[65, 187, 188, 189, 190]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[65, 187, 188, 189, 190]"

Transcrição

1 Anexo 12 Estimativa de Incertezas [65, 187, 188, 189, 190] 1. Introdção A estimativa da incerteza associada ao resltado de ma medição envolve vários passos: a especificação da grandeza em casa, a identificação das possíveis fontes qe contribem para a incerteza dos parâmetros identificados inicialmente, a identificação dos componentes da incerteza e o cálclo da incerteza combinada e da incerteza expandida. O processo de estimativa da incerteza pode ser esqematizado da seginte forma: Etapa 1 Especificação da grandeza medida Etapa 2 Identificação das fontes de incerteza Etapa 3 Agrpamento de fontes Simplificação Qantificação da componente de cada grpo Qantificação das restantes componentes individais onversão das componentes em desvios padrão Etapa 4 alclar a incerteza combinada Rever e, se necessário, reavaliar as componentes mais significativas alclar a incerteza expandida Figra A12.1: Esqema do processo de estimativa da incerteza associada ao resltado de ma medição. xxxix

2 As fontes de incerteza consideradas neste trabalho foram as segintes: incerteza associada à preparação de ma solção padrão; incerteza associada à interpolação na crva de calibração; incerteza associada à variabilidade / precisão / dispersão do método de ensaio; incerteza associada à variabilidade dos ensaios de Recperação (efeito de matriz); incerteza associada à exactidão dos ensaios de Recperação (efeito de matriz). 2. Metodologias sadas para a qantificação da incerteza do método de ensaio As abordagens mais vlgarmente sadas na qantificação da incerteza da medição são: i) Abordagem passo a passo, abordagem componente a componente o na línga inglesa, abordagem bottom-p ii) Abordagem baseada em informação interlaboratorial iii) Abordagem baseada em dados da validação e/o controlo da qalidade do método analítico recolhidos em ambiente intralaboratorial Os laboratórios poderão sar qalqer ma destas metodologias, o otras para além das apresentadas, desde qe demonstrem qe são tecnicamente válidas e aplicáveis aos métodos em estdo. A escolha da metodologia de cálclo será fnção da informação e recrsos qe o laboratório dispõe. Qando ma melhor estimativa não está disponível o não é imediatamente obtida, podem ser sados jízos profissionais para estimar a dimensão da incerteza atribída a certos componentes. O agrpamento das fontes de incerteza foi efectado sando a abordagem passo a passo e a abordagem baseada em dados da validação e/o controlo da qalidade do método analítico recolhidos em ambiente intralaboratorial Abordagem passo a passo Nesta metodologia foram combinadas as componentes da incerteza associada à preparação de ma solção padrão, à interpolação na crva de calibração e à variabilidade / precisão / dispersão do método de ensaio. xl

3 2.2. Abordagem baseada em dados da validação e/o controlo da qalidade do método analítico A qantificação da incerteza da medição baseada em dados de validação e/o do controlo da qalidade do método, consiste na combinação de incertezas padrão associadas ao desempenho global do método analítico. Nesta metodologia foram combinadas as componentes associadas à variabilidade (precisão) e à exactidão dos ensaios de Recperação (efeito de matriz). 3. Qantificação das componentes de incerteza 3.1. Incerteza associada à concentração de ma solção padrão ( ) A incerteza associada à preparação de ma solção padrão reslta da combinação das segintes fontes de incerteza: 1) Incerteza associada à pesagem 2) Incerteza associada à preza do padrão comercial 3) Incerteza associada a ma medição de volme A abordagem sada na qantificação desta incerteza da medição é a abordagem passo a passo, componente a componente, sbanalítica o, na nomenclatra inglesa, abordagem bottom-p Incerteza padrão associada à pesagem do padrão comercial ( m ) Na maioria dos ensaios qímicos a incerteza padrão associada a ma pesagem nitária, pode ser estimada através do erro de indicação da balança. Pode-se recorrer ao Erro Máximo Admissível (EMA), estabelecido internamente pelo laboratório para cada balança, o pode-se sar o maior erro de indicação dado pelo certificado de calibração da balança. Habitalmente considera-se qe o EMA não deve ser ltrapassado pela soma do módlo do erro de indicação da balança com a incerteza associada à calibração do eqipamento. Neste caso, considera-se ma distribição rectanglar niforme associada ao EMA. Esta eqação deverá ter em consideração a incerteza associada a ma pesagem por diferença, [m = (massa brta) (massa da tara)]. Assim, a incerteza referida anteriormente deverá ser contabilizada das vezes devido ao facto das das medições de massa serem independentes em termos de repetibilidade da pesagem e, mitas xli

4 vezes, também o serem relativamente à linearidade da resposta da balança. Assim, a incerteza associada à pesagem do padrão é dada pela seginte expressão: Em qe: alib Bal Incerteza associada à calibração da balança EMA Erro máximo admissível da balança Incerteza padrão associada à preza do padrão comercial ( pr ) Assme-se ma distribição rectanglar para a incerteza padrão associada à preza do padrão comercial. Esta é calclada pela seginte forma: pr ert 3 Em qe: pr Incerteza associada à preza do padrão comercial ert Valor de incerteza dado pelo certificado de análise Nota: Esta componente só é contabilizada caso a massa pesada do padrão comercial não seja corrigida com o valor da sa preza, dado pelo certificado de análise do padrão, o no caso de ser corrigido, o certificado de análise indicar a incerteza associada ao valor da preza do padrão comercial (por exemplo, preza = 95% 1%) Incerteza padrão associada à medição de volme ( V ) A incerteza associada a ma medição de volme é dada pela incerteza associada à calibração de material volmétrico convencional, alib V, a qal é estimada através da tolerância associada ao valor nominal do se volme fornecida pela fabricante. Normalmente, a tolerância do material volmétrico é fornecida sem o nível de xlii

5 confiança e sem qalqer indicação da distribição associada a esta variável. Nestes casos, considera-se qe este volme se rege por ma distribição rectanglar niforme. Em qe: alib V Incerteza associada à calibração de material volmétrico Tolerância Tolerância do balão volmétrico 3.2. Incerteza padrão combinada associada à preparação da solção padrão primária ( ) A incerteza padrão combinada associada à preparação da solção padrão primária é dada pela seginte expressão: Esta eqação apenas é aplicada qando o valor da concentração da solção padrão primário é expresso em massa/volme. Em qe: m m V V Incerteza padrão combinada associada à preparação da solção padrão primária oncentração da solção padrão primária (m/v) Incerteza padrão associada à pesagem do padrão comercial Massa (em g) do padrão comercial, pesada na balança Incerteza padrão associada à medição do volme (balão volmétrico) Volme (em ml) do balão volmétrico pr Incerteza associada à preza do padrão comercial pr Preza do padrão comercial xliii

6 3.3. Incerteza associada à interpolação na crva de calibração onsiderando qe a crva de calibração é descrita de forma adeqada pelo modelo de regressão método dos mínimos qadrados (polinómio do 1º gra, de acordo com a norma ISO 8466/1), a incerteza associada à interpolação do sinal da amostra na crva de calibração ( recta ) será dada pela seginte eqação: Sendo o desvio padrão residal dado por: Em qe: s / Desvio padrão residal da crva de calibração a y b N n y a y x Ordenada na origem da recta de calibração Declive da crva de calibração Nº de leitras de padrões tilizados no traçado da crva de calibração Nº de leitras tilizadas para determinar o teor da amostra Valor médio das n leitras da amostra Valor médio das N leitras dos padrões de calibração xi x y i oncentração de cada m (i) dos N padrões de calibração Valor médio das concentrações dos padrões de calibração Sinal instrmental de cada padrão de calibração 3.4. Incerteza associada à variabilidade/precisão/dispersão do método de ensaio Qando este processo de cálclo está associado à aplicação de m método de ensaio, a incerteza combinada terá ma otra componente associada à xliv

7 variabilidade/precisão/dispersão do método de ensaio, de modo a agrpar os efeitos aleatórios/de precisão/de variabilidade não contabilizados e qe possivelmente possam existir nos diferentes passos do método de ensaio. Poderá ser feita a opção entre a precisão intermédia o a repetibilidade, conforme rotina habital do laboratório. Neste modelo de cálclo é feita a opção pela precisão intermédia, fazendo variar o tipo de matriz e o dia da análise. Esta incerteza parcelar foi avaliada pela análise de amostras fortificadas, de concentração conhecida, em matrizes diferentes, em condições de precisão intermédia. O valor desta incerteza pode ser avaliada através do desvio padrão associado à média de ma série ( n ) de amostras fortificadas. Assim a componente da incerteza associada à precisão é dada pela seginte expressão: Em qe: prec omponente da incerteza associada à precisão s n Desvio padrão associado à média de n valores de concentração de amostras fortificadas Valor médio da concentração da amostra nos ensaios de recperação obs efectados n Número de amostras fortificadas analisadas 3.5. Incerteza associada à variabilidade dos ensaios de Recperação (efeito de matriz) Esta metodologia sege a indicada no gia VAM [187]. A incerteza associada à recperação média ( ), em termos de variabilidade, pode ser estimada com base em ensaios onde previamente é adicionada ma qantidade conhecida do analito de interesse a ma matriz. A amostra fortificada é preparada de forma a reprodzir, tanto qanto possível, ma amostra real. Nestes ensaios é necessária a realização de m branco da amostra (ensaio não fortificado), para garantir qe a matriz não contém os analitos em estdo. Deve-se então, proceder à fortificação de m volme previamente estabelecido da amostra e efectar, pelo menos, dez ensaios independentes. xlv

8 O valor médio dos ensaios de recperação efectados é determinado através da seginte expressão: R m obs spike Em qe: R m obs Valor médio dos ensaios de recperação Valor médio da concentração da amostra nos ensaios de recperação efectados spike oncentração teórica da amostra fortificada A incerteza associada à recperação média, em termos de variabilidade, é então obtida através da seginte expressão: Em qe: omponente da incerteza associada ao ensaio de recperação s obs Desvio padrão associado aos ensaios de recperação efectados n Número de amostras fortificadas analisadas omponente da incerteza associada à concentração da amostra fortificada 3.6. Incerteza associada à exactidão dos ensaios de Recperação (efeito de matriz) Na asência de m MR o de ensaios interlaboratoriais para estimar a componente da incerteza associada à exactidão do método de ensaio, podemos sar os resltados obtidos nos ensaios de recperação como ma forma de avaliar a exactidão do método de ensaio. O erro relativo dos ensaios de recperação face ao valor teórico da amostra fortificada é dado pela seginte expressão: xlvi

9 E r obs spike spike Em qe: E r Erro relativo dos ensaios de recperação efectados face ao valor teórico da amostra fortificada A incerteza associada à exactidão do método é então obtida através da seginte expressão: Em qe: exact omponente da incerteza associada à exactidão do método s E r E n r Desvio padrão associado ao erro relativo dos ensaios de recperação efectados Valor médio do erro relativo dos ensaios de recperação efectados Número de amostras fortificadas analisadas 4. Incerteza padrão combinada As componentes de incerteza padrão relativa estimadas a partir dos dados de validação e/o do controlo da qalidade do ensaio, podem ser combinadas da seginte forma: qando o método é aplicável nma gama restrita de concentrações, as componentes de incertezas podem ser contabilizadas simplesmente como componentes independentes de ma expressão aditiva. Neste caso, a incerteza padrão combinada ( ) de ma determinada grandeza, pode ser calclada pelas segintes expressões de acordo com o tipo de abordagem: O xlvii

10 5. Incerteza expandida A incerteza expandida, simbolicamente representada por U(), é a medida da incerteza, dada para ma fnção de distribição de probabilidade apropriada ao resltado (distribição normal), para m nível elevado de confiança (normalmente de aproximadamente 95% o 99%). A incerteza expandida é igal à incerteza combinada afectada de m coeficiente o factor de expansão, normalmente sitado entre 2 e 3. Habitalmente é tilizado m factor de expansão de K= 2 (correspondente a m nível de confiança de aproximadamente 95%). A incerteza expandida é assim determinada a partir da incerteza combinada pelas segintes expressões: 6. Expressão do resltado A concentração mais provável será dada por: U() [nidades de concentração] A incerteza associada ao resltado deverá ser apresentada com m o no máximo dois algarismos significativos. O resltado do ensaio deverá ser apresentado com m número de dígitos qe será limitado pela incerteza do resltado. xlviii

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM VINHOS ATRAVÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM VINHOS ATRAVÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL 1/7 QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM INHOS ATRAÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL Maria de Jess Tavares 1, Ricardo J. N. Bettencort da Silva 1 Unidade de Análise Qímica

Leia mais

Access Professional Edition 2.1

Access Professional Edition 2.1 Engineered Soltions Access Professional Edition 2.1 Access Professional Edition 2.1 www.boschsecrity.com/pt Controle de acesso compacto baseado na inovadora família de controladores AMC da Bosch Verificação

Leia mais

Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz

Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz ao erminante Área e em R 2 O qe é? Qais são sas propriedades? Como se calcla (Qal é a fórmla o algoritmo para o cálclo)? Para qe sere? A = matriz. P paralelogramo com arestas e. + A é a área (com sinal)

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade João Seabra e Barros INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, Departamento de Engenharia Energética e Controlo

Leia mais

Realce de Imagens Domínio da Frequência. Tsang Ing Ren - tir@cin.ufpe.br UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CIn - Centro de Informática

Realce de Imagens Domínio da Frequência. Tsang Ing Ren - tir@cin.ufpe.br UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CIn - Centro de Informática Realce de Imagens Domínio da Freqência Tsang Ing Ren - tir@cin.fpe.br UFPE - Universidade Federal de Pernambco CIn - Centro de Informática Tópicos Introdção Série de Forier. Transformada de Forier. Transformada

Leia mais

Terceiro Experimento

Terceiro Experimento niversidade de Brasília Facldade de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Laboratório de Mecânica dos Flidos rofessor: Francisco Ricardo da nha Monitor: Jonas ntônio lbqerqe de arvalho Terceiro

Leia mais

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal Guia 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal FICHA TÉCNICA TÍTULO: Guia RELACRE 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS EDIÇÃO:

Leia mais

GUIA PARA A ACREDITAÇÃO EM METROLOGIA DE MASSA ÍNDICE ALTERAÇÕES

GUIA PARA A ACREDITAÇÃO EM METROLOGIA DE MASSA ÍNDICE ALTERAÇÕES METROLOGIA DE ÍNDICE 1. Introdução 2 2. Referências Bibliográficas 2 3. Definições 2 4. Procedimentos de calibração 2 4.1. Calibração de Pesos e Medidas Materializadas de Massa 3 4.2. Calibração de Instrumentos

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Revisão e implementação do datapath do MIPS

Arquitectura de Computadores II. Revisão e implementação do datapath do MIPS Arqitectra de omptadores II LESI - 3º Ano Revisão e implementação do datapath do IPS João Lís Ferreira Sobral epartamento do Informática Universidade do inho Janeiro 22 Revisão do datapath (P) do IPS Visão

Leia mais

Guia 13 VALIDAÇÃO MÉTODOS INTERNOS DE ENSAIO ANÁLISE QUÍMICA. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal

Guia 13 VALIDAÇÃO MÉTODOS INTERNOS DE ENSAIO ANÁLISE QUÍMICA. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal Guia 13 VALIDAÇÃO DE MÉTODOS INTERNOS DE ENSAIO EM ANÁLISE QUÍMICA Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal . FICHA TÉCNICA TÍTULO: Guia RELACRE 13 VALIDAÇÃO DE MÉTODOS INTERNOS DE ENSAIO EM

Leia mais

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar.

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar. Verax consltoria VX00 090826 Logistica OtimizacaoAccar.docx Fnção: operações Segmento: commodities / logística Tema: otimização de negócios / planeamento de operações Metodologia: análise qantitativa OTIMIZAÇÃO

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Csco, 23 a 25 de Otbro de 2007 MODELAGEM COMPUTACIONAL DA INFLUÊNCIA DA ESPESSURA DA PEÇA E A VELOCIDADE DE IMPACTO DO JATO NO PROCESSO DE JATEAMENTO

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES. N 07/08 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE CONTROLE METROLÓGICO DE PRODUTOS PRÉ-MEDIDOS COMERCIALIZADOS EM UNIDADES DE MASSA E VOLUME DE CONTEÚDO NOMINAL IGUAL (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC

Leia mais

Sistema de Detecção de Incêndio Via Rádio LSN RF

Sistema de Detecção de Incêndio Via Rádio LSN RF 17 19 18 34 3 50 49 21 20 36 35 52 51 23 2 38 37 54 53 24 10 26 25 40 39 5 57 56 13 12 28 27 42 41 59 58 15 14 30 29 4 43 61 60 16 32 31 46 45 63 62 48 47 64 Sistemas de Detecção de Incêndio Sistema de

Leia mais

UNIFACEX CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX EDITAL N" 15-18 DE DEZEMBRO 2014 PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE PROFESSORES EM 2015 1

UNIFACEX CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX EDITAL N 15-18 DE DEZEMBRO 2014 PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE PROFESSORES EM 2015 1 I If I UNIFACE CENTRO UNIVERSITÁRIO FACE EDITAL N" 15-18 DE DEZEMBRO 2014 PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE PROFESSORES EM 2015 1 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO FACE - UNIFACE, torna público, para conhecimento

Leia mais

LBC 341x/01 Caixas acústicas

LBC 341x/01 Caixas acústicas Sistemas de Comnicação LBC 1x/1 Caixas acústicas LBC 1x/1 Caixas acústicas www.boschsecrity.com/pt Reprodção de música e voz de alta fidelidade Vasta gama de freqências Entradas seleccionáveis de 8 ohm

Leia mais

PERSPECTIVA FINANCEIRA

PERSPECTIVA FINANCEIRA DEFINIÇÃO DE PROJETO GESTÃO DE PROJETOS AQUÍCOLAS Projeto é m processo único, consistente, com m conjnto ordenado e controlado de atividades, condzidas para atingir m objetivo com reqisitos especificados,

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas:

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas: Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização dos seus colaboradores e na resposta às necessidades do Sistema de Gestão da Qualidade. Recorrendo

Leia mais

Access Professional Edition

Access Professional Edition Engineered Soltions Access Professional Edition Access Professional Edition www.la.boschsecrity.com Software para controle de acesso e gerenciamento de segrança qe tiliza a inovadora linha de Controladores

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 SUMÁRIO

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Exercícios sobre pipelining

Arquitectura de Computadores II. Exercícios sobre pipelining Arqitectra de Comptadores II LESI - 3º Ano Eercícios sobre pipelining Departamento do Informática Universidade do inho Abril 22 Considere o modelo de ma arqitectra IPS com o pipeline da figra em aneo,

Leia mais

BIS - Access Engine (ACE)

BIS - Access Engine (ACE) Engineered Soltions BIS - Access Engine (ACE) BIS - Access Engine (ACE) www.boschsecrity.com/pt Controle de acesso sofisticado com gerenciamento direto de alarmes Integração e interação perfeitas com sistemas

Leia mais

Qualidade ao melhor preço!

Qualidade ao melhor preço! Bosch Car Service Qalidade ao melhor preço! Dos serviços rápidos aos mais complexos Criada para satisfazer as sas necessidades a rede Bosch Car Service está vocacionada para os novos desafios do sector

Leia mais

Telefones analógicos. Guia do Usuário. Plataforma de Comunicação BusinessPhone

Telefones analógicos. Guia do Usuário. Plataforma de Comunicação BusinessPhone Telefones analógicos Plataforma de Comnicação BsinessPhone Gia do Usário Cover Page Graphic Place the graphic directly on the page, do not care abot ptting it in the text flow. Select Graphics > Properties

Leia mais

As vantagens da solução empresarial chave da itrak incluem:

As vantagens da solução empresarial chave da itrak incluem: TM Enterprise Soltion Eliminar tarifas de rastreio por GPS Desfrtar dos benefícios adicionais de ma solção personalizada verss solção com anfitrião Amentar a segrança da informação da sa empresa Redzir

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

O ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO PROCESSO DE SECAGEM DE TIJOLOS MACIÇOS

O ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO PROCESSO DE SECAGEM DE TIJOLOS MACIÇOS O ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO PROCESSO DE SECAGEM DE TIJOLOS MACIÇOS GT 04 Modelagem Matemática Eliangela Weber da L, IFSC Camps Chapecó, eliangela.weber@ifsc.ed.br Resmo: O trabalho apresenta

Leia mais

BIS Access Engine (ACE) 4.1

BIS Access Engine (ACE) 4.1 Engineered Soltions Access Engine (ACE) 4.1 Access Engine (ACE) 4.1 www.la.boschsecrity.com Controle de acesso sofisticado com gerenciamento direto de alarmes Integração e interação perfeitas com sistemas

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX VIRTUALIZED ORACLE 11GR2

EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX VIRTUALIZED ORACLE 11GR2 EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX VIRTUALIZED ORACLE 11GR2 Versão 1.3 Gia de Projeto e Implementação H12347.3 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. Pblicado Maio, 2014

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 1996/97

ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 1996/97 ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 996/97 Teoria de Erros A Teoria de Erros fornece técnicas para quantificar erros nos dados e nos resultados de cálculos com números aproximados. Nos cálculos aproximados deve-se

Leia mais

MATEMÁTICA 10º A T 2

MATEMÁTICA 10º A T 2 Escola Secndária lfredo Reis Silveira no lectivo 008/009 MTEMÁTIC 0º T Ficha de Trabalho Eqação Vectorial e redzida de ma recta Eqação Vectorial da Recta Dado m ponto e m vector não nlo, podemos definir

Leia mais

Avaliação da incerteza de medição na calibração de sensores de umidade relativa por meio de higrômetro de ponto de orvalho

Avaliação da incerteza de medição na calibração de sensores de umidade relativa por meio de higrômetro de ponto de orvalho Avaliação a incerteza e meição na calibração e sensores e miae relativa por meio e higrômetro e ponto e orvalho Evalation of the measrement ncertainty in the calibration of relative hmiity sensors by means

Leia mais

4 RESULTADOS E DISCUSSÕES

4 RESULTADOS E DISCUSSÕES RESULTADOS E DISCUSSÕES 76 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES Através da determinação de ph em Ága, conforme ASTM D 1293 [3], as medições exectadas para este trabalho tiveram como objetivo a validação da metodologia.

Leia mais

DUPLEXADORES PARA REPETIDORA DUPLEXADORES MÓVEIS FILTROS CAVIDADES

DUPLEXADORES PARA REPETIDORA DUPLEXADORES MÓVEIS FILTROS CAVIDADES DUPLEXADORES PARA REPETIDORA DUPLEXADORES MÓVEIS FILTROS CAVIDADES Ra Chamantá, 383 - V.Prdente - SP - Fone/Fax (11) 2020-0055 - internet: www.electril.com - e-mail: electril@terra.com.br DUPLEXADOR DE

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO)

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO) ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Ra Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 3797-9800; Fax: (0xx21) 3797-9830 www.energetica.ind.r CALIBRAÇÃO DO

Leia mais

Marcus Henrique C. de la Cruz

Marcus Henrique C. de la Cruz Incerteza de Medição em Análise Química Análise Cromatográfica Marcus Henrique C. de la Cruz Comissão do Programa de Ensaio de Proficiência EP - INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Leia mais

Estatística Descritiva I

Estatística Descritiva I Estatística Descritiva I Bacharelado em Economia - FEA - Noturno 1 o Semestre 2016 Profs. Fábio P. Machado e Gilberto A. Paula MAE0219 (Economia-FEA-Noturno) Estatística Descritiva I 1 o Semestre 2016

Leia mais

Programação Dinâmica Determinística

Programação Dinâmica Determinística Programação Dinâmica Determinística Processos de Decisão Mltiestágios Um processo de decisão mltiestágios é m processo qe pode ser desdobrado segndo m certo número de etapas seqênciais, o estágios, qe

Leia mais

Hex. Ludus. Material. OHexé um jogo de conexão, habitualmente jogado num tabuleiro como este: com 60 peças brancas e 60 peças negras.

Hex. Ludus. Material. OHexé um jogo de conexão, habitualmente jogado num tabuleiro como este: com 60 peças brancas e 60 peças negras. Hex Lds História O Hex foi inventado das vezes. A primeira, pelo cientista e poeta dinamarqês Piet Hein, em, a segnda, pelo matemático americano John Nash, em. Contdo, foi Martin Gardner, nas páginas do

Leia mais

Programas de Férias CANADÁ

Programas de Férias CANADÁ Programas de Férias CANADÁ TEENAGERS ADVENTURE PROGRAM CHILDREN S ADVENTURE PROGRAM 2015 VANCOUVER A Institição Fndada em 1996, Sol Schools International torno-se ma empresa com base em algns princípios

Leia mais

... Jogos e brincadeiras. Estruturas silábicas. Poesia na alfabetização. Wanderley Geraldi

... Jogos e brincadeiras. Estruturas silábicas. Poesia na alfabetização. Wanderley Geraldi ... o jornal do alfabetizador Belo Horizonte, abril/maio de 2006 - no 2 - nº 6 PÁGIN 5 PÁGIN 14 Jogos e brincadeiras PÁGIN 4 Estrtras silábicas Poesia na alfabetização PÁGIN 9 PÁGIN 10 Wanderley Geraldi

Leia mais

Access Professional Edition 3.0

Access Professional Edition 3.0 Engineered Soltions Access Professional Edition 3.0 Access Professional Edition 3.0 www.boschsecrity.com/pt Software para controle de acesso e gerenciamento de segrança qe tiliza a inovadora linha de Controladores

Leia mais

CONTROLE PREDITIVO BASEADO EM MODELO LINEAR COM INCERTEZA INTERVALAR: FORMULAÇÃO E ANÁLISE DE ESTABILIDADE.

CONTROLE PREDITIVO BASEADO EM MODELO LINEAR COM INCERTEZA INTERVALAR: FORMULAÇÃO E ANÁLISE DE ESTABILIDADE. CONTROLE PREDITIVO BASEADO EM MODELO LINEAR COM INCERTEZA INTERVALAR: FORMULAÇÃO E ANÁLISE DE ESTABILIDADE. Amanda G. S. Ottoni, Alípio M. Barbosa, Ricardo H. C. Takahashi, Lis A. Agirre DEFIM - Departamento

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT SHAREPOINT 2013

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT SHAREPOINT 2013 EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT SHAREPOINT 2013 Versão 1.3 Gia de Projeto e Implementação H12308.3 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. Pblicado

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT EXCHANGE 2013

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT EXCHANGE 2013 EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT EXCHANGE 2013 Versão 1.3 Gia de Projeto e Implementação H12306.3 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. Pblicado

Leia mais

Caminho de Dados e Unidade de Controle

Caminho de Dados e Unidade de Controle O Processador: Caminho de Dados e Unidade de Controle Ivanildo iranda Octávio Agsto Deiroz path -> Caminho qe os dados e instrções percorre, de acordo com os sinais gerados pela nidade de controle Controle

Leia mais

Questionário do Professor

Questionário do Professor Código da escola: P - Nome da escola: Pode preencher este qestionário on-line em: www.generation-erope.org Caros professores, Com este qestionário pretendemos conhecer a tilidade e o scesso da aplicação

Leia mais

Access Professional Edition

Access Professional Edition Engineered Soltions Access Professional Edition Access Professional Edition www.la.boschsecrity.com Software para controle de acesso e gerenciamento de segrança qe tiliza a inovadora linha de Controladores

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Página 2 de 9 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA... 4 6 ESCOPO

Leia mais

Manual de laboratório e tratamento de erros em Técnicas Laboratoriais de Análise

Manual de laboratório e tratamento de erros em Técnicas Laboratoriais de Análise Departamento de Química e Bioquímica Manual de laboratório e tratamento de erros em Técnicas Laboratoriais de Análise Isabel Cavaco Ana Rosa Garcia 2003/2004 Preâmbulo Estas folhas destinam-se aos alunos

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR END USER COMPUTING WITH VMWARE HORIZON VIEW

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR END USER COMPUTING WITH VMWARE HORIZON VIEW EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR END USER COMPUTING WITH VMWARE HORIZON VIEW Versão 1.2 Gia de Projeto e Implementação H12388.2 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. Pblicado

Leia mais

VIVA, APRENDA E CRESÇA HIGH SCHOOL. Escolas de Ensino Médio no Canadá. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.

VIVA, APRENDA E CRESÇA HIGH SCHOOL. Escolas de Ensino Médio no Canadá. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com. VIVA, APRENDA E CRESÇA 2015 HIGH SCHOOL Escolas de Ensino Médio no Canadá HIGH SCHOOL Escolas de Ensino Médio no Canadá Bem vindo A Efígie Edcacional, empresa especializada em edcação internacional, e

Leia mais

MEDIÇÃO EM QUÍMICA ERROS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS

MEDIÇÃO EM QUÍMICA ERROS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS MEDIÇÃO EM QUÍMICA ERROS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS 2 O que são e Por que se usam algarismos significativos? O valor 1,00 não é igual a 1? Do ponto de vista matemático, sim. Mas sempre que se façam medições

Leia mais

Unidades de controlo CCS 1000 D

Unidades de controlo CCS 1000 D Sistemas de Comnicação Unidades de controlo CCS 1000 D Unidades de controlo CCS 1000 D www.boschsecrity.com/pt Fncionalidade plg-and-play para ma ligação rápida e simples de, no máximo, 80 Dispositivos

Leia mais

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS Após a realização de um experimento, deseja-se estabelecer a função matemática que relaciona as variáveis do fenómeno físico estudado. Nos nossos experimentos

Leia mais

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Ganhos do Plano de Calibração Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Desenvolvimento Definições básicas em Metrologia; Propriedades das distribuições normais; O que calibrar? Como estabelecer um

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

FUNDO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS E ANEXOS DE AMPARO

FUNDO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS E ANEXOS DE AMPARO FUNDO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS E ANEXOS DE AMPARO O Convênio celebrado com o Cartório de Registro de Imóveis e Anexos, de Amparo, em dezembro de 1994, possibilitou a transferência da massa documental,

Leia mais

LEI Nº 4.035. De: 04 de julho de 2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 4.035. De: 04 de julho de 2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 4.035 De: 04 de julho de 2014. Desafeta do domínio público os imóveis localizados no CONJUNTO HABITACIONAL SONHO MEU, na cidade de Umuarama - PR. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ,

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30 Leia com atenção as seguinte intruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com

Leia mais

SUSTENTABILIDADE. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br. Chegada BRA 16/07 17/07

SUSTENTABILIDADE. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br. Chegada BRA 16/07 17/07 Palma de Mallorca Espanha Seminário Internacional Saída BRA Chegada ESP 08/07 09/07 Saída ESP Chegada BRA 16/07 17/07 2016 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Seminário Internacional

Leia mais

Uso de Materiais de Referência

Uso de Materiais de Referência Uso de Materiais de Referência Ricardo Rezende Zucchini Célia Omine Iamashita IPT Divisão de Química Agrupamento de Materiais de Referência Introdução Série de guias ISO sobre Materiais de Referência ABNT

Leia mais

SEMINÁRIO INSTRUMENTAÇÃO PARA CALIBRAÇÃO

SEMINÁRIO INSTRUMENTAÇÃO PARA CALIBRAÇÃO SEMINÁRIO INSTRUMENTAÇÃO PARA CALIBRAÇÃO Introdução à Calibração / Metrologia Oeiras / Porto, 25 e 26 de Maio de 2011 Programa Porquê e o Quê Calibrar? Metrologia História Metrologia - Unidades Metrologia

Leia mais

2ª fase. 19 de Julho de 2010

2ª fase. 19 de Julho de 2010 Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 635) ª fase 19 de Julho de 010 Grupo I 1. Como só existem bolas de dois tipos na caixa e a probabilidade de sair bola azul é 1, existem tantas bolas

Leia mais

BIS - Access Engine (ACE)

BIS - Access Engine (ACE) Engineered Soltions BIS - Access Engine (ACE) BIS - Access Engine (ACE) www.boschsecrity.com/pt Controle de acesso sofisticado com gerenciamento direto de alarmes Integração e interação perfeitas com sistemas

Leia mais

3 Procedimento experimental

3 Procedimento experimental 3 Procedimento experimental O trabalho experimental foi realizado utilizando-se os equipamentos disponíveis na PUC-Rio, juntamente com aqueles que foram cedidos pelo Instituto Militar de Engenharia (IME).

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE MASSA NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 01 de DEZEMBRO de 2015 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Gabarito Mestre - Cargo de Combatente 25 de maio de 2014

Gabarito Mestre - Cargo de Combatente 25 de maio de 2014 V Gabarito Mestre - argo de ombatente 25 de maio de 214 ATEN ÇAO: Opções corretas marcadas em negrito. OBS: As qestões e respostas não obedecem nenhma ordem particlar 1) Q e s tã o Marqe a alternativa

Leia mais

Avaliação de impacto 2.0. Chris Blattman, Universidade Yale

Avaliação de impacto 2.0. Chris Blattman, Universidade Yale Avaliação de impacto 2.0 Chris Blattman, Universidade Yale Avaliação de Impacto 1.0 A simples comparação de controlo do tratamento Grupo de tratamento Existência excessiva de beneficiários, pessoas interessadas

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA INSTALAÇÕES PERMANENTES Revisão 02 23 de Setembro de 2013 Vide alterações

Leia mais

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO 1.1. Definições do Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) Metrologia: Ciência das medições [VIM 2.2]. Medição: Conjunto de operações que têm por objectivo

Leia mais

Variação de velocidade

Variação de velocidade Variação de velocidade Variação de velocidade A indústria é responsável pelo consumo de cerca de 50% da electricidade produzida a nível mundial, sendo que cerca de 2/3 é consumida por motores eléctricos.

Leia mais

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA-BoS-14/259 PT Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax. + 49 69-951119-19; email:

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE SAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP 004/2010

Leia mais

Última atualização: 17/08/2015. Apoio:

Última atualização: 17/08/2015. Apoio: ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM 071/2013

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM 071/2013 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM 071/2013 A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.015.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Nota Técnica - Determinação de partículas atmosféricas PM10 em estações de medição da qualidade do ar e testes de campo para demonstração de métodos

Nota Técnica - Determinação de partículas atmosféricas PM10 em estações de medição da qualidade do ar e testes de campo para demonstração de métodos Nota Técnica - Determinação de partículas atmosféricas PM10 em estações de medição da qualidade do ar e testes de campo para demonstração de métodos equivalentes Novembro 2011 Determinação de partículas

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM Nº 090/2015

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM Nº 090/2015 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM Nº 090/2015 A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de

Leia mais

CALIFÓRNIA PROGRAMA INTENSIVO DE INGLÊS. Intensive English Program (IEP) UNIVERSITY OF CALIFORNIA - RIVERSIDE. Riverside

CALIFÓRNIA PROGRAMA INTENSIVO DE INGLÊS. Intensive English Program (IEP) UNIVERSITY OF CALIFORNIA - RIVERSIDE. Riverside Riverside Califórnia EUA CALIFÓRNIA PROGRAMA INTENSIVO DE INGLÊS Intensive English Program (IEP) UNIVERSITY OF CALIFORNIA - RIVERSIDE Riverside E vo pra Califórnia o me destino é ser star Riverside Riverside

Leia mais

Validação de Métodos e Controlo da Qualidade em Análises de Águas Residuais. Exemplo : Determinação do CB05. Maria Ascensão Trancoso

Validação de Métodos e Controlo da Qualidade em Análises de Águas Residuais. Exemplo : Determinação do CB05. Maria Ascensão Trancoso Validação de Métodos e Controlo da Qalidade em Análises de Ágas Residais Exemplo : Determinação do CB5 Maria Ascensão Trancoso Método das Dilições: Execção mito morosa Usa mais reagentes Usa mito material

Leia mais

CALIFORNIA CURSO DE FÉRIAS PROGRAMA DE INGLÊS PARA ADOLESCENTES. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Conversação e Cultura Americana

CALIFORNIA CURSO DE FÉRIAS PROGRAMA DE INGLÊS PARA ADOLESCENTES. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. Conversação e Cultura Americana Conversação e Cltra Americana CURSO DE FÉRIAS 2015 Saída BRA 11/07 Chegada US 12/07 Saída US 01/08 Chegada BRA 02/08 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Conversação e Cltra Americana

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX PRIVATE CLOUDS

EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX PRIVATE CLOUDS EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX PRIVATE CLOUDS Versão 1.3 Gia de Projeto e Implementação H12387.3 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. Pblicado Maio, 2014 A EMC

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTIA A º Ao Dração: 9 mitos Dezembro/ lassificação Nome Nº T: O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática A 2.º ao de Escolaridade Prova 65/2.ª Fase Págias Dração da Prova: 50 mitos. Tolerâcia: 0 mitos 2008

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Carreira

Programa de Desenvolvimento de Carreira Londres Inglaterra Programa de 2015 MELHORE AS PERSPECTIVAS DE CARREIRA INTERNACIONAL COM EXPERIÊNCIA DE TRABALHO EM UMA EMPRESA EM efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br O qe é o Programa

Leia mais

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE GÁS NATURAL FEVEREIRO 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

PROC. Nº 3832/07 PR Nº 060/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 3832/07 PR Nº 060/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Apresentamos aos Senhores Vereadores o presente Projeto de Resolução, que institui premiações a serem conferidas pela Câmara Municipal de Porto Alegre. Este trabalho é resultado da

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

Empresas e Negócios. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br.

Empresas e Negócios. Seminário Internacional. efigieeducacional.com.br T: 19 4141.1515. contato@efigieeducacional.com.br. Palma de Mallorca Espanha Seminário Internacional 2015 Saída BRA xx/10 Chegada ESP xx/10 Saída ESP xx/11 Chegada BRA xx/11 efigieedcacional.com.br contato@efigieedcacional.com.br Público Alvo Seminário

Leia mais

INSTRUTIVO N.º02/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º02/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º02/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: METODOLOGIAS PARA A CONSTITUIÇÃO DE PROVISÕES Havendo necessidade de se estabelecerem as metodologias que podem ser utilizadas na definição dos montantes

Leia mais