AVALIAÇÃO (VALUATION) DE TÍTULOS PÚBLICOS BRASILEIROS: ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO EM RELAÇÃO ÀS VARIAÇÕES NA TAXA CDI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO (VALUATION) DE TÍTULOS PÚBLICOS BRASILEIROS: ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO EM RELAÇÃO ÀS VARIAÇÕES NA TAXA CDI"

Transcrição

1 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN AVALIAÇÃO (VALUATION) DE TÍTULOS PÚBLICOS BRASILEIROS: ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO EM RELAÇÃO ÀS VARIAÇÕES NA TAXA CDI Bruno Péres Ferreira UFMG Flávia Vial Januzzi UFMG Anônio Arur de Souza UFMG Resumo Ese arigo aresena os resulados de uma esquisa que eve como objeivo avaliar a sensibilidade da renabilidade dos seis rinciais índices da ANDIMA (Associação Nacional das Insiuições do Mercado Financeiro) em relação às variações nna axa CDI (Cerificado de Deósio Inerbancário). Considerando-se um horizone de revisão de cinco dias úeis, realizou-se a análise dos dados com base no méodo de Veor de Correção de Erros, Simulação Mone Carlo e Mariz de Cholesky. Os resulados aonaram que, denre os íulos úblicos brasileiros, a Lera Financeira do Tesouro foi o único a aresenar uma relação direamene roorcional com os choques de curo razo na axa CDI. Consaou-se ambém uma volailidade mais elevada dos íulos de maior mauridade em relação aos demais. Palavras-chaves: íulos úblicos, axa de juros, veor de correção de erros, função imulso- resosa.

2 1. INTRODUÇÃO Um dos rinciais insrumenos de caação de recursos financeiros é a emissão de íulos de dívida, seja or emresas ou or governos. Na área ública, em esecial, essa fone de recursos ode ser usada ara o financiameno da aividade esaal, ara a amliação da receia e ara o conrole de inflação, denre ouros objeivos, e semre envolve axa de juros e endividameno das insiuições esaais. Segundo Ferreira (2004), os íulos de dívida são influenciados or mudanças nas axas de juros, inflação, axa de câmbio, mercado de renda variável, denre ouros faores. Tal imaco se manifesa no reço de negociação desses íulos, o que é reflexo da demanda dos agenes or essa alernaiva de invesimeno. O resene rabalho aresena uma análise que em como objeivo faciliar a comreensão de como as mudanças na axa básica de juros endem a influenciar o reço ou, indireamene, a renabilidade desses íulos. Esa esquisa em enfoque no mercado secundário de íulos úblicos brasileiros, endo em visa o efeio de curo razo de movimenos na axa SELIC (Sisema Esecial de Liquidação e Cusódia) sobre a renabilidade e o reço desses íulos. Cumre desacar que essa relação considerou o efeio de variáveis exógenas, a saber: axa de câmbio PTAX (média das axas efeivas de ransação no mercado inerbancário, onderada elo volume de ransações) e mercado de renda variável, reresenado elo IBOVESPA (Índice da Bolsa de Valores de São Paulo). Para incororar a inflação e ossíveis efeios enre os indicadores dos íulos úblicos, iso é, índices de mercado da ANDIMA (Associação Nacional das Insiuições do Mercado Financeiro), foi uilizado o méodo Veor de Correção de Erros (VEC), viso que os índices já incororam as execaivas de inflação, manifesadas nas negociações de íulos úblicos no mercado secundário. Para incororar o efeio de mudanças na axa SELIC, reresenadas ela axa CDI (Cerificados de Deósio Inerbancário), foi imlemenada uma função imulsoresosa conjugada com Simulações de Mone Carlo e Mariz de Cholesky. Uma das quesões relacionadas à gesão de renda fixa é a avaliação do valor de aivos em relação a condições de mercado, ais como axas de juros, axas de câmbio, liquidez, ineresse enre agenes, denre ouros asecos que imlicam a valuaion desses aivos (DAMODARAN, 2002; ASSAF NETO, 2001). Conudo, denre essas variáveis, a axa de juros ambém é um insrumeno de olíica moneária, de forma que seu aamar decorre ano 2

3 da araividade do mercado quano da decisão de agenes financeiros, como o Comiê de Políica Moneária (COPOM). O resene esudo avalia o efeio de variação na axa básica de juros sobre a renabilidade dos íulos úblicos brasileiros, or meio dos seis índices mais reresenaivos da negociação desses aéis, indicados ela ANDIMA, considerando o imaco indireo das variáveis macroeconômicas já desacadas. Aós a devida modelagem, foi obido um valor esimado ara a remuneração indicada elo mercado, denro de um horizone de revisão de cinco dias, a fim de incororar os efeios de curo razo. 2. FUNDAMENTOS DE VALUATION A avaliação do valor de um aivo, o que é denominado na área financeira or valuaion, envolve a idenificação dos asecos que influenciam na erceção de valor or are dos agenes inseridos no mercado financeiro. Essa erceção é fundamenada em diversos faores, ais como: o valor que as ações e ouros íulos de uma organização são negociados no mercado de caiais; variáveis econômicas e gerenciais que inerferem na execaiva de resulados do negócio; e asecos caracerísicos inernos à emresa objeo de avaliação. A imorância da avaliação do valor de um aivo decorre de sua consideração elos agenes do mercado em suas decisões de invesimeno, o que envolve a conjugação das informações obidas na valuaion com os ineresses de olíicas de invesimenos relacionadas a cada agene do mercado financeiro. Dessa forma, a areciação do aivo manifesa-se no valor resulane nas ransações relacionadas à roriedade da emresa, como a aquisição de uma organização e o invesimeno em ações de uma comanhia de caial abero. Essa avaliação, conforme aona Damodaran (2002), vola-se ara diversas informações sobre a organização, que vão desde dados hisóricos do mercado de caiais e de derivaivos aé as informações inernas de gesão, que serão uilizadas no desenvolvimeno da areciação do aivo elos agenes de mercado. O acesso às informações é uma quesão fundamenal, viso que a riqueza de dados deve conribuir ara o desenvolvimeno de avaliações de maior consisência. Cumre ressalar que esse acesso deve ser emesivo, endo em visa a adequação emoral das análises derivadas da avaliação da emresa. 3

4 De acordo com Hichner (2006), a deerminação do valor de um aivo ode ser realizada or meio de meodologias que uilizam dados financeiros relacionados ao aivo, bem como de dados referenes à sua oeração e à sua relação com o seu mercado de auação, ais como o Fluxo de Caixa Desconado, o Valor Parimonial e a Avaliação Relaiva ou or Múlilos. Ouras meodologias que devem ser desacadas são o cálculo do Valor Econômico Adicionado, o Valor de Liquidação e o Valor de Reosição. Desaca-se que a meodologia do Valor Econômico Adicionado e os cálculos do Valor de Liquidação e de Reosição odem ser considerados, resecivamene como uma derivação do cálculo do Fluxo de Caixa Desconado e derivações do Valor Parimonial. Oura abordagem de avaliação do valor de uma emresa, segundo Hichner (2006), em como base informações sobre a negociação dos aivos de caial no mercado de renda variável. Denro desse conexo, desacam-se os esudos relacionados ao Valor de Mercado, fundamenados na areciação das ações no mercado de caiais. Conudo, essa meodologia ode ser influenciada or asecos caracerísicos do mercado de caiais, ais como eseculações e arbiragens, denre ouras anomalias de mercado. Essas meodologias ossibiliam a delimiação do valor do aivo considerando asecos como o reço idenificado elos agenes do mercado de caiais, a execaiva de reorno das oerações e dos negócios da organização, a execaiva de evolução do arimônio e a da sua auação no mercado. Conudo, ara que essa rojeção se concreize, diversas variáveis conexuais devem aresenar um comorameno condizene com as condições assumidas nos modelos de avaliação alicados, o que consise nas incerezas sobre o valor, iso é, o risco vinculado aos modelos de valuaion. O risco envolve a variação no comorameno dos reornos de um invesimeno, decorrene da influência do comorameno de variáveis, as quais, or sua vez, causam imacos na dinâmica dos aivos relacionados aos invesimenos e na erceção dos agenes do mercado. Esses imacos inerferem significaivamene nas execaivas sobre o desemenho das alernaivas de alicação. Assim, consoane Hichner (2006), o objeivo de uma valuaion ode ser delimiado como a avaliação de um aivo considerando informações financeiras inernas, ais como: (i) demonsraivos financeiros, (ii) fluxos de caixa e execaivas de resulados e reornos das aividades e negócios organizacionais, (iii) a observação da areciação dos íulos da emresa no mercado de caiais e de derivaivos e (iv) o valor de organizações similares, o que ode 4

5 ser inerreado como referenciais de valor e a incororação de faores de risco vinculados às execaivas de resulados decorrenes do invesimeno na emresa objeo de avaliação. Os resulados da avaliação do aivo serão inerreados conforme as erceções e ineresses de cada agene, de maneira que a erceção de valor ossa resular em disinas disosições e ineresses de invesimeno na emresa. Asecos como meas de desemenho de fundos de invesimeno, ineresses de longo razo, inserção de mercado, diversificação de oerações são exemlos de ineresses disinos que odem se manifesar em uma aquisição de uma emresa TÍTULOS PÚBLICOS BRASILEIROS No camo dos esudos financeiros, os íulos úblicos esão inseridos na emáica dos valores mobiliários de renda fixa, que são conceiuados como insrumenos financeiros que romeem uma renda redeerminada ao deenor durane cero eríodo de emo, o que ode ambém ser comreendido como a osse de um fluxo de caixa definido (ASSAF NETO, 2001). Uma caracerísica imorane na valuaion da maioria dos valores mobiliários de renda fixa é a indexação dos fluxos de caixa a um conjuno de coningências ou índices de mercado. Tal indexação é incororada denro da definição de aivos de renda fixa, ois uma definição mais abrangene ara esses invesimenos é a de que seus fluxos de caixa são fixos à exceção de variações devidas a circunsâncias bem definidas (LUENBERGER, 1998). No mercado financeiro brasileiro, exise uma diversidade de valores mobiliários de renda fixa. Enreano, desaca-se que um dos rinciais mercados é o que envolve a ransação de íulos da dívida mobiliária do governo federal. Os rês níveis de adminisração do Poder Execuivo emiem íulos de crédio com os seguines objeivos: (a) aneciação de receia fiscal; (b) financiameno do défici orçamenário; (c) financiameno de invesimenos úblicos. Na esfera federal, exisem ainda íulos emiidos ara fins de olíica moneária, viso que esses íulos ossibiliam, or meio de ajuses na axa básica de juros, influenciar o nível de liquidez resene no mercado. Os rinciais íulos governamenais são os seguines: Lera do Tesouro Nacional (LTN), Lera Financeira do Tesouro (LFT), Noa do Tesouro Nacional (NTN), Bônus do Banco Cenral (BBC), Lera do Banco Cenral (LBC), Noa do 5

6 Banco Cenral (NBC). No Quadro 1, aresenam-se as rinciais caracerísicas desses íulos governamenais. Em relação às formas de valoração de íulos, serão exosas duas meodologias. A rimeira aura o reço aual desse ael, seguindo a lógica do rendimeno efeivo do íulo de renda fixa aé seu vencimeno; ao asso que a segunda mensura o valor de mercado do íulo. Para elucidar a quesão de avaliação de íulos, o conceio de duraion ambém será discuido de forma breve. Quadro 1: Tios de Tíulos úblicos Tio de Tíulo Público Lera do Tesouro Nacional (LTN) Lera Financeira do Tesouro (LFT) Noa do Tesouro Nacional (NTN) Bônus do Banco Cenral (BBC) Lera do Banco Cenral (LBC) Noa do Banco Cenral (NBC) Fone: Assaf Neo (2001) Caracerísica Emiido elo Tesouro Nacional (TN) ara coberura do défici orçamenário, com renabilidade refixada. Também emiido elo TN ara coberura do défici, com renabilidade ós-fixada. Emiido elo TN ara coberura do défici, com renabilidade ós-fixada, ossuindo diversas séries, cada qual com índice de aualização rório (e.g., IGPM, US$, TR). Tíulo emiido elo BC ara fins de olíica moneária, com renabilidade ós ou refixada definida ela axa Selic. Emiido elo BC ara fins de olíica moneária, com renabilidade ós-fixada, definida ela axa Selic. Também emiido elo BC, ara fins de olíica moneária, com renabilidade ós-fixada, ossuindo diversas séries, cada qual com índice de aualização rório (e.g., US$, Selic) VALUATION DE TÍTULOS PÚBLICOS Assaf Neo (2001) conceiua YTM (yield o mauriy Reorno aé o Vencimeno) como sendo o rendimeno efeivo do íulo de renda fixa aé seu vencimeno. A deerminação do YTM leva em consideração o reço de mercado do íulo e os fluxos de rendimenos associados. O auor ambém saliena que o YTM ode ser caracerizado como sendo a axa de juros que iguala o valor resene do fluxo de agamenos o qual consise dos agamenos de cuom e a devolução do rincial (valor de face) no vencimeno do íulo ao seu reço aual. A arir dessa definição, fica evidene que o Reorno aé o Vencimeno (YTM) é a axa inerna de reorno do íulo avaliado ao reço de mercado. Como exemlo, suõe-se que um íulo com um valor de face F faz agamenos de cuom de C or ano e resam n eríodos aé 6

7 o vencimeno do íulo. Suondo ainda que o reço aual do íulo é de P, enão o Reorno aé o Vencimeno será o valor de al que : P F n 1 k 1 1 n O valor de, equivalene ao YTM, é a axa de juros inrínseca ao íulo. Observa-se que o rimeiro ermo da fórmula (1) é o valor resene do agameno do rincial (valor de face). O k-ésimo ermo no somaório é o valor resene do k-ésimo agameno de cuom C. Assaf Neo (2001) desacou que o reço de mercado do íulo é obido de maneira similar a formulação do YTM; no enano, a axa de descono uilizada é a remuneração exigida elo mercado (k). Dessa forma, ara um íulo com rendimenos eriódicos, em-se a seguine reresenação: P 0 F C n 1 k k1 1 k n Logo, P 0 reresena o reço de mercado do íulo e k é uma abreviação ara a remuneração indicada elo mercado. O auor suraciado ambém saliena que a avaliação de íulos e os juros de mercado endem a aresenar um comorameno inverso. Dessa forma, quando as axas de mercado elevam-se, os reços de negociação dos íulos são reduzidos, e, quando ocorre uma queda na axa de juros, ode ser observada uma valorização nos reços de mercado dos íulos. Como os cuons manêm-se fixos durane a mauridade do íulo, variações no reorno irão afear unicamene o reço do ael. A relação enre o reço e o reorno do íulo ode ser modificada se: O reorno oferecido elo íulo se igualar ao cuom, sendo que o valor de mercado do íulo será igual ao valor de face; O reorno aurado elo íulo for inferior ao cuom, sendo que o íulo será negociado com ágio, ou seja, a um reço suerior ao valor de face; e O reorno do íulo for suerior ao agameno do cuom, sendo que o reço de mercado sofrerá um descono, ou seja, deságio, de modo que será negociado or um valor inferior ao de face. Ouro aseco que inerfere na avaliação de íulos de renda fixa, abordado or Assaf Neo (2001), é o razo assumido na aquisição do íulo, reresenado ela sua mauridade, o que demanda o cálculo de uma medida de duração reresenaiva dos resulados de caixa C k k (1) (2) 7

8 eserados desse íulo. Uma avaliação uilizada ara esse razo é a deerminação da duraion roosa or Macaulay (1938), que ode ser assim exressa: DURATION em que: n 1 C ( ) (1 YTM ) P C é o valor do agameno do íulo (rincial e rendimenos) em cada momeno ; () é o emo decorrido ae a daa do agameno; n é a mauridade oal do íulo; YTM é o Reorno aé o Vencimeno; e P 0 é o reço de mercado do íulo desconado elo YTM. 0 (3) Por meio da análise da fórmula (3), é ossível inferir que o duraion será equivalene ao emo médio que um invesidor arda em receber seus fluxos de caixa (caial alicado e rendimenos). Quano maior o duraion, mais exoso esará o íulo a mudanças na axa de juros. Nesa esquisa, foi uilizada uma searação enre íulos úblicos com uma duração suerior ou inferior a cinco anos, al como foi alicada na base de dados consulada na ANDIMA. Diane disso, desaca-se, na seção 5, o méodo e os dados que foram uilizados no desenvolvimeno do rabalho. 3. METODOLOGIA Para o desenvolvimeno da esquisa, foram uilizados dados de frequência diária, obidos em fones secundárias de insiuições financeiras brasileiras. O esudo insere-se em uma abordagem insiucionalisa, na qual se busca descrever e comreender relações enre variáveis vinculadas à roblemaização do ema esudado. Os modelos uilizados seguem uma remissa bayesiana, ois as simulações ressuõem que a relação enre as variáveis se maném ao longo do emo. As análises foram efeuadas no sofware E-views 5.0 (Eviews ), com os dados imorados a arir do Microsof Excel (Excel ). Alexander (2001) enfaiza a ossível resença de uma relação de causalidade enre as variáveis que comõe um deerminado modelo. Diane disso, Johnson e Dinardo (1996) 8

9 sugerem a alicação do chamado Tese de Causalidade de Granger, que consise em averiguar, a arir de um indicador x 2 ajudam a melhorar a comreensão do indicador x 1, no momeno, se informações assadas e correnes de x 1, e/ou vice-versa. A direção de causalidade do modelo deende do número de ermos defasados inclusos. Logo, ara os indicadores x 1 e x 2, não coinegrados, em-se: k k x1 0 1i x1 i 2i x2i 1 i1 i1 (4) k k x2 0 1i x1 i 2i x2i 2 i1 i1 (5) Assim, se algum dos coeficienes 2i for diferene de zero, ode-se, ara as disinas defasagens, rejeiar, esaisicamene, a ausência de causalidade, o que indica que x 2 deve causar x 1 de acordo com o Tese de Granger. Em relação a x 2, se algum dos 1i for esaisicamene significaivo, a variável x 1 aresena efeios em x 2. Esse modelo ode ser exandido ara k indicadores or meio da esruuração de um modelo Veorial Auorregressivo (VAR). Essa exansão de ordem aresena a seguine forma maricial: em que: y y y y (6) y1, y2, y ; y, 1,0 2,0,0 ; i k 1,1, 2,1,,1, 1,2, 2,2, k,2, 1, k, 2, k, k, k, ; 1, 2,, (7) em que: y é o veor de indicadores no momeno ; é o veor de consanes 0 ; i é a mariz k x k relacionada aos coeficienes m, n, enre os y do veor de indicadores no momeno ; e é o veor de ermos esocásicos no momeno. relaivo às defasagens m e n Caso os indicadores aresenem efeios de coinegração, um ajuse sugerido or Alexander (2001) é a uilização de um Modelo de Correção de Erros (ECM). Esse modelo 9

10 envolve a incororação ao VAR de um oerador de rimeira diferença relacionada às funções (6) e (7). Para a generalização maricial, em-se: em que: y 1 y 1 2 y2 y 1h 1 2h 2 h (8) i k 1,1, 2,1,,1, 1,2, 2,2, k,2, 1, k, 2, k, k, k, (9) h x1 x2 Durane a esimação dos veores auorrregressivos, emregou-se os modelos de correção de erros, a fim de adequar os efeios de coinegração enre as variáveis dos modelos roosos elo resecivo rabalho e consolidar uma abordagem esaisicamene adequada ara auração de resulados no acomanhameno e conrole da avaliação dos íulos de renda fixa. A função imulso-resosa ambém foi muio relevane ara efeuar as análises. Brooks (2003) saliena que a função imulso-resosa ossibilia averiguar se as mudanças em uma dada variável ossuem efeios osiivos ou negaivos sobre as demais variáveis do sisema, bem como consaar o emo necessário ara al efeio ser incororado. Dessa forma, ara cada variável da equação, é submeido um choque uniário na erurbação, sendo os efeios sobre o sisema loados graficamene. Se exisem g variáveis no sisema, oderá ser gerado um oal de g 2 choques. Conforme aona Hull (1998), a simulação do comorameno de variáveis que influenciam em um invesimeno ode ser realizada ela Simulação Mone Carlo (SMC), em que, or meio da geração de uma amosra de números aleaórios, com mais de (dez mil) elemenos, são consiuídas disribuições de robabilidade ara as variáveis simuladas. Essas disribuições são uilizadas ara consruir cenários que são alicados na consecução de eses de sress e ara a realização de medidas de avaliação de invesimenos. A SMC ena aroximar o comorameno de variáveis que afeam um aivo financeiro. No enano, alguns asecos devem ser considerados. Primeiro, observa-se que o desenvolvimeno de simulações ossibilia a consaação de efeios decorrenes de cenários hioéicos vinculados a variáveis que aresenem relação com o comorameno de invesimenos. 10

11 Segundo, consaa-se que os resulados obidos or meio das simulações devem ser objeos de eses de consisência. Tal análise indica a adequação da referida medida ara a exosição ao risco, ou seja, a volailidade na marcação a mercado dos íulos úblicos federais, viso que resulados mais adequados ossibiliam que invesidores ajusem correamene suas alicações considerando a execaiva de reorno dos invesimenos. Terceiro, sabe-se que uma maneira de imlemenar a SMC é arindo da consrução de sequências aleaórias de números, desenvolvidas or meio de um algorimo que gere uma disribuição uniforme no inervalo [0,1] 1. Essa disribuição é ransformada ara o formao desejado, or meio de méodos esaísicos ou ela função inversa de Moro, em que é uilizada a função inversa da disribuição de robabilidade acumulada da disribuição normal de Gauss N(y), que aresena valores enre 0 e 1.2. Assim, ara se gerarem variáveis aleaórias com disribuição normal, deve-se calcular y al que x = N(y), sendo que x aresena disribuição uniforme, ou seja: y N 1 ( x) (10) Quaro, noa-se que a SMC deve levar em consideração a ossibilidade de correlação enre os diversos aivos que comõe a careira de invesimenos. Para ano, um rocedimeno que ode ser uilizado é a ransformação de Cholesky, a qual viabiliza a geração de comoramenos aleaórios coerenes com as correlações enre os aivos resenes em um orfólio 3. Basicamene, a ransformação de Cholesky consise em um veor com N variáveis aleaórias que aresena a esruura de variância-covariância E[ ' ], sendo λ uma mariz simérica e real, a qual ode ser decomosa na faoração de Cholesky como: AA' (11) em que: A é uma mariz riangular inferior, denominada mariz de Cholesky; e A, a ransosa da mariz A. 1 Sob ese aseco, ver Scaena (2004). 2 Para a imlemenação da simulação, foram uilizadas funções aroximadas ara a inversa da função de N 1 ( x) robabilidade acumulada da disribuição normal. 3 Essa écnica ambém ode ser efeivada or meio da decomosição da mariz de correlações enre as variáveis uilizadas ara o desenvolvimeno da simulação. 11

12 Seja um veor ε de dimensão N 1, comoso de variáveis normais indeendenes, com média 0 e variância 1, ou seja, enão, realizar a seguine ransformação linear: E[ '] I, em que I é a mariz idenidade. Pode-se, A (12) Logo, calcula-se a mariz de variância-covariância: 2 ˆ ( ) E[ ' ] E[ A ' A' ] AE[ '] A' 2 ˆ ( ) AIA' AA' (13) As variáveis uilizadas nas simulações (Quadro 2) basearam-se em uma amosra referene ao eríodo enre 04/04/2005 e 21/11/2008, inclusive. Os dados uilizados no desenvolvimeno das simulações corresondem aos dias úeis do eríodo ciado, o que oalizou uma amosra de 913 observações diárias, exraídas da ANDIMA. Quadro 2: Dados uilizados no Veor de Correção de Erros e SMC Séries Sigla Fone Comenários Taxa de câmbio (PTAX) R$ / US$ - livre - comra - média diária Taxa de juros CDI - diária - (% a.d.) IRF-M PTAX CDI LTN_NT NF BACEN BACEN ANDIMA IMA-S LFT ANDIMA IMA-C 5 NTNC5 ANDIMA Taxa de câmbio do real. Obs.: coações ara conabilidade. Taxas calculadas e divulgadas ela CETIP, auradas com base nas oerações de emissão de Cerificados de Deósios Inerfinanceiros refixados, acuadas or um dia úil e regisradas e liquidadas elo sisema CETIP. Comoso elos íulos úblicos federais refixados que esejam em oder do úblico, de maneira a servir de referencial ara as alicações de renda fixa refixadas. É baseado nos reços de ais íulos negociados no mercado secundário. Baseado nos reços efeivados nas ransações em mercado secundário dos íulos ós-fixados indexados à axa SELIC - Leras Financeiras do Tesouro - LFT. Não esão inclusas na careira as séries LFT-A e LFT-B. Índice mensurado ela comosição or íulos úblicos federais em oder do úblico, com razo de vencimeno menor ou igual a cinco anos e 12

13 Séries Sigla Fone Comenários arelados ao Índice Geral de Preços ao Mercado - IGP-M. IMA-C 5+ NTNC5m ANDIMA IMA-B 5 NTNB5 ANDIMA IMA-B 5+ NTNB5m ANDIMA Índice de ações - Ibovesa - (% a.d.) Bov ANDIMA Comoso or íulos úblicos federais em oder do úblico, com razo de vencimeno maior que cinco anos e arelados ao Índice Geral de Preços ao Mercado - IGP-M. Índice mensurado ela comosição or íulos úblicos federais em oder do úblico, com razo de vencimeno menor ou igual a cinco anos e arelados ao Índice de Preços ao Consumidor Amlo (IPCA). Comoso or íulos úblicos federais em oder do úblico, com razo de vencimeno maior que cinco anos e arelados ao Índice de Preços ao Consumidor Amlo - IPCA. Variação mensal do Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovesa). Fone: IPEA (2008), ANDIMA (2008), BACEN (2008). Os índices da ANDIMA foram uilizados, rincialmene, ara reresenar o comorameno do mercado secundário de íulos úblicos federais. Esses índices são consiuídos elo Méodo de Laseyres, que ondera os reços ela quanidade do eríodobase. Todos os índices uilizados nas SMC foram analisados or meio de esaísicas descriivas e eses de normalidade. Com isso, rocurou-se uilizar, na geração de resulados da simulação, variações adequadas às disribuições de frequência aferidas ara cada um dos indicadores alicados nas SMC. 4. AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE TAXA DE JUROS E TÍTULOS PÚBLICOS Por meio da uilização do sofware E-views, foi ossível emregar os méodos discuidos aneriormene ara esimar modelos que rojeassem o comorameno do reorno dos íulos, conforme os índices da ANDIMA, ara um horizone de revisão de cinco dias em face às variações nas variáveis macroeconômicas relevanes. 13

14 O ressuoso básico do rabalho erassa ela consideração de que exise uma relação enre as variáveis consideradas, ou seja, ao mesmo emo em que a variável deendene em seu valor deerminado elo comorameno das indeendenes, a relação inversa ambém se manifesa, de forma a se maner no longo razo, gerando a chamada relação de coinegração. Tal suosição jusifica a uilização dos modelos de veores auorregressivos e o veor de correção dos erros que incorora a coinegração na equação esimada elo VAR. Para viabilizar a esimação da função esímulo-resosa, emregou-se a Simulação Mone Carlo ara gerar os choques nos resíduos. A mariz de Cholesky foi alicada ara correlacionar esses choques, incororando a relação exisene enre as variáveis do modelo. Como esse índice é comoso or íulos úblicos refixados, exise um comorameno inverso em relação à variável CDI (como aonado elo VEC e ela função imulsoresosa), de forma que aumenos na axa de juros básica da economia (SELIC) imacam em reduções no reorno do índice. Choques de curo razo no reorno do CDI, defasadas ara dois e rês dias, geraram uma queda no reorno dos íulos. Adicionalmene, é relevane desacar os efeios das variáveis exógenas sobre a geração dos choques aleaórios. A axa de câmbio PTAX e o Ibovesa aresenaram, resecivamene, uma relação inversa e uma relação indirea com a variável deendene. Uma correlação negaiva e oura osiiva foram inseridas na mariz de Cholesky sinalizando os efeios indireos das variáveis exógenas. A queda mais acenuada no reorno do íulo ocorreu no erceiro dia de revisão, sendo aroximadamene igual á 0,012% a.d. Aós cinco dias, eserase uma queda acumulada em orno de 0,045% (Figuras 1 e 2). O NTNB5 reresena o índice comoso or íulos úblicos federais cujo razo de vencimeno é inferior ou igual a cinco anos e cujo indexador é reresenado elo IPCA. Por meio da analise da função imulso-resosa, é ossível inferir que aumenos na axa de juros básica da economia endem a gerar redução na axa de inflação e consequene dereciação na renabilidade dos íulos que comõem o índice (Figura 3). No erceiro dia de revisão, os íulos indexados ao IPCA aresenaram um reorno róximo a 0,020%. Nos cinco dias seguines, o índice desvalorizou-se em 0,07%. 14

15 Figura 1: Função Imulso-Resosa ara choques no CDI em relação à renabilidade diária da Lera do Tesouro Nacional e Noa do Tesouro nacional Tio F (LTN_NTNF) ara um horizone de aé cinco dias úeis. Resosa da LTN e NTN-F ara o CDI Resosa Acumulada da LTN e NTN-F ara o CDI Fone: Elaborado elos auores Figura 2: Função Imulso-Resosa ara choques no CDI em relação à renabilidade diária da Lera Financeira do Tesouro (LFT) ara um horizone de aé cinco dias úeis. Resosa da LFT ara o CDI Resosa Acumulada da LFT ara o CDI Fone: Elaborado elos auores O indicador NTN-B 5M diferencia-se do referencial de íulos anerior or aresenar os aéis com um razo de mauridade suerior a cinco anos. È ineressane observar que esse íulo de longo razo ossui maior sensibilidade a oscilações negaivas na CDI do que o de curo (Figura 4). Esse resulado converge com a afirmação de Fabozzi (2004) de que íulos de maior mauridade endem a aresenar um grau de risco maior. Dessa forma, no erceiro dia 15

16 de revisão, a queda na renabilidade dessa NTN-B será róxima de 0,045%, ao asso que, aós cinco dias, o decréscimo acumulado oalizará cerca de 0,14%. Figura 3: Função Imulso-Resosa ara choques no CDI em relação à renabilidade diária da Noa do Tesouro Nacional Tio B (NTNB5) ara um horizone de aé cinco dias úeis. Resosa da NTN-B com vencimeno inferior a 5 anos ara o CDI Resosa Acumulada da NTN-B com vencimeno inferior a 5 anos ara o CDI Fone: Elaborado elos auores Figura 4: Função Imulso-Resosa ara choques no CDI em relação à renabilidade diária da Noa do Tesouro Nacional Tio B (NTNB5M) ara um horizone de aé cinco dias úeis. Resosa da NTN-B com vencimeno suerior a 5 anos ara o CDI Resosa Acumulada da NTN-B com vencimeno suerior a 5 anos ara o CDI Fone: Elaborado elos auores O NTNC5 é um índice mensurado comoso or íulos úblicos federais, com razo de vencimeno menor ou igual a cinco anos, indexados ao IGP-M (Índice Geral de Preços ao Mercado). Por meio da análise gráfica (Figura 5), é ossível inferir que elevações na axa de juros imacaram inicialmene na queda da renabilidade do índice, sai qual se siuou no aamar róximo a 0,004% a.d no segundo dia. No enano, é níida a recueração do reorno 16

17 no erceiro dia (0,001%), a qual ameniza a queda acumulada nos cinco dias revisa na simulação, no monane um ouco inferior á 0,0065%. O NTNC5M diferencia-se do índice aneriormene descrio or ossuir um razo de mauridade suerior a cinco anos. No segundo dia de revisão, a queda na renabilidade do índice alcançou aamares róximos a % a.d. Tal comorameno foi acomanhado de sucessivas elevações e decréscimos que conribuíram ara uma erda de renabilidade acumulada de aroximadamene 0.021% ao final dos cinco dias úeis analisados (Figura 6). Logo, íulos com maior duração endem a esar associados a um maior risco. Figura 5: Função Imulso-Resosa ara choques no CDI em relação à renabilidade diária da Noa do Tesouro Nacional Tio C (NTNC5) ara um horizone de aé cinco dias úeis. Resosa da NTN-C com vencimeno inferior a 5 anos ara o CDI Resosa Acumulada da NTN-C com vencimeno inferior a 5 anos ara o CDI Fone: Elaborado elos auores Figura 6: Função Imulso-Resosa ara choques no CDI em relação à renabilidade diária da Noa do Tesouro Nacional Tio C (NTNC5M) ara um horizone de aé cinco dias úeis Resosa da NTN-C com vencimeno suerior a 5 anos ara o CDI Resosa Acumulada da NTN-C com vencimeno suerior a 5 anos ara o CDI Fone: Elaborado elos auores 17

18 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os íulos úblicos brasileiros aresenaram sensibilidade às variações da axa do CDI, considerada uma axa roxy ara a SELIC, de maneira que aumenos na axa de juros imlicaram valorização dos íulos LFT e queda de renabilidade dos íulos LTN e NTN, ios B, C e F. Esses resulados são condizenes com esudos aneriores desenvolvidos na área de renda fixa, como consaado ara os íulos da dívida dos EUA, os chamados Treasuries, (cf. FABOZZI, 2004). Além disso, de acordo com os resulados observados, como uma LFT é indexada à SELIC, aumenos nesse índice devem acarrear valorização desse íulo federal. Já uma LTN é um ael com renabilidade refixada, de forma que aumenos nos juros da economia diminuem o valor desse io de íulo, o que ambém aconece com a NTN-F. Em relação aos íulos NTN-B e NTN-C, os aumenos na axa de juros odem esar relacionados a olíicas de conrole inflacionário, ocasionando a erda de renabilidade em virude de os seus resecivos indexadores, IPCA e IGP-M, oderem aresenar uma endência de redução nessas circunsâncias. Em ermos de grandeza, os resulados ara a simulação da renabilidade diária dos íulos úblicos brasileiros foram condizenes com os valores idenificados elos IMAs da ANDIMA divulgados em 17 de dezembro de Isso é um reflexo da consisência da abordagem VEC ara a análise de indicadores que odem aresenar algum io de correlação e inerdeendência. Ouro aseco consaado foi o de que íulos com maior volailidade esão associados com maior duração, iso é, aresenam maiores razos aé o vencimeno. Segundo Ferreira (2004), ais aivos de renda fixa devem aresenar maiores riscos como decorrência de roblemas de liquidez, axa de juros, inflação, denre ouras variáveis que odem inerferir no fluxo de caixa do íulo. Assim, o razo de duração desse fluxo ambém conribui ara o risco do invesimeno. Nas simulações, os íulos com duração suerior a cinco anos indicaram uma volailidade maior do que íulos com vencimenos menores que esse razo. REFERÊNCIAS 18

19 ALEXANDER, C. Modelos de Mercados Um Guia ara a Análise de Informações Financeiras. São Paulo: Ed. BM&F, ANDIMA - Associação Nacional das Insiuições do Mercado Financeiro. Disonível em: <h://www.andima.com.br/>. Acesso em 31 mar ASSAF NETO, A. Mercado Financeiro. São Paulo: Alas, BACEN Banco Cenral do Brasil. Disonível em: h://www.bcb.gov.br/. Acesso em 31 mar BROOKS, C. Inroducory Economerics for Finance. Cambrige Universiy Press, DAMODARAN, A. Invesmen Valuaion: ools and echniques for deermining he value of any asse. 2. ed. New York: Wiley, FABOZZI, F. J. Mercados, análise e esraégias de bônus: (íulos de renda fixa). Rio de Janeiro: Qualiymark, FERREIRA, L.F. R. Manual de Gesão de Renda Fixa. Poro Alegre: Bookman, HITCHNER, J. R. Financial Valuaion: alicaion and models. New Jersey: Wiley, HULL, J. C. Oções, Fuuros e Ouros Derivaivos 3. ed. São Paulo: Bolsa de Mercadorias e Fuuros, IPEA Insiuo de Pesquisa Econômica Alicada. Disonível em: <h://www.iea. gov.br/defaul.js>. Acesso em 31/mar/2009. JOHNSTON, J; DINARDO, J. Economeric Mehods. 4. ed. McGraw-Hill/Irwin, Ocober, LUENBERGER, D.G. Invesmen Science. Oxford: Oxford Universiy Press, MACAULAY, F. R. Some heorical roblems suggesed by he movemens of ineres raes, bonds yield and sock rices in he Unied Saes since New York: Naional Bureau of Economics Research, SECURATO, J. R. Cálculo financeiro das esourarias: bancos e emresas. 3. ed. São Paulo: Sain Paul,

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 A produção e difusão de informações esaísicas é uma imporane aividade desenvolvida

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Cointegração Entre Mercados de Capitais Emergentes e Mercados Desenvolvidos e Seus Impactos Sobre a Diversificação Internacional de Portfólios

Cointegração Entre Mercados de Capitais Emergentes e Mercados Desenvolvidos e Seus Impactos Sobre a Diversificação Internacional de Portfólios Coinegração Enre Mercados de Caiais Emergenes e Mercados Desenvolvidos e Seus Imacos Sobre a Diversificação Inernacional de Porfólios Auoria: Wagner Moura Lamounier, Else Moneiro Nogueira, Laura Edih Taboada

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

Estrutura a Termo das Taxas de Juros Estimada e Inflação Implícita Metodologia

Estrutura a Termo das Taxas de Juros Estimada e Inflação Implícita Metodologia Esruura a Termo das Taxas de Juros Esimada e Inflação Implícia Meodologia Versão Abril de 2010 Esruura a Termo das Taxas de Juros Esimada e Inflação Implícia Meodologia SUMÁRIO 1. ESTRUTURA A TERMO DAS

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Elaine Aparecida Fernandes RESUMO: Diane da consaação de que os spreads bancários brasileiros (diferença enre as axas de juros de capação e aplicação dos bancos) se enconram em

Leia mais

2 O mercado de opções

2 O mercado de opções 2 O mercado de opções O mercado de opções adquiriu maior popularidade a parir da criação da Chicago Board Opions Exchange, em abril de 1973. A aberura objeivava especificamene a negociação de opções sobre

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre de 2007

8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre de 2007 8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Ocubre de 27 OPTIMIZAÇÃO DO PERÍODO DE SUBSTITUIÇÃO PREVENTIVA DE COMPONENTES EM FUNÇÃO DOS CUSTOS José Mendonça Dias *, José Gomes

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Úlima revisão: JANEIRO 00 A reprodução e a disribuição dese manual fora do Modal sem a devida auorização é erminanemene proibida e consiui uma violação da políica de conroles

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

Série Textos para Discussão

Série Textos para Discussão Universidade Federal do Rio de J a neiro Insiuo de Economia Teses de Racionalidade para Loerias no Brasil TD. 010/2004 Marcelo Resende Marcos A. M. Lima Série Texos para Discussão Teses de Racionalidade

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO Newon C. A. da Cosa Jr., Milon Biage Deparameno de Economia, UFSC Waldemar Ferreira e Marco Goular Deparameno de Adminisração, UFAM Curso de Pós-Graduação

Leia mais

ANÁLISE DA VOLATILIDADE DOS MERCADOS BRASILEIROS DE RENDA FIXA E RENDA VARIÁVEL NO PERÍODO 1986-2006

ANÁLISE DA VOLATILIDADE DOS MERCADOS BRASILEIROS DE RENDA FIXA E RENDA VARIÁVEL NO PERÍODO 1986-2006 ANÁLISE DA VOLATILIDADE DOS MERCADOS BRASILEIROS DE RENDA FIXA E RENDA VARIÁVEL NO PERÍODO 1986-006 RESUMO: Nara Rosei UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Mauricio Ribeiro do Valle UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Jorge

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012)

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012) Uma Análise Sobre a Susenabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-202) Jaime Ferreira Dias * José Luis Oreiro ** Resumo: Ese arigo em por objeivo analisar a dinâmica

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

FUSÃO DE EMPRESA CRIANDO VALOR AO ACIONISTA UMA ANÁLISE FACE AO RISCO NA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

FUSÃO DE EMPRESA CRIANDO VALOR AO ACIONISTA UMA ANÁLISE FACE AO RISCO NA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL FUSÃO DE EMPRESA CRIANDO VALOR AO ACIONISTA UMA ANÁLISE FACE AO RISCO NA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Taiana Barros Pinheiro de Oliveira Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Av.: Dos Economisas,

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN INSIDER TRADING E GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PERFIL E PRÁTICA DOS INSIDERS DE EMPRESAS DE GOVERNANÇA

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso Avaliação do Fair Value dos Direios de Exploração Mineral de Granio com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Esudo de Caso Resumo Ese esudo invesiga a aplicação da eoria de opções reais em reservas

Leia mais

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Eficácia das Inervenções do Banco Cenral do Brasil sobre a Volailidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Fernando Nascimeno de Oliveira, Alessandra Plaga Conens: Keywords: 1. Inrodução; 2. Dados; 3.

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Rcupom ) 1. Rcupom = cupomt. cupom ) 11 1 12 t

Rcupom ) 1. Rcupom = cupomt. cupom ) 11 1 12 t Eficiência de Fundos de Previdência: uma Análise das Classes de Fundos Disponíveis no Mercado Luiz Guilherme Eseves Marques Mesre em Adminisração área de concenração Finanças pelas Faculdades Ibmec e Analisa

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15.

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15. Economia e Finanças Públicas Aula T21 6.3 Resrição Orçamenal, Dívida Pública e Susenabilidade 6.3.1 A resrição orçamenal e as necessidades de financiameno 6.3.2. A divida pública 6.3.3 A susenabilidade

Leia mais

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA 3 PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA Felipe Lacerda Diniz Leroy 1 RESUMO Nese arigo,

Leia mais

ANDRÉ FRANZEN DETERMINANTES DO FLUXO DE INVESTIMENTO DE PORTFÓLIO PARA O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

ANDRÉ FRANZEN DETERMINANTES DO FLUXO DE INVESTIMENTO DE PORTFÓLIO PARA O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Cenro Sócio Econômico - CSE Programa de Pós-Graduação em Economia (Mesrado) ANDRÉ FRANZEN DETERMINANTES DO FLUXO DE INVESTIMENTO DE PORTFÓLIO PARA O MERCADO ACIONÁRIO

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO 7. ENTILADORES INTRODUÇÃO eniladores são máquinas de fluxo geradoras que ransmiem a energia mecânica recebida do eixo ara o fluido (gás). Seu funcionameno é similar às bombas, sendo a rincial diferença

Leia mais

INESC Coimbra. Manuel Paulo Calado João Paulo Costa

INESC Coimbra. Manuel Paulo Calado João Paulo Costa Insiuo de Engenharia de Sisemas e Comuadores de Coimbra INESC Coimbra Manuel Paulo Calado João Paulo Cosa Um Modelo de Planeameno Financeiro ara Classificação de Soluções Não-Dominadas em Programação Linear

Leia mais

TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS. Ana Ester Farias

TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS. Ana Ester Farias TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS por Ana Eser Farias Disseração apresenada ao Curso de Mesrado do Programa de Pós-Graduação em Adminisração, Área de Concenração em

Leia mais

Isabel Schutt 1 João Caldeira 2

Isabel Schutt 1 João Caldeira 2 1 Análise de Esilo Dinâmica de Fundos Mulimercados: Aplicação para o Mercado Brasileiro Isabel Schu 1 João Caldeira Resumo: Ese arigo aplica o modelo de análise de esilo baseado em reornos (RBSA) considerando

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Estrutura a termo da taxa de juros. Previsão. Redes neurais artificiais. Abstract

Resumo. Palavras-chave: Estrutura a termo da taxa de juros. Previsão. Redes neurais artificiais. Abstract 1 Área 8: Microeconomia, Méodos Quaniaivos e Finanças Classificação JEL: G17 PREVISÃO DA ESTRUTURA A TERMO DA TAXA DE JUROS BRASILEIRA USANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Breno de Oliveira Aranes * Resumo

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS GUSTAVO DE SOUZA E SILVA; PEDRO VALENTIM MARQUES; ESALQ/USP

OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS GUSTAVO DE SOUZA E SILVA; PEDRO VALENTIM MARQUES; ESALQ/USP XLIV CONGRESSO DA SOBER Quesões Agrárias, Educação no Campo e Desenvolvimeno OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS GUSTAVO DE SOUZA E SILVA; PEDRO VALENTIM MARQUES;

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTOS BASEADA EM INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: MODELO RESIDUAL INCOME VALUATION - OHLSON VERSUS R- SCORE PIOTROSKI

ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTOS BASEADA EM INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: MODELO RESIDUAL INCOME VALUATION - OHLSON VERSUS R- SCORE PIOTROSKI ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTOS BASEADA EM INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: MODELO RESIDUAL INCOME VALUATION - OHLSON VERSUS R- SCORE PIOTROSKI Marcio Alessandro Werneck* secrearia.pesquisa@fucape.br Valcemiro Nossa*

Leia mais

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil "Conhecimenos para Agriculura do Fuuro" ANÁLISE DA INTERDEPENDÊNCIA TEMPORAL DOS PREÇOS NOS MERCADOS DE CRIA RECRIA E ENGORDA DE BOVINOS NO BRASIL HENRIQUE LIBOREIRO COTTA () ; WAGNER MOURA LAMOUNIER (2)..UNIVERSIDADE

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

MODELOS VAR, TAXAS DE JURO E INFLAÇÃO

MODELOS VAR, TAXAS DE JURO E INFLAÇÃO MODELOS VAR, TAXAS DE JURO E INFLAÇÃO Jorge Caiado. INTRODUÇÃO Os méodos esruurais de modelização de equações simulâneas usam a eoria económica ara descrever as relações enre imoranes variáveis económicas.

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EPGE DURAÇÃO DA VENDA DE IMÓVEIS EM LANÇAMENTO NO BRASIL

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EPGE DURAÇÃO DA VENDA DE IMÓVEIS EM LANÇAMENTO NO BRASIL FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV ESCOLA DE ÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EGE DURAÇÃO DA VENDA DE IMÓVEIS EM LANÇAMENTO NO BRASIL Disseração submeida à Congregação da Escola de ós Graduação em Economia (EGE-FGV)

Leia mais

MODELOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE FLUXO DE CAIXA DESCONTADO, DE DIVIDENDOS E MÚLTIPLOS

MODELOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE FLUXO DE CAIXA DESCONTADO, DE DIVIDENDOS E MÚLTIPLOS MODELOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE FLUXO DE CAIXA DESCONTADO, DE DIVIDENDOS E MÚLTIPLOS Elisson Albero Tavares Araujo (FNH) elisson_albero@yahoo.com.br Leandro Eduardo Vieira Barros

Leia mais

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil Vol. 5, No.2 Viória-ES, Mai Ago 2008 p. 144-151 ISSN 1807-734X Fluxo de Caixa, ADRs e Resrições de Crédio no Brasil Crisiano M. Cosa Deparmen of Economics, Universiy of Pennsylvania Lourenço Senne Paz

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil O impaco de requerimenos de capial na ofera de crédio bancário no Brasil Denis Blum Rais e Silva Tendências Márcio I. Nakane Depep II Seminário Anual sobre Riscos, Esabilidade Financeira e Economia Bancária

Leia mais

Impacto dos Formadores de Mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Resumo

Impacto dos Formadores de Mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Resumo Impaco dos Formadores de Mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Resumo Auoria: Marcelo Auguso Ambrozini, Luiz Eduardo Gaio, Carlos Albero Grespan Bonacim, Eduardo

Leia mais

Sistema Expectativas de Mercado

Sistema Expectativas de Mercado Direoria de Políica Econômica Deparameno de elacionameno com Invesidores e Esudos Especiais Sisema Expecaivas de Mercado com informações aé março de 2015 S é r i e Pergunas Mais Frequenes Sisema Expecaivas

Leia mais

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL FUNÇÕES CONVEAS EM EORIA DE APREÇAMENO DE OPÇÕES POR ARBIRAGEM UILIZANDO O MODELO BINOMIAL Devanil Jaques de SOUZA Lucas Moneiro CHAVES RESUMO: Nese rabalho uilizam-se écnicas maemáicas elemenares, baseadas

Leia mais

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho i UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS Mauro Rezende Filho DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

QUEBRA ESTRUTURAL, MODELAGEM E PREVISÃO DO PREÇO DO CAFÉ BRASILEIRO

QUEBRA ESTRUTURAL, MODELAGEM E PREVISÃO DO PREÇO DO CAFÉ BRASILEIRO 1 QUEBRA ESTRUTURAL, MODELAGEM E PREVISÃO DO PREÇO DO CAFÉ BRASILEIRO Carlos Enrique Carrasco Guierrez Douor em Economia ela Fundação Geúlio Vargas - RJ E-mail: carlosenrique@ucb.br Universidade Caólica

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo A Guerra enre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo Auoria: Anonio Zorao Sanvicene, Rogério da Cosa Moneiro Resumo: Uilizando, pela primeira vez em nosso

Leia mais

Renata Amarante de Andrade Monte Alto UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO PASSADO DAS AÇÕES SOBRE MÚLTIPLOS PREÇO VALOR PATROMINAL

Renata Amarante de Andrade Monte Alto UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO PASSADO DAS AÇÕES SOBRE MÚLTIPLOS PREÇO VALOR PATROMINAL Ibmec São Paulo Faculdade de Economia e Adminisração Renaa Amarane de Andrade Mone Alo UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO PASSADO DAS AÇÕES SOBRE MÚLTIPLOS PREÇO VALOR PATROMINAL São

Leia mais

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas)

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas) 2.1 Previsão de emanda Conceios básicos Méodos de Previsão iscussão Formulação do Problema emanda: disposição ao consumo emanda versus Vendas Faores que afeam a emanda (Vendas) Economia, Mercado, Preços,

Leia mais