2 Programação Matemática Princípios Básicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 Programação Matemática Princípios Básicos"

Transcrição

1 Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever os algormos de omzação ulzados. Em problemas ípcos de engenhara, podem ser obdas váras, ou possvelmene nfnas, soluções. Em um problema de omzação deseja-se ober um projeo ómo, maxmzando ou mnmzando uma função a qual denomnamos função objevo. Iso deve ser realzado aravés da deermnação dos parâmeros que defnem o ssema. Eses parâmeros são chamados de varáves de projeo. Na maora dos problemas enconraremos resrções mposas para que o projeo seja admssível ou vável, devdo às les físcas da naureza, les polícas, lmações de orçameno, ec. A Programação Maemáca é a dscplna que esuda a mnmzação de funções em problemas com ou sem resrções. Maemacamene, eses problemas são enuncados como: Mnmzar f ( x ) n x R sujeo a c ( x )= =... l c ( x) = l+... m l x x u x =... n (.) onde x é um pono do R n sobre o qual são mposos os lmes mínmos e máxmos (resrções laeras), f ( x ) é a função a ser mnmzada e as funções c ( x ) represenam as resrções de gualdade e desgualdade. Assume-se que ano a função objevo quano as resrções são funções conínuas no n R. Em geral, elas são funções não-lneares e mplícas das varáves ( x ) que defnem o problema.

2 Programação Maemáca - Prncípos Báscos Um pono que sasfaça odas as resrções é denomnado um pono vável e o conjuno de odos os ponos que sasfaçam odas as resrções é conhecdo como regão vável. Uma resrção de desgualdade defne uma fronera que dvde o n R em uma regão vável e oura nvável. Quando um pono esá sobre esa fronera, a resrção é da ava; quando um pono esá no neror da regão vável, a resrção esá nava e, quando um pono esá fora desa regão, à resrção esá volada.. Condções de Ómo A solução x do problema enuncado em (.) em que necessaramene aender as condções de Kuhn-Tucker enuncadas por: Lx x (, λ ) = c ( x ) = =... l ( ) c x = l+... m λ = l+... m λ c ( x ) = (.) onde Lx (, λ ) é a função Lagrangana dada pela expressão a segur: (, ) = ( l ) + λ ( ) = Lx λ f x c x (.3) onde λ são os mulplcadores de Lagrange assocados às resrções no pono solução do problema. As condções de Kuhn-Tucker são ambém conhecdas como condções de prmera ordem. Para deermnadas classes de problemas de programação maemáca as condções de Kuhn-Tucker são sufcenes para a deermnação de uma solução óma global. São ncluídos nessas classes os problemas de programação convexa, as como os de programação lnear e quadráca. O problema de programação convexa é caracerzado por função objevo e resrções convexas. x,

3 Programação Maemáca - Prncípos Báscos Porém, se o problema não é de programação convexa, o que é mas comum, as condções de prmera ordem não são mas sufcenes para a deermnação da solução óma global, devendo ser verfcada a condção de segunda ordem, expressa na equação (.4) a segur dwd, d da = (.4) al que onde a = c ( x ) para odas as resrções avas e W = Lx ( ) é a Hessana da função Lagrangana. O que sgnfca que ómo para qualquer dreção esaconára d. W em.3 Forma Geral dos Algormos de Omzação x é posva defnda no pono Para resolver um problema de omzação, além dos algormos dos evoluconáros, exsem dversos algormos de programação maemáca que são defndos de acordo com as caraceríscas da função-objevo e das resrções. Assm, os problemas de omzação podem se dvdr em dferenes formas, como mosra a Tabela.. TABELA. Dvsão dos problemas de Programação Maemáca Tpos de Omzação f (x) c (x) Programação Lnear lnear lnear Programação Quadráca quadráca lnear Programação Não-Lnear lnear / não-lnear não-lnear / lnear Algormos de omzação para problema de programação lnear e programação quadráca êm solução em um número fno de passos, já os algormos de programação não-lnear podem não er solução em um número fno de passos, mas espera-se que a seqüênca gerada convrja (no lme) para um mínmo local. Porano, um problema adconal no processo de omzação ocorre quando a função objevo e as resrções são funções não-lneares do veor de varáves de projeo, n x R. Os algormos de programação não-lnear, resra e rresra, são procedmenos eravos em que novos ponos x são gerados a parr do pono correne x aravés da expressão:

4 Programação Maemáca - Prncípos Báscos x = x + d (.5) Assm, os algormos podem ser dvddos em duas eapas prncpas: a prmera eapa é a deermnação da dreção de busca d e a segunda é a avalação do parâmero escalar, que represena o amanho do passo a ser dado ao longo da dreção de busca. A parr da expressão (.5) dversos algormos podem ser consruídos ulzando dferenes écncas para a deermnação da dreção de busca e do amanho do passo. Os algormos de PM podem ser classfcados de acordo com a ordem da dervação da função objevo e das resrções ulzadas para a deermnação da dreção de busca. Desa forma, um algormo é do de prmera ordem se ulzar apenas os gradenes da função objevo e das resrções para calcular a dreção de busca. Por ouro lado, se o algormo ulza nformações sobre as Hessanas desas funções, enão ele é do de segunda ordem..4 Méodo de Newon para Problemas de Omzação sem Resrção O méodo de Newon ulza a nformação de segunda ordem da função a omzar. Assm, a sua convergênca é quadráca. Com al propóso a função f ( x ) é expandda aé a segunda ordem, ou seja, a expansão de Taylor em orno do pono x será: se e f ( x) = f( x ) + f( x )( x- x ) + ( x- x ) f( x )( x- x ) (.6) d= x = ( x- x ) x= d + x (.7) g = f ( x ) e = f ( x ) H (.8) Subsundo-se (.7) e (.8) em (.6), em-se f( + x ) = f( x ) + + d d g dhd (.9) onde d é o ncremeno de x, g é veor gradene de f e H, uma marz smérca posva defnda, é a hessana da função f no pono x. A equação (.9) é uma

5 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 3 equação quadráca cuja varável é d. Porano, o algormo de omzação procura deermnar um d al que f ( d + x) < f( x) em cada passo, ou seja, uma dreção de decréscmo em f, assm: mn f ( + x ) = mn( + H ) d d g d d (.) Escrevendo a condção de omaldade de (.) ( d f( d + x) = ), obémse: = - d H g (.) Assm, (.) fornece um mínmo global únco para a função aproxmadora de f. A únca desvanagem dese méodo é que os cálculos para a monagem da marz H solcam um grande esforço compuaconal, sobreudo em problemas com grande número de varáves. Os méodos Quase-Newon surgram para resolver esse problema sem perder as boas propredades de convergênca do méodo de Newon. Nesses méodos, uma aproxmação da Hessana (ou de sua nversa) é consruída a parr dos valores dos gradenes ao longo das erações. Esses méodos, dos quas o BFGS (Broyden - Flecher - Goldfarb - Shanno) é o mas popular, possuem convergênca superlnear e são amplamene ulzados em problemas de omzação..5 Busca Lnear A busca lnear é um procedmeno adoado ano nos algormos sem resrção como nos com resrção. Após a deermnação da dreção de busca d é necessáro calcular o amanho do passo a ser dado nessa dreção, a fm de se ober o novo veor das varáves de projeo em (.5). O amanho do passo é calculado fazendo-se uma mnmzação da função undmensonal p defnda aravés da expressão: p() = f(x + d ) (.)

6 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 4 A parr desa defnção, pode-se verfcar que: e p() = f(x ) (.3) f(x) df(x) p () = (.4) x d = onde p ndca a dervada em relação à. A busca lnear pode ser exaa ou aproxmada, dependendo do méodo ulzado para a mnmzação. A busca aproxmada é uma forma mas moderna, na qual o objevo é deermnar de forma que f apresene um cero nível de decréscmo, segundo um créro preesabelecdo, como: p () = f( x)+ γ d g, γ (,) (.5) De acordo com esa equação, o parâmero γ conrola o amanho do passo. Assm, um γ pequeno perme a ulzação de passos maores e a ulzação de um γ grande força a ulzação de passos pequenos. Uma forma basane popular de busca lnear é fazer uma aproxmação quadráca de p e calcular como o mínmo desa aproxmação, verfcando se a equação (.5) é sasfea. Se so não ocorrer, enão a aproxmação é aualzada ulzando o novo pono e o processo é repedo. Uma forma anda mas smples é o méodo de Armjo, no qual é gual ao prmero número da seqüênca {,α, α, α 3,...}, α (; ), para o qual p() sasfaz a condção (.5)..6 Programação Quadráca solução A Programação Quadráca (PQ) em como objevo deermnar o veor x do problema colocado na segune forma:: mnmzar q x + x Q x sujeo a a x = b =... l a x b = l+... m (.6)

7 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 5 onde a é uma marz que conem os coefcenes dos gradenes das resrções, b é o veor dos ermos ndependenes das resrções. Sendo Q uma marz posva defnda, o problema quadráco é convexo e pode-se garanr a exsênca de um únco mínmo local. A solução dese problema pode ser obda em rês eapas bem defndas (Ebol, 989 e Parene, ):. As l resrções de gualdade são elmnadas do problema dmnundo-se o número das varáves ndependenes para n - l, obendo-se um problema de programação quadráca (reduzda), chamado problema padrão de PQ, só com as resrções de desgualdade.. O problema quadráco reduzdo é ransformado em um Problema Lnear Complemenar (PLC), que pode ser resolvdo aravés de méodos de pvoeameno como o de Lemke. 3. Recupera-se a solução para o espaço orgnal com o cálculo das varáves elmnadas na prmera eapa, obendo-se os valores de x e λ..7 Algormo de Han-Powell - Programação Quadráca Seqüencal O algormo de omzação de Han-Powell proposo por Han em 976 e 977 e por Powell em 978 (Ebol, 989), fo mplemenado e aplcado a problemas de Engenhara Esruural no DEC/PUC-Ro por Ebol (989), Parene () e Farfán (). Ese algormo ulza a écnca de Programação Quadráca Seqüencal (PQS) aravés da resolução de um subproblema quadráco (PQ). O méodo de PQS pode ser consderado como o resulado da aplcação do méodo de Newon à mnmzação de uma aproxmação quadráca da função Lagrangana do problema. Ese méodo fornece a cada eração os veores d (correção de x) e λ (correção dos mulplcadores de Lagrange λ ), os quas aualzados são aproxmadores da solução x e. λ Ese fao pode ser demonsrado consderando o problema: mnmzar f ( x ) sujeo a c ( x )= (.7)

8 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 6 cuja função Lagrangana é dada por: Lx (, λ ) = f( x) + λ c( x) (.8) k k Desenvolvendo Lx (, λ ) em séres de Taylor em orno de ( x, λ ) aé a prmera ordem, obém-se k + k k+ k k+ k k k k d Lx ( + d, λ + λ ) = Lx (, λ ) + Lx (, λ ) k + λ (.9) Consderando k+ k+ k d = x x e = k + k + k λ λ λ e aplcando a condção de esaconaredade a (.9) no pono k k+ k k+ ( x + d, λ + λ ), resula: k + k k d k k Lx (, λ ) = Lx (, ) k + λ λ (.) ou, expresso marcalmene, como k k k+ k k k W A d g +A λ = k k+ k A λ c (.) Subsundo k + λ por k k+ λ + λ, em-se: k k k+ k W A d g = k k+ k A λ c (.) onde, k A é a marz dos gradenes das resrções, W k é a Hessana da Lagrangana, e g k é o gradene de f(x) sendo odos avalados no pono x k. A solução de (.) equvale à solução do subproblema de PQ (Ebol,989): mnmzar k g d+ k d W d k k sujeo a c + A d = (.3)

9 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 7 Ou seja, cada eração k da solução do problema orgnal é aproxmada pela solução do PQ obdo pela lnearzação das resrções e pela expansão quadráca de f em orno de x. Em problemas em que odas as resrções são de gualdade, a dreção de busca e os mulplcadores de Lagrange podem ser obdos pela solução do ssema de equações lneares gerado pelo méodo de Newon aplcado a Lagrangana do problema, como mosrado em (.). Para consderar o caso de resrções de desgualdade, pode-se resolver o problema geral de PM da segune forma (Ebol, 989): mnmzar f ( x ) sujeo a c ( x )= =... l c ( x) = l+... m (.4) defnndo uma dreção de busca d e uma nova esmava dos mulplcadores de Lagrange λ aravés da solução do PQ: k k Mnmzar g d+ d W d sujeo a k k c + a d = =... l k k c + a d = l+... m (.5) cujo méodo de solução fo vso na seção aneror..7. Eapas do Algormo Não-Lnear Han-Powell (PQS) As eapas que formam o algormo Han-Powell são (Parene, ):. Dado um pono ncal x e uma aproxmação da Hessana da função Lagrangana B, fazer k =. B é dada pela segune função: B = boi (.6) onde b o é um parâmero defndo pelo usuáro do algormo. O número de renícos da marz B é conrolado pelo parâmero n r defndo pelo

10 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 8 usuáro. Segundo Parene (), o reníco de B serve para descarar a nfluênca de ponos muo dsanes do pono correne.. Para k = k+, monar e resolver o problema de programação quadráca defndo pela equação (.5) deermnando os veores d k e λ k : Mnmzar sujeo a n g d d B d d R a d =... l k k + k k c + = k k c + a d = l+... m (.7) onde k c é o veor com as resrções, a k é uma marz com o gradene das resrções e k B é uma aproxmação da Hessana no pono 3. Verfcar os créros de convergênca do algormo: k x. k k g d ol k max( c ) ol (.8) onde o prmero créro represena a varação da função objevo na dreção d k e o segundo créro verfca explcamene o valor da resrção mas volada. Verfcar ambém os créros de parada as como: número de avalações da função objevo e número de erações. 4. Se os créros de convergênca e/ou os de parada não são aenddos, fazse enão uma busca lnear undmensonal para deermnar o amanho do passo k, na dreção d k de forma que o novo esmador da solução k k k k x = x + d seja um pono que conrbua para o decréscmo da função objevo. A busca é fea sobre a função de penaldade (p), consruída no nuo de mpor um alo cuso à volação das resrções. Esa função é defnda pela expressão: l = = l+ [ ] p ( ) = px ( + d ) = f( x) + rc( x) + rmax c( x), (.9) m

11 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 9 onde os r são os faores de penaldades. A busca é aproxmada, so é a solução não é o mínmo de p( ), mas aende a um cero decréscmo pré-espulado em p( ) consderado sasfaóro. O coefcene de decréscmo da função é dado pelo parâmero γ defndo pelo usuáro. 5. Aualzação da marz B k do subproblema quadráco aravés do méodo BFGS. 6. Reorno à eapa..8 Méodo dos Ponos Inerores O algormo de Ponos Inerores (PI) fo mplemenado e aplcado a problemas de Engenhara Esruural no DEC/PUC-Ro por Parene (). O algormo ulzado nese rabalho basea-se na aplcação do méodo de Newon para a solução do ssema de equações não-lneares obdas a parr da aplcação das condções de Kuhn-Tucker do problema de omzação (Herskovz, 995). Nese rabalho, apenas o algormo para resrções de desgualdade será dscudo, uma vez que os problemas de projeo ómo a serem resolvdos não possuem resrções de gualdade. No enano, as mesmas déas aqu apresenadas ambém são váldas para os problemas que possuem smulaneamene resrções de gualdade e de desgualdade e podem ser vsas em mas dealhes em (Herskovz, 995; Herskovz & Sanos, 997). O méodo de Ponos Inerores em como caracerísca gerar uma seqüênca de ponos no neror da regão vável que converge para a solução do problema. Oura propredade mporane dese algormo é que cada um dos ponos nermedáros possu valores decrescenes da função objevo, ou seja, se por algum movo a convergênca não for alcançada o pono fnal é sempre vável. Consdere o problema de omzação: mnmzar f ( x ) sujeo a c ( x) =... m (.3) cujas condções de Kuhn-Tucker são:

12 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 3 m g+ λ a = = c x ( ) λ ( ) = c x λ (.3) Sendo A a marz dos gradenes das resrções e C uma marz dagonal conendo os valores das resrções, as duas prmeras equações podem ser escras como: g+ A λ = Cλ = (.3) Aplcando o méodo de Newon para resolver o problema acma, obém-se o ssema: d W A = ΛA C λ g (.33) Na equação acma, Λ é uma marz dagonal para a qual Λ = λ, d é a dreção de busca e λ é a esmava dos mulplcadores de Lagrange. Pode-se demonsrar que d é uma dreção de decréscmo de f e que d = se x for um pono esaconáro (Parene, ). A dreção de busca fornecda por (.33) nem sempre é uma dreção vável. Expandndo-se uma equação da pare nferor do ssema (.33), chega-se a: λ + cλ = ad (.34) Esa equação mplca que ad para odo al que c =. = Geomercamene, so sgnfca que d é angene às resrções avas, ndcando que a dreção apona para fora da regão vável. Uma solução para evar ese efeo é adconar uma consane negava do lado dreo da equação acma:

13 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 3 λ ad + c λ = ρλ (.35) onde λ é a nova esmava de λ. Ese procedmeno faz com que a dreção orgnal seja defleda, de um valor proporconal a ρ, para o neror da regão vável. Como a deflexão é proporconal a ρ e d é uma dreção de decréscmo de f, é possível enconrar lmes em ρ para que d ambém seja uma dreção de decréscmo. Ese objevo pode ser angdo mpondo-se que: g d k a g d (.36) para k a (; ). Em geral, a axa de decréscmo de f ao longo de d é menor que ao longo de d. No enano, ese é o preço a ser pago para se ober uma dreção de decréscmo vável. Consderando o ssema auxlar: d g = ΛA C λ λ W A (.37) é fácl mosrar que: e d=d + ρd (.38) λ = λ + ρλ (.39) Subsundo (.38) em (.36) chega-se a: g d ρ ( k a -) g d (.4) Defnda a dreção de busca d, é necessáro realzar uma busca lnear resra ao longo dessa dreção, de forma a garanr que o pono gerado eseja no neror da regão vável. Além dsso, é necessáro aualzar os valores dos mulplcadores de Lagrange de manera a assegurar a convergênca para a solução correa.

14 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 3.8. Eapas do Algormo de Ponos Inerores (PI) O algormo de Ponos Inerores para problemas de resrções de desgualdade necessa de um pono ncal vável x, uma esmava para os mulplcadores de Lagrange de forma que λ > e uma marz B smérca e posva defnda, que é uma aproxmação de W. O algormo pode ser dvddo nos segunes passos (Herskovs & Sanos, 997):. Ober a dreção de busca d: a) Deermnar os veores ( d, λ ) aravés da solução do ssema lnear defndo em (.33). b) Verfcar o créro de convergênca: d ol (.4) c) Deermnar os veores ( d, λ ) aravés da solução do ssema lnear defndo em (.37). d) Calcular o valor de ρ: se, enao ρ = mn k f,( ka ) / g d > d g d g d se gd, enao ρ = k f d (.4) sendo k f >. e) Calcular a dreção de busca d: e d=d + ρd (.43) λ = λ + ρλ (.44). Fazer uma busca lnear sobre d, deermnando o amanho do passo que sasfaça um créro sobre o decréscmo da função objevo e para o qual:

15 Programação Maemáca - Prncípos Báscos 33 c( x+ d), se λ c( x+ d) c( x), se λ < (.45) e o novo pono x: x = x + d (.46) 3. Aualzar a marz B, que é uma aproxmação da Hessana da função Lagrangana, aravés do méodo BFGS. 4. Defnr uma nova esmava para os mulplcadores de Lagrange: λ = max λ, k e d (.47) sendo k e >. 5. Fazer x gual a x e reornar ao passo. A aproxmação ncal e o reníco da Hessana da função Lagrangana são conrolados pelos mesmos parâmeros ulzados pelo algormo de Programação Quadráca Seqüencal..9 Implemenação Os algormos foram mplemenados em lnguagem FORTRAN-9 a parr dos códgos ulzados por Parene (), sendo a maora das ronas ranscras de C e ouras modfcadas de acordo com a adapação do programa aos demas módulos.

Programação Não Linear Irrestrita

Programação Não Linear Irrestrita EA 044 Planejameno e Análse de Ssemas de Produção Programação Não Lnear Irresra DCA-FEEC-Uncamp Tópcos -Inrodução -Busca undmensonal 3-Condções de omaldade 4-Convedade e omaldade global 5-Algormos DCA-FEEC-Uncamp

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia.

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia. - Teses Aelerados São de rande mporâna na ndúsra espealmene na ndúsra elero-elerôna em que eses de empos de vda demandam muo empo. (os produos são muo onfáves) Inorporação de uma arável-sress adonada a

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]:

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]: LS-DRAUGHTS - UM SISTEMA DE ARENDIZAGEM ARA DAMAS COM GERAÇÃO AUTOMÁ- TICA DE CARACTERÍSTICAS HENRIQUE CASTRO NETO, RITA MARIA SILVA JULIA Faculdade de Compuação, Unversdade Federal de Uberlânda Av. João

Leia mais

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos:

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos: (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC USTÃO ÍSIC sendo nula a velocdade vercal ncal v, devdo à equação (). Volando à equação () obemos:,8 ˆj ˆj b) Dado o momeno lnear da equação () obemos a velocdade na dreção

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

O díodo. Dispositivo de dois terminais

O díodo. Dispositivo de dois terminais eparameno de Engenhara Elecroécnca (EE) sposvo de dos ermnas Ânodo O díodo Cáodo Componene elemenar não-lnear ulzado em crcuos muo varados Aplcações: conversores de poênca AC/C recfcadores, processameno

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS INTROUÇÃO S QUÇÕS IFRNIIS PRIIS. INTROUÇÃO Porqe esdar as qações ferencas Parcas? Smplesmene porqe a maora dos fenômenos físcos qe ocorrem na nareza são descros por eqações dferencas parcas como por eemplo:

Leia mais

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

NUVENS HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC

NUVENS HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC UVES HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC Adrano Scremn Unversdade Federal do Paraná Deparameno de Engenhara Mecânca Cx. P. 90 853-900 Curba, PR, Brasl Resumo. Duare & Oden (996) desenvolveram recenemene

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja Omzação no Planeameno Agregado de Produção em Indúsras de Processameno de Suco Concenrado Congelado de Larana José Renao Munhoz Crova Agro Indusral Lda., 15800-970, Caanduva, SP (ose.munhoz@crova.com)

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

1 { COPPE{EE/UFRJ, Caixa Postal 68504, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, e-mail: vmcosta@embratel.net.br

1 { COPPE{EE/UFRJ, Caixa Postal 68504, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, e-mail: vmcosta@embratel.net.br MODELAGEM DE DISPOSITIOS DE CONTROLE NUMA FORMULAC ~AO AUMENTADA PARA FLUXO DE POT^ENCIA ander Menengoy da Cosa 1; Jose Luz R. Perera Nelson Marns 1 { COPPE{EE/UFRJ, Caxa Posal 6854, Ro de Janero, RJ,

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Controle Cinemático de Robôs Manipuladores

Controle Cinemático de Robôs Manipuladores Conrole Cnemáco de Robôs Manpuladores Funconameno Básco pos de rajeóra rajeóras Pono a Pono rajeóras Coordenadas ou Isócronas rajeóras Conínuas Geração de rajeóras Caresanas Inerpolação de rajeóras Inerpoladores

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton 9 CPÍTUL 4 DINÂMIC D PRTÍCUL: IMPULS E QUNTIDDE DE MVIMENT Nese capíulo será analsada a le de Newon na forma de negral no domíno do empo, aplcada ao momeno de parículas. Defne-se o conceo de mpulso e quandade

Leia mais

Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear

Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear Análse genéca de escores de avalação vsual 835 Análse genéca de escores de avalação vsual de bovnos com modelos bayesanos de lmar e lnear Carna Ubrajara de Fara (1), Cláudo Ulhôa Magnabosco (2), Lúca Galvão

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação Aálse de Efcêca Eergéca em Ssemas Idusras de elação Kleber Davd Belovsk, Déco Bspo, Aôo Carlos Delaba, Sérgo Ferrera de aula Slva Faculdade de Egehara Elérca da Uversdade Federal de Uberlâda UFU, Aveda

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO L IRUITOS LÉTRIOS 8 UNIFI,VFS, Re. BDB PRT L IRUITOS LÉTRIOS NGNHRI D OMPUTÇÃO PÍTULO 5 PITORS INDUTORS: omporameno com Snas onínuos e com Snas lernaos 5. INTRODUÇÃO Ressor elemeno que sspa poênca. 5.

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS INE 700 Aálse de Séres Temporas 4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS Sére Temporal é um cojuo de observações sobre uma varável, ordeado o empo, e regsrado em períodos regulares. Podemos eumerar os segues exemplos

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE Angela Crsna Morera da Slva UFRJ/COPPE - Unversdade Federal do Ro de Janero, Cenro de Tecnologa, Bloco F, sala 114, Cdade Unversára Ro

Leia mais

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira)

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira) Módulo : Méodos Numércos Equações dferencas ordnáras problemas de valores ncas e problemas de condções-fronera Modelação Compuaconal de Maeras -5. Equações dferencas ordnáras - Inrodução Uma equação algébrca

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan A economa políca dos fluxos de capas brasleros pós-plano Real Dvanldo Trches * Soraa Sanos da Slva ** Tle: The Polcal Economy of Brazlan Capal Flows afer he Real Plan RESUMO O presene esudo em como objevo

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

FEEC - UNICAMP. O Sistema Interligado Nacional: Políticas de Operação e suas Consequências

FEEC - UNICAMP. O Sistema Interligado Nacional: Políticas de Operação e suas Consequências FEEC - UNICAMP Campnas, mao de 28 O Ssema Inerlgado Naconal: Polícas de Operação e suas Consequêncas Secundno Soares Flho APRESENTAÇÃO 2 Ssema Elérco Braslero Geração Hdrelérca Geração Termelérca Dsponbldade

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Introdução à Computação Gráfica

Introdução à Computação Gráfica Inrodução à Compuação Gráfca Desenho de Consrução Naval Manuel Venura Insuo Superor Técnco Secção Auónoma de Engenhara Naval Sumáro Represenação maemáca de curvas Curvas polnomas e curvas paramércas Curvas

Leia mais