MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014) I.a Setores do Agronegócio No mês de agosto de 2015, as exportações de produtos do agronegócio brasileiro atingiram a cifra de US$ 7,34 bilhões, ou seja, apresentaram recuo de 17,4% na comparação com o mesmo mês de 2014, com remessas da ordem de US$ 8,89 bilhões. A participação dos produtos no total das exportações brasileiras fechou o mês em 47,4%. As importações por seu turno registraram o montante de US$ 967,40 milhões, retraindo 31,5% em relação ao verificado em agosto de 2014 (US$ 1,41 bilhão). O saldo da balança comercial em agosto foi positivo em US$ 6,38 bilhões e apresentou retração de 14,7%. O complexo soja liderou as exportações do agronegócio brasileiro em agosto. O setor registrou US$ 2,62 bilhões em exportações e um recuo de 15,9% na comparação com o ano anterior. Foi a maior retração entre os produtos do agronegócio em termos absolutos: US$ 496,19 milhões. O produto mais vendido foi a soja em grãos com US$ 2,0 bilhões, cifra 6,1% menor que a registrada em Apesar de ter havido recuo na receita com o produto, sua quantidade embarcada aumentou em 25,3%, de 4,12 milhões de toneladas em 2014 para 5,16 milhões de toneladas em A queda de receita foi atribuída, portanto, ao decréscimo do preço médio de US$ 518 por tonelada para US$ 388 por tonelada (-25,1%). Outros produtos que compuseram as exportações do setor foram farelo de soja com US$ 430 milhões (-49,3%) e óleo de soja com US$ 181 milhões (+40,0%). As carnes apareceram em segundo lugar no ranking exportador do agronegócio em agosto. Suas exportações chegaram a US$ 1,30 bilhão (-14,5%) com 563 mil toneladas (+4,8%) a um preço médio de US$ por tonelada (-18,4%). A carne de frango liderou as exportações com receita de US$ 642 milhões (-4,9%). A mais vendida, do tipo in natura, obteve vendas de US$ 568 milhões (-2,2%), com remessas de 345 mil toneladas (+14,3%), com preço médio de US$ por tonelada (-14,4%). A carne de frango industrializada apresentou receita de US$ 74 milhões em exportações (-21,5%) ante US$ 94 milhões do mesmo mês do ano anterior, com praticamente a mesma quantidade exportada de 30 mil toneladas, a uma cotação média de US$ por tonelada (-21,3%). A carne bovina apareceu em seguida com vendas externas de US$ US$ 498 milhões (-22,2%), em quantidades de 112 mil toneladas (-16,0%), custando em média US$ a tonelada (-7,4%). A carne bovina in natura liderou as vendas do setor rendendo US$ 404 milhões, cifra 24,3% menor que a obtida no mesmo mês de Para este desempenho foi determinante a retração da quantidade exportada de 109 mil

2 toneladas para 89 mil toneladas (-18,4%), além da desvalorização da cotação média do produto de 7,3% ao atingir US$ por tonelada. A carne bovina industrializada, equivalente a somente 11,4% do total exportado de carne bovina, apresentou exportações de US$ 57 milhões (+17,1%), com 9 mil toneladas embarcadas (+14,0%) ao preço médio de US$ por tonelada (+2,7%). A carne suína in natura apareceu na terceira posição com um resultado de US$ 106 milhões em remessas para o exterior (-18,7%). Ainda que tenha havido crescimento da quantidade exportada de 35 mil para 42 mil toneladas, seu preço médio retraiu 31,6% com cotação a US$ por tonelada. Os produtos florestais ficaram em terceiro no ranking exportador. As exportações totais do setor fecharam o mês de agosto com US$ 816 milhões (+2,7%) oriundos do embarque de 1,50 milhão de toneladas (+7,7%) ao preço de US$ 544 por tonelada em média. Papel e celulose puxaram as vendas do setor auferindo receita de US$ 599 milhões (+6,3%) em 1,06 milhão de toneladas (+5,6%) com uma cotação de US$ 566 por tonelada (+0,6%). Madeiras e suas obras registraram vendas de US$ 216 milhões (-6,2%), muito em virtude da queda do preço médio de US$ 591 para US$ 490 por tonelada (-17,0%), pois a quantidade exportada fora ampliada para 440 mil toneladas (+13,0%). O complexo sucroalcooleiro foi o quarto setor que mais exportou no mês de agosto com remessas da ordem de US$ 637 milhões. Depois do complexo soja, apresentou o maior recuo em termos absolutos, em comparação com o mesmo mês do ano anterior: US$ 357,34 milhões. A queda nas exportações de açúcar foi a grande responsável pelo baixo desempenho do setor. As vendas do produto foram de US$ 945 milhões em 2014 para US$ 546 milhões em 2015, ou seja, baixa de 42,1%. Tanto a quantidade exportada, quanto o preço médio tiveram retração. Para a primeira o recuo foi de 21,5% registrando no mês 1,81 milhão de toneladas em embarques. A cotação ficou em US$ 302 por tonelada, após recuo de 26,3%. Com menor participação nas exportações do complexo, o álcool obteve resultado de US$ 90,06 milhões (+81,8%) em 157 mil toneladas (+150,4%) ao preço médio de US$ 574 por tonelada (-27,4%). Na sequência o café ocupou a quinta posição nas exportações do mês de agosto. O setor auferiu US$ 477 milhões em receitas, recuando 16,0% em relação ao ano prévio. A quantidade exportada foi de 168 mil toneladas (-0,6%) à cotação média de US$ por tonelada (-15,4%). O café verde, principal item do setor, rendeu US$ 424 milhões em exportações ante US$ 511 milhões do ano anterior. A retração da quantidade exportada não foi significativa, sendo de apenas 0,7% com 160 mil toneladas. Determinante para a queda de receita foi o recuo do preço médio em 16,3%, fechando o mês a US$ por tonelada. O café solúvel, de participação bem menor, obteve US$ 50 milhões (-5,1%) em exportações, com 7 mil toneladas embarcadas do produto (+5,3%), cotadas em US$ por tonelada (-9,9%). Estes cinco principais setores somados responderam no mês de agosto por US$ 5,85 bilhões em remessas e 79,6% das exportações do agronegócio brasileiro, percentual um pouco maior do que o obtido no mesmo mês do ano anterior de 78,6%, denotando um aumento na concentração das exportações no mês. No quesito importações, o total adquirido de produtos do agronegócio em agosto de 2015 foi de US$ 967 milhões. Os principais produtos adquiridos pelo mercado brasileiro no mês foram papel e celulose (US$ 101 milhões e -35,1%), pescados (US$ 77 milhões e -21,1%), trigo (US$ 75 milhões e -66,2%), malte (US$ 38 milhões e +17,9%) e lácteos (US$ 34 milhões e -12,7%). 2

3 I.b Blocos Econômicos e Regiões Geográficas Em relação às exportações para blocos econômicos e regiões geográficas no mês de agosto, a Ásia foi o principal destino das exportações do agronegócio brasileiro com US$ 3,20 bilhões em aquisições, cifra inferior à obtida no ano anterior de US$ 3,67 bilhões (redução de 12,8%). Apesar da diminuição das vendas para a Ásia, a participação da região no total das exportações brasileiras se elevou de 41,3% em 2014 para 43,6% em Este fenômeno somente foi possível graças a diminuição da participação da União Europeia. A queda das exportações para o bloco inclusive foi a maior registrada no mês, da ordem de 29,1% ou US$ 559,88 milhões. Em agosto as exportações brasileiras do agronegócio para o destino europeu ficaram em US$ 1,36 bilhão e sua participação caiu 3 pontos percentuais, se estabelecendo em 18,6%. As remessas para o NAFTA se mantiveram praticamente inalteradas com o valor de US$ 681,32 milhões e sua participação partiu de 7,7% no ano anterior para 9,3% em Outros destinos de destaque no mês de agosto foram Oriente Médio (US$ 612,54 milhões), África (US$ 505,75 milhões) e Mercosul (US$ 344,62 milhões). As quedas de vendas para os destinos foram de respectivamente, 20,3%, 6,5% e 24,0%. 3

4 I.c Países Ao analisar as exportações do agronegócio por países, a China lidera o ranking como principal destino e ainda teve no mês de agosto sua participação ampliada de 23,6% para 26,1%. Participação que avançou apesar da queda nas vendas para o destino de US$ 2,10 bilhões para US$ 1,92 bilhão entre 2014 e Em segundo aparecem os Estados Unidos, para os quais as exportações aumentaram de US$ 534,36 milhões para US$ 559,80 milhões (+4,8%) e a sua participação foi de 6,0% para 7,6%. Outros países importantes como destino das exportações do agronegócio brasileiro foram Países Baixos (US$ 360,21 milhões e -30,1%), Rússia (US$ 214,31 milhões e -38,3%) e Japão (US$ 214,17 milhões e +1,7%). 4

5 II Resultados do ano (comparativo Janeiro-Agosto/2015 Janeiro-Agosto/2014) II.a Setores do Agronegócio As exportações do agronegócio brasileiro atingiram a cifra de US$ 59,71 bilhões entre janeiro e agosto de 2015, com retração de 11,7% em relação aos US$ 67,61 bilhões exportados no mesmo período do ano anterior. Ainda assim, a participação do agronegócio no total das exportações brasileiras subiu de 43,9% para 46,5% no período considerado. As importações do agronegócio totalizaram US$ 9,18 bilhões entre janeiro e agosto de 2015, o que representou diminuição de 18,5% ante os US$ 11,25 bilhões adquiridos entre janeiro e agosto de Como resultado, o saldo da balança comercial do agronegócio caiu de US$ 56,36 bilhões para os atuais US$ 50,54 bilhões. Os cinco principais setores do agronegócio no período foram: complexo soja, com participação de 37,7% das exportações; carnes, com 16,3%; produtos florestais, com 11,3%; complexo sucroalcooleiro, com 8,9%; e o café, com participação de 6,9%. Em conjunto, as vendas externas dos cinco setores mencionados apresentaram participação de 81,0% do total exportado pelo agronegócio brasileiro nos oito primeiros meses de As vendas externas do complexo soja chegaram ao valor de US$ 22,52 bilhões no período em destaque, com queda de 17,4% em comparação aos números de 2014 ou, em valores absolutos, US$ 4,7 bilhões. Tal decréscimo foi causado pela diminuição dos preços médios dos produtos do setor (-24,2%), tendo em vista que a quantidade comercializada cresceu no período analisado (+9,0%). O principal produto do setor continua sendo a soja em grãos, com exportações de US$ 17,73 bilhões (-17,2%) e quantum negociado de 45,85 milhões de toneladas (+9,3%). O farelo de soja contribuiu com US$ 4,04 bilhões em vendas (-19,2%) e 10,16 milhões de toneladas comercializadas (+7,4%). As exportações de óleo de soja totalizaram US$ 746 milhões (-11,0%) e 1,05 milhão de toneladas embarcadas (+11,6%). O segundo setor em valor exportado foi o setor de carnes, com vendas externas de US$ 9,70 bilhões (-14,4%) e retração tanto na quantidade exportada (-0,4%), quanto no preço médio de suas mercadorias (-14,0%). Com 49,3% das vendas do setor, o principal item negociado foi a carne de frango. Apesar do crescimento de 6,2% na quantidade comercializada, a queda de 12,8% no preço médio influenciou negativamente a receita de exportação, que caiu de US$ 5,16 bilhões para US$ 4,78 bilhões entre janeiro e agosto de 2015 (-7,4%). As vendas externas de carne bovina também diminuíram, passando de US$ 4,71 bilhões entre janeiro e agosto de 2014 para os atuais US$ 3,70 bilhões (-21,5%). Tal queda foi resultado da retração das vendas em quantidade (-16,9%) e da menor cotação da mercadoria no mercado internacional (-5,5%). Completando o setor, as exportações de carne suína alcançaram a cifra de US$ 816 milhões (-16,5%), enquanto as de carne de peru totalizaram US$ 203 milhões (- 16,6%). Os produtos florestais foram a terceira principal fonte de receita de exportação do agronegócio brasileiro entre janeiro e agosto de 2015, com vendas de US$ 6,75 bilhões (+3,1%). O principal item negociado foi papel e celulose, com US$ 4,90 bilhões (+1,9%) ou 72,6% das exportações do setor. Em seguida, destacaram-se as exportações de madeiras e suas obras, com a cifra de US$ 1,85 bilhão e incremento de 6,6% em valor e de 11,6% em quantidade. O complexo sucroalcooleiro ficou na quarta colocação entre os principais setores exportadores do agronegócio, com o montante de US$ 5,32 bilhões (-18,8%). Mais de 90,0% desse valor foi alcançado com as exportações de açúcar, que atingiram US$ 4,82 bilhões (-18,4%). Já as vendas externas de álcool totalizaram US$ 484 milhões, com decréscimo de 23,0% em relação a janeiro e agosto de Completando os cinco principais setores do agronegócio entre janeiro e agosto de 2015, o setor cafeeiro exportou US$ 4,10 bilhões, o que significou crescimento de 1,0% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Em quantidade, houve variação negativa de 1,1%, com a comercialização de 1,32 milhão de toneladas, enquanto a cotação média das exportações brasileiras de café atingiram a marca de US$ por tonelada (+2,1%). No que se refere às importações de produtos do agronegócio, alcançou-se a soma de US$ 9,18 bilhões nos oito meses considerados. Os principais produtos adquiridos no período foram: papel e celulose (US$ 934 milhões e -22,9%); pescados (US$ 853 milhões e -15,6%); trigo (US$ 825 milhões e -39,3%); lácteos (US$ 286 milhões e -1,8%); malte (US$ 254 milhões e -31,8%); e borracha natural (US$ 246 milhões e -32,0%). 5

6 II.b Blocos Econômicos e Regiões Geográficas Em relação às exportações do agronegócio sob a ótica dos blocos econômicos e regiões geográficas, no período de janeiro a agosto de 2015 a Ásia permaneceu como o principal destino dos produtos brasileiros, com a soma de US$ 26,69 bilhões. Apesar da retração de 9,6% nas suas aquisições, a participação asiática nas vendas externas de produtos agropecuários brasileiros subiu de 43,7% para 44,7%. Já o segundo principal destino das exportações brasileiras, a União Europeia, diminuiu a sua participação de 21,5% para 20,7%, em virtude da queda mais acentuada das aquisições de produtos brasileiros (-15,3%, atingindo US$ 12,33 bilhões). Vale destacar que dos onze mercados selecionados na Tabela 5, oito apresentaram queda nas suas aquisições de produtos brasileiros. 6

7 II.c Países No que tange aos países, a China permanece como o principal destino das exportações do agronegócio brasileiro, com a cifra de US$ 16,58 bilhões. Em relação a janeiro/agosto de 2014, verificou-se retração de 11,7% no valor exportado e manutenção da participação chinesa em 27,8%. As exportações para os Estados Unidos, segundo principal destino até agosto de 2015, caíram de US$ 4,78 bilhões para US$ 4,28 bilhões (-10,5%) em razão da diminuição do comércio de soja em grãos (-US$ 537,52 milhões). Mesmo com essa retração, a participação norte americana nas exportações brasileiras passou de 7,1% para 7,2%. O terceiro principal destino das exportações agropecuárias de janeiro a agosto foram os Países Baixos, com US$ 3,30 bilhões, o que representou queda de 25,7% em comparação aos US$ 4,44 bilhões de janeiro a agosto de Vale destacar, que essa queda foi causada pela diminuição dos embarques de farelo de soja e soja em grãos, que juntos significaram perda de US$ 990 milhões. Com isso, a participação desse parceiro comercial caiu de 6,6% para 5,5%. Em relação ao dinamismo das exportações, os principais destaques do período foram: Irã (US$ 1,02 bilhão e +35,0%); Vietnã (US$ 1,05 bilhão e +26,3%); Egito (US$ 1,19 bilhão e +15,4%); Bélgica (US$ 1,26 bilhão e +8,0%); e Arábia Saudita (US$ 1,52 bilhão e +7,2%). III Resultados de Setembro de 2014 a Agosto de 2015 (Acumulado 12 meses) III.a Setores do Agronegócio As exportações do agronegócio caíram de US$ 98,54 bilhões entre setembro de 2013 a agosto de 2014 para US$ 88,85 bilhões entre setembro de 2014 a agosto de 2015, uma queda absoluta de US$ 9,69 bilhões em doze meses ou 9,8% em percentagem. As importações, por sua vez, caíram de US$ 17,02 bilhões para US$ 14,54 bilhões no mesmo período (-14,6%). Como resultado, o saldo comercial dos produtos do agronegócio diminuiu de US$ 81,52 bilhões entre setembro de 2013 a agosto de 2014 para US$ 74,31 bilhões entre setembro de 2014 a agosto de Essa queda das exportações e importações é reflexo, majoritariamente, da redução dos preços médios de comercialização das principais commodities agrícolas. A soja em grão, por exemplo, teve redução de 23,0%. Outras 7

8 quedas de preço que afetaram as exportações foram: carnes (-7,7%); açúcar (-12,6%); papel e celulose (-7,9%); farelo de soja (-21,4%); e óleo de soja (-18,7%). Uma exceção nesse cenário é a elevação do preço médio de exportação do café (+14,8%). Os cinco principais setores exportadores do agronegócio no acumulado dos últimos doze meses foram: complexo soja (30,0%), carnes (17,8%), produtos florestais (11,4%), complexo sucroalcooleiro (10,3%), e café (7,5%). Estes setores responderam, em conjunto, por 77,1% das exportações no período. Uma queda de 1,3 ponto percentual em relação aos 78,4% que os mesmos setores responderam nos doze meses anteriores. A principal queda de participação ocorreu no complexo soja, devido à redução mais acentuada dos preços médios de exportação. O setor diminuiu sua participação de 33,8% para 30,0%. O café, por outro lado, aumentou sua participação de 5,9% para 7,5% nos últimos doze meses. Apesar da redução da participação, o complexo soja ainda é o principal setor em valor exportado nas exportações do agronegócio, 12 pontos percentuais acima do setor de carnes, segundo mais importante. As exportações do complexo soja foram de US$ 26,67 bilhões nos últimos doze meses (-20,0%). As vendas de soja em grão atingiram quase 50 milhões de toneladas exportadas (49,6 toneladas) nos últimos doze meses, o que resultou em exportações de US$ 19,59 bilhões (-19,9%). Tal queda ocorreu, principalmente, em função da redução do preço médio de exportação do produto, que diminuiu de US$ 513 por tonelada para US$ 395 por tonelada (- 23,0%) no período analisado. As exportações de farelo e óleo foram de US$ 6,04 bilhões (-19,8%) e US$ 1,04 bilhão (-22,8%), respectivamente. As vendas externas de carnes diminuíram de US$ 17,12 bilhões para US$ 15,80 bilhões nos últimos doze meses (-7,7%). A quantidade exportada foi praticamente semelhante, já o preço médio de exportação caiu -7,7%. A carne de frango foi a mais exportada em valor, US$ 7,55 bilhões (-2,2%), com expansão de 5,7% na quantidade embarcada. Deve-se enfatizar que a quantidade exportada de carne de frango in natura, 3,8 milhões de toneladas, foi recorde histórico para o período. Com essa quantidade, as exportações de carne de frango foram de quase 50,0% das exportações totais de carne. A quantidade exportada de carde de frango in natura foi recorde para o período de 12 meses, 4,16 milhões de toneladas. Todavia, a queda no preço de exportação de 7,4% impediu uma expansão maior do valor exportado. A carne bovina apresentou, por outro lado, uma redução de 13,8% na quantidade embarcada, que em conjunto com a queda de 1,0% nos preços médios de exportação, resultou em exportações de -14,7% menores ou US$ 6,14 bilhões. As exportações de carne suína e de peru também diminuíra. As vendas externas de carne suína foram de US$ 1,42 bilhão (-1,6%) enquanto as de peru foram de US$ 321 milhões (-12,3%). Os produtos florestais ficaram na terceira posição entre os principais setores exportadores do agronegócio. As vendas do setor subiram 3,4%, atingindo US$ 10,16 bilhões. A quantidade exportada subiu nos dois produtos do setor, com expansão de 9,9% no papel e celulose e 10,9% na madeira e suas obras. Os preços médios de exportação, por sua vez, diminuíram 7,9% no caso de papel e celulose e 1,3% em madeiras e suas obras. As exportações do complexo sucroalcooleiro diminuíram de US$ 11,16 bilhões entre setembro de 2013 a agosto de 2014 para US$ 9,14 bilhões entre setembro de 2014 a agosto de 2015 (-18,1%). O principal produto exportado do setor, o açúcar, reduziu as vendas externas de US$ 9,96 bilhões para US$ 8,38 bilhões no período (- 15,9%). A queda nas exportações de álcool foi mais acentuada, de US$ 1,19 bilhão para US$ 753 milhões (-36,6%), com diminuição da quantidade exportada (-25,1%) e preço médio de exportação (-15,3%). O café ficou na quinta posição dentre os principais setores exportadores. As exportações dos produtos do setor aumentaram de US$ 5,80 bilhões para US$ 6,70 bilhões (+15,5%) no período. As exportações de café verde subiram 18,0% enquanto as exportações de café solúvel caíram 3,8%. Foi o único setor, dentre os cinco principais setores, em que os preços médios de exportação expandiram (+12,6%) As importações de produtos do agronegócio diminuíram de US$ 17,02 bilhões para US$ 14,54 bilhões nos últimos doze meses (-14,6%). Os principais produtos importados foram: papel e celulose (US$ 1,51 bilhão, -15,6%); trigo (US$ 1,28 bilhão, -41,9%); pescados (US$ 1,38 bilhão, -9,4%); malte (US$ 466 milhões, -16,6%); borracha natural (US$ 378 milhões, -33,9%); e óleo de palma (US$ 350 milhões, -14,1%). 8

9 III.b Blocos Econômicos e Regiões Geográficas As exportações do agronegócio tiveram redução para quase todas as regiões geográficas ou blocos econômicos nos últimos doze meses, conforme estatísticas apresentadas na Tabela 8. Exceção nesse cenário de queda ficou por conta da Oceania (+19,6%) e de alguns países da américa (+1,5%), que não pertencem ao NAFTA, ao MERCOSUL ou à ALADI. A Ásia aumentou sua participação como maior importadora dos produtos do agronegócio brasileiro, com expansão de 0,3 pontos percentuais na participação, apesar que reduzir o valor de suas aquisições em 9,3%. Com essa queda, as importações asiáticas caíram de US$ 40,25 bilhões entre setembro de 2014 a agosto de 2014 para US$ 36,49 entre setembro de 2014 e agosto de 2015 e representaram 41,1% de todo o valor exportado pelo Brasil em produtos do agronegócio. Os embarques para a União Europeia (EU-28) recuaram 11,5%, de US$ 21,75 bilhões para US$ 19,24 bilhões, mudando a participação do bloco de 22,1% do valor total exportado para 21,7%. As vendas para a Ásia e União Europeia caíram de 62,9% do valor total exportado para 62,8% no período em análise. 9

10 III.c Países A China continua sendo a principal parceira comercial do agronegócio brasileiro. As exportações para esse país asiático caíram de US$ 23,28 bilhões entre setembro de 2013 a agosto de 2014 para US$ 19,87 bilhões entre setembro de 2014 e agosto de 2015 (-14,6%). Tal redução é explicada em função da queda dos preços médios de exportação da soja em grão à China. No período, os preços médios de exportação do grão caíram de US$ 513 por tonelada para US$ 395 por tonelada, enquanto a quantidade exportada subiu de 34,4 milhões de toneladas para 37,0 milhões de toneladas. Assim, o valor das exportações de soja em grão à China diminuiu de US$ 17,61 bilhões entre setembro de 2013 e agosto de 2014 para US$ 14,48 bilhões entre setembro de 2014 e agosto de Ou seja, uma queda absoluta de US$ 3,14 bilhões, cifra próxima a diminuição de US$ 3,41 bilhões nas exportações do agronegócio para a China. Dentre os vinte principais parceiros do agronegócio dos últimos 12 meses, cinco mercados se destacaram pela expansão: Vietnã (+32,0%); Egito (+17,2%); Bélgica (+14,0%); Tailândia (+10,5%); Irã (+8,5%); e França (+0,7%). NOTA METODOLÓGICA A classificação de produtos do agronegócio utilizada nesta nota foi atualizada de acordo com a Resolução CAMEX Nº 94, de 8/12/2012, que alterou a Nomenclatura Comum do MERCOSUL NCM para adaptá-la em relação às modificações do Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias (SH-2012), que estabelece um método internacional para a classificação de mercadorias. A Balança Comercial do Agronegócio utiliza uma classificação dos produtos do agronegócio que reúne NCM em 25 setores. Essa é a mesma classificação utilizada no AGROSTAT BRASIL - base de dados on line que oferece uma visão detalhada e atualizada das exportações e importações brasileiras do agronegócio. Mais informações da metodologia e classificação podem ser consultadas no site: agrostat.agricultura.gov.br MAPA/SRI/DPI 09/09/

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2017

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2017 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2017 Agosto/2016)

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio do Agronegócio Edição 2010 África do Sul Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Bangladesh Canadá China Cingapura Colômbia Coréia do Sul Egito

Leia mais

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003 INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO A Marco Antônio Martins da Costa Melucci Friedhlde Maria Kutner Manolescu -Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas FCSA Universidade do Vale do Paraíba. Av. Shishima

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo (2003 2006) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com ORIENTADOR:

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 As exportações paranaenses, em setembro, apresentaram queda de -8,61% em relação a agosto. O valor exportado atingiu a US$ 1,293 bilhão, ficando,

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE As Micro e Pequenas Empresas na Exportação Brasileira Brasil 1998-2009 EDITORIAL Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: ROBERTO SIMÕES Diretor-Presidente: PAULO TARCISO OKAMOTTO Diretor Técnico:

Leia mais

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 APRESENTAÇÃO Minas Gerais se consolida como um dos mais importantes estados exportadores do Brasil, pela grande produção de commodities e pelos esforços

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS JULHO DE 2013 DC/SCM/GCE, 02/09/2013 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP 11015-900 Site:http://www.portodesantos.com.br

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário Índice

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Abril/2017

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Abril/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Abril/2017 I Resultados do mês (comparativo Abril/2017 Abril/2016)

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Julho/2015 I Resultados do mês (comparativo Julho/2015 Julho/2014)

Leia mais

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 No ano de 2013, as exportações 1 do Estado de São Paulo somaram US$ 56,32 bilhões (23,3% do total nacional), e as importações 2,

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2013

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2013 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Julho/2013 I - Resultados do mês As exportações brasileiras do

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Edição 04 - Outubro de 2014 Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Mais de 100 milhões de pessoas deixaram de passar fome na última década. É o que revela o relatório O estado

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Danusa de Paula Sousa Estudante de Graduação Esalq/USP CPF: 936 619 161-49 R. Barão de Piracicamirim, 512. B. Vila Independência

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 Antonio Hélio Junqueira 1 Marcia da Silva Peetz 2 As exportações brasileiras de flores e plantas ornamentais

Leia mais

ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR, 2005 EMPRESAS DO ESPÍRITO SANTO

ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR, 2005 EMPRESAS DO ESPÍRITO SANTO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO - SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES - IJSN ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR, 2005 EMPRESAS DO ESPÍRITO SANTO Vitória,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO COMERCIAL SCM / GCE ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS - MAIO DE 2009 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*)

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*) CANA-DE-AÇÚCAR Período: Janeiro/2016 Quadro I - PREÇO NA USINA EM SÃO PAULO (Em R$/unidade*) Produtos Unidade 24 12 1 Mês Mês Atual Açúcar Cristal Cor ICUMSA 130 a 180 Saco/50 kg 50,20 51,05 80,57 83,75

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

Porto Alegre, Dezembro de 2015

Porto Alegre, Dezembro de 2015 Porto Alegre, Dezembro de 2015 Análise de indicadores do mês de novembro No mês, a exportação alcançou cifra de US$ 13,806 bilhões. Sobre novembro de 2014, as exportações registraram retração de 11,8%,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Nota: A reprodução do artigo abaixo ou de trechos do mesmo é autorizada, sendo obrigatória a citação do nome dos autores. O texto abaixo está publicado em: www.cepea.esalq.usp.br/macro/ 1. Introdução EXPORTAÇÕES

Leia mais

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003 Carne bovina A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne bovina, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade

Leia mais

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Intercâmbio Comercial do Agronegócio principais mercados de destino Edição 2012 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 1 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 Porto Alegre, 07 de julho de 2014. NOTA À IMPRENSA Em junho de 2014, a Cesta Básica de Porto Alegre registrou queda de 4,00%, passando

Leia mais

Pesquisa Ademi-Rio. A tabela abaixo mostra as unidades lançadas na cidade do Rio de Janeiro quanto à finalidade: residencial, comercial e hotel.

Pesquisa Ademi-Rio. A tabela abaixo mostra as unidades lançadas na cidade do Rio de Janeiro quanto à finalidade: residencial, comercial e hotel. Mercado Imobiliário da Cidade Rio de Janeiro no 1º trimestre de 2016 I - UNIDADES LANÇADAS Pesquisa Ademi-Rio A análise dos dados apurados pela Pesquisa ADEMI do Mercado Imobiliário no primeiro trimestre

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Maio/2016

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Maio/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Maio/2016 I Resultados do mês (comparativo Maio/2016 Maio/2015)

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013)

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) 1.SINOPSE E ESTIMATIVA Oferta/Demanda: Apenas 7 países produtores de açúcar concentram 70% da oferta mundial, o Brasil, Índia, a soma da União

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã Durval de Noronha Goyos Jr. São Paulo, 12

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente Antonio dos Reis Duarte. Editor

FICHA TÉCNICA. Presidente Antonio dos Reis Duarte. Editor FICHA TÉCNICA Presidente Antonio dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Av. Cidade de Lisboa, nº 18, Cx. Postal 116,

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos

Leia mais

Transformações do agronegócio de Mato Grosso: uma análise de indicadores de comércio exterior no período de 1997 a 2007.

Transformações do agronegócio de Mato Grosso: uma análise de indicadores de comércio exterior no período de 1997 a 2007. Transformações do agronegócio de Mato Grosso: uma análise de indicadores de comércio exterior no período de 1997 a 2007. Sonia Souza 1 Sandra Bonjour 2 Resumo: O objetivo geral deste trabalho é analisar

Leia mais

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 17/agosto/2015 n. 588 DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO A quinta-feira foi iniciada com a atualização de um importante

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Novembro/2013 I - Resultados do mês As exportações do agronegócio

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

ALGODÃO Período: 19 a 23/09/2011

ALGODÃO Período: 19 a 23/09/2011 ALGODÃO Período: 9 a 23/09/20 Quadro I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR Algodão em Pluma - (em R$/unidade) Períodos anteriores Semana Atual Centros de Produção Unid. 2 meses () mês () semana () Média do mercado

Leia mais

8º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS FINANÇAS DOS CLUBES

8º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS FINANÇAS DOS CLUBES 8º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS FINANÇAS DOS CLUBES 2015 Sumário Prefácio 5 FIFA Fédération Internationale de Football Association 6 CBF Confederação Brasileira de Futebol 9 Federações Estaduais

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

O Desempenho do Mercado Internacional de Rochas Ornamentais em 2012: Principais Produtores, Exportadores e Importadores 1

O Desempenho do Mercado Internacional de Rochas Ornamentais em 2012: Principais Produtores, Exportadores e Importadores 1 Informe 18/2013 O Desempenho do Mercado Internacional de Rochas Ornamentais em 2012: Principais Produtores, Exportadores e Importadores Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 A crise financeira internacional continua afetando negativamente o comércio exterior paranaense: apesar das exportações terem aumentado 43,44% em março,

Leia mais

Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados. panorama da situação atual. Rinaldo Junqueira de Barros

Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados. panorama da situação atual. Rinaldo Junqueira de Barros Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados panorama da situação atual Rinaldo Junqueira de Barros Balança comercial do Agronegócio 120 100 100 80 83 60 40 20 17 0 1997 1998 1999

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Fevereiro/2017 I Resultados do mês (comparativo Fevereiro/2017

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo consecutivo, levando a uma

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Saldo positivo no mercado de trabalho em maio de 2013 Sete Lagoas gerou 474 vagas líquidas no ano. Adriana Noce 1 Karina Moura 2 Economistas

Saldo positivo no mercado de trabalho em maio de 2013 Sete Lagoas gerou 474 vagas líquidas no ano. Adriana Noce 1 Karina Moura 2 Economistas Saldo positivo no mercado de trabalho em maio de 2013 Sete Lagoas gerou 474 vagas líquidas no ano Adriana Noce 1 Karina Moura 2 Economistas O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério

Leia mais

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 30/novembro/2015 n. 603 USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Com o título já enfático sobre o futuro dos preços

Leia mais

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil 1. INTRODUÇÃO Ivan Tomaselli e Sofia Hirakuri (1) A crise financeira e econômica mundial de 28 e 29 foi principalmente um resultado da

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor: incentivar a diversificação de mercados e a agregação de valor à pauta exportadora

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. ANÁLISE SOJA MERCADO INTERNO: Nos primeiros dez dias do mês de maio houve valorização nos preços praticados da saca de soja de 6 kg quando comparados aos preços observados em 1 de maio,,38% de aumento

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

CHILE Comércio Exterior

CHILE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Dezembro/2013 12.000 Gráfico 1 - Balança Comercial do Agronegócio

Leia mais

Informativo CEPEA Setor Florestal Preços da Celulose se elevam pelo segundo mês consecutivo

Informativo CEPEA Setor Florestal Preços da Celulose se elevam pelo segundo mês consecutivo Informativo CEPEA Setor Florestal Preços da Celulose se elevam pelo segundo mês consecutivo Número 155 Novembro de 2014 Realização: Apoio: Elaboração Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA-

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor:

Leia mais