O poço de potencial infinito

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O poço de potencial infinito"

Transcrição

1 O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor 0 para a/ < x < a/. objetivos obter as fuções de oda e as eergias de partículas cofiadas em um poço ifiito; idetificar a paridade dos estados ligados; mostrar que, quato maior for o úmero de odos das fuções de oda correspodetes a estados ligados, maior será o valor da eergia da partícula, como o caso do poço fiito. Pré-requisito Para melhor compreesão desta aula, é importate que você revise o caso E < V o da Aula 13 desta disciplia.

2 Itrodução à Mecâica Quâtica O poço de potecial ifiito SOLUÇÃO DO POÇO DE POTENCIAL INFINITO O poço ifiito correspode a um caso limite do poço fiito, estudado a última aula, em que a altura do poço tede a um valor ifiito. Seu perfil de potecial está mostrado a Figura V(x) a/ a/ 0 x Figura 14.1: O poço de potecial ifiito com largura a. Matematicamete, podemos defiir um poço ifiito de largura a da seguite forma: V( x) = +, x < / V( x) = 0, a / < x < a / V( x) = +, x > a /. (14.1) Como vemos, o perfil de potecial é bem semelhate ao do poço fiito visto a Aula 13, só que agora o valor de V 0 é tão grade que pode ser cosiderado ifiito. Em muitos sistemas físicos, esta é uma aproximação bastate boa e, como veremos, bastate útil, pois o poço ifiito tem soluções muito mais simples que o poço fiito. As soluções do poço ifiito são cofiadas o iterior do mesmo, já que seria ecessária uma eergia ifiita para ecotrar a partícula fora do poço. Portato, precisamos cosiderar apeas a equação de Schrödiger a região massa m, tem a forma: a < x < a, que, para uma partícula de h d ψ( x) = Eψ ( x), a / < x < a /. (14.) m dx 46 C E D E R J

3 outra forma: Como já vimos diversas vezes, a solução geral desta equação é ψ ( x) = Ae ikx + Be ikx. No etato, desta vez vamos escrevê-la de uma AULA 14 MÓDULO ψ ( x) = Acos kx + Bsekx, a / < x < a / (14.3) com k = me / h. É claro que as duas formas são equivaletes, mas a Expressão (14.3) irá simplificar ossos cálculos o caso do poço ifiito. No caso das regiões exteras, como já argumetamos, o potecial é ifiito, e portato a probabilidade de ecotrarmos a partícula fora do poço é ecessariamete ula. A fução de oda terá, portato, de ser ula a região extera: ψ ( x) = 0, x < / ψ ( x) = 0, x > a /. (14.4) A cotiuidade da fução de oda impõe que ψ(a/) = ψ(-a/) = 0. Vamos ver a seguir que esta codição de froteira ou de cotoro os leva diretamete à QUANTIZAÇÃO da eergia. Mas, ates, otamos que, este caso, a derivada da fução de oda, dψ(x)/dx, ão pode também ser ula estes potos extremos (x = ± a/), já que, se esse fosse o caso, etão a fução de oda ψ(x) = 0 para todo valor de x. A QUANTIZAÇÃO de eergia ocorre quado os íveis de eergia de um sistema quâtico são discretos. Para justificar que se ψ(x) e dψ(x)/dx são ulas para o mesmo valor de x, etão ψ(x) = 0 para todo x, vamos recordar a aalogia da equação de Schrödiger (14.) com a equação de movimeto do oscilador harmôico simples: m d x. Lembre-se de que são equações difereciais idêticas, basta dt = kx fazer a correspodêcia ψ x e x t (a meor das costates, é claro). Assim, o caso em que ψ(x) = 0 e dψ(x)/dx = 0 para o mesmo valor de x iria correspoder, o caso do oscilador harmôico, a x = 0 e dx/dt = 0 em um certo istate de tempo, ou seja, a partícula estaria a origem (portato, sem sofrer ação de força) e com velocidade ula. Portato, uca sairia da origem, ou seja, x = 0 para todo t. Apesar de x = 0 para todo t ser uma solução possível para o oscilador harmôico, ψ(x) = 0 para todo x ão é uma solução válida da equação de Schrödiger. C E D E R J 47

4 Itrodução à Mecâica Quâtica O poço de potecial ifiito Portato, vemos aqui uma difereça com relação ao que acotece o caso do poço fiito: a derivada da fução de oda é descotíua em x = ± a/. Você pode estar itrigado pelo fato de isso ser possível. Afial, os vários problemas que resolvemos até agora, sempre impusemos a cotiuidade da derivada. Na verdade, como dissemos claramete a Aula 4, são permitidas descotiuidades a derivada da fução de oda, dψ(x)/dx, apeas os potos em que o potecial apreseta descotiuidades ifiitas. ATIVIDADE 1. Mostre, a partir da equação de Schrödiger, que são permitidas descotiuidades a derivada da fução de oda apeas os potos em que o potecial apreseta descotiuidades ifiitas. Para isso, itegre a equação de Schrödiger com um potecial V(x) etre os potos x 0 -δ e x 0 +δ, em que x 0 é o poto em que ocorre a descotiuidade do potecial e δ é ifiitesimal. RESPOSTA COMENTADA Itegramos ambos os lados da equação de Schrödiger etre os limites sugeridos: h d ψ + V( x) ψ ( x) = Eψ ( x) m dx x + δ h d ψ + m dx dx V ( x ) ψ ( x ) d x = E ψ ( x) dx x0 δ h dψ m dx dψ dx x + δ x0 δ x0 + δ x0 δ x + δ x0 δ x0 + δ x0 + δ = E ψ ( x ) dx V ( x ) ψ ( x ) dx x0 δ x0 δ A última equação é uma expressão para a descotiuidade da derivada dψ. Repare que há dois termos do lado direito da equação. dx O primeiro termo deve ser ulo o limite δ 0, já que a fução de oda tem de ser fi ita. Assim, para que haja uma descotiuidade a derivada, o segudo termo ão pode se aular. A úica maeira de satisfazer esta codição é através de um potecial ifi ito. 48 C E D E R J

5 Determiamos as costates A e B da Equação (14.3) aplicado as codições de froteira ψ(a/) = ψ( a/) = 0. Temos assim: Acos( ka / ) + Bse( ka / ) = 0, (14.5) A cos( ka / ) Bse( ka / ) = 0, AULA 14 MÓDULO ode utilizamos o fato que cos( x) = cos(x), e se( x) = se(x). Somado e substraido essas relações, chegamos em Acos( ka / ) = 0, Bse( ka / ) = 0. (14.6) Como as costates A e B ão podem ser simultaeamete ulas, já que isto levaria ovamete a ψ(x) = 0 para todo valor de x, as soluções possíveis para a Equação (14.6) são: B = 0, cos( ka / ) = 0, A = 0, se( ka / ) = 0. (14.7) No primeiro caso, as soluções serão da forma ψ(x) = Acos(kx), ode k deve satisfazer cos(ka/) = 0. Por causa desta codição, os valores possíveis de k são aqueles para os quais ka é um múltiplo impar de π, k = π, a = 1, 3, 5,... (14.8) As fuções de oda associadas a cada valor de k, ψ (x) = A cos(k x), podem ser ormalizadas: a / / ψ ( x) dx = 1; A cos ( πx / a) dx = 1, a / / (14.9) de ode obtemos A = (/a) 1/, idepedete de. A forma geral dessas soluções será, portato, ψ ( x) = π cos a a x, = 1, 3, 5,... (14.10) Da mesma maeira, podemos ecotrar a seguda classe de soluções da Equação (14.7), que correspodem a A = 0 e se(ka/) = 0. O resultado é: ψ ( x ) = a x, =, 4, 6 a se π,... (14.11) C E D E R J 49

6 Itrodução à Mecâica Quâtica O poço de potecial ifiito Nesse caso, a solução com = 0 ão é possível, já que levaria a ψ(x) = 0 para todo valor de x. Também é ecessário esclarecer que ão é ecessário cosiderar valores egativos de, já que levam às mesmas soluções do que os positivos, como é possível verificar. Cosiderado os dois tipos de soluções, observamos que os valores de k = me / h estão quatizados, já que eles são dados por k = π, O úmero iteiro é um exemplo de úmero a = 1,, 3,... quâtico, pois ele idetifica, como uma etiqueta, as diferetes soluções do problema. Observamos que os comprimetos de oda de de Broglie π a correspodetes têm os valores λ = =, = 1,, 3,..., ou seja, k que as fuções de oda possíveis são apeas aquelas para as quais temos um úmero iteiro ou semi-iteiro de comprimetos de oda de de Broglie detro do itervalo [ a/, a/]. Em cotraste com o caso clássico, em que uma partícula pode se mover detro do poço com qualquer valor da eergia, vemos que o problema quâtico a eergia está quatizada, tedo apeas os seguites valores possíveis: E h k h π = =, = 1,, 3,... m ma (14.1) Os íveis de eergia do poço ifiito estão mostrados a Figura 14.. Vemos que o espectro de eergias cosiste em um úmero ifiito de íveis discretos de eergia. Veja também que as eergias dos estados aumetam em forma quadrática com o valor de. Note que, como existe apeas uma fução de oda para uma dada eergia, esses íveis de eergia são chamados ão-degeerados. Veremos, em outras aulas, que em sempre é assim. Em algumas situações, dois ou mais estados quâticos podem ter a mesma eergia. Quado isso acotece, o ível de eergia correspodete é chamado degeerado. V(x) = 3 E 3 = 9E 1 Figura 14.: Os três primeiros íveis de eergia do poço de potecial ifiito. 50 C E D E R J = = 1 E 1 a/ a/ 0 E = 4E 1 x

7 As fuções de oda correspodetes aos três estados de eergia mais baixa do poço ifiito estão mostradas a Figura Veja também, a partir das Equações (14.10) e (14.11), que a -ésima fução de oda, ψ (x), tem (-1) odos a região itera (sem cotar os extremos x = ± a/). Desta forma, assim como o caso do poço fiito, perceba que quato maior for úmero de odos da fução de oda, maior será a eergia da partícula. Você também pode verificar que as fuções de oda ψ (x) e ψ m (x) associadas a eergias diferetes, E e E m, são ortogoais, ou seja, a / ψ * =. (14.13) ( x) ψ m( x) dx 0, m / AULA 14 MÓDULO = 1 = = Figura 14.3: As fuções de oda do poço quadrado ifiito o caso a = 100, para = 1,,3. C E D E R J 51

8 Itrodução à Mecâica Quâtica O poço de potecial ifiito ATIVIDADE. Verifique a Equação (14.13). RESPOSTA COMENTADA Vamos substituir as Expressões (14.10) e (14.11) a Equação (14.13) para verifi car sua validade. Há três casos a cosiderar: as duas fuções de oda ψ (x) e ψ m (x) podem ser do tipo (14.10), as duas podem ser do tipo (14.11) ou, fi almete, podemos ter uma de cada tipo. No primeiro caso, a itegral da Equação (14.13) tora-se: a a / / π x mπ x cos cos dx. a a Fazedo a substituição θ = πx, temos: a π / cos θ cos mθ dθ π π / ( ) ( ) Você pode verifi car em uma tabela de itegrais que essa itegral é ula para m. Possivelmete você já viu esse resultado ates, quado estudou séries de Fourier. Aalogamete, os outros dois casos vão resultar as itegrais π / π π / ( ) ( ) se θ se mθ dθ e π π / se θ cos mθ dθ, π / ( ) ( ) que também são ulas pelos mesmos motivos. Dizer que duas fuções de oda são ortogoais é, de certa forma, tomar emprestado uma expressão que você cohece melhor do seu curso de Álgebra Liear. Naquele caso, dizia-se que dois vetores são ortogoais quado o produto escalar etre eles é zero. O uso dessa expressão para fuções de oda os remete à equivalêcia etre o formalismo de Schrödiger (baseado em fuções de oda) e o formalismo de Heiseberg (baseado a álgebra de vetores e matrizes). Discutimos brevemete esse poto a Aula 6. A Equação (14.13) correspode precisamete, o formalismo de Heiseberg, ao produto escalar etre dois vetores (que represetam os dois estados quâticos) ser ulo. 5 C E D E R J

9 ENERGIA DE PONTO ZERO E O PRINCÍPIO DA INCERTEZA Note que ão existe um estado com eergia zero. O estado de meor eergia é o E = h π cujo valor é chamado de eergia de 1 ma, poto zero do poço ifiito, e será visto em outros exemplos as próximas aulas. Perceba que isso está em cotraste com a Mecâica Clássica, segudo a qual seria possível que uma partícula estivesse parada detro do poço e, portato, com eergia zero. De certa forma, a Mecâica Quâtica impede que a partícula esteja parada. Isso pode ser visto como uma coseqüêcia do Pricípio de Icerteza, já que, como a icerteza a posição é da ordem de x = a, ão é possível ter o valor do mometo com icerteza ula, como seria o caso se a eergia fosse 0. AULA 14 MÓDULO ATIVIDADE 3. Usado o Pricípio da Icerteza, obteha um limite míimo para a eergia do estado fudametal do poço ifiito e verifique se o valor que calculamos obedece a esse limite. RESPOSTA COMENTADA Como a partícula está cofi ada detro do poço, sua icerteza a posição tem de ser meor que a largura do poço, ou seja, x a. Assim, usado o Pricípio da Icerteza, podemos obter um valor máximo para a icerteza o mometo: x p h p h a. Portato, podemos obter um valor míimo da eergia permitido pelo Pricípio da Icerteza: E calculamos, E 1 = h π ma p h m 8ma ( ) =. O valor que é certamete maior que esse limite. C E D E R J 53

10 Itrodução à Mecâica Quâtica O poço de potecial ifiito PARIDADE DA FUNÇÃO DE ONDA Verificamos, assim como acoteceu o caso do poço fiito, que as soluções que ecotramos são pares ou ímpares. As fuções descritas pela Equação (14.10) satisfazem ψ (-x) = ψ m (x) e são, portato, fuções pares de x, equato as descritas pela Equação (14.11) satisfazem ψ (-x) = -ψ m (x) e são, portato, fuções ímpares de x. Pode ser mostrado que essa divisão das autofuções ψ (x) em autofuções de paridade defiida (par para o primeiro grupo, ímpar para o segudo) é uma coseqüêcia direta do fato de o potecial ser simétrico em toro de x = 0, ou seja, V(-x) =V(x). As fuções de oda pares terão um úmero par de odos, e as ímpares, um úmero ímpar de odos. Como coseqüêcia disso, quado ordeamos as fuções de oda de forma crescete em relação à sua eergia, as fuções de oda vão ser, alteradamete, pares e ímpares, com o estado fudametal sedo sempre uma fução par. Como vimos esta aula, os resultados para o poço de potecial ifiito cocordam com esse resultado, e se revirmos a aula aterior, veremos que também é esse o caso para o poço de potecial fiito. Na próxima aula, veremos o oscilador harmôico, em que também é verificada esta propriedade geral das fuções de oda em poteciais simétricos. O fato de as autofuções da equação de Schrödiger o caso V(-x) = V(x) poderem sempre ser escolhidas como sedo pares ou ímpares simplifica algus cálculos. Em particular, é suficiete obter as autofuções para valores positivos de x, e sabemos que as autofuções ímpares são ulas a origem, e as pares têm derivada ula para x = 0. Com isto vamos coseguir uma maior eficiêcia o estudo dos próximos sistemas quâticos. 54 C E D E R J

11 ATIVIDADES FINAIS 1. Cosidere uma partícula de massa m em um poço ifiito de largura a. AULA 14 MÓDULO a. Supodo que a partícula esteja o estado fudametal, calcule a desidade de probabilidade como fução de x. Faça um esboço do seu resultado. b. Qual a probabilidade de ecotrar a partícula a metade direita da caixa, ou seja, etre 0 e a/? c. Qual a probabilidade de ecotrá-la a metade cetral da caixa, etre a/4 e a/4? d. Repita os ites a, b e c, supodo agora que a partícula esteja o primeiro estado excitado. RESPOSTA COMENTADA a. No estado fudametal, a fução de oda é dada por πx ψ 1 ( x) = cos a a detro do poço. Assim, a desidade de probabilidade detro do poço é πx p1( x) = ψ 1( x) = cos a a Fora do poço, a desidade de probabilidade é zero, pois ψ(x) = 0. O esboço da desidade de probabilidade está mostrado a seguir: p 1 (x) a/ a/ x C E D E R J 55

12 Itrodução à Mecâica Quâtica O poço de potecial ifiito b. A probabilidade de ecotrar a partícula a metade direita da caixa é: a πx P a a a dx 1 πx [ 0, ] = cos = cos 1 dx a a + 1 =. 0 Poderíamos ter atecipado esse resultado pela simetria do problema, ou seja, a partícula tem igual probabilidade de estar a metade esquerda ou a metade direita. a 0 c. A probabilidade de ecotrarmos a partícula a metade cetral da caixa é: a 4 π x 1 πx P[ a a ] = dx = d a a a a + 4, 4 cos cos 1 x = 4 4 a 4 1 a π x a + a a a = se 8%. π π 4 Ou seja, há uma probabilidade maior de ecotrarmos a partícula a região cetral do que próximo às bordas da caixa. a 4 d. No caso de a partícula estar o primeiro estado excitado, a fução de π x oda é dada por ψ ( x) = se detro do poço. Assim, a a π x a desidade de probabilidade detro do poço é p( x) = ψ ( x) = se a a. Fora do poço, a desidade de probabilidade é ovamete zero, pois ψ(x) = 0. O esboço da desidade de probabilidade está mostrado a seguir: p (x) a/ a/ x A probabilidade de ecotrarmos a partícula a metade direita da caixa agora é: a π x 1 4π x 1 P[ 0, a ] = se dx = 1 cos dx a a a a =. 0 Novamete, poderíamos ter obtido este resultado por simetria. a 0 56 C E D E R J

13 A probabilidade de ecotrarmos a partícula a metade cetral da caixa é: a 4 π x 1 4π x P[ a 4, a 4] = se dx = a a a 1 cos a dx = 4 a 4 1 a a 4π x a 4 a a = 1 se. π 4 a 4 4 AULA 14 MÓDULO Desta vez, há igual probabilidade de ecotrarmos a partícula a região cetral e as regiões laterais da caixa.. Cosidere 8 elétros detro de um poço ifiito de largura a. Supoha que a iteração etre os elétros é fraca, de modo que eles setem apeas o potecial do poço, como se estivessem isolados us dos outros. O Pricípio de Exclusão de Pauli permite apeas que elétros ocupem cada ível, cada um com uma orietação de spi. a. Preechedo cada ível de eergia com elétros, obteha a eergia itera total do sistema de 8 elétros. b. Supoha agora que um agete extero dimiui o tamaho da caixa, comprimido-a de uma largura de a para a - a. Qual a variação da eergia itera do sistema de 8 elétros, o limite a << a? c. Qual o trabalho que o agete extero teve de realizar? RESPOSTA COMENTADA a. Se temos um total de 8 elétros, os 4 íveis de eergia mais baixos estão ocupados com dois elétros cada. Assim a eergia total do sistema será: E = E + T E + E + E = ( ma ) h π = 30h π ma b. Se dimiuimos o tamaho da caixa para a - a, a ova eergia 30h π itera será E T =. No limite a << a, obtemos m( a a) E 30h π 30h π = ( ) 30h π ( + a a ) T 1 ma 1 a a ma 1 a a ma ( ) A variação da eergia itera é a difereça etre eergia fial e a eergia a iicial: E = E E. Notamos etão que a eergia T T = 60 h π 3 ma itera do sistema aumeta. C E D E R J 57

14 Itrodução à Mecâica Quâtica O poço de potecial ifiito b. Pela coservação da eergia, o trabalho realizado pelo agete extero é igual à variação de eergia itera do sistema. Portato, W = E = 60h π 3 Se fizermos uma aalogia etre esse problema e o problema de um gás ideal em um recipiete fechado, que estudamos em Física B, chegamos à coclusão de que o sistema de elétros parece estar exercedo pressão sobre as paredes do recipiete. Isto é itrigate, já que apredemos em Termodiâmica que a pressão em um gás surge da trasferêcia de mometo que ocorre as colisões das moléculas do gás e as paredes do recipiete que o cotém, e será tato maior quato maior for a velocidade média das moléculas do gás. Por sua vez, a velocidade média das moléculas do gás é proporcioal à temperatura do mesmo. Assim, em um gás ideal clássico a pressão vai a zero quado a temperatura vai a zero. No etato, o caso quâtico, os elétros exercem pressão sobre as paredes da caixa também o caso em que a temperatura é ula! O surgimeto desta pressão é mais um efeito puramete quâtico. a, ou seja, o trabalho é positivo. ma R E S U M O O poço de potecial ifiito apreseta estados ligados que, assim como o poço fiito, também podem ser pares ou ímpares. As fuções de oda apresetam um úmero de odos que, como o caso do poço fiito, aumeta com a eergia da partícula. INFORMAÇÃO SOBRE A PRÓXIMA AULA Na próxima aula, vamos resolver um dos problemas mais importates da Mecâica Quâtica: o oscilador harmôico. 58 C E D E R J

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Exercícios A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico estudado as Aulas a 5 deste módulo à resolução de um cojuto de exercícios. objetivo Esperamos que, após o térmio desta aula, você teha cosolidado

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ =

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ = RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ QUÍMICA BÁSICAB ESTRUTURA ATÔMICA II PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DAQBI Prof. Luiz Alberto RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ λ comprimeto de oda Uidade: metro

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau U L 9 Meta da aula plicar o formalismo quântico ao caso de uma partícula quântica que incide sobre o degrau de potencial, definido na ula 8. Vamos

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1)

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1) a Supoha que um ioiô parte do repouso e desce até uma altura (deslocameto vertical) h, medida desde o poto de ode o ioiô foi solto. Ecotrar a sua velocidade fial de traslação e rotação, e sua aceleração

Leia mais

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde?

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde? Até que tamaho podemos bricar de escode-escode? Carlos Shie Sejam K e L dois subcojutos covexos e compactos de R. Supoha que K sempre cosiga se escoder atrás de L. Em termos mais precisos, para todo vetor

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios.

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. Exercícios A U L A 10 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. objetivo aplicar os conhecimentos adquiridos nas Aulas 4 a 9 por meio da

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

Capítulo 39: Mais Ondas de Matéria

Capítulo 39: Mais Ondas de Matéria Capítulo 39: Mais Odas de Matéria Os elétros da superfície de uma lâmia de Cobre foram cofiados em um curral atômico - uma barreira de 7,3 âgstros de diâmetro, imposta por 48 átomos de Ferro. Os átomos

Leia mais

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UFMG DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA ICEx MONOGRAFIA PARA OBTENÇÃO DE TÍTULO DE ESPECIALISTA EM MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM CÁLCULO O período do pêdulo: Porque Galileu estava

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem.

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem. Modelo Atômico de Bohr No fial do século XIX, o elétro já estava estabelecido como partícula fudametal, pricipalmete depois que, em 897, J. J. Thomso determiou a sua razão carga/massa. Sabia-se, etão,

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos A partícula livre A U L A 7 Meta da aula Estudar o movimento de uma partícula quântica livre, ou seja, aquela que não sofre a ação de nenhuma força. objetivos resolver a equação de Schrödinger para a partícula

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Equações Diferenciais (ED) Resumo

Equações Diferenciais (ED) Resumo Equações Difereciais (ED) Resumo Equações Difereciais é uma equação que evolve derivadas(diferecial) Por eemplo: dy ) 5 ( y: variável depedete, : variável idepedete) d y dy ) 3 0 y ( y: variável depedete,

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

O caso estacionário em uma dimensão

O caso estacionário em uma dimensão O caso estacionário em uma dimensão A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico no caso de o potencial ser independente do tempo. objetivos verificar que, no caso de o potencial ser independente

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

Exercício 1. Quantos bytes (8 bits) existem de modo que ele contenha exatamente quatro 1 s? Exercício 2. Verifique que

Exercício 1. Quantos bytes (8 bits) existem de modo que ele contenha exatamente quatro 1 s? Exercício 2. Verifique que LISTA INCRÍVEL DE MATEMÁTICA DISCRETA II DANIEL SMANIA 1 Amostras, seleções, permutações e combiações Exercício 1 Quatos bytes (8 bits) existem de modo que ele coteha exatamete quatro 1 s? Exercício 2

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1 1. Costrua os algoritmos para resolver os problemas que se seguem e determie as respetivas ordes de complexidade. a) Elaborar um algoritmo para determiar o maior elemeto em cada liha de uma matriz A de

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2012, 2.ª fase, versão 1. constante

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2012, 2.ª fase, versão 1. constante Proposta de Resolução do Exame Nacioal de Física e Química A 11.º ao, 01,.ª fase, versão 1 Sociedade Portuuesa de Física, Divisão de Educação, 18 de julho de 01, http://de.spf.pt/moodle/ Grupo I 1. (D)

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Projetos de Controle

Projetos de Controle Projetos de Cotrole EA7 - Prof. Vo Zube Cotrole do Pêdulo Ivertido com Carro.... Modelo matemático (pg. 7 das Notas de Aula).... Cotrole por realimetação de estados supodo acesso a todos os estados (CASO

Leia mais

CORDAS E TUBOS SONOROS TEORIA

CORDAS E TUBOS SONOROS TEORIA CORDAS E TUBOS SONOROS TEORIA Já vimos a formação de odas estacioárias de maeira geral. Agora, vamos estudar este assuto de forma mais específica. Primeiramete, vamos os cocetrar em uma corda, que pode

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal 5 Aálise de sistemas o domíio da frequêcia O termo resposta a frequêcia utiliza-se para desigar a resposta de um sistema, em regime estacioário, a uma oda siusoidal. Esta resposta, para o caso de um sistema

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Estudo das Energias e Funções de Onda em um Ponto Quântico Cilíndrico Study of Energies and Wave Functions in a Cylindrical Quantum Dot

Estudo das Energias e Funções de Onda em um Ponto Quântico Cilíndrico Study of Energies and Wave Functions in a Cylindrical Quantum Dot 4 Estudo das Eergias e Fuções de Oda em um Poto Quâtico Cilídrico Study of Eergies ad Wave Fuctios i a Cylidrical Quatum Dot Sílvio José Prado Faculdade de Ciêcias Itegradas do Potal FACIP UFU, Uberlâdia,

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

Modelo de Nuvens: Modelo de Parcela e unidimensional de tempestades

Modelo de Nuvens: Modelo de Parcela e unidimensional de tempestades Modelo de Nuves: Modelo de Parcela e uidimesioal de tempestades Descrição geral da modelagem umérica Equações básicas que descrevem a parcela de ar: equação movimeto primeira lei termodiâmica equação da

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais