ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA"

Transcrição

1 EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço eoal com ea opeaçõe e a popedade abao chamada aoma do epaço eoal foem afea: E ocaa Paa quaque u w u w u w E Comuaa Paa odo u u u E Elemeno Neuo Ee e al que paa odo e e Noação: e E4 Elemeno méco Paa odo ee ' al que ' ' Noação: ' m u u E5 Paa quaque R e paa odo E6 Paa quaque R e paa odo E7 Paa odo R e paa quaque u u u E8 Paa odo O elemeno de um epaço eoal ão denomnado eoe e o númeo ea de ecalae Eemplo: R com a opeaçõe: É um epaço eoal po o oo aoma acma ão efcado cabe lemba que o elemeno neuo da adção é o pa odenado R n com a opeaçõe: n n n n n n É um epaço eoal O conjuno da mae ea de odem m n com a opeaçõe uua é um epaço eoal al que o elemeno neuo da adção é a ma nula 4 O conjuno do polnômo com coefcene ea de gau meno ou gual a n com a opeaçõe abao: n p q a b a b a n n b n p an a a n n an a q bn b onde p a e b É um epaço eoal onde o elemeno neuo da adção é o polnômo n 9

2 5 R com a opeaçõe abao não é um epaço eoal Não pou elemeno neuo po: eja e e al que e e e e e e Ma m Poano paa odo R Logo não ee elemeno neuo ubepaço eoal Um ubepaço eoal de é um ubconjuno não ao com a egune popedade: Noação: ub ub Fechameno de em elação à opeação de dção e u e enão u ub Fechameno de em elação à opeação de Mulplcação po Ecala e u e R enão u Eemplo: R} é um ubepaço eoal do R com a opeaçõe de adção e mulplcação po ecala uua Um eo u peence ao ubepaço quando pou a ª e ª coodenada gua a eo efcando a popedade de ubepaço? m e u e enão u? ejam u e Enão u Logo é fechado ob a opeação de adção de eoe e u e R enão u? eja u Enão u Logo é fechado ob a opeação de mulplcação po ecala O ubepaço podea e deco anda po R e } O conjuno R e } não é um ubepaço eoal do R com a opeaçõe uua efcando a popedade:? m afa a condçõe e e u e enão u? ejam u e com e Enão u com Logo é fechado ob a opeação de adção de eoe e u e R enão u? 4

3 Não Cona-eemplo ejam 4 e R 4 8 po 8 R } não é um ubepaço do R po O fao do eo peence ao conjuno não mplca que ee eja um ubepaço Todo epaço eoal adme pelo meno do ubepaço: o pópo epaço e o conjuno } chamado ubepaço nulo Ee do ubepaço ão denomnado ubepaço a de e o dema ubepaço pópo de Combnação Lnea ejam o eoe n Um eo w eá eco como combnação lnea do eoe n quando w n n onde n R Eemplo: O eo é uma combnação lnea do eoe e 5 po: 5 O eo não pode e eco como combnação lnea do eoe e po: * m O ema é mpoíel Logo não eem aloe ea paa e que afaçam a gualdade * Deemnando a le que defne odo o eoe que podem e eco como combnação lnea de e m O ema é poíel quando e paa quaque R m R } é o conjuno de odo o eoe eco como combnação lnea de e Geomecamene aa-e do plano XZ 4

4 ubepaço eoal Geado e Conjuno Geado ejam o eoe n e n ] o conjuno de oda a combnaçõe lneae dee eoe O conjuno ] é um ubepaço eoal de denomnado ubepaço eoal geado pelo eoe n n O conjuno } é o conjuno geado do ubepaço ] n n Eemplo: O eo R gea o conjuno ] R} m O conjuno de oda a combnaçõe lneae do eo é o conjuno de odo o eu múlplo ecalae Geomecamene ] é uma ea defnda pela equação ] R } m Ma amplada e ma ecalonada Paa e deemna o eoe que ão combnaçõe lneae de e é neceáo que o ema eja poíel o é Logo ] R } R} Geomecamene ] é um plano no 4] R 4 4 R com equação 4 m 4 4 Ma amplada e ma ecalonada Como o ema é poíel e deemnado nenhuma condção dee e afea Logo 4] R 4

5 4 Encone a equação do epaço geado pelo eoe e O epaço geado é o conjuno de eoe R que poam e eco como combnação lnea do eoe dado o é m Ma amplada e ma ecalonada Paa que o ema eja poíel é neceáo que 5 5 m com ea condção afea obém-e eoe R que ão combnação lnea do eoe dado Poano o epaço geado é R 5 } que geomecamene epeena um plano em R eoe Lneamene Independene e Lneamene Dependene Um conjuno de eoe n } é lneamene ndependene LI quando n n e e omene e n e e pelo meno um com n enão o conjuno é lneamene dependene LD Eemplo: 4} é LI po: m 4 4 Ma amplada e ma ecalonada O ema é poíel e deemnado com m o conjuno é LI Um do eoe não é múlplo ecala do ouo Fo o que o epaço geado po 4} é R ou eja 4] R 6} é LD po: 6 6 m 6 Ma amplada e ma ecalonada 6 4

6 O ema é poíel e ndeemnado com Enão o conjuno é LD po 6 O eoe e 6 peencem a uma mema ea O epaço geado pelo conjuno 6} é R } o é 6] R } 58} é LD po: 5 8 m 5 8 Ma amplada e ma ecalonada 5 8 Como o ema é poíel e ndeemnado o conjuno é LD ae e Dmenão de um Epaço eoal eja um conjuno fno D-e que é uma bae do epaço eoal quando é um conjuno lneamene ndependene e gea o é ] O númeo de elemeno cadnaldade de uma bae do epaço eoal é denomnado dmenão do epaço eoal e a dmenão de é gual a n d-e que é um epaço eoal fno n-dmenonal Em pacula a dmenão do epaço nulo } é eo Não há bae paa o epaço nulo Noação: dm Eemplo: O conjuno } e 4} ão bae do R O conjuno 5 } não é bae do R po apea de gea R não é LI O conjuno } é LI ma não gea o R poano ambém não é uma bae do R Toda bae de R em do eoe de R que geam R e que ão LI Logo dm R -} é uma bae do R O conjuno -} é LI ma não gea o R Logo não é bae do R O conjuno -4} gea o R ma não é LI Também não é uma bae do R Toda bae de R é fomada po ê eoe LI de R Logo dm R Um eo qualque R pode e eco como m } gea o R o é ] R lém do ee conjuno é LI Logo } é uma bae do R denomnada a bae canônca do R Do memo modo em-e: 44

7 Epaço eoal ae Canônca Dmenão R } R } R 4 } 4 Ma R Polnômo com coefcene ea de gau meno ou gual a 4 } Opeaçõe com ubepaço eoa Ineeção ejam e ubepaço do epaço eoal eal O conjuno neeção de e e } é ambém um ubepaço eoal de ub? po po m ub e e u enão u? e u u e u Enão u e u Logo u ub e e R enão? e Enão e Logo Eemplo: ejam com } e R } R R e } m Logo } Geomecamene em-e uma ea e um plano no R que e necepam na ogem ejam R } e R } R e } 45

8 46 m 9 Logo } 9 R ou eja } 9 R Geomecamene a neeção é epeenada po uma ea que paa pelo pono e 9 oma ejam e ubepaço do epaço eoal eal O conjuno oma de } e com e é ambém um ubepaço eoal de Eemplo: ejam } R e } R } e com R Tem-e que e paa quaque R Ma e paa quaque R m } é bae do ubepaço e } é uma bae do ubepaço Enão quando m ema poíel logo R ejam } }e R R 4 } e com 4 R Tem-e que e paa quaque R Ma e paa quaque R quando 4 m 4 Paa que o ema eja poíel é neceáo que Enão } 4 R

9 eja um epaço eoal n-dmenonal e e ão ubepaço de enão: dm dm dm dm Ee eulado é conhecdo como Teoema da Dmenão oma Dea ejam e ubepaço do epaço eoal eal oma de e é denomnada oma dea quando } Noação: Coodenada de um eo em elação a uma ae Odenada eja é um epaço eoal n-dmenonal qualque conjuno LI com n eoe é uma bae de o e ecolhe uma bae paa o epaço eoal eá-e adoando um ema efeencal no qual pode-e epea qualque eo de Condee n} uma bae qualque eo pode e epeo de manea únca como combnação lnea do eoe da bae n n onde n R ão a coodenada do eo em elação a bae odenada Noação: n e na foma macal ] n Toda e que a epeão coodenada em elação a uma bae é ulada uma bae odenada eá endo condeada Eemplo: O eo pode e eco: Condeando a bae canônca do R ou eja ] Condeando a bae } m Logo e Poano e ] 47

10 Ma de Tanção de uma ae paa uma oua ae Que elação ee ene a coodenada de um eo no ango efeencal e em um noo efeencal? Uma ma pemá a elação ene ee efeenca a bae do epaço eoal Ea ma é denomnada ma de anção ou ma mudança de bae O deenolmeno a egu condea dua bae do R no enano o memo acocíno pode e ulado paa qualque epaço eoal n-dmenonal ejam u u } e w } bae do R w Paa qualque R em-e: a u b u a o é ] b Como u e u ão eoe do R podem e eco como combnação lnea do eoe da bae u a w a w u a w a w ubundo em : a a w a w b a w a w a a b a w a a b a w Poano a a b a e a a b a ão a coodenada de em elação à bae a a b a m ] a a b a a a a Podendo e eco como ] a a b a a ma acma é denoada po a a paa a bae coluna da ma I] endo denomnada a ma de anção da bae I] ão a coodenada do eoe da bae em elação à bae ] I] ] Obém-e a equação macal nalogamene ] I] ] paa mudança da bae paa a bae ] I] ] I] ] I] I] ] Obee que Como ] ] Tem-e que Como ] I ] n Enão I I] I ] n Logo I ] I] Eecíco efque e R com a opeaçõe defnda abao é um epaço eoal a 48

11 b c d e f g Condee o conjuno Fun R de oda a funçõe f : R R Defnem-e dua opeaçõe bnáa : Fun R Fun R Fun R al que f g f g e : R Fun R Fun R al que f f Ea opeaçõe defnem um epaço eoal? efque e o egune ubconjuno ão ubepaço de R a R } b R } c R } d R > } e R } f R} 4 efque e o conjuno olução do ema 4 é um ubepaço eoal de R 5 Ecea u como combnação lnea de e 6 O eo pode e eco como combnação lnea do eoe e? 7 Ecea p como combnação lnea de 4 q e 8 O conjuno } gea o R? 9 Deemne a equação do plano geado pelo eoe e 5 49

12 efque e o conjuno abao ão LI ou LD a 55} b } c 5} d } e } Moe que e u w} é LI enão u u w w} ambém é um conjuno LI Complee com edadeo ou Falo 4 ] é um plano no R que paa pela ogem ] é um plano no R que paa pela ogem n } é LD quando pelo meno um dee eoe é combnação lnea do dema } gea o R O conjuno 5} é LI e n } é LI enão qualque um do eu ubconjuno ambém é LI e odo ubconjuno pópo de n } é LI enão n } é LI Paa que aloe de o eoe e geam um epaço dmenonal? 4 Deemne uma bae e a dmenão do egune ubepaço de R a R e } b R } c R e } 5 Encone uma bae e a dmenão paa o conjuno olução do ema 4 6 Complee com edadeo ou Falo ] pou omene dua bae } e 4} 478} é bae de 478] Todo conjuno LI de eoe é uma bae de eu ubepaço geado 5} é bae do R 4579} gea o R enão 45} 79} e 4579} ão bae do R e ] R enão quaque ê eoe dee conjuno fomam uma bae do R 4 Um conjuno com ê eoe do R é bae do R Um conjuno com ma do que ê eoe do R não eá uma bae do R } é bae do R Qualque bae de um epaço eoal em empe o memo númeo de elemeno } é bae do R quando ] ejam um epaço eoal n-dmenonal e o conjuno } n LI Enão n } é bae de qualque que eja o eo e dm n enão qualque conjuno LI com n eoe é uma bae de } gea R Todo conjuno geado de um epaço eoal é uma bae paa e 4] enão dm 5

13 7 Moe que a oma de ubepaço é ambém um ubepaço 8 Deemne o ubepaço neeção e o ubepaço oma paa o cao abao ndcando quando a oma é dea a R } e R } b R } e R } 9 ejam R } e ] Deemne e ndcando uma bae e a dmenão em cada um do cao eja e a bae 75 6} Indque ] Condee } uma bae paa o R Encone a coodenada de 5 em elação a ea bae eja } e Deemne endo } uma bae paa o R e ] Encone: 5 a coodenada de na bae canônca b coodenada de na bae 5 } 4 Encone a coodenada do eo Ma R em elação à bae 5 Dada a bae do R } e } a Deemne I] b Condee ] Calcule ] 6 Condee a bae 6 } e } a cha a ma mudança de bae de paa b Dado 58 5 calcule ] 7 eja I ] e } Deemne a bae 8 eja a ma mudança de bae de paa Deemna a bae abendo que } 5

14 9 abendo que u u} e w w} ão bae do R a que: ] w u u e w u u deemne ] Condee } e } Deemne a mae mudança de bae Repoa Nenhum é epaço eoal abd Não cef m 8 a 5 } R R R R b } Nenhum é oma dea 7 9 R} bae : 7}e dm R bae : }e dm 5 4 Não ] m e p q a ] b ] ] 6 ade LI 5a I] bc LD b ] FFFF 6a I ] b ] 6 ou 7 84} a bae : }e dm b bae : }e dm 8 } 5

15 5 c bae : }e dm 5 bae : } 5 5 dm 9 ] 6 FFFFFFFFF ] I e ] I

16 pêndce Teoema Teo O elemeno neuo é únco Demonação po Redução ao budo R ' ' upondo que o elemeno neuo não é únco o é eem ambo elemeno neuo ' ' po E é elemeno neuo à dea ' ' po E é elemeno neuo à equeda ' Enão Conadção! Logo ó ee um elemeno neuo paa a opeação de adção em Teo Le do Coe ou Le do Cancelameno Paa quaque u w e u w enão u w dem: Po hpóee u w Pelo aoma E4 u w Po E u w Po E4 u w Po E u w Teo O elemeno méco é únco Teo4 Paa quaque u e u enão u dem: Po hpóee u Pelo aoma E m u Pela Le do Coe u Teo5 Paa quaque u e u enão u Teo6 Paa odo dem: Condee o eo po E8 po E6 é o elemeno neuo da adção em R po E8 po E m Pela Le do Coe Teo7 Paa odo R dem: Condee o eo po E6 po E po E 54

17 m Pela Le do Coe Teo8 Paa odo e paa odo R dem: R upondo que e po E8 po hpóee e pela eênca de elemeno neo em R po E5 po hpóee pela Teo5 m Conadção! Logo Cooláo8 Paa odo e paa odo R e enão ou Teo9 Paa odo dem: Condee o eo po E8 po E6 é o elemeno neuo da adção em R po E8 m Enão Pela Le do Coe Teo Paa odo e paa odo n N } n oma com n pacela Demonação uando ndução em n ae: Paa Po E8 Pao: Hpóee de Indução upo que ale a gualdade paa N > o é 44 4 pacela ale a gualdade paa? po E6 po E8 po hpóee de ndução po E pacela 55

18 44 4 pacela m 44 4 pacela Logo ale a gualdade paa odo n N } Teo Todo ubepaço eoal é um epaço eoal Teo e } enão ] é um ubepaço eoal de Teo ejam } e e é uma combnação lnea do eoe enão ] ] dem: ] ]? com R eja u ] qualque Enão u l l l com l l R ubundo em u l l l po E7 l l l l po E5 e E l l l l po E l l l l po E6 l l l l pelo fechameno da mulplcação e da adção em R m m com m m R m u m m com m m R Logo u ] ] ]? eecíco Teo4 ejam } e u u u} ] u u u ] e e omene e cada um do eoe do conjuno } é uma combnação lnea do eoe u u u e cada um do eoe do conjuno u u u} é uma combnação lnea do eoe Teo5 eja } é lneamene ndependene Teo6 eja } e paa algum enão } é lneamene dependene dem: Paa qualque R Logo o conjuno } é LD Teo7 eja } O conjuno } é lneamene dependene e e omene e pelo meno um dee eoe é combnação lnea do dema dem: e } é lneamene dependene enão pelo meno um dee eoe é combnação lnea do dema? 56

19 Enão ee um R com ] Pelo E4 e o Teo7 Mulplcando ambo o lado da gualdade po R Po E5 E7 e popedade em R Po E5 Po E8 e popedade em R m m m m m Logo com ] é combnação lnea do dema eoe e pelo meno um dee eoe é combnação lnea do dema enão } é lneamene dependene? eja ee eo com ] m Enão Logo } é lneamene dependene Cooláo7 ejam } e e } é lneamene ndependene e } é lneamene dependene enão é uma combnação lnea do eoe dem: } é LD Pelo Teo7 pelo meno um dee eoe é combnação lnea do dema Ma } é LI Logo ee eo é o eo Teo8 eja } al que e é lneamene dependene enão } é lneamene dependene dem: eja } qualque } com } paa odo p p é LD Pela Teo7 ee j Ma } j que é combnação lnea do dema eoe de 57

20 Enão j } que é combnação lnea dee eoe Logo } é LD Teo9 ejam } um conjuno lneamene ndependene e l l R e l l enão l paa odo Cooláo9 eja n } e n } é uma bae de enão odo eo pode e eco de foma únca como combnação lnea do eoe n da bae Teo eja } O conjuno } é lneamene ndependene e e omene e nenhum dee eoe é combnação lnea do dema Cooláoa eja u} O conjuno u} é lneamene ndependene e e omene e um eo não é múlplo ecala do ouo Cooláob eja } um conjuno lneamene ndependene e e ] enão } é um conjuno lneamene ndependene Teo eja } e } é lneamene ndependene enão qualque um de eu ubconjuno é lneamene ndependene Teo eja } e ] enão ee uma bae de al que } dem: e } é LI enão } é uma bae de e } é LD Enão pelo Teo7 ee } com ] al que: ] ] ] Pelo Teo ] ] Como po hpóee m e } é LI enão } é uma bae de Cao conáo ee poceo connua aé a obenção de um ceo conjuno } LI e al que ] m é uma bae do epaço eoal Cooláoa eja } e } gea o epaço eoal enão qualque conjuno de eoe de com ma do que elemeno é lneamene dependene Cooláob eja } e } gea enão qualque conjuno de eoe de lneamene ndependene em no mámo elemeno Teo eja } e } é lneamene ndependene enão pode-e eende o conjuno } a um conjuno bae de dem: e ] enão } é uma bae de 58

21 e ] Enão eja al que ] Pelo Coolb } é LI e ] enão } é uma bae de Cao conáo ee poceo connua aé a obenção de um ceo conjuno al que } é LI e ] m é uma bae do epaço eoal Teo4 ejam dm n e n} O conjuno n} é uma bae de e é lneamene ndependene ou e gea o epaço eoal Teo5 eja } uma bae do epaço eoal e u u u } m n e m > n enão o conjuno u u u } é lneamene dependene m u um e m < n enão o conjuno u } não gea o epaço eoal Teo6 Toda a bae de um epaço eoal pouem o memo númeo de eoe Teo7 Paa quaque ubepaço eoa dem: U U m U e U Logo U e U e U de U e U Teo8 Paa quaque ubepaço eoa Teo9 Paa quaque ubepaço eoa e U de U é um ubepaço eoal de e U de U é um ubepaço eoal de Teo eja é um ubepaço eoal de al que } Enão dm dm Teo e é a oma dea do ubepaço eoa e U enão odo eo é eco de manea únca na foma u com e u U dem: eca Como U Enão paa odo u paa algum e u U uncdade R upondo que eam ' ' e uu' Uu u' a que u e ' u' u ' u' po E4 u u ' ' u' u ' po E e E ' u u ' ' u' u po E4 ' u' u po E ' u' u Como ' Como U u' u U m ' U e u' u U Ma po hpóee U } Enão ' e u' u m ' e u' u Conadção! 59

22 Logo ale a uncdade Teo Teoema da Dmenão e e U ão ubepaço eoa de enão dm U dm dmu dm U dem: eja } uma bae do ubepaço neeção U Pelo Teo w w w } é uma bae do ubepaço u u u nalogamene } é uma bae do ubepaço U O ubepaço oma U w w u u ] eja Ma m Ma m U é geado pelo conjuno w w u u } o é l w l w m u m u m u m u l w l w m u m u m u m u U m u m u p p paa ceo p p p R m m m l w l w w w w é uma bae l l w w u u é LI w w u u é uma bae paa o ubepaço oma U Como u u u } é uma bae Enão ubundo em : Como } Tem-e Enão } Logo } m dm dmu dm U dm U Logo dm U dm dmu dm U Cooláo eja é um ubepaço eoal de e dm dm enão 6

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS. Moivaçõe Como vio o Regulado de Eado maném o iema em uma deeminada condição de egime pemanene, ou eja, ena mane o eado em uma dada condição eacionáia.

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO 13 CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PATÍCULA: OÇA E ACELEAÇÃO Nese capíulo seá aalsada a le de Newo a sua foma dfeecal, aplcada ao movmeo de paículas. Nesa foma a foça esulae das foças aplcadas uma paícula esá elacoada

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE TNSÕS CONTS TANSTÓAS TANSFOMADA D APAC PNCPAS SNAS NÃO SNODAS Degrau de ampliude - É um inal que vale vol para < e vale vol, conane, para >. Ver fig. -a. v (a) (b) v Fig. A fig. -b mora um exemplo da geração

Leia mais

GEOMETRIA DE POSIÇÃO.

GEOMETRIA DE POSIÇÃO. GEMETRI DE SIÇÃ. Geomeia de oição é a pae da Geomeia que euda a deeminação do elemeno geoméico, bem como a poiçõe elaiva e a ineeçõe dee elemeno no epaço. III - o dua ea paalela diina. IV - o dua ea concoene.

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

PARNAMIRIM - RN. Data: / / 2016

PARNAMIRIM - RN. Data: / / 2016 PARNAMIRIM - RN Aluno (a) Nº: 8º ano Tuma: Daa: / / 2016 NOTA: Eecício de evião de maemáica II Timee Pofeo (a): Joeane Fenande Agoa vamo coloca em páica o eu conhecimeno maemáico e udo o que eudamo em

Leia mais

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida.

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida. Diciplina de Fíica Aplicada A / Curo de Tecnólogo em Geão Ambienal Profeora M. Valéria Epíndola Lea. Aceleração Média Já imo que quando eamo andando de carro em muio momeno é neceário reduzir a elocidade,

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

Movimentos bi e tridimensional 35 TRIDIMENSIONAL

Movimentos bi e tridimensional 35 TRIDIMENSIONAL Moimenos bi e idimensional 35 3 MOVIMENTOS BI E TRIDIMENSIONAL 3.1 Inodução O moimeno unidimensional que imos no capíulo aneio é um caso paicula de uma classe mais ampla de moimenos que ocoem em duas ou

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Prova CONTROLE DE PROCESSOS Edial Nº. /9-DIPE de maio de 9 INSTRUÇÕES ERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Ue apena canea eferográfica azul ou prea. Ecreva o eu nome compleo e o número do eu documeno

Leia mais

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula.

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula. Probabldade e Etatítca I Antono Roque Aula Medda de Dperão A medda de tendênca central não ão ufcente para e caracterzar um conjunto de dado. O motvo é que ete varação na natureza, to é, dado que venham

Leia mais

Análise Matemática IV

Análise Matemática IV Análie Maemáica IV Problema para a Aula Práica Semana. Calcule a ranformada de Laplace e a regiõe de convergência da funçõe definida em 0 pela expreõe eguine: a f = cha b f = ena Reolução: a Aendendo a

Leia mais

4 Descrição de permutadores

4 Descrição de permutadores Aponameno de Pemuadoe de alo Equipameno émico 005 João Luí oe Azevedo 4 ecição de pemuadoe Nea ecção vão deceve-e o pincipai ipo de pemuadoe de calo de conaco indieco com anfeência dieca, ou eja, equipameno

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

O sistema constituído por um número infinito de partículas é vulgarmente designado por sólido.

O sistema constituído por um número infinito de partículas é vulgarmente designado por sólido. Capíulo CINEMÁTIC DE UM SISTEM DE PRTÍCULS. INTRODUÇÃO Po sisema de paículas, ou sisema de ponos maeiais, designa-se um conjuno finio ou infinio de paículas, de al modo que a disância ene qualque dos seus

Leia mais

é é ç í é é é ç ó çõ é ê á çã é çã é á á ã é í á ã ó É ã ê í á á é á ã â é ó é é ã é é é á é ã ó ã á é í á é ê ã

é é ç í é é é ç ó çõ é ê á çã é çã é á á ã é í á ã ó É ã ê í á á é á ã â é ó é é ã é é é á é ã ó ã á é í á é ê ã Ó é é ç ç ã éó éçéá éé çí é éé çóçõé ê á çã é çã é á á ã é í á ã óéãê íáá éáãâé ó é é ã éé éáé ãóã áéí á é ê ã çã é ã é çã ãíçãê éé ô í é çóã á ó ó é çãéã ú ê é á íô á ãé úóé çãçç óçãéééõé ççã çãôáíô éçé

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I ndade B 9 Capítulo Geadoes elétcos Seções: 91 Geado Foça eletomotz 92 Ccuto smples Le de Poullet 93 Assocação de geadoes 94 studo gáfco da potênca elétca lançada po um geado em um ccuto Antes de

Leia mais

CAPÍTULO 5: CISALHAMENTO

CAPÍTULO 5: CISALHAMENTO Curo de Engenaria Civil Univeridade Eadual de Maringá Cenro de Tecnologia Deparameno de Engenaria Civil CAPÍTULO 5: CSALHAMENTO 5. Tenõe de Cialameno em iga o Flexão Hipóee Báica: a) A enõe de cialameno

Leia mais

PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004

PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004 PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004 SUMÁRIO 1. INRODUÇÃO... 1 2. FONE DE DADOS... 1 3. PROJEÇÃO DO NÚMERO DE DOMICÍLIOS... 2 3.1 Mucípo emacpado em 2001... 5 3.2 População

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo (FETS) Símbolo. Função Controlar a corrente elétrica que passa por ele. Construção. n + n + I D função de V GS

Transistores de Efeito de Campo (FETS) Símbolo. Função Controlar a corrente elétrica que passa por ele. Construção. n + n + I D função de V GS Tansses de Efe de Camp (FET) Cm n cas d TBJ, a ensã ene ds emnas d FET (feld-effec anss) cnla a cene que ccula pel ece emnal. Cespndenemene FET pde se usad an cm amplfcad quan cm uma chae. O nme d dsps

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

Análise da estabilidade termodinâmica através do método do conjunto gerador

Análise da estabilidade termodinâmica através do método do conjunto gerador Análse da esabldade emodnâmca aavés do méodo do conjuno geado Jovana Sao de Souza Unvesdade Fedeal Flumnense- Depaameno de Educação Maemáca 28470 000, Sano Anôno de Pádua, RJ E-mal: jovana@nfesuffb Luz

Leia mais

a) Calcule a força medida pelo dinamômetro com a chave aberta, estando o fio rígido em equilíbrio.

a) Calcule a força medida pelo dinamômetro com a chave aberta, estando o fio rígido em equilíbrio. UJ MÓDULO III DO PISM IÊNIO - POA DE ÍSICA PAA O DESENOLIMENO E A ESPOSA DAS QUESÕES, SÓ SEÁ ADMIIDO USA CANEA ESEOGÁICA AZUL OU PEA. Na olução da proa, ue, uando neeário, g = /, = 8 /, e = 9 - kg, π =.

Leia mais

C são matrizes que satisfazem

C são matrizes que satisfazem Eercícos de Álgebra Lnear Prof: José ndré UNIPLI - 9 () Construa as guntes matrzes: a) tal que por a b) tal que < > a a a. () Consdere a rede de telecomuncações com nós e coneões reprentada abao: a) Escreva

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

GEOMETRIA PLANA 1 - INTRODUÇÃO 2 - NOÇÕES PRIMITIVAS 3 - NOTAÇÕES 4 - ÂNGULO

GEOMETRIA PLANA 1 - INTRODUÇÃO 2 - NOÇÕES PRIMITIVAS 3 - NOTAÇÕES 4 - ÂNGULO GEOETRI L 1 - ITROUÇÃO Geomeia é uma palava de oigem gega e que ignifica medida de ea. Geomeia, como um do amo da aemáica, euda a figua geoméica e ua popiedade. O conceio peviamene eaelecido, em Geomeia,

Leia mais

Campo magnético criado por uma corrente eléctrica e Lei de Faraday

Campo magnético criado por uma corrente eléctrica e Lei de Faraday Campo magnéico ciado po uma coene elécica e Lei de Faaday 1.Objecivos (Rev. -007/008) 1) Esudo do campo magnéico de um conjuno de espias (bobine) pecoidas po uma coene elécica. ) Esudo da lei de indução

Leia mais

5 Cálculo do Diâmetro e Espaçamento entre Estribos Utilizando a Formulação Proposta

5 Cálculo do Diâmetro e Espaçamento entre Estribos Utilizando a Formulação Proposta 5 Cácuo do Diâmero e Epaçameno enre Erio Uiizando a Formuação ropoa 5.1. Inrodução Nee capíuo apreena-e um criério para o cácuo do diâmero e epaçameno enre erio aravé da formuação propoa e comparam-e o

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física esão pelna 4 de julho de Noas de Aula de ísca. COLSÕES... O QUE É UA COLSÃO... ORÇA PULSA, PULSO E OENTO LNEAR... ORÇA PULSA ÉDA... CONSERAÇÃO DO OENTO LNEAR DURANTE UA COLSÃO... COLSÃO ELÁSTCA E UA DENSÃO...4

Leia mais

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Fíica Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Introdução: Ao uarmo uma chave de roda para retirar o parafuo para trocar o pneu de um automóvel, a roda inteira pode

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE DERIVATIVOS: SEGMENTO BM&F

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE DERIVATIVOS: SEGMENTO BM&F MAUAL DE ADMIISRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE DERIVAIVOS: SEGMEO BM&F Maço 0 Págna ÍDICE. IRODUÇÃO... 4. CÁLCULO DE MARGEM DE GARAIA... 6.. MEOOGIAS DE CÁLCULO DE MARGEM DE GARAIA... 7.. PRICIPAIS COCEIOS

Leia mais

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a:

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a: PROVA DE MATEMÁTICA - TURMA DO o ANO DO ENINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-A - JUlHO DE. ELAORAÇÃO: PROFEORE ADRIANO CARIÉ E WALTER PORTO. PROFEORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUETÃO Considere os conjunos A { R

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO DE BENDERS PARA PROGRAMAÇÃO MISTA E APLICAÇÕES AO PROBLEMA DE ESTOQUE E ROTEIRIZAÇÃO

DECOMPOSIÇÃO DE BENDERS PARA PROGRAMAÇÃO MISTA E APLICAÇÕES AO PROBLEMA DE ESTOQUE E ROTEIRIZAÇÃO v. n. : pp.-6 5 ISSN 88-448 evsa Gesão Indsal DECOMPOSIÇÃO DE BENDES PAA POGAMAÇÃO MISTA E APLICAÇÕES AO POBLEMA DE ESTOQUE E OTEIIZAÇÃO BENDES DECOMPOSITION FO INGEGE POGAMMING AND ITS APLICATIONS IN

Leia mais

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS INTROUÇÃO S QUÇÕS IFRNIIS PRIIS. INTROUÇÃO Porqe esdar as qações ferencas Parcas? Smplesmene porqe a maora dos fenômenos físcos qe ocorrem na nareza são descros por eqações dferencas parcas como por eemplo:

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

CONTROLE LINEAR I. Parte A Sistemas Contínuos no Tempo PROF. DR. EDVALDO ASSUNÇÃO PROF. DR. MARCELO C. M. TEIXEIRA -2013-

CONTROLE LINEAR I. Parte A Sistemas Contínuos no Tempo PROF. DR. EDVALDO ASSUNÇÃO PROF. DR. MARCELO C. M. TEIXEIRA -2013- CONTROLE LINEAR I Pare A Siema Conínuo no Tempo PROF. DR. EDVALDO ASSUNÇÃO PROF. DR. MARCELO C. M. TEIXEIRA -03- AGRADECIMENTOS O auore deejam agradecer ao aluno Pierre Goebel, que em uma arde de verão

Leia mais

Modelo Intertemporal da Conta Corrente: Evidências para o Brasil. Resumo

Modelo Intertemporal da Conta Corrente: Evidências para o Brasil. Resumo Modelo Ineempoal da Cona Coene: Evidência paa o Bail Reumo Nelon da Silva * Joaquim P. Andade ** Nee abalho eguimo o pocedimeno de Campbell (987) paa ea a popoição paa o cao baileio de que a cona coene

Leia mais

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2 Fíica Báica: Mecânica - H. Moyé Nuenzveig, 4.ed, 003 Problea do Capítulo por Abraha Moyé Cohen Departaento de Fíica - UFAM Manau, AM, Brail - 004 Problea Na célebre corrida entre a lebre e a tartaruga,

Leia mais

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO L IRUITOS LÉTRIOS 8 UNIFI,VFS, Re. BDB PRT L IRUITOS LÉTRIOS NGNHRI D OMPUTÇÃO PÍTULO 5 PITORS INDUTORS: omporameno com Snas onínuos e com Snas lernaos 5. INTRODUÇÃO Ressor elemeno que sspa poênca. 5.

Leia mais

Acção da neve: quantificação de acordo com o EC1

Acção da neve: quantificação de acordo com o EC1 Acção da neve: quanificação de acordo com o EC1 Luciano Jacino Iniuo Superior de Engenharia de Liboa Área Deparamenal de Engenharia Civil Janeiro 2014 Índice 1 Inrodução... 1 2 Zonameno do erriório...

Leia mais

SAMUEL V. DIAS 1, PAULO J. GONÇALVES 2, LAURINDA L. N. DOS REIS 2, JOSÉ C. T. CAMPOS 2

SAMUEL V. DIAS 1, PAULO J. GONÇALVES 2, LAURINDA L. N. DOS REIS 2, JOSÉ C. T. CAMPOS 2 CONTROE DE POTÊNCIA ATIVA E REATIVA AUTOCOMPENSADA UTIIZANDO TOPOOGIA DE CONVERSORES SIMPIFICADA APICADO A UM GERADOR EÓICO DUPAMENTE AIMENTADO SAMUE V. DIAS, PAUO J. GONÇAVES, AURINDA. N. DOS REIS, JOSÉ

Leia mais

! "#" $ %&& ' ( )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36 " #89 : /&*&

! # $ %&& ' ( )%*)&&&& +,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36  #89 : /&*& ! "#" %&& ' )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) 3 4 5 6 7 36 " #89 : /&*& #" + " ;9" 9 E" " """

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

CONTROLE VETORIAL DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO APLICADO EM SISTEMAS DE POSICIONAMENTO

CONTROLE VETORIAL DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO APLICADO EM SISTEMAS DE POSICIONAMENTO Unedade Fedeal da Paaíba Cento de Tecnoloa PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - Metado - Doutoado CONTROLE VETORIAL DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO APLICADO EM SISTEMAS DE POSICIONAMENTO

Leia mais

Análise de uma Fila Única

Análise de uma Fila Única Aálise de ua Fila Úica The A of oue Syses Pefoace Aalysis Ra Jai a. 3 Fila Úica O odelo de filas ais siles coé aeas ua fila Pode se usado aa aalisa ecusos idividuais e siseas de couação Muias filas ode

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

OPÇÕES FINANCEIRAS - Exame

OPÇÕES FINANCEIRAS - Exame OPÇÕES FINANCEIRAS - Exame (esolução) /4/6 . (a) Aendendo a que e aplicando o lema de Iô a ln S, enão ST ln q S ds ( q) S d + S d ~ W ; Z T + d W ~ u ; () sendo : T. Na medida de pobabilidade Q, o valo

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

λ =? 300 m/ n = 3ventres nv = 3.300 = 2.6 2.6

λ =? 300 m/ n = 3ventres nv = 3.300 = 2.6 2.6 PROVA DE ÍSICA º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A 01) E relação ao que oi etudado obre ondulatória, ainale V (erdadeiro) ou (alo). (V) A elocidade de ua onda é igual ao produto do copriento de onda

Leia mais

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo de Ccutos Elétcos Pof. Macelo aatto EXPEIÊNCI No. - ssocação de esstoes Nome do luo N 0 de matícula FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

Equações de Conservação

Equações de Conservação Eqaçõs d Consação Toma d Tanspo d Rnolds Eqação d Consação d Massa (conndad) Eqação d Consação d Qandad d Momno Lna ( a L d Non) Eqação d Na-Soks Eqação d Enga Mcânca Eqação d Consação d Qandad d Momno

Leia mais

GPS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Curso de Engenharia Cartográfica. Professor Dr. SÍLVIO ROGÉRIO CORREIA DE FREITAS HENRY MONTECINO

GPS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Curso de Engenharia Cartográfica. Professor Dr. SÍLVIO ROGÉRIO CORREIA DE FREITAS HENRY MONTECINO UNIVERSIDDE FEDERL DO PRNÁ Cuo de Engenhaia Caogáfica GPS Pofeo D. SÍLVIO ROGÉRIO CORREI DE FREITS luno HENRY MONTECINO MRLY TEREZINH QUDRI SIMÕES D SILV NVSTR-GPS (NVigaion Saellie wih Time nd Ranging)

Leia mais

LINGUAGENS EM CENA - 2011 IMAGENS, SONS E LETRAS: UMA AVENTURA LITERÁRIA NO JARDIM DE J. G. DE ARAÚJO JORGE

LINGUAGENS EM CENA - 2011 IMAGENS, SONS E LETRAS: UMA AVENTURA LITERÁRIA NO JARDIM DE J. G. DE ARAÚJO JORGE Bom dia, amigo Prof Alexandre Soare e Bruno Baião Meu caminho Muita veze traçamo noo plano e o ecrevemo obre a areia, colocamo noa vida e força em certa direçõe. Ma quando meno eperamo, uma onda, um vento

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica;

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica; Rede de Computadore Rede Locai Shielded Twited Pair (STP); Unhielded Twited Pair (UTP); Patch Panel; Cabo Coaxial; Fibra Óptica; 2 2010 Airton Junior. All right reerved. Rede de Computadore É um conjunto

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Ângulo é a figura formada pela união dos pontos de duas semirretas com origem no mesmo ponto.

Ângulo é a figura formada pela união dos pontos de duas semirretas com origem no mesmo ponto. uo de linguagem maemáica Pofeo Renao Tião Ângulo Ângulo é a figua fomada pela união do pono de dua emiea com oigem no memo pono. = ou implemene. Q P é o véice, e ão o lado e é a medida do ângulo. P peence

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA CONHECIENTOS BÁSICOS ATEÁTICA Para repoder à quetõe de o e, utilize o dado da tabela abaixo, que apreeta a freqüêcia acumulada da idade de 0 jove etre 4 e 0 ao. Idade (ao) Freqüêcia Acumulada 4 5 4 6 9

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/13472 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

Alinhamento de Três Pontos

Alinhamento de Três Pontos ANO 0 DISIPLINA: Matemática PROFESSORA): Adiano Lima SERIE/TURMA: o Ano VALOR: ATIVIDADE TRABALHO PROVA PARIAL PROVA FINAL REUPERAÇÃO ETAPA: a Etapa SUPERVISORA: Lânia Rezende DATA: NOTA ALUNOA): N. o

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

suur 03) (UPE 2007) Na figura abaixo a reta tangencia, em N, o círculo que passa por L, suur

suur 03) (UPE 2007) Na figura abaixo a reta tangencia, em N, o círculo que passa por L, suur Eta Geometia Plana Pof Eweton Paiva 01) (UFF 007) fim de elaboa um elemento de ua oba de ate, um eculto ua um pedaço de aame e contói uma cicunfeência, confome mota a figua P b) Pove que med(» ) med( E»

Leia mais

Índices Físicos ÍNDICES

Índices Físicos ÍNDICES Ínice Fíico ÍNDICES = volume oal a amora; = volume a fae ólia a amora; = volume a fae líquia; a = volume a fae aoa; v = volume e vazio a amora = a + ; = peo oal a amora ; a = peo a fae aoa a amora; = peo

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelmna 4 de setembo de Notas de Aula de Físca. OTAÇÃO... AS VAÁVES DA OTAÇÃO... Posção angula... Deslocamento angula... Velocdade angula... 3 Aceleação angula... 3 OTAÇÃO COM ACELEAÇÃO ANGULA CONSTANTE...

Leia mais

Unidade Símbolo Grandeza

Unidade Símbolo Grandeza Unidade Prefixo Noe Síbolo Fator Multiplicador Noe Síbolo Fator Multiplicador exa E 10 18 deci* d 10-1 peta P 10 15 centi* c 10 - tera T 10 1 ili* 10-3 giga* G 10 9 icro* 10-6 ega* M 10 6 nano n 10-9 quilo*

Leia mais

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma Introdução A tranformada de Laplace pode er uada para reolver equaçõe diferencia lineare com coeficiente contante, ou eja, equaçõe da forma ay + by + cy = ft), para a, b, c R Para io, a equação diferencial

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CAOR II Prof. Eduardo C. M. oureiro, DSc. MECANISMOS FÍSICOS T T at A condenação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida a vaore inferiore ao de ua temperatura de aturação. Em

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Internet: http://rolvera.pt.to ou http://sm.page.vu Escola Secundára Dr. Ângelo Augusto da Slva Matemátca.º ano Números Complexos - Exercícos saídos em (Exames Naconas 000). Seja C o conjunto dos números

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Linhas de Campo Magnético

Linhas de Campo Magnético Linha de Campo Magnético Popiedade da Linha de Campo Magnético Não há evidência expeimental de monopolo magnético (pólo iolado) Etutua magnética mai imple: dipolo magnético Linha de Campo Magnético ão

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA CAPÍTULO 5 A COMPONENTE IMÉTICA INTANTÂNEA E A MÁQUINA IMÉTICA 5. INTODUÇÃO O emprego das componentes smétrcas nstantâneas permte a obtenção de modelos mas smples que aqueles obtdos com a transformação

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca ndade Capítulo 9 Geadoes elétcos esoluções dos execícos popostos 1 P.19 Dados: 4 ; 1 Ω; 0 a) 0 4 1 4 b) Pot g Pot g 4 4 Pot g 96 W Pot º Pot º 0 4 Pot º 80 W Pot d Pot g Pot º Pot d 96 80 Pot

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

17. (PUC-SP)Se a 16. 19. (GV) Se x 3200000 e y 0, 00002, calcule o valor do produto x. y.

17. (PUC-SP)Se a 16. 19. (GV) Se x 3200000 e y 0, 00002, calcule o valor do produto x. y. Um navio dipõe de eeva uficiente paa alimenta homen duante dia, ma ecebe obevivente de um naufágio eeva de alimento daão paa no máimo quanto dia? LIST 0 XRÍIOS GOMTRI PLN PROF ROGRINHO º nino Médio (Razão

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais