Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w"

Transcrição

1 Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, Coimbra Tel.: ; Fax: ; RESUMO e acordo com a ormalização em vigor o osso país, e a Europa, a determiação do isolameto sooro a ruídos de percussão de pavimeto, em edifícios, tem como base a orma EN ISO 140-7, referete ao método de esaio para caracterização da trasmissão por percussão o domíio da frequêcia, e a orma ISO 717-2, referete à determiação de um valor úico ( ' ), a partir da caracterização o domíio da frequêcia. Este método de esaio recorre à utilização de uma máquia de percussão ormalizada, cujas especificações técicas se ecotram defiidas a orma EN ISO Esta máquia, para além produzir um impacto ormalizado, que se trasmite por via sólida, origia ruído aéreo, cohecido pelo eco dos impactos. A iterferêcia deste eco a determiação do valor ' é sobretudo relevate quado a percussão é aplicada sobre pavimetos flutuates leves, omeadamete madeiras, e/ou quado se trata de trasmissão idirecta (lateral ou de baixo para cima) e o isolameto a sos aéreos, etre o local emissor e o local receptor, é baixo. Esta comuicação resulta de um cojuto de esaios, efectuados i situ, ode se avalia a referida iterferêcia do eco dos impactos sobre o valor de ' e se ivestiga a possibilidade de miimização deste eco, recorredo à capotagem da máquia de percussão através de caixa de fooabsorvete (ão prevista as ormas em vigor). Palavras-chave: isolameto; trasmissão; sos de percussão; sos aéreos; eco dos impactos. 1. Itrodução A utilização da máquia de percussão ormalizada, como fote de ruído de teste a medição do isolameto sooro a sos de percussão de pavimetos, para além de gerar vibrações a estrutura e os elemetos de compartimetação dos edifícios, origia ruído aéreo, cohecido pelo eco dos impactos. No caso da percussão de pavimetos flutuates, ode esta situação é mais relevate, o ruído aéreo gerado pelos impactos é habitualmete desigado de ruído de tambor.

2 Apesar da iterferêcia do referido eco dos impactos a determiação do valor ' poder ser bastate relevate, com já demostrado em algus estudos [1], quado o objectivo pricipal da medição é o de averiguar se determiado edifício/local cumpre ou ão os requisitos regulametares, esta iterferêcia passa a ser ormalmete meos relevate, como se irá demostrar ao logo deste estudo. Efectivamete, a ifluêcia do eco dos impactos é geralmete relevate quado se tratam de situações ode o isolameto a sos aéreos e a trasmissão efectiva por percussão são baixos. Ou seja, em casos ode ão é satisfeito o requisito de isolameto a sos aéreos ( sos de percussão ( ) e ode ormalmete o requisito de isolameto a ' ) é cumprido. Situações em que se cumpre o requisito, ficado o cumprimeto do requisito ' depedete da iterferêcia do eco dos impactos, dificilmete ocorrem. Como forma de garatir a ão iterferêcia do eco dos impactos, a determiação do ídice ', poderão ser utilizadas duas estratégias: a utilização de uma capotagem da máquia de percussão, com caixa fooabsorvete, ão prevista as ormas em actualmete em vigor; a medição dos íveis de ruído o local emissor, quado a máquia de percussão se ecotra em fucioameto, e a comparação com o isolameto a sos aéreos, técica já prevista a orma guia ISO :2004 [2]. Na primeira situação, a técica utilizada pode cotribuir para a miimização do ruído trasmitido por via aérea, podedo cosiderar-se como medida activa. No segudo caso, trata-se apeas de uma medida de cotrolo, que permite avaliar se a referida iterferêcia existe ou ão. 2. Trasmissão soora em pavimetos percutidos A trasmissão soora de sos de percussão de pavimetos é um feómeo complexo que evolve, geralmete, trasmissões directas (através do elemeto de separação, quado o pavimeto percutido se situa sobre o espaço receptor) e trasmissões laterais (através dos elemetos adjacetes). e uma forma simplificada, e uma fase de projecto, a previsão do isolameto a sos de percussão pode ser efectuada com base a orma EN , segudo a qual, a previsão da trasmissão soora se efectua itegrado a propagação soora directa com a trasmissão soora lateral, através das paredes evolvetes [3,4]. Após a costrução do edifício, a caracterização da trasmissão a sos de percussão pode ser efectuada, agora de forma mais precisa, através da avaliação experimetal, com base as ormas EN ISO e EN ISO [5,6]. Com base a orma EN ISO 140-7, a caracterização da trasmissão soora é efectuada o domíio da frequêcia ( ' ), em badas de 1/3 de oitava, geralmete etre as frequêcias cetrais de 100 e 3150 Hz. Posteriormete, a partir deste cojuto de valores em frequêcia

3 poderá ser obtido um valor úico (ídice ' ), através do ajustameto da curva ' a uma descrição covecioal de referêcia, de acordo com a técica precoizada a orma EN ISO Os valores de ', depedem dos íveis de pressão soora médios medidos o compartimeto receptor ( ), quado a fote (máquia) de percussão ormalizada se ecotra em i fucioameto sobre o pavimeto do recito emissor, dos íveis de ruído de fudo e dos tempos de reverberação (T) medidos o compartimeto receptor e do volume deste compartimeto (V). A equação que permite obter este ídice de trasmissão é dada por: 0.16V ' = + i 10og (1) A0T A 0 é a área de absorção soora equivalete, habitualmete cosiderada igual a 10m 2. Tal como já referido, a máquia de percussão para além de gerar vibrações os elemetos estruturais e de compartimetação dos edifícios, pode origiar íveis de ruído aéreo o local emissor bastate sigificativos ( 1 ), em especial o caso de pavimetos flutuates leves. Esta i compoete de ruído aéreo também se trasmite para o local receptor ( 2 i ), cotribuido para o valor de i medido. Na realidade, a trasmissão soora devido apeas à compoete de percussão ( ), assumida ormalmete como pi i, deveria correspoder à difereça logarítmica etre pi i e 2 i, através da seguite expressão: ( /10) ( 2 /10) ( 10 ) i i = 10log 10 (2) em que, 2 i = 1 i (3) e represeta o isolameto sooro bruto a sos aéreos etre o recito emissor e o recito receptor (obtido de acordo com a orma NP EN ISO 140-4). Nestas codições, a iterferêcia do eco dos impactos é tato maior quato meor a difereça etre i e 2 i. Cotudo, a prática, poderá assumir-se que esta iterferêcia é desprezável quado a referida difereça é superior a 10 db. No exemplo seguite, é apresetada uma situação, quase extrema, ode a iterferêcia do eco dos impactos é relevate. Esta situação correspode à trasmissão soora lateral etre dois quartos adjacetes de dois apartametos do mesmo piso, ambos revestidos com parquet

4 flutuate, em que o ídice de isolameto a sos aéreos é muito iferior ao requisito regulametar ( w, = 43dB ). db i [Aeq 100dB(A)] i [com,w=43db] 2i Situações com i-2i<10db) Badas de 1/3 de oitava Figura 1 Níveis de ruído a emissão e a recepção e curva de isolameto bruto para uma situação ode a iterferêcia do eco dos impactos é relevate. Se fosse possível aular o ruído aéreo provocado pela máquia de percussão o valor de ' poderia, este caso, dimiuir 2 db (passado de 54 para 52 db cumprido ambos os valores o requisito regulametar). 3. Avaliação de casos típicos Ao logo deste poto é apresetado um cojuto de resultados, obtidos i situ, cujas medições foram efectuadas através do laboratório de esaios CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído (ab. Acreditado pelo IPQ ). O equipameto utilizado foi o seguite: aalisador portátil, do modelo Symphoie - 01dB-Stell, ligado a um PC portátil (icluido acessórios e software de apoio); máquia de percussão ormalizada marca RETEC-RI069; e fote omidireccioal dodecaédrica da marca 01dB. Na Figura 2 são apresetados valores médios dos íveis de ruído medidos em compartimetos emissores, provocados pela máquia de percussão em fucioameto sobre vários tipos de pavimetos. A média dos resultados apresetados, foi obtida para situações (seis a oito situações para cada caso) com volumes comparáveis e aida sem mobiliário. No caso das situações com revestimeto cerâmico, quer directamete aplicado sobre a laje, quer aplicado sobre lajeta flutuate, as situações avaliadas correspodem a estabelecimetos comerciais,

5 com volumes etre 150 a 300 m 3. Nos restates casos, os compartimetos correspoderam a quartos e salas, em edifícios de habitação, e os volumes variaram etre 30 e 65m 3. db Tacos colados [Aeq 91dB(A)] Parquet flutuate [Aeq 98dB(A)] Rev. Cortiça [Aeq 79dB(A)] Cerâmicos sobre laje [Aeq 94dB(A)] Cerâmico sobre lajeta flutuate [Aeq 94dB(A)] Rev. víilico "acústico" [Aeq 79dB(A)] Badas de 1/3 oitava Figura 2 Níveis de ruído médios, obtidos em compartimetos emissores para diferetes tipos de revestimetos de piso, aplicados sobre laje de betão armado. Apesar do revestimeto cerâmico, e em algus casos os tacos colados, origiarem íveis de ruído a emissão relativamete elevados, estas situações só terão alguma relevâcia, do poto de vista do estudo aqui apresetado, se o valor de ' for relativamete baixo, ou seja, para situações em que a trasmissão de sos de percussão ocorre apeas por via lateral. As duas situações que se apresetam geralmete mais relevates são claramete o parquet flutuate e a lajeta flutuate, ão só porque coduzem a íveis de ruído elevados a emissão, mas sobretudo porque podem itroduzir uma redução a trasmissão de sos de percussão bastate sigificativa ( ' da ordem de 20 db) e, cosequetemete coduzir a valores de ' relativamete baixos. Se cosiderarmos como exemplo, as curvas e ' iguais às curvas covecioais de referêcia, respectivamete para sos aéreos e sos de percussão (EN ISO e EN ISO 717-2), correspodetes aos valores limite regulametar exigidos [7] etre fogos, um edifício de habitação ( = 50dB e ' = 60dB ), a partir do espectro médio a emissão obtido a Figura 2, é possível avaliar aproximadamete a iterferêcia do eco dos impactos a determiação o valor de '. esta aálise, verifica-se que o ível sooro ormalizado que chega ao compartimeto receptor, relativo à compoete aérea, 1 i é sempre iferior a i 10dB, com excepção da bada de frequêcias de 3150Hz, ode 1 i = i 9. 4dB.

6 Efectuado o mesmo procedimeto, agora para curvas e ' iguais às curvas covecioais de referêcia correspodetes aos valores limite regulametar exigidos etre estabelecimetos comerciais e fogos, do mesmo edifício ( = 58dB e ' = 50dB ), a coclusão é semelhate, existido, o etato, duas badas de frequêcia ode 1 i é iferior a i 10dB ( 1 i = i 9. 9dB para 2500 Hz e 1 i = i 7. 4dB para 3150 Hz). Mesmo este caso, a iterferêcia do eco dos impactos é aida pouco relevate. Refirase que, a cosideração do isolameto ormalizado em vez do isolameto bruto ão altera as coclusões, visto que a ormalização/correcção aplicada o isolameto a sos aéreos é a mesma que a trasmissão de sos de percussão (este caso com siais cotrários, por uma correspoder a isolameto e outro a trasmissão soora). Uma das formas de miimizar a iterferêcia do eco dos impactos, cosiste a utilização de uma capotagem da máquia de percussão, com caixa fooabsorvete (técica ão previsto as ormas em actualmete em vigor). e modo a avaliar a evetual cotribuição desta técica, foram efectuados esaios com e sem capotagem de máquia de percussão, através de uma caixa em PVC, com cerca de 5mm de espessura, revestida iteriormete, em toda a evolvete, com aglomerado de espuma de poliuretao flexível de 80 kg/m 3 de massa volúmica, com 60 mm de espessura (ver Figura 3). Figura 3 - Fotografia da caixa de fooabsorvete utilizada a capotagem da máquia de percussão. Na Figura 4 são apresetados resultados de um exemplo prático, em que ambos os requisitos e ' são cumpridos (o primeiro o limite e o segudo com larga margem), correspodete a uma situação aparetemete muito desfavorável do poto de vista da iterferêcia do eco dos impactos. Trata-se da trasmissão lateral / iversa, de baixo para cima, uma situação com pavimeto flutuate em madeira, um quarto emissor de pequeas dimesões (com cerca de 30 m 3 e pouco mobilado), em que o ídice de isolameto resultou igual a 50 db e resultou igual a 49 db. Nesta Figura são idicados 5 espectros médios, obtidos com a máquia de percussão em fucioameto: dois correspodetes ao ível de ruído a emissão, com e sem capotagem da máquia de percussão; outros dois correspodetes ao ível de ruído a '

7 recepção, também com e sem capotagem da máquia de percussão; e um quito correspodete à difereça etre o ível a emissão (1i), sem capotagem, e o isolameto bruto a sos aéreos (). db i s/ capota [aeq=94.2db(a)] i s/ capota [aeq=59.7db(a)] 2i=1i s/ capota - 1i c/ capota [aeq=89.6db(a)] i c/ capota [aeq=59.4db(a)] Situações com i-2i<10db Badas de 1/3 de oitava Figura 4 Níveis de ruído médios a emissão e a recepção, com e sem capotagem, e difereça etre o ível a emissão, sem capotagem, e o isolameto bruto Trasmissão iversa de baixo para cima. Na Figura 5 é apresetado o mesmo tipo de curvas da Figura 4, obtidas os mesmos compartimetos de esaio, mas agora para a situação ormal de esaio à percussão, de cima para baixo. Neste caso, o quarto emissor (do piso superior), do mesmo volume do quarto receptor, ecotrava-se compactamete vazio, justificado um valor de 1 i cerca de 3 db(a) acima do ocorrido quado o emissor era o quarto iferior (quarto parcialmete mobilado).

8 db i s/ capota [aeq=97.0db(a)] i s/ capota [aeq=68.2db(a)] 1i c/ capota [aeq=93.0db(a)] i c/ capota [aeq=68.2db(a)] 20 2i=1i s/ capota - Situações com i-2i<10db Badas de 1/3 de oitava Figura 5 Níveis de ruído médios a emissão e a recepção, com e sem capotagem, e difereça etre o ível a emissão, sem capotagem, e o isolameto bruto Trasmissão directa de cima para baixo. Em termos globais, acerca do coteúdo apresetado as Figuras 4 e 5, os resultados obtidos foram os seguites: Trasmissão iversa, de baixo para cima, o ' = 49dB (48.6), sem capotagem o ' = 49dB (48.5), com capotagem ( /10) ( 2i /10) =, cosiderado 10log( ) i o 49dB (48.3) ', w de ', sem capotagem Trasmissão directa, de cima para baixo, o ' = 58dB (57.2), sem capotagem o ' = 58dB (57.2), com capotagem o ' = 58dB (57.1), cosiderado pi, em vez de pi =, em vez ', sem capotagem NOTA: O valor etre parêteses represeta um ídice semelhate a ', mas arredodado às décimas. Refira-se que factores de icerteza previstos o ec. ei 129/2002 ão foram cotemplados em ehum dos resultados apresetados. Refira-se que a ateuação imposta pela capotagem, o compartimeto emissor, varia em fução do tipo de piso. No exemplo apresetado, a ateuação global situou-se etre 4 e 5 db(a). Esta ateuação, é substacialmete iferior à ateuação que a capotagem proporcioa

9 para sos aéreos (com uma fote de ruído aéreo o iterior da capotagem, com emissão de ruído braco, o abaixameto o valor de Aeq o compartimeto, fora da capotagem, é da ordem de 17 db(a)). Esta grade difereça de ateuação, deve-se ao facto da percussão do pavimeto origiar a vibração do pavimeto, que, por sua vez, fucioa como fote emissora fora da caixa de ateuação, ão só para o compartimeto receptor, mas também o compartimeto emissor, em especial quado se trata de pavimetos flutuates. Por exemplo, a percussão de um pavimeto em tacos colados, a ateuação proporcioada pela capotagem foi de apeas 2 db(a). Numa situação oposta, utilizado uma amostra de parquet flutuate em madeira, colocada totalmete detro da capotagem, esta ateuação já foi da ordem de 12 db(a). 4. Coclusões e acordo com o exposto o poto aterior, é possível verificar que a iterferêcia do eco dos impactos, para a grade maioria das situações corretes, pode cosiderar-se desprezável. No caso de pavimetos flutuates leves, esta iterferêcia pode ão ser desprezável, mas ormalmete ão ifluecia a decisão sobre o cumprimeto ou icumprimeto simultâeo dos requisitos ' e. e uma forma geral, os casos ode a referida iterferêcia se pode revelar sigificativa correspodem habitualmete a situações de pavimetos flutuates leves, ode a trasmissão de sos de percussão é reduzida (em especial para trasmissão lateral e/ou iversa, ode geralmete se cumpre claramete o requisito aéreos é reduzido (ode habitualmete ão se cumpre o requisito ' ) e o isolameto a sos ). Esta coclusão é válida sobretudo para edifícios habitacioais e mistos, mas também se pode aplicar a edifícios escolares e hospitalares, desde que o requisito ão seja iferior a 45 db (etre circulações e o iterior de compartimetos, ode o requisito pode ser de apeas 30 db, a referida iterferêcia pode ser fortemete codicioate). A utilização da capotagem da máquia de percussão, de uma forma geral, ão se mostrou muito eficaz a miimização da trasmissão do eco dos impactos. Em vez desta técica, poderá revelar-se mais vatajoso alterar ligeiramete o procedimeto de medição, efectuado medições o compartimeto emissor e determiado posteriormete o ídice compoete de percussão ( com pi ' com base a ( /10) ( 2i /10) ), obtida através da expressão: 10log( ) i 2 i = 1 i e ' = 10 og ((0.16 V ) /( A )). pi + 0 T pi =,

10 5. Referêcias [1] A. Moreo, C. de la Colia y F. Simó Es idóea la orma UNE EN ISO 140/7 como método de verificació i situ de las exigecies de ivel de ruido de impactos e casos de forjados co tarimas flotates?, IV Cogresso Ibero-Americao de Acústica, I 005/p. 1-8, Uiversidade do Miho, Guimarães, Portugal, 14 a 17 de Setembro [2] CEN: Acoustics - Measuremet of soud isulatio i buildigs ad of buildig elemets - Part 14: Guidelies for special situatios i the field, ISO :2004. [3] CEN: Buildig acoustics. Estimatio of acoustic performace of buildigs from the performace of elemets. Part 2: Impact soud isulatio betwee rooms, EN :2000. [4] MATEUS,. - Isolameto Acústico de Elemetos de Compartimetação eves em Edifícios, EC-FCTUC, Tese de doutorameto em Egeharia Civil, a FCTUC, a especialidade de Costruções. [5] CEN: Acoustics - Measuremet of soud isulatio i buildigs ad of buildig elemets - Part 7: Field measuremets of impact soud isulatio of floors, EN ISO 140-7:1998. [6] CEN: Acoustics - Ratig of soud isulatio i buildigs ad of buildig elemets Part 2: Impact soud isulatio, EN ISO 717-2:1996. [7] PORTUGA. eis, ecretos. Regulameto de Requisitos Acústicos dos Edifícios - 129/2002 de 11 de Maio.

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

Capítulo 5. Misturas Simples

Capítulo 5. Misturas Simples Capítulo 5. Misturas Simples aseado o livro: tkis Physical Chemistry Eighth Editio Peter tkis Julio de Paula 04-06-2007 Maria da Coceição Paiva 1 Misturas Simples Para iterpretar termodiamicamete o efeito

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1 1. Costrua os algoritmos para resolver os problemas que se seguem e determie as respetivas ordes de complexidade. a) Elaborar um algoritmo para determiar o maior elemeto em cada liha de uma matriz A de

Leia mais

Infraestruturas Urbanas

Infraestruturas Urbanas 2 Ifraestruturas Urbaas IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A iformação cotida este documeto é propriedade da Igeieros, S.A. e ehuma parte dela pode ser reproduzida ou trasferida

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS José Carlos Valete de Oliveira Aluo do mestrado profissioal em Sistemas de Gestão da Uiversidade

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Duas Fases da Estatística

Duas Fases da Estatística Aula 5. Itervalos de Cofiaça Métodos Estadísticos 008 Uiversidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordá Duas Fases da Estatística Estatística Descritiva: descrever e estudar uma amostra Estatística Idutiva

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Lista 2.1 Breves Revisões de Lógica; Noção de Norma e Distância; Breves Noções Topológicas em R n

Lista 2.1 Breves Revisões de Lógica; Noção de Norma e Distância; Breves Noções Topológicas em R n Faculdade de Ecoomia da Uiversidade Nova de Lisboa Apotametos Cálculo II Lista 2.1 Breves Revisões de Lógica; Noção de Norma e Distâcia; Breves Noções Topológicas em R 1. Símbolos e operadores lógicos:

Leia mais

Fundamentos de Electrónica. Teoria Cap.6 - Heterojunções

Fundamentos de Electrónica. Teoria Cap.6 - Heterojunções Fudametos de Electróica Teoria Cap.6 - Heterojuções Jorge Mauel Torres Pereira IST-2010 ÍNDICE CAP. 6 HETEROJUNÇÕES Pag. 6.1 Itrodução... 6.1 6.2 Heterojução semicodutor-semicodutor... 6.1 6.2.1 Costrução

Leia mais

Desvendando a medição nos ensaios químicos: 1. A curva analítica ou de calibração

Desvendando a medição nos ensaios químicos: 1. A curva analítica ou de calibração Scietia Chromatographica 2011; 3(3):251-261 Istituto Iteracioal de Cromatografia DOI: 10.4322/sc.2011.015 ISSN 1984-4433 QUALIDADE Desvedado a medição os esaios químicos: 1. A curva aalítica ou de calibração

Leia mais

43º Seminário de Laminação - Processos e Produtos Laminados e Revestidos

43º Seminário de Laminação - Processos e Produtos Laminados e Revestidos OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE LAMINAÇÃO CONTROLADA DE CHAPAS GROSSAS ATRAVÉS DA REDISTRIBUIÇÃO DA DEFORMAÇÃO NAS FASES DE ESBOÇAMENTO E ACABAMENTO 1 Atoio Augusto Gori 2 José Herbert Dolabela da Silveira 3

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Testes χ 2 (cont.) Testes χ 2 para k categorias (cont.)

Testes χ 2 (cont.) Testes χ 2 para k categorias (cont.) Testes χ 2 de ajustameto, homogeeidade e idepedêcia Testes χ 2 (cot.) Os testes χ 2 cosiderados este último poto do programa surgem associados a dados de cotagem. Mais cocretamete, dados que cotam o úmero

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS AT49-07 - CD 6-07 - PÁG.: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGAÇÃO TAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTICOS J.. Cogo A.. C. de Oliveira IEE - EFEI Uiv. Taubaté Artigo apresetado o Semiário de Pesquisa EFEI 983 ESUMO Este

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO Dr. Olívio Novaski Uiversidade Estadual de Campias - UNICAMP - DEF CP 6122 CEP 13083-970 CAMPINAS - SP - BRASIL MSc.

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos Fernando G. Branco CICC, Dep. Eng. Civil, Univ. Coimbra Portugal fjbranco@dec.uc.pt Luís Godinho CICC,

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

Componente de Física

Componente de Física Compoete de Física. Comuicação a loga distâcia A luz tem um comportameto dual. Comporta-se como um fluxo de partículas, os fotões, pacotes de eergia quatizada, i.e., quata, em que a eergia trasportada

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Parte 4-1 Transmissão de vibrações Transmissão em elementos simples => Fraco isolamento Soluções correctivas Material separador flexivel Duplicação do elemento e criação de caixa de ar Separação com material

Leia mais

Estudo das Energias e Funções de Onda em um Ponto Quântico Cilíndrico Study of Energies and Wave Functions in a Cylindrical Quantum Dot

Estudo das Energias e Funções de Onda em um Ponto Quântico Cilíndrico Study of Energies and Wave Functions in a Cylindrical Quantum Dot 4 Estudo das Eergias e Fuções de Oda em um Poto Quâtico Cilídrico Study of Eergies ad Wave Fuctios i a Cylidrical Quatum Dot Sílvio José Prado Faculdade de Ciêcias Itegradas do Potal FACIP UFU, Uberlâdia,

Leia mais

PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

PRÁTICAS DE LABORATÓRIO PRÁTICAS DE LABORATÓRIO TRATAMENTO E APRESENTAÇÃO DE DADOS EXPERIMENTAIS M. Ribeiro da Silva Istituto Superior Técico Departameto de Física 1997 1 Ídice Itrodução 1 1. - Tratameto de dados experimetais

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Equações Diferenciais (ED) Resumo

Equações Diferenciais (ED) Resumo Equações Difereciais (ED) Resumo Equações Difereciais é uma equação que evolve derivadas(diferecial) Por eemplo: dy ) 5 ( y: variável depedete, : variável idepedete) d y dy ) 3 0 y ( y: variável depedete,

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP-FASE PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA O velocíetro é u istrueto que idica a velocidade de u veículo A figura abaio ostra o velocíetro de u carro que

Leia mais

REFLECTÂNCIA A PARTIR DO NÚMERO DIGITAL DE IMAGENS ETM+

REFLECTÂNCIA A PARTIR DO NÚMERO DIGITAL DE IMAGENS ETM+ Aais XI SBSR, Belo Horizote, Brasil, 05-0 abril 003, INPE, p. 07-078. REFLECTÂNCIA A PARTIR DO NÚMERO DIGITAL DE IMAGENS ETM+ ALFREDO JOSÉ BARRETO LUIZ SALETE GÜRTLER JOSÉ MARINALDO GLERIANI JOSÉ CARLOS

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP Costrução de um modelo para o preço de veda de casas resideciais a cidade de Sorocaba-SP Recebido: 0/03/01 Aprovado: 5/09/01 Júlio César Pereira (UFSCar-SP/Brasil) - julio.pereira.ufscar@gmail.com, Rodovia

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 07/08 CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS O que é um circuito it sequêcial? Difereça etre circuito combiatório e sequecial... O elemeto básico e fudametal da lógica sequecial

Leia mais

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS rof. Vieira Filho SOLUÇÕES e GSES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SOLUÇÕES. em-se 500g de uma solução aquosa de sacarose (C O ), saturada a 50 C. Qual a massa de cristais que se separam da solução, quado ela é

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Unesp Universidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA

Unesp Universidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA Uesp Uiversidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ MBA-PRO ESTATÍSTICA PARA A TOMADA DE DECISÃO Prof. Dr. Messias Borges Silva e Prof. M.Sc. Fabricio Maciel Gomes GUARATINGUETÁ,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização 4 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.,., p.4 49, 007 Fortaleza, CE, INOVAGRI http://.iovagri.org.br Protocolo 00.07 9//007 Aprovado em 09//007 Plaejameto da Irrigação com Uso de Técicas de Otimização

Leia mais

DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL. todas as repetições). Então, para todo o número positivo ξ, teremos:

DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL. todas as repetições). Então, para todo o número positivo ξ, teremos: 48 DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL LEI DOS GRANDES NÚMEROS Pretede-se estudar o seguite problema: À medida que o úmero de repetições de uma experiêcia cresce, a frequêcia relativa

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. Departamento de Produção e Sistemas. Trabalho Prático Nº 1 de. Métodos Numéricos

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. Departamento de Produção e Sistemas. Trabalho Prático Nº 1 de. Métodos Numéricos Uiversidade do Miho Escola de Egeharia Trabalho Prático Nº 1 de Métodos Numéricos Liceciatura em Egeharia de Produção 00 Métodos Numéricos TRABALHO PRÁTICO Nº 1 (A) (Egeharia de Produção, 001/00) Resolução

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

MODELAMENTO DE COLISÃO USANDO ANÁLISE NÃO LINEAR

MODELAMENTO DE COLISÃO USANDO ANÁLISE NÃO LINEAR MODELAMENTO DE COLISÃO USANDO ANÁLISE NÃO LINEAR César Atoio Aparicio S. João Lirai Joas de Carvalho Departameto de Eergia Mecâica, Uiversidade de São Paulo São Carlos Av. do Trabalhador São-carlese, 400,

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID XXIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBrT 11, 2-5 DE OUTUBRO DE 211, CURITIBA, PR Um Protocolo Híbrido de Ati-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID Bruo A. de Jesus, Rafael C. de Moura, Liliae

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALAÇO DE ODAS LOGAS EM PIRACICABA, SP Kare Maria da Costa MATTOS (1) ; Marcius Gracco Marcoi GOÇALVES (1) e Valter BARBIERI () (1) Aluos de Pós-graduação em

Leia mais