Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz"

Transcrição

1 ao erminante Área e em R 2 O qe é? Qais são sas propriedades? Como se calcla (Qal é a fórmla o algoritmo para o cálclo)? Para qe sere? A = matriz. P paralelogramo com arestas e. + A é a área (com sinal) do paralelogramo P. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 1 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 2 / 44 Volme e em R 3 Matriz Diagonal A = matriz 3 3. P paralelepípedo com arestas, e. a Considere A =, com a, b >. Calcle A. b Pela definição, A é a área do retânglo com lados de tamanho a e b. Portanto, A = ab. Isto ilstra o caso geral: o erminante de ma matriz diagonal é igal ao prodto dos elementos da diagonal. A é o olme (com sinal) do paralelepípedo P. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 3 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 4 / 44 O qe significa (A) =? (A) = em R 2 : s O qe significa (A) = em R 2? Área do paralelogramo é zero. = O qe significa (A) = em R 3? Volme do paralelepípedo é zero. = Um etor é múltiplo do otro. Um etor pertence ao plano gerado pelos otros dois = 3 3 = 3 3 Por qê? 1 a col = 3 2 a col Por qê? 3 a col = 1 a col Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 5 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 6 / 44 (A) = em R 3 : s Sinal do = Por qê? 3 a col = 1 a col Mantendo fixo e ariando, como aria o sinal do erminante? = Por qê? 3 a col = 1 a col + 2 a col erminante positio + erminante zero erminante negatio Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 7 / 44 + Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 8 / 44

2 Propriedade (a) Propriedade (b 1 ) (a) Se das colnas são igais o erminante é zero: paralelogramo o paralelepípedo degenerado. 2 2 = 3 3 = = (b 1 ) Se mltiplicarmos ma colna por k (constante) o erminante será mltiplicado por k: a altra (o base) será mltiplicada por k , 5 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 9 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 1 / 44 Propriedade (b 1 ): Propriedade (b 2 ) = 5. 1 (b 2 ) + = + + Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 11 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 12 / 44 Propriedade (b 2 ): linearidade = 6 = = = = 6 Note ( qe não é erdade ) qe (A + B) = (A) + (B)! = = = = Utilize a linearidade na primeira colna para calclar Como = = +, = = = 6 + = 6. O primeiro erminante é 6 por ser matriz diagonal, o segndo é zero pois ma colna é múltipla da otra. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 13 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 14 / 44 Propriedade (c) em R n Um fato srpreendente é: (c) o erminante da matriz identidade é 1: área de m qadrado de lado 1 = olme de m cbo de lado 1 = 1. Teorema Considere o conjnto M n n, o conjnto das matrizes qadradas n n. Existe ma única fnção : M n n R com as segintes propriedades: (a) se das colnas são igais o alor é zero; (b) é linear em cada colna; (c) na matriz identidade o alor é 1. O erminante é a fnção dada pelo teorema acima. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 15 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 16 / 44

3 Comentários Propriedade Eqialente Embora completa, a definição acima não apresenta ma fórmla para calclar o erminante. Segndo Klas Jänich: Se ocê ainda acha qe a informação mais importante acerca de m objeto matemático é ma fórmla para calclar o se alor, certamente ocê compartilha o pensamento da maioria das pessoas medianamente edcadas, mas com conhecimentos apenas sperficiais de matemática. As propriedades abaixo são eqialentes: (a) Se das colnas são igais o erminante é zero. (a ) Se trocarmos das colnas o erminante troca de sinal Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 17 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 18 / 44 Proa do Proa do (continação) Proa Vamos proar para matriz 2x2. Sponha (a). Então + (colnas igais) + = Proa Por (b) (linearidade) = = = + Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 19 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 2 / 44 Proa do (continação) do Proa Por (a) noamente Logo = = + =. =. Sponha (a ). Tomando =, ( ) = ( ). Portanto 2 ( ) =. Logo ( ) =. Das três propriedades básicas do erminante podemos dedzir de forma direta as segintes propriedades: 1 trocando ma colna por sa soma com m múltiplo de otra, a j a j + αa k, k j, o erminante não se altera; 2 erminante de matriz diagonal é igal ao prodto dos elementos da diagonal; 3 erminante de matriz trianglar é igal ao prodto dos elementos da diagonal; 4 erminante é zero se ma colna é combinação linear das otras. (De fato, se e somente se.) Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 21 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 22 / 44 Prodto de Matrizes Transposta de Matrizes (AB) = (A) (B) Proa Se (A), defina f A (B) = (AB)/ (A). É fácil er qe possi as propriedades da definição (f A (I) = 1, linear nas colnas, zero se colnas são igais). Logo f A (B) = (B). Corolário (A) se, e somente se, A possi inersa. (A t ) = (A). Corolário Todas as propriedades do erminante para colnas podem ser ennciadas como propriedades das linhas. Portanto, o erminante: é linear por linhas; troca de sinal qando se trocam as linhas. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 23 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 24 / 44

4 s s Considere A = z 4 4. (3A) = z = z = z = 3 3 3z = 3 4 z = 3 4 (A) 3 (A)! (P 1 ) =? (I) = 1 = (PP 1 ) = (P) (P 1 ). Conclsão: (P 1 ) = 1/ (P). Considere A = = = = 3 (A). (PAP 1 ) = (P) (A) (P 1 ) = (P) (P 1 ) (A) = 1 (A) = (A). Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 25 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 26 / 44 Fórmla para : parte 1 Fórmla para : parte 2 a c Vamos dedzir fórmla do erminante de tilizando somente propriedades básicas. a a Como = +, linearidade na primeira b b colna implica: a c a c c = +. d a c a c = d c c Como = + d d colna implica: a c a c = d c c = b c +., linearidade na segnda a + d +. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 27 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 28 / 44 Fórmla para : parte 3 Fórmla para : parte 4 Portanto, obtemos: colocando constantes em eidência: a c = a c 1 c a + ac + a 1 + ad + d 1 c 1 + bc + b 1 bd 1 1 Portanto, obtemos: a c = b d 1 1 ac ac 1 +ad +ad bc bc bc bd +bd 1 1 (colnas iga (identidad (troca colnas) (identidad (colnas iga Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 29 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 3 / 44 Fórmla para : Fim! Regra de Sarrs Finalmente, a c = ac + ad 1 bc 1 + bd = ad bc Podemos repetir o qe foi feito para matriz para matriz 3 3. Obtemos a fórmla conhecida, qe pode ser recordada atraés da Regra de Sarrs: a11 a 12 a 21 a 22 + a 11 a 12 a 13 a 11 a 12 a 21 a 22 a 23 a 21 a 22 a 31 a 32 a 33 a 31 a Obseração (regra se Sarrs) A regra de Sarrs NÃO generaliza para dimensão maior qe 3: Não existe procedimento semelhante a este para matrizes 4 4. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 31 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 32 / 44

5 Como calclar de forma eficiente? de cálclo de modo eficiente Existem diersas formas de cálclo do erminante. A maneira mais eficiente, tilizada nos algoritmos nméricos, é: Fazer eliminação de Gass, redzindo matriz a forma diagonal sperior (o inferior); Lear em conta a cada operação elementar o efeito sobre o erminante: troca de linhas = erminante troca de sinal; mltiplicar linha por constante = erminante é mltiplicado pela constante; sbstitir linha por combinação linear dela com otra linha = erminante não se altera. Calclar erminante da matriz resltante pelo prodto dos elementos da diagonal; 4 8 Considere a matriz A = Troqe l 1 com l 3 : A = Coloqe 3 em eidência em l 1 : A = Faça l 2 l 2 2l 1 : A = Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 33 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 34 / 44 de cálclo de modo eficiente (continação) Matrizes em Blocos A = Faça l 3 l 3 + 4l 2 /3: A = /3 = 32/3 Agora a matriz é trianglar: calcle prodto dos elementos da diagonal: A = 3(1)( 3)(32/3) = 96. (erminante de matrizes trianglares por blocos) A B A Sponha qe M = o o M =, com A D C D e D matrizes qadradas. Então (M) = (A) (D) Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 35 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 36 / 44 e e Seja A matriz qadrada. Qando A = b tem solção? se (A), A possi inersa e portanto existe ma única solção = A 1 b; se b = e (A), a única solção será = ; se (A) = podemos garantir qe o sistema homogêneo A = possi solção, isto é, possirá solção não-triial (solção diferente de zero). Conclímos qe: Teorema Se A é matriz qadrada, são eqialentes: 1 o sistema homogêneo A = possi solção diferente de zero; 2 A não possi inersa; 3 (A) =. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 37 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 38 / 44 Sistema Homogêneo de TLs 1 2 Considere a matriz A =. Determine alores para λ 2 1 tais qe o sistema A = λ possa solção não-triial. Podemos reescreer o sistema introdzindo a matriz identidade I. Assim temos qe resoler A = λi o (A λi) =. Como qeremos solções não-triiais, qeremos qe o núcleo de A λi seja não-triial, qe pelo Teorema acima implica qe (A λi) =. Agora 1 λ 2 (A λi) = = (1 λ) 2 1 λ 2 4 =. Resolendo esta eqação do segndo gra em λ obtemos qe λ = 3 o λ = 1. Como definir o erminante de transformações lineares T : V V? T pode ter matrizes distintas A e B qe a represente pois depende da base escolhida para o espaço V. No entanto, A e B estão relacionadas por mdança de base P: B = PAP 1. Pela propriedade do prodto, (B) = (PAP 1 ) = (P) (A) (P 1 ) = (P) (P 1 ) (A) = (A). Logo podemos definir (T ) por (A), o erminante da matriz qe a representa nma base qalqer. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 39 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 4 / 44

6 de de TL e Dada transformação linear T : V V, seja A ma matriz qe a represente. Definimos (T ) como (A). Seja T ma transformação linear de V em V. São eqialentes: (a) o núcleo de T é não-nlo; (b) T não possi inersa; (c) (T ) =. Seja T : R 2 R 2 ma transformação linear e Ω R 2 m conjnto limitado qalqer. Qal a relação entre olme de Ω e a área de T (Ω)? Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 41 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 42 / 44 Relação e Teorema Área de T (Ω) é igal a área de Ω ezes (T ). T Ω Q i T (Ω) T (Q i ) Uma aplicação deste Teorema é em cálclo de árias ariáeis. Uma fnção qalqer f : R 2 R 2 pode ser aproximada localmente por ma transformação linear. Por este resltado, a distorção local de área será dado pelo erminante desta transformação linear, o chamado jacobiano de f. Este mesmo resltado poder ser generalizado para três dimensões: Seja T : R 3 R 3 ma transformação linear e Ω R 3 m conjnto qalqer. O olme de T (Ω) é igal ao olme de Ω ezes (T ). Podemos reinterpretar a propriedade do erminante do prodto da seginte forma. Dado C = AB, composição das TLs A e B, a distorção de área (o olme) de C é igal ao prodto da distorção de A e distorção de B. Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 43 / 44 Álgebra Linear II 28/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Palo Goldfeld DMA / IM / UFRJ 44 / 44

Vetores. Definição geométrica de vetores

Vetores. Definição geométrica de vetores Vetores Várias grandezas físicas, tais como por exemplo comprimento, área, olume, tempo, massa e temperatura são completamente descritas uma ez que a magnitude (intensidade) é dada. Tais grandezas são

Leia mais

Exemplos. representado a seguir, temos que: são positivas. são negativas. i

Exemplos. representado a seguir, temos que: são positivas. são negativas. i 6 Prodto Vetoral Para defnrmos o prodto etoral entre dos etores é ndspensáel dstngrmos o qe são bases postas e bases negatas Para sso consderemos ma base do espaço { } e m obserador Este obserador dee

Leia mais

Introdução ao determinante

Introdução ao determinante ao determinante O que é? Quais são suas propriedades? Como se calcula (Qual é a fórmula ou algoritmo para o cálculo)? Para que serve? Álgebra Linear II 2008/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Paulo Goldfeld

Leia mais

CURVATURAS, GEODÉSICAS E ISOMETRIAS ESTUDANDO EXEMPLOS NO PLANO E NO ESPAÇO. Alunos: Gustavo Schinazi e Arthur de Freitas Orientador: Ricardo Sá Earp

CURVATURAS, GEODÉSICAS E ISOMETRIAS ESTUDANDO EXEMPLOS NO PLANO E NO ESPAÇO. Alunos: Gustavo Schinazi e Arthur de Freitas Orientador: Ricardo Sá Earp CURVATURAS, GEODÉSICAS E ISOMETRIAS ESTUDANDO EEMPLOS NO PLANO E NO ESPAÇO Alnos: Gstao Schinazi e Arthr de Freitas Orientador: Ricardo Sá Earp Cratra e Eolta de cras planas Começamos nosso trabalho com

Leia mais

[65, 187, 188, 189, 190]

[65, 187, 188, 189, 190] Anexo 12 Estimativa de Incertezas [65, 187, 188, 189, 190] 1. Introdção A estimativa da incerteza associada ao resltado de ma medição envolve vários passos: a especificação da grandeza em casa, a identificação

Leia mais

Realce de Imagens Domínio da Frequência. Tsang Ing Ren - tir@cin.ufpe.br UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CIn - Centro de Informática

Realce de Imagens Domínio da Frequência. Tsang Ing Ren - tir@cin.ufpe.br UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CIn - Centro de Informática Realce de Imagens Domínio da Freqência Tsang Ing Ren - tir@cin.fpe.br UFPE - Universidade Federal de Pernambco CIn - Centro de Informática Tópicos Introdção Série de Forier. Transformada de Forier. Transformada

Leia mais

PRODUTOS DE VETORES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga

PRODUTOS DE VETORES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga PRODUTOS DE VETORES Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga 3.1 PRODUTO ESCALAR Chama-se prodto escalar (o prodto interno sal) de dois vetores =x 1 i + y 1 j+z 1 k e v= x 2 i + y 2 j+z

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Exercícios sobre pipelining

Arquitectura de Computadores II. Exercícios sobre pipelining Arqitectra de Comptadores II LESI - 3º Ano Eercícios sobre pipelining Departamento do Informática Universidade do inho Abril 22 Considere o modelo de ma arqitectra IPS com o pipeline da figra em aneo,

Leia mais

( AB ) é o segmento orientado com origem em A e extremidade em B.

( AB ) é o segmento orientado com origem em A e extremidade em B. FUNDÇÃO EDUIONL UNIFID MPOGRNDENSE (FEU) FULDDES INTEGRDS MPO-GRNDENSES (FI) OORDENÇÃO DE MTEMÁTI Estrada da aroba, 685, ampo-grande/rj - Tel: 3408-8450 Sites: www.fec.br, www.sites.google.com/site/feumat

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Revisão e implementação do datapath do MIPS

Arquitectura de Computadores II. Revisão e implementação do datapath do MIPS Arqitectra de omptadores II LESI - 3º Ano Revisão e implementação do datapath do IPS João Lís Ferreira Sobral epartamento do Informática Universidade do inho Janeiro 22 Revisão do datapath (P) do IPS Visão

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS

ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS + ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS + INTRODUÇÃO n Ao final do séclo XIX, após o estabelecimento das bases matemáticas da teoria de matries, foi obserado pelos matemáticos qe árias entidades matemáticas

Leia mais

AULA 4. Produto escalar. Produto escalar definição algébrica. , chamamos de produto. escalar o número real: Notação: u v ou u, v e se lê: u escalar v.

AULA 4. Produto escalar. Produto escalar definição algébrica. , chamamos de produto. escalar o número real: Notação: u v ou u, v e se lê: u escalar v. AULA 4 Prodto escalar Prodto escalar definição algébrica Sejam,, e,, escalar o número real:, chamamos de prodto Notação: o, e se lê: escalar. Eemplos: ) Dados os etores,,3 e 3,4,, calclar: a) =. (-3) +.

Leia mais

AULA Exercícios. DETERMINAR A EXPRESSÃO GERAL E A MATRIZ DE UMA TL CONHECIDAS AS IMAGENS DE UMA BASE DO

AULA Exercícios. DETERMINAR A EXPRESSÃO GERAL E A MATRIZ DE UMA TL CONHECIDAS AS IMAGENS DE UMA BASE DO Note bem: a leitra destes apontamentos não dispensa de modo algm a leitra atenta da bibliografia principal da cadeira Chama-se a atenção para a importância do trabalho pessoal a realizar pelo alno resolvendo

Leia mais

TÓPICOS. Exercícios. Determinando a matriz escalonada reduzida equivalente

TÓPICOS. Exercícios. Determinando a matriz escalonada reduzida equivalente Note bem: a leitra destes apontamentos não dispensa de modo algm a leitra atenta da bibliografia principal da cadeira Chama-se a atenção para a importância do trabalho pessoal a realizar pelo alno resolvendo

Leia mais

Aula 2: Vetores tratamento algébrico

Aula 2: Vetores tratamento algébrico Ala : Vetores tratamento algébrico Vetores no R e no R Decomposição de etores no plano ( R ) Dados dois etores e não colineares então qalqer etor pode ser decomposto nas direções de e. O problema é determinar

Leia mais

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar.

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar. Verax consltoria VX00 090826 Logistica OtimizacaoAccar.docx Fnção: operações Segmento: commodities / logística Tema: otimização de negócios / planeamento de operações Metodologia: análise qantitativa OTIMIZAÇÃO

Leia mais

Física I Sistemas de unidades, Grandezas, Erros e Vetores Prof. Dr. Cláudio S. Sartori 1

Física I Sistemas de unidades, Grandezas, Erros e Vetores Prof. Dr. Cláudio S. Sartori 1 Física I Sistemas de nidades, Grandezas, Erros e Vetores Prof. Dr. Cládio S. Sartori 1 Ementa Introdção à Física, Vetores, Moimento em ma dimensão;moimentos em das e três dimensões, Leis de Newton, Trabalho

Leia mais

Osciladores lineares contínuos

Osciladores lineares contínuos Osciladores lineares contínos Apontamentos da Disciplina de Dinâmica e Engenharia Sísmica Mestrado em Engenharia de Estrtras Institto Sperior Técnico ís Gerreiro Março de 1999 Osciladores ineares Contínos

Leia mais

Espaços e Subespaços Vetoriais

Espaços e Subespaços Vetoriais Espaços e Sbespaços Vetoriais Uniersidade Crzeiro do Sl www.crzeirodosl.ed.br Espaços e Sbespaços Vetoriais Unidade - Espaços e Sbespaços Vetoriais MATERIAL TEÓRICO Responsáel pelo Conteúdo: Prof. Ms.

Leia mais

Vetores Forças Cap. 2

Vetores Forças Cap. 2 Objetios MECÂNICA - ESTÁTICA Vetores Forças Cap. 2 Mostrar como somar forças e decompô-las em componentes sando a lei do paralelogramo. Expressar a força e a sa localização na forma etorial cartesiana

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse:

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: A segir, ma demonstração do livro. Para adqirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br CÁLCULO VOLUME ZERO - REGRAS E PROPRIEDADES INICIAIS DE DERIVAÇÃO f() k f( ) k k k 0 f'() lim lim

Leia mais

8.º Ano de escolaridade 2014/2015

8.º Ano de escolaridade 2014/2015 8.º Ano de escolaridade 2014/2015 A cada período serão acrescidas as alas de avaliação DOMÍNIO ÁLGEBRA (ALG8) NÚMEROS E OPERAÇÕES (NO8) CONTEÚDOS 1. Números reais Tempos previstos (45 min) 22 Distribição

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTIA A º Ao Dração: 9 mitos Dezembro/ lassificação Nome Nº T: O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos.

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos. 1 Unversdade Salvador UNIFACS Crsos de Engenhara Cálclo IV Profa: Ila Reboças Frere Cálclo Vetoral Teto 03: Campos Escalares e Vetoras. Gradente. Rotaconal. Dvergênca. Campos Conservatvos. Campos Escalares

Leia mais

Aprendizagens Académicas

Aprendizagens Académicas AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO LOURENÇO VALONGO Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Matemática 3º Ciclo 2016/2017 PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS 8º ANO O perfil do alno foi definido

Leia mais

ENILSON PALMEIRA CAVALCANTI

ENILSON PALMEIRA CAVALCANTI ENILSON PALMEIRA CAVALCANTI Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Ciências Atmosféricas Av. Aprígio Veloso, 88 Bodocongó 58.109.970 Campina Grande PB Copyright

Leia mais

CONTROLE PREDITIVO BASEADO EM MODELO LINEAR COM INCERTEZA INTERVALAR: FORMULAÇÃO E ANÁLISE DE ESTABILIDADE.

CONTROLE PREDITIVO BASEADO EM MODELO LINEAR COM INCERTEZA INTERVALAR: FORMULAÇÃO E ANÁLISE DE ESTABILIDADE. CONTROLE PREDITIVO BASEADO EM MODELO LINEAR COM INCERTEZA INTERVALAR: FORMULAÇÃO E ANÁLISE DE ESTABILIDADE. Amanda G. S. Ottoni, Alípio M. Barbosa, Ricardo H. C. Takahashi, Lis A. Agirre DEFIM - Departamento

Leia mais

PRIMITIVAS 1. INTRODUÇÃO

PRIMITIVAS 1. INTRODUÇÃO Material de apoio referente ao tópico: Integrais Módlo I. Adaptado de: Prof. Dr. José Donizetti Lima por Prof. Dra. Dayse Regina Batists.. INTRODUÇÃO PRIMITIVAS Em mitos problemas, embora a derivada de

Leia mais

Matemática A. Versão 1. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A.

Matemática A. Versão 1. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A. Teste Intermédio de Matemática A Versão Teste Intermédio Matemática A Versão Dração do Teste: 90 mintos 9.0.0.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Na sa folha de respostas, indiqe

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

I NFORMAÇÕES LEGAIS. ScanSoft Inc. 9 Centennial Drive Peabody, MA 01960 U.S.A.

I NFORMAÇÕES LEGAIS. ScanSoft Inc. 9 Centennial Drive Peabody, MA 01960 U.S.A. I NFORMAÇÕES LEGAIS Copyright 2002 by ScanSoft, Inc. Todos os direitos reservados. Nenhma parte desta pblicação pode ser transmitida, transcrita, reprodzida, armazenada em qalqer sistema de recperação

Leia mais

Domínio, Contradomínio e Imagem

Domínio, Contradomínio e Imagem Domínio, Contradomínio e Imagem (domínio, contradomínio e imagem de função) Seja f : X Y uma função. Dizemos que: f (X) X Y X é o domínio; Y é o contra-domínio e {y B; y = f (x) para algum x X} é a imagem,

Leia mais

Conceitos Fundamentais 1.1

Conceitos Fundamentais 1.1 Conceitos Fndamentais. Capítlo Conceitos Fndamentais. Introdção Um sólido deformável sob a acção de forças eternas, deformar-se-á e no sólido desenvolver-se-ão esforços internos. Estes esforços serão em

Leia mais

Laboratório de Lubrificação e Vibrações

Laboratório de Lubrificação e Vibrações Laboratório de Lbrificação e Vibrações Relatórios 5/6 5º Ano º Semestre DEMEGI SMA LEM Docentes Beatriz Graça Jorge Seabra José D. Rodriges Lís A. Ferreira Ramiro Martins Elaborado por: Cládia Choi 558

Leia mais

O ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO PROCESSO DE SECAGEM DE TIJOLOS MACIÇOS

O ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO PROCESSO DE SECAGEM DE TIJOLOS MACIÇOS O ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO PROCESSO DE SECAGEM DE TIJOLOS MACIÇOS GT 04 Modelagem Matemática Eliangela Weber da L, IFSC Camps Chapecó, eliangela.weber@ifsc.ed.br Resmo: O trabalho apresenta

Leia mais

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade Corpos Definição Um corpo é um anel comutativo com elemento identidade em que todo o elemento não nulo é invertível. Muitas vezes é conveniente pensar em ab 1 como sendo a b, quando a e b são elementos

Leia mais

Cálculo Vetorial. Geometria Analítica e Álgebra Linear - MA Aula 04 - Vetores. Profa Dra Emília Marques Depto de Matemática

Cálculo Vetorial. Geometria Analítica e Álgebra Linear - MA Aula 04 - Vetores. Profa Dra Emília Marques Depto de Matemática Cálclo Vetorial Estdaremos neste tópico as grandezas etoriais, sas operações, propriedades e aplicações. Este estdo se jstifica pelo fato de, na natreza, se apresentarem 2 tipo de grandezas, as escalares

Leia mais

MÉTODOS DE INTEGRAÇÃO

MÉTODOS DE INTEGRAÇÃO ÁLULO DIFERENIL E INTEGRL MÉTODOS DE INTEGRÇÃO Nem todas as integrais são imediatas segndo o formlário dado, porém algns métodos simples ajdam a obter as primitivas das fnções qe não têm integração imediata.

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE MATEMÁTICA

COMENTÁRIO DA PROVA DE MATEMÁTICA COMENTÁRIO DA PROA DE MATEMÁTICA Quanto ao nível: A prova apresentou questões simples, médias e de melhor nível, o que traduz uma virtude num processo de seleção. Quanto à abrangência: Uma prova com 9

Leia mais

Introdução MATRIZES. O que vocês acham? Onde podemos usar Matrizes além dos estudos de matemática?

Introdução MATRIZES. O que vocês acham? Onde podemos usar Matrizes além dos estudos de matemática? PROBBILIDDES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais Introdução rrelva@globo.com O crescente uso dos computadores tem feito com que a teoria das matrizes seja cada vez mais aplicada. Onde

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM VINHOS ATRAVÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL

QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM VINHOS ATRAVÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL 1/7 QUANTIFICAÇÃO DA INCERTEZA ASSOCIADA À DETERMINAÇÃO DO TEOR DE CINZA EM INHOS ATRAÉS DA ABORDAGEM DIFERENCIAL Maria de Jess Tavares 1, Ricardo J. N. Bettencort da Silva 1 Unidade de Análise Qímica

Leia mais

DUPLEXADORES PARA REPETIDORA DUPLEXADORES MÓVEIS FILTROS CAVIDADES

DUPLEXADORES PARA REPETIDORA DUPLEXADORES MÓVEIS FILTROS CAVIDADES DUPLEXADORES PARA REPETIDORA DUPLEXADORES MÓVEIS FILTROS CAVIDADES Ra Chamantá, 383 - V.Prdente - SP - Fone/Fax (11) 2020-0055 - internet: www.electril.com - e-mail: electril@terra.com.br DUPLEXADOR DE

Leia mais

Fernando Nogueira Programação Linear 1

Fernando Nogueira Programação Linear 1 rogramação Linear Fernando Nogeira rogramação Linear Eemplo Típico Uma indstria prodz prodtos I e II sendo qe cada prodto consome m certo número de horas em máqinas A B e C para ser prodzido conforme a

Leia mais

Primeira lista de exercícios de Física Experimental I-A, FIS01257

Primeira lista de exercícios de Física Experimental I-A, FIS01257 Primeira lista de exercícios de Física Experimental I-A, FIS0257 Roberto da Síla, Agenor Heintz, Magno Machado, Mendeli Vainstein, Mario Baibich Institto de Física, UFRGS April 5, 206 Qestão : Considere

Leia mais

Telefones analógicos. Guia do Usuário. Plataforma de Comunicação BusinessPhone

Telefones analógicos. Guia do Usuário. Plataforma de Comunicação BusinessPhone Telefones analógicos Plataforma de Comnicação BsinessPhone Gia do Usário Cover Page Graphic Place the graphic directly on the page, do not care abot ptting it in the text flow. Select Graphics > Properties

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Csco, 23 a 25 de Otbro de 2007 MODELAGEM COMPUTACIONAL DA INFLUÊNCIA DA ESPESSURA DA PEÇA E A VELOCIDADE DE IMPACTO DO JATO NO PROCESSO DE JATEAMENTO

Leia mais

Hex. Ludus. Material. OHexé um jogo de conexão, habitualmente jogado num tabuleiro como este: com 60 peças brancas e 60 peças negras.

Hex. Ludus. Material. OHexé um jogo de conexão, habitualmente jogado num tabuleiro como este: com 60 peças brancas e 60 peças negras. Hex Lds História O Hex foi inventado das vezes. A primeira, pelo cientista e poeta dinamarqês Piet Hein, em, a segnda, pelo matemático americano John Nash, em. Contdo, foi Martin Gardner, nas páginas do

Leia mais

Autovalores e Autovetores Determinante de. Motivando com Geometria Definição Calculando Diagonalização Teorema Espectral:

Autovalores e Autovetores Determinante de. Motivando com Geometria Definição Calculando Diagonalização Teorema Espectral: Lema (determinante de matriz ) A B A 0 Suponha que M = ou M =, com A e D 0 D C D matrizes quadradas Então det(m) = det(a) det(d) A B Considere M =, com A, B, C e D matrizes C D quadradas De forma geral,

Leia mais

Qualidade ao melhor preço!

Qualidade ao melhor preço! Bosch Car Service Qalidade ao melhor preço! Dos serviços rápidos aos mais complexos Criada para satisfazer as sas necessidades a rede Bosch Car Service está vocacionada para os novos desafios do sector

Leia mais

PARTE I VETORES, ÁLGEBRA VETORIAL E APLICAÇÕES CONTEÚDOS

PARTE I VETORES, ÁLGEBRA VETORIAL E APLICAÇÕES CONTEÚDOS PARTE I VETORES, ÁLGEBRA VETORIAL E APLICAÇÕES CONTEÚDOS Vetores m poco de história Grandezas etoriais Segmentos orientados Eqipolência e propriedades Vetor Representação analítica de m etor Operações

Leia mais

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática A 2.º ao de Escolaridade Prova 65/2.ª Fase Págias Dração da Prova: 50 mitos. Tolerâcia: 0 mitos 2008

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT SHAREPOINT 2013

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT SHAREPOINT 2013 EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT SHAREPOINT 2013 Versão 1.3 Gia de Projeto e Implementação H12308.3 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. Pblicado

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX VIRTUALIZED ORACLE 11GR2

EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX VIRTUALIZED ORACLE 11GR2 EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX VIRTUALIZED ORACLE 11GR2 Versão 1.3 Gia de Projeto e Implementação H12347.3 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. Pblicado Maio, 2014

Leia mais

2 Modelagem do problema em teoria dos grafos

2 Modelagem do problema em teoria dos grafos Introdção à Teoria dos Grafos Bacharelado em Ciência da Comptação UFMS, 005 ÁRVORE GERADORA DE CUSTO MÍNIMO Resmo No Capítlo Árores, estdamos mitas propriedades importantes sobre esses grafos especiais.

Leia mais

As vantagens da solução empresarial chave da itrak incluem:

As vantagens da solução empresarial chave da itrak incluem: TM Enterprise Soltion Eliminar tarifas de rastreio por GPS Desfrtar dos benefícios adicionais de ma solção personalizada verss solção com anfitrião Amentar a segrança da informação da sa empresa Redzir

Leia mais

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara Sistemas de Equações Lineares Método de Eliminação de Gauss Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação

Leia mais

3 Teoria de Ondas Marítimas

3 Teoria de Ondas Marítimas 3 Teoria de Ondas Marítimas 3.1. Introdção Ondas do mar resltam da ação de forças sobre m flido de maneira a pertrbar o se estado inicial, isto é, deformá-lo. Estas forças são provocadas por diversos agentes

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT SQL SERVER 2012

EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT SQL SERVER 2012 EMC BACKUP AND RECOVERY OPTIONS FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT SQL SERVER 2012 Versão 1.3 Gia de Projeto e Implementação H12307.3 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Melhorias de Processos com a aplicação da Filosofia Lean

Melhorias de Processos com a aplicação da Filosofia Lean Melhorias de Processos com a aplicação da Filosofia Lean Thiago Ribeiro Francelino (UFC/CE) thiagofrancelino@yahoo.com.br José de Pala Barros Neto (UFC/CE) jpbarros@fc.br Liz Fernando M. Heineck (UFSC/SC)

Leia mais

MATRIZES Matriz quadrada Matriz linha e matriz coluna Matriz diagonal Matriz identidade

MATRIZES Matriz quadrada Matriz linha e matriz coluna Matriz diagonal Matriz identidade MATRIZES Matriz quadrada matriz quadrada de ordem. diagonal principal matriz quadrada de ordem. - 7 9 diagonal principal diagonal secundária Matriz linha e matriz coluna [ ] colunas). (linha e matriz linha

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

Controle com Modos Deslizantes Aplicado em Sistemas com Atraso e Acesso Somente à Saída

Controle com Modos Deslizantes Aplicado em Sistemas com Atraso e Acesso Somente à Saída Camps de Ilha olteira PROGRAMA DE PÓ-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉRICA Controle com Modos Deslizantes Aplicado em istemas com Atraso e Acesso omente à aída GRACILIANO ANONIO DAMAZO Orientador: Prof. Dr.

Leia mais

f (x) Antiderivadas de f (x) ; 3 8x ; 8

f (x) Antiderivadas de f (x) ; 3 8x ; 8 INTEGRAIS Definição: Uma fnção F é ma antierivaa e f em m intervalo I se F' ) f ) para too em I Chamaremos tamém F ) ma antierivaa e f ) eterminação e F, o F ), é chamao ANTIDIFERENCIAÇÃO O processo e

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT EXCHANGE 2013

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT EXCHANGE 2013 EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR VIRTUALIZED MICROSOFT EXCHANGE 2013 Versão 1.3 Gia de Projeto e Implementação H12306.3 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. Pblicado

Leia mais

NÚMEROS REAIS E OPERAÇÕES

NÚMEROS REAIS E OPERAÇÕES Reisão de Pré-Cálclo NÚMEROS REAIS E OPERAÇÕES Prof Dr José Ricardo de Rezede Zei Departameto de Matemática, FEG, UNESP Lc Ismael Soares Madreira Júior Garatigetá, SP, Otbro, 2016 Direitos reserados Reprodção

Leia mais

Controle Discreto com Modos Deslizantes em Sistemas Incertos com Atraso no Sinal de Controle

Controle Discreto com Modos Deslizantes em Sistemas Incertos com Atraso no Sinal de Controle Capítlo Universidade Estadal Palista UNEP Facldade de Engenharia de Ilha olteira FEI Programa de Pós-Gradação em Engenharia Elétrica Controle Discreto com Modos Deslizantes em istemas Incertos com Atraso

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

Produto Vetorial e Produto misto

Produto Vetorial e Produto misto Álgebr Liner e Vetores Prodto Vetoril e Prodto Misto Prodto Vetoril e Prodto misto Introdção Mtries e Determinntes Prodto Vetoril Definição Proprieddes Interpretção Geométric Prodto Misto André Lis Lpolli

Leia mais

Modelo Matemático Aplicado para Imunologia de HIV 1

Modelo Matemático Aplicado para Imunologia de HIV 1 TEMA Tend. Mat. Apl. Compt., 7, No. 2 (2006, 327-335. c Uma Plicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Comptacional. Modelo Matemático Aplicado para Imnologia de HIV 1 G.I. POLI 2, H.M.

Leia mais

Terceiro Experimento

Terceiro Experimento niversidade de Brasília Facldade de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Laboratório de Mecânica dos Flidos rofessor: Francisco Ricardo da nha Monitor: Jonas ntônio lbqerqe de arvalho Terceiro

Leia mais

Matemática A. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A. Versão 2.

Matemática A. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A. Versão 2. Teste Intermédio de Matemática A Versão Teste Intermédio Matemática A Versão Dração do Teste: 90 mintos 4.05.01 1.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na sa folha de respostas, indiqe

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Questionário do Professor

Questionário do Professor Código da escola: P - Nome da escola: Pode preencher este qestionário on-line em: www.generation-erope.org Caros professores, Com este qestionário pretendemos conhecer a tilidade e o scesso da aplicação

Leia mais

UNIFACEX CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX EDITAL N" 15-18 DE DEZEMBRO 2014 PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE PROFESSORES EM 2015 1

UNIFACEX CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX EDITAL N 15-18 DE DEZEMBRO 2014 PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE PROFESSORES EM 2015 1 I If I UNIFACE CENTRO UNIVERSITÁRIO FACE EDITAL N" 15-18 DE DEZEMBRO 2014 PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE PROFESSORES EM 2015 1 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO FACE - UNIFACE, torna público, para conhecimento

Leia mais

Projecções Cartográficas

Projecções Cartográficas Facldade de Ciências da Uniersidade de Lisboa Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Projecções Cartográficas João Catalão Lisboa, Introdção João Catalão - FCUL ii Introdção Índice

Leia mais

Matrizes e Determinantes

Matrizes e Determinantes Capítulo 1 Matrizes e Determinantes 11 Generalidades Iremos usar K para designar IR conjunto dos números reais C conjunto dos números complexos Deste modo, chamaremos números ou escalares aos elementos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Inércia Térmica de Sensores.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Inércia Térmica de Sensores. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Inércia Térmica de Sensores por Tiago Roberto Borges de Moraes Trabalho Final da Disciplina de Medições

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA I/2013 DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 18/7/13

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA I/2013 DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 18/7/13 UNIVRSIDAD D BRASÍLIA I/3 DPARTANTO D CONOIA 8/7/3 TORIA DOS JOGOS - PÓS PROFSSOR AURÍCIO SOARS BUGARIN CO bgarin@nb.br htttp://www.bgarinmaricio.com PROVA GABARITO Problema -Direito e conomia A área de

Leia mais

BIS - Access Engine (ACE)

BIS - Access Engine (ACE) Engineered Soltions BIS - Access Engine (ACE) BIS - Access Engine (ACE) www.boschsecrity.com/pt Controle de acesso sofisticado com gerenciamento direto de alarmes Integração e interação perfeitas com sistemas

Leia mais

MALHAS COMPUTACIONAIS PARA SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE ESCOAMENTOS DE FLUIDOS ENTRE CILINDROS COM EXCENTRICIDADE

MALHAS COMPUTACIONAIS PARA SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE ESCOAMENTOS DE FLUIDOS ENTRE CILINDROS COM EXCENTRICIDADE 0 a 05 de jnho de 009, Ijí/RS MALHAS COMPUACIONAIS PARA SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE ESCOAMENOS DE FLUIDOS ENRE CILINDROS COM EXCENRICIDADE G 04 Modelagem Matemática Ricardo Vargas Del Frari URI/Erechim ricardodf@hotmail.com

Leia mais

CAPITULO 03 TÉCNICAS UTILIZADAS NA ANÁLISE DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 03 TÉCNICAS UTILIZADAS NA ANÁLISE DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO TÉCNICAS UTILIZADAS NA ANÁLISE DE CIRCUITOS Prof SILVIO LOBO RODRIGUES 1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Um dos objetios principais do presente capítulo é o de

Leia mais

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas 2 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas Sumário 1 Transformação de Matrizes.............. 3 1.1

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I 1 Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 013/I 1 Sejam u = ( 4 3) v = ( 5) e w = (a b) Encontre a e b tais

Leia mais

Unidade tudo-em-um Plena

Unidade tudo-em-um Plena Sistemas de Comnicação Unidade tdo-em-m Plena Unidade tdo-em-m Plena www.boschsecrity.com/pt Solção tdo-em-m para música ambiente e chamadas Sistema de chamada de seis zonas Sintonizador AM/FM integrado

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Capítulo 2 Introdução ao Sistema GPS

Capítulo 2 Introdução ao Sistema GPS Introdção ao Sistema GPS 17 Capítlo 2 Introdção ao Sistema GPS O primeiro satélite artificial colocado em órbita foi o rsso Sptnik 1, lançado no ano 1957. Assim, foi demonstrada a viabilidade dos satélites

Leia mais

TRIÂNGULO RETÂNGULO. Os triângulos AHB e AHC são semelhantes, então podemos estabelecer algumas relações métricas importantes:

TRIÂNGULO RETÂNGULO. Os triângulos AHB e AHC são semelhantes, então podemos estabelecer algumas relações métricas importantes: TRIÂNGULO RETÂNGULO Num triângulo retângulo, os lados perpendiculares, aqueles que formam um ângulo de 90º, são denominados catetos e o lado oposto ao ângulo de 90º recebe o nome de hipotenusa. O teorema

Leia mais

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR END USER COMPUTING WITH VMWARE HORIZON VIEW

EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR END USER COMPUTING WITH VMWARE HORIZON VIEW EMC BACKUP AND RECOVERY FOR VSPEX FOR END USER COMPUTING WITH VMWARE HORIZON VIEW Versão 1.2 Gia de Projeto e Implementação H12388.2 Copyright 2013-2014 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. Pblicado

Leia mais

Roteiros e Exercícios - Álgebra Linear v1.0

Roteiros e Exercícios - Álgebra Linear v1.0 Roteiros e Exercícios - Álgebra Linear v1.0 Robinson Alves Lemos 14 de janeiro de 2017 Introdução Este material é um roteiro/apoio para o curso de álgebra linear da engenharia civil na UNEMAT de Tangará

Leia mais

VRM Video Recording Manager

VRM Video Recording Manager Vídeo VRM Video Recording Manager VRM Video Recording Manager www.boschsecrity.com/pt Armazenamento distribído e distribição da carga configrável Conjnto de discos iscsi de reserva para obter ma maior

Leia mais

8 Resultados de Medições Indiretas

8 Resultados de Medições Indiretas 8 esltados de Medições Indiretas Fndamentos de Metrologia Motivação ±c c b ±b omo estimar a incerteza do valor de ma grandeza qe é calclada a partir de operações matemáticas ticas com os resltados de otras

Leia mais

FLEXIDOME IP micro 2000

FLEXIDOME IP micro 2000 Vídeo FLEXIDOME IP micro 2000 FLEXIDOME IP micro 2000 www.boschsecrity.com/pt Microdome IP para interior, de design compacto e elegante Resolções 720p o VGA a 30 imagens por segndo Ranhra para cartão microsd

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga

TRANSFORMAÇÕES LINEARES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga TRANSFORMAÇÕES LINEARES Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga INTRODUÇÃO Estudaremos um tipo especial de função, onde o domínio e o contradomínio são espaços vetoriais reais. Assim, tanto

Leia mais

2 Matrizes. 3 Definição Soma de duas matrizes, e ( ) 4 Propriedades Propriedades da soma de matrizes ( )

2 Matrizes. 3 Definição Soma de duas matrizes, e ( ) 4 Propriedades Propriedades da soma de matrizes ( ) Nova School of Business and Economics Apontamentos Álgebra Linear 1 Definição Matriz ( ) Conjunto de elementos dispostos em linhas e colunas. Ex.: 0 1 é uma matriz com 2 linhas e 3 colunas. 2 Definição

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

Guia RELACRE ESTIMATIVA DE INCERTEZA EM ENSAIOS MICROBIOLÓGICOS DE ÁGUAS

Guia RELACRE ESTIMATIVA DE INCERTEZA EM ENSAIOS MICROBIOLÓGICOS DE ÁGUAS Gia RELACRE 9 ESTIMATIVA DE INCERTEZA EM ENSAIOS MICROBIOLÓGICOS DE ÁGUAS FICHA TÉCNICA TÍTULO: Gia RELACRE 9 Estimativa de Incerteza em Ensaios Microbiológicos de Ágas EDIÇÃO: RELACRE ISBN: 978-97-8574-43-7

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR Assuntos: Matrizes; Matrizes Especiais; Operações com Matrizes; Operações Elementares

Leia mais

Access Professional Edition 2.1

Access Professional Edition 2.1 Engineered Soltions Access Professional Edition 2.1 Access Professional Edition 2.1 www.boschsecrity.com/pt Controle de acesso compacto baseado na inovadora família de controladores AMC da Bosch Verificação

Leia mais

R é o conjunto dos reais; f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range).

R é o conjunto dos reais; f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range). f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range). R é o conjunto dos reais; R n é o conjunto dos vetores n-dimensionais reais; Os vetores

Leia mais

4 a LISTA DE EXERCÍCIOS Valores Próprios e Vectores Próprios Álgebra Linear - 1 o Semestre - 2013/2014 LEE, LEGI, LEIC-TP, LETI

4 a LISTA DE EXERCÍCIOS Valores Próprios e Vectores Próprios Álgebra Linear - 1 o Semestre - 2013/2014 LEE, LEGI, LEIC-TP, LETI 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS Valores Próprios e Vectores Próprios Álgebra Linear - 1 o Semestre - 2013/2014 LEE, LEGI, LEIC-TP, LETI Problema 1 Considere a matriz A = 1 0 0 0 2 1 2 0 3 Diga quais dos seguintes

Leia mais