WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS"

Transcrição

1 WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS Superintendência de Planejamento e Gestão Escritório de Processos Organizacionais Goiânia, 27 de maio de 2009

2 Objetivos: WORKSHOPS DE MELHORIA DE PROCESSOS Promover o mapeamento, melhoria e normalização de um processo crítico de cada Superintendência, da Controladoria Interna e do Departamento de Engenharia e Arquitetura utilizando as metodologias MAMP (Método de Análise e Melhoria de Processos) e Guia de Simplificação (GESPÚBLICA); C D Nivelar o conhecimento das unidades a respeito de processos; Disseminar o conhecimento e utilização prática das ferramentas para as unidades por meio do CONSULTOR INTERNO DA GESTÃO.

3 POR QUE TRABALHAR COM GESTÃO POR PROCESSOS? Iniciativa estabelecida no Plano Estratégico ; Necessidade institucional de uniformização das rotinas de trabalho, de definição de responsabilidades na execução das rotinas e de eliminação de anomalias e paralelismos; Necessidade detectada no diagnóstico estratégico e nas pesquisas de cultura e clima organizacionais realizados em 2008 fato gerador de insatisfação interna e desgastes entre as áreas; Alinhamento com a política institucional de buscar a excelência na prestação dos serviços; Alinhamento com os fundamentos da excelência gerencial estabelecidos pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Modelo de Excelência GESPÚBLICA).

4 POR QUE TRABALHAR COM GESTÃO POR PROCESSOS? Iniciativa estabelecida no Plano Estratégico ; Necessidade institucional de uniformização das rotinas de trabalho, de definição de responsabilidades na execução das rotinas e de eliminação de anomalias e paralelismos; Necessidade detectada no diagnóstico estratégico e nas pesquisas de cultura e clima organizacionais realizados em 2008 fato gerador de insatisfação interna e desgastes entre as áreas; Alinhamento com a política institucional de buscar a excelência na prestação dos serviços; Alinhamento com os fundamentos da excelência gerencial estabelecidos pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Modelo de Excelência GESPÚBLICA).

5 POR QUE TRABALHAR COM GESTÃO POR PROCESSOS? Iniciativa estabelecida no Plano Estratégico ; Necessidade institucional de uniformização das rotinas de trabalho, de definição de responsabilidades na execução das rotinas e de eliminação de anomalias e paralelismos; Necessidade detectada no diagnóstico estratégico e nas pesquisas de cultura e clima organizacionais realizados em 2008 fato gerador de insatisfação interna e desgastes entre as áreas; Alinhamento com a política institucional de buscar a excelência na prestação dos serviços; Alinhamento com os fundamentos da excelência gerencial estabelecidos pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Modelo de Excelência GESPÚBLICA).

6 POR QUE TRABALHAR COM GESTÃO POR PROCESSOS? Iniciativa estabelecida no Plano Estratégico ; Necessidade institucional de uniformização das rotinas de trabalho, de definição de responsabilidades na execução das rotinas e de eliminação de anomalias e paralelismos; Necessidade detectada no diagnóstico estratégico e nas pesquisas de cultura e clima organizacionais realizados em 2008 fato gerador de insatisfação interna e desgastes entre as áreas; Alinhamento com a política institucional de buscar a excelência na prestação dos serviços; Alinhamento com os fundamentos da excelência gerencial estabelecidos pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Modelo de Excelência GESPÚBLICA).

7 POR QUE TRABALHAR COM GESTÃO POR PROCESSOS? Iniciativa estabelecida no Plano Estratégico ; Necessidade institucional de uniformização das rotinas de trabalho, de definição de responsabilidades na execução das rotinas e de eliminação de anomalias e paralelismos; Necessidade detectada no diagnóstico estratégico e nas pesquisas de cultura e clima organizacionais realizados em 2008 fato gerador de insatisfação interna e desgastes entre as áreas; Alinhamento com a política institucional de buscar a excelência na prestação dos serviços; Alinhamento com os fundamentos da excelência gerencial estabelecidos pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Modelo de Excelência GESPÚBLICA).

8 Objetivo Estratégico: 9 - Excelência na Gestão Institucional Estratégia: 9.1 Melhorar a gestão administrativa Iniciativa Estratégica: Implantar e implementar o Escritório de Processos, garantindo a identificação, o mapeamento e o redesenho de cem por cento dos processos em vigor no MP das áreas meio e finalística

9 2.Aprendizado organizacional 3.Cultura de inovação 4.Liderança e constância de propósitos 5.Orientação por processos e informações 1.Pensamento sistêmico 6.Visão de futuro 13.Gestão participativa Fundamentos da excelência gerencial 7.Geração de valor 12.Controle social 8.Comprometimento com as pessoas Fonte: Instrumento para Avaliação da Gestão Pública - Ciclo 2008/ Responsabilidade social 10.Desenvolvimento de parcerias 9.Foco no Cidadão e na sociedade

10 ENTRADA GESTÃO ATIVIDADES (inter-relacionadas ou interativas) RECURSOS SAÍDA = SATISFAÇÃO DE CLIENTES Os resultados são alcançados mais rapidamente quando as atividades e os recursos se relacionam de forma processual

11 Eficácia do processo. -Execução adequada do processo - Alcance dos resultados planejados Entrada (Inclui recursos) Processo ( Conjunto de atividades Inter-relacionadas ou interativas ) Saída Produto (Resultado de um Processo) Medição e Monitoramento (Antes, durante e depois do processo) Eficiência do Processo - Otimização dos recursos (tempo, pessoas, financeiro) Fatos e dados Tomada de decisão e produção de informação e conhecimento Alta capacidade para agir e inovar Aumento de produtividade Postura pró-ativa antecipação e resposta rápida às mudanças no ambiente Efetividade

12 Análise do Material das Unidades Organizacionais Unidades que enviaram o material: Controladoria Interna; Engenharia; Superintendências de Administração, Informática, Orçamento e Compras, Judiciária, Planejamento e Gestão, Finanças e Recursos Humanos.

13 trabalhos de diagramação ou fluxogramação (02 un.). Análise do Material das Unidades Organizacionais Ferramentas tecnológicas utilizadas para diagramação ou fluxogramação de processos: EA Enterprise Architect (02 un.); Igrafx (02 un.); Editor de texto (02 un.); Planilha eletrônica / Ferramenta para desenho Broffice.org Draw. (01 un.); Unidades que ainda não desenvolveram

14 Análise do Material das Unidades Organizacionais Pontos Positivos: Entrega do material solicitado; Engajamento das áreas algumas já fluxogramaram vários processos; Unidades sensibilizadas; Entendimento pelas unidades a respeito da gestão por processos (visão)

15 Análise do Material das Unidades Organizacionais Oportunidades de Melhoria: Estabelecer uniformização da metodologia, ferramentas e técnicas utilizadas; Apresentar conceitos para utilização devida de termos afetos à Gestão de Processos; Nivelamento institucional todas as unidades alcançarem o mesmo estágio; Estabelecer orientação institucional no que se refere à gestão por processos.

16 BENEFÍCIOS DA GESTÃO POR PROCESSOS Uniformização da metodologia, ferramentas e técnicas utilizadas; Uniformização das rotinas de trabalho; Otimização dos recursos; Agilidade dos processos; Clareza de responsabilidades; Eliminação de anomalias; Conhecimento tácito e pessoal Conhecimento expresso e institucional

17 Estágios de maturidade em Gestão por Processos

18 Estágios de maturidade em Gestão por Processos

19 Estágios de maturidade em Gestão por Processos

20 Escritório de Processos Organizacionais - EPO O QUE É: É a unidade responsável por fornecer métodos e ferramentas para a identificação, a descrição, melhoria, normalização e documentação das rotinas de trabalho desenvolvidas na Instituição. OBJETIVO: Obtenção do alinhamento organizacional através da Gestão por Processos e da produção contínua de inovação organizacional centrada em processos.

21 Escritório de Processos Organizacionais - EPO NATUREZA: Consultiva: Auxílio às atividades dos gestores do processo, prescrição de métodos, ferramentas e padrões.

22 Escritório de Processos Organizacionais - EPO ATRIBUIÇÕES: Propor metodologia de gestão por processos (padrões, ferramentas, regras, medidas de desempenho, etc..); Planejar, organizar, controlar e coordenar todas as atividades relacionadas à gestão por processos institucional; Proporcionar a padronização, a integração e a harmonização dos processos organizacionais;

23 Escritório de Processos Organizacionais EPO ATRIBUIÇÕES: Promover, em parceria com a SGRH, treinamento e desenvolvimento de pessoal nas melhores práticas e ferramentas de gestão por processos; Disseminar as melhores práticas; Estabelecer mecanismos para promover a contínua melhoria dos processos institucionais.

24 Escritório de Processos Organizacionais EPO EQUIPE: Cristina Maria das Chagas Julio Cesar Amato Renata Vieira Evangelista

25 WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS Dinâmica de trabalho

26 Como será a condução dos trabalhos? 8 worshops Às quartas-feiras Horário: das 9:00 às 12:00h Sala 327 Participantes: Superintendentes, Chefe do Departamento de Engenharia e Arquitetura, Chefe da Controladoria Interna e Consultores Internos.

27 Acordos e alinhamento de expectativas Comparecimento e comprometimento de todos; Busca por metodologia de fácil aplicação e testada no setor público; Projeto piloto necessidade da avaliação pelas unidades; Execução das tarefas previstas para a semana; Compreensão e colaboração das áreas com trabalhos mais adiantados.

28 Forma de aplicação do trabalho Cada workshop apresentará orientação teórica, exercícios e aplicação prática das ações a serem realizadas posteriormente em cada unidade pelo consultor. Teoria Exercício Prática No período de desenvolvimento das atividades pelas unidades, estas podem recorrer ao EPO para agendamento e esclarecimento de dúvidas e orientações.

29 Forma de aplicação do trabalho Cada área passará para a etapa posterior após aprovação da anterior pelo Consultor Interno, pelo Responsável pelo Processo, pelo Responsável pela Unidade Organizacional. Cada área encaminhará para a SUPLAN os trabalhos realizados na semana para acompanhamento e orientação.

30 Definição dos papéis Papel do Consultor Interno: Disseminar e aplicar as práticas de gestão por processos no âmbito da unidade; Dar o aporte do conhecimento técnico especializado na execução dos processos de sua área; A Identificar os pontos fortes e oportunidades de melhoria da sua unidade C organizacional no que se refere aos processos; APOIAR (auxiliar) o mapeamento, o redesenho, a melhoria e a P D definição dos indicadores dos processos da sua unidade organizacional, em conformidade com a metodologia adotada pelo MP-GO.

31 Definição dos papéis Papel do Responsável pelo Processo Responder diretamente pelo processo Mapear, redesenhar e melhorar os processos sob sua responsabilidade; Definir e monitorar os indicadores de desempenho dos processos; Garantir a execução e o bom desempenho do processo de acordo com os critérios definidos; Verificar se os processos estão produzindo os resultados previstos; Verificar se os recursos estão de acordo com a necessidade dos processos mapeados; Propor melhorias ou inovações, para tornar o processo mais eficiente e eficaz; Garantir a disseminação do processo às partes interessadas.

32 Definição dos papéis Papel do responsável pela Unidade Organizacional Proporcionar ambiente interno favorável e adequado ao trabalho de mapeamento, melhoria e normalização dos processos; Conduzir e integrar os processos afetos à sua área; Validar os formulários, juntamente com o Consultor Interno e os Responsáveis pelos processos; Aprovar os processos mapeados, redesenhados e normalizados da sua unidade organizacional, juntamente com o Consultor Interno e os Responsáveis pelos Processos.

33

34 Fluxo de aplicação do trabalho Responsável pelo Processo Preencher conforme metodologia Há dúvida? Sim Não Encaminhar para aprovação Consultor Interno da Gestão Participa do Workshop e recebe metodologia e formulários Orienta os trabalhos Não Há dúvida? Sim Validar o trabalho quanto à metodologia Responsável pela Unidade Organizacional Valida e aprova o trabalho Encaminha o trabalho via e- mail EPO - Escritório de Processos Organizacionais Sanar as dúvidas quanto à metodologia Está adequado quanto à metodologia? Sim Disponibiliza os documentos para toda a instituição Não

35 1º WORKSHOP DE MELHORIA DE PROCESSOS 1) Apresentação da metodologia a ser utilizada; 2) Apresentação de conceitos; 3) Orientação para priorização do processo da área.

36 1) METODOLOGIA DO TRABALHO AS QUATRO FASES 1. Planejamento: Planejar o trabalho do EPO - SUPLAN. 2. Mapeamento do processo: Identificar todas as entradas e saídas do processo e desenhar o fluxograma (situação atual). 3. Análise e Melhoria: Identificar os problemas e desenvolver soluções (situação desejada). 4. Implementação: Desenhar novo fluxograma, definir indicadores e metas, monitorar e documentar o processo.

37 METODOLOGIA DO TRABALHO - AS QUATRO FASES Planejamento Pré-requisitos Formação e capacitação EPO Definição de Atribuições EPO e Unidades Mapeamento dos processos Mapeamento de Processos Priorização do processo a ser melhorado Levantamento das atividades e normas Identificação dos elementos e do objetivo Desenho do fluxograma atual Análise e melhoria dos processos Análise e melhoria de processos Identificação dos problemas, causas e soluções Priorização dos problemas Desenvolvimento das soluções Implementação das melhorias Implementação das melhorias Desenho do novo fluxograma Definição dos indicadores e metas Monitoramento e avaliação do processo Documentação do processo FIM

38 Planejamento METODOLOGIA DO TRABALHO - AS QUATRO FASES Pré-requisitos Formação e capacitação EPO Definição de Atribuições EPO e Unidades Mapeamento dos processos Mapeamento de Processos Priorização do processo a ser melhorado Levantamento das atividades e normas Identificação dos elementos e do objetivo Desenho do fluxograma atual Análise e melhoria dos processos Análise e melhoria de processos Identificação dos problemas, causas e soluções Priorização dos problemas Desenvolvimento das soluções Implementação das melhorias Implementação das melhorias Desenho do novo fluxograma Definição dos indicadores e metas Monitoramento e avaliação do processo Documentação do processo FIM

39 Planejamento METODOLOGIA DO TRABALHO - AS QUATRO FASES Pré-requisitos Formação e capacitação EPO Definição de Atribuições EPO e Unidades Mapeamento dos processos Mapeamento de Processos Priorização do processo a ser melhorado Levantamento das atividades e normas Identificação dos elementos e do objetivo Desenho do fluxograma atual Análise e melhoria dos processos Análise e melhoria de processos Identificação dos problemas, causas e soluções Priorização dos problemas Desenvolvimento das soluções Implementação das melhorias Implementação das melhorias Desenho do novo fluxograma Definição dos indicadores e metas Monitoramento e avaliação do processo Documentação do processo FIM

40 Planejamento METODOLOGIA DO TRABALHO - AS QUATRO FASES Pré-requisitos Formação e capacitação EPO Definição de Atribuições EPO e Unidades Mapeamento dos processos Mapeamento de Processos Priorização do processo a ser melhorado Levantamento das atividades e normas Identificação dos elementos e do objetivo Desenho do fluxograma atual Análise e melhoria dos processos Análise e melhoria de processos Identificação dos problemas, causas e soluções Priorização dos problemas Desenvolvimento das soluções Implementação das melhorias Implementação das melhorias Desenho do novo fluxograma Definição dos indicadores e metas Monitoramento e avaliação do processo Documentação do processo FIM

41 Planejamento METODOLOGIA DO TRABALHO - AS QUATRO FASES Pré-requisitos Formação e capacitação EPO Definição de Atribuições EPO e Unidades Mapeamento dos processos Mapeamento de Processos Priorização do processo a ser melhorado Levantamento das atividades e normas Identificação dos elementos e do objetivo Desenho do fluxograma atual Análise e melhoria dos processos Análise e melhoria de processos Identificação dos problemas, causas e soluções Priorização dos problemas Desenvolvimento das soluções Implementação das melhorias Implementação das melhorias Desenho do novo fluxograma Definição dos indicadores e metas Monitoramento e avaliação do processo Documentação do processo FIM

42 METODOLOGIA DO TRABALHO - AS QUATRO FASES Planejamento Pré-requisitos Formação e capacitação EPO Definição de Atribuições EPO e Unidades Mapeamento dos processos WORKSHOP I Conceitos e priorização Mapeamento de Processos Priorização do processo a ser melhorado Levantamento das atividades e normas Identificação dos elementos e do objetivo Desenho do fluxograma atual Análise e melhoria dos processos Análise e melhoria de processos Identificação dos problemas, causas e soluções Priorização dos problemas Desenvolvimento das soluções Implementação das melhorias Implementação das melhorias Desenho do novo fluxograma Definição dos indicadores e metas Monitoramento e avaliação do processo Documentação do processo FIM

43 METODOLOGIA DO TRABALHO - AS QUATRO FASES Planejamento Pré-requisitos Formação e capacitação EPO Definição de Atribuições EPO e Unidades Mapeamento dos processos WORKSHOP I Conceitos e priorização Mapeamento de Processos Priorização do processo a ser melhorado Levantamento das atividades e normas Identificação dos elementos e do objetivo Desenho do fluxograma atual Análise e melhoria dos processos Análise e melhoria de processos Identificação dos problemas, causas e soluções Priorização dos problemas Desenvolvimento das soluções Implementação das melhorias Implementação das melhorias Desenho do novo fluxograma Definição dos indicadores e metas Monitoramento e avaliação do processo Documentação do processo FIM

44 2) Apresentação de conceitos O que é um PROCESSO? É um conjunto de atividades inter-relacionadas ou interativas que transforma insumos (entradas) em serviços/produtos (saídas). (NBR ISO 9000:2005) Processo é um conjunto de recursos e atividades inter-relacionadas ou interativas que transforma insumos (entradas) em serviços/produtos (saídas). Esses processos são geralmente planejados e realizados para agregar valor aos serviços/produtos. (GESPÚBLICA) É qualquer atividade executada dentro de uma companhia ou organização (BPMN 2006).

45 2) Apresentação de conceitos Categorias de processos: Processo finalístico processo associado às atividades-fim da organização ou diretamente envolvido no atendimento às necessidades dos seus cidadãos. Processos de apoio processos que dão suporte a alguma atividade-fim da organização, tais como: a gestão de pessoas, a gestão de material, o planejamento e o acompanhamento das ações institucionais etc. Processo crítico pode ser um processo finalístico ou de apoio, desde que tenha natureza estratégica, sendo fundamental para o sucesso da organização.

46 2) Apresentação de conceitos O que é MACROPROCESSO? É o conjunto de processos por meio do qual a área cumpre sua missão. Agrupamento de processos necessários para o desempenho de uma atribuição da organização. Corresponde a grandes funções da organização, para as quais devem estar voltadas todas as suas unidades internas. Um macroprocesso engloba vários outros processos.

47 2) Apresentação de conceitos O que é subprocesso? É um processo que está incluso em outro processo. O que é atividade? Ações a serem realizadas dentro de um processo ou subprocesso. E tarefa? Elementos individuais e/ou subconjuntos de uma atividade. Fonte: BPM Gerenciamento de Processos de Negócio vários autores

48 2) Apresentação de conceitos Hierarquia de processos Macroprocesso Processo Sudprocesso Atividade Tarefa

49 Gestão de pessoas Hierarquia de processos Macroprocesso Provimento de cargos Processo Nomeação Subprocesso Publicar a lista dos nomeados no DO Atividade Encaminhar documento para órgão responsável pelo DO Tarefa

50 2) Orientação para priorização do processo da área Planejamento Pré-requisitos Formação e capacitação EPO Definição de Atribuições EPO e Unidades Mapeamento dos processos WORKSHOP I Conceitos e priorização Mapeamento de Processos Priorização do processo a ser melhorado Levantamento das atividades e normas Identificação dos elementos e do objetivo Desenho do fluxograma atual Análise e melhoria dos processos Análise e melhoria de processos Identificação dos problemas, causas e soluções Priorização dos problemas Desenvolvimento das soluções Implementação das melhorias Implementação das melhorias Desenho do novo fluxograma Definição dos indicadores e metas Monitoramento e avaliação do processo Documentação do processo FIM

51 2) Orientação para priorização do processo da área A priorização de ações é necessidade básica em qualquer atividade, pois recursos são sempre escassos ou limitados; Saber priorizar é uma das bases da gerência eficaz; Para priorizar podemos utilizar dados quantificáveis ou ferramentas específicas. Ex: método GUT.

52 2) Orientação para priorização do processo da área O que é o método GUT? É uma ferramenta para auxiliar a priorização das ações. GUT é a abreviatura das palavras-chave do método (Gravidade, Urgência, Tendência).

53 Método GUT G (Gravidade) - tamanho do impacto negativo na área caso o processo não seja melhorado. U (Urgência) - relaciona-se ao tempo estimado para manifestação do problema caso o processo não seja melhorado quanto mais urgente, menor o tempo disponível para melhorá-lo. T (Tendência) - é o potencial do problema caso o processo não seja melhorado, ou seja, "Se eu não resolver esse problema agora, ele vai piorar pouco a pouco ou vai piorar bruscamente?".

54 IMPORTANTE!!! Premissa para escolha do processo a ser trabalhado: Ter impacto na área fim, ou seja, o processo escolhido deve ter também como cliente a área fim institucional (promotorias e procuradorias) Ex: Processo de concessão de férias, Processo de liberação de diárias, etc.

55 Vamos ao exercício!! 1) Escolher três processos da unidade Grupo: integrantes de cada unidade 2) Pontuar os processos quanto à Gravidade, Urgência e Tendência - EPO 02 - FORMULÁRIO DE PRIORIZAÇÃO DE PROCESSOS 10 minutos 3) O mais pontuado é o processo a ser trabalhado.

56

57 Trazer para o próximo WORKSHOP 03/06: - Processo a ser trabalhado na unidade definido utilizando a ferramenta de priorização. Sugestão: realizar discussão com os chefes dos departamentos, divisão e seção para levantar os processos e realizar pontuação (o formulário está na WIKIMP ulariosepo) - Realizar leitura do material de apoio entregue. Agradecemos a presença. Boa semana e bom trabalho!!!

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC. Código: MAP-DIGES-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Processos Aprovado por: Diretoria de Gestão Estratégica 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Conceitos e definições

Conceitos e definições Conceitos e definições Hierarquia de processos Macro-processo Macro Atividade Atividade Tarefa Tarefas 1. ------------ 2. --------- 3. --------------- 1 Conceitos e definições Hierarquia de processos Macro-processo

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Modelo de Gestão por Processos da Anatel

Modelo de Gestão por Processos da Anatel Modelo de Gestão por Processos da Anatel 1º Evento de Intercâmbio em Planejamento & Gestão das Agências Reguladoras 03 de abril de 2009 Superintendência de Administração-Geral - SAD Gerência-Geral de Talentos

Leia mais

ATO Nº 31/2014. CONSIDERANDO a implementação do sistema eletrônico de gestão integrada da área administrativa, denominado sistema E-mpac,

ATO Nº 31/2014. CONSIDERANDO a implementação do sistema eletrônico de gestão integrada da área administrativa, denominado sistema E-mpac, ATO Nº 31/2014 Dispõe sobre a gestão de processos no âmbito do Ministério Público do Estado do Acre ACRE, no uso de suas atribuições legais, O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CONSIDERANDO a execução

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

ALINHAMENTO ESTRATÉGICO PROCESSO: Elaboração e controle de documentos e registros PROCEDIMENTO: Elaboração e controle de documentos e registros ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Objetivo estratégico: 9 Excelência na Gestão Institucional

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO MP-GO 2009-2022

GESTÃO ESTRATÉGICA DO MP-GO 2009-2022 A Gestão Estratégica do Ministério Público de Goiás (MP-GO) é o novo paradigma de gestão institucional voltado para a instrumentalização técnica e conceitual de todas as unidades e órgãos, administrativos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

Diretoria de Gestão Interna

Diretoria de Gestão Interna Diretoria de Gestão Interna Objetivo 13: Garantir que os processos de trabalho e seus produtos sejam oportunos e primem pela qualidade, com uso intensivo de tecnologia Iniciativas Ações Produtos ou resultados

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

WORKSHOP DE MELHORIA DE PROCESSOS

WORKSHOP DE MELHORIA DE PROCESSOS Material de Apoio Mapeamento, Melhoria e Normalização dos Processos Versão 02 - Página 1/43 SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE ESCRITÓRIO DE PROCESSOS ORGANIZACIONAIS

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Automação de back-office Estratégia e gestão financeira Melhoria de processos e indicadores

Automação de back-office Estratégia e gestão financeira Melhoria de processos e indicadores Automação de back-office Estratégia e gestão financeira Melhoria de processos e indicadores 01 A Inside foi fundada com o objetivo de levar fundamentos de estratégia e gestão às empresas que buscam crescer

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Escritório de Projetos

Escritório de Projetos Escritório de Projetos Agenda Conceito de Escritório de Projetos Por que implementar um Escritório de Projetos? Implementando um Escritório de Projetos Funções do Escritório de Projetos Modelo de Maturizade

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

1. Antecedentes. 2. Objetivo. 3. Escopo dos Trabalhos

1. Antecedentes. 2. Objetivo. 3. Escopo dos Trabalhos CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA PARA ELABORAÇÃO DE DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DE REVISÃO E REDESENHO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Termo de Referência Outubro 2012

Leia mais

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Workshop dos Resultados dos Estudos Temáticos 13-14 de dezembro de 2006 Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Grupo Temático 10 Modelos Sumário Objetivos do GT10 Lógica ideal de desenvolvimento

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

o Programa, aprovado pela Diretoria Colegiada em dezembro de

o Programa, aprovado pela Diretoria Colegiada em dezembro de Diretoria de Desenvolvimento Institucional (DIDES) Programa de Trabalho 2009-2010 A Diretoria de Desenvolvimento Institucional (DIDES) implementará no biênio 2009...! 2010 projetos voltados para atingir

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Data da revisão. Definir critérios para elaboração de projetos arquitetônicos das sedes do MP-GO.

Data da revisão. Definir critérios para elaboração de projetos arquitetônicos das sedes do MP-GO. Versão 01 - Página 1/13 PROCESSO: Elaboração de projetos arquitetônicos das sedes do MP-GO PROCEDIMENTO: Procedimento para elaboração de projetos arquitetônicos das sedes do MP-GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. OBJETIVO GERAL... 3 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 5 DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA... 4 6 PRODUTOS E SERVIÇOS... 4 6.1 RELATÓRIO DE SITUAÇÃO

Leia mais

Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group

Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Agenda Algumas confusões práticas As funções básicas do(s) escritório(s) de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV ACORDO FIRMADO COM O BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DE PROJETO Gerenciamento de Projetos GP é o caminho para atingir

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

Workshop Regional PGQP

Workshop Regional PGQP Workshop Regional PGQP Rio Grande - 25/03/2004 COMO FAZER QUALIDADE NO SERVIÇO PÚBLICO (Por Irene Szyszka) 1 Produzido por Lucem - Sistemas Integrados de Gestão Ltda. Todo o mundo sonha... 2 É possível

Leia mais

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais DPR Estabelecendo um Escritório de Processos

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais DPR Estabelecendo um Escritório de Processos Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais DPR Estabelecendo um Escritório de Processos Profa. Ângela F. Brodbeck Escola de Administração PROPLAN/EP UFRGS Pressupostos

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

Metodologia de Gestão de Processos

Metodologia de Gestão de Processos 2013 Metodologia de Gestão de Processos Projeto Fomento à Gestão de Processos nos MPs GRUPO DE TRABALHO PROCESSOS FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO Versão 2/2013 CONSELHO

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Organização Para Cópias. Unidades da Estrutura Organizacional do INPE (TQ-001)

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Organização Para Cópias. Unidades da Estrutura Organizacional do INPE (TQ-001) Referência: CPA-079-2008 Versão: 1.0 Status: Ativo Data: 09/julho/2008 Natureza: Aberto Número de páginas: 14 Origem: GCMIG e GEOPI Revisado por: GCMIG Aprovado por: GCMIG Título: Proposta de Modernização

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS NA JUSTIÇA DO TRABALHO DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAUS

IMPLANTAÇÃO DO MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS NA JUSTIÇA DO TRABALHO DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAUS Anexo - Modelo de Gestão de Pessoas 936/2012 - Segunda-feira, 12 de Março de 2012 Conselho Superior da Justiça do Trabalho 1 Página 1 de 14 IMPLANTAÇÃO DO MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS NA

Leia mais

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho?

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Nossa Empresa A MasterQual é uma consultoria brasileira que tem como principal

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO PERFIL DE CARGO S 1- DADOS DA VAGA Cargo: Analista Função: Analista de Cooperativismo e Monitoramento Unidade Estadual: Sescoop- Maranhão Carga Horária: 40h/ semanais Salário: R$ 1.663,00 (hum mil seiscentos

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Projeto de Implantação da Gestão por Competências no TRT 23ª Região Baseado na Metodologia do Inventário Comportamental Legislação Decreto n. 5.707/2006: institui a Política e as

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Modelagem de Processos na ECT

Modelagem de Processos na ECT Modelagem de Processos na ECT BPM DAY - Brasília 2012 AGENDA Iniciativas de BPI Método para Gestão de Processos de TIC Criação da Gerencia de Modelagem (GMON) Planejamento Estratégico 2020 Diagnóstico

Leia mais

Ciclo de Vida do Projeto. Se você não sabe onde está, um mapa não o ajudará. Watts S. Humphrey. Metodologia de Gestão de Projetos do STJ 29

Ciclo de Vida do Projeto. Se você não sabe onde está, um mapa não o ajudará. Watts S. Humphrey. Metodologia de Gestão de Projetos do STJ 29 3 Ciclo de Vida do Projeto Gestão de Projetos do STJ 29 Se você não sabe onde está, um mapa não o ajudará. Watts S. Humphrey O processo de trabalho da MGSTJ é orientado em quatro grupos de atividades:

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna. COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil

GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna. COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil Programação da Apresentação Evolução da Auditoria Interna de TI no Banco Central; Governança de

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

Programa de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Secretaria de Finanças PCD. Biênio 2013/2014. Anexo II da Resolução nº 053/12

Programa de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Secretaria de Finanças PCD. Biênio 2013/2014. Anexo II da Resolução nº 053/12 Programa de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Secretaria de Finanças PCD Biênio 2013/2014 Anexo II da Resolução nº 053/12 Programa de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Secretaria

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

PDG da Área Administrativa 2013/2014

PDG da Área Administrativa 2013/2014 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL O Programa de Desenvolvimento Gerencial PDG do TRT9 para a área administrativa, no biênio 2013-2014, terá como foco a Gestão de Pessoas por Competências - GPC. A capacitação

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2013

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2013 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2013 PROPOSTA DE ESTRUTURA PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO URBANA Núcleo de Real Estate, Mestrado, Mariana

Leia mais

Modelo de Gestão de Riscos para Instituições Federais de Ensino Superior visando a realização de Auditoria Baseada em Riscos

Modelo de Gestão de Riscos para Instituições Federais de Ensino Superior visando a realização de Auditoria Baseada em Riscos Modelo de Gestão de Riscos para Instituições Federais de Ensino Superior visando a realização de Auditoria Baseada em Riscos Bruno Silva Auditor Interno Estrutura da Apresentação I. Definições II. III.

Leia mais

Capacitação. Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD

Capacitação. Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD Capacitação Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD Introdução Referencial legal Conceitos básicos da sistemática de avaliação de desempenho Objetivos e benefícios da avaliação de desempenho Quem está

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETÁRIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Renata Maria Paes de Vilhena SUBSECRETÁRIA DE

Leia mais

Planejamento Estratégico 2014-2018

Planejamento Estratégico 2014-2018 Planejamento Estratégico 2014-2018 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DE GOIÁS Crea-GO O Planejamento Estratégico é um processo dinâmico, sistêmico, participativo e contínuo para determinação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de um consultor especializado no desenvolvimento de programas voltados à promoção da saúde e da qualidade de vida

Leia mais

Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014

Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014 Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014 Objetivos e Premissas do Plano Objetivos do Plano 1 Aperfeiçoar a condução das ações relativas ao tema sustentabilidade na ADEMI 2 - Guiar (instrumento

Leia mais

Termos Técnicos de Administração

Termos Técnicos de Administração Termos Técnicos de Administração É importante ter metas, mas também é fundamental planejar cuidadosamente cada passo para atingi-las. (Bernadinho) 0) Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas

Leia mais

ESTUDO DE CASO 1: ROBERT BOSCH

ESTUDO DE CASO 1: ROBERT BOSCH ESTUDO DE CASO 1: ROBERT BOSCH Dados fornecidos por Carlos Alberto Maziero, coordenador de planejamento de carreira e desenvolvimento organizacional (Central, Campinas, SP); Antonio Marcos Vicentini, assessor

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO

RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO Experiência: GESTÃO POR PROJETOS ESTRUTURANTES Banco do Nordeste do Brasil S.A. Responsável: Valdemar Barros Filho Equipe: Antonio Carlos Rodrigues, Francisco Carlos Cavalcanti, Ana Altina Teixeira Marciano

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2010 SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO FINANCEIRA EM CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA. Contatos Luiz Augusto Gonçalves de

Leia mais

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Unidade de Projetos de Termo de Referência para elaboração e desenvolvimento de Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Agosto de 2009 Elaborado em: 4/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil

Leia mais

CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR

CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR 2ª Oficina 1ª Reunião Mapeamento de Processos e Identificação de Séries Documentais OBJETIVO Harmonizar o conhecimentos

Leia mais

Tema 4 Melhoria de Gestão:Gestão por Resultados e Gestão por Processos

Tema 4 Melhoria de Gestão:Gestão por Resultados e Gestão por Processos 1º EVENTO DE INTERCÂMBIO EM PLANEJAMENTO & GESTÃO DAS AGÊNCIAS REGULADORAS Tema 4 Melhoria de Gestão:Gestão por Resultados e Gestão por Processos Irene Mergener Cunha - APLAN/Coordenação da Qualidade da

Leia mais

Resumo Gestão de Pessoas por Competências

Resumo Gestão de Pessoas por Competências Resumo Gestão de Pessoas por Competências A coordenação técnica e acompanhamento especializado para a realização do projeto são realizados pela consultora e professora Sonia Goulart, da SG Educação Empresarial.

Leia mais

Modelo de Governança e. Gestão para a Plataforma. de Processos

Modelo de Governança e. Gestão para a Plataforma. de Processos Modelo de Governança e Gestão para a Plataforma de Processos Versão 1.1 Sumário Trilhas de Modelagem - Documento Orientador...2 ANEXO II - Manual do Usuário Oryx...9 ANEXO III - Metodologia de Modelagem

Leia mais

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Informações gerais sobre a prática Título Implantação da Norma Iso 9001:2008 no Departamento de Distribuição de Processos

Leia mais

APLICAÇÃO DA AUDITORIA BASEADA EM RISCOS (ABR) PARA DEFINIÇÃO DAS AÇÕES DO PAINT

APLICAÇÃO DA AUDITORIA BASEADA EM RISCOS (ABR) PARA DEFINIÇÃO DAS AÇÕES DO PAINT APLICAÇÃO DA AUDITORIA BASEADA EM RISCOS (ABR) PARA DEFINIÇÃO DAS AÇÕES DO PAINT Junho - 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Ações do Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (PAINT) Gestão de riscos: um

Leia mais

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves BPM Congress 27 e 28-11-2012 Palestrante: Ranussy Gonçalves O SEBRAE-MG Mais de 700 funcionários Orçamento para 2012 de mais de R$ 185 milhões 130 mil empresas atendidas em 2011 e 150 mil para 2012 O início

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS R E S O L U Ç Ã O N.º 003/2013

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS R E S O L U Ç Ã O N.º 003/2013 Altera a nomenclatura da Divisão de Recursos Humanos para Divisão de Gestão de Pessoas, organiza a estrutura funcional e dá outras providências. O, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO que

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO N 44.771 DE 05 DE MAIO DE 2014

PODER EXECUTIVO DECRETO N 44.771 DE 05 DE MAIO DE 2014 1 PODER EXECUTIVO DECRETO N 44.771 DE 05 DE MAIO DE 2014 APROVA A METODOLOGIA DE INFORMATIZAÇÃO DE PROCESSO ADMINISTRATIVO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO ESTADUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Agenda O Sebrae/RJ Contexto Inicial Iniciativas de Gestão por Processos Iniciativa Interna Projeto Gestão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG Em defesa da Agroecologia CONSELHO DIRETOR CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA-SEED DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA -DEPEAD COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO EM EAD/COPEAD. PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE

Leia mais

GUIA DE REFERÊNCIA EM GESTÃO DE PROCESSOS

GUIA DE REFERÊNCIA EM GESTÃO DE PROCESSOS GUIA DE REFERÊNCIA EM GESTÃO DE PROCESSOS CONTROLE DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 11/03/2013 1.0 Elaboração do documento Andrea Lelis Prado 13/05/2013 1.1 Atualização do documento Andrea Lelis

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS

METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS Guia de referência do sistema de Gestão de Pr ocessos do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Versão 0.0 METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROCESSOS Guia de referência

Leia mais

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS Prof. Marcio R. G. de Vazzi UMA PEQUENA REVISÃO TEORIA ORGANIZACIONAL - CONCEITOS Organização: É uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos

Leia mais