Rock In Rio - Lisboa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rock In Rio - Lisboa"

Transcrição

1 Curso de Engenharia Informática Industrial Rock In Rio - Lisboa Elaborado por: Ano Lectivo: 2004/05 Tiago Costa N.º 4917 Turma: C Gustavo Graça Patrício N.º 4757 Turma: C Docente: Professora Maria Estalagem Disciplina: Programação Orientada a Objectos Data de Entrega: Setúbal, 06 de Janeiro de 2005 Página 1 de 34

2 Índice 1. Introdução 1.1. Organização Objectivo do manual técnico Apresentação Geral do Sistema Modelação 3.1 Considerações Gerais Primeira versão 07 1) Workflow Requisitos Descrição dos Actores Identificação dos Casos de Utilização por Actor Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Bilhetes Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Entidades 10 Histórico dos Casos de Utilização 2) Workflow Análise Pacotes Diagrama de Classes de Análise Diagrama de Objectos 3) Workflow Desenho Diagrama de Classes de Desenho Diagrama de Estados Diagrama de Actividades Diagrama de Sequência 4) Workflow Implementação 3.3 Segunda versão 21 1) Workflow Requisitos Descrição dos Actores Identificação dos Casos de Utilização por Actor Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Bilhetes Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Entidades Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Reservas Histórico dos Casos de Utilização 2) Workflow Análise Pacotes Diagrama de Classes de Análise Diagrama de Objectos 3) Workflow Desenho Diagrama de Classes de Desenho Diagrama de Estados Diagrama de Actividades Diagrama de Sequência 4) Workflow Implementação 34 Página 2 de 34

3 1.1. Organização do Documento 1. Introdução Este documento é constituído por duas fases, cada uma delas correspondente a uma fase da Metodologia de Desenvolvimento de Software UP (Unified Process). Utilizando uma aproximação Iterativa e Incremental são produzidas duas Iterações correspondentes as duas primeiras fases no ciclo de vida do software em desenvolvimento. A 1ª Iteração diz respeito a fase de Concepção e a 2ª a fase de Elaboração, sendo apresentado para cada uma os respectivos workflows de Requisitos, Análise, Desenho e Implementação, bem como os artefactos correspondentes. De cada Iteração resulta uma versão do sistema Objectivo do Documento Pretende-se com este Manual apresentar uma solução para o sistema de informação em questão, nomeadamente, a gestão de bilhetes para um evento como o Rock In Rio Lisboa (RRL). Para tal foi utilizado a linguagem de modelação visual UML (Unified Modelling Language) que é uma linguagem que utiliza a Metodologia UP para especificar, construir, visualizar e documentar sistemas de informação orientados por objectos, tentando com isto responder a todos requisitos do sistema. Página 3 de 34

4 2. Apresentação Geral do Sistema Este Manual Técnico tem como objectivo apresentar uma solução para a informatização do Sistema para a gestão de bilhetes para o evento Rock In Rio Lisboa (RRL). Este Sistema tem como base uma série de requisitos que nos foram apresentados: Cada bilhete é adquirido por uma determinada pessoa e será utilizado pela mesma ou outra pessoa. Cada bilhete permite ao utilizador entrar no recinto do evento numa determinada data. Para cada pessoa é necessário guardar a sua nacionalidade, o número do documento de identificação e o tipo desse documento. Para atrair o maior número de participantes o RRL disponibiliza três tipos de bilhetes: Bilhete VIP que permite acesso à Tenda VIP (bar e restaurante de acesso restrito aos portadores deste tipo de bilhete), acesso ao parque de estacionamento, etc.; Bilhete Normal; Bilhete Cartão Jovem para os aderentes ao cartão jovem. Por razões de segurança, cada bilhete tem um número único de série e identifica a pessoa que o adquiriu, assim como a pessoa que o vai utilizar. A mesma pessoa não pode utilizar dois bilhetes distintos na mesma data. Cada pessoa apenas pode adquirir, no máximo, seis bilhetes para cada data. Para evitar falsificações, cada bilhete é vendido por uma determinada entidade. Essa entidade tem um número de contribuinte (NIF) e um nome comercial. Cada bilhete contém a identificação da entidade que o vendeu, e existe uma lista das entidades autorizadas para vender bilhetes. De forma a tornar a venda mais flexível, é permitido que uma entidade venda bilhetes em excesso a outra entidade desde que faça parte das entidades autorizadas. Nesse caso, é preciso armazenar a entidade que vendeu e a entidade que comprou o bilhete para revenda. Essa entidade pode, se quiser, vender novamente o bilhete a outra entidade. E assim por diante. Requisito Adicional: É possível reservar bilhetes assim como cancelar a reserva de bilhete. A reserva cancela automaticamente se até 3 dias antes do evento os bilhetes não forem levantados. Página 4 de 34

5 3. Modelação do Sistema 3.1. Introdução e Considerações Gerais Neste manual iram ser desenvolvidas duas versões, uma correspondente a fase de Concepção e a outra a fase de Elaboração. Partindo do Caso de Utilização Geral, abaixo representado, são desenvolvidos os workflows de Requisitos, Análise, Desenho e Implementação, para cada versão, bem como os artefactos correspondentes, nomeadamente, o Diagrama de Casos de Utilização (Use Cases), o Diagrama de Classes de Análise, o Diagrama de Objectos, o Diagrama de Classes de Desenho, o Diagrama de Estados, o Diagrama de Actividade, o Diagrama de Sequência e o Diagrama de Componentes. Na 1ª Versão são alvo de desenvolvimento os Casos de Utilização Gestão Bilhetes e Gestão Entidades. Na 2ª Versão, é desenvolvido o Caso de Utilização Gestão de Reservas. Página 5 de 34

6 Diagrama de Casos de Utilização Geral Página 6 de 34

7 3.2. 1ª Versão 1) Workflow de requisitos Descrição dos actores: Autor Cliente Funcionário Descrição do Papel Comprador que interage com o Funcionário fazendo o pedido de Aquisição de Bilhetes. Utilizador do Sistema. É responsável pelo atendimento do Cliente. Entidade Empresa possuidora de um determinado Bilhete. Identificação dos Casos de Utilização por actor: Autor Descrição do Papel Cliente Venda Bilhetes Funcionário Venda Bilhetes Aquisição Bilhetes entre Entidades Consulta Vendas Entidade Aquisição Bilhetes entre Entidades Página 7 de 34

8 Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Bilhetes: Gestão Bilhetes VIP Cartão Jovem Normal Venda Bilhetes «uses» Consulta Entidades Autorizadas Cliente «uses» «uses» Controlo Acesso «uses» Registo Venda Efectuada «uses» «uses» Aquiaição Bilhetes entre Entidades Funcionario «extends» Consulta vendas Cliente Entidade Consultas Vendas «extends» Consulta Vendas Entre Entidades Página 8 de 34

9 Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Entidades: Gestão Entidades Consulta Entidades Autorizadas Adicionar Entidade Autorizada Funcionario «uses» Eliminar Entidade Autorizada Entidade «uses» Controlo Acesso Página 9 de 34

10 Histórico do Caso de Utilização Gestão Bilhetes - Venda Bilhetes: Sistema: Rock In Rio Lisboa Observações Versão Data Elaboração / Alteração / Verificação / Aprovação 1ª Versão /12/04 Gustavo Patrício Nº4757 Fase Concepção 2ª Versão /01/05 Tiago Costa Nº4917 Fase Elaboração 1. Descrição Geral 1.1 Designação: Gestão Bilhetes - Venda Bilhetes 1.2 Objectivo: Este caso de utilização visa a descrição do processo de Venda de Bilhetes. Consideram-se no caso de utilização a venda de bilhetes de vários tipos ao cliente através de variadas entidades de venda, nomeadamente, Bilhete Jovem, Bilhete Normal e Bilhete VIP. 1.3 Autor(es): Gustavo Patrício Nº4757 Tiago Costa Nº Pré-condições: O acesso do funcionário de atendimento ao sistema tem que ter sido devidamente validado. A Entidade tem de pertencer a lista de entidades registadas para venda de bilhetes. 1.5 Pós-condições: O Bilhete é vendido ao cliente e os seus dados são introduzidos com sucesso no sistema. O Sistema é actualizado. 1.6 Restrições / O bilhete só é vendido se existirem bilhetes disponíveis e se o utilizador possuir Problemas / Riscos: todos os dados para a compra do bilhete. 1.7 Evento(s) Percursor(es): 1.8 Actor(es) Primário(s): Cliente 1.9 Actor(es) Secundário(s): O evento ser realizado, as datas marcadas e existir uma lista de entidades autorizada de venda de bilhetes. Funcionário, Entidade 2. Designação dos Cenários 2.1 Cenário Principal: Um Cliente faz a requisição de um ou mais bilhetes para uma certa data, de qualquer um dos tipos (VIP, Normal, Jovem) recebendo o bilhete na altura da 2.2 Cenários Alternativos: requisição. Um Cliente faz a requisição de um ou mais bilhetes para várias datas, de qualquer um dos tipos (VIP, Normal, Jovem) recebendo o bilhete na altura da requisição. 2.3 Excepções: Um Cliente tenta requisitar um ou mais bilhetes para uma certa data e não existem bilhetes disponíveis. Um Cliente tenta requisitar um bilhete mas não possui todos os documentos ou informação necessária para a compra do mesmo. Página 10 de 34

11 3. Detalhe dos Cenários 3.1 Designação do Cenário: Um Cliente faz a requisição de um bilhete levando o bilhete na respectiva altura em que o compra. 3.2 Evento(s) Percursor(es): Um Cliente apresenta todos os documentos necessários para a compra do bilhete para o dito espectáculo. 3.3 Passos Principais: Actor Sistema 1. O Cliente requisita um bilhete ao O sistema recebe a informação para saber funcionário para a compra do se existe bilhete para a determinada data. mesmo. 2. O funcionário escolhe qual a entidade de venda que está a representar. 3. O Cliente fornece todos os dados necessários para a compra do ingresso. O sistema assimila qual a entidade vendedora, mostrando ao utilizador o ID da mesma e o seu nome. O sistema guarda na base de dados os dados do cliente que comprou o bilhete. Caso o utilizador já tenha adquirido mais de 6 bilhetes para a mesma data, o sistema avisa que não poderão ser adquiridos mais bilhetes pelo mesmo cliente. Após verificações e inserção de dados, emite o bilhete. 3.5 Extensões: 3.6 Regras de Negócio: Só será realizado a venda do bilhete ao cliente, mediante a apresentação dos documentos necessários e se o comprador ainda não tiver adquirido mais de 6 bilhetes para uma determinada data. 3.7 Restrições / Problemas / Riscos: Requisitos funcionais satisfeitos: Pendentes: Emissão do Bilhete. 5. Diversos Fonte e/ou documentos relacionados: As Bases de Dados Cliente, Bilhetes Vendidos e Entidades. Observações: Página 11 de 34

12 Histórico do Caso de Utilização Gestão Bilhetes Aquisição de Bilhetes Entre Entidades: Sistema: Rock In Rio Lisboa Observações Versão Data Elaboração / Alteração / Verificação / Aprovação 1ª Versão /12/2004 Gustavo Patrício Nº4757 Fase Concepção 2ª Versão /01/2005 Tiago Costa Nº4917 Fase Elaboração 1. Descrição Geral 1.1 Designação: Gestão de Bilhetes Aquisição de Bilhetes Entre Entidades 1.2 Objectivo: Este caso de utilização visa a descrição do processo de aquisição de Bilhetes entre Entidades. Consideram-se englobados neste caso de utilização a aquisição de qualquer tipo de bilhetes pela Entidade Compradora, nomeadamente, Bilhete Normal, Bilhete Jovem e Bilhete VIP. 1.3 Autor(es): Gustavo Patrício Nº4757 Tiago Costa Nº Pré-condições: O acesso do funcionário de atendimento ao sistema tem que ter sido devidamente validado. As entidades envolvidas tem de pertencer a lista de entidades registadas para venda de bilhetes. 1.5 Pós-condições: Os bilhetes vendidos pela entidade vendedora há entidade compradora ficam disponíveis para esta os poder vender de novo, seja a clientes ou a outras entidades. 1.6 Restrições / Problemas / Riscos: 1.7 Evento(s) Percursor(es): A aquisição de bilhetes entre as entidades só é realizada a entidade vendedora possuir bilhetes disponíveis para venda. Ambas as entidades necessitam de pertencer a lista de entidades autorizadas para venda de bilhetes. O evento ser realizado, as datas do mesmo marcadas e existir uma lista de entidades autorizada de venda de bilhetes. 1.8 Actor(es) Primário(s): Entidade Vendedora e Entidade Compradora. 1.9 Actor(es) Secundário(s): Funcionário 2. Designação dos Cenários 2.1 Cenário Principal: 1) A entidade Vendedora vende um ou mais bilhetes de qualquer um dos tipos (VIP, Normal, Jovem) a uma outra entidade, entidade Compradora. 2.2 Cenários Alternativos: 2.3 Excepções A entidade Vendedora tenta vender uma dada quantidade de bilhetes a uma outra entidade, entidade Compradora, mas a entidade vendedora não possui essa dada quantidade para venda Página 12 de 34

13 3.1 Designação do Cenário: 3. Detalhe dos Cenários A entidade Vendedora vende um ou mais bilhetes de qualquer um dos tipos (VIP, Normal, Jovem) a uma outra entidade, entidade Compradora. 3.2 Evento(s) Percursor(es): 3.3 Passos Principais: Actor Sistema 1. O funcionário inicia a aplicação ligando-se ao sistema com o seu username e password. 2. O funcionário selecciona a opção pretendida e insere os dados da entidade vendedora e da entidade compradora assim como a quantidade de bilhetes a ser vendida. 3. O funcionário confirma a aquisição. O sistema recebe o username e a password e verifica se o funcionário tem acesso ao sistema. O sistema verifica se ambas as entidades pertencem a lista de entidades autorizadas e ainda se a entidade vendedora possui a quantidade de bilhetes especificada. O sistema regista a aquisição. 3.5 Extensões: 3.6 Regras de Negócio: A aquisição de bilhetes entre entidades só se poderá realizar se ambas as entidades envolvidas pertencerem a lista de entidades autorizadas. 3.7 Restrições / Problemas / Riscos: 5. Diversos Requisitos funcionais satisfeitos: Pendentes: Fonte e/ou documentos relacionados: As Bases de Dados Entidades. Observações: Página 13 de 34

14 2) Workflow de Analise Diagrama de Classes de Análise: O diagrama de Classes de Análise seguinte mostra as relações entre as diversas classes existentes, mas de uma forma incompleta. As classes apenas têm um nome e os atributos mais relevantes. Página 14 de 34

15 Diagrama de Objectos: O diagrama de objectos seguinte ilustra a aquisição de bilhetes por parte de um Cliente. Página 15 de 34

16 3) Workflow de Desenho Diagrama de Classes de Desenho: Página 16 de 34

17 Diagrama de Estados: O diagrama de estados seguinte ilustra os diversos estados nos quais um bilhete se pode encontrar, nesta primeira versão do sistema. [Pedido] Requesitado [Entrada no sistema] Disponivel [Não] [Sim] Comprado Página 17 de 34

18 Diagrama de Actividades: O diagrama de actividades seguinte ilustra a aquisição de bilhetes por parte de um Cliente, nesta primeira versão do sistema. Página 18 de 34

19 Diagrama de Sequência: O diagrama de sequência que se segue ilustra a aquisição de bilhetes por parte de um Cliente, nesta primeira versão do sistema. Página 19 de 34

20 4) Workflow de Implementação Utilizando a linguagem de programação JAVA para construção do software (sistema), foi-nos possível desenvolver uma 1ª Versão da implementação do sistema de gestão de bilhetes para o evento Rock In Rio Lisboa. Utilizando com base os diagramas realizados nesta 1ª Iteração, nos workflows de Requisitos, Análise e Desenho, foram criados os aspectos mais gerais e importantes do programa, designadamente, a Gestão de Bilhetes e a Gestão de Entidades, resultando dai uma 1ª Versão/Protótipo do software. Página 20 de 34

21 3.3. 2ª Versão 1) Workflow de requisitos Descrição dos actores: Autor Tempo Cliente Funcionário Entidade Descrição do Papel Responsável pelo cancelamento automático de reservas. Comprador que interage com o Funcionário fazendo o pedido de Aquisição de Bilhetes, Reserva de Bilhetes, etc. Utilizador do Sistema. É responsável pelo atendimento do Cliente, Entidades, sendo responsável pela gestão e registo do sistema. Empresa possuidora de um determinado número de Bilhetes. Identificação dos casos de utilização por actor: Autor Descrição do Papel Tempo Consulta Reservas Cancelar Reservas Automática Cliente Venda Bilhetes Reservar Bilhete Cancelar Reserva Funcionário Venda Bilhetes Aquisição Bilhetes entre Entidades Consulta Vendas Consulta de Entidades Autorizadas Adicionar Entidade Autorizada Eliminar Entidade Autorizada Entidade Aquisição Bilhetes entre Entidades Página 21 de 34

22 Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Bilhetes: Gestão Bilhetes VIP Cartão Jovem Normal Venda Bilhetes «uses» Consulta Entidades Autorizadas Cliente «uses» «uses» Controlo Acesso «uses» Registo Venda Efectuada «uses» «uses» Aquiaição Bilhetes entre Entidades Funcionario «extends» Consulta vendas Cliente Entidade Consultas Vendas «extends» Consulta Vendas Entre Entidades Página 22 de 34

23 Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Entidades: Gestão Entidades Consulta Entidades Autorizadas Adicionar Entidade Autorizada Funcionario «uses» Eliminar Entidade Autorizada Entidade «uses» Controlo Acesso Página 23 de 34

24 Diagrama de Casos de Utilização de Gestão Reservas: Página 24 de 34

25 Sistema: Rock In Rio Lisboa Histórico do Caso de Utilização Gestão de Reservas: Versão Data Elaboração / Alteração / Observações Verificação / Aprovação 1ª Versão /12/2004 Gustavo Patrício Nº4757 Fase Concepção 2ª Versão /01/2005 Tiago Costa Nº4917 Fase Elaboração 1. Descrição Geral 1.1 Designação: Gestão de Reservas 1.2 Objectivo: Este caso de utilização visa a descrição do processo de requisição de Bilhetes. Consideram-se englobados neste caso de utilização a requisição de qualquer tipo de bilhetes ao cliente, nomeadamente, Bilhete Normal, Bilhete Jovem e Bilhete VIP. 1.3 Autor(es): Gustavo Patrício Nº4757 Tiago Costa Nº Pré-condições: O acesso do funcionário de atendimento ao sistema tem que ter sido devidamente validado. A entidade tem de pertencer a lista de entidades registadas pelo 1.5 Pós-condições: O bilhete é reservado e é efetuado o registo da reserva. O bilhete é levantado posteriormente pelo cliente 3 dias antes da data do evento. 1.6 Restrições / Problemas / Riscos: 1.7 Evento(s) Percursor(es): A reserva só é efetuada se existirem bilhetes. O bilhete tem de ser levantado 3 dias antes da data do evento. O evento ser realizado, as datas do mesmo marcadas e existir uma lista de entidades autorizada de venda de bilhetes. 1.8 Actor(es) Primário(s): 1.9 Actor(es) Secundário(s): Cliente. Funcionário, Tempo. 2. Designação dos Cenários 2.1 Cenário Principal: 1) Um cliente faz a reserva de um ou mais bilhetes, para uma certa data, de qualquer um dos tipos (VIP, Normal, Jovem). O bilhete é levantado posteriormente com o respectivo documento de identificação. 2.2 Cenários Alternativos: 2) Um cliente faz a reserva de um ou mais bilhetes, para varias datas, de qualquer um dos tipos (VIP, Normal, Jovem). Os bilhetes são levantados posteriormente com o respectivo documento de identificação. 3) Um cliente faz o cancelamento de uma ou mais reservas, ficando os bilhetes de novo disponíveis. 4) O Sistema faz o cancelamento de uma dada reserva de bilhetes caso não tenha sido levantada 3 dias antes da data do mesmo. 2.3 Excepções: Um Cliente tenta reservar um ou mais bilhetes para uma certa data mas não existem bilhetes disponíveis. Um Cliente tenta reservar um bilhete mas não possui todos os documentos ou informação necessária para a reserva do mesmo. Página 25 de 34

26 O cliente não levantou o bilhete no prazo estabelecido. 3.1 Designação do Cenário: 3. Detalhe dos Cenários Um cliente faz a reserva de um ou mais bilhetes, para uma certa data, de qualquer um dos tipos (VIP, Normal, Jovem). O bilhete é levantado posteriormente com o respectivo documento de identificação. 3.2 Evento(s) Percursor(es): O Cliente apresenta os documentos necessários para efectuar a reserva dos bilhetes. 3.3 Passos Principais: Actor Sistema 1. O funcionário inicia a aplicação ligandose O sistema recebe o username e a ao sistema com o seu username e password e verifica se o funcionário password tem acesso ao sistema. 3.5 Extensões: 3.6 Regras de Negócio: 3.7 Restrições / Problemas / Riscos: 2. O funcionário selecciona a opção pretendida e, através do teclado, selecciona a data e a entidade pretendida pelo Cliente. 3. O funcionário insere os dados do Cliente e o numero de bilhetes pretendido. O sistema verifica a existência de bilhetes para essa data e se a entidade é valida. O sistema verifica se o Cliente pode ou não efetuar mais alguma reserva para essa data. 4. O funcionário confirma a reserva. O sistema regista a reserva. É emitido um comprovativo da reserva. Só deverá ser aceite o pedido de reserva caso o Cliente apresente ao funcionário toda a documentação necessária. 3.1 Designação do Cenário: Um cliente faz a reserva de um ou mais bilhetes, para varias datas, de qualquer um dos tipos (VIP, Normal, Jovem). Os bilhetes são levantados posteriormente com o respectivo documento de identificação. 3.2 Evento(s) Percursor(es): O Cliente apresenta os documentos necessários para efectuar a reserva dos bilhetes. 3.3 Passos Principais: Actor Sistema 1. O funcionário inicia a aplicação ligandose O sistema recebe o username e a ao sistema com o seu username e password e verifica se o funcionário password tem acesso ao sistema. 3.5 Extensões: 3.6 Regras de Negócio: 3.7 Restrições / Problemas / Riscos: 2. O funcionário selecciona a opção pretendida e, através do teclado, selecciona a data e a entidade pretendida pelo Cliente. 3. O funcionário insere os dados do Cliente e o numero de bilhetes pretendido. 4. O funcionário confirma as reservas. 5. O funcionário, caso o Cliente pretenda nova reserva, repete os passos e 4. O sistema verifica a existência de bilhetes para essa data e se a entidade é valida. O sistema verifica se o Cliente pode ou não efetuar mais alguma reserva para essa data. O sistema regista as reservas. É emitido um comprovativo da reserva. Só deverá ser aceite os pedidos de reservas caso o Cliente apresente ao funcionário toda a documentação necessária. Página 26 de 34

27 3.1 Designação do Cenário: Um cliente faz o cancelamento de uma ou mais reservas, ficando os bilhetes de novo disponíveis. 3.2 Evento(s) O Cliente apresenta o documento com que efetuo a reserva dos bilhetes. Percursor(es): 3.3 Passos Principais: Actor Sistema 1. O funcionário inicia a aplicação ligandose ao sistema com o seu username e password. tem acesso ao sistema. 2. O funcionário selecciona a opção pretendida e, através do teclado, introduz os dados do cliente. 3. O funcionário confirma o cancelamento da reserva. O sistema recebe o username e a password e verifica se o funcionário O sistema verifica se o Cliente tem ou não alguma reserva efetuada. O sistema actualiza os registos, eliminando essa reserva. 3.5 Extensões: 3.6 Regras de Negócio: 3.7 Restrições / Problemas / Riscos: Só deverá ser aceite os pedidos de cancelamento de reservas caso o Cliente apresente ao funcionário o documento com que efectuo a reserva. 3. Detalhe dos Cenários 3.1 Designação do Cenário: O Sistema faz o cancelamento de uma dada reserva de bilhetes caso não tenha sido levantada 3 dias antes da data do evento do mesmo. 3.2 Evento(s) O sistema consulta as reservas efetuadas. Percursor(es): 3.3 Passos Principais: Actor Sistema 1. Chegado a 3 dias antes do data do Se uma dada reserva não tiver sido evento. levantada, o sistema encarrega-se de a anular, ficando os bilhetes reservados de novo disponíveis. 3.5 Extensões: 3.6 Regras de Negócio: 3.7 Restrições / Problemas / Riscos: Requisitos funcionais satisfeitos: O sistema só poderá anular uma dada reserva de bilhetes 3 dias antes do data do evento do mesmo. 5. Diversos Emissão do comprovativo da reserva. Pendentes: Fonte e/ou documentos relacionados: Observações: As Bases de Dados Clientes, Bilhetes Reservados e Entidades. Página 27 de 34

28 2) Workflow de Análise Diagrama de Classes de Análise: Nesta segunda versão do sistema, o diagrama de Classes de Análise não se altera visto que não foram introduzidas novas classes no sistema. Página 28 de 34

29 Diagrama de Objectos: O diagrama de objectos seguinte ilustra a reserva de bilhetes por parte de um Cliente. Página 29 de 34

30 3) Workflow de Desenho Diagrama de Classes de Desenho: Página 30 de 34

31 Diagrama de Estados: O diagrama de estados seguinte ilustra os diversos estados nos quais um bilhetes se pode encontrar, nesta segunda versão do sistema. [Pedido] Requesitado [Entrada no sistema] Disponivel [Não] [Sim] Reservado Comprado [+ 3 dias antes] [3 dias antes] Anulado Página 31 de 34

32 Diagrama de Actividades: O diagrama de actividades seguinte ilustra a aquisição e a reserva de bilhetes por parte de um Cliente, nesta segunda versão do sistema. Página 32 de 34

33 Diagrama de Sequencia: O diagrama de sequência que se segue ilustra a reserva de bilhetes por parte de um Cliente, nesta segunda versão do sistema. Cliente <create> VendaBilhete Entidades bilhetesadquiridos bilhetesreservados dadoscliente() getquantidadebilhetes() [bilhetesdisponiveis = false] confirmadados() getbilhetesadquiridos() getbilhetesreservados() [O Cliente já possui 6 bilhetes para a data em questão] registareservabilhete() X X X <destroy> X X Página 33 de 34

34 4) Workflow de Implementação Nesta fase de implementação foi continuada e concluída a construção do software iniciada na 1ª Versão. Com base em novos diagramas desenvolvidos nesta 2ª Iteração foram desenvolvidos outros aspectos apresentados nos requisitos do programa, designadamente, a Gestão de Reservas (Requisito Adicional). Foi ainda desenvolvida a parte visual do sistema, ou seja, a interface gráfica. Para auxiliar desenvolvido do software foi criado um diagrama de componentes geral. Diagrama de Componentes Geral: Página 34 de 34

II. Elementos a Apresentar

II. Elementos a Apresentar Projecto da Disciplina de Programação Orientada Por Objectos 2004/2005 Programação Orientada por Objectos (Cursos: EII EIG EEC) Projecto 2004/2005 I. Considerações Gerais Pretende-se com este projecto

Leia mais

Neste momento a gestão dos automóveis, de grupos de automóveis e de manutenção não são consideradas relevantes para serem suportadas pelo sistema.

Neste momento a gestão dos automóveis, de grupos de automóveis e de manutenção não são consideradas relevantes para serem suportadas pelo sistema. Caso 1 Rent-a-car 1 Enunciado Pretende-se desenvolver um software de suporte a diversas actividades duma empresa de aluguer de automóveis. Este software deve permitir registar contratos de aluguer, entregas

Leia mais

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Grupo 2 Carla Alexandra Marques Gregório, nº51840 Nuno Filipe Cruzeiro de Almeida, nº51822 Rogério Araújo Costa, nº51831 1 Introdução No âmbito da disciplina

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023 DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 David Barbosa 47076 Ricardo Boas 47023 Rui Fonseca 47081 Vítor Martins 47121 GRUPO 10 2009/2010 1 Índice 1. Introdução... 2 1.1 Visão Geral do Problema... 2

Leia mais

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Casos de Uso Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 O que é? Uma técnica para capturar requisitos funcionais Descreve o sistema sob a perspectiva

Leia mais

1. Contratos de aluguer automóvel

1. Contratos de aluguer automóvel 1. Contratos de aluguer automóvel Pretende-se desenvolver um Sistema Informático para apoio à gestão de Contratos de Aluguer automóvel de Longa-duração (SICAL) que permita efectuar, cancelar e modificar

Leia mais

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Integração Empresarial Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Luís Costa - 8050120 Abril, 2012 1. Introdução Este documento apresenta detalhadamente o processo de negócio de uma

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática 3ºAno Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/2010 GereComSaber Sistema de

Leia mais

IF-718 Análise e Projeto de Sistemas

IF-718 Análise e Projeto de Sistemas Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Especificação de Requisitos do Software Sistema de Gerenciamento de Restaurantes IF-718 Análise e Projeto de Sistemas Equipe: Jacinto Filipe -

Leia mais

Casos de Uso - definições

Casos de Uso - definições Casos de Uso - definições Um caso de uso é uma descrição narrativa de uma seqüência de eventos que ocorre quando um ator (agente externo) usa um sistema para realizar uma tarefa [Jacobson 92] Um caso de

Leia mais

Universidade do Minho. Licenciatura em Engenharia Informática. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Gere Com Saber

Universidade do Minho. Licenciatura em Engenharia Informática. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Gere Com Saber Universidade do Minho Gere Com Saber Grupo 3: 430 José Carvalho 4377 Pedro Ribeiro 4394 Tiago Airosa 49333 Bernardino Fernandes 4936 Luís Carvalho Índice ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS 5 INTRODUÇÃO 7. MODELO

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Análise OO. Análise. Antónia Lopes Desenvolvimento C. Objectos 09/10. Antónia Lopes

Análise OO. Análise. Antónia Lopes Desenvolvimento C. Objectos 09/10. Antónia Lopes Análise OO 36 Análise Análise é a investigação do problema Análise de Requisitos é o termo que designa a investigação das necessidades e condições que o sistema, e o projecto em geral, têm de satisfazer.

Leia mais

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento Desenvolvimento Iterativo Esta abordagem ao desenvolvimento assegura que o sistema cresce de forma incremental assegura que a complexidade se mantém controlada permite ainda obter rápido feedback de várias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

Desenvolvimento de Sistema de Software

Desenvolvimento de Sistema de Software Desenvolvimento de Sistema de Software Grupo 5 Abel Matos 51776 João Amorim 51771 João Guedes 51755 Luís Oliveira 51801 Pedro Reis 51829 Introdução Neste relatório, realizado no âmbito da primeira fase

Leia mais

exercícios - cap. 4 4. Construa uma máquina de estados que ilustre os requisitos de uma máquina multibanco (levantamento de dinheiro)

exercícios - cap. 4 4. Construa uma máquina de estados que ilustre os requisitos de uma máquina multibanco (levantamento de dinheiro) 1. Equipa de desenvolvimento, clientes e utilizadores trabalham em conjunto para especificar os requisitos de um sistema. Se o sistema depois de concluído falhar, causando prejuizo físico ou financeiro,

Leia mais

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes I Classes... 2 II Relações... 3 II. Associações... 3 II.2 Generalização... 9 III Exemplos de Modelos... III. Tabelas de IRS... III.2 Exames...3 III.3

Leia mais

Simulador de Pagamento

Simulador de Pagamento Simulador de Pagamento Versão: VS01 Data: 10/03/13 Identificador do documento: Wytor, Náthilla, Pedro Náthilla 1 Histo rico de reviso es Versão Data Autor Descrição Localização VS01 05/006/2013 Wytor Náthilla

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Histórico Diversas metodologias e métodos surgiram para apoiar OO. Evolução a partir de linguagens C++ e SmallTalk. Anos 80 Anos 80-90: diversidade de autores.

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática

Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Trabalho Prático Fase 1 Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Grupo 15 Cláudio Manuel Rigueiro

Leia mais

PONTO DE CONTATO ELETRÓNICO COM OS TRIBUNAIS ARBITRAIS

PONTO DE CONTATO ELETRÓNICO COM OS TRIBUNAIS ARBITRAIS PONTO DE CONTATO ELETRÓNICO COM OS TRIBUNAIS ARBITRAIS MANUAL DE UTILIZADOR INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. Parque de Saúde de Lisboa - Avenida do Brasil, 53 1749-004

Leia mais

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema.

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema. Definindo o Escopo: Modelo de Caso de Uso Agradei-me, particularmente, da possibilidade de que Joshua estivesse tão preso ao seu modo clássico de pensar que me permitisse realizar o incrível feito de chegar

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2014/2015 Enunciado da Primeira Parte do Projecto 1. Primeira Parte do Projecto ES Este enunciado descreve o trabalho a realizar

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO

ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO CASO DE USO: INCLUIR CLIENTE Sumário: este caso de uso se inicia quando o usuário precisa incluir um cliente no sistema. Atores: Atendente Pré-condições: Documentação do

Leia mais

Figura 1 Diagrama de Casos de Uso do Sistema de Venda

Figura 1 Diagrama de Casos de Uso do Sistema de Venda Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIO 01 SOBRE DIAGRAMA DE SEQUENCIA Exercício 1: construa um

Leia mais

BILHETEIRA ONLINE Acordos Comerciais. Dezembro 2014

BILHETEIRA ONLINE Acordos Comerciais. Dezembro 2014 BILHETEIRA ONLINE Acordos Comerciais Dezembro 2014 1. Condições Online Na bilheteira Online estão disponíveis bilhetes para os serviços Alfa Pendular e Intercidades. Os bilhetes podem ser adquiridos nos

Leia mais

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Unified Process Sueleni Mendez Batista Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Processo de Desenvolvimento de Software 8O processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades e resultados

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes UML: Unified Modeling Language Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Unified Modelling Language (UML) Não é uma linguagem de programação. Linguagem de modelagem visual utilizada para especificar,

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Serviço Carta-Cheque. Adesão e Utilização no portal http://corp.millenniumbcp.pt

Serviço Carta-Cheque. Adesão e Utilização no portal http://corp.millenniumbcp.pt Serviço Carta-Cheque Adesão e Utilização no portal http://corp.millenniumbcp.pt Serviço Carta-Cheque A A adesão ao Serviço A adesão ao Serviço de Carta Cheque em 1. Aceder a Pagamentos / Carta Cheque 2.

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase Universidade do Minho Departamento de Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase Luana Georgia Lopes Telha nº 49379 Luís

Leia mais

Unified Software Development Process

Unified Software Development Process 59/170 Unified Software Development Process Sumário Breve história do Unified Process O Unified Process O ciclo de vida do Unified Process O RUP (Rational Unified Process) 60/170 Breve História do Unified

Leia mais

http://rangersteam.blogspot.com

http://rangersteam.blogspot.com 0 http://rangersteam.blogspot.com 13-12-2006 Especificações do Sistema e Definições do Produto 1.0 INTRODUÇÃO Este produto destina-se a dar apoio a pedagogos e professores no processo de avaliação dos

Leia mais

Portal Web de Apoio às Filiadas

Portal Web de Apoio às Filiadas Portal Web de Apoio às Filiadas Manual de Utilizador Externo Titularidade: FCMP Data: 2014-02-03 Versão: 1 1 1. Introdução 3 2. Descrição das Funcionalidades 4 2.1. Entrada no sistema e credenciação de

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Segunda Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Segunda Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2013/2014 Enunciado da Segunda Parte do Projecto 1. Segunda Parte do Projecto ES A segunda parte do projecto consiste na realização

Leia mais

A BDAP Passo a Passo. www.bdap.min-financas.pt

A BDAP Passo a Passo. www.bdap.min-financas.pt A BDAP Passo a Passo www.bdap.min-financas.pt Versão 1 BDAP passo a passo A BDAP Base de Dados dos Recursos Humanos da Administração Pública - é um repositório de informação sobre os Recursos Humanos da

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2013/2014 Enunciado da Quarta Parte do Projecto 1. Introdução Nesta parte final do projecto de ES e SD pretende-se: Estender a solução

Leia mais

Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC

Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC Direccionado para as escolas www.estagiostic.gov.pt Índice 1. Objectivo da Plataforma... 2 2. Acesso restrito... 2 3. Perfis... 2 3.1. O administrador...

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase Paulo Rui Lopes Pereira da Silva nº 47049 Luana Georgia Lopes Telha nº 49379 Luis Miguel Ferreira Rosa nº 51784 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

LNDnet. Lançamento de notas pelos docentes. Portal académico

LNDnet. Lançamento de notas pelos docentes. Portal académico LNDnet Lançamento de notas pelos docentes Portal académico A base para elaboração do presente manual foi o manual da Digitalis (SIGES.11.0.0 Manual de Utilizador) ao no qual foram registada as adaptações

Leia mais

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2010.1/es1

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2010.1/es1 Casos de Uso Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2010.1/es1 O que é? Uma técnica para capturar requisitos funcionais Descreve o sistema sob a perspectiva

Leia mais

Manual de Utilizador

Manual de Utilizador Mestrado em Engenharia Informática e Computação Need2Explore - Porto City 29 de Dezembro de 2012 LABORATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Autores: Bruno FERNANDES - 080509042 - ei08042@fe.up.pt Eduardo

Leia mais

Programação Visual 04/05 - EstMedia. Manual do Utilizador. Realizado por Gustavo Patrício nº 4757 António Espingardeiro nº 4328

Programação Visual 04/05 - EstMedia. Manual do Utilizador. Realizado por Gustavo Patrício nº 4757 António Espingardeiro nº 4328 Programação Visual 04/05 - EstMedia Manual do Utilizador Realizado por Gustavo Patrício nº 4757 António Espingardeiro nº 4328 1 Índice Introdução.. 1 Levantamento de Requisitos... 2 Diagrama de Classes....

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO À APLICAÇÃO

DOCUMENTO DE APOIO À APLICAÇÃO DOCUMENTO DE APOIO À APLICAÇÃO CHEQUE PRINT Versão 1.0 de 01-01-2010 Um produto da empresa World Solutions Unip. Lda. Telefone +351 22 9720375 E-Mail: INTRODUÇÃO Este documento tem como finalidade servir

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.2.0 24 ABRIL DE 2012. Com o objetivo de unificar a versão todos os módulos do GIAE são atualizados para a versão 2.2.0.

GIAE VERSÃO 2.2.0 24 ABRIL DE 2012. Com o objetivo de unificar a versão todos os módulos do GIAE são atualizados para a versão 2.2.0. GIAE VERSÃO 2.2.0 24 ABRIL DE 2012 Com o objetivo de unificar a versão todos os módulos do GIAE são atualizados para a versão 2.2.0. Muito Importante: Antes de efetuar qualquer procedimento de instalação,

Leia mais

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS.011-2011 Serviço de Registo de Requisições de MCDT Interface para recepção de requisições electrónicas ICS DESCRITORES Sistema de recepção de requisições de meios complementares

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas de Software

Desenvolvimento de Sistemas de Software Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 João Fernandes, João Gonçalves, José Pereira,

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010

Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010 Segundo Exame 16 de Julho de 2010, 9:00H 11:30H (Versão A) Nome:

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 Alfresco é uma marca registada da Alfresco Software Inc. 1 / 42 Índice de conteúdos Alfresco Visão geral...4 O que é e o que permite...4 Página Inicial do Alfresco...5

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

1- edição actualizada e aumentada. Mauro Nunes / Henrique O'Neill

1- edição actualizada e aumentada. Mauro Nunes / Henrique O'Neill Curso Completo Os livros desta colecção e das linguagens de programação abordam, de uma maneira simples e objectiva, praticamentfl todas as capacidades dos programas tratados. As inúmeras ilustrações e

Leia mais

Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento

Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento AUTOR: DGITA DATA: 2007-02-22 VERSÃO: 1.0 Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento Sistema de Impostos Especiais sobre o Consumo

Leia mais

http://www.di.uminho.pt

http://www.di.uminho.pt Escola de Engenharia Departamento de Informática Desenvolvimento de Sistemas de Informação LESI 4º ano / 2º semestre (5308O7) LMCC 4º ano / 2º semestre (7008N8 Opção II) 2005/2006 José Creissac Campos

Leia mais

Manual do Nero ControlCenter

Manual do Nero ControlCenter Manual do Nero ControlCenter Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ControlCenter e todo o seu conteúdo estão protegidos pelos direitos de autor e são propriedade da Nero

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Memória Descritiva ISPGAYA Seminário. 1 Memória Descritiva. 1.1 Introdução 2007-05-26 1(9) Livro de ponto automático e controlo de assiduidade

Memória Descritiva ISPGAYA Seminário. 1 Memória Descritiva. 1.1 Introdução 2007-05-26 1(9) Livro de ponto automático e controlo de assiduidade Memória Descritiva ISPGAYA Seminário Grupo: Orientador: Data: : ajm & vcm 2007-05-26 1(9) Projecto: Livro de ponto automático e controlo de assiduidade 1 Memória Descritiva 1.1 Introdução Pretende-se o

Leia mais

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador VM Card Manuais do Utilizador Referência das Definições Web das Funções Avançadas 1 Introdução 2 Ecrãs 3 Definição de Arranque 4 Informações de Função Avançada 5 Instalar 6 Desinstalar 7 Ferramentas do

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores Trabalhos Práticos Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores 1. Objectivos 2. Calendarização 3. Normas 3.1 Relatório 3.2 Avaliação 4. Propostas Na disciplina de Programação

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

Manual de Utilizador. //Internet Banking. BNI Online. www.bni.ao

Manual de Utilizador. //Internet Banking. BNI Online. www.bni.ao ÍNDICE Introdução Informações Gerais Acesso ao Serviço Fazer Login Documentos Electrónicos Posição Integrada Agenda Vencimentos Contas à Ordem Transferências Personalizar Financiamentos Moeda Estrangeira

Leia mais

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009 Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos Alunos: Professor: Disciplina:

Leia mais

Nome COMPLETO: Nº: Leia atentamente as notas que se seguem. Só depois deve iniciar o exame.

Nome COMPLETO: Nº: Leia atentamente as notas que se seguem. Só depois deve iniciar o exame. Departamento de Informática FCT/UNL Métodos de Desenvolvimento de Software Época Normal, 28 de Junho de 2011 Nome COMPLETO: Nº: Leia atentamente as notas que se seguem. Só depois deve iniciar o exame.

Leia mais

Engenharia de Software Folha 1 - UML - Casos de Uso/Utilização DI-UBI

Engenharia de Software Folha 1 - UML - Casos de Uso/Utilização DI-UBI 1. Considere o diagrama de casos de uso/utilização para um controlo remoto de TV, o qual garante que inclui todas as funções do controlo remoto como casos de uso/utilização do seu modelo. 2. Descreva textualmente

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Sistema de Informação de Saúde Oral Manual de Utilização 1.0 11/06/2010 Engenharia de Software 2º Semestre 2009/2010 Grupo: 2 Membros: NUNO MESTRE 31140 DIOGO FIGUEIRAL 35979 HUGO FONSECA 36146 JOÃO LUÍS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

Gestão de bases de dados e listas

Gestão de bases de dados e listas Gestão de bases de dados e listas Uma das tarefas mais comuns em que são utilizadas folhas de cálculo é a gestão de listas (listas de números de telefone, listas de clientes, listas de tarefas, listas

Leia mais

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales INDÍCE O que é?... 3 Como se configura?... 3 ARTSOFT... 3 ANDROID... 3 Login... 4 Home... 5 Funcionalidades... 6 Sincronização... 6 Contas... 7 Consultas... 7 Resumos...

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor

Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor Sistema de Gerenciamento de Loja - SIGEL Documento de Visão Versão 1.0.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 13/01/2011 0.1 Versão preliminar do levantamento de requisitos funcionais e não

Leia mais

Diagramas de Casos de Uso

Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Casos de Uso Não diga pouco em muitas palavras, mas sim, muito em poucas. Pitágoras Casos de uso O modelo de casos de uso modela os requisitos funcionais do sistema. É uma técnica de modelagem

Leia mais

METRAGEST. Apresentação do Software SAÚDE, HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

METRAGEST. Apresentação do Software SAÚDE, HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO METRAGEST Apresentação do Software SAÚDE, HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Junho de 2010 0 O Software MeTraGest foi desenvolvido para colmatar as necessidades operacionais nas áreas da Medicina do Trabalho

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional Modelagem de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Especificação de Cenários! Um modelo funcional! Mostra como os valores são processados, sem preocupações com:! ordenamento (seqüência) das ações;! as

Leia mais