Sistemas Lineares Entrada/Saída 30

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Lineares Entrada/Saída 30"

Transcrição

1 Sim Lir Erd/Síd 3 3- Sim Lir Erd/Síd 3.- Fuçõ Sigulr (Sii Elmr Hyi) Muio ii d xcição uilizdo o udo d im diâmico ão uçõ impl o domíio do mpo, xpro mmicm por um couo d uçõ domid uçõ igulr, qu coium um couo d rd pdrõ uilizd pr crcrizr rpo diâmic d um im Dgru Uiário O dgru uiário é ução báic d míli d uçõ igulr. Su diição é gui: pr < u ( ) pr u () - u ( ) pr pr < < u (- ) - u ( ) pr pr < < Frcico. Louo

2 Sim Lir Erd/Síd 3 Um uo impor d ução dgru é impliicção d rprção d uçõ qu ão ul pr < ; m gum um drmid xprão pr. Por xmplo: g ( ) ( ) pr pr < Pod- crvr qu g( ) ( ) u ( ) Ob: ução u ( ) é ud pr grir qu ução comc o i zro Fórmul d corrêci pr Diição d Our Fuçõ Sigulr dmi uçõ igulr ão diid prir d ( ) rlçõ: u u, gurdm r i gui ( ) u ( ) u ( τ ) dτ p (α) ( ) du u ( ) pu ( ) (β) d dy d y u Dy y u D p d d d x dx bx u D x Dx bx u d d px xp p d d Frcico. Louo

3 Sim Lir Erd/Síd Igri Suciv do Dgru igri uciv do dgru ão obid plicdo- órmul dd pl qução (α), obdo-:, < u ( ) u ( ) τ dτ dτ, Logo, < u ( ) u ( ) mp Uiári, u () -.u () - igrção d rmp rul prábol uiári Logo u 3 ( ) u ( τ ) τ d, dτ, ( ) u ( ) <, < Prábol Uiári, u 3 u () -3.u-() Impulo Uiário O impulo uiário é, por diição, drivd do dgru. im, d cordo com qução (β) omdo-, m-: Frcico. Louo

4 Sim Lir Erd/Síd 33 d d ( ) pu ( ) [ u ( ) ] u od, u ( ) δ ( ) Dl d Dirc Como o dgru é um ução dcoíu m, poro ão é drivávl poo, m pricípio pod prcr qu ão é poívl diir u ( ). Ero, xim vriávi diâmic qu podm omr orm d um dgru, pr qui pod hvr cidd d diição d drivd. Pr qu diiculdd uprd, ução impulo po r comprdid, di iicilm gui ução: ( ),, ε, < ε > ε () - ε drivd d ução é um pulo rgulr d ár uiári ( ) p ( ) ε < ε > ε () ε ε, Qudo ε obrv- clrm qu ( ) d pr ução dgru uiário, ou ( ) lim ( ) u ε < > Frcico. Louo

5 Sim Lir Erd/Síd 34 No, qu qudo, vi ordo um pulo d durção cd vz mor mpliud cd vz mior, m ár é mid com vlor uiário (). Um impulo uiário pod ão r diido como: ε drivd ( ), d ução ( ) ( ) lim ( ) u ε Ou, como um pulo d durção zro, mpliud iii ár uiári. ução impulo mbém é domid ução Dl d Dirc, rprd por ( ) (Ob.: δ ( ) Dl d Krocr) domiio dicro δ. Exmplo: um il qu pod r rprdo por um impulo é o d orç mcâic qu g obr um corpo m movimo qu choc cor prd, pár o i. Qudo ocorr o choqu, vlocidd do corpo ci im d um vlor V pr zro, ou, gudo um dgru givo d mpliud V. v() V vlocidd v() V - V.u -() Pr clrção: () () dv() d () -V.u () -V clrção qu g obr o corpo é dd pl x d vrição d u vlocidd ( ) pv ( ) Vu ( ) Sigiicdo qu, im, o corpo or um clrção giv (rd) d mpliud iii, qu rz vlocidd d V pr zro. Poro, clrção é dd por um impulo givo d ár igul V do choqu. Como orç é igul o produo d m pl clrção, é vid qu orç mbém rá um impulo, o qu rlidd igiic um orç muio grd cpz d, um irvlo d mpo pricm igul zro, prr o corpo, o qu corrpod o choqu. Como coc miori do choqu, orç pod r cpz d mr ou d qubrr o corpo. Frcico. Louo

6 Sim Lir Erd/Síd 35 Por xmplo, pod- cocluir qu o impulo é um ução mmáic qu, m im diâmico pod r ud pr rprr ii d curíim durção grd mpliud. Grção do dgru rmp uiário prir do impulo uiário (Fórmul d rcorrêci) Trlção o Tmpo - Dgru rlddo: Um dgru rlddo m gui xprão: u ( ) pr pr <, >, < > b- Impulo Trlddo É drivd do dgru rlddo, ou, δ ( ) u ( ) pu ( ) Frcico. Louo

7 Sim Lir Erd/Síd prção d Sii m rmo d Fução Impulo () () τ κ. τ Τ. τ (κ). τ ução impulo cor um grd plicção dcrição d ii crcrizção xcição/rpo d im íico lir ivri o mpo. Dd um ução rl do mpo, ( ) diid pr o irvlo bro (, ), podmo proximr ução por um éri d pulo rgulr d lrgur τ, proximção do o mlhor quo mor or lrgur τ. E oção é rprd qudo dividimo o irvlo d T m ubirvlo igui d lrgur τ lvmo ordd corrpod τ pr rprr ução o τ, τ. irvlo chdo [ ( ) ] O pulo rgulr hchurdo m rmo d um pulo d ár uiári d lrgur τ, diido τ, τ, é rprdo por: m [ ( ) ] P τ ( τ ), τ, [ τ,( ) τ ] [ τ,( ) τ ] D mir, o pulo rgulr hchurdo m gui rprção: dcrição d ( ) ( τ ) P τ ( τ ) τ o irvlo chdo d é T por um éri d pulo rgulr é obid omdo- o pulo idividui idxdo plo prâmro,, ±, ±,.... * ( ) ( ) ( proximção ) ução ( ) é obid d ( ) ( τ ) P τ ( τ ) τ * omdo o limi com τ ( ) lim * ( ) Frcico. Louo

8 Sim Lir Erd/Síd 37 No proco d limi, o omório m drá um igrl diid d é T, vriávl dicr τ drá um vriávl coíu τ ( τ τ ), ução pulo drá δ τ. um impulo rdo ( ) P τ ( τ ) δ ( τ ) Com coidrçõ rul gui xprão pr ( ) : T ( ) ( ) δ ( τ ) o τ dτ (Igrl d Covolução) No: gui xciçõ pdroizd com mpliud uiári ão ud rqüm pr vriicr rpo d im. - Fução oidl - Séri d poêci r co( ) ou r ( ) r Sil xpocil 4- Dgru uiário r <, >, xpcil dcrc xpocil crc r u ( ) 5- mp uiári 6- Prábol uiári 7- Impulo uiário Exmplo: 7 6 ( ) u ( ) r u r u 3 r u ( ) u ( ) ( ) δ ( ) Sri d poci -, 3, 4 5 ord r() mpo Frcico. Louo

9 Sim Lir Erd/Síd Diição d Trormd d Lplc rormd d Lplc é um rrm mmáic d mi icz pr áli, u corol d im lir. rormd d Lplc ão diid o domíio d um vriávl complx dd por: σ () rormd d Lplc d um ução ( ) é diid como gu: [ ( ) ] ( ) d F( ) L () O xpo dv r dimiol. im, qudo vriávl idpd or mpo, dimão d dv r o ivro do mpo, io é, rqüêci. N co, por r um vriávl complx, é rqüm domid rqüêci complx. SI (ou MKS): [ ] ou [ rd / ] N qução (), o limi irior d igrl é coidrdo igul ( ), d modo qu igrl br vui compo impuliv d ( ) qu ocorrm m Exiêci d rormd d Lplc Pr qu rormd d Lplc xi, é cário qu ução d ordm xpocil, d cordo com: Diição: Um ução ( ) γ i qu: rá d ordm xpocil γ xiir co ri M > γ ( ) M, pr odo > T. (3) Qudo coidr, (o ivé d > T ), dizmo implm qu ( ) é d ordm xpocil. crcríic pricipl d uçõ d ordm xpocil é d ão podr crcr m vlor boluo, mi rpidm qu M γ. N práic, io ão rpr rrição, poi M γ podm r colhido ão grd quo quir. Qudo rormd d Lplc d um ução xi, ão igrl: ( )d (4) Covrg pr lgum vlor iio. Pr qu io coç, gui codição dv r ii: ( ) lim (5) Frcico. Louo

10 Sim Lir Erd/Síd Trormd d Lplc d lgum uçõ impl - Co S um co qulqur, ão: L [ ] d dod: L [ ] (6) vidm: ( ) u dgru uiário L [ u ( ) ] (7) b- Expocil crc S α um úmro rl poiivo, ão: α [ ] ( α ) α ( α ) L d d (8) α α c- Expocil dcrc α [ ] L (9) α d- Co-o S um od co-oidl d mpliud uiári rqüêci [ rd / ]. Evidm é rl poiivo. rormd d Lplc (TL) d ução d cordo com diição é: [ co( ) ] co( ) d L () co( ) ( ) co( ) ( ) Sb- qu co ão qução () or- L [ co] d () L L () Frcico. Louo

11 Sim Lir Erd/Síd 4 [ ] L (3) [ ] L (4) Subiuido quçõ (3) (4) m (), mo: - So L [ co] (5) L [ ( ) ] ( ) d - Co-o com mpliud âgulo d quiqur por: S um co-o d mpliud âgulo d θ. u rormd d Lplc é dd Pod- crvr: co ( θ ) L [ co( θ )] co( θ ) d ( θ ) ( θ ) θ θ ( ) ( ) S co complx diid por: θ θ b * θ θ b rg ( ) coθ ( ) θ b Im( ) θ co( θ ) * Eão: * L [ co( θ )] lrivm pod- zr: b b b coθ co co θ ( B) co( ).co( B) ( ) ( B) ( θ ) co( θ ) co( ) ( ) ( θ ) Frcico. Louo

12 Sim Lir Erd/Síd 4 o com mpliud âgulo d quiqur * L [ ( θ )] θ π θ * π Propridd udmi - Liridd L [ ) b ( ) ] F ( ) bf ( ) ( b- Trlção rqüêci L ( ) F( ) c- Dircição rqüêci L [ ( ) ] ' F ( ) df( ) d d- Trormd d Drivd rormd d Lplc d drivd d um ução ( ) pod r xpr por qulqur um d gui orm: d ( ) L d L ( ) L Lmbrdo: igrção por pr [ p ( ) ] ( ) d udv uv u dv vdu d( uv) udv vdu uv udv vdu du ( ) d v ( ) d ( ) d. ( ) ( ) d ) d L L ( ) F( ) d d L d ( ) L ( ( ) [ ] [ ] ( ) L p ( ) F( ) ( ) E úlim qução é imporíim, poi é qu prmi rolvr quçõ dircii lir ivri o mpo rvé d rormd d Lplc, é o méodo d olução o qul bi áli d im diâmico lir ivri o mpo. ( ) ( ) Frcico. Louo

13 Sim Lir Erd/Síd 4 - Trormd d igri ( ) ( ) p ( ) p ( ) ( τ ) dτ ( d[ d ) ( )] ( ) ( ) ( [ ( ) ] ( ) F( ) ( ) d ( ) ) L L d od: Logo: L ( ) ( ) ( ) d ( ) [ ( ) ] L ( τ ) dτ F( ) ( ) ( ) - Propridd d rlção o mpo S () um ução do mpo, cu rormd d Lplc é F(). Coidr- qu ução rldd d um mpo, uld pr <, coorm mordo bixo pl igur. Eão, rormd d Lplc d oprção é dd por Fução rldd o mpo L [ ( ) u ( ) ] F( ) Torm do vlor iicil ( ) lim ( ) limf( ) Torm do vlor il ( ) lim ( ) lim F( ) Frcico. Louo

14 Sim Lir Erd/Síd 43 Exrcício: - Ddo qu rpo o dgru d um im lir, ivri o mpo, iicilm m 7 4 rpouo é: y( ) u ( ) 3 3 Drmir Trormd d Lplc d rpo do im à rd: Qui o vlor, iicil il, d rpo rul? - Drmir rormd d Lplc d od qudrd: 3.4- Trormd ivr d Lplc O proco d obr um ução o mpo prir d um rormd d Lplc é domido rormção ivr. [ F( ) ] ( ) L (6) ( ) é rormd ivr d F ( ), mmicm, ( ) é obid prir d ( ) d gui xprão: π c c d ( ) F( ) d lim F( ) c π d c d d F rvé, pr > (7) Frcico. Louo

15 Sim Lir Erd/Síd 44 Od c é colhido d modo qu odo o poo igulr d F ( ) m loclizdo à qurd d r ( ) c o plo complxo, como: Im() gião dmiívl pr o poo igulr d F() c () xprão d rormd ivr é d uo complicdo, por io é pouco uilizd práic. O procdimo orml é, pr xprõ impl d F ( ), bucr xprão d rormd ivr m bl. Pr rormd mi complicd, procur- dmmbrr F um om podrd (combição lir) d xprõ mi impl, ou : ( ) F N ( ) F ( ) F ( ) F ( ) F ( )... N N (8) od,,... N ão co. Dvido à propridd d liridd d TL rormd ivr rá dd pl mm om podrd d rormd ivr d cd prcl, ou : N ( ) ( ) ( ) ( ) ( )... N N (9) E procdimo é o mi uilizdo obção d rormd ivr, pcilm qudo rormd ão uçõ rcioi Trormd d Lplc rcioi Diiçõ báic Fução rciol - é um rlção d doi poliômio d orm: F ( ) ( ) b b... b b b ( )... P Q () Um crcríic impor d uçõ rcioi é dirç r o gru do umrdor do domidor. Sob poo d vi, uçõ rcioi ão cliicd d gui mir:, ( ), ( ), ( ) - < - - > F é um ução rim própri F é um ução própri F é um ução imprópri Frcico. Louo

16 Sim Lir Erd/Síd 45 Zro d F ( ) : São ríz d ( ) F () Ou, ão o vlor d qu ulm ução. S F ( ) or rciol, d orm dd pl qução (), o zro d F ( ) ão o zro d u umrdor, io é, ão ríz d: Pólo d F ( ) : São ríz d ( ) P () F( ) (3) Ou, ão o vlor d qu ulm o ivro d ução. S F ( ) or rciol, d orm dd pl qução (), o pólo d F( ) ão o zro d u domidor, io é, ão ríz d: ( ) Q (4) Form ord d F ( ) : S o zro o pólo d um ução rciol ( ) ão ução podrá r cri m orm ord, como gu: Od: z,... F ( ) ( ) ( ) P Q, z z ão o zro d F ( ) p,..., p p ão o pólo d F ( ) ( z )( z )...( z ) ( p )( p )...( ) p F orm cohcido, b (5) prção d pólo zro o plo É comum rprção d pólo zro d uçõ rcioi pl u coordd cri m um pr d ixo orogoi. pr ri do pólo zro ão bci do poo corrpod pr imgiári, ordd. O plo diido por um pr d ixo com ilidd d rprr úmro vriávi complx é domido plo complxo; o ixo horizol é o ixo rl, o ixo vricl é o ixo imgiário ; md do plo à qurd do ixo imgiário é domid miplo qurdo, rgião à diri é domid miplo dirio. O miplo qurdo é o lugr gomérico do úmro complxo com pr rl giv, o miplo dirio é o do úmro complxo com pr rl poiiv. Qudo um plo é uilizdo pr rprr vlor d vriávl complx σ, plo é cohcido como plo ; o ixo rl como ixo σ o ixo imgiário como ixo. Qudo rpr quidd complx m plo complxo, é comum o uo imulâo d coordd rgulr polr. Io implic cidd d ur mm cl pr o doi ixo, im d vir dormçõ do âgulo. N rprção d pólo zro d um ução rciol m, ormlm u- gui covção: Frcico. Louo

17 Sim Lir Erd/Síd 46 o pólo ão mrcdo com X (domidor) o zro ão mrcdo com O (umrdor) Exmplo: rprção gráic d pólo zro. S ução: F ( ) ( ) ( 3)( 3 )( 3 ) Pod urgir cidd d rprr, m um mmo plo complxo, pólo zro d uçõ dir. Em i co, pod r covi o uo d ímbolo dir pr o pólo zro d cd ução. X pólo ímbolo zro ímbolo Propridd impor Propridd : Tod ução rciol rim própri pod r dmmbrd m um om d rçõ prcii. S: P ( ) ( ) b b... b b b F Q... ( ) ( z )( z )...( z ) ( p )( p )...( ) b, < p Frcico. Louo

18 Sim Lir Erd/Síd 47 Por rção prcil d- um ução rciol lmr do ipo L ( p) p ( )! Od p é o pólo, é o ríduo é o gru d rção prcil; p podm r ri ou complxo. Qudo, diz- qu rção prcil é impl. N xpão m rçõ prcii, xim doi co coidrr. Co - Pólo diio: É o mi rqü, é qudo odo o pólo d ução ão diio, io é, dir r i, ou, p p p... 3 p N co, hvrá um rção prcil impl pr cd pólo, xpão m rçõ prcii rá: F( )... p p p p O ríduo d cd pólo diio ( p ) F( ) rormd ivr rá: p é clculdo d gui mir: p P Q ( p ), od Q ( ) ( p ) p p p p ( )... > Q( ) ( p ) Co - Pólo múliplo: S um ução rciol ivr pólo múliplo, io é, rpido, ão xpão m rçõ prcii corá rçõ d gru igul ou uprior doi, corrpod o pólo múliplo. Pr prção d orm d cálculo do ríduo d uçõ prcii, rá coidrd um ução rciol qu h um pólo múliplo p, do r u muliplicidd. Io qur dizr qu ução rá r pólo igui, do o dmi diio, ou : p p pq pq r... p pq pq p q r q N co, xpão m rçõ prcii omrá orm: F ( ) p q q ( ) p ( p ) q, q,..., q r... p q p q q p q qr ( p ) ( p ) r q q r r q r q... p... q Frcico. Louo

19 Sim Lir Erd/Síd 48 Vê- ão qu cd pólo impl coiurá corrpoddo p um rção prcil impl, á o ríduo corrpod o pólo múliplo ão ddo por: q ( r ) d! d r r ( ) P Q p ( ) ( ) q pq r Pr ouro pólo múliplo, procd- d orm mlh. Exmplo: rormd ivr rá: ( ) q, q,..., q r p... pq q p q pq q pq q r q3 q ( ) pq r!...!... qr r pr p ( r )!,,..., r F ( ) 3 3 ( ) ( ) ( ) ( ) F ( ) ( ) L Exrcício: ( ) ( ) 3 ( ) [ ] [ F( ) ] F ( ) ( ) ( ) ( 3)( 4) imporâci d xpão m rçõ prcii xpão m rçõ prcii é écic mi impor pr obção d rormd ivr d Lplc d uçõ rcioi m. Um vz uprd diiculdd d colocção d F ( ) m orm ord d cálculo do ríduo, obção d rormd ivr é um procdimo rivil. Um obrvção impor r i é d qu o co d uçõ rcioi com pólo diio é o mi rqüm cordo práic. N co, i ipo d pólo podm ocorrr: Frcico. Louo

20 Sim Lir Erd/Síd 49 * pólo ri - qu podm r givo, ulo ou poiivo. * pólo complxo - com pr rl giv, ul ou poiiv. Qudo pr rl d um pólo complxo é ul, diz- qu o pólo é imgiário, ou imgiário puro. Como rormd d Lplc qu ão do coidrd ão rcioi, com o rpcivo poliômio do umrdor do domidor do coici ri, qudo houvr pólo complxo, l mpr prcrão m pr cougdo. Logicm, rçõ prcii corrpod mbém ocorrrão m pr cougdo. rormd ivr d um pr d rçõ prcii complx cougd é um ução co-oidl, com mpliud vrido xpocilm; pr rl do pólo di x d vrição do xpo d xpocil qu di vrição d mpliud, pr imgiári é rqüêci d ocilção, m rdio por gudo. Propridd : Tod ução rciol ão-rim própri pod r dmmbrd m um om d um poliômio d gru ( ) um ução rim própri, cuo domidor é o mmo d ução origil. Io é, ( ), é poívl dmorr qu F ( ) c B B... B B E dmmbrmo é io com b gui ididd: c... c c c... Frção ão - rim própri Quoci o Domidor Propridd 3: rormd ivr d um ução rciol ão rim própri poui ( ) compo impuliv Torm do vlor il pr rormd d Lplc rcioi Pr rormd d Lplc rcioi, o orm d vlor il pod r ucido d orm mi rigoro, blcdo d orm bolum iquívoc codiçõ m qu pod r udo. S () um ução do mpo, com um rormd d Lplc rciol F () ddo por: L [ ( ) ] F( ) P ( ) ( ) b b... b b b ( z )( z )...( z ) ( p )( p )...( p ) Q... b Frcico. Louo

21 Sim Lir Erd/Síd 5 Eão xiêci o cálculo do vlor il podm r blcido como gu: S rormd F ( ) ivr odo o u pólo com pr rl giv, ão o vlor il d ( ) é ulo. S F ( ) ivr um úico pólo ulo, odo o u dmi pólo ivrm pr rl giv, ão o vlor il d ( ) é co ão ulo, do ddo por: ( ) lim ( ) lim F( ) No dmi co, ( ) ão poui vlor il co. b Trormd d Lplc d vor mriz Pquir o livro coido bibliogri Ex.: ( ) [ ( ) ( )... ( ) ] dimão m, x( ) m x x x 3 ( ) ( ) M ( ) dimão ( ) l ( ) ( ) L m ( ) ( ) ( ) ( ) L m M i ( ) M ( ) L L ( ) M lm ( ) l ( ) ( ) L m ( ) ( ) ( ) ( ) L m M i ( ) M ( ) L L ( ) M lm 3.5- Covolução como: Covolução clr Sm ( ) ( ) g du uçõ clr. covolução d du uçõ é diid ( ) g( ) ( ) g( τ ) ( ) g( ) g( ) ( ) Torm d covolução: S uçõ ( ) ( ) rormd d Lplc orm F ( ) G ( ), ão: τ dτ (6) (7) [ ( ) g( ) ] F( ) G( ) g orm ul pr <, u L (8) Frcico. Louo

22 Sim Lir Erd/Síd 5 Frcico. Louo Exmplo: Covolução d um xpocil um o cui. N xmplo, o orm d covolução é uilizdo pr drmir rormd ivr d: ( ) ( )( ) F S ( ) F ( ) F D modo qu: ( ) ( ) ( ) F F F O orm d covolução ó pod r plicdo rpciv rormd ivr orm cui, ul pr <. Eão: ) ( )] ( [ ) (. u F L ) ( ) ( )] ( [ ) ( u F L im, mo: ( ) ( ) ( ) ( ) [ ] d τ τ τ N qução rior m-: ( ) [ ] ( ) ( ) τ τ τ τ τ Coidrdo- qu vriávl d igrção é τ ( vriávl é um co pr igrção), obém-: ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) d d d τ τ τ τ τ τ τ τ τ τ dod: ( ) ( ) ( ) ( ) θ θ θ

23 Sim Lir Erd/Síd 5 Film: w ( ) g, Um pco ir d xmplo é rprção d ução o rvé d vriávi complx. Qudo chg o il do cálculo, pr imgiári d xprõ cclm, d modo qu o ruldo il rl. Io mpr coc qudo problm ri ão rdo com vriávi complx. Exmplo : Ecor ivr ( ) pr gui ução: Solução: F ( ) F( ) L ( ) ( ) 3 ( )( ) [ F( )] ( ). - Exmplo3: F ( ) F ( ) ( ) 3 ( ) 3 DENDO: Pólo zro Diimo o pólo d ução rciol F ( ) como do ríz do domidor o zro d F ( ) como ríz do umrdor. Vmo coidrr lgu digrm d pólo zro corrpod ii pdrõ. - Fução dgru u rormd d Lplc (Pólo Origm) Figur rird do livro: Sih, N.K. Lir Sym, Joh Wily & So, Nw Yor, 99. Frcico. Louo

24 Sim Lir Erd/Síd 53 b- Um xpocil u rormd (Pólo o ixo rl) c- Fução rmp u rormd (Pólo duplo origm) d- Fução coo u rormd - Fução o u rormd Frcico. Louo

25 Sim Lir Erd/Síd 54 - Fução coo morcido u rormd g- Fução o morcido u rormd Fuçõ o mpo u corrpod loclizçõ do pólo o plo Frcico. Louo

26 Sim Lir Erd/Síd 55 D digrm cocluímo: Fuçõ dcm xpocilm qudo poum pólo obr o ixo rl givo, do pr imgiári ul. O pólo zro corrpod à óid ão morcid ão obr o ixo imgiário, do pr ri ul; O pólo zro d óid morcid dvm r pr ri, imgiári complx. Quo mi o pólo ivr do d origm do ixo rl givo, mior rá u rzão d morcimo, ou, o pólo mi do d origm do ixo rl givo corrpod à xpocil qu dci mi rpidm. Coidrdo du od oidi mo qu: diâci d origm obr o ixo rpr rqüêci d ocilção, do quo mior diâci, mior rqüêci Fução d rrêci É diid como rzão r rormd d Lplc d íd (ução rpo) do im rormd d Lplc d rd (ução xcição) com codiçõ iicii ul. Coidr o im lir ivri o mpo diido pl qução dircil: d y d ( ) d y( ) m ( ) d u( ) m d u... y( ) bm bm b u m... m d d d od y ( ) é íd do im ( ) u é rd. ução d rrêci é obid plicdo- rormd d Lplc mbo o ldo d qução ob hipó d qu od codiçõ iicii ão ul. Fução d Trrêci G( ) Y U ( ) ( ) ( ) m m bm bm... b, > m... ução d rrêci é um propridd do im m i (é dd m rmo do prâmro do im) idpd d ução xcição. Porém, l ão proporcio qulqur iormção rliv à ruur íic do im (Fuçõ d rrêci d muio im iicm dir podm r idêic). Udo o cocio d ução d rrêci podmo rprr diâmic do im por quçõ lgébric m. mior poêci d o domidor d ução d rrêci é igul à ordm do rmo d mi l drivd d íd. S mi l poêci d é igul, o im é chmdo d -éim ordm. Exmplo: L () i i() C () Frcico. Louo

27 Sim Lir Erd/Síd 56 Lplc: di( ) L i d i C LI I C ( ) d ( ) C ( ) i( ) d ( ) o ( ) I( ) ( ) E o ( ) I C E i ( ) ( ) I( ) CE ( ) i o LC E Eo ( ) CEo ( ) Eo ( ) Ei ( ) ( ) o E ( ) LC C i Exrcício: -) Drmi ução d rrêci pr o circuio bixo: () i i() C () -) Coidr Fução d Trrêci: H ( ) ( ) ) Dh o digrm d Pólo Zro clcul mgiud o rgumo d H() com. b) Drmi o vlor d mgiud rgumo d H(), pr:,;,8;,;,; 5,;,; gim prm m im ioicm ávi Qudo rd plicd um im lir ão m prcl rióri, ão rpo priculr é rpo m rgim prm, dod como gu: y P ( ) lim y( ) À primir vi, qução pod prcr rh, á qu um ução o mpo é iguld um limi pr. O igiicdo é o gui: y P ( ) é prcl d y ( ) qu ão d zro qudo U (Trormd, m d impd qu l um ução o mpo. S ( ) Frcico. Louo

28 Sim Lir Erd/Síd 57 d Lplc d rd) ão ivr hum pólo com pr rl giv, ão rpo m rgim prm é dd por y P - L N D P P ( ) ( ) Por xmplo, u ( ) or um dgru, ( ) rgim prm rá co. S rd or oidl, d orm U co ( θ ), ( ) U m um pólo origm (); co, rpo m U rá um pr d pólo imgiário m ± ; ouro co, rpo m rgim prm rá oidl, com mm rqüêci do il d rd gim prm oidl Pr um im lir ivri o mpo cu rd u ( ), íd ( ) d rrêci oprciol G ( p), como: y ução u() G(p) y() Srá coidrdo qu o pólo do im m cohcido, d modo qu ução d rrêci po r cri m orm ord como: G( ) NG ( ) ( )( )...( ) dy( ) y( ) u d d p d py yp ( ) py( ) y( ) u( ) ( p ) y u y u ( ) ( ) ( p ) rd oidl coidrd é: u [ ] ( α ) ( α ) ( ) U co ( α ) ão, rormd d Lplc d rd é: U U α α U ( ) Como o im é coidrdo ávl, qudo rpo livr mpr m vlor il ulo, upõ codiçõ iicii ul. N co, rormd d Lplc d íd é: Y ( ) G( ) U ( ) U G ( ) α α α α U N G ( ) ( )( ) ( )... Frcico. Louo

29 Sim Lir Erd/Síd 58 Frcico. Louo coidrdo..., xprão cim dmi gui xpão m rçõ prcii ( ) b b Y * od ( ) ( ) [ ] Y ( ) ( ) [ ] ( ) ( ) ( ) ( ) α α α G U G U Y b Coidrdo orm polr d ( ) G ( ) ( ) ( ) φ φ G G G Pod- crvr ( ) ( ) ( ) φ α φ α G U G U b D orm álog, obém-: ( ) ( ) [ ] ( ) ( ) φ α G U Y b * logo ( ) ( ) ( ) G U Y ) ( φ α φ α S ( ) G U Y φ α θ ão rormd ivr rá: ( ) ( ) Y y θ θ Film ( ) ( ) Y y co θ S o im or ávl ( ),...,, lim <

30 Sim Lir Erd/Síd 59 im, ic clro qu íd m rgim prm rá oidl, com mm rqüêci do il d rd. po d im ávi rd oidi, m rgim prm: Fig. () mpliicção d mpliud vço d ( φ > ); Fig. (b) ução d mpliud ro d ( φ < ) θ φ α φ rg y P [ G( ) ] θ α ( ) y ( ) lim y( ) Y co( θ ), pr, dá rlção d mpliud o âgulo d dgm r o ii d íd d rd, como: Y G ( ) U D quçõ, é ir impor obrvr qu ução d rrêci G ( ) φ ( ) rg [ G( ) ] θ α Frcico. Louo

31 Sim Lir Erd/Síd 6 ( ) G é cohcid como ução d rrêci o domíio d rqüêci. O gráico d G ( ) m ução d (ou [ Hz] ) é cohcido como curv d módulo do im, o π gráico φ ( ) é cohcido como curv d. du curv ão cohcid como digrm d rpo m rqüêci ou gráico d rpo m rqüêci. E du xprõ, um com éri d Fourir o pricípio d uprpoição d io, ão b d od écic pr proo d ilro ioizdor, o plicçõ idurii quo m lcomuicçõ. Um plicção impor é o proo d ilro pr limição d hrmôico íd d covror iriorizdo, d ouro lmo qu provocm diorçõ m od d ão corr, od o proo do ilro é io d modo qu mpliud d curv d módulo proxim d zro rqüêci do hrmôico qu dvm r limido. Exmplo: () i i() C () o 3.8- Digrm d bloco d im lir igrção r o divro compo d im diâmico lir im d corol pod r viulizd mi cilm rvé do digrm d bloco ucioi, ou implm, digrm d bloco. Um digrm d bloco é obido prir d quçõ diâmic do im. O bloco rprm uçõ qu cd ubim ou compo dmph, o digrm d bloco mor rlçõ r o ii o luxo do ii dro do im Elmo báico Pr o im lir, o digrm d bloco podm r coruído com p 3 ipo d lmo, qu ão: (I) Bloco: rpr oprção d muliplicção d rd pl ução d rrêci ou plo gho do bloco. O produo rul é íd. u G y y ( ) G( p) u( ) Muio im, priciplm o qu rlizm mpliicção d ii ou d poêci, rcbm rgi d o xr, o qu ão é cário idicr o bloco. Frcico. Louo

32 Sim Lir Erd/Síd 6 (II) Somdor: rpr um om lgébric d vriávi, qu ão rd, cd um d plo rpcivo il. íd do omdor é om rul. N lirur, o omdor é rprdo por: N igur cim, w, x y ão rd, idicdo qu z w x y (III) Poo d rird (Ididd ou miicção): dvm prcr mpr qu um il or rd pr mi d um omdor /ou bloco do digrm, como coc o im d corol com rlimção. igur bixo mor como podm prcr o poo d rird, vdo- qu xi um lxibilidd b grd pr colocr i poo o digrm. y y y y y Poo d rird (ididd) Corução d digrm d bloco O digrm d bloco é mpr obido prir d quçõ do im m udo. rgr báic pr obção d um digrm d bloco é: "O úmro d quçõ idpd cário uici pr obr um digrm d bloco complo d um im é igul o úmro d vriávi icógi." No- qu codição é mm pr qu o couo d quçõ h olução. Um digrm d bloco complo é qul qu prmi obr od vriávi do im, io é, rolvr o im. É ir obrvr qu o digrm d bloco d um im pod prr ob dir pco, dpddo d mir do méodo uilizdo pr obr quçõ. Ero, o dir digrm d bloco, obido pr um mmo im, orm impliicdo, od impliicçõ rão como ruldo mm ução d rrêci (ou gho) globl. Frcico. Louo

33 Sim Lir Erd/Síd 6 Exmplo : Digrm d bloco d um im complo. T θ,,α θ,,α B J J Ob.: J && θ J && θ J J ( ) B( & θ & θ ) ( ) & θ & θ ) d B d d B d ( ) T ( ) T d d J d d T J T T T T (codição d coiuidd) ( ) T d ( ) T d J J Digrm d bloco oprciol complo pr o im rociol Frcico. Louo

34 Sim Lir Erd/Síd 63 Obvim ão ivrmo irdo m viulizr o luxo d rgi do im pl obrvção do digrm d bloco, podmo grupr quçõ obr rlciomo d rd/íd qu impliicm o digrm d bloco pr o im. Exmplo : Digrm d bloco d um crg mcâic. T J N xmplo, d- obr um digrm d bloco dlhdo pr crg mcâic rociol. O digrm d bloco dv morr rlção r xcição (cougdo d ciomo) od rpo do im, ou, clrção vlocidd gulr o cougdo d rção d iérci d rio. Solução: O digrm d bloco ddo vi r coruído prir d quçõ mi impl od, d xprão d cougdo d rção d iérci, mo: B od T T (9) J T B T B B (3) Um vz cohcido proporciol T J. T J (cougdo d iérci), obém- clrção gulr α, qu é α ( ) TJ (3) J α p (od d p ) (3) d Eão, vlocidd gulr é dd por: ( ) α( ) T ( ) d ( ) p J J é codição iicil) (33) ( ( ) p ( ) pθ ( ) θ ( ) ( ) Frcico. Louo

35 Sim Lir Erd/Síd 64 Com quçõ (9) (33) corói- o digrm d bloco mordo, prido d xcição (T ) procurdo diir od vriçõ d ir. xcição prc qução (9), qu idic o uo d um omdor cu rd ão o cougdo d ciomo (T ) o cougdo d rio ( TB ), cu íd é o cougdo d clrção ( T J ); - d cordo com qução (3) T J dv r rd pr um bloco d gho, cu J íd é clrção gulr α ; - d cordo com qução (3) ou (33), α dv rr m um igrdor m cu íd r-á vlocidd ; - vlocidd dv rr um bloco d gho B pr qu h m u íd o cougdo T B, qu é gud rd pr o omdor, compldo im o digrm. No- qu o digrm pr 4 icógi ( T J, T B,α ), pr coruí-lo orm cári 4 quçõ idpd (9) (3) é odo qu quçõ (3) (33) ão quivl. Exmplo 3: i i o o i (34) i i o i o i i o o i (35) i _ o i o Frcico. Louo

36 Sim Lir Erd/Síd 65 Exmplo 4: v i i C - - v o v v v i o ( v v ) i o i vo ( ) i( )d v o ( ) i( ) C C p i( ) Cpv o ( ) No domíio d rqüêci V() i I() C V () o V () i _ V () C V () Frcico. Louo

37 Sim Lir Erd/Síd Codiçõ pr oprçõ d dircição igrção rm comuiv Sm doi im uio um mm rd No im, u ( ) or primiro um drivção, o ruldo ( ) íd y ( ), poro: y ( ) pu( ) u& ( ) x é igrdo, ruldo x (36) ( ) x ( ) x ( τ ) dτ ( ) y p ( τ ) dτ u( ) u( ) y ( ) u& (37) Coidrdo codiçõ iicii quiqur, rormd d Lplc d quçõ (36) (37) ão, rpcivm: X ( ) U ( ) ( ) u ( ) y ( ) u ( ) ( ) y ( ) X Y ( ) U (38) u or primiro um igrção o ruldo p, m guid, por um dircição. N co, No im, ( ) x rormd ( ) u( ) u( ) dτ ( ) x p ( ) px ( ) x ( ) y & τ (39) (4) ( ) x ( ) U X ( ) (4) Frcico. Louo

38 Sim Lir Erd/Síd 67 ( ) X ( ) x ( ) U ( ) x ( ) x ( ) U ( ) Y (4) Comprdo quçõ (38) (4), vê- qu ( ) Y ( ) U ( ) u( ) ( ) Y (43) y Poro, o doi im om rão quivl qução or ii, poi ó im íd do doi im rão igui. Evidm, qução brg o co d codiçõ iicii ul, qu é coidrdo com rqüêci m áli d riório Álgbr do digrm d bloco Todo digrm d bloco pod r modiicdo é rduzido um úico bloco quivl, pr o co d im com p um rd um íd. Cd modiicção m qu r i d orm ão lrr rlçõ r vriávi volvid. O couo d rgr pr modiicçõ báic do digrm d bloco é cohcido como álgbr do digrm d bloco. álgbr do digrm d bloco plic o digrm d bloco oprcioi quo bloco rqüêci. Dduçõ báic - Cc U() Y() G G X() U() G.G X() Y X ( ) GU ( ) ( ) G Y ( ) X ( ) G G U ( ) - Prllo U() G Y() G W() U() G G X() Y ( ) GU ( ) X W ( ) GU ( ) ( ) Y ( ) W ( ) Frcico. Louo

39 Sim Lir Erd/Síd roção (rlimção ou dbc) U() G() Y() b H() U(). G() -G() H() Y() b Y Y Y Y U U ( ) ± b H ( ) Y ( ) ( ) G( ) ( ) G( ) [ U ( ) ± H ( ) Y ( ) ] ( ) m G( ) H ( ) Y ( ) G( ) U ( ) ( ) G( ) ( ) m G( ) H ( ) 4- Dlocmo pr r x G() x x x G() x x G() x ( ) G x x 5- Dlocmo pr rá x ( ) G x Frcico. Louo

40 Sim Lir Erd/Síd Elimição d Bloco _ G C H H _ GH C C G( HC) C GH C H 7- grupmo d poo d om ( X Y ) C ± 8- grupmo 8- Bloco / Poo d Som ± G C G ± X X G 8b- Poo d Som / Nó C C ± ± X C C ± X C ± X Frcico. Louo

41 Sim Lir Erd/Síd 7 C C X ± X ± m Exmplo : G () _ G G 3 G 4 C() H H Exmplo : () G G C() H H H 3 Exmplo 3: H _ G G G3 _ C H G 4 Frcico. Louo

42 Sim Lir Erd/Síd 7 Exrcício: Drmi C pr o im H 3 G G G3 _ C H H 3.9- Digrm d luxo d ii rgr d Mo É um lriv pr o digrm d bloco. Cd vriávl é rprd por um ó cd bloco é rprdo por um rmo. Fo: é um ó com p íd. Sumidouro: é um ó com p chgd. Exmplo : G G - G 3 G 4 C - - H H H 3 Frcico. Louo

43 Sim Lir Erd/Síd 7 Exmplo: G G _ C H H H 3 Exmplo 3: Exmplo 4: Frcico. Louo

44 Sim Lir Erd/Síd 73 Exmplo 5: gr d Mo T ( ) ução d rrêci T P ( ) i i i úmro d cmiho diro C ( ) ( ) P gho d um cmiho diro (r rd íd) i ("gho" d od mlh) (produo d mlh qu ão ocm du du) (produo d mlh qu ão ocm rê rê)... i é o pr mlh qu ão ocm o cmiho diro Frcico. Louo

45 Sim Lir Erd/Síd 74 Exmplo: b L L h d i L 4 3 L l L 5 y P ( ) i i T i u P bxcd L b L chg L i 3 L 4 l L 5 m ( L L L3 L4 L5 ) ( L L L L4 L L5 L3 L L3 L4 L5 L L5 L4 ) ( L L L L L L ) 5 ( L 3 L4 L5 ) ( L3L4 L4 5) L 4 5 y T ( ) u P Exrcício: -) G 4 H G G G 3 C H H 3 Frcico. Louo

46 Sim Lir Erd/Síd 75 -) ( ) C 3-) G 4 G G G 3 _ C H H 4-) Dhr o digrm d bloco, o digrm d luxo d il rduzir: L i g i g i C i - - b i g rd i íd 5-) Udo órmul d Mo, drmir T (), pr o im rprdo, bixo, od: X ) T ( ) U ( ) T ( ) U ( ) 3( Frcico. Louo

47 Sim Lir Erd/Síd 76 6-) Dh o digrm d bloco o gráico do luxo d ii, pr o circuio bixo, dpoi drmi ução d rrêci d circuio. V () - - C - - C V () 7-) No im com doi qu mordo bixo, um com u álogo lérico, é igordo o io d iérci luídic umido qu o lmo do im ão lir. Ecrv quçõ d coiuidd d m m rmo do ívi d liquido h h. Dh o digrm d bloco o gráico do luxo d ii, pr im, dpoi drmi ução d rrêci pr l. Frcico. Louo

Transformada de Laplace. Prof. Eng. Antonio Carlos Lemos Júnior

Transformada de Laplace. Prof. Eng. Antonio Carlos Lemos Júnior Trormd d plc Pro. Eg. oio Crlo mo Júior GEND Diição d Trormd d plc Trormd d plc d lgu ii Propridd d Trormd d plc Exrcício Corol d Sm Mcâico Trormd d plc Obivo: O obivo d ção é zr um irodução à Trormd d

Leia mais

TÓPICOS. Integração complexa. Integral de linha. Teorema de Cauchy. Fórmulas integrais de Cauchy.

TÓPICOS. Integração complexa. Integral de linha. Teorema de Cauchy. Fórmulas integrais de Cauchy. No m, liur dss pomos ão disps d modo lgum liur d iliogri pricipl d cdir hm-s à ção pr imporâci do rlho pssol rlir plo luo rsolvdo os prolms prsdos iliogri, sm ul prévi ds soluçõs proposs, ális compriv

Leia mais

Análises de sistemas no domínio da frequência

Análises de sistemas no domínio da frequência prmno d Engnhri Químic d Prólo UFF iciplin: TEQ0- COTROLE E PROCESSOS náli d im no domínio d frquênci Prof inok Boorg Rpo d Frquênci Cliqu pr dir o ilo do xo mr COCEITO: Coni d um méodo gráfico-nlíico

Leia mais

Transporte Vestiário Higiene Pessoal Poupança

Transporte Vestiário Higiene Pessoal Poupança Álgbr Mricil PRTE LGUMS CONSDERÇÕES TEORCS MTRZES Noção d mriz Mrizs formm um impor cocio m mmáic, d spcil uso o sudo d rsformçõs lirs mriiz é um bl d lmos disposos m lih colus Mriz m é um bl d m úmros

Leia mais

Transformada de Laplace

Transformada de Laplace No ul: MM6 rorm plc Crcríic pricipl: Algrizor EDO lir ou j rorm um EDO lir um qução lgéric Méoo: PVI ] : I ] p q Vg: Exim u rzõ pricipi pr uilizção rorm plc ; i O méoo riciol rolução um PVI volvo um EDO

Leia mais

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos.

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos. Not m: litur dsts potmtos ão disps d modo lgum litur tt d iliogrfi pricipl d cdir Chm-s tção pr importâci do trlho pssol rlir plo luo rsolvdo os prolms prstdos iliogrfi, sm cosult prévi ds soluçõs proposts,

Leia mais

SÉRIES - TRANSFORMADAS

SÉRIES - TRANSFORMADAS UTFPR Uivri Tcológic Frl o Prá DAMAT Dprmo Acêmico Mmáic Cálculo Dircil Igrl (MA6A) SÉRIES - TRANSFORMADAS NOTAS DE AUA Ruimr ui Nó o mr/ Não é proo ir qu o oo momo ipirção mi óric pomo r o mi próimo

Leia mais

SÉRIES - TRANSFORMADAS NOTAS DE AULA

SÉRIES - TRANSFORMADAS NOTAS DE AULA SÉRIES - TRANSFORMADAS NOTAS DE AUA Não é proo ir qu o oo momo ipirção mi óric pomo r o mi próimo poívl o plicçõ mi práic A N Whih (86-97) E obr é um compêio o ul, orgi ur () mr livo 7/, pr icipli Cálculo

Leia mais

1 - SINAIS PERIÓDICOS NÃO SENOIDAIS

1 - SINAIS PERIÓDICOS NÃO SENOIDAIS Frqüêcis hrmôics - INI PEIÓDIO NÃO ENOIDI m dois siis soidis d rqüêcis rspcis. rqüêci é hrmôic d rqüêci qudo or sisi iguldd: od é qulqur úmro iiro posiio, iclusi zro. rqüêci é chmd, ormlm, d rqüêci udml.

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Uivridad Salvador UNIFACS Curo d Egharia Méodo Mmáico Aplicado / Cálculo Avaçado / Cálculo IV Profa: Ilka Rouça Frir A Traformada d Laplac Txo : Irodução. Dfiição. Codiçõ d Exiêcia. Propridad. Irodução

Leia mais

ANÁLISE HARMÔNICA DE SINAIS. Prof. M.A.Garms

ANÁLISE HARMÔNICA DE SINAIS. Prof. M.A.Garms ANÁLISE HARMÔNICA DE SINAIS Prof. M.A.Grms UNIP - 3 Ídic Grl - Esudo d siis... - Sri d Fourir... 3- rsformd d Fourir... 3 4- Covolução...44 5- Sisms Clssificção...5 6- Espcro dsidd d Ergi...6 7- rsformd

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE I

SISTEMAS DE CONTROLE I UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGI DEPRTMENTO DE ENG. DE COMPUTÇÃO E UTOMÇÃO SISTEMS DE CONTROLE I Proor: Fáio Mghi Ugulio rújo Nl-RN, mrço ÍNDICE INTRODUÇÃO...4. DEFINIÇÕES...4.

Leia mais

Capítulo 4: Derivada A Reta Tangente. y = uma curva definida no intervalo ( a, ) e sejam ( x, y ) e Q( x y ) P dois pontos

Capítulo 4: Derivada A Reta Tangente. y = uma curva definida no intervalo ( a, ) e sejam ( x, y ) e Q( x y ) P dois pontos Isio d Ciêcis Es - Dprmo d Mmáic Cálclo I Proª Mri Jli Vr Crlo d Arjo Cpílo : Drid - A R T Sj b disios d cr Sj s r sc q pss plos poos P Q Cosidrdo o riâlo râlo PMQ, ir o ldo, mos q iclição d r s, o coici

Leia mais

3. TRANSFORMADA DE LAPLACE. Prof. JOSÉ RODRIGO DE OLIVEIRA

3. TRANSFORMADA DE LAPLACE. Prof. JOSÉ RODRIGO DE OLIVEIRA 3 TRNSFORMD DE LPLCE Prof JOSÉ RODRIGO DE OLIVEIR CONCEITOS BÁSICOS Númro complxo: ond α β prncm ao nº rai Módulo fa d um númro complxo Torma d Eulr: b a an a co co n n Prof Joé Rodrigo CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

1. A TRANSFORMADA DE LAPLACE

1. A TRANSFORMADA DE LAPLACE Equaçõ Difrciai - Traformada d Laplac A TRANSFORMADA DE LAPLACE Dfiição: Sja f() uma fução ral dfiida para > Eão a raformada d Laplac d f(), doada por L [ ( ) ] f é dfiida por: L [ f ( ) ] F( ) f( )d,

Leia mais

CMC INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE SISTEMAS DE CONTROLE. Aulas: 3 e 4 SISTEMAS LINEARES E EQUAÇÕES DIFERENCIAIS (ED)

CMC INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE SISTEMAS DE CONTROLE. Aulas: 3 e 4 SISTEMAS LINEARES E EQUAÇÕES DIFERENCIAIS (ED) CMC-- - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE SISTEMAS DE CONTROLE Auls: 3 4 SISTEMAS LINEARES E EQUAÇÕES DIFERENCIAIS (ED). Iroução Sisms, sisms físico sisms ghri Excição & rspos um sism Diâmic - Aális iâmic sus ságios:

Leia mais

8 REPRESENTAÇÃO NO ESPAÇO DE ESTADOS

8 REPRESENTAÇÃO NO ESPAÇO DE ESTADOS 8 REPRESENÇÃO NO ESPÇO DE ESDOS 8. Cocio d sdo ( prsção srá fi o domíio do mpo coíuo; s difrçs com o cso discro são pqus srão prsds posriorm. rprsção rd/síd d um sism só é álid qudo, o mpo iicil, o sism

Leia mais

TRANSFORMADA DE LAPLACE- PARTE I

TRANSFORMADA DE LAPLACE- PARTE I TRNSFORMD DE LLE- RTE I Eor. d Barro. INTRODUÇÃO odmo dfiir a Traformada d Laplac como uma opração mamáica qu covr uma fução d variávl ral m uma fução d variávl complxa: Od, F f d i f é uma fução ral da

Leia mais

8 = 1 GRUPO II. = x. 1 ln x

8 = 1 GRUPO II. = x. 1 ln x Tst Itrmédio Mtmátic A Rsolução (Vrsão ) Durção do Tst: 90 miutos 0.04.04.º Ao d Escolridd RESOLUÇÃO GRUPO I. Rspost (A) Tm-s: log^00h log00 + log + 04 06. Rspost (B) S c + m ou s +, tm-s lim. Como lim

Leia mais

Unidade 4 - Vibrações Forçadas sob Condições Gerais

Unidade 4 - Vibrações Forçadas sob Condições Gerais Ui 4 Vibrçõs Forçs sob Coiçõs Gris Ui 4 - Vibrçõs Forçs sob Coiçõs Gris 4. - Iroução Ui 3, foi su vibrção forç sisms um gru libr sob ção forçs hrmôics. s cpíulo, s suo srá sio pr forçs qulqur urz. Iicilm

Leia mais

CONVERSORES CC-CA. CA Aplicações: Inversor monofásico em meia ponte. Inversor monofásico em ponte. Conversores CC-CA de frequência variável

CONVERSORES CC-CA. CA Aplicações: Inversor monofásico em meia ponte. Inversor monofásico em ponte. Conversores CC-CA de frequência variável CONVERSORES ELECTRÓNCOS DE POTÊNCA A ALTA FREQUÊNCA CONVERSORES CC-CA - versores CONVERSORES CC-CA CA Aplicções: Coversores CC-CA de frequêci vriável corolo de velocidde de moores de idução foes de limeção

Leia mais

Capítulo IV TRANSFORMADAS DE LAPLACE

Capítulo IV TRANSFORMADAS DE LAPLACE Cpíulo IV TRANSFORMADAS DE LAPLACE Cpíulo IV Trnormd d Lplc Cpíulo IV O méodo d rnormd d Lplc rolv quçõ dirncii corrpondn problm d vlor inicil problm d vlor ronir O proco d olução coni m rê po principi:

Leia mais

( ) 2. Eletromagnetismo I Prof. Dr. Cláudio S. Sartori - CAPÍTULO VIII Exercícios 1 ˆ ˆ ( ) Idl a R. Chamando de: x y du. tg θ

( ) 2. Eletromagnetismo I Prof. Dr. Cláudio S. Sartori - CAPÍTULO VIII Exercícios 1 ˆ ˆ ( ) Idl a R. Chamando de: x y du. tg θ Elromgnismo Prof. Dr. Cláudio S. Srori - CPÍTUO V Ercícios Emplo Cálculo do cmpo mgnéico d um fio d comprimno prcorrido por um corrn léric num pono P(,,. dl - r + + r dl d P(,, r r + + ( ( r r + + r r

Leia mais

1 Capítulo 2 Cálc l u c lo l I ntegra r l l em m R

1 Capítulo 2 Cálc l u c lo l I ntegra r l l em m R píulo álculo Ingrl m R píulo - álculo Ingrl SUMÁRIO rimiivs imdis ou qus-imdis rimiivção por prs por subsiuição rimiivção d unçõs rcionis Ingris órmul d Brrow ropridds do ingrl dinido Ingris prméricos

Leia mais

O E stado o d o o Solo

O E stado o d o o Solo O Etdo do Solo Índic Fíico Elmnto Contituint d um olo O oloéummtril contituídoporum conjunto d prtícul ólid, dixndo ntr i vzio qu podrão tr prcil ou totlmnt prnchido pl águ. É poi no co mi grl, um itm

Leia mais

MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA FORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE

MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA FORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA ORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE Trjóris Tmos os sguins csos: 1º) S forç rsuln ivr dirção d vlocidd só vrirá o módulo ds rjóri srá rilín. v R Ou R v º) S forç rsuln

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Transformadas de Laplace

Transformadas de Laplace Trformd de plce O MÉTODO O méodo de rformd de plce é um méodo muio úil pr reolver equçõe diferecii ordiári EDO. Com rformd de plce, pode-e coverer mui fuçõe comu, i como, eoidi e morecid, em equçõe lgébric

Leia mais

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados Sisma para vrificação Lógica do Corolo Dzmro 3 4. ális d Sismas d Corol por Espaço d Esados No capiulo arior, vimos qu a formulação d um Prolma Básico d Corolo Ópimo Liar, ra cosidrado um sisma diâmico

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Matrizes

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Matrizes Uiversidde Federl de Pelos Veores e Álgebr Lier Prof : Msc. Merhy Heli Rodrigues Mrizes. Mrizes. Defiição: Mriz m x é um bel de m. úmeros reis disposos em m lihs (fils horizois) e colus (fils vericis)..

Leia mais

Aula 9 Limite de Funções

Aula 9 Limite de Funções Alise Mtemátic I Aul 9 Limite de Fuções Ao cdémico 017 Tem 1. Cálculo Dierecil Noção ituitiv e deiição de ite. Eemplos de ites. Limites lteris. Proprieddes. Bibliogri Básic Autor Título Editoril Dt Stewrt,

Leia mais

Matrizes - Teoria ...

Matrizes - Teoria ... Mrzs - Tor Mrz Rgulr Mrz Rgulr d ord por é u qudro fordo por los dsposos lhs olus ou s Rprsros u rz d lhs olus por Os los d rz srão dfdos por u lr o dos íds o prro íd d lh o sgudo íd olu à qu pr o lo Iguldd

Leia mais

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares Sisms d quçõs Linrs Equção Linr Tod qução do ipo:.. n n Ond:,,., n são os ofiins;,,, n são s inógnis; é o rmo indpndn. E.: d - Equção Linr homogên qundo o rmo indpndn é nulo ( ) - Um qução linr não prsn

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

TRANSFORMADA DE LAPLACE

TRANSFORMADA DE LAPLACE TRANSFORMADA DE LAPLACE Nt cpítulo trtmo d um método d rolução d quçõ difrncii linr d ordm n com coficint contnt condiçõ inici, ou j, trnformd d Lplc.. Dfinição Sj f(t) um função dd pr t, uponhmo qu f

Leia mais

Análise de Circuitos Elétricos. para Engenharia. Sérgio Haffner Luís A. Pereira

Análise de Circuitos Elétricos. para Engenharia. Sérgio Haffner Luís A. Pereira áli d ircui Eléric r Eghri Sérgi Hffr uí. Prir h://lhffr.h.u/ hffr@i.rg lhffr@gil.c Dvlvid r r uilizd c d ul r dicili d ircui Eléric d cur d grduçã Eghri Eléric. vbr 7 ircui Eléric Suári rduçã [5 ági]

Leia mais

Análise de Circuitos Elétricos para Engenharia

Análise de Circuitos Elétricos para Engenharia S dicui,, d uhr rfil fr hi ublici : h://www.rrchg./ublici/6585 áli d ircui Eléric r Eghri E EDS 869 UHOS: Sérgi Hffr Uivridd Fdrl d i Grd d Sul 5 PUOS 68 OS uí lbr Prir Uivridd Fdrl d i Grd d Sul PUOS

Leia mais

MECANISMOS DE REAÇÕES

MECANISMOS DE REAÇÕES /4/7 MECSMS DE REÇÕES rof. Hrly. Mrins Filho Rçõs lmnrs Rçõs qu concm m pns um p são rçõs lmnrs. molculri rção lmnr é o númro moléculs qu rgm. Rção lmnr unimolculr: C molécul m um proili inrínsc s compor

Leia mais

A Função Densidade de Probabilidade

A Função Densidade de Probabilidade Prof. Lorí Vili, Dr. vili@mt.ufrgs.r http://www.mt.ufrgs.r/~vili/ Sj X um vriávl ltóri com conjunto d vlors X(S). S o conjunto d vlors for infinito não numrávl ntão vriávl é dit contínu. A Função Dnsidd

Leia mais

= n + 1. a n. n 1 =,,,,,, K,,K. K descreve uma sequência finita.

= n + 1. a n. n 1 =,,,,,, K,,K. K descreve uma sequência finita. DICIPINA: CÁCUO A CONTEÚDO: EQUÊNCIA PROFEORA: NEYVA ROMEIRO PERÍODO: BIMETRE EQUÊNCIA Um squêc um fução f cujo domío o cojuo dos ros posvos su gráfco o plo y do po, ou d, squêc um cojuo d prs orddos do

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA CIRCUITOS COM FORMAS DE ONDAS PERIÓDICAS NÃO SENOIDAIS APLICAÇÃO DA SÉRIE DE FOURIER (REVISÃO)

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA CIRCUITOS COM FORMAS DE ONDAS PERIÓDICAS NÃO SENOIDAIS APLICAÇÃO DA SÉRIE DE FOURIER (REVISÃO) ELEÔNC DE POÊNC CCUOS COM FOMS DE ONDS PEÓDCS NÃO SENODS PLCÇÃO D SÉE DE FOUE (ESÃO PMEO SEMESE DE 5 CCUOS COM FOMS DE OND PEÓDCS NÃO SENODS. FUNÇÕES PEÓDCS Um ução ( é periódic se: SÉE DE FOUE (ESÃO (

Leia mais

RESPOSTA DO SISTEMA. Resposta em Regime Transitório Resposta em Regime Permanente

RESPOSTA DO SISTEMA. Resposta em Regime Transitório Resposta em Regime Permanente RESPOSTA DO SISTEMA Rsps m Rgm Trsór Rsps m Rgm Prm Exmpls d ssms d prmr rdm Tqu d águ crld pr um bó Tx d vrçã lur é prprcl (H-h) dh k( H h) k h H ( ) Ssm RC, cpcr m sér cm rssr dv C RC ( V V C ) V C RC

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

u seja, pode ser escrito como uma combinação linear de.

u seja, pode ser escrito como uma combinação linear de. Toma d Cayly-Hamilo ja x sja d I α... α poliômio caacísico d. Eão: α α... α α I Toda maiz é um zo d su poliômio caacísico., mos qu qu:... I { I,,..., } u sja, pod s scio como uma combiação lia d. Também,

Leia mais

CÁLCULO I 1º Semestre 2011/2012. Duração: 2 horas e 30 minutos

CÁLCULO I 1º Semestre 2011/2012. Duração: 2 horas e 30 minutos NOVA SCHOOL OF BSINESS AND ECONOMICS CÁLCLO I º Smstr / EXAME ª ÉPOCA - Corrção Jiro Durção: hors miutos Não é prmitido o uso d luldors Não pod dsrr s olhs do uido Rspod d orm justiid tods s qustõs, prstdo

Leia mais

Sistemas e Sinais (LEIC) Resposta em Frequência

Sistemas e Sinais (LEIC) Resposta em Frequência Sismas Siais (LEIC Rsposa m Frquêcia Carlos Cardira Diaposiivos para acompahamo da bibliografia d bas (Srucur ad Irpraio of Sigals ad Sysms, Edward A. L ad Pravi Varaiya Sumário Dfiiçõs Sismas sm mmória

Leia mais

que representa uma sinusoide com a amplitude modulada por uma exponencial. Com s real, tem-se,

que representa uma sinusoide com a amplitude modulada por uma exponencial. Com s real, tem-se, Curo d Engnharia Elcrónica d Compuador - Elcrónica III Frquência Complxa rvião n Conidr- a xprão, σ v V co qu rprna uma inuoid com a ampliud modulada por uma xponncial. Com ral, m-, n σ>0 a ampliud d v

Leia mais

Sistemas Lineares e Invariantes

Sistemas Lineares e Invariantes -4-6 -8 - - -4-6 -8 - - Frequec khz Hmmig kiser Chebshev Fculdde de Egehri Sisems Lieres e Ivries Power Specrl Desi Ev B F CS CS B F CS Groud Revolue Bod Revolue Bod Power/frequec db/hz Sie Wve Joi Acuor

Leia mais

ALGUMAS PROPRIEDADES DAS CURVAS CONVEXAS DO PLANO

ALGUMAS PROPRIEDADES DAS CURVAS CONVEXAS DO PLANO Dprmo d Mmá ALGUMAS PROPRIEDADES DAS CURVAS CONVEXAS DO PLANO Aluo: Pul Muro Nus Ordor: Hr Nols Aux Irodução Nos ds us mmá fz-s prs m odos os lugrs. Ao olor um mod pr lfor ou osgur ls guém pr pr psr m

Leia mais

Transformada de Clarke e Park

Transformada de Clarke e Park Cnro d Tcnologi Pós-Grdução m Engnhri Eléric Aplicçõs d Elrônic d Poênci m Sisms d Poênci Trnsformd d Clrk Prk Prof. Klbr Lim Dprmno d Engnhri Eléric Sumário Obivos Inrodução Trnsformd d Clrk Vor spcil

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS NOTAS DE AULA

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS NOTAS DE AULA Miisério d Educção Uivrsidd Tcológic Fdrl do Prá mpus urii Grêci d Esio Psquis Dprmo Acdêmico d Mmáic EQUAÇÕES DIFERENIAIS NOTAS DE AULA Prof. Pul Frcis Bvids Equçõs Difrcis Prof Pul Frcis Bvids oúdo AULA...

Leia mais

Sinais de Potência. ( t) Período: Frequência fundamental: f = T T

Sinais de Potência. ( t) Período: Frequência fundamental: f = T T Siais d Poêcia P lim ( ) d < Siais Priódicos ( ) ( + ) com Ζ ( ) Príodo: P Frquêcia udamal: ( ) d Exmplos Sial cosa ( ) Sial siusoidal Fas ula Im si θ c Fórmulas d Eulr xp ± jθ cosθ ± j si ( ) θ jθ θ cosθ

Leia mais

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a).

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a). POLINÔMIOS II. TEOREMA DE D ALEMBERT O resto d divisão de um poliômio P(x) por x é igul P(). m m Sej, com efeito, P x x x..., um poliômio de x, ordedo segudo s potecis m m decrescetes de x. Desigemos o

Leia mais

Física III Escola Politécnica GABARITO DA PR 28 de julho de 2011

Física III Escola Politécnica GABARITO DA PR 28 de julho de 2011 Físic III - 4320301 Escol Politécnic - 2011 GABARITO DA PR 28 de julho de 2011 Questão 1 () (1,0 ponto) Use lei de Guss pr clculr o vetor cmpo elétrico produzido por um fio retilíneo infinito com densidde

Leia mais

Solução Numérica para Equações Integrais com Núcleo Fracamente Singular.

Solução Numérica para Equações Integrais com Núcleo Fracamente Singular. Soução uméric r Equçõ Iri com úco Frcm Siur Lordo Guirmo Fi Cro d Ehri Ciêci E d Uivridd Edu do O do Prá Ru d Fcudd 645 Jd S MriTodoPR oui7@hoocombr Rumo: O obivo d rbho é dvovr dicuir covrêci do méodo

Leia mais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais Uso d Álgr ir s Equçõs ifriis íi Gri ol úi Rsd rir Bofim Fuldd d mái FT Uivrsidd Fdrl d Urlâdi UFU 88 - Urlâdi ril d 8 Rsumo Álgr ir é um supor mmáio pr muis árs d iêi Vrmos omo lgus d sus rsuldos podm

Leia mais

1. (6,0 val.) Determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. (considere a mudança de variável u = tan 2

1. (6,0 val.) Determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. (considere a mudança de variável u = tan 2 Istituto Superior Técico Deprtmeto de Mtemátic Secção de Álgebr e Aálise o TESTE DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LMAC, MEBiom e MEFT o Sem. 00/ 5/J/0 - v. Durção: h30m RESOLUÇÃO. 6,0 vl. Determie um

Leia mais

REVISÃO: OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS

REVISÃO: OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS REVISÃO: OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS Estudo dos Siis ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Ord d Cálculo Priiro são rsolvids s oprçõs qu stivr dtro d: PARÊNTESES ( ) COLCHETES [ ] CHAVES { } Ats d

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC. Centro de Ciências Físicas e Matemáticas CFM. Departamento de Matemática.

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC. Centro de Ciências Físicas e Matemáticas CFM. Departamento de Matemática. Uivrsidd Fdrl d S Cri UFSC. Cro d Ciêcis Físics Mmáics CFM. Dprmo d Mmáic. rlho d Coclsão II CC II. Um Irodção pr Corolilidd m Eqçõs Difrciis Ordiáris E.D.O. s. Floriópolis, jlho d 8. Um Irodção pr Corolilidd

Leia mais

Módulo 03. Determinantes. [Poole 262 a 282]

Módulo 03. Determinantes. [Poole 262 a 282] Móulo Not m, ltur sts potmtos ão sps moo lum ltur tt lor prpl r Cm-s à tção pr mportâ o trlo pssol rlzr plo luo rsolvo os prolms prstos lor, sm osult prév s soluçõs proposts, áls omprtv tr s sus rspost

Leia mais

Unidade VI - Estabilidade de Sistemas de Controle com Retroação

Unidade VI - Estabilidade de Sistemas de Controle com Retroação Uidde VI - Etilidde de Sitem de Cotrole com Retroção Coceito de Etilidde; Critério de Etilidde de Routh-Hurwitz; A Etilidde Reltiv de Sitem de Cotrole com Retroção; A Etilidde de Sitem com Vriávei de Etdo;

Leia mais

Computação Gráfica Interativa - Gattass 01/10/15

Computação Gráfica Interativa - Gattass 01/10/15 Coção Gáf I - G 0/0/5 Aoo d Ro d Ro P o o P o o Ição oção O q á f? A q dâ do oo? R T Coção Gáf I - G 0/0/5 So Oão Efo Po Gd d I ê do do o Idd do oo oo Foof D Pooo o éo XX! R T Coção Gáf I - G 0/0/5 C o

Leia mais

Módulo III. Processadores de texto

Módulo III. Processadores de texto Módul F d O Pd d x Flh d Clul F d duvdd @2006 Módul v 1 Pd d x Uldd í djv Wwd d d x Ed u du Sl x Tblh u du Fç d g Fçõ gé Fçõ d x A lz l lu ú @2006 Módul v 2 Pd d x F d dh Tbl M uç Plzç d l dl Cç d lzd

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

MATRIZES E DETERMINANTES LISTA 5

MATRIZES E DETERMINANTES LISTA 5 RACIOCÍNIO LÓGICO - Zé Crlos MATRIZES E DETERMINANTES LISTA 5 RESUMO TEÓRICO Mriz rl Sjm m n dois númros iniros. Um mriz rl d ordm m n é um conjuno d mn númros ris, disribuídos m m linhs n coluns, formndo

Leia mais

CAPÍTULO VIII APROXIMAÇÃO POLINOMIAL DE FUNÇÕES

CAPÍTULO VIII APROXIMAÇÃO POLINOMIAL DE FUNÇÕES CAPÍTULO VIII APROXIMAÇÃO POLINOMIAL DE FUNÇÕES 1. Poliómios de Tylor Sej (x) um ução rel de vriável rel com domíio o cojuto A R e cosidere- -se um poto iterior do domíio. Supoh-se que ução dmite derivds

Leia mais

Cálculo Diferencial II Lista de Exercícios 1

Cálculo Diferencial II Lista de Exercícios 1 Cálculo Difrncil II List d Ercícios 1 CONJUNTO ABERTO E PONTOS DE ACUMULAÇÃO 1 Vrifiqu quis dos conjuntos sguir são brtos m (, ) 1 (, ) 0 (, ) 0 (, ) 0 1 Dtrmin o conjunto d pontos d cumulção do conjunto

Leia mais

Progressões Aritméticas

Progressões Aritméticas Segund Etp Progressões Aritmétics Definição São sequêncis numérics onde cd elemento, prtir do segundo, é obtido trvés d som de seu ntecessor com um constnte (rzão).,,,,,, 1 3 4 n 1 n 1 1º termo º termo

Leia mais

Física III Escola Politécnica Prova de Recuperação 21 de julho de 2016

Física III Escola Politécnica Prova de Recuperação 21 de julho de 2016 Físic III - 4220 Escol Politécnic - 2016 Prov de Recuperção 21 de julho de 2016 Questão 1 A cmd esféric n figur bixo tem um distribuição volumétric de crg dd por b O P ρ(r) = 0 pr r < α/r 2 pr r b 0 pr

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

Revista Bioética ISSN: Conselho Federal de Medicina Brasil

Revista Bioética ISSN: Conselho Federal de Medicina Brasil Revista Bioética ISSN: 1983-8042 bioetica@portalmedico.org.br Conselho Federal de Medicina Brasil de Pontes Regis, Arthur Henrique; Cornelli, Gabriele Situação jurídica dos animais e propostas de alterações

Leia mais

09. Se. 10. Se. 12. Efetue: 13. Calcule C. a é:, determine a matriz X

09. Se. 10. Se. 12. Efetue: 13. Calcule C. a é:, determine a matriz X LIST DE EER MTRIZES E DETERMINNTES PROF ROGERINHO º ENSINO MÉDIO NOME Nº TURM Rrsn n for d l rz, co s, s, Dd rz, co, scrv rz (M O rço d u rz qudrd é so dos lnos d su dgonl rncl O rço d rz ) (, l qu é:

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

Cinemática. s... distância percorrida v s... velocidade instantânea dv a v s v... aceleração instantânea

Cinemática. s... distância percorrida v s... velocidade instantânea dv a v s v... aceleração instantânea Trslção recilíe s... disâci percorrid v s... velocidde isâe dv v s v... celerção isâe dx Ciemáic, s s v d s, sds v v s v v d iorme, v cos, s s v iormemee celerdodescelerdo cos, v v, Trslção crvilíe r...

Leia mais

MATRIZES ... Exemplos: 1) A representação de um tabuleiro de xadrez pode ser feita por meio de uma matriz 8 8.

MATRIZES ... Exemplos: 1) A representação de um tabuleiro de xadrez pode ser feita por meio de uma matriz 8 8. MTRIZES Defiição Couo de úmeros reis ou complexos disposos em form de bel, iso é, disribuídos em m lihs e colus, sedo m e úmeros uris ão ulos m m m Noção: com i,,, m e,,, - elemeo geérico d mriz i - ídice

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL GVIÇÃO UNIVESL z- u ci féric u fr chubo rio, l qu u uprfíci ngnci uprfíci xrn fr chubo p plo cnro priii fr chubo r D coro co Li Grição Unirl, qul rá forç co qu fr chubo rirá u pqun fr locliz à iânci, o

Leia mais

4º Teste de Avaliação de MATEMÁTICA A 12º ano

4º Teste de Avaliação de MATEMÁTICA A 12º ano º (0 / 4) Nº Nome 4º Teste de Avlição de MATEMÁTICA A º o 4 Fevereiro 04 durção 90 mi. Pro. Josué Bptist Clssiicção:, O Pro.:, Grupo I Os sete ites deste rupo são de escolh múltipl. Em cd um deles, são

Leia mais

4.1 Definição e interpretação geométrica de integral definido. Somas de Darboux.

4.1 Definição e interpretação geométrica de integral definido. Somas de Darboux. Aálse Memá I - Ao Levo 006/007 4- Cálulo Iegrl emr 4. Defção e erpreção geomér de egrl defdo. Soms de Drou. Def.4.- Sej f() um fução oíu o ervlo [, ]. M e m o mámo e o mímo vlor d fução, respevmee. Se

Leia mais

TRANSFORMADAS DE FOURIER

TRANSFORMADAS DE FOURIER TRASORMADAS DE OURIER Dfção: É a raformação qu lva uma magm a r rprada o domío da frqüêca Io é poívl porqu uma magm pod r dcompoa m fuçõ o coo com dfr frqüêca amplud A vaagm prcpal d rabalhar o domío da

Leia mais

CONCURSO DE SELEÇÃO 2003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

CONCURSO DE SELEÇÃO 2003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO 003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 41100 0$7(0É7,&$ RESOLUÇÃO PELA PROFESSORA MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA $ LOXVWUDomR TXH VXEVWLWXL D RULJLQDO GD TXHVWmR H DV GDV UHVROXo}HV

Leia mais

GABARITO. 2 Matemática A. 08. Correta. Note que f(x) é crescente, então quanto menor for o valor de x, menor será sua imagem f(x).

GABARITO. 2 Matemática A. 08. Correta. Note que f(x) é crescente, então quanto menor for o valor de x, menor será sua imagem f(x). Eensivo V. Eercícios ) D y = log ( + ) Pr = : y = log ( + ) y = log y = Noe que o gráfico pss pel origem. Porno, únic lerniv possível é D. ) M + = log B B M + = log B B M + = log + log B B Como M = log

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

5 ANÁLISE EM TERMOS DE MODELOS ENTRADA/SAÍDA DO TIPO FUNÇÃO DE TRANSFERÊNCIA. 5.1 Respostas a Perturbações Típicas dos Sistemas Contínuos

5 ANÁLISE EM TERMOS DE MODELOS ENTRADA/SAÍDA DO TIPO FUNÇÃO DE TRANSFERÊNCIA. 5.1 Respostas a Perturbações Típicas dos Sistemas Contínuos 5 ANÁLISE EM ERMOS DE MODELOS ENRADA/SAÍDA DO IPO FUNÇÃO DE RANSFERÊNCIA Arovio lhç ooro r i oío iro o o, iiil rá rli áli r o o o i oío. O ooro o i iro o irio rá lio o fil o ílo, ro riii ifrç oo o i oío.

Leia mais

Aula Teste de Controle de Sistemas e Servomecanismos

Aula Teste de Controle de Sistemas e Servomecanismos Aul Tete de Controle de Sitem e Servomecnimo Crlo Edurdo de Brito Nove crlonov@gmil.com 3 de mio de 202 Expnão em frçõe prcii A expnão em frçõe prcii é um procedimento pr otenção de um frção lgéric de

Leia mais

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Módul MOTORES E BUSCA NA NTERNET duç Pqu d ç d gé Pqu d ç B d d Ulzç d d -l F d duç -l @2007 v 1 O qu é? A é d udl d d d ud qu uç l qulqu ud d ud, d lh u C u? Avé d u ju d l (g d uç TCP/P) qu ê gd vg d

Leia mais

Disciplina de Princípios de Telecomunicações Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva

Disciplina de Princípios de Telecomunicações Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCE DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA Disciplia de Pricípios de elecomuicações Pro. MC. Leoardo Gosioroski da Silva Séries e rasormadas de Fourier Aálise de um sial seoidal o empo

Leia mais

N Ao fim de 3 horas e 30 minutos existem, aproximadamente, 898 indivíduos.

N Ao fim de 3 horas e 30 minutos existem, aproximadamente, 898 indivíduos. TEMA INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DIFERENCIAL II Fuçõs pociis lorítmics N O úmro iicil d idivíduos é N,, Ao im d ors miutos istm, proimdmt, idivíduos Pr qulqur istt t tm-s Nt N t t t b t t c q d c d b c d b c

Leia mais

Método de Eliminação de Gauss. Método de Eliminação de Gauss

Método de Eliminação de Gauss. Método de Eliminação de Gauss Método de Elimição de Guss idei básic deste método é trsormr o sistem b um sistem equivlete b, ode é um mtriz trigulr superior, eectudo trsormções elemetres sobre s lihs do sistem ddo. Cosidere-se o sistem

Leia mais

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como J. A. M. Flipp d Soz Igris (rsmo l) Igris A igrl idfiid d m fção f() é rprsd como f ( τ) Por oro ldo, igrl dfiid, rprsd como f ( τ), f ( τ) τ o f ( τ) dτ 3 d fz Som d Rim q clcl ár so crv m m irvlo m dfiido

Leia mais

Perfis de modulação upstream para placas de linhas de cabo

Perfis de modulação upstream para placas de linhas de cabo d dulç u l d lh d b Íd Iduç é-u Ru lzd vçõ Iê lu u d l d dulç l d l d dulç (u) ódg DOI.-d ( d IO w d) ódg DOI.-d ( ) lu Adddu d l d dulç l d lh d lgd ( ) l d lh d M l d lh M Aêd A álul d h d l u - D Aêd

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Rgim Diuro/Nocturo Discipli d COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ao lctivo d 7/8 - º Smstr Utilizdo itgris d lih

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA. CA Aplicações: Inversor monofásico em meia ponte. Inversor monofásico em ponte. Conversores CC-CA de frequência variável

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA. CA Aplicações: Inversor monofásico em meia ponte. Inversor monofásico em ponte. Conversores CC-CA de frequência variável ELECRÓNCA DE POÊNCA CA Aplicções: versores Coversores CC-CA de frequêci vriável corolo de velocidde de moores de idução foes de limeção iierrupíveis (UPS) vridores de frequêci foes de limeção móveis quecimeo

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA DE PLANTAS CONTRA FITOPATÓGENOS

MECANISMOS DE DEFESA DE PLANTAS CONTRA FITOPATÓGENOS ECANIO DE DEFEA DA PLANTA Dç: r â ECANIO DE DEFEA DE PLANTA CONTRA FITOPATÓGENO ABIENTE DOENÇA rgr Crg FCAV/UNEP 2015 PLANTA PATÓGENO P R O C E O F I I L Ó G I C O ECANIO DE DEFEA DA PLANTA (AGRIO, 1997)

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE SECAGEM DE UM SECADOR DE PLANTAS MEDICINAIS E AROMÁTICAS

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE SECAGEM DE UM SECADOR DE PLANTAS MEDICINAIS E AROMÁTICAS UNIVESIDADE FEDEAL DE VIÇOSA CENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E DE PODUÇÃO CUSO DE ENGENHAIA ELÉTICA MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE SECAGEM DE UM SECADO DE

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

1 Introdução e Base Matemática

1 Introdução e Base Matemática J. A. M. Flipp Souz Iroução Bs Mmáic Iroução Bs Mmáic Iroução Bs Mmáic 3. O úmro imgiário 3. Númros complxos 4.3 Oprçõs com úmros complxos 9.4 O so o co-so.5 A qução Eulr 5.6 A g 7.7 As ivrss so, co-so

Leia mais

DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE - QFD UM MODELO CONCEITUAL APLICADO EM TREINAMENTO

DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE - QFD UM MODELO CONCEITUAL APLICADO EM TREINAMENTO G 996 DDBM D FUÇÃ QUDD QFD UM MD U D M M h v, M M h h, hd Jã B, M F gh jbá F / D çã D v. B,.0 hh jbá MG 700000 b: h h f g h f y, w, h k f g, whh h h. h Qy F Dy ( QFD ) hq g b f g h h w. Fy, QFD y hw g

Leia mais