Relatório Trabalho Prático 2 : Colônia de Formigas para Otimização e Agrupamento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Trabalho Prático 2 : Colônia de Formigas para Otimização e Agrupamento"

Transcrição

1 Relatório Trabalho Prático 2 : Colônia de Formigas para Otimização e Agrupamento Ramon Pereira Lopes Rangel Silva Oliveira 31 de outubro de Introdução O presente documento refere-se ao relatório do trabalho prático da disciplina de Computação Natural. O trabalho prático em questão consiste em implementar algoritmos baseados em Colônia de Formigas para um problema de otimização, especicamente o problema de resolução de labirintos, e para um problema de aprendizado de máquina, especicamente um problema de agrupamento. Para ns de implementação, a linguagem Java foi adotada, sendo que, ao nal dessa etapa, experimentos foram conduzidos para avaliar tanto a sensibilidade dos parâmetros quanto o desempenho dos algoritmos implementados sobre as instâncias fornecidas. Algoritmos de colônia de formigas é muito usado para solucionar um problema com a colaboração de vários agentes. No trabalho em questão as soluções são obtidas através do trabalho conjunto das formigas, que contribuem com uma parcela da solução. Os algoritmos apresentados possuem a estrutura mencionada. 1.1 Otimização - Labirinto O problema do labirinto é bem simples. Dado um tabuleiro denido por células vazias e paredes, deve-se encontrar um caminho válido de menor custo partindo da entrada e chegando à saída do labirinto. A solução adotada neste trabalho é simples, entretanto se mostrou muito ecaz. Dado um conjunto de formigas, o procedimento é soltá-las no ponto inicial do labirinto. Cada uma executa um passo válido no labirinto até 1

2 chegar ao destino, ou até não conseguir mais executar passos válidos. Em cada iteração todas as formigas percorrem o labirinto e contribuem com uma parcela da solução, provendo diversidade dos caminhos possíveis no labirinto. Após cada iteração o feromônio é atualizado em todas as células percorridas por alguma formiga no labirinto, assim como é aplicado a taxa de evaporação do mesmo, visando escapar do mínimos locais ao passa que caminhos percorridos há mais tempo possam ser recuperados. A evaporação de feromônio é feita simplesmente multiplicando cada célula por uma constante entre 0 e 1. Para decidir qual direção deve ser tomada dada uma posição da formiga no labirinto, é levado em consideração a quantidade de feromônio existente nas células nas quais um possível movimento seria válido. Como sempre são no máximo 4 possibilidade de movimentos, cada quantidade de feromônio na célula é somada a 0.25 com a nalidade de permitir que mesmo uma célula que não possua feromônio, ela tenha possibilidade de ser escolhida como próximo passo. Usa-se uma roleta para escolher a nova posição da formiga, da seguinte forma: Divide-se cada uma das 4 probabilidades pelas soma delas, gerando uma porcentagem em relação ao total; Sorteia-se um número de 0 a 1 e dependendo da distribuição nas probabilidades de escolhas, uma direção é escolhida; Mesmo que uma direção tenha maior feromônio, pode acontecer de uma célula sem feromônio ser escolhida. A ideia é que quanto maior feromônio em uma célula, mair a probabilidade de uma formiga seguir naquela direção. A atualização do feromônio é feita de forma inversamente proporcional ao tamanho do caminho obtido pela formiga. Quando a formiga chega à solução apenas o tamanho do caminho é levado em consideração, no caso de uma formiga não chegar ao objetivo é somado um número grande para penalizar a escolha daquele caminho, já que não soluciona o problema. Resumindo, quanto menor o caminho, mais feromônio será deixado nas células, orientando ainda mais as próximas formigas que caminharão pelo labirinto. Uma estratégia muito interessante adotada neste trabalho tem relação àquelas impossibilidade de uma formiga a dar algum passo válido. Neste caso foi adotado que a formiga cumpriu seu papel. Entretanto, uma ideia muito boa de convergência do algoritmo foi adotar que se uma formiga não consegue mais caminhar no labirinto, ela torna a célula em que ela se encontra em uma parede. Isso faz com que as formigas, ao longo das iterações, vão 2

3 removendo soluções inválidas do espaço de soluções. Por exemplo, becos no labirinto são substituídos por paredes, sendo fechado com o decorrer das iterações. Somente esse procedimento realiza uma poda de soluções muito grande, promovendo uma convergência rápida. Levando em consideração tal procedimento de gerar paredes, foi pensado em outra situação que pode levar uma formiga a entrar em loop. Isso acontece se a próxima posição da formiga for uma já visitada por ela, o que acaba possibilitando a uma possível solução a ter ciclos, e no pior caso uma formiga pode car caminhos em ciclos para sempre. A solução adotada para isso é transformar em parede a célula atual em que está a formiga quando a próxima célula a ser ocupada já foi visitada por ela. Essa estratégia realiza uma série de podas que aumentam a taxa de convergência do algoritmo. 1.2 Agrupamento O problema de agrupamento consiste basicamente em agrupar um conjunto de dados que apresentam características similares. Para tal m, o algoritmo de colônia de formigas implementado baseia-se na métrica de distância euclidiana para a realização de agrupamento, como também, diferentemente de trabalhos na literatura, o espaço de trabalho adotado é uma região planar em vez de um toróide. Vale ressaltar que todos os vetores foram normalizados a m de evitar resultados imprecisos por conta da discrepância de grandezas entre os vetores. Algoritmo 1: Algoritmo básico colônia de formigas 1 scatteritems(); 2 for i 1 to #ants do 3 ant[i].pickf reeitem(); 4 for j 1 to #iterations do 5 for i 1 to #ants do 6 if ant[i].iscarryingitem() then 7 if ant[i].drop() then 8 ant[i].pickf reeitem(); 9 else 10 ant[i].pickf reeitem(); 11 ant[i].step(); 12 dropall(); 3

4 A Algoritmo 1 apresenta o pseudo-código do algoritmo básico da colônia de formigas. Na Linha 1, todos os itens são inseridos aleatoriamente no espaço de trabalho de duas dimensões. Nas Linhas 2 e 3, cada formiga da colônia tenta carregar probabilisticamente um item livre no espaço de trabalho. Na Linha 4, o bloco de código abaixo é executado pelo número máximo de iterações do algoritmo. Na Linha 5, o bloco de código abaixo é executado para cada formiga. Nas Linhas 6, 7 e 8, a formiga que estiver carregando um item tenta depositar probabilisticamente o item carregado no espaço de trabalho em sua posição atual, caso consiga, esta tenta carregar aleatoriamente um item livre no espaço de trabalho. Nas Linhas 9 e 10, caso a formiga não esteja carregando um item, esta tenta carregar probabilisticamente um item livre no espaço de trabalho. Na Linha 11, a formiga se movimenta no espaço de trabalho. Por m, na Linha 12, ao término do algoritmo, cada formiga, caso esteja carregando algum item, deposita o item carregado na memória de trabalho. Algoritmo 2: double dissimilarity(int x, int y) 1 density = 0; 2 for (i,j) in Square(x,y) do 3 if!occupied[i][j] then 4 density += penalty; 5 if i!= x and j!= y then 6 density += dissimilarity[(x,y), (i,j)]; 7 return density / (Area(Square(x,y))*penalty); O grau de dissimilaridade é a métrica básica para as funções probabilísticas para determinar se uma formiga deve carregar ou despositar um dado item. O grau de dissimilaridade, dada a posição em que o item se encontra, é calculado pelo somatório da distância euclidiana entre o item em questão e cada item vizinho dividido pela área da vizinhança. A região de vizinhança é denida por um quadrado de lado l e com centro na posição do item em questão. Durante o cálculo de dissimilaridade, caso uma posição na vizinhança esteja vazia, ocorre uma penalização a m de garantir que itens permaneçam isolados. O pseudo-código da função de cálculo de dissimilaridade é apresentado no Algoritmo 2. Os Algoritmos 3 e 4 apresentam o pseudo-código dos algoritmos para cálculo das probabilidades de carregar e depositar um item, respectivamente. No Algoritmo 3, a probabilidade de um item ser carregado é diretamente proporcional ao grau de dissimilaridade, representado por density. Por sua vez, 4

5 Algoritmo 3: double pickprobability(double density) 1 if density >= 0.7 then 2 return 1; 3 else 4 reutrn density; Algoritmo 4: double dropprobability(double density) 1 return 1-density; no Algoritmo 4, a probabilidade de um item ser depositado é inversamente proporcional ao grau de dissimilaridade. No que compete às políticas de movimentação de uma formiga no espaço de trabalho, técnicas foram adotadas para acelerar a convergência do algoritmo foram adotados. A primeira técnica adotada consiste em manter uma lista de itens livres, isto é, itens que não estão sendo carregados por outra formiga. Com base nesta lista, uma formiga que não está carregando item algum probabilisticamente carregará algum desta lista, de modo que a formiga é diretamente transportada para a posição de do item selecionado. A segunda técnica adotada consiste em manter uma memória no formigueiro com tamanho igual a 10 itens. Deste modo, uma formiga, ao carregar um novo item, tentará depositar tal item na região daquele de menor dissimilaridade dentre aqueles presentes na memória. Vale ressaltar que, inicialmente, tentou-se introduzir uma memória local para cada formiga, contudo não houve melhora signicativa no algoritmo. Apesar do espaço de memória ser global, isto é, o espaço de memória pertence ao formigueiro e é acessível por todas as formigas, foi estipulado um tamanho pequeno para esse espaço. Com base na arquitetura projetada e no algoritmo implementado, os seguintes parâmetros foram estipulados: o tamanho da vizinhança, o número de formigas, o tamanho do espaço de trabalho e o número de iterações do algoritmo. A inuência de tais parâmetros no algoritmo é analisada na próxima seção. 5

6 2 Experimentos 2.1 Otimização - Labirinto No problema do labirinto temos apenas o tamanho do caminho a ser analisado. Sendo assim, o proposto é alterar os parâmetros e ver como se comporta o algoritmo. Para todas as instâncias o algoritmo foi executado alterando o número de formigas e o número de iterações a serem realizadas. Percebemos que a alteração do feromônio a ser depositado em cada célula não impacta nas soluções, porque na roleta apenas a porcentagem é levada em consideração. Logo, se um valor maior é depositado, o valor é distribuído pelas células, fazendo com que a porcentagem continue a mesma para todas as células possíveis de serem escolhidas. O comportamento do algoritmo foi como esperado, diferindo apenas no critério de convergência. A convergência se mostrou muito rápida ao ponto de que quando uma formiga encontra uma solução viável ela já é a melhor encontrada no restante das iterações. Foi possível concluir que esse comportamento é devido à própria estrutura do labirinto. Não há tantos caminhos possíveis que levam à saída do algoritmo, e ainda com o fechamento de alguns becos e loops, as formigas convergem para o melhor caminho muito rápido. Do ponto de vista prático, esse comportamento se mostrou muito bom, mas pelo lado didático acreditava-se que as soluções seriam melhoradas com as iterações, o que não aconteceu. Fato este que pode ser explicado pelo fato de as formigas desde os primeiros passos já orientarem a decisão pelo melhor sub-caminho já encontrado, já que há uma maior concentração de feromônio. Então, como a cada decisão há um ajuste do próximo passo, quando uma formiga realiza o último passo para chegar a uma solução, ela por indução, seria a melhor encontrada. Os resultados encontrados para as instâncias são mostradas na Tabela 1: Valor M1 M2 M3 Melhor Médio Tabela 1: Resultados encontradas para o algoritmo de colônia de formigas Os parâmetros de execução foram alterados para as 3 instâncias até que se achasse uma combinação que gerasse um menor tempo de processamento. Sendo assim, as execuções que encontraram solução a um menor custo computacional estão listadas abaixo: 6

7 # Para o labirinto M1, 200 formigas com 4 iterações java ufmg.maze.main.main -i../input/m1.txt -p 200 -r 4 # Para o labirinto M2, 250 formigas com 15 iterações java ufmg.maze.main.main -i../input/m2.txt -p 250 -r 15 # Para o labirinto M3, 200 formigas com 4 iterações java ufmg.maze.main.main -i../input/m3.txt -p 200 -r O fato de cada instância ter sido congurado com parâmetros diferentes mostra que dependendo do tamanho da entrada, os mesmos parâmetros podem não levar a uma solução viável. No caso do labirinto isso acontece pela necessidade de gerar caminhos cada vez maiores am de chegar à saída do tabuleiro. Então, colocar um número maior de formigas e iterações, faz com que mais soluções inviáveis sejam eliminadas e o algoritmo convirja para a solução ótima do problema. 2.2 Aprendizado A m de avaliar a sensibilidade dos parâmetros adotados, diversos experimentos foram realizados. Para cada conguração dos experimentos, 30 execuções foram realizadas e seus valores médios obtidos para a métrica CVBest são reportados no restante desta seção. É importante ressaltar que os experimentos foram conduzidos sobre conjunto de dados de iris.csv. Por m, uma vez determinada a melhor combinação de parâmetros, o algoritmo implementado foi avaliado sobre todos os conjuntos de dados, isto é, os conjuntos iris.csv, moon.csv e wine.dat. No restante desta seção, o tamanho da instância será representado por n. A Figura 1 apresenta o impacto em CVBest por meio da variação do tamanho da vizinhança utilizada para o cálculo de dissimilaridade. Para tal análise, os demais parâmetros foram xados da seguinte forma: (i) número de formigas igual a 0, 5n, (ii) tamanho do espaço de trabalho igual a 5n, (iii) número de iterações igual a 500n. Por meio de tal gráco, é possível constatar que o melhor resultado foi obtido com tamanho de vizinhança igual a 1, cujo valor de CVBest encontrado foi de 0,2928. Deste modo, o tamanho de vizinhança foi xado em 1 e a sensibilidade do parâmetro relativo ao tamanho do espaço de trabalho foi a analisado. A Figura 2 apresenta o resultado do impacto da variação do tamanho do espaço de trabalho sobre CVBest. Nesta análise, os demais parâmetros foram 7

8 CVBeta Tamanho Vizinhanca Figura 1: Impacto da variação do tamanho da vizinhança CVBeta Tamanho Espaco de Trabalho Figura 2: Impacto da variação do tamanho do espaço de trabalho. 8

9 xados da seguinte forma: (i) número de formigas igual a 0, 5n, (ii) tamanho da vizinhança igual a 1 (determinado na etapa anterior), (iii) número de iterações igual a 500n. Com base no gráco, conclui-se que o melhor valor médio de CVBest é obtido com tamanho do grid igual a 10n, cujo valor CVBest foi igual a 0,2900. Contudo, é possível notar que há uma diferença infíma de 0,0055 entre o melhor e o pior valor encontrado. De qualquer forma, o tamanho do grid foi xado em 10n, e o parâmetro relativo à porcentagem do número de formigas em relação ao tamanho da instância foi objeto de estudo na próxima etapa CVBeta Porcentagem Formigas Figura 3: Impacto da variação do tamanho do número de formigas. A Figura 3 apresenta a sensibilidade de CVBest em relação à variação da porcentagem do número de formigas em relação ao tamanho da instância. Para esta análise, o parâmetro relativo ao número de iterações foi mantido em 500n, enquanto os demais parâmetros foram xados nos valores obtidos nas análises anteriores. Por meio do gráco, é possível concluir que o melhor resultado é alcançado com um número de formigas equivalente a 70% do tamanho da instância, cujo valor de CVBest igual a 0,2280. Deste modo, o número de formigas foi xado em 0, 7n, e a análise do último parâmetro, número de iterações, foi realizada. Por m, a Figura 4 apresenta a sensibilidade de CVBest em relação à variação do número de iterações do algoritmo. Vale ressaltar que o número real de iterações é mn, sendo m o parâmetro a ser determinado. Por meio do gráco, conclui-se que o melhor resultado obtido, igual a 0,2208, foi alcançado quando o parâmetro m foi igual a 50. Assim como a maioria dos parâmetros anteriores, o parâmetro em questão não possui um impacto signicativo em CVBest. 9

10 CVBeta Quantidade Iteracoes Figura 4: Impacto da variação do tamanho do número de iterações. Com base no estudo de sensibilidade realizado, os parâmetros foram xados da seguinte forma: (i) tamanho da vizinhança igual a 1, (ii) tamanho do espaço de trabalho igual a 10n, (iii) porcentagem de formigas igual a 0, 7 e, por m, (iv) quantidade de iterações igual a 50n. Com base nestes parâmetros, o desempenho do algoritmo implementado foi avaliado sobre as instâncias fornecidas. Instância CVBest Desvio Padrão iris.csv 0,2310 0,0110 moon.csv 0,1523 0,0078 wine.dat 0,4420 0,0110 Tabela 2: Análise do algoritmo genético sobre os conjuntos de dados disponibilizados para avaliação. A Tabela 1 reporta o valor médio de CVBest obtido para as 30 execuções do algoritmo de colônia de formigas para as instâncias iris.csv, moon.csv e wine.dat. A execução do algoritmo para a instância teve como valor médio CVBest para as 30 execuções igual a 0,23 com desvio padrão de 0,0110. Para a instância moon.csv, foram encontrado valores de CVBest e desvio padrão igual a 0,1523 e 0,0078, respectivamente. Por m, para a instância wine.dat, foi obtido um valor de CVBest igual a 0,4420 com desvio padrão de 0,

11 3 Conclusões Para o problema de agrupamento, o algoritmo de formigas implementado apresentou resultados satisfatórios para as instâncias avaliadas, apesar das di- culdades encontradas. Tais diculdades foram contornadas denitivamente por meio da introdução do sistema de memória no algoritmo. Apesar da memória ser global, o que fere o princípio de espaço local, esta foi xada em 10 itens e, indubitavelmente, possibilitou a obtenção dos resultados apresentados. Já para o algoritmo proposto para o labirinto, a bio-inspiração em formigas possibilitou uma grande vantagem em relação ao algoritmo genético proposto no trabalho anterior. Observou-se que a convergência no algoritmo de formigas implementado é muito boa e quando uma formiga encontra uma solução para o problema, ou seja, uma rota completa do entrada até a saída do labirinto, os sub-caminhos já foram otimizados e a solução ótima é encontrada. Tal comportamento foi observado em todas as instâncias e a causa disso pode ser oriunda da execução das podas. 11

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA Colônia de Formigas Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução O Experimento da Ponte Binária. Ant System Aplicado ao PCV. Elitist Ant System. Introdução Otimização colônia

Leia mais

A Otimização Colônia de Formigas

A Otimização Colônia de Formigas A Otimização Colônia de Formigas Estéfane G. M. de Lacerda Departamento de Engenharia da Computação e Automação UFRN 22/04/2008 Índice A Inspiração Biológica O Ant System Aplicado ao PCV O Ant System Aplicado

Leia mais

Inteligência de Enxame: ACO

Inteligência de Enxame: ACO Inteligência de Enxame: ACO! Otimização colônia de formigas é uma meta-heurística: «baseada em população «inspirada no comportamento forrageiro das formigas.! Muitas espécies de formigas são quase cegas.!

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

Busca em Memória. Secundária

Busca em Memória. Secundária UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Busca em Memória Secundária e Gomes da Costa yandre@din.uem.br 1 Busca de um item em uma massa de dados que não cabe na memória principal; Procura-se

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

Trabalho de Implementação Jogo Reversi

Trabalho de Implementação Jogo Reversi Trabalho de Implementação Jogo Reversi Paulo Afonso Parreira Júnior {paulojr@comp.ufla.br} Rilson Machado de Olivera {rilson@comp.ufla.br} Universidade Federal de Lavras UFLA Departamento de Ciência da

Leia mais

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução).

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução). Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística DCC Leônidas O. Brandão 1 Computador à Gaveta O objetivo deste texto é introduzir os primeiros conceitos de algoritmos a partir de um modelo

Leia mais

Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual

Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual Fagner do Nascimento Fonseca a, Orientador(a): Flávia Maristela S. Nascimento b a Instituto Federal da Bahia b Instituto

Leia mais

Rastreamento de Múltiplos. Objetos em Tempo Real

Rastreamento de Múltiplos. Objetos em Tempo Real Rastreamento de Múltiplos Objetos em Tempo Real THIAGO DA ROSA DE BUSTAMANTE 1 UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais, Av. Antônio Carlos, 667 Pampulha - Belo Horizonte, MG, Brasil trb@dcc.ufmg.br

Leia mais

APLICAÇÃO DA METAHEURÍSTICA COLÔNIA DE FORMIGAS AO PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS

APLICAÇÃO DA METAHEURÍSTICA COLÔNIA DE FORMIGAS AO PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS APLICAÇÃO DA METAHEURÍSTICA COLÔNIA DE FORMIGAS AO PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS Mirlam Moro Lombardi e Jean Eduardo Glazar Departamento de Ciência da Computação Faculdade de Aracruz Uniaracruz {mirlam,

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 7 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Aula anterior Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Modelo vetorial- Definição Para o modelo vetorial, o

Leia mais

Fila de Prioridade. Siang Wun Song - Universidade de São Paulo - IME/USP. MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008

Fila de Prioridade. Siang Wun Song - Universidade de São Paulo - IME/USP. MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Fila de prioridade Fila de prioridade é uma estrutura de dado que mantém uma coleção de elementos, cada um com uma prioridade associada. Valem as operações seguintes.

Leia mais

Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas

Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas CAPÍTULO 1 Encontrando a Linha Divisória: Detecção de Bordas Contribuíram: Daniela Marta Seara, Geovani Cássia da Silva Espezim Elizandro Encontrar Bordas também é Segmentar A visão computacional envolve

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I:

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I: Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores Unidade I: 0 Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA E REGISTRADORES O Processador é um chip com milhares de

Leia mais

Problema de Otimização Combinatória

Problema de Otimização Combinatória Problema de Otimização Combinatória Otimização é o processo de encontrar e comparar soluções factíveis até que nenhuma solução melhor possa ser encontrada. Essas soluções são ditas boas ou ruins em termos

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

Tarefas, Exercícios e

Tarefas, Exercícios e Ocinas Tarefas, Exercícios e Tarefas, Exercícios e Ocinas são atividades que têm vários aspectos em comum e são o objeto deste capítulo. Tarefas As tarefas podem ser de três tipos, descritos a seguir.

Leia mais

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 1. Introdução Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 A Máquina de Turing, idealizada por Alan Turing, em 1936, é uma máquina teórica simples capaz de calcular qualquer função matemática.

Leia mais

Linear Solver Program - Manual do Usuário

Linear Solver Program - Manual do Usuário Linear Solver Program - Manual do Usuário Versão 1.11.0 Traduzido por: Angelo de Oliveira (angelo@unir.br/mrxyztplk@gmail.com) 1 Introdução Linear Program Solver (LiPS) é um pacote de otimização projetado

Leia mais

Tabela de símbolos: tabelas de espalhamento

Tabela de símbolos: tabelas de espalhamento Tabela de símbolos: tabelas de espalhamento Marcelo K. Albertini 14 de Janeiro de 2014 2/28 Resumo de complexidades Análises para operação efetuada após N inserções pior caso caso médio keys chave get

Leia mais

Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage

Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando

Leia mais

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Wânderson O. Assis, Alessandra D. Coelho, Marcelo M. Gomes, Cláudio G. Labate, Daniel F. Calasso, João Carlos G. C. Filho Escola

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

DALUA: BIBLIOTECA PARA APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS

DALUA: BIBLIOTECA PARA APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS DALUA: BIBLIOTECA PARA APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS Aluno: Ricardo Gomes Leal Costa Orientadora: Noemi de la Rocque Rodriguez Introdução A biblioteca DALua [1], fruto do projeto anterior, tem por objetivo oferecer

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 5 Instruções de controle: Parte 2 Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 5.1 Introdução Instrução de repetição for Instrução de repetição do while Instrução de seleção

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Fila / Alocação Estática Pag.: 1 - UNIVERSIAE O VALE O RIO OS SINOS IÊNIAS EXATAS E TENOLÓGIAS urso: Informática / iência da omputação Programação II isciplina: Linguagem de

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Módulo 1: Contextualização

Módulo 1: Contextualização Módulo 1: Contextualização Este trabalho, tem o objetivo de auxiliar os alunos das disciplinas de Introdução a Programação de Computadores, para cursos de Engenharia e de Automação, em seus estudos e no

Leia mais

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF No capítulo anterior... Estratégias de busca auxiliadas por heurísticas (A*, BRPM)

Leia mais

Considerando-se as premissas básicas e critérios adotados determinam-se duas situações que estão representadas nos gráficos a seguir:

Considerando-se as premissas básicas e critérios adotados determinam-se duas situações que estão representadas nos gráficos a seguir: RT 2.001 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para adoção de tensões mecânicas de projeto quando da utilização de cabos singelos de alumínio

Leia mais

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer:

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: ELETRÔNI IGITl I FUNÇÕES LÓGIS Formas de representação de uma função lógica omo foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: Soma de Produtos Produtos

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

Hashing (Tabela de Dispersão)

Hashing (Tabela de Dispersão) Hashing (Tabela de Dispersão) Motivação! Os métodos de pesquisa vistos até agora buscam informações armazenadas com base na comparação de suas chaves.! Para obtermos algoritmos eficientes, armazenamos

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

Tipo Abstrato de Dados

Tipo Abstrato de Dados Tipo Abstrato de Dados David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf - UFPR Qual a diferença entre um algoritmo e um programa? Algoritmos e Estruturas de Dados Algoritmo: Sequência de ações executáveis

Leia mais

PRIORIDADES EM SERVIÇOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. Professora Andréia Ribas rp_andreiaribas@hotmail.com

PRIORIDADES EM SERVIÇOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. Professora Andréia Ribas rp_andreiaribas@hotmail.com PRIORIDADES EM SERVIÇOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Professora Andréia Ribas rp_andreiaribas@hotmail.com Organização Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista

Leia mais

SPED Contribuições Pis, Cofins e INSS

SPED Contribuições Pis, Cofins e INSS Versão 6.04.00 Abril/2015 SPED Contribuições Pis, Cofins e INSS Passo a Passo: Cadastros, Configurações e Operações SPED Contribuições O SPED Contribuições é um arquivo digital instituído no Sistema Publico

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PROPOSTA Este simulado é um material de apoio para você se preparar para o Teste de Resolução de Problemas, com o objetivo de: 1. Compartilhar dicas e normas

Leia mais

Elementos de programação em C

Elementos de programação em C Elementos de programação em C Estruturas condicionais Francisco A. C. Pinheiro, Elementos de Programação em C, Bookman, 2012. Visite os sítios do livro para obter material adicional: www.bookman.com.br

Leia mais

Filas: conceitos e implementações

Filas: conceitos e implementações Estrutura de Dados I Filas: conceitos e implementações Cesar Rocha cesar@pontoweb.com.br 1 Objetivos Explorar os conceitos fundamentais acerca do uso de filas utilizando a linguagem C Organização e implementação,

Leia mais

Roteiro. MC-102 Aula 01. Hardware e dispositivos. O que é um computador? Primeiro Semestre de 2008 3 A linguagem C

Roteiro. MC-102 Aula 01. Hardware e dispositivos. O que é um computador? Primeiro Semestre de 2008 3 A linguagem C Roteiro Introdução à Programação de Computadores 1 Instituto de Computação Unicamp 2 Primeiro Semestre de 2008 3 O que é um computador? Computador: o que computa, calculador, calculista. (dicionário Houaiss).

Leia mais

ERP-8115 Nota Fiscal Eletrônica v2.0 (XML) Erro "Elemento inválido" emitido pelo sistema na transmissão da Nota Fiscal Eletrônica.

ERP-8115 Nota Fiscal Eletrônica v2.0 (XML) Erro Elemento inválido emitido pelo sistema na transmissão da Nota Fiscal Eletrônica. Release 3.60 Resumo das alterações Faturamento ERP-6954 Em casos em que o usuário tentar efetivar um pedido de vendas onde um dos produtos encontra-se inativo, o sistema está efetivando normalmente. Para

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

Métodos de Pesquisa em Memória Primária

Métodos de Pesquisa em Memória Primária Algoritmos e Estrutura de Dados II Métodos de Pesquisa em Memória Primária Prof Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Pesquisa Por pesquisa (procura ou busca) entende-se o ato

Leia mais

Algoritmo Iterativo. Dilema do Martelo x Edifício. O Martelo. O Edifício 01/06/2014. Dilema das ações x declarações

Algoritmo Iterativo. Dilema do Martelo x Edifício. O Martelo. O Edifício 01/06/2014. Dilema das ações x declarações Algoritmo Iterativo Fernando Cardeal Parece com o processo de seguir uma estrada: Como chegar à estrada? Como se manter na estrada? Como saber que chegou ao destino para sair da estrada? Como fazer tudo

Leia mais

4 Avaliação Experimental

4 Avaliação Experimental 4 Avaliação Experimental Este capítulo apresenta uma avaliação experimental dos métodos e técnicas aplicados neste trabalho. Base para esta avaliação foi o protótipo descrito no capítulo anterior. Dentre

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos. Programas. Aula 1 Tipo Abstrato de Dados

O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos. Programas. Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Aula 1 Tipo Abstrato de Dados O que é um algoritmo? Luiz Chaimowicz e Raquel O. Prates Livro Projeto de Algoritmos Capítulo 1 O que é um programa? 2009-1 Algoritmos Sequência de ações executáveis para

Leia mais

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 DESENVOLVEDOR JORGE ALDRUEI FUNARI ALVES 1 Sistema de ordem de serviço HMV Apresentação HMV/OS 4.0 O sistema HMV/OS foi desenvolvido por Comtrate

Leia mais

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas Listas de Prioridades e Heaps 1 Listas de Prioridades Em muitas aplicações, dados de uma coleção são acessados por ordem de prioridade A prioridade associada a um

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

Problemas básicos nos. Serviços Gladius MP

Problemas básicos nos. Serviços Gladius MP Problemas básicos nos Serviços Gladius MP I. Quando um funcionário não consegue marcar ponto a) Problemas de Nível Operacional b) Um ponto de ajuda c) Identificando em que fase o problema está d) Problemas

Leia mais

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário Filas Fila é um tipo de lista linear onde as inserções são realizadas num extremo (final da Fila) e as remoções restritas ao outro (começo da Fila). O primeiro a entrar é o primeiro a sair e último a entrar

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 08 Busca em Vetor Edirlei Soares de Lima Busca em Vetor Problema: Entrada: vetor v com n elementos; elemento d a procurar; Saída: m se o elemento procurado

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES ALGORITMOS DE BUSCA EM LISTAS COM ALOCAÇÃO SEQÜENCIAL Busca em Listas Lineares A operação de busca é

Leia mais

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas Objetivos Teoria de Filas Michel J. Anzanello, PhD anzanello@producao.ufrgs.br 2 Teoria de Filas Filas estão presentes em toda a parte; Exemplos evidentes de fila podem ser verificados em bancos, lanchonetes,

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução O presente trabalho aborda aspectos de arquitetura relacionados à exploração de paralelismo no "hardware" desenvolvido para o Projeto Ômicron. Iniciado em 1989, sob a coordenação

Leia mais

Teste de Software Parte 1. Prof. Jonas Potros

Teste de Software Parte 1. Prof. Jonas Potros Teste de Software Parte 1 Prof. Jonas Potros Cronograma Verificação e Validação Teste de Software: Definição e Conceitos Técnicas de Teste Fases de Teste Processo de Teste Automatização do Processo de

Leia mais

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas.

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas. Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas questões, com as respectivas resoluções comentadas. Amigos, para responder às questões deste Simulado, vamos

Leia mais

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4.1 Preparação de Dados Foi utilizada uma base de dados de 156 clientes que tiveram o vencimento de seus títulos compreendidos no período de abril

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços.

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Nesse tópico, você aprenderá a administrar listas de preços no SAP Business One. Sua empresa atualiza múltiplas listas de preços para fornecer

Leia mais

Curvas de nível homotópicas a um ponto

Curvas de nível homotópicas a um ponto Curvas de nível homotópicas a um ponto Praciano-Pereira, T Sobral Matemática 6 de agosto de 2011 tarcisio@member.ams.org pré-prints da Sobral Matemática no. 2011.03 Editor Tarcisio Praciano-Pereira, tarcisio@member.ams.org

Leia mais

Trabalho Prático 1 Revisão de Programação, Tipos Abstratos de Dados e Combinação de Alocação Estática e Dinâmica de Memória

Trabalho Prático 1 Revisão de Programação, Tipos Abstratos de Dados e Combinação de Alocação Estática e Dinâmica de Memória Trabalho Prático 1 Revisão de Programação, Tipos Abstratos de Dados e Combinação de Alocação Estática e Dinâmica de Memória Valor: 0,5 pontos (5% da nota total) Documentação em Latex: +0,1 pontos Data

Leia mais

METODOLOGIAS DE PROGRAMAÇÃO

METODOLOGIAS DE PROGRAMAÇÃO METODOLOGIAS DE PROGRAMAÇÃO 1. GENERALIDADES Todo programa a ser elaborado deve ser considerado como um produto a ser desenvolvido. Para tal, uma série de etapas devem ser cumpridas até a obtenção do programa

Leia mais

Trabalho 7 Fila de prioridade usando heap para simulação de atendimento

Trabalho 7 Fila de prioridade usando heap para simulação de atendimento Trabalho 7 Fila de prioridade usando heap para simulação de atendimento Data: 21/10/2013 até meia-noite Dúvidas até: 09/10/2013 Faq disponível em: http://www2.icmc.usp.br/~mello/trabalho07.html A estrutura

Leia mais

Programação Orientada a Objetos: Lista de exercícios #1. Bruno Góis Mateus

Programação Orientada a Objetos: Lista de exercícios #1. Bruno Góis Mateus Programação Orientada a Objetos: Lista de exercícios #1 Bruno Góis Mateus 1 Contents Programação Orientada a Objetos (Bruno Góis Mateus ): Lista de exercícios #1 Classes e Instanciação 3 A classe Circle...............................................

Leia mais

C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s

C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s M a n u a l d o F o r n e c e d o r Portal de Compras Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Informações importantes... 3 3. Acessando o portal...

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Modelos de Caso de Administração

Modelos de Caso de Administração Modelos de Caso de Administração Instruções Ajude a equipe Premier+ a concluir seus Casos de Administração de forma rápida e eficiente! Este documento lista as informações necessárias para concluir as

Leia mais

Tipos de Dado Abstrato: Listas, Filas e Pilhas

Tipos de Dado Abstrato: Listas, Filas e Pilhas Tipos de Dado Abstrato: Listas, Filas e Pilhas Estruturas de Dados Prof. Vilson Heck Junior Introdução Tradicionalmente conhecidos como Tipos de Dado Abstrato, são algumas Estruturas de Dados básicas e

Leia mais

4 Estudo de caso: Problema de seqüenciamento de carros

4 Estudo de caso: Problema de seqüenciamento de carros 4 Estudo de caso: Problema de seqüenciamento de carros O problema de seqüenciamento de carros em linhas de produção das indústrias automobilísticas é um tipo particular de problema de escalonamento que

Leia mais

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C;

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; Aula 3 Estruturas de controle Objetivos Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; construir programas em

Leia mais

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 17 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP MODELAGEM DO

Leia mais

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS Nielsen Castelo Damasceno Segmentação Segmentação Representação e descrição Préprocessamento Problema Aquisição de imagem Base do conhecimento Reconhecimento e interpretação Resultado

Leia mais

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2 ÍNDICE 1. Visão Geral - Funcionamento do sistema... 3 2. Descrição dos perfis do sistema... 4 3. Operação Novo termo de execução descentralizada... 5 a. Cadastramento do termo no sistema pela Unidade Técnica...

Leia mais

Trabalho Computacional 2. Aplicativo para Gestão Financeira. Grupos: Os trabalhos devem ser feitos individualmente ou em duplas.

Trabalho Computacional 2. Aplicativo para Gestão Financeira. Grupos: Os trabalhos devem ser feitos individualmente ou em duplas. Programação Básica de Computadores Engenharia Mecânica Prof. Filipe Mutz 2016/1 Trabalho Computacional 2 Aplicativo para Gestão Financeira Data de Entrega: 06/07/2016. Pontuação: 10 pontos. Grupos: Os

Leia mais

PTU 5.0 Online - UNICOO

PTU 5.0 Online - UNICOO Julho/2015 Título do documento Sumário 1. O que mudou da versão anterior do PTU Online?... 3 2. Atualização e Parametrização do Pacote... 4 3. Comunicação de Decurso de Prazo Nova transação 0700... 6 4.

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software (Cap 6 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Requisitos funcionais e não funcionais

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Projecto de Arquitectura de Computadores Jogo dos Blocos (variante do Arkanoid) (Versão 1.0) 2008/2009 Índice 1 Objectivo...

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

CONDUZ O ALCOKART, ANTES QUE O ÁLCOOL CONDUZA POR TI!

CONDUZ O ALCOKART, ANTES QUE O ÁLCOOL CONDUZA POR TI! CONDUZ O ALCOKART, ANTES QUE O ÁLCOOL CONDUZA POR TI! 2 De acordo com a Organização Mundial de Saúde (European Status Report on Road Safety, 2008), os acidentes de viação são a principal causa de morte

Leia mais

Lei de Gauss Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Lei de Gauss Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Lei de Gauss Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A lei de Gauss é a lei que estabelece a relação entre o fluxo de campo elétrico que passa através de uma superfície fechada com a carga elétrica que

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais rquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Complementado por Sidney Lucena (Prof. UNIRIO) Capítulo 11 Sistema de rquivos 11/1 Organização de rquivos Um arquivo é constituído

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

01/05/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc ROTEIRIZAÇÃO TEORIA DOS GRAFOS MOTIVAÇÃO

01/05/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc ROTEIRIZAÇÃO TEORIA DOS GRAFOS MOTIVAÇÃO ROTEIRIZAÇÃO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc TEORIA DOS GRAFOS MOTIVAÇÃO 1 MOTIVAÇÃO Por que estudar grafos? Importante ferramenta matemática com aplicação em diversas áreas do conhecimento Utilizados

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais