Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados"

Transcrição

1 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Aálie de Eficiêcia do Mecado Bacáio Baileio Utilizado a Metodologia da Aálie Evoltóia de Dado Flávio Paim Feaza Metado em Admiitação pela Facldade Ibmec/RJ Av. Rio Baco, 8, qito ada, Rio de Jaeio, RJ Li Edado Madeio Gede Coodeado do Núcleo de Moitoameto e Avaliação do ISER Ititto de Etdo da Religião Ladeia da Glóia, 99, Glóia, Rio de Jaeio, RJ, tel: Liz Flávio Ata Moteio Gome Pofeo Titla da Facldade Ibmec/RJ Av. Rio Baco, 8, qito ada, Rio de Jaeio, RJ RESUMO O peete tabalho tem como obetivo a aálie de eficiêcia do 5 maioe coglomeado fiaceio do mecado bacáio de vaeo baileio, de acodo com e volme de ativo totai, com ma qatidade míima de 5 agêcia localizada o teitóio acioal, com efeêcia ao balaço patimoiai pblicado o ao de 24. Iicialmete, elatamo m beve hitóico obe o acotecimeto o mecado bacáio acioal, dede a década paada, efatizado a impotâcia a ecoomia baileia, aim como a etta do itema fiaceio baileio. No atigo, é tilizada a metodologia da Aálie Evoltóia de Dado (DEA) paa o etdo de eficiêcia em coto com a técica de I-O Stepwie paa eleção de vaiávei. Com a fialidade de adicioa ao modelo a opiião do epecialita e com o obetivo de cofei cedibilidade ao eltado, além de tiliza ma foma mai imple fete ao poblema com qe e pode defota ao opta pelo método de etiçõe ao peo o modelo DEA, foam itodzida o etdo a ciação e a imlação de idade podtiva atificiai o ão obevada (DMU Atificiai). Na etapa fial é ealizada ma aálie da ititiçõe fiaceia, de acodo com o eltado apeetado pelo método ão-paamético da DEA, tilizado DMU` Atificiai, com o itito de obevamo a idade coideada eficiete e qai a vaiávei qe a idade ieficiete peciam ata paa melhoa a pefomace. PALAVRAS CHAVE: Aálie Evoltóia de Dado, DMU Atificial, Mecado Bacáio Baileio. ABSTRACT Thi pape peet a aalyi of the efficiecy of the 5 mao fiacial coglomeate i the Bazilia etail bakig ytem. The aalyi take ito accot the total volme of aet volme a well a the miimm amot of 5 bache located i the Bazilia teitoy. Thoe data ae take fom the pblihed 24 aal epot. The pape tat by povidig a hitoical biefig o the evet i the atioal bakig ytem ice the lat decade. Emphai i the give to it impotace i the Bazilia ecoomy ad the tcte of the Bazilia fiacial ytem. The Data Evelopmet Aalyi (DEA) methodology i the ed fo the tdy of efficiecy togethe with the techiqe of I-O Stepwie fo the electio of vaiable. Aimig at addig to the model expet dgmet i ode to povide cedibility to the obtaied elt, it the ceatio ad imlatio of atificial o ot obeved podctive it wa theefoe itodced i the tdy. Fially, a aalyi of the fiacial itittio i caied thogh, i accodace with the elt peeted fom the o-paametic method of DEA, bt makig e of atificial DMU. Thi i accomplihed havig i mid to ty to obeve the it coideed a efficiet. Attetio i alo give to idetifyig o which vaiable the iefficiet it eed to itevee i ode to impove it pefomace. KEYWORDS: Data Evelopmet Aalyi Atificial DMU Bazilia bakig ytem Ecoomic ad Fiace [ 244 ]

2 2 a 5/9/6 Goiâia, GO. Itodção O fial do éclo paado foi macado po ma itea cocoêcia em todo o etoe da ecoomia mdial. Em etoe competitivo, a ogaizaçõe mai fote têm maioe pobabilidade de obeviveem. Dete modo, a bca pela eficiêcia, aliada à etabilidade do egócio, é ma taefa cotate do admiitadoe. Segdo Ceetta e Niedeae (2), a tafomaçõe a ecoomia iteacioal vêm atigido em gade ecala o eto bacáio baileio. Paa Maqe et al. (24), ma éie de eveto e fatoe vêm mdado daticamete a caacteítica do ambiete de egócio do baco comeciai ao edo do mdo. Globalização, abeta de mecado, ameto de ivetimeto em tecologia de ifomação ão alg do mai impotate fatoe qe etão ciado m ovo ceáio de foça competitiva ete mecado e impodo mdaça e peocpaçõe a ogaizaçõe bacáia. Baeado io, o tabalho coite em apeeta, compaativamete, o deempeho do picipai coglomeado fiaceio o eto bacáio baileio, a pati da técica da aálie evoltóia de dado, atavé de idicadoe de deempeho geecial. A fialidade da metodologia popota é caacteiza ogaizaçõe eficiete e ieficiete bem como, idetifica a vaiávei qe podem e tabalhada paa gea m melho eltado paa a ogaizaçõe dada como ieficiete pelo modelo. Na aálie eão detacada a ititiçõe fiaceia coideada eficiete, qe evião como bechmakig, e a ão eficiete. Atavé da aplicação do modelo, eá poível idetifica qai eão a vaiávei ótima aplicada a empea ieficiete paa tafoma a mema em eficiete. O tabalho aaliaá o deempeho, compaativamete, do picipai baco baileio, de acodo com o Relatóio do Cetal, efeete ao ao de Mecado Bacáio Baileio Segdo Cavalho (25), o tipo de ititição fiaceia domiate o Bail é o Múltiplo, m tipo de ititição qe ata em váio egmeto do mecado fiaceio, otadamete a captação de depóito, a itemediação de cédito e taaçõe o mecado de títlo. A impotâcia cecete do mecado de dívida pública etimlo o deevolvimeto da capacidade de opeação em mecado de títlo. Com io, atalmete, a atação do baco comeciai tafomo-o em baco iveai, fimemete platado o doi picipai egmeto do mecado fiaceio: de cédito e de papéi. Paa Maqe et al. (24), o baco têm fçõe de gade impotâcia o deevolvimeto ecoômico de m paí. Axiliam idietamete o Cetal a ofeta de moeda além de diamizaem a ecoomia. De m lado, ofeecem opotidade a peqeo e médio popadoe, qe e iteeam em acmla iqeza e fiaciameto em difeete pazo. De oto, axiliam a peoa fíica e ídica qe eceitam de captação de eco. A itemediação fiaceia é a picipal fção do itema fiaceio acioal, tedo como fção adeqa o flxo de popaça e do ivetimeto exitete a ecoomia, atado o iteee, em fção do pazo, volme, taxa de emeação e ga de ico, qe em empe ão emelhate do popadoe e tomadoe, egdo Silva (2). No etato, o baco é ma idade podtiva qe pode e deve e aaliado ob a pepectiva de itema, a fim de o evela e deempeho o podtividade o empego e alocação do fatoe de podção. De acodo com Ceetta e Niedeae (2), o Bail, o itema bacáio é caacteizado po divea fõe e icopoaçõe, empe viado maio olidez da ititiçõe fiaceia. Além dio, etá em pleo deevolvimeto m amplo poceo de adaptação e expaão de modea tecologia de getão qe popiciam maio atifação paa o cliete. Tal pática ocoeá tato itea qato exteamete a ogaizaçõe, ode eão efatizado dede peqeo ate opeacioai, até a edefiição da etatégia de egócio do baco. Ea tecologia viam toa a empea mai competitiva, com gaho de eficiêcia e etabilidade de logo pazo. A Cotitição de 988 também cotibi paa a fixação de apecto impotate do itema exitete o Bail atalmete. No mometo, a etada de ova ititiçõe etageia o [ 245 ]

