =, y π = π, 4 y π = 4 Podmo vr qu y = Aco + Bin + é um olução grl, bmo como dvrímo procdr dqui m din pr nrr com condiçõ inicii O qu vmo prndr é como é qu podmo coninur com rnormd d Lplc mbor y ( ) ( ) y jm dconhcido: º po (blcimno d qução ubidiári) D L ( ) = L( ) ( ) ( ) d bl obmo Y y( ) y ( ) + Y = º po (olução d qução ubidiári) Rolvndo lgbricmn undo rcçõ prcii m- Y = + y ( ) ( ) ( ) + y + + ( + ) + y ( ) ( ) ( ) + y = + 3º po (olução do problm ddo) D bl vm y ( Y ) y = L n orm ( ) = + y( ) co + [ y ( ) ] in = + Aco + Bin - ond y( ) A = B = y ( ), m io já não m inr A primir condição inicil origin y π = π + A + B = π, im B = A Por dirncição, 4 () = Ain + B co y Pl gund condição inicil m- y π = A + B = Tm- A =, B = rpo 4 () co in + y = 87 Pro Alzir Dini

14 Cpíulo IV Trnormd d Lplc Trnormd d Lplc do Ingrl d um Função Um vz qu dirncição ingrção ão proco invro, um vz qu, groirmn lndo, dirncição d um unção corrpond à muliplicção d u rnormd por, pr- qu ingrção d um unção corrpond à divião d u rnormd por, porqu divião é oprção invr d muliplicção Torm S () é conínu por pr iz um diguldd d orm τ ( >, > γ ) γ () M, não L ( ) dτ = L{ () } Dmonrção Suponh- qu ( ) γ é conínu por pr iz () M pr lgum γ M É óbvio qu úlim xprão vriic pr γ ngivo, mbém vriic pr γ poiivo, podmo umir qu γ é poiivo Enão o γ ingrl g() = ( τ ) dτ é conínuo undo ( ) M obmo g M γ M γ γτ γ γ () ( τ ) dτ M dτ = ( ) ( γ > ) Io mor qu g () γ mbém iz um diguldd d orm ( ) () (), xcpo no pono pr o qui ( ) g = M Pr lém dio é dconínu Aim g () é conínu por pr m cd inrvlo inio,, plo primiro orm rlivo rnormd d drivd ingri, { ( ) } = L{ g ( ) } = L{ g( ) } g( ) Aqui, g ( ) é clrmn igul zro, porno ( ) L( g) irmmo cim no orm: L ( τ ) dτ = L{ () } L ( > γ ) compnhir úil, qu obrmo crvndo L { ( ) } = F( ) L = Io implic o qu E qução m um, rocndo o doi mmbro clculndo rnormd invr m mbo Aim L F() = () τ dτ 88 Pro Alzir Dini

15 Cpíulo IV Trnormd d Lplc Exmplo Sj L ( ) Enconr ( ) = ( + ) D bl já no conhcid vm L + = in Dqui do úlimo + orm obmo rpo L = inτdτ = ( co) prov órmul 9 qu vrmo no im d cpíulo Io Exmplo - Sj L ( ) = Enconr ( ) ( + ) Aplicndo o úlimo orm à rpo no xmplo nrior, obmo órmul + in djd: L ( ) = coτ dτ = órmul qu vrmo no im do cpíulo Io prov Dvio d Dvio d Função Eclão Uniário Sbmo qu rnormd d Lplc é linr, qu dirncição d () corrpond groirmn à muliplicção d L ( ) por, qu propridd é ncil n rolução d quçõ dirncii Pr nconrr plicçõ i qu rnormd d Lplc po morr o u rl vlor, mo primiro qu dduzir mi lgum propridd Du propridd muio imporn dizm rpio o dvio do ixo o dvio do ixo, como xpr no doi orm guin Dvio : Subiuição d por m F ( ) Torm S () m rnormd F ( ) ond > γ rnormd F( ) ond > γ ; im, { ( ) } = F( ) L { ()} = F( ), não () m L, não 89 Pro Alzir Dini

16 Cpíulo IV Trnormd d Lplc Aim, conhcrmo rnormd F ( ) d ( ) nconrmo rnormd d ( ) do ixo - io é, por ubiuição d por nconrr ( ) F, rvé do dvio, pr F() F ( ) b No Tomndo rnormd invr m mbo o mmbro inrgindo com o mmbro qurdo dirio obmo d ( ) { F( ) } = ( ) L { } = F( ) L qução Dmonrção Por dinição, F() = () d, porno, F ( ) ( ) = () d = () [ ] d = L{ () } n! = L =, n+ n Exmplo Aplicndo o orm nrior à órmul () ( ) + () = co L ( ) = () = in ( ) = nrior, obmo o guin ruldo: L, d bl + ( ) L ( ) n co in n! ( ) n+ ( ) + ( ) + O qu prov órmul 8, 9, 7 8 qu vrmo no im do cpíulo Exmplo Um bol d rro com m m = á gur n xrmidd inrior d um mol láic cuj xrmidd uprior á ix, ndo o módulo d 9 Pro Alzir Dini

17 Cpíulo IV Trnormd d Lplc licidd k = Sj y () o dlocmno d bol prir d u poição d quilíbrio áico Drmin vibrçõ d bol, comçndo n poição inicil y ( ) = com vlocidd inicil y ( ) = 4, umindo qu xi morcimno proporcionl à vlocidd, ndo conn d morcimno c = 4 O movimno é dcrio pl olução y ( ) do problm d vlor inicil ( ) =, ( ) = 4 y + y + 5y =, y y A qução ubidiári é ( + + b) Y = ( + ) y( ) + y ( ) + R( ), io é, ( + + 5) Y = ( + ) 4 + ( + + 5) Y = ( + ) 4 A unção d rnrênci é Q () = im mo Y () = [( + ) 4] + Q() Y () = = + Enão L = co, L = in ( + ) + ( + ) Dqui do orm nrior obmo o ipo d olução prd y = L Y = co in () ( ) ( ) y Exmplo Rolv o problm d vlor inicil y y + y = +, ( ) =, ( ) = y A qução ubidiári é ( Y ) ( Y ) + Y = + m Y, m- ( ) ( ) Y = + ( ) ( ) 3 ( ) Ordnndo o rmo + Y = Y = + + Tm- im + rmo é ( ) ( ) ( ) ( ) = Aplicmo gor o primiro orm O primiro = invr: A invr do gundo rmo é pl bl plo úlimo orm Em rmo d rcçõ prcii, o úlimo rmo é = A ( ) ( ) + B C D + + A muliplicção plo dnomindor comum origin = A + B ( ) + C( ) + D( ) I Pr = 9 Pro Alzir Dini

18 Cpíulo IV Trnormd d Lplc m- C = Pr = m- A = Equcionndo om do rmo m 3 igulndo zro m- D + B =, D = B Equcionndo om do rmo m igulndo zro obém- C + D =, D =, B = D = A om d invr: + + A invr rul d bl do orm nrior Ordnndo o rmo, nconrmo rcçõ prcii é gor ( ) y L () ( ) = Y = + + ( ) + + = Dvio : Subiuição d por m ( ) O orm qu vimo nriormn diz rpio o dvio do ixo : ubiuição d m F () por corrpond à muliplicção d unção originl () por Vrmo gor o gundo orm, qu diz rpio o dvio do ixo : ubiuição d m () por corrpond groirmn à muliplicção d rnormd F ( ) por ; ndo u ormulção guin: Torm S () m rnormd ( ) F, não unção ~ < () = com rbirário m rnormd ( ) F() Aim > conhcrmo rnormd F ( ) d ( ), nconrmo rnormd d unção ~ (), cuj vriávl oi dvid dvio do ixo - muliplicndo F () por Função Eclão Uniário ( ) u Por dinição, ( ) u é igul zro pr <, m um crécimo d mnho m = é pr > : u( ) = < > ( ) 9 Pro Alzir Dini

19 Cpíulo IV Trnormd d Lplc A igur mor o co pcil u ( () ) u m zro, igur guin: mor o co grl u( ) pr um vlor rbirário poiivo A unção clão uniário é mbém chmd unção Hviid A unção clão uniário ( ), qu m o crécimo u é um bloco d conruçõ báic d vári unçõ, como vrmo, umn grndmn uilidd do méodo d ~ rnormd d Lplc Podmo uá-l pr crvr () n orm u ( ) ( ) u( ), io é, ( ) u( ) E é o gráico d () A du igur guin morm um xmplo Rprnm rpcivmn curv cono () co = < > ( ) pr >, m dvido unidd pr diri = pr > curv ( ) u( ) = co( ) u( ) obid por dvio d unidd pr diri Pr < = unção é nul porqu u ( ) m propridd Undo órmul ( ) u( )= < = ( ) > podmo não gor rormulr o úlimo orm: co co ( ) u( ) Pi +Pi Torm S () = F L { } ( ), não { ( ) u( ) } = F( ) L 93 Pro Alzir Dini

20 Cpíulo IV Trnormd d Lplc No S omrmo nirnormd m mbo o mmbro d qução nrior o rocrmo, obmo órmul complmnr F( ) { } = ( )( u ) L τ ( τ + ) Dmonrção D dinição mo F() = () τ dτ = ( τ ) Subiuindo dτ τ + = no ingrl, obmo F() = ( ) d Podmo crvr io como um ingrl d no criicrmo qu o ingrndo é nulo pr odo o d zro Podmo congui-lo cilmn muliplicndo o prn ingrndo pl unção clão u( ), obndo im L { ( ) u( ) } = F( ) complmnndo dmonrção: F( ) ( ) u( ) d = = L { ( ) u( ) } A rnormd d unção clão uniário ( ) = u é L { u( ) } = ( > ) E órmul gu- dircmn d dinição porqu L { u( ) } = u( ) d = d + d = Vmo conidrr doi xmplo impl d plicção do qu vimo Exmplo Enconr rnormd invr d 3 3 L = 3 Um vz qu ( ), o orm nrior dá-no 3 ( 3 ) = L ( ) 5 = < 3 = ( 3) > 3 ( 3) u( 3) < < π Exmplo Enconr rnormd d unção () = π < < π in > π m rmo d unçõ clão Pr < < π, ommo u() Pr > π qurmo zro, porno mo qu ubrir unção Primiro po Ecrvmo ( ) Pro Alzir Dini

21 Cpíulo IV Trnormd d Lplc clão u( π ) com lo m π Tmo não ( ) u( π ) = u qundo > π Io á bm é ingirmo π ond qurmo qu nr unção in ; porno dicionmo u( π ) in Tudo juno, ( ) u( ) u( π ) + u( π ) in = Sgundo po O úlimo mmbro é igul ( π ) in( π ) u dvido à L = pridiocidd, d modo qu L { ( ) u( ) } = F( ), { u( ) } bl no prmim obr ( ) () π π L = + + Pi Pi 3Pi 4Pi Trnormd d Lplc Fórmul Gri F Fórmul () = L { () } = ( ) () = L { F( ) } d Nom, Comnário Dinição d Trnormd Trnormd Invr { () bg() } = L{ ( ) } bl{ g( ) } L + + Linridd L L ( ) = L( ) ( ) L ( ) = L( ) ( ) ( ) ( n ( ) n n ) ( ) ( ) ( n = L ) ( ) L ( τ ) dτ = L( ) α L { () } = F( ) L { F( ) } = ( ) L { ( ) u( ) } = F( ) { F() } = ( ) u( ) L Dirncição d Função Ingrção d Função Dvio (º Torm do Dvio) Dvio (º Torm do Dvio) 95 Pro Alzir Dini

22 Cpíulo IV Trnormd d Lplc Tbl d Trnormd d Lplc F ( ) = L{ ( ) } ( ) n 3, ( n =,, ) n ( n )! 4 π 3 5 π 6 ( > ) Γ( ) 7 8 ( ) 9 ( ) n, n =,, n ( n )! ( ) k ( n > ) Γ k ( k ) ( )( b) b ( ) ( ) b b ( )( b) b ( ) ( ) b b b 3 + in 4 + co 5 inh 6 coh 96 Pro Alzir Dini

23 Cpíulo IV Trnormd d Lplc F ( ) = L{ ( ) } ( ) ( ) + ( ) + ( + ) in co ( co) ( + ) 3 ( in ) ( + ) 3 ( in co) u( ) 97 Pro Alzir Dini

Análises de sistemas no domínio da frequência

Análises de sistemas no domínio da frequência prmno d Engnhri Químic d Prólo UFF iciplin: TEQ0- COTROLE E PROCESSOS náli d im no domínio d frquênci Prof inok Boorg Rpo d Frquênci Cliqu pr dir o ilo do xo mr COCEITO: Coni d um méodo gráfico-nlíico

Leia mais

1 Capítulo 2 Cálc l u c lo l I ntegra r l l em m R

1 Capítulo 2 Cálc l u c lo l I ntegra r l l em m R píulo álculo Ingrl m R píulo - álculo Ingrl SUMÁRIO rimiivs imdis ou qus-imdis rimiivção por prs por subsiuição rimiivção d unçõs rcionis Ingris órmul d Brrow ropridds do ingrl dinido Ingris prméricos

Leia mais

3. TRANSFORMADA DE LAPLACE. Prof. JOSÉ RODRIGO DE OLIVEIRA

3. TRANSFORMADA DE LAPLACE. Prof. JOSÉ RODRIGO DE OLIVEIRA 3 TRNSFORMD DE LPLCE Prof JOSÉ RODRIGO DE OLIVEIR CONCEITOS BÁSICOS Númro complxo: ond α β prncm ao nº rai Módulo fa d um númro complxo Torma d Eulr: b a an a co co n n Prof Joé Rodrigo CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares Sisms d quçõs Linrs Equção Linr Tod qução do ipo:.. n n Ond:,,., n são os ofiins;,,, n são s inógnis; é o rmo indpndn. E.: d - Equção Linr homogên qundo o rmo indpndn é nulo ( ) - Um qução linr não prsn

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

MATRIZES E DETERMINANTES LISTA 5

MATRIZES E DETERMINANTES LISTA 5 RACIOCÍNIO LÓGICO - Zé Crlos MATRIZES E DETERMINANTES LISTA 5 RESUMO TEÓRICO Mriz rl Sjm m n dois númros iniros. Um mriz rl d ordm m n é um conjuno d mn númros ris, disribuídos m m linhs n coluns, formndo

Leia mais

TRANSFORMADA DE LAPLACE

TRANSFORMADA DE LAPLACE TRANSFORMADA DE LAPLACE Nt cpítulo trtmo d um método d rolução d quçõ difrncii linr d ordm n com coficint contnt condiçõ inici, ou j, trnformd d Lplc.. Dfinição Sj f(t) um função dd pr t, uponhmo qu f

Leia mais

MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA FORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE

MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA FORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA ORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE Trjóris Tmos os sguins csos: 1º) S forç rsuln ivr dirção d vlocidd só vrirá o módulo ds rjóri srá rilín. v R Ou R v º) S forç rsuln

Leia mais

MECANISMOS DE REAÇÕES

MECANISMOS DE REAÇÕES /4/7 MECSMS DE REÇÕES rof. Hrly. Mrins Filho Rçõs lmnrs Rçõs qu concm m pns um p são rçõs lmnrs. molculri rção lmnr é o númro moléculs qu rgm. Rção lmnr unimolculr: C molécul m um proili inrínsc s compor

Leia mais

TÓPICOS. Integração complexa. Integral de linha. Teorema de Cauchy. Fórmulas integrais de Cauchy.

TÓPICOS. Integração complexa. Integral de linha. Teorema de Cauchy. Fórmulas integrais de Cauchy. No m, liur dss pomos ão disps d modo lgum liur d iliogri pricipl d cdir hm-s à ção pr imporâci do rlho pssol rlir plo luo rsolvdo os prolms prsdos iliogri, sm ul prévi ds soluçõs proposs, ális compriv

Leia mais

8 Transformadas de Fourier

8 Transformadas de Fourier J. A. M. lipp d Suz 8 Trnsfrmds d urir 8 Trnsfrmds d urir 8. Inrduçã à Análi d urir 3 8. A Trnsfrmd d urir pr sinis cnínus 4 Exmpl 8. 6 Exmpl 8. 9 Exmpl 8.3 8.3 A Trnsfrmd d urir pr sinis priódics 3 Exmpl

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL GVIÇÃO UNIVESL z- u ci féric u fr chubo rio, l qu u uprfíci ngnci uprfíci xrn fr chubo p plo cnro priii fr chubo r D coro co Li Grição Unirl, qul rá forç co qu fr chubo rirá u pqun fr locliz à iânci, o

Leia mais

Álgebra de Números Complexos

Álgebra de Números Complexos Álgr d Númro Comlo O númro comlo ão d grnd morânc m muo domíno d mmác ão rculrmn ú n nál d m dnâmco. E númro, qu ão um não do númro r, ão conuído or du comonn, um rl our mgnár, ndo qu undd mgnár,, corrond

Leia mais

Capítulo 4: Derivada A Reta Tangente. y = uma curva definida no intervalo ( a, ) e sejam ( x, y ) e Q( x y ) P dois pontos

Capítulo 4: Derivada A Reta Tangente. y = uma curva definida no intervalo ( a, ) e sejam ( x, y ) e Q( x y ) P dois pontos Isio d Ciêcis Es - Dprmo d Mmáic Cálclo I Proª Mri Jli Vr Crlo d Arjo Cpílo : Drid - A R T Sj b disios d cr Sj s r sc q pss plos poos P Q Cosidrdo o riâlo râlo PMQ, ir o ldo, mos q iclição d r s, o coici

Leia mais

log 2, qual o valor aproximado de 0, 70

log 2, qual o valor aproximado de 0, 70 UNIERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ GABARITO DE FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA PROA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR // CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERAÇÕES: Prova

Leia mais

que representa uma sinusoide com a amplitude modulada por uma exponencial. Com s real, tem-se,

que representa uma sinusoide com a amplitude modulada por uma exponencial. Com s real, tem-se, Curo d Engnharia Elcrónica d Compuador - Elcrónica III Frquência Complxa rvião n Conidr- a xprão, σ v V co qu rprna uma inuoid com a ampliud modulada por uma xponncial. Com ral, m-, n σ>0 a ampliud d v

Leia mais

A Função Densidade de Probabilidade

A Função Densidade de Probabilidade Prof. Lorí Vili, Dr. vili@mt.ufrgs.r http://www.mt.ufrgs.r/~vili/ Sj X um vriávl ltóri com conjunto d vlors X(S). S o conjunto d vlors for infinito não numrávl ntão vriávl é dit contínu. A Função Dnsidd

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

Módulo II Resistores e Circuitos

Módulo II Resistores e Circuitos Módulo Cludi gin Cmpos d Crvlho Módulo sistors Circuitos sistênci Elétric () sistors: sistor é o condutor qu trnsform nrgi létric m clor. Como o rsistor é um condutor d létrons, xistm quls qu fcilitm ou

Leia mais

log5 log 5 x log 2x log x 2

log5 log 5 x log 2x log x 2 mta unção rítmic. Indiqu o vlor d:.. 6.. 7 49...5..6. 5 ln.7. 9.4. ln.8..9. 46.. 4 4 6 6 8 8. Dtrmin o vlor d... 4 8.. 8.. 8.4. 5.5..9. 5.6. 9.7.,8.8... 6 5 8 4 5..... Rsolv cd um ds quçõs:.... 5.. ln

Leia mais

1. A TRANSFORMADA DE LAPLACE

1. A TRANSFORMADA DE LAPLACE Equaçõ Difrciai - Traformada d Laplac A TRANSFORMADA DE LAPLACE Dfiição: Sja f() uma fução ral dfiida para > Eão a raformada d Laplac d f(), doada por L [ ( ) ] f é dfiida por: L [ f ( ) ] F( ) f( )d,

Leia mais

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como J. A. M. Flipp d Soz Igris (rsmo l) Igris A igrl idfiid d m fção f() é rprsd como f ( τ) Por oro ldo, igrl dfiid, rprsd como f ( τ), f ( τ) τ o f ( τ) dτ 3 d fz Som d Rim q clcl ár so crv m m irvlo m dfiido

Leia mais

Sistemas Lineares Entrada/Saída 30

Sistemas Lineares Entrada/Saída 30 Sim Lir Erd/Síd 3 3- Sim Lir Erd/Síd 3.- Fuçõ Sigulr (Sii Elmr Hyi) Muio ii d xcição uilizdo o udo d im diâmico ão uçõ impl o domíio do mpo, xpro mmicm por um couo d uçõ domid uçõ igulr, qu coium um couo

Leia mais

5 Reticulados e sua relação com a álgebra booleana

5 Reticulados e sua relação com a álgebra booleana Nots d ul d MAC0329 (2004) 30 5 Rticuldos su rlção com álgbr booln 5.1 Conjuntos prcilmnt ordndos Sj A um conjunto não vzio. Um rlção binári R sobr A é um subconjunto d A A, isto é, R A A. S (x, y) R,

Leia mais

Profª Cristiane Guedes LIMITE DE UMA FUNÇÃO. Cristianeguedes.pro.br/cefet

Profª Cristiane Guedes LIMITE DE UMA FUNÇÃO. Cristianeguedes.pro.br/cefet LIMITE DE UMA FUNÇÃO Cristineguedes.pro.br/ceet Vizinhnç de um ponto Pr um vlor rbitrrimente pequeno >, vizinhnç de é o conjunto dos vlores de pertencentes o intervlo: - + OBS: d AB = I A B I Limite de

Leia mais

7 Solução de um sistema linear

7 Solução de um sistema linear Toria d Conrol (sinops 7 Solução d um sisma linar J. A. M. Flipp d Souza Solução d um sisma linar Dfinição 1 G(,τ mariz cujos lmnos g ij (,τ são as rsposas na i ésima saída ao impulso aplicado na j ésima

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

Oitavo Ano. Autor: Prof. Ulisses Lima Parente Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto. Portal da OBMEP

Oitavo Ano. Autor: Prof. Ulisses Lima Parente Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto. Portal da OBMEP Mtril Tórico - Módulo Frçõs Algébrics Oprçõs Básics Oitvo Ano Autor: rof. Ulisss Lim rnt Rvisor: rof. Antonio Cminh M. Nto ortl d OBME Simplificção d frçõs lgébrics Um frção lgébric é um xprssão lgébric

Leia mais

Diferenciação Numérica

Diferenciação Numérica Cpítulo 6: Dierencição e Integrção Numéric Dierencição Numéric Em muits circunstâncis, torn-se diícil oter vlores de derivds de um unção: derivds que não são de ácil otenção; Eemplo clculr ª derivd: e

Leia mais

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões Aul de solução de problems: cinemátic em 1 e dimensões Crlos Mciel O. Bstos, Edurdo R. Azevedo FCM 01 - Físic Gerl pr Químicos 1. Velocidde instntâne 1 A posição de um corpo oscil pendurdo por um mol é

Leia mais

Análise de Sistemas no Espaço de Estados

Análise de Sistemas no Espaço de Estados MEE Mrdo m Engnhr Elcroécnc d ompdor MSD Modlção onrolo d Sm Dnâmco Ercíco d nál d Sm no Epço d Edo onjno d rcíco lordo plo docn Joé Tnrro Mchdo JTM, Mnl Sno Sl MSS, Víor odrg d nh V Jorg Erl d Sl JES.

Leia mais

Transformada de Laplace

Transformada de Laplace No ul: MM6 rorm plc Crcríic pricipl: Algrizor EDO lir ou j rorm um EDO lir um qução lgéric Méoo: PVI ] : I ] p q Vg: Exim u rzõ pricipi pr uilizção rorm plc ; i O méoo riciol rolução um PVI volvo um EDO

Leia mais

Este texto trata do estudo analítico de sistemas de controle. Falando de forma geral, ele consiste de quatro partes:

Este texto trata do estudo analítico de sistemas de controle. Falando de forma geral, ele consiste de quatro partes: . Mamáica.. Sima Fíico Modlo E o raa do udo analíico d ima d conrol. Falando d forma gral, l coni d quaro par:. Modlagm. Dnvolvimno d quaçõ mamáica. Análi 4. Projo E capíulo dicu a dua primira par. A diinção

Leia mais

INTEGRAÇÃO MÉTODO DA SUBSTITUIÇÃO

INTEGRAÇÃO MÉTODO DA SUBSTITUIÇÃO INTEGRAÇÃO MÉTODO DA UBTITUIÇÃO o MUDANÇA DE VARIAVEL PARA INTEGRAÇÃO Emplos Ercícios MÉTODO DA INTEGRAÇÃO POR PARTE Emplos Ercícios7 INTEGRAL DEFINIDA8 Emplos Ercícios REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO:

Leia mais

CAPÍTULO EXERCÍCIOS pg. 127

CAPÍTULO EXERCÍCIOS pg. 127 CAPÍTULO. EXERCÍCIOS pg.. Deerinr equção d re ngene às seguines curvs, nos ponos indicdos. Esboçr o gráico e cd cso..,,, ; R.. As igurs que segue osr s res ngenes pr os ponos e. Coo o vlor de é genérico

Leia mais

GABARITO. 2 Matemática A. 08. Correta. Note que f(x) é crescente, então quanto menor for o valor de x, menor será sua imagem f(x).

GABARITO. 2 Matemática A. 08. Correta. Note que f(x) é crescente, então quanto menor for o valor de x, menor será sua imagem f(x). Eensivo V. Eercícios ) D y = log ( + ) Pr = : y = log ( + ) y = log y = Noe que o gráfico pss pel origem. Porno, únic lerniv possível é D. ) M + = log B B M + = log B B M + = log + log B B Como M = log

Leia mais

Aula Teórica nº 32 LEM-2006/2007. Prof. responsável de EO: Mário J. Pinheiro. Oscilações eléctricas num circuito RLC

Aula Teórica nº 32 LEM-2006/2007. Prof. responsável de EO: Mário J. Pinheiro. Oscilações eléctricas num circuito RLC Aula órica nº 3 LEM-6/7 Prof. rponávl d EO: Mário J. Pinhiro Ocilaçõ lécrica num circuio RLC Conidr- agora um condnador inicialmn carrgado com a carga q qu no inan é dcarrgado obr um circuio lécrico d

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

Lista de Matemática ITA 2012 Trigonometria

Lista de Matemática ITA 2012 Trigonometria List d Mtmátic ITA 0 Trigonomtri 0 - (UERJ/00) Obsrv bixo ilustrção d um pistão su squm no plno. Um condição ncssári suficint pr qu s dus árs sombrds n figur sjm iguis é t =. tg =. tg =. tg =. tg. O pistão

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte B

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte B Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 CPES FUNÇÕES Prte B Prof. ntônio Murício Medeiros lves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez UNIDDE FUNÇÕES PRTE B. FUNÇÂO

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

u t = L t N t L t Aplicação dos conceitos: Exemplo: Interpretando Rendimento Per Capita: Y = Pop {z} PIB per capita Y {z} Produtividade Trabalho

u t = L t N t L t Aplicação dos conceitos: Exemplo: Interpretando Rendimento Per Capita: Y = Pop {z} PIB per capita Y {z} Produtividade Trabalho 1 Aul 14 Ofrt Agrgd, Inflção Dsmprgo Populção, Tx d Prticipção, Populção Activ ( t ), Tx d Emprgo, Populção Emprgd (N t ), Tx d Dsmprgo (u t ) Populção Dsmprgd ( t N t ). Tx d Dsmprgo (u t ): u t t N t

Leia mais

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos.

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos. Not m: litur dsts potmtos ão disps d modo lgum litur tt d iliogrfi pricipl d cdir Chm-s tção pr importâci do trlho pssol rlir plo luo rsolvdo os prolms prstdos iliogrfi, sm cosult prévi ds soluçõs proposts,

Leia mais

A Previsão com o Método de Winter 1

A Previsão com o Método de Winter 1 A Previsão com o Méodo de Winer. Inrodução O méodo de Winer é um méodo de morecimeno exponencil que lev em con os componenes de szonlidde d série de ddos observdos. O méodo se bsei principlmene no modelo

Leia mais

Matemática para Economia Les 201

Matemática para Economia Les 201 Mtemátic pr Economi Les uls 8_9 Integris Márci znh Ferrz Dis de Mores _//6 Integris s operções inverss n mtemátic: dição e sutrção multiplicção e divisão potencição e rdicição operção invers d dierencição

Leia mais

D e atribuamos a x o acréscimo x e a y o acréscimo y, tais que o ponto ( x + x,

D e atribuamos a x o acréscimo x e a y o acréscimo y, tais que o ponto ( x + x, DERIVADAS PARCIAIS ACRÉSCIMOS Acréscimo totl Sj unção dinid n rgião D R Tommos o ponto D tribumos o créscimo o créscimo tis qu o ponto D O créscimo d unção qundo pssmos do ponto o ponto é s chm créscimo

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular Cpíulo IV Torção de Peçs Lineres 1 CPÍTULO IV TORÇÃO DE PEÇS LINERES.1. Inrodução. sorção ou rnsmissão de esforços de orção: o Veios ou árvores de rnsmissão o Brrs de orção; ols; Esruurs uulres (veículos

Leia mais

Progressões Aritméticas

Progressões Aritméticas Segund Etp Progressões Aritmétics Definição São sequêncis numérics onde cd elemento, prtir do segundo, é obtido trvés d som de seu ntecessor com um constnte (rzão).,,,,,, 1 3 4 n 1 n 1 1º termo º termo

Leia mais

Questão. Sinais periódicos e não periódicos. Situação limite. Transformada de Fourier de Sinais Contínuos

Questão. Sinais periódicos e não periódicos. Situação limite. Transformada de Fourier de Sinais Contínuos Qusão Srá possívl rprsnar sinais não priódicos como soma d xponnciais? ransformada d Fourir d Sinais Conínuos jorg s. marqus, jorg s. marqus, Sinais priódicos não priódicos Siuação limi Um sinal não priódico

Leia mais

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos Mtemátic pr Economists LES uls e Mtrizes Ching Cpítulos e Usos em economi Mtrizes ) Resolução sistems lineres ) Econometri ) Mtriz Insumo Produto Márci.F. Dis de Mores Álgebr Mtricil Conceitos Básicos

Leia mais

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração RESUMO DE INTEGRAIS INTEGRAL INDEFINIDA A rte de encontrr ntiderivds é chmd de integrção. Desse modo, o plicr integrl dos dois ldos d equção, encontrmos tl d ntiderivd: f (x) = d dx [F (x)] f (x)dx = F

Leia mais

MATRIZES. Neste caso, temos uma matriz de ordem 3x4 (lê-se três por quatro ), ou seja, 3 linhas e 4

MATRIZES. Neste caso, temos uma matriz de ordem 3x4 (lê-se três por quatro ), ou seja, 3 linhas e 4 A eori ds mrizes em cd vez mis plicções em áres como Economi, Engenhris, Memáic, Físic, enre ours. Vejmos um exemplo de mriz: A bel seguir represen s nos de rês lunos do primeiro semesre de um curso: Físic

Leia mais

Professora: Profª Roberta Nara Sodré de Souza

Professora: Profª Roberta Nara Sodré de Souza MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA-CAMPUS ITAJAÍ Professor: Profª Robert Nr Sodré de Souz Função

Leia mais

Algumas considerações iniciais:

Algumas considerações iniciais: Progrm d álulo d otmzção do n d ntrd íd do oltor olr trvé d orrlçõ r rd d rg m lnh lzd. lgum ondrçõ n: Condçõ d orção do fludo: t modlção não v lvr m ont vrçõ d tmrtur ud lo trto l borção do lor rovnnt

Leia mais

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Integris imprópris

Leia mais

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período Rsolução da Prova d Física Tórica Turma C2 d Engnharia Civil Príodo 2005. Problma : Qustõs Dados do problma: m = 500 kg ; v i = 4; 0 m=s ;! a = 5! g d = 2 m. Trabalho ralizado por uma força constant: W

Leia mais

Exercícios de Dinâmica - Mecânica para Engenharia. deslocamento/espaço angular: φ (phi) velocidade angular: ω (ômega) aceleração angular: α (alpha)

Exercícios de Dinâmica - Mecânica para Engenharia. deslocamento/espaço angular: φ (phi) velocidade angular: ω (ômega) aceleração angular: α (alpha) Movimento Circulr Grndezs Angulres deslocmento/espço ngulr: φ (phi) velocidde ngulr: ω (ômeg) celerção ngulr: α (lph) D definição de Rdinos, temos: Espço Angulr (φ) Chm-se espço ngulr o espço do rco formdo,

Leia mais

Transformada de Clarke e Park

Transformada de Clarke e Park Cnro d Tcnologi Pós-Grdução m Engnhri Eléric Aplicçõs d Elrônic d Poênci m Sisms d Poênci Trnsformd d Clrk Prk Prof. Klbr Lim Dprmno d Engnhri Eléric Sumário Obivos Inrodução Trnsformd d Clrk Vor spcil

Leia mais

E X A M E ª FASE, V E R S Ã O 1 P R O P O S T A D E R E S O L U Ç Ã O

E X A M E ª FASE, V E R S Ã O 1 P R O P O S T A D E R E S O L U Ç Ã O Prparar o Eam 05 Matmática A E X A M E 0.ª FASE, V E R S Ã O P R O P O S T A D E R E S O L U Ç Ã O. Tm-s qu P A P A P A GRUPO I ITENS DE ESCOLHA MÚLTIPLA 0, 0, 0,. Assim: P B A PB A 0,8 0,8 PB A 0,8 0,

Leia mais

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P 26 a Aula 20065 AMIV 26 Exponncial d matrizs smlhants Proposição 26 S A SJS ntão Dmonstração Tmos A SJS A % SJS SJS SJ % S ond A, S J são matrizs n n ", (com dt S 0), # S $ S, dond ; A & SJ % S SJS SJ

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: DERIVADAS E INTEGRAIS DAS FUNÇÕES, TRIGONOMÉTRICAS E HIPÉRBOLICAS INVERSAS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: DERIVADAS E INTEGRAIS DAS FUNÇÕES, TRIGONOMÉTRICAS E HIPÉRBOLICAS INVERSAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: DERIVADAS E INTEGRAIS DAS FUNÇÕES, TRIGONOMÉTRICAS E HIPÉRBOLICAS INVERSAS PROFESSOR: MARCOS AGUIAR CÁLCULO I. FUNÇÕES

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Enunciados equivalentes

Enunciados equivalentes Lógica para Ciência da Computação I Lógica Matmática Txto 6 Enunciados quivalnts Sumário 1 Equivalência d nunciados 2 1.1 Obsrvaçõs................................ 5 1.2 Exrcícios rsolvidos...........................

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Univridad Salvador UNIFACS Curo d Engnharia Método Matmático Alicado / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rbouça Frir A Tranformada d Lalac Txto 3: Dlocamnto obr o ixo t. A Função Dgrau Unitário.

Leia mais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais Uso d Álgr ir s Equçõs ifriis íi Gri ol úi Rsd rir Bofim Fuldd d mái FT Uivrsidd Fdrl d Urlâdi UFU 88 - Urlâdi ril d 8 Rsumo Álgr ir é um supor mmáio pr muis árs d iêi Vrmos omo lgus d sus rsuldos podm

Leia mais

Memorize as integrais imediatas e veja como usar a técnica de substituição.

Memorize as integrais imediatas e veja como usar a técnica de substituição. Blém, d maio d 0 aro aluno, om início das intgrais spro qu vocês não troqum as rgras com as da drivada principalmnt d sno d sno. Isso tnho dito assim qu comçamos a studar drivada, lmbra? Mmoriz as intgrais

Leia mais

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores 4.4 - Acelerômetros ombindos Montgem: G θ x x x ircuito: reerênci R R v R R R R R - + 0 + v R - + R 0-7 rcterístics de ensores Deslocmento liner médio: x x + x && x + Deslocmento ngulr médio: θ && θ x

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT Cálculo Dif. e Int. I PRIMEIRA LISTAA

Universidade Federal de Viçosa DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT Cálculo Dif. e Int. I PRIMEIRA LISTAA Universidde Federl de Viços DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT - Cálculo Dif e In I PRIMEIRA LISTAA Memáic básic Professors: Gbriel e Crin Simplifique: ) b ) 9 c ) d ) ( 9) e ) 79 f ) g ) ) ) i j ) Verddeiro

Leia mais

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ ДХILUIR P/ LRR RL_ R To l. er a l es. Num. QU M PRVR IOO P O RROR MIOR V R LMJ U: UZZR R 0 ILUIR P M PRLLO OM ONTTO O RL 0.u/ 00V V R 0 0 R 0 verm elho U: ULN00 U: LMJ 0 ULN00 U: LI/ LI RROR V N R 0u/

Leia mais

o Seu pé direito na medicina

o Seu pé direito na medicina o Seu pé direito n medicin UNIFESP //006 MATEMÁTIA 0 Entre os primeiros mil números inteiros positivos, quntos são divisíveis pelos números,, 4 e 5? 60 b) 0 c) 0 d) 6 e) 5 Se o número é divisível por,,

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

Volumes de Sólidos de Revolução. Volumes de Sólidos de Revolução. 1.O método do disco 2.O método da arruela 3.Aplicação

Volumes de Sólidos de Revolução. Volumes de Sólidos de Revolução. 1.O método do disco 2.O método da arruela 3.Aplicação UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Volumes de Sólidos

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS Um dos grndes problems de mtemátic n ntiguidde er resolução de equções polinomiis. Encontrr um fórmul ou um método pr resolver tis equções er um grnde desfio. E ind hoje

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinantes

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinantes Universidde Federl de Pelots Vetores e Álgebr Liner Prof : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinntes Determinntes Definição: Determinnte é um número ssocido um mtriz qudrd.. Determinnte de primeir ordem Dd

Leia mais

F ds = mv dv. U F θds. Dinâmica de um Ponto Material: Trabalho e Energia Cap. 14. = 2 s1

F ds = mv dv. U F θds. Dinâmica de um Ponto Material: Trabalho e Energia Cap. 14. = 2 s1 4. Trblho de um orç MECÂNICA - DINÂMICA Dinâmi de um Ponto Mteril: Trblho e Energi Cp. 4 Prof Dr. Cláudio Curotto Adptdo por: Prof Dr. Ronldo Medeiro-Junior TC07 - Meâni Gerl III - Dinâmi 4. Prinípio do

Leia mais

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli Introdução à Integrl Definid Aul 04 Mtemátic II Agronomi Prof. Dnilene Donin Berticelli Áre Desde os tempos mis ntigos os mtemáticos se preocupm com o prolem de determinr áre de um figur pln. O procedimento

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

4. Modelos matemáticos de crescimento

4. Modelos matemáticos de crescimento 2 Sumário (3ª aula) Exrcícios d consolidação (coninuação) 4. Modlos mamáicos d crscimno 4..Progrssão ariméica (variação absolua consan) 4.2.Progrssão goméricas (variação rlaiva consan) Exrcício 2) Compaibiliz

Leia mais

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 7 _ Função Modular, Exponencial e Logarítmica Professor Luciano Nóbrega

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 7 _ Função Modular, Exponencial e Logarítmica Professor Luciano Nóbrega 1 TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Aul 7 _ Função Modulr, Eponencil e Logrítmic Professor Lucino Nóbreg FUNÇÃO MODULAR 2 Módulo (ou vlor bsolutode um número) O módulo (ou vlor bsoluto) de um número rel, que

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 07. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 07. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA FINANÇAS Disiplina d Compuação Aula 7 Prof. Dr. Maro Anonio Lonl Caano Guia d Esudo para Aula 7 Vors Linarmn Indpndns - Vrifiação d vors LI - Cálulo do Wronsiano Equaçõs Difrniais

Leia mais

RESUMO de LIMITES X CONTINUIDADE. , tivermos que f(x) arbitr

RESUMO de LIMITES X CONTINUIDADE. , tivermos que f(x) arbitr RESUMO d LIMITES X CONTINUIDADE I. Limits finitos no ponto 1. Noção d Limit Finito num ponto Sjam f uma função x o IR. Dizmos qu f tm it (finito) no ponto x o (m símbolo: f(x) = l IR) quando x convn x

Leia mais

Exemplo: y 3, já que sen 2 e log A matriz nula m n, indicada por O m n é tal que a ij 0, i {1, 2, 3,..., m} e j {1, 2, 3,..., n}.

Exemplo: y 3, já que sen 2 e log A matriz nula m n, indicada por O m n é tal que a ij 0, i {1, 2, 3,..., m} e j {1, 2, 3,..., n}. Mrzes Mrz rel Defnção Sem m e n dos números neros Um mrz rel de ordem m n é um conuno de mn números res, dsrbuídos em m lnhs e n coluns, formndo um bel que se ndc em gerl por 9 Eemplo: A mrz A é um mrz

Leia mais

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR 3 CÁLCULO INTEGRAL EM IR A importâni do álulo integrl em IR reside ns sus inúmers plições em vários domínios d engenhri, ms tmém em ísi, em teori ds proiliddes, em eonomi, em gestão 3 Prtição de um intervlo

Leia mais

arctg x y F q E q v B d F d q E q v B se y r sen sen

arctg x y F q E q v B d F d q E q v B se y r sen sen List Gomti Anlític Cálculo Vtoil Pof. D. Cláudio S. Stoi Poduto misto, Plnos ts, Mtis, Dtminnts Sistms Lins, Coodnds cilíndics sféics, Cônics Poduto misto, Plnos ts. Ach qução do plno contndo o ponto P

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - APES DETERMINANTES Prof Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr iêncis

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Capítulo 3. Análise de Sinais Dep. Armas e Electronica, Escola Naval V1.1 - Victor Lobo 2004. Page 1. Domínio da frequência

Capítulo 3. Análise de Sinais Dep. Armas e Electronica, Escola Naval V1.1 - Victor Lobo 2004. Page 1. Domínio da frequência Dp. Armas Elcronica, Escola Naval V. - Vicor Lobo 004 Capíulo 3 Transformadas ourir ourir Discra Bibliografia Domínio da frquência Qualqur sinal () po sr composo numa soma xponnciais complxas Uma xponncial

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

INFORMATIVO 02 / 2009 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO

INFORMATIVO 02 / 2009 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO 2inf08 HMF (23.01.29) INFORMATIVO 02 / 29 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO Em 22.12.28 foi publicd Li Complmntr 128. El ltrou

Leia mais

Macro VI: Modelo do Romer (versão do livro do Jones)

Macro VI: Modelo do Romer (versão do livro do Jones) Mcro VI: Modlo do Romr (vrsão do livro do Jons) Profssor Chrisino Arrigoni Ibmc/RJ Críics o modlo IS-LM. Supõ rigidz d prços. 2. Fl d microfundmnos. 3. Não há ppl pr s xpcivs. 4. Difrns xs d juros influncim

Leia mais