BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011"

Transcrição

1 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20

2 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para um cojuto de aplicações, visualizado simultaeamete o relacioameto existete etre eles. O modelo produzido auxiliará à criação da Base de Dados pretedida. Dois íveis (Duas fases): Coceptual: Represetação o mais aproximada possível da realidade a modelar, sem cosiderar restrições técicas ao ível da implemetação. Físico: Adaptação do modelo coceptual costruído ateriormete às características de um sistema iformático específico.

3 Modelo Coceptual Existem ormalmete duas abordages para a cocepção e modelação de uma base de dados: Bottom-Up Parte da idetificação dos ites mais elemetares de iformação (atributos) e prossegue agrupado-os e idetificado os relacioametos etre eles. Esta é a metodologia mais comummete utilizada o processo de costrução de bases de dados,sedo ormalmete composta pelas seguites fases: Modelo Etidade / Relacioameto Aálise das depedêcias fucioais Costrução do modelo

4 Modelo Coceptual Top-Dow: Normalmete mais utilizada em grades projectos, ode a quatidade e complexidade da iformação a modelar é elevada. Começa pela idetificação de grades objectos de iformação (etidades). Idetifica os relacioametos etre etidades e os atributos que compõem cada uma. Apreseta como pricipais vatages: Costrução faseada Facilita a comuicação etre o aalista (autor do modelo) e o implemetador. Não exige o levatameto atecipado de todos os ites de iformação (atributos) a icluir a base de dados. Facilidade em lidar com grades quatidades de iformação.

5 Modelo Etidade / Relacioameto Etidade: Qualquer objecto ou coceito com iteresse para a orgaização a respeito da qual é ecessário registar iformação. Esta deve poder ser idetificada de forma uívoca. Exemplos: Fucioário, Departameto, Produto, Peça, Cotrato,... Atributo: Toda a propriedade relativa a uma etidade pode ser classificada como um atributo. Devem ser elemetos atómicos de iformação. Relacioameto: Ligação lógica etre diferetes etidades. Professor Esia Disciplia (Número, Nome,...) (Código, Descrição,...)

6 Diagrama de Ocorrêcias O Diagrama de Ocorrêcias serve para exemplificar um relacioameto etre etidades. Exemplo: Professor P P2 P3 P4 Disciplia D D2 D3 D4...Um professor pode leccioar várias disciplias...cada disciplia só é leccioada por um professor...todas as disciplias são leccioadas por algum professor

7 Diagrama Etidade / Relaccio. Relacioameto de grau : sem participação obrigatória de ehuma das etidades. Cada istâcia de qualquer das etidades pode-se relacioar o máximo com uma istâcia da outra etidade. A B A A2 A3 B B2 B3 A4 B4

8 Diagrama Etidade / Relaccio. Relacioameto de grau : com participação obrigatória de uma das etidades. No lado da etidade obrigatória todas as istâcias têm obrigatoriamete que se relacioar com uma istâcia da outra relação. A B A A2 A3 A4 B B2 B3

9 Diagrama Etidade / Relaccio. Relacioameto de grau : com participação obrigatória de ambas as etidades. Qualquer istâcia tem obrigatoriamete que se relacioar com uma istâcia da outra relação A B A B A2 A3 B2 B3

10 Diagrama Etidade / Relaccio. Relacioameto (A,B) de grau :N sem participação obrigatória. Cada istâcia de uma etidade (A) pode-se relacioar com istâcias da outra (B). No etato cada istâcia desta (B) apeas se relacioa, o máximo com uma etidade de (A). A B A B A2 A3 B2 B3 B4

11 Diagrama Etidade / Relaccio. Relacioameto (A,B) de grau :N com participação obrigatória de (A). Cada istâcia de (A) pode-se relacioar com istâcias de (B), tedo o míimo que se relacioar com uma. Ao ivés, cada istâcia de (B) apeas se relacioa, o máximo com uma etidade de (A). A B A A2 B B2 B3 B4

12 Diagrama Etidade / Relaccio. Relacioameto (A,B) de grau :N com participação obrigatória de (B). Cada istâcia de (A) pode-se relacioar com istâcias de (B), tedo o míimo que se relacioar com uma. Ao ivés, cada istâcia de (B) apeas se relacioa, o máximo com uma etidade de (A). A B A A2 B B2 B3 B4

13 Diagrama Etidade / Relaccio. Relacioameto (A,B) de grau N:M sem participação obrigatória. Cada istâcia de (A) pode-se relacioar com M de (B). Cada istâcia de (B) pode-se relacioar com N de (A) A m B A A2 A3 B B2 B3 B4

14 Diagrama Etidade / Relaccio. Relacioameto (A,B) de grau N:M com participação obrigatória de (A). Cada istâcia de (A) pode-se relacioar com M de (B), tedo o míimo que se relacioar com uma. Cada istâcia de (B) pode-se relacioar com N de (A) A m B A A2 A3 B B2 B3 B4

15 Diagrama Etidade / Relaccio. Relacioameto (A,B) de grau N:M com participação obrigatória de ambas as etidades. Cada istâcia de (A) pode-se relacioar com M de (B), tedo o míimo que se relacioar com uma. Cada istâcia de (B) pode-se relacioar com N de (A) tedo igualmete que se relacioar com uma o míimo. A m B A A2 A3 B B2 B3 B4

16 Diagrama Etidade / Relaccio. Regra de Relacioameto: Modelação de relacioametos biários de grau : e participação obrigatória de ambas as etidades: Apeas é ecessária uma relação. A chave dessa relação pode ser a chave primária de qualquer das etidades. Professor Disciplia BI NomeProf CodDisciplia Descricao 23 Aa 567 Álgebra 65 José 782 Aálise

17 Diagrama Etidade / Relaccio. Regra de Relacioameto: Modelação de relacioametos biários de grau : e participação obrigatória de apeas uma das etidades. Professor Disciplia Surgirão valores ull sempre que uma disciplia ão tiver professor BI NomeProf CodDisciplia Descricao 23 Aa 567 Álgebra 65 José 782 Aálise ull ull 762 Química São ecessárias duas relações, uma para cada etidade. A chave primária da etidade com participação ão obrigatória é usada como atributo a relação com participação obrigatória. BI NomeProf CodDisciplia 23 Aa José 782 CodDisciplia Descrição 567 Álgebra 782 Aálise 762 Química

18 Diagrama Etidade / Relaccio. Regra de Relacioameto: Modelação de relacioametos biários de grau : sem participação obrigatória ehuma das etidades. Professor Disciplia A criação de uma relação, ou a sua sub-divisão em duas, origia sempre o potecial aparecimeto de valores ulos. Neste caso são ecessárias 3 relações, uma para cada etidade e a terceira para modelar os relacioametos etre elas. BI NomeProf 23 Aa 65 José 898 Pedro BI CodDisciplia CodDisciplia Descrição 567 Álgebra 782 Aálise 762 Química

19 Diagrama Etidade / Relaccio. Regra de Relacioameto: Modelação de relacioametos biários de grau :N sem participação obrigatória ehuma das etidades. Professor Disciplia Neste caso são ecessárias 3 relações, uma para cada etidade e a terceira para modelar os relacioametos etre elas. A chave da tabela correspodete ao relacioameto será composta pela cojuto das chaves das duas etidades a modelar. BI NomeProf 23 Aa 65 José 898 Pedro BI CodDisciplia CodDisciplia Descrição 567 Álgebra 782 Aálise 762 Química 9825 Física

20 Diagrama Etidade / Relaccio. Regra de Relacioameto: Modelação de relacioametos biários de grau :N com participação obrigatória do lado (N) Professor Disciplia Esta situação pode ser modelada eficietemete por duas relações, em que a relação do lado (N) se coloca como chave extera a chave primária da outra relação. A chave primária de cada relação correspode à chave primária de cada etidade. BI NomeProf 23 Aa 65 José 898 Pedro CodDisciplia Descrição BI* 567 Álgebra Aálise Química Física 65

21 Diagrama Etidade / Relaccio. Regra de Relacioameto: Modelação de relacioametos biários de grau :N com participação obrigatória do lado () Professor Disciplia Neste caso são ecessárias três relações, uma para cada etidade e a terceira para modelar o relacioameto. A chave primária da tabela de relacioameto será a composição da chave primária das restates etidades. BI NomeProf 23 Aa 65 José 898 Pedro BI CodDisciplia CodDisciplia Descrição 567 Álgebra 782 Aálise 762 Química 9825 Física 528 Biologia

22 Diagrama Etidade / Relaccio. Regra de Relacioameto: Modelação de relacioametos biários de grau M:N. Professor m Disciplia Neste tipo de relacioametos são sempre ecessárias 3 tabelas. Uma para cada etidade e a terceira para modelar o relacioameto. Tal como os casos ateriores, a chave primária desta relação será a composição das chaves das restates etidades. BI NomeProf 23 Aa 65 José 898 Pedro BI CodDisciplia CodDisciplia Descrição 567 Álgebra 782 Aálise 762 Química 9825 Física 528 Biologia

23 Diagrama Etidade / Relaccio. Regra de Relacioameto: Modelação de relacioametos etre K etidades (K>2). Professor Disciplia m Sala Neste tipo de relacioametos são sempre ecessárias o míimo (K+) tabelas. Uma para cada etidade e a ultima para modelar o relacioameto existete. Tal como os casos ateriores, a chave primária da tabela relacioameto será a composição das chaves das restates etidades.

24 Modelo Coceptual Processo de desevolvimeto de uma base de dados: Aálise de requisitos. Fase iicial do processo de costrução de uma base de dados. Correspode à recepção de toda a iformação e cojuto de regras que goverarão o sistema pretedido. Costitui uma fase uclear, uma vez que serve de fote a todo o subsequete processo de desevolvimeto. Idetificação de etidades. A partir da iformação recebida a fase aterior, idetificam-se e agrupam-se todos os ites de iformação relevate.

25 Modelo Coceptual Processo de desevolvimeto de uma base de dados: Idetificação dos atributos próprios de cada etidade. Este será o cojuto de atributos que pertecem exclusivamete a cada uma das etidades idetificadas o potos aterior. Após esta fase, cada uma das etidades permaecerá isolada, ão existido atributos que deotam a existêcia de relações etre etidades. Idetificação de relacioametos etre etidades. Após a idetificação de cada etidade parte-se para a aálise de relacioametos etre etidades. Quais as que se relacioam etre si? De que forma será feita esse relacioameto?

26 Modelo Coceptual Processo de desevolvimeto de uma base de dados: Aálise da cardialidade e obrigatoriedade das relações. Para o cojuto de relacioametos idetificados ateriormete, idetificar o tipo, cardialidade e obrigatoriedade de cada um. É um relacioameto biário? Terário? Do tipo de perteça, respeitate a,...? É obrigatório para alguma das relações? Para todas? Qual a cardialidade da relação? Costrução de relações. Após a fase aterior é possível esboçar o cojuto de relações e respectivos atributos (próprios e de relacioameto) que irão compor a base de dados.

27 Modelo Coceptual Processo de desevolvimeto de uma base de dados: Idetificação de chaves cadidatas e exteras. Tedo as relações defiidas é ecessário idetificar claramete os atributos ou cojutos de atributos que podem ser usados como chaves primárias das relações (as chaves cadidatas). Os atributos que deotam relacioametos (chaves exteras) devem também merecer ateção especial. Normalização do modelo. Os passos ateriores permitiram a costrução de um primeiro modelo do sistema. É ecessário proceder à sua optimização, executado o processo de ormalização associado ao modelo relacioal.

28 Modelo Coceptual Processo de desevolvimeto de uma base de dados: Optimização do modelo. A fase aterior (ormalização) pode ter acrescetado regras ou restarições ao sistema? É importate garatir que as premissas origiais permaecem satisfeitas. Fialmete pode-se partir para a optimização do modelo a implemetar. Alguma das chaves primárias idetificadas tem demasiados atributos, ou o tipo de algum atributo pode costituir problema? Será preferível implemetar chaves uméricas sequeciais a algumas das relações? Quais?

29 Modelo Coceptual Processo de desevolvimeto de uma base de dados: É importate otar que o processo de costrução descrito ateriormete é iterativo e ormalmete regressivo, isto é, em cada mometo pode ser ecessária a passagem a fases ateriores, por forma a resolver problemas apeas idetificados posteriormete. A aálise de requisitos será em ultimo caso o poto de partida de cada ova abordagem, e é de importãcia relevate a sua qualidade. Todas as regras estão claramete defiidas? Eucia os obejectivos pretedidos para o sistema? Existem ambiguidades? É objectiva?

30 Modelo Coceptual Por vezes a aálise de requisitos ão forece toda a iformação ecessária para a implemetação da base de dados de suporte ao sistema de iformação. Caso seja possível cosultar as fotes de iformação ecessárias, será sempre esta a situação preferível, por forma a ajustar a base de dados o mais possível ao pretedido Caso cotrário, cabe ao aalista/implemetador a terefa de fazer assumpções sobre o fucioameto do sistema, codicioado de alguma forma o seu desempeho.

31 Modelo Coceptual - Exemplo Uma empresa de distribuição de combustíveis decidiu implemetar um sistema de fidelização de clietes através da atribuição de potos por abastecimetos efectuados. O texto que se segue é um resumo resultate da aálise de requisitos etretato efectuada: Temos este mometo 256 postos distribuídos pelo Cotiete e Regiões Autóomas e estamos firmemete decididos a alargar a ossa quota de mercado. Para isso pesámos em laçar uma ova promoção que visa essecialmete a atribuição de potos aos clietes por cada litro de combustível abastecido. Cada cliete que deseje aderir basta efectuar o processo de registo um dos ossos postos e ser-lhe-à atribuído um cartão de acumulação de potos. Estes poderão posteriormete ser trocados por um cojuto de predas ou por litros de combustível. Sedo os combustíveis a ossa área de egócio, decidimos atribuir uma boificação de 5% sobre a totalidade de potos aos clietes que optem pela troca por combustível.

32 Modelo Coceptual - Exemplo A iovação desta campaha reside o diamismo da cotação de cada tipo de preda. Cosoate o deserolar da promoção e aalisado a relação etre os produtos mais desejados pelos clietes e a quatidade existete em stock, poderá ser alterada a quatidade de potos ecessários para a aquisição de um determiado produto, podedo esta cotação variar etre postos de abastecimeto. Na tetativa de aumetar o cosumo de combustível, decidimos atribuir um prazo de validade a cada poto acumulado por cliete. Em pricipio, este será de 30 dias, apesar deste poto aida ser passível de alteração em reuião de direcção. Para evitar que os ossos clietes se sitam defraudados com a perca de potos ou com a qualidade das predas recebidas, decidimos permitir que predas a partir de 2000 potos possam ser atribuídas simultaeamete a mais que um cliete, isto é, permitir que vários clietes jutem os potos ecessários para receber predas mais valiosas.

33 Modelo Coceptual Exemplo Outro dos aspectos importates reside a facilidade com que o sistema permitirá a idetificação de processos frauduletos, bastates comus este tipo de campahas. (Eorme acumulação de potos um determiado mometo, acumulação de potos simultaeamete em dois postos de abastecimetos distitos, etc...) Relativamete às predas atribuídas, elas são todas adquiridas através da sede e posteriormete distribuídas pela ossa rede de abastecimeto. Por esta razão o preço de custo é fixo para cada uma delas. O sistema que pretedemos servirá essecialmete para registar iformação sobre os resultados desta campaha, os clietes que aderiram, as predas atribuídas, litros abastecidos, etc... A ossa empresa dá grade relevâcia à área das ovas tecologias e estamos obviamete dispostos a aceitar sugestões que possam ter e permitam optimizar os resultados da campaha...

34 Modelo Coceptual Exemplo Costrua um modelo coceptual de base de dados utilizado o modelo relacioal. Siga o processo de costrução atrás descrito para a costrução de um modelo passível de implemetação física.

35 Modelo Coceptual Exemplo Passo : Aálise de Requisitos Vulgarmete a aálise de requisitos ão é efectuada pela equipa que vai coceber e implemetar a base de dados. Também este caso, a aálise (os aspectos mais importates) é-os forecida através do texto ateriormete trascrito. Estão euciadas todas as regras do sistema? Podem-se iferir ovas regras? Necessário repetir processo de aálise de requisitos para esclarecimeto de dúvidas, regras?

36 Modelo Coceptual Exemplo Passo 2: Idetificação de Etidades A partir da leitura (repetida) da aálise de requisitos podem-se idetificar as seguites etidades: Clietes Postos de Abastecimeto Potos Vedas Promoções Cartões Combustíveis Predas Forecedores

37 Modelo Coceptual Exemplo Passo 3: Idetificação dos atributos próprios de cada etidade. Qual a iformação que é ecessário guardar acerca de cada etidade idetificada a fase aterior? Será que vale mesmo a pea cosiderar todas as etidades? Clietes NumCliete Nome Morada PostosAbastecimeto CodPosto Descrição Localização Ecarregado

38 Modelo Coceptual Exemplo Passo 3: Idetificação dos atributos próprios de cada etidade. Potos? Vedas DataVeda Valor Existe iformação relevate para registar acerca de cada poto? Apesar de bastate referido a aálise de requisitos, será ecessária a criação de uma etidade?

39 Modelo Coceptual Exemplo Passo 3: Idetificação dos atributos próprios de cada etidade. Para possibilitar que o sistema implemetado fucioe ão só para esta, como outras promoções Promoções CodPromoção DataIicio DataFim Desigação Combustíveis CodCombustivel Descrição ValorVeda

40 Modelo Coceptual Exemplo Passo 3: Idetificação dos atributos próprios de cada etidade. Predas CodPreda Desigação ValorUitário Cartões CodCartão DataRegisto Forecedores CodForecedor Nome Morada

41 Modelo Coceptual Exemplo Passo 4: Idetificação dos relacioametos etre etidades. Quais os relacioametos existetes etre as etidades idetificadas os passos ateriores? São obrigatórias? Qual a sua cardialidade? O fucioameto do sistema pode ser flexibilizado sem violação de ehuma regra defiida o processo de aálise? É ecessária a implemetação do modelo etidade / relacioameto...

42 Modelo Coceptual Exemplo Passo 4: Idetificação dos relacioametos etre etidades: Oferta Cartão Veda Combustível Referir Efectuar Respeitar Localizar Relativa Possuir PostoAbastecimeto Promoção Cliete Registar Preda Forecimeto Forecedor

43 Modelo Coceptual Exemplo Passo 5: Aálise da cardialidade e obrigatoriedade das relações: Para cada relação existete o modelo etidade/relacioameto é ecessário expressar a sua cardialidade e obrigatoriedade. Caso seja ecessário, é altura de efectuar os diagramas de ocorrêcia para melhor ilustrar as regras subjacetes a cada relacioameto. Exemplo: Oferta Oferta2 Oferta3 Oferta4 Cartão Cartão2 Cartão3 Cartão4

44 Modelo Coceptual Exemplo Passo 5: Aálise da cardialidade e obrigatoriedade das relações: Que regras se podem iferir do diagrama de ocorrêcias aterior? Respeitam as restrições iiciais do problema? Restrigem/alargam a flexibilidade do sistema? Cada oferta é sempre efectuada a um úico cartão? Todas as ofertas são efectuadas a algum cartão? Existem cartões que podem acumular ofertas? Existem cartões sem ehumas ofertas?

45 Modelo Coceptual Exemplo Passo 5: Aálise da cardialidade e obrigatoriedade das relações: A partir da aálise dos diagramas de ocorrêcia, pode-se partir para um primeiro esboço da cardialidade de cada relação. A obrigatoriedade de cada uma deve também estar explicita, uma vez que costitui um factor importate a trasposição do modelo coceptual para o modelo físico da base de dados. A decomposição de relações de grau maior que dois deve também costituir uma preocupação, uma vez que irá facilitar a passagem para o modelo físico e a realização do processo de ormalização.

46 Modelo Coceptual Exemplo Passo 5: Aálise da cardialidade e obrigatoriedade das relações: Oferta Combustível Cartão m Veda Referir Efectuar Respeitar Relativa Promoção Localizar Possuir Registar Cliete p m Preda Forecimeto Forecedor PostoAbastecimeto

47 Modelo Coceptual Exemplo Passo 5: Aálise da cardialidade e obrigatoriedade das relações: m Oferta Cartão Combustível Veda Referir Respeitar Promoção Relativa Efectuar Relativa Localizar Possuir Registar Cliete m Preda Forecimeto Forecedor PostoAbastecimeto

48 Modelo Coceptual Exemplo Passo 5: Aálise da cardialidade e obrigatoriedade das relações: Oferta Combustível Cartão Veda Respeitar Promoção Relativa Relativa Relativa OfertaCartão Possuir Cliete m Preda Efectuar Registar Forecimeto Localizar Referir PostoAbastecimeto Forecedor

49 Modelo Coceptual Exemplo Passo 5: Aálise da cardialidade e obrigatoriedade das relações: Oferta Combustível Cartão Veda Respeitar Promoção Relativa Relativa Relativa OfertaCartão Possuir Cliete m Preda Efectuar Registar Forecimeto Localizar Referir PostoAbastecimeto Forecedor

50 Modelo Coceptual Exemplo Passo 6: Costrução do esquema de relações Mediate a iformação que é ecessário registar e o diagrama etidade / relacioameto obtido a fase aterior, pode-se partir para um esboço do cojuto de relações (tabelas) existetes a base de dados. Aplicação das regras de trasposição para o modelo físico. Aálise da cardialidade de cada relacioameto Aálise da obrigatoriedade de cada relacioameto.

51 Modelo Coceptual Exemplo Passo 6: Costrução do esquema de relações + Passo 7: Idetificação das chaves primárias e exteras de cada relação Combustível CodCombustível Descrição Preço Cliete CodCliete Nome Morada? Veda Data Hora CodCliete (*) CodPostoAbastecimeto (*) CodCombustível (*) Potos Forecedor CodForecedor Nome Morada PostoAbastecimeto CodPostoAbastecimeto Descrição Localização Ecarregado? Cartão CodCartão CodCliete (*) DataRegisto CodPostoRegisto (*)

52 Modelo Coceptual Exemplo Passo 6: Costrução do esquema de relações + Passo 7: Idetificação das chaves primárias e exteras de cada relação Oferta CodOferta Data Hora? CodPreda (*) CodPromoção (*) OfertaCliete CodCliete (*) CodOferta (*) Preda CodPreda Nome Potos CodForecedor(*) Promoção CodPromoção Descrição DataIicio DataFim

53 Modelo Coceptual Exemplo Passo 6: Costrução do esquema de relações + Passo 7: Idetificação das chaves primárias e exteras de cada relação O primeiro modelo gerado levata algumas duvidas, omeadamete relativamete a... Determiar a cotação actual de cada preda Idetificar qual o posto que atribuiu uma preda (cada uma será forçosamete atribuída um posto de combustível) Registo do ome do ecarregado (E se este se repetir em múltiplos postos) Localização dos postos e morada dos clietes. Será de toda a utilidade a dispoibilização de iformação detalhada (Sem redudâcia e sem violação de alguma forma ormal iferior À terceira). Será ecessário efectuar algumas alterações ao modelo...

54 Modelo Coceptual Exemplo Cliete PostoAbastecimeto Combustível Promoção Veda Preda Forecedor Registar Referir Localizar Efectuar Forecimeto Respeitar Oferta Relativa Cartão Possuir m Relativa OfertaCartão Relativa CodigoPostal Localizar Ecarregado Gerir Cotação Referir Efectuar

55 Modelo Coceptual Exemplo Passo 6 + Passo 7: Adição de relações e alteração das ateriores CodigoPostal Codigo Cidade Cotação CodPreda Data Potos Oferta CodOferta Data Hora CodPreda (*) CodPostoCombustível(*) PostoAbastecimeto CodPostoAbastecimeto Descrição Localização CodPostal(*) CodEcarregado (*) Ecarregado CodEcarregado Nome Telefoe OfertaCartão CodOferta (*) CodCartão (*) Cliete CodCliete Nome Morada CodPostal (*) DataRegisto CodPostoRegisto (*)

56 Modelo Coceptual Exemplo Passo 8: Normalização do modelo Aplicar o processo de ormalização a cada relação existete: A FN é verificada? A 2FN é verificada? A 3FN é verificada? A FNBC também? Valerá a pea prosseguir com o processo até aos íveis máximos (4FN e 5FN)? Existem depedêcias multi-valor ou de jução? Qual a forma ormal escolhida? Porquê?

57 Modelo Coceptual Exemplo Passo 9: Optimização do modelo Por motivos de eficiêcia ou seguraça, será ecessário substituir alguma chave primária idetificada? No caso de chaves compostas pode-se chegar à coclusão de que é mais eficiete a utilização de chaves uméricas auto-icremetais. As chaves exteras estão correctamete idetificadas? São as ideais? Após a execução deste processo, chega-se ao modelo proposto para a resolução do problema. Acrescetaram-se restrições ao fucioameto do sistema? Não? (Caso ideal) Sim? São razoáveis? Poderá ser ecessário cosultar ovamete a(s) pessoa(s) que pediu a base de dados.

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

ATRIBUTO REPRESENTAÇÃO

ATRIBUTO REPRESENTAÇÃO ATRIBUTO Dado que é associado a cada ocorrêcia de uma etidade ou de um relacioameto (característica, qualidade). REPRESENTAÇÃO EMPREGADO ATUAÇÃO fução tipo data código ome ENTIDADE RELACIONAMENTO Tipos:

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 07/08 CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS O que é um circuito it sequêcial? Difereça etre circuito combiatório e sequecial... O elemeto básico e fudametal da lógica sequecial

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Jackkife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Camilo Daleles Reó camilo@dpi.ipe.br Referata Biodiversa (http://www.dpi.ipe.br/referata/idex.html) São José dos Campos, 8 de dezembro de 20 Iferêcia

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Modelagem Conceitual Entidade-Relacionamento. Projeto de Sistemas de Informação. Processo de Software. Fernanda Baião UNIRIO

Modelagem Conceitual Entidade-Relacionamento. Projeto de Sistemas de Informação. Processo de Software. Fernanda Baião UNIRIO Modelagem Coceitual Etidade-Relacioameto Ferada Baião UNIRIO Material parcialmete extraído a partir das otas de aula de Maria Luiza M. Campos, Araldo Vieira e Maria Cláudia Cavalcati Projeto de Sistemas

Leia mais

INF1383 -Bancos de Dados

INF1383 -Bancos de Dados INF1383 -Bacos de Dados Prof. Sérgio Lifschitz DI PUC-Rio Eg. Computação, Sistemas de Iformação e Ciêcia da Computação PROJETO DE BANCOS DE DADOS MODELAGEM CONCEITUAL: ABORDAGEM ENTIDADES E RELACIONAMENTOS

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

Modelos Conceituais de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

Modelos Conceituais de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Modelos Coceituais de Dados Baco de Dados Motivação Objetivo da abordagem de BD: oferecer abstração dos dados separar aplicações dos usuários dos detalhes de hardware ferrameta utilizada: modelo de dados

Leia mais

Testes χ 2 (cont.) Testes χ 2 para k categorias (cont.)

Testes χ 2 (cont.) Testes χ 2 para k categorias (cont.) Testes χ 2 de ajustameto, homogeeidade e idepedêcia Testes χ 2 (cot.) Os testes χ 2 cosiderados este último poto do programa surgem associados a dados de cotagem. Mais cocretamete, dados que cotam o úmero

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

Endereço. Dados. Mem Read Mem select

Endereço. Dados. Mem Read Mem select Parte IV Sistea de Meória Os sisteas de coputação utiliza vários tipos de dispositivos para arazeaeto de dados e de istruções. Os dispositivos de arazeaeto cosiste e eória pricipal e eória secudária. A

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo por ZÉLIA PINHEIRO Do poto de vista técico, o balaço é positivo A rede urbaa de frio e calor do Parque das Nações já tem oze aos e João Castaheira, director-geral da Climaespaço, faz o balaço. Garate que

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 2012. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO.

SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 2012. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 0 Muitas vezes

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real.

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real. Resumo. O estudo das séries de termos reais, estudado as disciplias de Aálise Matemática da grade geeralidade dos cursos técicos de liceciatura, é aqui estedido ao corpo complexo, bem como ao caso em que

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Análise combinatória

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Análise combinatória Resolução das atividades complemetares Matemática M Aálise combiatória p. 6 Ao laçarmos um dado duas vezes, quatas e quais são as possibilidades de ocorrêcia dos úmeros? Ao laçarmos um dado duas vezes,

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID XXIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBrT 11, 2-5 DE OUTUBRO DE 211, CURITIBA, PR Um Protocolo Híbrido de Ati-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID Bruo A. de Jesus, Rafael C. de Moura, Liliae

Leia mais

FILAS DE ESPERA. Notas baseadas em Introduction to Operations Research de Hillier e Lieberman.

FILAS DE ESPERA. Notas baseadas em Introduction to Operations Research de Hillier e Lieberman. FILA DE EPERA otas baseadas em Itroductio to Operatios Research de Hillier e Lieberma. 77 ETRUTURA BÁICA DO ITEMA DE FILA DE EPERA Quado um determiado serviço é procurado por vários clietes, poder-se-ão

Leia mais

PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SETÚBAL DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA o Teste 7 o SEMESTRE 5/6 Data: Sábado, 7 de Jaeiro de 6 Duração: 9:3 às :3 Tópicos de Resolução. O úmero

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Parte 2: Matemática Comercial e Financeira. Prof. Ilydio Pereira de Sá

Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Parte 2: Matemática Comercial e Financeira. Prof. Ilydio Pereira de Sá Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Parte 2: Matemática Comercial e Fiaceira Prof. Ilydio Pereira de Sá Matemática Comercial e Fiaceira para Educadores Matemáticos Prof. Ilydio

Leia mais

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas Aálise Técica Coceitos [Type the documet subtitle] Aálise Técica Pricipais coceitos, idicadores e formações gráficas A Aálise Técica (AT) tem por objetivo forecer idicações dos movimetos ou formação de

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON

PROF. DR. JACQUES FACON PUCPR- Potifícia Uiversidade Católica Do Paraá PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Iformática Aplicada PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO ATRAVÉS DA PROJEÇÃO DO DISCRIMINANTE LINEAR DE FISHER SOBRE O

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

Dependência funcional

Dependência funcional Depedêcia fucioal Agélica Toffao Seidel Calazas E-mail: agelica_toffao@yahoo.com.br Normalização Ocorre quado um atributo ou cojuto de atributos depede fucioalmete de outro atributo. Por exemplo: a etidade,

Leia mais

Duas Fases da Estatística

Duas Fases da Estatística Aula 5. Itervalos de Cofiaça Métodos Estadísticos 008 Uiversidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordá Duas Fases da Estatística Estatística Descritiva: descrever e estudar uma amostra Estatística Idutiva

Leia mais