3 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Bail, etá poibida, exceto com atoização do Peidete da Repblica. Ete o ao de 996 e 998, váio baco etageio ecebeam pemião de e itala o paí, com bae ete dipoitivo. Mediate a ito, ete baco ametaam a paticipação o ativo totai do eto bacáio baileio de 8,4%, em 993, paa 22,9% em 24. Poém, a lideaça do eto bacáio foi matida po baco acioai. Dete o ei maioe baco do paí, doi ão oficiai, tê ão pivado com cotole acioal e apea m é etageio. Dado do <www.bcb.gov.b>. Um oto fato extemamete elevate o mecado fiaceio acioal, foi a ciação, pelo Cetal, do PROER, pogama de fiaciameto de eettação do eto bacáio, com o itito de facilita a compa do baco poblemático pelo adávei. O pogama, apea da cítica ecebida, foi idbitavelmete eficiete paa facilita a adaptação do itema bacáio à etabilidade de peço. Paa Cavalho (25), a foça acmlada pelo baco date o peíodo iflacioáio e a pota ação do Cetal paa evita a ocoêcia de ma cie de maioe popoçõe, em coto com o efoço paa a modeização da pevião fiaceia atavé da adeão ao Acodo da Bailéia, acabaam po foma m itema fiaceio baileio batate ólido, bem capitalizado e capaz de apoveita de foma ágil e eficiete a opotidade ofeecida pelo mecado. 3. Metodologia O CCR, modelo oigiáio da técica de DEA, defie a eficiêcia como a oma podeada do otpt dividido pela oma podeada do ipt. Ea defiição exige qe m coto de peo ea atibído, o qê, coideado qe ee coto deve e aplicado a toda a DMU, toae ma taefa batate complicada. Chae, Coope e Rhode (978) apeetaam ma eolção paa ete poblema, agmetado qe cada idade idividal poi m itema de valoe paticla e po i ó tem legitimidade paa defii e pópio coto de peo, o etido de maximiza a eficiêcia. A úica limitação impota é qe toda a idade teham eficiêcia meo o igal a. Abaixo ege a fomlação do modelo CCR, paa maximização de otpt e miimização de ipt, Miimização de ipt - CCR I Maximização de Otpt CCR-O Max Eff = = Seito a: v i x ik Pimal (Mltiplicadoe) = y y k vi xik, K =,2,.. = e vi, Mi θ Seito a: k= i Dal (Evelope) θ xi xikλk, i =,..., y + y kλ k, =,..., k k= λ k Mi Eff Seito a: y k = = Pimal (Mltiplicadoe) v i x i vi xik y k, K =,2,.. = e vi, Max θ i Dal (Evelope) Seito a: + k= x + xikλ k, = k= θ y y kλk, i =,..., k i,..., λ k [ 246 ]

4 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Repeetação Gáfica Repeetação Gáfica Otpt B A C B A C Ipt Ipt ode: Eff eficiêcia da DMU ;, v i peo de otpt e ipt epectivamete; x ik, y k ipt i e otpt da DMU K ; x i, y ipt i e otpt da DMU K ; Na fomlação do modelo, pode-e ve qe a difeeça ete a ótica etá a poição da vaiável h, em elação à etiçõe. Também é poível obeva qe a fção de podção, epeetada pela foteia de eficiêcia, é empe cecete, admitido qe a podção de otpt empe pode cece, dede qe haa cecimeto do ipt. Po io, cocli-e qe o modelo tem etoo cotate de ecala (CRS). O modelo BCC, deevolvido po Bake, Chae, Coope (984), gi como ma foma eltate da patição da eficiêcia do modelo CCR em da compoete: a eficiêcia técica e a eficiêcia de ecala. A medida de eficiêcia técica, eltate do modelo BCC, idetifica a coeta tilização do eco à ecala de opeação da DMU. A eficiêcia de ecala é igal ao qociete da eficiêcia BCC com a eficiêcia CCR e dá ma medida da ditâcia da DMU em aálie até ma DMU fictícia, qe opea com o tamaho da ecala mai podtivo. Abaixo egem a fomlaçõe do modelo. Miimização de Ipt - BCC I Maximização de Otpt BCC-O Max Eff Seito a: v i x ik = = = y y k vi xik *, K =,2,.. = e vi, i Repeetação Gáfica * Mi Eff Seito a: y k = vi xi * = vi xik y k *, K =,2,.. = e vi, i Repeetação Gáfica [ 247 ]

5 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Modelo BCC-O Modelo BCC-I Otpt C 4 B 3 A Ipt Otpt C 4 B 3 A Ipt ode: Eff eficiêcia da DMU ;, v i peo de otpt e ipt epectivamete; x ik, y k ipt i e otpt da DMU K ; x i, y ipt i e otpt da DMU K ; Vialmete, a difeeça ete a fomlaçõe do modelo BCC e CCR é a etição de covexidade. Poém, a epeetaçõe gáfica demotam aida qe o modelo apeetam algma ota difeeça a foma da fção de podção, difeeciado o obetivo a bca pela eficiêcia, do modelo BCC e CCR. Nete tabalho, tilizaemo o modelo BCC, oietado paa miimização de ipt, devido à eceidade de e tiliza vaiávei otpt com valoe egativo. 3. Limitaçõe e Vatage da DEA Segdo Gede (22), a DEA, po e m método de avaliação ão paamético, tem algma caacteítica difeeciada em elação a oto método. Cotatado com método paamético, ode o obetivo é otimiza m plao de egeão imple, a DEA otimiza idividalmete cada ma da obevaçõe, ma em elação à demai, paa aim, detemia a foteia de eficiêcia. A aálie paamética tadicioal aplica a mema fção de podção a cada ma da obevaçõe. Potato, o foco da DEA etá a otimizaçõe, em cotapatida à etimaçõe de paâmeto da apoximaçõe etatítica tilizada po oto método. Ota vatagem da DEA é a de ão eqee ehma foma fcioal da vaiávei evolvida a aálie. Além dio, também ão é eceáio faze ehma poição a epeito da ditibição da vaiávei. O fato de e pode tabalha com múltiplo otpt e ipt também é ma impotate vatagem. Poém, a ecolha da vaiávei peete o modelo deve e feita com batate cidado, poi qato mai vaiávei peete, meo é o pode dicimiatóio do modelo. Em cotapatida à vatage decita, há ma devatagem elacioada à técica de etimação paamética. A pioi, a hipótee ão podem e tetada com o igo etatítico, bem como o eo elativo à etimação da foteia, ma vez qe o imo e podto podem e vaiávei aleatóia. Poém, baeado em eltado obtido em tabalho ateioe, pode-e cocli qe o modelo é eficiete aqilo a qe e popõe. Obevamo qe ealmete é poível, atavé de ma aálie compaativa, detacamo ívei de eficiêcia e, coeqüetemete, toma deciõe de foma mai ega e com mai agilidade. 3.2 DEA a avaliação do eto bacáio e fiaça. A tilização de DEA a aálie de eficiêcia do eto bacáio é batate difdida iteacioalmete. Bege e Hmphey (997) fizeam m detalhado levatameto ode foam compilado 3 tabalho, cobido 2 paie, qe tilizavam a aálie de foteia eficiete. Há também mito egito de tabalho ecete como o de Yditia (22) qe fazem ma aálie da eficiêcia do baco ilâmico. Nieto, Cica e Molieo (24) ivetigam o deempeho de ititiçõe de micocédito. Staváek (25) mota a eficiêcia de baco itado em egiõe em difeete etágio de itegação com a Uião Eopéia. Já Dake, Hall e [ 248 ]

6 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Simpe (25) avaliaam a eficiêcia do eto bacáio apoê. Paa o mecado bacáio baileio, cotdo, poco tabalho foam deevolvido. Ceetta e Niedeade (2) aaliaam 44 ititiçõe bacáia, com bae a a demotaçõe cotábei emetai. Nete tabalho, a ititiçõe fiaceia foam agpada em tê categoia, egdo o e pote, medido pelo valo do patimôio líqido. Eta medida foi tomada paa iola efeito do pote, toado o gpo mai homogêeo. O tabalho cocli qe a ititiçõe fiaceia de maio pote ão a mai eficiete. Oto tabalho qe pode e detacado é o de Silva (2). Ete tabalho teve como obetivo aalia a eficiêcia da 25 maioe ititiçõe fiaceia baileia, de acodo com a poição de ativo a data bae de maço de 2. Nete etdo, foi tilizada a metodologia DEA em coto com o método de eleção de vaiávei I-O Stepwie. Do coto aaliado, 9 ititiçõe foam coideada eficiete. O tabalho deevolvido po Goçalve (23) teve extema impotâcia, ão ó paa a difão da aplicação da metodologia a avaliação de ititiçõe fiaceia, como também paa o deevolvimeto da DEA como feameta qe cotempla a opiião de epecialita. Nete tabalho foi popoto m teoema paa gaatia de eqivalêcia ete m coto de etiçõe ao peo e a iclão de ma DMU atificial. Fez-e também ma aplicação com dado eai de m coto de fdo de ivetimeto fiaceio baileio. Maqe et al. (24) deevolveam m etdo qe aalia e compaa 9 baco comeciai e múltiplo qe atam o Bail. O doi modelo CCR e BCC foam deevolvido paa o 9 baco, coideado fatoe de cto (ipt) e gaho o etabilidade (otpt). O atoe também tilizaam ete tabalho ma aálie de egeão paa elacioa a ieficiêcia de ecala do baco de maio pote. 4. Apecto iiciai da aálie: bae de dado e decição da vaiávei tilizada 4. Coleta do dado O dado eceáio paa a ealização dete tabalho foam obtido o ite do Cetal do Bail, atavé do elatóio 5 Maioe e o Coolidado do Sitema Fiaceio Nacioal. 4.2 Decição da vaiávei Foam ecolhida iicialmete oze vaiávei, baeado em opiião do epecialita, paa aalia a eficiêcia do ciqüeta maioe baco do mecado fiaceio acioal, edo ei ídice fiaceio como vaiávei de etada (ipt) e cico ídice como vaiávei de aída (otpt). A ecolha da vaiávei coideo ídice fiaceio com a caacteítica de qato meo melho, paa epeeta a vaiávei de etada (ipt) e ídice fiaceio com a caacteítica de qato maio melho, paa epeeta a vaiávei de aída (otpt). A aálie feita atavé do o de ídice fiaceio ada o aalita a avalia a aúde fiaceia da ogaização, poibilita a pecepção do poto fote e faco elacioado à etta, à liqidez, à lcatividade e à atividade. Um do picipai itmeto paa e avalia ceto apecto do deempeho paado, peete e fto da empea, cofome expoto po Peez J. e Begalli (999), é a aálie de ídice ecoômico-fiaceio, calclado baicamete com bae a cota da demotaçõe fiaceia. A aálie fiaceia atavé de ídice eve de bae paa otea o bom deempeho, além de e coideada, po váio atoe, itmeto emietemete pático Vaiávei de Ipt - Nº Fcioáio: epeeta o úmeo total de peoa com víclo empegatício dietamete com a ititiçõe fiaceia. Não etão cotemplado o tabalhadoe idieto, cotatado atavé de eviço teceiizado. Valoe declaado pela ititiçõe fiaceia o ite do Cetal do Bail <www.bcb.gov.b>. - Nº Agêcia: epeeta todo o poto de veda qe a ititiçõe fiaceia dipoibilizam paa o atedimeto ao público. Nete úmeo, etão iclído, além da agêcia, o poto de atedimeto bacáio (PAB). Valoe declaado pela ititiçõe fiaceia o ite do Cetal do Bail <www.bcb.gov.b>. [ 249 ]

7 2 a 5/9/6 Goiâia, GO - Alavacagem: idica a elação ete o eco de teceio e o capitai pópio. Mede a ageividade da ititição, ao apota, o e paivo, a elação ete eco de teceio e capital pópio. Medida em poto, é obtida pela divião do paivo total (decotado do patimôio líqido) pelo patimôio líqido. Qato maio o ídice, maio é o ico evolvido a opeaçõe da ititição. - Ídice de Iadimplêcia: idica a elação ete a povião paa cédito em liqidação e o valo total de cédito ealizado pela ititição. Medido em pecetal, expea o empétimo mal defeido pela ititiçõe, o ea, de difícil ecebimeto. Qato meo, melho. - Ga de Imobilização: idica a popoção do capital pópio ivetido em ativo pemaete. É obtido pela divião do ativo pemaete pelo patimôio líqido. Idica a popoção do capital pópio da ititição aplicado em ativo pemaete. Qato meo ete úmeo, melho, poi haveá mai eco dipoívei paa o gio da atividade. - Cto Opeacioal: idica a eficiêcia opeacioal da ititição. Medido em poto, é obtido pela divião da oma de depea de peoal e admiitativa pela oma do eltado bto da itemediação fiaceia mai eceita de petação de eviço. É ma medida de eficiêcia da ititição fiaceia po compaa gato opeacioai com a picipai fote de eco geado a pópia opeação. Qato meo, melho Vaiávei de Otpt - Reltado de Itemediação Fiaceia: coepode à difeeça ete eceita e depea de itemediação fiaceia (eceita de opeaçõe de cédito, depea de captação o mecado, eltado de opeaçõe com títlo e valoe mobiliáio, câmbio, aplicaçõe complóia e oto). Valo declaado o demotativo de eltado. - Retabilidade do PL: a etabilidade do patimôio líqido mede o etoo fial do acioita em elação ao capital pópio da ititição. Qato maio, melho. Expea em pecetal, é obtida pelo eltado da divião do eltado líqido pelo patimôio líqido, mltiplicado po. - Reltado Opeacioal: eltado bto da oma da eceita de itemediação fiaceia, da eceita de petação de eviço, do eltado da paticipação em cotolada / coligada e do aldo de ota eceita, dividido pela depea opeacioai, dedzida depea de peoal, admiitativa e tibtáia. Valo declaado o demotativo de eltado. - Lco Líqido: eltado fial do execício, apado de acodo com a ega legai, em coidea o efeito da iflação, depoi de decotado a povião paa o impoto de eda e a cotibição ocial e atado o o obe capital pópio, coideado como depea fiaceia. Valo declaado o demotativo de eltado, qato maio, melho. - Patimôio Líqido: idica o eco pópio da ititição. Valo declaado o balaço patimoial. Qato maio, melho. 4.3 Tatameto do Dado Uma dificldade de aplicação da Aálie po Evoltóia de Dado em aálie de demotaçõe cotábei advém da impoibilidade de e tiliza valoe egativo poi, alg do mai tadicioai idicadoe cotábei o amem. É o cao do eltado, qe pode e lco (poitivo) o peízo (egativo). A medida de etoo obe patimôio líqido e obe ativo ão igalmete deivada do eltado e podem, potato, ami valoe egativo, como po exemplo, a medida diâmica de evolção da veda e o idicadoe fiaceio como o eltado opeacioal. Alg atoe popõem foma de pea ea limitação. Se o úmeo de idade ob avaliação é gade, pode-e avalia a poibilidade de imple exclão da idade qe teham valoe egativo em eco e podto. Ota foma de pea o poblema da tilização de valoe egativo baeia-e a popiedade de alg modelo DEA, chamada de talatio ivaiace. Ali e Seifod (99); Pato (997) e Lovell e Pato (995). Ea popiedade faz com qe a olção do modelo ão ea afetada po ma coveão (o tafomação) do valoe egativo em poitivo. Aim, em alg cao, o ecoe de eficiêcia ão matido. Em oto, a claificação em idade eficiete e ieficiete é qe é. [ 25 ]

8 2 a 5/9/6 Goiâia, GO A iclão de vaiávei com valoe egativo a DEA foi pimeio tatada o atigo Talatio Ivaiace i Data Evelopmet Aalyi de Ali e Seifod (99). O modelo Aditivo e BCC ão apeetado como potadoe da popiedade qe pemitiia a tadção de valoe egativo paa vaiávei, atavé da oma de ma cotate, ealtado-e qe, paa o egdo, o ecoe de eficiêcia (valoe da fção obetivo) paa a DMU ieficiete eão difeete qado o dado foem tadzido Ali e Seifod (99). Pato (997) apeeto m adedo à coclõe ateioe de Ali e Seifod (99), povado qe, paa o Modelo BCC, a popiedade é limitada: qado e coidea o modelo com oietação paa o imo, a tadção omete pode e aplicada ao podto; e, o modelo com oietação paa o podto, pode-e aplica a tafomação ao imo. A etatégia adotada paa tabalha com o poblema da vaiávei egativa foi a tilização do modelo oietado paa miimização de ipt, como deceve Kaai (22), qe tata de aplicação de DEA em ídice fiaceio. Baeado o método citado acima, algma modificaçõe foam ealizada em vaiávei epecifica. Na vaiávei de otpt qe apeetaam valoe egativo, foi ciada ma cotate, compota do valo mai egativo de cada vaiável mai m. Eta cotate foi omada à vaiávei qe paaam a te valoe etitamete poitivo. A vaiávei modificada po ete poceo foam: Reltado de Itemediação Fiaceia, Retabilidade PL, Reltado Opeacioal e Lco Líqido. O 34, 4, 45 e 5 foam etiado da aálie po apeetaem vaiávei ipt com valoe egativo, o qe iviabilizaia a aplicação da metodologia com oietação paa miimização de ipt. 4.4 Método de Seleção da Vaiávei O pimeio pocedimeto paa a eleção de vaiávei, de acodo com o método Stepwie, foi ealizado po Noma e Stoke (99), edo qe o tabalho deevolvido po Kittele (993) idetifica, de foma mai aplicada, a teoia do Método I-O Stepwie. Noma e Stoke (99) iiciam o método I-O Stepwie pela defiição de m pa ipt-otpt iicial. Apó eta ecolha, eam calclado o coe de eficiêcia da DMU` com bae ete pa. Além dio, eam medido o coeficiete de coelação de toda a demai vaiávei com o coe obtido. A lita ea pecoida em odem dececete de módlo de coeficiete de coelação, pocededo-e a ma aálie caal paa elecioa a póxima vaiável a igea o modelo Li e Meza (2). O método I-O Stepwie ecohece qe exite ma ifomação pévia obe a ateza da vaiável, o ea, e a mema é ipt o otpt. A eleção da vaiávei eá feita pelo método I-O Stepwie, apeetado po Li e Meza (2). O método baeia-e o citéio de ga de atameto, o melho, da poximidade exitete com a foteia eficiete. Ele etá cetado a compaação da coelaçõe ete a vaiávei e a eficiêcia, ode pimeiamete é ecolhido m pa iicial, atavé da obevação da maio coelação ete ipt e otpt. O pa iicial também pode e, implemete, ecolhido pelo decio baeado em a expeiêcia. O obetivo é icopoa o paâmeto qe pemite m melho ate da DMU` à foteia de eficiêcia. Tabela : Matiz de coelação ipt x otpt Númeo de Fcioáio Númeo de Agêcia Alavacagem Ídice de Iadimplêcia Ga de Imobilização Cto Opeacioal Reltado de Retabilidade Itemediação PL Fiaceia Reltado Opeacial Lco Líqido Patimôio Líqido Númeo de Fcioáio,,9573,982,298,4465 -,,9235,248,7253,738,823 Númeo de Agêcia,9573,,267,2569,562 -,22,9673,2245,8345,839,9 Alavacagem,982,267, -,257,4283 -,798,95,52,283,63 -,246 Ídice de Iadimplêcia,298,2569 -,257,,749,243,2728,89,869,985,828 Ga de Imobilização,4465,562,4283,749,,5,563,63,428,4829,496 Cto Opeacioal -, -,22 -,798,243,5, -,843 -,5746 -,474 -,484 -,566 Reltado de Itemediação Fiaceia,9235,9673,95,2728,563 -,843,,283,896,999,9493 Retabilidade PL,248,2245,52,89,63 -,5746,283,,3328,3485,874 Reltado Opeacial,7253,8345,283,869,428 -,474,896,3328,,9736,8796 Lco Líqido,738,839,63,985,4829 -,484,999,3485,9736,,955 Patimôio Líqido,823,9 -,246,828,496 -,566,9493,874,8796,955, Baeado o eltado da matiz de coelação emeado acima, eolve-e elimia a vaiável úmeo de agêcia. Tal vaiável é mito coelacioada à úmeo de fcioáio, qe baeado a opiião de epecialita, é logicamete mai impotate paa medi a ecala do. Ete o otpt foam etiada patimôio líqido e lco líqido po doi motivo: ela apeetam alta coelaçõe com oto otpt (eltado de itemediação fiaceia e [ 25 ]

9 2 a 5/9/6 Goiâia, GO eltado opeacioal, epectivamete). Além dio, eta vaiávei á etão cotemplada a etabilidade, com a vatagem deta ão e eível à ecala do baco. Com bae a coelação, o pa iicial defiido foi eltado de itemediação fiaceia e úmeo de fcioáio. Apó a ecolha dete pa, pocea-e o modelo, geado m veto de eficiêcia. Etão, a etada da póxima vaiável o modelo, dá-e atavé da compaaçõe da coelaçõe ete a vaiávei e o veto de eficiêcia. Ito é, eta paa o modelo a vaiável qe apeeta maio coelação com a eficiêcia. O eltado deta etapa podem e obevado a tabela abaixo. Tabela 2: Matiz de coelação da vaiávei com o vetoe de eficiêcia aociado a cada modelo MODINI MOD2 MOD3 MOD4 Alavacagem -,25 -,3,6 - Ídice de Iadimplêcia -,42,9 - - Ga de Imobilização, Cto Opeacioal -,33 -,325 -,24 -,24 Retabilidade PL,28,23,65,226 Reltado Opeacial,63,636,596,537 Acima, pecebemo qe a vaiávei ga de imobilização, ídice de iadimplêcia e alavacagem foam, epectivamete, itodzida o modelo. Apea da vaiável etabilidade PL ão te ido ecolhida paa o modelo pelo método I-O Stepwie, lgo-e qe ela eia extemamete impotate paa a avaliação da eficiêcia do baco, ma vez qe ela po i ó á pode e coideada m idicado de eficiêcia. Com bae io, a vaiável também foi iclída. Como o modelo DEA, a iclão de ma ova vaiável ão pode acaeta a edção da eficiêcia de qalqe idade. A vaiávei qe ão alteaem o ecoe de eficiêcia, de foma igificativa, eão idetificada, coeqüetemete, como fatoe qe ão cotibem paa qe a DMU` e apoximem da foteia de eficiêcia. Em vitde dete fato, tai citéio eão etiado do modelo. Abaixo, é poível ve a eficiêcia média do modelo apó a iclão de cada ma da vaiávei. Tabela 3: Eficiêcia média Iteaçõe Eficiêcia Média MODINI 2,26 MOD2 24,24 MOD3 28,96 MOD4 35,53 MOD4 + Retabilidade 5,23 O poceo de etada de vaiávei acaba qado o decio lga qe a etada de ma dada vaiável ão pomove m ameto igificativo a eficiêcia do modelo, o qado obam apea vaiávei qe apeetam coelação ideeada com a eficiêcia. O modelo popoto tabalha com vaiávei caacteizada como ídice fiaceio, o qe faz com qe o modelo e toe mai dicimiatóio. Ete fato faz com qe a eficiêcia média do modelo ea mai baixa qe o almete obevado qado e tabalha com vaiávei qe expeam qatidade. 4.5 Uiveo aaliado Foam exclído do iveo de aálie o baco qe cetalizam e egócio o etoe de atacado, ealizado baicamete opeaçõe ettada paa gade empea, aim como a ititiçõe fiaceia qe focam e egócio o eto de cédito e fiaciameto paa peoa fíica, po coideamo qe eta empea ão poem a mema caacteítica e obetivo qe o baco de vaeo qe poem pelo meo 5 agêcia bacáia. Ete baco, além do egócio decito acima, também poem ota opeaçõe de eviço e podto bacáio e, po io, e ditigem do demai baco qe focam a atividade em egmeto epecífico.a idade aaliada o atigo, epeetada pelo 2 baco etate, epeetam, apoximadamete, 75% de todo o Sitema Fiaceio Nacioal, em temo de ativo. 5. DMU Atificiai: itodzido a opiião do epecialita Segdo Figeiedo (25), a flexibilidade a ecolha do peo exitete a metodologia DEA cláica é impotate a idetificação da DMU ieficiete, o ea, qe apeetam baixo deempeho iclive com peo defiido de foma mai favoável. Cotdo, em DEA, a atibição de peo ão é ma taefa de baixa complexidade. A ecolha do peo itodzida o PPL atavé de etiçõe pode gea iviabilidade a olção do poblema. [ 252 ]

10 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Roll e Golay (99) cotataam qe cada peo em DEA, etitamete poitivo, ea eqivalete a ma DMU ão obevada (DMU atificial), itodzida ete a demai o mometo da aálie. Alle et al. (997) geealizaam ea obevação paa o cao de múltiplo ipt e/o otpt, paa DMU qe opeam com etoo cotate de ecala o paa a qe opeam com etoo vaiávei de ecala. Deta foma, a iclão de ma DMU Atificial ao coto oigial de DMU fcioa como método alteativo de imlação de m coto de etiçõe ao peo, edo o ídice de eficiêcia dee ovo coto calclado pelo método cláico, em etiçõe ao peo, o memo qe o obtido com o coto iicial de DMU tilizado etiçõe ao peo ao ivé de DMU atificiai. A coodeada ecolhida paa a DMU Atificiai ão fdametai paa a efetividade da olção. Como obevamo em Goçalve (23), o modelo CCR, a DMU Atificiai podem e defiida com a tilização da eqaçõe (4.) o (4.2), em qe haa difeeça o eltado. Amba imlam a etiçõe ARI e ARII. (4.) Já paa o modelo BBC, a eficiêcia é depedete da oietação do modelo. Aim, a defiição da DMU Atificial, tilizado cotação do ipt cofome eqaçõe expea em (4.3), ão podz o memo eltado e fo tilizada a expaão do otpt, cofome eqaçõe expea em (4.4). Figeiedo (25) fez a geealização da etiçõe de Goçalve (23) paa poblema mltidimeioai. No cao paticla do tabalho, etabelece-e como cote a média da etabilidade, ito é, ehm baco com etabilidade ifeio a média podeia e mai eficiete qe m oto com etabilidade acima da média. Sedo aim, ete cao, foi itodzida ma DMU atificial, chegado-e ao total de 5 iteaçõe, paa qe foe poível chega ao eltado fiai. A defiição do cote foi fdametal paa a aplicação da etiçõe de Goçalve (23), poi em eta defiição eia impoível aplica a metodologia. 6. Aálie do Reltado Abaixo, obevamo a tabela qe mota o eltado fiai do modelo DEA BCC oietado paa a miimização de ipt, coideado a vaiávei elecioada pelo método I-O Stepwie e com a DMU atificiai ieida. Tabela 4: Scoe de eficiêcia do Modelo DEA-BCC BANCO Retabilidade Clae Scoe BANCO Retabilidade Clae Scoe ARTIFIC 8,38 -, 48 28,88 Acima da Média 83,77 ARTIFIC2 22,73 -, 38 3,3 Acima da Média 78,97 ARTIFIC3,3 -, 22 32,3 Acima da Média 75,96 ARTIFIC4 2,77 -, 6 32,58 Acima da Média 64,7 ARTIFIC5 24,96 -, 32 32,59 Acima da Média 56, ,77 Acima da Média, 2 25,5 Abaixo da Média 56,69 3,55 Acima da Média, 9 22,73 Abaixo da Média 56, ,33 Acima da Média, 7 8,38 Abaixo da Média 56, ,4 Acima da Média, 2 2,77 Abaixo da Média 56,2 42 3,82 Acima da Média, 23,3 Abaixo da Média 56, 43 29,89 Acima da Média, 8 24,96 Abaixo da Média 55, ,9 Acima da Média, 37 25,22 Abaixo da Média 55,8 2 33,6 Acima da Média 98, 4 28,4 Abaixo da Média 42,2 Um teço do 2 baco foam coideado eficiete. Em 24, o baco de vaeo egitaam m do melhoe deempeho do último ao. Com a ecoomia cecedo, emboa aida abaixo do epeado, ma com o e pead elevado, podemo obeva qe o baco (4.2) (4.3) (4.4) [ 253 ]

11 2 a 5/9/6 Goiâia, GO coideado eficiete, focaam e egócio em opeaçõe de cédito. Na tabela abaixo, é evideciado o epaço de peo do baco coideado eficiete. Tabela 5: Peo atibído pelo Modelo DEA-BCC eficiete Atific Atific 2 Atific 3 Atific 4 Atific Númeo de fcioáio,, 59, 6, 8,,,, 8,,,, Alavacagem,, 4,,,,,,,,,, Ídice de iadimplêcia,,, 84,,,,, 9,,,, Ga de imobilização,,,, 82,,,,,,,, Reltado de itemediaçõe fiaceia,,, 93, 4,, 85,, 93, 84, 94, 23, Retabilidade PL 3,,,,,,, 4, 4,, 55,, Toda a DMU têm pelo meo ma vaiável com peo atibído. Io igifica qe a vaiável foi depezada o cálclo da eficiêcia da DMU, povavelmete poqe, e ela foe levada em coideação, o (DMU) podeia ão mai e eficiete. O, implemete, poqe a olção ecotada pelo modelo ão foi a qe coidea peo difeete de paa toda a vaiávei, podedo ela exiti, edo aim a DMU e coideada ealmete eficiete. Na tabela 5, também e pode obeva qe a vaiávei etabilidade PL, eltado de itemediação fiaceia e úmeo de fcioáio foam a vaiávei mai epeetativa o cálclo do ecoe do baco eficiete. Aida obe o eficiete, a expaão do cédito, pxada pelo movimeto do empétimo coigado, foi ma da picipai epoávei pelo ameto da eceita da ititiçõe fiaceia. O baco 35, po exemplo, ameto a cateia de cédito em 3% e a eceita da opeaçõe bi 35%. Io e eflete dietamete a vaiávei etabilidade PL e eltado de itemediação fiaceia, qe foam coideada fotemete pelo modelo paa o cálclo da eficiêcia dete baco. Uma ota etatégia tilizada pelo baco coideado eficiete a amota foi a ciação de depatameto epecífico qe atam com cada vez mai atoomia o egmeto: atacado, middle maket e peoa fíica. Apea de teem ecado o ao paado po caa da expaão do cédito, a opeaçõe de teoaia, feita picipalmete com títlo público, aida popocioaam bo eltado paa eta ititiçõe, fato qe pode e obevado dietamete a vaiável Reltado de Itemediação Fiaceia. Além dio, a aqiição de baco meoe e a aociaçõe com ota empea, também devem e levada em coideação o fotalecimeto do eltado do baco coideado eficiete. O baco 35, po exemplo, aocio-e ao baco 7 e a ma gade ede de pemecado paa amplia a paticipação o egmeto de empétimo e fiaciameto com pead elevado, baicamete detiado a comidoe de baixa eda. Com io, e ico de peda foi plveizado, caado efeito dieto a vaiávei ídice de iadimplêcia e etabilidade PL, qe foam fotemete coideada o cálclo da eficiêcia dete baco. Ota aálie iteeate qe e pode faze aceca do baco coideado eficiete efee-e ao. Po e tata de m baco qe ao logo do ao tabalho com exclividade o eto público, ofeecedo opeaçõe de empétimo coigado com pead elevado e baixo ico, ete fato impacta dietamete a vaiável eltado de itemediação fiaceia, qe foi altamete coideada paa o cálclo da eficiêcia. Oto fato iteeate a e detacado paa ete baco e efee ao e baixo Ga de Imobilização em elação ao e patimôio liqido. A egi, obevamo o eltado do decécimo eceáio paa qe cada baco poa atigi a foteia de eficiêcia. Tabela 6: Decécimo de ipt eceáio paa atigi a foteia Númeo de fcioáio -43,98-35,83-44, -57,8-44,3-3,9-43,3-24,4-43,99-43,2-5,66-2,3-6,23 Alavacagem -44,3-74,49-43,75-76,92-44,9-2, -48,6-42,24-44,6-55,43-57,86-68,38-8,2 Ídice de iadimplêcia -43,98-35,83-43,93-57,8-44,6-2, -48,25-5,99-44,6-43,2-44,92-56,88-2,4 Ga de imobilização -43,98-84,69-44, -87,94-44,3-2,87-67,4-24,4-44,2-54,2-79,2-2,3-38,7 Fazedo-e ma aálie epecífica de cada vaiável, é poível obeva qe em elação ao úmeo de fcioáio, o 4 pecia te o decécimo maio em elação à itação atal, eqato o 2 e o 48 eceitam de ate meoe. O qe tem o pio ceáio em elação à alavacagem é o 6, qe pecia faze edçõe de apoximadamete 48 [ 254 ]

12 2 a 5/9/6 Goiâia, GO 75% paa atigi a foteia. Eqato io, o 2 pecia edzi apea 2%. O 4 é o qe pecia faze edçõe mai dática o ídice de iadimplêcia, eqato o 2 é o qe eceita de meoe ate. A edçõe elacioada ao ga de imobilização peciam e mai fote o 6, eqato o 2 apeeta eceidade de edção de apea 2% eta vaiável. Fazedo-e a aálie em elação ao é poível obeva qe o 2 e o 48 ão o qe peciam de meo decécimo a vaiávei paa e toaem eficiete, eqato o 4 e o 6 ão o qe eceitam de alteaçõe mai adicai. Tabela 7: Peo atibído pelo Modelo DEA-BCC ieficiete Númeo de fcioáio 9,, 68,, 62, 25,,, 55,, 7,, 4,, Alavacagem,, 29,,,, 2,,,,,,,, Ídice de iadimplêcia, 9,,, 38,, 8,,,, 3,,,, Ga de imobilização 8,, 3,,, 75,,, 45,,,, 6,, Reltado de itemediaçõe fiaceia 79,,,,, 42, 94, 3, 92,, 7,, 8,, Retabilidade PL,,,, 4, 3,, 27, 6, 2, 96,, 37, 5, Na tabela acima, valem o cometáio feito a epeito da tabela 5, ito é, qe a vaiável com peo foi depezada o cálclo da eficiêcia da DMU, povavelmete poqe, e ela foe levada em coideação, o (DMU) podeia e aida mai ieficiete. Paa o baco ieficiete, a vaiávei etabilidade PL, eltado de itemediação fiaceia e úmeo de fcioáio também foam a vaiávei mai epeetativa o cálclo do ecoe do baco eficiete. 7 Coclõe e Recomedaçõe No etdo, podemo obeva ma da picipai cotibiçõe da metodologia DEA, a idetificação e a defiição da idade eficiete como bechmakig paa a demai, edo ma feameta de aálie geecial eficaz, poi além de apota o poblema, gee o camiho paa atigi à eficiêcia. A ecolha de ídice fiaceio como vaiávei fotalece o modelo, o etido de abage de foma dicimiatóia, apecto qe evolvem a etta de capital, o ciclo fiaceio e o eltado opeacioai da ititiçõe fiaceia. A aplicação da DMU` Atificiai em btitição à técica de etiçõe ao peo paa o cao de múltiplo ipt e/o otpt, demoto qe ehma idade com valo de otpt ideeável pode te eficiêcia peio ao ídice de qalqe idade com otpt aceitável. Ela também e moto viável o cao aaliado, poi agego a opiião do epecialita e chego à mema coclõe de ma foma bem mai imple. Com elação ao eltado ecotado, podemo obeva qe 2/3 da ititiçõe ão foam coideada eficiete. Na aálie de e hitóico, podemo cita como picipai fatoe de ieficiêcia, o fato de algma ititiçõe apeetaem poblema em opeaçõe de cédito, efletido de foma egativa em e eltado, além de alg coglomeado fiaceio etaem paado po icopoaçõe qe aida ão foam totalmete fializada, apeetado poblema ettai. Um oto fato de ieficiêcia, eia a demoa de algma ititiçõe em acompaha a feqüete mdaça ocoida o mecado, como vaiaçõe a taxa de o, aim como a tedêcia de aociação com empea de oto etoe, com a fialidade de expadi a ofeta de cédito, além de oto podto e eviço bacáio a ovo cliete. Como ecomedação paa fto tabalho, geimo a coleta de ifomaçõe paa difeete data-bae, com o obetivo de obevamo a eficiêcia da idade aaliada ao logo de m peíodo hitóico. Além dio, peqia fta podeiam tiliza ota vaiávei, como po exemplo, fatoe exógeo à idade bacáia, o ea, vaiaçõe a taxa báica de o, câmbio e/o ídice de Bola de Valoe itea e extea qe ifleciam o ivetimeto acioai. Fto tabalho podeão também aalia a compaação do mecado fiaceio acioal com o [ 255 ]

13 2 a 5/9/6 Goiâia, GO de oto paíe, picipalmete tilizado o coglomeado fiaceio iteacioai qe atam de foma globalizada. Ota qetão ecotada, efee-e à oietação do modelo em cotexto ode há vaiávei egativa, poi, o cao etdado, a oietação a ipt e fez impeativa. Logo, eve como getão o deevolvimeto de ova técica qe dipoibilizem olçõe mai flexívei qado ocoe poblema como ete. Baeado o eltado obtido, coclímo qe o modelo é eficiete aqilo a qe e popõe, tedo e cofimado, apó a aálie do eltado, qe ealmete é poível, atavé de ma aálie compaativa, detacamo ívei de eficiêcia, facilitado a tomada de deciõe, po pate do getoe, de foma mai ápida e ega. 8 Refeecia Bibliogáfica ALI, A.I.; SEIFORD, L.M. Talatio ivaiace i Data Evelopmet Aalyi. Opeatio Reeach lette, 9, p , 99. ALLEN, R.; ATHANASSOPOULOS, A.; DYSON, R.G. Weight etictio ad vale dgemet i Data Evelopmet Aalyi: Evoltio, developmet ad fte diectio. Aai of Opeatio Reeach, v. 73, J.C. Baltze AG, Sciece Pblihe BANKER, R. D., CHARNES, A., COOPER W. W., Some model fo etimatig Techical ad Scale iefficieci i Data Evelopmete Aalyi. Maagemet Sciece, 984, vol. 3, º 9, p BCB ( Cetal do Bail). Dipoível em <http://www.bcb.gov.b>. Aceo em: 6 otbo 25. BERGER, A.N.; HUMPHREY, D.B. Efficiecy of fiacial itittio: iteatioal vey ad diectio fo fte eeach. Eopea Joal of opeatioal Reeach, 98, p , 997. CARVALHO, F.J.C, Reeha obe Sitema Fiaceio. Dipoível em: <http://www.me.gov.b>. Aceo em: dezembo 25. CERETTA, P.S.; NIEDERAUER, C.A.P. Retabilidade do eto bacáio baileio, 24º Ecoto Nacioal da ANPAD Aociação Nacioal de Pogama de Pó Gadação em Admiitação. Floiaópoli, -3 et. 2. CHARNES, A., COOPER, W. W., RHODES, E. Meaeig the Efficiecy of Deciio-Makig Uit. Eopea Joal of Opeatioal Reeach, 978, vol. 2, p DRAKE, L., HALL, M. J. B.; SIMPER, R. Bak Modellig Methodologie: A Compaative No- Paametic Aalyi of Efficiecy i Japoee Bakig Secto, 25. FIGUEIREDO, D.S. de. Ídice Híbido de Eficácia e Eficiêcia paa Loa de Vaeo. 25. Dietação (Metado). Niteói: Ecola de Egehaia/UFF. GONÇALVES, D.A. Avaliação de Eficiêcia de Fdo de Ivetimeto Fiaceio: Utilização de DMU` Atificiai em Modelo DEA com Otpt Negativo. Rio de Jaeio, 23. Tee de Dotoado. COPPE/UFRJ. GUEDES, L.E.M. Uma aálie da eficiêcia a fomação de alo do co de egehaia civil da ititiçõe de eio peio baileia. 22. Dietação (Metado). Rio de Jaeio: COPPE/UFRJ. KASSAI, S. Utilização da Aálie po Evoltóia de dado (DEA) a Aálie de Demotaçõe Cotábei. 22. Tee de Dotoado. São Palo: FEA-USP. KITTELSEN, S.A.C. Stepwie DEA: chooig vaiable fo meaig techical efficiecy i Nowegia electicity ditibtio. Memoadm Nº 6/93 fom Depatmet of Ecoomic, Uiveity of Olo, 993. LINS, M. P. E.; MEZA, L.A. Aálie Evoltóia de Dado: Pepectiva de itegação o Ambiete do Apoio à Decião. Rio de Jaeio: Coppe/UFRJ, 2. LOVELL, C.A.K.; PASTOR, J.T. Uit ivaiat ad talatio ivaiat DEA model. Opeatio Reeach lette, 8, p. 47-5, 995 MARQUES, F.T.; MATIAS, A.B.; CAMARGO JUNIOR, A.S. Deempeho do Comeciai e Múltiplo de Gade Pote o Bail, CLADEA, 24. NIETO, B. GUTIÉREZ; CINCA, C. SERRANO; MOLINERO, C. MAR Micofiace Itittio ad Efficiecy. Dicio Pape i Accotig ad Fiace, 24. NORMAN, M.; STOKER, B. Data Evelopmet Aalyi: the aemet of pefomace. Chichete: Joh Wiley,99. PASTOR, J. T. Talatio ivaiace i data evelopmet aalyi: a geealizatio. Aal of Opeatio Reeach, v.73, p. 9-5, 997. PEREZ JR., J.H.; BEGALLI, G. A. Elaboação da Demotaçõe Cotábei. 2 ed. São Palo: Atla, 999. ROLL, Y.; GOLANY, B. Cotollig facto weight i DEA. IIE Taactio, 23 (), 99. [ 256 ]

14 2 a 5/9/6 Goiâia, GO SILVA, A.C.M. da. Aálie da eficiêcia da ititiçõe fiaceia, egdo a metodologia do Data Evelopmet Aalyi (DEA). 2. Dietação (Metado) Ititto de Pó Gadação em Admiitação, da Uiveidade Fedeal do Rio de Jaeio. Rio de Jaeio: COPPEAD/UFRJ. STAVÁREK,D. (25): Efficiecy of Bak i Regio at Diffeet Stage of Eopea Itegatio Poce. Ekoomie a Maagemet, vol. 5, o., pp YUDISTIRA, D., 22, The Impact of Bak Capital Reqiemet i Idoeia, Ecoomic Wokig Pape Achive at WUSTL, 2. [ 257 ]

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico 4. Aálie Evoltóia de Dado (DEA) e ma popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico 4.. Coceito Báico 4... Podtividade, Cva de Podção, Eficiêcia e Eficácia. Devido à globalização,

Leia mais

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil Uma aálie de deempeho o mecado de coceão de cédito de como o Bail Miiam Cadoo Cota Potifica Uiveidade Católica do Rio de Jaeio Depatameto de Egehaia Idtial Ra Maqê de São Vicete, 225, ala 95L miiam@alo.pc-io.b

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo Depatameto de Ifomática Disciplia: Modelagem Aalítica do Desempeho de Sistemas de Computação Elemetos de Aálise Combiatóia Pof. Ségio Colche colche@if.puc-io.b Teoema: Elemetos de Aálise Combiatóia Modelagem

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA CONHECIENTOS BÁSICOS ATEÁTICA Para repoder à quetõe de o e, utilize o dado da tabela abaixo, que apreeta a freqüêcia acumulada da idade de 0 jove etre 4 e 0 ao. Idade (ao) Freqüêcia Acumulada 4 5 4 6 9

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE ESOAMENTOS EM EGIME EMANENTE eime emaete: são escoametos qe ão aesetam aiação com o temo t Escoametos i-dimesioais: só aesetam m comoete de elocidade qe só aia em ma dieção Escoametos simles hidodiamicamete

Leia mais

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK XXV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES SBT 7, 3-6 DE SETEMBRO DE 7, RECIFE, PE Aálise de Estatégias de Cotole de Eos paa Redes de Sesoes com Modulação OQPSK e GFSK João. Kleischmidt e Walte C. Boelli

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

Linhas de Campo Magnético

Linhas de Campo Magnético Linha de Campo Magnético Popiedade da Linha de Campo Magnético Não há evidência expeimental de monopolo magnético (pólo iolado) Etutua magnética mai imple: dipolo magnético Linha de Campo Magnético ão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA PRAÇA DO ROSÃRIO, 5 - CEP 36570000 - VIÇOSA - MG GABINETCTOPREFEnO LEI N«1199/97 Dispõe sobe alteações no Código Tibutáio do Munícipto e dá outas povidências 0 Povo cte Muntoípio cto Viçosa, po seus epesentutes,

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ivetigação Operacioal Fila de Epera Liceciatura em Egeharia Civil Liceciatura em Egeharia do Território Nuo Moreira - 4/5 roblema Nuo Moreira - 4/5 No erviço de urgêcia do hopital da cidade o paciete ão

Leia mais

07/11/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA AJUSTAMENTO II GA110. Prof. Alvaro Muriel Lima Machado

07/11/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA AJUSTAMENTO II GA110. Prof. Alvaro Muriel Lima Machado 7//6 UNIVERSIDDE FEDERL DO PRNÁ SEOR DE IÊNIS D ERR DEPRMENO DE GEOMÁI JUSMENO II G Pof. lvo Miel Lim Mchdo jtmeto com Ijçõe Lih com zeo mtiz Só obevçõe Lih com zeo mtiz B Sem obevçõe Eqçõe de codição

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

DIFERENCIAIS SALARIAIS E MERCADO POTENCIAL: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL

DIFERENCIAIS SALARIAIS E MERCADO POTENCIAL: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL FACULDADE DE ECOOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOOMIA APLICADA DIFERECIAIS SALARIAIS E MERCADO POTECIAL: EVIDÊCIAS PARA O BRASIL Pedo Vaconcelo Amaal Mauo Boge Lemo Rodigo Feeia Simõe Flávia Lúcia

Leia mais

Formatação de fonte. Teorema da amostragem

Formatação de fonte. Teorema da amostragem Formatação de ote 1 Teorema da amotragem Do aalógico para o digital A amotragem (itatâea) de um ial ou orma de oda aalógica é o proceo pelo qual o ial paa a er repreetado por um cojuto dicreto de úmero.

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca Validação do método de dimeioameto do úmero médio ideal de emete por aca Quitiliao Siqueira Schrode Nomelii 1, Dayae Alve Cota 1, Luca Floretio Silva 1, Alie Sato Ferreira 1, Jaer Moura Pereira 2, Nádia

Leia mais

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL Vito Hugo Mio Doutoado em Ecoomia (CAEN/UFC. Aalista

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO Univeidade Fedeal da Paaíba Cento de Tecnologia Pogama de Pó-Gaduação em Engenhaia Mecânica Metado - Doutoado CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO po Élida

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 12 Momento em Relação a um Eixo Específico e Momento de um Binário. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J.

Mecânica Técnica. Aula 12 Momento em Relação a um Eixo Específico e Momento de um Binário. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Ala 12 Momento em Relação a m Eio Específico e Momento de m Bináio Pof. MSc. Liz Edado Mianda J. Rodiges Pof. MSc. Liz Edado Mianda J. Rodiges Tópicos Abodados Nesta Ala Momento em Relação a m Eio Específico.

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro Poduction, v. 25, n. 3, p. 70-72, jul./et. 205 http://dx.doi.og/0.590/003-653.4203 Eficiência da Intituiçõe de Micocédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto baileio Elaine Apaecida Aaújo a *, Chale

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

Adesivos e Selantes 3M. Poliuretano e Híbrido FORÇA. para seus negócios

Adesivos e Selantes 3M. Poliuretano e Híbrido FORÇA. para seus negócios Adeivo e Selate 3M oliuretao e Muito mai FORÇA para eu egócio Adeivo & Selate 3M Uma liha completa de alta performace O adeivo e elate de poliuretao e híbrido da 3M ão produto moocompoete, que curam com

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO)

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO) ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Ra Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 3797-9800; Fax: (0xx21) 3797-9830 www.energetica.ind.r CALIBRAÇÃO DO

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança INF 16 CAPÍTULO 7 - Itervalo de cofiaça É uma maeira de calcularmo uma etimativa de um parâmetro decohecido. Muita veze também fucioa como um tete de hipótee. A idéia é cotruir um itervalo de cofiaça para

Leia mais

Gerenciamento de passivos ambientais

Gerenciamento de passivos ambientais Geeamet de pav ambeta Mtate: Ma Sll Bahael em Qíma (IQ-USP), Mete em Telga Ambetal (IPT) Det da Edteh Ambetal ma@edtehambetal.m.b - 7-674 Paaba, 6 de tb de Geeamet de Pav Ambeta Apeetaçã MS M.S. Ma Sll

Leia mais

ESTUDO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DIRETO DO TORQUE EM MÁQUINAS DE INDUÇÃO

ESTUDO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DIRETO DO TORQUE EM MÁQUINAS DE INDUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DIRETO DO TORQUE EM MÁQUINAS DE INDUÇÃO

Leia mais

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica.

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica. SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 25 6 a 2 Outubo de 2005 Cutba - Paaá GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO EM MERCADOS DE ENERGIA ELÉTRICA - GME EXTENSÃO DA METODOLOGIA

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o vaprafeira.com M a r i n a B r i z a M o re l l i O r i e nta d o ra : I s a b e l A b a

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

Análise da Resposta Transitória

Análise da Resposta Transitória Uiveridade Etadual do Oete do Paraá Programa de Pó-graduação em Egeharia de Sitema Diâmico e Eergético Tema da Aula: Aálie da Repota Traitória Prof. Dr. Carlo Herique Faria do Sato 1 Etrutura da aula 1

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA LIMA, Nélio Neves; CUNHA, Ygho Peteson Socoo Alves MARRA, Enes Gonçalves. Escola de Engenhaia Elética

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA Vanea Silva RESENDE Eduado Yohio NAKANO RESUMO: O modelo tadicional de análie conunta upõe que a nota atibuída eguem uma ditibuição Nomal.

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

CONSTRUÇÕES FUNDAMENTAIS

CONSTRUÇÕES FUNDAMENTAIS COLÉGIO EDRO II Camp RELENGO II Diciplina: DESENHO ª Séie (EM) of. Sonia Sá CONSTRUÇÕES FUNDMENTIS São contçõe báica feita com axílio do intmento de Deenho. Taçado de RLELS e ERENDICULRES com pa de ESQUDROS

Leia mais

João Eduardo de Souza Grossi

João Eduardo de Souza Grossi UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE, MODELAGEM MATEMÁTICA EM FINANÇAS MODELO DISCRETO DE APREÇAMENTO

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = +

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = + Vléi Zum Medeios & Mihil Lemotov Resolução de Equções Difeeciis Liees po Séies Poto Odiáio (PO) e Poto Sigul (PS) Defiição: Sej equção difeecil lie de odem e coeficietes viáveis: ( ) ( ) b ( ) é dito poto

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo de Ccutos Elétcos Pof. Macelo aatto EXPEIÊNCI No. - ssocação de esstoes Nome do luo N 0 de matícula FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTIA A º Ao Dração: 9 mitos Dezembro/ lassificação Nome Nº T: O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

Lista 2.1 Breves Revisões de Lógica; Noção de Norma e Distância; Breves Noções Topológicas em R n

Lista 2.1 Breves Revisões de Lógica; Noção de Norma e Distância; Breves Noções Topológicas em R n Faculdade de Ecoomia da Uiversidade Nova de Lisboa Apotametos Cálculo II Lista 2.1 Breves Revisões de Lógica; Noção de Norma e Distâcia; Breves Noções Topológicas em R 1. Símbolos e operadores lógicos:

Leia mais

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática A 2.º ao de Escolaridade Prova 65/2.ª Fase Págias Dração da Prova: 50 mitos. Tolerâcia: 0 mitos 2008

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

6.15 EXERCÍCIOS pg. 290

6.15 EXERCÍCIOS pg. 290 56 6.5 EXERCÍCOS pg. 9. Da um mplo d uma fução cotíua po pat dfiida o itvalo ] [. Muito mplo podm ciado. Sgu um dl: ) ( - - f - - - - - - 6 8 y. Calcula a itgal da guit fuçõ cotíua po pat dfiida o itvalo

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO

PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Depyl Action Depilações Ltda-ME Nome Fantasia: Depyl Action - Especializada em Depilação Data

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Bq Qalty tate: Fa Je Feade Jº Clt de Stema de Getã / Adt Ctat: gfeade.fj@gmal.m Ap Paaba, 9 de etemb de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã,

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

Osciladores sinusoidais

Osciladores sinusoidais Ociladore iuoidai Jorge Guilherme 008 #5 Ociladore iuoidai Vi xf xi A Vo Vo A Vi βvo A Vo Vi Aβ ara exitir Vo com Vi0 β Aβ 0 Im Equação caracterítica jb Idetermiação 0 -A -jb Re x t k x t ke x t ke t t

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

CURSO. CHECK LIST Caracterização da tecnologia construtiva da alvenaria de vedação em edifícios de múltiplos pavimentos Recife/PE Novembro de 2006

CURSO. CHECK LIST Caracterização da tecnologia construtiva da alvenaria de vedação em edifícios de múltiplos pavimentos Recife/PE Novembro de 2006 CURSO PROJETO E EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM BLOCOS DE CONCRETO Prof. Dr. Alberto Caado Ecola Politécica de Perambuco Prof. Dr. Luiz Sérgio Ecola Politécica da USP CHECK LIST Caracterização da

Leia mais

Problemas de Valor de Contorno para Equações Diferenciais Ordinárias

Problemas de Valor de Contorno para Equações Diferenciais Ordinárias EQE-358 MÉTODOS NUMÉICOS EM ENGENHI QUÍMIC OFS. EVISTO E GIMIO Caítlo 9 oblema de Valo de Cotoo aa Eqaçõe Dfeea Odáa Codee o eemlo ltatvo da dfão-eação em ma atíla atalíta eféa e ooa: Balaço de maa: etado

Leia mais