DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica."

Transcrição

1 SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME a 2 Outubo de 2005 Cutba - Paaá GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO EM MERCADOS DE ENERGIA ELÉTRICA - GME EXTENSÃO DA METODOLOGIA DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS APLICADA À QUANTIFICAÇÃO DE ÍNDICES DE EFICIÊNCIA ASSOCIADOS A DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Maa Kala Veloet Solleo* Ecola Poltécca/COPPE-UFRJ Maco Peea Etellta L Ecola Poltécca/COPPE-UFRJ RESUMO Ete atgo te coo objeto apeeta a etodologa de Aále Eoltóa de Dado - DEA (Data Eelopet Aaly) paa a deteação de ídce de efcêca o eto baleo de Dtbução de Eega Elétca. Etetato dfeeteete da abodage cláca que pete total lbedade ao peo atbuído à etada e aída ete atgo popõe coo cotbução a copoação de foaçõe pefeeca do tpo etção ao peo à aále de efcêca ataé de DEA. Eta abodage é lutada ataé de u eeplo plfcado ode ão calculada e copaada a efcêca de 22 dtbudoa balea de Eega Elétca. PALAVRAS-CHAVE DEA Aále Eoltóa de Dado Ídce de Efcêca de Dtbudoa de Eega Elétca..0 - INTRODUÇÃO Apó a efoa etutual do eto elétco baleo a aplcação da ega tafáa paou a e de epoabldade de u Agete Regulado a ANEEL co objeto que petede cocla o teee do coudoe e da coceoáa egulada dete o qua detaca-e o ceto à efcêca a auteção do equlíbo ecoôco faceo da coceão e a qualdade adequada do poduto e do eço petado. U apecto fudaetal dete tea é a cluão de u fato de ceto à efcêca (o chaado Fato X) o ídce de eajute de tafa. Reta etão o etabeleceto a defção e a quatfcação de ídce de efcêca. Ete apecto do poto de ta da leglação já etá dedaete egulado e etabelecdo. Etetato paa a áa apopação do gaho petdo pelo aueto da podutdade a coceoáa peca tabalha cotuaete paa o aueto de ua efcêca global. Metodologa que peta de foa elataete fácl copaa dfeete áea e udade de atuação ou eta e teo de ua efcêca global ão etão fudaeta paa o eu decoaeto etatégco. A etodologa popota ete tabalho te do epegada co uceo a aalação e elhoa do deepeho de poceo de fabcação e eecução de eço e áo etoe(). Etetato a aoa da epeêca acoa e teacoa de aplcação de DEA o eto elétco epega o odelo DEA cláco que pete aoca à udade ob aále (coceoáa ou DMU- Deco Makg Ut) total lbedade a ecolha do peo dado à aáe de etada e aída. Poé eta caacteítca do odelo DEA cláco ao pet total lbedade ao peo dado à etada e aída da DMU ob aále lea feqüeteete a cotadçõe co paecee péo ou foaçõe adcoa dpoíe po ão codeae fatoe *Ecola Poltécca da UFRJ- Ceto de Tecologa Bloco H Sala H227 Ilha do Fudão R.J. Tel.: (02) Fa: (02) e-al:

2 2 potate de etada ou aída e po pete que fatoe de eo potâca pedoe. Vaáe potate pode e depezada (peo zeo) o que ão é acetáel. A aplcação de DEA a ea tuaçõe coceta otou o uo de etçõe ao peo o etdo de lta a lbedade copleta de aação petda pelo odelo ogal DEA. Ete peo epeeta u tea elato de alo paa cada DMU aalada foecedo a elho edda poíel de efcêca paa cada DMU atedo a coeêca do tea ou eja peeado aloe áe paa toda a outa DMU. A ete tabalho popõe ua abodage capaz de pet a cluão de foaçõe pefeeca do getoe be coo o teee do coudoe. Seá to que a etçõe copoada ao odelo cláco CCR poblta a aále de áa alteata paa elhoa o deepeho da epea ao toa poíel etabelece faa de aação paa uo e poduto. Falete a abodage popota é lutada co u eeplo e que ão quatfcado ídce de efcêca aocado a 22 Dtbudoa de eega elétca balea. Ete eultado etão tozado co a eta peaete de e peegu ao cofabldade a aalaçõe de efcêca ataé de etodologa a teátca paa atbução de íe de etção ao peo o odelo DEA A METODOLOGIA DEA O étodo de Aále Eoltóa de Dado é u étodo ão-paaétco baeado e pogaação lea toduzdo po Chae e outo()(2) e aplaete aplcado a aále de efcêca copaata ete udade hoogêea de podução (DMU). Ito é a udade pode e aalada e cojuto dede que ue a ea etada e poduza a ea aída co tecologa lae de podução. Ea udade tê ua efcêca dada pela azão podeada da oa da aída e etada e ão copaada ete detfcado-e a udade efcete. Ua da atage de DEA é que ehua foação pefeecal é eceáa.e. ete lbedade a ecolha do peo po pate da udade aalada (DMU) de odo a e pocoae o elho poíel a aále de efcêca. Etetato ão feqüete cao e que algua foação obe a potâca elata ou peço elato a etada e aída etá dpoíel. Não ea azoáel ecluí-la da aále. Retçõe ao peo ão u eo de copoa foaçõe pefeeca e aále de DEA A aplcação de DEA a tuaçõe coceta otou o uo de etçõe ao peo o etdo de lta ua a lbedade copleta de aação petda pelo odelo ogal DEA. Váo etudo co etçõe ao peo tê do popoto (3). Nee atgo é utlzada etção popocoal à etada e aída tua a aále de efcêca de 22 coceoáa de eega elétca do Bal RESTRIÇÃO AOS PESOS NA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS 3. Modelo DEA cláco A etodologa DEA pete cotu fotea de podução da udade poduta (DMU) hoogêea to é udade que utlza poceo tecológco eelhate paa tafoa o eo uo e ecuo e poduto e eultado eelhate. Ta fotea ão epegada paa aala a efcêca elata do plao de opeação eecutado pela DMU e ee tabé coo efeêca paa o etabeleceto de eta efcete paa cada udade poduta. A efcêca a peeça de últpla etada e aída é defda coo a elação ete a oa podeada da aída pela oa podeada da etada. Codeado que ete DMU a ee aalada cada ua co etada e aída o gau de efcêca elata paa ua DMU o tetada é obtdo eoledo o egute poblea de pogaação lea otado e () obtdo do odelo popoto po Chae (). Mau yo ujeto a = ode o = = u yj j 0 = = j e u 0. Nota: ete tabalho cotou co o apoo do CNPq/CTeeg poceo 40908/ =... =... j =... y j = aída poduzda pela DMU j j = etada utlzada pela DMU j u = peo dado a aída = peo dado a etada () Ete poblea é eoldo eze de odo a obte a edda de efcêca (elata) de toda DMU. É upoto etoo cotate de ecala e que toda etada e aída ão ettaete pota. Paa cada DMU aalada (DMU o ) ão atbuído peo à etada e aída de odo a aza ua edda de efcêca. E geal a DMU o é codeada efcete e ea edda é gual a e efcete e eo que. Paa cada DMU efcete o odelo DEA detfca u cojuto de udade efcete que pode e utlzado coo

3 3 efeêca. A DMU dete cojuto pode e utlzada coo bechak paa elhoa a efcêca da DMU obeada. A efeêca ão obtda co a foulação do dual do odelo CCR-ultplcadoe otado aca cohecdo coo CCR-eelope e otado e (2). A pat do odelo eelope a DMU obeada é efcete e a DMU efeêca utlza eo uo atedo pelo eo o eo íel de aída que ela. M θ λ y = λ y λ 0 j j ujeto a θ y jo θ etta. ko k j. θ = edda de efcêca elata popoção e que o put pode e eduzdo λ = tedade da patcpação da DMU j a cotução da DMU copota aáel dual. (2) No odelo aca a DMU obeada é efcete e a DMU efeêca utlza eo uo atedo pelo eo o eo íel de aída que ela. A udade eolda a cotução da DMU efeêca (taget) pode e utlzada coo bechak paa elhoa a efcêca da DMU obeada. 3.2 Retção ao peo e DEA A etutua ateátca do odelo DEA faz co que e uto cao ua DMU eja codeada efcete po ee atbuído peo ulo ou codeado acetáe po epecalta a algua aáe. Ito dee-e à etta flebldade de alocação do peo a deteação da edda de efcêca da DMU toado poíel obte taa eleada de efcêca depezado etada ou aída deejáe. O peo epeeta u tea elato de alo paa cada DMU aalada (DMU o ) que foece a elho edda poíel paa a DMU o atedo a coeeca do tea ou eja que eulte aloe áe paa dea DMU. A etção ao peo pete copoa pefeêca geeca e teo de íel elato de potâca da áa etada e aída (3). Alle e outo (4) apota tê odo dtto de copoa juízo de alo e DEA decto a egu Retção deta ao peo: A poção de etção ao peo pode e copoada ao odelo DEA báco co a cluão da egute etçõe adcoa: k + k α ρ u γ u δ τ β η ε + 2 u ε e u (3) ε é u fteal ão-aquedao e a leta (κ α β γ δ τ ρ η ) ão cotate epecfcada pelo uuáo paa eflet juízo de alo coceete a potâca elata de fatoe da etada ou aída. ( = ) Alé da etçõe aca tabé dee-e altea o egudo teo do PPL = o ubttudo a cotate pela cotate C. A cotate de oalzação C é ecolhda pelo uuáo coo u lte áo a aalação da efcêca. (tpcaete ou 00.) A cco etçõe adcoa a 5 foa clafcada e tê categoa: (a) Retção ao peo aboluto: Lte uéco ao ultplcadoe ão etabelecdo de foa a ão pet que aáe eja upe etada ou goada a aále. Ete tpo de etção pode eulta e u PPL áel leado a elaa o lte até e atg a abldade (5). U do poblea co etção deta ao ultplcadoe (6) etção deta ao peo é a depedêca dete da udade de edda da etada /aída. Muta eze é dfícl da u gfcado à etção deta ao peo. (b) Regão de Seguaça Tpo I-ARI (Auace Rego) Nota: ete tabalho cotou co o apoo do CNPq/CTeeg poceo 40908/

4 4 A etçõe e 2 ão toduzda paa copoa a aále a odeação elata ou aloe elato da etada e aída petdo toduz a opão de epecalta. Thopo e outo (7) deoaa ee tpo de etção de Regão de Seguaça tpo I. (c) Regão de Seguaça Tpo II - AR II É toduzda a etção 3 que elacoa o peo da etada e aída. Io pode eulta e abldade (4). Alé dto a egõe de eguaça ARI e ARII depede da ecala da etada e aída. O lte uado a etçõe ão depedete da cotate de oalzação C Ajute do íe obeado de etada-aída paa copoa juízo de alo. Regõe de eguaça São ctada dua abodage Chae e outo (8) e Golay (988) aba tafoaçõe deada do dual do odelo (3) acecdo da etçõe e 5: (a) O étodo Coe Rato (8) - Nee étodo é geado u cojuto atfcal de dado o qual poduz a ea edda elata de efcêca que a etção 2 o odelo ctada ateoete. (b) O étodo de Golay (988) - Pocuou copoa elaçõe oda da foa 2 3 ε ete o peo de DEA. Se pet ao peo aue alo zeo Retção à etada e aída tua Etada e aída tua de ua DMU poduto do íe de etada/aída pelo eu epecto peo óto dca a cotbução de cada etada e aída à ua taa de efcêca e ão adeoa. Quato ao o íel de etada/aída tual a potate ua cotbução paa a taa de efcêca da DMU aalada. Potato ua etada e aída tua pode ajuda a detfca áea faca e fote de deepeho. Retçõe ao peo tua pode e patculaete teeate quado aloe eteo eceta e taduzdo e etçõe de peo u odelo de DEA. O étodo deeoldo calete po Wog ad Bealey (9) paa etg a flebldade do tua e DEA é baeado o uo de popoçõe aplcada ao odelo CCR (3) ode o opeado pode po lte que eflta juzo de alo (4) coo a egu: yju a b paa u fato da aída y u ode e c u = = j ε j j d e paa u fato da etada. u y = j epeeta a aída tual total da DMUj. No luga de etg o peo ea de DEA etge-e a popoção da aída tual total da DMUj elata à [ a ] aída.e. a " potâca" atbuída à aída pela DMUj ao tealo b edo o lte deteado po epecalta ou pelo uuáo. Ea etçõe popocoa à etada e aída tua e DEA ão epecífca de cada DMU toado a pleetação dee tpo de etção ão tão ple. Wog e Bealey (9) ugea algua alteata aalada po Saco e Dyo (6): a (a) Ipo etçõe à etada e aída tua oete paa a DMU aalada y jo u jo b e c d u ε e y u = jo = jo (b) Retçõe à etada e aída tua aplcada a toda j DMU Paa cada fato de etada ou aída edo etgdo ão adcoada dua equaçõe ao odelo DEA y ju j a b j e c d j u y u = j = (c) Retçõe popocoa ao peo da etada e aída tua Nota: ete tabalho cotou co o apoo do CNPq/CTeeg poceo 40908/ j ε

5 5 a j = = j = y j u y j u b e c j = = j = j j d. Dete odo cada DMU é aalada co quato etçõe adcoa ao odelo DEA paa cada fato etgdo. Nete tabalho fo aplcada a técca de etçõe à etada e aída tua oete paa a DMU aalada APLICAÇÃO DE DEA AO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA O efoque dete tabalho é o eto de dtbução de eega elétca baleo. A ABRADEE (Aocação Balea do Dtbudoe de Eega Elétca) agega 64 dtbudoa da qua ete tabalho aala Epea de Dtbução aalada-dmu A etodologa ege ua elação ía que a e codeada ete o úeo de DMU e o úeo de aáe o odelo DEA (5). A pocuou-e clu o ao úeo poíel de coceoáa (DMU) eta aále. 4.2 Ecolha da aáe Outo poto potate a etodologa de aalação da efcêca da dtbudoa de eega elétca é a ecolha adequada da aáe que eão codeada paa ete f. Apó u leataeto de áo etudo de efcêca ealzado tato acoalete coo teacoalete e copaha de dtbução de eega elétca (0) a (6) fo feta ua eleção pela defdo-e u cojuto de aáe capaz de caacteza adequadaete o deepeho de ua coceoáa de dtbução de eega elétca e flueca a ua efcêca poé obedecedo a etção quato a elação ete o úeo de aáe e de DMU. O dado coepodete à aáe elecoada paa a coceoáa ob aále foa obtdo de áa fote detacado-e o BNDES (Baco Nacoal de Deeoleto Socal) a ABRADEE (Aocação Balea da Dtbuídoa de Eega Elétca) a ANEEL e o balacete da epea codeada dpoíe a teet. Ee dado efee-e ao ao de A egute ááe foa elecoada: Vaáe de etada: CO: Cuto Opeacoal NE: Núeo de epegado Pe: peda técca DEC: Duação Equalete de Iteupção po Udade Coudoa dca o úeo de hoa e éda que u coudo fca e eega elétca duate u peíodo gealete eal. FEC: Feqüêca Equalete de Iteupção po Udade Coudoa dca quata eze e éda houe teupção a udade coudoa (edêca coéco dúta etc). Vaáe de aída: NC: Núeo de coudoe GWh: Eega etegue GWh 4.3 Modelo DEA utlzado Fo adotada oetação a uo dedo à atueza da Copaha de Dtbução de Eega Elétca e etoo cotate de ecala o do odelo aalado: Modelo CCR cláco co oetação a uo e etçõe ao peo Modelo CCR ateo co etçõe à etada e aída tua oete paa a DMU aalada Modelo CCR cláco e etçõe ao peo: A edda de efcêca e o ultplcadoe foa obtdo ataé da ulação co o oftwae OPL Studo/ILOG do odelo CCR cláco Modelo DEA co etçõe Paa aueta o pode dcatóo do odelo foa acecetada etçõe à etada e aída tua oete paa a DMU aalada. Ete tpo de etção pete lta ou gaat a patcpação de deteada Nota: ete tabalho cotou co o apoo do CNPq/CTeeg poceo 40908/

6 6 etada ou aída. Ataé da aalação do peo obtdo a abodage cláca pode-e efa a aále po eeplo peddo dtoçõe de aalação que lee a puta ídce de efcêca áa a algua dtbudoa po ão e codea eu cuto opeacoa coo otado a Tabela. Etada e aída tua de ua DMU que ão o poduto do íe da etada e aída pelo eu epecto peo óto dca a cotbução da ea à ua taa de efcêca e ão adeoa. Quato ao o íel de etada ou aída tual a potate ua cotbução à taa de efcêca da DMU aalada. Potato ua etada e aída tua pode ajuda a detfca áea faca e fote de deepeho. A aále de ebldade aula a deteação do lte a ee adotado be coo a atz de coelação da aáe o etabeleceto de popoçõe da patcpaçõe de quatdade de etada e aída e pode e ua feaeta paa o geto ao toa poíel etabelece faa de aação paa uo e poduto. Retçõe tetada: a y o u b e c y u = o = o o d u ε e Paa cada fato edo etgdo ão adcoada dua equaçõe ao odelo DEA ANÁLISE DOS RESULTADOS 5. Modelo e etçõe O odelo e etçõe ao peo cotua atbu alta efcêca a u gade úeo de DMU ua ez que a ea tê lbedade de ecolhe a cobação de peo a faoáel. Coo pode e efcado a Tabela da 22 copaha aalada 9 obtea efcêca áa úeo elataete alto. Alocado peo apea à aáe CO NE e GWh 5 copaha obtea efcêca áa e ó ua da 7 DMU efcete ão poza o úeo de epegado (NE) e elação ao cuto opeacoal (CO) a DMU 4. TABELA - Efcêca obtda co o odelo CCR/E/I e CCR/M/I e peo alocado Efcêca % CO NE Pe DEC FEC NC GWh DMU CCR/E/I CCR/M/I u u 2 AES Bad CEB CEEE Celec Celg Celpe Ceat Ceg Cej CFLCL Coelba Coelce Copel CPEE CPFL Elekto Eletopaulo Eeul Ecela Lght RGE Obea-e ada que: Fo atbuído peo zeo à aáel cuto opeacoal (CO) de 6 epea edo que aquele dfeete de zeo foa aloe uto pequeo e copaado ao da outa aáe; A aáel de aída eega etegue (GWh) tee peo zeo a aále de 5 coceoáa; Co eceão da CEMIG fo atbuído peo dfeete de zeo à aáel NE; A AES obtee edda de efcêca áa co peo cocetado a aáe NE e NC; Apea 5 epea tea peo alocado à dua aáe de aída. A outa 7 ó a ua dela. 5.2 Modelo co etçõe ao peo Nota: ete tabalho cotou co o apoo do CNPq/CTeeg poceo 40908/

7 7 Coo ctado ateoete foa tetada etçõe à etada e aída tua aplcada à DMU ob aále. Foa cluída a egute etçõe: a PVIR Y b PVIR Y = patcpação da aída tual Y e c PVIR X d PVIR X = patcpação da etada tual X e Apó u etudo de ebldade o cao A fo toado coo efeêca e áa alteata foa tetada. A Tabela 2 detfca o cao cujo eultado ão ltado a Tabela 3. Cao A (Refeêca) Cao B Cao C TABELA 2 - Itealo tetado Itealo a = [ ] b = [ ] a = [ ] b = [ ] a = [ ] b = [ ] c = [ ] d = [ ] c = [ ] d = [ ] c = [ ] d = [ ] TABELA 3 - Medda de efcêca obtda Efcêca % DMU C/ etçõe S/ etçõe A B C AES Bad CEB CEEE Celec Celg Celpe Ceat Ceg Cej CFLCL Coelba Coelce Copel CPEE CPFL Elekto Eletopaulo Eeul Ecela Lght RGE Neta aále o poblea do peo zeo ão ocoe edo elado o eultado deejáe a aalação de coceoáa de eega elétca ocodo o cao e etçõe. Obea-e que o Cao A (efeêca) apea ua coceoáa a CEMIG obtee ídce de efcêca 00%; ua (ELETROPAULO) ete 90 % e 00% e outa a CPFL ete 80 % e 90%. Quado o lte feo da etada tual CO (cuto opeacoal) é elaado de 0. a efcêca calculada paa 6 coceoáa ão é alteada equato a da dea aueta. Ao e elaado ete lte de 0.2 (Cao B) a ELETROPAULO alcaça efcêca 00% equato a 6 que ão haa tdo alteaçõe peaece alteada e a dea tê a edda de efcêca auetada. Meo quado ehua etção é pota ao lte feo da etada tual CO oete a coceoáa CEMIG e ELETROPAULO peaece co edda de efcêca 00 %. Ao elaa-e o lte upeo da pacela elata ao úeo de coudoe oete a CEMIG cotua co efcêca 00%. Se o lte upeo da aída tual GWh é duído e 02 a CEMIG cotua co efcêca áa e toda a outa efcêca fca alteada. Eta aaçõe ão elho obeada a Fgua. Obea-e que a CEMIG (DMU 9) é a úca coceoáa aalada que até efcêca áa e todo tealo tetado o que dca a obutez da obeaçõe e elação a eta epea. Alé dto fca claa a cotêca do eultado obtdo paa dfeete aloe de etção ao peo. Nota: ete tabalho cotou co o apoo do CNPq/CTeeg poceo 40908/

8 8 00 Efcêca S/ Ret Cao A Cao B Cao C DMU FIGURA Copaação da efcêca CONCLUSÃO O tabalho cofa que a Aále Eoltóa de Dado é ua feaeta potate paa a aalação do deepeho da copaha de dtbução de eletcdade ao ajuda a detfca a eta que dee e peeguda co o objeto de elhoa o deepeho da epea. A cluão de etçõe ao peo otou-e u efaeto fudaetal do odelo DEA cláco eta aále. A etçõe copoada ao odelo cláco CCR poblta ao geto aala áa alteata paa elhoa o deepeho de ua epea ao toa poíel etabelece faa de aação paa uo e poduto. É de gade potâca a pobldade de ee codeada últpla aáe abagedo apecto técco e abeta. Ete etudo abe a pepecta de e peegu ao cofabldade o eultado obtdo ataé de etodologa a teátca paa atbução de íe de etção ao peo o odelo DEA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS () Chae A. Coope W. W. Rhode E. Meaug the effcecy of deco akg ut. EJOR978. (2) Bake R.D. A. Chae ad W.W. Coope (984) Soe Model fo Etatg Techcal ad Scale Ieffcece Data Eelopet Aaly. Maageet Scece (3) Coope W.W. L.M. Sefod ad K. Toe. Data Eelopet Aaly. Dodecht: Kluwe Acadec Publhe2000. (4) Alle R. Athaaopoulo A.D. Dyo R.G. Thaaoul E. 997a. Weght etcto ad alue judgeet DEA: Eoluto deelopet ad futue decto. Aal of Opeato Reeach 73. (5) L M.P.E. Meza L.A. Aále Eoltóa de dado e pepecta de tegação o abete de apoo a Decão. COPPE2000. (6) Saco C.S. Dyo R.G Retctg tual weght data eelopet aaly. EJOR. (7) Thopo R.G. Lageee L.N. Lee C. Lee E. ad Thall R. (990) ) The Role of Multple Boud Effcecy Aaly wth Applcato to Kaa Fag Joual of Ecooetc (8) Chae A. Coope W. Huag Z. M. ad Su D. B. (990) Polyhedal Coe-Rato DEA Model wth a llutate Applcato to Lage Coecal Bak Joual of Ecooetc (9) Wog Y.-H.B. Bealey J. E Retctg weght fleblty data eelopet aaly. Joual of the Opeatoal Reeach Socety (0) Euope Ecooc Ctcal Reew of Ofge Coultato Docuet o Mege Eletcty Dtbuto - Repot by Euope Ecooc fo Eletcty Aocato - Dec/ 200. () Jaab T; Pollt M.-Bechakg ad egulato: teatoal electcty epeece utlte Polcy (2) Jaab T.; Polltt M. -Iteatoal Utlty Bechakg & Regulato: A Applcato to Euopea Eletcty Dtbuto Copae Uety of Cabdge Jue (3) Kohoe Pekka; Syjae Mkko Ealuato of cot Effcecy Fh Electcty Dtbuto / Helg School of Ecooc (4) Peetu Deah (DAE Wokg Pape WP 0232). (5) Sula Muay Bechakg Pefoace of UK Eletcty Dtbuto Utlte: A Study of Qualty Effcecy ad Podutty Chage ug DEA Wawck Bue School ( ). (6) Weya-Joe T.G. RPI-X Pce Cap Regulato: The Pce Cotol Ued UK Electcty Utlte Polcy Out./990 pp. 6L-77. Nota: ete tabalho cotou co o apoo do CNPq/CTeeg poceo 40908/

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Avaliação da Eficiência Técnica Relativa de Unidades Básicas de Saúde Empregando a Análise por Envoltória de Dados - DEA

Avaliação da Eficiência Técnica Relativa de Unidades Básicas de Saúde Empregando a Análise por Envoltória de Dados - DEA Avalação da Efcêca Técca Relatva de Udades Báscas de Saúde Epegado a Aálse po Evoltóa de Dados - DEA Bábaa de Cássa Xave Casss Agua Depataeto de Mateátca, UFPR 853-99, Cutba, P E-al: babateatca@ahoo.co.b

Leia mais

ÁREA DE COBERTURA EM AMBIENTE DE PROPAGAÇÃO MODELADO COM A DISTRIBUIÇÃO κ µ

ÁREA DE COBERTURA EM AMBIENTE DE PROPAGAÇÃO MODELADO COM A DISTRIBUIÇÃO κ µ ÁREA DE COBERTURA EM AMBIENTE DE PROPAGAÇÃO MODELADO COM A DISTRIBUIÇÃO κµ κµ JAMIL RIBEIRO ANTÔNIO Dssetação apesetada ao Isttuto Nacoal de Telecomucações INATEL como pate dos equstos paa obteção do Título

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EFICÊNCIA DE DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS COM RESTRIÇÕES AOS PESOS

AVALIAÇÃO DE EFICÊNCIA DE DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS COM RESTRIÇÕES AOS PESOS AVALIAÇÃO DE EFICÊNCIA DE DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS COM RESTRIÇÕES AOS PESOS Maa Kala Veloet Solleo Ecola Poltécca/Coppe/UFRJ Ecola Poltécca/UFRJ-CP68529-

Leia mais

Aluno(a): Professor: Chiquinho

Aluno(a): Professor: Chiquinho Aluo(a): Pofesso: Chquho Estatístca Básca É a cêca que tem po objetvo oeta a coleta, o esumo, a apesetação, a aálse e a tepetação de dados. População e amosta - População é um cojuto de sees com uma dada

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

Diagnóstico de Avarias nos Rolamentos de Motores de Indução Trifásicos

Diagnóstico de Avarias nos Rolamentos de Motores de Indução Trifásicos agótco de Avaa o Rolameto de Motoe de Idução Táco Joé L. H. Slva 1 A. J. Maque Cadoo 1 Ecola Supeo de Tecologa de Veu epatameto de Egehaa Mecâca e Getão Idutal Campu Poltécco de Repee, P - 4-1 Veu, Potugal

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

16 - PROBLEMA DO TRANSPORTE

16 - PROBLEMA DO TRANSPORTE Prof. Volr Wlhel UFPR TP05 Pesqusa Operacoal 6 - PROBLEMA DO TRANSPORTE Vsa zar o custo total do trasporte ecessáro para abastecer cetros cosudores (destos) a partr de cetros forecedores (orges) a, a,...,

Leia mais

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão LCE Etatítca Aplcada à Cêca Soca e Ambeta 00/0 Eemplo de revão Varável Aleatóra Cotíua Eemplo: Para e etudar o comportameto de uma plata típca de dua, a Hydrocotlle p., quato ao eu deevolvmeto, medu-e

Leia mais

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo de Ccutos Elétcos Pof. Macelo aatto EXPEIÊNCI No. - ssocação de esstoes Nome do luo N 0 de matícula FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013 Aula-9 ampos Magnétcos Poduzdos po oentes uso de Físca Geal F-38 o semeste, 13 Le de Bot - Savat Assm como o campo elétco de poduzdo po cagas é: 1 dq 1 dq db de ˆ, 3 ε ε de manea análoga, o campo magnétco

Leia mais

Síntese de Transformadores de Quarto de Onda

Síntese de Transformadores de Quarto de Onda . Sítese de rasforadores de Quarto de Oda. Itrodução rasforadores de guia de oda são aplaete epregados o projeto de copoetes e oda guiada e são ecotrados e praticaete todas as cadeias alietadoras de ateas

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA CONHECIENTOS BÁSICOS ATEÁTICA Para repoder à quetõe de o e, utilize o dado da tabela abaixo, que apreeta a freqüêcia acumulada da idade de 0 jove etre 4 e 0 ao. Idade (ao) Freqüêcia Acumulada 4 5 4 6 9

Leia mais

PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004

PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004 PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004 SUMÁRIO 1. INRODUÇÃO... 1 2. FONE DE DADOS... 1 3. PROJEÇÃO DO NÚMERO DE DOMICÍLIOS... 2 3.1 Mucípo emacpado em 2001... 5 3.2 População

Leia mais

13 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL

13 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL 3 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Como vto em amotragem o prmero bmetre, etem fatore que fazem com que a obervação de toda uma população em uma pequa eja mpratcável, muta veze em vrtude

Leia mais

Formatação de fonte. Teorema da amostragem

Formatação de fonte. Teorema da amostragem Formatação de ote 1 Teorema da amotragem Do aalógico para o digital A amotragem (itatâea) de um ial ou orma de oda aalógica é o proceo pelo qual o ial paa a er repreetado por um cojuto dicreto de úmero.

Leia mais

O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE)

O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE) Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O tanssto de junção bpola (J) pola dos tpos de cagas, electões e buacos, enoldos nos fluxos de coente Junção duas junções pn. Junção base/emsso e junção base/colecto

Leia mais

Grupo I (5 valores) Grupo II (5 valores)

Grupo I (5 valores) Grupo II (5 valores) Duração: 3h. Jutifique a ua repota. ISCTE Lieiatura em Eeharia de Teleomuiaçõe e Iformátia Sitema de Teleomuiaçõe Guiado Exame de ª époa, o letivo 07/08, /0/008 Grupo I (5 valore) Uma rede telefóia utiliza

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

Escola Secundária de Jácome Ratton

Escola Secundária de Jácome Ratton Ecola Secudára de Jácome Ratto Ao Lectvo / Matemátca Aplcada à Cêca Soca Na Ecola Secudára do Suceo aualmete é premado o aluo que tver melhor méda a ua clafcaçõe a dferete dcpla. No ao lectvo 9/, o do

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 2

Balanço de Massa e Energia Aula 2 alaço de assa e Eerga ula Udades e Desão Desão: Quatdade que pode ser edda, são as gradezas báscas coo copreto, assa, tepo, teperatura etre outras, ou quatdades calculadas pela dvsão ou ultplcação de outras

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ivetigação Operacioal Fila de Epera Liceciatura em Egeharia Civil Liceciatura em Egeharia do Território Nuo Moreira - 4/5 roblema Nuo Moreira - 4/5 No erviço de urgêcia do hopital da cidade o paciete ão

Leia mais

Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce

Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce Ceará, 19/05/2016 CONERGE Agenda: Regulamentação Definição de Indicadores de Qualidade Histórico de Indicadores Coletivos Qualidade 2

Leia mais

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE ESOAMENTOS EM EGIME EMANENTE eime emaete: são escoametos qe ão aesetam aiação com o temo t Escoametos i-dimesioais: só aesetam m comoete de elocidade qe só aia em ma dieção Escoametos simles hidodiamicamete

Leia mais

SAMUEL V. DIAS 1, PAULO J. GONÇALVES 2, LAURINDA L. N. DOS REIS 2, JOSÉ C. T. CAMPOS 2

SAMUEL V. DIAS 1, PAULO J. GONÇALVES 2, LAURINDA L. N. DOS REIS 2, JOSÉ C. T. CAMPOS 2 CONTROE DE POTÊNCIA ATIVA E REATIVA AUTOCOMPENSADA UTIIZANDO TOPOOGIA DE CONVERSORES SIMPIFICADA APICADO A UM GERADOR EÓICO DUPAMENTE AIMENTADO SAMUE V. DIAS, PAUO J. GONÇAVES, AURINDA. N. DOS REIS, JOSÉ

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS. Moivaçõe Como vio o Regulado de Eado maném o iema em uma deeminada condição de egime pemanene, ou eja, ena mane o eado em uma dada condição eacionáia.

Leia mais

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança INF 16 CAPÍTULO 7 - Itervalo de cofiaça É uma maeira de calcularmo uma etimativa de um parâmetro decohecido. Muita veze também fucioa como um tete de hipótee. A idéia é cotruir um itervalo de cofiaça para

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981 CC Vsã Cputacnal Câeas Insttut ecnlógc de Aenáutca P. Cals Henque Q. Fste Sala IEC aal 598 ópcs da aula Mdels de câeas Aqusçã de agens Paâets da câea Recupeaçã da atz de pjeçã Calbaçã de sa Lv paa acpanha

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Aálie de Eficiêcia do Mecado Bacáio Baileio Utilizado a Metodologia da Aálie Evoltóia de Dado Flávio Paim Feaza Metado em Admiitação pela Facldade Ibmec/RJ Av. Rio Baco, 8, qito ada,

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Estabilidade para Pequenas Perturbações e Dimensionamento de Estabilizadores. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores _

Estabilidade para Pequenas Perturbações e Dimensionamento de Estabilizadores. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores _ Etabldade para Pequena Perturbaçõe e Dmenonamento de Etablzadore Metrado em Engenhara Electrotécnca e de Computadore _ Dnâmca e Etabldade de Stema de Energa J. A. Peça Lope Conceto Teórco Repreentação

Leia mais

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro Poduction, v. 25, n. 3, p. 70-72, jul./et. 205 http://dx.doi.og/0.590/003-653.4203 Eficiência da Intituiçõe de Micocédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto baileio Elaine Apaecida Aaújo a *, Chale

Leia mais

Interação e acoplamento modal na análise de cascas cilíndricas

Interação e acoplamento modal na análise de cascas cilíndricas Iteração e acoplaeto odal a aálise de cascas cilídricas ourival Júio Foseca Dias,a, Frederico Martis Alves da Silva,b Uiversidade Federal de Goiás, 7605-0, Brasil a ljfdias@otail.co, b silvafa@eec.ufg.br

Leia mais

ESTUDO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DIRETO DO TORQUE EM MÁQUINAS DE INDUÇÃO

ESTUDO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DIRETO DO TORQUE EM MÁQUINAS DE INDUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DIRETO DO TORQUE EM MÁQUINAS DE INDUÇÃO

Leia mais

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS PROBABILÍSTICAS ÀS TARIFAS DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Djalma M. Falcão COPPE/UFRJ

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS PROBABILÍSTICAS ÀS TARIFAS DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Djalma M. Falcão COPPE/UFRJ GPL/026 2 a 26 de Outubo de 200 Campas - São Paulo - Basl GRUPO VII PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS APLICAÇÃO DE TÉCNICAS PROBABILÍSTICAS ÀS TARIFAS DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO Yu S.B. Wllmesdof

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

Design de aplicativos moveis

Design de aplicativos moveis Design de aplicativos moveis Os dispositivos móveis mais comuns : S m a r t p h o n e ; P D A ; Te l e m ó v e l ( pt) / C e l u l a r ( br); C o n s o l e p o r t á t i l ; U l t r a M o b i l e P C ;

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS

UMA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS ISSN 275-6295 R de Jae- Basl, 08 e 09 vemb de 2007. SPOLM 2007 UMA AVALIAÇÃO DE URSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO ONTROLÁVEIS Feada Rdgues ds Sats us de Egehaa de Pduçã

Leia mais

Análise de uma Fila Única

Análise de uma Fila Única Aálise de ua Fila Úica The A of oue Syses Pefoace Aalysis Ra Jai a. 3 Fila Úica O odelo de filas ais siles coé aeas ua fila Pode se usado aa aalisa ecusos idividuais e siseas de couação Muias filas ode

Leia mais

Unidade Símbolo Grandeza

Unidade Símbolo Grandeza Unidade Prefixo Noe Síbolo Fator Multiplicador Noe Síbolo Fator Multiplicador exa E 10 18 deci* d 10-1 peta P 10 15 centi* c 10 - tera T 10 1 ili* 10-3 giga* G 10 9 icro* 10-6 ega* M 10 6 nano n 10-9 quilo*

Leia mais

Palavras-chave: Problemas de corte e empacotamento, carregamento de contêineres com múltiplos destinos, otimização combinatória, modelagem matemática.

Palavras-chave: Problemas de corte e empacotamento, carregamento de contêineres com múltiplos destinos, otimização combinatória, modelagem matemática. 1 ABORDAGENS PARA PROBEMAS DE CARREGAMENTO DE CONTÊINERES COM CONSIDERAÇÕES DE MÚTIPOS DESTINOS eoardo Juquera Realdo Morabto Dese Sato Yaashta Departaeto de Egehara de Produção Uversdade Federal de São

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

A Utilização da Análise por Envoltória de Dados na Liberação de Crédito em uma Agência Bancária no Rio Grande do Sul

A Utilização da Análise por Envoltória de Dados na Liberação de Crédito em uma Agência Bancária no Rio Grande do Sul A Utlzação da Aálse po Eoltóa de Dados a Lbeação de Cédto e a Agêca Bacáa o Ro Gade do Sl Daae de Fáta Dos Satos Beo daaeojaopes@ahoo.co.b Ucz Elae Sel Eelg Pa epa@cz.ed.b Ucz Katsca Schee Vagas katschee@ahoo.co.b

Leia mais

ANEEL e perspectivas para o

ANEEL e perspectivas para o ANEEL e perspectivas para o setor Elétrico no Brasil BRITCHAM BRASIL Rio de Janeiro, julho de 9 Nelson Hubner Diretor-Geral Missão da ANEEL: Promover o equilíbrio entre consumidores, agentes regulados

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Reator Tubular de Alta Pressão para Produção de PEBD

Modelagem e Simulação de um Reator Tubular de Alta Pressão para Produção de PEBD UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEARTAENTO DE ENGENHARIA QUÍICA ROGRAA DE ÓS-GRADUAÇÃO E ENGENHARIA QUÍICA odelage e Siulação de u Reato Tubula de Alta eão paa odução de

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

TEORIA DO FLUXO DE TRÁFEGO

TEORIA DO FLUXO DE TRÁFEGO Uerdade de Braíla Faculdade de Tecologa Departaeto de Egehara Cl e Abetal Área de Traporte ENGENHARIA DE TRÁFEGO apotla: TEORIA DO FLUXO DE TRÁFEGO Prof. Paulo Cear Marue da Sla Março de 994 Reada e abr/00

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

6. ANÁLISE MODAL DE SISTEMAS COM N GL

6. ANÁLISE MODAL DE SISTEMAS COM N GL VIBRAÇÕES EÂNIAS - APÍULO 6 - ANÁLISE ODAL N GL 78 6. ANÁLISE ODAL DE SISEAS O N GL Neste aítulo seão aalsadas as aateístas odas, feüêas atuas e odos de vba de ssteas ão aotedos o gaus de lbedade. Seão

Leia mais

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO Univeidade Fedeal da Paaíba Cento de Tecnologia Pogama de Pó-Gaduação em Engenhaia Mecânica Metado - Doutoado CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO po Élida

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

DIFERENCIAIS SALARIAIS E MERCADO POTENCIAL: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL

DIFERENCIAIS SALARIAIS E MERCADO POTENCIAL: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL FACULDADE DE ECOOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOOMIA APLICADA DIFERECIAIS SALARIAIS E MERCADO POTECIAL: EVIDÊCIAS PARA O BRASIL Pedo Vaconcelo Amaal Mauo Boge Lemo Rodigo Feeia Simõe Flávia Lúcia

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

i CC gerador tg = P U = U.i o i i r.i 0 i CC i i i

i CC gerador tg = P U = U.i o i i r.i 0 i CC i i i GEDO ELÉTIO "Levao-se em cota a esstêca tea o geao, pecebemos que a p ete os temas é meo o que a foça eletomotz (fem), evo à pea e p a esstêca tea." - + = -. OENTE DE TO-IITO Se lgamos os os temas e um

Leia mais

Análise de Componentes Principais

Análise de Componentes Principais PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CPGA-CS Aálse Multvd Alcd s Cêcs Agás Aálse de Comoetes Pcs Clos Albeto Alves Vell Seoédc - RJ //008 Coteúdo Itodução... Mt de ddos X... 4 Mt de covâc S... 4 Pdoção com méd eo

Leia mais

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica 59087 Bofísca II FFCLRP P Pof. Atôo Roque Aula 7 A Base emodâmca da Pessão Osmótca Elemetos de emodâmca As les báscas da temodâmca dzem espeto à covesão de eega de uma foma em outa e à tasfeêca de eega

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Gabarito da a Prova de Geometria I - Matemática - Monica 9/05/015 1 a Questão: (4,5 pontos) (solução na

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

FORÇA DE ORIGEM MAGNÉTICA NO ENTREFERRO

FORÇA DE ORIGEM MAGNÉTICA NO ENTREFERRO AOTILA DE ELETROMAGNETIMO I 141 15 ORÇA DE ORIGEM MAGNÉTICA NO ENTREERRO E u circuito aético o fuxo produzido peo seu capo deve percorrer u caiho fechado. e este circuito tiver etreferros, ees aparecerão

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

TRANSFORMADA DISCRETA DE FOURIER. Prof. M.A.Garms

TRANSFORMADA DISCRETA DE FOURIER. Prof. M.A.Garms RSORMD DISCRE DE OURIER Pof. M..Gas UIP - 2 ELERÔIC EMBUID Co a volução da Micoltôica a dissiação dos coputados, todas as áas d aplicação da Eghaia Elética foa ivadidas po quipatos basados pocssados digitais.

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

Sobre a classe de diferenciabilidade de quocientes de polinômios homogêneos.

Sobre a classe de diferenciabilidade de quocientes de polinômios homogêneos. Uvesdade Regoal do Ca - URCA CADERNO DE CULTURA E CIÊNCIA VOLUME Nº - 008 IN 980-586 obe a classe de dfeecabldade de quocetes de polômos homogêeos About the Dffeetablty Class of the Quotet of Homogeeous

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA Vanea Silva RESENDE Eduado Yohio NAKANO RESUMO: O modelo tadicional de análie conunta upõe que a nota atibuída eguem uma ditibuição Nomal.

Leia mais

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA PRAÇA DO ROSÃRIO, 5 - CEP 36570000 - VIÇOSA - MG GABINETCTOPREFEnO LEI N«1199/97 Dispõe sobe alteações no Código Tibutáio do Munícipto e dá outas povidências 0 Povo cte Muntoípio cto Viçosa, po seus epesentutes,

Leia mais

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula.

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula. Probabldade e Etatítca I Antono Roque Aula Medda de Dperão A medda de tendênca central não ão ufcente para e caracterzar um conjunto de dado. O motvo é que ete varação na natureza, to é, dado que venham

Leia mais

MICROECONOMIA II. 1) Equilíbrio Geral e Bem-Estar. A Caixa de Edgeworth. David Henriques. 1.1) Economia de troca pura; equilíbrio Walrasiano.

MICROECONOMIA II. 1) Equilíbrio Geral e Bem-Estar. A Caixa de Edgeworth. David Henriques. 1.1) Economia de troca pura; equilíbrio Walrasiano. Davd Henqe EN Eqlío Geal e e-eta MIOEONOMI II Eonoa de toa a; eqlío Walaano Eqlío Geal: anala-e oo a ondçõe de oa e oeta nteage e dveo eado aa detena o eço de dveo en aa de Edgeoth - aa de Edgeoth ode

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.71-81, Outubro, 2009 Método implificado para cálculo de laje maciça apoiada em viga fleívei: validação por meio da análie não linear Simplified method for

Leia mais

Resistência e reatância elétrica de condutores de cabos elétricos

Resistência e reatância elétrica de condutores de cabos elétricos Reitêcia e reatâcia elétrica de codutore de cabo elétrico Vitor Sued Mateco Juho 005 INTROUÇÃO ara o cálculo da queda de teão e cabo, fora coiderado o dado cotate a ora abaixo relacioada.ea ora algu ite

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 178 MAIO 1991 O ÍNDICE DE VARIAÇÃO, UM SUBSTITUTO VANTAJOSO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO

CIRCULAR TÉCNICA N o 178 MAIO 1991 O ÍNDICE DE VARIAÇÃO, UM SUBSTITUTO VANTAJOSO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 178 MAIO 1991 O ÍNDICE DE VARIAÇÃO, UM SUBSTITUTO VANTAJOSO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO INTRODUÇÃO Fedeco Pmentel Gome * Chama-e coefcente de vaação () de um expemento

Leia mais

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK XXV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES SBT 7, 3-6 DE SETEMBRO DE 7, RECIFE, PE Aálise de Estatégias de Cotole de Eos paa Redes de Sesoes com Modulação OQPSK e GFSK João. Kleischmidt e Walte C. Boelli

Leia mais