Gerenciamento de passivos ambientais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de passivos ambientais"

Transcrição

1 Geeamet de pav ambeta Mtate: Ma Sll Bahael em Qíma (IQ-USP), Mete em Telga Ambetal (IPT) Det da Edteh Ambetal Paaba, 6 de tb de

2 Geeamet de Pav Ambeta Apeetaçã MS M.S. Ma Sll Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

3 ÁREAS CONTAMINADAS Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

4 Dúvda a be geeamet de pav ambeta Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

5 Qal val? Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

6 Qal val? Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

7 ASPECTOS AMBIENTAIS O apet é defd pela NBR ISO4 m elemet da atvdade, pdt e evç de ma gazaçã qe pdem teag m me e ambete. O apet tat t pde e ma máqa eqpamet m ma atvdade exetada p ela p algém qe pdzam ( pam pdz) algm efet be me ambete. Chamam de apet ambetal gfatv àqele apet qe tem m mpat ambetal gfatv. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

8 IMPACTO AMBIENTAL? M Relçã.º /86 d CONAMA (Celh Naal de Me Ambete), Atg º, mpat ambetal é: qalqe alteaçã da ppedade fía, qíma e blóga d me ambete, aada p qalqe fma de matéa eega eltate da atvdade hmaa qe, deta detamete, afetam: I a aúde, a egaça e bem-eta da pplaçã; II a atvdade a e eôma; III abta;iv a dçõe etéta e atáa d me ambete; V a qaldade d e ambeta. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

9 O QUE É PASSIVO AMBIENTAL? Obgaçõe qe exgã a etega de atv petaçã de evç em m mmet ft, em deêa da taaçõe paada peete e qe evlveam a empea e me ambete. (Rbe e Lba, ) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

10 Pav Ambetal Relta de exgêa lega ta m: bgaçã de epea ma áea degadada bgaçã de epaa m da ambetal O t de epeaçã epaaçã epeeta mtate d pav ambetal. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

11 BOM NEGÓCIO (CHEFE) PASSIVO AMBIENT TAL Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

12 BOM NEGÓCIO? (VOCÊ TÉCNICO RESPONSÁVEL) PASSIVO AMBIENT TAL? Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

13 Medda de tle Mtamet Maej Repeaçã Remedaçã Medda de peveçã PASSIVO AMBIENTA AL Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

14 Exeí I OLHANDO-SE NO ESPELHO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

15 Exeí I M. CUMPRIMENTO DA LEI. INICIATIVAS NÃO INTEGRADAS CUMPRE O MÍNIMO EXIGIDO POR LEI COM RISCO MÍNIMO A CUSTO MÍNIMO. SEM POLÍTICA AMBIENTAL PRÓ-ATIVA. PLANO E INICIATIVAS AMBIENTAIS INTEGRADAS POSSUI POLÍTICA DE DESEMPENHO AMBIENTAL, COM OBJETIVOS ALÉM DOS EXIGIDOS POR LEI TENTA ANTECIPAR O DESENVOLVIMENTO DA LEGISLAÇÃO E COMEÇA O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO P/ OTIMIZAR O USO DOS RECURSOS NATURAIS É PONTUAL E NÃO SISTÊMICA 4. DESEMPENHO SUSTENTÁVEL TODOS OS PROCESSOS SÃO GESTADOS FOCADOS NA QUESTÃO AMBIENTAL MELHORIA CONTINUADA GESTOR AVALIADO PELO IMPACTO DE DECISÕES AO MEIO AMBIENTE SEGUNDO KINLAW (997) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

16 EXERCÍCIO II Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

17 PERGUNTA Faamet de m empeedmet A atvdade d d d empeedmet ge pav ambetal (l e ága b. tamad). O ba teve m gaata de empétm tee da empea. O empétm ã f pag. A empea m d mapa. Adjdad tee dad em gaata d empétm, ba ame pav ambetal?? PROBLEMA Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

18 Peete U petét e atal Paad Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

19 Mdel Bale Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

20 CETESB Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

21 Nmatzaçã ABNT/NBR 6 M ABNT/NBR 555- (Mdel Cetal paa (Avalaçã Pelma) Geeamet de AC) ABNT/NBR 555- ABNT/NBR 5847 (Ivetgaçã Cfmatóa) (Amtagem de Ága Sbteâea ) ABNT/NBR 555- (Ivetgaçã Detalhada ) ABNT/NBR (Pç de Mtamet - ABNT/NBR 69 Italaçã) (Avalaçã de R a Saúde Hmaa) ABNT/NBR (Pç de Mtamet - Deevlvmet) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

22 CETESB Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

23 AVALIAÇÃO DE RISCO A etapa deavalaçã de tt ma feameta tlzada paa def a eedade d de mplemetaçã de medda de teveçã em ma áea tamada e paa etabelee a meta de emedaçã a eem atgda, vad a eabltaçã paa delaad. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

24 Pla de Iteveçã. REMEDIAÇÃO Efêa e efáa (Seleçã da Téa/Reltad). Paz de Remedaçã (5 a a pat da Ivetgaçã Cfmatóa). Repável Legal / Repável Té aam jt. Ógã Ambetal m Adt de Pe. Mtamet de a pó emedaçã Eead d pe - Tem de Reabltaçã da Áea paa U Delaad. Ivetmet pdem além da emedaçã da áea! Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

25 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

26 VALORAÇÃO AMBIENTAL Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

27 A Le Fedeal 6.98/8 At. 4º A Plíta Naal d Me Ambete vaá: (...) VII à mplataçã, a pld e a pedad, da bgaçã de epea e/ deza da aad (...). Vé: peevaçã d me ambete elgamete eqlbad. Além da vã atpêta. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

28 Cae de Valaçã Dematamet/Adete Plçã de, leçl feát, a et. Sevç públ U de RN Repeaçã de Áea Ctamada Cmpa e Veda de Áea Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

29 VALORAR Sea da Mtta (997) apeeta a egte eqaçã paa a valaçã ambetal de m e atal: VERA = VUD + VUI + VO + VE, de: VERA Val eôm d e ambetal Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

30 DEFINIÇÕES Val de U Det (VUD) qad dvíd ealmete e tlza m e, p exempl, a fma de extaçã, vtaçã ta atvdade de pdçã m det; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

31 DEFINIÇÕES Val de U Idet (VUI) qad beefí atal d e deva-e da fçõe etêma, m, p exempl, a pteçã d l e a etabldade lmáta deete da peevaçã da fleta; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

32 DEFINIÇÕES Val de Opçã (VO) qad dvíd atb val em det e det paa be e evç ambeta qe pdeã e ptad em ft póxm e ja falta de peevaçã pde ameaçá-l. P exempl, beefí advd de fáma deevlvd m bae em ppedade meda ada ã debeta de plata em fleta tpa. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

33 DEFINIÇÕES M Val de extêa (VE) epeeta val de ã ( val pav), emba epeete m ambetal e deva-e de ma pçã mal, ltal, éta altíta em elaçã, p exempl, a det de extêa de epée ã-hmaa peevaçã de ta qeza ata, mem qe eta ã epeetem atal ft paa dvíd. Uma expeã mple dete val é gade apel da pã públa paa alvamet de balea a peevaçã em egõe emta. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

34 CONSEQUÊNCIA DE PASSIVOS AMBIENTAIS. Cmpmetmet da magem da empea. Qetamet da efáa d Etad m eglad e falzad. Pplaçã fe agav à aúde Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

35 Cmpletad Deã CG º Captal m aáte matv, da Cegeda Geal da Jtça, pblada Dá Ofal d Etad de.6.6, qe detem a avebaçã à magem d egt mblá de áea mpvadamete tamada. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

36 FALANDO SOBRE A REMEDIAÇÃO... Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

37 ? COM QUE CRITÉRIO INVESTIREI O $$$$$$$$$ PROBLEMA PENSAR MAU INVESTIMENTO CADÊ O CONSULTOR? Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

38 Ct Det - Seleçã de Telga Efáa Sbpdt de degadaçã e tle Cfabldade da téa Faldade de peaçã, tle e mplemetaçã Aetaçã RESULTADOS!!!! QUEM MONITORA? Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

39 Reltad Pát M Fte: CETESB () Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

40 Evlçã de Ca ( ) M Fte: CETESB () Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

41 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp Fte: CETESB ()

42 Fte: CETESB () Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

43 (%) TROCA DE TECNOLOGIA - NPL EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DE TECNOLOGIAS - NPL P&T BIORREMEDIAÇÃO (OUTRAS TÉCNICAS) MNA OUTROS EPA Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

44 EXERCÍCIO FINAL - PREÇO HEDÔNICO Caa a m ma 4 qat mblada va empe gal, pém... Dfeete eá Val padã paa ee móvel 5 ml ea Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

45 Vzhaça EXERCÍCIO FINAL Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

46 vzhaça Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

47 ÁREA ORIGINAL Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

48 vzhaça Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

49 REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICA M AINSWORTH, S.;JEHN, P. Se wate ptet: what t f y?. Gdwate Mtg ad Remedat, v.5,., p.44-5, 5. COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO - CETESB. Maal de geeamet de áea tamada. Sã Pal: CETESB,. COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO - CETESB. Cadat de áea tamada. Sã Pal: CETESB, 5. COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO - CETESB. Text explatv Relaçõe de áea tamada e eabltada Etad de Sã Pal. Sã Pal: CETESB, COMUNE, A. E.; MARQUES, J. F. A tea eláa e a valaçã ambetal. I: ROMEIRO, A. R.; REYDON, B. P.; LEONARDI, M. L. A. (Og.) Ema d me ambete: tea, plíta e a getã de epaç ega. Campa: UNICAMP, 997. p. -4. Klaw, D. C. Empea mpettva e elóga. Sã Pal: Mak Bk, 995. SEROA DA MOTTA, Rald. Maal paa Valaçã Eôma de Re Ambeta. Mté d Me Ambete, d Re Híd e da Amazôa Legal p. SILLOS, M. Valaçã Ambetal de Pe de Remedaçã de Áea Ctamada p Hdabet de Petóle. IPT. 6. p. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

50 O qe pe abe be tamaçã????????? POLUIÇÃO,CONTAMINAÇÃO E REMEDIAÇÃO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

51 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

52 RISCO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

53 Avalaçã de R à Saúde M O qe é? Hmaa Avalaçã de R Txlóg é m pedmet teamete defeável e etalmete tetável, vltad a deevlvmet de Meta de Remedaçã paa Áea Ctamada qe ptejam a aúde hmaa e qe ejam apláve téa e faeamete. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

54 Fmlaçã d pblema Qa ã me mpatad? Sl Ága bteâea Ága pefal / edmet A ambete fehad A ambete abet Qem etá expt? Reepte hma Tabalhade Redete Taete Reepte Elóg Ama Plata Epée ameaçada Pplaçõe eíve Id Mlhee qe almetam latete Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

55 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

56 TRANSPORTE DA CONTAMINAÇÃO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

57 Tp de Ctamate Ogâ Igâ Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

58 Ogâ /7 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

59 Sataçã Reda l M DNAPL/LNAPL PM Za Nã Satad a DNAPL Redal Plm a de Vap M ga çã Baxa Pemeab ld ad e Plma de Sataçã Reda l a Za Satada C tamate Dlvd ad a DNAPL Plma de Ctama te D lvd /7 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

60 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

61 Igâ Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

62 Exeí CITAR CONTAMINANTES INORGÂNICOS? RELACIONAR COM ATIVIDADES PRODUTIVAS? Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

63 FONTE DIRETA METAIS M LISTA DE METAIS CETESB 5+ Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

64 AQUÍFEROS/INVESTIGAÇÃO COM FINS DE REMEDIAÇÃO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

65 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

66 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

67 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

68 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

69 ÁQUÍFEROS Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

70 Téa de Repeaçã de Áea Ctamada Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

71 Fte de Ctamaçã ReídR Eflete Opeaçõe adeqada Vazamet e deamamet em deêa de adete Ma d e ata Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

72 Peam de ma EX-SITU Slçã???? IN SITU $$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$ $$$ $$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$ Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

73 Remedaçã EX-SITU M Alg exempl de téa de emedaçã: Eavaçã, emçã e detaçã de l tamad Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

74 GESTÃO DE RESÍDUOS aatezaçã e lafaçã egd NBR 4; detaçã fal (m tmzaçã de t) - Ate C-peamet Ieaçã Tatamet Tém Bplha et Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

75 TECNOLOGIAS DE REMEDIAÇÃO IN-SITU BOMBEAMENTOS SISTEMAS DE REMEDIAÇÃO AVANÇADO SISTEMA DE EXTRAÇÃO DE VAPORES - SVE AIR SPARGING - AS BIORREMEDIAÇÃO MPE EXTRAÇÃO MULTIFÁSICA POA PROCESSO OXIDATIVO AVANÇADO FLUSHING LAVAGEM DO SOLO BARREIRAS REATIVAS/HIDRÁULICAS CONTENÇÃO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

76 Bmbeamet (pmp ad teat) t) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

77 Stema de bmbeamet. b Mdfad d Fte: EPA (996) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

78 Segd a Evmetal Ptet Agey (996), bmbeamet é m métd mm paa a lmpeza da ága bteâea. Cvealmete a ága tamada é bmbeada paa a pefíe paa tatamet pded te fae lve (LNAPL DNAPL) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

79 AS/SVE A Spagg/Extaçã de Vape Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

80 Stema de Cjgad AS-SVE Stema AS-SVE. Fte: Lee, Adea () Rme y Jleta Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

81 POA Pe Oxdatv Avaçad Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

82 Oxdaçã Qíma t Oxdaçã Qíma t éatéa qe degada mpt gâ aco eh O. A jeçã de peóxd, pelfat, z pemagaat. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

83 Oxdaçã Qíma t M Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

84 MPE Extaçã Mltfáa Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

85 Stema de Extaçã Mltfáa-AS Extaçã mltâea da fae vap, dlvda, advda elve da za atada eã atada. Jtamete m MPE pde e aplad tema de A Spagg. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

86 BIORREMEDIAÇÃO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

87 Bemedaçã Pe qe degada tamate gâ p me da açã da batéa atóte. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

88 Pdem aelea ee pe? Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

89 ACE + + (H) O DISSOLVIDO M QUEDA BTXE x AUMENTO O Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

90 Ma, e paa Aqífe??????? Cm aplam??????? Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

91 FIGURA ESQUEMÁTICA M PLUMA ACELERADOR CONCS. < CMA Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

92 APLICAÇÃO DE CAMPO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

93 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

94 Aplaçã em ptea pç de jeçã Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

95 Aplaçã em Eavaçã M Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

96 APLICACAO RJ CAVAS E SOLO M Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

97 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

98 5 5 5 Dad de amp BTXE (mg/l) PAH (mg/l) OD (mg/l) dez/ ja/ fev/ Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

99 Dad de amp M Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

100 Clã M Cmpa m té Aetaçã da téa ppta Bdget dpível Paz/gama adeqad Atedmet a emegea Slçã deftva Clt deve te eqpe mltdpla Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

101 MUITO OBRIGADO!!! Pf. M.S. Ma Sll Ctat: Skype: ma.edteh Tel Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Bq Qalty tate: Fa Je Feade Jº Clt de Stema de Getã / Adt Ctat: gfeade.fj@gmal.m Ap Paaba, 9 de etemb de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã,

Leia mais

Operação de Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos Processo físico-químico

Operação de Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos Processo físico-químico Opeaçã de Etaçã de Tatamet de Eflete Líqd Pe fí-qím tate: Kal Adé de Amaal el Qím Idtal - Clt da Edteh Ambetal k.ademel@gmal.m Rbeã Pet, 8 de etemb de Rbeã Pet, 8 de etemb de. Tatamet de Eflete Pe Fí-Qím

Leia mais

Interpretação da Norma NBR ISO 14001:2004

Interpretação da Norma NBR ISO 14001:2004 Itepetaçã da Nma NBR ISO 4:4 Mtate: Cal Rbet Bead Egehe Qím, Det da Mate Clta albead@matelta.m.b Sã Jé d Camp, 5 de jh de NORMA ISO 4: 4 Pgama: - Beefí da mplemetaçã da ISO 4 - Cet Me Ambete e Getã Ambetal

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Itdçã à ISO 9:8 Stema de Getã da Qaldade tate: Nefe Bge Faça Teólg ambetal Geete de Negó da QS Cetfat Ctat: efebf@gmal.m Ap Sã Pal, de agt de Obevaçã: A veã gal

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Atmaçã e getã de labató e tle de qaldade dtal tate: Geg Raphaell Pedete da Labft Telga Ctat: f@mylm.m.b Ap Sã Pal, 9 de etemb de Obevaçã:

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Gerenciamento de Áreas Contaminadas Aspectos Técnicos Ralf Lattouf ENVIRON Introdução Gerenciamento de Áreas Contaminadas

Leia mais

Investigação de Passivos Ambientais. Tiago Luis Haus, Msc

Investigação de Passivos Ambientais. Tiago Luis Haus, Msc Investigação de Passivos Ambientais Tiago Luis Haus, Msc Setembro / 2014 Apresentação Pessoal Formação: Engenheiro Ambiental (UFPR) Mestre em Engenharia de Recursos Hídricos (UFPR) Experiência Profissional:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Getã de Pdt Qím tate: Ség At Gçalve Qím Idtal e Clt paa At Reglató Ctat: eggalve.lta@l.m.b Ap Sat e Saba, ag/et de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã, m lde ld,

Leia mais

Resíduos Sólidos: da geração à destinação

Resíduos Sólidos: da geração à destinação Reíd Sóld: da geaçã à detaçã tate: Lz Alfed Favaett Teólg em Getã Ambetal m epealzaçã em Edaçã Ambetal (Uv. Cdade de S. Pal) e em Getã Públa (Uv. Te. Fedeal d Paaá) lz.favaett@elta.m.b Saba, 7 de agt de

Leia mais

Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011

Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011 Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011 Manipulação e armazenamento inadequados de resíduos e matéria prima; Vazamentos de linhas e tanques

Leia mais

Racionalização de Processos de Remediação em Curso a Médio e Longo Prazo

Racionalização de Processos de Remediação em Curso a Médio e Longo Prazo Racionalização de Processos de Remediação em Curso a Médio e Longo Prazo Porto Alegre, Novembro de 2015 Insert then choose Picture select your picture. Right click your picture and Send to back. Momento

Leia mais

Gerenciamento de resíduos químicos na área da saúde

Gerenciamento de resíduos químicos na área da saúde Geeamet de eíd qím a áea da aúde tate: Cá Gva Bahael em Qíma e Epealta em Getã Públa de Ctle e Edaçã Ambetal gva@fep.b Sã Pal, de jlh de Geeamet de eíd qím em evç de aúde Cá Gva Qím Cmã Ittal de Reíd Qím

Leia mais

Análise instrumental - da amostragem à validação

Análise instrumental - da amostragem à validação Aále tmetal - da amtagem à valdaçã Mtate: Tha Vtóa da Slva Re Dtada em Qíma Aalíta pel IQ/USP, é deada d Aále Itmetal Avaçada da Faldade Owald Cz tha.vta@waldz.b Sat, de jlh de M ANÁLISE INSTRUMENTAL Da

Leia mais

PARTICIPAÇÕES. > Remediação de solo Utilizando ERH.

PARTICIPAÇÕES. > Remediação de solo Utilizando ERH. A Doxor está presente no mercado desde 2003, estabelecendo-se como referência em sistemas de remediação ambiental. Nossos sistemas já foram utilizados em mais de 120 sites contaminados. Trabalhando com

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

PROJETO FIC IFES PRONATEC

PROJETO FIC IFES PRONATEC NTTT FAL PÍT ANT AMP NVA VNA Mg y 799 Lz 29830-000 N Vé 27 3752-4300 PJT F F PNAT NTFAÇÃ - Ax A p N Vé N Vé - 30/06/204 04//203 2 - N Tí g Ag N 20/05/987 PF 7265577-40 M p 788725 - @fb g A Açã Lçã Ap p

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Píp e Aplaçõe da Cmatgafa Líqda de Alta Efêa (HPLC) tate: Glheme Jlã Zl Dt em Qíma Aalíta Uep/Aaaqaa Ctat: gjzl@gmal.m Ap Aaaqaa, 5 de etemb

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Antes mesmo de inaugurar seu hospital, em 1971, a Sociedade já se dedicava ao exercício da responsabilidade social, atendendo crianças carentes da comunidade na área de Pediatria

Leia mais

Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação

Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação Mesa redonda 3 O papel institucional na elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico: interesses,

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Polímeros termoplásticos, termofixos e elastômeros

Polímeros termoplásticos, termofixos e elastômeros Plíme templát, temfx e elatôme tate: Oda Jé a Qím Idtal m epealzaçã a áea de matea tét e Gaata da Qaldade de matéa-pma e pe dta jma@htmal.m Sã Pal - 9 e de agt de Plíme Templát, temfx e elatôme Caateíta

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

A experiência da Fundação Nacional da Saúde no apoio ao Controle da Qualidade da Água no Brasil

A experiência da Fundação Nacional da Saúde no apoio ao Controle da Qualidade da Água no Brasil Água, Saúde e Desenvolvimento I Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental 28, 29 e 30 de Junho, Brasília A experiência da Fundação Nacional da Saúde no apoio ao Controle da Qualidade da Água no

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 O e-sus AB no Ceará COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 e-saúde e o SUS Reestruturação dos sistemas de informação em saúde do MS em busca de um SUS eletrônico: Cartão Nacional de Saúde e-sus Hospitalar

Leia mais

TRATAMENTO IN SITU: o material contaminado é tratado no local, sem se recorrer à sua mobilização e remoção.

TRATAMENTO IN SITU: o material contaminado é tratado no local, sem se recorrer à sua mobilização e remoção. O que fazemos? GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS Abrange um conjunto de técnicas e metodologias aplicadas com o objetivo de avaliar as reais condições de um dado local, caracterizando o passivo ambiental

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Política Portuária como Ação Estratégica na Competição Internacional

Política Portuária como Ação Estratégica na Competição Internacional Presidência da República Secretaria Especial de Portos Política Portuária como Ação Estratégica na Competição Internacional Iº Workshop sobre o Licenciamento Ambiental de Portos Marítimos 13 de Dezembro

Leia mais

Passivos ambientais e restrições no uso de ocupação do solo. M.moliterno Engenharia Preventiva e Ambiental

Passivos ambientais e restrições no uso de ocupação do solo. M.moliterno Engenharia Preventiva e Ambiental Passivos ambientais e restrições no uso de ocupação do solo M.moliterno Engenharia Preventiva e Ambiental M.moliterno Engenharia Preventiva e Ambiental Historico: 1970 / 2000: Love Canal 1988: emergências

Leia mais

Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012

Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012 Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012 O estudo foi realizado no mês de novembro de 2012, e contou com a participação de 224 empresas de diferentes portes e segmentos de negócio. Podemos

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

TECNOLÓGICO NO SETOR ELÉTRICO

TECNOLÓGICO NO SETOR ELÉTRICO III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELECTRICIDADE E GÁS NATURAL PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Romeu Donizete Rufino Diretor Portugal/PT - Porto 11/02/2010 Conteúdo 1. Aspectos

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Curso GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Data: 23 de abril de 2014 Hora: 13 às 17 horas Ministrante: Eng. Químico ROBÉRIO FERNANDES ALVES DE OLIVEIRA Diretor Vice-Presidente da ABQ Meus contatos: Email:

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

Capacitação. Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD

Capacitação. Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD Capacitação Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD Introdução Referencial legal Conceitos básicos da sistemática de avaliação de desempenho Objetivos e benefícios da avaliação de desempenho Quem está

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA RAIVA DOS HERBIVOROS

Leia mais

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE 1 Agradecimentos e reflexões iniciais 2 Normas e Sistema de Gestão Integrado 3 Modelo de Excelência na Gestão 4 Interfaces

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA HORÁRIO: Primeiro Semestre do Ano Letivo de 2012 Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido

ENGENHARIA ELÉTRICA HORÁRIO: Primeiro Semestre do Ano Letivo de 2012 Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido 7:10 8:00 GA MC GA Q* 8:00 8:50 GA MC GA Q* Q 8:50 9:00 Q 9:00 9:50 F1 IE F1 AP1 - A Q (9:40h) 9:50 10:40 F1 IE F1 AP1 - A L Q 10:50 11:40 C1 L AP1 A 1/2 C1

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, Março de 2010 Ministério da Educação

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, Março de 2010 Ministério da Educação Brasília, Março de 2010 I Conferência da ANAMBA e Encontro Regional Americano do EMBA COUNCIL São Paulo, 08 a 10 de março de 2010 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO TÓPICOS O SNPG e a necessidade

Leia mais

Disciplina: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Viviane Japiassú Viana GERENCIAMENTO PARTE 4. Disposição final de resíduos sólidos

Disciplina: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Viviane Japiassú Viana GERENCIAMENTO PARTE 4. Disposição final de resíduos sólidos GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOSS PARTE 4 Disposição final de resíduos sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Disposição final De acordo com a Resolução CONAMA 358/05, disposição final de

Leia mais

Ambiente de Controles Internos

Ambiente de Controles Internos Ambiente de Controles Internos Agosto/2012 Gerência de Gestão de Riscos, Compliance e Controles Internos Gestão de Controle Interno Responsabilidades GESTÃO DE RISCOS AUDITORIA INTERNA Mapeamento dos Riscos

Leia mais

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Seminário: Compostagem na Cidade de São Paulo 10 de agosto de 2012 O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Eng. Cristiano Kenji Iwai Divisão de Apoio ao Controle de

Leia mais

ESTUDO DE INCORPORAÇÃO DO LODO CENTRIFUGADO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PASSAÚNA EM MATRIZES DE CONCRETO, COM DOSAGEM DE 3%

ESTUDO DE INCORPORAÇÃO DO LODO CENTRIFUGADO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PASSAÚNA EM MATRIZES DE CONCRETO, COM DOSAGEM DE 3% ESTUDO DE INCORPORAÇÃO DO LODO CENTRIFUGADO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PASSAÚNA EM MATRIZES DE CONCRETO, COM DOSAGEM DE 3% HOPPEN, C.; PORTELLA, K. F.; ANDREOLI, C. V.; SALES, A.; JOUKOSKI, A.; Estudo

Leia mais

Corantes nas Indústrias de Bebidas e Alimentos

Corantes nas Indústrias de Bebidas e Alimentos Cate a Idúta de Bebda e Almet tate: Pal Gaa de Almeda ete em Egehaa de Pe Qím e Bqím pga.fd.bev@l.m.b Ba, 5 de ma de CORANTES ALIENTARES Pf. S. Pal Gaa de Almeda Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

ÍNDICE EPI. Por departamento / Seção. Botas e Calçados Luvas Óculos Segurança e Proteção e e 197.

ÍNDICE EPI. Por departamento / Seção. Botas e Calçados Luvas Óculos Segurança e Proteção e e 197. Ferramentas Elétricas Ferramentas Ferragem EPI Agronegócio Hidráulica Elétrica Químicos e Impermeabilzantes Pintura ÍNDICE Por departamento / Seção EPI Botas e Calçados Luvas Óculos Segurança e Proteção

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE CICLO COMPLETO - O CASO DA ETA CUBATÃO/S.P.

AUTOMATIZAÇÃO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE CICLO COMPLETO - O CASO DA ETA CUBATÃO/S.P. AUTOMATIZAÇÃO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE CICLO COMPLETO - O CASO DA ETA CUBATÃO/S.P. Reynaldo Eduardo Young Ribeiro (*) Engenheiro Industrial e Sanitarista. Especialista em Water Pollution Control

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Píp de m tema APPCC tate: aa Teezha Betz Slva Qíma Idtal e Bólga Fll Slçõe Empeaa Itegada Ctat: maa@fllle.m.b Ap Ba, de dezemb de Obevaçã:

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO

GABINETE DO SECRETÁRIO GABINT DO SRTÁRIO DITAL Nº 006/20 SLÇÃO INTRNA D DONTS ARA ATUAR NOS ROGRAAS STRUTURANTS DA SRTARIA D DUAÇÃO DO STADO DA BAHIA: NSINO ÉDIO AÇÃO IÊNIA NA SOLA, NA ONDIÇÃO D SURVISORS ONITORS/TUTORS ONLIN.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 026/2005

LEI COMPLEMENTAR Nº 026/2005 LEI COMPLEMENTAR Nº 026/2005 Altera a Lei Complementar nº 016/2004, criando a Área de Valorização O Povo do município de Mariana por seus representantes legais aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA E AMBIENTAL Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Leia mais

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação. Novembro de 2015

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação. Novembro de 2015 Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2

Leia mais

Diagnóstico Ambiental

Diagnóstico Ambiental Projeto de Execução Descentralizada PED Projeto de Recuperação das bacias dos rios Quimbira e Marimbondo, nos municípios de Cardoso Moreira e Italva, RJ. Diagnóstico Ambiental Ref. Termo de Contrato nº

Leia mais

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A SETEMBRO DE 2015 SUSEP SES

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A SETEMBRO DE 2015 SUSEP SES SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A SETEMBRO DE 2015 SUSEP SES 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro de Acidentes Pessoais garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários em caso de morte acidental, em caso de

Leia mais

Remoção de metais num sistema de. Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Remoção de metais num sistema de. Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO Remoção de metais num sistema de tratamento de esgoto por Filtro Lento Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Crescimento acelerado

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO NOME DO CURSO: Curso de Administração TÍTULO: Bacharel em Administração TURNO: Diurno e Noturno CARGA HORÁRIA: 3.300 horas aula NÚMERO DE VAGAS: 200 Anuais COORDENADOR:

Leia mais

Aula 2. Aula 2. Princípios Gerais. Constituição de 1988. Política Nacional do Meio Ambiente

Aula 2. Aula 2. Princípios Gerais. Constituição de 1988. Política Nacional do Meio Ambiente Princípios Gerais Constituição de 1988 Política Nacional do Meio Ambiente Princípios Gerais do Direito Ambiental 1. Princípio do Direito à Sadia Qualidade de Vida 2. Princípio Usuário-Pagador e Poluidor-Pagador

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO Consultor de Orçamento: Ricardo Volpe E mail: ricardo.volpe@camara.gov.br PROCESSO ORÇAMENTÁRIO SOCIEDADE E GOVERNO ASPECTO POLÍTICO E LEGAL ASPECTO ECONÔMICO E FISCAL ASPECTO ADMINISTRATIVO

Leia mais

Contratação de serviços de consultoria técnica especializada pessoa física. PROJETO: PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

Contratação de serviços de consultoria técnica especializada pessoa física. PROJETO: PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. EDITAL PF no. 007/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA O CONASS: O Conselho Nacional de Secretários de Saúde é uma entidade

Leia mais

I data do acolhimento das propostas: 23/11/2004;

I data do acolhimento das propostas: 23/11/2004; Portaria Conjunta n o 05, de 18 de novembro de 2004. Define as condições específicas ao leilão de recursos do Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social PSH, mantido pela Medida Provisória n

Leia mais

Inserção competitiva e sustentável de micro e pequenas empresas na cadeia produtiva do petróleo, gás e energia.

Inserção competitiva e sustentável de micro e pequenas empresas na cadeia produtiva do petróleo, gás e energia. CONVÊNIO Convênio PETROBRAS Petrobras X / SEBRAE Sebrae Inserção competitiva e sustentável de micro e pequenas empresas na cadeia produtiva do petróleo, gás e energia. Lançamento dos Fóruns Regionais do

Leia mais

Investigação Detalhada e Plano de Intervenção

Investigação Detalhada e Plano de Intervenção e Plano de Intervenção Geol. MSc. Paulo L. Lima Gerente de Contratos Essencis Soluções Ambientais plima@essencis.com.br Seminário Gerenciamento de Áreas Contaminadas Agosto de 2011 Premissas: Investigação

Leia mais

Avaliação de risco à saúde de Populações expostas a Substâncias Químicas

Avaliação de risco à saúde de Populações expostas a Substâncias Químicas Avaliação de risco à saúde de Populações expostas a Substâncias Químicas Herling ALONZO 15 a 19 de setembro de 2008, Porto Alegre - RS ú Água para consumo humano Ar Solo Contaminantes ambientais e substâncias

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA: Garantindo a qualidade e promovendo a saúde. -Um olhar do SUS. Mariely Daniel

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA: Garantindo a qualidade e promovendo a saúde. -Um olhar do SUS. Mariely Daniel PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA: Garantindo a qualidade e promovendo a saúde -Um olhar do SUS Mariely Daniel Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Ministério da Saúde Departamento

Leia mais

(MLRV) CRÉDITO INTERNO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) CRÉDITO INTERNO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 CRÉDITO INTERNO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Também chamado seguro de crédito doméstico, esse seguro oferece cobertura com validade no território

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A OUTUBRO DE 2015 SUSEP SES

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A OUTUBRO DE 2015 SUSEP SES SEGURO JAN A OUTUBRO DE 2015 SUSEP SES 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro de Acidentes Pessoais garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários em caso de morte acidental, em caso de invalidez permanente

Leia mais

I data do acolhimento das propostas: 13/04/2005;

I data do acolhimento das propostas: 13/04/2005; MINISTÉRIO DA FAZENDA Portaria Conjunta n o 01, de 28 de março de 2005. Define as condições específicas ao leilão de recursos do Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social PSH, mantido pela Lei

Leia mais

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Os Recursos Financeiros Destinados à Educação nos Anos de 2009 e 2010 Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Agosto de 2011 Contas de Governo - Capítulo 4 (Análise Setorial) Execução

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE Porto Alegre, 01 de julho de 2011 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL LDB Nº 9394/96 É uma modalidade de ensino integrada às diferentes formas de educação,

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Tendências da Análise de Negócios e do IIBA

Tendências da Análise de Negócios e do IIBA Tendências da Análise de Negócios e do IIBA Moderador Os webinars em português são uma iniciativa do IIBA e do IIBA Brasília Chapter. Contam com a colaboração voluntária de profissionais de AN de todo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO Tamires Raquel Gonçalves Silva (1); Antônio Olívio Silveira Britto (1); Juliana de Oliveira Lemos (2); Marjory

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Programa de Excelência Contábil Apresentação SESCON Rio de Janeiro

Programa de Excelência Contábil Apresentação SESCON Rio de Janeiro Apresentação SESCON Rio de Janeiro A Destra e o SESCON Rio de Janeiro apresentam o Programa de Excelência Contábil (PEC) com o objetivo de capacitar e certificar as empresas de contabilidade do Rio de

Leia mais

Agricultura Certificada

Agricultura Certificada Agricultura Certificada Agosto 2014 VISÃO GERAL DA SLC AGRICOLA 68 ANOS DE EXPERIÊNCIA 318,5 (1) MIL HA ÁREA PRÓPRIA 344 MIL HA ÁREA PLANTADA ENTRE AS MAIORES DO PAÍS ALTA PRODUTIVIDADE PARTE DO GRUPO

Leia mais

Senado Federal. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. Audiência Pública

Senado Federal. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. Audiência Pública Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Audiência Pública para Discutir sobre a possível licitação da Faixa de Radiofrequência de 450 MHz, com vistas a oferecer

Leia mais

PROJETO FIC IFES PRONATEC

PROJETO FIC IFES PRONATEC MNT A AÇÃ NTTT FAL PÍT ANT AMP NVA VNA Mg y 799 Lz 29830-000 N Vé 27 3752-4300 PJT F F PNAT NTFAÇÃ - p p N Vé N Vé - 30/06/204 29/0/204 2 - p N Vâ Mq N 02/05/988 PF 23983487-09 AP 9362 q@fb g A Açã Lçã

Leia mais

Planejamento Estratégico Institucional

Planejamento Estratégico Institucional Planejamento Estratégico Institucional Planejamento Estratégico 2011 Institucional 2012 2013 2010 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO no IFB Planejamento Estratégico Processo que define os objetivos e estratégias

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Venda sobre. It Now ISE Fundo de Índice. - Especificações -

Contrato de Opção Flexível de Venda sobre. It Now ISE Fundo de Índice. - Especificações - Contrato de Opção Flexível de Venda sobre It Now ISE Fundo de Índice (ISUS11) - Especificações - 1. Definições Contrato (especificações): It Now ISE Fundo de Índice (ISUS11): Contrato negociado: Compra

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

PGP PROGRAMA DE INTERCÂMBIO, COOPERAÇÃO E INCENTIVO À MELHORIA DA GESTÃO DE PERDAS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

PGP PROGRAMA DE INTERCÂMBIO, COOPERAÇÃO E INCENTIVO À MELHORIA DA GESTÃO DE PERDAS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PGP PROGRAMA DE INTERCÂMBIO, COOPERAÇÃO E INCENTIVO À MELHORIA DA GESTÃO DE PERDAS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Airton Gomes Consultor da AESBE Brasília, 20 de setembro de 2012 Conteúdo da apresentação

Leia mais

PREVENÇÃO é a razão de nossa presença no mercado.

PREVENÇÃO é a razão de nossa presença no mercado. PREVENÇÃO é a razão de nossa presença no mercado. QUEM SOMOS A CeTAP é uma empresa de consultoria criada com o objetivo de assistir a organizações de serviços e produção para que atinjam os mais altos

Leia mais

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Passo a passo para consulta ao Banco de Dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. W Favoritos I ~ la..q.,ft >> CJJ lij ~ ~ Página Segurança

Leia mais

DELIBERAÇÃO CRH Nº 052, DE 15 DE ABRIL DE 2005. O Conselho Estadual de Recursos Hídricos CRH considerando que:

DELIBERAÇÃO CRH Nº 052, DE 15 DE ABRIL DE 2005. O Conselho Estadual de Recursos Hídricos CRH considerando que: DELIBERAÇÃO CRH Nº 052, DE 15 DE ABRIL DE 2005 O Conselho Estadual de Recursos Hídricos CRH considerando que: Institui no âmbito do Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos - SIGRH diretrizes

Leia mais

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Rastreabilidade dos Padrões Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Aspectos associados Calibração Padrões Cadeia de rastreabilidade Processo produtivo Sistema da qualidade Certificado de calibração AcreditaçãoA

Leia mais

Fernando Ribeiro Camaz UNREDUC/SMS/MA

Fernando Ribeiro Camaz UNREDUC/SMS/MA Fernando Ribeiro Camaz UNREDUC/SMS/MA Email: fernandocamaz@petrobras.com.br Tel.: 021-2677-7264 CONTEXTUALIZAÇÃO A crescente preocupação com a imagem das empresas As indústrias brasileiras buscam alternativas

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais