4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. RESULTADOS E DISCUSSÃO"

Transcrição

1 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Energia cinética das precipitações Na Figura 9 estão apresentadas as curvas de caracterização da energia cinética aplicada pelo simulador de chuvas e calculada para a chuva natural, nas condições de intensidade de precipitação utilizadas nos testes. Os dados de diâmetro médio das gotas (D 5 ), a velocidade terminal das gotas e o coeficiente de arraste das gotas (C 2 ), utilizados para o cálculo da energia cinética das chuvas simuladas, estão apresentados no Apêndice A. De acordo com a Figura 9, pode-se observar que a energia cinética da chuva simulada foi menor que a da chuva natural, atingindo, em média, 68% da energia cinética da chuva natural e apresentando pequena variação em relação à média obtida para a faixa de intensidade de precipitação de 3 a 17 mm h -1. Uma vez que para o processo de erosão entre sulcos o desprendimento das partículas do solo se dá, principalmente, pela ação erosiva do impacto das gotas de chuva sobre a superfície do solo, é importante conhecer o valor de energia cinética da chuva simulada nos estudos do processo erosivo em condições de laboratório, pois chuva com determinado valor de energia cinética proporciona certo valor de desprendimento de partículas de solo, independentemente se a chuva é simulada ou natural. No entanto, quando se trabalha apenas com 43

2 Chuva natural Chuva simulada (EC = 28,6 Ip - 13,7 R 2 = 99,98) (EC = 18,75 Ip - 76,52 R 2 = 99,39) -2 ) Energia Cinética (J m -2 ) Ip Ip (mm h -1 )) Figura 9 Energia cinética das chuvas produzidas com o uso do simulador e calculada para a chuva natural em função das intensidades de precipitação (Ip) utilizadas no experimento. intensidade de precipitação, tal afirmativa não poderia ser feita, uma vez que terse-iam energias de impacto muito diferenciadas entre as chuvas simulada e natural para uma mesma intensidade. Esse tipo de observação também foi feito por MEYER e HARMOM (1992), os quais evidenciaram a importância da energia cinética da chuva simulada para avaliar o processo de erosão entre sulcos, visto que dificilmente se consegue reproduzir as características da chuva natural, principalmente para intensidades elevadas Perdas de solo Nas Figuras 1 a 14 estão apresentadas as curvas e equações ajustadas referentes aos valores de perda acumulada de solo, em função do tempo de precipitação e da energia cinética decorrente das precipitações, para as 44

3 Perda acumulada de solo (g m -2 ) P as = -,2491 +,2538 t R 2 aj = 99,66 P as =-11, ,9345 t R 2 aj = 98,39 P as = 9,9135 * 1,663 t R 2 aj = 97,54 P as =4, ,78 t R 2 aj = 99,54 P as = 11, ,679 t R 2 aj = 99, Tempo (min) (J m -2 ) Figura 1 Perda acumulada de solo (P as ) em função do tempo de precipitação e da energia cinética, para superfície com 2% de declividade. Perda acumulada de solo (g m -2 ) P as = -,1986 +,2749 t R 2 aj = 99,82 P as = -57, ,7324 t R 2 aj = 98,7 P as = 11,345 t 1,533 R 2 aj = 99,68 P as =-3,646 +1,3525 T R 2 aj = 99,28 P as = -97, ,266 T R 2 aj =99, Tempo (min) (J m -2 ) Figura 11 Perda acumulada de solo (P as ) em função do tempo de precipitação e da energia cinética, para superfície com 6% de declividade. 45

4 Perda acumulada de solo (g m -2 ) P as = -2,7662 +,9559 t R 2 aj = 99,62 P as = 35, ,3735 T R 2 aj = 99,32 P as = 21,8238 * 1,81 T R 2 aj = 98,8 P as =-31, ,118 t R 2 aj = 98,69 P as = -197, ,969 T R 2 aj = 98, Tempo (min) (J m -2 ) Figura 12 Perda acumulada de solo (P as ) em função do tempo de precipitação e da energia cinética, para superfície com 1% de declividade. Perda acumulada de solo (g m -2 ) P as = -4, ,4279 t R 2 aj = 99,4 P as = 21, ,3995 T R 2 aj = 99,11 P as = 2,847 t 1,6177 R 2 aj = 96,33 P as =-49, ,891 t R 2 aj = 97,88 P as = -46, ,816 T R 2 aj = 99, Tempo (min) (J m -2 ) Figura 13 Perda acumulada de solo (P as ) em função do tempo de precipitação e da energia cinética, para superfície com 14% de declividade. 46

5 Perda acumulada de solo (g m P as = -9, ,31935 t R 2 aj = 99,73 Pas = 114, ,511 t R 2 aj = 98,97 P as = t R 2 aj = 97,56 P as =12, ,878 t R 2 aj = 99,34 P as = ,683 t R 2 aj = 97, Tempo (min) (J m -2 ) Figura 14 Perda acumulada de solo (P as ) em função do tempo de precipitação e da energia cinética, para superfície com 18% de declividade. declividades da superfície do solo de 2, 6, 1, 14 e 18%, respectivamente. Os dados de perdas de solo obtidos para cada intervalo de dois minutos, utilizados para ajuste das equações em cada teste, estão apresentados no Apêndice B. Analisando as Figuras 1 a 14, observa-se, de modo geral, tendência de aumento linear da perda acumulada de solo com o tempo de precipitação. MERMUT et al. (1997) também observaram esse mesmo tipo de tendência para intensidades de precipitação de 4 e 1 mm h -1. Essa linearidade da perda acumulada de solo em função do tempo indica que, na modelagem do processo erosivo, pode-se considerar uma taxa de perda de solo em áreas entre sulcos constante ao longo do tempo, embora para o valor de energia cinética de J m -2 essa tendência de linearidade não tenha sido observada. Para declividade da superfície do solo de 2% (Figura 1), observou-se aumento linear da perda acumulada de solo ao longo do tempo de precipitação para os eventos com valores de energia cinética aplicada de 495 a 1.54 J m -2, 47

6 correspondendo às intensidades de precipitação de 3 a 88 mm h -1, respectivamente, mostrando, com isso, que, nessa faixa de variação da energia cinética, a taxa de perda de solo é constante ao longo do tempo. No entanto, para o valor de energia cinética aplicada de J m -2, o qual está associado à maior intensidade de precipitação (17 mm h -1 ), verificou-se tendência não-linear, apresentando taxa de perda de solo crescente ao longo do tempo. Esse mesmo comportamento foi verificado nas demais declividades (Figuras 1, 11, 12, 13 e 14). Tal mudança de comportamento se deve, provavelmente, ao aumento da vazão de escoamento superficial produzida por essa intensidade de precipitação, o que pode estar ocasionando a concentração do escoamento e, conseqüentemente, a formação de caminhos preferenciais de escoamento da água, e isso faz aumentar a sua capacidade de transporte. Verificou-se, na declividade da superfície do solo de 2% (Figura 1), que a taxa de perda de solo na energia cinética de 1.54 J m -2 foi 1,5 vezes maior que a correspondente à energia cinética de 495 J m -2. Considerando a taxa média de perda de solo correspondente à energia cinética de J m -2, observou-se aumento de cerca de 28 vezes na perda, em comparação com o valor de 495 J m -2. Na Figura 11, referente à declividade da superfície do solo de 6%, verifica-se que a taxa de perda de solo com a energia cinética aplicada de J m -2 foi 71 vezes maior que a energia cinética de 495 J m -2. Observa-se também, nessa figura, que a perda acumulada de solo foi bem semelhante para os valores de energia cinética de 1.54 e J m -2. Embora a equação ajustada para o valor de energia cinética de J m -2 não tenha sido linear, a partir de 19 minutos de teste foi observado comportamento bem próximo do linear. Para a declividade da superfície do solo de 1% (Figura 12), a taxa de perda de solo na energia cinética de J m -2 foi 36 vezes maior que a correspondente à energia cinética de 495 J m -2. Para a declividade de 14% (Figura 13), a superioridade relativa da taxa de perda de solo correspondente à energia cinética de J m -2, em comparação com a energia cinética de 48

7 495 J m -2, foi de 24 vezes, enquanto para a declividade de 18% essa superioridade relativa foi menor, sendo de aproximadamente 19 vezes. A redução observada na diferença relativa entre as taxas de perdas de solo obtidas entre os maiores e menores valores de energia cinética, à medida que a declividade aumentou, provavelmente esteja relacionada à capacidade de transporte de partículas de solo pelo escoamento superficial, ou seja, quando se tem baixa declividade da superfície do solo, tem-se também baixa velocidade de escoamento e, conseqüentemente, a capacidade de transporte fica limitada à vazão de escoamento. Com isso, quando são comparados baixos valores de energia cinética (nas condições estudadas, correspondentes a baixas intensidades de precipitação) com valores mais elevados, tem-se maior diferença na taxa de perda de solo, em razão do aumento na vazão de escoamento. No entanto, quando se aumentou a declividade da superfície do solo, outro componente passou a incrementar a capacidade de transporte de sedimentos, em razão do aumento na velocidade do escoamento superficial. Esse incremento foi igual para todos os valores de energia cinética aplicados, tendendo a diminuir, com isso, a diferença entre as taxas de perdas de solo entre os valores extremos de energia cinética nas maiores declividades. No Quadro 3 estão apresentados os valores de perdas de solo obtidos experimentalmente, em razão da energia cinética decorrente das precipitações e da declividade da superfície do solo, para precipitações com 58 minutos de duração. Analisando o efeito isolado da energia cinética na perda total de solo, observaram-se aumentos de 29,5; 73,3; 3,8; 27,5; e 21 vezes na perda de solo quando o valor de energia cinética foi aumentado de 495 para 1895 J m -2, nas declividades da superfície do solo de 2, 6, 1, 14 e 18%, respectivamente. Pôde-se observar, ainda, que a declividade da superfície do solo apresentou, isoladamente, efeito menos expressivo na perda total de solo quando comparado com o da energia cinética, resultando num aumento de perda de solo de 8,7; 9,1; 1,7; 9,3; e 6,2 vezes para os valores de energia cinética de 495, 832, 1.15, 1.54 e J m -2, respectivamente. Essa menor importância relativa da 49

8 Quadro 3 Perdas de solo, g m -2, em função da energia cinética decorrente das precipitações, J m -2, e da declividade da superfície do solo (DEC), %, para precipitações com duração de 58 minutos DEC Energia cinética (J m -2 ) (%) ,3 61,6 112,6 168,3 421,2 6 15,8 71,5 416, , ,9 1 53,3 26,5 66, , , ,8 44,56 77, , , ,51 563,2 1.26, , ,7 declividade da superfície na perda de solo, em áreas entre sulcos, foi também observada por LATTANZI et al. (1974), o que se deveu ao fato de que, na erosão entre sulcos, o processo de desprendimento de partículas de solo ocorre devido à energia de impacto das gotas de chuva, sendo o escoamento responsável apenas pelo transporte das partículas desprendidas. Entretanto, ao analisar o efeito conjunto desses dois fatores, verificou-se aumento expressivo da perda de solo, sendo esse incremento da ordem de 186 vezes quando se comparou o teste com 2% de declividade da superfície do solo e energia cinética de 495 J m -2 com o teste com 18% e J m -2. O aumento observado na perda de solo quando a declividade da superfície do solo foi aumentada, tendo a taxa de escoamento permanecido constante ao longo de todo o teste, pode ser devido a três fatores: aumento no desprendimento de partículas de solo provocado pelo maior ângulo de impacto das gotas de chuva sobre a superfície do solo; maior facilidade com que as partículas se movimentam no sentido da declividade pelo efeito da gravidade, em maiores declividades da superfície do solo; e aumento da velocidade de escoamento superficial, o qual eleva a capacidade de transporte do escoamento (LATTANZI et al., 1974; GROSH e JARRET, 1994). 5

9 Na Figura 15 estão apresentadas as curvas de perdas de solo em razão da energia cinética decorrente das precipitações e das declividades estudadas, para precipitações com 58 minutos de duração. Pode-se observar, nessa figura, que a perda de solo aumenta com a elevação da energia cinética aplicada, sendo esse aumento uma função potencial do valor da energia cinética. Verifica-se também, nessa figura, que, à medida que a declividade aumenta, o incremento, em termo absoluto, da perda de solo, em razão do aumento da energia cinética, é mais acentuado. Perda acumulada de solo (g m -2 ) P as = 8,9.1-6 EC 2,3161 P as =1,7.1-8 EC 3,469 R 2 aj = 97,64 R 2 aj = 94,92 P as = 4, EC 2,6267 P R 2 aj = 97,37 as = 4, EC 2,3595 R 2 P as = 2, EC 2,1643 aj = 97,9 R 2 aj = 96, Energia cinética, J m -2 2% 6% 1% 14% 18% Figura 15 Perda de solo (Ps), g m -2, em função da energia cinética (EC) decorrente das precipitações, J m -2, e da declividade da superfície do solo, em precipitação com duração de 58 minutos. Na Figura 16 estão apresentadas as curvas de perdas de solo em função da declividade, para cada valor de energia cinética avaliada. Observa-se, nessa figura, que a perda de solo aumentou com o acréscimo da declividade, sendo esse aumento uma função exponencial do valor da declividade para valores de energia cinética de 495 e 832 J m -2 e exponencial com expoentes próximos de 1, 51

10 Perda acumulada de solo (g m -2 ) P as = 9,327. 1,164 DEC R 2 aj = 91,92 P as = 57,879 DEC 1,372 R 2 aj = 98,29 P as = 244,3374 DEC,837 R 2 aj = 99,6 P as =39, ,1689 DEC R 2 aj = 92,93 P as = 111,4551.DEC 1,64 R 2 aj = 82, Declividade (%) (J m -2 ) Figura 16 - Perda de solo (Ps), g m -2, em função da declividade da superfície do solo (DEC) e da energia cinética decorrente da precipitação, em precipitação com duração de 58 minutos. mostrando tendência à linearidade para valores de energia cinética de 1.151, e J m -2. Pode-se observar ainda, nessa figura, efeito menos expressivo da declividade da superfície nas perdas de solo. No entanto, quando foi feita uma análise do efeito conjunto das duas variáveis sobre a perda de solo, observou-se aumento acentuado, evidenciando a importância do efeito da interação desses dois fatores sobre a perda de solo. Essa interação é decorrente das influências direta e indireta dos dois fatores na capacidade de transporte do escoamento superficial. A energia cinética influencia o desprendimento de partículas de solo e a vazão de escoamento, visto que nas condições estudadas essa energia está associada a maiores lâminas aplicadas; e a declividade da superfície do solo influencia a velocidade do escoamento superficial. Na tentativa de expressar o efeito dessa interação, fez-se o ajuste de equações de perda de solo em função da energia cinética da chuva e da declividade da superfície do solo. Dentre as diversas equações ajustadas, a que apresentou melhor coeficiente de ajuste e quando aplicada nas condições 52

11 estudadas teve menor desvio em relação aos dados observados experimentalmente foi a em que,7451 1,853 Ps =,249 Dec Ec/a R 2 = 98,46 (29) Ps = massa de partículas de solo desprendidas e transportadas, g m -2 ; Dec = declividade da superfície do solo, %; e E c/a = energia cinética por unidade de área, J m -2. Esta equação vem confirmar as observações feitas anteriormente de que a perda de solo é crescente com o aumento da intensidade de precipitação e da declividade da superfície do solo e também o efeito menos expressivo da declividade na perda de solo quando comparado ao da energia cinética, tendo em vista que a declividade apresenta valor de expoente inferior ao da energia cinética Comparação das Perdas de Solo Estimadas e Obtidas no Canal de solo No Quadro 4 são apresentados os valores de perda de solo obtidos experimentalmente e os valores estimados pelos modelos utilizados pelos programas ANSWERS e WEPP na predição da liberação de partículas de solo pelo impacto das gotas de chuva. Fazendo uma comparação dos valores de perdas de solo estimados pelo WEPP e os observados experimentalmente, verificou-se que em todos os testes com intensidade de precipitação de 21,27 mm h -1 os valores estimados foram superiores aos valores observados, com a ressalva de que essa superioridade variou da ordem de 1,43 a 5,2 vezes, com menores valores de superioridade relativa para maiores valores de declividade da superfície do solo. Nas demais intensidades de precipitação, verificou-se variação entre superestimatitivas e subestimativas dos valores observados, em comparação com os estimados. Para os menores valores de declividades, os valores de perdas de solo foram 53

12 Quadro 4 Valores de perda total de solo, g.m -2, obtidos a partir dos modelos matemáticos para predição da erosão entre sulcos utilizados pelos programas ANSWERS e WEPP e os obtidos nos experimentos realizados no canal de solo, para precipitação com duração de 58 min DEC Ip 1 Estimados Relação estimado/observado (%) (mm h -1 ) WEPP ANSW 2 OBS 3 WEPP/OBS ANSW/OBS 21,27 74,31 1,6 14,3 5,2,74 34,22 192,33 27,43 61,6 3,12, ,1 349,6 49,79 112,6 3,1,44 6,3 597,22 85,19 168,3 3,55,51 75,25 93,6 132,66 421,2 2,21,31 21,27 16,8 1,6 15,8 6,77,67 34,22 276,43 27,43 71,5 3,87, ,1 51,67 49,79 416,8 1,2,12 6,3 858,33 85, ,5,76,8 75, ,69 132, ,9 1,16,11 21,27 134,48 1,6 53,31 2,52,2 34,22 348,8 27,43 26,5 1,69, ,1 631,72 49,79 66,2,96,8 6,3 1.8,83 85, ,3,8,6 75, ,2 132, ,1 1,3,8 21,27 158,7 1,6 79,8 1,98,13 34,22 49,15 27,43 44,6,93, ,1 742,54 49,79 77,3,96,6 6,3 1.27,44 85, ,4,91,6 75, ,48 132, ,9,9,6 21,27 178,17 1,6 124,5 1,43,9 34,22 461,18 27,43 563,2,82, ,1 836,97 49, ,,69,4 6, ,1 85, ,7,91,5 75, ,9 132, ,7,85,5 1 valores de intensidade de precipitação corrigida para condições de chuva natural utilizando a energia cinética aplicada pelo simulador para valor de intensidade de precipitação simulada. 2 valores de perdas de solo estimados pelo modelo utilizado pelo ANSWERS. 3 valores de perdas de solo obtidos experimentalmente. 54

13 superestimados quando comparados com os observados; para maiores declividades houve uma inversão, ou seja, os valores de perdas de solo foram subestimados quando comparados com os valores observados. Com relação à superestimativa do valor obtido pelo WEPP, provavelmente isso ocorreu em função da maneira pela qual o fator de erodibilidade foi obtido, uma vez que a equação utilizada para estimar a erodibilidade do solo (K i ) era de base empírica, obtida a partir de dados experimentais para condições de solo diferentes das existentes no Brasil, mostrando que, embora o modelo seja baseado em um conceito físico do processo erosivo, a estimativa de K i é feita empiricamente. Essa consideração também foi feita por GOVERS (199), o qual afirmou que, apesar de o WEEP apresentar interação ou relação entre os componentes individuais do processo de erosão baseada em princípios físicos, as equações usadas para quantificar alguns parâmetros desse modelo são obtidas empiricamente. De acordo com os resultados apresentados no Quadro 4, pode-se observar que a perda de solo estimada pelo modelo WEPP apresentou aumento médio de 2,4 vezes quando a declividade foi aumentada de 2 para 18%, sendo esse aumento inferior ao observado experimentalmente, o que indica que o fator de ajuste da declividade usado no modelo subestimou o efeito da declividade na perda de solo. O mesmo pôde ser observado quando se comparou o aumento na perda de solo em função da intensidade de precipitação, ou seja, segundo o modelo WEPP, a perda de solo aumenta, em média, 12,6 vezes quando a intensidade de precipitação é incrementada de 21 para 75,25 mm h -1, enquanto para os dados obtidos experimentalmente esse aumento médio relativo foi cerca de 37 vezes. Com relação à sensibilidade da equação à variação da intensidade de precipitação, verificou-se que, provavelmente, tenha havido necessidade de ajuste do expoente da intensidade de precipitação na equação usada para estimativa das perdas de solo, posto que o efeito erosivo da precipitação varia para uma mesma intensidade (a energia cinética pode variar e, conseqüentemente, alterar o efeito da intensidade de precipitação na perda de 55

14 solo). Essa subestimativa dos efeitos da declividade e da intensidade de precipitação provavelmente possa explicar a redução na diferença relativa entre os valores estimados e os obtidos experimentalmente, chegando, em alguns casos, a ser observado mudança de superestimativas para subestimativas dos valores estimados em relação aos observados quando a declividade ou intensidade de precipitação é aumentada. A equação utilizada pelo ANSWERS para predição da erosão pelo impacto das gotas de chuva não apresenta sensibilidade à variação de declividade, o que conduziu a uma dificuldade de comparação com os dados observados experimentalmente. No entanto, de maneira geral, os valores estimados pelo ANSWERS foram inferiores aos obtidos experimentalmente, e essa inferioridade tornava-se maior à medida que a declividade aumentava. Tal comportamento pode ser explicado pelo fato de ANSWERS não considerar o efeito da declividade no processo erosivo causado pelo impacto das gotas de chuva. Com isso, independentemente da declividade, segundo ANSWERS, a quantidade de sedimentos liberados por unidade de área é a mesma, o que levou a uma redução drástica da relação entre os valores estimados pelo ANSWERS e os obtidos experimentalmente nas maiores declividades. Fazendo uma análise comparativa entre os valores de perdas de solo estimados pelos dois modelos utilizados, verificou-se diferença relativa, em média, de 12,3 vezes, sendo o valor estimado pelo WEPP superior ao estimado pelo ANSWERS. Isso se deveu, provavelmente, à diferença conceitual entre os dois modelos. 56

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS Viscosidade é uma característica dos líquidos que está relacionada com a sua habilidade de fluir. Quanto maior a viscosidade de um líquido (ou de uma solução) mais difícil

Leia mais

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos Curso de Instrumentista de Sistemas Fundamentos de Controle Prof. Msc. Jean Carlos Ações de controle em malha fechada Controle automático contínuo em malha fechada Ação proporcional A característica da

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO ATRAVÉS DE FUNÇÕES NÃO LINEARES EM PARAGOMINAS-PA

AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO ATRAVÉS DE FUNÇÕES NÃO LINEARES EM PARAGOMINAS-PA AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO ATRAVÉS DE FUNÇÕES NÃO LINEARES EM PARAGOMINAS-PA Carlos José Capela Bispo 1 Renata Silva de Loureiro 2 Edson José Paulino da Rocha 3 RESUMO O experimento foi realizado

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

Determinação da Relação Entre a Pressão de Vapor e a Temperatura

Determinação da Relação Entre a Pressão de Vapor e a Temperatura Determinação da Relação Entre a Pressão de Vapor e a Temperatura Flávio Faccin, Pablo Ricardo Barrera, Paulo Cezar dos Santos QUI03319 - Físico-Química Experimental I - Grupo 62 UFRGS - Universidade Federal

Leia mais

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante DETERMINAÇÃO DAS CURVAS DE SECAGEM DE FOLHAS DE PATA-DE-VACA (Bauhinia forficata) 1 Victor Correa Viana 1,3 ; Ivano Alessandro Devilla 2,3 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisador Orientador, UEG 3 Curso de Engenharia

Leia mais

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO.

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO. EFEITO DE MODIFICAÇÕES NO PLANO CULTURAL E NO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO COMO FORMA DE MELHOR APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA CENÁRIOS CLIMÁTICOS NORMAL E SECO Rosires Catão Curi, Profa.do Dept. de Eng.

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

3 Planejamento de Experimentos

3 Planejamento de Experimentos 3 Planejamento de Experimentos Segundo Montgomery (2004) os métodos de controle estatístico do processo e o planejamento experimental, são duas ferramentas muito poderosas para a melhoria e otimização

Leia mais

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin.

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin. Software PumaWin principais alterações O Software PumaWin está na versão 8.2, as principais mudanças que ocorreram ao longo do tempo estão relacionadas a inclusão de novos recursos ou ferramentas, correção

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RESFRIAMENTO RADIAL EM SUCOS DILUÍDO E CONCENTRADO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RESFRIAMENTO RADIAL EM SUCOS DILUÍDO E CONCENTRADO TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RESFRIAMENTO RADIAL EM SUCOS DILUÍDO E CONCENTRADO Rosana Araújo Cruz 1 (PVIC), Anna Carolina O. Martins 1 (PVIC), Rosilayne M. Oliveira Trindade 1 (PVIC), Thaís Rodrigues de

Leia mais

A presente seção apresenta e especifica as hipótese que se buscou testar com o experimento. A seção 5 vai detalhar o desenho do experimento.

A presente seção apresenta e especifica as hipótese que se buscou testar com o experimento. A seção 5 vai detalhar o desenho do experimento. 4 Plano de Análise O desenho do experimento realizado foi elaborado de forma a identificar o quão relevantes para a explicação do fenômeno de overbidding são os fatores mencionados na literatura em questão

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA EQUAÇÃO DE ARRHENIUS

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA EQUAÇÃO DE ARRHENIUS CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA EQUAÇÃO DE ARRHENIUS A DEPENDÊNCIA DA VELOCIDADE DE REAÇÃO COM A TEMPERATURA A velocidade da maioria das reações químicas aumenta à medida que a temperatura também aumenta.

Leia mais

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho RESUMO Este artigo relata uma pesquisa empírica de teste e quantificação

Leia mais

Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas

Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas Karina Pires Duarte 1, Milton Luiz Paiva de Lima 2 1 Mestranda do curso de Engenharia Oceânica- FURG, Rio Grande, RS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL Ana Valéria Freire Allemão Bertolino Departamento de Geografia/FFP - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO DE CÂMARAS DE RESFRIAMENTO DE ALIMENTOS COM O MOTOR ELÉTRICO DO VENTILADOR DO CONDENSADOR

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO Antonio Marozzi Righetto 1. Hidráulica é o ramo da ciência que trata das condições físicas da água em condições de repouso e em movimento. 2. Um volume de água aprisionado em um

Leia mais

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA O DFC tem por objetivo determinar o estado de deterioração ou de conservação de uma região. É levado a efeito, correlacionando-se uma série de parâmetros

Leia mais

F.13 Cobertura vacinal

F.13 Cobertura vacinal F.13 Cobertura vacinal Trata-se de um conjunto de 8 indicadores que avaliam a cobertura vacinal em menores de um ano para as seguintes doenças: hepatite B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, tétano,

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

Irrigação por Superfície: Sulcos

Irrigação por Superfície: Sulcos Irrigação por Superfície: Sulcos INTRODUÇÃO Sob a definição de irrigação por superfície está incluída os métodos de irrigação que distribuem a água diretamente sobre a superfície do solo, a partir de uma

Leia mais

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO GERTRUDES MACARIO DE OLIVEIRA 1, MÁRIO DE MIRANDA VILAS BOAS RAMOS LEITÃO, ANDREIA CERQUEIRA DE ALMEIDA 3, REGIANE DE CARVALHO BISPO 1 Doutora em Recursos Naturais,

Leia mais

Otimização do Processo de Moagem de Engobes Cerâmicos para Produção de Revestimento

Otimização do Processo de Moagem de Engobes Cerâmicos para Produção de Revestimento Otimização do Processo de Moagem de Engobes Cerâmicos para Produção de Revestimento V.S. Nandi a,b, O.R.K. Montedo b * a Cerâmica Novagres Ltda, Rodovia Genésio Mazon, SC 445, km 19, 88840-000, São Pedro,

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

PERFIS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PERDAS DE SOLO E ÁGUA, EM SEROPÉDICA, SOB DIFERENTES PADRÕES DE PRECIPITAÇÃO

PERFIS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PERDAS DE SOLO E ÁGUA, EM SEROPÉDICA, SOB DIFERENTES PADRÕES DE PRECIPITAÇÃO PERFIS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PERDAS DE SOLO E ÁGUA, EM SEROPÉDICA, SOB DIFERENTES PADRÕES DE PRECIPITAÇÃO Daniel Fonseca de Carvalho, D.S. Prof. Associado I DE/IT/UFRRJ a) Determinação

Leia mais

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador.

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador. 5 Resultados A dificuldade em modelar analiticamente o comportamento de sistemas celulares hierarquizados faz com que grande parte dos estudos de desempenho destes sistemas seja baseada em simulações.

Leia mais

Escola Secundária de Oliveira do Bairro. Ano Lectivo 2010/2011 QUEDA LIVRE FÍSICO-QUÍMICA. Mariana Figueiredo 11ºB nº17

Escola Secundária de Oliveira do Bairro. Ano Lectivo 2010/2011 QUEDA LIVRE FÍSICO-QUÍMICA. Mariana Figueiredo 11ºB nº17 Ano Lectivo 2010/2011 FÍSICO-QUÍMICA QUEDA LIVRE Mariana Figueiredo 11ºB nº17 QUESTÕES PRÉ-LABORATORIAIS Escola Secundária de Oliveira do Bairro 1- a) Na queda, o movimento é uniformemente acelerado porque

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND Ciro Maestre Dutra Gustavo de Souza Veríssimo José Carlos Lopes Ribeiro José Luiz Rangel Paes UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONCEITOS GERAIS : A curva S representa graficamente o resultado da acumulação das distribuições percentuais, parciais, relativas à alocação de determinado fator de produção (mão de obra, equipamentos

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

*UiILFR Taxa Selic, taxa VZDS de 180 dias e de 360 dias (%) 33 31 29 27 25 23 21 19 17 15 Jan 2000. Jul 2001. Swap de 180 Swap de 360 Taxa Selic

*UiILFR Taxa Selic, taxa VZDS de 180 dias e de 360 dias (%) 33 31 29 27 25 23 21 19 17 15 Jan 2000. Jul 2001. Swap de 180 Swap de 360 Taxa Selic Taxa de Juros, Custo do Crédito e Atividade Econômica Taxa básica e estrutura a termo de taxas de juros O Banco Central do Brasil, como a maioria dos bancos centrais modernos, utiliza a taxa básica de

Leia mais

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO Marcio Melquiades Silva dos Anjos (1); Anderson Santos da Silva (1); Patrício Gomes Leite (2); Ronaldo do Nascimento

Leia mais

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 17 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP MODELAGEM DO

Leia mais

Capitulo 86. Infiltração pelo Método de Horton

Capitulo 86. Infiltração pelo Método de Horton Capitulo 86 Infiltração pelo Método de Horton O engenheiro após 10 anos de formado quer aprender filosofia Prof. dr. Kokei Uehara 86-1 SUMÁRIO Ordem Assunto 86.1 Introdução 86.2 Método de Horton 86-2 Capitulo

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. Nathalya Luciano Buges - Acadêmica do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMS

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA.

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. T. C. PARENTE 1, R.V.SAWAKI 1, J.E.C. ALEXANDRE 2, A.C. LIMA 3,

Leia mais

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 A evolução da produção de milho no Mato Grosso: a importância da safrinha Jason de Oliveira Duarte 1 José Carlos Cruz 2 João Carlos Garcia 3 Introdução

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS Giovani Renato Zonta 1 Cristian Bernardi 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI RESUMO Diversos

Leia mais

S I F Õ E S. Coroamento

S I F Õ E S. Coroamento UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD174 006. Prof. Raimundo Nonato Távora Costa S I F Õ E S 01. Definição: Denominam-se sifões os condutos forçados parcialmente,

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Software do tipo simulador e os conteúdos de química

Software do tipo simulador e os conteúdos de química Software do tipo simulador e os conteúdos de química Any C. R. Silva (IC) *1, Bianca C. Nabozny (IC)¹, Leila I. F. Freire (PQ)² 1 Licenciatura em Química - UEPG; 2 Departamentos de Métodos e Técnicas de

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA

TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA CATEGORIA:

Leia mais

8 Cálculo da Opção de Conversão

8 Cálculo da Opção de Conversão 83 8 Cálculo da Opção de Conversão Uma usina de açúcar relativamente eficiente pode produzir 107 kg de açúcar a partir de cada tonelada de cana processada, da qual também é produzida obrigatoriamente uma

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

7 Considerações finais

7 Considerações finais 243 7 Considerações finais A utilização de outros tipos de materiais, como o aço inoxidável, na construção civil vem despertando interesse devido aos benefícios desse aço, e a tendência decrescente de

Leia mais

EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS

EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS 1. Comportamento dos gases Ao se examinar o comportamento experimental

Leia mais

DESEMPENHO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO

DESEMPENHO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E PROCESSOS INDUSTRIAIS Fundamentos de Instrumentação para Controle de Processos RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DESEMPENHO DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO Ederson Luis Posselt,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller Descrição geral Um dos primeiros tipos de detector desenvolvidos foi o chamado contador (ou tubo) de Geiger-Muller. Este contador permite detectar a presença

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Química. Relatório referente á prática de condutividade de eletrólitos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Química. Relatório referente á prática de condutividade de eletrólitos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Química Relatório referente á prática de condutividade de eletrólitos Márcio Ferreira Porto Alegre, de março de 2001 Sumário: O estudo apresentado

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO Diego Rodrigo Queiroz Alves de Souza 1 ; Leandro Assis de Oliveira 2 ; Gabriela Fontes Deiró Ferreira 3

Leia mais

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução Astroquímica Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Alunos: Víctor de Souza Bonfim Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. 1. Introdução Nossas discussões desta aula procuram

Leia mais

Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária

Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária PAPER 1/6 Title Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária Registration Nº: (Abstract) 266 Company Centro

Leia mais

Quadro 1: Classificação do fluxo aéreo segundo o atraso médio das aeronaves

Quadro 1: Classificação do fluxo aéreo segundo o atraso médio das aeronaves 5 O Desempenho Atual O nível de serviço de um aeroporto está diretamente ligado aos índices de atrasos nos seus voos, e, para analisar o nível de serviço do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, tomou-se

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE PROGNÓSTICO CAUSAL

FERRAMENTAS DA QUALIDADE PROGNÓSTICO CAUSAL FERRAMENTAS DA QUALIDADE PROGNÓSTICO CAUSAL Prognóstico é um processo de estimativa de fatores desconhecidos Existem muitos usos para o prognóstico. Toda indústria necessita prever o "fator desconhecido",

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Erika Gonçalves Pires 1, Manuel Eduardo Ferreira 2 1 Agrimensora, Professora do IFTO, Doutoranda em Geografia - UFG,

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA É a parte da química que estuda a rapidez ou taxa de variação das reações e os fatores que nela influem. - Antigamente denominada de velocidade 1, é uma medida da rapidez com que são consumidos

Leia mais

ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM

ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM CURITIBA 2010 2 1 ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM O Índice Ipardes de Desempenho Municipal (IPDM) procura avaliar a situação dos municípios paranaenses,

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS

CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS * Dlmas de Paula Mietto A redução dos gastos com insumos através da determinação do fornecedor / matéria-prima de mais baixo custo.

Leia mais

Forças Aplicadas no Avião. Forças Aplicadas no Avião

Forças Aplicadas no Avião. Forças Aplicadas no Avião 7631 º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Forças no Avião em Voo linha de referência do avião L α T α T γ vento relativo horizontal L Sustentação (força aerodinâmica) D Arrasto (força aerodinâmica)

Leia mais

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4.1 Preparação de Dados Foi utilizada uma base de dados de 156 clientes que tiveram o vencimento de seus títulos compreendidos no período de abril

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação IESTI CCO 004 Sistemas Operacionais Prof. Edmilson Marmo Moreira 4.1 Introdução Capítulo 4 Gerência

Leia mais

Aula 5_1. Corrente Elétrica. Capítulo 5. (Eletrodinâmica) Prof. Cláudio Graça. Física Geral e Experimental III

Aula 5_1. Corrente Elétrica. Capítulo 5. (Eletrodinâmica) Prof. Cláudio Graça. Física Geral e Experimental III Aula 5_1 Corrente Elétrica (Eletrodinâmica) Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Conteúdo Corrente elétrica Dinâmica do movimento Velocidade de deriva Lei de Ôhm Resistência

Leia mais

Datas Importantes 2013/01

Datas Importantes 2013/01 INSTRUMENTAÇÃO CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO PROBABILIDADE PROPAGAÇÃO DE INCERTEZA MÍNIMOS QUADRADOS Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Datas Importantes

Leia mais

Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes

Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes Sarah R. Guazzelli Doutoranda PPGEM - UFRGS Sarah R. Guazzelli, Doutoranda, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS Jair C. Koppe, Professor,

Leia mais

SP 01/12/78 NT 027/78. Projeto MULV - Melhor Utilização do Leito Viário. Eng.º Mauro Mazamatti. Introdução

SP 01/12/78 NT 027/78. Projeto MULV - Melhor Utilização do Leito Viário. Eng.º Mauro Mazamatti. Introdução SP 01/12/78 NT 027/78 Projeto MULV - Melhor Utilização do Leito Viário Eng.º Mauro Mazamatti Introdução O projeto MULV tem por objetivo estudar a influência que diferentes larguras de faixa de tráfego

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) COMISSÃO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO (CED)

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) COMISSÃO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO (CED) SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) COMISSÃO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO (CED) 3º RELATÓRIO DE ANÁLISE E ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS SUPERVISIONADOS RIO DE JANEIRO, 30 DE NOVEMBRO DE 2015 1.

Leia mais

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação).

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). 59 Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). Figura 4.7: Comparação do erro para a componente horizontal de velocidade para diferentes níveis de refinamento. 60 Figura

Leia mais

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório.

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. 40 Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. Nesse capítulo chega-se ao ponto de partida para o pleno desenvolvimento desse trabalho, após um processo complicado de liberação

Leia mais

Verificação e Validação em CFD

Verificação e Validação em CFD Erro de arredondamento. Erro iterativo. Erro de discretização. As três componentes do erro numérico têm comportamentos diferentes com o aumento do número de graus de liberdade (refinamento da malha). Erro

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DE NÍVEIS DE RUÍDO EMITIDOS POR TRATORES EM DIFERENTES OPERAÇÕES AGRÍCOLAS Josué Gomes Delmond 1,3, Elton Fialho dos Reis 2,3 1 Bolsista PIBIC/CNPQ 2 Eng Agrícola, Prof. DSc, Orientador. 3 Curso

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

Modelagem de Serviços Ambientais Modelo InVEST

Modelagem de Serviços Ambientais Modelo InVEST Modelagem de Serviços Ambientais Modelo InVEST I Workshop sobre Monitoramento Hidroambiental da Bacia do Ribeirão Pipiripau Lícia Azevedo Setembro/2012 MODELAGEM DE SERVIÇOS AMBENTAIS COMO SUPORTE À TOMADA

Leia mais

A UTILlZAÇlo DA COTAÇlo DO DÓLAR PARA ELIMINAR EFEITOS DA INFLAÇlo

A UTILlZAÇlo DA COTAÇlo DO DÓLAR PARA ELIMINAR EFEITOS DA INFLAÇlo A UTILlZAÇlo DA COTAÇlo DO DÓLAR PARA ELIMINAR EFEITOS DA INFLAÇlo Roberto Carvalho Cardoso* 1. Objetivo do trabalho. 2. Dados c01!-sidfrados. 3. Variações de 1952/53/54. 4. Vanaçoes de 1955/56/57. 5.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS ESTUDO

Leia mais

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema Simulação de Sistemas Teoria das Filas 1 2 3 Estrutura do Sistema Capacidade do sistema Canais de Serviço 1 Chegada de Clientes de chegada (tempo entre chegadas) Fila de Clientes Tempo de atendimento 2...

Leia mais