Guia do professor. Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia do professor. Introdução"

Transcrição

1 Guia do professor Introdução Um dos objetivos comuns ao ensino de química e de física é a caracterização da matéria a partir de suas propriedades. Uma substância pode ser definida como uma porção de matéria que apresenta propriedades específicas. São exemplos de propriedades específicas estudadas no ensino médio: densidade, temperatura de ebulição, temperatura de fusão, solubilidade (especialmente em água), entalpia de fusão e entalpia de vaporização, calor específico, coeficiente de dilatação, índice de refração, calor latente de fusão e calor latente de vaporização, entre outros. Entretanto, essas grandezas são, geralmente, apresentadas de maneira independente pelas disciplinas de química e de física, e muitas vezes sem que haja referência à sua importância ou sua aplicação na caracterização das substâncias. Frequentemente, esse papel é relegado apenas aos conceitos de densidade, temperatura de fusão, temperatura de ebulição e solubilidade. Compreender o significado do que é uma substância e perceber como a ciência classifica e caracteriza os diferentes materiais são processos fundamentais para o desenvolvimento do conhecimento científico. A partir dessa caracterização é que serão estabelecidos os modelos atômicos e os modelos de ligação química e de interações intermoleculares, procurando explicar as diferenças entre os materiais e suas propriedades. O presente objeto de aprendizagem se propõe a simular a caracterização de substâncias a partir de sua curva de aquecimento. São seis amostras a serem analisadas. O aluno/pesquisador deve escolher a amostra a ser investigada (A a F), sua temperatura inicial, sua massa e o tempo de aquecimento. O resultado da análise é fornecido através da curva de aquecimento da amostra selecionada, nas condições escolhidas e uma animação indica o seu estado físico. O aluno deve realizar, pelo menos, mais uma análise com a mesma amostra em condições diferentes para, então, tentar

2 determinar qual é a substância procurada. Para isso, durante todo o processo, o usuário pode acessar uma tabela de propriedades. Pretende-se que o aluno perceba a regularidade das curvas de aquecimento de uma substância sob fonte de calor constante. Essas curvas apresentam elevação de temperatura linear em função do tempo e patamares com temperatura constante durante as mudanças de fase (sólido-líquido e líquido-gás). A atividade permite verificar que as temperaturas de fusão e ebulição são características da substância, e independem do tempo de aquecimento, da massa da amostra ou da temperatura de início de aquecimento e, portanto, podem ser um parâmetro prático para a identificação da amostra. O programa também permite uma análise quantitativa das curvas de aquecimento obtidas, possibilitando o desenvolvimento dos conceitos de calor latente de fusão e ebulição e de calor específico. Dessa forma, esse objeto de aprendizagem permite o diálogo entre as disciplinas química e física, aproximando conceitos trabalhados, geralmente, de forma independente em cada disciplina. O aluno compreende que os conceitos desenvolvidos nas duas disciplinas apresentam o objetivo comum de caracterizar a matéria e o seu comportamento frente ao aquecimento. Para o desenvolvimento do segundo objetivo é necessário preparar um roteiro que incentive a análise dos gráficos obtidos, seja das retas de aquecimento, seja dos patamares de mudança de estado. O aluno deve perceber que o tempo de mudança de estado ou de determinado intervalo de aquecimento depende da substância e da massa envolvida, para uma mesma fonte de aquecimento constante. Objetivos O presente objeto de aprendizagem permite que o aluno seja capaz de analisar e interpretar curvas de aquecimento; estabelecer o conceito funcional de substância; reconhecer as temperaturas de fusão e ebulição como propriedades específicas da matéria;

3 reconhecer o calor específico, calor latente de fusão e vaporização como propriedades específicas da matéria; determinar graficamente o calor específico e calores latente de fusão e ebulição. Pré-requisitos Os pré-requisitos necessários dependem de como o professor pretende aplicar o objeto de aprendizagem e quais os seus principais objetivos. Essa atividade pode tanto servir para despertar o aluno para o desenvolvimento dos conceitos para posterior sistematização em sala de aula, como ainda, para consolidar conceitos desenvolvidos previamente. Sugerimos, abaixo, algumas situações de aprendizagem. a) Desenvolvimento dos conceitos de propriedades específicas. Pré-requisitos: noções do conceito de substância, leitura de gráficos, noções de temperatura e calor. b) Consolidação dos conceitos de propriedades específicas caracterização das curvas de aquecimento. Pré-requisitos: conceito de substância e de suas propriedades específicas; temperatura de fusão, temperatura de ebulição, densidade e solubilidade; noções de temperatura e calor. c) Apresentação das propriedades calor específico e calor latente. Pré-requisitos: conceito de substância e de suas propriedades específicas; temperatura de fusão, temperatura de ebulição, densidade e solubilidade; noções de temperatura e calor. d) Determinação dos valores de calor específico e de calor latente. Pré-requisitos: conceito de substância e de suas propriedades específicas: temperatura de fusão, temperatura de ebulição, densidade e solubilidade; noções de temperatura e calor; conceito de calor específico e de calor latente de mudança de estado.

4 Tempo previsto para a atividade A atividade em si pode ser realizada em uma aula (50 minutos) na sala de informática. Os gráficos podem ser analisados em outra aula, buscando regularidades. Se entre os objetivos estiver a determinação dos calores específicos e dos calores latentes das substâncias, recomenda-se a utilização de mais uma aula para os cálculos. Na sala de aula Acreditamos não haver a necessidade de uma aula preparatória. Na sala de computadores: Preparação Aconselhamos que o professor execute o programa com antecedência para se familiarizar com a sua execução, facilitando a orientação dos alunos. Nesse tipo de atividade, convém testar o programa em cada máquina, prevenindo transtornos durante a atividade com os alunos. Caso o objetivo principal da atividade seja a caracterização de substâncias utilizando-se a análise das curvas de aquecimento, não há necessidade de um roteiro específico. Para essa situação, recomendamos que os alunos sejam instruídos a observar atentamente os gráficos obtidos, fazendo um esboço do mesmo em papel milimetrado, utilizando as coordenadas dos principais pontos (basta passar o mouse sobre a curva). Para esse caso, necessita-se de papel milimetrado, régua e lápis. A análise do gráfico é bastante útil para o desenvolvimento do conceito de calor específico e de calor latente de fusão e vaporização. Para essa situação, recomendamos a utilização de roteiro para facilitar a obtenção de dados interessantes para análise (em anexo). Se a proposta for a resolução de problemas, procurando desenvolver habilidades referentes à aquisição de dados em busca de regularidades, pode-se deixar tudo a cargo do aluno, mas o tempo reservado para a atividade poderá ser maior.

5 Caso o foco do trabalho seja a determinação do calor específico e dos calores latentes, é recomendável a utilização de um roteiro que indique como obter as curvas de aquecimento que serão posteriormente analisadas (em anexo). Acreditamos que a formação em duplas seja a mais proveitosa para a atividade, pois pode ocorrer a análise e a discussão dos resultados em conjunto, com boa visualização para todos. Grupos maiores podem ser utilizados caso haja limitação de máquinas. Material necessário Pode-se preparar um roteiro para análise das curvas obtidas, principalmente, caso o foco seja a determinação do calor específico e dos calores latentes. Requerimentos técnicos Configuração mínima processador Pentium II ou equivalente, 64 Mb de memória RAM e software Flash player 7.0 instalado (ou superior). Durante a atividade Sugerimos que a atividade seja introduzida como um problema a ser resolvido pelos alunos. Assim que os alunos começarem a realizar os primeiros experimentos virtuais, recomendamos que sejam alertados quanto à necessidade de se analisar as curvas de aquecimento, posteriormente. O roteiro de estudo pode ser distribuído nesse momento, com um detalhamento de como se deve obter as curvas de aquecimento para a análise posterior. Depois da atividade

6 Recomendamos uma aula após a atividade para a discussão dos resultados e formalização dos conceitos desenvolvidos. Caso haja interesse na determinação dos calores específicos e dos calores latentes das substâncias, recomenda-se a utilização de mais uma aula para os cálculos. Questões para discussão Para a aula seguinte após a atividade com o objeto de aprendizagem, sugerimos a divisão da turma em pequenos grupos de alunos (3 a 5 integrantes). Pode-se pedir para que cada grupo resuma suas observações e analise as curvas de aquecimento obtidas durante a atividade. Frequentemente, utilizamos o recurso de um aluno de cada grupo ficar responsável por anotar e resumir as conclusões da equipe. Desse modo, fica mais fácil a socialização das análises entre os grupos, mediada pelo professor. Dica: caso os alunos tenham dificuldade em chegar a uma generalização, recomenda-se orientá-los pedindo para que comparem os gráficos e levantem semelhanças e diferenças entre as curvas de aquecimento de uma mesma substância e entre as curvas de aquecimento de substâncias diferentes. Caso a atividade seja a de determinação dos calores específicos e dos calores latentes das substâncias, é necessário fornecer a potência da fonte de calor (bico de Bunsen), que no caso do experimento em questão é de 4,0 kcal.min 1. Avaliação A avaliação da atividade pode ser realizada a partir da análise dos roteiros, o que de certa forma evidencia se os alunos atingiram os objetivos propostos. O êxito da proposta pode ser avaliado por meio da análise de curvas de aquecimento de substâncias distintas e da capacidade dos alunos em retirar as informações relevantes das mesmas. Sendo capaz de identificar substâncias,

7 determinar temperatura de fusão, temperatura de ebulição, calor específico e os calores latentes de fusão e de vaporização. Para saber mais GREF, Física 2: física térmica e óptica. 5 a ed. São Paulo: EDUSP, Alvarenga, B. e Máximo, Curso de Física. 5ª ed. São Paulo: editora Scipione, Mortimer, E.F. e Machado, A.H. Química para o ensino médio. 1 a ed. São Paulo: editora Scipione série parâmetros, Silva, E.R, Nóbrega, O.S. e Silva, R.H. Química conceitos básicos. 1 a ed. São Paulo: editora Ática, Beltran, N.O. e Liegel, R.M. Química ensino médio, volume 1. 1 a ed. Brasília: CIB Cisbrasil, 2005.

8 ANEXO 1: Roteiro de estudo sugerido OBS. Esse roteiro de estudo é recomendado caso o objetivo do trabalho seja desenvolvimento dos conceitos de calor específico e calor latente de fusão e de ebulição. Objetivos: Determinar 6 (seis) substâncias desconhecidas utilizando suas propriedades específicas. Comparar curvas de aquecimento, procurando regularidades em seu comportamento para uma mesma substância e entre substâncias distintas. Resumo teórico: Na determinação destas substâncias, você deverá obter curvas de aquecimento das mesmas. Através da análise destas curvas, você poderá encontrar algumas regularidades. Para isto, considere que a fonte de aquecimento apresenta potência constante de cal/min. Procedimento: 1. Através da seqüência de telas da atividade, você deverá escolher a primeira substância a ser determinada. Neste momento, anote as propriedades específicas da substância que você escolheu para caracterizá-las: 2. A dupla deverá repetir a atividade para a substância 1, alterando seu tempo de aquecimento e sua massa. A cada etapa, anote os valores escolhidos para uma determinada substância 1: Dica: se você procura relações no comportamento das substâncias, procure fixar algumas variáveis mantendo as demais fixas até perceber quais são as alterações significativas. Substância: Temperatura inicial 1: Temperatura inicial 2: Massa 1: Massa 2 : Tempo de aquecimento 1: Tempo de aquecimento 2: 3. Esboce as curvas de aquecimento da substância em uma folha de papel milimetrado (ou papel sulfite) Não se esqueça de anotar as coordenadas dos principais pontos da curva passando o mouse pela tela; 4. Repita os procedimentos anteriores para as demais substâncias (explore pelo menos 3). Não se esqueça que você pretende comparar as curvas de aquecimento de substâncias distintas, procure fixar as demais variáveis para uma análise mais fácil. 5. Analise os gráficos obtidos para uma mesma substância. Quais propriedades são independentes das condições do experimento? É possível relacionar algum comportamento do gráfico em relação às massas das amostras? Explique.

9 6. Compare os gráficos obtidos para substâncias diferentes, quais as semelhanças e quais as diferenças? O que pode ser considerado como propriedade específica da substância, ou seja, independente da massa da amostra. Anote as impressões do grupo e aguarde a discussão coordenada pelo professor com toda a classe.

10 ANEXO 2: Roteiro de estudo sugerido OBS. Esse roteiro de estudo é recomendado caso o objetivo do trabalho seja a determinação dos valores de calor específico e calor latente de fusão e de ebulição. Objetivo: Determinar 2 (duas) substâncias desconhecidas utilizando, para tanto, pelo menos 3 (três) propriedades específicas destas substâncias. Resumo teórico: Na determinação destas substâncias, você deverá obter curvas de aquecimento das mesmas. Através da análise destas curvas, você poderá calcular quantidades como calor específico e calor latente de determinadas fases da substância. Para isto, é necessário conhecer a potência da fonte de calor: adote o valor de cal/min. Procedimento: 1. Através da seqüência de telas da atividade, você deverá escolher a primeira substância a ser determinada. Neste momento, anote as propriedades específicas da substância que você escolheu para caracterizá-las: Substância 1: Propriedade 1: Propriedade 2: Propriedade 3: 2. O grupo deverá repetir a atividade para a substância 1, alterando seu tempo de aquecimento e sua massa. A cada etapa, anote os valores escolhidos para a substância 1; Substância 1: Massa 1: Massa 2 : Tempo de aquecimento 1: Tempo de aquecimento 2: 3. Esboce as curvas de aquecimento da substância em uma folha de papel milimetrado (ou papel sulfite) Não se esqueça de anotar as coordenadas dos principais pontos da curva passando o mouse pela tela; 4. A seguir, o grupo deverá anotar os valores obtidos a partir das curvas de aquecimento (no caso de temperatura de fusão, ebulição e etc.), das propriedades escolhidas ou calcular os calores específico ou latente para as diferentes fases da substância escolhida. Com estes valores, identifique a substância escolhida;

11 5. Repita os procedimentos anteriores para a segunda substância escolhida pelo grupo.

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução Guia do Professor Data 23/01/2008 Introdução A inserção de tópicos da Eletricidade nas escolas de nível básico e médio é fundamental para a compreensão de alguns fenômenos da vida moderna. Você já imaginou

Leia mais

Guia do Professor. Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática

Guia do Professor. Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática Guia do Professor Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática Introdução As pessoas com Deficiência Mental apresentam limitações no funcionamento intelectual e no comportamento adaptativo manifestos

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

Guia Didático do Professor

Guia Didático do Professor Guia Didático do Professor Animação Densidade e Temperatura Densidade Química 1ª Série Ensino Médio CONTEÚDOS DIGITAIS MULTIMÍDIA Conteúdos Digitais Multimídia Guia Didático do Professor Coordenação Didático-Pedagógica

Leia mais

PIBID - FÍSICA. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Relatório Semestral. Fabiane de Carvalho Milagres Pereira.

PIBID - FÍSICA. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Relatório Semestral. Fabiane de Carvalho Milagres Pereira. PIBID - FÍSICA Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Relatório Semestral Fabiane de Carvalho Milagres Pereira Bolsista Profa. Cibele Andrade Resende Machado Professora Supervisor da Escola

Leia mais

Guia do Professor. Fazer o estudante perceber a semelhança gráfica e pronúncia das palavras e seus significados diferenciados.

Guia do Professor. Fazer o estudante perceber a semelhança gráfica e pronúncia das palavras e seus significados diferenciados. Guia do Professor Introdução Os falsos cognatos ou falsos amigos como são chamados, são uns dos grandes obstáculos encontrados no ensino de um idioma. A dificuldade em se entender os falsos cognatos na

Leia mais

Guia do Professor As Fases da Lua

Guia do Professor As Fases da Lua Guia do Professor As Fases da Lua Introdução A difusão dos sistemas digitais pelos mais diferentes ramos do conhecimento é uma realidade, que indiscutivelmente facilitou todas as tarefas do dia-a-dia,

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q7 Gráficos de mudança de fase

Química. Resolução das atividades complementares. Q7 Gráficos de mudança de fase Resolução das atividades complementares Química Q7 Gráficos de mudança de fase p. 39 Uma amostra sólida é submetida a aquecimento constante. temperatura da amostra é anotada em intervalos regulares de.

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Uma simulação é um modelo dinâmico que busca representar, tanto quanto possível, o funcionamento real de um sistema, explorando as relações nele presentes. O objeto educacional

Leia mais

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr Design Pedagógico Módulo: O Modelo Atômico de Bohr 1. ESCOLHA DO TÓPICO 1.1. O que um aluno entre 14 e 18 anos acharia de interessante neste tópico? Que aplicações / exemplos do mundo real podem ser utilizados

Leia mais

Guia Didático do Professor

Guia Didático do Professor Guia Didático do Professor Animação A Lei das Proporções A história da Química contada por suas descobertas Química 1ª Série Ensino Médio CONTEÚDOS DIGITAIS MULTIMÍDIA Conteúdos Digitais Multimídia Guia

Leia mais

Projeto MEET: Management E learning Experience for Training secondary school's students

Projeto MEET: Management E learning Experience for Training secondary school's students Projeto MEET: Management E learning Experience for Training secondary school's students Código: LLP LDV TOI 10 IT 560 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (2007 2013) Leonardo da Vinci: Projetos Multilaterais

Leia mais

NAPNE / SIEP. Softwares Educativos MANUAL GCOMPRIS

NAPNE / SIEP. Softwares Educativos MANUAL GCOMPRIS NAPNE / SIEP Softwares Educativos MANUAL GCOMPRIS Janeiro de 2009 1 ÍNDICE Introdução 3 Requisitos básicos 3 Instalação 3 Interface do usuário 4 Janela principal 4 Administração de GCompris 5 Seleção de

Leia mais

Utilização do Software de Simulações PhET como estratégia didática para o ensino dos conceitos de soluções

Utilização do Software de Simulações PhET como estratégia didática para o ensino dos conceitos de soluções Utilização do Software de Simulações PhET como estratégia didática para o ensino dos conceitos de soluções Giovana Aparecida Kafer 1, Miriam Ines Marchi 2, 1 Mestranda em Ensino de Ciências Exatas Centro

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Números e funções Guia do professor Experimento Otimização da cerca Objetivos da unidade 1. Resolver um problema de otimização através do estudo de uma função quadrática. 2. Estudar as propriedades de

Leia mais

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância.

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. números e funções Guia do professor Objetivos da unidade 1. Analisar representação gráfica de dados estatísticos; 2. Familiarizar o aluno com gráfico de Box Plot e análise estatística bivariada; 3. Utilizar

Leia mais

MiniLabEletroMag-RA. Raryel C. Souza, Claudio Kirner. DMC Depto. de Matemática e Computação. UNIFEI Universidade Federal de Itajubá

MiniLabEletroMag-RA. Raryel C. Souza, Claudio Kirner. DMC Depto. de Matemática e Computação. UNIFEI Universidade Federal de Itajubá MiniLabEletroMag-RA Raryel C. Souza, Claudio Kirner DMC Depto. de Matemática e Computação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá e-mails: {raryel.costa, ckirner}@gmail.com 1 Visão geral Alguns conceitos

Leia mais

Guia do Professor. Entendendo os Espelhos de Gauss

Guia do Professor. Entendendo os Espelhos de Gauss Guia do Professor Entendendo os Espelhos de Gauss Introdução Os estudantes de Ensino Médio geralmente possuem pouco tempo para estudar fora da sala de aula, então o conteúdo deve ser apresentado da forma

Leia mais

TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS

TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS Neste documento você encontrará um conjunto de orientações de como navegar na plataforma do MBA Gestão Empreendedora. Siga as instruções com atenção e salve este

Leia mais

Projeto CONDIGITAL Geoformas Guia do Professor

Projeto CONDIGITAL Geoformas Guia do Professor Projeto CONDIGITAL Geoformas Guia do Professor Página 1 de 5 Guia do Professor Caro(a) professor(a) A utilização de jogos e simulações digitais como objetos de aprendizagem tem sido difundida atualmente

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR EM MATEMÁTICA RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA GESTAR II Sidnei Luís da Silva Escola Municipal Vereador Benedito Batista Congatem - MG sidneiluisdasilva@yahoo.com.br Camila

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Transporte Resumo O episódio Matemática no Transporte, da série Matemática em Toda Parte II, vai mostrar como alguns conceitos matemáticos estão presentes

Leia mais

Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4

Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4 Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4 1 MS-Excel Aplicando funções às suas fórmulas de Excel (continuação) Serão vistas, nesta aula as funções de busca e referência

Leia mais

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES 2. SOLUÇÕES I. INTRODUÇÃO Soluções são misturas homogêneas de dois ou mais componentes, sendo que estes estão misturados uniformemente em nível molecular. Em nosso cotidiano temos diversos exemplos de

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Pesquisas realizadas pelo SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) mostram as dificuldades dos estudantes em resolver situações problemas. Essa situação é decorrente

Leia mais

Titulação: Mestre em Química com área de concentração em Química Analítica UESB PLANO DE CURSO

Titulação: Mestre em Química com área de concentração em Química Analítica UESB PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado plea Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Química Geral e Inorgânica Código: FAR 201 Pré-requisito: - Nenhum Período Letivo:

Leia mais

Uso da Telefonia Móvel: Uma Ferramenta de Interação para a Aprendizagem a Distância

Uso da Telefonia Móvel: Uma Ferramenta de Interação para a Aprendizagem a Distância 1 Uso da Telefonia Móvel: Uma Ferramenta de Interação para a Aprendizagem a Distância 05/2008 Maria de Fátima Rodrigues de Lemos Núcleo de Educação a Distância - NEAD / Unidade Estratégica de Desenvolvimento

Leia mais

Algoritmos e Programação Parte Teórica

Algoritmos e Programação Parte Teórica Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte Teórica Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

Densímetro de posto de gasolina

Densímetro de posto de gasolina Densímetro de posto de gasolina Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia Tema Materiais: propriedades Conteúdos Densidade, misturas homogêneas e empuxo Usos / objetivos Introdução ou aprofundamento do

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO E ACESSO AO CURSO

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO E ACESSO AO CURSO ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO E ACESSO AO CURSO Conhecendo LIBRAS Santo Ângelo 2013 Apresentação do Curso Esse documento visa orientar você em seu primeiro acesso para realização do Curso Conhecendo LIBRAS,

Leia mais

3a. prova Simulado 5 Dissertativo 27.09.06 FÍSICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO

3a. prova Simulado 5 Dissertativo 27.09.06 FÍSICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO Simulado 5 Padrão FUVEST Aluno: N o do Cursinho: Sala: FÍSICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO 1. Aguarde a autorização do fiscal para abrir o caderno de questões e iniciar a prova. 2. Duração da

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

Software do tipo simulador e os conteúdos de química

Software do tipo simulador e os conteúdos de química Software do tipo simulador e os conteúdos de química Any C. R. Silva (IC) *1, Bianca C. Nabozny (IC)¹, Leila I. F. Freire (PQ)² 1 Licenciatura em Química - UEPG; 2 Departamentos de Métodos e Técnicas de

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

Plano de Aula de Matemática. Competência 3: Aplicar os conhecimentos, adquiridos, adequando-os à sua realidade.

Plano de Aula de Matemática. Competência 3: Aplicar os conhecimentos, adquiridos, adequando-os à sua realidade. Plano de Aula de Matemática Competência 3: Aplicar os conhecimentos, adquiridos, adequando-os à sua realidade. Habilidade: H27. Resolver situações-problema de adição ou subtração envolvendo medidas ou

Leia mais

Guia Didático do Professor

Guia Didático do Professor Guia Didático do Professor Simulação O solo funciona como um filtro Química na agricultura Química 1ª Série Ensino Médio CONTEÚDOS DIGITAIS MULTIMÍDIA Conteúdos Digitais Multimídia Guia Didático do Professor

Leia mais

Áudio GUIA DO PROFESSOR. Idéias evolucionistas e evolução biológica

Áudio GUIA DO PROFESSOR. Idéias evolucionistas e evolução biológica Teoria sintética da evolução Parte II Conteúdos: Tempo: Objetivos: Idéias evolucionistas e evolução biológica Duração do áudio 5 minutos O objetivo deste programa é tratar das idéias neodarwinistas e mostrar

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof.ª Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente

Leia mais

(index.html) UTILIZAÇÃO DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA A SUPERAÇÃO DE OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS.

(index.html) UTILIZAÇÃO DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA A SUPERAÇÃO DE OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS. UTILIZAÇÃO DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA A SUPERAÇÃO DE OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS. Autores 1 2 3 4 5 Costa, D.; Mossi, C.S.; Passos, M.A.C.; Faria, A.G.V.; Bergamo, J.A. Resumo Utilizando a noção de obstáculo

Leia mais

Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Desafio Empresarial

Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Desafio Empresarial Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Desafio Empresarial Dados de identificação Disciplina: Matemática. Assunto: Gráficos, tabelas e funções. Séries indicadas: 7ª série/ 8º ano, 8ª série/ 9º ano do ensino

Leia mais

XXIV SEMANA ACADÊMICA DE MATEMÁTICA. Minicurso: Explorando o GeoGebra: Um software para o ensino e aprendizagem da matemática.

XXIV SEMANA ACADÊMICA DE MATEMÁTICA. Minicurso: Explorando o GeoGebra: Um software para o ensino e aprendizagem da matemática. Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DE MATEMÁTICA Minicurso: Explorando o GeoGebra: Um software para o ensino e aprendizagem da matemática. Ministrantes: Daniel

Leia mais

Manual de Instalação do RE

Manual de Instalação do RE Guia de Referência Manual de Instalação do RE Eficiência e agilidade nas solicitações de Inscrição de Empresário via Internet. www.jucergs.rs.gov.br Sumário Requerimento de Empresário 1 Como acesso o

Leia mais

ATIVIDADES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO

ATIVIDADES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO ATIVIDADES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO A escola disse que ESTES SÃO ASSUNTOS A SEREM VISTO EM OUTUBRO DE 2009: Matemática Ciências Geometria 7ª B 8ª A 7ª B 8ª A 7ª B 8ª A Resolução de problemas

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2 Estudo da reta em geometria analítica: uma proposta de atividades para o Ensino Médio a partir de conversões de registros de representação semiótica com o uso do software GeoGebra Raquel Santos Silva 1

Leia mais

Guia do professor. Introdução

Guia do professor. Introdução Guia do professor Introdução Essa atividade oferece aos professores do Ensino Fundamental II, de Língua Espanhola e de Língua Portuguesa, novos recursos didáticos em forma de módulos, pois eles podem vir

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

Descrição do Produto. Altus S. A. 1

Descrição do Produto. Altus S. A. 1 Descrição do Produto O software MasterTool IEC é um ambiente completo de desenvolvimento de aplicações para os controladores programáveis da Série Duo. Esta ferramenta permite a programação e a configuração

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

MANUAL DE USO NA INTERNET PESSOA FÍSICA

MANUAL DE USO NA INTERNET PESSOA FÍSICA MANUAL DE USO NA INTERNET PESSOA FÍSICA APRESENTAÇÃO 1.Bem-vindo ao SICREDI Total Internet! Agora você encontra o SICREDI em casa, no trabalho ou onde você estiver. É o SICREDI Total Internet, cooperando

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

Software. GUIA DO PROFESSOR Fluxo de energia. Duração da Animação/simulação: 1 hora-aula

Software. GUIA DO PROFESSOR Fluxo de energia. Duração da Animação/simulação: 1 hora-aula Fluxo de energia Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Ecologia: fluxo de energia Duração da Animação/simulação: 1 hora-aula Apresentar o conceito de fluxo de energia e biomassa nos ecossistemas e simular

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 07 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Definição de Planilha Eletrônica

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 07 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Definição de Planilha Eletrônica PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 07 1. OBJETIVO Apresentar a planilha eletrônica MS-Excel e algumas de suas operações básicas, incluindo inserção de fórmulas, utilização de funções da planilha e a criação

Leia mais

Manual de Instalação SIM/SINASC

Manual de Instalação SIM/SINASC Manual de Instalação SIM/SINASC Agosto/2009 Versão 2.2 Índice CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO 02 - PERFIL DO HARDWARE... 5 CAPÍTULO 03 INSTALADOR SIM SINASC 2.2... 6 CAPÍTULO 04 - MODO DE INSTALAÇÃO...

Leia mais

Guia do Professor. Módulo: Origem dos movimentos: Conservação Atividade: Roleta dos Movimentos

Guia do Professor. Módulo: Origem dos movimentos: Conservação Atividade: Roleta dos Movimentos I- INTRODUÇÃO Guia do Professor Módulo: Origem dos movimentos: Conservação Atividade: Roleta dos Movimentos Nesta atividade, os alunos listarão objetos, coisas ou fenômenos que estão relacionados aos movimentos.

Leia mais

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA É a parte da química que estuda a rapidez ou taxa de variação das reações e os fatores que nela influem. - Antigamente denominada de velocidade 1, é uma medida da rapidez com que são consumidos

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DO CERTIFICADO TIPO A1

MANUAL DE EMISSÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 MANUAL DE EMISSÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 VERSÃO 9 Atualizado em 10/10/2014 Página 1 A renovação online do certificado somente poderá ser feita uma única vez e em sistema operacional Windows XP SP3 ou Windows

Leia mais

Desenhando padrões no plano. Série Software ferramenta

Desenhando padrões no plano. Série Software ferramenta Desenhando padrões no plano Série Software ferramenta Funcionalidade Este software permite desenhar padrões geométricos muito simples baseados em rotações e translações. Desenhando padrões no plano Série

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA PROBABILISTICA NA TERCEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COM APOIO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS

UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA PROBABILISTICA NA TERCEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COM APOIO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Educação Matemática ROGÉRIO DELFINO DE SOUZA UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA PROBABILISTICA

Leia mais

Tarcia Paulino da Silva Universidade Estadual da Paraíba Tarcia_cg@hotmail.com. Roseane Albuquerque Ribeiro Universidade Estadual da Paraíba

Tarcia Paulino da Silva Universidade Estadual da Paraíba Tarcia_cg@hotmail.com. Roseane Albuquerque Ribeiro Universidade Estadual da Paraíba Tecnologias Assistivas e Inclusão Digital: A importância do computador no processo de aprendizagem de crianças com deficiência intelectual da APAE- Campina Grande/ PB Tarcia Paulino da Silva Universidade

Leia mais

Aula 9 EXCEL. Patrícia Soares de Lima. META Discutir a importância da utilização do Excel no preenchimento de planilhas.

Aula 9 EXCEL. Patrícia Soares de Lima. META Discutir a importância da utilização do Excel no preenchimento de planilhas. Aula 9 EXCEL META Discutir a importância da utilização do Excel no preenchimento de planilhas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Discutir, de forma breve, a utilização deste software como

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA AUXILIAR O ENSINO DE FUNÇÕES

A UTILIZAÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA AUXILIAR O ENSINO DE FUNÇÕES A UTILIZAÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA AUXILIAR O ENSINO DE FUNÇÕES Bruno BAZZO brunobaz@seed.pr.gov.br Resumo Maria Regina C M LOPES mrlopes@unicentro.br Este trabalho apresenta algumas atividades envolvendo

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

Guia Rápido AxCrypt. Software para criptografia e deleção segura de arquivos

Guia Rápido AxCrypt. Software para criptografia e deleção segura de arquivos Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão Diretoria de Segurança da Informação e Continuidade de Negócio Guia Rápido AxCrypt Software para criptografia e deleção segura de arquivos Outubro, 2015

Leia mais

2. Executar serviços de montagem, remoção e instalação de máquinas, equipamentos, instrumentos, tubulações e acessórios industriais.

2. Executar serviços de montagem, remoção e instalação de máquinas, equipamentos, instrumentos, tubulações e acessórios industriais. I. 1 INSTALAÇÕES DE SISTEMAS INDUSTRIAIS I 1. Analisar formas de geração de energia, seus elementos de produção e transformação. 2. Analisar condições de infra-estrutura e de alimentação de sistemas elétricos.

Leia mais

GUIA DO PARTICIPANTE

GUIA DO PARTICIPANTE Curso Aprofundamento para INSPAC Submódulo Operações Aeronáuticas e Aeroportuárias Orientações Gerais GUIA DO PARTICIPANTE A Gerência Técnica de Capacitação - GTCA da Superintendência de Gestão de Pessoas

Leia mais

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Energia Eólica Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Tema Eletricidade / usos da energia / uso dos recursos naturais Conteúdos Energia eólica / obtenção de energia e problemas ambientais

Leia mais

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Tawana Telles Batista Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Campus Salinas tawanatelles@yahoo.com.br

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Química

Olimpíada Brasileira de Química Page 1 of 10 Olimpíada Brasileira de Química Page 2 of 10 Olimpíada Brasileira de Química Seletiva para a 33 rd International Chemistry Olympiad (Índia, 6 a 15 julho/2001) DATA: 03.03.2001 HORA: 14 horas

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS ALAMEDA DOS ANAPURUS,1939 MOEMA SÃO PAULO BRASIL

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS ALAMEDA DOS ANAPURUS,1939 MOEMA SÃO PAULO BRASIL MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS ALAMEDA DOS ANAPURUS,1939 MOEMA SÃO PAULO BRASIL TEL/FAX: (11) 535-7200 / 531-5945 / 531-8784 wcvtools@uol.com.br INDÍCE PRÓLOGO 4 REQUERIMENTO DO SISTEMA

Leia mais

INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2

INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2 INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Ana Lúcia Teixeira de Araújo Durigan Nelcy Aparecida de Araújo Realização: Apresentação do

Leia mais

3.4 Capacidade Térmica e Calor Específico

3.4 Capacidade Térmica e Calor Específico 78 3.4 Capacidade Térmica e Calor Específico 3.4.1 Material Necessário 01 Calorímetro com capacidade de 230 ml 01 termômetro -10 o C a 110 o C 01 proveta de 150 ml 01 lamparina a álcool. 01 caixa de fósforos.

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

1. Informações Gerais

1. Informações Gerais 1. Informações Gerais Guia de Utilização Samsung PST TDMA 1.1 Pré-Requisitos para utilização do software 1º - Noções básicas de informática! (Manipulação de arquivos, instalação e utilização de programas)

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Empreendedorismo Administração A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de etapas,

Leia mais

NET Antivírus PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DO ANTIVÍRUS. Blablabla

NET Antivírus PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DO ANTIVÍRUS. Blablabla NET Antivírus PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DO ANTIVÍRUS Blablabla ESTE PASSO A PASSO É DESTINADO AOS USUÁRIOS QUE REALIZARÃO O ACESSO PELA PRIMEIRA VEZ Obrigado por ter escolhido o NET Antivírus! Este procedimento

Leia mais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Pâmila Thais Heitkoeter de Melo (FATEB Faculdade de Telêmaco Borba)

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2011 ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS sadeam2011 Oficina de Apropriação dos Resultados 4 ROTEIRO DE OFICINA Multiplicador Este roteiro deverá ser utilizado por você como subsídio para

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES

Leia mais

Themis Serviços On Line - Publicações

Themis Serviços On Line - Publicações Nome do documento Guia do Usuário Themis Serviços On Line - Publicações Sumário Introdução:... 3 1 - Cadastro dos Usuários do Themis Serviços On Line:... 3 2 - Acesso ao Sistema Themis Serviços On Line:...

Leia mais

Relatório - 5ª Experiência - Calorimetria, ajuste de reta e propagação de erros

Relatório - 5ª Experiência - Calorimetria, ajuste de reta e propagação de erros Universidade de São Paulo Instituto de Física FAP 115 Profº. Kiyomi Koide São Paulo, 18 de Maio de 00 TURMA A Relatório - 5ª Eperiência - Calorimetria, ajuste de reta e propagação de erros Fernando Henrique

Leia mais

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES 1 ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES Luciano Teles Bueno 1, Claudia Lisete Oliveira Groenwald 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo realizado com

Leia mais

RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA Resumo: Com o enfoque na metodologia de resolução de problemas, nós, bolsistas do PIBID Matemática da UFPR, elaboramos algumas atividades destinadas

Leia mais

LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES

LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES Monitora Juliana Dubinski LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES EXERCÍCIO 1 (INTERVALO DE CONFIANÇA PARA MÉDIA) Suponha que X represente a duração da vida de uma peça de equipamento. Admita-se

Leia mais

II Curso de Extensão a Distância: Explorando a Base de Dados da Saúde BVS UFCSPA NEAD CEDUMED UAN Manual do Aluno

II Curso de Extensão a Distância: Explorando a Base de Dados da Saúde BVS UFCSPA NEAD CEDUMED UAN Manual do Aluno Neste guia você encontrará as seguintes orientações: Conteúdo Definição de Educação a Distância... 2 Perfil do Aluno... 2 Os 6 Mandamentos do Aluno Virtual... 4 Objetivos do Curso... 6 Funcionamento do

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (INTERNET EXPLORER)

MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (INTERNET EXPLORER) MANUAL DE EMISSÃO E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO TIPO A1 (INTERNET EXPLORER) VERSÃO 10 Atualizado em 30/12/2015 Página 1 de 21 A renovação online do certificado somente poderá ser feita uma única vez (e-cpf)

Leia mais

BSI Letramento Digital Prof. André Di Thommazo. Organização pessoal

BSI Letramento Digital Prof. André Di Thommazo. Organização pessoal Organização pessoal Os cursos de graduação exigem que os alunos cursem diversas disciplinas ao mesmo tempo e em alguns semestres a carga horária é grande. Em geral o aluno de ensino a distância tem outras

Leia mais

Universidade Federal do Pará Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Física Laboratório Básico I

Universidade Federal do Pará Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Física Laboratório Básico I Universidade Federal do Pará Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Física Laboratório Básico I Experiência 02 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS E PÊNDULO SIMPLES 1. OBJETIVOS Ao término das atividades

Leia mais

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO MATEMÁTICA B 12º ANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO MATEMÁTICA B 12º ANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO MATEMÁTICA B 12º ANO Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais 1 Cursos Tecnológicos de Construção Civil e Edificações, de Electrotecnia e Electrónica,

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

Os Estilos de Pesquisa na Computação. TCC 2013. Profº Carlos José Maria Olguín prof.olguin@gmail.com carlos.olguin@unioeste.br

Os Estilos de Pesquisa na Computação. TCC 2013. Profº Carlos José Maria Olguín prof.olguin@gmail.com carlos.olguin@unioeste.br Os Estilos de Pesquisa na Computação TCC 2013. Profº Carlos José Maria Olguín prof.olguin@gmail.com carlos.olguin@unioeste.br O que é pesquisa? Procurar respostas para indagações propostas; No Michaelis,

Leia mais

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS Viscosidade é uma característica dos líquidos que está relacionada com a sua habilidade de fluir. Quanto maior a viscosidade de um líquido (ou de uma solução) mais difícil

Leia mais