CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO)"

Transcrição

1 ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Ra Gravataí, 99 Rocha CEP Rio de Janeiro RJ CNPJ / IE Fone: (0xx21) ; Fax: (0xx21) CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO) MANUAL ÍNDICE PREFÁCIO 1.0 MEDIDOR DE GÁS SECO COMO PADRÃO DE CALIBRAÇÃO CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO PADRÃO RECALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO PADRÃO 3 8 Reponável: Joé Walderley Coêlho Dia ENERGÉTICA - Rio de Janeiro Data deta verão: 10/04/2011

2 PREFÁCIO Ete manal decreve o método de caliração do gaômetro por meio de gaômetro eco de referência (padrão). O método aplicado a gaômetro tilizado em coletore iocinético de polente atmoférico (CIPA), contrído egndo o método 5 da EPA, etá decrito formalmente na Seção 7 do 40 CFR Ch I ( edition), Pt. 60, App. A, página 705 a 709. O gaômetro de m CIPA tem ido tradicionalmente calirado contra m medidor de gá úmido (wet tet meter). Entretanto, há a alternativa de caliração por meio de gaômetro eco de referência, atando, para io, qe eja elecionado, calirado e ado de maneira adeqada, conforme decrito nete manal.

3 Pág MEDIDOR DE GÁS SECO COMO PADRÃO DE CALIBRAÇÃO Pode-e tilizar m gaômetro eco como padrão de caliração para mediçõe de volme, em titição ao gaômetro úmido epecificado na Seção 5.3, atando, para io, qe o gaômetro eja calirado inicialmente e recalirado periodicamente como ege: 2.0 CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO PADRÃO O gaômetro eco a er calirado e ado como medidor de referência ecndário deve er de alta qalidade e ter ma capacidade adeqadamente dimenionada, por exemplo, 3 litro por revolção. Um epirômetro (400 litro o mai de capacidade), o eqivalente, pode er ado para eta caliração, emora m gaômetro úmido eja geralmente mai prático. O gaômetro úmido deve ter ma capacidade de 30 litro por revolção e er capaz de medir volme dentro de ± 1,0 por cento. Para e aegrar a exatidão do gaômetro úmido, o memo deve er checado contra m epirômetro o m medidor de delocamento líqido. Pode-e ar epirômetro o gaômetro úmido de otro tamanho, contanto qe ejam mantida a exatidõe epecificada do procedimento. Monte o componente conforme motrado na Figra 5.7. Pode-e, no itema, ar m epirômetro, o eqivalente, em vez do gaômetro úmido. Lige a oma e deixe-a fncionar por pelo meno 5 minto, a ma vazão em torno de 10 litro/min, a fim de condicionar a perfície interna do gaômetro úmido. A perda de carga indicada pelo manômetro na extremidade da entrada do gaômetro eco deve er minimizada (não perior a 100 mm H 2 O a ma vazão de 30 litro/min). Conege-e io ando mangeira com diâmetro maior e conectore retilíneo. ÁLULAS DE CONTROLE TERMÔMETROS MANÔMETRO EM U Figra Configração do eqipamento para a caliração do medidor de gá eco Colete o dado conforme motrado no exemplo (ver Figra 5.8). Faça rodada em triplicata a cada ma da vazõe e a não meno do qe cinco diferente vazõe. A faixa da vazõe deve etar entre 10 e 34 litro/min o dentro da faixa previta de vazõe de operação.

4 DATA: IDENTIFICAÇÃO DO GASÔMETRO SECO: PRESSÃO BAROMÉTRICA: mm Hg TEMPERATURAS AZÃO OLUME GASÔMETRO SECO PESSÃO MÉDIA APROX. GASÔM. GASÔM. ENTRADA SAÍDA MÉDIA GASÔM. TEMPO AZÃO COEFIC. COEFIC. ÚMIDO ÚMIDO SECO GASÔM. GASÔM. (Q) ( ) ( ) (t ) (t e ) (t ) (t ) ( p) (θ) (Q) SECO. SECO L/min (m 3 ) (m 3 ) C C C C mm H 2 O min m 3 /min (Y) (Y) Q 0,3858 t P 273 Y P P ( t p t 13,6 273) 273 Figra 5.8 Exemplo de formlário de dado para caliração de m gaômetro eco padrão para eqipamento de amotragem pelo Método 5 Pág. 2

5 Pág. 3 Calcle a vazão, Q, para cada rodada em fnção do volme,, do gaômetro úmido e da dração da rodada, θ. Calcle o coeficiente de gaômetro eco, Y, para cada rodada. Ete cálclo ão o eginte: Q K Y 1 P t 273 P ( t 273) p P t ,6 onde K 1 = 0,3858 para o itema internacional de nidade = volme do gaômetro úmido, litro = volme do gaômetro eco, litro t = temperatra média do gaômetro eco, C t p = 273 C para nidade SI t = temperatra média do gaômetro úmido, C P = preão arométrica, mm Hg p = preão diferencial na entrada do gaômetro eco, mm H 2 O θ = tempo da rodada, min Compare o trê valore de Y a cada vazão e determine o valore máximo e mínimo. A diferença entre o valore máximo e mínimo a cada vazão não deve er maior do qe 0,030. Pode-e realizar otro conjnto de rodada em triplicata a fim de completar eta exigência. Além dio, o coeficiente do medidor devem etar compreendido entre 0,95 e 1,05. Cao eta epecificaçõe não poam er atendida em trê conjnto de rodada em triplicata ceiva, o medidor é coniderado inadeqado, não devendo er tilizado como padrão de caliração. Cao a epecificaçõe ejam atendida, tire a média do valore de Y a cada vazão, reltando então cinco coeficiente médio, Y. Prepare ma crva do coeficiente do medidor, Y, ver a vazão, Q, para o gaômetro eco. Eta crva deverá er ada como ma referência qando o medidor for tilizado para calirar otro gaômetro eco e para determinar e é neceária recaliração. 3.0 RECALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO PADRÃO Recalire o gaômetro eco padrão contra m gaômetro úmido o epirômetro, analmente o apó cada 200 hora de operação, o qe ocorrer primeiro. Eta exigência é válida contanto qe o gaômetro eco padrão eja mantido nm laoratório, e, qando tranportado, eja maneado como qalqer otro intrmento de laoratório. Falta de cidado no maneio do gaômetro padrão pode caar alteração na caliração, paando a reqerer recaliraçõe mai freqüente. Como alternativa à caliração completa, pode er feita ma verificação de doi ponto da caliração. Siga o memo procedimento e tilize a mema configração de eqipamento tilizado para a caliração completa, porém faça rodada a apena da vazõe (gere-e vazõe de 14 e 28 litro/min). Calcle o coeficiente do gaômetro para ete doi ponto, e compare o valore com a crva de caliração do gaômetro. Cao o doi coeficiente etejam dentro de ± 1,5 por cento do valore da crva de caliração, o gaômetro não precia de er recalirado até a próxima data de verificação de recaliração.

DUPLEXADORES PARA REPETIDORA DUPLEXADORES MÓVEIS FILTROS CAVIDADES

DUPLEXADORES PARA REPETIDORA DUPLEXADORES MÓVEIS FILTROS CAVIDADES DUPLEXADORES PARA REPETIDORA DUPLEXADORES MÓVEIS FILTROS CAVIDADES Ra Chamantá, 383 - V.Prdente - SP - Fone/Fax (11) 2020-0055 - internet: www.electril.com - e-mail: electril@terra.com.br DUPLEXADOR DE

Leia mais

ALGORITMOS PARA A DESCOBERTA DE SERVIÇOS WEB DESCRITOS EM OWL-S: ORDENAÇÃO DE SERVIÇOS USANDO FILTRAGEM COLABORATIVA

ALGORITMOS PARA A DESCOBERTA DE SERVIÇOS WEB DESCRITOS EM OWL-S: ORDENAÇÃO DE SERVIÇOS USANDO FILTRAGEM COLABORATIVA Anai do XV Encontro de Iniciação Cientíica da PUC-Campina - 6 e 7 de otbro de 010 ALGORITMOS PARA A DESCOBERTA DE SERVIÇOS WEB DESCRITOS EM OWL-S: ORDENAÇÃO DE SERVIÇOS USANDO FILTRAGEM COLABORATIVA Gilherme

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

A importância da metrologia química nos resultados das análises de resíduos

A importância da metrologia química nos resultados das análises de resíduos QUALIDADE EM CROMATOGRAFIA (QUALI) / PONTO DE VISTA A importância da metrologia qímica no reltado da análie de reído Flávio Leite Editor Ocar Bahia Filho TQW Conltoria em Qímica Analítica e Qalidade Piracicaba

Leia mais

[65, 187, 188, 189, 190]

[65, 187, 188, 189, 190] Anexo 12 Estimativa de Incertezas [65, 187, 188, 189, 190] 1. Introdção A estimativa da incerteza associada ao resltado de ma medição envolve vários passos: a especificação da grandeza em casa, a identificação

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

PLANO SIMPLES DE MANUTENÇÃO DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA ENERGÉTICA

PLANO SIMPLES DE MANUTENÇÃO DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA ENERGÉTICA ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (21) 2501-1998 / (21) 3797-9800 Fax: (21) 2241-1354 www.energetica.ind.br

Leia mais

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 0975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 9.341.583/0001-04 IE 8.846.190 Fone: (0xx1) 501-1998; Fax: (0xx1) 41-1354 www.energetica.ind.br METODO PARA A DETERMINACAO

Leia mais

REFLETÔMETRO M43D EEL (SMOKE STAIN RFLECTOMETER) MANUAL DE OPERAÇÃO. Responsável: José Walderley Coêlho Dias

REFLETÔMETRO M43D EEL (SMOKE STAIN RFLECTOMETER) MANUAL DE OPERAÇÃO. Responsável: José Walderley Coêlho Dias ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 2501-1998; Fax: (0xx21) 2241-1354 REFLETÔMETRO M43D EEL (SMOKE STAIN

Leia mais

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2 Reitência do Materiai SUMÁRIO 1. TESÕES DE CISLHMETO... 1 1.1 DIMESIOMETO... 1. EXEMPLOS... Cialhamento 0 Prof. Joé Carlo Morilla Reitência do Materiai 1. Tenõe de Cialhamento Quando dua força cortante

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO POR MEIO DE ORIFÍCIOS CRÍTICOS

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO POR MEIO DE ORIFÍCIOS CRÍTICOS ENERGÉICA IND.E COM. LDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 3797-9800; Fax: (0xx21) 3797-9830 www.eneretica.ind.br CALIBRAÇÃO DO

Leia mais

PAPER 1/7. Análisis de Estabilidad en un Sistema Eléctrico de Potencia, con significativa inserción de Fuentes Renovables.

PAPER 1/7. Análisis de Estabilidad en un Sistema Eléctrico de Potencia, con significativa inserción de Fuentes Renovables. PAPER 1/7 Títlo Análii de Etabilidad en n Sitema Eléctrico de Potencia, con igniicativa inerción de Fente Renovable. Propeta de eión * 03 Atore del Trabajo Nombre Paí e-mail Lca Alejandro Walant Brail

Leia mais

Unidades de controlo CCS 1000 D

Unidades de controlo CCS 1000 D Sistemas de Comnicação Unidades de controlo CCS 1000 D Unidades de controlo CCS 1000 D www.boschsecrity.com/pt Fncionalidade plg-and-play para ma ligação rápida e simples de, no máximo, 80 Dispositivos

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Sistema de Detecção de Incêndio Via Rádio LSN RF

Sistema de Detecção de Incêndio Via Rádio LSN RF 17 19 18 34 3 50 49 21 20 36 35 52 51 23 2 38 37 54 53 24 10 26 25 40 39 5 57 56 13 12 28 27 42 41 59 58 15 14 30 29 4 43 61 60 16 32 31 46 45 63 62 48 47 64 Sistemas de Detecção de Incêndio Sistema de

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 03

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 03 UNIFEI EME610 - Sitema Hidropneumático Hidráulica 03 Válvula de egurança (limitadora de preão) Aula 03 Prof. Joé Hamilton Chave Gorgulho Júnior 1 3 Válvula de egurança (limitadora de preão) Válvula de

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE E VAZÃO DOS GASES. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE E VAZÃO DOS GASES. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE E VAZÃO DOS GASES Método de ensaio L9.222 MAI/92 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Normas complementares...1 3 Definições...1 4 Apare1hagem...2

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CAOR II Prof. Eduardo C. M. oureiro, DSc. MECANISMOS FÍSICOS T T at A condenação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida a vaore inferiore ao de ua temperatura de aturação. Em

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel/nº 480, de 16 de dezembro de 2009.

Portaria Inmetro/Dimel/nº 480, de 16 de dezembro de 2009. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro/Dimel/nº 480, de 16 de

Leia mais

Terceiro Experimento

Terceiro Experimento niversidade de Brasília Facldade de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Laboratório de Mecânica dos Flidos rofessor: Francisco Ricardo da nha Monitor: Jonas ntônio lbqerqe de arvalho Terceiro

Leia mais

CALIFORNIA CURSO DE FÉRIAS PROGRAMA DE INGLÊS PARA ADOLESCENTES. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Conversação e Cultura Americana

CALIFORNIA CURSO DE FÉRIAS PROGRAMA DE INGLÊS PARA ADOLESCENTES. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Conversação e Cultura Americana Conversação e Cltra Americana CURSO DE FÉRIAS 2015 Saída BRA 11/07 Chegada US 12/07 Saída US 01/08 Chegada BRA 02/08 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Conversação e Cltra Americana

Leia mais

Unidade tudo-em-um Plena

Unidade tudo-em-um Plena Sistemas de Comnicação Unidade tdo-em-m Plena Unidade tdo-em-m Plena www.boschsecrity.com/pt Solção tdo-em-m para música ambiente e chamadas Sistema de chamada de seis zonas Sintonizador AM/FM integrado

Leia mais

Projector MIC7000. Vídeo Projector MIC Projector baseado em LEDs com combinação de infravermelhos e Luz branca

Projector MIC7000. Vídeo Projector MIC Projector baseado em LEDs com combinação de infravermelhos e Luz branca Vídeo Projector MIC7000 Projector MIC7000 www.boschsecrity.com/pt Projector baseado em LEDs com combinação de infravermelhos e Lz branca Permite a Detecção de objectos em movimento até 175 m (575 pés)

Leia mais

LBC 341x/01 Caixas acústicas

LBC 341x/01 Caixas acústicas Sistemas de Comnicação LBC 1x/1 Caixas acústicas LBC 1x/1 Caixas acústicas www.boschsecrity.com/pt Reprodção de música e voz de alta fidelidade Vasta gama de freqências Entradas seleccionáveis de 8 ohm

Leia mais

Aspectos teóricos do fluxo de tráfego

Aspectos teóricos do fluxo de tráfego Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Aspectos teóricos do flxo de tráfego DIAGRAMA ESPAÇO-TEMPO Distância (m) Posição do veíclo

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORES: MARCELO TSUYOSHI HARAGUCHI NAZARENO FERREIRA

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 49, de 04 de março de 2008.

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 004/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

ertificado de Calibración

ertificado de Calibración Software de Calibração ertificado de Calibración ISOPLAN-5 Sistema completo para sua Gestão de Calibração Benefícios Melhora a produtividade do serviço dos técnicos. Fácil revisão dos dados e históricos

Leia mais

CETESB/L9.217 5. 5.3.1 Preparaçao preliminar

CETESB/L9.217 5. 5.3.1 Preparaçao preliminar DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE MATERIAL PARTICULADO COM O L9.217 CETESB SISTEMA FILTRANTE NO INTERIOR DO DUTO E CHAMINÉ NOV/89 Método de ensaio SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Documentos

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões WIKA Referência Mundial em produtos para medição, controle e calibração de pressão e temperatura, a WIKA está presente em mais de 75 países, fornecendo

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

FMC 210 DM Acionadores Manuais de Alarme de Dupla Ação

FMC 210 DM Acionadores Manuais de Alarme de Dupla Ação Sistemas de Alarmes de Incêndio FMC 10 DM Acionadores Manais de Alarme de Dpla Ação FMC 10 DM Acionadores Manais de Alarme de Dpla Ação www.la.boschsecrity.com Ajste após acionamento do alarme Identificação

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz)

ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz) ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz) Ra Chamantá, 383 - V.Prdente - SP - Fone/Fax (11) 2020-0055 - SITE: www.electril.com - e-mail: electril@terra.com.br 87 a 98MHz 97 a 108MHz ANTENA BANDA LARGA PARA

Leia mais

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE PROFESSORA ANDREZA KALBUSCH PROFESSORA

Leia mais

FMC 420RW Botões de Alarme Manual por Quebra de Vidro LSN improved version

FMC 420RW Botões de Alarme Manual por Quebra de Vidro LSN improved version Sistemas de Detecção de Incêndio FMC 420RW Botões de Alarme Manal por Qebra de Vidro LSN improved FMC 420RW Botões de Alarme Manal por Qebra de Vidro LSN improved www.boschsecrity.com/pt Disparo do alarme

Leia mais

Access Professional Edition 2.1

Access Professional Edition 2.1 Engineered Soltions Access Professional Edition 2.1 Access Professional Edition 2.1 www.boschsecrity.com/pt Controle de acesso compacto baseado na inovadora família de controladores AMC da Bosch Verificação

Leia mais

Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz

Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz ao erminante Área e em R 2 O qe é? Qais são sas propriedades? Como se calcla (Qal é a fórmla o algoritmo para o cálclo)? Para qe sere? A = matriz. P paralelogramo com arestas e. + A é a área (com sinal)

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM VINHOS ATRAVÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM VINHOS ATRAVÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL 1/7 QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM INHOS ATRAÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL Maria de Jess Tavares 1, Ricardo J. N. Bettencort da Silva 1 Unidade de Análise Qímica

Leia mais

PRS xbxxx Amplificadores básicos

PRS xbxxx Amplificadores básicos Sistemas de Comnicação PRS xbxxx Amplificadores básicos PRS xbxxx Amplificadores básicos www.boschsecrity.com/pt Canais do amplificador de classe D altamente eficientes Fonte de alimentação comtada Entradas

Leia mais

Catálogo Técnico 2013

Catálogo Técnico 2013 Catálogo Técnico 03 Segurança, Tecnologia e Qualidade Interruptor Simples - 0A/50V~ Interruptor Simples: Bornes para conexão elétrica. RETORNO Permite comandar uma ou mais lâmpadas exclusivamente de um

Leia mais

PERSPECTIVA FINANCEIRA

PERSPECTIVA FINANCEIRA DEFINIÇÃO DE PROJETO GESTÃO DE PROJETOS AQUÍCOLAS Projeto é m processo único, consistente, com m conjnto ordenado e controlado de atividades, condzidas para atingir m objetivo com reqisitos especificados,

Leia mais

3. HIDRODINÂMICA. A Hidrodinâmica tem por objetivo geral o estudo do movimento dos fluidos. O movimento dos fluidos pode ser classificado como:

3. HIDRODINÂMICA. A Hidrodinâmica tem por objetivo geral o estudo do movimento dos fluidos. O movimento dos fluidos pode ser classificado como: . Princíio Gerai.. HIDRODINÂMICA A Hidrodinâmica tem or objetivo eral o etudo do movimento do fluido. O movimento do fluido ode er claificado como: Claificação do Movimento do Fluido Permanente (em um

Leia mais

MÉTODO 5 - DETERMINAÇÃO DE EMISSÕES DE PARTICULADO DE FONTES ESTACONÁRIAS

MÉTODO 5 - DETERMINAÇÃO DE EMISSÕES DE PARTICULADO DE FONTES ESTACONÁRIAS ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 3797-9800; Fax: (0xx21) 2241-1354 www.energetica.ind.br MÉTODO 5 -

Leia mais

Tecnologia em peças fundidas.

Tecnologia em peças fundidas. Tecnologia em peças fndidas. 4 Localização A VDL possi localização estratégica, sitada na cidade de Itabirito MG, a 50 Km de Belo Horizonte, com fácil acesso a rodovias, o qe possibilita m ágil e segro

Leia mais

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns:

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns: A notação utilizada na teoria da fila é variada ma, em geral, a eguinte ão comun: λ número médio de cliente que entram no itema or unidade de temo; µ número médio de cliente atendido (que aem do itema)

Leia mais

Objectivas Zoom de Diafragma Automático

Objectivas Zoom de Diafragma Automático Vídeo Objectivas Zoom de Diafragma Atomático Objectivas Zoom de Diafragma Atomático www.boschsecrity.com/pt Elevada Qalidade Óptica Constrção Fiável e Robsta Formato de 1/3 pol. com controlo de diafragma

Leia mais

Laboratório de Lubrificação e Vibrações

Laboratório de Lubrificação e Vibrações Laboratório de Lbrificação e Vibrações Relatórios 5/6 5º Ano º Semestre DEMEGI SMA LEM Docentes Beatriz Graça Jorge Seabra José D. Rodriges Lís A. Ferreira Ramiro Martins Elaborado por: Cládia Choi 558

Leia mais

Qualidade ao melhor preço!

Qualidade ao melhor preço! Bosch Car Service Qalidade ao melhor preço! Dos serviços rápidos aos mais complexos Criada para satisfazer as sas necessidades a rede Bosch Car Service está vocacionada para os novos desafios do sector

Leia mais

Termo-Higro-Anemômetro Digital Portátil ITAN-730. Calibrador de Loop Digital ITCAL-9800

Termo-Higro-Anemômetro Digital Portátil ITAN-730. Calibrador de Loop Digital ITCAL-9800 Termo-Higro-Anemômetro Digital Portátil ITAN-730 Calibrador de Loop Digital ITCAL-9800 GUIA DE INICIAÇÃO RÁPIDA Para procedimentos de operação detalhados, faça o download do manual contido no software.

Leia mais

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição Medição de vazão Bocal de vazão para instalação interna na tubulação, modelo FLC-FN-PIP Bocal de vazão para montagem entre flanges, modelo FLC-FN-FLN WIKA folha de dados FL 10.03 Aplicações Geração de

Leia mais

LBC 14xx/x0 U40 Controlos de volume de som e LBC 1431/10 Selector de programas

LBC 14xx/x0 U40 Controlos de volume de som e LBC 1431/10 Selector de programas Sistemas de Comnicação LBC 14xx/x0 U40 Controlos de volme de som e LBC 1431/10 Selector de programas LBC 14xx/x0 U40 Controlos de volme de som e LBC 1431/10 Selector de programas www.boschsecrity.com/pt

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

MF-0514.R-1 - DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO GÁS, EM CHAMINÉS

MF-0514.R-1 - DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO GÁS, EM CHAMINÉS MF-0514.R-1 - DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO GÁS, EM CHAMINÉS Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n. 168, de 02 de abril de 1981 Publicado no DOERJ de 07 de abril de 1981 1. OBJETIVO Definir método para

Leia mais

Desenvolvimento do primeiro laboratório móvel de calibração de medidores residenciais e comerciais de gás da América Latina

Desenvolvimento do primeiro laboratório móvel de calibração de medidores residenciais e comerciais de gás da América Latina Desenvolvimento do primeiro laboratório móvel de calibração de medidores residenciais e comerciais de gás da América Latina Ovídio Bessa Leite Neto Chefe de Serviço de Tecnologia do Gás CEG/CEG RIO 1854

Leia mais

Detectores de Fumo por Aspiração Convencionais - Série FCS-320-TP

Detectores de Fumo por Aspiração Convencionais - Série FCS-320-TP Sistemas de Detecção de Incêndio Detectores de Fmo por Aspiração Convencionais - Série FCS-320-TP Detectores de Fmo por Aspiração Convencionais - Série FCS-320-TP www.boschsecrity.com/pt Possibilidade

Leia mais

João Carlos Guimarães Lerch

João Carlos Guimarães Lerch 13301 A Rede Metrológica do Estado do Rio Grande do Sul qualifica o Laboratório METROLOGIA WG localizado na Rua Henrique Dias, 630, na cidade de Sapucaia do Sul - RS. Conforme critérios estabelecidos no

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão Definição - I Força por unidade de área p = Força (F) grandeza vetorial Área (A) grandeza

Leia mais

LBB 190x/10 e LBB 191x/10 Amplificadores misturadores Plena

LBB 190x/10 e LBB 191x/10 Amplificadores misturadores Plena Sistemas de Comnicação LBB 190x/10 e LBB 191x/10 Amplificadores mistradores Plena LBB 190x/10 e LBB 191x/10 Amplificadores mistradores Plena www.boschsecrity.com/pt Gama de amplificadores mistradores de

Leia mais

DRAFT. Higiene Ocupacional CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR

DRAFT. Higiene Ocupacional CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Higiene Ocupacional Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE

Leia mais

Inglaterra FOTOGRAFIA. Programa de Férias. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br

Inglaterra FOTOGRAFIA. Programa de Férias. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br Inglaterra Programa de Férias efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br O Programa Destinado a adolescentes de 16 a 19 anos, o pacote oferece grande oportnidade de aprendizagem com mais espaço

Leia mais

Divar Gravador de vídeo digital

Divar Gravador de vídeo digital Vídeo Divar Gravador de vídeo digital Divar Gravador de vídeo digital www.boschsecrity.com/pt Versões de 6, 9 e 16 canais Comnicação Bilinx opcional Gravação, reprodção e arqivo simltâneos Comando AtoDome

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05

Leia mais

Portaria Inmetro /Dimel n.º 224, de 25 de junho de 2009

Portaria Inmetro /Dimel n.º 224, de 25 de junho de 2009 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 224, de 25

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DO AMBIENTE FÍSICA E QUÍMICA DA ATMOSFERA

CURSO DE ENGENHARIA DO AMBIENTE FÍSICA E QUÍMICA DA ATMOSFERA CURSO DE ENGENHARIA DO AMBIENE FÍSICA E QUÍMICA DA AMOSFERA Ano Lectivo 2004/2005 Época Epecial: 17/10/2005 I (4.8 valore) Atribua a cada uma da afirmaçõe eguinte, em jutificar, uma da claificaçõe: Verdadeiro

Leia mais

Monitoramento de emissões:

Monitoramento de emissões: Monitoramento de emissões: Monitoramento de emissões: Emissão de gases SO2 NOx NH3 CO2 O2 Vazão Monitoramento de particulados Monitoramento de Emissões: Uma monitoração exata e de confiança das emissões,

Leia mais

a. com fontes emissoras pontuais (chaminés); b. com fontes emissoras lineares (estradas);

a. com fontes emissoras pontuais (chaminés); b. com fontes emissoras lineares (estradas); MODELAÇÃO DE POLUIÇÃO ATMOSFÉRIA A fnção dos modelos de qalidade do ar é representar matematicamente os processos de dilição, transporte e mistra dos polentes emitidos para o ar. Eistem vários tipos de

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

TERMO-HIGRO ANEMÔMETRO DIGITAL KESTREL 3000

TERMO-HIGRO ANEMÔMETRO DIGITAL KESTREL 3000 Apresentação Kestrel 3000 é o único instrumento portátil que mede a velocidade de vento, temperatura, sensação térmica causada pelo vento (wind chill), umidade relativa, índice de calor e temperatura de

Leia mais

Meter run Modelo FLC-MR

Meter run Modelo FLC-MR Medição de vazão Meter run Modelo FLC-MR WIKA folha de dados FL 10.02 Aplicações Geração de energia Produção de óleo e refino Tratamento e distribuição de água Processamento e transmissão de gases Indústria

Leia mais

Telefones analógicos. Guia do Usuário. Plataforma de Comunicação BusinessPhone

Telefones analógicos. Guia do Usuário. Plataforma de Comunicação BusinessPhone Telefones analógicos Plataforma de Comnicação BsinessPhone Gia do Usário Cover Page Graphic Place the graphic directly on the page, do not care abot ptting it in the text flow. Select Graphics > Properties

Leia mais

VaryControl VAV-EasySet

VaryControl VAV-EasySet 5/3.6/P/1 VaryControl VAV-EasySet Kit para Renovação de Unidades VAV Terminais (Somente Importado) TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 225 59-5 São Paulo SP Fone: (11) 337-39 Fax: (11) 337-391 E-mail:

Leia mais

PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP. Rosane Ebert Miki

PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP. Rosane Ebert Miki PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP Rosane Ebert Miki Projeto de parceria Brasil- Alemanha, por meio da Secretaria Nacional de Saneamento (SNS) do Ministério das cidades, com cooperação técnica

Leia mais

Guia do Usuário. Medidor de umidade sem pino. Modelo MO257

Guia do Usuário. Medidor de umidade sem pino. Modelo MO257 Guia do Usuário Medidor de umidade sem pino Modelo MO257 Introdução Parabéns por ter adquirido o medidor de umidade sem pino Extech MO257. O sensor de umidade sem pino monitora a umidade na madeira e outros

Leia mais

Engine Management systems WB-O2. Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Especificações Técnicas

Engine Management systems WB-O2. Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Especificações Técnicas Engine Management systems WB-O2 Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Especificações Técnicas Índice 1. Atenção!... 3 2. Apresentação... 4 3. Características...

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

FAS 420 Série de Detectores de Fumo por Aspiração LSN improved version

FAS 420 Série de Detectores de Fumo por Aspiração LSN improved version Sistemas de Detecção de Incêndio FAS 420 Série de Detectores de Fmo por Aspiração LSN improved FAS 420 Série de Detectores de Fmo por Aspiração LSN improved www.boschsecrity.com/pt Possibilidade de ligação

Leia mais

Objectivas Varifocais

Objectivas Varifocais Vídeo Objectivas Varifocais Objectivas Varifocais www.boschsecrity.com/pt Elevada qalidade óptica Formatos de 1/3 de polegada e 1/2 de polegada Constrção fiável e robsta Opções de comprimento de focagem

Leia mais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CEP 21.530-000 Telefax: (21 3372-8484 vendas@trocalor.com.br www.trocalor.com.br

Leia mais

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho.

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho. AULA 11 SISTEMA PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 1. Conceito e classificação O sistema de água quente em um edificação é totalmente separado do sistema de água-fria. A água quente deve chegar em todos os pontos

Leia mais

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos 1 Concepção O que é a bancada de testes da Valeq? Esta bancada foi desenvolvia com a intenção de agilizar os testes de campo e de bancada que envolvem pressão.

Leia mais

8 Equações de Estado

8 Equações de Estado J. A. M. Felippe de Souza 8 Equaçõe de Etado 8 Equaçõe de Etado 8. Repreentação por Variávei de Etado Exemplo 4 Exemplo 8. 4 Exemplo 8. 6 Exemplo 8. 6 Exemplo 8.4 8 Matriz na forma companheira Exemplo

Leia mais

4 Metodologia de teste

4 Metodologia de teste 4 Metodologia de teste 4.1 Análise da Viabilidade Econômica Como base para a primeira etapa do trabalho foi elaborada ma Análise da Viabilidade Econômica do sistema de cogeração. Inicialmente foram coletados

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

LBC 3800/10 Caixa acústica, 100 W

LBC 3800/10 Caixa acústica, 100 W Sistemas de Comnicação LBC 300/10 Caixa acústica, W LBC 300/10 Caixa acústica, W www.boschsecrity.com/pt Reprodção de voz e de música de alta qalidade Atraente compartimento em MDF Forma trapezoidal Grelha

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

Manómetros digitais. We measure it. testo 550, testo 557, testo 570 Medição digital, trabalho eficiente

Manómetros digitais. We measure it. testo 550, testo 557, testo 570 Medição digital, trabalho eficiente We measure it. Manómetros digitais testo 550, testo 557, testo 570 Medição digital, trabalho eficiente Resultados de medição exatos mesmo em condições extremas de trabalho bar micron psi kpa C / F MPa

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2012

TABELA DE PREÇOS 2012 TABELA DE PREÇOS 2012 1. Calibrações Dimensionais / Massas Micrómetros de exteriores 0-25 / 0-30 / 0-50 mm 31,00 25-100 mm / (Cap. Individual de 25 mm) 40,00 100-300 mm / (Cap. Individual de 25 mm) 50,00

Leia mais

TBV-C. Válvulas de balanceamento & controle combinadas para pequenas unidades terminais Para controle on/off

TBV-C. Válvulas de balanceamento & controle combinadas para pequenas unidades terminais Para controle on/off TBV-C Válvulas de balanceamento & controle combinadas para pequenas unidades terminais Para controle on/off IMI TA / Válvulas de controle / TBV-C TBV-C esenvolvida para utilização em unidades terminais

Leia mais