CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)"

Transcrição

1 CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Itdçã à ISO 9:8 Stema de Getã da Qaldade tate: Nefe Bge Faça Teólg ambetal Geete de Negó da QS Cetfat Ctat: Ap Sã Pal, de agt de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã, m lde ld, fmat PDF, etá dpível a eçã dwlad d te d CRQIV (www.q4.g.b)

2 Stema de getã da qaldade d ISO 9:8 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

3 O qe é ISO 9? É jt de eqt qe tem m bjetv eta a empea paa defçã, mplemetaçã e mateçã de m tema de getã da qaldade, m bjetv de atfaze lete, ba a melha ta e aega a mpettvdade de empea. Fazem pate d tema de qaldade ISO 9 a padzaçã açã de pe, teamet e t de labade, ad tle de dade de qaldade, mtamet da atfaçã d lete e melha tía. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

4 Evlçã da getã da qaldade Sem tema de qaldade Atede a epefaçõe Nma mltae ISO 9 Pêm da Qaldade Nma epeífa paa dúta ISO6: Além d PNQ Demg Stema de Getã Itegad Pêm Demg ISO9: Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 3

5 ISO e ISO 9 ISO Ogazaçã teaal paa malzaçã, / ede em Geeba, Síça. Pme mateal de qaldade em 98. ISO 9 Nma exlva be pe de qaldade. Detema a elaçõe ete feede, fabate e mde (lete) e ta pate teeada. Fee detze e ad tata ad paa alaça a qaldade eqeda. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 4

6 Temlga da ISO 9 Ctext e Abdagem Ctext da dúta Feed Fabate Cmd Ctext da ISO9 Feed Ogazaçã Cmpad Etã, ppót é a elaçã Clete X Feed / Cmd Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 5

7 Píp da getã da Qaldade Píp da Getã da Qaldade é ma eça ega fdametal e abagete paa dz e pea m e ma gazaçã, ed eeá, dgla e tlála tematamete, vad melha tamete te e deempeh a lg paz, pela falzaçã lete e, a mem temp, dead a eedade de tda a pate teeada. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 6

8 8 Píp da Qaldade F lete Ldeaça 3 Evlvmet de pea 4 Abdagem de pe 5 Abdagem têma paa a Getã 6 elha tía 7 Efqe fatal paa a tmada de deã 8 Beefí mút a elaçõe m feede Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 7

9 8 Píp da Qaldade F lete Atede a eedade ata e fta, eqt e teta exede a expetatva d lete; Ldeaça Etabelee a dade de ppót e m da gazaçã. Ca e mate m ambete te, m ttal evlvmet da pea paa atg bjetv; 3 Evlvmet de pea Evlvmet em td íve paa da habldade em beefí da gazaçã; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 8

10 8 Píp da Qaldade 4 Abdagem de pe Geea e m m pe paa alaça eltad m ma efêa; 5 Abdagem têma paa a Getã Idetfa, etede e geea pe m m tema, tb paa qe a gazaçã atja e bjetv m ma efáa e efêa; 6 elha tía elha tía d deempeh glbal m bjetv pemaete; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 9

11 8 Píp da Qaldade 7 Abdagem fatal paa a a tmada de deã Deõe baeada em dad e fmaçõe; 8 Beefí mút a elaçõe m feede Pe gahagaha gaha ameta a apadade da adea de agega val. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

12 Abdagem de Pe ISO9 C L I E N T E R e q t 4 ELHORIA CONTÍNUA DO SISTEA DE GESTÃO DA QUALIDADE Repabldade da admtaçã Getã de e Etada 7 Realzaçã d pdt elha, medçã, aále Saída Pdt S a t f a ç ã C L I E N T E del de abdagem de pe Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

13 ODELO PDCA C A Stema de Getã P D Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

14 ODELO PDCA O mdel hed m PLANDOCHECKACTION (PDCA PDCA) pde e aplad a td pe. Pla (plaeja) gazaçã; D (faze) etabelee bjetv e pe eeá paa fee eltad de ad m eqt d lete e plíta da mplemeta pe / atvdade; Chek (hea) mta e med pe e pdt em elaçã à plíta, a bjetv e a eqt paa pdt e elata eltad; At (ag) exeta açõe paa pmve tamete a melha d deempeh d pe. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 3

15 INTERAÇÃO DE PROCESSOS ODELO DO SISTEA DE GESTÃO DA QUALIDADE (5.) N E C E S S I D A D E S de E R C A D O R E Q U I S. P A R T E S I N T E R E S S A D AS ATIVID. QUE AGREGA VALOR FLUXO DE INFORAÇÕES PROCESSO GESTÃO de PROJETOS (7.3) PROCESSO GESTÃO de COPRAS / SUPRIENTOS (7.4) PROCESSO GESTÃO de ATERIAIS e EQUIP. / ARAZ. / PRESERVAÇÃO (7.5) PROCESSO GESTÃO de PESSOAL (6.) GESTÃO DE PLANEJAEN TO / CONTR. (7.) PROCESSO GESTÃO COERCIAL / ORÇAENTO (7.) PROCESSO de PRODUÇÃO / PRESTAÇÃO de SERVIÇOS (7.5) GESTÃO ADINISTR. / FINANCEIRA (6.), (7.5) ONITORA. EDIÇÃO, ANÁLISE e ELHORIA (8) PROCESSO de ONTAGENS PROCESSO de CONSTRU ÇÃO PROCESSO de INSTALA ÇÕES GESTÃO DA QUALIDADE (5.4), (4.3) C L I E N T E S S A T I S F E I T O S Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 4

16 INTERAÇÃO DE PROCESSOS POR ÁREA LV Lta de Vefaçã Aále Cíta Reqt d Clete / Emeda Pedmet ENTRADAS Bae de Dad d Clete Peal Telga da Ifmaçã Aále da Emeda d Ctat CONTROLES PROCESSO DE GESTÃO COERCIAL RECURSOS Ppta Téa Cmeal SAÍDAS SGQ Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 5

17 ESTRUTURA DA SÉRIE ISO 9: Fdamet e adatóa Getã Stetável vablá Reqt Abdagem Getã da Qaldade Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 6

18 ESCOPO DA ISO 9 E X P E C T A T I V A Stema de Repa Realzaçã Getã edçã getã da bldade da d de aále e qaldade admtaçã Pdt / e melha Sevç Stema de getã da qaldade Clála C L I E N T E Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 7

19 ISO 9:8 CLÁUSULAS. Itdçã;. Objetv e amp de aplaçã;. Fdamet de SGQ; 3. Tem e defçõe; 4. Stema de Getã da Qaldade; 5. Repabldade da Admtaçã; 6. Getã de Re; 7. Realzaçã d Pdt / Petaçã de Sevç; 8. edçã, Aále e elha. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 8

20 Aplaçã e Fdamet O eqt da Nma ã geé e apláve a td tp e tamah de empea e pdt qe feem; Pde e deada a exlã de eqt ã apláve; A exlõe etã lmtada a eqt da eçã 7, dede qe ã afetem a apadade de atede a eqt d lete etattá e eglametae apláve. Tem e Defçõe: Paa efet da ma ISO 9, de deeve tem pdt, ete também pde gfa evç. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 9

21 4 4. Reqt Gea Deve e etabeled, dmetad, mplemetad, matd m SGQ e te a a efáa melhada tamete, t de ad m eqt da ma. O pe d SGQ devem e: detemad e detfad aqele eeá paa Stema ; detemada a eqêa e teaçã; detemad d té e métd eqed paa aega a efáa da peaçã e tle; aegada a dpbldade de fmaçã paa apa a peaçã e mtamet; mtad, medd e aalad; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

22 4 4. Reqt Gea mplemetada açõe eeáa paa atg eltad plaejad e a melha tía; geead pela gazaçã de ad m eqt deta Nma. Qad pta p teeza algm pe qe afete a fmdade d pdt em elaçã a eqt, a gazaçã deve aega tle dee pe. O tp e a exteã d tle aplad a ee pe teezad devem e defd det d SGQ. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

23 4.. Geealdade A dmetaçã d SGQ deve l : delaaçõe dmetada da plíta e bjetv da qaldade; maal da qaldade; pedmet dmetad e egt eqed a ma ; dmet ld egt eeá à gazaçã paa aega plaejamet, a peaçã e tle efaze de e pe ; egt eqed pela ma (Ex. Fmlá de mpvaçã da atvdade patada) Nta tem pedmetdmetadgfaa eedadede mplemeta e mate pedmet; etabelee,dmeta, Um ú dmet pde b eqt paa m ma pedmet. Um eqt paa m pedmet dmetad pde e bet p ma de m dmet. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

24 4 4.. aal da Qaldade 4.. aal da Qaldade Deve e etabeled e matd m maal da qaldade qe la : ep d SGQ, ld pmee e jtfatva paa qaqe exlõe ; pedmet dmetad efeêa a ele; a deçã da teaçã ete pe d SGQ. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 3

25 4..3 Ctle de Dmet O dmet e egt eqed pel SGQ devem e tlad. Um pedmet dmetad deve e etabeled paa: apva dmet qat a adeqaçã, ate da emã ; aala tamete, atalza qad eeá e e apva ; aega qe alteaçõe e a taçã da evã atal ejam detfad; aega qe a veõe petete d dmet apláve etejam dpíve la de ; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 4

26 Ctle de Dmet aega qe pemaeem legíve, ptamete detfáve ; aega qe dmet de gem extea detemad pela gazaçã m eeá paa plaejamet e peaçã d SGQ ejam detfad e qe a dtbçã eja tlada; evta ã petedd de dmet blet e apla ma detfaçã adeqada, e fem etd p qalqe azã, (ex. paa peevaçã de hemet) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 5

27 Ctle de Regt Regt devem e etabeled e matd paa evdea a fmdade m eqt e a peaçã efaz d SGQ, devem e tlad. Devem e matd legíve, ptamete detfáve e epeáve. Deve e ttíd m pedmet dmetad defd tle paa: detfaçã, amazeamet, pteçã, epeaçã, temp de eteçã, e dpçã d egt. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 6

28 DOCUENTO X REGISTRO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 7

29 DOCUENTO X REGISTRO FORULÁRIO DE ph F.R FORULÁRIO DE ph F.R Amta 7,5 Amta 7,8 Amta 3 4,5 Amta 4,3 Amta 5 7,5 Amta 6,5 Amta 7 8,3 A amta etã fa d té. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 8

30 5 5. Cmpmetmet da Deçã Fee evdêa de e mpmetmet m a mplemetaçã d SGQ: ma à gazaçã be a mptâa de atede a eqt d lete, am m etattá e eglametae; etabelee a plíta da qaldade; gaat qe bjetv da qaldade d ã etabeled; dz a aále íta pela Deçã; e aega a dpbldade d e. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 9

31 5 5. F Clete A Alta Deçã deve aega qe eqt d lete ã detemad e atedd m ppót de ameta a atfaçã d lete (ve 7.. e 8..): Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 3

32 Plíta da Qaldade A plíta deve: e appada a ppót da gazaçã; l mpmetmet em atg eqt e a melha tía da efáa d tema; ppa ma etta paa ttçã e aále íta d bjetv da qaldade; e mada e etedda p tda a gazaçã ; e aalada tamete paa tdade de a adeqaçã. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 3

33 Objetv da Qaldade Deve e aegad qe bjetv da Qaldade, ld aqele eeá paa atede eqt d pdt evç: ã etabeled a fçõe e íve petete a gazaçã; devem e meáve e tete m a plíta da qaldade. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 3

34 Plaejamet d SGQ Deve e aegad qe : plaejamet d SGQ é ealzad de fma a atfaze a eqt tad em 4., bem m bjetv da qaldade, e a tegdade d SGQ é matda qad mdaça SGQ ã plaejada e mplemetada. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 33

35 Repabldade e Atdade A Alta deçã deve aega qe: A epabldade e atdade ã defda e mada em tda a gazaçã. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 34

36 Repeetate da deçã RD Deve e dad m memb da admtaçã m epabldade e atdade paa: Aega qe pe eeá paa SGQ ejam etabeled, mplemetad e matd; Relata à Alta Deçã deempeh d SGQ e qalqe eedade de melha; aega qe a etzaçã be eqt d lete eja pmvda em td íve da gazaçã. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 35

37 Cmaçã Itea Deve e aegad qe aa de maçã appad ã etabeled a gazaçã e qe eja efetada maçã m elaçã à efáa d SGQ. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 36

38 Aále Cíta pela Deçã 5.6. Geealdade O SGQ deve e aalad tamete, a teval plaejad paa aega a tía adeqaçã, fêa (qaldade) e efáa. Deve l a avalaçã de ptdade paa melha e eedade de mdaça SGQ, ld a plíta da qaldade e bjetv da qaldade. Regt da aále devem e matd (4..4) 4) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 37

39 5.6 Aále Cíta pela Deçã 5.6. Etada paa aále íta (Pata fxa) A etada paa aále íta devem l fmaçõe be : Reltad de adta ; Realmetaçã d lete ; Deempeh d pe e fmdade d pdt evç; Staçã da açõe pevetva e etva ; Açõe de ampahamet be aále íta atee ; daça qe pam afeta SGQ; Remedaçõe paa melha. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 38

40 5.6 Aále Cíta pela Deçã Saída da Aále Cíta A aída da Aále Cíta devem l qaqe deõe e açõe elaada a: melha da efáa d SGQ e de e pe; melha d pdt em elaçã a eqt d lete; eedade de e; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 39

41 6 6. Pvã de Re Devem e detemad d e fed e paa: mplemeta e mate SGQ e melha tamete a efáa, ameta a atfaçã d lete medate atedmet a e eqt. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 4

42 6 6. Re Hma 6.. Geealdade A pea qe exetam atvdade qe afetam a fmdade m eqt d pdt deve e mpetete m bae em: edaçã, teamet, habldade e expeêa appada. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 4

43 6. Re Hma 6.. Cmpetêa, teamet e etzaçã detema a mpetêa eeáa paa a pea qe exetam tabalh qe afetam a fmdade m eqt d pdt; pve teamet tma ta açõe paa atg a mpetêa eeáa; avala a efáa da açõe exetada; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 4

44 6. Re Hma 6.. Cmpetêa, teamet e etzaçã (Ctaçã) aega qe e peal etá ete qat petêa e mptâa de a atvdade e de m ela tbem paa atg bjetv da qaldade; mate egt appad de edaçã, teamet habldade e expeêa (ve 4..4). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 43

45 Ifa Etta Deve e detemada, feda e matda a fa etta eeáa paa alaça a fmdade d pdt, ld: edfí, epaç de tabalh e talaçõe aada; eqpamet de pe, tat hadwae qat ftwae; evç de ap ta m tapte, maçã de fmaçã. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 44

46 Ambete de Tabalh Ambete de tabalh Deve detemada e geeada a dçõe d ambete de tabalh eeáa paa alaça a fmdade m eqt d pdt. Nta: O tem ambete de tabalh e efee aqela dçõe b a qa tabalh é exetad, ld fate fí, ambeta e t, ta m íd, tempeata, mdade, lmaçã e dçõe metelóga. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 45

47 EXERCÍCIO NÃO CONFORIDADES NC Nã f evdead mpmetmet m a melha tía a plíta da Qaldade. NC N pedmet PQ3, tem 5 Tabela de Idetfaçã de Regt ã f detfad paâmet de pteçã de egt em me fí, qat à peda e da. NC3 Nã fam evdead egt de etada/aída da aále íta pela deçã m defd Q tem 5. NC4 Nã fam evdead egt de qalfaçã d adte te fme defd PQ. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 46

48 7 Realzaçã d pdt/evç 7 7. Plaejamet da ealzaçã d pdt / evç Devem e plaejad e deevlvd pe eeá paa a ealzaçã d pdt. O plaejamet deve e tete m eqt de t pe d SGQ (ve 4. Seqêa e teaçã d pe). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 47

49 7. Plaejamet da ealzaçã d Pdt / evç Date plaejamet a gazaçã deve detema egte, qad appad: bjetv da qaldade d eeqt t paa pdt; a eedade de etabelee pe e dmetaçã, e pve e epeíf paa pdt; vefaçã, valdaçã, mtamet, medçã, peçã e atvdade de ea eqed, epeíf paa pdt, bem m té paa aetaçã d pdt; egt eeá paa fee evdêa de qe pe de ealzaçã e pdt eltate atedem eqt (ve 4..4). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 48

50 7. Pe elaad a lete 7.. Detemaçã d eqt elaad a pdt / evç Devem e detemad : eqt epefad pel lete, ld eqt paa etega e paa atvdade de póetega; eqt ã delaad pel lete, ma eeá paa epefad petedd hed; eqt etattá e eglametae apláve a pdt; qalqe eqt adal dead eeá pela gazaçã. Nta: Atvdade póetega lem, p exempl, açõe b dçõe de gaata, bgaçõe tata, ta m evç de mateçã e evç plemetae, m elagem e deate (Ex. Embalagem, lgíta evea). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 49

51 7 7. Pe elaad a lete 7.. Aále íta d eqt elaad a pdt Devem e aalad tamete t eqt t elaad a pdt. A aále íta deve e ealzada ate da aetaçã d mpm de femet e deve aega qe: eqt d pdt etã defd; eqt de tat de pedd qe dfeem daqele pevamete mafetad etã elvd, e a gazaçã tem apadade paa atede a eqt defd. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 5

52 7 7. Pe elaad a lete 7.. Aále íta d eqt d pdt Devem e matd egt d eltad da aále íta e da açõe eltate dea aále (ve 4..4). Qad lete ã fee ma delaaçã dmetada d eqt, a gazaçã deve fma eqt d lete ate da aetaçã. Qad eqt d pdt fem altead, a gazaçã deve aega qe dmet petete ejam evad e qe peal petete eja etzad be eqt altead. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 5

53 7. Pe elaad a lete 7..3 Cmaçã m Clete Devem e detemada e mplemetada pvdêa efaze de maçã m lete em elaçã a: fmaçõe d pdt; tatamet de lta, tat pedd, ld emeda, mplemet / adtv, ealmetaçã d lete, ld a elamaçõe. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 5

54 7.3 Pjet e deevlvmet 7.3. Plaejamet d pjet e deevlvmet A plaeja e tla pjet e deevlvmet de pdt deve e detemad egte: etág d pjet e deevlvmet ; a aále íta, vefaçã e valdaçã qe ejam appada paa ada etág d pjet e deevlvmet, e ; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 53

55 7.3. Plaejamet de pjet/deevlvmet epabldade e atdade paa pjet e deevlvmet. Devem e geeada a tefae ete gp dfeete evlvd paa aega a maçã efaz e a defçã laa da epabldade. A aída d plaejamet devem e atalzad, a medda qe pjet e deevlvmet avaçam. Nta A aále íta de pjet e deevlvmet, vefaçã e valdaçã tem ppót dtt. t Ea atvdade d d pdem e dzda e egtada epaadamete em qalqe mbaçã, a fma adeqada paa pdt e a gazaçã. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 54

56 7.3. Etada d pjet e deevlvmet A detema a etada d eqt de pdt deve e líd egte: eqt de famet e de deempeh; eqt etattá e eglametae apláve; de petete fmaçõe gada de pjet atee emelhate; t eqt eea paa pjet e deevlvmet. egt devem e matd (4..4) A etada devem e aalada tamete qat a a fêa. Reqt devem e mplet, em ambgdade e ã fltate ete. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 55

57 7.3.3 Saída d pjet/deevlvmet A aída devem e apeetada de ma fma adeqada paa a vefaçã em elaçã à etada de pjet e deevlvmet, e devem e apvada ate de eem lbeada, e devem: atede a eqt de etada paa pjet e deevlvmet; fee fmaçõe appada paa aqçã, pdçã e paa petaçã de evç; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 56

58 7.3.3 Saída d pjet/deevlvmet te efeea té de aetaçã d pdt; epefa a aateíta d pdt qe ã eea paa e eg e adeqad. Nta: Ifmaçõe paa pdçã e petaçã de evç pdem l detalhe paa a peevaçã d pdt. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 57

59 7.3.4 Aále íta d pjet/deevlvmet Devem e ealzada, em fae appada, aále íta temáta paa : avala a apadade d eltad d pjet e deevlvmet paa atede a eqt; detfa qalqe pblema e pp a açõe eeáa. O patpate em ta aále íta devem e peteete à fçõe evlvda m etág() d pjet e deevlvmet ed aalad() tamete. Devem e matd egt d eltad da aále íta e qaqe açõe eeáa (ve 4..4) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 58

60 7.3.5 Vefaçã d pjet/deevlvmet A vefaçã deve e exetada fme dpçõe plaejada (ve 7.3.), 73) paa aega qe a aída de pjet e deevlvmet atedam a eqt de etada. Devem e matd egt d eltad da vefaçã e de qaqe açõe eeáa (ve 4..4). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 59

61 7.3.6 Valdaçã d pjet/deevlvmet Deve e plaejada e exetada valdaçã fme (ve 7.3.) paa aega qe pdt eja apaz de atede a eqt paa aplaçã petedd. Ode f patável, a valdaçã deve e lída ate da etega mplemetaçã d pdt. Devem e matd egt d eltad de valdaçã e qaqe açõe eeáa (4..4). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 6

62 7.3.7 Ctle de alteaçõe de pjet/deevlvmet t A alteaçõe de devem: e detfada e egtada; aalada tamete, vefada e valdada, m appad, e apvada ate de a mplemetaçã. Il a avalaçã d efet da alteaçõe em pate mpete e pdt etege. Devem e matd egt d eltad da aále íta de alteaçõe e de qaqe açõe eeáa (4..4). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 6

63 7.4 Aqçã 7.4. Pe de aqçã A adq pdt deve e aegad qe ete etã fme eqt epefad de aqçã; O tle aplad a feed e a pdt adqd devem depede d efet dete últm a pdçã pdt fal; O feede devem e avalad e elead m bae a a apadade de fee pdt qe atedam m eqt epefad. Cté paa eleçã, avalaçã e eavalaçã devem e ttíd. Devem e matd egt d eltad da avalaçõe e qaqe açõe eeáa da da avalaçã (ve 4..4). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 6

64 Aqçã 7.4. Ifmaçõe de aqçã Devem deeve pdt a e adqd e l, de appad, eqt paa : apvaçã de pdt, pedmet, pe e eqpamet; qalfaçã de peal, e tema de getã da qaldade. Deve e aegada a adeqaçã a eqt de aqçã epefad ate de paa a fmaçã a feed. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 63

65 7.4 Aqçã Vefaçã d pdt adqd Devem e ttída e mplemetada peçã (de etada) ta atvdade eeáa qe aegem atedmet a eqt de aqçã epefad. Qad a empea e lete petede exeta vefaçã Na talaçõe d feed deve e fmada a pvdêa Petedda paa vefaçã e métd de lbeaçã d pdt, e aplável. l Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 64

66 7.5 Pdçã e petaçã d evç 7.5. Ctle de pdçã e petaçã de evç A gazaçã deve plaeja e ealza a pdçã e a petaçã de evç b dçõe tlada. Cdçõe tlada devem l, qad aplável: a) dpbldade de fmaçõe qe deevam a aateíta d pdt, b) a dpbldade de tçõe de tabalh, qad eeá, ) de eqpamet adeqad, d) a dpbldade e de dptv paa mtamet e medçã, e) a mplemetaçã de medçã e mtamet, e f) a mplemetaçã da lbeaçã, etega e atvdade pó etega d pdt. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 65

67 Pdçã e petaçã d evç 7.5. Valdaçã d pe de pdçã e petaçã de evç A gazaçã deve valda qaqe pe de pdçã e petaçã de evç de a aída eltate ã pa e vefada p mtamet medçã beqete e, m eqêa, defêa tame apaete mete dep qe pdt etve em evç teha d etege. A valdaçã deve demta a apadade dee pe de alaça eltad plaejad. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 66

68 Pdçã e petaçã d evç Valdaçã d pe de pdçã e petaçã de evç A gazaçã deve tma a pvdêa eeáa paa ee pe, ld, qad aplável. a) té defd paa aále íta e apvaçã d pe, b) apvaçã de eqpamet e qalfaçã de peal, ) de métd e pedmet epeíf, d) eqt paa egt (ve 4..4) e e) evaldaçã. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 67

69 Pdçã e petaçã d evç Idetfaçã e ateabldade Qad appad, a gazaçã deve detfa pdt p me adeqad a lg da ealzaçã d pdt evç. A gazaçã deve detfa a taçã d pdt qe e efee a eqt t de mtamet t e medçã. Qad a ateabldade f m eqt, a gazaçã deve tla e egta a detfaçã íva d pdt e mate egt d pdt (ve 4..4). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 68

70 Pdçã e petaçã d evç Ppedade d lete A ppedade d lete deve e: dada eqat etve b tle da gazaçã; detfada, vefada, ptegda e alvagadada qad feda paa paçã pdt / evç; fmad a lete fat e f pedda, dafada deada adeqada paa e devem e matd egt (ve 4..4). Nta: A ppedade d d lete pde l ppedade d teletal t l e dad d pea. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 69

71 Pdçã e petaçã d evç Peevaçã d Pdt A gazaçã deve peeva pdt date peamet te e a etega det petedd, a fm de mate a fmdade m eqt. Qad aplável, a peevaçã deve l detfaçã, mae, embalagem, amazeamet e pteçã. A peevaçã também deve e aplada à pate tegate de m pdt. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 7

72 7.6 Ctle de eqpamet de mtamet e medçã O pe de mtamet e medçã devem e efaze paa aega a atfaçã d lete e paa a gazaçã: deve detema a medçõe a eem ealzada e eqpamet de mtamet e medçã eeá paa evdea a fmdade d pdt m eqt detemad (ve 7..). deve etabelee pe paa aega qe a medçã e mtamet pdem e exetad de ma maea tete m eqt de mtamet e medçã. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 7

73 7.6 Ctle de eqpamet de mtamet e medçã Paa aega eltad váld, eqpamet de medçã deve: e albad vefad a teval epefad, ate d, ta padõe de medçã ateáve a padõe teaa aa; qad ee padã ã ext, a bae ada paa albaçã deve: e egtada (ve 4..4); e ajtad eajtad, qad eeá; e detfad paa detema a taçã de albaçã; e ptegd ta ajte qe valdaam eltad da medçã; e ptegd ta da e deteaçã date mae, mateçã e amazeamet ; Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 7

74 7.6 Ctle de eqpamet de mtamet e medçã Qad f tatad m eqpamet ã fme m eqt deve e avalada e egtada a valdade d eltad de medçõe atee ealzada. Deve tma açã appada eqpamet e em qalqe pdt afetad. Regt d eltad de albaçã e vefaçã devem e matd (ve 4..4). Qad pgama de mptad ftwae f ad mtamet e medçã de eqt, ate d al, deve e fmada a apadade de atede à aplaçã petedda e efmad, e eeá. *Nta: A fmaçã da apadade la a vefaçã e getã da fgaçã paa mate a adeqaçã a. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 73

75 8 edçã, Aále e elha 8 8. Geealdade A gazaçã deve plaeja pe eeá de mtamet medçã, aále e melha paa: demta a fmdade a eqt d pdt / evç; aega a fmdade d SGQ, e ; melha tamete a efáa d SGQ. Devem e detemad métd apláve, ld téa etatíta e a exteã d e. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 74

76 8. tamet e medçã 8.. Satfaçã d lete Cm ma da medçõe d deempeh d SGQ, a gazaçã deve mta fmaçõe elatva à peepçã d lete be, e a gazaçã atede a eqt d lete. O métd paa a bteçã e dea fmaçõe devem e e detemad. Nta: tamet da peepçã d lete pde l a bteçã de dad de etada de fte, ta m: peqa de atfaçã d lete, dad d lete be a qaldade d pdt etege, peqa de pã d á, aále de peda de egó, elg, evdaçõe de gaata e elató de eveded. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 75

77 8.. Adta Itea A eleçã d adte e a exeçã da adta devem aega bjetvdade e mpaaldade d pe de adta. O adte ã devem adta e póp tabalh. Um pedmet dmetad deve e etabeled paa def a epabldade, eqt paa plaejamet e exeçã de adta e egt paa elat d eltad. Regt da adta e e eltad devem e matd (ve 4..4). A admtaçã epávelel pela áea qe etá ed adtada devee aega qe qaqe eçõe e açõe etva eeáa ejam exetada em temp hábl, paa elma ãfmdade detetada e a aa. A atvdade de ampahamet devem l a vefaçã da açõe exetada e elat d eltad de vefaçã (ve 8.5.). Nta: ve NBR ISO 9 paa etaçã. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 76

78 8..3 tamet e edçã de Pe A gazaçã deve apla métd adeqad paa mtamet e, qad aplável, a medçã d pe d tema de getã da qaldade. Ee métd devem demta a apadade d pe em alaça eltad plaejad. Qad eltad plaejad ã ã alaçad, eçõe e açõe etva devem e tmada, m appad, paa aega a fmdade d pdt. Nta: A detema métd adeqad, é emedável qe a gazaçã dee tp e a exteã de mtamet medçã appad paa ada m d e pe em elaçã a e mpat be a fmdade m eqt d pdt e be a efáa d SGQ. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 77

79 8..4 tamet e edçã de Pdt A gazaçã deve mta e med a aateíta d pdt paa vefa e eqt t d pdt ã atedd. I deve e ealzad em etág appad d pe de ealzaçã d pdt, de ad m a pvdêa plaejada (ve 7.). A evdêa de fmdade m té de aetaçã deve e matda. O egt devem da a() pea() atzada() a lbea pdt paa etega a lete (ve 4..4). A lbeaçã d pdt e a etega d evç a lete ã devem peg até qe tda a pvdêa plaejada (ve 7.) teham d atfatamete lída, a me qe apvad de ta maea p ma atdade petete e, qad aplável, pel lete. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 78

80 8.3 Ctle de pdt ãfme A gazaçã deve aega qe pdt qe ã etejam fme m eqt d pdt ejam detfad e tlad paa evta e etega ã petedd. O tle e a epabldade e atdade elaada paa lda m pdt ãfme devem e defda em m pedmet dmetad. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 79

81 8.3 Ctle de pdt ãfme A gazaçã deve tata m pdt ãfme p ma ma da egte fma: a) tmada de açõe paa elma a ãfmdade detetada; b) atzaçã d e, lbeaçã aetaçã b eã p ma atdade petete e, de aplável, pel lete; ) tmada de açã paa mped e petedd aplaçã ga. d) exeçã de açã appada a efet ptea, da ãfmdade qad pdt ã fme f detfad apó etega í d e. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 8

82 8.3 Ctle de pdt ãfme Qad pdt ã fme f gd, d ee deve e bmetd a evefaçã paa demta a fmdade m eqt. Devem e matd egt be a ateza da ã fmdade e qaqe açõe beqete exetada, ld eõe btda (ve 4..4) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 8

83 8.4 Aále de dad A gazaçã deve detema, leta e aala dad appad paa demta a adeqaçã e efáa d SGQ e paa avala de melha tía d SGQ pdem e ealzada. I deve l dad gead m eltad d mtamet e da medçõe e de ta fte petete. A aále de dad deve fee fmaçõe elatva a: a) atfaçã d lete (ve 8..); b) fmdade m eqt d pdt (ve 8..4); ) aateíta e tedêa d pe e pdt, ld ptdade paa açõe pevetva (ve 8..3 e 8..4), e d) feede (ve 7.4). Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 8

84 8.5 elha 8.5. elha tía A gazaçã deve tamete melha a efáa d tema de getã da qaldade d pme d da plíta da qaldade, bjetv da qaldade, eltad de adta, aále de dad, açõe etva e pevetva e aále íta pela deçã. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 83

85 8.5. Açã etva A gazaçã deve exeta açõe paa elma a aa de ãfmdade de fma a evta a epetçã. A açõe etva devem e appada a efet da ãfmdade d detetada. Um pedmet dmetad deve e etabeled, defd eqt paa: a) aále íta de ãfmdade (ld elamaçõe de lete); b) detemaçã da aa de ãfmdade; ) avalaçã da eedade de açõe paa aega qe ãfmdade ã eam vamete; d) detemaçã e mplemetaçã de açõe eeáa; e) egt d eltad de açõe exetada (ve 4..4) e; f) aále íta da efáa da açã etva exetada. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 84

86 8.5. Açã pevetva A gazaçã deve def açõe paa elma a aa de ã fmdade ptea, de fma a evta a êa. A açõe pevetva devem e appada a efet d pblema ptea. Um pedmet dmetad deve e etabeled defd eqt paa: a) detemaçã de ãfmdade ptea e de a aa; b) avalaçã da eedade de açõe paa evta a êa de ãfmdade; ) detemaçã e mplemetaçã de açõe eeáa; d) egt de eltad de açõe exetada (ve 4..4), e; e) aále íta da efáa da açã pevetva exetada. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 85

87 EXERCÍCIO NÃO CONFORIDADES NC5 F evdead qe bjetv/dade de atfaçã d lete ã atgam a meta ppta e ã hve avalaçã. NC6 Nã f evdeada aále de aa Relató Pla de Açã F7 de 8.. paa a ã fmdade egtada, te NC e NC. NC7 Nã há temáta etabeleda paa egt da aále íta d eqt d lete. NC8 Nã f evdead epta a lete fme elamaçã úme 3C Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 86

88 Dúvda / Cdeaçõe Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 87

89 OBRIGADO!!! Nefe B. Faça QS Cetfat Seve () Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 88

Interpretação da Norma NBR ISO 14001:2004

Interpretação da Norma NBR ISO 14001:2004 Itepetaçã da Nma NBR ISO 4:4 Mtate: Cal Rbet Bead Egehe Qím, Det da Mate Clta albead@matelta.m.b Sã Jé d Camp, 5 de jh de NORMA ISO 4: 4 Pgama: - Beefí da mplemetaçã da ISO 4 - Cet Me Ambete e Getã Ambetal

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Bq Qalty tate: Fa Je Feade Jº Clt de Stema de Getã / Adt Ctat: gfeade.fj@gmal.m Ap Paaba, 9 de etemb de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Atmaçã e getã de labató e tle de qaldade dtal tate: Geg Raphaell Pedete da Labft Telga Ctat: f@mylm.m.b Ap Sã Pal, 9 de etemb de Obevaçã:

Leia mais

Gerenciamento de passivos ambientais

Gerenciamento de passivos ambientais Geeamet de pav ambeta Mtate: Ma Sll Bahael em Qíma (IQ-USP), Mete em Telga Ambetal (IPT) Det da Edteh Ambetal ma@edtehambetal.m.b - 7-674 Paaba, 6 de tb de Geeamet de Pav Ambeta Apeetaçã MS M.S. Ma Sll

Leia mais

Operação de Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos Processo físico-químico

Operação de Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos Processo físico-químico Opeaçã de Etaçã de Tatamet de Eflete Líqd Pe fí-qím tate: Kal Adé de Amaal el Qím Idtal - Clt da Edteh Ambetal k.ademel@gmal.m Rbeã Pet, 8 de etemb de Rbeã Pet, 8 de etemb de. Tatamet de Eflete Pe Fí-Qím

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Getã de Pdt Qím tate: Ség At Gçalve Qím Idtal e Clt paa At Reglató Ctat: eggalve.lta@l.m.b Ap Sat e Saba, ag/et de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã, m lde ld,

Leia mais

Resíduos Sólidos: da geração à destinação

Resíduos Sólidos: da geração à destinação Reíd Sóld: da geaçã à detaçã tate: Lz Alfed Favaett Teólg em Getã Ambetal m epealzaçã em Edaçã Ambetal (Uv. Cdade de S. Pal) e em Getã Públa (Uv. Te. Fedeal d Paaá) lz.favaett@elta.m.b Saba, 7 de agt de

Leia mais

Análise instrumental - da amostragem à validação

Análise instrumental - da amostragem à validação Aále tmetal - da amtagem à valdaçã Mtate: Tha Vtóa da Slva Re Dtada em Qíma Aalíta pel IQ/USP, é deada d Aále Itmetal Avaçada da Faldade Owald Cz tha.vta@waldz.b Sat, de jlh de M ANÁLISE INSTRUMENTAL Da

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Píp e Aplaçõe da Cmatgafa Líqda de Alta Efêa (HPLC) tate: Glheme Jlã Zl Dt em Qíma Aalíta Uep/Aaaqaa Ctat: gjzl@gmal.m Ap Aaaqaa, 5 de etemb

Leia mais

Gerenciamento de resíduos químicos na área da saúde

Gerenciamento de resíduos químicos na área da saúde Geeamet de eíd qím a áea da aúde tate: Cá Gva Bahael em Qíma e Epealta em Getã Públa de Ctle e Edaçã Ambetal gva@fep.b Sã Pal, de jlh de Geeamet de eíd qím em evç de aúde Cá Gva Qím Cmã Ittal de Reíd Qím

Leia mais

Polímeros termoplásticos, termofixos e elastômeros

Polímeros termoplásticos, termofixos e elastômeros Plíme templát, temfx e elatôme tate: Oda Jé a Qím Idtal m epealzaçã a áea de matea tét e Gaata da Qaldade de matéa-pma e pe dta jma@htmal.m Sã Pal - 9 e de agt de Plíme Templát, temfx e elatôme Caateíta

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Píp de m tema APPCC tate: aa Teezha Betz Slva Qíma Idtal e Bólga Fll Slçõe Empeaa Itegada Ctat: maa@fllle.m.b Ap Ba, de dezemb de Obevaçã:

Leia mais

Corantes nas Indústrias de Bebidas e Alimentos

Corantes nas Indústrias de Bebidas e Alimentos Cate a Idúta de Bebda e Almet tate: Pal Gaa de Almeda ete em Egehaa de Pe Qím e Bqím pga.fd.bev@l.m.b Ba, 5 de ma de CORANTES ALIENTARES Pf. S. Pal Gaa de Almeda Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa

Leia mais

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico 4. Aálie Evoltóia de Dado (DEA) e ma popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico 4.. Coceito Báico 4... Podtividade, Cva de Podção, Eficiêcia e Eficácia. Devido à globalização,

Leia mais

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb.

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb. apítul 3-Ptencal eletc PÍTULO 3 POTEIL ELÉTRIO Intduçã Sabems ue é pssível ntduz cncet de enega ptencal gavtacnal pue a fça gavtacnal é cnsevatva Le de Gavtaçã Unvesal de ewtn e a Le de ulmb sã mut paecdas

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de E n gen h a r ia P r ofes s or Bacharel em Administração de Empresas com Ênfase em Gestão da Informação; MBA em Gestão da Qualidade e Produtividade; 20 anos de

Leia mais

MICROECONOMIA II. 1) Equilíbrio Geral e Bem-Estar. A Caixa de Edgeworth. David Henriques. 1.1) Economia de troca pura; equilíbrio Walrasiano.

MICROECONOMIA II. 1) Equilíbrio Geral e Bem-Estar. A Caixa de Edgeworth. David Henriques. 1.1) Economia de troca pura; equilíbrio Walrasiano. Davd Henqe EN Eqlío Geal e e-eta MIOEONOMI II Eonoa de toa a; eqlío Walaano Eqlío Geal: anala-e oo a ondçõe de oa e oeta nteage e dveo eado aa detena o eço de dveo en aa de Edgeoth - aa de Edgeoth ode

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS

UMA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS ISSN 275-6295 R de Jae- Basl, 08 e 09 vemb de 2007. SPOLM 2007 UMA AVALIAÇÃO DE URSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO ONTROLÁVEIS Feada Rdgues ds Sats us de Egehaa de Pduçã

Leia mais

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001 Ceecaa e Autozaa pelo MEC, Potaa. o. 644 e 8 e maço e 00 Publcao o D.O.U. em 0/04/00 ESTATÍSTICA Pelo Poesso Gealo Pacheco A Estatístca é uma pate a Matemátca Aplcaa que oece métoos paa coleta, ogazação,

Leia mais

Operações comuns em transportes

Operações comuns em transportes paçõ cmu m tapt Ex Wk (EXW) : aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a dpdêcia d vdd (igm), m cagamt, ã ã dmbaaçad paa xptaçã. = ic = ut Vdd mpad ai (A): aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a taptad digad

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal.

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal. Dagrama de Blc Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar cada um dete ubtema,

Leia mais

5. DIAGRAMA EM BLOCOS

5. DIAGRAMA EM BLOCOS Stema de Cntrle 5. DIAGRAMA EM BLOCOS Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n )

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n ) Trfrdre de Crrete Clever Perer TRNSFORMDORES DE CORRENTE 1 - trduçã: Trfrdre de truet de edçã de rteçã TC TP e TPC Trfrdre de Crrete Fuçõe Bác - Reduzr crrete vlre egur r edçã. - lr crcut rár d ecudár.

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Empenhos Emitidos 6 de Outubro de 2010 Folha: 1 Prefeitura Municipal Santa Maria

Estado do Rio Grande do Sul Empenhos Emitidos 6 de Outubro de 2010 Folha: 1 Prefeitura Municipal Santa Maria Estado do io Grande do Sul Empenhos Emitidos 6 de Outubro de 2010 Folha: 1 02.02.2010 2010/001311 2994 10216 ONALDO POZZOBON 105,30 1 Itens de Empenho : PASSAGENS SANTA MAIA/POA/SANTA MAIA EM VIAGEM A

Leia mais

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA PRAÇA DO ROSÃRIO, 5 - CEP 36570000 - VIÇOSA - MG GABINETCTOPREFEnO LEI N«1199/97 Dispõe sobe alteações no Código Tibutáio do Munícipto e dá outas povidências 0 Povo cte Muntoípio cto Viçosa, po seus epesentutes,

Leia mais

RESNICK, HALLIDAY, KRANE, FÍSICA, 4.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 1996. FÍSICA 1 CAPÍTULO 4 MOVIMENTO BI E TRIDIMENSIONAL

RESNICK, HALLIDAY, KRANE, FÍSICA, 4.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 1996. FÍSICA 1 CAPÍTULO 4 MOVIMENTO BI E TRIDIMENSIONAL Pblemas eslis e Física Pf. nesn Cse Gaui Dep. Física UFES ESNICK, LLIDY, KNE, FÍSIC, 4.ED., LC, IO DE JNEIO, 996. FÍSIC CPÍULO 4 MOVIMENO BI E IDIMENSIONL. psiçã e uma paícula que se me em um plan é aa

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

UML. Máquina de Estados

UML. Máquina de Estados UML Máquina de Estados Máquina de Estados Máquinas de estado: definição Diagrama de Estados Superestados Estados concorrentes Quando usar um diagrama de estados Máquina de Estados Faz a modelagem do comportamento

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO)

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO) ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Ra Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 3797-9800; Fax: (0xx21) 3797-9830 www.energetica.ind.r CALIBRAÇÃO DO

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE ESOAMENTOS EM EGIME EMANENTE eime emaete: são escoametos qe ão aesetam aiação com o temo t Escoametos i-dimesioais: só aesetam m comoete de elocidade qe só aia em ma dieção Escoametos simles hidodiamicamete

Leia mais

PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZVOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263

PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZVOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263 839 PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263 Abeuçon Atanáso Alves 1 ;AntonoDelson Conceção de Jesus 2 1. Bolssta voluntáo, Gaduando

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DE IMBITUBA Administração do Porto de Imbituba

COMPANHIA DOCAS DE IMBITUBA Administração do Porto de Imbituba COMPAHIA DOCAS DE IMBITUBA Administração do Porto de Imbituba!" #$ %& ' ( ) ESCLARECIMETOS IICIAIS. A Audiência Pública é um instrumento de participação popular, aberta a qualquer interessado, tendo por

Leia mais

NCE/10/01256 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01256 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/10/01256 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/10/01256 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS. Moivaçõe Como vio o Regulado de Eado maném o iema em uma deeminada condição de egime pemanene, ou eja, ena mane o eado em uma dada condição eacionáia.

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Aálie de Eficiêcia do Mecado Bacáio Baileio Utilizado a Metodologia da Aálie Evoltóia de Dado Flávio Paim Feaza Metado em Admiitação pela Facldade Ibmec/RJ Av. Rio Baco, 8, qito ada,

Leia mais

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil

Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil Uma aálie de deempeho o mecado de coceão de cédito de como o Bail Miiam Cadoo Cota Potifica Uiveidade Católica do Rio de Jaeio Depatameto de Egehaia Idtial Ra Maqê de São Vicete, 225, ala 95L miiam@alo.pc-io.b

Leia mais

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica 59087 Bofísca II FFCLRP P Pof. Atôo Roque Aula 7 A Base emodâmca da Pessão Osmótca Elemetos de emodâmca As les báscas da temodâmca dzem espeto à covesão de eega de uma foma em outa e à tasfeêca de eega

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS Prof José Leoardo Noroha M Eg Departameto de Egehara de Prodção Escola Federal de Egehara de Itabá EFEI RESUMO: Neste trabalho

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Diagnóstico de Avarias nos Rolamentos de Motores de Indução Trifásicos

Diagnóstico de Avarias nos Rolamentos de Motores de Indução Trifásicos agótco de Avaa o Rolameto de Motoe de Idução Táco Joé L. H. Slva 1 A. J. Maque Cadoo 1 Ecola Supeo de Tecologa de Veu epatameto de Egehaa Mecâca e Getão Idutal Campu Poltécco de Repee, P - 4-1 Veu, Potugal

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA FUVEST-FASE POR PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA Q 4) A trajetória de u prjétil, laçad da beira de u pehasc sbre u terre pla e hriztal, é parte de ua parábla

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO

GABINETE DO SECRETÁRIO GABINT DO SRTÁRIO DITAL Nº 006/20 SLÇÃO INTRNA D DONTS ARA ATUAR NOS ROGRAAS STRUTURANTS DA SRTARIA D DUAÇÃO DO STADO DA BAHIA: NSINO ÉDIO AÇÃO IÊNIA NA SOLA, NA ONDIÇÃO D SURVISORS ONITORS/TUTORS ONLIN.

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

#+ *=8 www.scienceofgettingrich.net

#+ *=8 www.scienceofgettingrich.net !"#$!%!&!' ()#($***&*'!((+,(-($&(-(% &!' ".&("/***&* 012&("&&***(3& 4/((5(3&6&#"& &($."&(7'8"9***&*:3 (*#&(3&( ;?@@!)(A( ;

Leia mais

ÁREA DE COBERTURA EM AMBIENTE DE PROPAGAÇÃO MODELADO COM A DISTRIBUIÇÃO κ µ

ÁREA DE COBERTURA EM AMBIENTE DE PROPAGAÇÃO MODELADO COM A DISTRIBUIÇÃO κ µ ÁREA DE COBERTURA EM AMBIENTE DE PROPAGAÇÃO MODELADO COM A DISTRIBUIÇÃO κµ κµ JAMIL RIBEIRO ANTÔNIO Dssetação apesetada ao Isttuto Nacoal de Telecomucações INATEL como pate dos equstos paa obteção do Título

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Testes Propostos de Geometria Plana: Ângulos

Testes Propostos de Geometria Plana: Ângulos u de Matemática Tete Ppt de Gemetia Plana: Ângul 01. Sejam, e epectivamente a medida d cmplement, uplement e eplement d ângul de 40, têm-e 05. i ângul adjacente ã cmplementae. ntã, ângul fmad pela bietize

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

Esta edição do Diário Oficial contém:

Esta edição do Diário Oficial contém: PREFEITURA MUNICIPAL DE MARUIM - SE - ANO 01 - Nº 029 Quarta-Feira, 30 de Outubro de 2013 Esta edição do Diário Oficial contém: ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 002/2013; ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 003/2013;

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo Depatameto de Ifomática Disciplia: Modelagem Aalítica do Desempeho de Sistemas de Computação Elemetos de Aálise Combiatóia Pof. Ségio Colche colche@if.puc-io.b Teoema: Elemetos de Aálise Combiatóia Modelagem

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981 CC Vsã Cputacnal Câeas Insttut ecnlógc de Aenáutca P. Cals Henque Q. Fste Sala IEC aal 598 ópcs da aula Mdels de câeas Aqusçã de agens Paâets da câea Recupeaçã da atz de pjeçã Calbaçã de sa Lv paa acpanha

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Peso máximo do utilizador: 150kg victory com fecho de somier. fabricamos modelos sob medidas especiais (consultar)

Peso máximo do utilizador: 150kg victory com fecho de somier. fabricamos modelos sob medidas especiais (consultar) VICTORY, linha recomendada para ambientes com risco bacteriológico médio/alto, como clinicas, lares, unidades de cuidados continuados. Estrutura em aço epoxy 60 x 30 x 1,5mm. Somier tripartido com 3 corpos

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Esta edição do Diário Oficial contém:

Esta edição do Diário Oficial contém: PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAMARI - BA - ANO 02 - Nº 100 Quinta-Feira, 05 de Setembro de 2013 Esta edição do Diário Oficial contém: EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO 001/2013. CERTIFICADO EMITIDO POR AC CERTISIGN

Leia mais

Grupo I (5 valores) Grupo II (5 valores)

Grupo I (5 valores) Grupo II (5 valores) Duração: 3h. Jutifique a ua repota. ISCTE Lieiatura em Eeharia de Teleomuiaçõe e Iformátia Sitema de Teleomuiaçõe Guiado Exame de ª époa, o letivo 07/08, /0/008 Grupo I (5 valore) Uma rede telefóia utiliza

Leia mais

AQUISIÇÃO E AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS

AQUISIÇÃO E AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS Elaborado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto Aprovado por José Carlos de Andrade Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 05/03/2005 - Emissão inicial 1 27/05/2005 5.3

Leia mais

A Utilização da Análise por Envoltória de Dados na Liberação de Crédito em uma Agência Bancária no Rio Grande do Sul

A Utilização da Análise por Envoltória de Dados na Liberação de Crédito em uma Agência Bancária no Rio Grande do Sul A Utlzação da Aálse po Eoltóa de Dados a Lbeação de Cédto e a Agêca Bacáa o Ro Gade do Sl Daae de Fáta Dos Satos Beo daaeojaopes@ahoo.co.b Ucz Elae Sel Eelg Pa epa@cz.ed.b Ucz Katsca Schee Vagas katschee@ahoo.co.b

Leia mais

Amplificadores Ópticos - Amplificadores de fibra dopada com érbio (EDFA) -

Amplificadores Ópticos - Amplificadores de fibra dopada com érbio (EDFA) - Amplificadres Óptics - Amplificadres de fibra dpada cm érbi (EDFA) - Vatages :: Amplificadres óptics (AO) peram smete dmíi óptic sem quaisquer cversões para dmíi eléctric regeeradres implicam cversões

Leia mais

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA M RJETHRTAEMCAA CM LANTAR E CLHER ALIMENT EM CAA 201 A Rzçã Ch Dvv Hb Ub CDHU I GEA é b REFEITUR A DE Ã AUL VERDE E MEI AMBIENTE FhTé Ebçã Tx Agô Jé Lz Ch T Nh Rh Rvã A M Dg Lz Egá j Nh Rh Rq L R Rf Tv

Leia mais

LEITURA NA EJA: ENFOQUE NOS GÊNEROS TEXTUAIS RESUMO

LEITURA NA EJA: ENFOQUE NOS GÊNEROS TEXTUAIS RESUMO LEITURA NA EJA: ENFOQUE NOS GÊNEROS TEXTUAIS T K Dí Mz 1 (UFAL) mz.p@hm.m V C B 2 (UFAL) v2@yh.m.b M Lm Qz F 3 (UFAL) 12@hm.m RESUMO N g pm p á bvçõ z m m m pó-fbzçã jv, m m púb. O f vgçã - fmçã p zçã

Leia mais

PROJETO FIC IFES PRONATEC

PROJETO FIC IFES PRONATEC MNT A AÇÃ NTTT FAL PÍT ANT AMP NVA VNA Mg y 799 Lz 29830-000 N Vé 27 3752-4300 PJT F F PNAT NTFAÇÃ - p p N Vé N Vé - 30/06/204 29/0/204 2 - p N Vâ Mq N 02/05/988 PF 23983487-09 AP 9362 q@fb g A Açã Lçã

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO 13 CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PATÍCULA: OÇA E ACELEAÇÃO Nese capíulo seá aalsada a le de Newo a sua foma dfeecal, aplcada ao movmeo de paículas. Nesa foma a foça esulae das foças aplcadas uma paícula esá elacoada

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

ç h s p BALÃO - D D CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO AQUI NA MINHA MÃO. NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO CAI NA RUA DO SABÃO.

ç h s p BALÃO - D D CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO AQUI NA MINHA MÃO. NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO CAI NA RUA DO SABÃO. leã IR ÍL é t ei le, ni e liõe e eent tiie eüenii. le 1 e 2, liõe enle tl i e nnte, filitn eni lfet. ei le etã lt à itetiã fíli ilái, eitin, e nei, e fe lie itetiente n e e ln, fen inteenõe e eee e l ln

Leia mais

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o vaprafeira.com M a r i n a B r i z a M o re l l i O r i e nta d o ra : I s a b e l A b a

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

O defensor das águas. A história do pingo d água 2ª EDIÇÃO - FEVEREIRO / 2008 ELABORAÇÃO DA 1ª EDIÇÃO - FEVEREIRO / 2004

O defensor das águas. A história do pingo d água 2ª EDIÇÃO - FEVEREIRO / 2008 ELABORAÇÃO DA 1ª EDIÇÃO - FEVEREIRO / 2004 história do pingo d água defensor das águas 2ª EDIÇÃ - FEVEEI / 2008 IP - INTITUT EGINL D PEQUEN GPECUÁI PPID ELBÇÃ D 1ª EDIÇÃ - FEVEEI / 2004 CÁIT NCINL BCMC - CIÇÃ BILEI DE CPTÇÃ E MNEJ DE ÁGU DE CHUV

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA HORÁRIO: Primeiro Semestre do Ano Letivo de 2012 Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido

ENGENHARIA ELÉTRICA HORÁRIO: Primeiro Semestre do Ano Letivo de 2012 Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido 7:10 8:00 GA MC GA Q* 8:00 8:50 GA MC GA Q* Q 8:50 9:00 Q 9:00 9:50 F1 IE F1 AP1 - A Q (9:40h) 9:50 10:40 F1 IE F1 AP1 - A L Q 10:50 11:40 C1 L AP1 A 1/2 C1

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

Telecomunicações Básico

Telecomunicações Básico Telecomunicações Básico Prof. MSc. Eng. ! "!"!"#$ %!"# #% # $ &# #!% '($ ) ) *+, ) $-!.) / 0 1#() 0!2) $% & '() * %# ') % &# /) *%+,,%-, 334-3564.7 &3897.%& / /% 0 0% 1 0 :'( : : $00'( :'(;< : 4.*6 :4.*6

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais