1. O Cartão ACP Master Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2"

Transcrição

1 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão Ode e como utilizar o Cartão ACP Master Como fucioam os descotos e as vatages do Cartão ACP Master Serviço MBNet Limite de crédito Extracto de cota e pagametos Morada e cotactos importates...9

2 1. O Cartão ACP Master O Cartão ACP Master, emitido e gerido pelo BPI em parceria com a ACP, é o seu ovo meio de pagameto, aceite os milhões de estabelecimetos da rede MasterCard em todo o mudo, que lhe oferece as seguites vatages e beefícios: oferta de 4% de descoto em todos os pagametos de combustível efectuados com o Cartão ACP Master os postos de abastecimeto de combustível da BP, até um valor máximo total de pagametos em combustível de 350/ mês; oferta de 1% de descoto em todas as compras efectuadas com recurso à utilização do Cartão ACP Master, excepto as mecioadas o úmero aterior; devolução da comissão de gasolieiras de 0,50, os pagametos de combustível efectuados com o Cartão ACP Master os postos de abastecimeto aderetes da BP. Neste guia icluímos as iformações ecessárias que lhe permitirão utilizar correctamete o seu Cartão ACP Master e, assim, tirar o maior partido de todas as suas vatages. Matê-lo-emos iformado sobre os ovos serviços e evetuais modificações o âmbito do seu uso. Ficamos à sua disposição para lhe prestar qualquer iformação adicioal que cosidere ecessária através da Liha ACP Master (atedimeto persoalizado, 24 horas por dia). Poderá igualmete escrever para o BPI Direcção de Operações Cartão ACP Master, Avª Casal Ribeiro, 59, 6º piso, Lisboa, idicado o úmero do seu cartão ou de cotribuite. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master O Cartão ACP Master é pessoal e itrasmissível e como tal ão pode ser utilizado por terceiros. Ao recebê-lo, certifique-se que o seu ome está correctamete gravado. Se detectar alguma imprecisão, cotacte a Liha Cartões BPI. Assie o verso do seu cartão assim que o receber pelo correio. Depois de assiado, o cartão é cosiderado válido para ser utilizado. Registe em local acessível, mas sempre separado do seu Cartão ACP Master, o úmero e data de validade do cartão, bem como os úmeros a cotactar em caso de perda, furto, roubo ou extravio, especialmete em viagem. Procedimetos de seguraça a seguir Código pessoal secreto O código pessoal secreto (PIN) é ecessário para aceder aos Caixas Automáticos (ATM) idetificados com o símbolo MasterCard e, em algus estabelecimetos, para efectuar o pagameto das suas compras em Termiais de Pagameto Automático (TPA). O PIN é também ecessário para fazer o pagameto de compras através do Multibaco e para aderir ao Serviço MBNet. Caso preteda alterar este código para um úmero escolhido por si, poderá fazê-lo os ATM em Portugal, seleccioado a opção apropriada. O titular do cartão deve ser a úica pessoa a cohecer o respectivo PIN. Assim que o receber pelo correio, memorize-o, destrua o evelope e o respectivo coteúdo e uca o registe um suporte susceptível de se extraviar com o cartão, em o comuique a iguém. 2

3 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão Caso ocorra a perda, furto, roubo ou extravio do seu Cartão ACP Master, deverá: a) Iformar de imediato um dos seguites serviços de atedimeto persoalizado, dispoíveis 24 horas por dia: Liha ACP Master: (Portugal) SIBS: (Portugal) ou (estrageiro) Serviço de Assistêcia Iteracioal MasterCard: (00) (1) (636) Ao utilizar este serviço, deverá idetificar-se, idicado o úmero do seu cartão e respectiva validade e referir que o cartão é emitido pelo BPI. Na sequêcia da sua comuicação telefóica será imediatamete iibida a utilização do cartão. b) Comuicar por escrito ao BPI - Cartão ACP Master, a perda, furto, roubo ou extravio do cartão, jutado cópia da participação feita à autoridade policial, para o seguite edereço: Baco BPI Direcção de Operações Cartão ACP Master Avª Casal Ribeiro, 59, 6º piso, Lisboa Portugal Se etretato ecotrar o seu cartão, ão o utilize pois este já se ecotrará cacelado. Pedimos-lhe que o iutilize, cortado-o com uma tesoura, e que o devolva ao BPI. 4. Ode e como utilizar o cartão Ode utilizar o Cartão ACP Master O seu Cartão ACP Master poderá ser utilizado os estabelecimetos aderetes à rede MasterCard em todo o mudo e em algus Balcões de Bacos ligados à rede MasterCard. Todos os locais ode pode utilizar o seu Cartão ACP Master estão devidamete idetificados, o exterior, com o símbolo MasterCard, semelhate ao que se ecotra o cato superior direito do seu cartão. São movimetados a cota-cartão os pagametos de compras de bes ou serviços em qualquer estabelecimeto, em Portugal ou o estrageiro, ligado à rede MasterCard; os levatametos de umerário (cash-advace) em Portugal e o estrageiro, em qualquer ATM ligado à rede MasterCard; os custos do cartão mecioados o Preçário do BPI. Como efectuar pagametos uma loja da rede MasterCard apresete o cartão após receber a factura; idetifique-se, se tal lhe for requerido; cofira o valor da trasacção o TPA que lhe é etregue; pressioe a tecla verde, digite o PIN e pressioe ovamete a tecla verde; recolha e guarde o seu cartão, bem como a cópia do talão MasterCard. 3

4 Deve coferir o valor do talão MasterCard ates de o assiar e sugerimos que ão destrua a sua cópia do talão até se assegurar que o mesmo foi correctamete debitado a sua cota-cartão. Nuca assie talões MasterCard em braco. Assegure-se que o comerciate só emitiu um talão e que em caso de egao destruiu o que foi de facto icorrectamete emitido. No fim de cada mês, compare os talões acumulados com as iformações cotidas o seu extracto. Se o comerciate telefoar para obter uma autorização de trasacção, ão tome esse comportameto como uma falta de cofiaça, pois este procedimeto é imposto pelas regras de seguraça e limites de compras determiados pela MasterCard aos comerciates. Em caso de mometâea ioperacioalidade das redes de trasmissão de dados, pode efectuar compras mas o seu valor está sujeito a um limite de utilização máximo em Portugal e a um limite de utilização máximo o estrageiro. Para determiação do limite de utilização dispoível, são cosideradas todas as compras efectuadas o dia em Portugal ou efectuadas o dia e os três dias atecedetes o estrageiro. Como levatar umerário os ATM da rede MasterCard Em qualquer ATM da rede MasterCard pode realizar levatametos a crédito (cash-advace), de acordo com o seguite procedimeto: isira o cartão e digite o PIN; seleccioe a opção "LEVANTAMENTOS" ou "OUTRAS OPERAÇÕES", seguida da opção "LEVANTAMENTOS A CRÉDITO", se estiver em Portugal. Se estiver o estrageiro, seleccioe a opção correspodete a "LEVANTAMENTOS"; digite o motate que deseja levatar; recolha e guarde o cartão; cofira e guarde o talão e o diheiro. Por razões de seguraça, o valor máximo de levatametos em ATM é de 400,00 por dia em Portugal (o motate máximo em cada levatameto é de 200,00, limite determiado pela SIBS) e de 250,00 por dia o estrageiro. Em caso de mometâea ioperacioalidade das redes de trasmissão de dados, pode efectuar levatametos mas o seu valor está sujeito a um limite de utilização máxima. Para determiação do limite de utilização dispoível, são cosiderados todos os levatametos efectuados o dia. Os levatametos de umerário (cash-advace) em ATM, em Portugal e o estrageiro, têm os custos idicados o Preçário do BPI. Como levatar umerário uma agêcia bacária com o símbolo MasterCard Nos Bacos cujos Balcões estão idetificados com o símbolo MasterCard, pode proceder a levatametos a crédito (cash-advace). No etato, só em algus Balcões é possível efectuar este tipo de levatameto. Basta apresetar o Cartão ACP Master e um documeto de idetificação (Passaporte, Bilhete de Idetidade ou Cartão de Cidadão) e seguir as istruções que lhe forem dadas. Os levatametos de umerário em agêcia bacária (cash-advace), em Portugal ou o estrageiro, têm os custos idicados o Preçário do BPI. Como aceder aos serviços Multibaco Basta iserir o cartão, digitar o PIN e seleccioar a opção adequada em qualquer ATM, em Portugal, para aceder aos pricipais serviços Multibaco, omeadamete: pagameto de serviços/compras; 4

5 alteração de PIN; adesão ao Serviço MBNet. 5. Como fucioam os descotos e as vatages do Cartão ACP Master Como obter os descotos Sempre que utilizar o cartão o pagameto de combustível os postos BP aderetes, terá um descoto de 4%, até ao valor máximo de abastecimetos de 350/mês. Beeficiará aida da devolução, através de crédito a sua cota-cartão, da comissão de 0,50 os pagametos de combustível os postos aderetes da BP. Adicioalmete, em todas as restates compras realizadas com o Cartão ACP Master, em Portugal e o estrageiro, beeficiará de um descoto de 1%. Os descotos ão se reflectem de imediato o valor das compras, sedo cotabilizados e acumulados a cota-cartão. Quado os descotos acumulados atigirem múltiplos de 5,00, ser-lhe-á(ão) eviado(s), por correio, Vale(s) BP de 5, o motate dos descotos acumulados, para utilização exclusiva os postos aderetes da BP. Poderá cosultar em a lista completa dos postos da BP aderetes. Descotos acumulados O seu extracto mesal cotém toda a iformação sobre os descotos que acumulou o período a que correspode o mesmo e desde a data de adesão ao Cartão ACP Master. Estes descotos só podem ser utilizados sob a forma de Vales BP, ão podedo, em situação alguma, ser utilizados para pagameto total ou parcial do valor em dívida reflectido o extracto mesal da sua cota-cartão. Utilização dos Vales BP Os Vales BP que lhe forem remetidos pelo correio são de utilização exclusiva os pagametos de abastecimeto de combustível (Gasolia s/c 95, Gasóleo, Ultimate Gasolia ou Ultimate Gasóleo, Gasóleo Agrícola e GPL), os postos de abastecimeto aderetes da BP. O motate correspodete ao(s) Vale(s) BP emitido(s), será deduzido ao total de descotos acumulados a sua cota-cartão. Sempre que utilizar um Vale BP para descotar ao valor do abastecimeto de combustível efectuado, deverá apresetar o seu Cartão ACP Master. O Vale BP fucioa como forma de pagameto em umerário, pelo que pode usá-lo para descoto o pagameto de abastecimetos cujo valor seja superior ao dos vales a descotar. Poderão ser descotados mais do que um vale o pagameto do mesmo abastecimeto, até um máximo de 10 vales. O Vale BP é pessoal e itrasmissível e só pode ser utilizado por Clietes, Sócios do ACP, que sejam titulares do Cartão ACP Master, detro do prazo de validade iscrito a frete do vale. Os Vales BP ão são acumuláveis com outras promoções de descoto a decorrer o Posto de abastecimeto BP, o âmbito de parcerias, excepto com o descoto do Cartão de Sócio ACP. O icumprimeto o pagameto do motate em dívida do Cartão ACP Master implica a reteção dos descotos acumulados até que a situação seja regularizada pelo Cliete. 5

6 Validade dos Vales BP Cada Vale BP só pode ser utilizado detro do prazo de validade iscrito a frete do mesmo. O que fazer em caso de perda, furto ou daificação do Vale BP? Nehuma resposabilidade será aceite o caso de perda, furto ou daificação do vale. Cacelameto e/ou ova emissão do Cartão ACP Master Ao cacelar o seu Cartão ACP Master, perderá os descotos acumulados até à data, bem como o direito de descotar os Vales BP que, evetualmete, aida ão teham sido descotados. 6. Serviço MBNet O Serviço MBNet cosiste um sistema iovador e seguro para a realização de todas as compras e pagametos a Iteret, em todo o mudo. Este serviço garate-lhe total seguraça, uma vez que os seus dados pessoais e o úmero do seu cartão deixam de circular livremete a Iteret. Deverá sempre recorrer à utilização do MBNet para efectuar todas as suas compras a Iteret, sob pea de as mesmas ão serem autorizadas. Para mais iformações, cosulte 7. Limite de crédito O Cartão ACP Master proporcioa-lhe uma liha de crédito que pode utilizar em qualquer mometo, até ao valor do limite da cota-cartão que lhe foi comuicado e lhe é mesalmete recordado o respectivo extracto. O limite de crédito da sua cota-cartão foi estabelecido com base as iformações que os foreceu o cotrato de adesão e é válido para o cartão do sócio e/ou para o cartão do côjuge, caso o teha solicitado. Crédito dispoível O crédito dispoível da cota-cartão é a difereça etre o limite de crédito e o motate utilizado. Para saber qual é o seu crédito dispoível, deverá cosultar o extracto mesal e subtrair a esse motate quaisquer pagametos e despesas efectuadas desde a data de emissão do extracto. Poderá também fazer esta cosulta através da Liha ACP Master ou em se for aderete do Serviço Netbakig ACP Master. Alteração do limite de crédito O limite de crédito da sua cota-cartão poderá ser periodicamete revisto pelo Baco, tedo em cosideração o grau de utilização do cartão e o histórico desta mesma utilização. Poderá também solicitar o aumeto temporário do limite de crédito, através da Liha ACP Master ou em se for aderete do Serviço Netbakig ACP Master. Teremos o maior prazer em reavaliar o seu limite de crédito. 6

7 8. Extracto de cota e pagametos Extracto da cota-cartão Mesalmete receberá um extracto com todas as trasacções decorretes da utilização do cartão ou cojuto de cartões, movimetadas a sua cota-cartão o período mesal aterior à data de emissão do extracto. Em cada extracto será idicado, etre outras iformações: total de despesas efectuadas com o cartão ou cojuto de cartões e registadas pelo BPI o período a que se refere o extracto; valor, data e local da despesa por operação (com a idicação da moeda e valor origial das trasacções); juros e outras despesas. Data de pagameto Para sócios com opção de pagameto por débito automático em cota o BPI ou outra istituição bacária, a data de pagameto mesal vem idicada o extracto como "Data de débito". Para sócios com outras opções de pagameto, a data de pagameto mesal vem idicada o extracto como "Data limite de pagameto", sedo regra geral, em ambos os casos, 20 dias após a data de emissão. Assim, o seu Cartão ACP Master permite-lhe pagar as suas compras e demais trasacções movimetadas a sua cota-cartão, etre 20 a 50 dias após as efectuar, sem juros. Opções de pagameto O valor a pagar vem idicado o extracto. Pode também efectuar pagametos adicioais. Se a sua opção de pagameto ão for 100%, a difereça etre o saldo fial idicado o extracto e o valor dos pagametos (mesal e adicioal) vecerá juros calculados para o período de um mês. Os juros são debitados a cota-cartão a data da emissão do extracto seguite. Modos de pagameto Poderá escolher o modo de pagameto mesal das despesas efectuadas com o seu cartão. Os modos de pagameto dispoíveis são: Por débito automático uma Cota de Depósitos à Ordem BPI A sua Cota de Depósitos à Ordem BPI é automaticamete debitada, a data limite de pagameto, pelo valor correspodete ao motate que escolheu ou pelo valor míimo de 10. Por débito automático uma cota de depósitos à ordem de outra istituição bacária, através do Sistema de Débitos Directos Para activar o Sistema de Débitos Directos, dirija-se a qualquer ATM da rede multibaco. Após iserir o cartão de débito correspodete à cota a debitar e marcar o PIN, deverá: seleccioar a opção "DÉBITOS DIRECTOS " e de seguida a opção "NOVA AUTORIZAÇÃO DE DÉBITO DIRECTO"; itroduzir os dados "IDENTIFICAÇÃO DO CREDOR" e "NÚMERO DA AUTORIZAÇÃO" (estes dados estão idicados o seu extracto e a carta em que lhe é comuicada a atribuição do cartão); guardar o talão emitido pelo ATM como comprovativo da autorização de débito directo que acabou de activar. 7

8 Nos pagametos por débito automático em cota, a sua cota de depósitos à ordem é automaticamete debitada, a "Data de débito", pelo valor correspodete ao motate que escolheu (5%, 10%, 25%, 50% ou 100% do saldo fial idicado o seu extracto). Se a sua opção de pagameto ão for 100%, a difereça etre o saldo fial idicado o extracto e o valor dos pagametos (mesal e adicioais) vecerá juros calculados para o período de um mês, à taxa idicada o Preçário do BPI. Os juros são debitados a cota-cartão a data de emissão do extracto seguite. Através da rede Multibaco (ATM) Utilizado o cartão de débito associado à sua cota de depósitos à ordem (ex. Multibaco ou Visa Electro), em qualquer ATM da rede Multibaco. Após iserir o cartão e digitar o PIN, deverá: seleccioar "OUTRAS OPERAÇÕES" e de seguida "PAGAMENTOS DE SERVIÇOS/COMPRAS"; itroduzir a "Etidade" e a "Referêcia" idicadas o seu extracto; itroduzir o "Motate" do pagameto que pretede efectuar desde que este seja igual ou superior ao Míimo a Pagar idicado o seu extracto de cota-cartão; cofirmar e guardar o recibo emitido pelo ATM como comprovativo da realização da trasacção. Os pagametos a rede Multibaco poderão ser efectuados até à data limite idicada o seu extracto. Em qualquer Balcão BPI Deverá dirigir-se a qualquer Balcão BPI até à data limite idicada o seu extracto, fazedo-se acompahar pelo mesmo. Pode pagar qualquer valor, por cheque ou umerário, desde que este seja igual ou superior ao "Míimo a Pagar" idicado o seu extracto de cota-cartão. Pode também realizar pagametos adicioais ao seu pagameto mesal: através da rede Multibaco (ATM), seleccioado a opção "PAGAMENTOS DE SERVIÇOS/COMPRAS"; em qualquer Balcão BPI, através da etrega de cheque ou umerário; em se for aderete do Serviço Netbakig ACP Master. Os pagametos adicioais são idepedetes do débito automático ou das outras formas de pagameto mesal. Alteração da percetagem escolhida para pagameto mesal por débito automático em cota (5%, 10%, 25%, 50% ou 100%) Para alterar a percetagem, basta um simples telefoema para a Liha ACP Master a idicar a ova percetagem ou solicitar a alteração através do site se for aderete do Serviço Netbakig ACP Master. Esta alteração produz efeito a partir do extracto seguite. Exemplo de ciclos de pagameto de um Cartão ACP Master, com pagameto mesal por débito em cota: a) Imagie que a emissão do extracto ocorre, regra geral, o dia 5 de cada mês e que a sua opção de pagameto mesal é de 10% do saldo em dívida. b) Iicia a utilização do seu Cartão ACP Master, efectuado em 10 de Jaeiro uma compra de 100,00 e em 20 de Jaeiro uma compra de 200,00. 8

9 c) No dia 5 de Fevereiro é emitido o extracto da cota-cartão mecioado: o saldo em dívida a 5 de Fevereiro: 300,00; o valor a pagar (10%): 30,00; a data de pagameto (20 dias depois): 25 de Fevereiro. d) No dia 25 de Fevereiro (data de pagameto): é efectuado o pagameto mesal, por débito automático a cota de depósitos à ordem, o valor de 30,00; é apurada a difereça etre o saldo fial em 5 de Fevereiro e o pagameto mesal que será de 270,00 ( 300,00 ( 30,00) = 270,00); são calculados, mas ão debitados, juros o valor de 5,22 ( 270,00 x 23,2% / 12 = 5,22). e) Efectua, etretato, em 26 de Fevereiro uma compra de 50,00 e em 28 de Fevereiro uma compra de 80,00. f) No dia 5 de Março: é calculado o saldo em dívida essa data que será de 400,00 ( 270, , ,00 = 400,00); os juros, ateriormete calculados, são debitados a cota-cartão ( 5,22 acrescidos de 0,21 de Imposto do Selo e 0,19 de Imposto do Selo Sobre Capital); é emitido o extracto da cota-cartão mecioado: o saldo fial em 5 de Março: 405,62 ( 400,00 + 5,22 + 0,21 + 0,19 = 405,62); o valor a pagar: 45,62 (10% x 400,00 + 5,62 = 45,62); a próxima data de pagameto: 25 de Março. Os extractos e movimetos refereciados são meramete exemplificativos. 9. Morada e cotactos importates Baco BPI Direcção de Operações Cartão ACP Master Avª Casal Ribeiro, 59, 6º piso, Lisboa Portugal Em todas as comuicações escritas que faça para o BPI, ão se esqueça de idicar o úmero do seu cartão ou o úmero do seu Bilhete de Idetidade ou Cartão de Cidadão. Sem esta iformação ão poderemos dar seguimeto às suas comuicações. Emergêcias (atedimeto persoalizado, 24 horas por dia): Liha ACP Master: (Portugal) SIBS: (Portugal) ou (estrageiro) Serviço de Assistêcia Iteracioal MasterCard: (00) (1) (636) Serviços ACP Assistêcia em viagem:

10 Assistêcia Médica ACP: Para mais iformações e para saber as localidades abragidas e respectivos horários, ligue das 8h00 às 20h00 ou evie um para Assistêcia Técica o Lar: Para mais iformações, ligue das 8h00 às 20h00 ou evie um para Serviço ACP Noite: Assistêcia Jurídica ACP: Para mais iformações sobre este serviço, ligue , evie um fax para ou um para Atedimeto etre as 9h30 e as 18h00. Para iformações adicioais, ligue Liha de Apoio ao Sócio , dispoível todos os dias úteis, das 8h00 às 20h00. As iformações deste guia são de carácter idicativo e poderão ser alteradas em qualquer mometo. O seu coteúdo ão se substitui às Codições Gerais de Utilização, às Codições Particulares, ao Preçário do BPI ou às Apólices de Seguros e aos demais acordos celebrados pelo BPI com etidades terceiras. Mod (11/2011) 10

GUIA DO UTILIZADOR Cartão BPI Prémio

GUIA DO UTILIZADOR Cartão BPI Prémio GUIA DO UTILIZADOR Cartão BPI Prémio Índ ce 1. O Cartão BPI Prémio... 2 2. Precauções a ter com o seu Cartão BPI Prémio... 2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão... 3 4.

Leia mais

Guia do Utilizador. Cartão BPI Gold Empresas

Guia do Utilizador. Cartão BPI Gold Empresas Guia do Utilizador Cartão BPI Gold Empresas Índice 1. O Cartão BPI Gold Empresas...3 2. Precauções a ter com o seu Cartão BPI Gold Empresas...3 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Guia do Utilizador BCI Negócios

Guia do Utilizador BCI Negócios Guia do Utilizador BCI Negócios Guia do Utilizador BCI Negócios Introdução 5 Formas de utilização 6 Modalidades de pagamento 8 Consultas 8 Formas de pagamento 9 Regras de segurança 10 Introdução Este

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Mauá Prev Regime de tributação do Pao de Aposetadoria Mauá Prev será escohido peos próprios participates A Lei º 11.053, de 29/12/2004, dá aos participates de paos de previdêcia compemetar do tipo cotribuição

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados 30.4.2004 L 143/15 REGULAMENTO (CE) N. o 805/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 que cria o título executivo europeu para créditos ão cotestados O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO

Leia mais

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas

[Type the document subtitle] Análise Técnica Principais conceitos, indicadores e formações gráficas Aálise Técica Coceitos [Type the documet subtitle] Aálise Técica Pricipais coceitos, idicadores e formações gráficas A Aálise Técica (AT) tem por objetivo forecer idicações dos movimetos ou formação de

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

Índice. 1. Tipos de Cartões. 2. Preçário. 3. Ciclo de Pagamento. 4. Limites Transaccionais. 5. Apoio ao Cliente

Índice. 1. Tipos de Cartões. 2. Preçário. 3. Ciclo de Pagamento. 4. Limites Transaccionais. 5. Apoio ao Cliente 1 Índice 1. Tipos de Cartões 2. Preçário 3. Ciclo de Pagamento 4. Limites Transaccionais 5. Apoio ao Cliente 2 TIPOS DE CARTÕES O Banco BNI tem à disposição dos seus clientes três tipos de cartões: Cartões

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

Manual do Usuário PR-100USB

Manual do Usuário PR-100USB Maual do Usuário PR-100USB Versão: 2.2 1 Ídice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. COMPOSIÇÃO BÁSICA DO EQUIPAMENTO... 4 2.1 OPCIONAIS MEDIANTE SOLICITAÇÃO ESPECÍFICA DA NAXOS... 4 3. ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO... 4

Leia mais

5) Verifique a existência de novos pincéis no painel Brushes. Para os usar, basta seleccionar um deles e aplicar sobre a sua imagem:

5) Verifique a existência de novos pincéis no painel Brushes. Para os usar, basta seleccionar um deles e aplicar sobre a sua imagem: 76 Ph o t o s h o p cs4 - Cu r s o Co m p l e t o 5.1.1 Predefiições de picéis e ferrametas É possível gravar um cojuto de opções de picel como uma predefiição para aceder rapidamete às características

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL

Conceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas financeiras Uso da calculadora HP-12C Uso da planilha EXCEL CURSO BÁSICO DE MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA (Idicado para as Áreas: Ecoomia, Admiistração, Cotabilidade, Matemática e Preparação para Cocursos) Coceitos Básicos Aplicações Uso de tabelas fiaceiras

Leia mais

Índice. 1. Tipos de Cartões. 2. Preçário. 3. Ciclo de Pagamento. 4. Limites Transaccionais. 5. Apoio ao Cliente

Índice. 1. Tipos de Cartões. 2. Preçário. 3. Ciclo de Pagamento. 4. Limites Transaccionais. 5. Apoio ao Cliente 1 Índice 1. Tipos de Cartões 2. Preçário 3. Ciclo de Pagamento 4. Limites Transaccionais 5. Apoio ao Cliente 2 TIPOS DE CARTÕES O Banco BNI tem à disposição dos seus clientes três tipos de cartões: Cartões

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Descontos Profa. Patricia Maria Bortolon Elemetos de Aálise Fiaceira Descotos Aplicações de Juros Simples Descotos Valor Nomial = valor de resgate = valor de um título o seu vecimeto Ao liquidar um título ates do vecimeto há uma recompesa pelo

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

Cartão Millennium bcp Free Empresas Nov.2011

Cartão Millennium bcp Free Empresas Nov.2011 Empresas Nov.2011 ÍNDICE 1. Características Pág. 3 2. Versões Existentes Pág. 4 3. Operações Disponíveis Pág. 5 4. Plafonds Pág. 5 5. Extractos Pág. 6 6. Modalidades de Carregamento Pág. 7 7. Vantagens

Leia mais

Endereço. Dados. Mem Read Mem select

Endereço. Dados. Mem Read Mem select Parte IV Sistea de Meória Os sisteas de coputação utiliza vários tipos de dispositivos para arazeaeto de dados e de istruções. Os dispositivos de arazeaeto cosiste e eória pricipal e eória secudária. A

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

ATRIBUTO REPRESENTAÇÃO

ATRIBUTO REPRESENTAÇÃO ATRIBUTO Dado que é associado a cada ocorrêcia de uma etidade ou de um relacioameto (característica, qualidade). REPRESENTAÇÃO EMPREGADO ATUAÇÃO fução tipo data código ome ENTIDADE RELACIONAMENTO Tipos:

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

1.1 Comecemos por determinar a distribuição de representantes por aplicação do método de Hondt:

1.1 Comecemos por determinar a distribuição de representantes por aplicação do método de Hondt: Proposta de Resolução do Exame de Matemática Aplicada às Ciêcias Sociais Cód. 835-2ª 1ª Fase 2014 1.1 Comecemos por determiar a distribuição de represetates por aplicação do método de Hodt: Divisores PARTIDOS

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Seguro Automóvel Empresas

Seguro Automóvel Empresas Seguro Automóvel Empresas PROPOSTA DE SEGURO DATA E HORA DE ENTRADA A ACEITAÇÃO DO SEGURO AQUI PROPOSTO SÓ PODE SER CONSIDERADA DESDE QUE TODOS OS CAMPOS DA PROPOSTA SEJAM RESPONDIDOS NA ÍNTEGRA. TRATANDO-SE

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 2012. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO.

SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 2012. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 0 Muitas vezes

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

DSL-500G Roteador ADSL Manual do Usuário DSL-500G Roteador ADSL Manual do Usuário (Novembro de 2002) i

DSL-500G Roteador ADSL Manual do Usuário DSL-500G Roteador ADSL Manual do Usuário (Novembro de 2002) i DSL-500G Roteador ADSL Maual do Usuário (Novembro de 2002) i Garatia Limitada Hardware: A D-LINK GARANTE QUE SEUS PRODUTOS DE HARDWARE ESTÃO LIVRES DE DEFEITOS DE FABRICAÇÃO E MATÉRIA- PRIMA, SOB CONDIÇÕES

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1

JURO E MONTANTE. Material de Matemática Financeira Prof. Mário Roberto 1 Material de Matemática Fiaceira Prof. Mário Roberto 1 JURO E MONTANTE JURO É o custo do crédito ou a remueração do capital aplicado. Isto é, o juro é o pagameto pelo uso do poder aquisitivo por um determiado

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

GUIA DO UTILIZADOR. Caixa Totta GOLD O MUNDO NA SUA MÃO

GUIA DO UTILIZADOR. Caixa Totta GOLD O MUNDO NA SUA MÃO GUIA DO UTILIZADOR Caixa Totta GOLD O MUNDO NA SUA MÃO 01. Introdução 02. Operações que pode realizar 03. Como regularizar a dívida do seu cartão 04. A segurança do seu Caixa Totta Gold 05. Serviços de

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09

CURSO ONLINE DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA & ESTATÍSTICA AULA 09 1 AULA 09 Olá, amigos! Chegamos hoje ao osso peúltimo simulado! Com mais esta aula, completaremos 8 (ceto e oito) questões resolvidas e miuciosamete aalisadas (54 de cada matéria). Teho a impressão de

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais