Interpretação da Norma NBR ISO 14001:2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interpretação da Norma NBR ISO 14001:2004"

Transcrição

1 Itepetaçã da Nma NBR ISO 4:4 Mtate: Cal Rbet Bead Egehe Qím, Det da Mate Clta Sã Jé d Camp, 5 de jh de

2 NORMA ISO 4: 4 Pgama: - Beefí da mplemetaçã da ISO 4 - Cet Me Ambete e Getã Ambetal - Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4- Idade de deempeh ambetal 5- Pe de mplemetaçã d SGA 6- Pe de etfaçã Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

3 NORMA ISO 4: 4 Sbe tt: Cal Rbet Bead Egehe Qím e Emta Pó gadad em Admtaçã de Empea, Getã Ambetal e Lgíta Empeaal Adt Líde ISO 9 e 4 Clt de empea a áea de qaldade, me ambete, aúde e egaça, deevlvmet gazaal e lgíta. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

4 NORMA ISO 4: 4 Beefí da mplemetaçã d SGA Ptege a aúde hmaa e me ambete Melha pe ambeta Melha a elaçã m públ Lmta a expçã a pe lega Dm pêm de eg Melha a magem e edbldade Obteçã de vatagem mpettva Atepa demada peete e fta de lete Redçã e tle d t ambeta Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

5 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Me Ambete: Cvzhaça em qe ma gazaçã pea, ld-e a, ága, l, e ata, fla, faa, ee hma e a te-elaçõe Etema Udade atal ttíd de tda a plata, ama, m gam em ma áea. 4 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

6 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Getã ambetal: Pate tegate da etta de getã glbal da gazaçã. É m pe teatv e tí. Cmpeede a etta, epabldade, páta, pedmet, pe e e paa mplemetaçã de plíta e bjetv ambeta 5 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

7 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Deevlvmet tetável Satfaz a eedade d peete em mpmete a apadade da fta geaçõe de atfazeem a pópa eedade 6 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

8 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Getã ambetal: Rehee qe a getã ambetal é pdade da gazaçã Etabelee e mate a maçõe m a pate teeada tea e extea Idetfa apet ambeta e eqt eglametae aad m a atvdade, pdt e evç da gazaçã 7 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

9 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Getã ambetal: PILARES Atede a eqt lega e t eqt Peveçã da plçã Melha tía d deempeh ambetal* * Deempeh ambetal é defd a ISO 4 m eltad meáve da getã demagazaçã be e apet ambeta 8 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

10 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Píp qe ettam m SGA Plíta Cmpmetmet geal Plaejamet Implemetaçã Medçã e avalaçã Aále íta e melha Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 9

11 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Melha tía baeada l PDCA ATUAR Neta etapa gm qe ã de et e padzam qe de et. CONFERIR Neta etapa fem td qe f ealzad. A P C D PLANEJAMENTO Neta etapa plaejam qe vam faze. DESENVOLVER Neta etapa fazem qe plaejam a etapa ate. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

12 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal PDCA - PLANEJAR Reqt 4. Idetfaçã e avalaçã d apet e mpat ambeta Idetfaçã d eqt lega apláve Objetv, meta e pgama de getã ambetal Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

13 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal PDCA - REALIZAR Reqt 4.44 Re, fçõe, epabldade e atdade Cmpetêa, teamet e etzaçã Cmaçã Dmetaçã e tle de dmet Ctle peaal Pepaaçã e epta a emegêa Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

14 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal PDCA - VERIFICAR Reqt 4.5 Mtamet e medçã Avalaçã d atedmet a eqt lega Nã fmdade, açã etva e pevetva Regt Adta d SGA Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

15 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal PDCA - AGIR Reqt 4.6 Implemetaçã de açõe etva e pevetva Aále íta peóda pela Deçã Ba da melha tía 4 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

16 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal CAUSAS DOS IMPACTOS AMBIENTAIS - Amet expeal da pplaçã p mdal 95 =,6 blhõe de pea = 7, blhõe de pea Peã be Me Ambete Ága Almet Eega 5 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

17 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal CAUSAS DOS IMPACTOS AMBIENTAIS - Amet expeal d m de eega Petóle Gá atal Cavã meal Eega eóla Bmaa 6 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

18 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal CAUSAS DOS IMPACTOS AMBIENTAIS - Itefaçã pe de dtalzaçã U de e ata Emã de plete e eíd 7 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

19 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal EPISÓDIOS AMBIENTAIS MARCANTES Plçã da Baía de Mamata (956) Adete m av petle Tey Ca (967) Vazamet de dxa em Seve (976) Adete Cetal Nlea Thee Mle Ilad (979) Adete plata de petda U Cabde em Bpal (984) Adete lea de Chebl (986) Nav petle Exx Valdez (989) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 8

20 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal EPISÓDIOS AMBIENTAIS RECENTES Deate Glf d Méx Explã platafma Bth Petlem () Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 9

21 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal EPISÓDIOS AMBIENTAIS RECENTES Adete lea de Fkhma () Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

22 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal EPISÓDIOS AMBIENTAIS MARCANTES Cfeêa de Etlm (97) Ptl de Mteal (987) (Redçã CFC) Cfeea da Naçõe Uda be Me Ambete e Deevlvmet (R 99) Pblaçã Nma ISO 4 (996) Ptl de Kyt (997) (Redçã emã de gae efet etfa) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

23 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal SELO VERDE OU ROTULAGEM AMBIENTAL Cetfaçã de pdt adeqad a qe apeeta me mpat me ambete em elaçã a t pdt Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

24 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Reíd Mateal ã apvetad a atvdade hmaa pveete da dúta, mé e edêa. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

25 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Clafaçã d eíd - Nma NBR.4 Reíd Clae I - Peg Reíd Clae II Nã peg Clae II A Nã ete Clae II B - Iete Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 4

26 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Dpçã de eíd Ate atá. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 5

27 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Dpçã de eíd Lxõe. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 6

28 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Dpçã de eíd C-peamet. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 7

29 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Dpçã de eíd Ieade Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 8

30 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Dpçã de eíd Cmptagem. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 9

31 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Dpçã de eíd Relagem Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

32 NORMA ISO 4: 4 Cet de Me Ambete e Getã Ambetal Dpçã de eíd Cfamet pemaete Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

33 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 Objetv Pve a gazaçõe de elemet de m Stema de Getã Ambetal (SGA) efaz qe pam e tegad a t eqt de getã e axlá-la a alaça e bjetv ambeta e eôm. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

34 NORMA ISO 4: 4 Reqt t da Nma NBR ISO 4:4 Aplaçã Apla-e a qalqe gazaçã qe deeje: Implemeta, mate e apma m SGA Aega-e da fmdade m a plíta ambetal Demta fmdade a ISO 4 paa a pate teeada Ba etfaçã d SGA p ma gazaçã extea Realza ma atavalaçã e atdelaaçã de fmdade m a ISO 4 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

35 NORMA ISO 4: 4 Reqt t da Nma NBR ISO 4:4 Ppa dúvda: P de a? O qe eeta e fet? Cm deve e fet? Qem deve e evlvd? Qat va ta? 4 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

36 NORMA ISO 4: 4 Reqt t da Nma NBR ISO 4:4 Get ambetal Admta taçõe de flt Expeêa m tema de getã Se de gazaçã Patvdade Cdz pe de mplemetaçã e mateçã Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 5

37 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 Exeçã da avalaçã al Cmaçõe m ógã ambetal e pate teeada extea Ctle be pe ata Ctle be a emõe Métd de dpçã d eíd Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 6

38 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 Defçõe: Apet Ambetal Elemet da atvdade, pdt evç de ma gazaçã qe pde teag m me ambete Impat Ambetal Qalqe mdfaçã d me ambete, advea beéfa, qe elte, td em pate, d apet ambeta da gazaçã 7 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

39 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Reqt gea A gazaçã deve: etabelee, dmeta, mplemeta, mate e tamete melha m Stema de Getã Ambetal (SGA) em fmdade m eqt deta ma e detema m ela á atede a ee eqt 8 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

40 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Reqt gea A gazaçã deve: def e dmeta ep de e Stema de Getã Ambetal Ep: deçã exata e bjetva da atvdade, pdt e evç bet pel SGA 9 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

41 NORMA ISO 4: 4 Reqt t da Nma NBR ISO 4:4 Exempl de ep: Empea de lgíta Mvmetaçã e amazeamet de pdt qím aabad e matéa-pma peg e ã peg e embalage. Etada da Ba Epeaça, 65 Tabaté SP Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 4

42 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plíta ambetal A alta admtaçã deve def a Plíta Ambetal da gazaçã e aega qe, det d ep defd de e SGA, à plíta eja: Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 4

43 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plíta ambetal a) eja appada à ateza, eala e mpat ambeta de a atvdade, d d pdt e evç b) la mpmetmet m a melha tía e m a peveçã da plçã 4 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

44 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plíta ambetal ) la mpmetmet em atede a eqt lega apláve e t eqt bt pela gazaçã qe e elaem a e apet ambeta d) feça ma etta paa etabelemet e aále d bjetv e meta ambeta e) eja dmetada, mplemetada e matda 4 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

45 NORMA ISO 4: 4 Reqt t da Nma NBR ISO 4:4 4. Plíta ambetal f) eja mada a td qe tabalhem a gazaçã qe atem em e me g) eteja dpível paa públ Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 44

46 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 Exempl de Plíta ambetal A EBX - Slçõe Lgíta, atad em âmbt aal, tem m flfa empeaal a ttal atfaçã de e lete, a qaldade de e evç, a egaça e a aúde da pea e a pteçã ambetal evlvda em a peaçõe de amazeagem e mvmetaçã de matea, dfdd-a atavé d egte píp: Atede eqt de e lete; Atede a leglaçõe e ma apláve a e egó qe e elaem m e apet ambeta; Tabalha vad a peveçã da plçã e tle d e ppa apet ambeta - emõe atmféa de veíl e geaçã de eíd; Ba a melha tía atavé de mtamet de e bjetv e meta e d apmamet de e Stema de Getã; Tea e deevlve e e hma mtvad- paa ataem de fma ete qat a at da qaldade, egaça, aúde e me ambete; Dpblza bl eta plíta jt a lete, labade e pae Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 45

47 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Apet ambeta A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet() paa: a) detfa apet ambeta de a atvdade, pdt e evç, det d ep defd de e SGA, qe a gazaçã pa tla e aqele qe ela pa flea. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 46

48 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Apet ambeta A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet() paa: b) detema apet qe teham pam te mpat gfatv be me ambete (t é, apet ambeta gfatv) A gazaçã deve dmeta ea fmaçõe e matê-la atalzada Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 47

49 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Apet ambeta A gazaçã deve aega qe apet ambeta gfatv ejam levad em deaçã etabelemet, mplemetaçã e mateçã d e SGA. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 48

50 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Apet ambeta Lal da peaçã; Pe e atvdade exetada; Eflete líqd gead; Reíd óld gead; Emã de gae paa a atmfea; Pe de ap- Ex: mateçã dtal; Pe exetad p tee; Utlzaçã de e ata (eváve ã) Ex. ága, madea, eletdade, et; Feede de evç; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 49

51 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Plaejamet 4.. Apet ambeta Impat ambeta: Plçã d a e de ága pefa Ctamaçã d l e de ága bteâea Reíd em tatamet Redçã d e ata Redçã da amada de zô Plçã a val Detçã da fla e habtat ata Ríd e al Depedí de eega R e pejíz a bdvedade d d Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 5

52 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4.. Apet ambeta Exeí em gp Objetv: Idetfa apet e mpat ambeta da atvdade da empea Pllqm. Cdeaçõe: Lembe-e de detfa td pe e atvdade Nete mmet deve-e mete detfa apet e mpat ambeta. Nã é eeá etabelee a gfâa. 5 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

53 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Reqt lega e t A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet () paa: a) Idetfa e te ae a eqt lega apláve e t eqt bt pela gazaçã elaad a e apet ambeta. 5 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

54 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Reqt lega e t b) Detema m ee eqt e aplam a e apet ambeta. A gazaçã deve aega qe eqt lega apláve ejam levad em deaçã etabelemet, mplemetaçã e mateçã d e SGA. 5 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

55 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Reqt lega e t Apeetaçã da leglaçõe em dvea fma: Atzaçõe, leça, eõe, pemõe, tga, et Epeíf paa pdt evç da gazaçã Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 54

56 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Reqt lega e t Apeetaçã da leglaçõe em dvea fma: Epeíf d am de atvdade eôma Le ambeta gea: Le, Deet, Ptaa, Relçõe, Delbeaçõe em âmbt Fedeal, Etadal e Mpal Nma téa (aal e teaal) Nma detze patva 55 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

57 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4R 4.. Reqt t lega e t IMPORTANTE: A ma ISO 4:4 defe qe a empea deve etabelee e dmeta a fma pela qal a empea tem ae e atalza eqt lega a ela petete. A empea deve dmeta (evdea) m eqt lega ã atedd. 56 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

58 NORMA ISO 4: 4 Reqt t da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Reqt lega e t OPÇÕES: ª Ctata empea epealzada a detfaçã da leglaçõe apláve Ex: Vede Gaa Da Lpe Slçõe Ambeta Itelgêa Ambetal Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 57

59 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Reqt lega e t OPÇÕES: ª Peqa daamete a teet te fa Ex: IBAMA CONAMA CETESB Ogã ambeta etada (Ex: RJ = INEA) 58 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

60 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Objetv, meta e pgama() A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate bjetv e meta ambeta dmetad, a fçõe e íve elevate da gazaçã. 59 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

61 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Objetv, meta e pgama() O bjetv* e meta* devem e meáve e eete m a plíta ambetal. *mpmetmet m a peveçã de plçã e atedmet a eqt lega e m a melha tía. 6 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

62 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4. Plaejamet 4.. Objetv, meta e pgama() A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pgama() paa atg e bjetv e meta. O pgama devem l: Repáve Me e paz 6 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

63 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 Exeí em gp O qe gp deve ealza: Cm bae apet e mpat detfad, etabelee m pgama ambetal, m bjetv e meta. Cdeaçõe: O bjetv e meta devem e meáve e devem e defda a fma m qe ete pgama e bjetv eã atgd. 6 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

64 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 44R 4.4. Re, fçõe, epabldade d e atdade A gazaçã deve aega a dpbldade de e eea paa etabelee, mplemeta, mate e melha SGA. 6 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

65 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Re, fçõe, epabldade e atdade Re: Re hma Ifa-etta gazaal Telga Re fae 64 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

66 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Cmpetêa, teamet e etzaçã A gazaçã deve aega qe qalqe pea, qe paa ela em e me, ealze taefa qe teham pteal de aa mpat ambetal gfatv eja mpetete m bae em fmaçã appada, teamet expeêa, deved-e ete egt appad. 65 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

67 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Cmpetêa, teamet e etzaçã A gazaçã deve detfa a eedade de teamet aad m e apet ambeta eesga. A gazaçã deve pve teamet detfad e mate egt appad. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 66

68 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Cmaçã Cm elaçã a e apet ambeta e a SGA, a gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet() paa: a) maçã tea ete vá íve e fçõe da gazaçã; b) eebmet, dmetaçã e epta à maçõe petete da de pate teeada extea; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 67

69 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Cmaçã A gazaçã deve ded e ealzaá maçã extea be e apet ambeta gfatv, deved dmeta a deã. Se a deã f ma, a gazaçã deve etabelee e mplemeta métd() paa eta maçã 68 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

70 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Dmetaçã a) plíta, bjetv e meta ambeta; b) deçã d ep d SGA; ) )deçã d ppa elemet d SGA e a teaçã e efeea a dmet aad; 69 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

71 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Dmetaçã d) dmet, ld egt eqed pela ma; e) dmet eeá paa aega tle efaz d pe aad a apet ambeta gfatv. 7 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

72 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Ctle de dmet O dmet eqed pel SGA devem e tlad. A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet paa: a) apva dmet qat à a adeqaçã ate d ; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 7

73 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Ctle de dmet b) aala e atalza, fme eeá, e eapva dmet; ) aega qe a alteaçõe e a taçã atal da evã ejam detfada; d) aega qe a veã atalzada etejam dpíve em e pt de ; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 7

74 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Ctle de dmet e) aega qe dmet pemaeçam legíve e ptamete detfáve; f) tla dmet de gem extea; g) peve a tlzaçã ã teal de dmet blet. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 7

75 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Ctle Opeaal A gazaçã deve detfa e plaeja aqela peaçõe qe etejam aada a apet ambeta gfatv detfad vad aega qe a mema ejam ealzada b dçõe tlada. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 74

76 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Ctle Opeaal a) etabelemet, mplemetaçã e mateçã de pedmet dmetad paa tla taçõe de a aêa pa aaeta dev em elaçã a a plíta e a bjetv e meta ambeta; b) detemaçã de té peaa pedmet; 75 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

77 NORMA ISO 4: 4 Reqt t da Nma NBR ISO 4: Ctle Opeaal ) etabelemet de pedmet aad a e apet ambeta gfatv de pdt e evç tlzad pela gazaçã e a maçã de pedmet e eqt petete a feede, ld-e petade de evç. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 76

78 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Pepaaçã e epta à emegêa A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet() paa detfa ptea taçõe de emegêa e ptea adete qe pam te mpat() be me ambete e m a gazaçã epdeá a ete. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 77

79 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Pepaaçã e epta à emegêa A gazaçã deve epde à taçõe ea de emegêa e a adete, e peve mtga mpat ambeta adve aad. Ex: Iêd, deamamet, vazamet, et 78 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

80 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Pepaaçã e epta à emegêa A gazaçã deve pedamete aala e, qad eeá, eva e pedmet de pepaaçã e epta à emegêa, em patla apó a êa de adete taçõe emegêa. A gazaçã deve pedamete teta ta pedmet, qad exeqível. 79 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

81 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Mtamet e medçã A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet() paa med e mta eglamete a aateíta ppa de a peaçõe qe pam te m mpat ambetal gfatv. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 8

82 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Mtamet e medçã A gazaçã deve aega qe eqpamet de mtamet e medçã albad vefad ejam tlzad e matd, deved-e ete egt aad. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 8

83 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Avalaçã d atedmet a eqt lega e t A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet() paa avala pedamete atedmet a eqt lega apláve. Regt deta avalaçõe devem e matd. A gazaçã deve avala atedmet a t eqt t p ela bt. Regt deta avalaçõe devem e matd. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 8

84 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Nã fmdade, açã etva e açã pevetva A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet() paa tata a ã fmdade ea e ptea, e paa exeta açõe etva e pevetva. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 8

85 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Nã fmdade, açã etva e açã pevetva A açõe exetada devem e adeqada à magtde d pblema e a mpat ambeta etad. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 84

86 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Ctle de egt A gazaçã deve etabelee e mate egt fme eeá paa demta a fmdade m eqt d e SGA. A gazaçã deve etabelee, mplemeta e mate pedmet() paa detfaçã, amazeagem, pteçã, epeaçã, eteçã e dpçã d egt. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 85

87 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4: Adta tea A gazaçã deve aega qe a adta tea d SGA ejam dzda em teval plaejad. Pgama de adta devem e plaejad, etabeled, mplemetad e matd. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 86

88 NORMA ISO 4: 4 Reqt da Nma NBR ISO 4:4 4.6 Aále pela deçã A alta deçã da gazaçã deve aala SGA, em teval plaejad, paa aega a ta adeqaçã, petêa e efáa. Regt da aále devem e matd. 87 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

89 NORMA ISO 4: 4 Idade de Deempeh Ambetal Defçã: Paâmet qe feem fmaçõe a epet de ma atvdade eá, em elaçã a fate ambeta, pbltad a ealzaçã de aále, lõe e tmada de deõe etatéga Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 88

90 NORMA ISO 4: 4 Idade de Deempeh Ambetal Cm def b dade? e mple de fál tepetaçã apaz de demta tedêa e elevate falta etedmet d SGA ppa p bae ólda paa mpaaçõe e tmada de deã Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 89

91 NORMA ISO 4: 4 Idade de Deempeh Ambetal Exempl de dade: - Emõe de CO Fma de medçã: Telada de CO emtda paa atmfea Telada pdzda Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 9

92 NORMA ISO 4: 4 Idade de Deempeh Ambetal Exempl de dade: - Cm de ága Fma de medçã: m de ága mda pe Telada pdzda Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 9

93 NORMA ISO 4: 4 Idade de Deempeh Ambetal Exempl de dade: - Cm de eega eléta Fma de medçã: KW md Telada pdzda Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 9

94 NORMA ISO 4: 4 Idade de Deempeh Ambetal Exempl de dade: 4- Reíd óld Fma de medçã: Telada de eíd óld gead Telada pdzda Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 9

95 NORMA ISO 4: 4 Idade de Deempeh Ambetal Exempl de dade: 5- Eflete líqd Fma de medçã: m de eflete gead Telada pdzda Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 94

96 NORMA ISO 4: 4 Pe de mplemetaçã d SGA Etapa: ª Deã etatéga da Deçã ª Idetfaçã d apet e mpat ambeta ª Idetfaçã da leglaçã aplável 4ª Cetzaçã e teamet 5ª Etabelee bjetv, meta e pgama ambeta Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 95

97 NORMA ISO 4: 4 Pe de mplemetaçã d SGA Etapa: 6ª Etabelee tle peaa 7ª Def a medçõe e mtamet 8ª Adta tea 9ª Aále ta da Deçã 96 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp

98 NORMA ISO 4: 4 Pe de etfaçã Etapa: ª Idetfaçã d gam etfad ª Pgamaçã da adta de etfaçã - Fae ª Exeçã da adta de etfaçã Fae 4ª Ceçã da ã fmdade Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 97

99 NORMA ISO 4: 4 Pe de etfaçã Etapa: 5ª Exeçã adta de etfaçã Fae 6ª Adta de ampahamet aal 7ª Adta de e-etfaçã ( a) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal/Sqp 98

100 CRQIV ESTUDO DE CASO POLLUQUIM - INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA Pllqm Ltda é ma dúta qíma fabate de ate e pgmet peteete a Gp Hldg Iteaal Pllkem, qe pea em ma úa laldade Etad de Sã Pal, a dade de Jdaí, lalzada a Etada d Rbeã Vemelh, N 5, Ba R Ama, mpeeded tê dade dtta: ma dade ppal de pdçã de ate e pgmet, ma áea m taqe de amazeagem e ma Etaçã de Tatamet de Eflete. (ETE). Ate de a Pllqm a a peaçõe aqela laldade, há a, a áea f pada p ma empea de epeaçã de batea de veíl e fdçã de meta pead (hmb). - LOCALIZAÇÃO DA PLANTA ( VIDE MAPA) A plata é vzha a ma áea edeal e a ma ela. O ae à empea é efetad pela etada d Rbeã Vemelh, qe za a áea edeal. A plata etá lalzada be ma fte de ága bteâea, tlzada paa femet de ága ptável. Além d, Rbeã Vemelh lmta a pate l da plata. A Oete da plata exte ma eeva atal degada m Áea de Pteçã Pemaete (APP), devd à peeça de m tp a de qídea qe e deevlve ete lal. - ATIVIDADES DA EMPRESA A atvdade de mafata ã exetada e admtada p peal da pópa Pllqm, b a deçã de m Geete Geal Idtal. A áea d taqe de amazeagem e a atvdade de mateçã dtal ã peada p empea teezada. 4- GESTÃO AMBIENTAL Um tema de getã ambetal f deevlvd pela Pllqm paa atede a eqt patv da Pllkem Gmbh, e a empea ma plíta ambetal qe f dvlgada paa td fá jt m pagamet de alá. Ap Caxa Eôma Fedeal e Sqp

101 CRQIV Nã f mtad ehm teamet be etzaçã ambetal paa peal da empea. e tee. 5- ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS Vá pdt qím ã tlzad a peaçõe ealzada pela Pllqm. Ete pdt ã amazead em taqe m apadade vaad de 5 a m. Smete taqe mae pem dqe de teçã e etã em áea mpemeáve. Relató de peaçõe paada dam a êa de vazamet a lg d a, d date a peaçõe de eebmet dee pdt qím. O ppa pdt qím tlzad a plata lem: Slvete: tle, metal, ppal Ád lfú, ád líd Sda áta Óle mbtível Datmta Óxd de fe vemelh e amael Neg de fm 6- DESCARGA DE EFLUENTES LÍQUIDOS A Pllqm p Leça de Opeaçã da CETESB m valdade até // paa a egte atvdade: Pdçã de ate e pgmet. O eflete líqd d d pe ã evad à ETE e, apó tatamet, ã detad a Rbeã Vemelh. A ETE f talada há ea de a. Segd a date da Leça de Opeaçã, a aateíta fíqíma d eflete líqd devem e mtad mealmete e devem atede a Deet Etadal 8468, de 976, atg 8, qe etabelee padõe de emõe de laçamet de eflete líqd em p d`ága. O tema de aptaçã de ága plva da plata f talad da peaçõe da empea e ã é pead matd eglamete. A ága de pefíe flem paa. Ap Caxa Eôma Fedeal e Sqp

102 7- RESÍDUOS SÓLIDOS M CRQIV Vá tp de eíd óld ã gead a plata, ld ba de flt pea, da d pe de fabaçã de pgmet, ága áda, gade qatdade de papel e embalage pláta tamada, lx de etó e lx dmét (bahe e etaate). Reíd peg (lae ) ã emvd da plata p ma empea tatada, qe tapta paa ma áea de ate póxma. Eta empea f elhda paa exeta ete tabalh p pea de fma ma baata e ápda d qe a ta ete. Papé e lx de etó ã ead em ma empea teezada. Exte ma gade qatdade de eíd de ate e pgmet epalhad pel vet a áea vzha. 8- USO DE RECURSOS NATURAIS O vap tlzad paa pe é gead p ma aldea almetada p óle deel e madea. A eletdade é tlzada paa lmaçã, bmba, eqpamet de pe, et. A ága é tlzada a plata pe de lavagem paa eta a mpeza d pdt, paa almeta a te de efamet, lmpeza tea e bahe e lavató. 9- EMISSÕES PARA A ATMOSFERA Além da emõe da da aldea, exte ma hamé paa a emõe de gae gead pe de ítee d ate. F aplada ma telga paa edçã da emõe da hamé e a mema ã mtada mealmete paa gaat atedmet a lmte mpt pela leglaçã. Ap Caxa Eôma Fedeal e Sqp

103 CRQIV MAPA - PLANTA POLLUQUIM Ap Caxa Eôma Fedeal e Sqp 4

104 Ap: Caxa Eôma Fedeal e Sqp EXERCICIO - PLANILHA PARA IDENTIFICAÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS ATIVIDADES ASPECTO IMPACTO Exempl -Reebmet de pdt qím a gael. Exempl - Reebmet de pdt qím a gael. Vazamet/ deamamet Iêd (pdt flamáve) Ctamaçã da ága de pefíe e/ d bl, tamaçã d l, tamaçã d a m vape. Ctamaçã d a e ága bteâea. Detçã da mata ptegda. Cmpete d gp:

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Itdçã à ISO 9:8 Stema de Getã da Qaldade tate: Nefe Bge Faça Teólg ambetal Geete de Negó da QS Cetfat Ctat: efebf@gmal.m Ap Sã Pal, de agt de Obevaçã: A veã gal

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Bq Qalty tate: Fa Je Feade Jº Clt de Stema de Getã / Adt Ctat: gfeade.fj@gmal.m Ap Paaba, 9 de etemb de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã,

Leia mais

Gerenciamento de passivos ambientais

Gerenciamento de passivos ambientais Geeamet de pav ambeta Mtate: Ma Sll Bahael em Qíma (IQ-USP), Mete em Telga Ambetal (IPT) Det da Edteh Ambetal ma@edtehambetal.m.b - 7-674 Paaba, 6 de tb de Geeamet de Pav Ambeta Apeetaçã MS M.S. Ma Sll

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Atmaçã e getã de labató e tle de qaldade dtal tate: Geg Raphaell Pedete da Labft Telga Ctat: f@mylm.m.b Ap Sã Pal, 9 de etemb de Obevaçã:

Leia mais

Gerenciamento de resíduos químicos na área da saúde

Gerenciamento de resíduos químicos na área da saúde Geeamet de eíd qím a áea da aúde tate: Cá Gva Bahael em Qíma e Epealta em Getã Públa de Ctle e Edaçã Ambetal gva@fep.b Sã Pal, de jlh de Geeamet de eíd qím em evç de aúde Cá Gva Qím Cmã Ittal de Reíd Qím

Leia mais

Operação de Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos Processo físico-químico

Operação de Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos Processo físico-químico Opeaçã de Etaçã de Tatamet de Eflete Líqd Pe fí-qím tate: Kal Adé de Amaal el Qím Idtal - Clt da Edteh Ambetal k.ademel@gmal.m Rbeã Pet, 8 de etemb de Rbeã Pet, 8 de etemb de. Tatamet de Eflete Pe Fí-Qím

Leia mais

Resíduos Sólidos: da geração à destinação

Resíduos Sólidos: da geração à destinação Reíd Sóld: da geaçã à detaçã tate: Lz Alfed Favaett Teólg em Getã Ambetal m epealzaçã em Edaçã Ambetal (Uv. Cdade de S. Pal) e em Getã Públa (Uv. Te. Fedeal d Paaá) lz.favaett@elta.m.b Saba, 7 de agt de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Getã de Pdt Qím tate: Ség At Gçalve Qím Idtal e Clt paa At Reglató Ctat: eggalve.lta@l.m.b Ap Sat e Saba, ag/et de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã, m lde ld,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Píp e Aplaçõe da Cmatgafa Líqda de Alta Efêa (HPLC) tate: Glheme Jlã Zl Dt em Qíma Aalíta Uep/Aaaqaa Ctat: gjzl@gmal.m Ap Aaaqaa, 5 de etemb

Leia mais

Análise instrumental - da amostragem à validação

Análise instrumental - da amostragem à validação Aále tmetal - da amtagem à valdaçã Mtate: Tha Vtóa da Slva Re Dtada em Qíma Aalíta pel IQ/USP, é deada d Aále Itmetal Avaçada da Faldade Owald Cz tha.vta@waldz.b Sat, de jlh de M ANÁLISE INSTRUMENTAL Da

Leia mais

Polímeros termoplásticos, termofixos e elastômeros

Polímeros termoplásticos, termofixos e elastômeros Plíme templát, temfx e elatôme tate: Oda Jé a Qím Idtal m epealzaçã a áea de matea tét e Gaata da Qaldade de matéa-pma e pe dta jma@htmal.m Sã Pal - 9 e de agt de Plíme Templát, temfx e elatôme Caateíta

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Píp de m tema APPCC tate: aa Teezha Betz Slva Qíma Idtal e Bólga Fll Slçõe Empeaa Itegada Ctat: maa@fllle.m.b Ap Ba, de dezemb de Obevaçã:

Leia mais

Corantes nas Indústrias de Bebidas e Alimentos

Corantes nas Indústrias de Bebidas e Alimentos Cate a Idúta de Bebda e Almet tate: Pal Gaa de Almeda ete em Egehaa de Pe Qím e Bqím pga.fd.bev@l.m.b Ba, 5 de ma de CORANTES ALIENTARES Pf. S. Pal Gaa de Almeda Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa

Leia mais

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb.

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb. apítul 3-Ptencal eletc PÍTULO 3 POTEIL ELÉTRIO Intduçã Sabems ue é pssível ntduz cncet de enega ptencal gavtacnal pue a fça gavtacnal é cnsevatva Le de Gavtaçã Unvesal de ewtn e a Le de ulmb sã mut paecdas

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Operações comuns em transportes

Operações comuns em transportes paçõ cmu m tapt Ex Wk (EXW) : aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a dpdêcia d vdd (igm), m cagamt, ã ã dmbaaçad paa xptaçã. = ic = ut Vdd mpad ai (A): aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a taptad digad

Leia mais

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001 Ceecaa e Autozaa pelo MEC, Potaa. o. 644 e 8 e maço e 00 Publcao o D.O.U. em 0/04/00 ESTATÍSTICA Pelo Poesso Gealo Pacheco A Estatístca é uma pate a Matemátca Aplcaa que oece métoos paa coleta, ogazação,

Leia mais

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA PRAÇA DO ROSÃRIO, 5 - CEP 36570000 - VIÇOSA - MG GABINETCTOPREFEnO LEI N«1199/97 Dispõe sobe alteações no Código Tibutáio do Munícipto e dá outas povidências 0 Povo cte Muntoípio cto Viçosa, po seus epesentutes,

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

MICROECONOMIA II. 1) Equilíbrio Geral e Bem-Estar. A Caixa de Edgeworth. David Henriques. 1.1) Economia de troca pura; equilíbrio Walrasiano.

MICROECONOMIA II. 1) Equilíbrio Geral e Bem-Estar. A Caixa de Edgeworth. David Henriques. 1.1) Economia de troca pura; equilíbrio Walrasiano. Davd Henqe EN Eqlío Geal e e-eta MIOEONOMI II Eonoa de toa a; eqlío Walaano Eqlío Geal: anala-e oo a ondçõe de oa e oeta nteage e dveo eado aa detena o eço de dveo en aa de Edgeoth - aa de Edgeoth ode

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico 4. Aálie Evoltóia de Dado (DEA) e ma popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico 4.. Coceito Báico 4... Podtividade, Cva de Podção, Eficiêcia e Eficácia. Devido à globalização,

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Diagnóstico de Avarias nos Rolamentos de Motores de Indução Trifásicos

Diagnóstico de Avarias nos Rolamentos de Motores de Indução Trifásicos agótco de Avaa o Rolameto de Motoe de Idução Táco Joé L. H. Slva 1 A. J. Maque Cadoo 1 Ecola Supeo de Tecologa de Veu epatameto de Egehaa Mecâca e Getão Idutal Campu Poltécco de Repee, P - 4-1 Veu, Potugal

Leia mais

ér co pe pa as le so se al tr on ro pr arc lie ond ase ete ole es ima ine red air o ca re uta mito K iro tei K bj or d orei ali tr tio seg as o em ocr at co arc h ong ab chl

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n )

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n ) Trfrdre de Crrete Clever Perer TRNSFORMDORES DE CORRENTE 1 - trduçã: Trfrdre de truet de edçã de rteçã TC TP e TPC Trfrdre de Crrete Fuçõe Bác - Reduzr crrete vlre egur r edçã. - lr crcut rár d ecudár.

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Aálie de Eficiêcia do Mecado Bacáio Baileio Utilizado a Metodologia da Aálie Evoltóia de Dado Flávio Paim Feaza Metado em Admiitação pela Facldade Ibmec/RJ Av. Rio Baco, 8, qito ada,

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

i CC gerador tg = P U = U.i o i i r.i 0 i CC i i i

i CC gerador tg = P U = U.i o i i r.i 0 i CC i i i GEDO ELÉTIO "Levao-se em cota a esstêca tea o geao, pecebemos que a p ete os temas é meo o que a foça eletomotz (fem), evo à pea e p a esstêca tea." - + = -. OENTE DE TO-IITO Se lgamos os os temas e um

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo (FETS) Símbolo. Função Controlar a corrente elétrica que passa por ele. Construção. n + n + I D função de V GS

Transistores de Efeito de Campo (FETS) Símbolo. Função Controlar a corrente elétrica que passa por ele. Construção. n + n + I D função de V GS Tansses de Efe de Camp (FET) Cm n cas d TBJ, a ensã ene ds emnas d FET (feld-effec anss) cnla a cene que ccula pel ece emnal. Cespndenemene FET pde se usad an cm amplfcad quan cm uma chae. O nme d dsps

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO)

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO) ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Ra Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 3797-9800; Fax: (0xx21) 3797-9830 www.energetica.ind.r CALIBRAÇÃO DO

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus de Araraquara.

Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus de Araraquara. Univeridade Paulita Júlio de Mequita Filho - Campu de Araraquara. P Credenciamento do curo de po-graduação em Odontologia, com área de concentração em Dentítica Retauradora, a nível de metrado. Virgínio

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO

GABINETE DO SECRETÁRIO GABINT DO SRTÁRIO DITAL Nº 006/20 SLÇÃO INTRNA D DONTS ARA ATUAR NOS ROGRAAS STRUTURANTS DA SRTARIA D DUAÇÃO DO STADO DA BAHIA: NSINO ÉDIO AÇÃO IÊNIA NA SOLA, NA ONDIÇÃO D SURVISORS ONITORS/TUTORS ONLIN.

Leia mais

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA M RJETHRTAEMCAA CM LANTAR E CLHER ALIMENT EM CAA 201 A Rzçã Ch Dvv Hb Ub CDHU I GEA é b REFEITUR A DE Ã AUL VERDE E MEI AMBIENTE FhTé Ebçã Tx Agô Jé Lz Ch T Nh Rh Rvã A M Dg Lz Egá j Nh Rh Rq L R Rf Tv

Leia mais

Acesse o ambiente de integração. saojosetijuca.ai.marista.edu.br. Portfólio. Ensino Médio Marista MÓDULO 1 ANO 2015.

Acesse o ambiente de integração. saojosetijuca.ai.marista.edu.br. Portfólio. Ensino Médio Marista MÓDULO 1 ANO 2015. fé de u t t A Acee ambete de tegraçã ajetjuca.a.marta.edu.br E a c ê c de a d v At t e m c a e e h d c Set g el R d m g a t Pr g l á D t e am d u f Apr Etud ç r f E mída ã qua ç a r Pe Iteg Prtfól E Méd

Leia mais

SIG Acesso Público. Manual do Usuário

SIG Acesso Público. Manual do Usuário SIG Acesso Público Manual do Usuário Brasília Dezembro de 2013 Sumário Apresentação......2 1. O que é o SIG Acesso Público?.........3 2. Para acessa r o Sistema............3 3. Conjuntos de Pesquisa de

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA Som da Vila Cifras e Fichas Técnicas Músicas 1. Nosso Louvor... 3 2. És... 4 3. Toda Honra, Glória e Louvor... 5 4. Agora e Sempre... 6 5. Àquele que pode... 7 6.

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS

UMA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS ISSN 275-6295 R de Jae- Basl, 08 e 09 vemb de 2007. SPOLM 2007 UMA AVALIAÇÃO DE URSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO ONTROLÁVEIS Feada Rdgues ds Sats us de Egehaa de Pduçã

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Empenhos Emitidos 6 de Outubro de 2010 Folha: 1 Prefeitura Municipal Santa Maria

Estado do Rio Grande do Sul Empenhos Emitidos 6 de Outubro de 2010 Folha: 1 Prefeitura Municipal Santa Maria Estado do io Grande do Sul Empenhos Emitidos 6 de Outubro de 2010 Folha: 1 02.02.2010 2010/001311 2994 10216 ONALDO POZZOBON 105,30 1 Itens de Empenho : PASSAGENS SANTA MAIA/POA/SANTA MAIA EM VIAGEM A

Leia mais

ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

1º ANO A 06 07 2015 ATIVIDADE DE FÉRIAS

1º ANO A 06 07 2015 ATIVIDADE DE FÉRIAS 1º ANO A 06 07 2015 VAMOS RELEMBRAR ALGUMAS ATIVIDADES QUE APRENDEMOS DURANTE AS AULAS? LEIA E IDENTIFIQUE CADA SÍLABA DOS QUADROS ABAIXO, DEPOIS RECORTE E COLE UMA FIGURA QUE INICIE COM A SÍLABA E ESCREVA

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS 1. Objetivo: 1. Esta rotina permite importar para o banco de dados do ibisoft Empresa o cadastro de pessoas gerado por outro aplicativo. 2. O cadastro de pessoas pode

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

ISO 14001- Sistema de Gestão Ambiental

ISO 14001- Sistema de Gestão Ambiental Novembro,, 2001 ISO 14001- Sistema de Gestão Ambiental Tatiana Chiaradia ALSTOM-ITAJUBÁ SITE SECTOR: T&D BUSINESS: TB & DB 15 100 m 2 Área Construída 30 000 m 2 Área Verde 415 funcionários ISO9001 ISO14001

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

Aluno(a): Professor: Chiquinho

Aluno(a): Professor: Chiquinho Aluo(a): Pofesso: Chquho Estatístca Básca É a cêca que tem po objetvo oeta a coleta, o esumo, a apesetação, a aálse e a tepetação de dados. População e amosta - População é um cojuto de sees com uma dada

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Telecomunicações Básico

Telecomunicações Básico Telecomunicações Básico Prof. MSc. Eng. ! "!"!"#$ %!"# #% # $ &# #!% '($ ) ) *+, ) $-!.) / 0 1#() 0!2) $% & '() * %# ') % &# /) *%+,,%-, 334-3564.7 &3897.%& / /% 0 0% 1 0 :'( : : $00'( :'(;< : 4.*6 :4.*6

Leia mais

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal.

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal. Dagrama de Blc Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar cada um dete ubtema,

Leia mais

5. DIAGRAMA EM BLOCOS

5. DIAGRAMA EM BLOCOS Stema de Cntrle 5. DIAGRAMA EM BLOCOS Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar

Leia mais

ATIVIDADE DE FÉRIAS PRÉ

ATIVIDADE DE FÉRIAS PRÉ ATIVIDADE DE FÉIAS PÉ EDUCANDO (A): FÉIAS ESCOLAES 2013 Como é gostoso aprender cada dia mais, conhecer professores e novos amigos... Mas, quando chega às férias, tudo se torna bem mais gostoso, podemos

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil Uma aálie de deempeho o mecado de coceão de cédito de como o Bail Miiam Cadoo Cota Potifica Uiveidade Católica do Rio de Jaeio Depatameto de Egehaia Idtial Ra Maqê de São Vicete, 225, ala 95L miiam@alo.pc-io.b

Leia mais

RESNICK, HALLIDAY, KRANE, FÍSICA, 4.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 1996. FÍSICA 1 CAPÍTULO 4 MOVIMENTO BI E TRIDIMENSIONAL

RESNICK, HALLIDAY, KRANE, FÍSICA, 4.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 1996. FÍSICA 1 CAPÍTULO 4 MOVIMENTO BI E TRIDIMENSIONAL Pblemas eslis e Física Pf. nesn Cse Gaui Dep. Física UFES ESNICK, LLIDY, KNE, FÍSIC, 4.ED., LC, IO DE JNEIO, 996. FÍSIC CPÍULO 4 MOVIMENO BI E IDIMENSIONL. psiçã e uma paícula que se me em um plan é aa

Leia mais

O EMPREITEIRO. Copatrocínio

O EMPREITEIRO. Copatrocínio KH T M W TÃ G A N F NAL UC Lp D CA -A 1200 ÁT X A JT - / A ã 5 1 0 2 D m 26 A A ç p 27 MW c áb fz h C J F g c h Lb 290/ -116 6 1 0 y 2 w h çã f pc G pc m D x f L ª 4 G c M A Jg q A b é C gh H V V g ã M

Leia mais

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Registros de aspectos ambientais Três fases podem ser

Leia mais

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de E n gen h a r ia P r ofes s or Bacharel em Administração de Empresas com Ênfase em Gestão da Informação; MBA em Gestão da Qualidade e Produtividade; 20 anos de

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981 CC Vsã Cputacnal Câeas Insttut ecnlógc de Aenáutca P. Cals Henque Q. Fste Sala IEC aal 598 ópcs da aula Mdels de câeas Aqusçã de agens Paâets da câea Recupeaçã da atz de pjeçã Calbaçã de sa Lv paa acpanha

Leia mais

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013 Aula-9 ampos Magnétcos Poduzdos po oentes uso de Físca Geal F-38 o semeste, 13 Le de Bot - Savat Assm como o campo elétco de poduzdo po cagas é: 1 dq 1 dq db de ˆ, 3 ε ε de manea análoga, o campo magnétco

Leia mais

FISHER RESEARCH LABORATORY

FISHER RESEARCH LABORATORY águ d e o lo g p o uo ol Soluçõe em medção de vzão, ível e peão e em pequ de vzmeto Empe Repeetd M-SCOPE R FISHER RESEARCH LABORAORY SINCE 1931 ISOIL I N D U S R I A Vzão Stem de medção e egto de vzão

Leia mais

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS. Moivaçõe Como vio o Regulado de Eado maném o iema em uma deeminada condição de egime pemanene, ou eja, ena mane o eado em uma dada condição eacionáia.

Leia mais

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o vaprafeira.com M a r i n a B r i z a M o re l l i O r i e nta d o ra : I s a b e l A b a

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

Prestação de Contas Ordinária Anual. Relatório de Gestão 2009

Prestação de Contas Ordinária Anual. Relatório de Gestão 2009 Ministério dos Transportes Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes Prestação de Contas Ordinária Anual Relatório de Gestão 2009 Relatório de Gestão apresentado ao Tribunal de Contas da União

Leia mais

Usa As Minhas Mãos. Intro: C9 G/B Bb/Eb D. Sei que queres tocar cada um que se abrir D/F# C/E D G Sei que queres agir com poder neste lugar

Usa As Minhas Mãos. Intro: C9 G/B Bb/Eb D. Sei que queres tocar cada um que se abrir D/F# C/E D G Sei que queres agir com poder neste lugar Usa As Minhas Mãos Intro: C9 G/B Bb/Eb D G C/G Sei que queres tocar cada um que se abrir D/F# C/E D G Sei que queres agir com poder neste lugar G Am Sei que queres curar cada coração aqui D Am G/B C E

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DE IMBITUBA Administração do Porto de Imbituba

COMPANHIA DOCAS DE IMBITUBA Administração do Porto de Imbituba COMPAHIA DOCAS DE IMBITUBA Administração do Porto de Imbituba!" #$ %& ' ( ) ESCLARECIMETOS IICIAIS. A Audiência Pública é um instrumento de participação popular, aberta a qualquer interessado, tendo por

Leia mais

Inspeção Industrial Através de Visão Computacional. Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador

Inspeção Industrial Através de Visão Computacional. Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador Inspeção Industrial Através de Visão Computacional Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador Roteiro da apresentação 1 Introdução 2 Fundamentação teórica 3 Desenvolvimento do Trabalho

Leia mais

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios Módulo 6 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios 2 - Referências normativas Relação da ISO 14001:2000 com ISO 14004:2000 Não há referências normativas indicadas

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA HORÁRIO: Primeiro Semestre do Ano Letivo de 2012 Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido

ENGENHARIA ELÉTRICA HORÁRIO: Primeiro Semestre do Ano Letivo de 2012 Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido 7:10 8:00 GA MC GA Q* 8:00 8:50 GA MC GA Q* Q 8:50 9:00 Q 9:00 9:50 F1 IE F1 AP1 - A Q (9:40h) 9:50 10:40 F1 IE F1 AP1 - A L Q 10:50 11:40 C1 L AP1 A 1/2 C1

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço IGREJA CRISTÃ MARANATA Apostila De Teclado Comissão de ensino Vale do Aço Introdução O Teclado é um dos instrumentos mais utilizados hoje em dia, por sua grande flexibilidade e diversificação. Com um simples

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ivetigação Operacioal Fila de Epera Liceciatura em Egeharia Civil Liceciatura em Egeharia do Território Nuo Moreira - 4/5 roblema Nuo Moreira - 4/5 No erviço de urgêcia do hopital da cidade o paciete ão

Leia mais