Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma análise de desempenho no mercado de concessão de crédito de consumo no Brasil"

Transcrição

1 Uma aálie de deempeho o mecado de coceão de cédito de como o Bail Miiam Cadoo Cota Potifica Uiveidade Católica do Rio de Jaeio Depatameto de Egehaia Idtial Ra Maqê de São Vicete, 225, ala 95L Li Edado Madeio Gede Uiveidade Fedeal do Rio de Jaeio Pogama de Egehaia de Podção da COPPE/UFRJ Uiveidade Fedeal do Rio de Jaeio, Ilha do Fdão - Cidade Uiveitáia - Ceto de Tecologia -Bloco F - Sala 5, Rio de Jaeio - RJ Bail, tel: Madiage Diallo Potifica Uiveidade Católica do Rio de Jaeio Depatameto de Egehaia Idtial Ra Maqê de São Vicete, 225, ala 95L RESUMO O Tabalho tem como foco picipal a idetificação de etatégia eficiête o mecado de cédito baileio. Deto dee cotexto, eão avaliada a 3 maioe fiaceia o Bail, litada o Raig da Revita Valo Ecoômico de Jho de 27. A picipai vaiávei qe tem impacto a admiitação de cateia de cédito etão dipoívei ea bae de dado, o qe facilita a modelagem da elação ete a vaiávei e o mecado. Paa eta avaliação eá tilizada a Aálie Evoltóia de Dado, m modelo DEA BCC-I foi popoto paa avaliação do deempeho da fiaceia com vita à ma aálie de mecado de coceão de cédito o Bail, baeada o peo atibido pelo modelo do mltiplicadoe. PALAVRAS CHAVE. DEA, Cédito, Fiaça ABSTRACT The aticle foce o the idetificatio of e tategie effective i Bazilia cedit maet. Withi thi cotext, will be aeed the 3 laget fiacial Bazil, lited o the Ecoomic Vale Magazie Raig of Je 27. The mai vaiable that have impact o the maagemet of cedit potfolio ae available i the databae, which facilitate the modelig of the elatiohip betwee vaiable ad the maet. Fo thi aemet will be ed a Data Evelopmet Aali, a DEA BCC-I model wa popoed to evalate the fiacial pefomace of fo a maet aali fo gatig cedit i Bazil, baed o weight aiged b the model of the mltiplie. KEYWORDS. DEA, Cedit, Fiace XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 664

2 . Itodção A pati de meado da década de 9 a etabilização ecoômica povoco m ameto acetado o como e geo ma edção abpta do gaho iflacioáio ligado ao depóito à vita, tafomado a opeaçõe de cédito a picipal fote de geação de eceita paa o itema fiaceio. Ete fato povoco m aqecimeto do mecado de cedito de como ataido mita empea paa ete eto. Com bae ete ceáio de cecimeto a avaliação da eficiêcia do mecado e toa fdametal paa a idetificação do modelo de getão eficiete. Nete etido, o atigo faz m etdo detalhado da vaiávei qe tem impacto a admiitação de cateia de cédito tilizado a Aálie Evoltóia de Dado (DEA). O modelo popoto paa eta aálie foi o BCC- I, popoto po Chale, Coope e Rhode (978). Também foi aplicado m método de imlação a etição do peo (DMU atificiai), popoto po Thaaoli e Alle (978), paa qe foe poível itodzi a opiião de epecialita em caa gade petbaçõe o epaço de peo. Oto poto qe deve e detacado o tabalho é a ealização de ma detalhada aálie de mecado, baeada o peo atibído pelo modelo do mltiplicadoe. Deto dee cotexto, eão avaliada a 3 maioe fiaceia o Bail, litada o Raig da Revita Valo Ecoômico de Jho de 27. A picipai vaiávei elativa a admiitação de cateia de cédito etão dipoívei ea bae de dado, o qe facilita a modelagem da elação ete a vaiávei e o mecado. O tabalho etá defiido da egite foma. Na eção 2 eá apeetada a metodologia DEA e picipai modelo cláico e a vatage e devatage da aplicação da metodologia. Em egida veemo como ea metodologia vem em tilizada a avaliação de deempeho do mecado de coceão de cédito de como o Bail. Na eção 4 eá apeetada a bae de dado tilizada paa a aálie e o método de imlação a etição ao peo aplicado. Fialmete ão apeetado a aálie do eltado e a coclõe. 2. Metodologia O CCR, modelo oigiáio da técica de DEA, defie a eficiêcia como a oma podeada do otpt dividido pela oma podeada do ipt. Ea defiição exige qe m coto de peo ea atibído, o qê, coideado qe ee coto deve e aplicado a toda a DMU, toa-e ma taefa batate complicada. Chae, Coope e Rhode (978) apeetaam ma eolção paa ete poblema, agmetado qe cada idade idividal poi m itema de valoe paticla e po i ó tem legitimidade paa defii e pópio coto de peo, o etido de maximiza a eficiêcia. A úica limitação impota é qe toda a idade teham eficiêcia meo o igal a. Abaixo ege a fomlação do modelo CCR, paa maximização de otpt e miimização de ipt. XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 665

3 Miimização de ipt CCR I Pimal (Mltiplicadoe) Max h = = Seito a: v x i i = vixi, K =,2,.. = e vi, i Dal (Evelope) Mi θ Seito a: θ xi xi,,..., = +, =,..., = Repeetação Gáfica Maximização de Otpt CCR O Mi h = i= Seito a: = Pimal (Mltiplicadoe) v i x i vi xi, K =,2,.. = e vi, Max θ Seito a: i Dal (Evelope) θ +,,..., = xi + xi, =,..., = Repeetação Gáfica Otpt B A C Otpt B A C Ipt Ipt ode: h,θ eficiêcia da DMU ;, v i peo de otpt e ipt epectivamete; x i, ipt i e otpt da DMU K ; x i, ipt i e otpt da DMU avaliada ; Na fomlação do modelo, pode-e ve qe a difeeça ete a ótica etá a poição da vaiável h, em elação à etiçõe do modelo pimai e da vaiável θ em elação a etiçõe do modelo dai. Também é poível obeva qe a fção de podção, epeetada pela foteia de eficiêcia, é empe cecete, admitido qe a podção de otpt empe pode cece, dede qe haa cecimeto do ipt. Po io, cocli-e qe o modelo tem etoo cotate de ecala (CRS). O modelo BCC, deevolvido po Bae, Chae, Coope (984), gi como ma foma eltate da patição da eficiêcia do modelo CCR em da compoete: a eficiêcia técica e a eficiêcia de ecala. A medida de eficiêcia técica, eltate do modelo BCC, idetifica a coeta tilização do eco à ecala de opeação da DMU. A eficiêcia de ecala é igal ao XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 666

4 qociete da eficiêcia BCC com a eficiêcia CCR e dá ma medida da ditâcia da DMU em aálie até ma DMU fictícia, qe opea com o tamaho da ecala mai podtivo. Abaixo egem a fomlaçõe do modelo. Miimização de Ipt BCC I Pimal (Evelope) Mi θ Seito a: θ xi xi,,..., = +, =,..., = = = Dal (Mltiplicadoe) Max h = Seito a: = v i x i = vi xi *, K =,2,.. = e vi, i * Maximização de Otpt BCC O Pimal (Evelope) Max θ Seito a: θ +,,..., = xi + xi, =,..., = = = Dal (Mltiplicadoe) Mi h Seito a: = vi xi * = vi xi *, K =,2,.. = e vi, i Repeetação Gáfica Repeetação Gáfica C 4 C Otpt 3 2 B A Otpt 3 2 B A Ipt Ipt ode: h,θ eficiêcia da DMU ;, v i peo de otpt e ipt epectivamete; x i, ipt i e otpt da DMU K ; x i, ipt i e otpt da DMU avaliada ; A difeeça picipal ete o modelo CCR e BCC eta a caacteítica de a foteia, eqato o modelo CRS exite a pemia de qe paa cada ameto de ma idade o ipt ocoe m ameto popocioal o otp. No modelo BCC io ão acotece, ão havedo cecimeto popocioal liea ete modelo. XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 667

5 3. Mecado de Cedito de Como: Evolção e Pepectiva O ceáio de cecimeto do mecado de coceão de cedito de como foi iiciado a década de 9, tamete com a etabilização ecoômica, dede etão o cecimeto vem e matedo igificativo. Segdo a Revita Valo Ecoômico (27), o ao 26 a fiaceia obtiveam ameto o aldo da opeaçõe e da eceita de cédito, em compaação ao ao de 25, cotdo, o eltado líqido e a Retabilidade PL ofeam peda. Na ede vaeita, ocoe m cecimeto igificativo da depea admiitativa em decoêcia da expaão da ede de atedimeto e italação de ovo poto de ditibição e veda (ivetimeto em cecimeto). Ito popocioo btaciai peda do poto de vita opeacioal. Aida aim, ocoe m cecimeto do aldo da opeaçõe de cédito, do depóito totai da maioe fiaceia e da eceita de itemediação fiaceia, além de m peqeo ameto do patimôio líqido. No tocate à petação de eviço, egdo a Revita Valo Ecoômico (27), hove m icemeto de 9.%. O cecimeto aceleado da opeaçõe de cédito ao comido tem-e coolidado pela paceia ete ititiçõe fiaceia e empea do vaeo, como detaca Feaza, Gede e Gome (26). Uma coeqüêcia eal dete cecimeto é o ameto de cocoêcia ete a fiaceia qe talvez, poa elta em m ovo delieameto da paceia exitete o mecado e abeta de fiaceia pópia po gade ede vaeita. Nee cotexto, a fiaceia paam a bca mateção da qalidade de opeação mediate ampliação do volme de egócio com gaho de ecala, além da bca de eqilíbio da expaão da cateia de cliete e cotole da iadimplêcia com aqiição de ovo cliete. 4. Aplicaçõe de DEA em fiaça Diallo et al. (27) aaliaam o mecado baileio de Baco de vaeo baileio, paa ito foi tilizado o modelo DEWA BCC-I. O eltado elativo a doi método de etiçõe ao peo (DMU Atificial e CRWS Atado) foam compaado. O ipt foam: úmeo de fcioáio, úmeo de agecia, ídice de iadimplêcia, alavacagem e ga de imobilização. Já o otpt foam o eltado de itemediação fiaceia, etabilidade do patimôio liqido. Fama et al. (999), bco idetifica a eficiêcia elativa de doi tipo de coopeativa de cédito do Japão: aqela co popietáio eam o coeao e a coopeativa de popiedade do apoee. Nee cao, foam tilizado como vaiávei o úmeo de fcioáio, o valo do capital, o volme de depóito, empétimo e ivetimeto em títlo. Tp et al. (23) aplico DEA em coopeativa de laticíio de São Palo. Paa medi a eficiêcia podtiva ee tipo de coopeativa o atoe adotaam a pepoição de qe coopeativa têm como obetivo maximiza valoe paa o coopeado, ofeecedo maioe eceita o meoe cto do qe a empea pivada. Como vaiávei de decião, foam tilizado como ipt o ativo total e o úmeo de hoa tabalhada e otpt a eceita bta. Feaza et al. (28) tilizo a metodologia da Aálie Evoltóia de Dado (DEA) paa o etdo de eficiêcia do 5 maioe baco do mecado baileio. A técica de I-O Stepwie foi tilizada paa eleção de vaiávei paa o modelo fial. Com a fialidade de adicioa ao modelo a opiião do epecialita foam itodzida o etdo a ciação e a imlação de idade podtiva atificiai o ão obevada (DMU Atificiai) como método de imlação a etição ao peo. Na etapa fial foi ealizada ma detalhada aálie de mecado da ititiçõe fiaceia. O ipt foam: úmeo de fcioáio, úmeo de agecia, ídice de iadimplêcia, alavacagem, ga de imobilização e cto opeacioal. Já o otpt foam o eltado de itemediação fiaceia, etabilidade do patimôio liqido, eltado opeacioal, patimôio liqido e lco liqido Feeia et al. (27) etdo o deempeho da Coopeativa de Ecoomia e Cédito Múto de Mia Geai, a pati de idicadoe cotábei e fiaceio de 5 coopeativa de cédito o ao de 23. Nete tabalho foam tilizado doi método difeete: pimeiamete, pogamação matemática paa calcla o ecoe de eficiêcia DEA e, em egida, m modelo XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 668

6 ecoomético Tobit paa idetifica o fatoe qe detemiavam o ívei de eficiêcia. O tabalho compao o ga de ieficiêcia técica e de ecala da ociedade coopeativa de cédito, tilizado o ecoe médio de eficiêcia técica o modelo com etoo vaiávei à ecala (BCC). Vilela et al. (27) aplico DEA paa avalia o deempeho da coopeativa de cédito al do etado de São Palo. O dado foam etiado do elatóio de aditoia ao 2 e 22 foecido pela COCECRER/SP. O modelo tilizado foi o BCC oietado paa otpt. O ipt foam o ativo total e depea admiitativa e como otpt foam coideada a opeaçõe de cédito. O dado de 2 e 22 foam ieido epaadamete, paa aálie idividai de cada ao e também a evolção de cada coopeativa de m ao paa o oto. O etdo cocli qe a coopeativa qe dipham de maioe volme de eco coegiam obte deempeho peio, o obetivo de opeação (coceão de cédito). Oto eltado foi qe a coopeativa qe dipham de maioe volme de eco coegiam obte maioe taxa de eficiêcia, qado coideada a elação ativa total e depea admiitativa elativamete ao volme de cédito cocedido. 5. Bae de dado A fote da bae de dado é o Raig da Revita Valo Ecoômico de Jho de 27. Ode a picipai vaiávei qe avaliam o impacto a admiitação de cateia de cédito etão dipoivei paa a 3 maioe fiaceia qe atam o Bail. A vaiávei tilizada eão defiida a egi, decevedo a maiplação qado eceáio. Etão ogaizada po ipt e otpt. 5. Vaiávei tilizada como ipt Opeaçõe de Cédito (em R$ milhõe): Soma da opeaçõe de cédito de cto e logo pazo declaada o balaço patimoial. Alavacagem (em poto): Idicado medido em poto, obtido pela divião do paivo total btaído do patimôio líqido pelo patimôio líqido. Mede a ageividade da ititição, ao apota, o e paivo, a elação ete eco de teceio e capital pópio. Qato maio o ídice, mai ageiva é a ititição. Imobilização: Pocetagem obtida pela divião do ativo pemaete pelo patimôio líqido. Idica a popoção do capital pópio da ititição aplicada em ativo pemaete. Qato meo ete úmeo, melho, poi haveá mai eco paa eem aplicado o gio da atividade. Devido eta elação ete a imobilização e a vaiávei idicadoa da eficiêcia fizeam-e eceáia m tatameto em qe o valo de cada DMU foi dado po: valo oigial obevado. Ee poceo geo ma ova vaiável co maio valo idicaá m melho deempeho da empea. Cto Opeacioal: Idicado médio em poto, obtido pela divião da oma da depea de peoal com a admiitativa pela oma do eltado bto da itemediação fiaceia com a eceita de petação de eviço. Mede a eficiêcia da ititição fiaceia ao compaa gato opeacioai com a picipai fote de eco geado a pópia opeação. Qato meo, melho. Po caa dete compotameto foi eceáio ealiza m tatameto em qe o valo de cada DMU foi dado pelo e iveo, o ea, / valo oigial obevado. Com ee poceo a ova vaiável apeetaá valoe maioe cofome melho fo o deempeho da empea. 5.2 Vaiávei tilizada como otpt: XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 669

7 Relt. it. fiac. (em R$ milhõe): Receita meo depea de itemediação fiaceia (iclem eceita de opeaçõe de cédito, depea de captação o mecado, eltado de opeaçõe com títlo e valoe mobiliáio, câmbio, aplicaçõe complóia e oto). Valo declaado o demotativo de eltado. Retab. do PL : Retabilidade do patimôio líqido. Mede o etoo fial do acioita em elação ao capital pópio da ititição. Qato maio, melho. Tata-e de m idicado em pocetagem, obtido pela divião do eltado opeacioal pelo patimôio líqido. 6. Aplicação de metodo de imlação a etição ao peo (DMU Atificial) Segdo Figeiedo (25), a flexibilidade a ecolha do peo exitete a metodologia DEA cláica é impotate a idetificação da DMU ieficiete, o ea, qe apeetam baixo deempeho iclive com peo defiido de foma mai favoável. Cotdo, em DEA, a atibição de peo ão é ma taefa de baixa complexidade. A ecolha do peo itodzida o PPL atavé de etiçõe pode gea iviabilidade a olção do poblema. Roll e Gola (99) cotataam qe cada peo em DEA, etitamete poitivo, ea eqivalete a ma DMU ão obevada (DMU atificial), itodzida ete a demai o mometo da aálie. Alle et al. (997) geealizaam ea obevação paa o cao de múltiplo ipt e/o otpt, paa DMU qe opeam com etoo cotate de ecala o paa a qe opeam com etoo vaiávei de ecala. Cotdo a pimeia popota de imla etiçõe ao peo via DMU atificiai foi feita po Thoaoli e Alle (999). Deta foma, a iclão de ma DMU Atificial ao coto oigial de DMU fcioa como método alteativo de imlação de m coto de etiçõe ao peo, edo o ídice de eficiêcia dee ovo coto calclado pelo método cláico, em etiçõe ao peo, o memo qe o obtido com o coto iicial de DMU tilizado etiçõe ao peo ao ivé de DMU atificiai. No cao paticla do tabalho, etabelece-e como cote a média da etabilidade, ito é, ehma Fiaceia com etabilidade ifeio a média podeia e eficiete. Eta etatégia foi ma adaptação da metodologia paa o cao paticla do tabalho, oigialmete, ehma DMU abaixo do cote etabelecido podeia e mai eficiete qe ma ota qe etea acima do cote, codição qe foi elaxada o algoitmo tilizado o tabalho. Eta decião foi tomada paa miimiza o meo de iteaçõe do algoitmo e po e lga atifatóio o fato de qe a DMU com etabilidade abaixo do cote ão pdeem e coideada eficiete. Como obevamo em Goçalve (23), o modelo CCR, a DMU Atificiai podem e defiida com a tilização da eqaçõe (6.) o (6.2), em qe haa difeeça o eltado. Amba imlam a etiçõe ARI e ARII. Paa o modelo CCR-O: t = * e x it = xii t = (6.) h Paa o modelo CCR-I: = e t x = x t = (6.2) it * ii. h Já paa o modelo BBC, a eficiêcia depede da oietação do modelo. Aim, a defiição da DMU Atificial, tilizado cotação do ipt cofome eqaçõe expea em (6.3), ão podz o memo eltado e fo tilizada a expaão do otpt, cofome eqaçõe expea em (6.4). Paa o modelo BCC-I: * = e x = x v v = (6.3) v Paa o modelo BCC-O: v = * e x iv = xi v v = (6.4) iv i. i XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 67

8 Figeiedo (25) fez a geealização da etiçõe de Goçalve (23) paa poblema mltidimeioai. 7. Aálie do eltado Compahia Tabela : Reltado do Modelo em a aplicação do Algoitmo da DMU' Atificiai Retab. do PL Eficiecia Cote Compahia Retab. do PL Eficiecia Negeco CF I 72,7 Acima Atia CFI,6 97, Abaixo Lizaced CFI 67,5 Acima Baigüi Fiaceia 24,2 97, Acima Peambcaa Fiaciadoa 62, Acima M ecatil do Bail Fiaceia,7 96,3 Abaixo Becedi 49,5 Acima Oboé Fiaceia 3,6 96, Abaixo BRB CFI 32,5 Acima C edifa CFI 46,6 95, Acima Omi CFI 32 Acima Potoeg C FI 2,7 93,9 Abaixo Itemedim CFI 29,7 Acima Sativet CFI 23,7 93,3 Acima BV Fiaceia 26, Acima Gazzioti Fiaciadoa,2 9,3 Abaixo D acaa Fiaceia 25,8 Acima ASB CFI 4,8 87,9 Abaixo C efia Cédito Peoal 25,7 Acima Alfa Fiaceia 4,8 86,3 Abaixo C ifa C FI 5,7 Abaixo BMW Fiaceia 8,7 82,3 Abaixo Dieção CFI 4,3 Abaixo F iamax CFI 38,5 73,6 Acima Potoced Fiaceia, Abaixo C atepilla Fiacial CFI 7,7 72,6 Abaixo FAI CFI 4,8 Abaixo C etelem Bail C FI 4,6 7,5 Abaixo Fiaceia Itaú CDB 32,9 Abaixo F iaceia Realt 4, 7,3 Abaixo O eltado do modelo, ate da aplicação da DMU atificiai, motaam qe 5 fiaceia foam coideada ieficiete. Dete ela, 5 DMU apeetavam Retabilidade do PL ifeio à média. Compahia Tabela 2: Reltado do Modelo com a aplicação do Algoitmo da DMU' Atificiai Retab. do PL Eficiecia Cote Compahia Retab. do PL Eficiecia Negeco CFI 72,7 Acima ASB CFI 4,8 85,9 Abaixo Lizaced CFI 67,5 Acima Baigüi Fiaceia 24,2 84,8 Acima Peambcaa Fiaciadoa 62, Acima Alfa Fiaceia 4,8 83,6 Abaixo Becedi 49,5 Acima Sativet C FI 23,7 78, Acima BRB CFI 32,5 Acima Mecatil do Bail Fiaceia,7 77,9 Abaixo Omi CFI 32 Acima BMW Fiaceia 8,7 76,7 Abaixo Item edim CFI 29,7 Acima FAI CFI 4,8 73,6 Abaixo BV F iaceia 26, Acima Fiaceia Itaú CDB 32,9 73,6 Abaixo D acaa Fiaceia 25,8 Acima Fiamax CFI 38,5 73,6 Acima C efia Cédito Peoal 25,7 Acima Dieção CF I 4,3 73,6 Abaixo Cifa CFI 5,7 98,6 Abaixo Gazzioti Fiaciadoa,2 72,4 Abaixo Potoced Fiaceia, 98,3 Abaixo Atia CFI,6 72, Abaixo Cedifa CFI 46,6 95, Acima Cetelem Bail CFI 4,6 69, Abaixo Oboé Fiaceia 3,6 9,3 Abaixo Catepilla Fiacial CFI 7,7 66, Abaixo Potoeg C FI 2,7 88,9 Abaixo Fiaceia R ealt 4, 62,7 Abaixo Apó a aplicação do algoitmo, vimo qe a 5 idade com Retabilidade do PL ifeio à média deixaam de e eficiete. Ao fim da aplicação do algoitmo, etaam DMU eficiete. Foam eceáia 3 iteaçõe paa qe a idade coideada eficiete com Retabilidade do PL abaixo da média foem etiada do coto de eficiete. Compahia Tabela 3: Cotibição da vaiávei paa o Cálclo da Eficiêcia: DMU' Eficiete Ope. Cédito (em R$ milhõe) Alavacagem (em poto) Imobilização Cto opeac. (em poto) Relt. it. fiac. (em R$ milhõe) Cote Cote Retab. do PL Negeco CFI, 32,9 45, 22,,5 99,5 Omi CFI 67, 29,4 3,6 7, 82,9 Lizaced CFI 5,6 32,9 25,3 26,2,6 89,4 BRB CFI 7,7,9 78,3 3,2 77,3 22,7 Peambcaa Fiaciadoa,2,2 79,2 9,4 3,4 68,6 Dacaa Fiaceia 7, 7,3 29,6 46, 9,8 9,2 Becedi 3,6 8,9 4,4, 99, Cefia Cédito Peoal,8 9, 8,2 3,4 68,6 BV F iaceia 6,8 9, 8,8,2 Itemedim CFI 2,7 66,6 2,7 XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 67

9 Como podemo ve a Fiaceia eficiete, em geal, combiaam política itea qe pioizaam Retabilidade do PL (magem ete cto de opeação e o etoo) e Volme de egócio (Reltado de itemediação fiaceia), dividido o foco ete o etoo com a magem e volme eco geado pela opeaçõe. Deta foma, o doi otpt foam batate impotate paa o calclo do coe da idade eficiete. Eta aálie bate com o compotameto do mecado o último ao, ode a qeda a taxa de o foço o foco em política de ampliação de cateia. Cotdo, o qe e vê ete a fiaceia eficiete é m balaceameto de impotâcia ete Retabilidade do PL e Reltado de Itemediação Fiaceia, o qe mota qe eta fiaceia coegiam expadi a cateia, fazedo m bom cotole de ico (iadimplêcia). Ete o ipt, a vaiável mai impotate é o Ga de imobilização, qe ete cao mota o pecetal do capital da empea qe NÃO etá imobilizado. Ititivamete, a impotâcia deta vaiável paa a eficiêcia de ma empea de coceão de cédito, é fácil de e compeedida, ma vez qe qato mai capital demobilizado, mai eco pópio etão dipoívei paa opeaçõe de cédito, o qe faz com qe a Fiaceia dimia a eceidade de alavacagem de capital, dimiido o cto opeacioal e impactado dietamete o eltado da Retabilidade do PL. O Cto Opeacioal teve impotâcia modeada paa a eficiete, poem eta impotâcia vaio de acodo com a política da empea. Ex: BRB x Dacaa. Qem pioizo a magem de meo peo ao Cto Opeacioal, qem pioizo a ampliação de cateia, teve cto maio, potato de meo peo a eta vaiável, poem, ela ão foi decoideada. A Alavacagem também foi coideada mediaamete impotate pela Fiaceia eficiete. É impotate ealta qe qem de peo maio paa a Alavacagem de peo meo paa Cto Opeacioal. ito e explica, poi apea de e impotate alavaca eco o mecado, a medida qe eta alavacagem é feita e, ameta o Reltado de Itemediação Fiaceia, o cto de empeta ameta. Ete fato também tem impacto a magem. O peo dado ao Númeo de opeaçõe de Cédito mota qe a expaão de cateia foi feita de foma mito cidadoa, pela DMU eficiete. Ve Exemplo BV x Itemedim. É impotate ealta qe toda a Fiaceia eficiete etão aociada ao cedito de como e cedito peoal focado em baixa e média eda. Compahia Tabela 4: Cotibição da vaiávei paa o Cálclo da Eficiêcia: DMU' Ieficiete Ope. Cédito (em R$ milhõe) Alavacagem (em poto) Imobilização Cto opeac. (em poto) Relt. it. fiac. (em R$ milhõe) Retab. do PL Cifa CFI 22,3 2, 65,6, 89,9 Potoced Fiaceia 44,3 3,2 52,5 Cedifa CFI 7,6 52,9 29,5 2, 97,9 Oboé Fiaceia 3,3 35,7 47,8 3,2 Potoeg CFI 5,4 4,8 72,9 6,9 ASB CFI 23,4 2, 38, 7,3 Baigüi Fiaceia,7 2,9 53,7 3,7 Alfa Fiaceia 2,4 56,7 2,9 36,2 63,8 Sativet CFI 5,7 69, 25,3 Mecatil do Bail Fiaceia 5, 68,5 26,4 BMW Fiaceia 7, 69,9 3, FAI CFI 2, 79,2,9 23, 76,9 Fiaceia Itaú C DB 24, 75,9 76,9 23, Fiamax CFI 34,6 4,4 23,9 Dieção CFI,7 78,4 2,9 4,5 95,5 Gazzioti Fiaciadoa 24,7 54, 2,3 Atia CFI 2,2 2, 95,8 Cetelem Bail C FI 3,7 68,3 24,3 75,7 Catepilla Fiacial CFI 25,5 57,8 6,7 Fiaceia Realt 26,6 62,,4 22,2 77,8 Paa a idade ieficiete vemo qe hove cocetação em m do foco, ito é, paticipaçõe vitai igai a %, ito mota qe a DMU Ieficiete, em geal, ão diveificaam o foco, como fizeam a eficiete. XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 672

10 Aaliado o compotameto da ditibição da paticipaçõe vitai da vaiávei Opeaçõe de Cédito e Reltado de itemediação fiaceia, vemo qe a ieficiete ão e peocpaam devidamete com o ameto da cateia, cocetado e foco a magem, ito é, memo cota a tedêcia do mecado eta fiaceia tetaam faze opeaçõe com taxa de o mai alta. Eta obevação também pode e feita vedo a paticipaçõe vitai da vaiável Cto Opeacioal. Como eta fiaceia ão e peocpaam mito com o ameto da cateia, dimiiam e cto, logo o modelo coceto eta vaiável pecetai de paticipação, em geal, mai alto qe a DMU eficiete. Oto poto qe deve e detacado é qe ete a DMU ieficiete etão a fiaceia qe fazem opeaçõe de cédito com valo maio, ito é, ete ela etão a fiaceia de motadoa de atomóvei, baco, etc, qe fiaciam be de maio valo agegado. Em a maioia, a fiaceia ieficiete ão focaam em cedito peoal e cedito de como paa baixa eda. 8. Coclão A Fiaceia coideada eficiete bcaam m balaceameto ete Retabilidade do PL e o Reltado de Itemediação Fiaceia, demotado qe ea fiaceia expadiam a cateia, tedo m bom cotole de iadimplêcia. É impotate ealta qe a Fiaceia com maio peo a Alavacagem deam peo meo paa Cto Opeacioal. Poi, apea de e impotate alavaca eco o mecado, a medida qe eta alavacagem é feita e, ameta o Reltado de Itemediação Fiaceia, o cto de empeta ameta. Ee fato também tem impacto a magem. Oto poto paa detaca é qe toda a Fiaceia eficiete etão aociada ao cedito de como e cedito peoal focado em baixa e média eda. Paa a idade ieficiete ão teve peocpação com o ameto da cateia, cocetado e foco a magem. O ea, memo cota a tedêcia do mecado ea fiaceia tetaam faze opeaçõe com taxa de o mai alta. Oto poto qe deve e detacado é qe ete a DMU ieficiete etão a fiaceia qe fazem opeaçõe de cédito com valo maio. Em a maioia, a ieficiete ão focaam em cedito peoal e cedito de como paa baixa eda. 9. Bibliogafia ALI, A.I.; SEIFORD, L.M. Talatio ivaiace i Data Evelopmet Aali. Opeatio Reeach lette, 9, p , 99. ALLEN, R.; ATHANASSOPOULOS, A.; DYSON, R.G. Weight etictio ad vale dgemet i Data Evelopmet Aali: Evoltio, developmet ad fte diectio. Aai of Opeatio Reeach, v. 73, J.C. Baltze AG, Sciece Pblihe BANKER, R. D., CHARNES, A., COOPER W. W., Some model fo etimatig Techical ad Scale iefficieci i Data Evelopmete Aali. Maagemet Sciece, 984, vol. 3, º 9, p BERGER, A.N.; HUMPHREY, D.B. Efficiec of fiacial itittio: iteatioal ve ad diectio fo fte eeach. Eopea Joal of opeatioal Reeach, 98, p , 997. CARVALHO, F.J.C, Reeha obe Sitema Fiaceio. Dipoível em: Aceo em: 2 dezembo 26. CERETTA, P.S.; NIEDERAUER, C.A.P. Retabilidade do eto bacáio baileio, 24º Ecoto Nacioal da ANPAD Aociação Nacioal de Pogama de Pó Gadação em Admiitação. Floiaópoli, -3 et. 2. CHARNES, A., COOPER, W. W., RHODES, E. Meaeig the Efficiec of Deciio- Maig Uit. Eopea Joal of Opeatioal Reeach, 978, vol. 2, p XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 673

11 DIALLO, M. ; SCAVARDA DO CARMO, L. F. R. R. ; GUEDES, L. E. M. ; SOUZA, M. V. P.. IT Ivetmet ad it impact o the efficiec of compaie: A aali with two DEA method. I: Nio E. Matoai, Valei Mladeov, Zoa Boovic, Daa Simia, Stamatio Katalopolo, Agio Vaoide, Cotati Udite, Egee Kidle, S. Naaaa, Jaime Lloet Mai, Hamed Paiai, Ka Lo Ma.. (Og.). New apect of compte. New Yo: WSEAS, 28, v. V, p DIALLO, M. ; SOUZA, M. V. P. ; GUEDES, L. E. ; SOUZA, R. C.. Compaig atificial DMU ad a adted cotiget weight etictio appoach i the aali of Bazilia etail ba efficiec. I: Jög Kalcic; Stefa Nicel. (Og.). Selected Pape of the Aal Iteatioal Cofeece of the Gema Opetio Reeach Societ (GOR). Beli Heidlbeg: Spige-Velag, 28, v., p FERREIRA, M. A. M.; GONCALVES, R. M. L.; BRAGA, M. J. Ivetigação do deempeho da coopeativa de cédito de Mia Geai po meio da Aálie Evoltóia de Dado (DEA). Eco. Apl. [olie]. 27, vol.,.3, pp ISSN FIGUEIREDO, D.S. de. Ídice Híbido de Eficácia e Eficiêcia paa Loa de Vaeo. 25. Dietação (Metado). Niteói: Ecola de Egehaia/UFF. FREAZA, F.P, GUEDES, L.E.M, GOMES, L.F.A.M. Aálie de eficiêcia do mecado bacáio baileio tilizado a metodologia da Aálie Evoltóia de Dado. XXXVIII SOBRAPO, SBPO, 26. Feaza, F.P. ; Gede, L.E.M. ; GOMES, L. F. A. M. A eficiêcia da getão etatégica o Bail: o cao do itema bacáio. BBR. Bazilia Bie Review, v. 5, p. 8-35, 28. Fama, H.,Gea, R., & Webe, W. L. Efficiec ad owehip: evidece fom apaee cedit coopeative. Joal of Ecoomic ad Bie, 5(6), ; 999. GONÇALVES, D.A. Avaliação de Eficiêcia de Fdo de Ivetimeto Fiaceio: Utilização de DMU` Atificiai em Modelo DEA com Otpt Negativo. Rio de Jaeio, 23. Tee de Dotoado. COPPE/UFRJ. MARQUES, F. T.; MATIAS, A. B.; CAMARGO JUNIOR, A.S. Deempeho do Baco Comeciai e Múltiplo de Gade Pote o Bail, CLADEA, 24. PASTOR, J. T. Talatio ivaiace i data evelopmet aali: a geealizatio. Aal of Opeatio Reeach, v.73, p. 9-5, 997. Revita Valo Ecoômico de Jho de 27 ROLL, Y.; GOLANY, B. Cotollig facto weight i DEA. IIE Taactio, 23 (), 99. SILVA, A.C.M. da. Aálie da eficiêcia da ititiçõe fiaceia, egdo a metodologia do Data Evelopmet Aali (DEA). 2. Dietação (Metado) Ititto de Pó Gadação em Admiitação, da Uiveidade Fedeal do Rio de Jaeio. Rio de Jaeio: COPPEAD/UFRJ. Thaaoli, E,; Alle, R. Simlatig weight etictio i data evelopmet aali b mea of obeved DMU. Maagemet, v.44,. 4, p , 998. Tp, O.,Veia, M. C., & Eteve, S. N.. Eficiêcia podtiva de coopeativa de laticíio do etado de São Palo.Revita Ifomaçõe Ecoômica,33(7), 37-46, 23. XLI SBPO 29 - Peqia Opeacioal a Getão do Cohecimeto Pág. 674

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados

Análise de Eficiência do Mercado Bancário Brasileiro Utilizando a Metodologia da Análise Envoltória de Dados 2 a 5/9/6 Goiâia, GO Aálie de Eficiêcia do Mecado Bacáio Baileio Utilizado a Metodologia da Aálie Evoltóia de Dado Flávio Paim Feaza Metado em Admiitação pela Facldade Ibmec/RJ Av. Rio Baco, 8, qito ada,

Leia mais

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico 4. Aálie Evoltóia de Dado (DEA) e ma popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico 4.. Coceito Báico 4... Podtividade, Cva de Podção, Eficiêcia e Eficácia. Devido à globalização,

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo Depatameto de Ifomática Disciplia: Modelagem Aalítica do Desempeho de Sistemas de Computação Elemetos de Aálise Combiatóia Pof. Ségio Colche colche@if.puc-io.b Teoema: Elemetos de Aálise Combiatóia Modelagem

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL Vito Hugo Mio Doutoado em Ecoomia (CAEN/UFC. Aalista

Leia mais

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE ESOAMENTOS EM EGIME EMANENTE eime emaete: são escoametos qe ão aesetam aiação com o temo t Escoametos i-dimesioais: só aesetam m comoete de elocidade qe só aia em ma dieção Escoametos simles hidodiamicamete

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA CONHECIENTOS BÁSICOS ATEÁTICA Para repoder à quetõe de o e, utilize o dado da tabela abaixo, que apreeta a freqüêcia acumulada da idade de 0 jove etre 4 e 0 ao. Idade (ao) Freqüêcia Acumulada 4 5 4 6 9

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca Validação do método de dimeioameto do úmero médio ideal de emete por aca Quitiliao Siqueira Schrode Nomelii 1, Dayae Alve Cota 1, Luca Floretio Silva 1, Alie Sato Ferreira 1, Jaer Moura Pereira 2, Nádia

Leia mais

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK XXV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES SBT 7, 3-6 DE SETEMBRO DE 7, RECIFE, PE Aálise de Estatégias de Cotole de Eos paa Redes de Sesoes com Modulação OQPSK e GFSK João. Kleischmidt e Walte C. Boelli

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA

ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA Vanea Silva RESENDE Eduado Yohio NAKANO RESUMO: O modelo tadicional de análie conunta upõe que a nota atibuída eguem uma ditibuição Nomal.

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ivetigação Operacioal Fila de Epera Liceciatura em Egeharia Civil Liceciatura em Egeharia do Território Nuo Moreira - 4/5 roblema Nuo Moreira - 4/5 No erviço de urgêcia do hopital da cidade o paciete ão

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Reator Tubular de Alta Pressão para Produção de PEBD

Modelagem e Simulação de um Reator Tubular de Alta Pressão para Produção de PEBD UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEARTAENTO DE ENGENHARIA QUÍICA ROGRAA DE ÓS-GRADUAÇÃO E ENGENHARIA QUÍICA odelage e Siulação de u Reato Tubula de Alta eão paa odução de

Leia mais

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica.

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica. SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 25 6 a 2 Outubo de 2005 Cutba - Paaá GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO EM MERCADOS DE ENERGIA ELÉTRICA - GME EXTENSÃO DA METODOLOGIA

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama.

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama. ELEICIDADE CAPÍULO 5 GEADOES Cofome visto o Capítulo, o geado é uma máquia elética capaz de estabelece uma difeeça de potecial elético (ddp) costate (ou fime) ete os extemos de um coduto elético, de maeia

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática A 2.º ao de Escolaridade Prova 65/2.ª Fase Págias Dração da Prova: 50 mitos. Tolerâcia: 0 mitos 2008

Leia mais

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO Univeidade Fedeal da Paaíba Cento de Tecnologia Pogama de Pó-Gaduação em Engenhaia Mecânica Metado - Doutoado CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO po Élida

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

CIÊNCIA & TECNOLOGIA Volume 6 Númeo 2 ezembo de 2006 ISSN 1519 8022 4 REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA A evista tecológica da UNIG FACUAE E CIÊNCIAS EXATAS E TECNOÓGICAS REVISTA E CIÊNCIA & TECNOOGIA A evista tecológica da UNIG

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança INF 16 CAPÍTULO 7 - Itervalo de cofiaça É uma maeira de calcularmo uma etimativa de um parâmetro decohecido. Muita veze também fucioa como um tete de hipótee. A idéia é cotruir um itervalo de cofiaça para

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO)

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO) ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Ra Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 3797-9800; Fax: (0xx21) 3797-9830 www.energetica.ind.r CALIBRAÇÃO DO

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de captura e análise de movimentos baseado em técnicas de visão computacional

Desenvolvimento de um sistema de captura e análise de movimentos baseado em técnicas de visão computacional Uivesidade Fedeal de Ubelâdia Faculdade de Egehaia Elética Pós-gaduação em Egehaia Elética Desevolvimeto de um sistema de captua e aálise de movimetos baseado em técicas de visão computacioal Ala Petôio

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro Poduction, v. 25, n. 3, p. 70-72, jul./et. 205 http://dx.doi.og/0.590/003-653.4203 Eficiência da Intituiçõe de Micocédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto baileio Elaine Apaecida Aaújo a *, Chale

Leia mais

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos Resposa o empo de sisemas de pimeia e de seguda odem só com pólos Luís Boges de Almeida Maio de Iodução Esas oas apeseam, de foma sumáia, o esudo da esposa o empo dos sisemas de pimeia e de seguda odem

Leia mais

ANÁLISE DE GERADOR DE INDUÇÃO PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DAS ONDAS DO MAR. Thiago Machado Monteiro

ANÁLISE DE GERADOR DE INDUÇÃO PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DAS ONDAS DO MAR. Thiago Machado Monteiro ANÁLISE DE GERADOR DE INDUÇÃO PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DAS ONDAS DO MAR Thiago Machado Monteio PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA

Leia mais

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001 Ceecaa e Autozaa pelo MEC, Potaa. o. 644 e 8 e maço e 00 Publcao o D.O.U. em 0/04/00 ESTATÍSTICA Pelo Poesso Gealo Pacheco A Estatístca é uma pate a Matemátca Aplcaa que oece métoos paa coleta, ogazação,

Leia mais

Adesivos e Selantes 3M. Poliuretano e Híbrido FORÇA. para seus negócios

Adesivos e Selantes 3M. Poliuretano e Híbrido FORÇA. para seus negócios Adeivo e Selate 3M oliuretao e Muito mai FORÇA para eu egócio Adeivo & Selate 3M Uma liha completa de alta performace O adeivo e elate de poliuretao e híbrido da 3M ão produto moocompoete, que curam com

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso Detecção de Perdas com WaterGEMS usado AG - Case de Sucesso Ego. Jua Carlos Gutiérrez, M.Sc. Regioal Egieer - Water ad Wastewater Solutios Jua.Gutierrez@Betley.com Problema Mudial: cotrole e redução de

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

Implementando modelos DEA no R

Implementando modelos DEA no R Implementando modelo DEA no R Joé Francico Moreira Peanha profeorfmp@hotmail.com UERJ Alexandre Marinho alexandre.marinho@ipea.gov.br UERJ Luiz da Cota Laurencel llaurenc.ntg@terra.com.br UERJ Marcelo

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Bq Qalty tate: Fa Je Feade Jº Clt de Stema de Getã / Adt Ctat: gfeade.fj@gmal.m Ap Paaba, 9 de etemb de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Itdçã à ISO 9:8 Stema de Getã da Qaldade tate: Nefe Bge Faça Teólg ambetal Geete de Negó da QS Cetfat Ctat: efebf@gmal.m Ap Sã Pal, de agt de Obevaçã: A veã gal

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS. Moivaçõe Como vio o Regulado de Eado maném o iema em uma deeminada condição de egime pemanene, ou eja, ena mane o eado em uma dada condição eacionáia.

Leia mais

5) Verifique a existência de novos pincéis no painel Brushes. Para os usar, basta seleccionar um deles e aplicar sobre a sua imagem:

5) Verifique a existência de novos pincéis no painel Brushes. Para os usar, basta seleccionar um deles e aplicar sobre a sua imagem: 76 Ph o t o s h o p cs4 - Cu r s o Co m p l e t o 5.1.1 Predefiições de picéis e ferrametas É possível gravar um cojuto de opções de picel como uma predefiição para aceder rapidamete às características

Leia mais

PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO

PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto. Data de fundação: 07 de feveeio de 1999. Númeo

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA

PREFEITURA MUNlClPAL DE VIÇOSA PRAÇA DO ROSÃRIO, 5 - CEP 36570000 - VIÇOSA - MG GABINETCTOPREFEnO LEI N«1199/97 Dispõe sobe alteações no Código Tibutáio do Munícipto e dá outas povidências 0 Povo cte Muntoípio cto Viçosa, po seus epesentutes,

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Empenhos Emitidos 6 de Outubro de 2010 Folha: 1 Prefeitura Municipal Santa Maria

Estado do Rio Grande do Sul Empenhos Emitidos 6 de Outubro de 2010 Folha: 1 Prefeitura Municipal Santa Maria Estado do io Grande do Sul Empenhos Emitidos 6 de Outubro de 2010 Folha: 1 02.02.2010 2010/001311 2994 10216 ONALDO POZZOBON 105,30 1 Itens de Empenho : PASSAGENS SANTA MAIA/POA/SANTA MAIA EM VIAGEM A

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

Análise de uma Fila Única

Análise de uma Fila Única Aálise de ua Fila Úica The A of oue Syses Pefoace Aalysis Ra Jai a. 3 Fila Úica O odelo de filas ais siles coé aeas ua fila Pode se usado aa aalisa ecusos idividuais e siseas de couação Muias filas ode

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas Departameto Gestão Disciplia Matemática I Curso Gestão de Empresas Ao 1º Semestre 1º Grupo Docete Resposável Teóricas Carga horária semaal Teórico Práticas Nuo Coceição 3h 3h/5h Práticas/ Lab. Semiários

Leia mais

CURSO. CHECK LIST Caracterização da tecnologia construtiva da alvenaria de vedação em edifícios de múltiplos pavimentos Recife/PE Novembro de 2006

CURSO. CHECK LIST Caracterização da tecnologia construtiva da alvenaria de vedação em edifícios de múltiplos pavimentos Recife/PE Novembro de 2006 CURSO PROJETO E EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM BLOCOS DE CONCRETO Prof. Dr. Alberto Caado Ecola Politécica de Perambuco Prof. Dr. Luiz Sérgio Ecola Politécica da USP CHECK LIST Caracterização da

Leia mais

A Gestão por Processos no Ensino SOCIESC

A Gestão por Processos no Ensino SOCIESC A Gestão por Processos no nsino OCIC imone Laureano Angélica simone.angelica@sociesc.org.br A Gestão por Processos no nsino OCIC 1959 - TT - scola Técnica Tupy (Departamento da Fundição Tupy) 1962 - T

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Linhas de Campo Magnético

Linhas de Campo Magnético Linha de Campo Magnético Popiedade da Linha de Campo Magnético Não há evidência expeimental de monopolo magnético (pólo iolado) Etutua magnética mai imple: dipolo magnético Linha de Campo Magnético ão

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Análise da Resposta Transitória

Análise da Resposta Transitória Uiveridade Etadual do Oete do Paraá Programa de Pó-graduação em Egeharia de Sitema Diâmico e Eergético Tema da Aula: Aálie da Repota Traitória Prof. Dr. Carlo Herique Faria do Sato 1 Etrutura da aula 1

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais