Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z"

Transcrição

1 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente 4:... = 4 Temos, dois elevado à Quarta ou dois à Quarta. Do mesmo modo, podemos representar um produto de quatro fatores iguais a. (-). (-). (-). (-) por meio de uma potência de base e epoente 4: (-). (-). (-). (-) = (-) 4 Para todos os números a e n,. com n >, a potência a n é o produto de n fatores iguais a a.. Se n =, a = a, sen = 0, a 0 = Eemplo: Se a = -8 e b =, calcule o valor da epressão algébrica a b. Eercícios: 0 Calcule cada potência abaio. a) (-) = d) (-8) = b) ( 5) = e) (-) 5 = c) (+0) 4 = f) (-) 4 = 0 Escreva cada epressão na forma de potência. a) (-6). (-6). (-6) = b) (+7). (+7). (+7). (+7) = c) (-9). (-9). (-9) = d) (-). (-). (-). (-). (-). (-). (-) = e) =

2 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Propriedade da Potenciação Veja como simplificamos o produto (-5).(-5) 4 : (-5).(-5) 4 = (-5).(-5).(-5).(-5).(-5).(-5).(-5) = (-5) 7 = (-5) +4 Se a é um número inteiro e m e n são números naturais, a m. a n = a m+n O quociente de duas potências também pode ser epresso de um modo mais simples. Por eemplo, 5 = (-) 5 (-) =..... = (-) como m n, Se b é um número inteiro diferente de 0 e m e n são números naturais, b b m n = b m b n = b m-n Se c é um elemento do conjunto dos números inteiros C = C e C 0 = Para elevar uma potência a um novo epoente, basta conservar a base e multiplicar os epoentes. Veja: = (-) (-) =(-) + = (-) 6 = (-). Se d é um número inteiro e m e n são números naturais, (d m )n = d m.n Eercícios Verifique o máimo que puder. a) (- a) 5.(- a) =

3 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 b) (-0) 00.(-0) 05.(-0) 0 = c) = d) = e) 7 8 = f) = - Sabendo que a = -4 e b =, qual é o valor da epressão algébrica. OBS: º. Todo número elevado ao epoente zero é igual a. º. Todo número negativo elevado ao epoente par é positivo. º. Todo número negativo elevado ao epoente ímpar é negativo. Propriedade da Potenciação dos números Racionais (Q) Para todo número racional b e para todos os números naturais m e n, temos: b m. b n = b m+n ; 5 (b m ) n = b m-n ; 8.4 4

4 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Se b é um número racional diferente de 0 e m n; b b m n = b m-n : 5 5 Uma Quarta propriedade é muito útil para simples cálculos com potências: Para todos os números racionais b e c, com c 0, e para todo o número natural n: n b c b c n n Eercícios Calcule cada potência a) 4 b) 7 c) d) 0 7 = 00 e) 0 - Simplifique as epressões numéricas. a) 4

5 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel / b) 0 7 c) - Simplifique usando as propriedades de potenciação a) 6 b) 6 5 c) 8 5 d) 5 4 e) 6,4 0 = Epoente Inteiro Negativo Qualquer número elevado ao número inteiro negativo para podermos efetuar tal potência devemos: Epoente Racional Fracionário 5 5 Lembrando que a multiplicação de raízes pode ser epressa: b a a.b

6 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 a b a b a.b e o quociente: a b a b a b 5 a 5 b 5 a 5 b 5 Base 0 Sem dúvida como estamos nos relacionando com Eletrotécnica e Eletrônica é importante que saibamos trabalhar com a base dez, não esquecendo que são válidas as propriedades da potenciação. Resolva Eercícios a) (-0) = b) (+00).(000). (+0) = c) d) e) Resumo de Potenciação ) a m.a n a m n ) a a m n a m n 6

7 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 ) m n a n a m 4) a 0 5) a a a 6) a a 7

8 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 FUNÇÕES Conceito de Função Definição Dado dois conjuntos A e B (*), não vazios, uma relação f de A e B recebe o nome de aplicação de A em B ou função definida em A com imagens em B se, e somente se, para todo e A eiste um só y e B tal que (, y) e f. f é aplicação de A em B A, / y B / (, y) f. Vejamos agora com o auílio do esquema das flechas, que condições deve satisfazer uma relação f de A em B para ser aplicação (ou função).. É necessário que todo elemento A participe de pelo menos um par (, y) f, isto é, todo elemento de A deve servir como ponto de partida de flecha.. É necessário que cada elemento A participe de apenas um único par (, y) e f, isto é, cada elemento de A deve servir como ponto de partida de uma flecha. Uma relação f, não é aplicação (ou função) se não satisfazer uma das condições acima. isto é: ( i ) se eiste um elemento de A do qual não parta flecha alguma ou A B f não é função ( ii ) se eiste um elemento de A do qual partam duas ou mais flechas. A B f não é função 8

9 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Eemplo: ) A relação f em IR, com A = { IR / - } representada abaio é função, pois toda reta vertical conduzida pelos pontos de abscissa A encontra sempre o gráfico de f num só ponto. ) A relação f de A em IR representa abaio, onde A = { IR / - } não é função, pois há retas verticais que encontram o gráfico de f em dois pontos Eercícios ) Estabelecer se cada um dos esquemas das relações abaio define ou não uma função de A = {-, 0,, } em B = {-, -, 0,, }. Justificar. IR S A (a) B A (b) B 9

10 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 IR A (c) B DOMÍNIO E IMAGEM Definição Chamamos de domínio o conjunto D dos elementos A para os quais eiste y B tal que (, y) f. Como pela definição de função, todo elemento de A tem essa propriedade, temos nas funções: domínio = conjunto de partida, isto é, Dom = A Chamamos de imagem o conjunto Im dos elementos y B para os quais eiste A tal que (, y) f, portanto, imagem é subconjunto de contra domínio, isto é, Im de C está contido em B. A B Domínio Contradomínio Notemos, que, feita a representação cartesiana de função f, temos: Domínio: (D) é o conjunto das abscissas dos pontos tais que as retas verticais conduzidas por esses pontos interceptam o gráfico de f, isto é, é o conjunto formado por todas as abscissas dos pontos do gráfico de f. 0

11 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Imagem: (Im) é o conjunto das ordenadas dos pontos tais que as retas horizontais conduzidas por esses pontos interceptam o gráfico de f, isto é, é o conjunto formado por todas as ordenada dos pontos do gráfico de f. Eemplo: ) 4 y D = { IR / - } Im = {y IR / 0 y 4} ) y 4 D = { IR / - } Im = {y IR / - y 4} - - Eercícios: ) Tomemos algumas funções e determinemos os seu domínio. a) y = D = IR b) y = D = IR c) y = D = IR * d) y = D = IR *

12 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 ) Estabeleça o domínio e a imagem das funções abaio: a) f g ) Determine a imagem das funções abaio: a) b) y FUNÇÕES DO.º GRAU I Função Constante Definição Uma aplicação f em IR em IR recebe o nome de função constante quando a cada elemento IR associa sempre o mesmo elemento C IR. Isto é: y (o, C) f : IR IR

13 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 O gráfico da função constante é uma reta paralela ao eio dos passando pelo ponto (0,C). A imagem e o conjunto Im = { C}. Eemplo ) y = ) y = - y y (0, ) - II Função Identidade Definição: Uma aplicação de IR em IR recebe o nome de função identidade quando a cada elemento IR associa o próprio, isto é: f : IR IR y (-,) (0,0) - - (,) (,) quadrantes. O gráfico da função identidade é uma reta que contém as bissetrizes do.º e.º A imagem é Im = IR

14 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 II Função Linear Definição Uma aplicação de IR em IR recebe o nome de função linear quando a cada elemento IR, associa o elemento a IR, onde a 0 é um número real dado, isto é: f : IR IR y a, a 0(*) Demonstra-se que o gráfico da função linear é uma reta que passa pela origem a imagem é Im = IR. De fato, qualquer que seja o y IR, eiste = y f () = f a = a a y = y y IR, a 0, tal que a y = Eemplo y y Eercícios ) Construir num mesmo sistema cartesiano, os gráficos das funções de IR em IR: a) y = b) y = c) y = 4

15 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 IV Função Afim Definição Uma aplicação de IR em IR recebe o nome de função afim quando a cada IR estiver associado o elemento (a + b) IR a 0, isto é: f : IR IR a + b, a 0 V - Gráfico Obs.: O gráfico da função f () = a + b (a 0) é uma reta. Eemplo: y = + é uma função afim onde a= e b =, e determinemos agora o gráfico atribuindo a valores distintos. y y 0 (,) (0,) O gráfico procurado é uma reta que passa pelos pontos (0,) e (,) Eercícios: Construa o gráfico cartesiano da função IR em IR. a) y b) y = -0 + c) y = 4 IR. VI Imagem O conjunto imagem da função afim f: IR IR definida por f () = a + b com a 0 é 5

16 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 VII Zero da função afim Definição Zero de uma função é todo número cuja imagem é nula, isto é f () = 0, é zero de y = f () f () = 0. Assim, para determinamos o zero da função afim basta resolver a equação do.º grau. A + b =0 Eemplo: O zero da função f () = e = pois, fazendo =0 = = Podemos interpretar o zero da função afim, como sendo a abscissa do ponto onde o gráfico corta o eio dos. Eemplo: Fazemos o gráfico da função y =, podemos notar que a reta intercepta o eio dos em =, isto é, no ponto (, 0). y y 0 -, 0 VIII - Função Crescente ou Descrecente Definição A função f AB definida por y = f () é crescente no conjunto A C A se, para dois valores quaisquer e pertencentes a A, com <, tivermos f () < f (). 6

17 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Em símbolos: f é crescente quando (, ) ( < f ( ) < f ( ). Eemplo: A função f () = é crescente em IR, pois: < < para todo IR e todo IR. f ( ) f ( ) Definição A função f : A B definida por y = f () é decrescente no conjunto A C A se, para dois valores quaisquer e pertencentes a A com <, tem-se f ( ) > f ( ). Em símbolos f é decrescente quando (, ) ( < f ( ) > f ( )) Eemplo: A função f() = - é decrescente em IR, pois < - > - para todo IR e todo IR. f ( ) f( ) IX Sinal de uma Função Definição Seja a função f: AB definida por y = f (). Vamos resolver o problema para que valores de temos f () > 0, f () = 0 ou f () < 0?. Resolver este problema significa estudar o sinal da função y = f () para cada pertencente ao seu domínio. Eemplo: Estudar o sinal da função y = f () cujo gráfico está abaio representado. y = f () y

18 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Observemos, inicialmente, que interessa o comportamento da curva y = f () em relação ao eio dos, não importando a posição dos y. Preparando o gráfico com aspecto prático, temos: y = f() sinal de y = f() Conclusão: f() = 0 = - ou = ou = 4 = 7 f() > 0 -< < ou < < 4 ou > 7 f() < 0 < - ou 4< < 7. Eercícios ) Estudar o sinal das funções cujos gráficos estão representados abaio. a) y y = f() b) y - - y = f() X Sinal da Função Afim Considerando que = - a b, zero da função afim f() = a + b, o valor de para o qual f() = 0, eaminemos, então, para que valores ocorre f() > 0 ou f() < 0. 8

19 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Devemos considerar dois casos..º Caso a > 0 b f() = a + b > 0 a > -b > - a b f () = a + b < 0 a < -b < a é: Colocando os valores de sobre um eio, igual sinal da função f() = a + b com a>0, f() a + b (a > 0) b a construindo o gráfico de f() = a + b com a > 0, e lembrando que não, importa a posição do eio y, temos: - - a b +.º Caso a < 0 f() = a +b > 0 a > -b < - a b f() = a + b < 0 a < -b > - a b Colocando os valores de sobre um eio, o sinal da função f() = a + b com a < 0, é: b a + 0-9

20 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Podemos analisar o sinal da função f() = a + b, com a< 0, construindo o gráfico cartesiano. Lembremos que neste caso a função é decrescente. + - a b - Eercícios ) Estudar os sinais das funções definidas em IR : a) y = + b) y = 4-0

21 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 ARCOS E ÂNGULOS (I) Arcos de Circunferência Arco de circunferência é cada uma das duas partes em que uma circunferência fica dividida dois de seus pontos. Assim, sendo A e B dois pontos quaisquer de uma circunferência, eles a dividem em duas partes: Medida de um Arco Grau Grau é o arco equivalente a da circunferência que o contém. 60 m( A B ) = Radiano Radiano é o arco cujo comprimento é igual ao comprimento do raio da circunferência que o contém. m( A B ) = rad Se m A B = rad, então comp A B = r. Em relação à circunferência, observe:

22 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Se com A B= r, então m A B= rad. Observação: O raio da circunferência é utilizado como unidade de medida, por isso seu comprimento não deve ser levado em consideração. Nessas condições, o raio é denominado raio unitário. três. Lembrando que qualquer circunferência tem 60º, temos que: 60º corresponde a rad ou 80º corresponde a π rad Assim, podemos converter grau para radiano (e vice-versa), estabelecendo uma regra de Eercícios Resolvidos. Determine, em radianos, a medida do arco 60º. Solução 80º º = 60º. π 80º π rad. Calcule, em graus, a medida de cada arco a seguir: a) rad 4 Solução a) =. 80º = = 5º 4 4 b) rad º b) rad 80º rad Fazendo,4, temos = 57º9 9. Logo, rad equivale a 57º9 9. = 80º = 80º Eercícios Propostos. Calcule, em radianos, as medidas dos arcos. a) 0º c) 40º e) 0º b) 45º d) 00º f) 7º

23 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98. Transformando º em radianos, obtemos: a) 5 c) rad. 0 e) rad. b) 5 rad. d) rad. 5. Determine, em graus, as medidas dos arcos. π π a) rad. e) rad. 6 π 5π b) rad. f) rad. 4 6 π 7π c) rad. g) rad. 6 d) rad. h) 4π rad. ARCOS E ÂNGULOS (II) Ângulo Central Ângulo Central de uma circunferência é o ângulo que tem o vértice no centro dessa circunferência. Comprimento de um Arco Considere a figura a seguir: : é ângulo central (AB): arco da circunferência determinado por dois pontos, medido em a radianos : comprimento de A B ( = comp A B r: raio da circunferência

24 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 por ele. Sendo a medida em radianos de, temos: = r = r Considerando o raio como unidade de medida: =. = m( A B = m(ˆ ) Assim, o ângulo central de uma circunferência tem medida igual à do arco delimitado Circunferência Orientada Uma circunferência pode ser percorrida em dois sentidos: horário: sentido do movimento dos ponteiros de um relógio; por convenção, esse sentido é negativo; anti-horário: sentido contrário ao do movimento dos ponteiros do relógio; por convenção, esse sentido é positivo. Dizemos que uma circunferência está orientada quando levamos em consideração esses sentidos. Todo arco contido numa circunferência orientada recebe o nome de arco orientado. Na circunferência orientada da figura a seguir, os pontos A e B determinam quatro arcos orientados. Veja: Eercícios Resolvidos. Calcule o comprimento de uma pista circular de 0 m de raio que descreve um arco Como de meia volta ( rad). Dado: =,4 Solução rad, temos: r =,4. 0 = 94,0 Logo, = 94,0 m. 4

25 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98. Determine o comprimento do arco A B da figura. Dado:,4. Solução: 80º 80º. π 4 = rad 80º 9 80º 4 4.,4 = r =.5.5 6, Logo, = 6,98 cm.. Calcule o menor ângulo formado pelos ponteiros de um relógio que marca 9h 5 min. Solução: Observando o ângulo entre os ponteiros do relógio ao lado, podemos escrever: = 4. 0º + (Cada divisão do relógio equivale a um arco de 0º.) equivale ao arco que o ponteiro menor descreveu quando o ponteiro maior se deslocou da posição A para a posição B. Assim, temos a regra de três: Ponteiro maior Minutos 60 0º 5 Ponteiro menor Graus = 0º. 5 60º 5 Logo, = 4. 0º + = 0º + º0. Então, = º 0 º º0' Eercícios Propostos. Uma circunferência de cm de raios tem um arco de circunferência que mede 9,4 cm. Calcule, em radianos, a medida do ângulo central corresponde a esse arco.. Em uma circunferência de 5 cm de raio, um arco de circunferência mede rad. Determine o comprimento desse arco. 5

26 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98. Um arco de circunferência de 6 cm de comprimento está contido numa circunferência de cm de raio. Qual a medida desse arco em radianos? 4. Calcule o menor ângulo formado pelos ponteiros de um relógio quando este marca: a) h 0min b) h 5min CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA Uma circunferência orientada, de raio unitário (r = ), sobre a qual um ponto A é a origem de medida de todos os arcos nela contidos, é uma circunferência trigonométrica. Vamos considerar uma circunferência trigonométrica cujo centro coincide com a origem do sistema cartesiano e o ponto A (, 0), que é origem de todos os arcos, como mostra a figura a seguir: Os eios O e Oy do plano cartesiano dividem a circunferência em quatro arcos de mesma medida (90 ou rad), numerados no sentido anti-horário, como vemos na figura. Esses eios dividem o plano em quatro regiões, denominadas quadrantes, também numeradas no sentido anti-horário. Eercício Resolvido Represente na circunferência trigonométrica e na reta real os seguintes números reais: π 6 π π,,π,,, π e -. 6

27 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Solução: Para localizar um número real na circunferência trigonométrica, devemos lembrar que todo número real ocupa um ponto dessa circunferência, localizado no etremo do arco trigonométrico igual a rad. Assim: está localizado no etremo do arco A B tal que m( A B ) = rad; 6 6 está localizado no etremo do arco A C tal que m( A C ) = rad ( 57 ); e assim sucessivamente. Portanto, temos: Para localizar um número real na reta, devemos observar o seguinte:,4 π 0,5, logo ,4 - -,04, logo < - < - e assim sucessivamente. Logo, temos: 7

28 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Eercícios Propostos. Em relação às figuras abaio, determine, em radianos e em graus, a medida dos seguintes arcos: A B, A C, A D, A E, A F e A G.. Represente na circunferência trigonométrica e na reta real os seguintes números reais:,,,,, 6 4 π π,,, π, 4 π 5,, π e.. Represente, na circunferência trigonométrica, as etremidades dos arcos de 5 4 5,,,,, e Represente, na circunferência trigonométrica, as etremidades dos arcos de medidas: a) 45, 5, 5 e 5 ; b) 60, 0, 80, e 60 : c) 0, 60, 80, 0, 50, 80, 0. 40, 70, 00, 0 e 60. 8

29 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 ARCOS TRIGONOMÉTRICOS E ARCOS CÔNGRUOS Arcos Trigonométricos Arcos de uma circunferência trigonométrica com mesma origem e mesma etremidade são chamados de arcos trigonométricos. Eles podem ser: positivos, quando marcados no sentido anti-horário; negativos, quando marcados no sentido horário; maiores que 60 ou rad, quando têm mais de uma volta. Observe a figura em que temos um arco de origem A e etremidade E: ele pode assumir infinitos valores, dependendo do número de voltas no sentido anti-horário ou no sentido horário. Sendo m( A E ) = 0, temos: Quando medidos em graus, esses arcos podem ser representados algebricamente pela epressão: = '. k (k Z ) sendo 0 a a determinação positiva do arco trigonométrico (0 0 < 60 ) e k o número de voltas. Quando medidos em radianos, os arcos trigonométricos são representados por: = 0 + k (k Z ) 9

30 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 rad.) Arcos Côngruos Dois arcos são côngruos quando a diferença entre eles é um múltiplo de 60 (ou 0º e 0º são côngruos: 00º - 0º = 080º =. 60º 4 4 e são côngruos: - = = 4 =. Eercícios Resolvidos. Represente na circunferência trigonométrica os arcos de medida = k,k Z 4 Solução: Basta atribuir valores para k, determinando os arcos, até completar a primeira vota. A partir daí, os demais arcos serão côngruos e, portanto, de mesma etremidade que os anteriores. k = 0 = = 4 π k = = +. = k = = π = + = 4 4 π 6π 7 k = = +. = k = 4 = = 4 +. Calcule a a determinação positiva dos arcos a seguir: a) 50º b) Solução: 7 rad Para calcular a a determinação, devemos eliminar as voltas inteiras (k 60º ou k ), já que a diferença entre suas medidas é múltiplo de 60º (ou de ). Assim: a) 50º 60º 50º = 4. 60º +90º 90º 4 4 voltas 0

31 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Logo, a a determinação positiva é 90º. b) 7 4 π volta Logo, a a determinação positiva do arco 7 rad é rad.. Se = 0º + k. 0º, k Z, calcule a a determinação negativa e a a determinação positiva desse arco. Solução a determinação negativa: k = - = 0º +(-) 0º = -90º a determinação positiva: k = = º = 70º Eercícios Propostos. Dentre os arcos abaio, identifique os côngruos. a) 60º e 00º d) rad e rad 4 4 b) 00º e 90º e) 0º e 40º c) º e 0º. Represente, na circunferência trigonométrica, as etremidades dos arcos de medidas (k Z): a) = + k d) = + k b) = + k e) = k c) = + k f) = k. Calcule a medida da a determinação positiva dos arcos a seguir: a) 750º c) 500º b) 80º d) rad.

32 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel / Um arco côngruo de 7 rad é: 5 a) rad. 5 d) rad. 7 b) rad e) rad. 5 c) rad. 5 FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS: SENO DE UM ARCO Associando cada número real a um arco da circunferência trigonométrica, com origem no ponto A (,0) e etremidade em um ponto P tal que m ( A P )= rad, dizemos que seno do arco é a ordenada OP do ponto P. Função Seno Chamamos de função seno a função f: IR IR que, cada número real, associa o seno desse número: f: IR IR, f() = sen O domínio dessa função é IR e a imagem é Im = [-,], visto que, na circunferência trigonométrica, o raio é unitários e, pela definição de seno, - sen, ou seja: D (sen ) = IR Im (sen ) = [-,]

33 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Sinal da Função Como sen é a ordenada do ponto-etremidade do arco: f() = sen é positiva no o e o quadrantes (ordenada positiva) f() = sen é negativa no o e 4 o quadrantes (ordenada negativa) Eercícios Resolvidos. Calcule os valores de sen 0, sen, sen, sen e sen. Solução Os valores dos senos dos arcos de 0 rad, rad, rad, correspondem, respectivamente, às ordenadas dos pontos A, B, C, D, e A: rad e rad. Determine os sinais de sen 0º, sen 0º, sen 0º e sen 0º. Solução: Como o seno de um ângulo é a ordenada do ponto-etremidade do arco, os ângulos do o e o quadrantes são positivos e os o e 4 o quadrantes, negativos.

34 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Assim, sen 0º e sen 0º são positivos, pois 0º e 0º estão, respectivamente, no o e o quadrantes. sen 0º e sen 0º são negativos, pois 0º e 0º estão, respectivamente, no o e 4 o quadrantes.. Determine para que valores de k IR eiste tal que sen = k. Solução: Como a imagem da função seno é dada por sen, temos: - k - + k + k 4 k Logo, S = {k IR / k }. Eercícios Propostos. Determine os sinais de sen 40º, sen 40º, sen 40º e sen 40º.. Calcule os valores de k para os quais eiste nas igualdades: a) sen = k c) sen = k b). sen = k - 4 4

35 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICA: GRÁFICO DA FUNÇÃO SENO (y = sen ) Para construir o gráfico da função seno, devemos localizar inicialmente, na circunferência trigonométrica, alguns arcos e determinar o valor do seu seno. Observe: Marcando esses valores no plano, construímos o gráfico da função y = sen. Podemos perceber, pela circunferência trigonométrica e pelo gráfico, que os valores do o quadrante são simétricos aos do o, e os do 4 o são simétricos aos do o. 5

36 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Período da Função Seno Observando o gráfico da função seno, verificamos que o seu comportamento se repete nos intervalos 0 ( a volta), 4 ( a volta) e assim por diante. Dessa forma, dizemos que a função seno é periódica do período igual a. p (sen ) = π Eercício Resolvido Construa o gráfico f() sen, 0 4, determinando o seu período e a sua imagem. Solução: sen p = 4 Im = [-, ] 6

37 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Eercício Proposto Construa o gráfico, determine o período e a imagem de cada função para IR. a) y sen c) y = sen e) y = sen b) y = sen 4 d) y =. sen f) y = -. sen FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICA: COSSENO DE UM ARCO Associando cada número real a um arco de circunferência trigonométrica, com origem no ponto A (,0) e etremidade em um ponto P tal que m ( A P ) = rad, podemos dizer que o cosseno do arco é a abscissa OP do ponto P. Função Cosseno Chamamos de função cosseno a função f: IR IR que, a cada número real, associa o cosseno desse número: f: IR IR, f() = cos O domínio de f é IR e a imagem é Im = [-, ], uma vez que na circunferência trigonométrica o raio é unitário e, pela definição de cosseno; - cos, ou seja: D (cos ) = IR Im (cos ) = [-, ] 7

38 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Sinal da Função Como cos é a abscissa do ponto-etremidade do arco: f() cos é positiva no o e 4 o quadrantes (abscissa positiva) f() = cos é negativa no o e o quadrantes (abscissa negativa) Eercícios Resolvidos. Calcule os valores de cos 0, cos, cos, cos e cos. Solução Os valores dos cossenos dos números 0, respectivamente, às abscissas dos pontos A, B, C, D, e A:,, e correspondem,. Determine os sinais de cos 0º, cos 0º, cos 00º e cos 900º. Solução: Como o cosseno de um ângulo é a abscissa do ponto-etremidade do arco, os ângulos do º e 4º quadrantes são positivos e os º e º quadrantes, negativos. Assim: cos 0º e cos 00º são positivos, porque 0º e00º estão, respectivamente, no o e 4 o quadrantes. cos 0º e cos 0º são negativos, porque 0º e 0º estão, respectivamente, no o e o quadrantes. 8

39 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Como o ângulo de 900º ultrapassa uma volta, calculemos sua a determinação positiva: 900º 60º 80º voltas a determinação positiva 0 80º < 60º Sendo 900º e 80º arcos côngruos, temos cos 900º = cos 80º = -. Para que valores de k IR eiste IR tal que cos = 5K? Solução: Como a imagem da função cosseno é dada por cos, temos: 4-5k - + 5k + 5k 4 k 5 5 Logo: S = 4 k IR / k 5 5 Eercícios Propostos. Calcule os valores de k para os quais eiste nas igualdades: a) cos = 4k 7 b) cos = 4 k. Determine os sinais de cos 0º, cos 80º, cos 0º, cos 00º e cos 00º.. Calcule o valor de cos + cos + cos. 4. Sendo = 7, calcule o valor de sen 7 + cos 4. 9

40 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel / Calcule o valor de y = π sen π.sen 0.sen π cos.sen cos 4 FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS : GRÁFICO DA FUNÇÃO COSSENO (y = cos ) Para construir o gráfico da função cosseno, devemos localizar inicialmente, na circunferência trigonométrica, alguns arcos e determinar o valor do seu cosseno. Observe: Marcando esses valores no plano, construímos o gráfico da função y = cos. Podemos perceber que os valores do o quadrante são simétricos em relação aos 4 o, e os do o são simétricos aos o. 40

41 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Período da Função Cosseno Observando o gráfico da função cosseno, verificamos que o seu comportamento se repete nos intervalos 0 ( a volta), 4 ( a volta) e assim por diante. Dessa forma, dizemos que a função cosseno é periódica de período igual a. p (cos ) = Eercício Resolvido Construa o gráfico f() = cos, 0, determinado a imagem e o período da função. Solução: cos p = Im = [-, ] 4

42 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Observação: Sendo a e c números reais e b e m números reais não-nulos, as funções f() = a + b. sen (m + c) e g () = a + b. cos (m + c) têm período p = m Eemplo: y = sen 4 p = m Como m = 4, logo, p = 4 p =. y = 0. cos p = m Como m =, logo, p = = p =. Eercícios Proposto Construa o gráfico de cada uma das funções, determinando o período e a imagem. a) f() = cos para 0 4 b) f() = + cos para 0 c) f(). cos para 0 d) f () = - cos para 0 FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICA: TANGENTE DE UM ARCO Considere a circunferência trigonométrica e uma reta t paralela ao eio y traçada pelo ponto A. A essa reta, com a mesma orientação do eio y, damos o nome de eio das tangentes. Traçando-se uma reta que passe pelo centro O e por um ponto P qualquer da circunferência trigonométrica, essa reta OP interceptará o eio das tangentes num ponto T, determinando em t o segmento orientado AT. Assim, tangente do arco A P é a medida algébrica do segmento orientado AT : tg A P = AT 4

43 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Se associarmos ao arco que tg = AT: A P um número real tal que m ( A P ) = rad, podemos dizer Do eposto, concluímos que: Se m( A P ) =, a reta OP será paralela à reta t. Logo, não eiste tg Se m( A P ) =, a reta OP será paralela à reta t. Logo, não eiste tg Generalizando, dizemos que não eiste tg k, k Z. Relação entre Tangente, Seno e Cosseno de um Arco Trigonométrico Observe a figura a seguir: 4

44 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 O triângulo OMP é semelhante ao triângulo OAT; assim, podemos escrever: OM OA MP AT Como OM = cos, MP = OP = sen, AT = tg e OA = (raio unitário): cos sen tg tg sen cos para todo IR, π + k, k Z Eercício Resolvido Complete a tabela determinando os valores que faltam com aproimação de 0,00. (Sugestão: usar calculadora.) Solução: Ângulo (graus) 5º 0º 85º Seno 0,59 0,500 Cosseno 0,966 0,087 Tangente 0,577,40 sen 5º 0,59 tg 5º = 0,68, logo tg 5º = 0,68 cos5º 0,966 tg 0º = 0,866 sen 0º 0,500 0,500 0,577 cos0º, logo cos 0º = cos 0º cos 0º 0,577 sen 85º sen 85º tg 85º =,40 sen 85º =,40. 0,087, logo sen 85º cos 85º 0,087 = 0,996 Eercício Proposto Complete a tabela abaio com aproimação de 0,00 Ângulo (graus) 0º 0º 0º 45º 55º 60º Seno 0,74 0,4 0,500 0,866 Cosseno 0,985 0,866 0,707 0,574 Tangente 0,64,000,4,7 44

45 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICA : FUNÇÃO TANGENTE Chamamos de função tangente a função f definida de E = em IR que a cada número E associa a tangente desse número: Dessa forma: D(f) = IR / π f() = tg kπ, k Z π IR / kπ, k Z Observe a circunferência trigonométrica a seguir: Note que, no o e o quadrantes, a função tg varia de 0 até, no o e 4 o quadrantes, de até 0. Assim: Im (tg ) = (-, + ) = IR Sinal da Função Tangente Vamos estudar o sinal de f() = tg considerando alguns eemplo: a) ponto P no o quadrante c) ponto P no o quadrante b) ponto P no o quadrante d) ponto P no 4 o quadrante Resumidamente, a variação do sinal da função y = tg é: 45

46 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Eercício Resolvido. Determine o sinal de: a)tg 50º b) tg 90 o 5 c) tg Solução: Observando as figuras abaio, temos: π. Determine o domínio da função y = tg Solução: π y = tg k + + k k Logo: D = IR / kπ, k Z 46

47 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 Eercício Proposto. Determine o sinal de: a) tg 60 b) tg 50 c) tg 4 d) tg 50. Determine o domínio das funções: a) y = tg b) y = tg c) f() = tg FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS: GRÁFICO DA FUNÇÃO TANGENTE seguintes Com base na relações trigonométricas nos triângulos retângulos, podemos obter os π tg tg = tg = 6 4 A partir deles, podemos determinar outros, por simetria na circunferência trigonométrica: Assim, para valores de tal que 0, temos: 47

48 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 tg Período da Função tangente Analisando o gráfico anterior, observamos que o comportamento da função f() = tg no o e o quadrantes é o mesmo que no o e 4 o quadrantes. Ou seja, tg = tg ( + ) tg ( + ) =... = tg ( + k ), k Z. Logo, a função é periódica, pois seus valores se repetem a cada meia volta, de em, e na mesma ordem. Portanto, o período p é: p (tg ) = π função. Eercício Resolvido Construa o gráfico de f() = tg, 0 4, determinando a imagem e o período da 48

49 Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel /4-98 tg A função y = tg se comporta do mesmo modo de em rad. Assim: p tg = Im tg = IR De modo geral, as funções da forma y = tg m, m IR *, têm período p = m π. Assim, para f() = tg, por eemplo, temos: m = p tg = =. = Eercício Propostos. Construa o gráfico e dê o período de cada uma das funções, para 0. a) y = tg b) y = tg. Sendo tg 0 =, calcule os valores de: a) tg 50 b) tg. 0 49

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1 Prof. William Mascia Resende Engenharia Elétrica ITAJUBÁ 2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ Curso: Engenharia

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Matemática Aplicada II

Matemática Aplicada II Matemática Aplicada II 010G Cópia não autorizada. Reservados todos os MATEMÁTICA direitos APLICADA autorais. II 5E Editora Aline Palhares Desenvolvimento de conteúdo, mediação pedagógica e design gráfico

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Planificação 2015/2016

Planificação 2015/2016 Planificação 2015/2016 ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA A 11º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS GEOMETRIA NO PLANO E NO ESPAÇO II 1-Resolução de Problemas Envolvendo

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

Acadêmico: Projeto de Ensino: Curso de Matemática Básica

Acadêmico: Projeto de Ensino: Curso de Matemática Básica O gênio é composto por % de talento e de 8% de perseverante aplicação (Ludwing Van Beethoven) Acadêmico: Projeto de Ensino: Curso de Matemática Básica SUMÁRIO NÚMEROS E OPERAÇÕES Introdução Conjunto dos

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Apontamentos: Curso de Conhecimentos Básicos de Matemática Cursos do Departamento de Gestão Maria Cristina

Leia mais

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2 MATEMÁTICA 1 Um tapete deve ser bordado sobre uma tela de m por m, com as cores marrom, mostarda, verde e laranja, da seguinte forma: o padrão quadrado de 18 cm por 18 cm, mostrado abaio, será repetido

Leia mais

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 TRIGONOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO Considere um triângulo ABC, retângulo em  ( = 90 ), onde a é a medida da hipotenusa, b e c, são as medidas dos catetos e a, β são os ângulos

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

4 Mudança de Coordenadas

4 Mudança de Coordenadas Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Última atualização: 14 de outubro de 006 4 Mudança de Coordenadas Translação e Rotação de Curvas no R² Introdução O enfoque dos 3 primeiros capítulos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

É usual representar uma função f de uma variável real a valores reais e com domínio A, simplesmente por y=f(x), x A

É usual representar uma função f de uma variável real a valores reais e com domínio A, simplesmente por y=f(x), x A 4. Função O objeto fundamental do cálculo são as funções. Assim, num curso de Pré-Cálculo é importante estudar as idéias básicas concernentes às funções e seus gráficos, bem como as formas de combiná-los

Leia mais

(Exames Nacionais 2000)

(Exames Nacionais 2000) (Eames Nacionais 000) 1.a) Seja [ABC] um triângulo O ângulo, assinalado na figura, tem o seu vértice no centro isósceles em que BA = BC. Seja α da Terra; o seu lado origem passa no perigeu, o seu lado

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

Geometria Analítica Plana.

Geometria Analítica Plana. Geometria Analítica Plana. Resumo teórico e eercícios. 3º Colegial / Curso Etensivo. Autor - Lucas Octavio de Souza (Jeca) Estudo de Geometria Analítica Plana. Considerações gerais. Este estudo de Geometria

Leia mais

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase NIVELAMENTO 00/ MATEMÁTICA BÁSICA Núcleo Básico da Primeira Fase Instituto Superior Tupy Nivelamento de Matemática Básica ÍNDICE. Regras dos Sinais.... Operações com frações.... Adição e Subtração....

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

TRABALHO ELABORADO PELA PROFESSORA MÁRCIA OLIVEIRA DA SILVA GONÇALVES

TRABALHO ELABORADO PELA PROFESSORA MÁRCIA OLIVEIRA DA SILVA GONÇALVES TRABALHO ELABORADO PELA PROFESSORA MÁRCIA OLIVEIRA DA SILVA GONÇALVES RESGATE DE CONTEÚDOS DO 6º AO 9º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E CONTEÚDOS DO º ANO DO ENSINO MÉDIO ÍNDICE CONJUNTOS -----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS GRUPO Educação adistância Caderno de Estudos EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Prof. Ruy Piehowiak Editora UNIASSELVI 2012 NEAD Copyright Editora UNIASSELVI 2012 Elaboração: Prof. Ruy Piehowiak Revisão, Diagramação

Leia mais

3. Trace os gráficos das retas de equação 4x + 5y = 13 e 3x + y = -4 e determine seu ponto de intersecção.

3. Trace os gráficos das retas de equação 4x + 5y = 13 e 3x + y = -4 e determine seu ponto de intersecção. Assunto: Função MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 67-000 - VIÇOSA - MG BRASIL a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 0 0/0/0. a) O que é uma unção? Dê um eemplo. b) O que é domínio

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº10 Prof. Daniel Szente Assunto: Função exponencial e logarítmica 1. Potenciação e suas propriedades Definição: Potenciação é a operação

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru

Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru Dado um ponto P do plano, utilizando coordenadas cartesianas (retangulares), descrevemos sua localização no plano escrevendo P

Leia mais

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário.

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. 10. NÚMEROS COMPLEXOS 10.1 INTRODUÇÃO Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. O número a é denominado parte real do número complexo

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência:

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: FUNÇÃO DO 1º GRAU Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: Correspondência: é qualquer conjunto de pares ordenados onde o primeiro elemento pertence ao primeiro

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

3 0 SÉRIE EM. APOSTILA de MATEMÁTICA BÁSICA para FÍSICA

3 0 SÉRIE EM. APOSTILA de MATEMÁTICA BÁSICA para FÍSICA 0 SÉRIE EM APOSTILA de MATEMÁTICA BÁSICA para FÍSICA MATEMÁTICA BÁSICA Professor Afonso Oliveira (www.afonsofisica.wordpress.com) ALUNO: N o : ÍNDICE GERAL I. Conjuntos numéricos; II. As quatro operações

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Exercícios de exames e testes intermédios 1. Em C, conjunto dos números complexos, considere z = + i19 cis θ Determine os valores de θ pertencentes

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos.

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos. Resolução das atividades comlementares Matemática M Trigonometria no ciclo. 7 Eresse: a) em radianos c) em radianos e) rad em graus rad rad b) 0 em radianos d) rad em graus f) rad 0 rad em graus a) 80

Leia mais

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1 APOSTILA 015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 015 1 Sumário 1.Conjuntos...5 1.1 Representação de conjuntos...5 1. Operações com conjuntos...6 1. Propriedades

Leia mais

Onde usar os conhecimentos os sobre função?

Onde usar os conhecimentos os sobre função? II FUNÇÃO E LOGARITMO Por que aprender função?... As funções exponenciais e logarítmicas estão presentes no estudo de fenômenos que envolvem taxas de crescimento e de decrescimento. Onde usar os conhecimentos

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM.

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM. O ALGEBRISTA Autor: Laércio Vasconcelos www.laercio.com.br Livro de ÁLGEBRA do ensino fundamental (6º ao 9º ano) Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo

Leia mais

Conceitos Básicos Mariana Dias Júlia Justino Novembro 2010

Conceitos Básicos Mariana Dias Júlia Justino Novembro 2010 Conceitos Básicos Mariana Dias Júlia Justino Novembro Conteúdo Cálculo Algébrico. Conjuntos de Números..... Conjuntodosnúmerosnaturais..... Conjuntodosnúmerosinteiros..... Conjuntodosnúmerosracionaisoufraccionários.....

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 No caso específico

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

Universidade Federal Fluminense ICEx Volta Redonda Introdução a Matemática Superior Professora: Marina Sequeiros

Universidade Federal Fluminense ICEx Volta Redonda Introdução a Matemática Superior Professora: Marina Sequeiros . Conjuntos numéricos Objetivo: aprender sobre conjuntos numéricos, suas operações e propriedades..1 Conjunto dos números naturais (IN) O conjunto dos números naturais é representado por IN e IΝ{0;1;;;...}.

Leia mais

MATEMÁTICA TIPO A GABARITO: VFFVF. Solução: é a parábola com foco no ponto (0, 3) e reta diretriz y = -3.

MATEMÁTICA TIPO A GABARITO: VFFVF. Solução: é a parábola com foco no ponto (0, 3) e reta diretriz y = -3. 1 MATEMÁTICA TIPO A 01. Seja o conjunto de pontos do plano cartesiano, cuja distância ao ponto é igual à distância da reta com equação. Analise as afirmações a seguir. 0-0) é a parábola com foco no ponto

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

3)Seno de alguns arcos importantes

3)Seno de alguns arcos importantes Aula 4-A -Funções trigonométricas no ciclo trigonométrico ) Função seno (definição) )Gráfico da função seno )Seno de alguns arcos imortantes 4) Equações e inequações 5) Resolução de exercícios ) Função

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Conteúdos do 7º ano Conteúdos do 8º ano Conteúdos do 8º Ano Teorema de Pitágoras Funções Semelhança de triângulos Ainda os números Lugares geométricos

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA FUNÇÃO DO 1º GRAU PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU DEFINIÇÃO Chama-se função do 1. grau toda função definida de por f() = a b com a, b e a 0.

Leia mais

Coordenadas Polares. Prof. Márcio Nascimento. marcio@matematicauva.org

Coordenadas Polares. Prof. Márcio Nascimento. marcio@matematicauva.org Coordenadas Polares Prof. Márcio Nascimento marcio@matematicauva.org Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina: Matemática

Leia mais

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Tema 1: Números naturais. Potências de expoente

Leia mais

Triângulo Retângulo. Exemplo: O ângulo do vértice em. é a hipotenusa. Os lados e são os catetos. O lado é oposto ao ângulo, e é adjacente ao ângulo.

Triângulo Retângulo. Exemplo: O ângulo do vértice em. é a hipotenusa. Os lados e são os catetos. O lado é oposto ao ângulo, e é adjacente ao ângulo. Triângulo Retângulo São triângulos nos quais algum dos ângulos internos é reto. O maior dos lados de um triângulo retângulo é oposto ao vértice onde se encontra o ângulo reto e á chamado de hipotenusa.

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Trigonometria na circunferência

Trigonometria na circunferência Módulo 2 Unidade 10 Trigonometria na circunferência Para início de conversa... Figura 1: Reportagem do jornal O Globo da década de 1990 mostra o relógio da Central do Brasil, no Rio de Janeiro, sendo limpo

Leia mais

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos Capítulo 4 Funções de duas variáveis 4.1 Funções de varias variáveis - Definição e eemplos Definição 1: Chamamos de função real com n variáveis a uma função do tipo f : D R com D R n = R R. Ou seja, uma

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual do 12º Ano Matemática A Ano letivo 2015 /2016 1º Período 2º Período 3º Período Nº DE BLOCOS PREVISTOS 39 32 24 Apresentação 0,5 1º Período 2º Período

Leia mais

MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015

MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015 GRUPO DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015 (Em conformidade com o Programa de Matemática homologado em 17 de junho de 2013 e com as de Matemática homologadas em 3

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Planificação 7º ano 2012/2013 Página 1 DOMÍNIO TEMÁTICO: NÚMEROS

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de MATEMÁTICA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de MATEMÁTICA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2}

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2} Sistemas de Informação e Tecnologia em Proc. de Dados Matemática Ms. Carlos Roberto da Silva/ Ms. Lourival Pereira Martins FUNÇÃO Definição: Dados dois conjuntos e define-se como função de em a toda relação

Leia mais

MATEMÁTICA - 1 o ANO MÓDULO 42 TRIGONOMETRIA: CÍRCULOS E LINHAS TRIGONOMÉTRICAS

MATEMÁTICA - 1 o ANO MÓDULO 42 TRIGONOMETRIA: CÍRCULOS E LINHAS TRIGONOMÉTRICAS MATEMÁTICA - 1 o ANO MÓDULO 42 TRIGONOMETRIA: CÍRCULOS E LINHAS TRIGONOMÉTRICAS O R I y 90º 180º II Q I Q + 0º/360º III Q IV Q - 270º 1290º 210 360º 3 Como pode cair no enem (ENEM) As cidades de Quito

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

TRIGONOMETRIA. Matemática II. 1 a Série do Ensino Médio 1 o Semestre Prof. Sérgio Tambellini. Aluno:... Turma:...

TRIGONOMETRIA. Matemática II. 1 a Série do Ensino Médio 1 o Semestre Prof. Sérgio Tambellini. Aluno:... Turma:... TRIGONOMETRIA Matemática II a Série do Ensino Médio o Semestre Prof. Sérgio Tambellini Aluno:... Turma:... Matemática II Prof. Sérgio Tambellini AULA Radiciação Tópicos da aula Definição de raiz Potência

Leia mais

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29 MATEMÁTICA 3 17. Uma ponte deve ser construída sobre um rio, unindo os pontos A e, como ilustrado na figura abaixo. Para calcular o comprimento A, escolhe-se um ponto C, na mesma margem em que está, e

Leia mais

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL 18 2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL como segue: Dado R, definimos o módulo (ou valor absoluto) de, e indicamos por,, se 0 =, se < 0. Interpretação Geométrica O valor absoluto de um número é, na reta, a distância

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

2.1 Vetores e Escalares

2.1 Vetores e Escalares CAPÍTULO 17.1 Vetores e Escalares Uma partícula movendo-se ao longo de uma linha reta pode se deslocar em apenas dois sentidos. Podemos arbitrar o seu movimento como positivo em um destes sentidos e negativo

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau Resolução das atividades complementares Matemática M5 Função polinomial do o grau p. 8 O perímetro p de um quadrado é função linear de seu lado. Qual a sentença que define essa função? p 5 O perímetro

Leia mais

A trigonometria do triângulo retângulo

A trigonometria do triângulo retângulo A UA UL LA A trigonometria do triângulo retângulo Introdução Hoje vamos voltar a estudar os triângulos retângulos. Você já sabe que triângulo retângulo é qualquer triângulo que possua um ângulo reto e

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA II 1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Circunferência é o conjunto de pontos que está a uma mesma distância (chamaremos essa distância de raio) de um ponto fixo (chamaremos

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

MATEMÁTICA BÁSICA (MA0002)

MATEMÁTICA BÁSICA (MA0002) MATEMÁTICA BÁSICA (MA000) Adriano Pedreira Cattai http://cattai.mat.br/uneb UNEB Universidade do Estado da Bahia DCET Departamento de Ciências Eatas e da Terra Licenciatura em Química Semestre 010.1 UNEB

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Números e funções Guia do professor Experimento Otimização da cerca Objetivos da unidade 1. Resolver um problema de otimização através do estudo de uma função quadrática. 2. Estudar as propriedades de

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL UNIFICADA CAMPOGRANDENSE (FEUC) FACULDADES INTEGRADAS CAMPO-GRANDENSES (FIC) COORDENAÇÃO DE MATEMÁTICA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL UNIFICADA CAMPOGRANDENSE (FEUC) FACULDADES INTEGRADAS CAMPO-GRANDENSES (FIC) COORDENAÇÃO DE MATEMÁTICA E N A D E 005 LICENCIATURA MATEMÁTICA QUESTÕES RESOLVIDAS I N T R O D U Ç Ã O Estamos apresentando a prova do ENADE aplicada em 005 para os cursos de Licenciatura em Matemática. Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA LISTA BÁSICA Professor: ARGENTINO FÉRIAS: O ANO DATA: 0 / 06 / 0 MATEMÁTICA 6 0 6 +, + 4 é:. O valor de ( ) ( ) ( ) a) b) c) 7 d) 9 e). Considere a epressão numérica a) 9 b) 0 c) 8,00 d) 69 e) 9,00000

Leia mais

Revisão Extra UECE. 1. (Espcex- 2013) A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P(x) do 4º grau no intervalo 0,5. 1 0 no intervalo 0,5 é

Revisão Extra UECE. 1. (Espcex- 2013) A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P(x) do 4º grau no intervalo 0,5. 1 0 no intervalo 0,5 é 1. (Espce- 01) A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P() do º grau no intervalo 0,5. O número de raízes reais da equação a) 0 b) 1 c) d) e) P 1 0 no intervalo 0,5 é. (Ufrn 01) Considere,

Leia mais

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV FGV Economia 1 a Fase /nov/014 MATEMÁTICA 01. Observe o diagrama com 5 organizações intergovernamentais de integração sul-americana: Dos 1 países que compõem esse diagrama,

Leia mais

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 010 Prova de Matemática Vestibular ª Fase Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Í N D I C E Introdução Função Constante... 01 Função Linear... 02

Í N D I C E Introdução Função Constante... 01 Função Linear... 02 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL Conhecendo a teoria III Curso: Pós-graduação / MBA Campus Virtual Cruzeiro do Sul - 009 Professor Responsável: Carlos Henrique de Jesus Costa Professores Conteudistas: Carlos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Critérios de Avaliação Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Números e Operações Números naturais Utilizar corretamente os numerais ordinais

Leia mais

AULA DE REPOSIÇÃO 001 / 3º ANO

AULA DE REPOSIÇÃO 001 / 3º ANO UL DE REPOSIÇÃO 00 / 3º NO Introdução Inicialmente, para a primeira aula, será feita uma retomada de todo o assunto já estudado, uma vez que não é nada fácil simplesmente retomar o conteúdo sem que sejam

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES Números naturais Conhecer os numerais ordinais Utilizar corretamente os numerais ordinais até centésimo. Contar até um milhão Estender as regras

Leia mais

PROVAS DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR-2012 DA MACKENZIE RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. 14/12/2011

PROVAS DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR-2012 DA MACKENZIE RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. 14/12/2011 PROVAS DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR-0 DA MACKENZIE Profa. Maria Antônia Gouveia. //0 QUESTÃO N o 9 Turma N o de alunos Média das notas obtidas A 0,0 B 0,0 C 0,0 D 0,0 A tabela acima refere-se a uma prova

Leia mais

FÍSICA. Exatas/Tarde Física e Matemática Prova A Página 1

FÍSICA. Exatas/Tarde Física e Matemática Prova A Página 1 FÍSICA 01 - A figura a seguir representa um eletroímã e um pêndulo, cuja massa presa à extremidade é um pequeno imã. Ao fechar a chave C, é correto afirmar que C N S (001) o imã do pêndulo será repelido

Leia mais